SlideShare uma empresa Scribd logo
Revolução Industrial
Aulas Pré Enem Projeto Social Sertep
2017
Geraldo Magela Batista
Email: gmbui33431@bol.com.br
Acesse o site: http://www.geraldofadipa.comunidades.net
Nascedouro
A Revolução Industrial nasceu na Inglaterra, metade
do século XVIII e expandiu-se pelo mundo a partir do
século XIX.
Revolução Industrial
• Acumulação de capital resultante da exploração colonial praticada pela
Inglaterra através do comércio.
• Grandes reservas de carvão mineral em seu subsolo. principal fonte de
energia para movimentar as máquinas e as locomotivas à vapor.
• Grandes reservas de minério de ferro, a principal matéria-prima utilizada
neste período.
• A mão de obra disponível em abundância (desde a Lei dos Cercamentos
de Terras)
• Política: Estado liberal desde 1688 com a Revolução Gloriosa, transformou
a Monarquia Absolutista em Monarquia Parlamentar.
Revolução
A palavra revolução empregada nas transformações
políticas de grande impacto na sociedade.
• Revolução Francesa
• Revolução Russa
O advento da indústria e da produção mecanizada,
ocorrido na Inglaterra do século XVIII, caracterizou-se
como um evento revolucionário.
Revolução Industrial
Característica
Criação do sistema fabril mecanizado. Fábricas passaram da
simples produção manufaturada para a complexa substituição
do trabalho manual por máquinas.
Revolução Industrial
• Surgimento da fábricas
• Produção em série
• Trabalho assalariado
• Transportes e máquinas
• substituição do homem pela máquina. Desemprego
• Queda nos preços das mercadorias. Acelerou o ritmo de produção
Desenvolvimento Tecnológico
Revolução Industrial
Implicações na mudança do modelo de produção
Aceleração da produção de mercadorias. Produção em larga escala.
• Alta demanda por matéria-prima
• Mão de obra especializada para as fábricas
• Mercado consumidor
• Encurtamento do tempo que se percorria para escoar os produtos
Atenção
Tal exigência implicou na aceleração dos meios de transporte de
pessoas e mercadorias.
Revolução Industrial
As máquinas a vapor revolucionou o modo de produzir. Se por um lado substituiu
o homem, gerando milhares de desempregados, por outro baixou o preço de
mercadorias e acelerou o ritmo de produção.
Desenvolvimento Tecnológico - Máquina a vapor de James Watt.
Revolução Industrial
Em 1807, foi inventado o barco a vapor
Desenvolvimento Tecnológico - Transporte
Revolução Industrial
Em 1814, a locomotiva a vapor
Desenvolvimento Tecnológico - Transporte
Revolução Industrial
Com a invenção das máquinas
Revolução Industrial
Máquina de fiar
Acelerou a fabricação de tecidos no início da
Revolução Industrial.
Primeira Revolução Industrial - Duração aproximada 1760 a 1860
Revolução Industrial
Limitada à Inglaterra
Tendo como destaque o desenvolvimento da indústria de
tecidos e o aperfeiçoamento das máquinas a vapor.
O caminho vermelho é o do vapor aquecido de entrada cuja força movimenta o embolo. O caminho amarelo é o de
saída do vapor por uma segunda chaminé.
Segunda Revolução Industrial – Entre 1860 a 1900
Revolução Industrial
Expansão
Quando diversos países da Europa e de outros
continentes, como EUA e Japão, deram início a seus
progressos tecnológicos.
Quadro comparativo da primeira e segunda revolução
Revolução Industrial
Primeira Fase Segunda Fase
Material Industrial
Básico FERRO AÇO
Principal Fonte
Energética VAPOR
ELETRICIDADE
PETRÓLEO
Setor
Predominante TÊXTIL
DIVERSIFICAÇÃO DA
PRODUÇÃO
(expansão)
Com a invenção das máquinas
Ficou mais fácil e mais rápido produzir.
Mas...
• E a vida do trabalhador como foi afetada?
• E o ambiente de trabalho?
Revolução Industrial
• Proprietários dos Meios de Produção.
Capitalistas. Proprietários dos capitais, dos prédios, das
máquinas, matérias-primas e dos bens produzidos pelo trabalho.
• Não proprietários dos meios de produção
Operários. Proletários ou trabalhadores assalariados, possuem
apenas sua força de trabalho e a vendem aos empresários para
produzir mercadorias em troca de salário.
Transformações das Relações Sociais
Revolução Industrial
Cada operário executava uma tarefa.
” Um operário desenrola o arame, o outro o endireita, um terceiro corta, um quarto o afia nas pontas para a
colocação da cabeça do alfinete; para fazer a cabeça do alfinete requerem-se 3 ou 4 operações diferentes.”
SMITH, Adam. A Riqueza das Nações. Investigação sobre a sua Natureza e suas Causas
Divisão do trabalho
Revolução Industrial
O pior ambiente de trabalho possível
As condições das fábricas eram precárias. Eram ambientes
com péssima iluminação, abafados e sujos.
Cotidiano dos Operários – As fábricas
Revolução Industrial
• Jornada de trabalho: 14 a 18 horas diárias
• Horários eram impostos por meio de multas e ameaças
• Crianças (a partir de 6 anos) eram surradas por qualquer brincadeira,
atraso ou caso errassem a forma de executar uma tarefa
• Mulheres e crianças recebiam menos da metade do salário de um
homem, por isso eram a mão de obra preferida dos patrões.
Cotidiano dos Operários
Revolução Industrial
Ludismo
Atribuído a Ned Ludd, Inglaterra. Consistia em uma tentativa de
destruição das máquinas. O governo inglês reagiu decretando
pena de morte aos revoltosos.
Desenvolvimento do movimento operário
Revolução Industrial
"Nós marchamos para realizar a nossa vontade com machado,
lança ou fuzil. Meus valentes cortadores os que com apenas um
só forte golpe rompem com as máquinas cortadeiras“
Cartismo
Inglaterra. O movimento surgiu por volta de
1837 e culminou com a “Carta do Povo” -
Redigida pela associação dos operários e
reivindicavam:
• Melhores condições de trabalho
• Sufrágio universal masculino
• Renovação anual do parlamento
• Participação no parlamento
O movimento foi massacrado pelo parlamento inglês que desconsiderou as
reivindicações impostas pelos trabalhadores.
Desenvolvimento do movimento operário
Revolução Industrial
Trade Unions (união de profissionais/oficio)
Inglaterra. Organizações de associações de trabalhadores, de caráter
assistencialista, germe do sindicato moderno
Desenvolvimento do movimento operário
Revolução Industrial
Sindicatos:
A definição de sindicato muda-se de acordo com o tempo e as
condições políticas, razão pela qual, para alguns estudiosos, o
sindicato é a coalizão permanente para a luta de classe e, para outros,
é o órgão destinado a solucionar o problema social.
1ª Internacional -AIT (1864-1876
Organização dos sindicatos de
todo o mundo pela melhoria nas
condições de trabalho.
Discussões a cerca do Socialismo
científico e o anarquismo.
Desenvolvimento do movimento operário
Revolução Industrial
Etapas da atividade industrial
Revolução Industrial
A palavra indústria indicava o modo de transformar
matérias-primas em produtos a ser utilizados ou consumidos.
Abrange três processos:
• Artesanato
• Manufatura
• Maquinofatura
Observação
–Os dois primeiros são anteriores à Revolução Industrial.
Artesanato
Revolução Industrial
Surgiu com o renascimento urbano e comercial, sendo
representado por uma produção de caráter familiar.
• O produtor possuía os meios de produção
• Trabalhava com a família em sua própria casa
Atenção...
Realizando todas as etapas da produção, desde o preparo da
matéria-prima, até o acabamento final. Não havia divisão do
trabalho.
Revolução Industrial
Nessa fase o Artesão é dono:
• Da matéria prima
• Dos instrumentos
• Do produto final
Artesanato
Revolução Industrial
Artesanato
Na tecelagem, quem produzia fios também os tecia.
Como o artesão trabalhava em casa, auxiliado apenas pela família, esse
tipo de atividade industrial é conhecido como sistema doméstico de
produção.
Revolução Industrial
Artesanato
Nesse período a produção artesanal e o comércio estavam sob controle das
corporações de ofício e de associações, limitando o desenvolvimento da produção.
Manufatureira
Revolução Industrial
Oficinas composta por um grande número de operários e
ferramentas, coordenadas por um gerente (mestre).
Manufatureira
Revolução Industrial
Nessa fase o trabalhador não é dono dos instrumentos de
produção.
• Ricos comerciantes: Donos da matéria-prima
• Ricos artesãos: Donos dos instrumentos de produção
Atenção
Neste período iniciou a interferência do capitalista no processo
produtivo. Ele passou a comprar a matéria-prima e a determinar o ritmo
de produção visando atender com agilidade os principais mercados
consumidores.
Manufatureira - Cercamentos
Revolução Industrial
Foi o golpe fatal do modo de produção feudal. Não havia mais
necessidade do camponês para se obter o lucro da utilização da
terra.
O “quente e lucrativo” agora era criar ovelhas para
fornecer para lã para as manufaturas têxteis.
Camponês foram expulsos das terras
Parênteses
Revolução Industrial
Capitalismo Comercial (Teorias do Mercantilismo)
Capitalismo Industrial
Capitalismo Comercial (Teoria Mercantilismo)
Revolução Industrial
Período das grandes navegações ou descobrimentos, quando
novas terras, principalmente o continente americano, passaram a
fazer parte do mundo até então conhecido.
Os países do Velho Mundo (Portugal, Espanha, França e Inglaterra)
obtiveram grandes conquistas territoriais no Novo Mundo e fizeram dos
territórios recém-conquistados suas colônias.
Capitalismo Comercial (Teoria Mercantilismo)
Revolução Industrial
Pontos Fundamentais Mercantilismo
• Balança comercial favorável
• Protecionismo
• Metalismo
• Monopólio
Capitalismo Comercial (Teoria Mercantilismo)
Revolução Industrial
Pacto Colonial
As regras das relações entre as metrópoles e colônias foram estabelecidas pelo
Pacto Colonial, segundo o qual a colônia só podia manter relações comerciais com
a metrópole. Surgiu, assim, a primeira divisão internacional do trabalho (DIT).
Capitalismo Industrial
Revolução Industrial
Século XVIII ao XX
Marcada pela Primeira e Segunda Revolução Industrial e partilha da África e da Ásia
entre as potencias colonialistas europeias – o imperialismo.
• A produção industrial tornou-se a maior fonte de lucro
• O trabalho assalariado passou a ser a relação típica
do capitalismo
quem recebia salário acabava consumindo os
produtos que ajudava a fabricar.
Capitalismo financeiro ou monopolista
Revolução Industrial
Desenvolveu-se após a Primeira Guerra Mundial
O capital acumulado nas etapas anteriores precisava de outras atividades, além da
atividade industrial, para ser multiplicado.
• Novas atividades dos bancos
• Criação de corretoras de valores
• Surgimento dos grandes grupos empresariais
• Iniciou o processo de concentração de capital
A união do capital industrial com o capital de financiamento (bancário) deu origem ao capital
financeiro, que é a própria essência do capitalismo atual
Ideologia – A maior das armas
Revolução Industrial
Sua função é formar a maior parte das ideias e convicções dos
indivíduos e, com isso, orientar todo o seu comportamento social.
A versão e apresentada a partir de interesses:
• Seja para manter a sociedade nas condições em que se
encontra
• Seja para transformá-la em sua estrutura econômica,
político ou cultural.
Ideologia – A maior das armas
Revolução Industrial
Mudança da Ideologia
Disse-lhe Jesus: Se queres ser perfeito, vai, vende tudo o que tens e dá-o
aos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem, segue- me. Mateus 19:21
Versão errada para Max Weber (A Ética Protestante e o Espírito
do Capitalismo). Trabalho e prosperidade (riqueza) como benção
de Deus.
Ideologia – A maior das armas
Revolução Industrial
Juntou-se a fome e a vontade de comer
• A Reforma Protestante alterou o pensamento cristão sobre o
trabalho e riqueza (bateu com as ideias da burguesia)
• A riqueza em si não é condenável, mas sim o não trabalho e a
preguiça que ele pode causar. (ponto para a burguesia)
Ela precisava de trabalhadores dedicados, sóbrios e dóceis
em relação às condições de trabalho e baixos salários.
Adam Smith
Iniciativa privada deveria agir livremente, com pouca ou nenhuma
intervenção governamental.
A competição livre entre os fornecedores levaria não só à queda
do preço, mas também, a constantes inovações tecnológicas na
ânsia de baratear o custo de produção e vencer os competidores.
Ideologia - Liberalismo
Revolução Industrial
Thomas Malthus
Qualquer melhoria no padrão de vida de grande massa é temporária, pois
ela ocasiona um inevitável aumento da população, o que acaba impedindo
qualquer possibilidade de melhoria.
Em sua obra Ensaio sobre o Princípio da População, destaca que a população
cresce em progressão geométrica, enquanto que a produção de alimento
aumenta em progressão aritmética, portanto o problema da pobreza é
impossível de ser resolvido.
Ideologia - Demografia
Revolução Industrial
Marx e Engels.
Defendiam a ideia de que somente o proletariado é uma classe
verdadeiramente revolucionária, e, por essa razão, deveria tomar o
poder político das mãos da burguesia e implantar a ditadura do
proletariado, até pôr fim às desigualdades sociais.
Ideologia - Socialista
Revolução Industrial
David Ricardo
Para ele, os salários baixos e pobreza são consequências de uma lei
natural conhecida como: a lei da oferta e da procura, e não há como ir
de encontro a isso. O mercado é que determina o salário.
Ideologia - a lei da oferta e da procura
Revolução Industrial
• Na economia formaram-se grandes empresas industriais e a atividade industrial
passou a ocupar o centro da vida econômica.
• Trabalho assalariado.
• Migração do meio rural para as grandes cidades, causando o crescimento urbano
da sociedade e formando os grandes centros industriais.
• Surgimento de uma burguesia industrial fortalecida e, em contrapartida, uma
classe operária oprimida.
• Na política houve queda do estado absolutista
• Disputa entre os países europeus pelo domínio das colônias na África e na Ásia
com o objetivo de obter matérias-primas para a indústria e consumidores para os
produtos manufaturados.
Consequências
Revolução Industrial
Email: gmbui33431@bol.com.br
Acesse o site: http://www.geraldofadipa.comunidades.net

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Revolucaoindustrial 091220091726
Revolucaoindustrial 091220091726Revolucaoindustrial 091220091726
Revolucaoindustrial 091220091726
Moacir E Nalin
 
Aula 6 revolução industrial
Aula 6   revolução industrialAula 6   revolução industrial
Aula 6 revolução industrial
Profdaltonjunior
 
ERA DA REVOLUÇÕES - REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
ERA DA REVOLUÇÕES - REVOLUÇÃO INDUSTRIALERA DA REVOLUÇÕES - REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
ERA DA REVOLUÇÕES - REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
Diego Bian Filo Moreira
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Pérysson Nogueira
 
Geografia ppt capitalismo e a revolução industrial
Geografia ppt   capitalismo e a revolução industrialGeografia ppt   capitalismo e a revolução industrial
Geografia ppt capitalismo e a revolução industrial
Amadeu Neto
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
Marcelo Lillyan Montes
 
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
REVOLUÇÃO INDUSTRIALREVOLUÇÃO INDUSTRIAL
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
Franciny Wagner da Silva
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Bárbara Araújo Machado
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Isabel Aguiar
 
Slide revoluçao industrial - 1a fase
Slide revoluçao industrial - 1a faseSlide revoluçao industrial - 1a fase
Slide revoluçao industrial - 1a fase
Educador Lamarão
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
IiIlukinhaIiI
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
TrabalhosdeEscola
 
Revolução industrial slide
Revolução industrial slideRevolução industrial slide
Revolução industrial slide
Hary Duarte
 
As fases da revolução industrial 2017
As fases  da revolução industrial 2017As fases  da revolução industrial 2017
As fases da revolução industrial 2017
Nelia Salles Nantes
 
3 revolução industrial
3   revolução industrial3   revolução industrial
3 revolução industrial
Marilia Pimentel
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Acessa Esterina
 
Revoluã§ã£o industrial
Revoluã§ã£o industrialRevoluã§ã£o industrial
Revoluã§ã£o industrial
Jornal Ovale
 
2015 revolução industrial
2015  revolução industrial2015  revolução industrial
2015 revolução industrial
MARIANO C7S
 
A Revolução Industrial
A Revolução IndustrialA Revolução Industrial
A Revolução Industrial
NBrunoFS
 
Revolucao industrial2014
Revolucao industrial2014Revolucao industrial2014
Revolucao industrial2014
Priscila Azeredo
 

Mais procurados (20)

Revolucaoindustrial 091220091726
Revolucaoindustrial 091220091726Revolucaoindustrial 091220091726
Revolucaoindustrial 091220091726
 
Aula 6 revolução industrial
Aula 6   revolução industrialAula 6   revolução industrial
Aula 6 revolução industrial
 
ERA DA REVOLUÇÕES - REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
ERA DA REVOLUÇÕES - REVOLUÇÃO INDUSTRIALERA DA REVOLUÇÕES - REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
ERA DA REVOLUÇÕES - REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Geografia ppt capitalismo e a revolução industrial
Geografia ppt   capitalismo e a revolução industrialGeografia ppt   capitalismo e a revolução industrial
Geografia ppt capitalismo e a revolução industrial
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
REVOLUÇÃO INDUSTRIALREVOLUÇÃO INDUSTRIAL
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Slide revoluçao industrial - 1a fase
Slide revoluçao industrial - 1a faseSlide revoluçao industrial - 1a fase
Slide revoluçao industrial - 1a fase
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Revolução industrial slide
Revolução industrial slideRevolução industrial slide
Revolução industrial slide
 
As fases da revolução industrial 2017
As fases  da revolução industrial 2017As fases  da revolução industrial 2017
As fases da revolução industrial 2017
 
3 revolução industrial
3   revolução industrial3   revolução industrial
3 revolução industrial
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Revoluã§ã£o industrial
Revoluã§ã£o industrialRevoluã§ã£o industrial
Revoluã§ã£o industrial
 
2015 revolução industrial
2015  revolução industrial2015  revolução industrial
2015 revolução industrial
 
A Revolução Industrial
A Revolução IndustrialA Revolução Industrial
A Revolução Industrial
 
Revolucao industrial2014
Revolucao industrial2014Revolucao industrial2014
Revolucao industrial2014
 

Semelhante a Rindustrial

Revisao historia
Revisao historiaRevisao historia
Revisao historia
Sarah Guimarães Portela
 
Trabalho revolução industrial
Trabalho revolução industrialTrabalho revolução industrial
Trabalho revolução industrial
Raphael Santos Silva
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Janaina Flavia Santos Azevedo
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
Nelia Salles Nantes
 
EJA DIA 28-03.pdf
EJA DIA 28-03.pdfEJA DIA 28-03.pdf
EJA DIA 28-03.pdf
GilmarDaSilvaCampos1
 
Aula 11 rev. industrial e socialismo
Aula 11   rev. industrial e socialismoAula 11   rev. industrial e socialismo
Aula 11 rev. industrial e socialismo
Jonatas Carlos
 
Historiando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olharesHistoriando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olhares
Janayna Lira
 
Historiando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olharesHistoriando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olhares
Janayna Lira
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Edenilson Morais
 
Revolucao industrial editado 2
Revolucao industrial editado 2Revolucao industrial editado 2
Revolucao industrial editado 2
Carla Prestes
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
João Paulo Radd
 
A indústria
A indústriaA indústria
A indústria
Maria Joao Feio
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
historiando
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
Nelia Salles Nantes
 
1ª Revolução Industrial
1ª Revolução Industrial1ª Revolução Industrial
1ª Revolução Industrial
Laerciolns12
 
Revolução Industrial - Jessica, Daiane e Eliel 2ºA CDA
Revolução Industrial - Jessica, Daiane e Eliel 2ºA CDARevolução Industrial - Jessica, Daiane e Eliel 2ºA CDA
Revolução Industrial - Jessica, Daiane e Eliel 2ºA CDA
artbio
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
Layla Aquino
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Zeze Silva
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
historiando
 
A revolução industrial proporcionou o capitalismo econômico
A revolução industrial proporcionou o capitalismo econômicoA revolução industrial proporcionou o capitalismo econômico
A revolução industrial proporcionou o capitalismo econômico
Ricardo Diniz campos
 

Semelhante a Rindustrial (20)

Revisao historia
Revisao historiaRevisao historia
Revisao historia
 
Trabalho revolução industrial
Trabalho revolução industrialTrabalho revolução industrial
Trabalho revolução industrial
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 
EJA DIA 28-03.pdf
EJA DIA 28-03.pdfEJA DIA 28-03.pdf
EJA DIA 28-03.pdf
 
Aula 11 rev. industrial e socialismo
Aula 11   rev. industrial e socialismoAula 11   rev. industrial e socialismo
Aula 11 rev. industrial e socialismo
 
Historiando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olharesHistoriando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olhares
 
Historiando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olharesHistoriando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olhares
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Revolucao industrial editado 2
Revolucao industrial editado 2Revolucao industrial editado 2
Revolucao industrial editado 2
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
A indústria
A indústriaA indústria
A indústria
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 
1ª Revolução Industrial
1ª Revolução Industrial1ª Revolução Industrial
1ª Revolução Industrial
 
Revolução Industrial - Jessica, Daiane e Eliel 2ºA CDA
Revolução Industrial - Jessica, Daiane e Eliel 2ºA CDARevolução Industrial - Jessica, Daiane e Eliel 2ºA CDA
Revolução Industrial - Jessica, Daiane e Eliel 2ºA CDA
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 
A revolução industrial proporcionou o capitalismo econômico
A revolução industrial proporcionou o capitalismo econômicoA revolução industrial proporcionou o capitalismo econômico
A revolução industrial proporcionou o capitalismo econômico
 

Mais de Pitágoras

Arbitragem resumo
Arbitragem resumoArbitragem resumo
Arbitragem resumo
Pitágoras
 
Viagem pela estrada de ferro leopoldina
Viagem pela estrada de ferro leopoldinaViagem pela estrada de ferro leopoldina
Viagem pela estrada de ferro leopoldina
Pitágoras
 
Caminhonete do senhor filomeno
Caminhonete do senhor filomenoCaminhonete do senhor filomeno
Caminhonete do senhor filomeno
Pitágoras
 
Tio Altivo
Tio AltivoTio Altivo
Tio Altivo
Pitágoras
 
Bom crioulo
Bom criouloBom crioulo
Bom crioulo
Pitágoras
 
Estorias do vo jaco
Estorias do vo jacoEstorias do vo jaco
Estorias do vo jaco
Pitágoras
 
Bom jesus nos meus tempos de crianca
Bom jesus nos meus  tempos de criancaBom jesus nos meus  tempos de crianca
Bom jesus nos meus tempos de crianca
Pitágoras
 
Familia batista
Familia batistaFamilia batista
Familia batista
Pitágoras
 
Meus avos maternos
Meus avos maternosMeus avos maternos
Meus avos maternos
Pitágoras
 
Familia paterna os genuinos
Familia paterna os genuinosFamilia paterna os genuinos
Familia paterna os genuinos
Pitágoras
 
As terras de francisco jacob
As terras de francisco jacobAs terras de francisco jacob
As terras de francisco jacob
Pitágoras
 
Curso de direito penal
Curso de direito penalCurso de direito penal
Curso de direito penal
Pitágoras
 
Atividade discursiva ava adocao homoafetiva
Atividade discursiva ava adocao homoafetivaAtividade discursiva ava adocao homoafetiva
Atividade discursiva ava adocao homoafetiva
Pitágoras
 
Atividade discursiva ava john locke
Atividade discursiva ava john lockeAtividade discursiva ava john locke
Atividade discursiva ava john locke
Pitágoras
 
Atividade discursiva ava alienacao parental
Atividade discursiva ava alienacao parentalAtividade discursiva ava alienacao parental
Atividade discursiva ava alienacao parental
Pitágoras
 
Direito constitucional competencias
Direito constitucional competenciasDireito constitucional competencias
Direito constitucional competencias
Pitágoras
 
Direito constitucional introducao
Direito constitucional introducaoDireito constitucional introducao
Direito constitucional introducao
Pitágoras
 
Perspectivas sociologicas
Perspectivas sociologicasPerspectivas sociologicas
Perspectivas sociologicas
Pitágoras
 
Previdenciario aposentadorias
Previdenciario aposentadoriasPrevidenciario aposentadorias
Previdenciario aposentadorias
Pitágoras
 
Processo penal resumo provas no processo penal
Processo penal resumo provas no processo penalProcesso penal resumo provas no processo penal
Processo penal resumo provas no processo penal
Pitágoras
 

Mais de Pitágoras (20)

Arbitragem resumo
Arbitragem resumoArbitragem resumo
Arbitragem resumo
 
Viagem pela estrada de ferro leopoldina
Viagem pela estrada de ferro leopoldinaViagem pela estrada de ferro leopoldina
Viagem pela estrada de ferro leopoldina
 
Caminhonete do senhor filomeno
Caminhonete do senhor filomenoCaminhonete do senhor filomeno
Caminhonete do senhor filomeno
 
Tio Altivo
Tio AltivoTio Altivo
Tio Altivo
 
Bom crioulo
Bom criouloBom crioulo
Bom crioulo
 
Estorias do vo jaco
Estorias do vo jacoEstorias do vo jaco
Estorias do vo jaco
 
Bom jesus nos meus tempos de crianca
Bom jesus nos meus  tempos de criancaBom jesus nos meus  tempos de crianca
Bom jesus nos meus tempos de crianca
 
Familia batista
Familia batistaFamilia batista
Familia batista
 
Meus avos maternos
Meus avos maternosMeus avos maternos
Meus avos maternos
 
Familia paterna os genuinos
Familia paterna os genuinosFamilia paterna os genuinos
Familia paterna os genuinos
 
As terras de francisco jacob
As terras de francisco jacobAs terras de francisco jacob
As terras de francisco jacob
 
Curso de direito penal
Curso de direito penalCurso de direito penal
Curso de direito penal
 
Atividade discursiva ava adocao homoafetiva
Atividade discursiva ava adocao homoafetivaAtividade discursiva ava adocao homoafetiva
Atividade discursiva ava adocao homoafetiva
 
Atividade discursiva ava john locke
Atividade discursiva ava john lockeAtividade discursiva ava john locke
Atividade discursiva ava john locke
 
Atividade discursiva ava alienacao parental
Atividade discursiva ava alienacao parentalAtividade discursiva ava alienacao parental
Atividade discursiva ava alienacao parental
 
Direito constitucional competencias
Direito constitucional competenciasDireito constitucional competencias
Direito constitucional competencias
 
Direito constitucional introducao
Direito constitucional introducaoDireito constitucional introducao
Direito constitucional introducao
 
Perspectivas sociologicas
Perspectivas sociologicasPerspectivas sociologicas
Perspectivas sociologicas
 
Previdenciario aposentadorias
Previdenciario aposentadoriasPrevidenciario aposentadorias
Previdenciario aposentadorias
 
Processo penal resumo provas no processo penal
Processo penal resumo provas no processo penalProcesso penal resumo provas no processo penal
Processo penal resumo provas no processo penal
 

Último

P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
Estuda.com
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
luggio9854
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
helenawaya9
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
VIAGEM AO PASSADO -
VIAGEM AO PASSADO                        -VIAGEM AO PASSADO                        -
VIAGEM AO PASSADO -
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 

Rindustrial

  • 1. Revolução Industrial Aulas Pré Enem Projeto Social Sertep 2017 Geraldo Magela Batista Email: gmbui33431@bol.com.br Acesse o site: http://www.geraldofadipa.comunidades.net
  • 2. Nascedouro A Revolução Industrial nasceu na Inglaterra, metade do século XVIII e expandiu-se pelo mundo a partir do século XIX. Revolução Industrial • Acumulação de capital resultante da exploração colonial praticada pela Inglaterra através do comércio. • Grandes reservas de carvão mineral em seu subsolo. principal fonte de energia para movimentar as máquinas e as locomotivas à vapor. • Grandes reservas de minério de ferro, a principal matéria-prima utilizada neste período. • A mão de obra disponível em abundância (desde a Lei dos Cercamentos de Terras) • Política: Estado liberal desde 1688 com a Revolução Gloriosa, transformou a Monarquia Absolutista em Monarquia Parlamentar.
  • 3. Revolução A palavra revolução empregada nas transformações políticas de grande impacto na sociedade. • Revolução Francesa • Revolução Russa O advento da indústria e da produção mecanizada, ocorrido na Inglaterra do século XVIII, caracterizou-se como um evento revolucionário. Revolução Industrial
  • 4. Característica Criação do sistema fabril mecanizado. Fábricas passaram da simples produção manufaturada para a complexa substituição do trabalho manual por máquinas. Revolução Industrial • Surgimento da fábricas • Produção em série • Trabalho assalariado
  • 5. • Transportes e máquinas • substituição do homem pela máquina. Desemprego • Queda nos preços das mercadorias. Acelerou o ritmo de produção Desenvolvimento Tecnológico Revolução Industrial
  • 6. Implicações na mudança do modelo de produção Aceleração da produção de mercadorias. Produção em larga escala. • Alta demanda por matéria-prima • Mão de obra especializada para as fábricas • Mercado consumidor • Encurtamento do tempo que se percorria para escoar os produtos Atenção Tal exigência implicou na aceleração dos meios de transporte de pessoas e mercadorias. Revolução Industrial
  • 7. As máquinas a vapor revolucionou o modo de produzir. Se por um lado substituiu o homem, gerando milhares de desempregados, por outro baixou o preço de mercadorias e acelerou o ritmo de produção. Desenvolvimento Tecnológico - Máquina a vapor de James Watt. Revolução Industrial
  • 8. Em 1807, foi inventado o barco a vapor Desenvolvimento Tecnológico - Transporte Revolução Industrial
  • 9. Em 1814, a locomotiva a vapor Desenvolvimento Tecnológico - Transporte Revolução Industrial
  • 10. Com a invenção das máquinas Revolução Industrial Máquina de fiar Acelerou a fabricação de tecidos no início da Revolução Industrial.
  • 11. Primeira Revolução Industrial - Duração aproximada 1760 a 1860 Revolução Industrial Limitada à Inglaterra Tendo como destaque o desenvolvimento da indústria de tecidos e o aperfeiçoamento das máquinas a vapor. O caminho vermelho é o do vapor aquecido de entrada cuja força movimenta o embolo. O caminho amarelo é o de saída do vapor por uma segunda chaminé.
  • 12. Segunda Revolução Industrial – Entre 1860 a 1900 Revolução Industrial Expansão Quando diversos países da Europa e de outros continentes, como EUA e Japão, deram início a seus progressos tecnológicos.
  • 13. Quadro comparativo da primeira e segunda revolução Revolução Industrial Primeira Fase Segunda Fase Material Industrial Básico FERRO AÇO Principal Fonte Energética VAPOR ELETRICIDADE PETRÓLEO Setor Predominante TÊXTIL DIVERSIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO (expansão)
  • 14. Com a invenção das máquinas Ficou mais fácil e mais rápido produzir. Mas... • E a vida do trabalhador como foi afetada? • E o ambiente de trabalho? Revolução Industrial
  • 15. • Proprietários dos Meios de Produção. Capitalistas. Proprietários dos capitais, dos prédios, das máquinas, matérias-primas e dos bens produzidos pelo trabalho. • Não proprietários dos meios de produção Operários. Proletários ou trabalhadores assalariados, possuem apenas sua força de trabalho e a vendem aos empresários para produzir mercadorias em troca de salário. Transformações das Relações Sociais Revolução Industrial
  • 16. Cada operário executava uma tarefa. ” Um operário desenrola o arame, o outro o endireita, um terceiro corta, um quarto o afia nas pontas para a colocação da cabeça do alfinete; para fazer a cabeça do alfinete requerem-se 3 ou 4 operações diferentes.” SMITH, Adam. A Riqueza das Nações. Investigação sobre a sua Natureza e suas Causas Divisão do trabalho Revolução Industrial
  • 17. O pior ambiente de trabalho possível As condições das fábricas eram precárias. Eram ambientes com péssima iluminação, abafados e sujos. Cotidiano dos Operários – As fábricas Revolução Industrial
  • 18. • Jornada de trabalho: 14 a 18 horas diárias • Horários eram impostos por meio de multas e ameaças • Crianças (a partir de 6 anos) eram surradas por qualquer brincadeira, atraso ou caso errassem a forma de executar uma tarefa • Mulheres e crianças recebiam menos da metade do salário de um homem, por isso eram a mão de obra preferida dos patrões. Cotidiano dos Operários Revolução Industrial
  • 19. Ludismo Atribuído a Ned Ludd, Inglaterra. Consistia em uma tentativa de destruição das máquinas. O governo inglês reagiu decretando pena de morte aos revoltosos. Desenvolvimento do movimento operário Revolução Industrial "Nós marchamos para realizar a nossa vontade com machado, lança ou fuzil. Meus valentes cortadores os que com apenas um só forte golpe rompem com as máquinas cortadeiras“
  • 20. Cartismo Inglaterra. O movimento surgiu por volta de 1837 e culminou com a “Carta do Povo” - Redigida pela associação dos operários e reivindicavam: • Melhores condições de trabalho • Sufrágio universal masculino • Renovação anual do parlamento • Participação no parlamento O movimento foi massacrado pelo parlamento inglês que desconsiderou as reivindicações impostas pelos trabalhadores. Desenvolvimento do movimento operário Revolução Industrial
  • 21. Trade Unions (união de profissionais/oficio) Inglaterra. Organizações de associações de trabalhadores, de caráter assistencialista, germe do sindicato moderno Desenvolvimento do movimento operário Revolução Industrial Sindicatos: A definição de sindicato muda-se de acordo com o tempo e as condições políticas, razão pela qual, para alguns estudiosos, o sindicato é a coalizão permanente para a luta de classe e, para outros, é o órgão destinado a solucionar o problema social.
  • 22. 1ª Internacional -AIT (1864-1876 Organização dos sindicatos de todo o mundo pela melhoria nas condições de trabalho. Discussões a cerca do Socialismo científico e o anarquismo. Desenvolvimento do movimento operário Revolução Industrial
  • 23. Etapas da atividade industrial Revolução Industrial A palavra indústria indicava o modo de transformar matérias-primas em produtos a ser utilizados ou consumidos. Abrange três processos: • Artesanato • Manufatura • Maquinofatura Observação –Os dois primeiros são anteriores à Revolução Industrial.
  • 24. Artesanato Revolução Industrial Surgiu com o renascimento urbano e comercial, sendo representado por uma produção de caráter familiar. • O produtor possuía os meios de produção • Trabalhava com a família em sua própria casa Atenção... Realizando todas as etapas da produção, desde o preparo da matéria-prima, até o acabamento final. Não havia divisão do trabalho.
  • 25. Revolução Industrial Nessa fase o Artesão é dono: • Da matéria prima • Dos instrumentos • Do produto final Artesanato
  • 26. Revolução Industrial Artesanato Na tecelagem, quem produzia fios também os tecia. Como o artesão trabalhava em casa, auxiliado apenas pela família, esse tipo de atividade industrial é conhecido como sistema doméstico de produção.
  • 27. Revolução Industrial Artesanato Nesse período a produção artesanal e o comércio estavam sob controle das corporações de ofício e de associações, limitando o desenvolvimento da produção.
  • 28. Manufatureira Revolução Industrial Oficinas composta por um grande número de operários e ferramentas, coordenadas por um gerente (mestre).
  • 29. Manufatureira Revolução Industrial Nessa fase o trabalhador não é dono dos instrumentos de produção. • Ricos comerciantes: Donos da matéria-prima • Ricos artesãos: Donos dos instrumentos de produção Atenção Neste período iniciou a interferência do capitalista no processo produtivo. Ele passou a comprar a matéria-prima e a determinar o ritmo de produção visando atender com agilidade os principais mercados consumidores.
  • 30. Manufatureira - Cercamentos Revolução Industrial Foi o golpe fatal do modo de produção feudal. Não havia mais necessidade do camponês para se obter o lucro da utilização da terra. O “quente e lucrativo” agora era criar ovelhas para fornecer para lã para as manufaturas têxteis. Camponês foram expulsos das terras
  • 31. Parênteses Revolução Industrial Capitalismo Comercial (Teorias do Mercantilismo) Capitalismo Industrial
  • 32. Capitalismo Comercial (Teoria Mercantilismo) Revolução Industrial Período das grandes navegações ou descobrimentos, quando novas terras, principalmente o continente americano, passaram a fazer parte do mundo até então conhecido. Os países do Velho Mundo (Portugal, Espanha, França e Inglaterra) obtiveram grandes conquistas territoriais no Novo Mundo e fizeram dos territórios recém-conquistados suas colônias.
  • 33. Capitalismo Comercial (Teoria Mercantilismo) Revolução Industrial Pontos Fundamentais Mercantilismo • Balança comercial favorável • Protecionismo • Metalismo • Monopólio
  • 34. Capitalismo Comercial (Teoria Mercantilismo) Revolução Industrial Pacto Colonial As regras das relações entre as metrópoles e colônias foram estabelecidas pelo Pacto Colonial, segundo o qual a colônia só podia manter relações comerciais com a metrópole. Surgiu, assim, a primeira divisão internacional do trabalho (DIT).
  • 35. Capitalismo Industrial Revolução Industrial Século XVIII ao XX Marcada pela Primeira e Segunda Revolução Industrial e partilha da África e da Ásia entre as potencias colonialistas europeias – o imperialismo. • A produção industrial tornou-se a maior fonte de lucro • O trabalho assalariado passou a ser a relação típica do capitalismo quem recebia salário acabava consumindo os produtos que ajudava a fabricar.
  • 36. Capitalismo financeiro ou monopolista Revolução Industrial Desenvolveu-se após a Primeira Guerra Mundial O capital acumulado nas etapas anteriores precisava de outras atividades, além da atividade industrial, para ser multiplicado. • Novas atividades dos bancos • Criação de corretoras de valores • Surgimento dos grandes grupos empresariais • Iniciou o processo de concentração de capital A união do capital industrial com o capital de financiamento (bancário) deu origem ao capital financeiro, que é a própria essência do capitalismo atual
  • 37. Ideologia – A maior das armas Revolução Industrial Sua função é formar a maior parte das ideias e convicções dos indivíduos e, com isso, orientar todo o seu comportamento social. A versão e apresentada a partir de interesses: • Seja para manter a sociedade nas condições em que se encontra • Seja para transformá-la em sua estrutura econômica, político ou cultural.
  • 38. Ideologia – A maior das armas Revolução Industrial Mudança da Ideologia Disse-lhe Jesus: Se queres ser perfeito, vai, vende tudo o que tens e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem, segue- me. Mateus 19:21 Versão errada para Max Weber (A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo). Trabalho e prosperidade (riqueza) como benção de Deus.
  • 39. Ideologia – A maior das armas Revolução Industrial Juntou-se a fome e a vontade de comer • A Reforma Protestante alterou o pensamento cristão sobre o trabalho e riqueza (bateu com as ideias da burguesia) • A riqueza em si não é condenável, mas sim o não trabalho e a preguiça que ele pode causar. (ponto para a burguesia) Ela precisava de trabalhadores dedicados, sóbrios e dóceis em relação às condições de trabalho e baixos salários.
  • 40. Adam Smith Iniciativa privada deveria agir livremente, com pouca ou nenhuma intervenção governamental. A competição livre entre os fornecedores levaria não só à queda do preço, mas também, a constantes inovações tecnológicas na ânsia de baratear o custo de produção e vencer os competidores. Ideologia - Liberalismo Revolução Industrial
  • 41. Thomas Malthus Qualquer melhoria no padrão de vida de grande massa é temporária, pois ela ocasiona um inevitável aumento da população, o que acaba impedindo qualquer possibilidade de melhoria. Em sua obra Ensaio sobre o Princípio da População, destaca que a população cresce em progressão geométrica, enquanto que a produção de alimento aumenta em progressão aritmética, portanto o problema da pobreza é impossível de ser resolvido. Ideologia - Demografia Revolução Industrial
  • 42. Marx e Engels. Defendiam a ideia de que somente o proletariado é uma classe verdadeiramente revolucionária, e, por essa razão, deveria tomar o poder político das mãos da burguesia e implantar a ditadura do proletariado, até pôr fim às desigualdades sociais. Ideologia - Socialista Revolução Industrial
  • 43. David Ricardo Para ele, os salários baixos e pobreza são consequências de uma lei natural conhecida como: a lei da oferta e da procura, e não há como ir de encontro a isso. O mercado é que determina o salário. Ideologia - a lei da oferta e da procura Revolução Industrial
  • 44. • Na economia formaram-se grandes empresas industriais e a atividade industrial passou a ocupar o centro da vida econômica. • Trabalho assalariado. • Migração do meio rural para as grandes cidades, causando o crescimento urbano da sociedade e formando os grandes centros industriais. • Surgimento de uma burguesia industrial fortalecida e, em contrapartida, uma classe operária oprimida. • Na política houve queda do estado absolutista • Disputa entre os países europeus pelo domínio das colônias na África e na Ásia com o objetivo de obter matérias-primas para a indústria e consumidores para os produtos manufaturados. Consequências Revolução Industrial
  • 45. Email: gmbui33431@bol.com.br Acesse o site: http://www.geraldofadipa.comunidades.net