SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
20 - RECONHECER DIFERENTES FORMAS DE TRATAR UMA
INFORMAÇÃO NA COMPARAÇÃO DE TEXTOS QUE TRATAM DO
MESMO TEMA EM FUNÇÃO DAS CONDIÇÕES EM QUE ELE FOI
PRODUZIDO E DAQUELAS EM QUE SERÁ RECEBIDO.
VAMOS EXERCITAR!
(SAEGO). Compare os dois textos a seguir.
TEXTO I
Abertura
Era uma vez um homem que contava histórias,
Falando das maravilhas de um mundo encantado
Que só as crianças podiam ver.
Mas esse homem, que falava às crianças,
Conseguiu descrever tão bem essas maravilhas,
Que fez todas as pessoas acreditarem nelas.
Pelo menos as pessoas que cresceram por fora,
Mas continuaram sendo crianças em seus corações.
Ele aprendeu tudo isso com a natureza,
Em lugares como esse sítio
Onde ele viveu.
[...]
Pirlimpimpim. LP Som Livre.Wilson Rocha,1982. Fragmento.
TEXTO II
Lobato
No Sítio do Picapau Amarelo, cenário mágico das histórias de
Monteiro Lobato, surgiu à literatura brasileira para crianças.
Da legião de pequenos leitores que a partir dos anos 20
devoraram as aventuras da boneca Emília e dos outros
personagens do Sítio, nasceram novas gerações de escritores
infantis dos pais.
Embora Lobato tenha ficado conhecido por sua obra
literária, não se limitou a ela. Foi um dos homens mais
influentes do Brasil na primeira metade do século e
encabeçou campanhas importantes, como a do
desenvolvimento da produção nacional do petróleo.
Além do promotor público, empresário, jornalista e
fazendeiro, foi editor de livros. Em 1918 fundou, em São
Paulo, a Monteiro Lobato & Cia, editora que trouxe ao país
grandes novidades gráficas e comerciais. Até morrer, em
1948, foi o grande agitador do mercado de livros no Brasil.
[...]
Nova Escola, Ano XIII, nº 100, mar
01. Os textos I (poema) e II (ensaio biográfico) têm
em comum o fato de:
(A) contarem sobre a vida de alguém.
(B) narrarem feitos maravilhosos.
(C) noticiarem um acontecimento.
(D) possuírem a mesma estrutura.
(SAEP 2012). Leia os textos l e ll.
Texto I
Quadrilha
João amava Teresa que amava Raimundo que
amava Maria que amava Joaquim que amava
Lili que não amava ninguém.
João foi para os Estados Unidos, Teresa para o
convento, Raimundo morreu de desastre, Maria
ficou para tia, Joaquim suicidou-se e Lili casou-
se com J. Pinto Fernandes que não tinha
entrado na história.
(Carlos Drummond de Andrade)
Texto II
Quadrilha da sujeira
João joga um palitinho de sorvete na rua de Teresa que joga
uma latinha de refrigerante na rua de Raimundo que joga
um saquinho plástico na rua de Joaquim que joga uma
garrafinha velha na rua de Lili.
Lili joga um pedacinho de isopor na rua de João que joga
uma embalagenzinha de não sei o quê na rua de Teresa que
joga um lencinho de papel na rua de Raimundo que joga
uma tampinha de refrigerante na rua de Joaquim que joga
um papelzinho de bala na rua de J. Pinto Fernandes que
ainda nem tinha entrado na história.
02. Em relação aos textos, é correto afirmar que
(A) os dois textos tratam do mesmo tema, fazendo comparação
com uma dança (quadrilha).
(B) o texto I trata do amor não correspondido, por meio da
comparação com uma dança (quadrilha), enquanto o texto II
critica o mau hábito de jogar lixo na rua.
(C) o texto II não tem relação alguma com o texto I, já que não há
nada que lembre o primeiro texto.
(D) o texto II mostra como as pessoas prejudicam as outras por não
serem correspondidas no amor.
(REME). Leia os textos abaixo.
Texto 1
Robôs inteligentes
Para os cientistas, robôs são máquinas planejadas para
executar funções como se fossem pessoas. Os robôs
podem, por exemplo, se movimentar por meio de rodas
ou esteiras, desviar de obstáculos, usar garras ou
guindastes para pegar objetos e transportá-los de um
local para outro ou encaixá-los em algum lugar. Também
fazem cálculos, chutam coisas e tiram fotos ou recolhem
imagens de um ambiente ou de algo que está sendo
pesquisado.
Hoje, já são utilizados para brincar, construir carros,
investigar vulcões e até viajar pelo espaço bisbilhotando em
outros planetas.
O grande desafio dos especialistas é criar robôs que
possam raciocinar e consigam encontrar soluções para
novos desafios, como se tivessem inteligência própria.
Disponível em:
<http://recreionline.abril.com.br/fique_dentro/ciencia/maquinas/conteudo_90106.s
html>. Acesso em: 17 maio 2010.
Texto 2
Robótica
Robótica é um ramo da tecnologia que engloba mecânica,
eletrônica e computação, que atualmente trata de
sistemas compostos por máquinas e partes mecânicas
automáticas e controladas por circuitos integrados,
tornando sistemas mecânicos motorizados, controlados
manualmente ou automaticamente por circuitos elétricos.
As máquinas, pode-se dizer que são vivas, mas, ao mesmo
tempo, são uma imitação da vida, não passam de fios
unidos e mecanismos, isso tudo junto concebe um robô.
Cada vez mais as pessoas utilizam os robôs para suas
tarefas.
Em breve, tudo poderá ser controlado por robôs. Os robôs
são apenas máquinas: não sonham nem sentem e muito
menos ficam cansados. Essa tecnologia, hoje adotada por
muitas fábricas e indústrias, tem obtido de um modo
geral, êxito em questões levantadas sobre a redução de
custos, aumento de produtividade e os vários problemas
trabalhistas com funcionários.
Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/Rotica>. Acesso em: 20 maio 2010.
03. Esses dois textos informam que os
robôs
A) imitam seres humanos.
B) podem fazer cálculos.
C) podem reduzir custos.
D) são criados por homens.
(PAEBES). Leia os textos abaixo.
Texto 1
Mãe
De patins, de bicicleta, de carro, moto,
avião nas asas da borboleta e nos olhos do
gavião de barco, de velocípedes a cavalo
num trovão nas cores do arco-íris
no rugido de um leão na graça de um
golfinho e no germinar de um grão teu
nome eu trago, mãe, na palma da minha
mão.
CAPARELLI. Tigres no quintal. Porto Alegre: Kuarup, 1989. p. 46.
Texto 2
Pré-história
Mamãe vestida de rendas.
Tocava piano no caos.
Uma noite abriu as asas Cansada de tanto som,
Equilibrou-se no azul,
De tonta não mais olhou
Para mim, para ninguém:
Cai no álbum de retratos.
MENDES, Murilo. Disponível em: <http://
www.aomestre.com.br/esp_liter/spc_murilo.
htm>. Acesso em: 25 out. 2011.
04. Esses dois textos tratam:
A) da lembrança das brincadeiras de criança.
B) da presença da mãe em todos os lugares.
C) do sentimento de perda do filho.
D) do sentimento do eu lírico com sua mãe.
(AVALIA-BH). Leia os textos abaixo.
Texto 1
Disponível em:
<http://neusamariabento.blogspot.
com/2010/05/boas-maneiras.html>. Acesso
em: 8 maio 2011.
Texto 2
Espirrar
Espirrar não é, em si, um ato grosseiro. A maneira de espirrar
pode ser...
Quando sentir o espirro chegando, vire a cabeça para o lado
(tirando os outros da linha de tiro e cubra o nariz e boca com a
mão – que, de preferência estará segurando um lenço!).
Também não faça mais barulho que o necessário, mas não tente
segurar o espirro. É claro que, usando este método, você pode
ficar com a mão cheia de... meleca (eu disse para usar um lenço).
Não limpe na sua própria roupa (e muito menos na dos outros!). Vá
até o banheiro mais próximo e lave a mão. [...]
VILELA, Antônio Carlos. Coisas que todo garoto deve saber. São Paulo: Melhoramentos, 2009. p. 49.
Fragmento.
05. Esses textos falam sobre
A) as regras de educação.
B) as maneiras de espirrar.
C) as orientações de higiene.
D) as brincadeiras das crianças.
(SAEPI). Leia o texto abaixo.
Texto 1
Ah eu ameeeeeeeeeei o filme Crepúsculo! Eh simplesmente
irresistível! Embora o livro seja muito melhor em mostrar a
intensidade do amor entre Edward e Bella, o filme foi bem
adaptado e mostra as principais partes do livro sem sair da
história, o que é ótimo! A atuação de todos os atores
escolhidos ficou ótima! Acho que é difícil achar um ator
inteiramente perfeito pro papel do Edward Cullen, o ator
poderia ser lindíssimo, mas na hora de interpretar o
personagem não seria igual. Mas o Robert Pattinson, além de
ser lindo, ele tem os trejeitos do Edward sabe, tipo o olhar
cativante, o sorriso, o charme.
Quando terminou o filme fiquei nas nuvens!
É um ótimo romance pra ver a dois... Com certeza vcs não vão
se decepcionar! As outras pessoas que dizem que o filme é
ruim são porque não sabem separar livro de filme. Minha
amiga não leu o livro, mas foi ao cinema comigo ver o filme e
não ficou desapontada! Ela amou! Depois não aguentava mais
ela falar do filme (risos). Mas se vc prefere uma comédia,
estilo “Grande Família”, veja “Se eu fosse você 2”.
Espero que tenham gostado!
Beijos,
Miss Alohaa.
Disponível em: <http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=2009
0107085035AAf8mFN>. Acesso em: 9 jun. 2011.
Texto 2
Hum, eu sou suspeita em falar de Crepúsculo,
pois amo a série toda e não vejo a hora de sair o
5º livro (versão Edward). O filme é bom sim, eu
gostei!
Agora o livro é sem dúvida alguma muito
superior, pois conta com mais detalhes, coisa
que falta no filme e, talvez para quem não leu o
livro, fique uma coisa meio vaga... Mas, mesmo
assim dá pra entender.
Um big beijo.
Disponível em: <http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20
090107085035AAf8mFN>. Acesso em: 9 jun.2011
04. Em relação ao filme Crepúsculo, esses dois
textos apresentam opiniões
A) complementares.
B) conflitantes.
C) divergentes.
D) semelhantes.
(Prova Brasil). Leia os textos abaixo:
Texto I
Monte Castelo
Ainda que eu falasse a língua dos homens
E falasse a língua dos anjos,
Sem amor, eu nada seria.
É só o amor, é só o amor
Que conhece o que é verdade;
O amor é bom, não quer o mal,
Não sente inveja ou se envaidece.
Amor é fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer.
Ainda que eu falasse a língua dos
homens
E falasse a língua dos anjos,
Sem amor eu nada seria.
É um não querer mais que bem querer;
É solitário andar por entre a gente;
É um não contentar-se de contente;
É cuidar que se ganha em se perder.
É um estar-se preso por vontade;
É servir a quem vence o vencedor;
É um ter com quem nos mata lealdade,
Tão contrário a si é o mesmo amor.
Estou acordado, e todos dormem, todos dormem, todos
dormem.
Agora vejo em parte,
Mas então veremos face a face.
É só o amor, é só o amor
Que conhece o que é verdade.
Ainda que eu falasse a língua dos homens
E falasse a língua dos anjos,
Sem amor eu nada seria.
Legião Urbana. As quatro estações. EMI, 1989 – Adaptação de Renato Russo: I Coríntios 13 e So-
neto 11, de Luís de Camões.
Texto II
Soneto 11
Amor é fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer;
É um não querer mais que bem querer;
É solitário andar por entre a gente;
É nunca contentar-se de contente;
É cuidar que se ganha em se perder;
É querer estar preso por vontade;
É servir a quem vence o vencedor;
É ter com quem nos mata lealdade.
Mas como causar pode seu favor
Nos corações humanos amizade,
Se tão contrário a si é o mesmo amor?
Luís Vaz de Camões. Obras completas. Lisboa: Sá da Costa, 1971.
06. O texto I difere do texto II
(A) na constatação de que o amor pode levar até à
morte.
(B) na rejeição da aceitação passiva do sofrimento
amoroso.
(C) (C) na exaltação da dor causada pelo sofrimento
amoroso.
(D) na expressão da beleza do sentimento dos que
amam.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Compreensão e interpretação de textos
Compreensão e interpretação de textosCompreensão e interpretação de textos
Compreensão e interpretação de textos
welton santos
 
Coesão e coerencia
Coesão e coerenciaCoesão e coerencia
Coesão e coerencia
silnog
 
Redação: Relato Pessoal
Redação: Relato PessoalRedação: Relato Pessoal
Redação: Relato Pessoal
7 de Setembro
 
A primeira página do jornal
A primeira página do jornalA primeira página do jornal
A primeira página do jornal
ma.no.el.ne.ves
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
Edna Brito
 

Mais procurados (20)

LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4
LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4
LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4
 
Compreensão e interpretação de textos
Compreensão e interpretação de textosCompreensão e interpretação de textos
Compreensão e interpretação de textos
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTOAULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
 
Oficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º anoOficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º ano
 
Elementos da narrativa
Elementos da narrativaElementos da narrativa
Elementos da narrativa
 
Relato
RelatoRelato
Relato
 
Tipos de argumentos
Tipos de argumentosTipos de argumentos
Tipos de argumentos
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
 
Estrutura do-artigo-de-opinião
Estrutura do-artigo-de-opiniãoEstrutura do-artigo-de-opinião
Estrutura do-artigo-de-opinião
 
Coesão e coerencia
Coesão e coerenciaCoesão e coerencia
Coesão e coerencia
 
FICHA - ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO - Gabarito.docx
FICHA - ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO - Gabarito.docxFICHA - ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO - Gabarito.docx
FICHA - ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO - Gabarito.docx
 
Passos para uma boa redação
Passos para uma boa redaçãoPassos para uma boa redação
Passos para uma boa redação
 
Passos para a redação do enem
Passos para a redação do enemPassos para a redação do enem
Passos para a redação do enem
 
Redação: Relato Pessoal
Redação: Relato PessoalRedação: Relato Pessoal
Redação: Relato Pessoal
 
A primeira página do jornal
A primeira página do jornalA primeira página do jornal
A primeira página do jornal
 
Tudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMASTudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMAS
 
Artigo de opinião - Fonte: Educopedia
Artigo de opinião - Fonte: EducopediaArtigo de opinião - Fonte: Educopedia
Artigo de opinião - Fonte: Educopedia
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
 

Semelhante a Slide d20-aula-sexta-feira

Avaliação bimestral de lingua portuguesa 4º bimestre eliete 2012
Avaliação bimestral  de  lingua portuguesa  4º bimestre eliete 2012Avaliação bimestral  de  lingua portuguesa  4º bimestre eliete 2012
Avaliação bimestral de lingua portuguesa 4º bimestre eliete 2012
Eliete Soares E Soares
 
Prova da Cidade Portugues 5ª serie
Prova da Cidade Portugues 5ª serieProva da Cidade Portugues 5ª serie
Prova da Cidade Portugues 5ª serie
Claudia Valério
 
Apostila 3 ano 100 questýýes de compreensýýo
Apostila 3 ano   100 questýýes de compreensýýoApostila 3 ano   100 questýýes de compreensýýo
Apostila 3 ano 100 questýýes de compreensýýo
Luiz Rosa
 

Semelhante a Slide d20-aula-sexta-feira (20)

PLANEJAMENTO 2º E 3º BIMESTRE.pdf
PLANEJAMENTO  2º E 3º BIMESTRE.pdfPLANEJAMENTO  2º E 3º BIMESTRE.pdf
PLANEJAMENTO 2º E 3º BIMESTRE.pdf
 
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - 2º CICLO
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - 2º CICLOAVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - 2º CICLO
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - 2º CICLO
 
Simulado Saresp com descritores e gabarito
Simulado Saresp com descritores e gabaritoSimulado Saresp com descritores e gabarito
Simulado Saresp com descritores e gabarito
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DE LÍNGUA PORUGUESA
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DE LÍNGUA PORUGUESAAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DE LÍNGUA PORUGUESA
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DE LÍNGUA PORUGUESA
 
D 2 (1).pptx
D 2 (1).pptxD 2 (1).pptx
D 2 (1).pptx
 
Avaliação bimestral de lingua portuguesa 4º bimestre eliete 2012
Avaliação bimestral  de  lingua portuguesa  4º bimestre eliete 2012Avaliação bimestral  de  lingua portuguesa  4º bimestre eliete 2012
Avaliação bimestral de lingua portuguesa 4º bimestre eliete 2012
 
Provalp1bi5ano
Provalp1bi5anoProvalp1bi5ano
Provalp1bi5ano
 
Gêneros textuais fábula, tira, História em Quadrinhos (HQ), textos expositivo...
Gêneros textuais fábula, tira, História em Quadrinhos (HQ), textos expositivo...Gêneros textuais fábula, tira, História em Quadrinhos (HQ), textos expositivo...
Gêneros textuais fábula, tira, História em Quadrinhos (HQ), textos expositivo...
 
Pedro.docx
Pedro.docxPedro.docx
Pedro.docx
 
Avaliação língua portuguesa 9º ano
Avaliação língua portuguesa 9º anoAvaliação língua portuguesa 9º ano
Avaliação língua portuguesa 9º ano
 
Simulado de português 5º ano spaece 2014
Simulado de português 5º ano  spaece 2014Simulado de português 5º ano  spaece 2014
Simulado de português 5º ano spaece 2014
 
Avalport9 pip prova (2)
Avalport9 pip prova (2)Avalport9 pip prova (2)
Avalport9 pip prova (2)
 
WORD: AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - I CICLO
WORD: AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - I CICLOWORD: AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - I CICLO
WORD: AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - I CICLO
 
Teste portugues
Teste portuguesTeste portugues
Teste portugues
 
Simulado spaece 1º ano
Simulado spaece 1º anoSimulado spaece 1º ano
Simulado spaece 1º ano
 
Prova da Cidade Portugues 5ª serie
Prova da Cidade Portugues 5ª serieProva da Cidade Portugues 5ª serie
Prova da Cidade Portugues 5ª serie
 
Gramática Prof. Fernando Santos
Gramática   Prof. Fernando SantosGramática   Prof. Fernando Santos
Gramática Prof. Fernando Santos
 
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5º ANO - 3º BIMESTRE
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5º ANO - 3º BIMESTREAVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5º ANO - 3º BIMESTRE
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5º ANO - 3º BIMESTRE
 
15º AULÃO preparatório para avaliações externas
15º AULÃO preparatório para avaliações externas15º AULÃO preparatório para avaliações externas
15º AULÃO preparatório para avaliações externas
 
Apostila 3 ano 100 questýýes de compreensýýo
Apostila 3 ano   100 questýýes de compreensýýoApostila 3 ano   100 questýýes de compreensýýo
Apostila 3 ano 100 questýýes de compreensýýo
 

Último

1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
profbrunogeo95
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
WelitaDiaz1
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Eró Cunha
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
azulassessoria9
 

Último (20)

Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 

Slide d20-aula-sexta-feira

  • 1.
  • 2. 20 - RECONHECER DIFERENTES FORMAS DE TRATAR UMA INFORMAÇÃO NA COMPARAÇÃO DE TEXTOS QUE TRATAM DO MESMO TEMA EM FUNÇÃO DAS CONDIÇÕES EM QUE ELE FOI PRODUZIDO E DAQUELAS EM QUE SERÁ RECEBIDO.
  • 3.
  • 5. (SAEGO). Compare os dois textos a seguir. TEXTO I Abertura Era uma vez um homem que contava histórias, Falando das maravilhas de um mundo encantado Que só as crianças podiam ver. Mas esse homem, que falava às crianças, Conseguiu descrever tão bem essas maravilhas, Que fez todas as pessoas acreditarem nelas. Pelo menos as pessoas que cresceram por fora, Mas continuaram sendo crianças em seus corações. Ele aprendeu tudo isso com a natureza, Em lugares como esse sítio Onde ele viveu. [...] Pirlimpimpim. LP Som Livre.Wilson Rocha,1982. Fragmento. TEXTO II Lobato No Sítio do Picapau Amarelo, cenário mágico das histórias de Monteiro Lobato, surgiu à literatura brasileira para crianças. Da legião de pequenos leitores que a partir dos anos 20 devoraram as aventuras da boneca Emília e dos outros personagens do Sítio, nasceram novas gerações de escritores infantis dos pais. Embora Lobato tenha ficado conhecido por sua obra literária, não se limitou a ela. Foi um dos homens mais influentes do Brasil na primeira metade do século e encabeçou campanhas importantes, como a do desenvolvimento da produção nacional do petróleo. Além do promotor público, empresário, jornalista e fazendeiro, foi editor de livros. Em 1918 fundou, em São Paulo, a Monteiro Lobato & Cia, editora que trouxe ao país grandes novidades gráficas e comerciais. Até morrer, em 1948, foi o grande agitador do mercado de livros no Brasil. [...] Nova Escola, Ano XIII, nº 100, mar
  • 6. 01. Os textos I (poema) e II (ensaio biográfico) têm em comum o fato de: (A) contarem sobre a vida de alguém. (B) narrarem feitos maravilhosos. (C) noticiarem um acontecimento. (D) possuírem a mesma estrutura.
  • 7. (SAEP 2012). Leia os textos l e ll. Texto I Quadrilha João amava Teresa que amava Raimundo que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili que não amava ninguém. João foi para os Estados Unidos, Teresa para o convento, Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia, Joaquim suicidou-se e Lili casou- se com J. Pinto Fernandes que não tinha entrado na história. (Carlos Drummond de Andrade) Texto II Quadrilha da sujeira João joga um palitinho de sorvete na rua de Teresa que joga uma latinha de refrigerante na rua de Raimundo que joga um saquinho plástico na rua de Joaquim que joga uma garrafinha velha na rua de Lili. Lili joga um pedacinho de isopor na rua de João que joga uma embalagenzinha de não sei o quê na rua de Teresa que joga um lencinho de papel na rua de Raimundo que joga uma tampinha de refrigerante na rua de Joaquim que joga um papelzinho de bala na rua de J. Pinto Fernandes que ainda nem tinha entrado na história.
  • 8. 02. Em relação aos textos, é correto afirmar que (A) os dois textos tratam do mesmo tema, fazendo comparação com uma dança (quadrilha). (B) o texto I trata do amor não correspondido, por meio da comparação com uma dança (quadrilha), enquanto o texto II critica o mau hábito de jogar lixo na rua. (C) o texto II não tem relação alguma com o texto I, já que não há nada que lembre o primeiro texto. (D) o texto II mostra como as pessoas prejudicam as outras por não serem correspondidas no amor.
  • 9. (REME). Leia os textos abaixo. Texto 1 Robôs inteligentes Para os cientistas, robôs são máquinas planejadas para executar funções como se fossem pessoas. Os robôs podem, por exemplo, se movimentar por meio de rodas ou esteiras, desviar de obstáculos, usar garras ou guindastes para pegar objetos e transportá-los de um local para outro ou encaixá-los em algum lugar. Também fazem cálculos, chutam coisas e tiram fotos ou recolhem imagens de um ambiente ou de algo que está sendo pesquisado. Hoje, já são utilizados para brincar, construir carros, investigar vulcões e até viajar pelo espaço bisbilhotando em outros planetas. O grande desafio dos especialistas é criar robôs que possam raciocinar e consigam encontrar soluções para novos desafios, como se tivessem inteligência própria. Disponível em: <http://recreionline.abril.com.br/fique_dentro/ciencia/maquinas/conteudo_90106.s html>. Acesso em: 17 maio 2010. Texto 2 Robótica Robótica é um ramo da tecnologia que engloba mecânica, eletrônica e computação, que atualmente trata de sistemas compostos por máquinas e partes mecânicas automáticas e controladas por circuitos integrados, tornando sistemas mecânicos motorizados, controlados manualmente ou automaticamente por circuitos elétricos. As máquinas, pode-se dizer que são vivas, mas, ao mesmo tempo, são uma imitação da vida, não passam de fios unidos e mecanismos, isso tudo junto concebe um robô. Cada vez mais as pessoas utilizam os robôs para suas tarefas. Em breve, tudo poderá ser controlado por robôs. Os robôs são apenas máquinas: não sonham nem sentem e muito menos ficam cansados. Essa tecnologia, hoje adotada por muitas fábricas e indústrias, tem obtido de um modo geral, êxito em questões levantadas sobre a redução de custos, aumento de produtividade e os vários problemas trabalhistas com funcionários. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/Rotica>. Acesso em: 20 maio 2010.
  • 10. 03. Esses dois textos informam que os robôs A) imitam seres humanos. B) podem fazer cálculos. C) podem reduzir custos. D) são criados por homens.
  • 11. (PAEBES). Leia os textos abaixo. Texto 1 Mãe De patins, de bicicleta, de carro, moto, avião nas asas da borboleta e nos olhos do gavião de barco, de velocípedes a cavalo num trovão nas cores do arco-íris no rugido de um leão na graça de um golfinho e no germinar de um grão teu nome eu trago, mãe, na palma da minha mão. CAPARELLI. Tigres no quintal. Porto Alegre: Kuarup, 1989. p. 46. Texto 2 Pré-história Mamãe vestida de rendas. Tocava piano no caos. Uma noite abriu as asas Cansada de tanto som, Equilibrou-se no azul, De tonta não mais olhou Para mim, para ninguém: Cai no álbum de retratos. MENDES, Murilo. Disponível em: <http:// www.aomestre.com.br/esp_liter/spc_murilo. htm>. Acesso em: 25 out. 2011.
  • 12. 04. Esses dois textos tratam: A) da lembrança das brincadeiras de criança. B) da presença da mãe em todos os lugares. C) do sentimento de perda do filho. D) do sentimento do eu lírico com sua mãe.
  • 13. (AVALIA-BH). Leia os textos abaixo. Texto 1 Disponível em: <http://neusamariabento.blogspot. com/2010/05/boas-maneiras.html>. Acesso em: 8 maio 2011. Texto 2 Espirrar Espirrar não é, em si, um ato grosseiro. A maneira de espirrar pode ser... Quando sentir o espirro chegando, vire a cabeça para o lado (tirando os outros da linha de tiro e cubra o nariz e boca com a mão – que, de preferência estará segurando um lenço!). Também não faça mais barulho que o necessário, mas não tente segurar o espirro. É claro que, usando este método, você pode ficar com a mão cheia de... meleca (eu disse para usar um lenço). Não limpe na sua própria roupa (e muito menos na dos outros!). Vá até o banheiro mais próximo e lave a mão. [...] VILELA, Antônio Carlos. Coisas que todo garoto deve saber. São Paulo: Melhoramentos, 2009. p. 49. Fragmento. 05. Esses textos falam sobre A) as regras de educação. B) as maneiras de espirrar. C) as orientações de higiene. D) as brincadeiras das crianças.
  • 14. (SAEPI). Leia o texto abaixo. Texto 1 Ah eu ameeeeeeeeeei o filme Crepúsculo! Eh simplesmente irresistível! Embora o livro seja muito melhor em mostrar a intensidade do amor entre Edward e Bella, o filme foi bem adaptado e mostra as principais partes do livro sem sair da história, o que é ótimo! A atuação de todos os atores escolhidos ficou ótima! Acho que é difícil achar um ator inteiramente perfeito pro papel do Edward Cullen, o ator poderia ser lindíssimo, mas na hora de interpretar o personagem não seria igual. Mas o Robert Pattinson, além de ser lindo, ele tem os trejeitos do Edward sabe, tipo o olhar cativante, o sorriso, o charme. Quando terminou o filme fiquei nas nuvens! É um ótimo romance pra ver a dois... Com certeza vcs não vão se decepcionar! As outras pessoas que dizem que o filme é ruim são porque não sabem separar livro de filme. Minha amiga não leu o livro, mas foi ao cinema comigo ver o filme e não ficou desapontada! Ela amou! Depois não aguentava mais ela falar do filme (risos). Mas se vc prefere uma comédia, estilo “Grande Família”, veja “Se eu fosse você 2”. Espero que tenham gostado! Beijos, Miss Alohaa. Disponível em: <http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=2009 0107085035AAf8mFN>. Acesso em: 9 jun. 2011. Texto 2 Hum, eu sou suspeita em falar de Crepúsculo, pois amo a série toda e não vejo a hora de sair o 5º livro (versão Edward). O filme é bom sim, eu gostei! Agora o livro é sem dúvida alguma muito superior, pois conta com mais detalhes, coisa que falta no filme e, talvez para quem não leu o livro, fique uma coisa meio vaga... Mas, mesmo assim dá pra entender. Um big beijo. Disponível em: <http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20 090107085035AAf8mFN>. Acesso em: 9 jun.2011 04. Em relação ao filme Crepúsculo, esses dois textos apresentam opiniões A) complementares. B) conflitantes. C) divergentes. D) semelhantes.
  • 15. (Prova Brasil). Leia os textos abaixo: Texto I Monte Castelo Ainda que eu falasse a língua dos homens E falasse a língua dos anjos, Sem amor, eu nada seria. É só o amor, é só o amor Que conhece o que é verdade; O amor é bom, não quer o mal, Não sente inveja ou se envaidece. Amor é fogo que arde sem se ver; É ferida que dói e não se sente; É um contentamento descontente; É dor que desatina sem doer. Ainda que eu falasse a língua dos homens E falasse a língua dos anjos, Sem amor eu nada seria. É um não querer mais que bem querer; É solitário andar por entre a gente; É um não contentar-se de contente; É cuidar que se ganha em se perder. É um estar-se preso por vontade; É servir a quem vence o vencedor; É um ter com quem nos mata lealdade, Tão contrário a si é o mesmo amor. Estou acordado, e todos dormem, todos dormem, todos dormem. Agora vejo em parte, Mas então veremos face a face. É só o amor, é só o amor Que conhece o que é verdade. Ainda que eu falasse a língua dos homens E falasse a língua dos anjos, Sem amor eu nada seria. Legião Urbana. As quatro estações. EMI, 1989 – Adaptação de Renato Russo: I Coríntios 13 e So- neto 11, de Luís de Camões.
  • 16. Texto II Soneto 11 Amor é fogo que arde sem se ver; É ferida que dói e não se sente; É um contentamento descontente; É dor que desatina sem doer; É um não querer mais que bem querer; É solitário andar por entre a gente; É nunca contentar-se de contente; É cuidar que se ganha em se perder; É querer estar preso por vontade; É servir a quem vence o vencedor; É ter com quem nos mata lealdade. Mas como causar pode seu favor Nos corações humanos amizade, Se tão contrário a si é o mesmo amor? Luís Vaz de Camões. Obras completas. Lisboa: Sá da Costa, 1971.
  • 17. 06. O texto I difere do texto II (A) na constatação de que o amor pode levar até à morte. (B) na rejeição da aceitação passiva do sofrimento amoroso. (C) (C) na exaltação da dor causada pelo sofrimento amoroso. (D) na expressão da beleza do sentimento dos que amam.