SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 111
Baixar para ler offline
CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE EM ESPAÇO CONFINADO
NORMA REGULAMENTADORA - NR 33
Espaço Confinado
Definição:
Espaço Confinado é qualquer área ou
ambiente não projetado para ocupação
humana contínua, que possua meios
limitados de entrada e saída, cuja ventilação
existente é insuficiente para remover
contaminantes ou onde possa existir a
deficiência ou enriquecimento de oxigênio.
Fonte: NR-33
LEGISLAÇÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO – NR 33 – ESPAÇO CONFINADO
Outras Definições (Normas):
Espaço confinado é qualquer área não
projetada para ocupação contínua, à qual tem
meios limitados de entrada e saída, e na qual
a ventilação existente é insuficiente para
remover contaminantes perigosos e/ou
deficiência/enriquecimento de oxigênio que
podem existir ou se desenvolverem.
Fonte: NBR 14787:2001 da ABNT
LEGISLAÇÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO – ABNT – ESPAÇO CONFINADO
1.
2.
Grande o suficiente e configurado de tal forma
para o trabalhador entrar e realizar seu trabalho;
Não foi projetado para ocupação humana
contínua;
3.
4.
Tem meios de acesso restritos, entrada/saída;
Possui uma configuração interna capaz de
causar claustrofobia ou asfixia;
5. Contém ou pode vir a conter riscos atmosféricos
e;
6. Possui agentes contaminantes agressivos á
saúde e á segurança.
Fonte: OSHA (Occupational Safety and Health Administration)
LEGISLAÇÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO – OSHA – ESPAÇO CONFINADO
A NIOSH divide em três categorias os
espaços confinados
• Espaço confinado Classe “A” – Espaço que
possui atmosfera IPVS (Imediatamente
Perigosa à Vida e a Saúde). Estas
atmosferas IPVS incluem: atmosferas com
deficiência de oxigênio, inflamabilidade
e/ou explosividade, e/ou concentrações
de substâncias tóxicas.
LEGISLAÇÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO – NIOSH – ESPAÇO CONFINADO
• Espaço confinado Classe “B” -
espaço que possui potencial para
causar ferimentos ou doenças, onde
se não forem tomadas medidas
preventivas, formarão atmosferas
imediatamente perigosas a vida e a
saúde.
LEGISLAÇÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO – NIOSH – ESPAÇO CONFINADO
• Espaço confinado Classe “C” – espaço
com potencial de risco que não exige
nenhum procedimento especial para
trabalho.
LEGISLAÇÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO – NIOSH – ESPAÇO CONFINADO
Quem Regulamenta
•Ministério do Trabalho e Emprego
Normas Reguladoras (NR 33).
• ABNT
(NBR 14.787)
•OSHA
Occupational Safety and Health Administration
• ANSI
American National Standards Institute;
• NIOSH
National Institute for Occupational Safety and Health;
• NFPA
National Fire Protection Association;
LEGISLAÇÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO – ESPAÇO CONFINADO
Aspectos dos EspaçosConfinados:
Enclausurado ou parcialmente
enclausurado;
Não é feito para ocupação humana contínua;
IDENTIFICAÇÃO DE ESPAÇO CONFINADOS
Tem entradas e saídas restritas ou limitadas;
Contém ou pode vir a conter riscos (Inclusive atmosférico).
IDENTIFICAÇÃO DE ESPAÇO CONFINADOS
Exemplos de Espaços Confinados • Asas de Avião;
• Bueiros;
• Caldeiras;
• Cisternas;
• Covas;
• Digestores;
• Dutos;
• Fornos;
• Misturadores;
• Porões;
• Reatores;
• Sistema de Esgoto;
• Silos;
• Tanques
• Tubulações;
• Túneis;
• Trincheiras;
• Vasos.
IDENTIFICAÇÃO DE ESPAÇO CONFINADOS
Locais onde geralmente encontramos espaços confinados:
• Indústria de Papel e Celulose;
• Indústria de Gráfica;
• Indústria Alimentícia;
• Indústria da Borracha;
• Indústria de Roupas (matéria prima couro e têxtil);
• Indústria Naval;
• Indústria Químicas;
• Indústria Petroquímicas;
• Serviços:
• Limpezas de Caixa de água;
• Caminhões de Lixo;
• Dedetização;
• Operações Navais
IDENTIFICAÇÃO DE ESPAÇO CONFINADOS
Gestão de segurança e saúde nos
trabalhos em espaços confinados:
A gestão de segurança e saúde deve
ser planejada, programada,
implementada e avaliada, incluindo
medidas técnicas de prevenção, medidas
administrativas e medidas pessoais e
capacitação para trabalho em espaços
confinados.
CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
Medidas técnicas de prevenção:  Identificar, isolar e sinalizar os
espaços confinados para evitar a
entrada de pessoas não autorizadas;
CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
 Antecipar e reconhecer os riscos nos
espaços confinados;
 Proceder à avaliação e controle dosriscos
físicos, químicos, biológicos, ergonômicos e
mecânicos;
 Prever a implantação de travas, bloqueios,
alívio, lacre e etiquetagem;
 Implementar medidas necessárias para
eliminação ou controle dos riscos
atmosféricos em espaços confinados;
Medidas técnicas de prevenção:
CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
Medidas técnicas de prevenção:
Avaliar a atmosfera nos espaços
confinados, antes da entrada de
trabalhadores, para verificar se o seu
interior é seguro;
Manter condições atmosféricas
aceitáveis na entrada e durante toda a
realização dos trabalhos, monitorando,
ventilando, purgando, lavando ou
inertizando o espaço confinado;
CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
Medidas técnicas de prevenção: Monitorar continuamente a atmosfera nos espaços
confinados nas áreas onde os trabalhadores autorizados
estiverem desempenhando as suas tarefas, para
verificar se as condições de acesso e permanência são
seguras;
Proibir a ventilação com oxigênio puro;
Testar os equipamentos de medição antes de cada
utilização; e
Utilizar equipamento de leitura direta,
intrinsecamente seguro, provido de alarme, calibrado e
protegido contra emissões eletromagnéticas ou
interferências de radiofreqüência.
CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
Os equipamentos fixos e portáteis, inclusive
os de comunicação e de movimentação
vertical e horizontal, devem ser adequados
aos riscos dos espaços confinados;
Em áreas classificadas os equipamentos
devem estar certificados ou possuir
documento contemplado no âmbito do
Sistema Brasileiro da
Conformidade
de Avaliação
- INMETRO.
CRITÉRIOS DE INDICAÇÃO E USO DE EQUIPAMENTOS PARA CONTROLE DE RISCOS
As avaliações atmosféricas iniciais devem ser
realizadas fora do espaço confinado.
Adotar medidas para eliminar ou controlar os
riscos de incêndio ou explosão em trabalhos a
quente, tais como solda, aquecimento,
esmerilhamento, corte ou outros que liberem
chama aberta, faíscas ou calor.
ÁREAS CLASSIFICADAS
 Adotar medidas para eliminar ou controlar
os riscos de inundação, soterramento,
engolfamento, incêndio, choques elétricos,
eletricidade estática, queimaduras, quedas,
escorregamentos, impactos, esmagamentos,
amputações e outros que possam afetar a
segurança e saúde dos trabalhadores
ÁREAS CLASSIFICADAS
Medidas Pessoais
Todo trabalhador designado para
trabalhos em espaços confinados deve
ser submetido a exames médicos
específicos para a função que irá
desempenhar, conforme estabelecem as
NRs 07 e 31, incluindo os fatores de
riscos psicossociais com a emissão do
respectivo Atestado de Saúde
Ocupacional - ASO.
CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
Capacitar todos os trabalhadores
envolvidos, direta ou indiretamente com
os espaços confinados, sobre seus
direitos, deveres, riscos e medidas de
controle.
Medidas Pessoais
CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
Medidas Pessoais
O número de trabalhadores envolvidos
na execução dos trabalhos em espaços
confinados deve ser determinado
conforme a análise de risco
É vedada a realização de qualquer
trabalho em espaços confinados de forma
individual ou isolada.
CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
Medidas Pessoais
Vigia não poderá realizar outras tarefas que
possam comprometer o dever principal que é
o de monitorar e proteger os trabalhadores
autorizados;
Cabe ao empregador fornecer e garantir
que todos os trabalhadores que adentrarem
em espaços confinados disponham de todos
os equipamentos para controle de riscos,
previstos na Permissão de Entrada e Trabalho.
CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
Em caso de existência de Atmosfera
Imediatamente Perigosa à Vida ou à
Saúde - Atmosfera IPVS -, o espaço
confinado somente pode ser adentrado
com a utilização de máscara autônoma
de demanda com pressão positiva ou
com respirador de linha de ar
comprimido com cilindro auxiliar para
escape.
Medidas Pessoais
CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
Capacitação para trabalhos em espaços
confinados:
É vedada a designação para trabalhos em
espaços confinados sem a prévia capacitação
do trabalhador.
CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
O empregador deve desenvolver e implantar programas de
capacitação sempre que ocorrer qualquer das seguintes situações:
a) mudança nos procedimentos, condições ou
operações de trabalho;
b) algum evento que indique a necessidade de
novo treinamento; e
c) quando houver uma razão para acreditar que
existam desvios na utilização ou nos procedimentos
de entrada nos espaços confinados ou que os
conhecimentos não sejam adequados.
Todos os trabalhadores autorizados e
Vigias devem receber capacitação
periodicamente, a cada doze meses.
CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
Permissão de Entrada:
 É o documento que certifica que todas
os riscos
avaliados
do Espaço Confinado foram
e todas as precauções de
controle foram tomadas para cada risco
identificado:
 isolamento;
 teste atmosférico;
 ventilação;
 pessoal habilitado, etc....
CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
O Supervisor de Entrada ou profissional
qualificado, deve emitir a Permissão de Entrada
e Trabalho antes do início das atividades;
A Permissão de Entrada e Trabalho é válida
somente para cada entrada;
A permissão completa pode então ser usada
para informar os participantes de riscos em
potencial dentro do espaço confinado,
colocando-se um aviso na entrada do espaço
Permissão de Entrada:
CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
Avaliação da Atmosfera:
* Avaliar a atmosfera para identificar possíveis situações
de risco a saúde, tais como:
Risco de morte;
Debilidade;
Incapacidade;
Doenças; e
Lesões
Causas:
 Deficiência de oxigênio;
 Enriquecimento de oxigênio;
 Gases/ Vapor/ Poeira ou Névoa inflamável;
 Gases Tóxicos.
PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA
Avaliação da Atmosfera: Mesmo após uma boa avaliação algumas
atividades podem agravar riscos atmofosféricos
em espaços confinados
 Trabalhos (principalmente em tanques):
 Limpeza;
 Purga;
 Lavagem ;
GASES COMBUSTÍVEIS SÃO LIBERADOS DAS SUPERFÍCIES SOB AS
ENCRUSTAÇÕES ORGÂNICAS, SÃO LIBERADOS DOS PONTOS BAIXOS OU
ALTOS, DAS FLANGES E DEMAIS CONEXÕES OU VÁLVULAS
GASES TÓXICOS LIBERADOS PELOS PRODUTOS DE LIMPEZA OU PELA
REAÇÃO QUÍMICA DOS PRODUTOS E RESIDOS DO LOCAL PODEM SER
LIBERADOS NA ATMOSFERA
PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA
Deficiência de oxigênio
 Atmosferas com concentração
abaixo de 19,5% de Oxigênio são
consideradas deficiente.
Podem provocar:
 Falta de coordenação;
 Fadiga;
 Confusão Mental;
 Agitação;
 Vômito;
 Cianose
 Inconsciência e morte
Avaliação da Atmosfera:
PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA
Faixa Normal - De 19,5 a 23 % em Volume
Descoordenação – De 15 a 19 % em Volume
Respiração acelerada – De 12 a 15 % em Volume
Náusea – De 10 a 12 % em Volume
Inconsciência – De 8 a 10% em Volume
Morte após 8 minutos – De 6 a 8 % em Volume
Coma em 40 segundos –De 4 a 6 % em Volume
Deficiência de oxigênio
Avaliação da Atmosfera:
PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA
e da
Trabalhos que podem piorar a qualidad
atmosfera:
 Solda;
 Cortes a Quente;
 Tratamento Térmico;
 Funcionamento de motores a Combustão;
A DEFICIÊNCIA DE OXIGÊNIO É CAUSADA PELO
SEU CONSUMO, NAS REAÇÕES DE COMBUSTÃO OU NOS
PROCESSOS DE OXIDAÇÃO, OU AINDA DESLOCADO PELOS
PRODUTOS DE COMBUSTÃO.
Avaliação da Atmosfera:
PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA
Avaliação da Atmosfera:
OS GASES TÓXICOS, COMO O CO, SÃO
PRODUZIDOS PELA INCOMPLETA COMBUSTÃO.
OUTROS GASES PODEM SER PRODUZIDOS
PELO MATERIAL AQUECIDO; CÁDMIO, POR
EXEMPLO, VAPORES DE MERCÚRIO, CHUMBO
E OUTROS METAIS PESADOS.
PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA
Enriquecimento de oxigênio
 Atmosferas com concentração abaixo de
são consideradas
23,5% de Oxigênio
enriquecidas.
Pode provocar:
 Risco de incêndio;
 Queima rápida.
Avaliação da Atmosfera:
PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA
Gases; Vapor; Poeira ou Névoa inflamável
Os gases, vapores, poeiras, ou névoas
inflamáveis podem estar presente como
conteúdo ou resíduo do espaço confinado ou
como resultado de trabalhos, limpeza,
manutenção, etc..
Avaliação da Atmosfera:
PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA
Gás/Vapor ou névoa inflamável em
concentrações superiores a 10% do seu Limite
LIE ou Lower
AR
GÁS
10 % do LIE é o permitido pela OSHA
100%
LIE
Pouco Gás
LSE
Muito Gás
LE
Inferior de Explosividade
Explosive Limit LEL;
100%
0%
0%
Avaliação da Atmosfera:
PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA
Limites de Explosividade para pós:
LIE situa-se entre 20 g/m³ e 60 g/m³
LSE situa-se entre 2 kg/m³ e 6 kg/m³
Poeira inflamável viável em uma concentração que se
encontre ou exceda o Limite Inferior de Explosividade LIE ou
Lower Explosive Limit LEL);
Ventilação / difusão não dilui as nuvens de poeira
Para sua informação:
Esta concentração pode ser estimada pela observação da condição na qual a poeira
obscureça a visão numa distância de 1,5m ou menos.
Avaliação da Atmosfera:
PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA
NR-15 – Limite de tolerância
ACGIH Limite de tolerância
Avaliação da Atmosfera:
Valores de limites de tolerância (TLV (Threshold Limit Values)
Unidades: partes por milhão – ppm
mg/metro cúbico – mg/m3
TLV-TWA – Limite de Exposição para um período de 8 Horas/dia, durante 40horas/semana
STEL – (Short Term Exposure Limit) – Limite de Exposição por Curto Período 15 minutos
adotar o mais restritivo
• Presença de qualquer outro gás tóxico que apresenta condição
atmosférica Imediatamente Perigosa à Vida ou à Saúde –
IPVS ou IDLH – (Immediately Dangerous to Life or Health);
Gases Tóxicos
PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA
Absorvido pelo pulmão até 100 vezes mais rápido que o O2.
Limite de tolerância para 8 horas: 25 ppm
Avaliação da Atmosfera:
Monóxido de Carbono
Características:
Gás inodoro (sem cheiro),
Sem cor,
Sem Gosto
4000 ppm – Morte
2500 ppm – Inconsciência
2000 ppm – Confusão Mental
1000 ppm – Náusea
600 ppm – Forte dor de cabeça
200 ppm – Dor de cabeça
100 ppm – Limite para instantâneo
50 ppm – Limite para 15 minutos
25 ppm – Limite para 8 horas
Limite de Tolerância 39 PPM
Concentração acima da qual poderão ocorrer danos
Gases Tóxicos
PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA
Avaliação da Atmosfera:
 Gás Sulfídrico é
perigoso, pois
especialmente
determinados
limites, nosso
em
olfato não consegue
características do Gás Sulfídrico são:
- Gás com cheiro de ovo podre
- Inibe o olfato após exposição
* Limite de tolerância para 8 horas: 8 ppm
perceber a presença na atmosfera.
700 ppm – Morte em Minutos
500 ppm – Inconsciência, morte – ½ h
200 ppm – Irritações nos olhos e vias respiratórias - hora
100 ppm – Irritações nos olhos e vias respiratórias - hora
50 ppm – Irritações respiratórias
15 ppm – Limite para instantâneo
12 ppm – Limite para 15 minutos
8 ppm – Limite para 8 horas
Gases Tóxicos
Gás Sulfídrico
PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA
Gases Asfixiantes
Avaliação da Atmosfera:
 Gases que ocupam o lugar do
oxigênio na atmosfera.
- Nitrogênio (N2)
- Dióxido de Carbono (CO2)
PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA
Exemplos:
 Metano
 Monóxido de Carbono
 Gás Sulfídrico
 Vapor de Petróleo
0,55
0,97
1,19
3,0
Densidade
A Densidade de um gás é a medição de quanto
ele é pesado em relação ao ar.
A Densidade Relativa do gás ou vapor é dado quando o ar = 1
 Densidade < 1 : Gás mais leve que o ar
 Densidade > 1: Gás mais pesado que o ar
Avaliação da Atmosfera:
PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA
CH3
CO
Ar
CH2
H2S
Gasolina
=0,91
=0,97
=1,00
=1,00
=1,19
=3 a 4
Densidade
Avaliação da Atmosfera:
PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA
Limites de Alarmes
 Os limites dos alarmes do monitor de gases, segundo a norma:
 Gases combustíveis – 10% do L.I.E.
 Oxigênio – 19,5% Vol. E 23% Vol.
 Monóxido de Carbono – Inst. – 200ppm
Stel – 58ppm
Ltel – 25ppm
 Gás Sulfídrico – Inst. – 15ppm
Stel – 12ppm
Ltel – 8ppm
Avaliação da Atmosfera:
PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA
Teste Atmosférico
 O teste atmosférico consiste na monitoração da atmosfera interna do
espaço confinado, antes da entrada com o monitor de gases calibrado
e verificado antes do uso, para as concentrações de:
 Oxigênio
 Gases Combustíveis
 Gases Tóxicos
Avaliação da Atmosfera:
PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA
Ventilação
 Ventilação é o procedimento de movimentar continuamente uma atmosfera
limpa para dentro do espaço confinado.
Métodos de Ventilação
 Existem alguns tipos de ventilação mecânica, que são:
 Insuflação
 Exaustão
 Combinado
Avaliação da Atmosfera:
PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA
eliminar
Exaustão
 Esta é a melhor maneira de
atmosferas tóxicas ou inflamáveis.
Insuflação
 É o método mais indicado quando o risco é decorrente da deficiência em
oxigênio.
Sistema Combinado
 Sistema combinado é o uso do sistema de ventilação
juntamente com o sistema de exaustão.
Avaliação da Atmosfera:
Exaustão e Ventilação
PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA
Avaliação da Atmosfera:
Qual o tempo de purga?
T = 7.5 x V
C
T = tempo de purgação em minutos
V = o volume do espaço em metros cúbicos
C = capacidade efetiva do exaustor em
metros cúbicos por hora (CFM)
PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA
Riscos e Perigos Físicos
•Sistema Mecânicos;
•Biológicos;
•Químicos;
•Tráfego;
•Elétricos;
•Ruídos;
•Animais;
•Animais Peçonhentos;
•Frio e calor extremo;
•Luminosidade;
•Configurações;
•Poeiras explosivas;
•Afogamento;
•Engofamento;
•Rampas, deslizes e quedas;
•Radiações
•Máquinas Hidráulicas e
Pneumáticas
•Fluxo de Sólidos
•Lama e incrustações
CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
Isolando todos os perigos
• Fechando Válvulas
– Drenando linhas, ou
– Raqueteando flanges
• Esvaziando o espaço
– Despressurizando, ventilando e drenando
• Controle de energia de Equipmentos
– Fontes Eletricas
– Partes móveis
– Materiais perigosos
• Espaço limpo de resíduos
CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
Cadeados de interruptor de Circuito:
Projeto de trava de interruptor de
Circuito se encaixa sob um interruptor
desligado. Um cadeado então pode
ser preso.
Trava de Válvula de Comporta:
Este desliza pôr sobre o cabo da válvula de
comporta. O cadeado está fixado . Correntes
podem também ser usadas para travar uma
válvula de comporta.
CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
Grupo de Travas: Num espaço confinado
onde mais de uma pessoa tem acesso, um
grupo de travas pode ser necessário. No
Grupo de travas, cada trabalhador adere seu
próprio cadeado a um dispositivo de
combinação de trava.
Drenando e Fechando: Um método de
fechar encanamento instalando uma
tampa ou placa para que a cavidade do
encanamento seja completamente
fechada.
CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
Equipamento Usado em Atmosferas Inflamáveis
A primeira e melhor precaução quando entrar
em espaço confinado onde atmosferas
inflamáveis estão presentes é a redução de
risco 0% de LIE. Deve ser reconhecido no
entanto, que em alguns espaços, não é
possível obter ou manter este nível com
segurança. Como resultado, existem muitas
medidas que podem ser usadas para prevenir
a introdução de fontes de ignição, incluindo
Ferramentas não faiscantes
Equipamento a prova de Explosão
Equipamentos Intrinsecamente
Seguros
CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
Equipamento a Prova de Explosão:
Equipamento a prova de explosão é desenhado para evitar riscos de explosão
de duas maneiras. Primeiro, o equipamento é desenhado para suportar a força
da explosão resultante de qualquer ignição interna. Segundo, o equipamento é
desenhado para que gases de combustível quente sejam esfriados antes que
saiam para que eles não possam representar um risco de ignição no espaço
confinado. Muitos sistemas de combustão são desenhados para ser a prova de
explosão. Equipamentos Intrinsecamente Seguros:
Equipamentos que são desenhados e taxados como intrinsecamente
seguros são desenhados de tal maneira que faísca ou calor
produzidos não inflamarão concentrações de gases específicos tais
como, vapores, poeiras, fibras. A maioria dos detetores portáteis de
gases são classificados dessa maneira.
CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
Deveres e Responsabilidades de
Trabalhadores autorizados e
Vigias
Trabalhador Autorizado: Esses são os
empregados que entram no espaço para realizar
o trabalho. Eles podem ser funcionários ou
podem ser empregados de uma empreiteira
contratada para trabalhar em espaços
confinado.
CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
ser expostos
incluindo os
durante a entrada,
sinais, sintomas e
conseqüências da exposição destes
riscos.
Deveres e Responsabilidades de
Trabalhadores autorizados:
 Conhecer os riscos a que podem
CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
Deveres e Responsabilidades de
Trabalhadores autorizados:
Usar equipamento requerido corretamente.
Comunicar se com os atendentes para que
estes possam monitorar os trabalhadores e
possam alertar os participantes de uma
emergência.
Alertar o atendente quando o trabalhador
reconhecer qualquer sinal de perigo ou sintoma
de exposição a uma situação perigosa ou
detectar uma condição proibida
CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
Sair do espaço permitido tão rápido for
possível quando receber o comando do
atendente ou supervisor de entrada para
fazê-lo ou quando defrontar com uma
situação perigosa.
Deveres e Responsabilidades de
Trabalhadores autorizados:
CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
Deveres e Responsabilidades dos
Vigias:
Vigia: Pelo menos um vigia deve estar de plantão
fora de cada espaço permitido durante a operação
de entrada. Vigia monitora as atividades dos
trabalhadores autorizados. Eles não podem realizar
outros trabalhos que possam interferir com as
responsabilidade do vigia do espaço permitido. Eles
são os salva-vidas dos trabalhadores. Vigias devem:
CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
Deveres e Responsabilidades dos
Vigias:
Conhecer os riscos a que podem ser
expostos durante a entrada, incluindo os
sinais, sintomas e conseqüências a
exposição desses riscos.
Estar atentos a qualquer efeito de
comportamento na exposição de risco.
CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
Deveres e Responsabilidades dos
Vigias:
Manter uma contagem exata dos
trabalhadores autorizados no espaço
permitido e assegurar que todos os meios
usados para identificar os participantes (listas,
sistema de rastreamento etc.) identificam
precisamente quem está no espaço permitido.
CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
Permanecer fora do espaço permitido
durante operações de entradas até ser
substitutivo por outro vigia.
 Comunicar-se com participantes para
monitoramento de sua posição e alertá-los
em caso de necessidade de evacuação em
uma emergência.
Monitorar atividades dentro e fora do
espaço para determinar se é seguro para os
participantes permanecer dentro.
Deveres e Responsabilidades dos
Vigias:
Deveres e Responsabilidades dos
Vigias:
CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
Dar comando de evacuação se
necessário.
Avisar pessoal não autorizado
para permanecerem distante do
espaço permitido ou mandá-los sair
se já estiverem dentro.
 Relatar entradas não autorizadas
para o supervisor de entrada e
participantes autorizados dentro do
espaço
Deveres e Responsabilidades dos
Vigias:
CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
Deveres e Responsabilidades dos
Vigias:
Realizar resgates externamente.
Soar o alarme em caso de
emergência, e ficar de prontidão
para fornecer informação ao time de
resgate.
CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
•Primeiro socorros é o
tratamento imediato ministrado em
uma vítima de trauma ou mal
súbito.Fora do ambiente hospitalar.
OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
Passos para um atendimento:
1.Chamar socorro;
2.Avaliar a cena;
3.Colocar EPI;
4.Sinalizar o local;
OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
Telefones de emergência
• 193: Corpo de Bombeiros;
• 192: Ambulância;
• 190: Policia Militar;
• 199: Defesa Civil.
OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
COMO ACIONAR O SOCORRO
 MANTER SE CALMO;
 IDENTIFICAR-SE;
 ESCLARECER O QUE ESTA ACONTECENDO;
 PASSAR NOME CORRETO DA RUA E
NUMERAÇÃO;
 PASSAR O MELHOR PONTO DE REFERÊNCIA;
 PASSAR NÚMERO REAL DE VÍTIMAS;
 NÚMERO DE VEÍCULOS ENVOLVIDOS;
 SOLICITAR O NOME DO ATENDENTE;
OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
Avaliação de cena
OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
Procedimentos gerais
• Deixar a vítima em repouso:
• Não oferecer nada para um acidentado:
• Não mudar a posição de uma vítima
machucada ou com suspeita de fratura;
• Não remover a vítima e nem transportá-la
para o hospital.
OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
Análise Primária
• Verificar inconsciência;
• Liberar vias aéreas;
• Verificar respiração
• Ver
• Ouvir
• Sentir
• Se não respira efetue 02 ventilações artificiais
OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
•Verificar circulação
 > de 1 ano- pulso carotídeo
 < de 1 ano- pulso braquial
Se não tem circulação inicie
rapidamente RCP
•Verificar grandes
hemorragias
ANÁLISE PRIMÁRIA
OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
Asfixia
Pode ser causada pela língua, por corpo
estranho, em vítima com suspeita de trauma.
Em vítimas sem trauma devemos fazer a
inclinação da cabeça e elevação do queixo
OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
Liberação das vias aéreas
OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
Manobra de Heimilich
• Avise a vítima que vai ajudar;
• Posicione- se atrás dela;
• Localize o umbigo da vítima e posicione uma
mão fechada 4 dedos acima;
• Cubra esta mão com a outra mão;
• Comprima para cima e para trás (J).
OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
Heimilich em bebês
OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
Parada Cardio Respiratória
• Causas: asfixia, intoxicações, traumatismos,
afogamentos, choque elétrico, estado de choque...
• Sinais: perda da consciência, dos movimentos
respiratórios e dos batimentos cardíacos.
• Sintomas: pele pálida úmida e fria, náuseas, dor no
peito, formigamento.
OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
TRATAMENTO RCP
•Coloque a vítima deitada de costa em uma superfície rígida;
•Ajoelhe- se ao lado;
•Com os braços estendidos, apóie as mãos uma sobre a outra
no peito do acidentado;
• Realize as compressões 02 dedos acima do apêndice Xifóide;
•Utilize o peso do seu corpo, faça compressões curtas e fortes,
comprimindo e aliviando regularmente;
OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
Parada Cardio Respiratória
OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
Reanimação Cardio Pulmonar
RCP
• Respiração boca a
boca:
Se a vítima não
respira, feche o nariz
com os dedos.
Coloque sua boca por
cima da boca da
vitima e
assopre(ventile). Dê
duas respirações
rápidas utilizando o ar
dos seus pulmões.
OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
Compressões
• Fazer 30
compressões na
linha dos mamilos.
• A cada término
das 30
compressões fazer
as 2 ventilações.
OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
ATENÇÃO:
Só devemos parar de fazer as massagens (2 X 30
) quando:
 A vítima se mexer;
 Quando chegar socorro médico.
 Nunca pare a RCP.
OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
HEMORRAGIA
• Definição: Ruptura de vasos sanguíneos com
extravasamento de sangue
• Classificação:
• Interna
• Externa
Arterial
Venosa
Capilar
OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
MÉTODOS DE CONTENÇÃO
1. Pressão diretasobre
a lesão:
Com as mãos ou
bandagem, gaze,
ou outro
material,
executar pressão
direta sobre a
área lesada
OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
MÉTODOS DE CONTENÇÃO
2.Elevação: quando
possível, em membros,
elevar a área lesada
acima do nível do
coração.
Obs.: ferimentos
acompanhados de
possível lesão óssea ou
articular não devem ser
elevados ou
movimentados.
OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
MÉTODOS DE CONTENÇÃO
3. Compressão Arterial:
Realizar compressão
nos pontos arteriais.
OBS: Não utilizar esta
técnica quando houver
suspeita de fraturas no
local de compressão
OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
Choque elétrico
• Causas: queimadura, fratura, PCR
• Devemos: isolá-la da corrente elétrica, deita-
lá em superfície limpa e dura e se for preciso
iniciar RCP até chegar socorro.
• Tratar ferimentos conforme a importância.
OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
Efeitos da eletricidade sobre o
corpo humano
 Obstrução pela retração da língua;
 Batimentos cardíacos irregulares ou parada cardíaca;
 Lesões musculares;
 Problemas de visão;
 Dificuldade ou parada respiratória;
 Elevação da pressão arterial;
 Fraturas;
 Paralisias;
 Possibilidade de convulsões;
 Inconsciência.
OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
Primeiras providências
Desligue o aparelho da tomada ou a chave geral.
Se tiver que usar as mãos para remover uma pessoa,
envolva-as em jornal ou um saco de papel.
Empurre a vítima para longe da fonte de eletricidade
com um objeto seco, não-condutor de corrente, como
um cabo de vassoura, tábua, corda seca, cadeira de
madeira ou bastão de borracha.
OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
Ferimentos
• Lavar com água corrente ou limpa, não retirar
objetos que estejam grudados;
• Caso seja preciso cobrir com um pano ou gaze para
controlar hemorragias;
• Se houver avulsão de algum membro colocá-lo em
um saco e depois no gelo;
OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
OBJETO CRAVADO
1. CONTROLAR
SANGRAMENTO;
2. ESTABILIZAR O
OBJETO.
NÃO DEVE SER
REMOVIDO
OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
FERIMENTO NOS OLHOS
• Cobrir o globo ocular
lesionado com curativo
umidificado com soro
fisiológico;
• Tapar sempre os dois
olhos;
• Imobilizar objetos que
estejam empalados.
OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
AMPUTAÇÕES
•Controlar sangramentos;
•Envolver a parte amputada em
gaze e/ou plástico estéril;
•Manter em local refrigerado.
OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
QUEIMADURAS
1º Grau
atinge
epiderme
2 º Grau atinge
epiderme e a
derme
3º Grau atinge o
tecido de
revestimento
podendo chegar
até o ósseo
OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
QUEIMADURA DE 1º GRAU
CARACTERÍSTICAS:
• Dor;
• Vermelhidão local.
OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
QUEIMADURA DE 2º GRAU
CARACTERÍSTICAS:
• Dor;
• Vermelhidão;
• Bolhas.
OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
CARACTERÍSTICAS – 3º GRAU
Necrose dos tecidos;
Carbonização;
Formação de escaras;
Ausência de dor no local da lesão.
Queimaduras de 1º e 2º graus ao redor
da lesão causa dor intensa para a
OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
QUEIMADURA DE 3º GRAU
OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
REGRAS GERAIS
Irrigar a área queimada com água
limpa, na temperatura ambiente, para
eliminar o calor e cessar a queimadura;
Remover as vestes que estejam
queimadas;
Remover imediatamente adornos
(anéis,pulseira,etc.) da área atingida;
OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
O que nunca fazer!
• Furar bolhas;
• Remover vestes aderidas à queimadura;
• Passar sobre a queimadura quaisquer
tipos de substâncias;
• Utilizar gelo sobre a queimadura;
• Dar líquidos para a vítima beber.
OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
Fratura
• É a quebra de um osso causada por uma
pancada muito forte, uma queda ou
esmagamento.
• Há dois tipos de fraturas: as fechadas, que,
apesar do choque, deixam a pele intacta, e as
expostas, quando o osso fere e atravessa a
pele. As fraturas expostas exigem cuidados
especiais, portanto, cubra o local com um pano
limpo ou gaze e procure socorro imediato.
OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
EXEMPLOS DE FRATURAS
ABERTA FECHADA
OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
Improvise uma tala
Amarre delicadamente o membro machucado (braços ou
pernas) a uma superfície, como uma tábua, revista dobrada,
vassoura ou outro objeto qualquer.
Use tiras de pano, ataduras ou cintos, sem apertar muito para
não dificultar a circulação sanguínea.
Improvise uma tipóia
Utilize um pedaço grande de tecido com as pontas presas ao
redor do pescoço. Isto serve para sustentar um braço em casos
de fratura de punho, antebraço, cotovelo, costelas ou clavícula.
Só use a tipóia se o braço ferido puder ser flexionado sem dor
ou se já estiver dobrado.
OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
Transporte de vítimas:
• Devemos transportar as vítimas de queda em
prancha, tomando cuidado com a coluna.
OPERAÇÕES DE SALVAMENTO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023José Valfrido
 
Treinamento NR 12.pptx
Treinamento NR 12.pptxTreinamento NR 12.pptx
Treinamento NR 12.pptxbreno90
 
Treinamento nr34 trabalho a quente novo
Treinamento nr34 trabalho a quente novoTreinamento nr34 trabalho a quente novo
Treinamento nr34 trabalho a quente novoMarciel Bernardes
 
TREINAMENTO QNB NR06 - EPI's 16.01.2023.pptx
TREINAMENTO QNB NR06 - EPI's 16.01.2023.pptxTREINAMENTO QNB NR06 - EPI's 16.01.2023.pptx
TREINAMENTO QNB NR06 - EPI's 16.01.2023.pptxLuisadrianoribeiro2
 
Treinamento NR 33 Completa - 21 de Julho 2022.pptx
Treinamento NR 33 Completa - 21 de Julho 2022.pptxTreinamento NR 33 Completa - 21 de Julho 2022.pptx
Treinamento NR 33 Completa - 21 de Julho 2022.pptxAdelmaSiles
 
TREINAMENTO DE EPI NR 06
TREINAMENTO DE EPI NR 06TREINAMENTO DE EPI NR 06
TREINAMENTO DE EPI NR 06Fabio Sousa
 
Nr 12 canteiro de obras
Nr 12   canteiro de obrasNr 12   canteiro de obras
Nr 12 canteiro de obrasjhonatantst
 
Aula - NR 06 - EPI.ppt
Aula - NR 06 - EPI.pptAula - NR 06 - EPI.ppt
Aula - NR 06 - EPI.pptCristian Briet
 
Apresentação NR 35 - Trabalho em altura lino
 Apresentação NR 35 - Trabalho em altura   lino Apresentação NR 35 - Trabalho em altura   lino
Apresentação NR 35 - Trabalho em altura linolino1250
 
INTEGRAÇÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO.pptx
INTEGRAÇÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO.pptxINTEGRAÇÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO.pptx
INTEGRAÇÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO.pptxCLADESGOMES1
 

Mais procurados (20)

NR 20 - NOVO.pptx
NR 20 - NOVO.pptxNR 20 - NOVO.pptx
NR 20 - NOVO.pptx
 
NR34 - TRABALHO A QUENTE.pptx
NR34 - TRABALHO A QUENTE.pptxNR34 - TRABALHO A QUENTE.pptx
NR34 - TRABALHO A QUENTE.pptx
 
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023
 
Nr 23
Nr 23Nr 23
Nr 23
 
Treinamento NR 12.pptx
Treinamento NR 12.pptxTreinamento NR 12.pptx
Treinamento NR 12.pptx
 
Treinamento nr34 trabalho a quente novo
Treinamento nr34 trabalho a quente novoTreinamento nr34 trabalho a quente novo
Treinamento nr34 trabalho a quente novo
 
Nr 33 16h completo
Nr 33 16h completoNr 33 16h completo
Nr 33 16h completo
 
TREINAMENTO QNB NR06 - EPI's 16.01.2023.pptx
TREINAMENTO QNB NR06 - EPI's 16.01.2023.pptxTREINAMENTO QNB NR06 - EPI's 16.01.2023.pptx
TREINAMENTO QNB NR06 - EPI's 16.01.2023.pptx
 
Treinamento NR 33 Completa - 21 de Julho 2022.pptx
Treinamento NR 33 Completa - 21 de Julho 2022.pptxTreinamento NR 33 Completa - 21 de Julho 2022.pptx
Treinamento NR 33 Completa - 21 de Julho 2022.pptx
 
TREINAMENTO DE EPI NR 06
TREINAMENTO DE EPI NR 06TREINAMENTO DE EPI NR 06
TREINAMENTO DE EPI NR 06
 
Nr 12 canteiro de obras
Nr 12   canteiro de obrasNr 12   canteiro de obras
Nr 12 canteiro de obras
 
Aula - NR 06 - EPI.ppt
Aula - NR 06 - EPI.pptAula - NR 06 - EPI.ppt
Aula - NR 06 - EPI.ppt
 
CIPAMIN
CIPAMINCIPAMIN
CIPAMIN
 
Engenharia de Segurança
Engenharia de SegurançaEngenharia de Segurança
Engenharia de Segurança
 
Nr 20 Treinamento
Nr 20   Treinamento Nr 20   Treinamento
Nr 20 Treinamento
 
NR 18
NR 18NR 18
NR 18
 
Apresentação NR 35 - Trabalho em altura lino
 Apresentação NR 35 - Trabalho em altura   lino Apresentação NR 35 - Trabalho em altura   lino
Apresentação NR 35 - Trabalho em altura lino
 
Nr 33
Nr 33Nr 33
Nr 33
 
INTEGRAÇÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO.pptx
INTEGRAÇÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO.pptxINTEGRAÇÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO.pptx
INTEGRAÇÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO.pptx
 
Integração de Segurança
Integração de SegurançaIntegração de Segurança
Integração de Segurança
 

Semelhante a Apresentaçao-NR-33.pdf

Apostila nr 33 - espaço confinado
Apostila   nr 33 - espaço confinadoApostila   nr 33 - espaço confinado
Apostila nr 33 - espaço confinadoWilliamsNascimento3
 
TREINAMENTO DE ESPAÇO CONFINADO NR33.pptx
TREINAMENTO DE ESPAÇO CONFINADO NR33.pptxTREINAMENTO DE ESPAÇO CONFINADO NR33.pptx
TREINAMENTO DE ESPAÇO CONFINADO NR33.pptxDiogoEmanuelBatistaD2
 
Trabalho em Espaços Confinados Portaria 3.214/78 - NR-33 / NBR 14.787
Trabalho em Espaços Confinados Portaria 3.214/78 - NR-33 / NBR 14.787Trabalho em Espaços Confinados Portaria 3.214/78 - NR-33 / NBR 14.787
Trabalho em Espaços Confinados Portaria 3.214/78 - NR-33 / NBR 14.787Alfredo Brito
 
Treinamento de Espaço Confinado_Trabalhadores e Vigias NR 33.ppt
Treinamento de Espaço Confinado_Trabalhadores e Vigias NR 33.pptTreinamento de Espaço Confinado_Trabalhadores e Vigias NR 33.ppt
Treinamento de Espaço Confinado_Trabalhadores e Vigias NR 33.pptJosé Valfrido
 
NR Nº 33 - Seguraça e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados - Treinamento...
NR Nº 33 - Seguraça e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados - Treinamento...NR Nº 33 - Seguraça e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados - Treinamento...
NR Nº 33 - Seguraça e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados - Treinamento...ssuser22319e
 
NR-33 - Espaço Confinado - Modulo II
NR-33 - Espaço Confinado - Modulo IINR-33 - Espaço Confinado - Modulo II
NR-33 - Espaço Confinado - Modulo IIemanueltstegeon
 
TREINAMENTO NR-33 ESPACO CONFINADO.pptx
TREINAMENTO NR-33 ESPACO CONFINADO.pptxTREINAMENTO NR-33 ESPACO CONFINADO.pptx
TREINAMENTO NR-33 ESPACO CONFINADO.pptxJoyceMarina2
 
Espacos confinados Livreto NR33
Espacos confinados Livreto NR33Espacos confinados Livreto NR33
Espacos confinados Livreto NR33prevencaonline
 
Espacos confinadoslivretotrabalhadornr33
Espacos confinadoslivretotrabalhadornr33Espacos confinadoslivretotrabalhadornr33
Espacos confinadoslivretotrabalhadornr33prevencaonline
 
Apresentação espaço confinado fev2010 completa
Apresentação  espaço confinado fev2010 completaApresentação  espaço confinado fev2010 completa
Apresentação espaço confinado fev2010 completaGliceu Grossi
 
Espaço Confinado NR 33 - Reciclagem ok.pptx
Espaço Confinado NR 33 - Reciclagem ok.pptxEspaço Confinado NR 33 - Reciclagem ok.pptx
Espaço Confinado NR 33 - Reciclagem ok.pptxCelsoJungton2
 
APOSTILA CURSO NR-33.pdf
APOSTILA CURSO NR-33.pdfAPOSTILA CURSO NR-33.pdf
APOSTILA CURSO NR-33.pdfssuser22319e
 
Treinamento de espaço confinado trabalhadores e vigias nr 33
Treinamento de espaço confinado trabalhadores e vigias nr 33Treinamento de espaço confinado trabalhadores e vigias nr 33
Treinamento de espaço confinado trabalhadores e vigias nr 33Clesio Mazurek Moreira
 
Espaço confinado - medidas técnicas de gestão
Espaço confinado - medidas técnicas de gestãoEspaço confinado - medidas técnicas de gestão
Espaço confinado - medidas técnicas de gestãoAlex Costa Triers
 
NR-33 Espaço Confinado - Modulo I
NR-33   Espaço Confinado - Modulo INR-33   Espaço Confinado - Modulo I
NR-33 Espaço Confinado - Modulo Iemanueltstegeon
 

Semelhante a Apresentaçao-NR-33.pdf (20)

Nr 33
Nr   33Nr   33
Nr 33
 
Apostila nr 33 - espaço confinado
Apostila   nr 33 - espaço confinadoApostila   nr 33 - espaço confinado
Apostila nr 33 - espaço confinado
 
Espao confinado
Espao confinadoEspao confinado
Espao confinado
 
TREINAMENTO DE ESPAÇO CONFINADO NR33.pptx
TREINAMENTO DE ESPAÇO CONFINADO NR33.pptxTREINAMENTO DE ESPAÇO CONFINADO NR33.pptx
TREINAMENTO DE ESPAÇO CONFINADO NR33.pptx
 
TREINAMENTO Nº 3.pptx
TREINAMENTO Nº 3.pptxTREINAMENTO Nº 3.pptx
TREINAMENTO Nº 3.pptx
 
Trabalho em Espaços Confinados Portaria 3.214/78 - NR-33 / NBR 14.787
Trabalho em Espaços Confinados Portaria 3.214/78 - NR-33 / NBR 14.787Trabalho em Espaços Confinados Portaria 3.214/78 - NR-33 / NBR 14.787
Trabalho em Espaços Confinados Portaria 3.214/78 - NR-33 / NBR 14.787
 
Treinamento de Espaço Confinado_Trabalhadores e Vigias NR 33.ppt
Treinamento de Espaço Confinado_Trabalhadores e Vigias NR 33.pptTreinamento de Espaço Confinado_Trabalhadores e Vigias NR 33.ppt
Treinamento de Espaço Confinado_Trabalhadores e Vigias NR 33.ppt
 
NR Nº 33 - Seguraça e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados - Treinamento...
NR Nº 33 - Seguraça e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados - Treinamento...NR Nº 33 - Seguraça e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados - Treinamento...
NR Nº 33 - Seguraça e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados - Treinamento...
 
NR-33 - Espaço Confinado - Modulo II
NR-33 - Espaço Confinado - Modulo IINR-33 - Espaço Confinado - Modulo II
NR-33 - Espaço Confinado - Modulo II
 
NR33
NR33NR33
NR33
 
TREINAMENTO NR-33 ESPACO CONFINADO.pptx
TREINAMENTO NR-33 ESPACO CONFINADO.pptxTREINAMENTO NR-33 ESPACO CONFINADO.pptx
TREINAMENTO NR-33 ESPACO CONFINADO.pptx
 
Espacos confinados Livreto NR33
Espacos confinados Livreto NR33Espacos confinados Livreto NR33
Espacos confinados Livreto NR33
 
Espacos confinadoslivretotrabalhadornr33
Espacos confinadoslivretotrabalhadornr33Espacos confinadoslivretotrabalhadornr33
Espacos confinadoslivretotrabalhadornr33
 
Apresentação espaço confinado fev2010 completa
Apresentação  espaço confinado fev2010 completaApresentação  espaço confinado fev2010 completa
Apresentação espaço confinado fev2010 completa
 
Livreto fundacentro
Livreto fundacentroLivreto fundacentro
Livreto fundacentro
 
Espaço Confinado NR 33 - Reciclagem ok.pptx
Espaço Confinado NR 33 - Reciclagem ok.pptxEspaço Confinado NR 33 - Reciclagem ok.pptx
Espaço Confinado NR 33 - Reciclagem ok.pptx
 
APOSTILA CURSO NR-33.pdf
APOSTILA CURSO NR-33.pdfAPOSTILA CURSO NR-33.pdf
APOSTILA CURSO NR-33.pdf
 
Treinamento de espaço confinado trabalhadores e vigias nr 33
Treinamento de espaço confinado trabalhadores e vigias nr 33Treinamento de espaço confinado trabalhadores e vigias nr 33
Treinamento de espaço confinado trabalhadores e vigias nr 33
 
Espaço confinado - medidas técnicas de gestão
Espaço confinado - medidas técnicas de gestãoEspaço confinado - medidas técnicas de gestão
Espaço confinado - medidas técnicas de gestão
 
NR-33 Espaço Confinado - Modulo I
NR-33   Espaço Confinado - Modulo INR-33   Espaço Confinado - Modulo I
NR-33 Espaço Confinado - Modulo I
 

Mais de ssuser22319e

-Treinamento-Operador-Plataforma-de-Trabalho-Aereo.pdf
-Treinamento-Operador-Plataforma-de-Trabalho-Aereo.pdf-Treinamento-Operador-Plataforma-de-Trabalho-Aereo.pdf
-Treinamento-Operador-Plataforma-de-Trabalho-Aereo.pdfssuser22319e
 
nr-37-atualizada-2022-1.pdf
nr-37-atualizada-2022-1.pdfnr-37-atualizada-2022-1.pdf
nr-37-atualizada-2022-1.pdfssuser22319e
 
Nr-26-Sinalizacao-de-Seguranca.pdf
Nr-26-Sinalizacao-de-Seguranca.pdfNr-26-Sinalizacao-de-Seguranca.pdf
Nr-26-Sinalizacao-de-Seguranca.pdfssuser22319e
 
Nocoes-Basicas-de-Amarracao-Sinalizacao-e-Movimentacao-de-Cargas-SENAI-.pdf
Nocoes-Basicas-de-Amarracao-Sinalizacao-e-Movimentacao-de-Cargas-SENAI-.pdfNocoes-Basicas-de-Amarracao-Sinalizacao-e-Movimentacao-de-Cargas-SENAI-.pdf
Nocoes-Basicas-de-Amarracao-Sinalizacao-e-Movimentacao-de-Cargas-SENAI-.pdfssuser22319e
 
urso-avancado-bloqueio-sinalizacao-rev2-0-ppt.p427325485-cdf
urso-avancado-bloqueio-sinalizacao-rev2-0-ppt.p427325485-cdfurso-avancado-bloqueio-sinalizacao-rev2-0-ppt.p427325485-cdf
urso-avancado-bloqueio-sinalizacao-rev2-0-ppt.p427325485-cdfssuser22319e
 
SINALIZAÇÃO.TREINAMENTO NR 26.pdf
SINALIZAÇÃO.TREINAMENTO NR 26.pdfSINALIZAÇÃO.TREINAMENTO NR 26.pdf
SINALIZAÇÃO.TREINAMENTO NR 26.pdfssuser22319e
 
Produtos-Perigosos. nr 26.pdf
Produtos-Perigosos. nr 26.pdfProdutos-Perigosos. nr 26.pdf
Produtos-Perigosos. nr 26.pdfssuser22319e
 
Curso-Produtos-quimicos.pdf
Curso-Produtos-quimicos.pdfCurso-Produtos-quimicos.pdf
Curso-Produtos-quimicos.pdfssuser22319e
 
PRODUTOS.PERIGOSOS
PRODUTOS.PERIGOSOSPRODUTOS.PERIGOSOS
PRODUTOS.PERIGOSOSssuser22319e
 
PRODUTOS.PERIGOSOS.pdf
PRODUTOS.PERIGOSOS.pdfPRODUTOS.PERIGOSOS.pdf
PRODUTOS.PERIGOSOS.pdfssuser22319e
 
Manual-de-Produtos-Perigosos.pdf
Manual-de-Produtos-Perigosos.pdfManual-de-Produtos-Perigosos.pdf
Manual-de-Produtos-Perigosos.pdfssuser22319e
 
Produtos Perigosos. Apostila 2022.pdf
Produtos Perigosos. Apostila 2022.pdfProdutos Perigosos. Apostila 2022.pdf
Produtos Perigosos. Apostila 2022.pdfssuser22319e
 
Apostila. Produtos Perigosos -CFBP 2022-1.pdf
Apostila. Produtos Perigosos -CFBP 2022-1.pdfApostila. Produtos Perigosos -CFBP 2022-1.pdf
Apostila. Produtos Perigosos -CFBP 2022-1.pdfssuser22319e
 
ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUIMICOS.pdf
ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUIMICOS.pdfARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUIMICOS.pdf
ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUIMICOS.pdfssuser22319e
 
manual_nr10 (1).pdf
manual_nr10 (1).pdfmanual_nr10 (1).pdf
manual_nr10 (1).pdfssuser22319e
 
construcao_civil_manual.pdf
construcao_civil_manual.pdfconstrucao_civil_manual.pdf
construcao_civil_manual.pdfssuser22319e
 
Manual_Acesso por Corda_NR-35 (1).pdf
Manual_Acesso por Corda_NR-35 (1).pdfManual_Acesso por Corda_NR-35 (1).pdf
Manual_Acesso por Corda_NR-35 (1).pdfssuser22319e
 
CURSO NR 17 ERGONOMIA 3.ppt
CURSO  NR 17 ERGONOMIA 3.pptCURSO  NR 17 ERGONOMIA 3.ppt
CURSO NR 17 ERGONOMIA 3.pptssuser22319e
 
APOSTILA DE ERGONOMIA NR 17.pdf
APOSTILA DE ERGONOMIA NR 17.pdfAPOSTILA DE ERGONOMIA NR 17.pdf
APOSTILA DE ERGONOMIA NR 17.pdfssuser22319e
 

Mais de ssuser22319e (20)

-Treinamento-Operador-Plataforma-de-Trabalho-Aereo.pdf
-Treinamento-Operador-Plataforma-de-Trabalho-Aereo.pdf-Treinamento-Operador-Plataforma-de-Trabalho-Aereo.pdf
-Treinamento-Operador-Plataforma-de-Trabalho-Aereo.pdf
 
nr-37-atualizada-2022-1.pdf
nr-37-atualizada-2022-1.pdfnr-37-atualizada-2022-1.pdf
nr-37-atualizada-2022-1.pdf
 
Nr-26-Sinalizacao-de-Seguranca.pdf
Nr-26-Sinalizacao-de-Seguranca.pdfNr-26-Sinalizacao-de-Seguranca.pdf
Nr-26-Sinalizacao-de-Seguranca.pdf
 
Nocoes-Basicas-de-Amarracao-Sinalizacao-e-Movimentacao-de-Cargas-SENAI-.pdf
Nocoes-Basicas-de-Amarracao-Sinalizacao-e-Movimentacao-de-Cargas-SENAI-.pdfNocoes-Basicas-de-Amarracao-Sinalizacao-e-Movimentacao-de-Cargas-SENAI-.pdf
Nocoes-Basicas-de-Amarracao-Sinalizacao-e-Movimentacao-de-Cargas-SENAI-.pdf
 
urso-avancado-bloqueio-sinalizacao-rev2-0-ppt.p427325485-cdf
urso-avancado-bloqueio-sinalizacao-rev2-0-ppt.p427325485-cdfurso-avancado-bloqueio-sinalizacao-rev2-0-ppt.p427325485-cdf
urso-avancado-bloqueio-sinalizacao-rev2-0-ppt.p427325485-cdf
 
SINALIZAÇÃO.TREINAMENTO NR 26.pdf
SINALIZAÇÃO.TREINAMENTO NR 26.pdfSINALIZAÇÃO.TREINAMENTO NR 26.pdf
SINALIZAÇÃO.TREINAMENTO NR 26.pdf
 
Produtos-Perigosos. nr 26.pdf
Produtos-Perigosos. nr 26.pdfProdutos-Perigosos. nr 26.pdf
Produtos-Perigosos. nr 26.pdf
 
Curso-Produtos-quimicos.pdf
Curso-Produtos-quimicos.pdfCurso-Produtos-quimicos.pdf
Curso-Produtos-quimicos.pdf
 
PRODUTOS.PERIGOSOS
PRODUTOS.PERIGOSOSPRODUTOS.PERIGOSOS
PRODUTOS.PERIGOSOS
 
PRODUTOS.PERIGOSOS.pdf
PRODUTOS.PERIGOSOS.pdfPRODUTOS.PERIGOSOS.pdf
PRODUTOS.PERIGOSOS.pdf
 
Manual-de-Produtos-Perigosos.pdf
Manual-de-Produtos-Perigosos.pdfManual-de-Produtos-Perigosos.pdf
Manual-de-Produtos-Perigosos.pdf
 
Produtos Perigosos. Apostila 2022.pdf
Produtos Perigosos. Apostila 2022.pdfProdutos Perigosos. Apostila 2022.pdf
Produtos Perigosos. Apostila 2022.pdf
 
Apostila. Produtos Perigosos -CFBP 2022-1.pdf
Apostila. Produtos Perigosos -CFBP 2022-1.pdfApostila. Produtos Perigosos -CFBP 2022-1.pdf
Apostila. Produtos Perigosos -CFBP 2022-1.pdf
 
ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUIMICOS.pdf
ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUIMICOS.pdfARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUIMICOS.pdf
ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUIMICOS.pdf
 
manual_nr12.pdf
manual_nr12.pdfmanual_nr12.pdf
manual_nr12.pdf
 
manual_nr10 (1).pdf
manual_nr10 (1).pdfmanual_nr10 (1).pdf
manual_nr10 (1).pdf
 
construcao_civil_manual.pdf
construcao_civil_manual.pdfconstrucao_civil_manual.pdf
construcao_civil_manual.pdf
 
Manual_Acesso por Corda_NR-35 (1).pdf
Manual_Acesso por Corda_NR-35 (1).pdfManual_Acesso por Corda_NR-35 (1).pdf
Manual_Acesso por Corda_NR-35 (1).pdf
 
CURSO NR 17 ERGONOMIA 3.ppt
CURSO  NR 17 ERGONOMIA 3.pptCURSO  NR 17 ERGONOMIA 3.ppt
CURSO NR 17 ERGONOMIA 3.ppt
 
APOSTILA DE ERGONOMIA NR 17.pdf
APOSTILA DE ERGONOMIA NR 17.pdfAPOSTILA DE ERGONOMIA NR 17.pdf
APOSTILA DE ERGONOMIA NR 17.pdf
 

Último

ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxJosAurelioGoesChaves
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 

Último (20)

ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 

Apresentaçao-NR-33.pdf

  • 1. CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE EM ESPAÇO CONFINADO NORMA REGULAMENTADORA - NR 33 Espaço Confinado
  • 2. Definição: Espaço Confinado é qualquer área ou ambiente não projetado para ocupação humana contínua, que possua meios limitados de entrada e saída, cuja ventilação existente é insuficiente para remover contaminantes ou onde possa existir a deficiência ou enriquecimento de oxigênio. Fonte: NR-33 LEGISLAÇÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO – NR 33 – ESPAÇO CONFINADO
  • 3. Outras Definições (Normas): Espaço confinado é qualquer área não projetada para ocupação contínua, à qual tem meios limitados de entrada e saída, e na qual a ventilação existente é insuficiente para remover contaminantes perigosos e/ou deficiência/enriquecimento de oxigênio que podem existir ou se desenvolverem. Fonte: NBR 14787:2001 da ABNT LEGISLAÇÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO – ABNT – ESPAÇO CONFINADO
  • 4. 1. 2. Grande o suficiente e configurado de tal forma para o trabalhador entrar e realizar seu trabalho; Não foi projetado para ocupação humana contínua; 3. 4. Tem meios de acesso restritos, entrada/saída; Possui uma configuração interna capaz de causar claustrofobia ou asfixia; 5. Contém ou pode vir a conter riscos atmosféricos e; 6. Possui agentes contaminantes agressivos á saúde e á segurança. Fonte: OSHA (Occupational Safety and Health Administration) LEGISLAÇÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO – OSHA – ESPAÇO CONFINADO
  • 5. A NIOSH divide em três categorias os espaços confinados • Espaço confinado Classe “A” – Espaço que possui atmosfera IPVS (Imediatamente Perigosa à Vida e a Saúde). Estas atmosferas IPVS incluem: atmosferas com deficiência de oxigênio, inflamabilidade e/ou explosividade, e/ou concentrações de substâncias tóxicas. LEGISLAÇÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO – NIOSH – ESPAÇO CONFINADO
  • 6. • Espaço confinado Classe “B” - espaço que possui potencial para causar ferimentos ou doenças, onde se não forem tomadas medidas preventivas, formarão atmosferas imediatamente perigosas a vida e a saúde. LEGISLAÇÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO – NIOSH – ESPAÇO CONFINADO
  • 7. • Espaço confinado Classe “C” – espaço com potencial de risco que não exige nenhum procedimento especial para trabalho. LEGISLAÇÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO – NIOSH – ESPAÇO CONFINADO
  • 8. Quem Regulamenta •Ministério do Trabalho e Emprego Normas Reguladoras (NR 33). • ABNT (NBR 14.787) •OSHA Occupational Safety and Health Administration • ANSI American National Standards Institute; • NIOSH National Institute for Occupational Safety and Health; • NFPA National Fire Protection Association; LEGISLAÇÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO – ESPAÇO CONFINADO
  • 9. Aspectos dos EspaçosConfinados: Enclausurado ou parcialmente enclausurado; Não é feito para ocupação humana contínua; IDENTIFICAÇÃO DE ESPAÇO CONFINADOS
  • 10. Tem entradas e saídas restritas ou limitadas; Contém ou pode vir a conter riscos (Inclusive atmosférico). IDENTIFICAÇÃO DE ESPAÇO CONFINADOS
  • 11. Exemplos de Espaços Confinados • Asas de Avião; • Bueiros; • Caldeiras; • Cisternas; • Covas; • Digestores; • Dutos; • Fornos; • Misturadores; • Porões; • Reatores; • Sistema de Esgoto; • Silos; • Tanques • Tubulações; • Túneis; • Trincheiras; • Vasos. IDENTIFICAÇÃO DE ESPAÇO CONFINADOS
  • 12. Locais onde geralmente encontramos espaços confinados: • Indústria de Papel e Celulose; • Indústria de Gráfica; • Indústria Alimentícia; • Indústria da Borracha; • Indústria de Roupas (matéria prima couro e têxtil); • Indústria Naval; • Indústria Químicas; • Indústria Petroquímicas; • Serviços: • Limpezas de Caixa de água; • Caminhões de Lixo; • Dedetização; • Operações Navais IDENTIFICAÇÃO DE ESPAÇO CONFINADOS
  • 13. Gestão de segurança e saúde nos trabalhos em espaços confinados: A gestão de segurança e saúde deve ser planejada, programada, implementada e avaliada, incluindo medidas técnicas de prevenção, medidas administrativas e medidas pessoais e capacitação para trabalho em espaços confinados. CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
  • 14. Medidas técnicas de prevenção:  Identificar, isolar e sinalizar os espaços confinados para evitar a entrada de pessoas não autorizadas; CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
  • 15.  Antecipar e reconhecer os riscos nos espaços confinados;  Proceder à avaliação e controle dosriscos físicos, químicos, biológicos, ergonômicos e mecânicos;  Prever a implantação de travas, bloqueios, alívio, lacre e etiquetagem;  Implementar medidas necessárias para eliminação ou controle dos riscos atmosféricos em espaços confinados; Medidas técnicas de prevenção: CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
  • 16. Medidas técnicas de prevenção: Avaliar a atmosfera nos espaços confinados, antes da entrada de trabalhadores, para verificar se o seu interior é seguro; Manter condições atmosféricas aceitáveis na entrada e durante toda a realização dos trabalhos, monitorando, ventilando, purgando, lavando ou inertizando o espaço confinado; CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
  • 17. Medidas técnicas de prevenção: Monitorar continuamente a atmosfera nos espaços confinados nas áreas onde os trabalhadores autorizados estiverem desempenhando as suas tarefas, para verificar se as condições de acesso e permanência são seguras; Proibir a ventilação com oxigênio puro; Testar os equipamentos de medição antes de cada utilização; e Utilizar equipamento de leitura direta, intrinsecamente seguro, provido de alarme, calibrado e protegido contra emissões eletromagnéticas ou interferências de radiofreqüência. CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
  • 18. Os equipamentos fixos e portáteis, inclusive os de comunicação e de movimentação vertical e horizontal, devem ser adequados aos riscos dos espaços confinados; Em áreas classificadas os equipamentos devem estar certificados ou possuir documento contemplado no âmbito do Sistema Brasileiro da Conformidade de Avaliação - INMETRO. CRITÉRIOS DE INDICAÇÃO E USO DE EQUIPAMENTOS PARA CONTROLE DE RISCOS
  • 19. As avaliações atmosféricas iniciais devem ser realizadas fora do espaço confinado. Adotar medidas para eliminar ou controlar os riscos de incêndio ou explosão em trabalhos a quente, tais como solda, aquecimento, esmerilhamento, corte ou outros que liberem chama aberta, faíscas ou calor. ÁREAS CLASSIFICADAS
  • 20.  Adotar medidas para eliminar ou controlar os riscos de inundação, soterramento, engolfamento, incêndio, choques elétricos, eletricidade estática, queimaduras, quedas, escorregamentos, impactos, esmagamentos, amputações e outros que possam afetar a segurança e saúde dos trabalhadores ÁREAS CLASSIFICADAS
  • 21. Medidas Pessoais Todo trabalhador designado para trabalhos em espaços confinados deve ser submetido a exames médicos específicos para a função que irá desempenhar, conforme estabelecem as NRs 07 e 31, incluindo os fatores de riscos psicossociais com a emissão do respectivo Atestado de Saúde Ocupacional - ASO. CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
  • 22. Capacitar todos os trabalhadores envolvidos, direta ou indiretamente com os espaços confinados, sobre seus direitos, deveres, riscos e medidas de controle. Medidas Pessoais CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
  • 23. Medidas Pessoais O número de trabalhadores envolvidos na execução dos trabalhos em espaços confinados deve ser determinado conforme a análise de risco É vedada a realização de qualquer trabalho em espaços confinados de forma individual ou isolada. CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
  • 24. Medidas Pessoais Vigia não poderá realizar outras tarefas que possam comprometer o dever principal que é o de monitorar e proteger os trabalhadores autorizados; Cabe ao empregador fornecer e garantir que todos os trabalhadores que adentrarem em espaços confinados disponham de todos os equipamentos para controle de riscos, previstos na Permissão de Entrada e Trabalho. CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
  • 25. Em caso de existência de Atmosfera Imediatamente Perigosa à Vida ou à Saúde - Atmosfera IPVS -, o espaço confinado somente pode ser adentrado com a utilização de máscara autônoma de demanda com pressão positiva ou com respirador de linha de ar comprimido com cilindro auxiliar para escape. Medidas Pessoais CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
  • 26. Capacitação para trabalhos em espaços confinados: É vedada a designação para trabalhos em espaços confinados sem a prévia capacitação do trabalhador. CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
  • 27. O empregador deve desenvolver e implantar programas de capacitação sempre que ocorrer qualquer das seguintes situações: a) mudança nos procedimentos, condições ou operações de trabalho; b) algum evento que indique a necessidade de novo treinamento; e c) quando houver uma razão para acreditar que existam desvios na utilização ou nos procedimentos de entrada nos espaços confinados ou que os conhecimentos não sejam adequados. Todos os trabalhadores autorizados e Vigias devem receber capacitação periodicamente, a cada doze meses. CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
  • 28. Permissão de Entrada:  É o documento que certifica que todas os riscos avaliados do Espaço Confinado foram e todas as precauções de controle foram tomadas para cada risco identificado:  isolamento;  teste atmosférico;  ventilação;  pessoal habilitado, etc.... CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
  • 29. O Supervisor de Entrada ou profissional qualificado, deve emitir a Permissão de Entrada e Trabalho antes do início das atividades; A Permissão de Entrada e Trabalho é válida somente para cada entrada; A permissão completa pode então ser usada para informar os participantes de riscos em potencial dentro do espaço confinado, colocando-se um aviso na entrada do espaço Permissão de Entrada: CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
  • 30.
  • 31. Avaliação da Atmosfera: * Avaliar a atmosfera para identificar possíveis situações de risco a saúde, tais como: Risco de morte; Debilidade; Incapacidade; Doenças; e Lesões Causas:  Deficiência de oxigênio;  Enriquecimento de oxigênio;  Gases/ Vapor/ Poeira ou Névoa inflamável;  Gases Tóxicos. PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA
  • 32. Avaliação da Atmosfera: Mesmo após uma boa avaliação algumas atividades podem agravar riscos atmofosféricos em espaços confinados  Trabalhos (principalmente em tanques):  Limpeza;  Purga;  Lavagem ; GASES COMBUSTÍVEIS SÃO LIBERADOS DAS SUPERFÍCIES SOB AS ENCRUSTAÇÕES ORGÂNICAS, SÃO LIBERADOS DOS PONTOS BAIXOS OU ALTOS, DAS FLANGES E DEMAIS CONEXÕES OU VÁLVULAS GASES TÓXICOS LIBERADOS PELOS PRODUTOS DE LIMPEZA OU PELA REAÇÃO QUÍMICA DOS PRODUTOS E RESIDOS DO LOCAL PODEM SER LIBERADOS NA ATMOSFERA PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA
  • 33. Deficiência de oxigênio  Atmosferas com concentração abaixo de 19,5% de Oxigênio são consideradas deficiente. Podem provocar:  Falta de coordenação;  Fadiga;  Confusão Mental;  Agitação;  Vômito;  Cianose  Inconsciência e morte Avaliação da Atmosfera: PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA
  • 34. Faixa Normal - De 19,5 a 23 % em Volume Descoordenação – De 15 a 19 % em Volume Respiração acelerada – De 12 a 15 % em Volume Náusea – De 10 a 12 % em Volume Inconsciência – De 8 a 10% em Volume Morte após 8 minutos – De 6 a 8 % em Volume Coma em 40 segundos –De 4 a 6 % em Volume Deficiência de oxigênio Avaliação da Atmosfera: PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA
  • 35. e da Trabalhos que podem piorar a qualidad atmosfera:  Solda;  Cortes a Quente;  Tratamento Térmico;  Funcionamento de motores a Combustão; A DEFICIÊNCIA DE OXIGÊNIO É CAUSADA PELO SEU CONSUMO, NAS REAÇÕES DE COMBUSTÃO OU NOS PROCESSOS DE OXIDAÇÃO, OU AINDA DESLOCADO PELOS PRODUTOS DE COMBUSTÃO. Avaliação da Atmosfera: PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA
  • 36. Avaliação da Atmosfera: OS GASES TÓXICOS, COMO O CO, SÃO PRODUZIDOS PELA INCOMPLETA COMBUSTÃO. OUTROS GASES PODEM SER PRODUZIDOS PELO MATERIAL AQUECIDO; CÁDMIO, POR EXEMPLO, VAPORES DE MERCÚRIO, CHUMBO E OUTROS METAIS PESADOS. PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA
  • 37. Enriquecimento de oxigênio  Atmosferas com concentração abaixo de são consideradas 23,5% de Oxigênio enriquecidas. Pode provocar:  Risco de incêndio;  Queima rápida. Avaliação da Atmosfera: PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA
  • 38. Gases; Vapor; Poeira ou Névoa inflamável Os gases, vapores, poeiras, ou névoas inflamáveis podem estar presente como conteúdo ou resíduo do espaço confinado ou como resultado de trabalhos, limpeza, manutenção, etc.. Avaliação da Atmosfera: PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA
  • 39. Gás/Vapor ou névoa inflamável em concentrações superiores a 10% do seu Limite LIE ou Lower AR GÁS 10 % do LIE é o permitido pela OSHA 100% LIE Pouco Gás LSE Muito Gás LE Inferior de Explosividade Explosive Limit LEL; 100% 0% 0% Avaliação da Atmosfera: PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA
  • 40. Limites de Explosividade para pós: LIE situa-se entre 20 g/m³ e 60 g/m³ LSE situa-se entre 2 kg/m³ e 6 kg/m³ Poeira inflamável viável em uma concentração que se encontre ou exceda o Limite Inferior de Explosividade LIE ou Lower Explosive Limit LEL); Ventilação / difusão não dilui as nuvens de poeira Para sua informação: Esta concentração pode ser estimada pela observação da condição na qual a poeira obscureça a visão numa distância de 1,5m ou menos. Avaliação da Atmosfera: PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA
  • 41. NR-15 – Limite de tolerância ACGIH Limite de tolerância Avaliação da Atmosfera: Valores de limites de tolerância (TLV (Threshold Limit Values) Unidades: partes por milhão – ppm mg/metro cúbico – mg/m3 TLV-TWA – Limite de Exposição para um período de 8 Horas/dia, durante 40horas/semana STEL – (Short Term Exposure Limit) – Limite de Exposição por Curto Período 15 minutos adotar o mais restritivo • Presença de qualquer outro gás tóxico que apresenta condição atmosférica Imediatamente Perigosa à Vida ou à Saúde – IPVS ou IDLH – (Immediately Dangerous to Life or Health); Gases Tóxicos PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA
  • 42. Absorvido pelo pulmão até 100 vezes mais rápido que o O2. Limite de tolerância para 8 horas: 25 ppm Avaliação da Atmosfera: Monóxido de Carbono Características: Gás inodoro (sem cheiro), Sem cor, Sem Gosto 4000 ppm – Morte 2500 ppm – Inconsciência 2000 ppm – Confusão Mental 1000 ppm – Náusea 600 ppm – Forte dor de cabeça 200 ppm – Dor de cabeça 100 ppm – Limite para instantâneo 50 ppm – Limite para 15 minutos 25 ppm – Limite para 8 horas Limite de Tolerância 39 PPM Concentração acima da qual poderão ocorrer danos Gases Tóxicos PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA
  • 43. Avaliação da Atmosfera:  Gás Sulfídrico é perigoso, pois especialmente determinados limites, nosso em olfato não consegue características do Gás Sulfídrico são: - Gás com cheiro de ovo podre - Inibe o olfato após exposição * Limite de tolerância para 8 horas: 8 ppm perceber a presença na atmosfera. 700 ppm – Morte em Minutos 500 ppm – Inconsciência, morte – ½ h 200 ppm – Irritações nos olhos e vias respiratórias - hora 100 ppm – Irritações nos olhos e vias respiratórias - hora 50 ppm – Irritações respiratórias 15 ppm – Limite para instantâneo 12 ppm – Limite para 15 minutos 8 ppm – Limite para 8 horas Gases Tóxicos Gás Sulfídrico PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA
  • 44. Gases Asfixiantes Avaliação da Atmosfera:  Gases que ocupam o lugar do oxigênio na atmosfera. - Nitrogênio (N2) - Dióxido de Carbono (CO2) PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA
  • 45. Exemplos:  Metano  Monóxido de Carbono  Gás Sulfídrico  Vapor de Petróleo 0,55 0,97 1,19 3,0 Densidade A Densidade de um gás é a medição de quanto ele é pesado em relação ao ar. A Densidade Relativa do gás ou vapor é dado quando o ar = 1  Densidade < 1 : Gás mais leve que o ar  Densidade > 1: Gás mais pesado que o ar Avaliação da Atmosfera: PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA
  • 47. Limites de Alarmes  Os limites dos alarmes do monitor de gases, segundo a norma:  Gases combustíveis – 10% do L.I.E.  Oxigênio – 19,5% Vol. E 23% Vol.  Monóxido de Carbono – Inst. – 200ppm Stel – 58ppm Ltel – 25ppm  Gás Sulfídrico – Inst. – 15ppm Stel – 12ppm Ltel – 8ppm Avaliação da Atmosfera: PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA
  • 48. Teste Atmosférico  O teste atmosférico consiste na monitoração da atmosfera interna do espaço confinado, antes da entrada com o monitor de gases calibrado e verificado antes do uso, para as concentrações de:  Oxigênio  Gases Combustíveis  Gases Tóxicos Avaliação da Atmosfera: PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA
  • 49. Ventilação  Ventilação é o procedimento de movimentar continuamente uma atmosfera limpa para dentro do espaço confinado. Métodos de Ventilação  Existem alguns tipos de ventilação mecânica, que são:  Insuflação  Exaustão  Combinado Avaliação da Atmosfera: PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA
  • 50. eliminar Exaustão  Esta é a melhor maneira de atmosferas tóxicas ou inflamáveis. Insuflação  É o método mais indicado quando o risco é decorrente da deficiência em oxigênio. Sistema Combinado  Sistema combinado é o uso do sistema de ventilação juntamente com o sistema de exaustão. Avaliação da Atmosfera: Exaustão e Ventilação PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA
  • 51. Avaliação da Atmosfera: Qual o tempo de purga? T = 7.5 x V C T = tempo de purgação em minutos V = o volume do espaço em metros cúbicos C = capacidade efetiva do exaustor em metros cúbicos por hora (CFM) PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA
  • 52. Riscos e Perigos Físicos •Sistema Mecânicos; •Biológicos; •Químicos; •Tráfego; •Elétricos; •Ruídos; •Animais; •Animais Peçonhentos; •Frio e calor extremo; •Luminosidade; •Configurações; •Poeiras explosivas; •Afogamento; •Engofamento; •Rampas, deslizes e quedas; •Radiações •Máquinas Hidráulicas e Pneumáticas •Fluxo de Sólidos •Lama e incrustações CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
  • 53. Isolando todos os perigos • Fechando Válvulas – Drenando linhas, ou – Raqueteando flanges • Esvaziando o espaço – Despressurizando, ventilando e drenando • Controle de energia de Equipmentos – Fontes Eletricas – Partes móveis – Materiais perigosos • Espaço limpo de resíduos CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
  • 54. Cadeados de interruptor de Circuito: Projeto de trava de interruptor de Circuito se encaixa sob um interruptor desligado. Um cadeado então pode ser preso. Trava de Válvula de Comporta: Este desliza pôr sobre o cabo da válvula de comporta. O cadeado está fixado . Correntes podem também ser usadas para travar uma válvula de comporta. CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
  • 55. Grupo de Travas: Num espaço confinado onde mais de uma pessoa tem acesso, um grupo de travas pode ser necessário. No Grupo de travas, cada trabalhador adere seu próprio cadeado a um dispositivo de combinação de trava. Drenando e Fechando: Um método de fechar encanamento instalando uma tampa ou placa para que a cavidade do encanamento seja completamente fechada. CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
  • 56. Equipamento Usado em Atmosferas Inflamáveis A primeira e melhor precaução quando entrar em espaço confinado onde atmosferas inflamáveis estão presentes é a redução de risco 0% de LIE. Deve ser reconhecido no entanto, que em alguns espaços, não é possível obter ou manter este nível com segurança. Como resultado, existem muitas medidas que podem ser usadas para prevenir a introdução de fontes de ignição, incluindo Ferramentas não faiscantes Equipamento a prova de Explosão Equipamentos Intrinsecamente Seguros CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
  • 57. Equipamento a Prova de Explosão: Equipamento a prova de explosão é desenhado para evitar riscos de explosão de duas maneiras. Primeiro, o equipamento é desenhado para suportar a força da explosão resultante de qualquer ignição interna. Segundo, o equipamento é desenhado para que gases de combustível quente sejam esfriados antes que saiam para que eles não possam representar um risco de ignição no espaço confinado. Muitos sistemas de combustão são desenhados para ser a prova de explosão. Equipamentos Intrinsecamente Seguros: Equipamentos que são desenhados e taxados como intrinsecamente seguros são desenhados de tal maneira que faísca ou calor produzidos não inflamarão concentrações de gases específicos tais como, vapores, poeiras, fibras. A maioria dos detetores portáteis de gases são classificados dessa maneira. CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
  • 58. Deveres e Responsabilidades de Trabalhadores autorizados e Vigias Trabalhador Autorizado: Esses são os empregados que entram no espaço para realizar o trabalho. Eles podem ser funcionários ou podem ser empregados de uma empreiteira contratada para trabalhar em espaços confinado. CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
  • 59. ser expostos incluindo os durante a entrada, sinais, sintomas e conseqüências da exposição destes riscos. Deveres e Responsabilidades de Trabalhadores autorizados:  Conhecer os riscos a que podem CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
  • 60. Deveres e Responsabilidades de Trabalhadores autorizados: Usar equipamento requerido corretamente. Comunicar se com os atendentes para que estes possam monitorar os trabalhadores e possam alertar os participantes de uma emergência. Alertar o atendente quando o trabalhador reconhecer qualquer sinal de perigo ou sintoma de exposição a uma situação perigosa ou detectar uma condição proibida CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
  • 61. Sair do espaço permitido tão rápido for possível quando receber o comando do atendente ou supervisor de entrada para fazê-lo ou quando defrontar com uma situação perigosa. Deveres e Responsabilidades de Trabalhadores autorizados: CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
  • 62. Deveres e Responsabilidades dos Vigias: Vigia: Pelo menos um vigia deve estar de plantão fora de cada espaço permitido durante a operação de entrada. Vigia monitora as atividades dos trabalhadores autorizados. Eles não podem realizar outros trabalhos que possam interferir com as responsabilidade do vigia do espaço permitido. Eles são os salva-vidas dos trabalhadores. Vigias devem: CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
  • 63. Deveres e Responsabilidades dos Vigias: Conhecer os riscos a que podem ser expostos durante a entrada, incluindo os sinais, sintomas e conseqüências a exposição desses riscos. Estar atentos a qualquer efeito de comportamento na exposição de risco. CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
  • 64. Deveres e Responsabilidades dos Vigias: Manter uma contagem exata dos trabalhadores autorizados no espaço permitido e assegurar que todos os meios usados para identificar os participantes (listas, sistema de rastreamento etc.) identificam precisamente quem está no espaço permitido. CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
  • 65. Permanecer fora do espaço permitido durante operações de entradas até ser substitutivo por outro vigia.  Comunicar-se com participantes para monitoramento de sua posição e alertá-los em caso de necessidade de evacuação em uma emergência. Monitorar atividades dentro e fora do espaço para determinar se é seguro para os participantes permanecer dentro. Deveres e Responsabilidades dos Vigias: Deveres e Responsabilidades dos Vigias: CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
  • 66. Dar comando de evacuação se necessário. Avisar pessoal não autorizado para permanecerem distante do espaço permitido ou mandá-los sair se já estiverem dentro.  Relatar entradas não autorizadas para o supervisor de entrada e participantes autorizados dentro do espaço Deveres e Responsabilidades dos Vigias: CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
  • 67. Deveres e Responsabilidades dos Vigias: Realizar resgates externamente. Soar o alarme em caso de emergência, e ficar de prontidão para fornecer informação ao time de resgate. CONHECIMENTOS PRÁTICAS SEGURAS EM ESPAÇO CONFINADOS
  • 68. •Primeiro socorros é o tratamento imediato ministrado em uma vítima de trauma ou mal súbito.Fora do ambiente hospitalar. OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
  • 69. Passos para um atendimento: 1.Chamar socorro; 2.Avaliar a cena; 3.Colocar EPI; 4.Sinalizar o local; OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
  • 70. Telefones de emergência • 193: Corpo de Bombeiros; • 192: Ambulância; • 190: Policia Militar; • 199: Defesa Civil. OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
  • 71. COMO ACIONAR O SOCORRO  MANTER SE CALMO;  IDENTIFICAR-SE;  ESCLARECER O QUE ESTA ACONTECENDO;  PASSAR NOME CORRETO DA RUA E NUMERAÇÃO;  PASSAR O MELHOR PONTO DE REFERÊNCIA;  PASSAR NÚMERO REAL DE VÍTIMAS;  NÚMERO DE VEÍCULOS ENVOLVIDOS;  SOLICITAR O NOME DO ATENDENTE; OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
  • 73. Procedimentos gerais • Deixar a vítima em repouso: • Não oferecer nada para um acidentado: • Não mudar a posição de uma vítima machucada ou com suspeita de fratura; • Não remover a vítima e nem transportá-la para o hospital. OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
  • 74. Análise Primária • Verificar inconsciência; • Liberar vias aéreas; • Verificar respiração • Ver • Ouvir • Sentir • Se não respira efetue 02 ventilações artificiais OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
  • 76. •Verificar circulação  > de 1 ano- pulso carotídeo  < de 1 ano- pulso braquial Se não tem circulação inicie rapidamente RCP •Verificar grandes hemorragias ANÁLISE PRIMÁRIA OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
  • 77. Asfixia Pode ser causada pela língua, por corpo estranho, em vítima com suspeita de trauma. Em vítimas sem trauma devemos fazer a inclinação da cabeça e elevação do queixo OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
  • 79. Liberação das vias aéreas OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
  • 80. Manobra de Heimilich • Avise a vítima que vai ajudar; • Posicione- se atrás dela; • Localize o umbigo da vítima e posicione uma mão fechada 4 dedos acima; • Cubra esta mão com a outra mão; • Comprima para cima e para trás (J). OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
  • 83. Parada Cardio Respiratória • Causas: asfixia, intoxicações, traumatismos, afogamentos, choque elétrico, estado de choque... • Sinais: perda da consciência, dos movimentos respiratórios e dos batimentos cardíacos. • Sintomas: pele pálida úmida e fria, náuseas, dor no peito, formigamento. OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
  • 84. TRATAMENTO RCP •Coloque a vítima deitada de costa em uma superfície rígida; •Ajoelhe- se ao lado; •Com os braços estendidos, apóie as mãos uma sobre a outra no peito do acidentado; • Realize as compressões 02 dedos acima do apêndice Xifóide; •Utilize o peso do seu corpo, faça compressões curtas e fortes, comprimindo e aliviando regularmente; OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
  • 87. Reanimação Cardio Pulmonar RCP • Respiração boca a boca: Se a vítima não respira, feche o nariz com os dedos. Coloque sua boca por cima da boca da vitima e assopre(ventile). Dê duas respirações rápidas utilizando o ar dos seus pulmões. OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
  • 88. Compressões • Fazer 30 compressões na linha dos mamilos. • A cada término das 30 compressões fazer as 2 ventilações. OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
  • 89. ATENÇÃO: Só devemos parar de fazer as massagens (2 X 30 ) quando:  A vítima se mexer;  Quando chegar socorro médico.  Nunca pare a RCP. OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
  • 90. HEMORRAGIA • Definição: Ruptura de vasos sanguíneos com extravasamento de sangue • Classificação: • Interna • Externa Arterial Venosa Capilar OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
  • 91. MÉTODOS DE CONTENÇÃO 1. Pressão diretasobre a lesão: Com as mãos ou bandagem, gaze, ou outro material, executar pressão direta sobre a área lesada OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
  • 92. MÉTODOS DE CONTENÇÃO 2.Elevação: quando possível, em membros, elevar a área lesada acima do nível do coração. Obs.: ferimentos acompanhados de possível lesão óssea ou articular não devem ser elevados ou movimentados. OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
  • 93. MÉTODOS DE CONTENÇÃO 3. Compressão Arterial: Realizar compressão nos pontos arteriais. OBS: Não utilizar esta técnica quando houver suspeita de fraturas no local de compressão OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
  • 94. Choque elétrico • Causas: queimadura, fratura, PCR • Devemos: isolá-la da corrente elétrica, deita- lá em superfície limpa e dura e se for preciso iniciar RCP até chegar socorro. • Tratar ferimentos conforme a importância. OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
  • 95. Efeitos da eletricidade sobre o corpo humano  Obstrução pela retração da língua;  Batimentos cardíacos irregulares ou parada cardíaca;  Lesões musculares;  Problemas de visão;  Dificuldade ou parada respiratória;  Elevação da pressão arterial;  Fraturas;  Paralisias;  Possibilidade de convulsões;  Inconsciência. OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
  • 96. Primeiras providências Desligue o aparelho da tomada ou a chave geral. Se tiver que usar as mãos para remover uma pessoa, envolva-as em jornal ou um saco de papel. Empurre a vítima para longe da fonte de eletricidade com um objeto seco, não-condutor de corrente, como um cabo de vassoura, tábua, corda seca, cadeira de madeira ou bastão de borracha. OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
  • 97. Ferimentos • Lavar com água corrente ou limpa, não retirar objetos que estejam grudados; • Caso seja preciso cobrir com um pano ou gaze para controlar hemorragias; • Se houver avulsão de algum membro colocá-lo em um saco e depois no gelo; OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
  • 98. OBJETO CRAVADO 1. CONTROLAR SANGRAMENTO; 2. ESTABILIZAR O OBJETO. NÃO DEVE SER REMOVIDO OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
  • 99. FERIMENTO NOS OLHOS • Cobrir o globo ocular lesionado com curativo umidificado com soro fisiológico; • Tapar sempre os dois olhos; • Imobilizar objetos que estejam empalados. OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
  • 100. AMPUTAÇÕES •Controlar sangramentos; •Envolver a parte amputada em gaze e/ou plástico estéril; •Manter em local refrigerado. OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
  • 101. QUEIMADURAS 1º Grau atinge epiderme 2 º Grau atinge epiderme e a derme 3º Grau atinge o tecido de revestimento podendo chegar até o ósseo OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
  • 102. QUEIMADURA DE 1º GRAU CARACTERÍSTICAS: • Dor; • Vermelhidão local. OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
  • 103. QUEIMADURA DE 2º GRAU CARACTERÍSTICAS: • Dor; • Vermelhidão; • Bolhas. OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
  • 104. CARACTERÍSTICAS – 3º GRAU Necrose dos tecidos; Carbonização; Formação de escaras; Ausência de dor no local da lesão. Queimaduras de 1º e 2º graus ao redor da lesão causa dor intensa para a OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
  • 105. QUEIMADURA DE 3º GRAU OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
  • 106. REGRAS GERAIS Irrigar a área queimada com água limpa, na temperatura ambiente, para eliminar o calor e cessar a queimadura; Remover as vestes que estejam queimadas; Remover imediatamente adornos (anéis,pulseira,etc.) da área atingida; OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
  • 107. O que nunca fazer! • Furar bolhas; • Remover vestes aderidas à queimadura; • Passar sobre a queimadura quaisquer tipos de substâncias; • Utilizar gelo sobre a queimadura; • Dar líquidos para a vítima beber. OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
  • 108. Fratura • É a quebra de um osso causada por uma pancada muito forte, uma queda ou esmagamento. • Há dois tipos de fraturas: as fechadas, que, apesar do choque, deixam a pele intacta, e as expostas, quando o osso fere e atravessa a pele. As fraturas expostas exigem cuidados especiais, portanto, cubra o local com um pano limpo ou gaze e procure socorro imediato. OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
  • 109. EXEMPLOS DE FRATURAS ABERTA FECHADA OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
  • 110. Improvise uma tala Amarre delicadamente o membro machucado (braços ou pernas) a uma superfície, como uma tábua, revista dobrada, vassoura ou outro objeto qualquer. Use tiras de pano, ataduras ou cintos, sem apertar muito para não dificultar a circulação sanguínea. Improvise uma tipóia Utilize um pedaço grande de tecido com as pontas presas ao redor do pescoço. Isto serve para sustentar um braço em casos de fratura de punho, antebraço, cotovelo, costelas ou clavícula. Só use a tipóia se o braço ferido puder ser flexionado sem dor ou se já estiver dobrado. OPERAÇÕES DE SALVAMENTO
  • 111. Transporte de vítimas: • Devemos transportar as vítimas de queda em prancha, tomando cuidado com a coluna. OPERAÇÕES DE SALVAMENTO