SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
Indice 
Cont. Págs 
0.0.Introdução ................................................................................................................................. 1 
0.1.Objectivos ................................................................................................................................. 2 
1.Metodologia ................................................................................................................................. 2 
2.1.Origem e evolução e perspectivas da Qualidade de Vida no Trabalho .................................... 3 
2.2.Concepções Evolutivas do QVT Perspectivas ou Visão........................................................... 5 
3.Conclusão..................................................................................................................................... 6 
4.Referências Bibliográficas ........................................................................................................... 7
1 
0.0.Introdução 
Na era actual nota-se uma crescente preocupação com o Bem-estar, Qualidade de Vida no 
Trabalho e Saúde nas Organizações. Observa-se um número, cada dia maior, de empresas que 
procuram obter informações sobre actividades físicas, diminuição do estresse, aquisição de 
hábitos alimentares saudáveis, melhoria do ambiente de trabalho, etc. como forma de melhorar o 
desempenho de seus colaboradores. 
Neste sentido as empresas lutam pela sobrevivência, e colocam a seus funcionários enormes 
sacrifícios, isto devido a novas propostas que surgem ou que são aperfeiçoados para a melhoria 
das condições e satisfação no trabalho. 
A luta pela sobrevivência da organização deixa muito a desejar cada vez mais no ambiente do 
trabalho. 
Assim, o tema Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) vem ganhando espaço na sociedade. 
Este artigo tem como objectivo principal analisar a contribuição dada por alguns autores sobre a 
retrospectiva da Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) desde a sua Origem até os dias actuais.
2 
0.1.Objectivos 
0.1.1.Geral: 
 Caracterizar o Historial sobre a origem, Evolução e Perspectivas da Qualidade de Vida no 
trabalho como ferramenta da gestão. 
0.1.2.Especificos: 
 Identificar as fases percorridas durante a origem, Evolução e Perspectivas da Qualidade 
de Vida no trabalho; 
 Enumerar as etapas percorridas na busca da Qualidade de Vida no trabalho. 
1.Metodologia 
O presente trabalho foi feito tendo em conta aos seus procedimentos técnicos, neste caso a 
Pesquisa bibliográfica e documental, onde Segundo Salomon (2004), a pesquisa Bibliográfica 
e Documental ”fundamenta-se em conhecimentos proporcionados pelos livros, artigos e pela 
Documentação. Esse processo solicita uma busca planeada de informações bibliográficas para 
elaborar e documentar um trabalho de pesquisa científica”.
3 
2.Fundamentos Teóricos 
“Devido às exigências do mercado, as empresas se vêem obrigadas a agregar mais valor a seus 
produtos e serviços e o maior aliado para tal feito é o colaborador. Quanto mais motivado e 
satisfeito estiver o colaborador, mais produtivo, criativo e disposto a fazer a diferença ele 
ficará”. (Canizares 2008:1) 
2.1.Origem e evolução e perspectivas da Qualidade de Vida no Trabalho 
Primeiramente o autor Rodrigues (1999), apresentou alguns títulos e em outros contextos, mas 
sempre esteve associado a ideia que a QVT funciona para facilitar ou trazer satisfação e bem-estar 
ao trabalhador na execução plena de suas tarefas, mais salienta que a QVT sempre foi 
objecto de preocupação da raça humana. 
Em torno disto, já no século XX, muitos autores começam a dar contributo para o estudo sobre a 
satisfação do indivíduo no trabalho. Entre estes autores destacam-se o Helton Mayo, cujas 
pesquisas, estiveram associados as ideias dos outros autores como Ferreira, Reis e Pereira 
(1999), Hampton (1991) e Rodrigues (1999), cujos seus estudos foram relevantes a partir das 
pesquisas efectuadas na Western Eletric Company (Hawthorne, Chicago) no início dos anos 20 e 
culminaram com a escola de Relações Humanas. 
Os estudos realizados neste contexto focalizavam o comportamento humano, da motivação dos 
indivíduos para a obtenção das metas organizacionais e da Qualidade de Vida do Trabalhador. 
Em seguida emerge os trabalhos de Abrahan H. Maslow, e por sua vez avança com os estudos 
sobre a hierarquia das necessidades, descrevendo cinco necessidades fundamentais, das quais 
destaca as seguintes: fisiológicas, segurança, amor, estima 
e auto-realização.
4 
Com base nestes princípios básicos, o autor Douglas Mc Gregor, o grande pioneiro da Teoria X, 
que este por sua vez, considerava, entre outras coisas, que o compromisso com os objectivos 
depende das recompensas à sua alcance, e que o ser humano não só aprende a aceitar as 
responsabilidades, como passa a procurá-las. 
Mas numa outra óptica, os autores Ferreira, Reis e Pereira (1999), fundamentam que a teoria do 
autor Douglas Mc Gregor na sua essência, busca a integração entre os objectivos individuais e 
organizacionais. 
O autor Rodrigues (1999), salienta que várias matérias destacadas por McGregor são levantadas 
e consideradas em programas de QVT. 
Por seu torno o autor Frederick Herzber destaca que as pesquisas desse autor detectaram que os 
entrevistados (engenheiros e contadores) associavam a insatisfação com o trabalho ao ambiente 
de trabalho e a satisfação com o trabalho ao conteúdo. Deste modo sublinha que os factores 
higiénicos capazes de produzir insatisfação compreendem: a política e a administração da 
empresa, as relações interpessoais com os supervisores, supervisão, condições de trabalho, 
salários, status e segurança no trabalho; para Ferreira, Reis e Pereira, 1999 e Rodrigues (1999), 
os factores motivadores geradores de satisfação compreendem: a realização, reconhecimento, o 
próprio trabalho, responsabilidade e progresso ou desenvolvimento. 
Noutro contexto os autores Nadler E Lawler apud Fernandes (1996), França (1997) e Rodrigues 
(1999) proporão uma visão interessante e abrangente da evolução do conceito de QVT, 
mencionando o desafio imaginado pelos seus idealizadores, e tornar o QVT uma ferramenta ou 
um instrumento gerencial efectiva e não apenas mais um modelo, como tantos outros. 
Mais abordam que esse desafio torna -se mais uma descoberta no sentido em que se vê às voltas 
a rotina diária cada vez mais incómodo e massacrante. Quando se pensava que os seres humanos 
poderiam finalmente desfrutar do rápido progresso alcançado em várias ciências, mas o que se 
tem notado é o trabalho como um fim em si mesmo.
5 
Já na década de 90 marca-se os sucessivos processos de downsizing dando ênfase na, 
reestruturação e reengenharia, afirmando que actualmente as pessoas têm trabalhado cada vez 
mais, e, por extensão, têm 
tido menos tempo para si mesmas (VEIGA, 2000). 
Com base nessa realidade, Handy (1995: 25), declarou que: “O problema começou quando 
transforma-se o tempo em uma mercadoria, começa se a comprar o tempo das pessoas nas 
empresas em vez de comprar a produção oferecendo trocas inevitáveis. 
2.2.Concepções Evolutivas do QVT Perspectivas ou Visão 
1.Em (1959 a 1972) a QVT era tida como uma variável reacção do indivíduo ao trabalho; 
Investigava-se como melhorar a qualidade de vida no trabalho para o indivíduo. 
2.em (1969 a 1974) a QVT vista como uma abordagem; o foco era o indivíduo antes do resultado 
organizacional; mas, ao mesmo tempo, buscava-se trazer melhorias tanto ao empregado como à 
direcção. 
3. Em (1972 a 1975) a QVT era analisada como um método; um conjunto de métodos e técnicas 
para melhorar o ambiente de trabalho e tornar o trabalho mais produtivo e mais satisfatório. 
4.Em (1975 a 1980) a QVT era visto como um movimento, preocupava-se pela declaração sobre 
a natureza do trabalho e as relações dos trabalhadores com a organizações, etc. 
5. Em (1979 a 1982) a QVT é consolidada como um todo, submetia questões de problemas de 
qualidade, de queixas, baixas taxas de produtividade, entre outros problemas organizacionais. 
6. Já no futuro é tida certos casos em que caso alguns projectos de QVT fracassarem no futuro 
não passará de modelos passageiros
6 
3.Conclusão 
A partir do estudo feito sobre este artigo fundamenta-se que trata-se de um artigo em que 
diversos autores debruçam-se da origem e evolução da Qualidade de Vida no Trabalho, 
destacando que a qualidade de vida sempre foi uma preocupação do ser humano em todos os 
tempos. 
A QVT, não trata somente das condições físicas, mas de todo conjunto de condições psicológicas 
e sociais do ambiente do trabalho. 
Em questões de QVT os autores abordam que continua a verificar-se grandes desafios para o 
reforço de práticas de QVT, abordando-se a insatisfação e as queixas dos trabalhadores e como 
esses problemas podem afectar as empresas. 
Com base nisto destaca-se a necessidade do ambiente de trabalho ser um local agradável e 
prazeroso para os funcionários, pois é onde passam a maior parte de tempo das suas vidas. 
É importante levantar que, este artigo desperta nos sobre o esforço de algumas empresas para 
proporcionar o bem-estar aos seus funcionários. 
Em gesto de conclusão, ressaltar que ainda há muito que ser feito pelos Gestores para 
transformar o ambiente de trabalho nas organizações em um local mais agradável onde se possa 
desenvolver e evoluir.
7 
4.Referências Bibliográficas 
RODRIGUES, Marcus V.C. Qualidade de vida no Trabalho: Evolução e análise no nível 
gerencial. Petrópolis. Ed Vozes, 1999. 
VASCONCELOS, Anselmo Ferreira. Qualidade de Vida no Trabalho: origem, evolução e 
perspectivas.São Paulo. v. 8. n. 1. 2001.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Manual de psicologia organizacional
Manual de psicologia organizacionalManual de psicologia organizacional
Manual de psicologia organizacional
Dacir Castro
 
2013 1 administracao_1_comportamento organizacional
2013 1 administracao_1_comportamento organizacional2013 1 administracao_1_comportamento organizacional
2013 1 administracao_1_comportamento organizacional
Weslen Luen
 
Apostila gestão de pessoas 2013
Apostila gestão de pessoas 2013Apostila gestão de pessoas 2013
Apostila gestão de pessoas 2013
Ricardo Verrengia
 
Modelos de Gestão de Pessoas em ambiente de fusões e aquisições
Modelos de Gestão de Pessoas em ambiente de fusões e aquisiçõesModelos de Gestão de Pessoas em ambiente de fusões e aquisições
Modelos de Gestão de Pessoas em ambiente de fusões e aquisições
Anderson Rafael Brugnera
 

Mais procurados (20)

Tcc ii
Tcc iiTcc ii
Tcc ii
 
CICLO DE VIDA DAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DO SETOR MET...
CICLO DE VIDA DAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DO SETOR MET...CICLO DE VIDA DAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DO SETOR MET...
CICLO DE VIDA DAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DO SETOR MET...
 
Organização Contemporânea 3
Organização Contemporânea 3Organização Contemporânea 3
Organização Contemporânea 3
 
Prova tga iii bimestre
Prova tga iii bimestreProva tga iii bimestre
Prova tga iii bimestre
 
A importancia da analise previa
A importancia da analise previaA importancia da analise previa
A importancia da analise previa
 
Psicologia organizacional
Psicologia organizacionalPsicologia organizacional
Psicologia organizacional
 
Manual de psicologia organizacional
Manual de psicologia organizacionalManual de psicologia organizacional
Manual de psicologia organizacional
 
2013 1 administracao_1_comportamento organizacional
2013 1 administracao_1_comportamento organizacional2013 1 administracao_1_comportamento organizacional
2013 1 administracao_1_comportamento organizacional
 
04p epg6-10
04p   epg6-1004p   epg6-10
04p epg6-10
 
Apostila gestão de pessoas 2013
Apostila gestão de pessoas 2013Apostila gestão de pessoas 2013
Apostila gestão de pessoas 2013
 
Artigo científico PDI Você S.A.
Artigo científico PDI Você S.A.Artigo científico PDI Você S.A.
Artigo científico PDI Você S.A.
 
Fatores psicossociais
Fatores psicossociaisFatores psicossociais
Fatores psicossociais
 
Bachelor monograph motivation essential factor for leadership
Bachelor monograph motivation   essential factor for leadershipBachelor monograph motivation   essential factor for leadership
Bachelor monograph motivation essential factor for leadership
 
Modelos de Gestão de Pessoas em ambiente de fusões e aquisições
Modelos de Gestão de Pessoas em ambiente de fusões e aquisiçõesModelos de Gestão de Pessoas em ambiente de fusões e aquisições
Modelos de Gestão de Pessoas em ambiente de fusões e aquisições
 
Ensaio Exame Happiness Works
Ensaio Exame Happiness WorksEnsaio Exame Happiness Works
Ensaio Exame Happiness Works
 
Qualidade de vida no trabalho
Qualidade de vida no trabalhoQualidade de vida no trabalho
Qualidade de vida no trabalho
 
TCC - Pós-Graduação - GRH- Gestão Recursos Humanos_Jair de Barros_FATIN.
TCC - Pós-Graduação - GRH- Gestão Recursos Humanos_Jair de Barros_FATIN.TCC - Pós-Graduação - GRH- Gestão Recursos Humanos_Jair de Barros_FATIN.
TCC - Pós-Graduação - GRH- Gestão Recursos Humanos_Jair de Barros_FATIN.
 
Mudança do Modelo de Gestão Organizacional
Mudança do Modelo de Gestão OrganizacionalMudança do Modelo de Gestão Organizacional
Mudança do Modelo de Gestão Organizacional
 
Aula 6 adm relações humanas
Aula 6 adm   relações humanasAula 6 adm   relações humanas
Aula 6 adm relações humanas
 
TCC - QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO EM UMA EMPRESA DE MÉDIO PORTE NO MUNICÍP...
TCC -  QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO EM UMA EMPRESA DE MÉDIO PORTE NO MUNICÍP...TCC -  QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO EM UMA EMPRESA DE MÉDIO PORTE NO MUNICÍP...
TCC - QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO EM UMA EMPRESA DE MÉDIO PORTE NO MUNICÍP...
 

Destaque

Cariño especial
Cariño especialCariño especial
Cariño especial
agtzglez22
 
Yorkie curso uberaba
Yorkie curso uberabaYorkie curso uberaba
Yorkie curso uberaba
Catia Barbosa
 
Projetos2002
Projetos2002Projetos2002
Projetos2002
projetex
 
Pablo picasso
Pablo picasso Pablo picasso
Pablo picasso
luficko88
 
Tema de interes
Tema  de  interesTema  de  interes
Tema de interes
cansona20
 
Защита гранта "Экотропа "Ручей Забобуриха"
Защита гранта "Экотропа "Ручей Забобуриха"Защита гранта "Экотропа "Ручей Забобуриха"
Защита гранта "Экотропа "Ручей Забобуриха"
Кирилл Антонов
 
Circuito eléctrico para el pc
Circuito eléctrico para el pcCircuito eléctrico para el pc
Circuito eléctrico para el pc
nena1516
 
Energyst Utilities Leaflet En
Energyst Utilities Leaflet EnEnergyst Utilities Leaflet En
Energyst Utilities Leaflet En
peinenben
 
علامة الاسم والفعل والحرف
علامة الاسم والفعل والحرفعلامة الاسم والفعل والحرف
علامة الاسم والفعل والحرف
Amirul Mukmin
 
времена года
времена годавремена года
времена года
Vanik Adamyan
 

Destaque (20)

Lina
LinaLina
Lina
 
Cariño especial
Cariño especialCariño especial
Cariño especial
 
Yorkie curso uberaba
Yorkie curso uberabaYorkie curso uberaba
Yorkie curso uberaba
 
Projetos2002
Projetos2002Projetos2002
Projetos2002
 
Initiatives de paix des CIP - exemple du CIP France Togo
Initiatives de paix des CIP - exemple du CIP France TogoInitiatives de paix des CIP - exemple du CIP France Togo
Initiatives de paix des CIP - exemple du CIP France Togo
 
Receitas
ReceitasReceitas
Receitas
 
Prvision vendredi 10 octobre 2014
Prvision vendredi 10 octobre 2014Prvision vendredi 10 octobre 2014
Prvision vendredi 10 octobre 2014
 
Estado & direito
Estado & direitoEstado & direito
Estado & direito
 
Pablo picasso
Pablo picasso Pablo picasso
Pablo picasso
 
Tema de interes
Tema  de  interesTema  de  interes
Tema de interes
 
Защита гранта "Экотропа "Ручей Забобуриха"
Защита гранта "Экотропа "Ручей Забобуриха"Защита гранта "Экотропа "Ручей Забобуриха"
Защита гранта "Экотропа "Ручей Забобуриха"
 
Copie De Fusion
Copie De FusionCopie De Fusion
Copie De Fusion
 
Circuito eléctrico para el pc
Circuito eléctrico para el pcCircuito eléctrico para el pc
Circuito eléctrico para el pc
 
3 bài thuốc tiền mãn kinh từ đông y
3 bài thuốc tiền mãn kinh từ đông y3 bài thuốc tiền mãn kinh từ đông y
3 bài thuốc tiền mãn kinh từ đông y
 
Energyst Utilities Leaflet En
Energyst Utilities Leaflet EnEnergyst Utilities Leaflet En
Energyst Utilities Leaflet En
 
علامة الاسم والفعل والحرف
علامة الاسم والفعل والحرفعلامة الاسم والفعل والحرف
علامة الاسم والفعل والحرف
 
времена года
времена годавремена года
времена года
 
Control2
Control2Control2
Control2
 
Pasos a segir para reclamación sobre calificaciones/actividad no en línea UNAD
Pasos a segir para reclamación sobre calificaciones/actividad no en línea UNADPasos a segir para reclamación sobre calificaciones/actividad no en línea UNAD
Pasos a segir para reclamación sobre calificaciones/actividad no en línea UNAD
 
Social Media in the College Process
Social Media in the College ProcessSocial Media in the College Process
Social Media in the College Process
 

Semelhante a W1 avaliacao e controle de riscos

GESTÃO DE PESSOAS E A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO
GESTÃO DE PESSOAS E A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHOGESTÃO DE PESSOAS E A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO
GESTÃO DE PESSOAS E A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO
Júnia Carine
 
A teoria-das-relacoes-humanas
A teoria-das-relacoes-humanasA teoria-das-relacoes-humanas
A teoria-das-relacoes-humanas
Almelye
 
Artigo qualidade de vida no trabalho pdf
Artigo qualidade de vida no trabalho pdfArtigo qualidade de vida no trabalho pdf
Artigo qualidade de vida no trabalho pdf
Universidade de São Paulo (EEL USP)
 
Clicar para visualisação
Clicar para visualisaçãoClicar para visualisação
Clicar para visualisação
jruaca
 

Semelhante a W1 avaliacao e controle de riscos (20)

25 de novembro 16 qualidade-de-vida-no-trabalho-origem
25 de novembro   16 qualidade-de-vida-no-trabalho-origem25 de novembro   16 qualidade-de-vida-no-trabalho-origem
25 de novembro 16 qualidade-de-vida-no-trabalho-origem
 
artigo
artigoartigo
artigo
 
GESTÃO DE PESSOAS E A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO
GESTÃO DE PESSOAS E A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHOGESTÃO DE PESSOAS E A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO
GESTÃO DE PESSOAS E A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO
 
2a semana Aula Online- GESTÃO DA QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO.pdf
2a semana Aula Online- GESTÃO DA QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO.pdf2a semana Aula Online- GESTÃO DA QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO.pdf
2a semana Aula Online- GESTÃO DA QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO.pdf
 
Trabalho de Sobre Os Processos de RH
Trabalho de Sobre Os Processos de RHTrabalho de Sobre Os Processos de RH
Trabalho de Sobre Os Processos de RH
 
20300778.pdf
20300778.pdf20300778.pdf
20300778.pdf
 
Psicologia Organizacional
Psicologia OrganizacionalPsicologia Organizacional
Psicologia Organizacional
 
Qualidade de Vida no Trabalho
Qualidade de Vida no TrabalhoQualidade de Vida no Trabalho
Qualidade de Vida no Trabalho
 
Portifolio gestao de pessoas junho
Portifolio gestao de pessoas    junhoPortifolio gestao de pessoas    junho
Portifolio gestao de pessoas junho
 
A teoria-das-relacoes-humanas
A teoria-das-relacoes-humanasA teoria-das-relacoes-humanas
A teoria-das-relacoes-humanas
 
Trabalho da cadeira de gestao de prevencao
Trabalho da cadeira de gestao de prevencao Trabalho da cadeira de gestao de prevencao
Trabalho da cadeira de gestao de prevencao
 
Artigo qualidade de vida no trabalho pdf
Artigo qualidade de vida no trabalho pdfArtigo qualidade de vida no trabalho pdf
Artigo qualidade de vida no trabalho pdf
 
Aula 14-15 - qvt histórico conceitos e modelos
Aula 14-15 - qvt histórico conceitos e modelosAula 14-15 - qvt histórico conceitos e modelos
Aula 14-15 - qvt histórico conceitos e modelos
 
Trab. a caminho da qualidade de vida no trabalho (geral) defint
Trab. a caminho da qualidade de vida no trabalho (geral) defintTrab. a caminho da qualidade de vida no trabalho (geral) defint
Trab. a caminho da qualidade de vida no trabalho (geral) defint
 
Motivacao e satisfacao no trabalho
Motivacao e satisfacao no trabalhoMotivacao e satisfacao no trabalho
Motivacao e satisfacao no trabalho
 
Motivacao e satisfacao no trabalho
Motivacao e satisfacao no trabalhoMotivacao e satisfacao no trabalho
Motivacao e satisfacao no trabalho
 
Slide M d CEu.pptx
Slide M d CEu.pptxSlide M d CEu.pptx
Slide M d CEu.pptx
 
Qualidade de vida no trabalho: fatores que influenciam as organizações
Qualidade de vida no trabalho: fatores que influenciam as organizaçõesQualidade de vida no trabalho: fatores que influenciam as organizações
Qualidade de vida no trabalho: fatores que influenciam as organizações
 
Artigo novo e rh tatiana costa
Artigo  novo e   rh tatiana costaArtigo  novo e   rh tatiana costa
Artigo novo e rh tatiana costa
 
Clicar para visualisação
Clicar para visualisaçãoClicar para visualisação
Clicar para visualisação
 

Último

Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 

Último (20)

"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxTIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 

W1 avaliacao e controle de riscos

  • 1. Indice Cont. Págs 0.0.Introdução ................................................................................................................................. 1 0.1.Objectivos ................................................................................................................................. 2 1.Metodologia ................................................................................................................................. 2 2.1.Origem e evolução e perspectivas da Qualidade de Vida no Trabalho .................................... 3 2.2.Concepções Evolutivas do QVT Perspectivas ou Visão........................................................... 5 3.Conclusão..................................................................................................................................... 6 4.Referências Bibliográficas ........................................................................................................... 7
  • 2. 1 0.0.Introdução Na era actual nota-se uma crescente preocupação com o Bem-estar, Qualidade de Vida no Trabalho e Saúde nas Organizações. Observa-se um número, cada dia maior, de empresas que procuram obter informações sobre actividades físicas, diminuição do estresse, aquisição de hábitos alimentares saudáveis, melhoria do ambiente de trabalho, etc. como forma de melhorar o desempenho de seus colaboradores. Neste sentido as empresas lutam pela sobrevivência, e colocam a seus funcionários enormes sacrifícios, isto devido a novas propostas que surgem ou que são aperfeiçoados para a melhoria das condições e satisfação no trabalho. A luta pela sobrevivência da organização deixa muito a desejar cada vez mais no ambiente do trabalho. Assim, o tema Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) vem ganhando espaço na sociedade. Este artigo tem como objectivo principal analisar a contribuição dada por alguns autores sobre a retrospectiva da Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) desde a sua Origem até os dias actuais.
  • 3. 2 0.1.Objectivos 0.1.1.Geral:  Caracterizar o Historial sobre a origem, Evolução e Perspectivas da Qualidade de Vida no trabalho como ferramenta da gestão. 0.1.2.Especificos:  Identificar as fases percorridas durante a origem, Evolução e Perspectivas da Qualidade de Vida no trabalho;  Enumerar as etapas percorridas na busca da Qualidade de Vida no trabalho. 1.Metodologia O presente trabalho foi feito tendo em conta aos seus procedimentos técnicos, neste caso a Pesquisa bibliográfica e documental, onde Segundo Salomon (2004), a pesquisa Bibliográfica e Documental ”fundamenta-se em conhecimentos proporcionados pelos livros, artigos e pela Documentação. Esse processo solicita uma busca planeada de informações bibliográficas para elaborar e documentar um trabalho de pesquisa científica”.
  • 4. 3 2.Fundamentos Teóricos “Devido às exigências do mercado, as empresas se vêem obrigadas a agregar mais valor a seus produtos e serviços e o maior aliado para tal feito é o colaborador. Quanto mais motivado e satisfeito estiver o colaborador, mais produtivo, criativo e disposto a fazer a diferença ele ficará”. (Canizares 2008:1) 2.1.Origem e evolução e perspectivas da Qualidade de Vida no Trabalho Primeiramente o autor Rodrigues (1999), apresentou alguns títulos e em outros contextos, mas sempre esteve associado a ideia que a QVT funciona para facilitar ou trazer satisfação e bem-estar ao trabalhador na execução plena de suas tarefas, mais salienta que a QVT sempre foi objecto de preocupação da raça humana. Em torno disto, já no século XX, muitos autores começam a dar contributo para o estudo sobre a satisfação do indivíduo no trabalho. Entre estes autores destacam-se o Helton Mayo, cujas pesquisas, estiveram associados as ideias dos outros autores como Ferreira, Reis e Pereira (1999), Hampton (1991) e Rodrigues (1999), cujos seus estudos foram relevantes a partir das pesquisas efectuadas na Western Eletric Company (Hawthorne, Chicago) no início dos anos 20 e culminaram com a escola de Relações Humanas. Os estudos realizados neste contexto focalizavam o comportamento humano, da motivação dos indivíduos para a obtenção das metas organizacionais e da Qualidade de Vida do Trabalhador. Em seguida emerge os trabalhos de Abrahan H. Maslow, e por sua vez avança com os estudos sobre a hierarquia das necessidades, descrevendo cinco necessidades fundamentais, das quais destaca as seguintes: fisiológicas, segurança, amor, estima e auto-realização.
  • 5. 4 Com base nestes princípios básicos, o autor Douglas Mc Gregor, o grande pioneiro da Teoria X, que este por sua vez, considerava, entre outras coisas, que o compromisso com os objectivos depende das recompensas à sua alcance, e que o ser humano não só aprende a aceitar as responsabilidades, como passa a procurá-las. Mas numa outra óptica, os autores Ferreira, Reis e Pereira (1999), fundamentam que a teoria do autor Douglas Mc Gregor na sua essência, busca a integração entre os objectivos individuais e organizacionais. O autor Rodrigues (1999), salienta que várias matérias destacadas por McGregor são levantadas e consideradas em programas de QVT. Por seu torno o autor Frederick Herzber destaca que as pesquisas desse autor detectaram que os entrevistados (engenheiros e contadores) associavam a insatisfação com o trabalho ao ambiente de trabalho e a satisfação com o trabalho ao conteúdo. Deste modo sublinha que os factores higiénicos capazes de produzir insatisfação compreendem: a política e a administração da empresa, as relações interpessoais com os supervisores, supervisão, condições de trabalho, salários, status e segurança no trabalho; para Ferreira, Reis e Pereira, 1999 e Rodrigues (1999), os factores motivadores geradores de satisfação compreendem: a realização, reconhecimento, o próprio trabalho, responsabilidade e progresso ou desenvolvimento. Noutro contexto os autores Nadler E Lawler apud Fernandes (1996), França (1997) e Rodrigues (1999) proporão uma visão interessante e abrangente da evolução do conceito de QVT, mencionando o desafio imaginado pelos seus idealizadores, e tornar o QVT uma ferramenta ou um instrumento gerencial efectiva e não apenas mais um modelo, como tantos outros. Mais abordam que esse desafio torna -se mais uma descoberta no sentido em que se vê às voltas a rotina diária cada vez mais incómodo e massacrante. Quando se pensava que os seres humanos poderiam finalmente desfrutar do rápido progresso alcançado em várias ciências, mas o que se tem notado é o trabalho como um fim em si mesmo.
  • 6. 5 Já na década de 90 marca-se os sucessivos processos de downsizing dando ênfase na, reestruturação e reengenharia, afirmando que actualmente as pessoas têm trabalhado cada vez mais, e, por extensão, têm tido menos tempo para si mesmas (VEIGA, 2000). Com base nessa realidade, Handy (1995: 25), declarou que: “O problema começou quando transforma-se o tempo em uma mercadoria, começa se a comprar o tempo das pessoas nas empresas em vez de comprar a produção oferecendo trocas inevitáveis. 2.2.Concepções Evolutivas do QVT Perspectivas ou Visão 1.Em (1959 a 1972) a QVT era tida como uma variável reacção do indivíduo ao trabalho; Investigava-se como melhorar a qualidade de vida no trabalho para o indivíduo. 2.em (1969 a 1974) a QVT vista como uma abordagem; o foco era o indivíduo antes do resultado organizacional; mas, ao mesmo tempo, buscava-se trazer melhorias tanto ao empregado como à direcção. 3. Em (1972 a 1975) a QVT era analisada como um método; um conjunto de métodos e técnicas para melhorar o ambiente de trabalho e tornar o trabalho mais produtivo e mais satisfatório. 4.Em (1975 a 1980) a QVT era visto como um movimento, preocupava-se pela declaração sobre a natureza do trabalho e as relações dos trabalhadores com a organizações, etc. 5. Em (1979 a 1982) a QVT é consolidada como um todo, submetia questões de problemas de qualidade, de queixas, baixas taxas de produtividade, entre outros problemas organizacionais. 6. Já no futuro é tida certos casos em que caso alguns projectos de QVT fracassarem no futuro não passará de modelos passageiros
  • 7. 6 3.Conclusão A partir do estudo feito sobre este artigo fundamenta-se que trata-se de um artigo em que diversos autores debruçam-se da origem e evolução da Qualidade de Vida no Trabalho, destacando que a qualidade de vida sempre foi uma preocupação do ser humano em todos os tempos. A QVT, não trata somente das condições físicas, mas de todo conjunto de condições psicológicas e sociais do ambiente do trabalho. Em questões de QVT os autores abordam que continua a verificar-se grandes desafios para o reforço de práticas de QVT, abordando-se a insatisfação e as queixas dos trabalhadores e como esses problemas podem afectar as empresas. Com base nisto destaca-se a necessidade do ambiente de trabalho ser um local agradável e prazeroso para os funcionários, pois é onde passam a maior parte de tempo das suas vidas. É importante levantar que, este artigo desperta nos sobre o esforço de algumas empresas para proporcionar o bem-estar aos seus funcionários. Em gesto de conclusão, ressaltar que ainda há muito que ser feito pelos Gestores para transformar o ambiente de trabalho nas organizações em um local mais agradável onde se possa desenvolver e evoluir.
  • 8. 7 4.Referências Bibliográficas RODRIGUES, Marcus V.C. Qualidade de vida no Trabalho: Evolução e análise no nível gerencial. Petrópolis. Ed Vozes, 1999. VASCONCELOS, Anselmo Ferreira. Qualidade de Vida no Trabalho: origem, evolução e perspectivas.São Paulo. v. 8. n. 1. 2001.