SlideShare uma empresa Scribd logo
ESCOLA ESTADUAL
“DR. ARTHUR BERNARDES”
Resumo sobre Ecologia – parte I
Biologia – 3º ano
Profa. Aline Miranda
Nome:
1- Introdução
A ecologia é uma ciência multidisciplinar,
que envolve biologia vegetal e animal, taxonomia,
fisiologia, genética, comportamento, meteorologia,
pedologia, geologia, sociologia, antropologia,
física, química, matemática, entre outras. Quase
sempre se torna difícil delinear a fronteira entre a
ecologia e qualquer dessas ciências, pois todas têm
influência sobre ela.
2- Conceitos
2.1- Biosfera terrestre: Conjunto de todos os
ecossistemas da Terra.
2.2- Ecossistema: Conjunto formado pela
comunidade (fatores bióticos) e pelos fatores
abióticos.
2.2.1- Fatores abióticos: podem ser físicos,
químicos ou geológicos – água, ar, solo, luz, calor,
substâncias químicas, entre outros;
2.2.2- Fatores bióticos: o conjunto de seres vivos.
2.3- Comunidade: Conjunto de populações que
habitam uma mesma área.
2.4- População: Conjunto de indivíduos da mesma
espécie que convivem em uma mesma área.
2.5- Nicho ecológico x Habitat
2.5.1- Nicho ecológico: O nicho é um conjunto de
condições em que o indivíduo (ou uma população)
vive e se reproduz.
2.5.2- Habitat – Lugar ocupado por organismos de
determinada população.
3- Relações entre seres vivos de uma
comunidade
Os seres vivos de uma comunidade
mantêm constantes relações entre si, exercendo,
assim, influências recíprocas em suas populações.
Essas relações podem ocorrer entre
indivíduos da mesma espécie (relações
intraespecíficas) ou entre indivíduos de espécies
distintas (relações interespecíficas).
As relações harmônicas são aquelas em
que não há prejuízo para nenhum dos indivíduos
da associação. Já nas relações desarmônicas, pelo
menos um indivíduo da associação sofre algum
tipo de desvantagem. Entretanto, considerando o
total das relações de uma comunidade, verifica-se
que elas se revelam harmônicas, pois são
importantes para o equilíbrio das populações que
interagem.
3.1- Relações intraespecíficas
As relações intraespecíficas harmônicas são:
3.1.1- Sociedade (+/+): Cooperação entre
indivíduos da mesma espécie em que há divisão de
trabalho, mantendo-se todos anatomicamente
separados. Exemplo: insetos sociais, como
abelhas, cupins e formigas.
3.1.2- Colônia (+/+): Associação entre indivíduos
da mesma espécie anatomicamente unidos entre
si. Exemplo: corais.
As relações intraespecíficas desarmônicas são:
3.1.3- Canibalismo (+/-): um indivíduo mata
outro da mesma espécie para se alimentar.
Exemplo: louva-a-deus.
3.1.4- Competição intra-específica (+/-): ocorre
em praticamente todas as populações em
que indivíduos disputam recursos não
disponíveis em quantidade suficiente no
ecossistema, como pode se apresentar o
alimento e o espaço, por exemplo.
3.2- Relações interespecíficas
3.2.1- Relações interespecíficas harmônicas
3.2.1.1- Mutualismo obrigatório (+/+): os
participantes se beneficiam e mantêm uma relação
de dependência. Exemplos: líquens, cupins e
protozoários, ruminantes e microrganismos.
3.2.1.2- Mutualismo facultativo ou
protocooperação (+/+): os participantes se
beneficiam e podem viver de modo independente
do que ocorre no mutualismo obrigatório.
Exemplos: paguro eremita e anêmonas-do-mar,
pássaro anu e certos mamíferos, pássaro-palito e
crocodilo.
3.2.1.3- Inquilinismo (+/0): é a associação entre
indivíduos de espécies diferentes em que um deles
procura abrigo ou suporte no corpo do outro, sem
prejudicá-lo. O inquilinismo é uma forma de
associação muito parecida com o comensalismo.
Desta difere por não haver cessão de alimentos ao
inquilino. Exemplos: peixe-agulha e holotúria,
orquídea e árvore.
3.2.1.4- Comensalismo (+/0): Assim como no
inquilinismo, apenas um participante se beneficia,
sem causar prejuízo ao outro. A associação ocorre
em busca de alimento. Exemplos: rêmora e
tubarão, hiena e leão, bactérias e ser humano.
3.2.1.5- Foresia (+/0): é a associação entre
indivíduos de espécies diferentes em que um se
utiliza do outro para transporte, sem prejudicá-lo.
Como exemplos, têm-se a rêmora ou peixe-piolho
no tubarão e o transporte de sementes por pássaros
e insetos.
3.2.2- Relações interespecíficas desarmônicas
3.2.2.1- Amensalismo ou antibiose (+/-): os
indivíduos de uma espécie secretam substâncias
que inibem o desenvolvimento de indivíduos de
outras espécies. Exemplo: fungos que secretam
antibióticos, impedindo a multiplicação de
bactérias.
3.2.2.2- Predatismo (+/-): um indivíduo captura e
mata outro de espécie para dele se alimentar.
Exemplos: aranhas que se alimentam de insetos e
gaviões que comem cobras. Quando a planta é o
alimento, trata-se de uma modalidade de
herbivorismo.
3.2.2.3- Parasitismo (+/-): o parasita vive no corpo
de um indivíduo de outra espécie, o hospedeiro, do
qual retira alimento, via de regra não matando a
curto prazo seu hospedeiro. Os parasitas podem
ser classificados em ectoparasitas (externos ao
corpo do hospedeiro) e endoparasitas (internos).
Exemplos: carrapatos, piolhos, pulgões, cipó-
chumbo e erva-de-passarinho (ectoparasitas);
vírus, plasmódio e tripanossomo (endoparasita).
3.2.2.4- Competição interespecífica: duas ou mais
populações de espécies diferentes apresentam
nichos ecológicos semelhantes e disputam o
mesmo recurso do meio quando ele não é
suficiente para todos. Exemplo: diferentes espécies
de ciliados que disputam o mesmo tipo de
alimento.
3.2.3- Simbiose
O termo simbiose, criado em 1879 pelo
biólogo De Bary, tem sido equivocadamente
utilizado como sinônimo de mutualismo. Simbiose
refere-se a toda e qualquer associação permanente
entre indivíduos de espécies diferentes que,
normalmente, exerce influência recíproca no
metabolismo, seja ela uma interação positiva ou
negativa.
Assim, podemos considerar três tipos bem
definidos de simbiose: o parasitismo, o
comensalismo e o mutualismo obrigatório.
Atualmente, a utilização do termo simbiose
tem sido ampliada, aplicando-se a qualquer tipo de
relação interespecífica.
3.3- Espécies exóticas
Com a crescente globalização e o
consequente aumento do comércio internacional,
espécies exóticas são introduzidas, intencional ou
não intencionalmente, para locais onde não
encontram inimigos naturais e parasitas,
tornando-se mais eficientes que as espécies nativas
no uso dos recursos.
Em virtude da agressividade e capacidade
de excluir as espécies nativas, diretamente ou pela
competição por recursos, as espécies exóticas
invasoras apresentam o potencial de transformar a
estrutura e a composição dos ecossistemas,
homogeneizando os ambientes e destruindo as
características peculiares que a biodiversidade
local proporciona.
As espécies exóticas invasoras já
contribuíram, desde o ano 1600, com 39% de
todos os animais extintos, cujas causas são
conhecidas. Mais de 120 mil espécies exóticas de
plantas, animais e microrganismos foram
introduzidas nos Estados Unidos, Reino Unido,
Austrália, Índia, África do Sul e Brasil.
Tendo em vista o número de espécies que
já invadiram esses seis países estudados, estima-se
que um total aproximado de 480 mil espécies
exóticas já foram introduzidas nos diversos
ecossistemas da Terra. Aproximadamente 20 a
30% dessas espécies são consideradas pragas e são
responsáveis por grandes problemas ambientais.
Isto indica o enorme desafio que deverá ser
enfrentado para o controle, monitoramento e
erradicação das espécies exóticas invasoras.
Os custos da prevenção, controle e
erradicação de espécies exóticas invasoras indicam
que os danos para o ambiente e para a economia
são significativos. Neste contexto, levantamentos
realizados nos Estados Unidos, Reino Unido,
Austrália, África do Sul, Índia e Brasil atestam que
as perdas econômicas anuais decorrentes das
invasões biológicas nas culturas, pastagens e nas
áreas de florestas ultrapassa os 336 bilhões de
dólares.
Exemplos de espécies exóticas introduzidas
no Brasil: lírio-do-brejo (Hedychium coronarium),
nim (Azadirachta indica), algaroba (Prosopis
juliflora), braquiária (Urochloa brizantha),
dinoflagelado (Alexadrium tamarense), tilápia-do-
nilo (Oreochromis niloticus), mosquito da dengue
(Aedes aegypti), abelha africana (Apis mellifera),
coral-sol (Tubastraea coccinea), mexilhão-
dourado (Limnoperna fortunei), caramujo-africano
(Achatina fulica).
4- Nossos ecossistemas
O Brasil é o maior país de biodiversidade
terrestre, que reúne quase 12% de toda a vida
natural do planeta. Isso pode ser explicado pela
combinação de ampla extensão territorial, alta
incidência de luz solar e um oceano (o Atlântico)
que contorna todo o leste do país. Tais condições
propiciaram o surgimento de duas das mais
significativas florestas tropicais do mundo: a
floresta amazônica e a mata atlântica.
Toda essa diversidade é distribuída pelos
diversos ecossistemas brasileiros, que são
agrupados em biomas. Os biomas são extensas
regiões de variações climáticas específicas,
principalmente no que diz respeito à temperatura e
às chuvas. Devido a essas características,
apresentam vegetação e formação de solo
peculiares, que abrigam espécies animais e
vegetais adaptadas a cada um deles.
O Brasil possui seis biomas principais,
divididos pelas áreas onde sua concentração é
predominante: Amazônia, cerrado, mata atlântica,
caatinga, campos do sul e banhados e pantanal.
4.1- Cerrado
É a versão brasileira da savana africana e a
segunda maior formação vegetal florestal do país,
superada apenas pela floresta amazônica.
Originalmente, estendia-se por cerca de dois
milhões de quilômetros, que ocupavam mais da
metade dos estados de Goiás, Maranhão, Mato
Grosso do Sul, Minas Gerais e Tocantins, além de
porções de seis estados. Estima-se que 19,15% do
cerrado ainda possua vegetação original.
Esse bioma se caracteriza por suas
diferentes paisagens, que vão desde o cerradão,
com árvores altas, passando pelo campo cerrado,
com árvores baixas e dispersas, até os campos
sujos e campos limpos. Ao longo dos rios há
formações florestais, conhecidas como matas
ciliares ou de galeria.
A vegetação varia de um lugar para outro,
ocorrendo desde plantas rasteiras até árvores,
geralmente não muito altas, com aspecto típico:
caules retorcidos e casca grossa.
O fogo é um importante fator ecológico no
Cerrado, ocorrendo geralmente nos períodos
secos. Entre suas causas naturais estão os raios. O
fogo regula a floração e a germinação de sementes
de muitas espécies de plantas desse bioma.
A casca grossa das árvores pode ser
considerada uma adaptação ao fogo, assim como
os caules subterrâneos, também comuns em
plantas da região. Apesar de importante fator
natural, o fogo também é provocado pela ação
humana. Neste caso, pode atingir proporções
preocupantes, motivo pelo qual precisa ser
evitado.
Muitas plantas possuem raízes profundas e
conseguem retirar água de lençóis subterrâneos,
superando, assim, a falta de água na região
superficial do solo, própria da estação seca.
Nas suas chapadas estão as nascentes dos
principais rios da bacia Amazônica, do Prata e do
São Francisco, que favorecem a manutenção de
uma biodiversidade surpreendente.
Espécies ameaçadas como o tatu-canastra,
o lobo-guará, a águia-cinzenta e o cachorro-
vinagre, entre muitas outras, ainda têm no cerrado
seu principal ambiente natural.
De fato, cerca de 80% do cerrado já foi
modificado pelo homem. Um dos impactos
ambientais mais graves na região foi causado por
garimpos, que contaminaram os rios com mercúrio
e provocaram o assoreamento dos cursos de água.
Nos últimos anos, a expansão da
agricultura e da pecuária tornou-se o maior risco
para esse bioma. A utilização indiscriminada de
agrotóxicos e fertilizantes tem contaminado
também o solo e a água. O desmatamento é
alarmante, chegando a três milhões de hectare/ano,
equivalente a 2,6 campos de futebol/minuto.
Esforços de todos os setores da sociedade são
necessários para reverter esse quadro.
4.2- Caatinga
É o único bioma exclusivamente brasileiro.
Em outras palavras, o patrimônio biológico desse
bioma não é encontrado em nenhum outro lugar do
mundo. Ocupa os estados de todo o Nordeste e
norte de Minas Gerais.
O nome “caatinga”, de origem indígena,
significa “mata branca”. Por ser uma região de
clima semi-árido e de solo raso e pedregoso, a
vegetação só permanece verde no inverno.
Algumas plantas armazenam água, como os
cactos, o juazeiro, a aroeira e a maniçoba; outras
se caracterizam por ter raízes praticamente na
superfície do solo a fim de absorver o máximo da
chuva. Destacam-se nesse ambiente cactos,
bromélias e leguminosas com caules espinhosos.
Os espinhos correspondem a folhas reduzidas e
essa característica constitui um mecanismo de
proteção contra a perda de água das plantas nesse
ambiente seco.
Os animais também se adaptaram às
condições desse bioma (têm hábitos migratórios
ou escondem-se do sol em abrigos que tenham
sombra, saindo para caçar à noite).
Nos últimos 20 anos, aproximadamente 40
mil quilômetros quadrados de caatinga se
transformaram em deserto devido à interferência
do homem. Fazendas de criação de gado
começaram a ocupar o cenário; siderúrgicas foram
construídas e trouxeram consigo o corte da
vegetação nativa para a produção de lenha e
carvão vegetal. Outro grande problema é a
contaminação das águas por agrotóxicos, que,
depois de ser aplicado nas lavouras, escorre das
folhas para o solo, e daí para as represas, matando
os peixes e contaminando outras espécies.
A exploração inadequada desse bioma
afeta seu equilíbrio ecológico e provoca o
desaparecimento de espécies e a perda da
biodiversidade. Um exemplo bastante
representativo do desaparecimento de espécies é o
da ararinha-azul, que vivia na caatinga até 2000;
agora só existe em cativeiro e corre sério risco de
desaparecer para sempre.
4.3- Campos do sul e banhados
No sul do país, a vegetação é composta por
campos limpos de composição uniforme, com
arbustos espalhados e dispersos: os chamados
campos sulinos. O solo é revestido de gramíneas e
pequenos arbustos, que se estendem como um
tapete verde por uma região de mais de 200
quilômetros entre o Rio Grande do Sul e Santa
Catarina.
Constitui a porção brasileira dos pampas
sul-americanos, que se estendem pelo território do
Uruguai e da Argentina. Nessa região, as chuvas
distribuem-se regulamente pelo ano todo, o clima
é ameno e o solo é naturalmente fértil.
Descendo ao litoral do Rio Grande do Sul,
a paisagem é marcada pelos banhados, que são
ecossistemas alagados. A ação de caçadores e o
bombeamento da água pelos fazendeiros das
redondezas ameaçam o local.
Na primeira metade do século XX,
colonizadores alemães e italianos iniciaram a
exploração indiscriminada da madeira na região;
árvores gigantescas e centenárias foram
derrubadas para dar lugar a plantações. Devido à
riqueza e fertilidade do solo, as áreas cultivadas do
Sul expandiram-se rapidamente sem um sistema
adequado de preparo, resultando em erosão e
outros problemas que se agravaram
progressivamente. A criação de gado e ovelhas
também faz parte da cultura local. Porém,
repetindo o mesmo erro dos agricultores, o
pastoreio está provocando a degradação do solo e,
além disso, o fogo utilizado para eliminar restos de
pastagens secas torna o solo ainda mais frágil.
Atualmente, outra grande ameaça é o plantio de
eucaliptos para indústrias de papel e madeira.
4.4- Mata Atlântica
A mata atlântica é uma das florestas
tropicais mais ameaçadas do mundo e o bioma
brasileiro que mais sofreu impactos ambientais dos
ciclos econômicos da história do país. Englobava a
área hoje equivalente a 17 estados, do Ceará ao
Rio Grande do Sul. Hoje, está reduzida a apenas
7% de sua área original.
Nesse bioma foram desenvolvidos os ciclos
econômicos do pau-brasil, da cana-de-açúcar, do
algodão, do café e da extração da madeira para a
indústria de papel e celulose no estado do Espírito
Santo. Todas essas atividades foram exercidas sem
planejamento ambiental, com intenso
desmatamento e destruição.
A partir do século XIX e XX, a principal
ameaça da mata atlântica passou a ser o intenso
processo de urbanização e de expansão agrícola.
As estimativas indicam que esse bioma
possui cerca de 20 mil espécies vegetais, metade
das quais endêmicas (que só ocorrem neste
bioma). Paralelamente à riqueza vegetal, a fauna é
o que mais impressiona na região. Muitos dos
animais brasileiros ameaçados de extinção são
originários da mata atlântica, como os micos-
leões, a onça-pintada, o tatu-canastra e a arara-
azul-pequena, esta última já considerada extinta
por alguns pesquisadores.
Composta de uma grande variedade de
formações vegetais, a mata atlântica é um mosaico
de vegetação. Seus representantes ainda preservam
mananciais hídricos importantes, que abrangem as
bacias dos rios Paraná, Uruguai, Paraíba do Sul,
Doce, Jequitinhonha e São Francisco.
A conservação e a recuperação da mata
atlântica é um grande desafio. Proteger esse bioma
significa proteger os recursos naturais que mantêm
a população e atividades que tornam possível sua
sobrevivência.
4.4.1- Mata de Araucárias: um ecossistema
especial da Mata Atlântica
A Mata de Araucárias ocorre na região
Sudeste e no Sul do Brasil, principalmente no
Paraná e em Santa Catarina, estendendo-se até São
Paulo e Rio Grande do Sul. A planta predominante
nessa mata é a araucária ou pinheiro-do-paraná,
mas, também há outras árvores como a canela, a
erva-doce e a imbuia.
O pinhão, semente do pinheiro-do-paraná,
é importante alimento para alguns animais, como o
serelepe, o tatu, a gralha-azul e a gralha-picaça.
A Mata de Araucárias tem sido
grandemente devastada pelo ser humano,
principalmente pela exploração excessiva da
madeira, com reposição feita com outros tipos de
pinheiro. Hoje está reduzida a menos de 2% da
área que ocupava originalmente.
4.4.2- Manguezais
Os manguezais são ecossistemas que se
desenvolvem na transição entre o mar e a terra.
Ocorrem, assim, em regiões litorâneas. No Brasil,
sua distribuição vai do Amapá até Santa Catarina
(Amazônia e Mata Atlântica).
Os manguezais são ambientes de grande
importância ecológica, sendo muitas vezes
comparado a um “berçário”: um grande número de
animais marinhos utiliza esses ambientes para a
reprodução. Existem também diversas espécies
que ocorrem somente nesse ecossistema, como o
caranguejo-do-mangue.
As árvores características dos manguezais
apresentam modificações no caule e nas raízes que
permitem sua sobrevivência no solo lodoso, ou
seja, pouco firme e com reduzida concentração de
gás oxigênio dissolvido.
4.5- Pantanal
O pantanal é a maior área úmida
continental do planeta, com aproximadamente 210
mil quilômetros quadrados – 140 mil quilômetros
quadrados em território brasileiro, nos estados de
Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.
As chuvas fortes são comuns e os terrenos
quase sempre planos permitem um importante
fluxo de entrada e saída de cheias, que renovam e
fertilizam a região até a vazante.
Quando o terreno seca, permanece sobre a
superfície uma fina mistura de areia e restos de
animais, vegetais e sementes, que propiciam
grande fertilidade ao solo. Grande quantidade de
peixes fica retida em lagoas ou baías, sem
conseguir retornar aos rios. Dessa forma, as aves e
outros animais carnívoros têm um farto banquete à
disposição.
O Pantanal abriga grande número de aves,
com mais de 700 espécies, como a arara-azul, a
garça, o flamingo e sua ave símbolo, o tuiuiú,
também conhecido por juburu ou jabiru.
Embora boa parte da região continue
inexplorada, as principais ameaças são as
pastagens artificiais, a atividade pecuária e a pesca
profissional e esportiva.
A agricultura indiscriminada está
contaminando o solo pelo uso excessivo de
agrotóxicos, além de provocar sua erosão, que, por
fim, resulta no assoreamento dos rios, alterando
toda a dinâmica de cheias desse bioma.
Também causaram grande impacto nos
últimos anos, o garimpo, a construção de
hidrelétricas, o turismo desorganizado e a caça.
4.6- Amazônia
O maior bioma brasileiro ocupa,
praticamente, um terço da área do país,
abrangendo os estados do Acre, Amapá,
Amazonas, Pará, Roraima, Rondônia e parte do
Mato Grosso, Maranhão e Tocantins.
A região é caracterizada por dois grandes
ecossistemas: a vegetação de terra firme e a de
várzea, distribuída nas margens dos rios.
Maior reserva de biodiversidade animal e
vegetal no mundo, a Amazônia abriga cerca de
50% da biodiversidade do planeta. Porém, apesar
dessa riqueza, o ecossistema local é frágil. A
floresta vive do seu próprio material orgânico, em
meio a um ambiente úmido, com chuvas
abundantes. A menor alteração pode causar danos
irreversíveis ao seu delicado equilíbrio.
Mais de 12% da área original da floresta
amazônica já foi destruída pelo intenso
desmatamento e pelas queimadas, seja para a
implantação de criações de gado, plantio de grãos
ou exploração madeireira.
O Governo reconhece que 80% da
produção madeireira da Amazônia provém da
exploração ilegal. Problemas relacionados à
administração, à fiscalização e à priorização de
ações nesta região dificultam a solução dos
problemas.
Outra ameaça à conservação do bioma são
os alagamentos para a implantação de usinas
hidrelétricas. Além disso, a atividade mineradora
trouxe graves consequências ambientais, como a
erosão do solo e a contaminação dos rios com
mercúrio.
Em 2004, foi medido o desmatamento
anual da Amazônia. A área desmatada
correspondeu ao tamanho do estado de Sergipe e
têm-se mantido números semelhantes nos últimos
anos. O solo amazônico já foi bem estudado e
sabe-se que, ao perder sua área nativa, ele não
consegue se recompor, podendo sofrer um
processo de desertificação, fato que o levará a
perder completamente suas características tão
exuberantes, que tornam esse bioma um dos mais
importantes para a manutenção do equilíbrio
ambiental mundial.
Referências
BRASIL: Conheça as espécies invasoras que podem
causar problemas. 2012. Disponível em:
<https://noticias.terra.com.br/ciencia/brasil-conheca-
especies-invasoras-que-podem-causar-
problemas,30b900beca2da310VgnCLD200000bbcceb0
aRCRD.html>. Acesso: 09 set. 2016.
BRUNO, S. F. 100 animais ameaçados de extinção – e
o que você pode fazer para evitar. 1 ed. São Paulo:
Ediouro, 2008.
LOPES, S.; ROSSO, S. Biologia: volume único. 1 ed.
São Paulo: Saraiva, 2005.
MENDONÇA, V. L. Biologia. 2 ed. v. 1. São Paulo:
AJS, 2013.
MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Espécies
exóticas invasoras. Disponível em:
<http://www.mma.gov.br/biodiversidade/biosseguranca
/especies-exoticas-invasoras>. Acesso: 09 set. 2016.
SANTOMAURO, B.; TREVISAN, R.; SOUZA, R. C.
C. L. A Introdução de espécies exóticas é sempre
nociva à natureza? Revista Nova Escola. Disponível
em: <http://acervo.novaescola.org.br/fundamental-
2/introducao-especies-exoticas-sempre-nociva-
natureza-656035.shtml>. Acesso: 09 set. 2016.
TERMOS utilizados na Ecologia. Disponível em:
<http://www.sobiologia.com.br/conteudos/Ecologia/Ec
ologia2.php>. Acesso: 09 set. 2016.
UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO
SANTO. Ecologia: conceitos fundamentais. 2005.
Disponível em:
<http://www.inf.ufes.br/~neyval/Gestao_ambiental/Tec
nologias_Ambientais2005/Ecologia/CONC_BASICOS
_ECOLOGIA_V1.pdf>. Acesso: 09 set. 2016.
Também causaram grande impacto nos
últimos anos, o garimpo, a construção de
hidrelétricas, o turismo desorganizado e a caça.
4.6- Amazônia
O maior bioma brasileiro ocupa,
praticamente, um terço da área do país,
abrangendo os estados do Acre, Amapá,
Amazonas, Pará, Roraima, Rondônia e parte do
Mato Grosso, Maranhão e Tocantins.
A região é caracterizada por dois grandes
ecossistemas: a vegetação de terra firme e a de
várzea, distribuída nas margens dos rios.
Maior reserva de biodiversidade animal e
vegetal no mundo, a Amazônia abriga cerca de
50% da biodiversidade do planeta. Porém, apesar
dessa riqueza, o ecossistema local é frágil. A
floresta vive do seu próprio material orgânico, em
meio a um ambiente úmido, com chuvas
abundantes. A menor alteração pode causar danos
irreversíveis ao seu delicado equilíbrio.
Mais de 12% da área original da floresta
amazônica já foi destruída pelo intenso
desmatamento e pelas queimadas, seja para a
implantação de criações de gado, plantio de grãos
ou exploração madeireira.
O Governo reconhece que 80% da
produção madeireira da Amazônia provém da
exploração ilegal. Problemas relacionados à
administração, à fiscalização e à priorização de
ações nesta região dificultam a solução dos
problemas.
Outra ameaça à conservação do bioma são
os alagamentos para a implantação de usinas
hidrelétricas. Além disso, a atividade mineradora
trouxe graves consequências ambientais, como a
erosão do solo e a contaminação dos rios com
mercúrio.
Em 2004, foi medido o desmatamento
anual da Amazônia. A área desmatada
correspondeu ao tamanho do estado de Sergipe e
têm-se mantido números semelhantes nos últimos
anos. O solo amazônico já foi bem estudado e
sabe-se que, ao perder sua área nativa, ele não
consegue se recompor, podendo sofrer um
processo de desertificação, fato que o levará a
perder completamente suas características tão
exuberantes, que tornam esse bioma um dos mais
importantes para a manutenção do equilíbrio
ambiental mundial.
Referências
BRASIL: Conheça as espécies invasoras que podem
causar problemas. 2012. Disponível em:
<https://noticias.terra.com.br/ciencia/brasil-conheca-
especies-invasoras-que-podem-causar-
problemas,30b900beca2da310VgnCLD200000bbcceb0
aRCRD.html>. Acesso: 09 set. 2016.
BRUNO, S. F. 100 animais ameaçados de extinção – e
o que você pode fazer para evitar. 1 ed. São Paulo:
Ediouro, 2008.
LOPES, S.; ROSSO, S. Biologia: volume único. 1 ed.
São Paulo: Saraiva, 2005.
MENDONÇA, V. L. Biologia. 2 ed. v. 1. São Paulo:
AJS, 2013.
MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Espécies
exóticas invasoras. Disponível em:
<http://www.mma.gov.br/biodiversidade/biosseguranca
/especies-exoticas-invasoras>. Acesso: 09 set. 2016.
SANTOMAURO, B.; TREVISAN, R.; SOUZA, R. C.
C. L. A Introdução de espécies exóticas é sempre
nociva à natureza? Revista Nova Escola. Disponível
em: <http://acervo.novaescola.org.br/fundamental-
2/introducao-especies-exoticas-sempre-nociva-
natureza-656035.shtml>. Acesso: 09 set. 2016.
TERMOS utilizados na Ecologia. Disponível em:
<http://www.sobiologia.com.br/conteudos/Ecologia/Ec
ologia2.php>. Acesso: 09 set. 2016.
UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO
SANTO. Ecologia: conceitos fundamentais. 2005.
Disponível em:
<http://www.inf.ufes.br/~neyval/Gestao_ambiental/Tec
nologias_Ambientais2005/Ecologia/CONC_BASICOS
_ECOLOGIA_V1.pdf>. Acesso: 09 set. 2016.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Projeto:NUTRIENTES DOS ALIMENTOS
Projeto:NUTRIENTES DOS ALIMENTOSProjeto:NUTRIENTES DOS ALIMENTOS
Projeto:NUTRIENTES DOS ALIMENTOS
Vanilda Porto Vieira
 
EJA PLANEJAMENTO ANUAL
EJA PLANEJAMENTO ANUAL EJA PLANEJAMENTO ANUAL
EJA PLANEJAMENTO ANUAL
neivaldolucio
 
Reforço de Ciências (Respostas)
Reforço de Ciências (Respostas)Reforço de Ciências (Respostas)
Reforço de Ciências (Respostas)
joana71
 
Introdução à Astronomia
Introdução à AstronomiaIntrodução à Astronomia
Introdução à Astronomia
Colégio Espaço Aberto
 
PB 8º ano 2º BIMESTRE ciencias gabarito
PB 8º ano 2º BIMESTRE ciencias gabaritoPB 8º ano 2º BIMESTRE ciencias gabarito
PB 8º ano 2º BIMESTRE ciencias gabarito
Grazi Grazi
 
Lista de exercícios de revisão energia e máquinas simples 9° ano dudunegão
Lista de exercícios de revisão   energia e máquinas simples 9° ano  dudunegãoLista de exercícios de revisão   energia e máquinas simples 9° ano  dudunegão
Lista de exercícios de revisão energia e máquinas simples 9° ano dudunegão
Eduardo Oliveira
 
Exercícios de química - 9º ano
Exercícios de química - 9º anoExercícios de química - 9º ano
Exercícios de química - 9º ano
V
 
I.3 classificação seres vivos
I.3 classificação seres vivosI.3 classificação seres vivos
I.3 classificação seres vivos
Rebeca Vale
 
7oano abc lo-19102020
7oano abc lo-191020207oano abc lo-19102020
7oano abc lo-19102020
Nivea Neves
 
Questões de Vestibulares: Sistema Cardiovascular
Questões de Vestibulares: Sistema CardiovascularQuestões de Vestibulares: Sistema Cardiovascular
Questões de Vestibulares: Sistema Cardiovascular
Bio Sem Limites
 
Exercícios taxonomia
Exercícios taxonomiaExercícios taxonomia
Exercícios taxonomia
Sheila Vieira
 
7 8-exercicios
7 8-exercicios7 8-exercicios
7 8-exercicios
Fisica-Quimica
 
Plano de aula de física do 1° ano 3° bimestre - cem ary
Plano de aula de física do 1° ano    3° bimestre - cem aryPlano de aula de física do 1° ano    3° bimestre - cem ary
Plano de aula de física do 1° ano 3° bimestre - cem ary
PROFESSOR JOSÉ ANTÔNIO PEREIRA - QUÍMICO
 
Prova de recuperação ciências 9 ano pronta
Prova de recuperação  ciências   9 ano prontaProva de recuperação  ciências   9 ano pronta
Prova de recuperação ciências 9 ano pronta
Tâmara Maria Rodrigues
 
Questões referentes ao sistema reprodutor masculino
Questões referentes ao sistema reprodutor masculinoQuestões referentes ao sistema reprodutor masculino
Questões referentes ao sistema reprodutor masculino
Vinicius Sobral
 
Atividades de física 9° A e B ano prof: Waldir Montenegro 2014
Atividades de física 9° A e B ano prof: Waldir  Montenegro 2014Atividades de física 9° A e B ano prof: Waldir  Montenegro 2014
Atividades de física 9° A e B ano prof: Waldir Montenegro 2014
Waldir Montenegro
 
Aula 8º ano - Sexualidade
Aula 8º ano - SexualidadeAula 8º ano - Sexualidade
Aula 8º ano - Sexualidade
Leonardo Kaplan
 
EXERCÍCIOS SOBRE OS ANIMAIS VERTEBRADOS.docx
EXERCÍCIOS SOBRE OS ANIMAIS VERTEBRADOS.docxEXERCÍCIOS SOBRE OS ANIMAIS VERTEBRADOS.docx
EXERCÍCIOS SOBRE OS ANIMAIS VERTEBRADOS.docx
LilianeALMEIDADASILV1
 
Prova diagnóstica 7º ano ciencias
Prova diagnóstica 7º ano cienciasProva diagnóstica 7º ano ciencias
Prova diagnóstica 7º ano ciencias
Atividades Diversas Cláudia
 
Fisica cn2 parte6 maquinas simples
Fisica cn2 parte6 maquinas simplesFisica cn2 parte6 maquinas simples
Fisica cn2 parte6 maquinas simples
2marrow
 

Mais procurados (20)

Projeto:NUTRIENTES DOS ALIMENTOS
Projeto:NUTRIENTES DOS ALIMENTOSProjeto:NUTRIENTES DOS ALIMENTOS
Projeto:NUTRIENTES DOS ALIMENTOS
 
EJA PLANEJAMENTO ANUAL
EJA PLANEJAMENTO ANUAL EJA PLANEJAMENTO ANUAL
EJA PLANEJAMENTO ANUAL
 
Reforço de Ciências (Respostas)
Reforço de Ciências (Respostas)Reforço de Ciências (Respostas)
Reforço de Ciências (Respostas)
 
Introdução à Astronomia
Introdução à AstronomiaIntrodução à Astronomia
Introdução à Astronomia
 
PB 8º ano 2º BIMESTRE ciencias gabarito
PB 8º ano 2º BIMESTRE ciencias gabaritoPB 8º ano 2º BIMESTRE ciencias gabarito
PB 8º ano 2º BIMESTRE ciencias gabarito
 
Lista de exercícios de revisão energia e máquinas simples 9° ano dudunegão
Lista de exercícios de revisão   energia e máquinas simples 9° ano  dudunegãoLista de exercícios de revisão   energia e máquinas simples 9° ano  dudunegão
Lista de exercícios de revisão energia e máquinas simples 9° ano dudunegão
 
Exercícios de química - 9º ano
Exercícios de química - 9º anoExercícios de química - 9º ano
Exercícios de química - 9º ano
 
I.3 classificação seres vivos
I.3 classificação seres vivosI.3 classificação seres vivos
I.3 classificação seres vivos
 
7oano abc lo-19102020
7oano abc lo-191020207oano abc lo-19102020
7oano abc lo-19102020
 
Questões de Vestibulares: Sistema Cardiovascular
Questões de Vestibulares: Sistema CardiovascularQuestões de Vestibulares: Sistema Cardiovascular
Questões de Vestibulares: Sistema Cardiovascular
 
Exercícios taxonomia
Exercícios taxonomiaExercícios taxonomia
Exercícios taxonomia
 
7 8-exercicios
7 8-exercicios7 8-exercicios
7 8-exercicios
 
Plano de aula de física do 1° ano 3° bimestre - cem ary
Plano de aula de física do 1° ano    3° bimestre - cem aryPlano de aula de física do 1° ano    3° bimestre - cem ary
Plano de aula de física do 1° ano 3° bimestre - cem ary
 
Prova de recuperação ciências 9 ano pronta
Prova de recuperação  ciências   9 ano prontaProva de recuperação  ciências   9 ano pronta
Prova de recuperação ciências 9 ano pronta
 
Questões referentes ao sistema reprodutor masculino
Questões referentes ao sistema reprodutor masculinoQuestões referentes ao sistema reprodutor masculino
Questões referentes ao sistema reprodutor masculino
 
Atividades de física 9° A e B ano prof: Waldir Montenegro 2014
Atividades de física 9° A e B ano prof: Waldir  Montenegro 2014Atividades de física 9° A e B ano prof: Waldir  Montenegro 2014
Atividades de física 9° A e B ano prof: Waldir Montenegro 2014
 
Aula 8º ano - Sexualidade
Aula 8º ano - SexualidadeAula 8º ano - Sexualidade
Aula 8º ano - Sexualidade
 
EXERCÍCIOS SOBRE OS ANIMAIS VERTEBRADOS.docx
EXERCÍCIOS SOBRE OS ANIMAIS VERTEBRADOS.docxEXERCÍCIOS SOBRE OS ANIMAIS VERTEBRADOS.docx
EXERCÍCIOS SOBRE OS ANIMAIS VERTEBRADOS.docx
 
Prova diagnóstica 7º ano ciencias
Prova diagnóstica 7º ano cienciasProva diagnóstica 7º ano ciencias
Prova diagnóstica 7º ano ciencias
 
Fisica cn2 parte6 maquinas simples
Fisica cn2 parte6 maquinas simplesFisica cn2 parte6 maquinas simples
Fisica cn2 parte6 maquinas simples
 

Semelhante a Resumo Ecologia - Parte I

6o ano - O que a ecologia estuda
6o ano - O que a ecologia estuda6o ano - O que a ecologia estuda
6o ano - O que a ecologia estuda
SESI 422 - Americana
 
Aula ecologia
Aula ecologiaAula ecologia
Aula ecologia
Clécio Bubela
 
Ecologia e sustentabilidade
Ecologia e sustentabilidadeEcologia e sustentabilidade
Ecologia e sustentabilidade
Luciara Andrade
 
03 biodiversidade ii
03 biodiversidade ii03 biodiversidade ii
03 biodiversidade ii
stique
 
Aula de ecologia curso completo
Aula de ecologia   curso completoAula de ecologia   curso completo
Aula de ecologia curso completo
Nelson Costa
 
Aula Ecologia introdução para o setimo ano
Aula Ecologia introdução para o setimo anoAula Ecologia introdução para o setimo ano
Aula Ecologia introdução para o setimo ano
PatriciaZanoli
 
Biologia Esquadrão do Conhecimento VIP 2013
Biologia Esquadrão do Conhecimento VIP 2013Biologia Esquadrão do Conhecimento VIP 2013
Biologia Esquadrão do Conhecimento VIP 2013
Esquadrão Do Conhecimento
 
13 - ecologia II
13 - ecologia II13 - ecologia II
13 - ecologia II
Marcus Magarinho
 
Ecossistema 3
Ecossistema 3Ecossistema 3
Ecossistema 3
estagio2
 
Ecossistema 3
Ecossistema 3Ecossistema 3
Ecossistema 3
Facos - Cnec
 
Aula_Ecologia_Geral Cetisa.ppsx
Aula_Ecologia_Geral Cetisa.ppsxAula_Ecologia_Geral Cetisa.ppsx
Aula_Ecologia_Geral Cetisa.ppsx
FranciscoSallas1
 
Ecologia com exercícios
Ecologia com exercíciosEcologia com exercícios
Ecologia com exercícios
helder raposo
 
entomologia 1C.docx
entomologia 1C.docxentomologia 1C.docx
entomologia 1C.docx
AntoniaValdianaFerna
 
Resumos 8 ano
Resumos 8 anoResumos 8 ano
Resumos 8 ano
Franc Knap Junior
 
Relações ecológicas entre os seres vivos.
Relações ecológicas entre os seres vivos.Relações ecológicas entre os seres vivos.
Relações ecológicas entre os seres vivos.
andrenascimento73268
 
Aula 1 ecologia conceitos fundamentaisok
Aula 1 ecologia conceitos fundamentaisokAula 1 ecologia conceitos fundamentaisok
Aula 1 ecologia conceitos fundamentaisok
luanarodriguessh
 
Ecossistema
EcossistemaEcossistema
Ecossistema
estagio2
 
Ciências7
Ciências7Ciências7
Ciências7
VANESSAKORREA
 
Biomas mundiais
Biomas mundiaisBiomas mundiais
Biomas mundiais
UEMA
 
Ecossistema
EcossistemaEcossistema
Ecossistema
guest2d00a0
 

Semelhante a Resumo Ecologia - Parte I (20)

6o ano - O que a ecologia estuda
6o ano - O que a ecologia estuda6o ano - O que a ecologia estuda
6o ano - O que a ecologia estuda
 
Aula ecologia
Aula ecologiaAula ecologia
Aula ecologia
 
Ecologia e sustentabilidade
Ecologia e sustentabilidadeEcologia e sustentabilidade
Ecologia e sustentabilidade
 
03 biodiversidade ii
03 biodiversidade ii03 biodiversidade ii
03 biodiversidade ii
 
Aula de ecologia curso completo
Aula de ecologia   curso completoAula de ecologia   curso completo
Aula de ecologia curso completo
 
Aula Ecologia introdução para o setimo ano
Aula Ecologia introdução para o setimo anoAula Ecologia introdução para o setimo ano
Aula Ecologia introdução para o setimo ano
 
Biologia Esquadrão do Conhecimento VIP 2013
Biologia Esquadrão do Conhecimento VIP 2013Biologia Esquadrão do Conhecimento VIP 2013
Biologia Esquadrão do Conhecimento VIP 2013
 
13 - ecologia II
13 - ecologia II13 - ecologia II
13 - ecologia II
 
Ecossistema 3
Ecossistema 3Ecossistema 3
Ecossistema 3
 
Ecossistema 3
Ecossistema 3Ecossistema 3
Ecossistema 3
 
Aula_Ecologia_Geral Cetisa.ppsx
Aula_Ecologia_Geral Cetisa.ppsxAula_Ecologia_Geral Cetisa.ppsx
Aula_Ecologia_Geral Cetisa.ppsx
 
Ecologia com exercícios
Ecologia com exercíciosEcologia com exercícios
Ecologia com exercícios
 
entomologia 1C.docx
entomologia 1C.docxentomologia 1C.docx
entomologia 1C.docx
 
Resumos 8 ano
Resumos 8 anoResumos 8 ano
Resumos 8 ano
 
Relações ecológicas entre os seres vivos.
Relações ecológicas entre os seres vivos.Relações ecológicas entre os seres vivos.
Relações ecológicas entre os seres vivos.
 
Aula 1 ecologia conceitos fundamentaisok
Aula 1 ecologia conceitos fundamentaisokAula 1 ecologia conceitos fundamentaisok
Aula 1 ecologia conceitos fundamentaisok
 
Ecossistema
EcossistemaEcossistema
Ecossistema
 
Ciências7
Ciências7Ciências7
Ciências7
 
Biomas mundiais
Biomas mundiaisBiomas mundiais
Biomas mundiais
 
Ecossistema
EcossistemaEcossistema
Ecossistema
 

Mais de Aline Silva

Qual dessas conchas é do caramujo gigante africano?
Qual dessas conchas é do caramujo gigante africano?Qual dessas conchas é do caramujo gigante africano?
Qual dessas conchas é do caramujo gigante africano?
Aline Silva
 
DOENÇA DE JORGE LOBO E A IMPORTÂNCIA DE SEU ESTUDO PARA A PATOLOGIA ANIMAL E ...
DOENÇA DE JORGE LOBO E A IMPORTÂNCIA DE SEU ESTUDO PARA A PATOLOGIA ANIMAL E ...DOENÇA DE JORGE LOBO E A IMPORTÂNCIA DE SEU ESTUDO PARA A PATOLOGIA ANIMAL E ...
DOENÇA DE JORGE LOBO E A IMPORTÂNCIA DE SEU ESTUDO PARA A PATOLOGIA ANIMAL E ...
Aline Silva
 
Artigo câncer causas, prevenção e tratamento
Artigo câncer   causas, prevenção e tratamentoArtigo câncer   causas, prevenção e tratamento
Artigo câncer causas, prevenção e tratamento
Aline Silva
 
Características gerais dos seres vivos
Características gerais dos seres vivosCaracterísticas gerais dos seres vivos
Características gerais dos seres vivos
Aline Silva
 
A química da vida
A química da vidaA química da vida
A química da vida
Aline Silva
 
Mitose e meiose
Mitose e meioseMitose e meiose
Mitose e meiose
Aline Silva
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
Aline Silva
 
Relações ecológicas
Relações ecológicasRelações ecológicas
Relações ecológicas
Aline Silva
 
Reino Metaphyta
Reino MetaphytaReino Metaphyta
Reino Metaphyta
Aline Silva
 
Reino Protista
Reino ProtistaReino Protista
Reino Protista
Aline Silva
 
Anomalias genéticas
Anomalias genéticasAnomalias genéticas
Anomalias genéticas
Aline Silva
 
Anomalias genéticas
Anomalias genéticasAnomalias genéticas
Anomalias genéticas
Aline Silva
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
Aline Silva
 
As leis de mendel
As leis de mendelAs leis de mendel
As leis de mendel
Aline Silva
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
Aline Silva
 
Introdução à genética
Introdução à genéticaIntrodução à genética
Introdução à genética
Aline Silva
 
Vírus
VírusVírus
Vírus
Aline Silva
 
Introdução à genética
Introdução à genéticaIntrodução à genética
Introdução à genética
Aline Silva
 
Vírus
VírusVírus
Vírus
Aline Silva
 
Classificação dos seres vivos Profa. Aline Miranda
Classificação dos seres vivos   Profa. Aline MirandaClassificação dos seres vivos   Profa. Aline Miranda
Classificação dos seres vivos Profa. Aline Miranda
Aline Silva
 

Mais de Aline Silva (20)

Qual dessas conchas é do caramujo gigante africano?
Qual dessas conchas é do caramujo gigante africano?Qual dessas conchas é do caramujo gigante africano?
Qual dessas conchas é do caramujo gigante africano?
 
DOENÇA DE JORGE LOBO E A IMPORTÂNCIA DE SEU ESTUDO PARA A PATOLOGIA ANIMAL E ...
DOENÇA DE JORGE LOBO E A IMPORTÂNCIA DE SEU ESTUDO PARA A PATOLOGIA ANIMAL E ...DOENÇA DE JORGE LOBO E A IMPORTÂNCIA DE SEU ESTUDO PARA A PATOLOGIA ANIMAL E ...
DOENÇA DE JORGE LOBO E A IMPORTÂNCIA DE SEU ESTUDO PARA A PATOLOGIA ANIMAL E ...
 
Artigo câncer causas, prevenção e tratamento
Artigo câncer   causas, prevenção e tratamentoArtigo câncer   causas, prevenção e tratamento
Artigo câncer causas, prevenção e tratamento
 
Características gerais dos seres vivos
Características gerais dos seres vivosCaracterísticas gerais dos seres vivos
Características gerais dos seres vivos
 
A química da vida
A química da vidaA química da vida
A química da vida
 
Mitose e meiose
Mitose e meioseMitose e meiose
Mitose e meiose
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
Relações ecológicas
Relações ecológicasRelações ecológicas
Relações ecológicas
 
Reino Metaphyta
Reino MetaphytaReino Metaphyta
Reino Metaphyta
 
Reino Protista
Reino ProtistaReino Protista
Reino Protista
 
Anomalias genéticas
Anomalias genéticasAnomalias genéticas
Anomalias genéticas
 
Anomalias genéticas
Anomalias genéticasAnomalias genéticas
Anomalias genéticas
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
As leis de mendel
As leis de mendelAs leis de mendel
As leis de mendel
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
 
Introdução à genética
Introdução à genéticaIntrodução à genética
Introdução à genética
 
Vírus
VírusVírus
Vírus
 
Introdução à genética
Introdução à genéticaIntrodução à genética
Introdução à genética
 
Vírus
VírusVírus
Vírus
 
Classificação dos seres vivos Profa. Aline Miranda
Classificação dos seres vivos   Profa. Aline MirandaClassificação dos seres vivos   Profa. Aline Miranda
Classificação dos seres vivos Profa. Aline Miranda
 

Último

Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Festa dos Finalistas .
Festa dos Finalistas                    .Festa dos Finalistas                    .
Festa dos Finalistas .
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 

Resumo Ecologia - Parte I

  • 1. ESCOLA ESTADUAL “DR. ARTHUR BERNARDES” Resumo sobre Ecologia – parte I Biologia – 3º ano Profa. Aline Miranda Nome: 1- Introdução A ecologia é uma ciência multidisciplinar, que envolve biologia vegetal e animal, taxonomia, fisiologia, genética, comportamento, meteorologia, pedologia, geologia, sociologia, antropologia, física, química, matemática, entre outras. Quase sempre se torna difícil delinear a fronteira entre a ecologia e qualquer dessas ciências, pois todas têm influência sobre ela. 2- Conceitos 2.1- Biosfera terrestre: Conjunto de todos os ecossistemas da Terra. 2.2- Ecossistema: Conjunto formado pela comunidade (fatores bióticos) e pelos fatores abióticos. 2.2.1- Fatores abióticos: podem ser físicos, químicos ou geológicos – água, ar, solo, luz, calor, substâncias químicas, entre outros; 2.2.2- Fatores bióticos: o conjunto de seres vivos. 2.3- Comunidade: Conjunto de populações que habitam uma mesma área. 2.4- População: Conjunto de indivíduos da mesma espécie que convivem em uma mesma área. 2.5- Nicho ecológico x Habitat 2.5.1- Nicho ecológico: O nicho é um conjunto de condições em que o indivíduo (ou uma população) vive e se reproduz. 2.5.2- Habitat – Lugar ocupado por organismos de determinada população. 3- Relações entre seres vivos de uma comunidade Os seres vivos de uma comunidade mantêm constantes relações entre si, exercendo, assim, influências recíprocas em suas populações. Essas relações podem ocorrer entre indivíduos da mesma espécie (relações intraespecíficas) ou entre indivíduos de espécies distintas (relações interespecíficas). As relações harmônicas são aquelas em que não há prejuízo para nenhum dos indivíduos da associação. Já nas relações desarmônicas, pelo menos um indivíduo da associação sofre algum tipo de desvantagem. Entretanto, considerando o total das relações de uma comunidade, verifica-se que elas se revelam harmônicas, pois são importantes para o equilíbrio das populações que interagem. 3.1- Relações intraespecíficas As relações intraespecíficas harmônicas são: 3.1.1- Sociedade (+/+): Cooperação entre indivíduos da mesma espécie em que há divisão de trabalho, mantendo-se todos anatomicamente separados. Exemplo: insetos sociais, como abelhas, cupins e formigas. 3.1.2- Colônia (+/+): Associação entre indivíduos da mesma espécie anatomicamente unidos entre si. Exemplo: corais. As relações intraespecíficas desarmônicas são: 3.1.3- Canibalismo (+/-): um indivíduo mata outro da mesma espécie para se alimentar. Exemplo: louva-a-deus. 3.1.4- Competição intra-específica (+/-): ocorre em praticamente todas as populações em que indivíduos disputam recursos não disponíveis em quantidade suficiente no ecossistema, como pode se apresentar o alimento e o espaço, por exemplo. 3.2- Relações interespecíficas 3.2.1- Relações interespecíficas harmônicas 3.2.1.1- Mutualismo obrigatório (+/+): os participantes se beneficiam e mantêm uma relação de dependência. Exemplos: líquens, cupins e protozoários, ruminantes e microrganismos. 3.2.1.2- Mutualismo facultativo ou protocooperação (+/+): os participantes se beneficiam e podem viver de modo independente do que ocorre no mutualismo obrigatório. Exemplos: paguro eremita e anêmonas-do-mar,
  • 2. pássaro anu e certos mamíferos, pássaro-palito e crocodilo. 3.2.1.3- Inquilinismo (+/0): é a associação entre indivíduos de espécies diferentes em que um deles procura abrigo ou suporte no corpo do outro, sem prejudicá-lo. O inquilinismo é uma forma de associação muito parecida com o comensalismo. Desta difere por não haver cessão de alimentos ao inquilino. Exemplos: peixe-agulha e holotúria, orquídea e árvore. 3.2.1.4- Comensalismo (+/0): Assim como no inquilinismo, apenas um participante se beneficia, sem causar prejuízo ao outro. A associação ocorre em busca de alimento. Exemplos: rêmora e tubarão, hiena e leão, bactérias e ser humano. 3.2.1.5- Foresia (+/0): é a associação entre indivíduos de espécies diferentes em que um se utiliza do outro para transporte, sem prejudicá-lo. Como exemplos, têm-se a rêmora ou peixe-piolho no tubarão e o transporte de sementes por pássaros e insetos. 3.2.2- Relações interespecíficas desarmônicas 3.2.2.1- Amensalismo ou antibiose (+/-): os indivíduos de uma espécie secretam substâncias que inibem o desenvolvimento de indivíduos de outras espécies. Exemplo: fungos que secretam antibióticos, impedindo a multiplicação de bactérias. 3.2.2.2- Predatismo (+/-): um indivíduo captura e mata outro de espécie para dele se alimentar. Exemplos: aranhas que se alimentam de insetos e gaviões que comem cobras. Quando a planta é o alimento, trata-se de uma modalidade de herbivorismo. 3.2.2.3- Parasitismo (+/-): o parasita vive no corpo de um indivíduo de outra espécie, o hospedeiro, do qual retira alimento, via de regra não matando a curto prazo seu hospedeiro. Os parasitas podem ser classificados em ectoparasitas (externos ao corpo do hospedeiro) e endoparasitas (internos). Exemplos: carrapatos, piolhos, pulgões, cipó- chumbo e erva-de-passarinho (ectoparasitas); vírus, plasmódio e tripanossomo (endoparasita). 3.2.2.4- Competição interespecífica: duas ou mais populações de espécies diferentes apresentam nichos ecológicos semelhantes e disputam o mesmo recurso do meio quando ele não é suficiente para todos. Exemplo: diferentes espécies de ciliados que disputam o mesmo tipo de alimento. 3.2.3- Simbiose O termo simbiose, criado em 1879 pelo biólogo De Bary, tem sido equivocadamente utilizado como sinônimo de mutualismo. Simbiose refere-se a toda e qualquer associação permanente entre indivíduos de espécies diferentes que, normalmente, exerce influência recíproca no metabolismo, seja ela uma interação positiva ou negativa. Assim, podemos considerar três tipos bem definidos de simbiose: o parasitismo, o comensalismo e o mutualismo obrigatório. Atualmente, a utilização do termo simbiose tem sido ampliada, aplicando-se a qualquer tipo de relação interespecífica. 3.3- Espécies exóticas Com a crescente globalização e o consequente aumento do comércio internacional, espécies exóticas são introduzidas, intencional ou não intencionalmente, para locais onde não encontram inimigos naturais e parasitas, tornando-se mais eficientes que as espécies nativas no uso dos recursos. Em virtude da agressividade e capacidade de excluir as espécies nativas, diretamente ou pela competição por recursos, as espécies exóticas invasoras apresentam o potencial de transformar a estrutura e a composição dos ecossistemas, homogeneizando os ambientes e destruindo as características peculiares que a biodiversidade local proporciona. As espécies exóticas invasoras já contribuíram, desde o ano 1600, com 39% de todos os animais extintos, cujas causas são conhecidas. Mais de 120 mil espécies exóticas de plantas, animais e microrganismos foram introduzidas nos Estados Unidos, Reino Unido, Austrália, Índia, África do Sul e Brasil. Tendo em vista o número de espécies que já invadiram esses seis países estudados, estima-se que um total aproximado de 480 mil espécies exóticas já foram introduzidas nos diversos
  • 3. ecossistemas da Terra. Aproximadamente 20 a 30% dessas espécies são consideradas pragas e são responsáveis por grandes problemas ambientais. Isto indica o enorme desafio que deverá ser enfrentado para o controle, monitoramento e erradicação das espécies exóticas invasoras. Os custos da prevenção, controle e erradicação de espécies exóticas invasoras indicam que os danos para o ambiente e para a economia são significativos. Neste contexto, levantamentos realizados nos Estados Unidos, Reino Unido, Austrália, África do Sul, Índia e Brasil atestam que as perdas econômicas anuais decorrentes das invasões biológicas nas culturas, pastagens e nas áreas de florestas ultrapassa os 336 bilhões de dólares. Exemplos de espécies exóticas introduzidas no Brasil: lírio-do-brejo (Hedychium coronarium), nim (Azadirachta indica), algaroba (Prosopis juliflora), braquiária (Urochloa brizantha), dinoflagelado (Alexadrium tamarense), tilápia-do- nilo (Oreochromis niloticus), mosquito da dengue (Aedes aegypti), abelha africana (Apis mellifera), coral-sol (Tubastraea coccinea), mexilhão- dourado (Limnoperna fortunei), caramujo-africano (Achatina fulica). 4- Nossos ecossistemas O Brasil é o maior país de biodiversidade terrestre, que reúne quase 12% de toda a vida natural do planeta. Isso pode ser explicado pela combinação de ampla extensão territorial, alta incidência de luz solar e um oceano (o Atlântico) que contorna todo o leste do país. Tais condições propiciaram o surgimento de duas das mais significativas florestas tropicais do mundo: a floresta amazônica e a mata atlântica. Toda essa diversidade é distribuída pelos diversos ecossistemas brasileiros, que são agrupados em biomas. Os biomas são extensas regiões de variações climáticas específicas, principalmente no que diz respeito à temperatura e às chuvas. Devido a essas características, apresentam vegetação e formação de solo peculiares, que abrigam espécies animais e vegetais adaptadas a cada um deles. O Brasil possui seis biomas principais, divididos pelas áreas onde sua concentração é predominante: Amazônia, cerrado, mata atlântica, caatinga, campos do sul e banhados e pantanal. 4.1- Cerrado É a versão brasileira da savana africana e a segunda maior formação vegetal florestal do país, superada apenas pela floresta amazônica. Originalmente, estendia-se por cerca de dois milhões de quilômetros, que ocupavam mais da metade dos estados de Goiás, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e Tocantins, além de porções de seis estados. Estima-se que 19,15% do cerrado ainda possua vegetação original. Esse bioma se caracteriza por suas diferentes paisagens, que vão desde o cerradão, com árvores altas, passando pelo campo cerrado, com árvores baixas e dispersas, até os campos sujos e campos limpos. Ao longo dos rios há formações florestais, conhecidas como matas ciliares ou de galeria. A vegetação varia de um lugar para outro, ocorrendo desde plantas rasteiras até árvores, geralmente não muito altas, com aspecto típico: caules retorcidos e casca grossa. O fogo é um importante fator ecológico no Cerrado, ocorrendo geralmente nos períodos secos. Entre suas causas naturais estão os raios. O fogo regula a floração e a germinação de sementes de muitas espécies de plantas desse bioma. A casca grossa das árvores pode ser considerada uma adaptação ao fogo, assim como os caules subterrâneos, também comuns em plantas da região. Apesar de importante fator natural, o fogo também é provocado pela ação humana. Neste caso, pode atingir proporções preocupantes, motivo pelo qual precisa ser evitado. Muitas plantas possuem raízes profundas e conseguem retirar água de lençóis subterrâneos, superando, assim, a falta de água na região superficial do solo, própria da estação seca. Nas suas chapadas estão as nascentes dos principais rios da bacia Amazônica, do Prata e do São Francisco, que favorecem a manutenção de uma biodiversidade surpreendente. Espécies ameaçadas como o tatu-canastra, o lobo-guará, a águia-cinzenta e o cachorro- vinagre, entre muitas outras, ainda têm no cerrado seu principal ambiente natural. De fato, cerca de 80% do cerrado já foi modificado pelo homem. Um dos impactos ambientais mais graves na região foi causado por garimpos, que contaminaram os rios com mercúrio e provocaram o assoreamento dos cursos de água.
  • 4. Nos últimos anos, a expansão da agricultura e da pecuária tornou-se o maior risco para esse bioma. A utilização indiscriminada de agrotóxicos e fertilizantes tem contaminado também o solo e a água. O desmatamento é alarmante, chegando a três milhões de hectare/ano, equivalente a 2,6 campos de futebol/minuto. Esforços de todos os setores da sociedade são necessários para reverter esse quadro. 4.2- Caatinga É o único bioma exclusivamente brasileiro. Em outras palavras, o patrimônio biológico desse bioma não é encontrado em nenhum outro lugar do mundo. Ocupa os estados de todo o Nordeste e norte de Minas Gerais. O nome “caatinga”, de origem indígena, significa “mata branca”. Por ser uma região de clima semi-árido e de solo raso e pedregoso, a vegetação só permanece verde no inverno. Algumas plantas armazenam água, como os cactos, o juazeiro, a aroeira e a maniçoba; outras se caracterizam por ter raízes praticamente na superfície do solo a fim de absorver o máximo da chuva. Destacam-se nesse ambiente cactos, bromélias e leguminosas com caules espinhosos. Os espinhos correspondem a folhas reduzidas e essa característica constitui um mecanismo de proteção contra a perda de água das plantas nesse ambiente seco. Os animais também se adaptaram às condições desse bioma (têm hábitos migratórios ou escondem-se do sol em abrigos que tenham sombra, saindo para caçar à noite). Nos últimos 20 anos, aproximadamente 40 mil quilômetros quadrados de caatinga se transformaram em deserto devido à interferência do homem. Fazendas de criação de gado começaram a ocupar o cenário; siderúrgicas foram construídas e trouxeram consigo o corte da vegetação nativa para a produção de lenha e carvão vegetal. Outro grande problema é a contaminação das águas por agrotóxicos, que, depois de ser aplicado nas lavouras, escorre das folhas para o solo, e daí para as represas, matando os peixes e contaminando outras espécies. A exploração inadequada desse bioma afeta seu equilíbrio ecológico e provoca o desaparecimento de espécies e a perda da biodiversidade. Um exemplo bastante representativo do desaparecimento de espécies é o da ararinha-azul, que vivia na caatinga até 2000; agora só existe em cativeiro e corre sério risco de desaparecer para sempre. 4.3- Campos do sul e banhados No sul do país, a vegetação é composta por campos limpos de composição uniforme, com arbustos espalhados e dispersos: os chamados campos sulinos. O solo é revestido de gramíneas e pequenos arbustos, que se estendem como um tapete verde por uma região de mais de 200 quilômetros entre o Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Constitui a porção brasileira dos pampas sul-americanos, que se estendem pelo território do Uruguai e da Argentina. Nessa região, as chuvas distribuem-se regulamente pelo ano todo, o clima é ameno e o solo é naturalmente fértil. Descendo ao litoral do Rio Grande do Sul, a paisagem é marcada pelos banhados, que são ecossistemas alagados. A ação de caçadores e o bombeamento da água pelos fazendeiros das redondezas ameaçam o local. Na primeira metade do século XX, colonizadores alemães e italianos iniciaram a exploração indiscriminada da madeira na região; árvores gigantescas e centenárias foram derrubadas para dar lugar a plantações. Devido à riqueza e fertilidade do solo, as áreas cultivadas do Sul expandiram-se rapidamente sem um sistema adequado de preparo, resultando em erosão e outros problemas que se agravaram progressivamente. A criação de gado e ovelhas também faz parte da cultura local. Porém, repetindo o mesmo erro dos agricultores, o pastoreio está provocando a degradação do solo e, além disso, o fogo utilizado para eliminar restos de pastagens secas torna o solo ainda mais frágil. Atualmente, outra grande ameaça é o plantio de eucaliptos para indústrias de papel e madeira. 4.4- Mata Atlântica A mata atlântica é uma das florestas tropicais mais ameaçadas do mundo e o bioma brasileiro que mais sofreu impactos ambientais dos ciclos econômicos da história do país. Englobava a área hoje equivalente a 17 estados, do Ceará ao Rio Grande do Sul. Hoje, está reduzida a apenas 7% de sua área original. Nesse bioma foram desenvolvidos os ciclos econômicos do pau-brasil, da cana-de-açúcar, do
  • 5. algodão, do café e da extração da madeira para a indústria de papel e celulose no estado do Espírito Santo. Todas essas atividades foram exercidas sem planejamento ambiental, com intenso desmatamento e destruição. A partir do século XIX e XX, a principal ameaça da mata atlântica passou a ser o intenso processo de urbanização e de expansão agrícola. As estimativas indicam que esse bioma possui cerca de 20 mil espécies vegetais, metade das quais endêmicas (que só ocorrem neste bioma). Paralelamente à riqueza vegetal, a fauna é o que mais impressiona na região. Muitos dos animais brasileiros ameaçados de extinção são originários da mata atlântica, como os micos- leões, a onça-pintada, o tatu-canastra e a arara- azul-pequena, esta última já considerada extinta por alguns pesquisadores. Composta de uma grande variedade de formações vegetais, a mata atlântica é um mosaico de vegetação. Seus representantes ainda preservam mananciais hídricos importantes, que abrangem as bacias dos rios Paraná, Uruguai, Paraíba do Sul, Doce, Jequitinhonha e São Francisco. A conservação e a recuperação da mata atlântica é um grande desafio. Proteger esse bioma significa proteger os recursos naturais que mantêm a população e atividades que tornam possível sua sobrevivência. 4.4.1- Mata de Araucárias: um ecossistema especial da Mata Atlântica A Mata de Araucárias ocorre na região Sudeste e no Sul do Brasil, principalmente no Paraná e em Santa Catarina, estendendo-se até São Paulo e Rio Grande do Sul. A planta predominante nessa mata é a araucária ou pinheiro-do-paraná, mas, também há outras árvores como a canela, a erva-doce e a imbuia. O pinhão, semente do pinheiro-do-paraná, é importante alimento para alguns animais, como o serelepe, o tatu, a gralha-azul e a gralha-picaça. A Mata de Araucárias tem sido grandemente devastada pelo ser humano, principalmente pela exploração excessiva da madeira, com reposição feita com outros tipos de pinheiro. Hoje está reduzida a menos de 2% da área que ocupava originalmente. 4.4.2- Manguezais Os manguezais são ecossistemas que se desenvolvem na transição entre o mar e a terra. Ocorrem, assim, em regiões litorâneas. No Brasil, sua distribuição vai do Amapá até Santa Catarina (Amazônia e Mata Atlântica). Os manguezais são ambientes de grande importância ecológica, sendo muitas vezes comparado a um “berçário”: um grande número de animais marinhos utiliza esses ambientes para a reprodução. Existem também diversas espécies que ocorrem somente nesse ecossistema, como o caranguejo-do-mangue. As árvores características dos manguezais apresentam modificações no caule e nas raízes que permitem sua sobrevivência no solo lodoso, ou seja, pouco firme e com reduzida concentração de gás oxigênio dissolvido. 4.5- Pantanal O pantanal é a maior área úmida continental do planeta, com aproximadamente 210 mil quilômetros quadrados – 140 mil quilômetros quadrados em território brasileiro, nos estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. As chuvas fortes são comuns e os terrenos quase sempre planos permitem um importante fluxo de entrada e saída de cheias, que renovam e fertilizam a região até a vazante. Quando o terreno seca, permanece sobre a superfície uma fina mistura de areia e restos de animais, vegetais e sementes, que propiciam grande fertilidade ao solo. Grande quantidade de peixes fica retida em lagoas ou baías, sem conseguir retornar aos rios. Dessa forma, as aves e outros animais carnívoros têm um farto banquete à disposição. O Pantanal abriga grande número de aves, com mais de 700 espécies, como a arara-azul, a garça, o flamingo e sua ave símbolo, o tuiuiú, também conhecido por juburu ou jabiru. Embora boa parte da região continue inexplorada, as principais ameaças são as pastagens artificiais, a atividade pecuária e a pesca profissional e esportiva. A agricultura indiscriminada está contaminando o solo pelo uso excessivo de agrotóxicos, além de provocar sua erosão, que, por fim, resulta no assoreamento dos rios, alterando toda a dinâmica de cheias desse bioma.
  • 6. Também causaram grande impacto nos últimos anos, o garimpo, a construção de hidrelétricas, o turismo desorganizado e a caça. 4.6- Amazônia O maior bioma brasileiro ocupa, praticamente, um terço da área do país, abrangendo os estados do Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Roraima, Rondônia e parte do Mato Grosso, Maranhão e Tocantins. A região é caracterizada por dois grandes ecossistemas: a vegetação de terra firme e a de várzea, distribuída nas margens dos rios. Maior reserva de biodiversidade animal e vegetal no mundo, a Amazônia abriga cerca de 50% da biodiversidade do planeta. Porém, apesar dessa riqueza, o ecossistema local é frágil. A floresta vive do seu próprio material orgânico, em meio a um ambiente úmido, com chuvas abundantes. A menor alteração pode causar danos irreversíveis ao seu delicado equilíbrio. Mais de 12% da área original da floresta amazônica já foi destruída pelo intenso desmatamento e pelas queimadas, seja para a implantação de criações de gado, plantio de grãos ou exploração madeireira. O Governo reconhece que 80% da produção madeireira da Amazônia provém da exploração ilegal. Problemas relacionados à administração, à fiscalização e à priorização de ações nesta região dificultam a solução dos problemas. Outra ameaça à conservação do bioma são os alagamentos para a implantação de usinas hidrelétricas. Além disso, a atividade mineradora trouxe graves consequências ambientais, como a erosão do solo e a contaminação dos rios com mercúrio. Em 2004, foi medido o desmatamento anual da Amazônia. A área desmatada correspondeu ao tamanho do estado de Sergipe e têm-se mantido números semelhantes nos últimos anos. O solo amazônico já foi bem estudado e sabe-se que, ao perder sua área nativa, ele não consegue se recompor, podendo sofrer um processo de desertificação, fato que o levará a perder completamente suas características tão exuberantes, que tornam esse bioma um dos mais importantes para a manutenção do equilíbrio ambiental mundial. Referências BRASIL: Conheça as espécies invasoras que podem causar problemas. 2012. Disponível em: <https://noticias.terra.com.br/ciencia/brasil-conheca- especies-invasoras-que-podem-causar- problemas,30b900beca2da310VgnCLD200000bbcceb0 aRCRD.html>. Acesso: 09 set. 2016. BRUNO, S. F. 100 animais ameaçados de extinção – e o que você pode fazer para evitar. 1 ed. São Paulo: Ediouro, 2008. LOPES, S.; ROSSO, S. Biologia: volume único. 1 ed. São Paulo: Saraiva, 2005. MENDONÇA, V. L. Biologia. 2 ed. v. 1. São Paulo: AJS, 2013. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Espécies exóticas invasoras. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/biodiversidade/biosseguranca /especies-exoticas-invasoras>. Acesso: 09 set. 2016. SANTOMAURO, B.; TREVISAN, R.; SOUZA, R. C. C. L. A Introdução de espécies exóticas é sempre nociva à natureza? Revista Nova Escola. Disponível em: <http://acervo.novaescola.org.br/fundamental- 2/introducao-especies-exoticas-sempre-nociva- natureza-656035.shtml>. Acesso: 09 set. 2016. TERMOS utilizados na Ecologia. Disponível em: <http://www.sobiologia.com.br/conteudos/Ecologia/Ec ologia2.php>. Acesso: 09 set. 2016. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO. Ecologia: conceitos fundamentais. 2005. Disponível em: <http://www.inf.ufes.br/~neyval/Gestao_ambiental/Tec nologias_Ambientais2005/Ecologia/CONC_BASICOS _ECOLOGIA_V1.pdf>. Acesso: 09 set. 2016.
  • 7. Também causaram grande impacto nos últimos anos, o garimpo, a construção de hidrelétricas, o turismo desorganizado e a caça. 4.6- Amazônia O maior bioma brasileiro ocupa, praticamente, um terço da área do país, abrangendo os estados do Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Roraima, Rondônia e parte do Mato Grosso, Maranhão e Tocantins. A região é caracterizada por dois grandes ecossistemas: a vegetação de terra firme e a de várzea, distribuída nas margens dos rios. Maior reserva de biodiversidade animal e vegetal no mundo, a Amazônia abriga cerca de 50% da biodiversidade do planeta. Porém, apesar dessa riqueza, o ecossistema local é frágil. A floresta vive do seu próprio material orgânico, em meio a um ambiente úmido, com chuvas abundantes. A menor alteração pode causar danos irreversíveis ao seu delicado equilíbrio. Mais de 12% da área original da floresta amazônica já foi destruída pelo intenso desmatamento e pelas queimadas, seja para a implantação de criações de gado, plantio de grãos ou exploração madeireira. O Governo reconhece que 80% da produção madeireira da Amazônia provém da exploração ilegal. Problemas relacionados à administração, à fiscalização e à priorização de ações nesta região dificultam a solução dos problemas. Outra ameaça à conservação do bioma são os alagamentos para a implantação de usinas hidrelétricas. Além disso, a atividade mineradora trouxe graves consequências ambientais, como a erosão do solo e a contaminação dos rios com mercúrio. Em 2004, foi medido o desmatamento anual da Amazônia. A área desmatada correspondeu ao tamanho do estado de Sergipe e têm-se mantido números semelhantes nos últimos anos. O solo amazônico já foi bem estudado e sabe-se que, ao perder sua área nativa, ele não consegue se recompor, podendo sofrer um processo de desertificação, fato que o levará a perder completamente suas características tão exuberantes, que tornam esse bioma um dos mais importantes para a manutenção do equilíbrio ambiental mundial. Referências BRASIL: Conheça as espécies invasoras que podem causar problemas. 2012. Disponível em: <https://noticias.terra.com.br/ciencia/brasil-conheca- especies-invasoras-que-podem-causar- problemas,30b900beca2da310VgnCLD200000bbcceb0 aRCRD.html>. Acesso: 09 set. 2016. BRUNO, S. F. 100 animais ameaçados de extinção – e o que você pode fazer para evitar. 1 ed. São Paulo: Ediouro, 2008. LOPES, S.; ROSSO, S. Biologia: volume único. 1 ed. São Paulo: Saraiva, 2005. MENDONÇA, V. L. Biologia. 2 ed. v. 1. São Paulo: AJS, 2013. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Espécies exóticas invasoras. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/biodiversidade/biosseguranca /especies-exoticas-invasoras>. Acesso: 09 set. 2016. SANTOMAURO, B.; TREVISAN, R.; SOUZA, R. C. C. L. A Introdução de espécies exóticas é sempre nociva à natureza? Revista Nova Escola. Disponível em: <http://acervo.novaescola.org.br/fundamental- 2/introducao-especies-exoticas-sempre-nociva- natureza-656035.shtml>. Acesso: 09 set. 2016. TERMOS utilizados na Ecologia. Disponível em: <http://www.sobiologia.com.br/conteudos/Ecologia/Ec ologia2.php>. Acesso: 09 set. 2016. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO. Ecologia: conceitos fundamentais. 2005. Disponível em: <http://www.inf.ufes.br/~neyval/Gestao_ambiental/Tec nologias_Ambientais2005/Ecologia/CONC_BASICOS _ECOLOGIA_V1.pdf>. Acesso: 09 set. 2016.