SlideShare uma empresa Scribd logo
(Professor-tutor: Danillo Silva Guimarães)
O aluno estuda o material em diferentes situações e ambientes, e a sala de aula passa a ser o lugar de aprender
ativamente com apoio do professor e colaborativamente com os colegas.
AS SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS PARA ENSINO DE GÊNEROS: TRABALHANDO COM METODOLOGIAS ATIVAS
Gêneros textuais
Segundo Marchuschi (2008), se originam, se integram e se desenvolvem
funcionalmente nas culturas e, para além das questões linguísticas que
os caracterizam, eles são ainda mais caracterizados por suas funções. Sendo
assim, no aprender a ler e escrever há um sentido, uma função!
O QUE É SEQUÊNCIA DIDÁTICA?
Para a definição de sequência didática (SD), tomou-se, como referência inicial, o significado
apresentado por Antoni Zabala no livro A prática educativa: como ensinar, publicado na
década de 1990.
O autor usa indistintamente expressões como “unidade didática”, “unidade de programação”
ou “unidades de intervenção pedagógica” para se referir às sequências de atividades
planejadas para a efetivação de objetivos educacionais específicos – ou seja, às sequências
didáticas. Embora não houvesse um padrão no que se refere à terminologia, a SD já era objeto
de interesse da área de educação desde, ao menos, a década de 1970 (GIORDAN, GUIMARÃES e
MASSI, 2011).
Antoni Zabala.
[...] um conjunto de atividades ordenadas, estruturadas e articuladas para a
realização de certos objetivos educacionais, que têm um princípio e um fim
conhecidos tanto pelos professo- res como pelos alunos. (p. 18)
[...] uma maneira de encadear e articular as diferentes atividades ao longo de uma
unidade didática. (p. 20)
Sequência Didática
Segundo Leal, Brandão e Albuquerque (2012), deve ser organizada de forma em
que haverá um momento de apresentação da temática para os estudantes,
seguido de uma produção inicial, desenvolvimento de objetivos (que as autoras
identificam como módulos) e uma produção final. As Sequências Didáticas
também têm como característica partir de um gênero textual, pois o seu objetivo
principal é o ensino e a aprendizagem do gênero escolhido
Sequência Didática
Segundo Leal, Brandão e Albuquerque (2012), deve ser organizada de forma em
que haverá um momento de apresentação da temática para os estudantes,
seguido de uma produção inicial, desenvolvimento de objetivos (que as autoras
identificam como módulos) e uma produção final. As Sequências Didáticas
também têm como característica partir de um gênero textual, pois o seu objetivo
principal é o ensino e a aprendizagem do gênero escolhido
De acordo com a concepção de Zabala, logo de início cabe expor aos estudantes,
seja verbalmente, seja por meio de um texto ou de outro recurso, algumas
considerações referentes aos seguintes questionamentos:
 O que vai ser realizado na SD?
 Como vai ser feito?
 Por que vai ser feito?
 O que se pretende alcançar com a sua aplicação?
Desse modo, é possível afirmar que, na elaboração de uma SD, “[...] está
implícita a preocupação de organizar as aulas previamente, ou seja, planejar o
processo de ensino-aprendizagem” (MACHADO, 2013, p. 34) e de inseri-la no
âmbito de um contrato didático.
A T I V I D A D E S
PLANEJADAS
PROFESSOR
PA N E J A M E N T O D E
E NS INO
E S T U D A N T E S
REELABOREM CONHECIMENTOS
ESCOLA
PLANEJAMENTO
P E R C U R S O D A
A P R E N D I Z A G E M
CONHECIMENTO
SEQUE
ˆNCIA
D I D A
´
T I C A
?
+
protagonismo
avaliação processual
intencionalidade
METODOLOGIAS ATIVAS
O uso das as metodologias ativas baseiam-se em novas formas de desenvolver
o processo de aprendizagem, utilizando experiências reais ou simuladas,
objetivando criar condições de solucionar, em diferentes contextos, os
desafios advindos das atividades essenciais da prática social. (BERBEL, 2011).
Conceito de Ativo: agir, acionar, ativar, dinâmico, ágil,
…
A Pirâmide de Willian Glasser mostrada na imagem abaixo, enfatiza a importância do uso de
métodos ativos de ensino na aprendizagem significativa dos conteúdos.
PORQUE UTILIZAR METODOLOGIAS ATIVAS DE ENSINO?
➔ Necessidade de acompanhar as reais necessidades da sociedade moderna;
➔ Formação dos docentes com a intenção de transformar suas práticas de ensino;
➔ Utilizar tecnologias que auxiliam o processo de ensino e aprendizagem;
➔ Para que o discente faça uma reflexão e problematização da realidade.
TIPOS DE METODOLOGIAS ATIVAS
Existem diferentes tipos de metodologias ativas que podem ser utilizadas
em contextos variados. Com elas é possível garantir maior engajamento
dos alunos, que, por sua vez, têm maior autonomia sobre seus estudos.
Vamos ver alguns exemplos?
ALGUNS TIPOS DE METODOLOGIAS ATIVAS
➔ Gamificação
➔ Ensino híbrido
➔ Júri simulado
➔ Mapa conceitual
➔ Estudo de caso
➔ Sala de aula invertida
➔ Tempestade cerebral
➔ Aula expositiva dialogada
➔ Aprendizagem entre pares
➔ Aprendizagem baseada em problemas;
➔ Aprendizagem baseada em projetos
GAMIFICAÇÃO
➔ Objetiva promover a experiência dos jogos no ensino, de forma a gerar mais
engajamento e dar uma maior dinamicidade à realização das atividades;
➔ As práticas colaborativas e cooperativas compõem a mecânica que norteia os
jogos e as ações gamificadas;
➔ Favorece a consolidação de uma inteligência coletiva;
➔ Permite ao discente uma avaliação constante.
ENSINO HÍBRIDO
O ensino híbrido caracteriza-se como um programa de educação
formal que mescla momentos em que o aluno estuda os
conteúdos usando recursos on-line e outros em que o estudo
ocorre em uma sala de aula e o aluno pode interagir com outros
alunos e com o professor.
JÚRI SIMULADO
É a simulação de um tribunal judiciário, onde divididos em três grupos
(dois grupos de debatedores e um júri popular), os alunos debatem
sobre um tema proposto até chegar a uma decisão tomada pelo júri.
MAPA CONCEITUAL
➔ Um mapa conceitual é um diagrama ou ferramenta gráfica que concebe de
forma visual as analogias entre conceitos e ideias;
➔ Auxilia o educador no ajuste do planejamento aos conhecimentos prévios do
aluno;
➔ Exige do aluno um esforço para percorrer caminhos diferentes na construção do
seu conhecimento;
➔ Permite o aluno representar um conjunto de conceitos conexos de forma
expressiva.
ESTUDO DE CASO
➔ São relatos de situações do mundo real, apresentadas aos estudantes com a
finalidade de ensiná-los, preparando-os para a resolução de problemas reais;
➔ É uma abordagem ativa e colaborativa, que promove o desenvolvimento da
autonomia;
➔ Os casos são construídos em torno de objetivos de aprendizagem (habilidades e
competências).
SALA DE AULA INVERTIDA
➔ O estudante passa a realizar atividades em todos os momentos: antes, durante e
depois da aula, cabendo ao professor (auxiliador) identificar e atribuir o peso de
cada uma dessas atividades desenvolvidas, a partir dos objetivos pedagógicos
que deseja alcançar;
➔ Os alunos são incentivados a participar das atividades on-line e das presenciais,
sendo que o professor trabalha as dificuldades dos alunos ao invés de fazer
apresentações sobre o conteúdo da disciplina.
TEMPESTADE CEREBRAL
➔ É um método usado para criar e explorar a capacidade
criativa de indivíduos ou grupos;
➔ Na avaliação é importante analisar a observação das
habilidades dos estudantes na apresentação das idéias
quanto a sua concisão, logicidade, aplicabilidade e
pertinência, bem como seu desempenho na descoberta
de soluções apropriadas ao problema apresentado.
AULA EXPOSITIVA DIALOGADA
➔ A aula expositiva dialogada surge como uma alternativa às
aulas expositivas, em uma concepção de educação bancária;
➔ Compreende o eu e o outro em uma relação dialógica e ética;
➔ Foca na atividade reflexiva e na participação dos educandos.
APRENDIZAGEM ENTRE PARES OU TIMES
➔ A aprendizagem entre pares (ou times), também conhecida como peer
instruction ou team based learning, é uma metodologia ativa que incentiva o
debate e a reflexão em conjunto;
➔ A “aprendizagem entre times” apoia a formação de equipes dentro de
determinada turma para que o aprendizado seja feito em conjunto e haja
compartilhamento de ideias.
APRENDIZAGEM BASEADA EM PROBLEMAS
➔ Os estudantes observam uma parcela da realidade, definem
um problema de estudo até a realização de algum grau de
intervenção naquela parcela da realidade, a fim de contribuir
para a sua transformação;
➔ O professor assume um papel de orientador e o aluno um
papel ativo.
APRENDIZAGEM BASEADA EM PROJETOS
➔ Aprendizagem baseada em projetos é uma metodologia de aprendizagem em
que os alunos se envolvem com tarefas e desafios para resolver um problema ou
desenvolver um projeto que tenha ligação com a sua vida fora da sala de aula e
ao final do período realizam uma apresentação;
➔ Adota o princípio da aprendizagem colaborativa, baseada no trabalho coletivo;
➔ Favorece a interdisciplinaridade.
Por fim, é possível destacar a existência de vários benefícios tanto para a
comunidade acadêmica quanto para a instituição de ensino com a utilização das
metodologias ativas. Entre os benefícios para os alunos, vale destacar:
adquirir mais autonomia;
 desenvolver confiança;
 enxergar o aprendizado como algo tranquilo;
 tornarem-se aptos a resolver problemas;
 tornarem-se profissionais mais qualificados e valorizados;
 tornarem-se protagonistas do seu aprendizado.
QUAIS SÃO OS BENEFÍCIOS DAS METODOLOGIAS ATIVAS?
Como fazer uma sequência didática: exemplos de gêneros textuais
Professora Bruna Fraga.
I. Apresentação da situação: roda de leitura com o livro “A revolta dos gizes de
cera”, de Drew Daywalt.
Avalição diagnóstica.
Primeira produção: cada criança realizou, individualmente e sem
intervenção, uma carta para a personagem principal do livro, o
Diego. Esta primeira produção serve como uma avaliação
diagnóstica para observar os conhecimentos prévios das crianças.
.
Módulo 1: foi realizada, coletivamente, uma exploração das características do
gênero carta e criado um painel que ficava acessível para as crianças consultarem.
"Características: A carta pessoal, para além da estrutura básica de todas as epístolas (outro
nome para carta), também tem algumas características particulares.
• Marcas de pessoalidade na linguagem.
• Interlocução direta.
• Discussão de temas.
• Levar cartas escritas para poder explorar “ ver e mexer nos gêneros” , trazer gêneros
físicos para os alunos.
• Ampliar o repertório dos estudantes. “saudações”
"Veja mais sobre "Carta pessoal" em: https://brasilescola.uol.com.br/redacao/carta-pessoal.htm
.
Módulo 2: realização de uma escrita coletiva de carta, considerando as características
aprendidas anteriormente.
• Fazer boa intervenções no percussor do processor da aprendizagem:
• Possibilitar a criação do conceito pelo estudante - alguém sabe me dizer o que é?
 O quê?
 Por quê?
 Para quê?
 Para quem?
 Como?
• O personagem “Diego” respondia as cartas
.
Módulo 3: as crianças estudaram sobre o suporte da carta, bem como o envelope e como
eram enviadas. Também escreveram e enviaram cartas para os colegas, vivenciando, então,
a funcionalidade deste gênero.
• Fazer boa intervenções no processor da aprendizagem .
"Veja mais sobre "Carta pessoal" em: https://brasilescola.uol.com.br/redacao/carta-pessoal.htm
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ANASTASIOU, Lea das Graças Camargo; ALVES, Leonir Pessate. Processos de ensinagem na
universidade: Pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. Ed. Joinville, SC,2007
ZABALA, A. A Prática Educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artmed, 1998.
BERBEL, N. A. N. As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Ciências
Sociais e Humanas, Londrina, v. 32, n. 1, p. 25-40, jan./jun. 2011
BERGMANN, J., & Sams, A. Sala de Aula Invertida: Uma Metodologia Ativa de Aprendizagem
(1 ed.). (A. C. Serra, Trad.) Rio Janeiro: LTC.2012
SANTOS, Taciana da Silva. Metodologias Ativas de Ensino-Aprendizagem. Olinda-PE, 2019
FREIRE, P
. Pedagogia do Oprimido. São Paulo: Paz e Terra, 2006.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a slide_11Tipos de metodologias ativas.pptx

Sistemas de avaliação na educação presencial e a distância
Sistemas de avaliação na educação presencial e a distânciaSistemas de avaliação na educação presencial e a distância
Sistemas de avaliação na educação presencial e a distância
culturaafro
 
Manha.ppt
 Manha.ppt Manha.ppt
Manha.ppt
Marcia pereira
 
Estrategias de ensino
Estrategias de ensinoEstrategias de ensino
Estrategias de ensino
Rosângela Leão
 
Unidade 6 projetos
Unidade 6   projetosUnidade 6   projetos
Unidade 6 projetos
Elia Rejany
 
Planejamento do ensino e sequências didáticas
Planejamento do ensino e sequências didáticasPlanejamento do ensino e sequências didáticas
Planejamento do ensino e sequências didáticas
César Moura
 
Zabala
ZabalaZabala
Zabala
Maria Maria
 
Aula 2 unidade 1a
Aula 2 unidade 1aAula 2 unidade 1a
Aula 2 unidade 1a
Carlos Alberto Bonatto
 
Estudo dirigido
Estudo dirigidoEstudo dirigido
Estudo dirigido
familiaestagio
 
Pedagogiade projetos
Pedagogiade projetosPedagogiade projetos
Pedagogiade projetos
afermartins
 
Pedagogia de projetos
Pedagogia de projetosPedagogia de projetos
Pedagogia de projetos
cinthyamoita
 
PROJETO PEDAGOGICO
PROJETO PEDAGOGICOPROJETO PEDAGOGICO
PROJETO PEDAGOGICO
guest04f18b
 
Pedagogiade projetos
Pedagogiade projetosPedagogiade projetos
Pedagogiade projetos
afermartins
 
Zabala
ZabalaZabala
Zabala
ZabalaZabala
Macedo, lino, como construir uma escola para todos
Macedo, lino, como construir uma escola para todosMacedo, lino, como construir uma escola para todos
Macedo, lino, como construir uma escola para todos
marcaocampos
 
Macedo, lino, como construir uma escola para todos
Macedo, lino, como construir uma escola para todosMacedo, lino, como construir uma escola para todos
Macedo, lino, como construir uma escola para todos
marcaocampos
 
Os caminhos para a formação de professores
Os caminhos para a formação de professoresOs caminhos para a formação de professores
Os caminhos para a formação de professores
Gelson Rocha
 
PITEC Elaboração de Projetos - Beti Prado
PITEC Elaboração de Projetos - Beti PradoPITEC Elaboração de Projetos - Beti Prado
PITEC Elaboração de Projetos - Beti Prado
Fabiano Sulligo
 
Slide do pitec
Slide do pitecSlide do pitec
Slide do pitec
SEDUC - MT
 
PNAIC CADERNO 1 Organização do trabalho pedagógico
PNAIC CADERNO 1 Organização do trabalho pedagógicoPNAIC CADERNO 1 Organização do trabalho pedagógico
PNAIC CADERNO 1 Organização do trabalho pedagógico
Amanda Nolasco
 

Semelhante a slide_11Tipos de metodologias ativas.pptx (20)

Sistemas de avaliação na educação presencial e a distância
Sistemas de avaliação na educação presencial e a distânciaSistemas de avaliação na educação presencial e a distância
Sistemas de avaliação na educação presencial e a distância
 
Manha.ppt
 Manha.ppt Manha.ppt
Manha.ppt
 
Estrategias de ensino
Estrategias de ensinoEstrategias de ensino
Estrategias de ensino
 
Unidade 6 projetos
Unidade 6   projetosUnidade 6   projetos
Unidade 6 projetos
 
Planejamento do ensino e sequências didáticas
Planejamento do ensino e sequências didáticasPlanejamento do ensino e sequências didáticas
Planejamento do ensino e sequências didáticas
 
Zabala
ZabalaZabala
Zabala
 
Aula 2 unidade 1a
Aula 2 unidade 1aAula 2 unidade 1a
Aula 2 unidade 1a
 
Estudo dirigido
Estudo dirigidoEstudo dirigido
Estudo dirigido
 
Pedagogiade projetos
Pedagogiade projetosPedagogiade projetos
Pedagogiade projetos
 
Pedagogia de projetos
Pedagogia de projetosPedagogia de projetos
Pedagogia de projetos
 
PROJETO PEDAGOGICO
PROJETO PEDAGOGICOPROJETO PEDAGOGICO
PROJETO PEDAGOGICO
 
Pedagogiade projetos
Pedagogiade projetosPedagogiade projetos
Pedagogiade projetos
 
Zabala
ZabalaZabala
Zabala
 
Zabala
ZabalaZabala
Zabala
 
Macedo, lino, como construir uma escola para todos
Macedo, lino, como construir uma escola para todosMacedo, lino, como construir uma escola para todos
Macedo, lino, como construir uma escola para todos
 
Macedo, lino, como construir uma escola para todos
Macedo, lino, como construir uma escola para todosMacedo, lino, como construir uma escola para todos
Macedo, lino, como construir uma escola para todos
 
Os caminhos para a formação de professores
Os caminhos para a formação de professoresOs caminhos para a formação de professores
Os caminhos para a formação de professores
 
PITEC Elaboração de Projetos - Beti Prado
PITEC Elaboração de Projetos - Beti PradoPITEC Elaboração de Projetos - Beti Prado
PITEC Elaboração de Projetos - Beti Prado
 
Slide do pitec
Slide do pitecSlide do pitec
Slide do pitec
 
PNAIC CADERNO 1 Organização do trabalho pedagógico
PNAIC CADERNO 1 Organização do trabalho pedagógicoPNAIC CADERNO 1 Organização do trabalho pedagógico
PNAIC CADERNO 1 Organização do trabalho pedagógico
 

Mais de Danillo Silva Guimarães

Projeto de vida PARA O ENSINO ME2024 DIO
Projeto de vida PARA O ENSINO ME2024 DIOProjeto de vida PARA O ENSINO ME2024 DIO
Projeto de vida PARA O ENSINO ME2024 DIO
Danillo Silva Guimarães
 
Los heterosemantico en español para enem
Los heterosemantico en español para enemLos heterosemantico en español para enem
Los heterosemantico en español para enem
Danillo Silva Guimarães
 
Las horas
Las horasLas horas
Subjuntivo
SubjuntivoSubjuntivo
Haber, estar y tener
Haber, estar y tenerHaber, estar y tener
Haber, estar y tener
Danillo Silva Guimarães
 
LA CASA
LA CASA LA CASA

Mais de Danillo Silva Guimarães (6)

Projeto de vida PARA O ENSINO ME2024 DIO
Projeto de vida PARA O ENSINO ME2024 DIOProjeto de vida PARA O ENSINO ME2024 DIO
Projeto de vida PARA O ENSINO ME2024 DIO
 
Los heterosemantico en español para enem
Los heterosemantico en español para enemLos heterosemantico en español para enem
Los heterosemantico en español para enem
 
Las horas
Las horasLas horas
Las horas
 
Subjuntivo
SubjuntivoSubjuntivo
Subjuntivo
 
Haber, estar y tener
Haber, estar y tenerHaber, estar y tener
Haber, estar y tener
 
LA CASA
LA CASA LA CASA
LA CASA
 

Último

OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
karinenobre2033
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 

Último (20)

OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 

slide_11Tipos de metodologias ativas.pptx

  • 2.
  • 3. O aluno estuda o material em diferentes situações e ambientes, e a sala de aula passa a ser o lugar de aprender ativamente com apoio do professor e colaborativamente com os colegas.
  • 4. AS SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS PARA ENSINO DE GÊNEROS: TRABALHANDO COM METODOLOGIAS ATIVAS
  • 5. Gêneros textuais Segundo Marchuschi (2008), se originam, se integram e se desenvolvem funcionalmente nas culturas e, para além das questões linguísticas que os caracterizam, eles são ainda mais caracterizados por suas funções. Sendo assim, no aprender a ler e escrever há um sentido, uma função!
  • 6. O QUE É SEQUÊNCIA DIDÁTICA? Para a definição de sequência didática (SD), tomou-se, como referência inicial, o significado apresentado por Antoni Zabala no livro A prática educativa: como ensinar, publicado na década de 1990. O autor usa indistintamente expressões como “unidade didática”, “unidade de programação” ou “unidades de intervenção pedagógica” para se referir às sequências de atividades planejadas para a efetivação de objetivos educacionais específicos – ou seja, às sequências didáticas. Embora não houvesse um padrão no que se refere à terminologia, a SD já era objeto de interesse da área de educação desde, ao menos, a década de 1970 (GIORDAN, GUIMARÃES e MASSI, 2011).
  • 7. Antoni Zabala. [...] um conjunto de atividades ordenadas, estruturadas e articuladas para a realização de certos objetivos educacionais, que têm um princípio e um fim conhecidos tanto pelos professo- res como pelos alunos. (p. 18) [...] uma maneira de encadear e articular as diferentes atividades ao longo de uma unidade didática. (p. 20)
  • 8. Sequência Didática Segundo Leal, Brandão e Albuquerque (2012), deve ser organizada de forma em que haverá um momento de apresentação da temática para os estudantes, seguido de uma produção inicial, desenvolvimento de objetivos (que as autoras identificam como módulos) e uma produção final. As Sequências Didáticas também têm como característica partir de um gênero textual, pois o seu objetivo principal é o ensino e a aprendizagem do gênero escolhido
  • 9. Sequência Didática Segundo Leal, Brandão e Albuquerque (2012), deve ser organizada de forma em que haverá um momento de apresentação da temática para os estudantes, seguido de uma produção inicial, desenvolvimento de objetivos (que as autoras identificam como módulos) e uma produção final. As Sequências Didáticas também têm como característica partir de um gênero textual, pois o seu objetivo principal é o ensino e a aprendizagem do gênero escolhido
  • 10. De acordo com a concepção de Zabala, logo de início cabe expor aos estudantes, seja verbalmente, seja por meio de um texto ou de outro recurso, algumas considerações referentes aos seguintes questionamentos:  O que vai ser realizado na SD?  Como vai ser feito?  Por que vai ser feito?  O que se pretende alcançar com a sua aplicação? Desse modo, é possível afirmar que, na elaboração de uma SD, “[...] está implícita a preocupação de organizar as aulas previamente, ou seja, planejar o processo de ensino-aprendizagem” (MACHADO, 2013, p. 34) e de inseri-la no âmbito de um contrato didático. A T I V I D A D E S PLANEJADAS
  • 11. PROFESSOR PA N E J A M E N T O D E E NS INO E S T U D A N T E S REELABOREM CONHECIMENTOS ESCOLA PLANEJAMENTO P E R C U R S O D A A P R E N D I Z A G E M CONHECIMENTO SEQUE ˆNCIA D I D A ´ T I C A ? +
  • 12.
  • 14. METODOLOGIAS ATIVAS O uso das as metodologias ativas baseiam-se em novas formas de desenvolver o processo de aprendizagem, utilizando experiências reais ou simuladas, objetivando criar condições de solucionar, em diferentes contextos, os desafios advindos das atividades essenciais da prática social. (BERBEL, 2011). Conceito de Ativo: agir, acionar, ativar, dinâmico, ágil, …
  • 15. A Pirâmide de Willian Glasser mostrada na imagem abaixo, enfatiza a importância do uso de métodos ativos de ensino na aprendizagem significativa dos conteúdos.
  • 16. PORQUE UTILIZAR METODOLOGIAS ATIVAS DE ENSINO? ➔ Necessidade de acompanhar as reais necessidades da sociedade moderna; ➔ Formação dos docentes com a intenção de transformar suas práticas de ensino; ➔ Utilizar tecnologias que auxiliam o processo de ensino e aprendizagem; ➔ Para que o discente faça uma reflexão e problematização da realidade.
  • 17. TIPOS DE METODOLOGIAS ATIVAS Existem diferentes tipos de metodologias ativas que podem ser utilizadas em contextos variados. Com elas é possível garantir maior engajamento dos alunos, que, por sua vez, têm maior autonomia sobre seus estudos. Vamos ver alguns exemplos?
  • 18. ALGUNS TIPOS DE METODOLOGIAS ATIVAS ➔ Gamificação ➔ Ensino híbrido ➔ Júri simulado ➔ Mapa conceitual ➔ Estudo de caso ➔ Sala de aula invertida ➔ Tempestade cerebral ➔ Aula expositiva dialogada ➔ Aprendizagem entre pares ➔ Aprendizagem baseada em problemas; ➔ Aprendizagem baseada em projetos
  • 19. GAMIFICAÇÃO ➔ Objetiva promover a experiência dos jogos no ensino, de forma a gerar mais engajamento e dar uma maior dinamicidade à realização das atividades; ➔ As práticas colaborativas e cooperativas compõem a mecânica que norteia os jogos e as ações gamificadas; ➔ Favorece a consolidação de uma inteligência coletiva; ➔ Permite ao discente uma avaliação constante.
  • 20. ENSINO HÍBRIDO O ensino híbrido caracteriza-se como um programa de educação formal que mescla momentos em que o aluno estuda os conteúdos usando recursos on-line e outros em que o estudo ocorre em uma sala de aula e o aluno pode interagir com outros alunos e com o professor.
  • 21. JÚRI SIMULADO É a simulação de um tribunal judiciário, onde divididos em três grupos (dois grupos de debatedores e um júri popular), os alunos debatem sobre um tema proposto até chegar a uma decisão tomada pelo júri.
  • 22. MAPA CONCEITUAL ➔ Um mapa conceitual é um diagrama ou ferramenta gráfica que concebe de forma visual as analogias entre conceitos e ideias; ➔ Auxilia o educador no ajuste do planejamento aos conhecimentos prévios do aluno; ➔ Exige do aluno um esforço para percorrer caminhos diferentes na construção do seu conhecimento; ➔ Permite o aluno representar um conjunto de conceitos conexos de forma expressiva.
  • 23. ESTUDO DE CASO ➔ São relatos de situações do mundo real, apresentadas aos estudantes com a finalidade de ensiná-los, preparando-os para a resolução de problemas reais; ➔ É uma abordagem ativa e colaborativa, que promove o desenvolvimento da autonomia; ➔ Os casos são construídos em torno de objetivos de aprendizagem (habilidades e competências).
  • 24. SALA DE AULA INVERTIDA ➔ O estudante passa a realizar atividades em todos os momentos: antes, durante e depois da aula, cabendo ao professor (auxiliador) identificar e atribuir o peso de cada uma dessas atividades desenvolvidas, a partir dos objetivos pedagógicos que deseja alcançar; ➔ Os alunos são incentivados a participar das atividades on-line e das presenciais, sendo que o professor trabalha as dificuldades dos alunos ao invés de fazer apresentações sobre o conteúdo da disciplina.
  • 25.
  • 26. TEMPESTADE CEREBRAL ➔ É um método usado para criar e explorar a capacidade criativa de indivíduos ou grupos; ➔ Na avaliação é importante analisar a observação das habilidades dos estudantes na apresentação das idéias quanto a sua concisão, logicidade, aplicabilidade e pertinência, bem como seu desempenho na descoberta de soluções apropriadas ao problema apresentado.
  • 27. AULA EXPOSITIVA DIALOGADA ➔ A aula expositiva dialogada surge como uma alternativa às aulas expositivas, em uma concepção de educação bancária; ➔ Compreende o eu e o outro em uma relação dialógica e ética; ➔ Foca na atividade reflexiva e na participação dos educandos.
  • 28. APRENDIZAGEM ENTRE PARES OU TIMES ➔ A aprendizagem entre pares (ou times), também conhecida como peer instruction ou team based learning, é uma metodologia ativa que incentiva o debate e a reflexão em conjunto; ➔ A “aprendizagem entre times” apoia a formação de equipes dentro de determinada turma para que o aprendizado seja feito em conjunto e haja compartilhamento de ideias.
  • 29. APRENDIZAGEM BASEADA EM PROBLEMAS ➔ Os estudantes observam uma parcela da realidade, definem um problema de estudo até a realização de algum grau de intervenção naquela parcela da realidade, a fim de contribuir para a sua transformação; ➔ O professor assume um papel de orientador e o aluno um papel ativo.
  • 30. APRENDIZAGEM BASEADA EM PROJETOS ➔ Aprendizagem baseada em projetos é uma metodologia de aprendizagem em que os alunos se envolvem com tarefas e desafios para resolver um problema ou desenvolver um projeto que tenha ligação com a sua vida fora da sala de aula e ao final do período realizam uma apresentação; ➔ Adota o princípio da aprendizagem colaborativa, baseada no trabalho coletivo; ➔ Favorece a interdisciplinaridade.
  • 31. Por fim, é possível destacar a existência de vários benefícios tanto para a comunidade acadêmica quanto para a instituição de ensino com a utilização das metodologias ativas. Entre os benefícios para os alunos, vale destacar: adquirir mais autonomia;  desenvolver confiança;  enxergar o aprendizado como algo tranquilo;  tornarem-se aptos a resolver problemas;  tornarem-se profissionais mais qualificados e valorizados;  tornarem-se protagonistas do seu aprendizado. QUAIS SÃO OS BENEFÍCIOS DAS METODOLOGIAS ATIVAS?
  • 32. Como fazer uma sequência didática: exemplos de gêneros textuais Professora Bruna Fraga. I. Apresentação da situação: roda de leitura com o livro “A revolta dos gizes de cera”, de Drew Daywalt. Avalição diagnóstica. Primeira produção: cada criança realizou, individualmente e sem intervenção, uma carta para a personagem principal do livro, o Diego. Esta primeira produção serve como uma avaliação diagnóstica para observar os conhecimentos prévios das crianças.
  • 33. . Módulo 1: foi realizada, coletivamente, uma exploração das características do gênero carta e criado um painel que ficava acessível para as crianças consultarem. "Características: A carta pessoal, para além da estrutura básica de todas as epístolas (outro nome para carta), também tem algumas características particulares. • Marcas de pessoalidade na linguagem. • Interlocução direta. • Discussão de temas. • Levar cartas escritas para poder explorar “ ver e mexer nos gêneros” , trazer gêneros físicos para os alunos. • Ampliar o repertório dos estudantes. “saudações” "Veja mais sobre "Carta pessoal" em: https://brasilescola.uol.com.br/redacao/carta-pessoal.htm
  • 34. . Módulo 2: realização de uma escrita coletiva de carta, considerando as características aprendidas anteriormente. • Fazer boa intervenções no percussor do processor da aprendizagem: • Possibilitar a criação do conceito pelo estudante - alguém sabe me dizer o que é?  O quê?  Por quê?  Para quê?  Para quem?  Como? • O personagem “Diego” respondia as cartas
  • 35. . Módulo 3: as crianças estudaram sobre o suporte da carta, bem como o envelope e como eram enviadas. Também escreveram e enviaram cartas para os colegas, vivenciando, então, a funcionalidade deste gênero. • Fazer boa intervenções no processor da aprendizagem . "Veja mais sobre "Carta pessoal" em: https://brasilescola.uol.com.br/redacao/carta-pessoal.htm
  • 36. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANASTASIOU, Lea das Graças Camargo; ALVES, Leonir Pessate. Processos de ensinagem na universidade: Pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. Ed. Joinville, SC,2007 ZABALA, A. A Prática Educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artmed, 1998. BERBEL, N. A. N. As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Ciências Sociais e Humanas, Londrina, v. 32, n. 1, p. 25-40, jan./jun. 2011 BERGMANN, J., & Sams, A. Sala de Aula Invertida: Uma Metodologia Ativa de Aprendizagem (1 ed.). (A. C. Serra, Trad.) Rio Janeiro: LTC.2012 SANTOS, Taciana da Silva. Metodologias Ativas de Ensino-Aprendizagem. Olinda-PE, 2019 FREIRE, P . Pedagogia do Oprimido. São Paulo: Paz e Terra, 2006.