SlideShare uma empresa Scribd logo
Iorubás e Bantos
Equipe: Ana Carolina, Ana Yasmim, Isadora Macatrão,
Isadora Mendonça, Sérgio Murilo e Thiago Rêgo.
Prof. Elvis John O. Ribeiro
Localização geográfica
Iorubá Banto
Angola, Congo e MoçambiqueNigéria, Benin e Togo
Iorubá
Banto
Iorubás
• Povos MONOTEÍSTAS de língua NAGÔ. Cultuam
o deus OLODUMARÉ ou OLORUM e têm os
orixás como secundários.
• Ilê-Ifê é o berço de toda religião tradicional iorubá,
um lugar sagrado, onde os deuses ali chegaram,
criaram e povoaram o mundo e depois ensinaram aos
mortais como os cultuarem, nos primórdios da
civilização.
• Habitavam os territórios da atual Nigéria, Benin e Togo.
• Forte relação entre os mundos espiritual, o Orun e o
material, o Aiye, a terra, que se complementam entre si
Reino Iorubá: Ifé
• Sudeste da Nigéria, cidade
principal era Ifé, com várias tribos
em volta.
• Monarquia divinizada, Chefe:
Ooni.
• Grande centro religioso e comercial
iorubá.
• Desenvolveram técnicas de metalurgia.
• LENDA: a cidade de Ifé, foi fundada pelo deus
Oduduwa sob comando do deus supremo Olorun.
Tornando-se o seu primeiro governador.
Reino Iorubá: Ifé
Reino Iorubá: Benin
• Foi formado por um grupo de
povos: edos.
• Com alianças e conquistas,
o território se unificou, tendo
como governantes os Obás.
Reino Iorubá: Benin
• Comércio com os europeus (possibilitou seu
grande crescimento territorial).
• Também possuíam técnicas metalúrgicas e
costumavam fabricar placas metálicas.
Orixás
Exu
Ogum
Iansã
Oxum
Iemanjá
Oxalá
Oxumarê
Nanã
Guerra
Mares
Mãe dos orixás
Tempestade
Guardião dos templos
Pai de todos
FertilidadeRiqueza
Arco-íris
Mistério
Simultânea
criação do
mundo
Ibêje
Banto
• Comunidades culturais com civilização
comum e línguas aparentadas.
• Tecnologia: aprimoramento de
instrumentos de ferro, com o objetivo de
possibilitar uma alimentação mais
equilibrada;
• Deus supremo: NZAMBI ou ZAMBI.
• Algumas de suas línguas: QUIMBUNDO,
QUICONGO.
Banto
• Segundo maior contingente de africanos trazidos ao
Brasil;
• O povo possui sua própria organização, arte e visão
de mundo;
Berimbau e cuíca- instrumentos bantos;
• Capoeira, maracatu e candomblé de Angola são
algumas das heranças desse povo que os Brasil.
Reino banto do Congo
• Comércio dinâmico;
• Manicongo: rei;
• Monarquia hereditária;
• Atraiu a atenção dos portugueses devido ao seu
comércio de escravos.
• Foi Diogo Cão, navegador português, responsável pelo
estreitamento entre Portugal e o Reino Congo(que passou a
se chamar João I.);
• A influência foi tão grande que o manicongo se converteu
ao cristianismo;
• O catolicismo não pôs fim às tradições religiosas locais, do
que resultou uma religião sincrética, própria dos povos
congoleses
Reino banto do
Congo
IORUBÁS E BANTOS: cultura afro-brasileira- Prof. Elvis John
Sincretismo
religioso
Absorção de um
sistema de
crenças por outro
Na época de escravidão na América Latina, os
escravos africanos criaram uma maneira criativa e
inteligente de enganar os seus senhores. Invocavam
os seus deuses africanos sob a forma de santos
católicos.
O sincretismo religioso afro-brasileiro já foi retratado em
várias obras da literatura, música, teatro e artes plásticas
brasileiras. A mais famosa é a peça O Pagador de
Promessas de Dias Gomes, que ganhou uma adaptação
no cinema.
NO BRASIL
NAGÔS, JÊJES E BANTOS
Originam
Os CAMBOMBLÉS e a UMBANDA
Umbanda
• Lugar religioso: templo, tenda, centro ou terreiro.
• Religião: MONOTEÍSTA que presta culto aos ORIXÁS
reprersentantes de um deus maior OLORUM ou
OLODUMARÉ.
• Os chefes são os pais ou mães-de-santo, os médiuns mais
experientes e normalmente os fundadores do templo, que irão
incorporar o guia-chefe (espírito)
• Os fundamentos da umbanda variam conforme a vertente que a
pratique.
• Exemplo: A ajuda ao próximo não ser retribuída em dinheiro
ou valor de qualquer espécie
PRÁTICA DA CARIDADE;
CRENÇA NA REENCARNAÇÃO E NAS LEIS KÁRMICAS;
INTERAÇÃO COM OS ESPÍRIDOS DESENCARNADOS;
INCOPORAÇÃO DE ESPÍRITOS GUIAS;
IMORTALIDADE DA ALMA;
RITUAIS E CANTOS EM LÍNGUA BRASILEIRA;
ORIXÁS COMO INTERCESSORES DE DEUS (OLORUM);
NÃO EXISTE SACRIFÍCIOS DE ANIMAIS;
PRINCÍPIOS GERAIS DA UMBANDA
UMBANDA:
influências
ESPIRITISMO CANDOMBLÉ PAGELANÇA
CATOLICISMO
Aceita as manifestações: ARQUÉTIPOS
Estrutura de um templo de
umbanda
Candomblé
• Local: normalmente terreiros.
• Religião – Segundo Edison Carneiro é uma religião
afro-brasileira MONOTEÍSTA, pois presta culto a um
deus maior: OLORUM ou OLODUMARÉ (na
tradição nagô/iorubá); ZÂMBI ou ZÂMBI-
AMPUNGO (na tradição banto).
• Junção de termo quimbundo e iorubá, que significa "casa
da dança com atabaques" (instrumento musical).
Nações do Candomblé
• Os negros escravizados no Brasil
pertenciam a diversos grupos étnicos,
incluindo os YORUBA, os EWE, os
JEJE-FON, e os BANTU.
Nações do Candomblé
• Como a religião se tornou semi-
independente em regiões diferentes do
país, entre grupos étnicos diferentes
evoluíram diversas "divisões" ou nações,
que se distinguem entre si principalmente
pelo conjunto de divindades veneradas, o
atabaque e a língua sagrada usada nos
rituais.
Nações do Candomblé
• NAGÔS nome que se dá ao iorubano ou a todo
negro da Costa dos Escravos que falava ou
entendia o Ioruba.
• Candomblé KETU é a maior e a mais popular
"nação" do Candomblé, uma das Religiões
afro-brasileiras.
• EFAN - é uma nação do candomblé, seus
orixás também são cultuados em outras nações.
Nações do Candomblé
• IJEXÁ é uma nação do Candomblé, formada
pelos escravos vindos de Ilesa na Nigéria, em
maior quantidade na região de Salvador, Bahia.
• NAGÔ EGBÁ em todo o Nordeste
da Paraíba à Bahia, a influência
dos Iorubas prevalece a dos Daomé. Esta é a zona
mais conhecida quanto às religiões africanas, a que
deu lugar a maior número de pesquisas e de
trabalhos.
Outra religião de origem Jeje e
Iorubá
TAMBOR DE MINA:
• É a religião Afro-brasileiras mais difundida
no Maranhão, Piauí e na Amazônia.
• A palavra tambor deriva da importância do instrumento
nos rituais de culto.
• Mina deriva de negro-Mina de São Jorge da Mina,
denominação dada aos escravos procedentes da
“costa situada a leste do Castelo de São Jorge da
Mina, no atual República do Gana, trazidos da região
das hoje Repúblicas do Togo, Benin e da Nigéria, que
eram conhecidos principalmente como negros mina-
jejes e mina-nagôs.
Princípios do Candomblé
• CULTO A UM DEUS MAIOR;
• OS ORIXÁS SÃO DIVINDADES MENORES;
• INICIAÇÃO É LONGA GRADUAL E SECRETA;
• INCORPORAÇÃO DOS ORIXÁS PELOS INICIADOS;
• RITUAIS EM LÍNGUA AFRICANA;
• CONSULTAS ATRAVÉS DO ORÁCULO – JOGO DE BÚZIOS;
• EXISTEM SACRIFÍCIOS DE SANGUE ANIMAL;
• DIVIDIDO EM NAÇÕES.
IORUBÁS E BANTOS: cultura afro-brasileira- Prof. Elvis John
IORUBÁS E BANTOS: cultura afro-brasileira- Prof. Elvis John
REFERÊNCIAS
• CARNEIRO, Edison. Candomblés da Bahia. 1. ed. –
Salvador: Tecnoprint s. a. – 1948.
• MATTOS, Regiane Augusto de. História e cultura afro-
brasileira. – 2. ed. – São Paulo: Contexto, 2011.
• BRAICK, Patrícia Ramos e BECHO, Mota Miriam.
HISTÓRIA: das cavernas ao terceirro milênio. 4. ed. – São
Paulo: Moderna, 2012.
• https://estudodaumbanda.wordpress.com/2009/02/27/6-
principios-basicos-da-umbanda/
• http://candomblebrasileiro.blogspot.com.br/p/nacoes-do-
candomble-os-negros.html

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Proclamação da república
Proclamação da repúblicaProclamação da república
Proclamação da república
Fabiana Tonsis
 
Aula 06 holandeses no brasil
Aula 06  holandeses no brasilAula 06  holandeses no brasil
Aula 06 holandeses no brasil
Fabiana Tonsis
 
Cruzadinhas sobre a II Guerra Mundial e pós
Cruzadinhas sobre a II Guerra Mundial e pósCruzadinhas sobre a II Guerra Mundial e pós
Cruzadinhas sobre a II Guerra Mundial e pós
Luis Silva
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Nefer19
 
O fim da escravidão negra no brasil
O fim da escravidão negra no brasilO fim da escravidão negra no brasil
O fim da escravidão negra no brasil
Nome Sobrenome
 
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da ÁsiaImperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Portal do Vestibulando
 
Reinos africanos
Reinos africanosReinos africanos
Reinos africanos
Edenilson Morais
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
eiprofessor
 
REINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOSREINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOS
ElvisJohnR
 
Primeiro Reinado (1822-1831)
Primeiro Reinado (1822-1831)Primeiro Reinado (1822-1831)
Primeiro Reinado (1822-1831)
Edenilson Morais
 
África - sístese histórica
África - sístese históricaÁfrica - sístese histórica
África - sístese histórica
Portal do Vestibulando
 
Brasil colônia4 revoltas nativistas
Brasil colônia4 revoltas nativistasBrasil colônia4 revoltas nativistas
Brasil colônia4 revoltas nativistas
dmflores21
 
Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
Elaine Bogo Pavani
 
Povos pré colombianos
Povos pré colombianosPovos pré colombianos
Povos pré colombianos
Nila Michele Bastos Santos
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
Aulas de História
 
Escravidão no Brasil
Escravidão no BrasilEscravidão no Brasil
Escravidão no Brasil
bastianbe
 
Colonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-americaColonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-america
Marcos Oliveira
 
Africa Antes Dos Europeus
Africa Antes Dos EuropeusAfrica Antes Dos Europeus
Africa Antes Dos Europeus
Nila Michele Bastos Santos
 
Independência do brasil
Independência do brasilIndependência do brasil
Independência do brasil
Marilia Pimentel
 

Mais procurados (20)

Proclamação da república
Proclamação da repúblicaProclamação da república
Proclamação da república
 
Aula 06 holandeses no brasil
Aula 06  holandeses no brasilAula 06  holandeses no brasil
Aula 06 holandeses no brasil
 
Cruzadinhas sobre a II Guerra Mundial e pós
Cruzadinhas sobre a II Guerra Mundial e pósCruzadinhas sobre a II Guerra Mundial e pós
Cruzadinhas sobre a II Guerra Mundial e pós
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
 
O fim da escravidão negra no brasil
O fim da escravidão negra no brasilO fim da escravidão negra no brasil
O fim da escravidão negra no brasil
 
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da ÁsiaImperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
 
Reinos africanos
Reinos africanosReinos africanos
Reinos africanos
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 
REINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOSREINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOS
 
Primeiro Reinado (1822-1831)
Primeiro Reinado (1822-1831)Primeiro Reinado (1822-1831)
Primeiro Reinado (1822-1831)
 
África - sístese histórica
África - sístese históricaÁfrica - sístese histórica
África - sístese histórica
 
Brasil colônia4 revoltas nativistas
Brasil colônia4 revoltas nativistasBrasil colônia4 revoltas nativistas
Brasil colônia4 revoltas nativistas
 
Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
 
Povos pré colombianos
Povos pré colombianosPovos pré colombianos
Povos pré colombianos
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
 
Escravidão no Brasil
Escravidão no BrasilEscravidão no Brasil
Escravidão no Brasil
 
Colonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-americaColonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-america
 
Africa Antes Dos Europeus
Africa Antes Dos EuropeusAfrica Antes Dos Europeus
Africa Antes Dos Europeus
 
Independência do brasil
Independência do brasilIndependência do brasil
Independência do brasil
 

Semelhante a IORUBÁS E BANTOS: cultura afro-brasileira- Prof. Elvis John

Religiões de matriz africana
Religiões de matriz africanaReligiões de matriz africana
Religiões de matriz africana
Portal do Vestibulando
 
As religiões de matriz africana e a escola
As religiões de matriz africana e a escolaAs religiões de matriz africana e a escola
As religiões de matriz africana e a escola
Carmen Prisco
 
Religiões Afro Macumba, Umbanda e Candomblé em Bom Jardim - MA
Religiões Afro   Macumba, Umbanda e Candomblé  em Bom Jardim - MAReligiões Afro   Macumba, Umbanda e Candomblé  em Bom Jardim - MA
Religiões Afro Macumba, Umbanda e Candomblé em Bom Jardim - MA
Adilson P Motta Motta
 
As religiões de matriz africana e a escola apostila
As religiões de matriz africana e a escola apostilaAs religiões de matriz africana e a escola apostila
As religiões de matriz africana e a escola apostila
Carmen Prisco
 
As religiões-de-matriz-africana-e-a-escola apostila
As religiões-de-matriz-africana-e-a-escola apostilaAs religiões-de-matriz-africana-e-a-escola apostila
As religiões-de-matriz-africana-e-a-escola apostila
Fátima Brito
 
As religiões-de-matriz-africana-e-a-escola apostila
As religiões-de-matriz-africana-e-a-escola apostilaAs religiões-de-matriz-africana-e-a-escola apostila
As religiões-de-matriz-africana-e-a-escola apostila
MODER85
 
Religião tradicional africana e o mundo religioso dos indígenas americanos.
Religião tradicional africana e o mundo religioso dos indígenas americanos.Religião tradicional africana e o mundo religioso dos indígenas americanos.
Religião tradicional africana e o mundo religioso dos indígenas americanos.
Leandro Nazareth Souto
 
2 aula do 3 trim 8 ano SLIDES Aula de Ensino Religioso.pptx
2 aula do 3 trim 8 ano SLIDES Aula de Ensino Religioso.pptx2 aula do 3 trim 8 ano SLIDES Aula de Ensino Religioso.pptx
2 aula do 3 trim 8 ano SLIDES Aula de Ensino Religioso.pptx
AntonioCesarBurnat1
 
Ensino religioso 2º ano ensino médio
Ensino religioso  2º ano ensino médioEnsino religioso  2º ano ensino médio
Ensino religioso 2º ano ensino médio
Rafael Noronha
 
Religião afro brasileiras
Religião afro brasileirasReligião afro brasileiras
Religião afro brasileiras
Denise Aguiar
 
Religiões afro-brasileiras
Religiões afro-brasileiras Religiões afro-brasileiras
Religiões afro-brasileiras
Maycon Paim
 
Religião e africanidade
Religião e africanidadeReligião e africanidade
Religião e africanidade
fespiritacrista
 
Candomblé
Candomblé Candomblé
Candomblé
fespiritacrista
 
Paper sobre Sincretismo Afro Brasileiro
Paper sobre Sincretismo Afro BrasileiroPaper sobre Sincretismo Afro Brasileiro
Paper sobre Sincretismo Afro Brasileiro
Edson L
 
Atividades os povos africanos topico 4 historia fund
Atividades os povos africanos topico 4 historia fundAtividades os povos africanos topico 4 historia fund
Atividades os povos africanos topico 4 historia fund
Atividades Diversas Cláudia
 
Atividades os povos africanos topico 4 historia fund
Atividades os povos africanos topico 4 historia fundAtividades os povos africanos topico 4 historia fund
Atividades os povos africanos topico 4 historia fund
Atividades Diversas Cláudia
 
Seminário de Antropologia Cultural: candomblé
Seminário de Antropologia Cultural: candombléSeminário de Antropologia Cultural: candomblé
Seminário de Antropologia Cultural: candomblé
Alysson Rocha
 
Cultos Afro - Seitas e Heresias
Cultos Afro - Seitas e HeresiasCultos Afro - Seitas e Heresias
Cultos Afro - Seitas e Heresias
Luan Almeida
 
Africanos no brasil dominação e resistência
Africanos no brasil dominação e resistênciaAfricanos no brasil dominação e resistência
Africanos no brasil dominação e resistência
Graciley Borges
 
Arte Afro Brasileira PóS
Arte Afro Brasileira PóSArte Afro Brasileira PóS
Arte Afro Brasileira PóS
Norma Almeida
 

Semelhante a IORUBÁS E BANTOS: cultura afro-brasileira- Prof. Elvis John (20)

Religiões de matriz africana
Religiões de matriz africanaReligiões de matriz africana
Religiões de matriz africana
 
As religiões de matriz africana e a escola
As religiões de matriz africana e a escolaAs religiões de matriz africana e a escola
As religiões de matriz africana e a escola
 
Religiões Afro Macumba, Umbanda e Candomblé em Bom Jardim - MA
Religiões Afro   Macumba, Umbanda e Candomblé  em Bom Jardim - MAReligiões Afro   Macumba, Umbanda e Candomblé  em Bom Jardim - MA
Religiões Afro Macumba, Umbanda e Candomblé em Bom Jardim - MA
 
As religiões de matriz africana e a escola apostila
As religiões de matriz africana e a escola apostilaAs religiões de matriz africana e a escola apostila
As religiões de matriz africana e a escola apostila
 
As religiões-de-matriz-africana-e-a-escola apostila
As religiões-de-matriz-africana-e-a-escola apostilaAs religiões-de-matriz-africana-e-a-escola apostila
As religiões-de-matriz-africana-e-a-escola apostila
 
As religiões-de-matriz-africana-e-a-escola apostila
As religiões-de-matriz-africana-e-a-escola apostilaAs religiões-de-matriz-africana-e-a-escola apostila
As religiões-de-matriz-africana-e-a-escola apostila
 
Religião tradicional africana e o mundo religioso dos indígenas americanos.
Religião tradicional africana e o mundo religioso dos indígenas americanos.Religião tradicional africana e o mundo religioso dos indígenas americanos.
Religião tradicional africana e o mundo religioso dos indígenas americanos.
 
2 aula do 3 trim 8 ano SLIDES Aula de Ensino Religioso.pptx
2 aula do 3 trim 8 ano SLIDES Aula de Ensino Religioso.pptx2 aula do 3 trim 8 ano SLIDES Aula de Ensino Religioso.pptx
2 aula do 3 trim 8 ano SLIDES Aula de Ensino Religioso.pptx
 
Ensino religioso 2º ano ensino médio
Ensino religioso  2º ano ensino médioEnsino religioso  2º ano ensino médio
Ensino religioso 2º ano ensino médio
 
Religião afro brasileiras
Religião afro brasileirasReligião afro brasileiras
Religião afro brasileiras
 
Religiões afro-brasileiras
Religiões afro-brasileiras Religiões afro-brasileiras
Religiões afro-brasileiras
 
Religião e africanidade
Religião e africanidadeReligião e africanidade
Religião e africanidade
 
Candomblé
Candomblé Candomblé
Candomblé
 
Paper sobre Sincretismo Afro Brasileiro
Paper sobre Sincretismo Afro BrasileiroPaper sobre Sincretismo Afro Brasileiro
Paper sobre Sincretismo Afro Brasileiro
 
Atividades os povos africanos topico 4 historia fund
Atividades os povos africanos topico 4 historia fundAtividades os povos africanos topico 4 historia fund
Atividades os povos africanos topico 4 historia fund
 
Atividades os povos africanos topico 4 historia fund
Atividades os povos africanos topico 4 historia fundAtividades os povos africanos topico 4 historia fund
Atividades os povos africanos topico 4 historia fund
 
Seminário de Antropologia Cultural: candomblé
Seminário de Antropologia Cultural: candombléSeminário de Antropologia Cultural: candomblé
Seminário de Antropologia Cultural: candomblé
 
Cultos Afro - Seitas e Heresias
Cultos Afro - Seitas e HeresiasCultos Afro - Seitas e Heresias
Cultos Afro - Seitas e Heresias
 
Africanos no brasil dominação e resistência
Africanos no brasil dominação e resistênciaAfricanos no brasil dominação e resistência
Africanos no brasil dominação e resistência
 
Arte Afro Brasileira PóS
Arte Afro Brasileira PóSArte Afro Brasileira PóS
Arte Afro Brasileira PóS
 

Mais de ElvisJohnR

Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Roma Antiga
ElvisJohnR
 
GUERRA FRIA - a nova ordem mundial
GUERRA FRIA - a nova ordem mundialGUERRA FRIA - a nova ordem mundial
GUERRA FRIA - a nova ordem mundial
ElvisJohnR
 
Guerra Fria - revolução iraniana
Guerra Fria -   revolução iranianaGuerra Fria -   revolução iraniana
Guerra Fria - revolução iraniana
ElvisJohnR
 
Era Vargas Prof. Elvis John
Era Vargas  Prof. Elvis JohnEra Vargas  Prof. Elvis John
Era Vargas Prof. Elvis John
ElvisJohnR
 
2º Reinado no Brasil
2º Reinado no Brasil2º Reinado no Brasil
2º Reinado no Brasil
ElvisJohnR
 
Intolerância religiosa: Palestina; Tailândia, Tibete, Nigéria.
Intolerância religiosa: Palestina; Tailândia, Tibete, Nigéria.Intolerância religiosa: Palestina; Tailândia, Tibete, Nigéria.
Intolerância religiosa: Palestina; Tailândia, Tibete, Nigéria.
ElvisJohnR
 
ISLÃ - Prof. Elvis John
ISLÃ - Prof. Elvis JohnISLÃ - Prof. Elvis John
ISLÃ - Prof. Elvis John
ElvisJohnR
 
Hebreus e fenícios: religião e sociedade - Prof. Elvis John
Hebreus e fenícios: religião e sociedade - Prof. Elvis JohnHebreus e fenícios: religião e sociedade - Prof. Elvis John
Hebreus e fenícios: religião e sociedade - Prof. Elvis John
ElvisJohnR
 
RELIGIÃO: EGITO e MESOPOTÂMIA - Prof. Elvis John
RELIGIÃO: EGITO e MESOPOTÂMIA - Prof. Elvis JohnRELIGIÃO: EGITO e MESOPOTÂMIA - Prof. Elvis John
RELIGIÃO: EGITO e MESOPOTÂMIA - Prof. Elvis John
ElvisJohnR
 
Presidentes da República Oligárquica:mapa conceitual - Prof. Elvis John
Presidentes da  República Oligárquica:mapa conceitual - Prof. Elvis JohnPresidentes da  República Oligárquica:mapa conceitual - Prof. Elvis John
Presidentes da República Oligárquica:mapa conceitual - Prof. Elvis John
ElvisJohnR
 
CHAVISMO - ATUALIDADES - Prof. Elvis John
CHAVISMO - ATUALIDADES - Prof. Elvis JohnCHAVISMO - ATUALIDADES - Prof. Elvis John
CHAVISMO - ATUALIDADES - Prof. Elvis John
ElvisJohnR
 
EUA NO SÉC. XIX - Prof. Elvis John
EUA NO SÉC. XIX - Prof. Elvis JohnEUA NO SÉC. XIX - Prof. Elvis John
EUA NO SÉC. XIX - Prof. Elvis John
ElvisJohnR
 
GOVERNO LULA e DILMA - Prof. Elvis John
GOVERNO LULA e DILMA - Prof. Elvis JohnGOVERNO LULA e DILMA - Prof. Elvis John
GOVERNO LULA e DILMA - Prof. Elvis John
ElvisJohnR
 
Revolução francesa - Prof. Elvis John
Revolução francesa - Prof. Elvis JohnRevolução francesa - Prof. Elvis John
Revolução francesa - Prof. Elvis John
ElvisJohnR
 
EGITO ANTIGO
EGITO ANTIGOEGITO ANTIGO
EGITO ANTIGO
ElvisJohnR
 
Grécia antiga sem cabeçalho
Grécia antiga sem cabeçalhoGrécia antiga sem cabeçalho
Grécia antiga sem cabeçalho
ElvisJohnR
 
Conflito árabe israelense
Conflito árabe israelenseConflito árabe israelense
Conflito árabe israelense
ElvisJohnR
 

Mais de ElvisJohnR (17)

Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Roma Antiga
 
GUERRA FRIA - a nova ordem mundial
GUERRA FRIA - a nova ordem mundialGUERRA FRIA - a nova ordem mundial
GUERRA FRIA - a nova ordem mundial
 
Guerra Fria - revolução iraniana
Guerra Fria -   revolução iranianaGuerra Fria -   revolução iraniana
Guerra Fria - revolução iraniana
 
Era Vargas Prof. Elvis John
Era Vargas  Prof. Elvis JohnEra Vargas  Prof. Elvis John
Era Vargas Prof. Elvis John
 
2º Reinado no Brasil
2º Reinado no Brasil2º Reinado no Brasil
2º Reinado no Brasil
 
Intolerância religiosa: Palestina; Tailândia, Tibete, Nigéria.
Intolerância religiosa: Palestina; Tailândia, Tibete, Nigéria.Intolerância religiosa: Palestina; Tailândia, Tibete, Nigéria.
Intolerância religiosa: Palestina; Tailândia, Tibete, Nigéria.
 
ISLÃ - Prof. Elvis John
ISLÃ - Prof. Elvis JohnISLÃ - Prof. Elvis John
ISLÃ - Prof. Elvis John
 
Hebreus e fenícios: religião e sociedade - Prof. Elvis John
Hebreus e fenícios: religião e sociedade - Prof. Elvis JohnHebreus e fenícios: religião e sociedade - Prof. Elvis John
Hebreus e fenícios: religião e sociedade - Prof. Elvis John
 
RELIGIÃO: EGITO e MESOPOTÂMIA - Prof. Elvis John
RELIGIÃO: EGITO e MESOPOTÂMIA - Prof. Elvis JohnRELIGIÃO: EGITO e MESOPOTÂMIA - Prof. Elvis John
RELIGIÃO: EGITO e MESOPOTÂMIA - Prof. Elvis John
 
Presidentes da República Oligárquica:mapa conceitual - Prof. Elvis John
Presidentes da  República Oligárquica:mapa conceitual - Prof. Elvis JohnPresidentes da  República Oligárquica:mapa conceitual - Prof. Elvis John
Presidentes da República Oligárquica:mapa conceitual - Prof. Elvis John
 
CHAVISMO - ATUALIDADES - Prof. Elvis John
CHAVISMO - ATUALIDADES - Prof. Elvis JohnCHAVISMO - ATUALIDADES - Prof. Elvis John
CHAVISMO - ATUALIDADES - Prof. Elvis John
 
EUA NO SÉC. XIX - Prof. Elvis John
EUA NO SÉC. XIX - Prof. Elvis JohnEUA NO SÉC. XIX - Prof. Elvis John
EUA NO SÉC. XIX - Prof. Elvis John
 
GOVERNO LULA e DILMA - Prof. Elvis John
GOVERNO LULA e DILMA - Prof. Elvis JohnGOVERNO LULA e DILMA - Prof. Elvis John
GOVERNO LULA e DILMA - Prof. Elvis John
 
Revolução francesa - Prof. Elvis John
Revolução francesa - Prof. Elvis JohnRevolução francesa - Prof. Elvis John
Revolução francesa - Prof. Elvis John
 
EGITO ANTIGO
EGITO ANTIGOEGITO ANTIGO
EGITO ANTIGO
 
Grécia antiga sem cabeçalho
Grécia antiga sem cabeçalhoGrécia antiga sem cabeçalho
Grécia antiga sem cabeçalho
 
Conflito árabe israelense
Conflito árabe israelenseConflito árabe israelense
Conflito árabe israelense
 

Último

Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
EduardoLealSilva
 

Último (20)

Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 

IORUBÁS E BANTOS: cultura afro-brasileira- Prof. Elvis John

  • 1. Iorubás e Bantos Equipe: Ana Carolina, Ana Yasmim, Isadora Macatrão, Isadora Mendonça, Sérgio Murilo e Thiago Rêgo. Prof. Elvis John O. Ribeiro
  • 2. Localização geográfica Iorubá Banto Angola, Congo e MoçambiqueNigéria, Benin e Togo
  • 4. Iorubás • Povos MONOTEÍSTAS de língua NAGÔ. Cultuam o deus OLODUMARÉ ou OLORUM e têm os orixás como secundários. • Ilê-Ifê é o berço de toda religião tradicional iorubá, um lugar sagrado, onde os deuses ali chegaram, criaram e povoaram o mundo e depois ensinaram aos mortais como os cultuarem, nos primórdios da civilização.
  • 5. • Habitavam os territórios da atual Nigéria, Benin e Togo. • Forte relação entre os mundos espiritual, o Orun e o material, o Aiye, a terra, que se complementam entre si
  • 6. Reino Iorubá: Ifé • Sudeste da Nigéria, cidade principal era Ifé, com várias tribos em volta. • Monarquia divinizada, Chefe: Ooni. • Grande centro religioso e comercial iorubá.
  • 7. • Desenvolveram técnicas de metalurgia. • LENDA: a cidade de Ifé, foi fundada pelo deus Oduduwa sob comando do deus supremo Olorun. Tornando-se o seu primeiro governador. Reino Iorubá: Ifé
  • 8. Reino Iorubá: Benin • Foi formado por um grupo de povos: edos. • Com alianças e conquistas, o território se unificou, tendo como governantes os Obás.
  • 9. Reino Iorubá: Benin • Comércio com os europeus (possibilitou seu grande crescimento territorial). • Também possuíam técnicas metalúrgicas e costumavam fabricar placas metálicas.
  • 10. Orixás Exu Ogum Iansã Oxum Iemanjá Oxalá Oxumarê Nanã Guerra Mares Mãe dos orixás Tempestade Guardião dos templos Pai de todos FertilidadeRiqueza Arco-íris Mistério Simultânea criação do mundo Ibêje
  • 11. Banto • Comunidades culturais com civilização comum e línguas aparentadas. • Tecnologia: aprimoramento de instrumentos de ferro, com o objetivo de possibilitar uma alimentação mais equilibrada; • Deus supremo: NZAMBI ou ZAMBI. • Algumas de suas línguas: QUIMBUNDO, QUICONGO.
  • 12. Banto • Segundo maior contingente de africanos trazidos ao Brasil; • O povo possui sua própria organização, arte e visão de mundo; Berimbau e cuíca- instrumentos bantos; • Capoeira, maracatu e candomblé de Angola são algumas das heranças desse povo que os Brasil.
  • 13. Reino banto do Congo • Comércio dinâmico; • Manicongo: rei; • Monarquia hereditária; • Atraiu a atenção dos portugueses devido ao seu comércio de escravos.
  • 14. • Foi Diogo Cão, navegador português, responsável pelo estreitamento entre Portugal e o Reino Congo(que passou a se chamar João I.); • A influência foi tão grande que o manicongo se converteu ao cristianismo; • O catolicismo não pôs fim às tradições religiosas locais, do que resultou uma religião sincrética, própria dos povos congoleses Reino banto do Congo
  • 16. Sincretismo religioso Absorção de um sistema de crenças por outro Na época de escravidão na América Latina, os escravos africanos criaram uma maneira criativa e inteligente de enganar os seus senhores. Invocavam os seus deuses africanos sob a forma de santos católicos. O sincretismo religioso afro-brasileiro já foi retratado em várias obras da literatura, música, teatro e artes plásticas brasileiras. A mais famosa é a peça O Pagador de Promessas de Dias Gomes, que ganhou uma adaptação no cinema.
  • 17. NO BRASIL NAGÔS, JÊJES E BANTOS Originam Os CAMBOMBLÉS e a UMBANDA
  • 18. Umbanda • Lugar religioso: templo, tenda, centro ou terreiro. • Religião: MONOTEÍSTA que presta culto aos ORIXÁS reprersentantes de um deus maior OLORUM ou OLODUMARÉ. • Os chefes são os pais ou mães-de-santo, os médiuns mais experientes e normalmente os fundadores do templo, que irão incorporar o guia-chefe (espírito) • Os fundamentos da umbanda variam conforme a vertente que a pratique. • Exemplo: A ajuda ao próximo não ser retribuída em dinheiro ou valor de qualquer espécie
  • 19. PRÁTICA DA CARIDADE; CRENÇA NA REENCARNAÇÃO E NAS LEIS KÁRMICAS; INTERAÇÃO COM OS ESPÍRIDOS DESENCARNADOS; INCOPORAÇÃO DE ESPÍRITOS GUIAS; IMORTALIDADE DA ALMA; RITUAIS E CANTOS EM LÍNGUA BRASILEIRA; ORIXÁS COMO INTERCESSORES DE DEUS (OLORUM); NÃO EXISTE SACRIFÍCIOS DE ANIMAIS; PRINCÍPIOS GERAIS DA UMBANDA
  • 22. Estrutura de um templo de umbanda
  • 23. Candomblé • Local: normalmente terreiros. • Religião – Segundo Edison Carneiro é uma religião afro-brasileira MONOTEÍSTA, pois presta culto a um deus maior: OLORUM ou OLODUMARÉ (na tradição nagô/iorubá); ZÂMBI ou ZÂMBI- AMPUNGO (na tradição banto). • Junção de termo quimbundo e iorubá, que significa "casa da dança com atabaques" (instrumento musical).
  • 24. Nações do Candomblé • Os negros escravizados no Brasil pertenciam a diversos grupos étnicos, incluindo os YORUBA, os EWE, os JEJE-FON, e os BANTU.
  • 25. Nações do Candomblé • Como a religião se tornou semi- independente em regiões diferentes do país, entre grupos étnicos diferentes evoluíram diversas "divisões" ou nações, que se distinguem entre si principalmente pelo conjunto de divindades veneradas, o atabaque e a língua sagrada usada nos rituais.
  • 26. Nações do Candomblé • NAGÔS nome que se dá ao iorubano ou a todo negro da Costa dos Escravos que falava ou entendia o Ioruba. • Candomblé KETU é a maior e a mais popular "nação" do Candomblé, uma das Religiões afro-brasileiras. • EFAN - é uma nação do candomblé, seus orixás também são cultuados em outras nações.
  • 27. Nações do Candomblé • IJEXÁ é uma nação do Candomblé, formada pelos escravos vindos de Ilesa na Nigéria, em maior quantidade na região de Salvador, Bahia. • NAGÔ EGBÁ em todo o Nordeste da Paraíba à Bahia, a influência dos Iorubas prevalece a dos Daomé. Esta é a zona mais conhecida quanto às religiões africanas, a que deu lugar a maior número de pesquisas e de trabalhos.
  • 28. Outra religião de origem Jeje e Iorubá TAMBOR DE MINA: • É a religião Afro-brasileiras mais difundida no Maranhão, Piauí e na Amazônia. • A palavra tambor deriva da importância do instrumento nos rituais de culto. • Mina deriva de negro-Mina de São Jorge da Mina, denominação dada aos escravos procedentes da “costa situada a leste do Castelo de São Jorge da Mina, no atual República do Gana, trazidos da região das hoje Repúblicas do Togo, Benin e da Nigéria, que eram conhecidos principalmente como negros mina- jejes e mina-nagôs.
  • 29. Princípios do Candomblé • CULTO A UM DEUS MAIOR; • OS ORIXÁS SÃO DIVINDADES MENORES; • INICIAÇÃO É LONGA GRADUAL E SECRETA; • INCORPORAÇÃO DOS ORIXÁS PELOS INICIADOS; • RITUAIS EM LÍNGUA AFRICANA; • CONSULTAS ATRAVÉS DO ORÁCULO – JOGO DE BÚZIOS; • EXISTEM SACRIFÍCIOS DE SANGUE ANIMAL; • DIVIDIDO EM NAÇÕES.
  • 32. REFERÊNCIAS • CARNEIRO, Edison. Candomblés da Bahia. 1. ed. – Salvador: Tecnoprint s. a. – 1948. • MATTOS, Regiane Augusto de. História e cultura afro- brasileira. – 2. ed. – São Paulo: Contexto, 2011. • BRAICK, Patrícia Ramos e BECHO, Mota Miriam. HISTÓRIA: das cavernas ao terceirro milênio. 4. ed. – São Paulo: Moderna, 2012. • https://estudodaumbanda.wordpress.com/2009/02/27/6- principios-basicos-da-umbanda/ • http://candomblebrasileiro.blogspot.com.br/p/nacoes-do- candomble-os-negros.html