SlideShare uma empresa Scribd logo
ANÁLISE
DAS
INADEQUAÇÕES DO
TEXTO
Artigo de Opinião
TÍTULO DO ARTIGO
• Deve ser criativo e chamativo, para despertar a
atenção de um possível leitor a leitura do texto
na íntegra. Não deve conter expressões
informais.
“Não podemos passa há maozinha na cabeça de
ninguém”
• O título também precisa ter conexão com o corpo do texto, ou seja,
ele precisa ser coerente com o tema tratado. Veja, por exemplo o
título abaixo. Será que ele está em sintonia com o restante do texto?
Em compasso de espera
Fragmentos do corpo do artigo:
• Para um bom convívio com a sociedade esses jovens tem que
praticar os seus deveres como cidadãos assim como eles tem os seus
direitos, e se eles cometerem atos infracionais eles precisam sim
responder pelos seus atos já que tem total consciência do que estão
fazendo.
CÓPIA DE TRECHOS DE ALGUM
TEXTO:
“Maioridade penal é a idade a partir da qual
quando se chega os 18 anos passa praticamente
a se responsabilizar por ela mesma.”
 Quando houver necessidade de retirar algum trecho de algum
lugar para comentá-la ou sustentar uma ideia é necessário q
seja deixado explícito no texto que se trata de uma citação, e
que não foi você que escreveu.
LEMBRE-SE: CÓPIA É PLÁGIO
• Segundo o promotor da Vara da Infância e
Adolescência de Curitiba, Mário Ramidoff,
“Maioridade penal é a idade a partir da qual a
pessoa passa a ser responsabilizada
penalmente, [...]”, ou seja, é a idade mínima
para que qualquer pessoa, do sexo feminino ou
masculino, responda judicialmente por
qualquer ato criminoso que cometa.
FRAGMENTAÇÃO E FALTA DE
ARGUMENTOS
“Muitas pessoas são contra a redução da
maioridade penal mais tem muitos que são a
favor. Os nossos jovens precisão de ajuda e
não de cadeia.”
 Ideias soltas, sem continuidade, progressão e ligação
aparente, entre elas.
FUGA DO TEMA
• Os políticos “[...] sabem pedir ou comprar com
um simples faz me rir e se não é o verdinho,
são os presentinhos da compra de votos, e
quando as eleições acabam e eles entram no
poder nem sequer se lembram de você.”
CONFUSÃO E INCOERÊNCIA
“Sabemos que as nossas leis não são brandas e
nem concretas suficiente para não favorecer os
jovens e crianças do Brasil.”
 A linguagem deve ser formal, objetiva e coerente,
para que o leitor entenda o seu ponto de vista e
dependendo dos seus argumentos, concorde ou não,
com o seu posicionamento.
CONCLUSÃO INCOSISTENTE
“O governo tem que acordar para colocar as
medidas sócio-educativas mais eficazes, para
que as crianças saiam das ruas ou até mesmo
deixar de lado os trabalhos.”
 A solução deve ser a mais consistente e viável
possível, que abranja o problema de uma forma mais
geral.
• No fim o que poderia ser feito seria um grande
investimento publico na área da educação ,mas
a falta de vontade e a corrupção fazem com o que
a realidade fique mais triste com o passar do
tempo.
É necessário desenvolver melhor os argumentos
usados na solução. É preciso defendê-los, afinal, o
artigo de opinião também tem a função de
persuadir o leitor.
EVITE REPETIÇÕES
• XXXXXXXXXXXXXX MUITO XXXXXXXXXXXXXJOVENS XXXXXXXXXXXJOVENS
XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXMUITOSXXXXXXX.
• XXXXXXXXX JOVENS XXXXXXX MUITO XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX
MUITO XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX.
• XXXXXXJOVENSXXXXXXX MUITOXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX MUITO
XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX MUITO
XXXXXXXXXXXXXXXXXXX.
• XXXXXXXXX MUITO XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXJOVENS XXXXXXXXXXXXX MUITO
XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX MUITO XXXXXXXXXXXXXJOVENS XXXXXX.
• XXXJOVENSXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX MUITO XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX
MUITO XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX MUITO
XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX
• XXXXXXJOVENSXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX
XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX MUITO XXXXXXXXXXXXXXXXX.
• XXXXXXXXXXXXJOVENSXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX
XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX MUITO
XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX.
• XXXXXXXJOVENSXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXGAROTOSXXXXXXXXXXXXXXXXXXX
XXXXGAROTOSXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXGAROTOSXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX
XX MUITO XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX..
• XXXXXXXXXXXXXXXXJOVENSXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXJOVENSXXXXXX
XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX MUITO
XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX.
Existe uma lei mais ela não é co(U)mprida, se esses jovens forem para a
cadeia não ira resolver nada por que eles vão volta de lá pior, os jovens irão
se envolver com homens que cometeram crimes piores que os dos jovens, a
cadeia não é a solução.
 Lembre-se: evite repetições no texto. Após escrever um parágrafo,
releia-o antes de escrever o próximo, assim você notará possíveis
falhas que poderão ser corrigidas.
 Comprida: utilizamos esta palavra para nos referirmos à extenso .
Exemplo: A calça de Fabiana é comprida.
 Cumprida: Executar; realizar uma determinação ou obrigação
previamente estabelecida.
Exemplo: Ele cumpriu o aviso prévio
• Texto 9 parágrafos = 15 muitos + 13
jovens
Com as repetições a leitura dos textos
torna-se cansativa e as ideias ficam
confusas.
Introdução confusa
A criminalidade está sendo muito praticada por
os jovens hoje em dia, principalmente o tráfico
de drogas, tem muitos jovens perdidos no mundo
das drogas, tem muitos que deixam de estudar
para viver no mundo das drogas.
Exemplos subjetivos ou argumentos de
senso comum:
Tem um jovem que eu conheço que foi morto por acerto
de contas, ele consumia muita drogas, aí ficou devendo e
não pagou aí mataram ele.
[...] Conheço um garoto que é sobrinho do meu
namorado, ele foi roubar um mercado e pego, a sociedade
bateu muito nele que quase o matam, no final quem sofreu
pra cuidar dele foi a família, depois que ele saiu do
hospital, foi direto lar do garoto e agora se arrependeu do
que fez, mas agora é tarde.
Conclusões confusas/superficiais:
O governo cria projetos para tentar tirar os
jovens desse mundo, porém não adianta muito.
Deveria existir muito mais para esses jovens,
como: lugares que trabalhasse com eles artes,
dança, músicas; conversas onde eles
percebessem que são importantes para a
sociedade; pessoas contanto histórias de
superação, ajuda mais qualificada; moradias pois
muitos vivem nas ruas, um lugar onde pudessem
ter confiança, segurança e gostassem de está ali.
“Um castigo de proveito”.
Marcas da oralidade e Gírias
• “Eu vou falar sobre a redução da
maioridade penal.”
• “Os jovens de hoje em dia deveriam
procurar a pendijagem não ficar de cara
pra cima e no mundo das drogas”
• Acho que na mente das altoridades isso
vai mudar várias coisas tipo “não vamos
mais ter que se preocupar com esses
deliquentes juvenis”
• As pessoas sabem apontar o dedo na
cara mais não sabe pegar na mão e
perguntar se eles querem ajuda.
 Não devemos trazer termos da fala para a escrita e
muito menos expressões informais que não se
adéquam ao gênero Artigo de Opinião como, por
exemplo, o uso das gírias.
VAMOS REVISAR?
COLOCAÇÃO NO TEXTO DOS
TERMOS ESTRUTURAIS
• INTRODUÇÃO: [...]
• DESENVOLVIMENTO: [...]
• CONCLUSÃO: [...]
 Estes são os nomes dos termos estruturais do artigo,
porém, eles não devem vir explicitados no texto.
Qualquer pessoa que irá ler um artigo irá saber
delimitar estes termos estruturais, pois sabe-se que:
INTRODUÇÃO:
• É o início do texto, onde você irá explicitar o
tema do seu texto, e consequentemente, um
problema e o seu posicionamento perante ele.
Gira sempre em torno de um parágrafo.
DESENVOLVIMENTO:
• Vem logo após a introdução, é a parte mais
extensa do gênero, onde o escritor deverá
desenvolver o tema e a problemática e para
defender seu posicionamento usará
argumentos, como os de autoridade, senso
comum, raciocínio lógico, e etc.
NA CONCLUSÃO:
• Na conclusão, você deve propor uma solução
viável para a problemática. O ponto de vista do
escritor, apesar de ter aparecido nas outras
partes, adquire maior destaque na conclusão.
Se situa logo após o desenvolvimento
compreendendo, geralmente, o último
parágrafo.
Slides revisão produção do ao

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Textos de opinião dos alunos 9.ºano
Textos de opinião dos alunos 9.ºanoTextos de opinião dos alunos 9.ºano
Textos de opinião dos alunos 9.ºano
becastanheiradepera
 
Artigo de opinião: PENA DE MORTE
Artigo de opinião: PENA DE MORTEArtigo de opinião: PENA DE MORTE
Artigo de opinião: PENA DE MORTE
Marcia Facelli
 
Lale Festivali,Tulip Festival 2014
Lale Festivali,Tulip Festival 2014Lale Festivali,Tulip Festival 2014
Lale Festivali,Tulip Festival 2014
***
 
2 1183922.
2 1183922.2 1183922.
2 1183922.galman
 
World clubbasketballtournament registrationform-druidsvenezuela (1)
World clubbasketballtournament registrationform-druidsvenezuela (1)World clubbasketballtournament registrationform-druidsvenezuela (1)
World clubbasketballtournament registrationform-druidsvenezuela (1)
Druidas de Venezuela, America y el Caribe
 
Managed care for Homeless Services Providers
Managed care for Homeless Services ProvidersManaged care for Homeless Services Providers
Managed care for Homeless Services Providers
Marcella Maguire
 
Testing can be fun! Intercomputer GS
Testing can be fun! Intercomputer GSTesting can be fun! Intercomputer GS
Testing can be fun! Intercomputer GS
Nataly Veremeeva
 
Barocken
BarockenBarocken
Barocken
MIAMARANG
 
Історія математичного аналізу
Історія математичного аналізуІсторія математичного аналізу
Історія математичного аналізу
natali7441
 
6855
68556855
STIFORP - ONLINE BUSINESS
STIFORP - ONLINE BUSINESSSTIFORP - ONLINE BUSINESS
STIFORP - ONLINE BUSINESS
Rony Achmad
 
Facebook Business Development
Facebook Business DevelopmentFacebook Business Development
Facebook Business Development
Bhushansb
 

Destaque (12)

Textos de opinião dos alunos 9.ºano
Textos de opinião dos alunos 9.ºanoTextos de opinião dos alunos 9.ºano
Textos de opinião dos alunos 9.ºano
 
Artigo de opinião: PENA DE MORTE
Artigo de opinião: PENA DE MORTEArtigo de opinião: PENA DE MORTE
Artigo de opinião: PENA DE MORTE
 
Lale Festivali,Tulip Festival 2014
Lale Festivali,Tulip Festival 2014Lale Festivali,Tulip Festival 2014
Lale Festivali,Tulip Festival 2014
 
2 1183922.
2 1183922.2 1183922.
2 1183922.
 
World clubbasketballtournament registrationform-druidsvenezuela (1)
World clubbasketballtournament registrationform-druidsvenezuela (1)World clubbasketballtournament registrationform-druidsvenezuela (1)
World clubbasketballtournament registrationform-druidsvenezuela (1)
 
Managed care for Homeless Services Providers
Managed care for Homeless Services ProvidersManaged care for Homeless Services Providers
Managed care for Homeless Services Providers
 
Testing can be fun! Intercomputer GS
Testing can be fun! Intercomputer GSTesting can be fun! Intercomputer GS
Testing can be fun! Intercomputer GS
 
Barocken
BarockenBarocken
Barocken
 
Історія математичного аналізу
Історія математичного аналізуІсторія математичного аналізу
Історія математичного аналізу
 
6855
68556855
6855
 
STIFORP - ONLINE BUSINESS
STIFORP - ONLINE BUSINESSSTIFORP - ONLINE BUSINESS
STIFORP - ONLINE BUSINESS
 
Facebook Business Development
Facebook Business DevelopmentFacebook Business Development
Facebook Business Development
 

Semelhante a Slides revisão produção do ao

Redação enem
Redação enemRedação enem
Redação enem
Josi Motta
 
O poder da introdução na dissertação
O poder da introdução na  dissertaçãoO poder da introdução na  dissertação
O poder da introdução na dissertação
ADRIANA BORDINHÃO VICIOLI
 
Proposta extra 6
Proposta extra 6Proposta extra 6
Proposta extra 6
portugues_prefederal
 
A redação é composta por introdução
A redação é composta por introduçãoA redação é composta por introdução
A redação é composta por introdução
Maria Risalva de Sousa Sousa
 
Português bondade - tipo 03
Português   bondade - tipo 03Português   bondade - tipo 03
Português bondade - tipo 03
Renato Rodrigues
 
Português bondade - tipo 02
Português   bondade - tipo 02Português   bondade - tipo 02
Português bondade - tipo 02
Renato Rodrigues
 
Português esperança - tipo 01
Português   esperança - tipo 01Português   esperança - tipo 01
Português esperança - tipo 01
Renato Rodrigues
 
Português esperança - tipo 03
Português   esperança - tipo 03Português   esperança - tipo 03
Português esperança - tipo 03
Renato Rodrigues
 
Português bondade - tipo 01
Português   bondade - tipo 01Português   bondade - tipo 01
Português bondade - tipo 01
Renato Rodrigues
 
Português esperança - tipo 02
Português   esperança - tipo 02Português   esperança - tipo 02
Português esperança - tipo 02
Renato Rodrigues
 
OFICINA DE REDAÇÃO.pptx
OFICINA DE REDAÇÃO.pptxOFICINA DE REDAÇÃO.pptx
OFICINA DE REDAÇÃO.pptx
Samara Pimentel
 
Artigo de opinião [sequência didática]
Artigo de opinião [sequência didática]Artigo de opinião [sequência didática]
Artigo de opinião [sequência didática]
Elis Lima Escapacherri
 
1 enem reda a-ao
1   enem  reda a-ao1   enem  reda a-ao
1 enem reda a-ao
Wallace Rodrigo
 
O poder dos inquietos chris guillebeau
O poder dos inquietos   chris guillebeauO poder dos inquietos   chris guillebeau
O poder dos inquietos chris guillebeau
Soraya1965
 
Dissertação completa.pptx
Dissertação completa.pptxDissertação completa.pptx
Dissertação completa.pptx
AndreRamos99
 
Roda de conversa redução da maioridade penal
Roda de conversa   redução da maioridade penal Roda de conversa   redução da maioridade penal
Roda de conversa redução da maioridade penal
Caritas Mexicana IAP
 
DissertaçãO
DissertaçãODissertaçãO
DissertaçãO
ilk Sala4
 
Redação no enem 2013
Redação no enem 2013Redação no enem 2013
Redação no enem 2013
Kleber Brito
 
Enem redação
Enem  redaçãoEnem  redação
Enem redação
fafaluz
 
Dicas de redação
Dicas de redaçãoDicas de redação
Dicas de redação
belschlatter
 

Semelhante a Slides revisão produção do ao (20)

Redação enem
Redação enemRedação enem
Redação enem
 
O poder da introdução na dissertação
O poder da introdução na  dissertaçãoO poder da introdução na  dissertação
O poder da introdução na dissertação
 
Proposta extra 6
Proposta extra 6Proposta extra 6
Proposta extra 6
 
A redação é composta por introdução
A redação é composta por introduçãoA redação é composta por introdução
A redação é composta por introdução
 
Português bondade - tipo 03
Português   bondade - tipo 03Português   bondade - tipo 03
Português bondade - tipo 03
 
Português bondade - tipo 02
Português   bondade - tipo 02Português   bondade - tipo 02
Português bondade - tipo 02
 
Português esperança - tipo 01
Português   esperança - tipo 01Português   esperança - tipo 01
Português esperança - tipo 01
 
Português esperança - tipo 03
Português   esperança - tipo 03Português   esperança - tipo 03
Português esperança - tipo 03
 
Português bondade - tipo 01
Português   bondade - tipo 01Português   bondade - tipo 01
Português bondade - tipo 01
 
Português esperança - tipo 02
Português   esperança - tipo 02Português   esperança - tipo 02
Português esperança - tipo 02
 
OFICINA DE REDAÇÃO.pptx
OFICINA DE REDAÇÃO.pptxOFICINA DE REDAÇÃO.pptx
OFICINA DE REDAÇÃO.pptx
 
Artigo de opinião [sequência didática]
Artigo de opinião [sequência didática]Artigo de opinião [sequência didática]
Artigo de opinião [sequência didática]
 
1 enem reda a-ao
1   enem  reda a-ao1   enem  reda a-ao
1 enem reda a-ao
 
O poder dos inquietos chris guillebeau
O poder dos inquietos   chris guillebeauO poder dos inquietos   chris guillebeau
O poder dos inquietos chris guillebeau
 
Dissertação completa.pptx
Dissertação completa.pptxDissertação completa.pptx
Dissertação completa.pptx
 
Roda de conversa redução da maioridade penal
Roda de conversa   redução da maioridade penal Roda de conversa   redução da maioridade penal
Roda de conversa redução da maioridade penal
 
DissertaçãO
DissertaçãODissertaçãO
DissertaçãO
 
Redação no enem 2013
Redação no enem 2013Redação no enem 2013
Redação no enem 2013
 
Enem redação
Enem  redaçãoEnem  redação
Enem redação
 
Dicas de redação
Dicas de redaçãoDicas de redação
Dicas de redação
 

Mais de Nastrilhas da lingua portuguesa

Roteiro discussão sd 2
Roteiro discussão sd 2Roteiro discussão sd 2
Roteiro discussão sd 2
Nastrilhas da lingua portuguesa
 
Roteiros de-discussão- sd - 2017.1 (1)
Roteiros de-discussão- sd - 2017.1 (1)Roteiros de-discussão- sd - 2017.1 (1)
Roteiros de-discussão- sd - 2017.1 (1)
Nastrilhas da lingua portuguesa
 
Roteiro encenação-de-encerramento-do-pibid-2017.1
Roteiro encenação-de-encerramento-do-pibid-2017.1Roteiro encenação-de-encerramento-do-pibid-2017.1
Roteiro encenação-de-encerramento-do-pibid-2017.1
Nastrilhas da lingua portuguesa
 
Roteiro divulgação-da-sequência-2017.1
Roteiro divulgação-da-sequência-2017.1Roteiro divulgação-da-sequência-2017.1
Roteiro divulgação-da-sequência-2017.1
Nastrilhas da lingua portuguesa
 
Resenhas produtos produzidos pelos alunos do projeto - sd 2017.2
Resenhas   produtos produzidos pelos alunos do projeto - sd 2017.2Resenhas   produtos produzidos pelos alunos do projeto - sd 2017.2
Resenhas produtos produzidos pelos alunos do projeto - sd 2017.2
Nastrilhas da lingua portuguesa
 
Roteiros de-discussão- sd - 2017.1
Roteiros de-discussão- sd - 2017.1Roteiros de-discussão- sd - 2017.1
Roteiros de-discussão- sd - 2017.1
Nastrilhas da lingua portuguesa
 
Nas trilhas da lingua port - cadernodeatividades2107.2
Nas trilhas da lingua port - cadernodeatividades2107.2Nas trilhas da lingua port - cadernodeatividades2107.2
Nas trilhas da lingua port - cadernodeatividades2107.2
Nastrilhas da lingua portuguesa
 
Nas trilhas da lingua portuguesa módulo 2017.2
Nas trilhas da lingua portuguesa   módulo 2017.2Nas trilhas da lingua portuguesa   módulo 2017.2
Nas trilhas da lingua portuguesa módulo 2017.2
Nastrilhas da lingua portuguesa
 
Nas trilhas da língua portuguesa sequência didática 2017.2
Nas trilhas da língua portuguesa sequência didática 2017.2Nas trilhas da língua portuguesa sequência didática 2017.2
Nas trilhas da língua portuguesa sequência didática 2017.2
Nastrilhas da lingua portuguesa
 
Roteiros de-discussão - 2017.2 (contos)
Roteiros de-discussão - 2017.2 (contos)Roteiros de-discussão - 2017.2 (contos)
Roteiros de-discussão - 2017.2 (contos)
Nastrilhas da lingua portuguesa
 
Fatores da textualidade pibid 2017.2
Fatores da textualidade   pibid 2017.2Fatores da textualidade   pibid 2017.2
Fatores da textualidade pibid 2017.2
Nastrilhas da lingua portuguesa
 
Quiz – nas trilhas os meninos( mais velho, mais novo)
Quiz – nas trilhas   os meninos( mais velho, mais novo)Quiz – nas trilhas   os meninos( mais velho, mais novo)
Quiz – nas trilhas os meninos( mais velho, mais novo)
Nastrilhas da lingua portuguesa
 
Quiz – nas trilhas narraçao
Quiz – nas trilhas   narraçaoQuiz – nas trilhas   narraçao
Quiz – nas trilhas narraçao
Nastrilhas da lingua portuguesa
 
Momento diversão narrativa de imagem
Momento diversão   narrativa de imagemMomento diversão   narrativa de imagem
Momento diversão narrativa de imagem
Nastrilhas da lingua portuguesa
 
Tempo e espço (1)
Tempo e espço (1)Tempo e espço (1)
Tipologias textuais
Tipologias textuais Tipologias textuais
Tipologias textuais
Nastrilhas da lingua portuguesa
 
Estudo do-gênero-resumo
Estudo do-gênero-resumoEstudo do-gênero-resumo
Estudo do-gênero-resumo
Nastrilhas da lingua portuguesa
 
Elementos da narrativa-conto-de-enigma-e-relato-pessoal-revisão
Elementos da narrativa-conto-de-enigma-e-relato-pessoal-revisãoElementos da narrativa-conto-de-enigma-e-relato-pessoal-revisão
Elementos da narrativa-conto-de-enigma-e-relato-pessoal-revisão
Nastrilhas da lingua portuguesa
 
Cultura e-regionalismo-pibid
Cultura e-regionalismo-pibidCultura e-regionalismo-pibid
Cultura e-regionalismo-pibid
Nastrilhas da lingua portuguesa
 
Que é uma narrativa
Que é uma narrativa Que é uma narrativa
Que é uma narrativa
Nastrilhas da lingua portuguesa
 

Mais de Nastrilhas da lingua portuguesa (20)

Roteiro discussão sd 2
Roteiro discussão sd 2Roteiro discussão sd 2
Roteiro discussão sd 2
 
Roteiros de-discussão- sd - 2017.1 (1)
Roteiros de-discussão- sd - 2017.1 (1)Roteiros de-discussão- sd - 2017.1 (1)
Roteiros de-discussão- sd - 2017.1 (1)
 
Roteiro encenação-de-encerramento-do-pibid-2017.1
Roteiro encenação-de-encerramento-do-pibid-2017.1Roteiro encenação-de-encerramento-do-pibid-2017.1
Roteiro encenação-de-encerramento-do-pibid-2017.1
 
Roteiro divulgação-da-sequência-2017.1
Roteiro divulgação-da-sequência-2017.1Roteiro divulgação-da-sequência-2017.1
Roteiro divulgação-da-sequência-2017.1
 
Resenhas produtos produzidos pelos alunos do projeto - sd 2017.2
Resenhas   produtos produzidos pelos alunos do projeto - sd 2017.2Resenhas   produtos produzidos pelos alunos do projeto - sd 2017.2
Resenhas produtos produzidos pelos alunos do projeto - sd 2017.2
 
Roteiros de-discussão- sd - 2017.1
Roteiros de-discussão- sd - 2017.1Roteiros de-discussão- sd - 2017.1
Roteiros de-discussão- sd - 2017.1
 
Nas trilhas da lingua port - cadernodeatividades2107.2
Nas trilhas da lingua port - cadernodeatividades2107.2Nas trilhas da lingua port - cadernodeatividades2107.2
Nas trilhas da lingua port - cadernodeatividades2107.2
 
Nas trilhas da lingua portuguesa módulo 2017.2
Nas trilhas da lingua portuguesa   módulo 2017.2Nas trilhas da lingua portuguesa   módulo 2017.2
Nas trilhas da lingua portuguesa módulo 2017.2
 
Nas trilhas da língua portuguesa sequência didática 2017.2
Nas trilhas da língua portuguesa sequência didática 2017.2Nas trilhas da língua portuguesa sequência didática 2017.2
Nas trilhas da língua portuguesa sequência didática 2017.2
 
Roteiros de-discussão - 2017.2 (contos)
Roteiros de-discussão - 2017.2 (contos)Roteiros de-discussão - 2017.2 (contos)
Roteiros de-discussão - 2017.2 (contos)
 
Fatores da textualidade pibid 2017.2
Fatores da textualidade   pibid 2017.2Fatores da textualidade   pibid 2017.2
Fatores da textualidade pibid 2017.2
 
Quiz – nas trilhas os meninos( mais velho, mais novo)
Quiz – nas trilhas   os meninos( mais velho, mais novo)Quiz – nas trilhas   os meninos( mais velho, mais novo)
Quiz – nas trilhas os meninos( mais velho, mais novo)
 
Quiz – nas trilhas narraçao
Quiz – nas trilhas   narraçaoQuiz – nas trilhas   narraçao
Quiz – nas trilhas narraçao
 
Momento diversão narrativa de imagem
Momento diversão   narrativa de imagemMomento diversão   narrativa de imagem
Momento diversão narrativa de imagem
 
Tempo e espço (1)
Tempo e espço (1)Tempo e espço (1)
Tempo e espço (1)
 
Tipologias textuais
Tipologias textuais Tipologias textuais
Tipologias textuais
 
Estudo do-gênero-resumo
Estudo do-gênero-resumoEstudo do-gênero-resumo
Estudo do-gênero-resumo
 
Elementos da narrativa-conto-de-enigma-e-relato-pessoal-revisão
Elementos da narrativa-conto-de-enigma-e-relato-pessoal-revisãoElementos da narrativa-conto-de-enigma-e-relato-pessoal-revisão
Elementos da narrativa-conto-de-enigma-e-relato-pessoal-revisão
 
Cultura e-regionalismo-pibid
Cultura e-regionalismo-pibidCultura e-regionalismo-pibid
Cultura e-regionalismo-pibid
 
Que é uma narrativa
Que é uma narrativa Que é uma narrativa
Que é uma narrativa
 

Último

O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 

Último (20)

O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 

Slides revisão produção do ao

  • 2. TÍTULO DO ARTIGO • Deve ser criativo e chamativo, para despertar a atenção de um possível leitor a leitura do texto na íntegra. Não deve conter expressões informais. “Não podemos passa há maozinha na cabeça de ninguém”
  • 3. • O título também precisa ter conexão com o corpo do texto, ou seja, ele precisa ser coerente com o tema tratado. Veja, por exemplo o título abaixo. Será que ele está em sintonia com o restante do texto? Em compasso de espera Fragmentos do corpo do artigo: • Para um bom convívio com a sociedade esses jovens tem que praticar os seus deveres como cidadãos assim como eles tem os seus direitos, e se eles cometerem atos infracionais eles precisam sim responder pelos seus atos já que tem total consciência do que estão fazendo.
  • 4. CÓPIA DE TRECHOS DE ALGUM TEXTO: “Maioridade penal é a idade a partir da qual quando se chega os 18 anos passa praticamente a se responsabilizar por ela mesma.”  Quando houver necessidade de retirar algum trecho de algum lugar para comentá-la ou sustentar uma ideia é necessário q seja deixado explícito no texto que se trata de uma citação, e que não foi você que escreveu.
  • 5. LEMBRE-SE: CÓPIA É PLÁGIO • Segundo o promotor da Vara da Infância e Adolescência de Curitiba, Mário Ramidoff, “Maioridade penal é a idade a partir da qual a pessoa passa a ser responsabilizada penalmente, [...]”, ou seja, é a idade mínima para que qualquer pessoa, do sexo feminino ou masculino, responda judicialmente por qualquer ato criminoso que cometa.
  • 6. FRAGMENTAÇÃO E FALTA DE ARGUMENTOS “Muitas pessoas são contra a redução da maioridade penal mais tem muitos que são a favor. Os nossos jovens precisão de ajuda e não de cadeia.”  Ideias soltas, sem continuidade, progressão e ligação aparente, entre elas.
  • 7. FUGA DO TEMA • Os políticos “[...] sabem pedir ou comprar com um simples faz me rir e se não é o verdinho, são os presentinhos da compra de votos, e quando as eleições acabam e eles entram no poder nem sequer se lembram de você.”
  • 8. CONFUSÃO E INCOERÊNCIA “Sabemos que as nossas leis não são brandas e nem concretas suficiente para não favorecer os jovens e crianças do Brasil.”  A linguagem deve ser formal, objetiva e coerente, para que o leitor entenda o seu ponto de vista e dependendo dos seus argumentos, concorde ou não, com o seu posicionamento.
  • 9. CONCLUSÃO INCOSISTENTE “O governo tem que acordar para colocar as medidas sócio-educativas mais eficazes, para que as crianças saiam das ruas ou até mesmo deixar de lado os trabalhos.”  A solução deve ser a mais consistente e viável possível, que abranja o problema de uma forma mais geral.
  • 10. • No fim o que poderia ser feito seria um grande investimento publico na área da educação ,mas a falta de vontade e a corrupção fazem com o que a realidade fique mais triste com o passar do tempo. É necessário desenvolver melhor os argumentos usados na solução. É preciso defendê-los, afinal, o artigo de opinião também tem a função de persuadir o leitor.
  • 11. EVITE REPETIÇÕES • XXXXXXXXXXXXXX MUITO XXXXXXXXXXXXXJOVENS XXXXXXXXXXXJOVENS XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXMUITOSXXXXXXX. • XXXXXXXXX JOVENS XXXXXXX MUITO XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX MUITO XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX. • XXXXXXJOVENSXXXXXXX MUITOXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX MUITO XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX MUITO XXXXXXXXXXXXXXXXXXX. • XXXXXXXXX MUITO XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXJOVENS XXXXXXXXXXXXX MUITO XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX MUITO XXXXXXXXXXXXXJOVENS XXXXXX. • XXXJOVENSXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX MUITO XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX MUITO XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX MUITO XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX • XXXXXXJOVENSXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX MUITO XXXXXXXXXXXXXXXXX. • XXXXXXXXXXXXJOVENSXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX MUITO XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX. • XXXXXXXJOVENSXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXGAROTOSXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXGAROTOSXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXGAROTOSXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XX MUITO XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX.. • XXXXXXXXXXXXXXXXJOVENSXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXJOVENSXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX MUITO XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX.
  • 12. Existe uma lei mais ela não é co(U)mprida, se esses jovens forem para a cadeia não ira resolver nada por que eles vão volta de lá pior, os jovens irão se envolver com homens que cometeram crimes piores que os dos jovens, a cadeia não é a solução.  Lembre-se: evite repetições no texto. Após escrever um parágrafo, releia-o antes de escrever o próximo, assim você notará possíveis falhas que poderão ser corrigidas.  Comprida: utilizamos esta palavra para nos referirmos à extenso . Exemplo: A calça de Fabiana é comprida.  Cumprida: Executar; realizar uma determinação ou obrigação previamente estabelecida. Exemplo: Ele cumpriu o aviso prévio
  • 13. • Texto 9 parágrafos = 15 muitos + 13 jovens Com as repetições a leitura dos textos torna-se cansativa e as ideias ficam confusas.
  • 14. Introdução confusa A criminalidade está sendo muito praticada por os jovens hoje em dia, principalmente o tráfico de drogas, tem muitos jovens perdidos no mundo das drogas, tem muitos que deixam de estudar para viver no mundo das drogas.
  • 15. Exemplos subjetivos ou argumentos de senso comum: Tem um jovem que eu conheço que foi morto por acerto de contas, ele consumia muita drogas, aí ficou devendo e não pagou aí mataram ele. [...] Conheço um garoto que é sobrinho do meu namorado, ele foi roubar um mercado e pego, a sociedade bateu muito nele que quase o matam, no final quem sofreu pra cuidar dele foi a família, depois que ele saiu do hospital, foi direto lar do garoto e agora se arrependeu do que fez, mas agora é tarde.
  • 16. Conclusões confusas/superficiais: O governo cria projetos para tentar tirar os jovens desse mundo, porém não adianta muito. Deveria existir muito mais para esses jovens, como: lugares que trabalhasse com eles artes, dança, músicas; conversas onde eles percebessem que são importantes para a sociedade; pessoas contanto histórias de superação, ajuda mais qualificada; moradias pois muitos vivem nas ruas, um lugar onde pudessem ter confiança, segurança e gostassem de está ali. “Um castigo de proveito”.
  • 17. Marcas da oralidade e Gírias • “Eu vou falar sobre a redução da maioridade penal.” • “Os jovens de hoje em dia deveriam procurar a pendijagem não ficar de cara pra cima e no mundo das drogas”
  • 18. • Acho que na mente das altoridades isso vai mudar várias coisas tipo “não vamos mais ter que se preocupar com esses deliquentes juvenis” • As pessoas sabem apontar o dedo na cara mais não sabe pegar na mão e perguntar se eles querem ajuda.
  • 19.  Não devemos trazer termos da fala para a escrita e muito menos expressões informais que não se adéquam ao gênero Artigo de Opinião como, por exemplo, o uso das gírias.
  • 21. COLOCAÇÃO NO TEXTO DOS TERMOS ESTRUTURAIS • INTRODUÇÃO: [...] • DESENVOLVIMENTO: [...] • CONCLUSÃO: [...]  Estes são os nomes dos termos estruturais do artigo, porém, eles não devem vir explicitados no texto. Qualquer pessoa que irá ler um artigo irá saber delimitar estes termos estruturais, pois sabe-se que:
  • 22. INTRODUÇÃO: • É o início do texto, onde você irá explicitar o tema do seu texto, e consequentemente, um problema e o seu posicionamento perante ele. Gira sempre em torno de um parágrafo.
  • 23. DESENVOLVIMENTO: • Vem logo após a introdução, é a parte mais extensa do gênero, onde o escritor deverá desenvolver o tema e a problemática e para defender seu posicionamento usará argumentos, como os de autoridade, senso comum, raciocínio lógico, e etc.
  • 24. NA CONCLUSÃO: • Na conclusão, você deve propor uma solução viável para a problemática. O ponto de vista do escritor, apesar de ter aparecido nas outras partes, adquire maior destaque na conclusão. Se situa logo após o desenvolvimento compreendendo, geralmente, o último parágrafo.