SlideShare uma empresa Scribd logo
SALMONELOSE
Salmonelose é uma doença infecciosa provocada por um
grupo de bactérias do gênero Salmonella, que é um bacilo
gram negativo pertencente à família Enterobacteriaceae,
existindo muitos tipos diferentes dessas bactérias, e cujos
reservatórios principais são o trato intestinal dos homens
e dos animais.
CARACTERISTICAS:
As células têm a forma de bastonetes (bacilos)
imóveis ou móveis por flagelos.
As condições que permitem o seu crescimento e sobrevivência:
• PH - Não resistem a PH inferior a 4,0 e maior que 9,0. Crescimento ótimo em
PH entre 6,0 e 7,5.
• TEMPERATURA - Conseguem crescer em ambientes com temperaturas entre 7
e 48°C, mas ideal entre 35 e 37°C, sendo destruídas a temperaturas acima dos
60ºC, e não apresentando crescimento sob temperaturas abaixo de 5ºC, mas
são extremamente resistentes à congelação.
• OXIGÉNIO - São anaeróbias facultativas.
• AW - Crescimento é em atividade de água baixa.
• Não produzem esporos.
• Não toleram concentração de sal superiores a 9%.
• As salmonelas são extremamente resistentes à secura.
• As salmonelas são destruídas por pasteurização, mas teores elevados de gordura e
baixas AW reduzem a eficácia dos tratamentos térmicos.
• A salmonela é destruída por irradiação. A presença de oxigénio aumenta o efeito
letal da irradiação.
1. Salmonella arizonae;
2. Salmonella bongori;
3. Salmonella choleraesuis;
4. Salmonella enteritidis;
5. Salmonella paratyphi;
6. Salmonella typhi;
7. Salmonella typhimurium;
8. Salmonella entérica;
9. Salmonella subterránea.
ESPÉCIES:
Salmonella choleraesuis
Salmonella enteritidis
Salmonella paratyphi
Salmonella entérica Salmonella typhimurium
Salmonella typhi
Salmonella bongori Salmonella arizonae
Pesquisas realizadas no site: http://www.bacterio.net, foram citados
9 tipos de espécies e 14 subespécies.
Com exceção da Salmonela typhi, bactéria causadora da Febre tifóide e da Salmonella
para typhi, que provoca a Febre paratifóide, praticamente todas as outras salmonelas
são causadoras de infecções bacterianas, chamadas de Salmoneloses.
Na febre tifóide, forma de salmonelose causada pela Salmonella typhi, as bactérias são
transportadas pelos vasos linfáticos e vasos sanguíneos, atingindo órgãos importantes,
como fígado, baços, bexiga, medula óssea e vesícula biliar, onde podem resistir por
toda a vida.
TOXINAS:
São substâncias produzidas pelos microrganismos, que danificam ou lesam as células
ou tecidos do hospedeiro.
As salmonelas produzem endotoxinas.
Endotoxina é um lipopolissacarídeo (LPS) componente da parede celular das
bactérias gram-negativas.
São toxinas encontradas no interior da célula bacteriana, que são liberadas quando a
célula rompe-se e são causadoras da doença e maior responsável por sua
multiplicação.
As principais doenças causadas por endotoxinas são: febre tifóide, infecções no trato
urinário e meningite meningocócica.
As toxinfecções alimentares acometem principalmente crianças e idosos e
indivíduos imunedeprimidos.
Cuidados redobrados no meses mais quentes.
As causas que fazem com que um alimento se torne impróprio para o consumo,
geralmente são:
◦ Temperatura de conservação inadequada;
◦ Falta de higiene em seu preparo e ou conservação,
◦ Utilização de alimentos de origem duvidosa, principalmente perecíveis.
A Salmonella é transmitida ao homem através da ingestão de alimentos contaminados com
fezes animais.
SINAIS E SINTOMAS:
A maior parte das pessoas infectadas com Salmonella apresenta:
* Náuseas e vômitos por mais de 24 horas;
* Diarreia intensa por mais de 3 dias;
* Febre acima de 38º C e arrepios;
* Sangue nas fezes;
* Dor de barriga;
* Dor de cabeça.
Estas manifestações iniciam de 12 a 72 horas após a infecção. A doença dura de 4 a 7
dias e a maioria das pessoas se recupera sem tratamento.
TRATAMENTO:
A infecção por Salmonella usualmente dura de 5 a 7 dias e frequentemente não é
necessário tratamento, sendo suficiente as medidas de suporte e conforto ao
paciente.
Pessoas com diarréia severa devem ser reidratadas através da administração
endovenosa de soro.
Os casos graves, em que a infecção se difunde, devem ser tratados com antibióticos.
CONSEQÜÊNCIAS:
Um pequeno número de pessoas infectadas com salmonela pode desenvolver dor
nas articulações, irritação nos olhos e urinação dolorosa.
Isso é chamado de síndrome de Reiter, a qual pode durar meses ou anos e
ocasionar artrite crônica.
O tratamento por antibióticos não influencia se a pessoa desenvolverá artrite
posteriormente.
ALIMENTOS QUE PODEM SER CONTAMINADOS PELA SALMONELLA
Salmonella
Salmonella
MEDIDAS SANITÁRIAS:
• Notificação compulsória.
• Campanhas de prevenção para a população em geral.
• Melhoria do saneamento básico.
• Conscientização de higiene individual das pessoas que manipulam alimentos, principalmente em relação à
lavagem das mãos.
• Identificar, retirar de circulação e destruir alimentos contaminados.
• Fiscalização por parte das autoridades sanitárias dos alimentos refrigerados.
• Fiscalização por partes das autoridades sanitárias dos animais destinados ao consumo popular, dos
açougues e das casas que vendem alimentos.
• Exigir proteção dos alimentos expostos ao público.
• Exames periódicos nos funcionários que trabalham na área de alimentação, tanto na industrialização,
fabricação, manipulação e atendimento ao público.
• Investigar diarreias em recém-nascidos, uma vez que a doença é comum antes do primeiro ano de idade.
Salmonella

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
Caroline Landim
 
Parasitoses Intestinais
Parasitoses IntestinaisParasitoses Intestinais
Parasitoses Intestinais
Jonas Cesar Andrade Barbosa
 
Introdução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaIntrodução a Parasitologia
Introdução a Parasitologia
Safia Naser
 
Aula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia BásicaAula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia Básica
Jaqueline Almeida
 
Leishmaniose
Leishmaniose Leishmaniose
Leishmaniose
3a2011
 
Aula sobre resistência microbiana
Aula sobre resistência microbianaAula sobre resistência microbiana
Aula sobre resistência microbiana
Proqualis
 
Prova microbiologia b1
Prova microbiologia b1Prova microbiologia b1
Prova microbiologia b1
Ana Claudia Rodrigues
 
Aula 01 Introdução a Microbiologia
Aula 01   Introdução a MicrobiologiaAula 01   Introdução a Microbiologia
Aula 01 Introdução a Microbiologia
Tiago da Silva
 
Arboviroses
ArbovirosesArboviroses
Arboviroses
Hugo Costa
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
Brunno Lemes de Melo
 
Segurança alimentar
Segurança alimentarSegurança alimentar
Segurança alimentar
Maria João Damas Carvalho
 
Ancilostomídeos
AncilostomídeosAncilostomídeos
Ancilostomídeos
Beatriz Henkels
 
Doenças Causadas Por Bactérias
Doenças Causadas Por BactériasDoenças Causadas Por Bactérias
Doenças Causadas Por Bactérias
Simone Miranda
 
Leishmaniose visceral
Leishmaniose visceralLeishmaniose visceral
Leishmaniose visceral
HIAGO SANTOS
 
Doenças causadas por protozoários
Doenças causadas por protozoáriosDoenças causadas por protozoários
Doenças causadas por protozoários
Marcos Santos
 
Doença de Chagas
Doença de ChagasDoença de Chagas
Doença de Chagas
Kelton Silva Sena
 
Epidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveisEpidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveis
Ricardo Alanís
 
Conhecendo o que é zoonoses
Conhecendo o que é zoonosesConhecendo o que é zoonoses
Conhecendo o que é zoonoses
Dessa Reis
 
Doença de chagas
Doença de chagas Doença de chagas
Doença de chagas
certificado1
 
H Pilori
H PiloriH Pilori
H Pilori
Safia Naser
 

Mais procurados (20)

Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
 
Parasitoses Intestinais
Parasitoses IntestinaisParasitoses Intestinais
Parasitoses Intestinais
 
Introdução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaIntrodução a Parasitologia
Introdução a Parasitologia
 
Aula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia BásicaAula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia Básica
 
Leishmaniose
Leishmaniose Leishmaniose
Leishmaniose
 
Aula sobre resistência microbiana
Aula sobre resistência microbianaAula sobre resistência microbiana
Aula sobre resistência microbiana
 
Prova microbiologia b1
Prova microbiologia b1Prova microbiologia b1
Prova microbiologia b1
 
Aula 01 Introdução a Microbiologia
Aula 01   Introdução a MicrobiologiaAula 01   Introdução a Microbiologia
Aula 01 Introdução a Microbiologia
 
Arboviroses
ArbovirosesArboviroses
Arboviroses
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
 
Segurança alimentar
Segurança alimentarSegurança alimentar
Segurança alimentar
 
Ancilostomídeos
AncilostomídeosAncilostomídeos
Ancilostomídeos
 
Doenças Causadas Por Bactérias
Doenças Causadas Por BactériasDoenças Causadas Por Bactérias
Doenças Causadas Por Bactérias
 
Leishmaniose visceral
Leishmaniose visceralLeishmaniose visceral
Leishmaniose visceral
 
Doenças causadas por protozoários
Doenças causadas por protozoáriosDoenças causadas por protozoários
Doenças causadas por protozoários
 
Doença de Chagas
Doença de ChagasDoença de Chagas
Doença de Chagas
 
Epidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveisEpidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveis
 
Conhecendo o que é zoonoses
Conhecendo o que é zoonosesConhecendo o que é zoonoses
Conhecendo o que é zoonoses
 
Doença de chagas
Doença de chagas Doença de chagas
Doença de chagas
 
H Pilori
H PiloriH Pilori
H Pilori
 

Destaque

Metabolismo del glucógeno
Metabolismo del glucógenoMetabolismo del glucógeno
Metabolismo del glucógeno
Bárbara Soto Dávila
 
Salmonella
SalmonellaSalmonella
Salmonella
SalmonellaSalmonella
Salmonelosis
SalmonelosisSalmonelosis
Salmonelosis
Ismael E. E.
 
Enterobactérias
EnterobactériasEnterobactérias
Enterobactérias
Priscilla Meira
 
Microbiologia seminário - família enterobacteriaceae
Microbiologia   seminário - família enterobacteriaceaeMicrobiologia   seminário - família enterobacteriaceae
Microbiologia seminário - família enterobacteriaceae
Filho João Evangelista
 
Salmonelosis
SalmonelosisSalmonelosis
Salmonelosis
Laura CorZa
 
Enterobactérias
EnterobactériasEnterobactérias
Enterobactérias
Renata Carvalho
 
Salmonella
SalmonellaSalmonella
Salmonelosis
SalmonelosisSalmonelosis
Salmonelosis
espinon
 
Salmonella
SalmonellaSalmonella
Salmonella
Gopi sankar
 
Salmonella
SalmonellaSalmonella
Salmonella
prakashtu
 
Diapositivas salmonella..
Diapositivas salmonella..Diapositivas salmonella..
Diapositivas salmonella..
Mario Alberto Caviedes Cleves
 
Salmonella
SalmonellaSalmonella

Destaque (14)

Metabolismo del glucógeno
Metabolismo del glucógenoMetabolismo del glucógeno
Metabolismo del glucógeno
 
Salmonella
SalmonellaSalmonella
Salmonella
 
Salmonella
SalmonellaSalmonella
Salmonella
 
Salmonelosis
SalmonelosisSalmonelosis
Salmonelosis
 
Enterobactérias
EnterobactériasEnterobactérias
Enterobactérias
 
Microbiologia seminário - família enterobacteriaceae
Microbiologia   seminário - família enterobacteriaceaeMicrobiologia   seminário - família enterobacteriaceae
Microbiologia seminário - família enterobacteriaceae
 
Salmonelosis
SalmonelosisSalmonelosis
Salmonelosis
 
Enterobactérias
EnterobactériasEnterobactérias
Enterobactérias
 
Salmonella
SalmonellaSalmonella
Salmonella
 
Salmonelosis
SalmonelosisSalmonelosis
Salmonelosis
 
Salmonella
SalmonellaSalmonella
Salmonella
 
Salmonella
SalmonellaSalmonella
Salmonella
 
Diapositivas salmonella..
Diapositivas salmonella..Diapositivas salmonella..
Diapositivas salmonella..
 
Salmonella
SalmonellaSalmonella
Salmonella
 

Semelhante a Salmonella

Enterobactérias
EnterobactériasEnterobactérias
Enterobactérias
Priscilla Meira
 
Doencas de Veiculacao Hidrica
Doencas de Veiculacao HidricaDoencas de Veiculacao Hidrica
Doencas de Veiculacao Hidrica
Odair Medrado
 
Apresentação de biologia!
Apresentação de biologia!Apresentação de biologia!
Apresentação de biologia!
2° Ta - cotuca
 
Shigella!
Shigella!Shigella!
Shigella!
Carla Carvalho
 
Feira da cultura
Feira da culturaFeira da cultura
Doenças-Biologia-COTUCA
Doenças-Biologia-COTUCADoenças-Biologia-COTUCA
Doenças-Biologia-COTUCA
eld09
 
Trabalho de Biologia
Trabalho de BiologiaTrabalho de Biologia
Trabalho de Biologia
2° Ta - cotuca
 
Doenças causadas por água contaminada
Doenças causadas por água contaminadaDoenças causadas por água contaminada
Doenças causadas por água contaminada
Samuel Coelho
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
professorbevilacqua
 
Doenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptx
Doenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptxDoenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptx
Doenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptx
RaquelOlimpio1
 
Doenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptx
Doenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptxDoenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptx
Doenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptx
RaquelOlimpio1
 
saude publica.pdf
saude publica.pdfsaude publica.pdf
saude publica.pdf
ANA FONSECA
 
Amebíase e toxoplasmose
Amebíase e toxoplasmoseAmebíase e toxoplasmose
Amebíase e toxoplasmose
Murderdoll_Natty
 
Trab de biologia
Trab de biologiaTrab de biologia
Trab de biologia
2° Ta - cotuca
 
Protozoários e Algas
Protozoários e AlgasProtozoários e Algas
Protozoários e Algas
Simone Miranda
 
Saneamento
SaneamentoSaneamento
Saneamento
Adriano Antonholi
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
ISJ
 
7º ano cap 7 reino protoctistas
7º ano cap 7  reino protoctistas7º ano cap 7  reino protoctistas
7º ano cap 7 reino protoctistas
ISJ
 
Aula de bacterias pdf104201112530
Aula de bacterias pdf104201112530Aula de bacterias pdf104201112530
Aula de bacterias pdf104201112530
Jerson Dos Santos
 
Enterobacteriaceae e vibrionaceae
Enterobacteriaceae e vibrionaceaeEnterobacteriaceae e vibrionaceae
Enterobacteriaceae e vibrionaceae
Danillo Paulo da Silva
 

Semelhante a Salmonella (20)

Enterobactérias
EnterobactériasEnterobactérias
Enterobactérias
 
Doencas de Veiculacao Hidrica
Doencas de Veiculacao HidricaDoencas de Veiculacao Hidrica
Doencas de Veiculacao Hidrica
 
Apresentação de biologia!
Apresentação de biologia!Apresentação de biologia!
Apresentação de biologia!
 
Shigella!
Shigella!Shigella!
Shigella!
 
Feira da cultura
Feira da culturaFeira da cultura
Feira da cultura
 
Doenças-Biologia-COTUCA
Doenças-Biologia-COTUCADoenças-Biologia-COTUCA
Doenças-Biologia-COTUCA
 
Trabalho de Biologia
Trabalho de BiologiaTrabalho de Biologia
Trabalho de Biologia
 
Doenças causadas por água contaminada
Doenças causadas por água contaminadaDoenças causadas por água contaminada
Doenças causadas por água contaminada
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
Doenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptx
Doenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptxDoenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptx
Doenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptx
 
Doenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptx
Doenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptxDoenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptx
Doenças transmitidas pela falta de tratamento da água.pptx
 
saude publica.pdf
saude publica.pdfsaude publica.pdf
saude publica.pdf
 
Amebíase e toxoplasmose
Amebíase e toxoplasmoseAmebíase e toxoplasmose
Amebíase e toxoplasmose
 
Trab de biologia
Trab de biologiaTrab de biologia
Trab de biologia
 
Protozoários e Algas
Protozoários e AlgasProtozoários e Algas
Protozoários e Algas
 
Saneamento
SaneamentoSaneamento
Saneamento
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
7º ano cap 7 reino protoctistas
7º ano cap 7  reino protoctistas7º ano cap 7  reino protoctistas
7º ano cap 7 reino protoctistas
 
Aula de bacterias pdf104201112530
Aula de bacterias pdf104201112530Aula de bacterias pdf104201112530
Aula de bacterias pdf104201112530
 
Enterobacteriaceae e vibrionaceae
Enterobacteriaceae e vibrionaceaeEnterobacteriaceae e vibrionaceae
Enterobacteriaceae e vibrionaceae
 

Último

quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 

Último (20)

quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 

Salmonella

  • 2. Salmonelose é uma doença infecciosa provocada por um grupo de bactérias do gênero Salmonella, que é um bacilo gram negativo pertencente à família Enterobacteriaceae, existindo muitos tipos diferentes dessas bactérias, e cujos reservatórios principais são o trato intestinal dos homens e dos animais.
  • 3. CARACTERISTICAS: As células têm a forma de bastonetes (bacilos) imóveis ou móveis por flagelos.
  • 4. As condições que permitem o seu crescimento e sobrevivência: • PH - Não resistem a PH inferior a 4,0 e maior que 9,0. Crescimento ótimo em PH entre 6,0 e 7,5. • TEMPERATURA - Conseguem crescer em ambientes com temperaturas entre 7 e 48°C, mas ideal entre 35 e 37°C, sendo destruídas a temperaturas acima dos 60ºC, e não apresentando crescimento sob temperaturas abaixo de 5ºC, mas são extremamente resistentes à congelação. • OXIGÉNIO - São anaeróbias facultativas.
  • 5. • AW - Crescimento é em atividade de água baixa. • Não produzem esporos. • Não toleram concentração de sal superiores a 9%. • As salmonelas são extremamente resistentes à secura. • As salmonelas são destruídas por pasteurização, mas teores elevados de gordura e baixas AW reduzem a eficácia dos tratamentos térmicos. • A salmonela é destruída por irradiação. A presença de oxigénio aumenta o efeito letal da irradiação.
  • 6. 1. Salmonella arizonae; 2. Salmonella bongori; 3. Salmonella choleraesuis; 4. Salmonella enteritidis; 5. Salmonella paratyphi; 6. Salmonella typhi; 7. Salmonella typhimurium; 8. Salmonella entérica; 9. Salmonella subterránea. ESPÉCIES: Salmonella choleraesuis Salmonella enteritidis Salmonella paratyphi Salmonella entérica Salmonella typhimurium Salmonella typhi Salmonella bongori Salmonella arizonae Pesquisas realizadas no site: http://www.bacterio.net, foram citados 9 tipos de espécies e 14 subespécies.
  • 7. Com exceção da Salmonela typhi, bactéria causadora da Febre tifóide e da Salmonella para typhi, que provoca a Febre paratifóide, praticamente todas as outras salmonelas são causadoras de infecções bacterianas, chamadas de Salmoneloses. Na febre tifóide, forma de salmonelose causada pela Salmonella typhi, as bactérias são transportadas pelos vasos linfáticos e vasos sanguíneos, atingindo órgãos importantes, como fígado, baços, bexiga, medula óssea e vesícula biliar, onde podem resistir por toda a vida.
  • 8. TOXINAS: São substâncias produzidas pelos microrganismos, que danificam ou lesam as células ou tecidos do hospedeiro. As salmonelas produzem endotoxinas. Endotoxina é um lipopolissacarídeo (LPS) componente da parede celular das bactérias gram-negativas. São toxinas encontradas no interior da célula bacteriana, que são liberadas quando a célula rompe-se e são causadoras da doença e maior responsável por sua multiplicação. As principais doenças causadas por endotoxinas são: febre tifóide, infecções no trato urinário e meningite meningocócica.
  • 9. As toxinfecções alimentares acometem principalmente crianças e idosos e indivíduos imunedeprimidos. Cuidados redobrados no meses mais quentes. As causas que fazem com que um alimento se torne impróprio para o consumo, geralmente são: ◦ Temperatura de conservação inadequada; ◦ Falta de higiene em seu preparo e ou conservação, ◦ Utilização de alimentos de origem duvidosa, principalmente perecíveis.
  • 10. A Salmonella é transmitida ao homem através da ingestão de alimentos contaminados com fezes animais.
  • 11. SINAIS E SINTOMAS: A maior parte das pessoas infectadas com Salmonella apresenta: * Náuseas e vômitos por mais de 24 horas; * Diarreia intensa por mais de 3 dias; * Febre acima de 38º C e arrepios; * Sangue nas fezes; * Dor de barriga; * Dor de cabeça. Estas manifestações iniciam de 12 a 72 horas após a infecção. A doença dura de 4 a 7 dias e a maioria das pessoas se recupera sem tratamento.
  • 12. TRATAMENTO: A infecção por Salmonella usualmente dura de 5 a 7 dias e frequentemente não é necessário tratamento, sendo suficiente as medidas de suporte e conforto ao paciente. Pessoas com diarréia severa devem ser reidratadas através da administração endovenosa de soro. Os casos graves, em que a infecção se difunde, devem ser tratados com antibióticos.
  • 13. CONSEQÜÊNCIAS: Um pequeno número de pessoas infectadas com salmonela pode desenvolver dor nas articulações, irritação nos olhos e urinação dolorosa. Isso é chamado de síndrome de Reiter, a qual pode durar meses ou anos e ocasionar artrite crônica. O tratamento por antibióticos não influencia se a pessoa desenvolverá artrite posteriormente.
  • 14. ALIMENTOS QUE PODEM SER CONTAMINADOS PELA SALMONELLA
  • 17. MEDIDAS SANITÁRIAS: • Notificação compulsória. • Campanhas de prevenção para a população em geral. • Melhoria do saneamento básico. • Conscientização de higiene individual das pessoas que manipulam alimentos, principalmente em relação à lavagem das mãos. • Identificar, retirar de circulação e destruir alimentos contaminados. • Fiscalização por parte das autoridades sanitárias dos alimentos refrigerados. • Fiscalização por partes das autoridades sanitárias dos animais destinados ao consumo popular, dos açougues e das casas que vendem alimentos. • Exigir proteção dos alimentos expostos ao público. • Exames periódicos nos funcionários que trabalham na área de alimentação, tanto na industrialização, fabricação, manipulação e atendimento ao público. • Investigar diarreias em recém-nascidos, uma vez que a doença é comum antes do primeiro ano de idade.