SlideShare uma empresa Scribd logo
LISTA DE EXERCÍCIOS PARA O ENEM
LITERATURA
Trovadorismo
01​ - (IFSP)
Cantiga de Amor
Afonso Fernandes
Senhora minha, desde que vos vi,
lutei para ocultar esta paixão
que me tomou inteiro o coração;
mas não o posso mais e decidi
que saibam todos o meu grande amor,
a tristeza que tenho, a imensa dor
que sofro desde o dia em que vos vi.
Já que assim é, eu venho-vos rogar
que queirais pelo menos consentir
que passe a minha vida a vos servir (...)
(www.caestamosnos.org/efemerideS/118. Adaptado)
Observando-se a última estrofe, é possível afIrmar que o
apaixonado
a.se sente inseguro quanto aos próprios sentimentos.
b.se sente confiante em conquistar a mulher amada.
c.se declara surpreso com o amor que lhe dedica a mulher
amada.
d.possui o claro objetivo de servir sua amada.
e.conclui que a mulher amada não é tão poderosa quanto
parecia a princípio.
02​ - (UNIFESP) ​Senhor feudal
Se Pedro Segundo
Vier aqui
Com história
Eu boto ele na cadeia.
(Oswald de Andrade)
O título do poema de Oswald remete o leitor à Idade
Média. Nele, assim como nas cantigas de amor, a ideia de
poder retoma o conceito de
a.fé religiosa.
b.relação de vassalagem.
c.idealização do amor.
d.saudade de um ente distante.
e.igualdade entre as pessoas.
03​ - (IFSP) Leia atentamente o texto abaixo.
Com'ousará parecer ante mi
o meu amigo, ai amiga, por Deus,
e com'ousará catar estes meus
olhos se o Deus trouxer per aqui,
pois tam muit'há que nom veo veer
mi e meus olhos e meu parecer?
(Com'ousará parecer ante mi de Dom Dinis. Fonte:
http://pt.wikisourceorg/wiki/Com%270usar%03%Ai.parece
r.ante. mi. Acesso em: 05.12.2012.)
per = por
tam = tão
nom = não
veer = ver
mi = mim,
me parecer = semblante
Sobre o fragmento anterior, pode-se afirmar que pertence
a uma cantiga de
a.amor, pois o eu lírico masculino declara a uma amiga o
sentimento de amor que tem por ela.
b.amigo, pois o eu lírico feminino expressa a uma amiga a
falta de seu amigo por quem sente amor.
c.amor, pois o eu lírico é feminino e acha que seu amor não
deve voltar para os seus braços.
d.amigo, pois o eu lírico masculino entende que só Deus
pode trazer de volta sua amiga a quem não vê há muito
tempo.
e.amor, pois o eu lírico feminino não consegue enxergar o
amor que sente por seu amigo.
WWW. FOCONOENEM.COM
INSTAGRAM: @OFOCONOENEM
LISTA DE EXERCÍCIOS PARA O ENEM
04​ - (UEG)
Senhora, que bem pareceis!
Se de mim vos recordásseis
que do mal que me fazeis
me fizésseis correção,
quem dera, senhora, então
que eu vos visse e agradasse.
Ó formosura sem falha
que nunca um homem viu tanto
para o meu mal e meu quebranto!
Senhora, que Deus vos valha!
Por quanto tenho penado
seja eu recompensado
vendo-vos só um instante.
De vossa grande beleza
da qual esperei um dia
grande bem e alegria,
só me vem mal e tristeza.
Sendo-me a mágoa sobeja,
deixai que ao menos vos veja
no ano, o espaço de um dia.
Rei D. Dinis
CORREIA, Natália. Cantares dos trovadores
galego-portugueses. Seleção, introdução, notas e
adaptação de Natália Correia. 2. ed. Lisboa: Estampa, 1978.
p. 253.
Quem te viu, quem te vê
Você era a mais bonita das cabrochas dessa ala
Você era a favorita onde eu era mestre-sala
Hoje a gente nem se fala, mas a festa continua
Suas noites são de gala, nosso samba ainda é na rua
Hoje o samba saiu procurando você
Quem te viu, quem te vê
Quem não a conhece não pode mais ver pra crer
Quem jamais a esquece não pode reconhecer
[...]
Chico Buarque
A cantiga do rei D. Dinis, adaptada por Natália Correia, e a
canção de Chico Buarque de Holanda expressam a seguinte
característica trovadoresca:
a.a vassalagem do trovador diante da mulher amada que se
encontra distante.
b.a idealização da mulher como símbolo de um amor
profundo e universal.
c.a personificação do samba como um ser que busca a
plenitude amorosa.
d.a possibilidade de realização afetiva do trovador em razão
de estar próximo da pessoa amada.
05 - (UEPA) "A literatura do amor cortes, pode-se
acrescentar, contribuiu para transformar de algum modo a
realidade extraliterária, atua como componente do que
Elias (1994)* chamou de processo civilizador. Ao mesmo
tempo, a realidade extraliterária penetra processualmente
nessa literatura que, em parte, nasceu como forma de
sonho e de evasão."
(Revista de Ciências Humanas, Florianópolis, EDUFSC, v. 41,
n. l e 2, p. 83-110, Abril e Outubro de 2007 pp. 91-92)
(*) Cf. ELIAS, N. O Processo Civilizador. Rio de Janeiro:
Zahar, 1994, v.1.
Interprete o comentário acima e, com base nele e em seus
conhecimentos acerca do lirismo medieval
galego-português, marque a alternativa correta:
a.as cantigas de amor recriaram o mesmo ambiente
palaciano das cortes galegas.
b."a literatura do amor cortês" refletiu a verdade sobre a
vida privada medieval.
c.a servidão amorosa e a idealização da mulher foi o grande
tema da poesia produzida por vilões.
d.o amor cortês foi uma prática literária que aos poucos
modelou o perfil do homem civilizado.
WWW. FOCONOENEM.COM
INSTAGRAM: @OFOCONOENEM
LISTA DE EXERCÍCIOS PARA O ENEM
e.nas cantigas medievais mulheres e homens submetem-se
às maneiras refinadas da cortesia.
06 - (ESPM) O amor cortês foi um gênero praticado desde
os trovadores medievais europeus. Nele a devoção
masculina por uma figura feminina inacessível foi uma
atitude cons​tante. A opção cujos versos confirmam o
exposto é:
a.Eras na vida a pomba predileta (...) Eras o idílio de um
amor sublime. Eras a glória, - a inspiração, - a pátria, O
porvir de teu pai! (Fagundes Varela)
b.Carnais, sejam carnais tantos desejos, Carnais sejam
carnais tantos anseios, Palpitações e frêmitos e enleios Das
harpas da emoção tantos arpejos... (Cruz e Sousa)
c.Quando em meu peito rebentar-se a fibra, Que o espírito
enlaça à dor vivente, Não derramem por mim nenhuma
lágrima Em pálpebra demente. (Álvares de Azevedo)
d.Em teu louvor, Senhora, estes meus versos E a minha
Alma aos teus pés para cantar-te, E os meus olhos mortais,
em dor imersos, Para seguir-lhe o vulto em toda a parte.
(Alphonsus de Guimaraens)
e.Que pode uma criatura senão, entre criaturas, amar?
amar e esquecer amar e malamar, amar, desamar, amar?
(Manuel Bandeira)
07​ - (UNESP)
Ossos do ofício
(João de Deus, poeta português, 1830-1896)
Uma vez uma besta do tesouro,
Uma besta fiscal,
Ia de volta para a capital,
Carregada de cobre, prata e ouro;
E no caminho
Encontra-se com outra carregada
De cevada,
Que ia para o moinho.
Passa-lhe logo adiante
Largo espaço,
Coleando arrogante
E a cada passo
Repicando a choquilha
Que se ouvia distante.
Mas salta uma quadrilha
De ladrões,
Como leões,
E qual mais presto
Se lhe agarra ao cabresto.
Ela reguinga, dá uma sacada
Já cuidando
Que desfazia o bando;
Mas, coitada!
Foi tanta a bordoada,
Ah! que exclamava enfim
A besta oficial:
— Nunca imaginei tal!
Tratada assim
Uma besta real!...
Mas aquela que vinha atrás de mim,
Por que a não tratais mal?
“Minha amiga, cá vou no meu sossego,
Tu tens um belo emprego!
Tu sustentas-te a fava, e eu a troços!
Tu lá serves el-rei, e eu um moleiro!
Ossos do ofício, que o não há sem ossos.”
(Campo de flores, s/d.)
Considerando que a sátira se apresenta sob forma de
fábula, com personagens animais assumindo modos de agir
e pensar tipicamente humanos, verifica-se que a atitude da
besta real em relação à outra traduz um preconceito de
a.cor.
b.raça.
c.credo religioso.
d.credo político.
WWW. FOCONOENEM.COM
INSTAGRAM: @OFOCONOENEM
LISTA DE EXERCÍCIOS PARA O ENEM
e.classe social.
08 - (MACKENZIE) Assinale a afirmativa correta sobre o
texto
Ondas do mar de Vigo,
se vistes meu amigo!
E ai Deus, se verrá cedo!
Ondas do mar levado,
se vistes meu amado!
E ai Deus, se verrá cedo!
Martim Codax
Obs.: verrá = virá
levado = agitado
a.Nessa cantiga de amigo, o eu lírico masculino manifesta a
Deus seu sofrimento amoroso.
b.Nessa cantiga de amor, o eu lírico feminino dirige-se a
Deus para lamentar a morte do ser amado.
c.Nessa cantiga de amigo, o eu lírico masculino manifesta
às ondas do mar sua angústia pela perda do amigo em
trágico naufrágio.
d.Nessa cantiga de amor, o eu lírico masculino dirige-se às
ondas do mar para expressar sua solidão.
e.Nessa cantiga de amigo, o eu lírico feminino dirige-se às
ondas do mar para expressar sua ansiedade com relação à
volta do amado.
09 - (UNIFESP) Leia a cantiga seguinte, de Joan Garcia de
Guilhade.
Un cavalo non comeu
á seis meses nen s’ergueu
mais prougu’a Deus que choveu,
creceu a erva,
e per cabo si paceu,
e já se leva!
Seu dono non lhi buscou
cevada neno ferrou:
mai-lo bon tempo tornou,
creceu a erva,
e paceu, e arriçou,
e já se leva!
Seu dono non lhi quis dar
cevada, neno ferrar;
mais, cabo dum lamaçal
creceu a erva,
e paceu, e arriç’ar,
e já se leva!
(CD Cantigas from the Court of Dom Dinis. harmonia mundi
usa, 1995.)
A leitura permite inferir que se trata de uma cantiga de
a.escárnio, em que se critica a atitude do dono do cavalo,
que dele não cuidara, mas graças ao bom tempo e à chuva,
o mato cresceu e o animal pôde recuperar-se sozinho.
b.amor, em que se mostra o amor de Deus com o cavalo
que, abandonado pelo dono, comeu a erva que cresceu
graças à chuva e ao bom tempo.
c.escárnio, na qual se conta a divertida história do cavalo
que, graças ao bom tempo e à chuva, alimentou-se,
recuperou-se e pôde, então, fugir do dono que o
maltratava.
d.amigo, em que se mostra que o dono do cavalo não lhe
buscou cevada nem o ferrou por causa do mau tempo e da
chuva que Deus mandou, mas mesmo assim o cavalo pôde
recuperar-se.
e.mal-dizer, satirizando a atitude do dono que ferrou o
cavalo, mas esqueceu-se de alimentá-lo, deixando-o
entregue à própria sorte para obter alimento.
10​ - (UEPA) Amor sem limite
Quando a gente ama alguém de verdade
Esse amor não se esquece
O tempo passa, tudo passa, mas no peito
O amor permanece
E qualquer minuto longe é demais
A saudade atormenta
Mas qualquer minuto perto é bom demais
O amor só aumenta.
WWW. FOCONOENEM.COM
INSTAGRAM: @OFOCONOENEM
LISTA DE EXERCÍCIOS PARA O ENEM
Vivo por ela
Ninguém duvida
Porque ela é tudo
Na minha vida.
Roberto Carlos e Erasmo Carlos
Esta canção de Roberto e Erasmo Carlos situa a mulher
num plano superior, de certa forma idealizada, e reserva ao
eu-poético masculino a vassalagem amorosa. Desta forma,
no cenário da poética medieval da literatura portuguesa,
caracterizase a mulher nas cantigas de:
a.Amigo.
b.Maldizer.
c.Escárnio.
d.Amor.
e.Amigo e amor.
11​ - (MACKENZIE) Ondas do mar de Vigo,
se vistes meu amigo!
E ai Deus, se verrá cedo!
Ondas do mar levado,
se vistes meu amado!
E ai Deus, se verrá cedo!
Martim Codax
Obs.: verrá = virá
levado = agitado
Considerando o texto, é possível inferir que:
a.A estrutura paralelística é, neste poema, particularmente
expressiva, pois reflete, no plano formal, o movimento de
vai-e-vem das ondas.
b. Nesse texto, os versos livres e brancos são indispensáveis
para assegurar o efeito musical da canção.
c.As repetições que marcam o desenvolvimento do texto
opõem-se ao tom emotivo do poema.
d.No refrão, a voz das ondas do mar faz-se presente como
contraponto irônico ao desejo do eu lírico.
e.É um típico vilancete de tradição popular, com versos em
redondilha maior e estrofação irregular.
12 - (UNAMA) “Dizem que em algum lugar, parece que no
Brasil, existe um homem feliz”. A frase do poeta russo
Vladimir Maiakovski ecoa uma milenar tradição de
profecias e presságios que têm como objeto um paraíso
chamado Brasil, seja ele o país descoberto há cinco séculos,
seja um lugar imaginário. Resumo da ópera: Jorge Mautner
(Geléia Geral/Warner) achou que a coisa dava samba,
encomendou a canção. A encomenda dá a emergência que
leva à catarse. É ato de fé. Gilberto Gil concordou e assim
nasceu, no fim do ano passado, o samba de exaltação
“Outros viram”, primeira canção composta pelo baiano
desde que virou ministro da Cultura. A canção vai integrar o
próximo disco que, em fase de mixagem, terá, além da voz
de Gil, participações do Afro Reggae, de Caetano Veloso e
de Preta Gil. Conheça alguns trechos da canção “Outros
viram”:
(Fragmento do uma reportagem de Arnaldo Bloch para O
Globo, publicada em 12/05/2006)
(...)
“O que Walt Whitman viu
Maiakovski viu
Outros viram também
Que a Humanidade vem
Renascer no Brasil
(...) Todos disseram amém
A essa luz que surgiu.
Roosevelt que celebrou nossa miscigenação
Até a considerou como sendo a solução
Pro seu próprio país
(...)
Rabindranath Tagore também profetizou
Ousou dizer que aqui surgiria o ser do amor
Ser superior, da paixão, da emoção, da canção
Terra do samba, sim, e do eterno perdão
Maiakovski ouviu
A sereia do mar
WWW. FOCONOENEM.COM
INSTAGRAM: @OFOCONOENEM
LISTA DE EXERCÍCIOS PARA O ENEM
Lhe falar de um gentil
De um povo mais feliz
Que habita esse lugar
Esta terra do sol
Esta serra do mar esta terra Brasil
Sob este céu de anil
Sob a luz do luar.”
A respeito do texto lido, a alternativa correta é
a.O comentário de Bloch aponta para o fato de que a nova
canção do compositor e ministro Gilberto Gil manifesta um
certo idealismo renascentista, ao lado do conflito gerado
pela necessidade de viver a vida mundana ao mesmo
tempo em que busca a pureza da fé, seguindo o modelo
barroco do também baiano Gregório de Matos Guerra.
b.Os versos de Gil : “Rabindranath Tagore também
profetizou /Ousou dizer que aqui surgiria o ser do amor/Ser
superior, da paixão, da emoção, da canção.” expressam um
relacionamento muito semelhante à vassalagem amorosa,
uma das características temáticas das cantigas medievais
que fazem parte da poesia trovadoresca.
c.A leitura do texto de Bloch, complementada pelos versos
da nova canção de Gil, nos leva a concluir que, nessa, a
linguagem usada, para exprimir problemas humanos, é
produto de um intenso trabalho de elaboração formal, a
partir de elementos das mais diversas origens:
regionalismos, termos científicos, em estilo único –
características modernistas semelhantes às presentes na
obra de Guimarães Rosa.
d.Na seguinte passagem do texto de Bloch: “e assim
nasceu, no fim do ano passado, o samba de exaltação”, a
expressão grifada sintetiza, na visão do jornalista, a
presença do nacionalismo e do ufanismo românticos que se
manifestam, na canção de Gil, pela exaltação da natureza
pátria, pelo retorno à parte de um passado histórico e pela
valorização da gente brasileira.
13​ - (UNESP) ​Ossos do ofício
(João de Deus, poeta português, 1830-1896)
Uma vez uma besta do tesouro,
Uma besta fiscal,
Ia de volta para a capital,
Carregada de cobre, prata e ouro;
E no caminho
Encontra-se com outra carregada
De cevada,
Que ia para o moinho.
Passa-lhe logo adiante
Largo espaço,
Coleando arrogante
E a cada passo
Repicando a choquilha
Que se ouvia distante.
Mas salta uma quadrilha
De ladrões,
Como leões,
E qual mais presto
Se lhe agarra ao cabresto.
Ela reguinga, dá uma sacada
Já cuidando
Que desfazia o bando;
Mas, coitada!
Foi tanta a bordoada,
Ah! que exclamava enfim
A besta oficial:
— Nunca imaginei tal!
Tratada assim
Uma besta real!...
Mas aquela que vinha atrás de mim,
Por que a não tratais mal?
“Minha amiga, cá vou no meu sossego,
Tu tens um belo emprego!
Tu sustentas-te a fava, e eu a troços!
Tu lá serves el-rei, e eu um moleiro!
Ossos do ofício, que o não há sem ossos.”
(Campo de flores, s/d.)
Empregada na segunda estrofe, a palavra choquilha não é
registrada em alguns dicionários. No entanto, pelo contexto
WWW. FOCONOENEM.COM
INSTAGRAM: @OFOCONOENEM
LISTA DE EXERCÍCIOS PARA O ENEM
dessa estrofe, sobretudo pela presença da forma verbal
repicando, torna-se possível verificar que significa
a.arma de choque.
b.chibata.
c.chocalho.
d.saco de couro.
e.freio metálico.
14​ - (MACKENZIE)
Põe-me onde se use toda a feridade,
Entre leões e tigres, e verei
Se neles achar posso a piedade
Que entre peitos humanos não achei.
Ali, co'o amor intrínseco e vontade
Naquele por quem morro, criarei
Estas relíquias suas, que aqui viste,
Que refrigério sejam da mãe triste.
O trecho evidencia características:
a.da poesia trovadoresca.
b.do Barroco português.
c.de um auto vicentino.
d.da poesia lírica de Antero de Quental.
e.da poesia épica camoniana.
15 - (PUC) A farsa revela surpreendente domínio da arte
teatral. Segundo seus estudiosos, Gil Vicente utiliza-se de
processos dramáticos que se tornarão típicos em suas
criações cômicas. São características de seu teatro,
a.o rigoroso respeito à categoria tempo, delineado na justa
sucessão do transcorrer cronológico das ações.
b.a não preparação de cenas e entrada de personagens, o
que provoca a precipitação de certos quadros e situações.
c.o realismo na caracterização social, psicológica e
linguística de seus personagens.
d.o perfeito domínio do diálogo e grande poder de
exploração do cômico.
e.o pouco aparato cênico, limitado ao necessário para
sugerir o ambiente em que decorre a peça.
GABARITO
01 – D
02 – B
03 – B
04 – A
05 – D
06 – D
07 – E
08 – E
09 – A
10 – D
11 - A
12 - D
13 - C
14 - E
15 - A
WWW. FOCONOENEM.COM
INSTAGRAM: @OFOCONOENEM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Conjunções coordenadas
Conjunções coordenadasConjunções coordenadas
Conjunções coordenadas
Aldo Socram
 
Diferença entre fato e opinião
Diferença entre fato e opiniãoDiferença entre fato e opinião
Diferença entre fato e opinião
Eliete Sampaio Farneda
 
Versificação
VersificaçãoVersificação
Versificação
ISJ
 
Tipos de sujeito
Tipos de sujeitoTipos de sujeito
Tipos de sujeito
IedaSantana
 
O adverbio
O adverbioO adverbio
O adverbio
Inês Silva
 
Atividade avaliativa sobre versificação
Atividade avaliativa sobre versificaçãoAtividade avaliativa sobre versificação
Atividade avaliativa sobre versificação
Gisele dos Santos santos
 
Coesao e coerência
Coesao e coerênciaCoesao e coerência
Coesao e coerência
Ana Luísa Santos
 
Adjunto Adnominal
Adjunto AdnominalAdjunto Adnominal
Adjunto Adnominal
Aliffer Murillo Laguna
 
Trovadorismo I
Trovadorismo ITrovadorismo I
Trovadorismo I
Cláudia Heloísa
 
Tudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMASTudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMAS
Jaicinha
 
Coordenação. Subordinação
Coordenação. SubordinaçãoCoordenação. Subordinação
Coordenação. Subordinação
Rosalina Simão Nunes
 
Conjunções coordenativas e subordinativas
Conjunções coordenativas e subordinativasConjunções coordenativas e subordinativas
Conjunções coordenativas e subordinativas
Lidiane Rodrigues
 
Exercício de Orações Subordinadas Adverbiais
Exercício de  Orações Subordinadas AdverbiaisExercício de  Orações Subordinadas Adverbiais
Exercício de Orações Subordinadas Adverbiais
Keilla Ramos
 
Orações Subordinadas Substantivas
Orações Subordinadas SubstantivasOrações Subordinadas Substantivas
Orações Subordinadas Substantivas
Blog Estudo
 
Funções sintáticas e modificadores
Funções sintáticas e modificadoresFunções sintáticas e modificadores
Funções sintáticas e modificadores
Margarida Tomaz
 
Coesão textual
Coesão textualCoesão textual
Coesão textual
gracacruz
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
Fabio Junior Sarti
 
Exercícios sintaxe: termos essenciais da oração
Exercícios sintaxe: termos essenciais da oraçãoExercícios sintaxe: termos essenciais da oração
Exercícios sintaxe: termos essenciais da oração
ProfFernandaBraga
 
Figuras de linguagem slide
Figuras de linguagem slideFiguras de linguagem slide
Figuras de linguagem slide
Ivana Bastos
 
Verdes são os campos
Verdes são os camposVerdes são os campos
Verdes são os campos
Helena Coutinho
 

Mais procurados (20)

Conjunções coordenadas
Conjunções coordenadasConjunções coordenadas
Conjunções coordenadas
 
Diferença entre fato e opinião
Diferença entre fato e opiniãoDiferença entre fato e opinião
Diferença entre fato e opinião
 
Versificação
VersificaçãoVersificação
Versificação
 
Tipos de sujeito
Tipos de sujeitoTipos de sujeito
Tipos de sujeito
 
O adverbio
O adverbioO adverbio
O adverbio
 
Atividade avaliativa sobre versificação
Atividade avaliativa sobre versificaçãoAtividade avaliativa sobre versificação
Atividade avaliativa sobre versificação
 
Coesao e coerência
Coesao e coerênciaCoesao e coerência
Coesao e coerência
 
Adjunto Adnominal
Adjunto AdnominalAdjunto Adnominal
Adjunto Adnominal
 
Trovadorismo I
Trovadorismo ITrovadorismo I
Trovadorismo I
 
Tudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMASTudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMAS
 
Coordenação. Subordinação
Coordenação. SubordinaçãoCoordenação. Subordinação
Coordenação. Subordinação
 
Conjunções coordenativas e subordinativas
Conjunções coordenativas e subordinativasConjunções coordenativas e subordinativas
Conjunções coordenativas e subordinativas
 
Exercício de Orações Subordinadas Adverbiais
Exercício de  Orações Subordinadas AdverbiaisExercício de  Orações Subordinadas Adverbiais
Exercício de Orações Subordinadas Adverbiais
 
Orações Subordinadas Substantivas
Orações Subordinadas SubstantivasOrações Subordinadas Substantivas
Orações Subordinadas Substantivas
 
Funções sintáticas e modificadores
Funções sintáticas e modificadoresFunções sintáticas e modificadores
Funções sintáticas e modificadores
 
Coesão textual
Coesão textualCoesão textual
Coesão textual
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Exercícios sintaxe: termos essenciais da oração
Exercícios sintaxe: termos essenciais da oraçãoExercícios sintaxe: termos essenciais da oração
Exercícios sintaxe: termos essenciais da oração
 
Figuras de linguagem slide
Figuras de linguagem slideFiguras de linguagem slide
Figuras de linguagem slide
 
Verdes são os campos
Verdes são os camposVerdes são os campos
Verdes são os campos
 

Semelhante a Trovadorismo-Lista-de-Exercicios-Literatura-ENEM (1).pdf

Trovadorismo português
Trovadorismo portuguêsTrovadorismo português
Trovadorismo português
Ana Karina Silva
 
Trovadorismo1
Trovadorismo1Trovadorismo1
Trovadorismo1
caiocesaar17
 
Trovadorismo1
Trovadorismo1Trovadorismo1
Trovadorismo1
caiocesaar17
 
Trovadorismo1
Trovadorismo1Trovadorismo1
Trovadorismo1
caiocesaar17
 
Trovadorismo1
Trovadorismo1Trovadorismo1
Trovadorismo1
caiocesaar17
 
Trovadorismo1
Trovadorismo1Trovadorismo1
Trovadorismo1
caiocesaar17
 
Trovadorismo1
Trovadorismo1Trovadorismo1
Trovadorismo1
caiocesaar17
 
Trovadorismo1
Trovadorismo1Trovadorismo1
Trovadorismo1
caiocesaar17
 
IDADE MÉDIA e TROVADORISMO.pdf
IDADE MÉDIA e TROVADORISMO.pdfIDADE MÉDIA e TROVADORISMO.pdf
IDADE MÉDIA e TROVADORISMO.pdf
GermanaRodrigues7
 
Trovadorismo prof.-micheli
Trovadorismo prof.-micheliTrovadorismo prof.-micheli
Trovadorismo prof.-micheli
Elizonei Freitas
 
POEMA PÁTRIA MINHA, de Vinícius de Moraes
POEMA PÁTRIA MINHA, de Vinícius de MoraesPOEMA PÁTRIA MINHA, de Vinícius de Moraes
POEMA PÁTRIA MINHA, de Vinícius de Moraes
Daniel Arena
 
Sonetos (Camões) UNICAMP
Sonetos (Camões) UNICAMPSonetos (Camões) UNICAMP
Sonetos (Camões) UNICAMP
José Ricardo Lima
 
Sonetos de camões
Sonetos de camões Sonetos de camões
Sonetos de camões
TVUERJ
 
Vinicius antologia poetica
Vinicius antologia poeticaVinicius antologia poetica
Vinicius antologia poetica
Mensagens Virtuais
 
Viniciuspraviverumgrandeamor
ViniciuspraviverumgrandeamorViniciuspraviverumgrandeamor
Viniciuspraviverumgrandeamor
Fabio Murilo
 
Vinicius
ViniciusVinicius
Vinicius
Beatriz Diniz
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
luarefletindo
 
Cap04 trovadorismo
Cap04 trovadorismoCap04 trovadorismo
Cap04 trovadorismo
whybells
 
Romantismo slide
Romantismo   slideRomantismo   slide
Romantismo slide
Alexandre Costa
 
Slides
SlidesSlides
Slides
Lay Vieira
 

Semelhante a Trovadorismo-Lista-de-Exercicios-Literatura-ENEM (1).pdf (20)

Trovadorismo português
Trovadorismo portuguêsTrovadorismo português
Trovadorismo português
 
Trovadorismo1
Trovadorismo1Trovadorismo1
Trovadorismo1
 
Trovadorismo1
Trovadorismo1Trovadorismo1
Trovadorismo1
 
Trovadorismo1
Trovadorismo1Trovadorismo1
Trovadorismo1
 
Trovadorismo1
Trovadorismo1Trovadorismo1
Trovadorismo1
 
Trovadorismo1
Trovadorismo1Trovadorismo1
Trovadorismo1
 
Trovadorismo1
Trovadorismo1Trovadorismo1
Trovadorismo1
 
Trovadorismo1
Trovadorismo1Trovadorismo1
Trovadorismo1
 
IDADE MÉDIA e TROVADORISMO.pdf
IDADE MÉDIA e TROVADORISMO.pdfIDADE MÉDIA e TROVADORISMO.pdf
IDADE MÉDIA e TROVADORISMO.pdf
 
Trovadorismo prof.-micheli
Trovadorismo prof.-micheliTrovadorismo prof.-micheli
Trovadorismo prof.-micheli
 
POEMA PÁTRIA MINHA, de Vinícius de Moraes
POEMA PÁTRIA MINHA, de Vinícius de MoraesPOEMA PÁTRIA MINHA, de Vinícius de Moraes
POEMA PÁTRIA MINHA, de Vinícius de Moraes
 
Sonetos (Camões) UNICAMP
Sonetos (Camões) UNICAMPSonetos (Camões) UNICAMP
Sonetos (Camões) UNICAMP
 
Sonetos de camões
Sonetos de camões Sonetos de camões
Sonetos de camões
 
Vinicius antologia poetica
Vinicius antologia poeticaVinicius antologia poetica
Vinicius antologia poetica
 
Viniciuspraviverumgrandeamor
ViniciuspraviverumgrandeamorViniciuspraviverumgrandeamor
Viniciuspraviverumgrandeamor
 
Vinicius
ViniciusVinicius
Vinicius
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Cap04 trovadorismo
Cap04 trovadorismoCap04 trovadorismo
Cap04 trovadorismo
 
Romantismo slide
Romantismo   slideRomantismo   slide
Romantismo slide
 
Slides
SlidesSlides
Slides
 

Último

TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 

Último (20)

TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 

Trovadorismo-Lista-de-Exercicios-Literatura-ENEM (1).pdf

  • 1. LISTA DE EXERCÍCIOS PARA O ENEM LITERATURA Trovadorismo 01​ - (IFSP) Cantiga de Amor Afonso Fernandes Senhora minha, desde que vos vi, lutei para ocultar esta paixão que me tomou inteiro o coração; mas não o posso mais e decidi que saibam todos o meu grande amor, a tristeza que tenho, a imensa dor que sofro desde o dia em que vos vi. Já que assim é, eu venho-vos rogar que queirais pelo menos consentir que passe a minha vida a vos servir (...) (www.caestamosnos.org/efemerideS/118. Adaptado) Observando-se a última estrofe, é possível afIrmar que o apaixonado a.se sente inseguro quanto aos próprios sentimentos. b.se sente confiante em conquistar a mulher amada. c.se declara surpreso com o amor que lhe dedica a mulher amada. d.possui o claro objetivo de servir sua amada. e.conclui que a mulher amada não é tão poderosa quanto parecia a princípio. 02​ - (UNIFESP) ​Senhor feudal Se Pedro Segundo Vier aqui Com história Eu boto ele na cadeia. (Oswald de Andrade) O título do poema de Oswald remete o leitor à Idade Média. Nele, assim como nas cantigas de amor, a ideia de poder retoma o conceito de a.fé religiosa. b.relação de vassalagem. c.idealização do amor. d.saudade de um ente distante. e.igualdade entre as pessoas. 03​ - (IFSP) Leia atentamente o texto abaixo. Com'ousará parecer ante mi o meu amigo, ai amiga, por Deus, e com'ousará catar estes meus olhos se o Deus trouxer per aqui, pois tam muit'há que nom veo veer mi e meus olhos e meu parecer? (Com'ousará parecer ante mi de Dom Dinis. Fonte: http://pt.wikisourceorg/wiki/Com%270usar%03%Ai.parece r.ante. mi. Acesso em: 05.12.2012.) per = por tam = tão nom = não veer = ver mi = mim, me parecer = semblante Sobre o fragmento anterior, pode-se afirmar que pertence a uma cantiga de a.amor, pois o eu lírico masculino declara a uma amiga o sentimento de amor que tem por ela. b.amigo, pois o eu lírico feminino expressa a uma amiga a falta de seu amigo por quem sente amor. c.amor, pois o eu lírico é feminino e acha que seu amor não deve voltar para os seus braços. d.amigo, pois o eu lírico masculino entende que só Deus pode trazer de volta sua amiga a quem não vê há muito tempo. e.amor, pois o eu lírico feminino não consegue enxergar o amor que sente por seu amigo. WWW. FOCONOENEM.COM INSTAGRAM: @OFOCONOENEM
  • 2. LISTA DE EXERCÍCIOS PARA O ENEM 04​ - (UEG) Senhora, que bem pareceis! Se de mim vos recordásseis que do mal que me fazeis me fizésseis correção, quem dera, senhora, então que eu vos visse e agradasse. Ó formosura sem falha que nunca um homem viu tanto para o meu mal e meu quebranto! Senhora, que Deus vos valha! Por quanto tenho penado seja eu recompensado vendo-vos só um instante. De vossa grande beleza da qual esperei um dia grande bem e alegria, só me vem mal e tristeza. Sendo-me a mágoa sobeja, deixai que ao menos vos veja no ano, o espaço de um dia. Rei D. Dinis CORREIA, Natália. Cantares dos trovadores galego-portugueses. Seleção, introdução, notas e adaptação de Natália Correia. 2. ed. Lisboa: Estampa, 1978. p. 253. Quem te viu, quem te vê Você era a mais bonita das cabrochas dessa ala Você era a favorita onde eu era mestre-sala Hoje a gente nem se fala, mas a festa continua Suas noites são de gala, nosso samba ainda é na rua Hoje o samba saiu procurando você Quem te viu, quem te vê Quem não a conhece não pode mais ver pra crer Quem jamais a esquece não pode reconhecer [...] Chico Buarque A cantiga do rei D. Dinis, adaptada por Natália Correia, e a canção de Chico Buarque de Holanda expressam a seguinte característica trovadoresca: a.a vassalagem do trovador diante da mulher amada que se encontra distante. b.a idealização da mulher como símbolo de um amor profundo e universal. c.a personificação do samba como um ser que busca a plenitude amorosa. d.a possibilidade de realização afetiva do trovador em razão de estar próximo da pessoa amada. 05 - (UEPA) "A literatura do amor cortes, pode-se acrescentar, contribuiu para transformar de algum modo a realidade extraliterária, atua como componente do que Elias (1994)* chamou de processo civilizador. Ao mesmo tempo, a realidade extraliterária penetra processualmente nessa literatura que, em parte, nasceu como forma de sonho e de evasão." (Revista de Ciências Humanas, Florianópolis, EDUFSC, v. 41, n. l e 2, p. 83-110, Abril e Outubro de 2007 pp. 91-92) (*) Cf. ELIAS, N. O Processo Civilizador. Rio de Janeiro: Zahar, 1994, v.1. Interprete o comentário acima e, com base nele e em seus conhecimentos acerca do lirismo medieval galego-português, marque a alternativa correta: a.as cantigas de amor recriaram o mesmo ambiente palaciano das cortes galegas. b."a literatura do amor cortês" refletiu a verdade sobre a vida privada medieval. c.a servidão amorosa e a idealização da mulher foi o grande tema da poesia produzida por vilões. d.o amor cortês foi uma prática literária que aos poucos modelou o perfil do homem civilizado. WWW. FOCONOENEM.COM INSTAGRAM: @OFOCONOENEM
  • 3. LISTA DE EXERCÍCIOS PARA O ENEM e.nas cantigas medievais mulheres e homens submetem-se às maneiras refinadas da cortesia. 06 - (ESPM) O amor cortês foi um gênero praticado desde os trovadores medievais europeus. Nele a devoção masculina por uma figura feminina inacessível foi uma atitude cons​tante. A opção cujos versos confirmam o exposto é: a.Eras na vida a pomba predileta (...) Eras o idílio de um amor sublime. Eras a glória, - a inspiração, - a pátria, O porvir de teu pai! (Fagundes Varela) b.Carnais, sejam carnais tantos desejos, Carnais sejam carnais tantos anseios, Palpitações e frêmitos e enleios Das harpas da emoção tantos arpejos... (Cruz e Sousa) c.Quando em meu peito rebentar-se a fibra, Que o espírito enlaça à dor vivente, Não derramem por mim nenhuma lágrima Em pálpebra demente. (Álvares de Azevedo) d.Em teu louvor, Senhora, estes meus versos E a minha Alma aos teus pés para cantar-te, E os meus olhos mortais, em dor imersos, Para seguir-lhe o vulto em toda a parte. (Alphonsus de Guimaraens) e.Que pode uma criatura senão, entre criaturas, amar? amar e esquecer amar e malamar, amar, desamar, amar? (Manuel Bandeira) 07​ - (UNESP) Ossos do ofício (João de Deus, poeta português, 1830-1896) Uma vez uma besta do tesouro, Uma besta fiscal, Ia de volta para a capital, Carregada de cobre, prata e ouro; E no caminho Encontra-se com outra carregada De cevada, Que ia para o moinho. Passa-lhe logo adiante Largo espaço, Coleando arrogante E a cada passo Repicando a choquilha Que se ouvia distante. Mas salta uma quadrilha De ladrões, Como leões, E qual mais presto Se lhe agarra ao cabresto. Ela reguinga, dá uma sacada Já cuidando Que desfazia o bando; Mas, coitada! Foi tanta a bordoada, Ah! que exclamava enfim A besta oficial: — Nunca imaginei tal! Tratada assim Uma besta real!... Mas aquela que vinha atrás de mim, Por que a não tratais mal? “Minha amiga, cá vou no meu sossego, Tu tens um belo emprego! Tu sustentas-te a fava, e eu a troços! Tu lá serves el-rei, e eu um moleiro! Ossos do ofício, que o não há sem ossos.” (Campo de flores, s/d.) Considerando que a sátira se apresenta sob forma de fábula, com personagens animais assumindo modos de agir e pensar tipicamente humanos, verifica-se que a atitude da besta real em relação à outra traduz um preconceito de a.cor. b.raça. c.credo religioso. d.credo político. WWW. FOCONOENEM.COM INSTAGRAM: @OFOCONOENEM
  • 4. LISTA DE EXERCÍCIOS PARA O ENEM e.classe social. 08 - (MACKENZIE) Assinale a afirmativa correta sobre o texto Ondas do mar de Vigo, se vistes meu amigo! E ai Deus, se verrá cedo! Ondas do mar levado, se vistes meu amado! E ai Deus, se verrá cedo! Martim Codax Obs.: verrá = virá levado = agitado a.Nessa cantiga de amigo, o eu lírico masculino manifesta a Deus seu sofrimento amoroso. b.Nessa cantiga de amor, o eu lírico feminino dirige-se a Deus para lamentar a morte do ser amado. c.Nessa cantiga de amigo, o eu lírico masculino manifesta às ondas do mar sua angústia pela perda do amigo em trágico naufrágio. d.Nessa cantiga de amor, o eu lírico masculino dirige-se às ondas do mar para expressar sua solidão. e.Nessa cantiga de amigo, o eu lírico feminino dirige-se às ondas do mar para expressar sua ansiedade com relação à volta do amado. 09 - (UNIFESP) Leia a cantiga seguinte, de Joan Garcia de Guilhade. Un cavalo non comeu á seis meses nen s’ergueu mais prougu’a Deus que choveu, creceu a erva, e per cabo si paceu, e já se leva! Seu dono non lhi buscou cevada neno ferrou: mai-lo bon tempo tornou, creceu a erva, e paceu, e arriçou, e já se leva! Seu dono non lhi quis dar cevada, neno ferrar; mais, cabo dum lamaçal creceu a erva, e paceu, e arriç’ar, e já se leva! (CD Cantigas from the Court of Dom Dinis. harmonia mundi usa, 1995.) A leitura permite inferir que se trata de uma cantiga de a.escárnio, em que se critica a atitude do dono do cavalo, que dele não cuidara, mas graças ao bom tempo e à chuva, o mato cresceu e o animal pôde recuperar-se sozinho. b.amor, em que se mostra o amor de Deus com o cavalo que, abandonado pelo dono, comeu a erva que cresceu graças à chuva e ao bom tempo. c.escárnio, na qual se conta a divertida história do cavalo que, graças ao bom tempo e à chuva, alimentou-se, recuperou-se e pôde, então, fugir do dono que o maltratava. d.amigo, em que se mostra que o dono do cavalo não lhe buscou cevada nem o ferrou por causa do mau tempo e da chuva que Deus mandou, mas mesmo assim o cavalo pôde recuperar-se. e.mal-dizer, satirizando a atitude do dono que ferrou o cavalo, mas esqueceu-se de alimentá-lo, deixando-o entregue à própria sorte para obter alimento. 10​ - (UEPA) Amor sem limite Quando a gente ama alguém de verdade Esse amor não se esquece O tempo passa, tudo passa, mas no peito O amor permanece E qualquer minuto longe é demais A saudade atormenta Mas qualquer minuto perto é bom demais O amor só aumenta. WWW. FOCONOENEM.COM INSTAGRAM: @OFOCONOENEM
  • 5. LISTA DE EXERCÍCIOS PARA O ENEM Vivo por ela Ninguém duvida Porque ela é tudo Na minha vida. Roberto Carlos e Erasmo Carlos Esta canção de Roberto e Erasmo Carlos situa a mulher num plano superior, de certa forma idealizada, e reserva ao eu-poético masculino a vassalagem amorosa. Desta forma, no cenário da poética medieval da literatura portuguesa, caracterizase a mulher nas cantigas de: a.Amigo. b.Maldizer. c.Escárnio. d.Amor. e.Amigo e amor. 11​ - (MACKENZIE) Ondas do mar de Vigo, se vistes meu amigo! E ai Deus, se verrá cedo! Ondas do mar levado, se vistes meu amado! E ai Deus, se verrá cedo! Martim Codax Obs.: verrá = virá levado = agitado Considerando o texto, é possível inferir que: a.A estrutura paralelística é, neste poema, particularmente expressiva, pois reflete, no plano formal, o movimento de vai-e-vem das ondas. b. Nesse texto, os versos livres e brancos são indispensáveis para assegurar o efeito musical da canção. c.As repetições que marcam o desenvolvimento do texto opõem-se ao tom emotivo do poema. d.No refrão, a voz das ondas do mar faz-se presente como contraponto irônico ao desejo do eu lírico. e.É um típico vilancete de tradição popular, com versos em redondilha maior e estrofação irregular. 12 - (UNAMA) “Dizem que em algum lugar, parece que no Brasil, existe um homem feliz”. A frase do poeta russo Vladimir Maiakovski ecoa uma milenar tradição de profecias e presságios que têm como objeto um paraíso chamado Brasil, seja ele o país descoberto há cinco séculos, seja um lugar imaginário. Resumo da ópera: Jorge Mautner (Geléia Geral/Warner) achou que a coisa dava samba, encomendou a canção. A encomenda dá a emergência que leva à catarse. É ato de fé. Gilberto Gil concordou e assim nasceu, no fim do ano passado, o samba de exaltação “Outros viram”, primeira canção composta pelo baiano desde que virou ministro da Cultura. A canção vai integrar o próximo disco que, em fase de mixagem, terá, além da voz de Gil, participações do Afro Reggae, de Caetano Veloso e de Preta Gil. Conheça alguns trechos da canção “Outros viram”: (Fragmento do uma reportagem de Arnaldo Bloch para O Globo, publicada em 12/05/2006) (...) “O que Walt Whitman viu Maiakovski viu Outros viram também Que a Humanidade vem Renascer no Brasil (...) Todos disseram amém A essa luz que surgiu. Roosevelt que celebrou nossa miscigenação Até a considerou como sendo a solução Pro seu próprio país (...) Rabindranath Tagore também profetizou Ousou dizer que aqui surgiria o ser do amor Ser superior, da paixão, da emoção, da canção Terra do samba, sim, e do eterno perdão Maiakovski ouviu A sereia do mar WWW. FOCONOENEM.COM INSTAGRAM: @OFOCONOENEM
  • 6. LISTA DE EXERCÍCIOS PARA O ENEM Lhe falar de um gentil De um povo mais feliz Que habita esse lugar Esta terra do sol Esta serra do mar esta terra Brasil Sob este céu de anil Sob a luz do luar.” A respeito do texto lido, a alternativa correta é a.O comentário de Bloch aponta para o fato de que a nova canção do compositor e ministro Gilberto Gil manifesta um certo idealismo renascentista, ao lado do conflito gerado pela necessidade de viver a vida mundana ao mesmo tempo em que busca a pureza da fé, seguindo o modelo barroco do também baiano Gregório de Matos Guerra. b.Os versos de Gil : “Rabindranath Tagore também profetizou /Ousou dizer que aqui surgiria o ser do amor/Ser superior, da paixão, da emoção, da canção.” expressam um relacionamento muito semelhante à vassalagem amorosa, uma das características temáticas das cantigas medievais que fazem parte da poesia trovadoresca. c.A leitura do texto de Bloch, complementada pelos versos da nova canção de Gil, nos leva a concluir que, nessa, a linguagem usada, para exprimir problemas humanos, é produto de um intenso trabalho de elaboração formal, a partir de elementos das mais diversas origens: regionalismos, termos científicos, em estilo único – características modernistas semelhantes às presentes na obra de Guimarães Rosa. d.Na seguinte passagem do texto de Bloch: “e assim nasceu, no fim do ano passado, o samba de exaltação”, a expressão grifada sintetiza, na visão do jornalista, a presença do nacionalismo e do ufanismo românticos que se manifestam, na canção de Gil, pela exaltação da natureza pátria, pelo retorno à parte de um passado histórico e pela valorização da gente brasileira. 13​ - (UNESP) ​Ossos do ofício (João de Deus, poeta português, 1830-1896) Uma vez uma besta do tesouro, Uma besta fiscal, Ia de volta para a capital, Carregada de cobre, prata e ouro; E no caminho Encontra-se com outra carregada De cevada, Que ia para o moinho. Passa-lhe logo adiante Largo espaço, Coleando arrogante E a cada passo Repicando a choquilha Que se ouvia distante. Mas salta uma quadrilha De ladrões, Como leões, E qual mais presto Se lhe agarra ao cabresto. Ela reguinga, dá uma sacada Já cuidando Que desfazia o bando; Mas, coitada! Foi tanta a bordoada, Ah! que exclamava enfim A besta oficial: — Nunca imaginei tal! Tratada assim Uma besta real!... Mas aquela que vinha atrás de mim, Por que a não tratais mal? “Minha amiga, cá vou no meu sossego, Tu tens um belo emprego! Tu sustentas-te a fava, e eu a troços! Tu lá serves el-rei, e eu um moleiro! Ossos do ofício, que o não há sem ossos.” (Campo de flores, s/d.) Empregada na segunda estrofe, a palavra choquilha não é registrada em alguns dicionários. No entanto, pelo contexto WWW. FOCONOENEM.COM INSTAGRAM: @OFOCONOENEM
  • 7. LISTA DE EXERCÍCIOS PARA O ENEM dessa estrofe, sobretudo pela presença da forma verbal repicando, torna-se possível verificar que significa a.arma de choque. b.chibata. c.chocalho. d.saco de couro. e.freio metálico. 14​ - (MACKENZIE) Põe-me onde se use toda a feridade, Entre leões e tigres, e verei Se neles achar posso a piedade Que entre peitos humanos não achei. Ali, co'o amor intrínseco e vontade Naquele por quem morro, criarei Estas relíquias suas, que aqui viste, Que refrigério sejam da mãe triste. O trecho evidencia características: a.da poesia trovadoresca. b.do Barroco português. c.de um auto vicentino. d.da poesia lírica de Antero de Quental. e.da poesia épica camoniana. 15 - (PUC) A farsa revela surpreendente domínio da arte teatral. Segundo seus estudiosos, Gil Vicente utiliza-se de processos dramáticos que se tornarão típicos em suas criações cômicas. São características de seu teatro, a.o rigoroso respeito à categoria tempo, delineado na justa sucessão do transcorrer cronológico das ações. b.a não preparação de cenas e entrada de personagens, o que provoca a precipitação de certos quadros e situações. c.o realismo na caracterização social, psicológica e linguística de seus personagens. d.o perfeito domínio do diálogo e grande poder de exploração do cômico. e.o pouco aparato cênico, limitado ao necessário para sugerir o ambiente em que decorre a peça. GABARITO 01 – D 02 – B 03 – B 04 – A 05 – D 06 – D 07 – E 08 – E 09 – A 10 – D 11 - A 12 - D 13 - C 14 - E 15 - A WWW. FOCONOENEM.COM INSTAGRAM: @OFOCONOENEM