SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
Classes de palavr as.

                                 Conjunção.


Escola Técnica Estadual Magalhães Barata
Diretora: Cristina
Professora: Daises Carvalho
Equipe: Arthur Wenderson Santos Pinto
        Daniel Damasceno da Cruz
        Lucas Nagib de Freitas
        Monique Gabrielle Saraiva Santos
        Rafael dos Santos Coutinho
Turma: Mecânica-Integrado-Manhã
Conceito de
          Conjunção.
 As conjunções são palavras invariáveis que
  servem para conectar orações ou dois termos
  de mesma função sintática, estabelecendo
  entre eles uma relação de dependência ou de
  simples coordenação.


Ex.: portanto, logo, pois, como, mas, e, embora,
  porque, entretanto, em, quando, ora, que,
  porém, todavia, quer, contudo, seja, conforme .
Locução conjuntiva.
 Quando duas ou mais palavras exercem função de
  conjunção chama-se locução conjuntiva. Geralmente
  terminam em que.

Ex.: visto que, desde que, ainda que, por mais que, à
  medida que, apesar de, a fim de que, etc.



           As conjunções “essenciais”.

 São palavras que funcionam somente como conjunção.

Ex.: e, nem, mas, porém, todavia, contudo, entretanto,ou,
  porque, pois, portanto, se, ora, apesar e como.
As conjunções são divididas
em:
  Coordenativas                    Subordinativas
     As conjunções coordenativas       As conjunções subordinativas
     são conhecidas por:               são conhecidas por:

    Aditivas                         Integrantes
    Adversativas                     Causal
    Alternativas                     Comparativa
    Explicativas                     Concessiva
    Conclusivas                      Condicional
                                      Conformativa
                                      Consecutiva
                                      Final
                                      Proporcional
                                      Temporal
Conceito de
       conjunções
      coordenativas.
 Conjunções coordenativas são os
  vocábulos gramaticais que estabelecem
  relações entre dois termos ou duas
  orações independentes entre si, que
  possuem as mesmas funções
  gramaticais. As conjunções
  coordenativas podem ser dos seguintes
  tipos: aditivas, adversativas, alternativas,
  conclusivas, explicativas.
Coordenativas
 Aditivas: Indicam uma relação de adição à frase. Unem palavras
  de mesma função sintática. São elas: e, nem, mas também, como
  também, além de (disso, disto, aquilo), quanto (depois de
  tanto), bem como e etc.

Ex¹.: Comi e fiquei satisfeita.
Ex².: O acontecimento não foi bom nem ruim.
Ex³.: Todos aqui estão contentes e despreocupados.

 Adversativas: Indicam uma relação de oposição bem como de
  contraste ou compensação entre as unidades ligadas. Também
  pode gerar um sentido de consequência a algo dito anteriormente.
  São elas: mas, porém, todavia,entretanto, no entanto, senão, não
  obstante, contudo, etc. Antes dos nexos adversativos a virgula é
  obrigatória.

Ex¹.: O carro bateu, mas ninguém se feriu.
Ex².: Não negou nada, mas também não afirmou coisa nenhuma
Ex³.: A moça deu a ele o dinheiro: porém, o fez receosa.
Coordenativas
 Alternativas:          Como o seu nome indica, expressam uma
   relação de alternância, seja por incompatibilidade dos termos
   ligados ou por equivalência dos mesmos. São elas: ou...ou, ou,
   ora...ora, já...já, quer...quer, etc.

Ex¹.: Ou ela, ou eu.
Ex².: Tudo para ele era vencer ou perder
Ex³.: Ora filosofava, ora contava piadas.
 Explicativas:     Expressam a relação de explicação, razão ou
   motivo. São elas: que, porque, porquanto, pois (anteposta ao
   verbo).

Ex¹.: Ele não entra porque está sem tempo.
Ex².: Não entrou no teatro porque esqueceu os bilhetes.
Ex³.: Entre, que está muito frio.
Coordenativas

 Conclusivas: Indicam relação de conclusão. São elas:
  pois (posposta ao verbo), logo, portanto, então, por
  isso, por conseguinte, por isto, assim, etc.

Ex¹.: Ele bebeu bem mais do que poderia, logo ficou
  embriagado.

Ex².: Estudou muito, portanto irá bem no exame.

Ex³.: O rapaz é bastante inteligente e, logo, será um
  privilegiado na entrevista.
Conceito de
        conjunções
      subordinativas.
 As conjunções subordinativas possuem a
  função de estabelecer uma relação entre duas
  orações, relação esta que se caracteriza pela
  dependência do sentido de uma oração com
  relação a outra. Uma das orações completa ou
  determina o sentido da outra. As conjunções
  subordinativas são classificadas em: causais,
  concessivas, condicionais, comparativas,
  conformativas, consecutivas, proporcionais,
  finais e integrantes.
 Conjunção Subordinativa Integrante:
     Introduz uma oração que pode funcionar como sujeito, objeto direto,
    predicativo, aposto, agente da passiva, objeto indireto, complemento
    nominal de outra oração. As conjunções subordinativas integrantes
    são o que e se.
   Quando o verbo exprime uma certeza, usa-se que; quando não, usa-
    se se.
o   Afirmo que sou inteligente.
o   Não sei se existe ou se dói.
o   Espero que você não demore.

Obs.: Uma forma de identificar o se e o que como conjunções
  integrantes são substituí-los por “isso”, “isto” ou “aquilo”.

Exemplo: Afirmo que sou inteligente. (Afirmo isto.)
        Não sei se existe ou se dói. (não sei isto)
        Espero que você não demore. (Espero isto.)

As adverbiais podem ser classificadas de acordo com o valor
  semântico que possuem.
    Conjunção Subordinativa Causal:
        Exprime causa. As conjunções subordinativas causais são:
     porque, pois, porquanto, como, pois que, por isso que, já que,
     uma vez que, visto que, visto como, que, entre outros.
o    Dona Luísa fora para lá porque estava só.
o    Como o calor estivesse forte, pusemo-nos a andar pelo
     passeio público.
o    Como o frio era grande, aproximou-se da lareira.


 Conjunção Subordinativa Comparativa:
         Estabelecem comparação. As conjunções subordinativas
    comparativas são: Que, (mais/menos/maior/menor/melhor/pior) do
    que, (tal) qual, (tanto) quanto, como, assim como, bem como,
    como se, que nem (dependendo da frase, pode expressar
    semelhança ou grau de superioridade), etc.

o   Aquilo é pior que isso.
o   Tudo passou como as nuvens do céu.
o   Existem deveres mais urgentes que outros.
 Conjunção Subordinativa Concessiva:
    Exprimem concessão. As conjunções subordinativas concessivas
    são: embora, mesmo que, ainda que, posto que, por mais
    que, apesar de, mesmo quando, etc.

o Acompanhou a multidão, embora o tenha feito contra sua vontade.
o A harmonia do ambiente daquela sala, de súbito, rompeu-se, ainda
  que havia silêncio.
o É toda graça, embora as pernas não ajudem.



 Conjunção Subordinativa Condicionais:
     Exprimem condição ou hipótese. As conjunções subordinativas
    condicionais são: se, caso, contanto que, a não ser que, desde
    que, salvo se, etc.
o   Se você não vier, a reunião não se realizará.
o   Caso ocorra um imprevisto, a viagem será cancelada.
o   Chegaremos a tempo, contanto que nos apressemos.
 Conjunção Subordinativa Conformativa:
        Exprimem conformidade. As conjunções subordinativas
   conformativas são: conforme, segundo, consoante, como(utilizada
   no mesmo sentido da conjunção conforme).

o O debate se desenrolou conforme foi planejado.
o Segundo o que disseram, não haverá aulas.
o Cristo nasceu para todos, cada qual como o merece.


 Conjunção Subordinativa Consecutiva:
  Exprimem consequencia. As conjunções subordinativas consecutivas
  são: que (combinada com umas das palavras tal, tanto, tão ou
  tamanho, presentes na oração anterior), de forma que, de maneira
  que, de modo que, de sorte que.

o Soube que tivera uma emoção tão grande que Deus quase a levou.
o Falou tanto na reunião que ficou rouco.
o Era tal a vitória que transbordou lágrimas de emoção.
 Conjunção Subordinativa Final:
      Exprimem finalidade. As conjunções subordinativas finais são: a
    fim de que, para que, porque (com mesmo sentido da conjunção
    para que), que.

o   Tudo foi planejado para que não houvesse falhas.
o   Cheguei cedo a fim de adiantar o serviço.
o   Fez sinal que todos se aproximassem em silêncio.

 Conjunção Subordinativa Proporcional.
           Estabelecem proporção. As conjunções subordinativas
    proporcionais são: à proporção que, à medida que, quanto mais...
    (tanto) mais, quanto mais... (tanto) menos,quanto menos... (tanto)
    menos, quanto menos... (tanto) mais, etc.

o Seu espírito se elevava à medida que compunha o poema.
o Quanto mais correres, mais cansado ficarás.
o Quanto menos as pessoas nos incomodam, tanto 
  mais realizamos nossas tarefas.
 Conjunção Subordinativa Temporal.
         Indicam tempo. As conjunções subordinativas temporais
    são: quando, enquanto,logo            que, agora        que, tão
    logo, apenas (com mesmo sentido da conjunção tão logo), toda
    vez que, mal (equivalente a tão logo), sempre que, etc.
o   Quando chegar de viagem, me avise.
o   Enquanto todos estavam fora, nada fez de útil.
o   Implicou comigo assim que me viu.



   Uma conjunção é na maioria das vezes precedida ou sucedida por uma vírgula (“,”)
    e muito raramente é sucedida por um ponto ("."). Seguem alguns exemplos de
    frases com as conjunções marcadas em negrito:

   "Aquele é um bom aluno, portanto deverá ser aprovado."
   "Meu pai ora me trata bem, ora me trata mal."
   "Gosto de comer chocolate, mas sei que me faz mal."
   "Marcelo pediu que trouxéssemos bebidas para a festa."
   "João subiu e desceu a escada."
   Quando a banda deu seu acorde final, os organizadores deram início aos jogos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Período Composto por Coordenação e Subordinação
Período Composto por Coordenação e SubordinaçãoPeríodo Composto por Coordenação e Subordinação
Período Composto por Coordenação e SubordinaçãoJoyce de Oliveira
 
ColocaçãO Pronominal
ColocaçãO PronominalColocaçãO Pronominal
ColocaçãO Pronominalguest0cbfe
 
Funções do pronome relativo
Funções do pronome relativoFunções do pronome relativo
Funções do pronome relativoespacoaberto
 
Figuras de linguagem completo
Figuras de linguagem completoFiguras de linguagem completo
Figuras de linguagem completoCDIM Daniel
 
Concordancia verbal e nominal
Concordancia verbal e nominalConcordancia verbal e nominal
Concordancia verbal e nominalRebeca Kaus
 
Concordância verbal
Concordância verbalConcordância verbal
Concordância verbalRita Cunha
 
Advérbios: PowerPoint
Advérbios: PowerPointAdvérbios: PowerPoint
Advérbios: PowerPointA. Simoes
 
Período composto-por-subordinação-oração-subordinada-adverbial-português
Período composto-por-subordinação-oração-subordinada-adverbial-portuguêsPeríodo composto-por-subordinação-oração-subordinada-adverbial-português
Período composto-por-subordinação-oração-subordinada-adverbial-portuguêsFlávio Ferreira
 
Pronome 7o ano 1 o bimestre
Pronome 7o ano 1 o bimestrePronome 7o ano 1 o bimestre
Pronome 7o ano 1 o bimestreMarcia Facelli
 
Tipos de sujeito
Tipos de sujeitoTipos de sujeito
Tipos de sujeitoIedaSantana
 

Mais procurados (20)

Adjunto Adnominal
Adjunto AdnominalAdjunto Adnominal
Adjunto Adnominal
 
Artigo
ArtigoArtigo
Artigo
 
Período Composto por Coordenação e Subordinação
Período Composto por Coordenação e SubordinaçãoPeríodo Composto por Coordenação e Subordinação
Período Composto por Coordenação e Subordinação
 
ColocaçãO Pronominal
ColocaçãO PronominalColocaçãO Pronominal
ColocaçãO Pronominal
 
Funções do pronome relativo
Funções do pronome relativoFunções do pronome relativo
Funções do pronome relativo
 
Figuras de linguagem completo
Figuras de linguagem completoFiguras de linguagem completo
Figuras de linguagem completo
 
Concordancia verbal e nominal
Concordancia verbal e nominalConcordancia verbal e nominal
Concordancia verbal e nominal
 
Concordância verbal
Concordância verbalConcordância verbal
Concordância verbal
 
Período composto por coordenação
Período composto por coordenaçãoPeríodo composto por coordenação
Período composto por coordenação
 
Advérbios: PowerPoint
Advérbios: PowerPointAdvérbios: PowerPoint
Advérbios: PowerPoint
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
 
Preposições
PreposiçõesPreposições
Preposições
 
Artigo aula 8
Artigo   aula 8Artigo   aula 8
Artigo aula 8
 
Regência Nominal
Regência NominalRegência Nominal
Regência Nominal
 
Colocação Pronominal
Colocação PronominalColocação Pronominal
Colocação Pronominal
 
Período composto-por-subordinação-oração-subordinada-adverbial-português
Período composto-por-subordinação-oração-subordinada-adverbial-portuguêsPeríodo composto-por-subordinação-oração-subordinada-adverbial-português
Período composto-por-subordinação-oração-subordinada-adverbial-português
 
Pronome 7o ano 1 o bimestre
Pronome 7o ano 1 o bimestrePronome 7o ano 1 o bimestre
Pronome 7o ano 1 o bimestre
 
Pronomes
PronomesPronomes
Pronomes
 
Tipos de sujeito
Tipos de sujeitoTipos de sujeito
Tipos de sujeito
 
Adjetivos
AdjetivosAdjetivos
Adjetivos
 

Semelhante a Classes de palavras: conjunções

Semelhante a Classes de palavras: conjunções (20)

8 ano
8 ano8 ano
8 ano
 
581
581581
581
 
Conjunção
ConjunçãoConjunção
Conjunção
 
Quadro dos pronomes
Quadro dos pronomesQuadro dos pronomes
Quadro dos pronomes
 
Conjunção
ConjunçãoConjunção
Conjunção
 
W31 Sub Conc Cons Comp Fin Complet
W31 Sub Conc Cons Comp Fin CompletW31 Sub Conc Cons Comp Fin Complet
W31 Sub Conc Cons Comp Fin Complet
 
Emar10 emp pg265
Emar10 emp pg265Emar10 emp pg265
Emar10 emp pg265
 
Emar10 emp pg265
Emar10 emp pg265Emar10 emp pg265
Emar10 emp pg265
 
Funcionamento da língua - coordenação, subordinação
Funcionamento da língua - coordenação, subordinaçãoFuncionamento da língua - coordenação, subordinação
Funcionamento da língua - coordenação, subordinação
 
Coord sub
Coord sub Coord sub
Coord sub
 
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2
 
Periodo composto por_coordenacao
Periodo composto por_coordenacaoPeriodo composto por_coordenacao
Periodo composto por_coordenacao
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
 
W12 Coord Sub Caus Cond Temp
W12 Coord Sub Caus Cond TempW12 Coord Sub Caus Cond Temp
W12 Coord Sub Caus Cond Temp
 
Subordinadas %282%29
Subordinadas %282%29Subordinadas %282%29
Subordinadas %282%29
 
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-ficha-informativa
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-ficha-informativaOracoes coordenadas-e-subordinadas-ficha-informativa
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-ficha-informativa
 
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2
 
O que são orações coordenadas?
O que são orações coordenadas?O que são orações coordenadas?
O que são orações coordenadas?
 
Aula 12
Aula 12Aula 12
Aula 12
 

Último

Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfdottoor
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfAnaGonalves804156
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?MrciaRocha48
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 

Último (20)

Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 

Classes de palavras: conjunções

  • 1. Classes de palavr as. Conjunção. Escola Técnica Estadual Magalhães Barata Diretora: Cristina Professora: Daises Carvalho Equipe: Arthur Wenderson Santos Pinto Daniel Damasceno da Cruz Lucas Nagib de Freitas Monique Gabrielle Saraiva Santos Rafael dos Santos Coutinho Turma: Mecânica-Integrado-Manhã
  • 2. Conceito de Conjunção.  As conjunções são palavras invariáveis que servem para conectar orações ou dois termos de mesma função sintática, estabelecendo entre eles uma relação de dependência ou de simples coordenação. Ex.: portanto, logo, pois, como, mas, e, embora, porque, entretanto, em, quando, ora, que, porém, todavia, quer, contudo, seja, conforme .
  • 3. Locução conjuntiva.  Quando duas ou mais palavras exercem função de conjunção chama-se locução conjuntiva. Geralmente terminam em que. Ex.: visto que, desde que, ainda que, por mais que, à medida que, apesar de, a fim de que, etc. As conjunções “essenciais”.  São palavras que funcionam somente como conjunção. Ex.: e, nem, mas, porém, todavia, contudo, entretanto,ou, porque, pois, portanto, se, ora, apesar e como.
  • 4. As conjunções são divididas em:  Coordenativas  Subordinativas As conjunções coordenativas As conjunções subordinativas são conhecidas por: são conhecidas por:  Aditivas  Integrantes  Adversativas  Causal  Alternativas  Comparativa  Explicativas  Concessiva  Conclusivas  Condicional  Conformativa  Consecutiva  Final  Proporcional  Temporal
  • 5.
  • 6. Conceito de conjunções coordenativas.  Conjunções coordenativas são os vocábulos gramaticais que estabelecem relações entre dois termos ou duas orações independentes entre si, que possuem as mesmas funções gramaticais. As conjunções coordenativas podem ser dos seguintes tipos: aditivas, adversativas, alternativas, conclusivas, explicativas.
  • 7. Coordenativas  Aditivas: Indicam uma relação de adição à frase. Unem palavras de mesma função sintática. São elas: e, nem, mas também, como também, além de (disso, disto, aquilo), quanto (depois de tanto), bem como e etc. Ex¹.: Comi e fiquei satisfeita. Ex².: O acontecimento não foi bom nem ruim. Ex³.: Todos aqui estão contentes e despreocupados.  Adversativas: Indicam uma relação de oposição bem como de contraste ou compensação entre as unidades ligadas. Também pode gerar um sentido de consequência a algo dito anteriormente. São elas: mas, porém, todavia,entretanto, no entanto, senão, não obstante, contudo, etc. Antes dos nexos adversativos a virgula é obrigatória. Ex¹.: O carro bateu, mas ninguém se feriu. Ex².: Não negou nada, mas também não afirmou coisa nenhuma Ex³.: A moça deu a ele o dinheiro: porém, o fez receosa.
  • 8. Coordenativas  Alternativas: Como o seu nome indica, expressam uma relação de alternância, seja por incompatibilidade dos termos ligados ou por equivalência dos mesmos. São elas: ou...ou, ou, ora...ora, já...já, quer...quer, etc. Ex¹.: Ou ela, ou eu. Ex².: Tudo para ele era vencer ou perder Ex³.: Ora filosofava, ora contava piadas.  Explicativas: Expressam a relação de explicação, razão ou motivo. São elas: que, porque, porquanto, pois (anteposta ao verbo). Ex¹.: Ele não entra porque está sem tempo. Ex².: Não entrou no teatro porque esqueceu os bilhetes. Ex³.: Entre, que está muito frio.
  • 9. Coordenativas  Conclusivas: Indicam relação de conclusão. São elas: pois (posposta ao verbo), logo, portanto, então, por isso, por conseguinte, por isto, assim, etc. Ex¹.: Ele bebeu bem mais do que poderia, logo ficou embriagado. Ex².: Estudou muito, portanto irá bem no exame. Ex³.: O rapaz é bastante inteligente e, logo, será um privilegiado na entrevista.
  • 10.
  • 11. Conceito de conjunções subordinativas.  As conjunções subordinativas possuem a função de estabelecer uma relação entre duas orações, relação esta que se caracteriza pela dependência do sentido de uma oração com relação a outra. Uma das orações completa ou determina o sentido da outra. As conjunções subordinativas são classificadas em: causais, concessivas, condicionais, comparativas, conformativas, consecutivas, proporcionais, finais e integrantes.
  • 12.  Conjunção Subordinativa Integrante: Introduz uma oração que pode funcionar como sujeito, objeto direto, predicativo, aposto, agente da passiva, objeto indireto, complemento nominal de outra oração. As conjunções subordinativas integrantes são o que e se.  Quando o verbo exprime uma certeza, usa-se que; quando não, usa- se se. o Afirmo que sou inteligente. o Não sei se existe ou se dói. o Espero que você não demore. Obs.: Uma forma de identificar o se e o que como conjunções integrantes são substituí-los por “isso”, “isto” ou “aquilo”. Exemplo: Afirmo que sou inteligente. (Afirmo isto.) Não sei se existe ou se dói. (não sei isto) Espero que você não demore. (Espero isto.) As adverbiais podem ser classificadas de acordo com o valor semântico que possuem.
  • 13. Conjunção Subordinativa Causal: Exprime causa. As conjunções subordinativas causais são: porque, pois, porquanto, como, pois que, por isso que, já que, uma vez que, visto que, visto como, que, entre outros. o Dona Luísa fora para lá porque estava só. o Como o calor estivesse forte, pusemo-nos a andar pelo passeio público. o Como o frio era grande, aproximou-se da lareira.  Conjunção Subordinativa Comparativa: Estabelecem comparação. As conjunções subordinativas comparativas são: Que, (mais/menos/maior/menor/melhor/pior) do que, (tal) qual, (tanto) quanto, como, assim como, bem como, como se, que nem (dependendo da frase, pode expressar semelhança ou grau de superioridade), etc. o Aquilo é pior que isso. o Tudo passou como as nuvens do céu. o Existem deveres mais urgentes que outros.
  • 14.  Conjunção Subordinativa Concessiva: Exprimem concessão. As conjunções subordinativas concessivas são: embora, mesmo que, ainda que, posto que, por mais que, apesar de, mesmo quando, etc. o Acompanhou a multidão, embora o tenha feito contra sua vontade. o A harmonia do ambiente daquela sala, de súbito, rompeu-se, ainda que havia silêncio. o É toda graça, embora as pernas não ajudem.  Conjunção Subordinativa Condicionais: Exprimem condição ou hipótese. As conjunções subordinativas condicionais são: se, caso, contanto que, a não ser que, desde que, salvo se, etc. o Se você não vier, a reunião não se realizará. o Caso ocorra um imprevisto, a viagem será cancelada. o Chegaremos a tempo, contanto que nos apressemos.
  • 15.  Conjunção Subordinativa Conformativa: Exprimem conformidade. As conjunções subordinativas conformativas são: conforme, segundo, consoante, como(utilizada no mesmo sentido da conjunção conforme). o O debate se desenrolou conforme foi planejado. o Segundo o que disseram, não haverá aulas. o Cristo nasceu para todos, cada qual como o merece.  Conjunção Subordinativa Consecutiva: Exprimem consequencia. As conjunções subordinativas consecutivas são: que (combinada com umas das palavras tal, tanto, tão ou tamanho, presentes na oração anterior), de forma que, de maneira que, de modo que, de sorte que. o Soube que tivera uma emoção tão grande que Deus quase a levou. o Falou tanto na reunião que ficou rouco. o Era tal a vitória que transbordou lágrimas de emoção.
  • 16.  Conjunção Subordinativa Final: Exprimem finalidade. As conjunções subordinativas finais são: a fim de que, para que, porque (com mesmo sentido da conjunção para que), que. o Tudo foi planejado para que não houvesse falhas. o Cheguei cedo a fim de adiantar o serviço. o Fez sinal que todos se aproximassem em silêncio.  Conjunção Subordinativa Proporcional. Estabelecem proporção. As conjunções subordinativas proporcionais são: à proporção que, à medida que, quanto mais... (tanto) mais, quanto mais... (tanto) menos,quanto menos... (tanto) menos, quanto menos... (tanto) mais, etc. o Seu espírito se elevava à medida que compunha o poema. o Quanto mais correres, mais cansado ficarás. o Quanto menos as pessoas nos incomodam, tanto  mais realizamos nossas tarefas.
  • 17.  Conjunção Subordinativa Temporal. Indicam tempo. As conjunções subordinativas temporais são: quando, enquanto,logo que, agora que, tão logo, apenas (com mesmo sentido da conjunção tão logo), toda vez que, mal (equivalente a tão logo), sempre que, etc. o Quando chegar de viagem, me avise. o Enquanto todos estavam fora, nada fez de útil. o Implicou comigo assim que me viu.  Uma conjunção é na maioria das vezes precedida ou sucedida por uma vírgula (“,”) e muito raramente é sucedida por um ponto ("."). Seguem alguns exemplos de frases com as conjunções marcadas em negrito:  "Aquele é um bom aluno, portanto deverá ser aprovado."  "Meu pai ora me trata bem, ora me trata mal."  "Gosto de comer chocolate, mas sei que me faz mal."  "Marcelo pediu que trouxéssemos bebidas para a festa."  "João subiu e desceu a escada."  Quando a banda deu seu acorde final, os organizadores deram início aos jogos.