SlideShare uma empresa Scribd logo
ROMANTISMO
Leitura e Produção de Textos
Romantismo
Românticos
(VanderLee)
Românticos são poucos
Românticos são loucos
Desvairados
Que querem ser o outro
Que pensam que
o outro
é o paraíso...
Românticos
são lindos
Românticos
são limpos
E pirados
Que choram com
baladas
Que amam sem
vergonha
E sem juízo...
O CONTEXTO
Rebeldia e inconformismo
Repúdio às regras.
Leitura e Produção de Textos
Rejeição aos
modelos Clássicos
Gerações Poéticas
Romantismo
Exaltaçãoda
Natureza
Medievalismo
Sentimentalismo
1ª Geração
Em cismar, sozinho, à noite,
Mais prazer eu encontro lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá;
As aves, que aqui gorjeiam,
Não gorjeiam como lá.
Nosso céu tem mais estrelas,
Nossas várzeas têm mais
flores,
Nossos bosques têm mais vida,
Nossa vida mais amores.
Canção
do Exílio
Gonçalves Dias
Gonçalves Dias
“Meu canto de morte,
Guerreiros, ouvi:
Sou filho das selvas,
Nas selvascresci;
Guerreiros, descendo
Da tribo tupi. Da tribo pujante,
Que agora anda errante
Por fado inconstante,
Guerreiros, nasci;
Sou bravo, sou forte,
Sou filho do Norte;
Meu canto de morte,
Guerreiros, ouvi.”
Segunda Geração
- Ultrarromantismo -
Spleen
"Quando não há o amor, há o vinho; quando
não há o vinho, há o fumo; e quando não há
amor, nem vinho, nem fumo, há o spleen.
Gosto mais de uma garrafa de vinho que de
um poema."
Álvares de Azevedo
Sol dos Insones
Lord Byron
Sol dos insones! Ó astro de melancolia!
Arde teu raio em pranto, longe a tremular,
E expões a treva que não podes dissipar:
Que semelhante és à lembrança da alegria!
Assim raia o passado, a luz de tanto dia,
Que brilha sem com raios fracos aquecer;
Noturna, uma tristeza vela para ver,
Distinta mas distante-clara-mas que fria!
Álvares de
Azevedo
Oh!ter vinte anos sem gozar deleve
A ventura deuma alma dedonzela!
E sem na vida ter sentido nunca
Na suave atração deum róseo corpo
Meus olhos turvos se fechar degozo!
Oh!nos meussonhos, pelas noites minhas
Passam tantas visões sobre meu peito!
Palor defebre meusemblante cobre,
Bate meucoração com tanto fogo!
Um doce nome os lábios meus suspiram,
Um nome demulher .. e vejo lânguida
No véu suavede amorosas sombras
Seminua, abatida, a mão noseio,
Perfumada visão rompera nuvem,
Sentar-se junto a mim, nas minhas pálpebras
O alentofresco e levecomoa vida
Passar delicioso. . .Quedelírios!
Acordo palpitante . .inda a procuro;
Embalde a chamo, embalde as minhas
lágrimas
Banham meusolhos, e suspiro e gemo...
Imploro uma ilusão. . .tudo é silêncio!
Só o leito deserto, a sala muda!
Amorosa visão, mulher dos sonhos,
Eu sou tão infeliz, eusofro tanto!
Nunca virás iluminar meupeito
Com um raio de luz desses teus olhos?
Casimiro de Abreu
O poeta ingênuo
Meus Oito Anos
Oh ! que saudades que eu tenho
Da aurora da minha vida,
Da minha infância querida
Que os anos não trazemmais !
Que amor, que sonhos, que flores,
Naquelas tardes fagueiras
À sombra das bananeiras,
Debaixo dos laranjais !
Condoreirismo
Poesia social
Castro Alves
POESIA
LÍRICO-AMOROSA
Sensualidade
Boa noite
Veux-tu donc partir? Le jour est encore éloigné:
C'était le rossignol et non pas l'alouette,
Dont le chant a frappé ton oreílle inquiète;
Il chante Ia nuit sur les branches de ce granadier
Crois-moi, cher ami, c'était le rossignol.
Shakespeare
Boa noite, Maria! Eu vou,me embora.
A lua nas janelas bate em cheio.
Boa noite, Maria! É tarde... é tarde. .
Não me apertes assim contra teu seio.
Boa noite! ... E tu dizes - Boa noite.
Mas não digas assim por entre beijos...
Mas não mo digas descobrindo o peito,
- Mar de amor onde vagam meus desejos!
Julieta do céu! Ouve... a calhandra
já rumoreja o canto da matina.
Tu dizes que eu menti? ... pois foi mentira...
Quem cantou foi teu hálito, divina!
Se a estrela-d'alva os derradeiros raios
Derrama nos jardins do Capuleto,
Eu direi, me esquecendo d'alvorada:
"É noite ainda em teu cabelo preto..."
Leitura e Produção de Textos
É noite ainda! Brilha na cambraia
- Desmanchado o roupão, a espádua nua
O globo de teu peito entre os arminhos
Como entre as névoas se balouça a lua. . .
É noite, pois! Durmamos, Julieta!
Recende a alcova ao trescalar das flores.
Fechemos sobre nós estas cortinas...
- São as asas do arcanjo dos amores.
A frouxa luz da alabastrina lâmpada
Lambe voluptuosa os teus contornos...
Oh! Deixa-me aquecer teus pés divinos
Ao doudo afago de meus lábios mornos.
Mulher do meu amor! Quando aos meus beijos
Treme tua alma, como a lira ao vento,
Das teclas de teu seio que harmonias,
Que escalas de suspiros, bebo atento!
Ai! Canta a cavatina do delírio,
Ri, suspira, soluça, anseia e chora. . .
Marion! Marion!... É noite ainda.
Que importa os raios de uma nova aurora?!...
Como um negro e sombrio firmamento,
Sobre mim desenrola teu cabelo...
E deixa-me dormir balbuciando:
- Boa noite! - formosa Consuelo.
Poesia abolicionista
Leitura e Produção de Textos
O poeta
dos
escravos
Oldpirates,yes,theyrobI
SoldI tothemerchant ships
Minutes aftertheytookI
Fromthebottomless pit
Butmy handwas madestrong
Bythehand oftheAlmighty
We forwardin thisgeneration
Triumphantly
Won'tyouhelp tosing
These's songsof freedom?
'CauseallI ever have
Redemption songs
Redemption songs
Emancipate yourselves from mental slavery
None but ourselves can free ourminds
Haveno fear for atomic energy
'Cause none of them can stop the time
How long shall they kill ourprophets
While westand outside andlook
Somesay it's just a part of it
We'vegot to fulfill the book
TRADUÇÃO
Canção da Redenção
Velhos piratas, é, eles me roubaram
Me venderam para os navios
mercantes
Minutos depois deles
Me tirarem do porão sem fundo
Mas minha mão foi feita forte
Pela mão do Todo-Poderoso
Seguimos nessa geração
Triunfantemente
Você não vai ajudar a cantar
Mais uma canção de liberdade?
Pois tudo que já tive
Canções de redenção
Canções de redenção
Emancipem-se da escravidão mental
Ninguém além de nós mesmos pode
libertar nossa mente
Não tenha medo da energia atômica
Porque nenhum deles pode parar o
tempo
Por quanto tempo vão matar nossos
profetas
Enquanto ficamos parados olhando?
uh!
É, alguns dizem que é só uma parte
disso
Temos que completar o livro
O NAVIO
NEGREIRO
(1869)
CastroAlves
Visão do Inferno
Eraum sonho dantesco... o tombadilho
Que das luzernas avermelha o brilho.
Em sangue a se banhar.
Tinir de ferros... estalarde açoite...
Legiões de homens negros como a noite,
Horrendos a dançar...
Negras mulheres, suspendendo àstetas
Magras crianças,cujas bocas pretas
Rega o sangue das mães:
Outras moças, mas nuase espantadas,
Noturbilhão de espectros arrastadas,
Em ânsiae mágoa vãs!
Violência e Crueldade
Presa nos elos de uma só cadeia,
A multidão faminta cambaleia,
E chora e dança ali!
Um de raiva delira, outro enlouquece,
Outro, que martírios embrutece,
Cantando, geme e ri!
No entanto o capitão manda a manobra,
E após fitando o céu que se desdobra,
Tão puro sobre o mar,
Diz do fumo entre os densos nevoeiros:
"Vibrai rijo o chicote, marinheiros!
Fazei-os mais dançar!..."
Emotividade e Eloquência
Senhor Deus dos desgraçados!
Dizei-mevós, Senhor Deus!
Se é loucura... se é verdade
Tanto horror perante os céus?!
Ó mar, por que não apagas
Co'a esponja de tuasvagas
De teu mantoeste borrão?...
Astros! noites! tempestades!
Rolai das imensidades!
Varrei os mares, tufão!
As Vítimas
Sãoos filhos do deserto,
Onde a terra esposa a luz.
Onde vive em campo aberto
A tribo dos homens nus...
Sãoos guerreiros ousados
Que com os tigres mosqueados
Combatem na solidão.
Ontem simples, fortes, bravos.
Hoje míseros escravos,
Sem luz, sem ar, sem razão...
A crítica como transição
Existe um povo quea bandeira empresta
P'ra cobrir tanta infâmia e cobardia!...
E deixa-a transformar-se nessa festa
Em manto impuro debacante fria!...
Meu Deus! meuDeus! mas que bandeira é esta,
Queimpudente na gávea tripudia?
Silêncio. Musa...chora, e chora tanto
Queo pavilhão se lave no teu pranto!...
Auriverde pendão deminha terra,
Quea brisa do Brasil beija e balança,
Estandarte que a luz do sol encerra
E as promessas divinas da esperança...
Tu que, da liberdade após a guerra,
Foste hasteado dos heróis na lança
Antes te houvessem roto na batalha,
Queservires a umpovo de mortalha!...
Romântico?
Fatalidadeatroz que a mente esmaga!
Extinguenesta hora o brigue imundo
O trilhoque Colomboabriunas vagas,
Comoum írisno pélagoprofundo!
Mas é infâmiademais! ... Da etérea plaga
Levantai-vos, heróis do Novo Mundo!
Andrada! arrancaesse pendãodos ares!
Colombo! fecha a porta dos teus mares!
Tenho um presente pra você...
Leitura e Produção de Textos
• Já pensou em um manual de Interpretação de
Textos, pra você fechar qualquer questão?
E de graça?
Leitura e Produção de Textos
Clique no link abaixo para receber, dentro de poucos dias, o
e-book
Inteiramente grátis!
Leitura e Produção de Textos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A biblioteca saiu da escola 1
A biblioteca saiu da escola 1A biblioteca saiu da escola 1
A biblioteca saiu da escola 1
PeroVaz
 
Os lusíadas adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
Os lusíadas   adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]Os lusíadas   adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
Os lusíadas adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
Maria João Lima
 
Intervenção 003 africa¹ (material)
Intervenção 003   africa¹ (material)Intervenção 003   africa¹ (material)
Intervenção 003 africa¹ (material)
Lucas Grima
 
Poemas sobre biodiversidade
Poemas sobre biodiversidadePoemas sobre biodiversidade
Poemas sobre biodiversidade
BE ESGN
 
Intervenção 003 africa¹ (material)
Intervenção 003   africa¹ (material)Intervenção 003   africa¹ (material)
Intervenção 003 africa¹ (material)
Lucas Grima
 
Memento Mori V Noite De Poesia Arádia Raymon
Memento Mori   V Noite De Poesia   Arádia RaymonMemento Mori   V Noite De Poesia   Arádia Raymon
Memento Mori V Noite De Poesia Arádia Raymon
Memento Mori
 
Ilka+vieira renascitudes
Ilka+vieira renascitudesIlka+vieira renascitudes
Ilka+vieira renascitudes
rc1951
 
Natércia Freire
Natércia FreireNatércia Freire
Natércia Freire
davidaaduarte
 
Poemas do mar
Poemas do marPoemas do mar
Poemas do mar
cruchinho
 
Este interior de serpentes alegres, de Péricles Prade
Este interior de serpentes alegres, de Péricles PradeEste interior de serpentes alegres, de Péricles Prade
Este interior de serpentes alegres, de Péricles Prade
BlogPP
 
Uma lua de urano
Uma lua de uranoUma lua de urano
Uma lua de urano
Rafa Rodriguez
 
Abi personagens tipo bom
Abi personagens tipo bomAbi personagens tipo bom
Abi personagens tipo bom
paulaoliveiraoliveir2
 
A Tempestade
A TempestadeA Tempestade
A Tempestade
Vanda Marques
 
Livro de poesia plnm 2b
Livro de poesia  plnm 2bLivro de poesia  plnm 2b
Livro de poesia plnm 2b
Veronica Baptista
 
Homenagem a Francisco Neves de Macedo
Homenagem a Francisco Neves de MacedoHomenagem a Francisco Neves de Macedo
Homenagem a Francisco Neves de Macedo
Confraria Paranaense
 
Um verso um texto
Um verso um texto Um verso um texto
Um verso um texto
EdilsonAmaral4
 
Castro alves espumas flutuantes
Castro alves   espumas flutuantesCastro alves   espumas flutuantes
Castro alves espumas flutuantes
EMSNEWS
 
O sentimento do mundo completo
O sentimento do mundo   completoO sentimento do mundo   completo
O sentimento do mundo completo
Jerônimo Ferreira
 
O navio negreiro e outros poema castro alves
O navio negreiro e outros poema   castro alvesO navio negreiro e outros poema   castro alves
O navio negreiro e outros poema castro alves
Wagner Costa
 
Mergulhar
Mergulhar Mergulhar
Mergulhar
BibJoseRegio
 

Mais procurados (20)

A biblioteca saiu da escola 1
A biblioteca saiu da escola 1A biblioteca saiu da escola 1
A biblioteca saiu da escola 1
 
Os lusíadas adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
Os lusíadas   adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]Os lusíadas   adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
Os lusíadas adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
 
Intervenção 003 africa¹ (material)
Intervenção 003   africa¹ (material)Intervenção 003   africa¹ (material)
Intervenção 003 africa¹ (material)
 
Poemas sobre biodiversidade
Poemas sobre biodiversidadePoemas sobre biodiversidade
Poemas sobre biodiversidade
 
Intervenção 003 africa¹ (material)
Intervenção 003   africa¹ (material)Intervenção 003   africa¹ (material)
Intervenção 003 africa¹ (material)
 
Memento Mori V Noite De Poesia Arádia Raymon
Memento Mori   V Noite De Poesia   Arádia RaymonMemento Mori   V Noite De Poesia   Arádia Raymon
Memento Mori V Noite De Poesia Arádia Raymon
 
Ilka+vieira renascitudes
Ilka+vieira renascitudesIlka+vieira renascitudes
Ilka+vieira renascitudes
 
Natércia Freire
Natércia FreireNatércia Freire
Natércia Freire
 
Poemas do mar
Poemas do marPoemas do mar
Poemas do mar
 
Este interior de serpentes alegres, de Péricles Prade
Este interior de serpentes alegres, de Péricles PradeEste interior de serpentes alegres, de Péricles Prade
Este interior de serpentes alegres, de Péricles Prade
 
Uma lua de urano
Uma lua de uranoUma lua de urano
Uma lua de urano
 
Abi personagens tipo bom
Abi personagens tipo bomAbi personagens tipo bom
Abi personagens tipo bom
 
A Tempestade
A TempestadeA Tempestade
A Tempestade
 
Livro de poesia plnm 2b
Livro de poesia  plnm 2bLivro de poesia  plnm 2b
Livro de poesia plnm 2b
 
Homenagem a Francisco Neves de Macedo
Homenagem a Francisco Neves de MacedoHomenagem a Francisco Neves de Macedo
Homenagem a Francisco Neves de Macedo
 
Um verso um texto
Um verso um texto Um verso um texto
Um verso um texto
 
Castro alves espumas flutuantes
Castro alves   espumas flutuantesCastro alves   espumas flutuantes
Castro alves espumas flutuantes
 
O sentimento do mundo completo
O sentimento do mundo   completoO sentimento do mundo   completo
O sentimento do mundo completo
 
O navio negreiro e outros poema castro alves
O navio negreiro e outros poema   castro alvesO navio negreiro e outros poema   castro alves
O navio negreiro e outros poema castro alves
 
Mergulhar
Mergulhar Mergulhar
Mergulhar
 

Semelhante a Romantismo - Gerações Poéticas

Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Isabella Silva
 
O navio negreiro
O navio negreiroO navio negreiro
O navio negreiro
LRede
 
Poemas de vários autores
Poemas de vários autoresPoemas de vários autores
Poemas de vários autores
bibliotecanordeste
 
Poesia romântica brasileira
Poesia romântica brasileiraPoesia romântica brasileira
Poesia romântica brasileira
Seduc/AM
 
O Floral Poético - Com outra apresentação mais atual.
O Floral Poético - Com outra apresentação mais atual.O Floral Poético - Com outra apresentação mais atual.
O Floral Poético - Com outra apresentação mais atual.
Daniel Amaral
 
Poesias mostra cultural
Poesias mostra culturalPoesias mostra cultural
Poesias mostra cultural
Barbara Coelho
 
GeraçõEs PoéTicas Site
GeraçõEs PoéTicas SiteGeraçõEs PoéTicas Site
GeraçõEs PoéTicas Site
andreguerra
 
Lira dos vinte anos álvares de azevedo
Lira dos vinte anos   álvares de azevedoLira dos vinte anos   álvares de azevedo
Lira dos vinte anos álvares de azevedo
Monica Recusani
 
Biblioteca Global - Ponte entre Culturas
Biblioteca Global - Ponte entre CulturasBiblioteca Global - Ponte entre Culturas
Biblioteca Global - Ponte entre Culturas
Besaf Biblioteca
 
Poetas
PoetasPoetas
Poetas
escola
 
Poetas
PoetasPoetas
Poetas
Helena
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
guest2ffb44
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
Juvenal Lucas
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
Juvenal Lucas
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
Juvenal Lucas
 
Poetas
PoetasPoetas
Poetas
iracemap
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
Juvenal Lucas
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
Juvenal Lucas
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
Juvenal Lucas
 
Clique no seu poeta
Clique no seu poetaClique no seu poeta
Clique no seu poeta
Lolo .
 

Semelhante a Romantismo - Gerações Poéticas (20)

Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
O navio negreiro
O navio negreiroO navio negreiro
O navio negreiro
 
Poemas de vários autores
Poemas de vários autoresPoemas de vários autores
Poemas de vários autores
 
Poesia romântica brasileira
Poesia romântica brasileiraPoesia romântica brasileira
Poesia romântica brasileira
 
O Floral Poético - Com outra apresentação mais atual.
O Floral Poético - Com outra apresentação mais atual.O Floral Poético - Com outra apresentação mais atual.
O Floral Poético - Com outra apresentação mais atual.
 
Poesias mostra cultural
Poesias mostra culturalPoesias mostra cultural
Poesias mostra cultural
 
GeraçõEs PoéTicas Site
GeraçõEs PoéTicas SiteGeraçõEs PoéTicas Site
GeraçõEs PoéTicas Site
 
Lira dos vinte anos álvares de azevedo
Lira dos vinte anos   álvares de azevedoLira dos vinte anos   álvares de azevedo
Lira dos vinte anos álvares de azevedo
 
Biblioteca Global - Ponte entre Culturas
Biblioteca Global - Ponte entre CulturasBiblioteca Global - Ponte entre Culturas
Biblioteca Global - Ponte entre Culturas
 
Poetas
PoetasPoetas
Poetas
 
Poetas
PoetasPoetas
Poetas
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
 
Poetas
PoetasPoetas
Poetas
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
 
Clique no seu poeta
Clique no seu poetaClique no seu poeta
Clique no seu poeta
 

Último

Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
sesiomzezao
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 

Último (20)

Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 

Romantismo - Gerações Poéticas

  • 1. ROMANTISMO Leitura e Produção de Textos Romantismo
  • 2. Românticos (VanderLee) Românticos são poucos Românticos são loucos Desvairados Que querem ser o outro Que pensam que o outro é o paraíso... Românticos são lindos Românticos são limpos E pirados Que choram com baladas Que amam sem vergonha E sem juízo...
  • 3. O CONTEXTO Rebeldia e inconformismo Repúdio às regras.
  • 4. Leitura e Produção de Textos Rejeição aos modelos Clássicos
  • 7. Em cismar, sozinho, à noite, Mais prazer eu encontro lá; Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá. Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá; As aves, que aqui gorjeiam, Não gorjeiam como lá. Nosso céu tem mais estrelas, Nossas várzeas têm mais flores, Nossos bosques têm mais vida, Nossa vida mais amores. Canção do Exílio Gonçalves Dias
  • 9. “Meu canto de morte, Guerreiros, ouvi: Sou filho das selvas, Nas selvascresci; Guerreiros, descendo Da tribo tupi. Da tribo pujante, Que agora anda errante Por fado inconstante, Guerreiros, nasci; Sou bravo, sou forte, Sou filho do Norte; Meu canto de morte, Guerreiros, ouvi.”
  • 11. Spleen "Quando não há o amor, há o vinho; quando não há o vinho, há o fumo; e quando não há amor, nem vinho, nem fumo, há o spleen. Gosto mais de uma garrafa de vinho que de um poema." Álvares de Azevedo
  • 12. Sol dos Insones Lord Byron Sol dos insones! Ó astro de melancolia! Arde teu raio em pranto, longe a tremular, E expões a treva que não podes dissipar: Que semelhante és à lembrança da alegria! Assim raia o passado, a luz de tanto dia, Que brilha sem com raios fracos aquecer; Noturna, uma tristeza vela para ver, Distinta mas distante-clara-mas que fria!
  • 14. Oh!ter vinte anos sem gozar deleve A ventura deuma alma dedonzela! E sem na vida ter sentido nunca Na suave atração deum róseo corpo Meus olhos turvos se fechar degozo! Oh!nos meussonhos, pelas noites minhas Passam tantas visões sobre meu peito! Palor defebre meusemblante cobre, Bate meucoração com tanto fogo! Um doce nome os lábios meus suspiram, Um nome demulher .. e vejo lânguida No véu suavede amorosas sombras Seminua, abatida, a mão noseio, Perfumada visão rompera nuvem, Sentar-se junto a mim, nas minhas pálpebras O alentofresco e levecomoa vida Passar delicioso. . .Quedelírios! Acordo palpitante . .inda a procuro; Embalde a chamo, embalde as minhas lágrimas Banham meusolhos, e suspiro e gemo... Imploro uma ilusão. . .tudo é silêncio! Só o leito deserto, a sala muda! Amorosa visão, mulher dos sonhos, Eu sou tão infeliz, eusofro tanto! Nunca virás iluminar meupeito Com um raio de luz desses teus olhos?
  • 15. Casimiro de Abreu O poeta ingênuo Meus Oito Anos Oh ! que saudades que eu tenho Da aurora da minha vida, Da minha infância querida Que os anos não trazemmais ! Que amor, que sonhos, que flores, Naquelas tardes fagueiras À sombra das bananeiras, Debaixo dos laranjais !
  • 19. Boa noite Veux-tu donc partir? Le jour est encore éloigné: C'était le rossignol et non pas l'alouette, Dont le chant a frappé ton oreílle inquiète; Il chante Ia nuit sur les branches de ce granadier Crois-moi, cher ami, c'était le rossignol. Shakespeare Boa noite, Maria! Eu vou,me embora. A lua nas janelas bate em cheio. Boa noite, Maria! É tarde... é tarde. . Não me apertes assim contra teu seio. Boa noite! ... E tu dizes - Boa noite. Mas não digas assim por entre beijos... Mas não mo digas descobrindo o peito, - Mar de amor onde vagam meus desejos! Julieta do céu! Ouve... a calhandra já rumoreja o canto da matina. Tu dizes que eu menti? ... pois foi mentira... Quem cantou foi teu hálito, divina! Se a estrela-d'alva os derradeiros raios Derrama nos jardins do Capuleto, Eu direi, me esquecendo d'alvorada: "É noite ainda em teu cabelo preto..."
  • 20. Leitura e Produção de Textos É noite ainda! Brilha na cambraia - Desmanchado o roupão, a espádua nua O globo de teu peito entre os arminhos Como entre as névoas se balouça a lua. . . É noite, pois! Durmamos, Julieta! Recende a alcova ao trescalar das flores. Fechemos sobre nós estas cortinas... - São as asas do arcanjo dos amores. A frouxa luz da alabastrina lâmpada Lambe voluptuosa os teus contornos... Oh! Deixa-me aquecer teus pés divinos Ao doudo afago de meus lábios mornos. Mulher do meu amor! Quando aos meus beijos Treme tua alma, como a lira ao vento, Das teclas de teu seio que harmonias, Que escalas de suspiros, bebo atento! Ai! Canta a cavatina do delírio, Ri, suspira, soluça, anseia e chora. . . Marion! Marion!... É noite ainda. Que importa os raios de uma nova aurora?!... Como um negro e sombrio firmamento, Sobre mim desenrola teu cabelo... E deixa-me dormir balbuciando: - Boa noite! - formosa Consuelo.
  • 21. Poesia abolicionista Leitura e Produção de Textos O poeta dos escravos
  • 22. Oldpirates,yes,theyrobI SoldI tothemerchant ships Minutes aftertheytookI Fromthebottomless pit Butmy handwas madestrong Bythehand oftheAlmighty We forwardin thisgeneration Triumphantly Won'tyouhelp tosing These's songsof freedom? 'CauseallI ever have Redemption songs Redemption songs Emancipate yourselves from mental slavery None but ourselves can free ourminds Haveno fear for atomic energy 'Cause none of them can stop the time How long shall they kill ourprophets While westand outside andlook Somesay it's just a part of it We'vegot to fulfill the book
  • 23. TRADUÇÃO Canção da Redenção Velhos piratas, é, eles me roubaram Me venderam para os navios mercantes Minutos depois deles Me tirarem do porão sem fundo Mas minha mão foi feita forte Pela mão do Todo-Poderoso Seguimos nessa geração Triunfantemente Você não vai ajudar a cantar Mais uma canção de liberdade? Pois tudo que já tive Canções de redenção Canções de redenção Emancipem-se da escravidão mental Ninguém além de nós mesmos pode libertar nossa mente Não tenha medo da energia atômica Porque nenhum deles pode parar o tempo Por quanto tempo vão matar nossos profetas Enquanto ficamos parados olhando? uh! É, alguns dizem que é só uma parte disso Temos que completar o livro
  • 25. Visão do Inferno Eraum sonho dantesco... o tombadilho Que das luzernas avermelha o brilho. Em sangue a se banhar. Tinir de ferros... estalarde açoite... Legiões de homens negros como a noite, Horrendos a dançar... Negras mulheres, suspendendo àstetas Magras crianças,cujas bocas pretas Rega o sangue das mães: Outras moças, mas nuase espantadas, Noturbilhão de espectros arrastadas, Em ânsiae mágoa vãs!
  • 26. Violência e Crueldade Presa nos elos de uma só cadeia, A multidão faminta cambaleia, E chora e dança ali! Um de raiva delira, outro enlouquece, Outro, que martírios embrutece, Cantando, geme e ri! No entanto o capitão manda a manobra, E após fitando o céu que se desdobra, Tão puro sobre o mar, Diz do fumo entre os densos nevoeiros: "Vibrai rijo o chicote, marinheiros! Fazei-os mais dançar!..."
  • 27. Emotividade e Eloquência Senhor Deus dos desgraçados! Dizei-mevós, Senhor Deus! Se é loucura... se é verdade Tanto horror perante os céus?! Ó mar, por que não apagas Co'a esponja de tuasvagas De teu mantoeste borrão?... Astros! noites! tempestades! Rolai das imensidades! Varrei os mares, tufão!
  • 28. As Vítimas Sãoos filhos do deserto, Onde a terra esposa a luz. Onde vive em campo aberto A tribo dos homens nus... Sãoos guerreiros ousados Que com os tigres mosqueados Combatem na solidão. Ontem simples, fortes, bravos. Hoje míseros escravos, Sem luz, sem ar, sem razão...
  • 29. A crítica como transição Existe um povo quea bandeira empresta P'ra cobrir tanta infâmia e cobardia!... E deixa-a transformar-se nessa festa Em manto impuro debacante fria!... Meu Deus! meuDeus! mas que bandeira é esta, Queimpudente na gávea tripudia? Silêncio. Musa...chora, e chora tanto Queo pavilhão se lave no teu pranto!... Auriverde pendão deminha terra, Quea brisa do Brasil beija e balança, Estandarte que a luz do sol encerra E as promessas divinas da esperança... Tu que, da liberdade após a guerra, Foste hasteado dos heróis na lança Antes te houvessem roto na batalha, Queservires a umpovo de mortalha!...
  • 30. Romântico? Fatalidadeatroz que a mente esmaga! Extinguenesta hora o brigue imundo O trilhoque Colomboabriunas vagas, Comoum írisno pélagoprofundo! Mas é infâmiademais! ... Da etérea plaga Levantai-vos, heróis do Novo Mundo! Andrada! arrancaesse pendãodos ares! Colombo! fecha a porta dos teus mares!
  • 31. Tenho um presente pra você... Leitura e Produção de Textos
  • 32. • Já pensou em um manual de Interpretação de Textos, pra você fechar qualquer questão? E de graça? Leitura e Produção de Textos
  • 33. Clique no link abaixo para receber, dentro de poucos dias, o e-book Inteiramente grátis! Leitura e Produção de Textos