SlideShare uma empresa Scribd logo
ROMANTISMO
Romantismo
“Metamos    o martelo nas teorias, nas
 poéticas e nos sistemas. Abaixo este
 velho reboco que mascara a fachada
               da arte!”
                                Victor Hugo
Características gerais
 Europa (metade do século XVIII)
 Libertação dos padrões neoclássicos da
  Literatura
 Valorização da imaginação
 Originalidade
 Nacionalismo (identidade das nações)
 Emoção supera razão
 Consciência Social
Victor Hugo
   Vós, que sofreis, porque amais, amai ainda
    mais. Morrer de amor é viver dele.

   Há pensamentos que são orações. Há
    momentos nos quais, seja qual for a posição
    do corpo, a alma está de joelhos.
   Ser bom é fácil. O difícil é ser justo.

   O futuro tem muitos nomes.
    Para os fracos é o inalcançável.
    para os temerosos, o desconhecido.
    Para os valentes é a oportunidade.

   Não há nada como o sonho para criar o
    futuro. Utopia hoje, carne e osso amanhã.
   Chega sempre a hora em que não basta
    apenas protestar: após a filosofia, a ação é
    indispensável.

   É triste pensar que a natureza fala e que o
    gênero humano não a ouve.

   Tudo quanto aumenta a            liberdade,
    aumenta a responsabilidade.
1ª Geração Romântica
2ª Geração Romântica
3ª Geração Romântica
Gonçalves Dias
O canto do guerreiro


   CANTO I


   Aqui na floresta
   Dos ventos batida,
   Façanhas de bravos
   Não geram escravos,
   Que estimem a vida
   Sem guerra e lidar.
   — Ouvi-me, Guerreiros,
   — Ouvi meu cantar.

    
C a n ç ã o d o e x íl io

  Minha terra tem palmeiras,
       Onde canta o Sabiá;
    As aves, que aqui gorjeiam,
      Não gorjeiam como lá.
 Nosso céu tem mais estrelas,
 Nossas várzeas têm mais flores,
 Nossos bosques têm mais vida,
     Nossa vida mais amores.
 Em  cismar, sozinho, à noite,
    Mais prazer eu encontro lá;
    Minha terra tem palmeiras,
       Onde canta o Sabiá.
   Minha terra tem primores,
   Que tais não encontro eu cá;
   Em cismar –sozinho, à noite–
    Mais prazer eu encontro lá;
    Minha terra tem palmeiras,
       Onde canta o Sabiá.
Não permita Deus que eu morra,
     Sem que eu volte para lá;
  Sem que disfrute os primores
     Que não encontro por cá;
 Sem qu'inda aviste as palmeiras,
       Onde canta o Sabiá. 
                          
         De Primeiros cantos (1847)
               Gonçalves Dias
                      
Projeto Literário da 1ª Geração
Álvares de Azevedo
Sonhando


Na praia deserta que a lua branqueia,
Que mimo! que rosa, que filha de Deus!
 Tão pálida ao vê-la meu ser devaneia,
  Sufoco nos lábios os hálitos meus!
Não corras na areia,
           Não corras assim!
          Donzela, onde vais?
          Tem pena de mim!

  A praia é tão longa! e a onda bravia
 As roupas de gaza te molha de escuma;
 De noite aos serenos a areia é tão fria,
Tão úmido o vento que os ares perfuma!
És tão doentia!
        Não corras assim!
        Donzela, onde vais?
        Tem pena de mim!

A brisa teus negros cabelos soltou,
 O orvalho da face te esfria o suor;
Teus seios palpitam a brisa os roçou,
Beijou-os, suspira, desmaia de amor!
A brisa teus negros cabelos soltou,
 O orvalho da face te esfria o suor;
Teus seios palpitam a brisa os roçou,
Beijou-os, suspira, desmaia de amor!

 E o pálido mimo da minha paixão
Num longo soluço tremeu e parou;
Sentou-se na praia; sozinha no chão
 A mão regelada no colo pousou!
               (...)
   E a imagem da virgem nas águas do mar
      Brilhava tão branca no límpido véu!
      Nem mais transparente luzia o luar
     No ambiente sem nuvens da noite do
                      céu!

              Nas águas do mar
             Não durmas assim!
            Não morras, donzela,
              Espera por mim!
            (Álvares de Azevedo)
Projeto Literário da 2ª Geração
Bring me to life
Castro Alves
Projeto Literário 3ª Geração
O Navio Negreiro
         'Stamos em pleno mar
 Era um sonho dantesco... o tombadilho,
  Que das luzernas avermelha o brilho,
         Em sangue a se banhar.
   Tinir de ferros... estalar do açoite...
Legiões de homens negros como a noite,
          Horrendos a dançar...
Negras mulheres, suspendendo às tetas
  Magras crianças, cujas bocas pretas
       Rega o sangue das mães:
 Outras, moças... mas nuas, espantadas,
 No turbilhão de espectros arrastadas,
         Em ânsia e mágoa vãs.
E ri-se a orquestra, irônica, estridente...
     E da ronda fantástica a serpente
           Faz doudas espirais...
Se o velho arqueja... se no chão resvala,
   Ouvem-se gritos... o chicote estala.
           E voam mais e mais...
     Presa dos elos de uma só cadeia,
      A multidão faminta cambaleia
            E chora e dança ali!
Um de raiva delira, outro enlouquece...
  Outro, que de martírios embrutece,
           Cantando, geme e ri!
No entanto o capitão manda a manobra
 E após, fitando o céu que se desdobra
         Tão puro sobre o mar,
Diz do fumo entre os densos nevoeiros:
   "Vibrai rijo o chicote, marinheiros!
         Fazei-os mais dançar!..."
E ri-se a orquestra irônica, estridente...
      E da ronda fantástica a serpente
             Faz doudas espirais!
Qual num sonho dantesco as sombras voam...
  Gritos, ais, maldições, preces ressoam!
               E ri-se Satanás!...
       Senhor Deus dos desgraçados!
        Dizei-me vós, Senhor Deus!
         Se é loucura... se é verdade
      Tanto horror perante os céus...
Ó mar, por que não apagas
 Co'a esponja de tuas vagas
De teu manto este borrão?...
Astros! noite! tempestades!
   Rolai das imensidades!
  Varrei os mares, tufão!...
Quem são estes desgraçados
 Que não encontram em vós
 Mais que o rir calmo da turba
 Que excita a fúria do algoz?
Quem são?... Se a estrela se cala,
  Se a vaga à pressa resvala
  Como um cúmplice fugaz,
  Perante a noite confusa...
   Dize-o tu, severa musa,
    Musa libérrima, audaz!
São os filhos do deserto
  Onde a terra esposa a luz.
 Onde voa em campo aberto
   A tribo dos homens nus...
 São os guerreiros ousados,
Que com os tigres mosqueados
    Combatem na solidão...
Homens simples, fortes, bravos...
    Hoje míseros escravos
 Sem ar, sem luz, sem razão...
São mulheres desgraçadas
 Como Agar o foi também,
Que sedentas, alquebradas,
De longe... bem longe vêm...
Trazendo com tíbios passos
Filhos e algemas nos braços,
    N'alma lágrimas e fel.
Como Agar sofrendo tanto
Que nem o leite do pranto
 Têm que dar para Ismael...
Lá nas areias infindas,
        Das palmeiras no país,
     Nasceram crianças lindas,
       Viveram moças gentis...
      Passa um dia a caravana
  Quando a virgem na cabana
   Cisma das noites nos véus...
 ...Adeus! ó choça do monte!...
 ...Adeus! palmeiras da fonte!...
    ...Adeus! amores... adeus!...
Senhor Deus dos desgraçados!
  Dizei-me vós, Senhor Deus!
 Se eu deliro... ou se é verdade
Tanto horror perante os céus...
  Ó mar, por que não apagas
   Co'a esponja de tuas vagas
  De teu manto este borrão?
  Astros! noite! tempestades!
     Rolai das imensidades!
    Varrei os mares, tufão!...
E existe um povo que a bandeira empresta
   P'ra cobrir tanta infâmia e cobardia!...
    E deixa-a transformar-se nessa festa
     Em manto impuro de bacante fria!...
  Meu Deus! meu Deus! mas que bandeira
                    é esta,
    Que impudente na gávea tripudia?!...
    Silêncio!... Musa! chora, chora tanto
   Que o pavilhão se lave no seu pranto...
Auriverde pendão de minha terra,
Que a brisa do Brasil beija e balança,
 Estandarte que a luz do sol encerra,
E as promessas divinas da esperança...
 Tu, que da liberdade após a guerra,
 Foste hasteado dos heróis na lança,
Antes te houvessem roto na batalha,
Que servires a um povo de mortalha!...
Fatalidade atroz que a mente esmaga!
 Extingue nesta hora o brigue imundo
 O trilho que Colombo abriu na vaga,
 Como um íris no pélago profundo!...
        ...Mas é infâmia demais...
             Da etérea plaga
Levantai-vos, heróis do Novo Mundo...
Andrada! arranca este pendão dos ares!
Colombo! fecha a porta de teus mares!
Exercícios
1- Pesquisar os termos subsequente, que se
  desenvolveram como características do
  movimento do Romantismo.
a- Indianismo          h- Religiosidade
b- Nacionalismo        i- Condoreirismo
c- “Mal do século”
d- Pessimismo
e- Byronismo
f- Escapismo
g- Satanismo
2 – Pesquise o perfil da “mulher” nas três
 gerações do Romantismo.
3 – Conforme sua preferência, selecione
 três poemas que, respectivamente,
 representem cada uma das gerações
 românticas, interprete-os e aponte as
 características que corroborem seus
 estilos românticos.
4 – Pesquise a tradução da música “Bring
 me to life” e relacione-a com a segunda
 geração romântica.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Lucas Adryel
 
Romantismo
 Romantismo Romantismo
Romantismo
Bárbara Hellen
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
NAPNE
 
O romance romântico
O romance românticoO romance romântico
O romance romântico
ma.no.el.ne.ves
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
CrisBiagio
 
Slide segunda gerção do Romantismo- Ultrarromantismo
Slide segunda gerção do Romantismo- UltrarromantismoSlide segunda gerção do Romantismo- Ultrarromantismo
Slide segunda gerção do Romantismo- Ultrarromantismo
Richard Lincont
 
José de Alencar
José de AlencarJosé de Alencar
José de Alencar
Cláudia Heloísa
 
Romantismo - panorama mundial e Brasileiro
Romantismo - panorama mundial e Brasileiro Romantismo - panorama mundial e Brasileiro
Romantismo - panorama mundial e Brasileiro
Barbara Falcão
 
Primeira geração da poesia romântica
Primeira geração da poesia românticaPrimeira geração da poesia romântica
Primeira geração da poesia romântica
ma.no.el.ne.ves
 
Revisão poesia romântica brasileira
Revisão poesia romântica brasileiraRevisão poesia romântica brasileira
Revisão poesia romântica brasileira
Seduc/AM
 
Romantismo prosa
Romantismo prosaRomantismo prosa
Poesia romântica brasileira
Poesia romântica brasileiraPoesia romântica brasileira
Poesia romântica brasileira
Fabricio Souza
 
Romantismo no Brasil - Segunda geração
Romantismo no Brasil - Segunda geraçãoRomantismo no Brasil - Segunda geração
Romantismo no Brasil - Segunda geração
Denise
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo slide
Romantismo   slideRomantismo   slide
Romantismo slide
Alexandre Costa
 
Romantismo poesia
Romantismo  poesiaRomantismo  poesia
Romantismo poesia
Rotivtheb
 
2ª Geração do Romantismo
2ª Geração do Romantismo2ª Geração do Romantismo
2ª Geração do Romantismo
Gabriel Luck
 
Romance regionalista
Romance regionalistaRomance regionalista
Romance regionalista
Renata Silva Nunes Ribeiro
 
Romantismo no brasil
Romantismo no brasilRomantismo no brasil
Romantismo no brasil
Anjo da Luz
 

Mais procurados (19)

Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
 Romantismo Romantismo
Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
O romance romântico
O romance românticoO romance romântico
O romance romântico
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 
Slide segunda gerção do Romantismo- Ultrarromantismo
Slide segunda gerção do Romantismo- UltrarromantismoSlide segunda gerção do Romantismo- Ultrarromantismo
Slide segunda gerção do Romantismo- Ultrarromantismo
 
José de Alencar
José de AlencarJosé de Alencar
José de Alencar
 
Romantismo - panorama mundial e Brasileiro
Romantismo - panorama mundial e Brasileiro Romantismo - panorama mundial e Brasileiro
Romantismo - panorama mundial e Brasileiro
 
Primeira geração da poesia romântica
Primeira geração da poesia românticaPrimeira geração da poesia romântica
Primeira geração da poesia romântica
 
Revisão poesia romântica brasileira
Revisão poesia romântica brasileiraRevisão poesia romântica brasileira
Revisão poesia romântica brasileira
 
Romantismo prosa
Romantismo prosaRomantismo prosa
Romantismo prosa
 
Poesia romântica brasileira
Poesia romântica brasileiraPoesia romântica brasileira
Poesia romântica brasileira
 
Romantismo no Brasil - Segunda geração
Romantismo no Brasil - Segunda geraçãoRomantismo no Brasil - Segunda geração
Romantismo no Brasil - Segunda geração
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo slide
Romantismo   slideRomantismo   slide
Romantismo slide
 
Romantismo poesia
Romantismo  poesiaRomantismo  poesia
Romantismo poesia
 
2ª Geração do Romantismo
2ª Geração do Romantismo2ª Geração do Romantismo
2ª Geração do Romantismo
 
Romance regionalista
Romance regionalistaRomance regionalista
Romance regionalista
 
Romantismo no brasil
Romantismo no brasilRomantismo no brasil
Romantismo no brasil
 

Destaque

Novo acordo
Novo acordoNovo acordo
Novo acordo
Amelia Barros
 
Funções da linguagem.pptx
Funções da linguagem.pptxFunções da linguagem.pptx
Funções da linguagem.pptx
preuniversitarioitab
 
O texto dissertativo
O texto dissertativoO texto dissertativo
O texto dissertativo
elipromat
 
Romantico
RomanticoRomantico
Romantico
Amelia Barros
 
Or subord-subst-
Or subord-subst-Or subord-subst-
Or subord-subst-
Amelia Barros
 
Morfossintaxedosujeitoepredicado 131021073652-phpapp02
Morfossintaxedosujeitoepredicado 131021073652-phpapp02Morfossintaxedosujeitoepredicado 131021073652-phpapp02
Morfossintaxedosujeitoepredicado 131021073652-phpapp02
Amelia Barros
 
Anlisesinttica 110531125130-phpapp02 (1)
Anlisesinttica 110531125130-phpapp02 (1)Anlisesinttica 110531125130-phpapp02 (1)
Anlisesinttica 110531125130-phpapp02 (1)
Amelia Barros
 
A Arte De Escrever 21616
A Arte De Escrever 21616A Arte De Escrever 21616
A Arte De Escrever 21616
fatimamarrocos
 
A impessoalidade nos textos dissertativos
A impessoalidade nos textos dissertativosA impessoalidade nos textos dissertativos
A impessoalidade nos textos dissertativos
Hélio Consolaro
 
Carta
CartaCarta
Vestibular 2012 a redação do enem
Vestibular 2012   a redação do enemVestibular 2012   a redação do enem
Vestibular 2012 a redação do enem
Katcavenum
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
Amelia Barros
 
AULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMA
AULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMAAULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMA
AULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMA
Marcelo Cordeiro Souza
 
48055901 familia-palavras-e-area-voc
48055901 familia-palavras-e-area-voc48055901 familia-palavras-e-area-voc
48055901 familia-palavras-e-area-voc
Amelia Barros
 
Vanguardas
VanguardasVanguardas
Vanguardas
Prof Palmito Rocha
 
Categorias da Narrativa
Categorias da NarrativaCategorias da Narrativa
Categorias da Narrativa
Teresa Pombo
 
Trovadorismo I
Trovadorismo ITrovadorismo I
Trovadorismo I
Cláudia Heloísa
 
GêNero Textual Carta
GêNero Textual CartaGêNero Textual Carta
GêNero Textual Carta
guest4f8ac9b
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
Marcelo Cordeiro Souza
 
Aulão de redação -Resumo de redação
Aulão de redação -Resumo de redaçãoAulão de redação -Resumo de redação
Aulão de redação -Resumo de redação
Cursos Profissionalizantes
 

Destaque (20)

Novo acordo
Novo acordoNovo acordo
Novo acordo
 
Funções da linguagem.pptx
Funções da linguagem.pptxFunções da linguagem.pptx
Funções da linguagem.pptx
 
O texto dissertativo
O texto dissertativoO texto dissertativo
O texto dissertativo
 
Romantico
RomanticoRomantico
Romantico
 
Or subord-subst-
Or subord-subst-Or subord-subst-
Or subord-subst-
 
Morfossintaxedosujeitoepredicado 131021073652-phpapp02
Morfossintaxedosujeitoepredicado 131021073652-phpapp02Morfossintaxedosujeitoepredicado 131021073652-phpapp02
Morfossintaxedosujeitoepredicado 131021073652-phpapp02
 
Anlisesinttica 110531125130-phpapp02 (1)
Anlisesinttica 110531125130-phpapp02 (1)Anlisesinttica 110531125130-phpapp02 (1)
Anlisesinttica 110531125130-phpapp02 (1)
 
A Arte De Escrever 21616
A Arte De Escrever 21616A Arte De Escrever 21616
A Arte De Escrever 21616
 
A impessoalidade nos textos dissertativos
A impessoalidade nos textos dissertativosA impessoalidade nos textos dissertativos
A impessoalidade nos textos dissertativos
 
Carta
CartaCarta
Carta
 
Vestibular 2012 a redação do enem
Vestibular 2012   a redação do enemVestibular 2012   a redação do enem
Vestibular 2012 a redação do enem
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
 
AULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMA
AULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMAAULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMA
AULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMA
 
48055901 familia-palavras-e-area-voc
48055901 familia-palavras-e-area-voc48055901 familia-palavras-e-area-voc
48055901 familia-palavras-e-area-voc
 
Vanguardas
VanguardasVanguardas
Vanguardas
 
Categorias da Narrativa
Categorias da NarrativaCategorias da Narrativa
Categorias da Narrativa
 
Trovadorismo I
Trovadorismo ITrovadorismo I
Trovadorismo I
 
GêNero Textual Carta
GêNero Textual CartaGêNero Textual Carta
GêNero Textual Carta
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
 
Aulão de redação -Resumo de redação
Aulão de redação -Resumo de redaçãoAulão de redação -Resumo de redação
Aulão de redação -Resumo de redação
 

Semelhante a Romantismo

Castro alves navio negreiro
Castro alves   navio negreiroCastro alves   navio negreiro
Castro alves navio negreiro
Talita Travassos
 
Romantismo - Gerações Poéticas
Romantismo - Gerações PoéticasRomantismo - Gerações Poéticas
Romantismo - Gerações Poéticas
Entrelinhas Curso
 
O navio negreiro
O navio negreiroO navio negreiro
O navio negreiro
Patricia Silva
 
O navio negreiro
O navio negreiroO navio negreiro
O navio negreiro
LRede
 
Castro Alves Negreiro
Castro Alves NegreiroCastro Alves Negreiro
Castro Alves Negreiro
yurnas
 
O Navio Negreiro
O Navio NegreiroO Navio Negreiro
O Navio Negreiro
guerda30
 
Castro alves espumas flutuantes
Castro alves   espumas flutuantesCastro alves   espumas flutuantes
Castro alves espumas flutuantes
EMSNEWS
 
Romantismo e realismo
Romantismo e realismoRomantismo e realismo
Romantismo e realismo
isaianabrito
 
O navio negreiro e outros poema castro alves
O navio negreiro e outros poema   castro alvesO navio negreiro e outros poema   castro alves
O navio negreiro e outros poema castro alves
Wagner Costa
 
Poesia no brasil
Poesia no brasilPoesia no brasil
Poesia no brasil
rafabebum
 
CASTRO ALVES (2) (1) (2).pptx
CASTRO ALVES (2) (1) (2).pptxCASTRO ALVES (2) (1) (2).pptx
CASTRO ALVES (2) (1) (2).pptx
RildeniceSantos
 
A biblioteca saiu da escola 1
A biblioteca saiu da escola 1A biblioteca saiu da escola 1
A biblioteca saiu da escola 1
PeroVaz
 
Natércia Freire
Natércia FreireNatércia Freire
Natércia Freire
davidaaduarte
 
Poetas nacionalismo.pdf
Poetas nacionalismo.pdfPoetas nacionalismo.pdf
Poetas nacionalismo.pdf
Homedigital3
 
Intervenção 003 africa¹ (material)
Intervenção 003   africa¹ (material)Intervenção 003   africa¹ (material)
Intervenção 003 africa¹ (material)
Lucas Grima
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
Octávio Da Matta
 
Terceira geração da poesia romântica
Terceira geração da poesia românticaTerceira geração da poesia romântica
Terceira geração da poesia romântica
ma.no.el.ne.ves
 
Pp intertextualidade1
Pp intertextualidade1Pp intertextualidade1
Pp intertextualidade1
telasnorte1
 
Romantismo no brasil
Romantismo no brasilRomantismo no brasil
Romantismo no brasil
Eduardo Carvalho
 
Navio Negreiro Castro Alves
Navio Negreiro   Castro AlvesNavio Negreiro   Castro Alves
Navio Negreiro Castro Alves
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 

Semelhante a Romantismo (20)

Castro alves navio negreiro
Castro alves   navio negreiroCastro alves   navio negreiro
Castro alves navio negreiro
 
Romantismo - Gerações Poéticas
Romantismo - Gerações PoéticasRomantismo - Gerações Poéticas
Romantismo - Gerações Poéticas
 
O navio negreiro
O navio negreiroO navio negreiro
O navio negreiro
 
O navio negreiro
O navio negreiroO navio negreiro
O navio negreiro
 
Castro Alves Negreiro
Castro Alves NegreiroCastro Alves Negreiro
Castro Alves Negreiro
 
O Navio Negreiro
O Navio NegreiroO Navio Negreiro
O Navio Negreiro
 
Castro alves espumas flutuantes
Castro alves   espumas flutuantesCastro alves   espumas flutuantes
Castro alves espumas flutuantes
 
Romantismo e realismo
Romantismo e realismoRomantismo e realismo
Romantismo e realismo
 
O navio negreiro e outros poema castro alves
O navio negreiro e outros poema   castro alvesO navio negreiro e outros poema   castro alves
O navio negreiro e outros poema castro alves
 
Poesia no brasil
Poesia no brasilPoesia no brasil
Poesia no brasil
 
CASTRO ALVES (2) (1) (2).pptx
CASTRO ALVES (2) (1) (2).pptxCASTRO ALVES (2) (1) (2).pptx
CASTRO ALVES (2) (1) (2).pptx
 
A biblioteca saiu da escola 1
A biblioteca saiu da escola 1A biblioteca saiu da escola 1
A biblioteca saiu da escola 1
 
Natércia Freire
Natércia FreireNatércia Freire
Natércia Freire
 
Poetas nacionalismo.pdf
Poetas nacionalismo.pdfPoetas nacionalismo.pdf
Poetas nacionalismo.pdf
 
Intervenção 003 africa¹ (material)
Intervenção 003   africa¹ (material)Intervenção 003   africa¹ (material)
Intervenção 003 africa¹ (material)
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
 
Terceira geração da poesia romântica
Terceira geração da poesia românticaTerceira geração da poesia romântica
Terceira geração da poesia romântica
 
Pp intertextualidade1
Pp intertextualidade1Pp intertextualidade1
Pp intertextualidade1
 
Romantismo no brasil
Romantismo no brasilRomantismo no brasil
Romantismo no brasil
 
Navio Negreiro Castro Alves
Navio Negreiro   Castro AlvesNavio Negreiro   Castro Alves
Navio Negreiro Castro Alves
 

Mais de Isabella Silva

Hist ria e_termodin_mica
Hist ria e_termodin_micaHist ria e_termodin_mica
Hist ria e_termodin_mica
Isabella Silva
 
Termodin mica (1)
Termodin mica (1)Termodin mica (1)
Termodin mica (1)
Isabella Silva
 
Lista de exerc_cios_ondas_harm_nicas_f_sica_i_fabio_jorge_2_ano_3_trimestre
Lista de exerc_cios_ondas_harm_nicas_f_sica_i_fabio_jorge_2_ano_3_trimestreLista de exerc_cios_ondas_harm_nicas_f_sica_i_fabio_jorge_2_ano_3_trimestre
Lista de exerc_cios_ondas_harm_nicas_f_sica_i_fabio_jorge_2_ano_3_trimestre
Isabella Silva
 
Atividade de 2_ano_3_trimestre_professores_diversos_
Atividade de 2_ano_3_trimestre_professores_diversos_Atividade de 2_ano_3_trimestre_professores_diversos_
Atividade de 2_ano_3_trimestre_professores_diversos_
Isabella Silva
 
Efeito doppler sv
Efeito doppler svEfeito doppler sv
Efeito doppler sv
Isabella Silva
 
Movimento harmonico f_sica_i_2_ano_fabio_jorge_sv
Movimento harmonico f_sica_i_2_ano_fabio_jorge_svMovimento harmonico f_sica_i_2_ano_fabio_jorge_sv
Movimento harmonico f_sica_i_2_ano_fabio_jorge_sv
Isabella Silva
 
Inglês
InglêsInglês
Inglês
InglêsInglês
Impressionismo pré pas
Impressionismo pré  pasImpressionismo pré  pas
Impressionismo pré pas
Isabella Silva
 
Impressionismo 01
Impressionismo   01Impressionismo   01
Impressionismo 01
Isabella Silva
 
Fotografia atualizada
Fotografia atualizadaFotografia atualizada
Fotografia atualizada
Isabella Silva
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
Isabella Silva
 
Revisão de visuais
Revisão de visuaisRevisão de visuais
Revisão de visuais
Isabella Silva
 
Revisão prova parcial de cenicas 3 º trimestre
Revisão prova parcial de cenicas 3 º trimestreRevisão prova parcial de cenicas 3 º trimestre
Revisão prova parcial de cenicas 3 º trimestre
Isabella Silva
 
Digitalizar0012
Digitalizar0012Digitalizar0012
Digitalizar0012
Isabella Silva
 
Adverbios
AdverbiosAdverbios
Adverbios
Isabella Silva
 
Revisão coordenadas
Revisão coordenadasRevisão coordenadas
Revisão coordenadas
Isabella Silva
 
Prova de literatura
Prova de literaturaProva de literatura
Prova de literatura
Isabella Silva
 
Angiospermas
AngiospermasAngiospermas
Angiospermas
Isabella Silva
 
Parcial biologia
Parcial   biologiaParcial   biologia
Parcial biologia
Isabella Silva
 

Mais de Isabella Silva (20)

Hist ria e_termodin_mica
Hist ria e_termodin_micaHist ria e_termodin_mica
Hist ria e_termodin_mica
 
Termodin mica (1)
Termodin mica (1)Termodin mica (1)
Termodin mica (1)
 
Lista de exerc_cios_ondas_harm_nicas_f_sica_i_fabio_jorge_2_ano_3_trimestre
Lista de exerc_cios_ondas_harm_nicas_f_sica_i_fabio_jorge_2_ano_3_trimestreLista de exerc_cios_ondas_harm_nicas_f_sica_i_fabio_jorge_2_ano_3_trimestre
Lista de exerc_cios_ondas_harm_nicas_f_sica_i_fabio_jorge_2_ano_3_trimestre
 
Atividade de 2_ano_3_trimestre_professores_diversos_
Atividade de 2_ano_3_trimestre_professores_diversos_Atividade de 2_ano_3_trimestre_professores_diversos_
Atividade de 2_ano_3_trimestre_professores_diversos_
 
Efeito doppler sv
Efeito doppler svEfeito doppler sv
Efeito doppler sv
 
Movimento harmonico f_sica_i_2_ano_fabio_jorge_sv
Movimento harmonico f_sica_i_2_ano_fabio_jorge_svMovimento harmonico f_sica_i_2_ano_fabio_jorge_sv
Movimento harmonico f_sica_i_2_ano_fabio_jorge_sv
 
Inglês
InglêsInglês
Inglês
 
Inglês
InglêsInglês
Inglês
 
Impressionismo pré pas
Impressionismo pré  pasImpressionismo pré  pas
Impressionismo pré pas
 
Impressionismo 01
Impressionismo   01Impressionismo   01
Impressionismo 01
 
Fotografia atualizada
Fotografia atualizadaFotografia atualizada
Fotografia atualizada
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
 
Revisão de visuais
Revisão de visuaisRevisão de visuais
Revisão de visuais
 
Revisão prova parcial de cenicas 3 º trimestre
Revisão prova parcial de cenicas 3 º trimestreRevisão prova parcial de cenicas 3 º trimestre
Revisão prova parcial de cenicas 3 º trimestre
 
Digitalizar0012
Digitalizar0012Digitalizar0012
Digitalizar0012
 
Adverbios
AdverbiosAdverbios
Adverbios
 
Revisão coordenadas
Revisão coordenadasRevisão coordenadas
Revisão coordenadas
 
Prova de literatura
Prova de literaturaProva de literatura
Prova de literatura
 
Angiospermas
AngiospermasAngiospermas
Angiospermas
 
Parcial biologia
Parcial   biologiaParcial   biologia
Parcial biologia
 

Romantismo

  • 2. Romantismo “Metamos o martelo nas teorias, nas poéticas e nos sistemas. Abaixo este velho reboco que mascara a fachada da arte!” Victor Hugo
  • 3. Características gerais  Europa (metade do século XVIII)  Libertação dos padrões neoclássicos da Literatura  Valorização da imaginação  Originalidade  Nacionalismo (identidade das nações)  Emoção supera razão  Consciência Social
  • 4. Victor Hugo  Vós, que sofreis, porque amais, amai ainda mais. Morrer de amor é viver dele.  Há pensamentos que são orações. Há momentos nos quais, seja qual for a posição do corpo, a alma está de joelhos.
  • 5. Ser bom é fácil. O difícil é ser justo.  O futuro tem muitos nomes. Para os fracos é o inalcançável. para os temerosos, o desconhecido. Para os valentes é a oportunidade.  Não há nada como o sonho para criar o futuro. Utopia hoje, carne e osso amanhã.
  • 6. Chega sempre a hora em que não basta apenas protestar: após a filosofia, a ação é indispensável.  É triste pensar que a natureza fala e que o gênero humano não a ouve.  Tudo quanto aumenta a liberdade, aumenta a responsabilidade.
  • 11. O canto do guerreiro CANTO I Aqui na floresta Dos ventos batida, Façanhas de bravos Não geram escravos, Que estimem a vida Sem guerra e lidar. — Ouvi-me, Guerreiros, — Ouvi meu cantar.  
  • 12. C a n ç ã o d o e x íl io Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá; As aves, que aqui gorjeiam, Não gorjeiam como lá. Nosso céu tem mais estrelas, Nossas várzeas têm mais flores, Nossos bosques têm mais vida, Nossa vida mais amores. Em  cismar, sozinho, à noite, Mais prazer eu encontro lá; Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá. Minha terra tem primores, Que tais não encontro eu cá; Em cismar –sozinho, à noite– Mais prazer eu encontro lá; Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá. Não permita Deus que eu morra, Sem que eu volte para lá; Sem que disfrute os primores Que não encontro por cá; Sem qu'inda aviste as palmeiras, Onde canta o Sabiá.    De Primeiros cantos (1847)   Gonçalves Dias  
  • 13. Projeto Literário da 1ª Geração
  • 15. Sonhando Na praia deserta que a lua branqueia, Que mimo! que rosa, que filha de Deus! Tão pálida ao vê-la meu ser devaneia, Sufoco nos lábios os hálitos meus!
  • 16. Não corras na areia, Não corras assim! Donzela, onde vais? Tem pena de mim! A praia é tão longa! e a onda bravia As roupas de gaza te molha de escuma; De noite aos serenos a areia é tão fria, Tão úmido o vento que os ares perfuma!
  • 17. És tão doentia! Não corras assim! Donzela, onde vais? Tem pena de mim! A brisa teus negros cabelos soltou, O orvalho da face te esfria o suor; Teus seios palpitam a brisa os roçou, Beijou-os, suspira, desmaia de amor!
  • 18. A brisa teus negros cabelos soltou, O orvalho da face te esfria o suor; Teus seios palpitam a brisa os roçou, Beijou-os, suspira, desmaia de amor! E o pálido mimo da minha paixão Num longo soluço tremeu e parou; Sentou-se na praia; sozinha no chão A mão regelada no colo pousou! (...)
  • 19. E a imagem da virgem nas águas do mar Brilhava tão branca no límpido véu! Nem mais transparente luzia o luar No ambiente sem nuvens da noite do céu! Nas águas do mar Não durmas assim! Não morras, donzela, Espera por mim! (Álvares de Azevedo)
  • 20. Projeto Literário da 2ª Geração
  • 21. Bring me to life
  • 24. O Navio Negreiro 'Stamos em pleno mar Era um sonho dantesco... o tombadilho, Que das luzernas avermelha o brilho, Em sangue a se banhar. Tinir de ferros... estalar do açoite... Legiões de homens negros como a noite, Horrendos a dançar...
  • 25. Negras mulheres, suspendendo às tetas Magras crianças, cujas bocas pretas Rega o sangue das mães: Outras, moças... mas nuas, espantadas, No turbilhão de espectros arrastadas, Em ânsia e mágoa vãs.
  • 26. E ri-se a orquestra, irônica, estridente... E da ronda fantástica a serpente Faz doudas espirais... Se o velho arqueja... se no chão resvala, Ouvem-se gritos... o chicote estala. E voam mais e mais... Presa dos elos de uma só cadeia, A multidão faminta cambaleia E chora e dança ali!
  • 27. Um de raiva delira, outro enlouquece... Outro, que de martírios embrutece, Cantando, geme e ri! No entanto o capitão manda a manobra E após, fitando o céu que se desdobra Tão puro sobre o mar, Diz do fumo entre os densos nevoeiros: "Vibrai rijo o chicote, marinheiros! Fazei-os mais dançar!..."
  • 28. E ri-se a orquestra irônica, estridente... E da ronda fantástica a serpente Faz doudas espirais! Qual num sonho dantesco as sombras voam... Gritos, ais, maldições, preces ressoam! E ri-se Satanás!... Senhor Deus dos desgraçados! Dizei-me vós, Senhor Deus! Se é loucura... se é verdade Tanto horror perante os céus...
  • 29. Ó mar, por que não apagas Co'a esponja de tuas vagas De teu manto este borrão?... Astros! noite! tempestades! Rolai das imensidades! Varrei os mares, tufão!...
  • 30. Quem são estes desgraçados Que não encontram em vós Mais que o rir calmo da turba Que excita a fúria do algoz? Quem são?... Se a estrela se cala, Se a vaga à pressa resvala Como um cúmplice fugaz, Perante a noite confusa... Dize-o tu, severa musa, Musa libérrima, audaz!
  • 31. São os filhos do deserto Onde a terra esposa a luz. Onde voa em campo aberto A tribo dos homens nus... São os guerreiros ousados, Que com os tigres mosqueados Combatem na solidão... Homens simples, fortes, bravos... Hoje míseros escravos Sem ar, sem luz, sem razão...
  • 32. São mulheres desgraçadas Como Agar o foi também, Que sedentas, alquebradas, De longe... bem longe vêm... Trazendo com tíbios passos Filhos e algemas nos braços, N'alma lágrimas e fel. Como Agar sofrendo tanto Que nem o leite do pranto Têm que dar para Ismael...
  • 33. Lá nas areias infindas, Das palmeiras no país, Nasceram crianças lindas, Viveram moças gentis... Passa um dia a caravana Quando a virgem na cabana Cisma das noites nos véus... ...Adeus! ó choça do monte!... ...Adeus! palmeiras da fonte!... ...Adeus! amores... adeus!... Senhor Deus dos desgraçados! Dizei-me vós, Senhor Deus! Se eu deliro... ou se é verdade
  • 34. Tanto horror perante os céus... Ó mar, por que não apagas Co'a esponja de tuas vagas De teu manto este borrão? Astros! noite! tempestades! Rolai das imensidades! Varrei os mares, tufão!...
  • 35. E existe um povo que a bandeira empresta P'ra cobrir tanta infâmia e cobardia!... E deixa-a transformar-se nessa festa Em manto impuro de bacante fria!... Meu Deus! meu Deus! mas que bandeira é esta, Que impudente na gávea tripudia?!... Silêncio!... Musa! chora, chora tanto Que o pavilhão se lave no seu pranto...
  • 36. Auriverde pendão de minha terra, Que a brisa do Brasil beija e balança, Estandarte que a luz do sol encerra, E as promessas divinas da esperança... Tu, que da liberdade após a guerra, Foste hasteado dos heróis na lança, Antes te houvessem roto na batalha, Que servires a um povo de mortalha!...
  • 37. Fatalidade atroz que a mente esmaga! Extingue nesta hora o brigue imundo O trilho que Colombo abriu na vaga, Como um íris no pélago profundo!... ...Mas é infâmia demais... Da etérea plaga Levantai-vos, heróis do Novo Mundo... Andrada! arranca este pendão dos ares! Colombo! fecha a porta de teus mares!
  • 38. Exercícios 1- Pesquisar os termos subsequente, que se desenvolveram como características do movimento do Romantismo. a- Indianismo h- Religiosidade b- Nacionalismo i- Condoreirismo c- “Mal do século” d- Pessimismo e- Byronismo f- Escapismo g- Satanismo
  • 39. 2 – Pesquise o perfil da “mulher” nas três gerações do Romantismo. 3 – Conforme sua preferência, selecione três poemas que, respectivamente, representem cada uma das gerações românticas, interprete-os e aponte as características que corroborem seus estilos românticos.
  • 40. 4 – Pesquise a tradução da música “Bring me to life” e relacione-a com a segunda geração romântica.