SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 40
Baixar para ler offline
SEGURANÇA DO PACIENTE PEDIÁTRICO
Enfa. Flávia Danyelle Oliveira Nunes
Profissional da
saúde não erra
Profissional
da saúde
não pode
errar
Segurança do Paciente
Redução do risco de danos desnecessários
associados a cuidados de saúde a um mínimo
aceitável.
(WHO, 2009)
FÍSICOS
PSICOLÓGICOS
SOCIAIS
Eventos Adversos
 complicações ou lesões não intencionais
decorrentes da assistência em saúde;
 sem correlação com a doença de base;
 ocasionam danos ou incapacidade, temporária
ou permanente;
(WHO, 2009)
Eventos Adversos
 danos psicológicos ou físicos;
 podem prolongar do tempo de internação ou
ocasionar a morte do indivíduo;
 podem ou não ser resultado de um erro;
 indicam falhas na segurança do paciente;
(WHO, 2009)
Eventos Adversos
 fator de qualidade da assistência em saúde;
 refletem o distanciamento entre o cuidado ideal
e o cuidado real;
(GALLOTTI, 2004)
Erro
É uma falha ao se executar uma ação
planejada conforme pretendida ou a aplicação de
um plano incorreto (WHO,2009).
(Fonte: http://www.assimpassei.com.br/wp-content/uploads/2012/09/papo_erro.jpg)
Abordagem centrada
no sistema
Erro
Abordagem centrada
na pessoa
Fonte: http://www.alagoas24horas.com.br/wp-
content/uploads/2010/03/bfc2d6135d274889bf3ee6d4b609d047_sinm
ed.jpg
(REASON, 2000)
Erro: abordagens
Abordagem centrada na pessoa
 ênfase aos atos inseguros praticados pelos
indivíduos;
 baseada no medo e na penalização;
 barreira para cultura de segurança e notificação
dos EAs.
(REASON, 2000)
Erro: abordagens
Erro: abordagens
Abordagem centrada no sistema
 o erro é inerente à condição humana;
 erros como consequências e não como causas;
 busca compreender como e por que ocorreram
os EAs.
(REASON, 2000)
Erro: abordagens
centrada no sistema
Erro: abordagens
Processos
Técnicos
Processos
Organizacionais
Ser Humano
Abordagem centrada
no sistema
Erro: abordagens
Cultura de segurança do
paciente
É o produto de valores, atitudes,
competências e padrões de comportamento
individuais e de grupo, os quais determinam o
compromisso, o estilo e a proficiência da gestão
de uma organização saudável e segura.
(ARDERN, 2012; HEALTH SAFETY COMISSION, 2013)
Cultura de segurança do
paciente: características
 todos os trabalhadores assumem
responsabilidade pela sua própria segurança,
pela segurança de seus colegas, pacientes e
familiares;
 prioriza a segurança acima de metas
financeiras e operacionais;
(PORTARIA MS/GM nº. 529/2013)
Cultura de segurança do
paciente: características
 encoraja e recompensa a identificação, a
notificação e a resolução dos problemas
relacionados à segurança;
 prioriza a segurança acima de metas
financeiras e operacionais;
(PORTARIA MS/GM nº. 529/2013)
Cultura de segurança do
paciente: características
 promove o aprendizado organizacional a partir
da ocorrência de incidentes;
 proporciona recursos, estrutura e
responsabilização para a manutenção efetiva
da segurança.
(PORTARIA MS/GM nº. 529/2013)
PNSP: protocolos
(PORTARIA MS/GM nº. 529/2013)
Identificação de Pacientes
 verificar a pulseira de identificação do
paciente;
 comparar: o nome do paciente certo com o
cuidado certo a dispensar;
(http://patientsafetycourse.org)
Identificação de Pacientes
 use no mínimo 2 dados de identificação: nome
e data de nascimento;
 incentive pacientes/familiares a participarem
da identificação;
Nomes
=
Identificação de Pacientes
 coloque etiquetas nos frascos de exames na
presença dos responsáveis pelo paciente;
 questione resultados de exames se não
coincidirem com o histórico clínico do paciente.
(http://patientsafetycourse.org)
Melhorar o processo de
comunicação
 tempo suficiente para comunicar as
informações e ambiente tranquilo.
(fonte: www.hospitalinfantil.saude.pr.gov.br)
Melhorar o processo de
comunicação
 comunique: o estado de
saúde do paciente,
medicamentos, exames,
tratamento, cuidados e
alterações na sua evolução;
 atenção aos conhecimentos
do paciente e cuidadores.
(http://patientsafetycourse.org)
Melhorar o processo de
comunicação
(GALVÃO, 2015)
Uso seguro de medicamentos
 dupla checagem e uso de nomes genéricos;
 armazenamento dos medicamentos: cores e
letras (http://patientsafetycourse.org, 2013)
Uso seguro de medicamentos
 educação: efetividade de medicamentos vo;
 uso único de dispositivos injetáveis;
(http://patientsafetycourse.org, 2013)
Ampolas de
dose única
Uso seguro de medicamentos
Atenção ao diluir e administrar a medicação
Utilizar bombas de infusão
soluções
concentradas
Uso seguro de medicamentos
Utilizar bombas de infusão
soluções
concentradas
Uso seguro de medicamentos
 checar com um colega:
cálculos de diluição, taxa
e via de administração
estão corretos;
 uso de etiqueta de
ATENÇÃO ALTO RISCO;
(http://patientsafetycourse.org, 2013)
Conexões corretas entre
sondas e cateteres
Ampolas de
dose única
Fonte: http://www.pc-100.com/pt/the-internet-of-things-can-save-50000-lives-a-year/
Conexões corretas entre
sondas e cateteres
 orientar paciente e seus familiares para não
conectar ou desconectar os dispositivos por
sua conta;
 uso de etiquetas de advertência nos cateteres
de alto risco;
(http://patientsafetycourse.org, 2013)
Conexões corretas entre
sondas e cateteres
Fonte: http://emedicine.medscape.com/article/1348931-
overview
Fonte:
http://www.fenixcursosecapacitacoes.com.br/p
ortal/agenda_de_curso/picc-cateter-central-de-
insercao-periferica-e-avvcu-acesso-venoso-
via-cateterismo-umbilical/
Conexões corretas entre
sondas e cateteres
 sempre refazer o caminho dos tubos de volta à
sua origem antes de conectar ou desconectar.
Admissões
Início do turno
Cirurgia segura
 Verificar: paciente certo, procedimento certo,
parte do corpo certa e se for o caso,
implantes/próteses certos;
 Participação do paciente/família no momento
de marcar a parte do corpo que será
submetida ao procedimento;
 Checklist de cirurgia segura.
Higienização das mãos
Higienização das mãos
Higienização das mãos
OBRIGADA!
[...] jamais poderemos extinguir a possibilidade
do erro, já que esta é uma característica imutável
no ser humano, mas podemos transformar o
ambiente no qual os seres humanos agem,
desenhando sistemas que tornem mais fácil
fazer o certo e mais difícil fazer o errado.
REASON

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do pacienteAula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do pacienteProqualis
 
Erros de medicação Prof° Gilberto de Jesus
 Erros de medicação Prof° Gilberto de Jesus Erros de medicação Prof° Gilberto de Jesus
Erros de medicação Prof° Gilberto de JesusGilberto de Jesus
 
Medicações e diluições em neonatologia
Medicações e diluições em neonatologiaMedicações e diluições em neonatologia
Medicações e diluições em neonatologiaLetícia Spina Tapia
 
Aula de eventos adversos aspectos introdutorios
Aula de eventos adversos   aspectos introdutoriosAula de eventos adversos   aspectos introdutorios
Aula de eventos adversos aspectos introdutoriosProqualis
 
Identificar os pacientes corretamente
Identificar os pacientes corretamenteIdentificar os pacientes corretamente
Identificar os pacientes corretamenteProqualis
 
Precauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalar
Precauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalarPrecauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalar
Precauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalarGrupo Ivan Ervilha
 
Indicadores para Monitoramento da Qualidade em Saúde - Foco na Segurança do P...
Indicadores para Monitoramento da Qualidade em Saúde - Foco na Segurança do P...Indicadores para Monitoramento da Qualidade em Saúde - Foco na Segurança do P...
Indicadores para Monitoramento da Qualidade em Saúde - Foco na Segurança do P...Proqualis
 
Prevenção e controle de infecção hospitalar em ambiente perioperatório
Prevenção e controle  de infecção hospitalar em  ambiente perioperatório Prevenção e controle  de infecção hospitalar em  ambiente perioperatório
Prevenção e controle de infecção hospitalar em ambiente perioperatório Ismael Soares
 
O diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mentalO diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mentalAroldo Gavioli
 
Melhorar a segurança no uso de medicação - Tópico 11_Guia Curricular da OMS
Melhorar a segurança no uso de medicação - Tópico 11_Guia Curricular da OMSMelhorar a segurança no uso de medicação - Tópico 11_Guia Curricular da OMS
Melhorar a segurança no uso de medicação - Tópico 11_Guia Curricular da OMSProqualis
 
Prevenção e controle de infecções- Tópico 9_Guia curricular da OMS
Prevenção e controle de infecções- Tópico 9_Guia curricular da OMSPrevenção e controle de infecções- Tópico 9_Guia curricular da OMS
Prevenção e controle de infecções- Tópico 9_Guia curricular da OMSProqualis
 
Aula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
Aula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo CruzAula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
Aula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo CruzProqualis
 
Segurança do paciente na atenção primária à saúde
Segurança do paciente na atenção primária à saúdeSegurança do paciente na atenção primária à saúde
Segurança do paciente na atenção primária à saúdeProqualis
 
Apresentação organização geladeiras
Apresentação organização geladeirasApresentação organização geladeiras
Apresentação organização geladeirasimunizacao
 
A importância da mudança442
A importância da mudança442A importância da mudança442
A importância da mudança442Naira Viana Viana
 
Aula Cirurgias Seguras Salvam Vidas
Aula Cirurgias Seguras Salvam VidasAula Cirurgias Seguras Salvam Vidas
Aula Cirurgias Seguras Salvam VidasProqualis
 

Mais procurados (20)

Aula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do pacienteAula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do paciente
 
Segurança do paciente
Segurança do pacienteSegurança do paciente
Segurança do paciente
 
Erros de medicação Prof° Gilberto de Jesus
 Erros de medicação Prof° Gilberto de Jesus Erros de medicação Prof° Gilberto de Jesus
Erros de medicação Prof° Gilberto de Jesus
 
Medicações e diluições em neonatologia
Medicações e diluições em neonatologiaMedicações e diluições em neonatologia
Medicações e diluições em neonatologia
 
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
 
Aula de eventos adversos aspectos introdutorios
Aula de eventos adversos   aspectos introdutoriosAula de eventos adversos   aspectos introdutorios
Aula de eventos adversos aspectos introdutorios
 
Identificar os pacientes corretamente
Identificar os pacientes corretamenteIdentificar os pacientes corretamente
Identificar os pacientes corretamente
 
Precauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalar
Precauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalarPrecauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalar
Precauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalar
 
Indicadores para Monitoramento da Qualidade em Saúde - Foco na Segurança do P...
Indicadores para Monitoramento da Qualidade em Saúde - Foco na Segurança do P...Indicadores para Monitoramento da Qualidade em Saúde - Foco na Segurança do P...
Indicadores para Monitoramento da Qualidade em Saúde - Foco na Segurança do P...
 
Prevenção e controle de infecção hospitalar em ambiente perioperatório
Prevenção e controle  de infecção hospitalar em  ambiente perioperatório Prevenção e controle  de infecção hospitalar em  ambiente perioperatório
Prevenção e controle de infecção hospitalar em ambiente perioperatório
 
O diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mentalO diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mental
 
4 aula souza
4 aula souza 4 aula souza
4 aula souza
 
Melhorar a segurança no uso de medicação - Tópico 11_Guia Curricular da OMS
Melhorar a segurança no uso de medicação - Tópico 11_Guia Curricular da OMSMelhorar a segurança no uso de medicação - Tópico 11_Guia Curricular da OMS
Melhorar a segurança no uso de medicação - Tópico 11_Guia Curricular da OMS
 
Prevenção e controle de infecções- Tópico 9_Guia curricular da OMS
Prevenção e controle de infecções- Tópico 9_Guia curricular da OMSPrevenção e controle de infecções- Tópico 9_Guia curricular da OMS
Prevenção e controle de infecções- Tópico 9_Guia curricular da OMS
 
Aula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
Aula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo CruzAula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
Aula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
 
Segurança do paciente na atenção primária à saúde
Segurança do paciente na atenção primária à saúdeSegurança do paciente na atenção primária à saúde
Segurança do paciente na atenção primária à saúde
 
Apresentação organização geladeiras
Apresentação organização geladeirasApresentação organização geladeiras
Apresentação organização geladeiras
 
A importância da mudança442
A importância da mudança442A importância da mudança442
A importância da mudança442
 
Aula Cirurgias Seguras Salvam Vidas
Aula Cirurgias Seguras Salvam VidasAula Cirurgias Seguras Salvam Vidas
Aula Cirurgias Seguras Salvam Vidas
 
Bioproteção e CCIH
Bioproteção e CCIHBioproteção e CCIH
Bioproteção e CCIH
 

Semelhante a Segurança do paciente pediátrico

Aula 3 programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...
Aula 3   programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...Aula 3   programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...
Aula 3 programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...Milena de Oliveira Matos Carvalho
 
A Inserção da Cultura de Segurança na Assistência de Enfermagem Pediátrica ...
A Inserção da Cultura de  Segurança na Assistência de Enfermagem Pediátrica  ...A Inserção da Cultura de  Segurança na Assistência de Enfermagem Pediátrica  ...
A Inserção da Cultura de Segurança na Assistência de Enfermagem Pediátrica ...Portal da Inovação em Saúde
 
10 passos seguranca_paciente
10 passos seguranca_paciente10 passos seguranca_paciente
10 passos seguranca_pacienteCamila Melo
 
Caderno_prevencao_controle_infeccao.pdf
Caderno_prevencao_controle_infeccao.pdfCaderno_prevencao_controle_infeccao.pdf
Caderno_prevencao_controle_infeccao.pdfCassianoOliveira8
 
Cultura de Segurança do Paciente por onde começar_Final.ppt
Cultura de Segurança do Paciente por onde começar_Final.pptCultura de Segurança do Paciente por onde começar_Final.ppt
Cultura de Segurança do Paciente por onde começar_Final.pptCeliaLourdes1
 
Cultura de Segurança do Paciente por onde começar_Final.ppt
Cultura de Segurança do Paciente por onde começar_Final.pptCultura de Segurança do Paciente por onde começar_Final.ppt
Cultura de Segurança do Paciente por onde começar_Final.pptAndriellyFernanda1
 
10 passos seguranca do paciente
10 passos seguranca do paciente10 passos seguranca do paciente
10 passos seguranca do pacienteAndrea Morelatto
 
10 passos seguranca paciente
10 passos seguranca paciente10 passos seguranca paciente
10 passos seguranca pacienteAlice Costa
 
10 passos seguranca_paciente
10 passos seguranca_paciente10 passos seguranca_paciente
10 passos seguranca_paciente07082001
 
aula 03 PNSP.pptx
aula 03 PNSP.pptxaula 03 PNSP.pptx
aula 03 PNSP.pptxKelengomez
 
Aula sobre segurança do paciente em pediatria
Aula sobre segurança do paciente em pediatriaAula sobre segurança do paciente em pediatria
Aula sobre segurança do paciente em pediatriaProqualis
 

Semelhante a Segurança do paciente pediátrico (20)

Aula 3 programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...
Aula 3   programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...Aula 3   programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...
Aula 3 programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...
 
A Inserção da Cultura de Segurança na Assistência de Enfermagem Pediátrica ...
A Inserção da Cultura de  Segurança na Assistência de Enfermagem Pediátrica  ...A Inserção da Cultura de  Segurança na Assistência de Enfermagem Pediátrica  ...
A Inserção da Cultura de Segurança na Assistência de Enfermagem Pediátrica ...
 
Segurança do Paciente em Unidades Neonatais
Segurança do Paciente em Unidades NeonataisSegurança do Paciente em Unidades Neonatais
Segurança do Paciente em Unidades Neonatais
 
10 passos seguranca_paciente
10 passos seguranca_paciente10 passos seguranca_paciente
10 passos seguranca_paciente
 
PACIENTE É O FOCO 2.pptx
PACIENTE É O FOCO 2.pptxPACIENTE É O FOCO 2.pptx
PACIENTE É O FOCO 2.pptx
 
Presentacinlibroseguridad pt
Presentacinlibroseguridad ptPresentacinlibroseguridad pt
Presentacinlibroseguridad pt
 
Elena bohomol
Elena bohomolElena bohomol
Elena bohomol
 
Caderno_prevencao_controle_infeccao.pdf
Caderno_prevencao_controle_infeccao.pdfCaderno_prevencao_controle_infeccao.pdf
Caderno_prevencao_controle_infeccao.pdf
 
Segurança do Paciente.pptx
Segurança do Paciente.pptxSegurança do Paciente.pptx
Segurança do Paciente.pptx
 
Parecer coren sp_2013_40
Parecer coren sp_2013_40Parecer coren sp_2013_40
Parecer coren sp_2013_40
 
Cultura de Segurança do Paciente por onde começar_Final.ppt
Cultura de Segurança do Paciente por onde começar_Final.pptCultura de Segurança do Paciente por onde começar_Final.ppt
Cultura de Segurança do Paciente por onde começar_Final.ppt
 
Cultura de Segurança do Paciente por onde começar_Final.ppt
Cultura de Segurança do Paciente por onde começar_Final.pptCultura de Segurança do Paciente por onde começar_Final.ppt
Cultura de Segurança do Paciente por onde começar_Final.ppt
 
Promovendo a Segurança do Cuidado ao Recém-nascido de Risco
Promovendo a Segurança do Cuidado ao Recém-nascido de RiscoPromovendo a Segurança do Cuidado ao Recém-nascido de Risco
Promovendo a Segurança do Cuidado ao Recém-nascido de Risco
 
10 passos seguranca_paciente_0
10 passos seguranca_paciente_010 passos seguranca_paciente_0
10 passos seguranca_paciente_0
 
10 passos seguranca do paciente
10 passos seguranca do paciente10 passos seguranca do paciente
10 passos seguranca do paciente
 
10 passos seguranca_paciente_0
10 passos seguranca_paciente_010 passos seguranca_paciente_0
10 passos seguranca_paciente_0
 
10 passos seguranca paciente
10 passos seguranca paciente10 passos seguranca paciente
10 passos seguranca paciente
 
10 passos seguranca_paciente
10 passos seguranca_paciente10 passos seguranca_paciente
10 passos seguranca_paciente
 
aula 03 PNSP.pptx
aula 03 PNSP.pptxaula 03 PNSP.pptx
aula 03 PNSP.pptx
 
Aula sobre segurança do paciente em pediatria
Aula sobre segurança do paciente em pediatriaAula sobre segurança do paciente em pediatria
Aula sobre segurança do paciente em pediatria
 

Último

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERTERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERCarlaDaniela33
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxcontatofelipearaujos
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaCristianodaRosa5
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
Aula Saúde da Criança e do Adolescente.pptx
Aula Saúde da Criança e do Adolescente.pptxAula Saúde da Criança e do Adolescente.pptx
Aula Saúde da Criança e do Adolescente.pptxIgrejaBblica1
 
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoAnatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoMarianaAnglicaMirand
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOMayaraDayube
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptAlberto205764
 
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfManual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfClivyFache
 
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdClivyFache
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 

Último (13)

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERTERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
 
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãosAplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
Aula Saúde da Criança e do Adolescente.pptx
Aula Saúde da Criança e do Adolescente.pptxAula Saúde da Criança e do Adolescente.pptx
Aula Saúde da Criança e do Adolescente.pptx
 
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoAnatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
 
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfManual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
 
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 

Segurança do paciente pediátrico

  • 1. SEGURANÇA DO PACIENTE PEDIÁTRICO Enfa. Flávia Danyelle Oliveira Nunes
  • 2. Profissional da saúde não erra Profissional da saúde não pode errar
  • 3. Segurança do Paciente Redução do risco de danos desnecessários associados a cuidados de saúde a um mínimo aceitável. (WHO, 2009) FÍSICOS PSICOLÓGICOS SOCIAIS
  • 4.
  • 5. Eventos Adversos  complicações ou lesões não intencionais decorrentes da assistência em saúde;  sem correlação com a doença de base;  ocasionam danos ou incapacidade, temporária ou permanente; (WHO, 2009)
  • 6. Eventos Adversos  danos psicológicos ou físicos;  podem prolongar do tempo de internação ou ocasionar a morte do indivíduo;  podem ou não ser resultado de um erro;  indicam falhas na segurança do paciente; (WHO, 2009)
  • 7. Eventos Adversos  fator de qualidade da assistência em saúde;  refletem o distanciamento entre o cuidado ideal e o cuidado real; (GALLOTTI, 2004)
  • 8. Erro É uma falha ao se executar uma ação planejada conforme pretendida ou a aplicação de um plano incorreto (WHO,2009). (Fonte: http://www.assimpassei.com.br/wp-content/uploads/2012/09/papo_erro.jpg)
  • 9. Abordagem centrada no sistema Erro Abordagem centrada na pessoa Fonte: http://www.alagoas24horas.com.br/wp- content/uploads/2010/03/bfc2d6135d274889bf3ee6d4b609d047_sinm ed.jpg (REASON, 2000)
  • 10. Erro: abordagens Abordagem centrada na pessoa  ênfase aos atos inseguros praticados pelos indivíduos;  baseada no medo e na penalização;  barreira para cultura de segurança e notificação dos EAs. (REASON, 2000)
  • 12. Erro: abordagens Abordagem centrada no sistema  o erro é inerente à condição humana;  erros como consequências e não como causas;  busca compreender como e por que ocorreram os EAs. (REASON, 2000)
  • 16. Cultura de segurança do paciente É o produto de valores, atitudes, competências e padrões de comportamento individuais e de grupo, os quais determinam o compromisso, o estilo e a proficiência da gestão de uma organização saudável e segura. (ARDERN, 2012; HEALTH SAFETY COMISSION, 2013)
  • 17. Cultura de segurança do paciente: características  todos os trabalhadores assumem responsabilidade pela sua própria segurança, pela segurança de seus colegas, pacientes e familiares;  prioriza a segurança acima de metas financeiras e operacionais; (PORTARIA MS/GM nº. 529/2013)
  • 18. Cultura de segurança do paciente: características  encoraja e recompensa a identificação, a notificação e a resolução dos problemas relacionados à segurança;  prioriza a segurança acima de metas financeiras e operacionais; (PORTARIA MS/GM nº. 529/2013)
  • 19. Cultura de segurança do paciente: características  promove o aprendizado organizacional a partir da ocorrência de incidentes;  proporciona recursos, estrutura e responsabilização para a manutenção efetiva da segurança. (PORTARIA MS/GM nº. 529/2013)
  • 21. Identificação de Pacientes  verificar a pulseira de identificação do paciente;  comparar: o nome do paciente certo com o cuidado certo a dispensar; (http://patientsafetycourse.org)
  • 22. Identificação de Pacientes  use no mínimo 2 dados de identificação: nome e data de nascimento;  incentive pacientes/familiares a participarem da identificação; Nomes =
  • 23. Identificação de Pacientes  coloque etiquetas nos frascos de exames na presença dos responsáveis pelo paciente;  questione resultados de exames se não coincidirem com o histórico clínico do paciente. (http://patientsafetycourse.org)
  • 24. Melhorar o processo de comunicação  tempo suficiente para comunicar as informações e ambiente tranquilo. (fonte: www.hospitalinfantil.saude.pr.gov.br)
  • 25. Melhorar o processo de comunicação  comunique: o estado de saúde do paciente, medicamentos, exames, tratamento, cuidados e alterações na sua evolução;  atenção aos conhecimentos do paciente e cuidadores. (http://patientsafetycourse.org)
  • 26. Melhorar o processo de comunicação (GALVÃO, 2015)
  • 27. Uso seguro de medicamentos  dupla checagem e uso de nomes genéricos;  armazenamento dos medicamentos: cores e letras (http://patientsafetycourse.org, 2013)
  • 28. Uso seguro de medicamentos  educação: efetividade de medicamentos vo;  uso único de dispositivos injetáveis; (http://patientsafetycourse.org, 2013) Ampolas de dose única
  • 29. Uso seguro de medicamentos Atenção ao diluir e administrar a medicação Utilizar bombas de infusão soluções concentradas
  • 30. Uso seguro de medicamentos Utilizar bombas de infusão soluções concentradas
  • 31. Uso seguro de medicamentos  checar com um colega: cálculos de diluição, taxa e via de administração estão corretos;  uso de etiqueta de ATENÇÃO ALTO RISCO; (http://patientsafetycourse.org, 2013)
  • 32. Conexões corretas entre sondas e cateteres Ampolas de dose única Fonte: http://www.pc-100.com/pt/the-internet-of-things-can-save-50000-lives-a-year/
  • 33. Conexões corretas entre sondas e cateteres  orientar paciente e seus familiares para não conectar ou desconectar os dispositivos por sua conta;  uso de etiquetas de advertência nos cateteres de alto risco; (http://patientsafetycourse.org, 2013)
  • 34. Conexões corretas entre sondas e cateteres Fonte: http://emedicine.medscape.com/article/1348931- overview Fonte: http://www.fenixcursosecapacitacoes.com.br/p ortal/agenda_de_curso/picc-cateter-central-de- insercao-periferica-e-avvcu-acesso-venoso- via-cateterismo-umbilical/
  • 35. Conexões corretas entre sondas e cateteres  sempre refazer o caminho dos tubos de volta à sua origem antes de conectar ou desconectar. Admissões Início do turno
  • 36. Cirurgia segura  Verificar: paciente certo, procedimento certo, parte do corpo certa e se for o caso, implantes/próteses certos;  Participação do paciente/família no momento de marcar a parte do corpo que será submetida ao procedimento;  Checklist de cirurgia segura.
  • 40. OBRIGADA! [...] jamais poderemos extinguir a possibilidade do erro, já que esta é uma característica imutável no ser humano, mas podemos transformar o ambiente no qual os seres humanos agem, desenhando sistemas que tornem mais fácil fazer o certo e mais difícil fazer o errado. REASON