SlideShare uma empresa Scribd logo

Répteis

O documento descreve as principais características dos répteis, incluindo sua pele seca e escamosa, reprodução com ovos, e respiração pulmonar. Também discute as ordens de répteis, como quelônios, crocodilianos e escamados.

1 de 41
Baixar para ler offline
Répteis
R É P T E I S 
EXEMPLOS.: Tartarugas, Cobras, 
Jacarés, lagartixas etc. 
 Por que eles não dependem da água? 
 Pele seca. 
 Fecundação interna. 
 Ovo com casca que evita a desidratação. 
 Respiração pulmonar durante toda a vida.
 A Pele dos Répteis 
É seca e impermeável com células ricas 
em queratina, podendo ser: 
 Escamas 
 Placas 
 Carapaça 
Exemplos: 
Lagartixas, 
lagartos e cobras. 
Exemplos: Jacarés 
e crocodilos. 
Exemplos: Jabuti, 
tartarugas e 
cágados.
 Nutrição e outras funções 
 NUTRIÇÃO – Os répteis 
possuem mandíbula mais forte 
com dentes e músculos mais 
desenvolvidos que os anfíbios. 
 RESPIRAÇÃO – A pele impermeável não 
permite trocas gasosas. Apresentam 
respiração pulmonar, tendo o pulmão 
dobras que aumentam a superfície de 
contato com o ar.
 CIRCULAÇÃO – Os répteis 
possuem 3 cavidades no 
coração (2 átrios e 1 
ventrículo, parcialmente 
separado), com exceção dos 
jacarés e crocodilos, que têm 
o coração com 4 cavidades 
(2 átrios e 2 ventrículos). 
 EXCREÇÃO – Os répteis utilizam 
pouca água na função renal, por isso a 
urina é pastosa, o que é uma adaptação 
para a vida terrestre
 OS SENTIDOS – Esses animais 
apresentam todos os sentidos, sendo 
controlados pelo sistema nervoso. 
 Reprodução dos Répteis 
Os répteis possuem reprodução sexuada 
com fecundação interna. Podendo ser: 
OVÍPAROS  Quando põem 
ovos, que contêm uma 
reserva nutritiva para o 
desenvolvimento do embrião.
 OVOVIVÍPAROS  
Quando o embrião 
permanece no corpo da 
mãe, alimentando-se da 
reserva nutritiva do ovo e 
sai já formado. 
 VIVÍPAROS  Quando 
o embrião se desenvolve 
no útero da mãe, 
recebendo alimento 
através da placenta.
 A Temperatura dos Répteis 
Quanto à temperatura corporal, os 
répteis como os anfíbios e os peixes são 
animais PECILOTÉRMICOS, isto é, a 
temperatura corporal desses animais 
acompanha mais ou menos a 
temperatura do ambiente
 As Ordens dos Répteis 
QUELÔNIOS 
CROCODILIANOS 
Jabuti 
Crocodilo 
Tartaruga Cágado 
Jacaré
ESCAMADOS 
 LACERTÍLIOS 
Iguana Teju Camaleão 
 OFÍDIOS 
Cascavel Jibóia
 Como diferenciar uma Cobra 
Peçonhenta de uma Não-Peçonhenta? 
Cobra Peçonhenta Cobra Não-Peçonhenta 
Cabeça achatada e 
Cabeça estreita e longa 
triangular 
Cauda curta afilando 
bruscamente 
Cauda longa afilando 
gradualmente 
Escamas ásperas Escamas lisas 
Pupila em forma de 
fenda 
Pupila redonda 
Possui fosseta loreal Não possui fosseta loreal
Cobra Peçonhenta Cobra Não-Peçonhenta 
Hábito noturno Hábito diurno 
Presença de dentes 
inoculadores (presa) 
Sem dentes inoculadores 
(presa) 
Existem cobras que apresentam 
exceções para essas características: 
• A coral verdadeira é 
uma cobra peçonhenta, 
mas tem a cabeça 
redonda, olhos com 
pupila redonda, escamas 
lisas e não possui 
fosseta loreal.
• A jibóia é uma serpente 
não-peçonhenta, mas 
possui cabeça triangular, 
olhos com pupilas em 
forma de fenda e cauda 
com terminação brusca. 
 A Evolução dos Répteis
Répteis
 Controlando a Temperatura Corporal 
Quanto à temperatura corporal, 
as aves são animais 
HOMEOTÉRMICOS, isto é, a 
temperatura corporal 
permanece constante graças à 
energia liberada na respiração 
celular.
CIÊNCIAS NO DIA-A-DIA 
O que aconteceria com uma ave 
aquática se fosse dado um banho nela 
com água e sabão e, depois de seca, ela 
fosse colocada na água? 
a) Ela ficaria apenas cheirosa e perfumada. 
b) Ela iria se afogar. 
c) Ela não iria querer entrar na água 
novamente.
 As Penas e o Esqueleto 
 PENAS - São formadas principalmente 
por queratina. Contribuem para diminuir 
a perda de água e ajudam a manter 
constante a temperatura corporal, pois 
evitam a perda de calor. A pele das aves 
não possui glândulas, exceto a 
GLÂNDULA UROPIGEANA, localizada 
na cauda e que produz um óleo que as 
aves passam com o bico nas penas para 
impermeabilizá-las.
 ESQUELETO 
 São bípedes, estando os 
pés relacionados à forma 
de vida. 
 Possuem ossos 
pneumáticos (ocos e cheios 
de ar). 
 As aves voadoras têm o 
osso do peito em forma de 
quilha de barco.
 Nutrição 
O tipo de alimento varia com a espécie, 
podendo ser frutas, sementes, néctar, 
insetos ou vertebrados. 
Faringe 
Esôfago 
Bico 
Papo 
Proventrículo 
Intestinos 
Moela 
Cloaca 
Sistema Digestório das Aves
 Respiração 
As aves possuem respiração pulmonar, 
sendo seu sistema respiratório mais 
complexo que o de outros animais. 
Ligados aos pulmões existem SACOS 
AÉREOS. 
Sacos Aéreos 
Traquéia 
Estes acumulam o 
ar inspirado, depois 
o bombeiam para os 
pulmões, ampliando 
a respiração.
 Circulação 
As aves possuem coração 
com 4 cavidades: 2 átrios 
e 2 ventrículos, sem 
comunicação entre o lado 
esquerdo e direito, 
portanto não há mistura 
entre o sangue venoso 
(rico em CO2) e arterial 
(rico em O2).
CIÊNCIAS NO DIA-A-DIA 
Você saberia explicar por que as fezes 
das aves são sempre moles.
 Excreção 
As aves não possuem bexiga urinária 
para armazenar a urina, o que ajuda a 
diminuir seu peso. Os rins eliminam uma 
urina pastosa, que sai com as fezes pela 
cloaca. 
 Sistema Nervoso 
Seu sistema nervoso é formado pelo 
encéfalo, medula nervosa e nervos, que 
formam uma rede em todo o corpo.
 Os Sentidos 
As aves apresentam os sentidos bem 
desenvolvidos, captando de longe o som 
de sua presas, como também o canto de 
outras aves. O canto é produzido em um 
órgão localizado na traquéia chamado 
SIRINGE. 
 Reprodução 
As aves têm reprodução sexuada com 
fecundação interna. São ovíparas e seu 
ovo é semelhante ao dos répteis.
 Partes do Ovo 
Casca – Formada por sais de cálcio. 
Membrana da Casca – Protege o 
conteúdo interno do choque com a casca. 
Clara – Reserva de albumina 
(proteína). 
Gema – rica em colesterol 
Disco Germinativo – é o que vai originar o 
embrião. 
Calaza – sustenta a gema no centro do ovo. 
Câmara de ar – reserva de ar para o embrião.
 As aves e o Ambiente 
 Participam das cadeias alimentares e 
das relações ecológicas. 
 Disseminam sementes. 
 São polinizadoras. 
 O Ser Humano e as Aves 
 Alimentação 
 Fertilização do solo (húmus de galinha) 
 A Evolução das Aves
Répteis
 Característica Exclusiva 
 As fêmeas possuem 
GLÂNDULAS MAMÁRIAS 
que produzem leite para 
alimentar o filhote. 
 A Temperatura Corporal 
Quanto à temperatura corporal, os 
mamíferos, semelhantes às aves, são 
animais HOMEOTÉRMICOS, isto é, a 
temperatura corporal permanece 
constante graças à energia liberada na 
respiração celular.
 A Pele dos Mamíferos 
 Pêlos cobrindo o corpo (Baleia e 
golfinho só têm pêlo quando embrião). 
 Glândulas sudoríparas e sebáceas. 
 Possui tecido adiposo.
 Sistema Digestório
 Sistema Respiratório 
 Sistema Circulatório 
Os mamíferos possuem 
coração com 4 cavidades: 2 
átrios e 2 ventrículos, sem 
comunicação entre o lado 
esquerdo e direito, portanto 
não há mistura entre o sangue 
venoso (rico em CO2) e 
arterial (rico em O2).
 Sistema Excretor 
 Sistema Nervoso
 Os Sentidos
 Reprodução 
Feto 
Endométrio 
Placenta 
Cordão 
Umbilical 
Colo do Útero
 As Ordens dos Mamíferos 
1) Monotremados 
Ornitorrinco Equidna 
2) Marsupiais 
Canguru Coala Gambá
3) Xenartros 
Tamanduá Tatu 
4) Insetívoros 
Toupeira Musaranho
5) Roedores 
Capivara Rato 
6) Lagomorfos 
7) Quirópteros 
Coelho Morcego
8) Carnívoros 
Leão Onça 
9) Proboscídeo 
10) Sirênio 
Elefante Peixe-boi
11) Artiodáctilos 
Boi Cabra 
12) Perissodáctilos 
Cavalo Anta
11) Cetáceos 
Baleia Golfinho 
12) Primatas 
Macaco Ser Humano
Amigo é... 
aquela pessoa que o tempo não apaga, 
que a distância não esquece, 
que a maldade não destrói. 
É um sentimento que vem de longe, 
que ganha lugar no seu coração 
e você não substitui por nada. 
É alguém que você sente presente, 
mesmo quando está longe... 
que vem para o seu lado quando você está sozinho 
e nunca nega um sentimento sincero. 
Ser amigo não é coisa de um dia, 
são atos, palavras e atitudes que se solidificam 
no tempo e não se apagam mais. 
Que ficam para sempre como tudo que é feito 
com o coração aberto.

Recomendados

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Anfíbios - Biologia
Anfíbios - BiologiaAnfíbios - Biologia
Anfíbios - BiologiaKiller Max
 
Aula - Anfíbios e Répteis (7° ano)
Aula - Anfíbios e Répteis (7° ano)Aula - Anfíbios e Répteis (7° ano)
Aula - Anfíbios e Répteis (7° ano)Janaina Alves
 
Anelídeos (Power Point)
Anelídeos (Power Point)Anelídeos (Power Point)
Anelídeos (Power Point)Bio
 
Filo Moluscos (Power Point)
Filo Moluscos (Power Point)Filo Moluscos (Power Point)
Filo Moluscos (Power Point)Bio
 
Poríferos e cnidários
Poríferos e cnidáriosPoríferos e cnidários
Poríferos e cnidáriosFabiano Reis
 
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)Ana Maciel
 
Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)Bio
 
Aula de répteis
Aula de répteisAula de répteis
Aula de répteisIlsoflavio
 
Aula anfíbios
Aula anfíbiosAula anfíbios
Aula anfíbiosDacoli
 
Cordados
CordadosCordados
Cordadosemanuel
 
Aula vertebrados I - Peixes, anfíbios e répteis
Aula vertebrados I - Peixes, anfíbios e répteisAula vertebrados I - Peixes, anfíbios e répteis
Aula vertebrados I - Peixes, anfíbios e répteisAndre Luiz Nascimento
 

Mais procurados (20)

Anfíbios - Biologia
Anfíbios - BiologiaAnfíbios - Biologia
Anfíbios - Biologia
 
Aula - Anfíbios e Répteis (7° ano)
Aula - Anfíbios e Répteis (7° ano)Aula - Anfíbios e Répteis (7° ano)
Aula - Anfíbios e Répteis (7° ano)
 
IV.5 mamíferos
IV.5 mamíferosIV.5 mamíferos
IV.5 mamíferos
 
Filo Chordata
Filo ChordataFilo Chordata
Filo Chordata
 
Mamíferos
Mamíferos  Mamíferos
Mamíferos
 
Anelídeos (Power Point)
Anelídeos (Power Point)Anelídeos (Power Point)
Anelídeos (Power Point)
 
Filo Moluscos (Power Point)
Filo Moluscos (Power Point)Filo Moluscos (Power Point)
Filo Moluscos (Power Point)
 
Poríferos e cnidários
Poríferos e cnidáriosPoríferos e cnidários
Poríferos e cnidários
 
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
 
Os Vertebrados
Os VertebradosOs Vertebrados
Os Vertebrados
 
Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)
 
Aula de répteis
Aula de répteisAula de répteis
Aula de répteis
 
7 ano invertebrados
7 ano invertebrados7 ano invertebrados
7 ano invertebrados
 
Repteis
RepteisRepteis
Repteis
 
Aula anfíbios
Aula anfíbiosAula anfíbios
Aula anfíbios
 
Reino Animal
Reino AnimalReino Animal
Reino Animal
 
Cordados
CordadosCordados
Cordados
 
Poriferos
PoriferosPoriferos
Poriferos
 
Moluscos
MoluscosMoluscos
Moluscos
 
Aula vertebrados I - Peixes, anfíbios e répteis
Aula vertebrados I - Peixes, anfíbios e répteisAula vertebrados I - Peixes, anfíbios e répteis
Aula vertebrados I - Peixes, anfíbios e répteis
 

Destaque

Força Eletromagnética
Força EletromagnéticaForça Eletromagnética
Força EletromagnéticaKiller Max
 
Jonathan, Ezequiel e Emerson 701
Jonathan, Ezequiel e Emerson 701Jonathan, Ezequiel e Emerson 701
Jonathan, Ezequiel e Emerson 701jamillerodrigues
 
Introdução à técnicas experimentais
Introdução à técnicas experimentaisIntrodução à técnicas experimentais
Introdução à técnicas experimentaisKiller Max
 
Seminário sobre Répteis
Seminário sobre RépteisSeminário sobre Répteis
Seminário sobre RépteisSimone Costa
 
Vacinação aftosa e brucelose
Vacinação aftosa e bruceloseVacinação aftosa e brucelose
Vacinação aftosa e bruceloseKiller Max
 
Sistema urinário - Anatomia veterinária
Sistema urinário - Anatomia veterináriaSistema urinário - Anatomia veterinária
Sistema urinário - Anatomia veterináriaMarília Gomes
 
Tecido cartilaginoso - Anatomia humana
Tecido cartilaginoso -  Anatomia humanaTecido cartilaginoso -  Anatomia humana
Tecido cartilaginoso - Anatomia humanaMarília Gomes
 
Alimentação e nutrição de ovinos pbsm [modo de compatibilidade]
Alimentação e nutrição de ovinos pbsm [modo de compatibilidade]Alimentação e nutrição de ovinos pbsm [modo de compatibilidade]
Alimentação e nutrição de ovinos pbsm [modo de compatibilidade]Pbsmal
 
Artrologia - Anatomia humana
Artrologia - Anatomia humana Artrologia - Anatomia humana
Artrologia - Anatomia humana Marília Gomes
 
Fertilidade e manejo do uso do solo de cerrado
Fertilidade e manejo do uso do solo de cerradoFertilidade e manejo do uso do solo de cerrado
Fertilidade e manejo do uso do solo de cerradoMarília Gomes
 
Osteologia animal - anatomia animal I
Osteologia animal - anatomia animal IOsteologia animal - anatomia animal I
Osteologia animal - anatomia animal IMarília Gomes
 
Aula zoologia de vertebrados1
Aula zoologia de vertebrados1Aula zoologia de vertebrados1
Aula zoologia de vertebrados1MARCIAMP
 
Introdução ao comportamento animal - etologia e bem-estar animal
Introdução ao comportamento animal - etologia e bem-estar animalIntrodução ao comportamento animal - etologia e bem-estar animal
Introdução ao comportamento animal - etologia e bem-estar animalMarília Gomes
 
Manejo reprodutivo de bovinos
Manejo reprodutivo de bovinosManejo reprodutivo de bovinos
Manejo reprodutivo de bovinosKiller Max
 
Manual Técnico de Ovinocultura
Manual Técnico de OvinoculturaManual Técnico de Ovinocultura
Manual Técnico de OvinoculturaAgriPoint
 

Destaque (20)

Força Eletromagnética
Força EletromagnéticaForça Eletromagnética
Força Eletromagnética
 
Jonathan, Ezequiel e Emerson 701
Jonathan, Ezequiel e Emerson 701Jonathan, Ezequiel e Emerson 701
Jonathan, Ezequiel e Emerson 701
 
Cocodrilo del Nilo
Cocodrilo del NiloCocodrilo del Nilo
Cocodrilo del Nilo
 
Genética
GenéticaGenética
Genética
 
Introdução à técnicas experimentais
Introdução à técnicas experimentaisIntrodução à técnicas experimentais
Introdução à técnicas experimentais
 
Lista de exercícios 3 EM
Lista de exercícios 3 EMLista de exercícios 3 EM
Lista de exercícios 3 EM
 
Seminário sobre Répteis
Seminário sobre RépteisSeminário sobre Répteis
Seminário sobre Répteis
 
Os Répteis
Os RépteisOs Répteis
Os Répteis
 
Vacinação aftosa e brucelose
Vacinação aftosa e bruceloseVacinação aftosa e brucelose
Vacinação aftosa e brucelose
 
Sistema urinário - Anatomia veterinária
Sistema urinário - Anatomia veterináriaSistema urinário - Anatomia veterinária
Sistema urinário - Anatomia veterinária
 
Tecido cartilaginoso - Anatomia humana
Tecido cartilaginoso -  Anatomia humanaTecido cartilaginoso -  Anatomia humana
Tecido cartilaginoso - Anatomia humana
 
Alimentação e nutrição de ovinos pbsm [modo de compatibilidade]
Alimentação e nutrição de ovinos pbsm [modo de compatibilidade]Alimentação e nutrição de ovinos pbsm [modo de compatibilidade]
Alimentação e nutrição de ovinos pbsm [modo de compatibilidade]
 
Artrologia - Anatomia humana
Artrologia - Anatomia humana Artrologia - Anatomia humana
Artrologia - Anatomia humana
 
Fertilidade e manejo do uso do solo de cerrado
Fertilidade e manejo do uso do solo de cerradoFertilidade e manejo do uso do solo de cerrado
Fertilidade e manejo do uso do solo de cerrado
 
Osteologia animal - anatomia animal I
Osteologia animal - anatomia animal IOsteologia animal - anatomia animal I
Osteologia animal - anatomia animal I
 
Aula zoologia de vertebrados1
Aula zoologia de vertebrados1Aula zoologia de vertebrados1
Aula zoologia de vertebrados1
 
Introdução ao comportamento animal - etologia e bem-estar animal
Introdução ao comportamento animal - etologia e bem-estar animalIntrodução ao comportamento animal - etologia e bem-estar animal
Introdução ao comportamento animal - etologia e bem-estar animal
 
Manejo reprodutivo de bovinos
Manejo reprodutivo de bovinosManejo reprodutivo de bovinos
Manejo reprodutivo de bovinos
 
Ovinos
OvinosOvinos
Ovinos
 
Manual Técnico de Ovinocultura
Manual Técnico de OvinoculturaManual Técnico de Ovinocultura
Manual Técnico de Ovinocultura
 

Semelhante a Répteis

Semelhante a Répteis (20)

Vertebrados II
Vertebrados IIVertebrados II
Vertebrados II
 
Répteis
RépteisRépteis
Répteis
 
.Classe Aves.
.Classe Aves..Classe Aves.
.Classe Aves.
 
Classe das Aves
Classe das AvesClasse das Aves
Classe das Aves
 
Aves
AvesAves
Aves
 
Aves
AvesAves
Aves
 
Animais Vertebrados.ppt
Animais Vertebrados.pptAnimais Vertebrados.ppt
Animais Vertebrados.ppt
 
Animais Vertebrados.ppt
Animais Vertebrados.pptAnimais Vertebrados.ppt
Animais Vertebrados.ppt
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
 
Artrópodes e equinodermos
Artrópodes e equinodermosArtrópodes e equinodermos
Artrópodes e equinodermos
 
Aves e Mamíferos
Aves e Mamíferos Aves e Mamíferos
Aves e Mamíferos
 
Mamiferos
MamiferosMamiferos
Mamiferos
 
4 - morfologia e fisiologia animal
4 - morfologia e fisiologia animal4 - morfologia e fisiologia animal
4 - morfologia e fisiologia animal
 
Resumo: Filo Artrópodes
Resumo: Filo ArtrópodesResumo: Filo Artrópodes
Resumo: Filo Artrópodes
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
 
aves 2.pdf
aves 2.pdfaves 2.pdf
aves 2.pdf
 
Unid 4 cap_3_os_repteis
Unid 4 cap_3_os_repteisUnid 4 cap_3_os_repteis
Unid 4 cap_3_os_repteis
 
Meu trabalho
Meu trabalhoMeu trabalho
Meu trabalho
 
Protocordados vertebrados16082011
Protocordados vertebrados16082011Protocordados vertebrados16082011
Protocordados vertebrados16082011
 
Artropodes
ArtropodesArtropodes
Artropodes
 

Mais de Killer Max

Canola, uma cultura promissora
Canola, uma cultura promissoraCanola, uma cultura promissora
Canola, uma cultura promissoraKiller Max
 
A cultura do mamão (carica papaya L.)
A cultura do mamão (carica papaya L.)A cultura do mamão (carica papaya L.)
A cultura do mamão (carica papaya L.)Killer Max
 
Irrigação de pastagem: atualidade e recomendações para uso e manejo
Irrigação de pastagem: atualidade e recomendações para uso e manejoIrrigação de pastagem: atualidade e recomendações para uso e manejo
Irrigação de pastagem: atualidade e recomendações para uso e manejoKiller Max
 
Moscas das-frutas
Moscas das-frutasMoscas das-frutas
Moscas das-frutasKiller Max
 
Defesa de Estágio
Defesa de EstágioDefesa de Estágio
Defesa de EstágioKiller Max
 
Léxico Comum e Léxico Específico dentro da Olericultura
Léxico Comum e Léxico Específico dentro da OlericulturaLéxico Comum e Léxico Específico dentro da Olericultura
Léxico Comum e Léxico Específico dentro da OlericulturaKiller Max
 
Fruticultura Do Tocantins
Fruticultura Do TocantinsFruticultura Do Tocantins
Fruticultura Do TocantinsKiller Max
 
Projeto de Irrigação no Tocantins
Projeto de Irrigação no TocantinsProjeto de Irrigação no Tocantins
Projeto de Irrigação no TocantinsKiller Max
 
Cultura do arroz
Cultura do arrozCultura do arroz
Cultura do arrozKiller Max
 
Raças de gado de leite
Raças de gado de leiteRaças de gado de leite
Raças de gado de leiteKiller Max
 
Guia de raças de bovinos
Guia de raças de bovinosGuia de raças de bovinos
Guia de raças de bovinosKiller Max
 
Manejo sanitário para caprinos e ovinos
Manejo sanitário para caprinos e ovinosManejo sanitário para caprinos e ovinos
Manejo sanitário para caprinos e ovinosKiller Max
 
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinosManejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinosKiller Max
 
Diferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinosDiferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinosKiller Max
 
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinosSistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinosKiller Max
 
Raças Equinas
Raças EquinasRaças Equinas
Raças EquinasKiller Max
 
Manejo Reprodutivo de Equinos
Manejo Reprodutivo de EquinosManejo Reprodutivo de Equinos
Manejo Reprodutivo de EquinosKiller Max
 
Cultura do Amendoim
Cultura do AmendoimCultura do Amendoim
Cultura do AmendoimKiller Max
 
Sistema Endócrino
Sistema EndócrinoSistema Endócrino
Sistema EndócrinoKiller Max
 

Mais de Killer Max (20)

Canola, uma cultura promissora
Canola, uma cultura promissoraCanola, uma cultura promissora
Canola, uma cultura promissora
 
A cultura do mamão (carica papaya L.)
A cultura do mamão (carica papaya L.)A cultura do mamão (carica papaya L.)
A cultura do mamão (carica papaya L.)
 
Irrigação de pastagem: atualidade e recomendações para uso e manejo
Irrigação de pastagem: atualidade e recomendações para uso e manejoIrrigação de pastagem: atualidade e recomendações para uso e manejo
Irrigação de pastagem: atualidade e recomendações para uso e manejo
 
Moscas das-frutas
Moscas das-frutasMoscas das-frutas
Moscas das-frutas
 
Defesa de Estágio
Defesa de EstágioDefesa de Estágio
Defesa de Estágio
 
Léxico Comum e Léxico Específico dentro da Olericultura
Léxico Comum e Léxico Específico dentro da OlericulturaLéxico Comum e Léxico Específico dentro da Olericultura
Léxico Comum e Léxico Específico dentro da Olericultura
 
Fruticultura Do Tocantins
Fruticultura Do TocantinsFruticultura Do Tocantins
Fruticultura Do Tocantins
 
Projeto de Irrigação no Tocantins
Projeto de Irrigação no TocantinsProjeto de Irrigação no Tocantins
Projeto de Irrigação no Tocantins
 
Cultura do arroz
Cultura do arrozCultura do arroz
Cultura do arroz
 
Raças de gado de leite
Raças de gado de leiteRaças de gado de leite
Raças de gado de leite
 
Guia de raças de bovinos
Guia de raças de bovinosGuia de raças de bovinos
Guia de raças de bovinos
 
Manejo sanitário para caprinos e ovinos
Manejo sanitário para caprinos e ovinosManejo sanitário para caprinos e ovinos
Manejo sanitário para caprinos e ovinos
 
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinosManejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos
 
Diferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinosDiferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinos
 
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinosSistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
 
Democracia
DemocraciaDemocracia
Democracia
 
Raças Equinas
Raças EquinasRaças Equinas
Raças Equinas
 
Manejo Reprodutivo de Equinos
Manejo Reprodutivo de EquinosManejo Reprodutivo de Equinos
Manejo Reprodutivo de Equinos
 
Cultura do Amendoim
Cultura do AmendoimCultura do Amendoim
Cultura do Amendoim
 
Sistema Endócrino
Sistema EndócrinoSistema Endócrino
Sistema Endócrino
 

Último

Slides Lição 10, BETEL, Relacionamento ideal entre os cônjuges, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, BETEL, Relacionamento ideal entre os cônjuges, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, BETEL, Relacionamento ideal entre os cônjuges, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, BETEL, Relacionamento ideal entre os cônjuges, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...azulassessoriaacadem3
 
​Considerando o texto apresentado e o marketing na igreja de Cristo, apresent...
​Considerando o texto apresentado e o marketing na igreja de Cristo, apresent...​Considerando o texto apresentado e o marketing na igreja de Cristo, apresent...
​Considerando o texto apresentado e o marketing na igreja de Cristo, apresent...azulassessoriaacadem3
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...excellenceeducaciona
 
Como os princípios da Psicopedagogia podem ser aplicados para melhorar a comp...
Como os princípios da Psicopedagogia podem ser aplicados para melhorar a comp...Como os princípios da Psicopedagogia podem ser aplicados para melhorar a comp...
Como os princípios da Psicopedagogia podem ser aplicados para melhorar a comp...azulassessoriaacadem3
 
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...Prime Assessoria
 
Elementos da Formação Social: sociologia no ensino médio
Elementos da Formação Social: sociologia no ensino médioElementos da Formação Social: sociologia no ensino médio
Elementos da Formação Social: sociologia no ensino médioProfessor Belinaso
 
Durante a rotina laboratorial, no setor de hematologia, a investigação dos el...
Durante a rotina laboratorial, no setor de hematologia, a investigação dos el...Durante a rotina laboratorial, no setor de hematologia, a investigação dos el...
Durante a rotina laboratorial, no setor de hematologia, a investigação dos el...Prime Assessoria
 
Elabore um texto dissertativo e comente por meio de uma análise crítica sobre...
Elabore um texto dissertativo e comente por meio de uma análise crítica sobre...Elabore um texto dissertativo e comente por meio de uma análise crítica sobre...
Elabore um texto dissertativo e comente por meio de uma análise crítica sobre...Prime Assessoria
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...azulassessoriaacadem3
 
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...excellenceeducaciona
 
A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...
A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...
A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...Prime Assessoria
 
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...GraceDavino
 
Chegou o momento de explorar de forma PRÁTICA os conteúdos aprendidos sobre a...
Chegou o momento de explorar de forma PRÁTICA os conteúdos aprendidos sobre a...Chegou o momento de explorar de forma PRÁTICA os conteúdos aprendidos sobre a...
Chegou o momento de explorar de forma PRÁTICA os conteúdos aprendidos sobre a...apoioacademicoead
 
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...azulassessoriaacadem3
 
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.Prime Assessoria
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...azulassessoriaacadem3
 
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento Mary Alvarenga
 

Último (20)

Slides Lição 10, BETEL, Relacionamento ideal entre os cônjuges, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, BETEL, Relacionamento ideal entre os cônjuges, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, BETEL, Relacionamento ideal entre os cônjuges, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, BETEL, Relacionamento ideal entre os cônjuges, 1Tr24.pptx
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
 
Namorar não és ser don .
Namorar não és ser don                  .Namorar não és ser don                  .
Namorar não és ser don .
 
​Considerando o texto apresentado e o marketing na igreja de Cristo, apresent...
​Considerando o texto apresentado e o marketing na igreja de Cristo, apresent...​Considerando o texto apresentado e o marketing na igreja de Cristo, apresent...
​Considerando o texto apresentado e o marketing na igreja de Cristo, apresent...
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
 
Como os princípios da Psicopedagogia podem ser aplicados para melhorar a comp...
Como os princípios da Psicopedagogia podem ser aplicados para melhorar a comp...Como os princípios da Psicopedagogia podem ser aplicados para melhorar a comp...
Como os princípios da Psicopedagogia podem ser aplicados para melhorar a comp...
 
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
 
Elementos da Formação Social: sociologia no ensino médio
Elementos da Formação Social: sociologia no ensino médioElementos da Formação Social: sociologia no ensino médio
Elementos da Formação Social: sociologia no ensino médio
 
Durante a rotina laboratorial, no setor de hematologia, a investigação dos el...
Durante a rotina laboratorial, no setor de hematologia, a investigação dos el...Durante a rotina laboratorial, no setor de hematologia, a investigação dos el...
Durante a rotina laboratorial, no setor de hematologia, a investigação dos el...
 
Elabore um texto dissertativo e comente por meio de uma análise crítica sobre...
Elabore um texto dissertativo e comente por meio de uma análise crítica sobre...Elabore um texto dissertativo e comente por meio de uma análise crítica sobre...
Elabore um texto dissertativo e comente por meio de uma análise crítica sobre...
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
 
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...
 
SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO _
SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO         _SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO         _
SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO _
 
A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...
A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...
A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...
 
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
 
Chegou o momento de explorar de forma PRÁTICA os conteúdos aprendidos sobre a...
Chegou o momento de explorar de forma PRÁTICA os conteúdos aprendidos sobre a...Chegou o momento de explorar de forma PRÁTICA os conteúdos aprendidos sobre a...
Chegou o momento de explorar de forma PRÁTICA os conteúdos aprendidos sobre a...
 
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
 
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
 
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
 

Répteis

  • 2. R É P T E I S EXEMPLOS.: Tartarugas, Cobras, Jacarés, lagartixas etc.  Por que eles não dependem da água?  Pele seca.  Fecundação interna.  Ovo com casca que evita a desidratação.  Respiração pulmonar durante toda a vida.
  • 3.  A Pele dos Répteis É seca e impermeável com células ricas em queratina, podendo ser:  Escamas  Placas  Carapaça Exemplos: Lagartixas, lagartos e cobras. Exemplos: Jacarés e crocodilos. Exemplos: Jabuti, tartarugas e cágados.
  • 4.  Nutrição e outras funções  NUTRIÇÃO – Os répteis possuem mandíbula mais forte com dentes e músculos mais desenvolvidos que os anfíbios.  RESPIRAÇÃO – A pele impermeável não permite trocas gasosas. Apresentam respiração pulmonar, tendo o pulmão dobras que aumentam a superfície de contato com o ar.
  • 5.  CIRCULAÇÃO – Os répteis possuem 3 cavidades no coração (2 átrios e 1 ventrículo, parcialmente separado), com exceção dos jacarés e crocodilos, que têm o coração com 4 cavidades (2 átrios e 2 ventrículos).  EXCREÇÃO – Os répteis utilizam pouca água na função renal, por isso a urina é pastosa, o que é uma adaptação para a vida terrestre
  • 6.  OS SENTIDOS – Esses animais apresentam todos os sentidos, sendo controlados pelo sistema nervoso.  Reprodução dos Répteis Os répteis possuem reprodução sexuada com fecundação interna. Podendo ser: OVÍPAROS  Quando põem ovos, que contêm uma reserva nutritiva para o desenvolvimento do embrião.
  • 7.  OVOVIVÍPAROS  Quando o embrião permanece no corpo da mãe, alimentando-se da reserva nutritiva do ovo e sai já formado.  VIVÍPAROS  Quando o embrião se desenvolve no útero da mãe, recebendo alimento através da placenta.
  • 8.  A Temperatura dos Répteis Quanto à temperatura corporal, os répteis como os anfíbios e os peixes são animais PECILOTÉRMICOS, isto é, a temperatura corporal desses animais acompanha mais ou menos a temperatura do ambiente
  • 9.  As Ordens dos Répteis QUELÔNIOS CROCODILIANOS Jabuti Crocodilo Tartaruga Cágado Jacaré
  • 10. ESCAMADOS  LACERTÍLIOS Iguana Teju Camaleão  OFÍDIOS Cascavel Jibóia
  • 11.  Como diferenciar uma Cobra Peçonhenta de uma Não-Peçonhenta? Cobra Peçonhenta Cobra Não-Peçonhenta Cabeça achatada e Cabeça estreita e longa triangular Cauda curta afilando bruscamente Cauda longa afilando gradualmente Escamas ásperas Escamas lisas Pupila em forma de fenda Pupila redonda Possui fosseta loreal Não possui fosseta loreal
  • 12. Cobra Peçonhenta Cobra Não-Peçonhenta Hábito noturno Hábito diurno Presença de dentes inoculadores (presa) Sem dentes inoculadores (presa) Existem cobras que apresentam exceções para essas características: • A coral verdadeira é uma cobra peçonhenta, mas tem a cabeça redonda, olhos com pupila redonda, escamas lisas e não possui fosseta loreal.
  • 13. • A jibóia é uma serpente não-peçonhenta, mas possui cabeça triangular, olhos com pupilas em forma de fenda e cauda com terminação brusca.  A Evolução dos Répteis
  • 15.  Controlando a Temperatura Corporal Quanto à temperatura corporal, as aves são animais HOMEOTÉRMICOS, isto é, a temperatura corporal permanece constante graças à energia liberada na respiração celular.
  • 16. CIÊNCIAS NO DIA-A-DIA O que aconteceria com uma ave aquática se fosse dado um banho nela com água e sabão e, depois de seca, ela fosse colocada na água? a) Ela ficaria apenas cheirosa e perfumada. b) Ela iria se afogar. c) Ela não iria querer entrar na água novamente.
  • 17.  As Penas e o Esqueleto  PENAS - São formadas principalmente por queratina. Contribuem para diminuir a perda de água e ajudam a manter constante a temperatura corporal, pois evitam a perda de calor. A pele das aves não possui glândulas, exceto a GLÂNDULA UROPIGEANA, localizada na cauda e que produz um óleo que as aves passam com o bico nas penas para impermeabilizá-las.
  • 18.  ESQUELETO  São bípedes, estando os pés relacionados à forma de vida.  Possuem ossos pneumáticos (ocos e cheios de ar).  As aves voadoras têm o osso do peito em forma de quilha de barco.
  • 19.  Nutrição O tipo de alimento varia com a espécie, podendo ser frutas, sementes, néctar, insetos ou vertebrados. Faringe Esôfago Bico Papo Proventrículo Intestinos Moela Cloaca Sistema Digestório das Aves
  • 20.  Respiração As aves possuem respiração pulmonar, sendo seu sistema respiratório mais complexo que o de outros animais. Ligados aos pulmões existem SACOS AÉREOS. Sacos Aéreos Traquéia Estes acumulam o ar inspirado, depois o bombeiam para os pulmões, ampliando a respiração.
  • 21.  Circulação As aves possuem coração com 4 cavidades: 2 átrios e 2 ventrículos, sem comunicação entre o lado esquerdo e direito, portanto não há mistura entre o sangue venoso (rico em CO2) e arterial (rico em O2).
  • 22. CIÊNCIAS NO DIA-A-DIA Você saberia explicar por que as fezes das aves são sempre moles.
  • 23.  Excreção As aves não possuem bexiga urinária para armazenar a urina, o que ajuda a diminuir seu peso. Os rins eliminam uma urina pastosa, que sai com as fezes pela cloaca.  Sistema Nervoso Seu sistema nervoso é formado pelo encéfalo, medula nervosa e nervos, que formam uma rede em todo o corpo.
  • 24.  Os Sentidos As aves apresentam os sentidos bem desenvolvidos, captando de longe o som de sua presas, como também o canto de outras aves. O canto é produzido em um órgão localizado na traquéia chamado SIRINGE.  Reprodução As aves têm reprodução sexuada com fecundação interna. São ovíparas e seu ovo é semelhante ao dos répteis.
  • 25.  Partes do Ovo Casca – Formada por sais de cálcio. Membrana da Casca – Protege o conteúdo interno do choque com a casca. Clara – Reserva de albumina (proteína). Gema – rica em colesterol Disco Germinativo – é o que vai originar o embrião. Calaza – sustenta a gema no centro do ovo. Câmara de ar – reserva de ar para o embrião.
  • 26.  As aves e o Ambiente  Participam das cadeias alimentares e das relações ecológicas.  Disseminam sementes.  São polinizadoras.  O Ser Humano e as Aves  Alimentação  Fertilização do solo (húmus de galinha)  A Evolução das Aves
  • 28.  Característica Exclusiva  As fêmeas possuem GLÂNDULAS MAMÁRIAS que produzem leite para alimentar o filhote.  A Temperatura Corporal Quanto à temperatura corporal, os mamíferos, semelhantes às aves, são animais HOMEOTÉRMICOS, isto é, a temperatura corporal permanece constante graças à energia liberada na respiração celular.
  • 29.  A Pele dos Mamíferos  Pêlos cobrindo o corpo (Baleia e golfinho só têm pêlo quando embrião).  Glândulas sudoríparas e sebáceas.  Possui tecido adiposo.
  • 31.  Sistema Respiratório  Sistema Circulatório Os mamíferos possuem coração com 4 cavidades: 2 átrios e 2 ventrículos, sem comunicação entre o lado esquerdo e direito, portanto não há mistura entre o sangue venoso (rico em CO2) e arterial (rico em O2).
  • 32.  Sistema Excretor  Sistema Nervoso
  • 34.  Reprodução Feto Endométrio Placenta Cordão Umbilical Colo do Útero
  • 35.  As Ordens dos Mamíferos 1) Monotremados Ornitorrinco Equidna 2) Marsupiais Canguru Coala Gambá
  • 36. 3) Xenartros Tamanduá Tatu 4) Insetívoros Toupeira Musaranho
  • 37. 5) Roedores Capivara Rato 6) Lagomorfos 7) Quirópteros Coelho Morcego
  • 38. 8) Carnívoros Leão Onça 9) Proboscídeo 10) Sirênio Elefante Peixe-boi
  • 39. 11) Artiodáctilos Boi Cabra 12) Perissodáctilos Cavalo Anta
  • 40. 11) Cetáceos Baleia Golfinho 12) Primatas Macaco Ser Humano
  • 41. Amigo é... aquela pessoa que o tempo não apaga, que a distância não esquece, que a maldade não destrói. É um sentimento que vem de longe, que ganha lugar no seu coração e você não substitui por nada. É alguém que você sente presente, mesmo quando está longe... que vem para o seu lado quando você está sozinho e nunca nega um sentimento sincero. Ser amigo não é coisa de um dia, são atos, palavras e atitudes que se solidificam no tempo e não se apagam mais. Que ficam para sempre como tudo que é feito com o coração aberto.