SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 60
Ecologia
 O termo ECOLOGIA foi empregado pela 1ª
vez por E. Haeckel, em 1866.
gr. OIKOS ESTUDO
CASA, AMBIENTE
 Ecologia é o estudo das interações dos
seres vivos entre si e com o meio ambiente.
BREVE HISTÓRICO...
 Década de 1970: movimentos culturais
começam a questionar o modelo
sócio-político-cultural vigente
* "Filhos da Guerra"
* Movimento Hippie;
* Movimento feminista;
* Guerra do Vietnã;
* Movimento negro.
 As pessoas começaram a tomar consciência
de que queriam um mundo melhor –
MOVIMENTO VERDE.
ESTUDO DO AMBIENTE MANEJO DO AMBIENTE
“DESTRUIÇÃO DO
AMBIENTE!!!”• Incêndio de florestas;
• Poluição do solo;
• Poluição das águas;
• Poluição do ar;
• Extração exacerbada de recursos naturais;
• Extinção de espécies;
 Déficit na qualidade de vida!!!
Qual o campo de atuação da
ECOLOGIA?
CÉLULAS → TECIDOS → ÓRGÃOS →
SISTEMAS → ORGANISMOS → POPULAÇÕES
→ COMUNIDADES → ECOSSISTEMA →
BIOSFERA
Qual o campo de atuação da
ECOLOGIA?
 POPULAÇÕES: conjuntos de indivíduos de
uma mesma espécie;
 COMUNIDADE: conjunto de populações;
 ECOSSISTEMA: conjunto da comunidade e o
ambiente (fatores bióticos e abióticos);
 BIOSFERA: é o conjunto de todos os
ecossistemas da Terra.
Espécie é um conjunto de organismos semelhantes entre
si, capazes de se cruzar e gerar descendentes férteis.
Espécie exótica é toda espécie que se estabelece em
território estranho de seu meio ambiente de origem;
Espécie nativa ou silvestre é a que ocorre de forma
natural em um determinado ecossistema ou região;
Espécie endêmica é uma espécie que ocorre
exclusivamente em um determinado Bioma ou Ecossistema.
O que é espécie?
Espécies encontradas na mata atlântica
Espécie endêmica Espécie exótica
Biocenose (sinônimo de comunidade biológica):Conjunto de populações de
vegetais e animais existentes numa determinada área, convivendo num espaço
comum e mantendo diversos graus de relacionamento entre si. Ou seja, fatores
bióticos
O biótopo corresponde ao conjunto de fatores abióticos de uma comunidade
biológica, isto é, qualquer fator não-vivo que possa interagir com seres vivos de
um ecossistema. Exemplos de fatores abióticos podem ser temperatura,
umidade, luminosidade, composição química do meio. Ou seja, fatores
abióticos
Biótopo + Biocenose = Ecossistema
Biótopo e Biocenose
A diferença entre Bioma e Ecossistema é que este é um conjunto de elementos
bióticos (plantas, animais, bactérias, entre outros) e elementos abióticos (rochas,
água, solo, vento, energia solar, entre outros), interrelacionados que atuam
conjuntamente em um determinado espaço na superfície terrestre. Já os Biomas,
nada mais são do que conjuntos de Ecossistemas semelhantes que atingiram um
estágio de clímax (estabilidade).
Exemplificando: O aquário pode ser considerado um ecossistema, pois, mesmo
num espaço tão pequeno, se estabelece a interrelação entre fatores bióticos e
abióticos
Já o bioma seria uma região de características peculiares de vegetação e clima
típico como por exemplo: O Cerrado, a Caatinga, a Mata Atlântica.
Ecossistema X Bioma
Biomas brasileiros
Ecótono: Transição entre dois ecossistemas vizinhos.
ECÓTONO
Ecossistema 1 Ecossistema 2
CADEIA ALIMENTAR (Cadeia Trófica)
PRODUTORES FOTOSSINTETIZANTES:
* São as plantas verdes, algas e fitoplâncton.
PRODUTORES QUIMIOSSINTÉTICOS:
* A matéria orgânica é proveniente da oxidação
de compostos orgânicos;
* Ocorrem em certas bactérias.
CADEIA ALIMENTAR (Cadeia Trófica)
2 NH3 + 3 O2 → 2 NO2 + 2 H+
+ 2 H2O + energia
CADEIA ALIMENTAR (Cadeia Trófica)
CONSUMIDORES: são organismos que não
produzem seu alimento (heterótrofos) e nutrem-se
dos produtores (direta ou indiretamente).
* Consumidores primários (C1): são os
herbívoros e parasitas de plantas verdes.
CADEIA ALIMENTAR (Cadeia Trófica)
* Consumidores secundários (C2): são os
carnívoros que se alimentam de herbívoros.
CADEIA ALIMENTAR (Cadeia Trófica)
* Consumidores terciários (C3): são os carnívoros
que se alimentam de carnívoros.
(Alimenta-se de matéria
orgânica)
CADEIA ALIMENTAR (Cadeia Trófica)
*Decompositores: decompõe matéria orgânica
morta em inorgânica, num processo natural de
reciclagem de matéria.
CADEIA ALIMENTAR (Cadeia Trófica)
Numa CADEIA ALIMENTAR o NÍVEL TRÓFICO é a
posição do organismo na cadeia.
PLANTA > HERBÍVORO > CARNÍVORO
1º Nível Trófico 2º Nível Trófico 3º Nível Trófico
Classificação dos seres vivos nas cadeias alimentaresClassificação dos seres vivos nas cadeias alimentares
Capim Grilo Sapo Cobra Seriema
Fungos e bactérias
Hábito alimentar
Grau de consumo
Nível trófico (NT)
Produtor
Produtor
Herbívoro Carnívoros
Consumidor
primário
Consumidor
secundário
Consumidor
terciário
Consumidor
quaternário
1° NT 2° NT 3° NT 4° NT 5° NT
São classificados
como decompositores
A classificação de onívoro não aparece, no hábito alimentar, para os animais representados emA classificação de onívoro não aparece, no hábito alimentar, para os animais representados em
cadeias, mas somente em teias alimentares.cadeias, mas somente em teias alimentares.
Pirâmides ecológicas representam, graficamente, o fluxo de
energia e matéria entre os níveis tróficos no decorrer da cadeia
alimentar. Para tal, cada retângulo representa, de forma
proporcional, o parâmetro a ser analisado. 
Pirâmides ecológicas:
Quantificando os Ecossistemas
Pirâmide de números – Pirâmide de Biomassa – Pirâmide de
Energia
Nesta pirâmide os retângulos são utilizados para representar
a quantidade de indivíduos de cada nível trófico.
Pirâmide de Energia
Os retângulos dessa pirâmide representam a
quantidade de matéria orgânica armazenada em
cada nível trófico
Essa é a pirâmide que mais se aproxima dos acontecimentos de
um ecossistema pois representa a transferência de energia de um
nível trófico para outro.
As relações ecológicas ocorrem dentro da mesma população (isto é, entre
indivíduos da mesma espécie), ou entre populações diferentes (entre
indivíduos de espécies diferentes). Essas relações estabelecem-se na busca por
alimento, água, espaço, abrigo, luz ou parceiros para reprodução.
Relação Intra-específica: ocorre entre indivíduos da mesma espécie;
Relação Inter-específica: ocorre entre indivíduos de espécies diferentes
Podendo ser:
Harmônica ou positivas: Não há prejuízo para nenhum do indivíduos relacionados;
Desarmônica ou negativas: Ocorre prejuízo para, pelo menos, uma das partes
relacionadas.
Relações Ecológicas
Relações ecológicas
Relações intra-específicas
harmônicas
Sociedade
União permanente entre indivíduos em que há divisão de trabalho. Ex.: insetos sociais
(abelhas, formigas e cupins)
Relações intra-específicas harmônicas
Colônia
Associação anatômica formando uma unidade estrutural e funcional. Ex.: coral-cérebro,
caravela.
Relações intra-específicas
desarmônicas
Canibalismo
Relação desarmônica em que um indivíduo mata outro da mesma espécie para se
alimentar. Ex.: louva-a-Deus, aracnídeos, filhotes de tubarão no ventre materno.
Relações intra-específicas
desarmônicas
Competição intra-específica
Disputa por recursos escassos no ambiente entre indivíduos da mesma espécie.
Relações
interespecíficas
Relações inter-específicas harmônicas
Mutualismo
Associação obrigatória entre indivíduos, em que ambos se beneficiam. Ex.: líquen, bois e
microorganismos do sistema digestório.
Relações inter-específicas
harmônicas
Protocooperação
Associação facultativa entre indivíduos, em que ambos se beneficiam. Ex.: Anêmona do
Mar e paguro, gado e anum (limpeza dos carrapatos), crocodilo africano e ave palito
(higiene bucal).
Relações inter-específicas
harmônicas
Inquilinismo
Relação entre indivíduos de espécies diferentes em que apenas uma espécie (inquilino) se
beneficia, procurando abrigo ou suporte na outra espécie (hospedeiro), sem, no entanto,
causar-lhe dano.
Relações inter-específicas harmônicas
Comensalismo
Associação em que um indivíduo aproveita restos de alimentares do outro, sem prejudicá-
lo. Ex.: Tubarão e Rêmoras, Leão e a Hiena, Urubu e o Homem.
Relações inter-específicas
desarmônicas
Predatismo
Relação em que um animal captura e mata indivíduos de outra espécie para se alimentar.
Ex.: cobra e rato, homem e gado.
Relações inter-específicas
desarmônicas
Amensalismo
Relação em que indivíduos de uma espécie produzem toxinas que inibem ou impedem o
desenvolvimento de outras. Ex.: Maré vermelha, cobra (veneno) e homem,
fungo penicillium(penicilina) e bactérias.
Relações inter-específicas
desarmônicas
Parasitismo 
Indivíduos de uma espécie vivem no corpo de outro, do qual retiram alimento. Ex.: Gado e
carrapato, lombrigas e vermes parasitas do ser humano.
Relações inter-específicas
desarmônicas
Competição Interespecífica
 Disputa por recursos escassos no ambiente entre indivíduos de espécies diferentes. Ex.:
Peixe Piloto e Rêmora (por restos deixados pelo tubarão)
Tabela de representação das relações
interespecíficas
1. (Unifor-CE) O esquema abaixo mostra fatores do ambiente em que
vive um gafanhoto.
Nesse ambiente, os números de fatores bióticos e abióticos são, respectivamente,
a) 1 e 6
b) 2 e 5
c) 3 e 4
d) 4 e 3
e) 5 e 2
Exercícios
2. (E.M. Santa Casa/Vitória-ES) Qual a afirmativa
correta:
a) O local do ecossistema onde vive uma determinada espécie é
denominado de hábitat.
b) Populações são conjuntos de indivíduos geneticamente iguais.
c) Clone é um grupo de indivíduos da mesma espécie que vivem no
mesmo hábitat.
d) Ecossistema é a palavra empregada para indicar o conjunto de
populações de um ambiente.
e) Comunidade é a palavra que indica o conjunto de indivíduos de
uma mesma espécie que habitam uma região.
3. (U.E. Ponta Grossa-PR) São organismos
heterótrofos:
01. Fotossintetizantes
02. carnívoros
04. herbívoros
08. quimiossintetizantes
16. sapróbios
Dê como resposta a soma das alternativas corretas.
a)6
b)18
c)20
d)4
e)22
4.Ibama recebe alerta sobre o risco de um desastre
ecológico em áreas de queimada:
“Empregados da fazenda Felicidade, em Mato Grosso, observam
gado morto pelo incêndio que destrói pastagem e matas no
estado e não pára de avançar.”
O Globo, 30/08/98.
Na descrição acima, podemos encontrar um consumidor
primário da cadeia alimentar de pastagem. Esse consumidor tem
como representante:
a) o gado
b) a mata
c) o capim
d) o homem
e) n.d.a
5.FEI-SP Num ecossistema, um fungo, uma coruja e
um
coelho podem desempenhar os papéis,
respectivamente, de:
a) consumidor de 1ª ordem, consumidor de 2ª ordem e
consumidor de 1ª ordem
b) produtor, consumidor de 1ª ordem e consumidor de 2ª
ordem
c) decompositor, consumidor de 2ª ordem e consumidor
de 1ª ordem
d) consumidor de 2ª ordem, consumidor de 3ª ordem e
consumidor de 1ª ordem
6. (Unifor-CE) As figuras seguintes são três tipos de
pirâmides ecológicas.
A pirâmide de números e a pirâmide de energia que representam
a cadeia alimentar
capim bois carrapatos→ →
São semelhantes, respectivamente, a:
a) I e II d) II e III
b) I e III e) III e II
c) II e I
A seqüência correta é:
a)A,B,C,D e E. ; b)D, B, A, E e C. ; c)A,C,D,B e E
d) D, A, E, B e C. ; e) E, D, C, B e A
7. Relacione os termos:
Resultados
1-D
2-A
3-E
4-A
5-C
6-D
7-B
Aula ecologia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Conceitos basicos da ecologia cap 5
Conceitos basicos da ecologia cap 5Conceitos basicos da ecologia cap 5
Conceitos basicos da ecologia cap 5Raphaell Garcia
 
Aula 6º e 7º ano BOMM - Relações Ecologicas - Muito BOMMM.ppt
Aula 6º e 7º ano BOMM - Relações Ecologicas - Muito BOMMM.pptAula 6º e 7º ano BOMM - Relações Ecologicas - Muito BOMMM.ppt
Aula 6º e 7º ano BOMM - Relações Ecologicas - Muito BOMMM.pptRodrigoLucas51
 
BIODIVERSIDADE - 2ª SÉRIE - BIOLOGIA.pptx
BIODIVERSIDADE - 2ª SÉRIE - BIOLOGIA.pptxBIODIVERSIDADE - 2ª SÉRIE - BIOLOGIA.pptx
BIODIVERSIDADE - 2ª SÉRIE - BIOLOGIA.pptxFrederico Marques Sodré
 
Conceitos em ecologia e ecossistemas
Conceitos em ecologia e ecossistemasConceitos em ecologia e ecossistemas
Conceitos em ecologia e ecossistemasMarcos Santos
 
Origem da vida aula 1º ano do ensino médio-luiz carlos
Origem da vida aula 1º ano do ensino médio-luiz carlosOrigem da vida aula 1º ano do ensino médio-luiz carlos
Origem da vida aula 1º ano do ensino médio-luiz carlosLuiz Carlos
 
Relações ecológicas
Relações ecológicasRelações ecológicas
Relações ecológicasGMarques99
 
Zoologia geral aulas 1
Zoologia geral aulas 1Zoologia geral aulas 1
Zoologia geral aulas 1Henrique Zini
 
Relações ecológicas entre seres vivos
Relações ecológicas entre seres vivosRelações ecológicas entre seres vivos
Relações ecológicas entre seres vivosSilvana Sanches
 
Aula de ecologia curso completo
Aula de ecologia   curso completoAula de ecologia   curso completo
Aula de ecologia curso completoNelson Costa
 
Ecologia - Introdução
Ecologia - IntroduçãoEcologia - Introdução
Ecologia - IntroduçãoKiller Max
 
1 conceitos básicos de ecologia e relações ecológicas
1   conceitos básicos de ecologia e relações ecológicas1   conceitos básicos de ecologia e relações ecológicas
1 conceitos básicos de ecologia e relações ecológicasNataliana Cabral
 
Fluxo de energia no ecossistema
Fluxo de energia no ecossistemaFluxo de energia no ecossistema
Fluxo de energia no ecossistemaReinan Santos
 
Aula Biologia: Ciclos Biogeoquímicos e Relações ecológicas [1° Ano do Ensino ...
Aula Biologia: Ciclos Biogeoquímicos e Relações ecológicas [1° Ano do Ensino ...Aula Biologia: Ciclos Biogeoquímicos e Relações ecológicas [1° Ano do Ensino ...
Aula Biologia: Ciclos Biogeoquímicos e Relações ecológicas [1° Ano do Ensino ...Ronaldo Santana
 

Mais procurados (20)

Conceitos basicos da ecologia cap 5
Conceitos basicos da ecologia cap 5Conceitos basicos da ecologia cap 5
Conceitos basicos da ecologia cap 5
 
Aula 6º e 7º ano BOMM - Relações Ecologicas - Muito BOMMM.ppt
Aula 6º e 7º ano BOMM - Relações Ecologicas - Muito BOMMM.pptAula 6º e 7º ano BOMM - Relações Ecologicas - Muito BOMMM.ppt
Aula 6º e 7º ano BOMM - Relações Ecologicas - Muito BOMMM.ppt
 
BIODIVERSIDADE - 2ª SÉRIE - BIOLOGIA.pptx
BIODIVERSIDADE - 2ª SÉRIE - BIOLOGIA.pptxBIODIVERSIDADE - 2ª SÉRIE - BIOLOGIA.pptx
BIODIVERSIDADE - 2ª SÉRIE - BIOLOGIA.pptx
 
Conceitos em ecologia e ecossistemas
Conceitos em ecologia e ecossistemasConceitos em ecologia e ecossistemas
Conceitos em ecologia e ecossistemas
 
Origem da vida aula 1º ano do ensino médio-luiz carlos
Origem da vida aula 1º ano do ensino médio-luiz carlosOrigem da vida aula 1º ano do ensino médio-luiz carlos
Origem da vida aula 1º ano do ensino médio-luiz carlos
 
Relações ecológicas
Relações ecológicasRelações ecológicas
Relações ecológicas
 
Diversidade da vida - Reinos e domínios
Diversidade da vida - Reinos e domíniosDiversidade da vida - Reinos e domínios
Diversidade da vida - Reinos e domínios
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
Biodiversidade e aspectos biológicos
Biodiversidade e aspectos biológicosBiodiversidade e aspectos biológicos
Biodiversidade e aspectos biológicos
 
1ª AULA - ECOSSISTEMAS BRASILEIROS.ppt
1ª AULA - ECOSSISTEMAS BRASILEIROS.ppt1ª AULA - ECOSSISTEMAS BRASILEIROS.ppt
1ª AULA - ECOSSISTEMAS BRASILEIROS.ppt
 
Zoologia geral aulas 1
Zoologia geral aulas 1Zoologia geral aulas 1
Zoologia geral aulas 1
 
Biosfera
Biosfera Biosfera
Biosfera
 
Relações ecológicas entre seres vivos
Relações ecológicas entre seres vivosRelações ecológicas entre seres vivos
Relações ecológicas entre seres vivos
 
Aula de ecologia curso completo
Aula de ecologia   curso completoAula de ecologia   curso completo
Aula de ecologia curso completo
 
Biologia Relações Ecologicas
Biologia Relações EcologicasBiologia Relações Ecologicas
Biologia Relações Ecologicas
 
Ecologia - Introdução
Ecologia - IntroduçãoEcologia - Introdução
Ecologia - Introdução
 
1 conceitos básicos de ecologia e relações ecológicas
1   conceitos básicos de ecologia e relações ecológicas1   conceitos básicos de ecologia e relações ecológicas
1 conceitos básicos de ecologia e relações ecológicas
 
Fluxo de energia no ecossistema
Fluxo de energia no ecossistemaFluxo de energia no ecossistema
Fluxo de energia no ecossistema
 
Aula Biologia: Ciclos Biogeoquímicos e Relações ecológicas [1° Ano do Ensino ...
Aula Biologia: Ciclos Biogeoquímicos e Relações ecológicas [1° Ano do Ensino ...Aula Biologia: Ciclos Biogeoquímicos e Relações ecológicas [1° Ano do Ensino ...
Aula Biologia: Ciclos Biogeoquímicos e Relações ecológicas [1° Ano do Ensino ...
 
Introdução a biologia
Introdução a biologiaIntrodução a biologia
Introdução a biologia
 

Destaque

Aula 2º AV - Sistemas digestório e respiratório
Aula 2º AV - Sistemas digestório e respiratórioAula 2º AV - Sistemas digestório e respiratório
Aula 2º AV - Sistemas digestório e respiratórioProf.PS CEET
 
Aula Ecologia 3ºano - I Unidade
Aula Ecologia 3ºano - I UnidadeAula Ecologia 3ºano - I Unidade
Aula Ecologia 3ºano - I UnidadeProf.PS CEET
 
Aula de recuperação Biologia 3º ano
Aula de recuperação Biologia 3º anoAula de recuperação Biologia 3º ano
Aula de recuperação Biologia 3º anoProf.PS CEET
 
Aula sistema respiratório
Aula sistema respiratórioAula sistema respiratório
Aula sistema respiratóriocarlotabuchi
 
Turismo e arqueologia na amazonia
Turismo e arqueologia na amazoniaTurismo e arqueologia na amazonia
Turismo e arqueologia na amazoniaAndrea Scabello
 
Seguranca da informacao - ISSA
Seguranca da informacao - ISSASeguranca da informacao - ISSA
Seguranca da informacao - ISSARoney Médice
 
Legalização de documentos belo horizonte
Legalização de documentos  belo horizonteLegalização de documentos  belo horizonte
Legalização de documentos belo horizontejuramentado02
 
Relatório de Gestão 2012 - Governo de Sergipe
Relatório de Gestão 2012 - Governo de SergipeRelatório de Gestão 2012 - Governo de Sergipe
Relatório de Gestão 2012 - Governo de SergipeGoverno de Sergipe
 
Revista de-quimica
Revista de-quimicaRevista de-quimica
Revista de-quimicaafermartins
 
Bahia final
Bahia finalBahia final
Bahia finalhbilinha
 
Economia domèstica
Economia domèsticaEconomia domèstica
Economia domèsticaarnaupj
 
Notas de corte sisu 20-01-2011
Notas de corte sisu   20-01-2011Notas de corte sisu   20-01-2011
Notas de corte sisu 20-01-2011Garybas
 
Oportunidade para um Observatório da Comunicação Institucional
Oportunidade para um Observatório da Comunicação InstitucionalOportunidade para um Observatório da Comunicação Institucional
Oportunidade para um Observatório da Comunicação InstitucionalManoel Marcondes Neto
 

Destaque (20)

Aula 2º AV - Sistemas digestório e respiratório
Aula 2º AV - Sistemas digestório e respiratórioAula 2º AV - Sistemas digestório e respiratório
Aula 2º AV - Sistemas digestório e respiratório
 
Aula Ecologia 3ºano - I Unidade
Aula Ecologia 3ºano - I UnidadeAula Ecologia 3ºano - I Unidade
Aula Ecologia 3ºano - I Unidade
 
Aula de recuperação Biologia 3º ano
Aula de recuperação Biologia 3º anoAula de recuperação Biologia 3º ano
Aula de recuperação Biologia 3º ano
 
Aula sistema respiratório
Aula sistema respiratórioAula sistema respiratório
Aula sistema respiratório
 
Turismo e arqueologia na amazonia
Turismo e arqueologia na amazoniaTurismo e arqueologia na amazonia
Turismo e arqueologia na amazonia
 
Dossier de Produção
Dossier de ProduçãoDossier de Produção
Dossier de Produção
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Hidrografia
 
Seguranca da informacao - ISSA
Seguranca da informacao - ISSASeguranca da informacao - ISSA
Seguranca da informacao - ISSA
 
Legalização de documentos belo horizonte
Legalização de documentos  belo horizonteLegalização de documentos  belo horizonte
Legalização de documentos belo horizonte
 
Relatório de Gestão 2012 - Governo de Sergipe
Relatório de Gestão 2012 - Governo de SergipeRelatório de Gestão 2012 - Governo de Sergipe
Relatório de Gestão 2012 - Governo de Sergipe
 
Revista de-quimica
Revista de-quimicaRevista de-quimica
Revista de-quimica
 
Bahia final
Bahia finalBahia final
Bahia final
 
Economia domèstica
Economia domèsticaEconomia domèstica
Economia domèstica
 
Notas de corte sisu 20-01-2011
Notas de corte sisu   20-01-2011Notas de corte sisu   20-01-2011
Notas de corte sisu 20-01-2011
 
Posto de turismo
Posto de turismoPosto de turismo
Posto de turismo
 
Quimica
QuimicaQuimica
Quimica
 
Arquivologia
ArquivologiaArquivologia
Arquivologia
 
TOW - Eventos de Natal
TOW - Eventos de NatalTOW - Eventos de Natal
TOW - Eventos de Natal
 
Turismo in Santa Catarina
Turismo in Santa CatarinaTurismo in Santa Catarina
Turismo in Santa Catarina
 
Oportunidade para um Observatório da Comunicação Institucional
Oportunidade para um Observatório da Comunicação InstitucionalOportunidade para um Observatório da Comunicação Institucional
Oportunidade para um Observatório da Comunicação Institucional
 

Semelhante a Aula ecologia

Aula_Ecologia_Geral Cetisa.ppsx
Aula_Ecologia_Geral Cetisa.ppsxAula_Ecologia_Geral Cetisa.ppsx
Aula_Ecologia_Geral Cetisa.ppsxFranciscoSallas1
 
Aula Ecologia.ppt
Aula Ecologia.pptAula Ecologia.ppt
Aula Ecologia.pptcelembio
 
Aula Ecologia energia básico para os ano
Aula Ecologia energia básico para os anoAula Ecologia energia básico para os ano
Aula Ecologia energia básico para os anoTainTeixeiraBiolouka
 
Slide: Por favor, não defendam a natureza! Biologia. PARTE 1.
Slide: Por favor, não defendam a natureza! Biologia. PARTE 1.Slide: Por favor, não defendam a natureza! Biologia. PARTE 1.
Slide: Por favor, não defendam a natureza! Biologia. PARTE 1.agendab
 
Ecologia com exercícios
Ecologia com exercíciosEcologia com exercícios
Ecologia com exercícioshelder raposo
 
Ecologia e sustentabilidade
Ecologia e sustentabilidadeEcologia e sustentabilidade
Ecologia e sustentabilidadeLuciara Andrade
 
Ecologia 2012 1.0
Ecologia 2012 1.0Ecologia 2012 1.0
Ecologia 2012 1.0rnogueira
 
Ecologia
EcologiaEcologia
EcologiaAlinehl
 
Apostila resumo ecologia
Apostila resumo   ecologiaApostila resumo   ecologia
Apostila resumo ecologiagrupev
 
Ecologia e Meio Ambiente_NOÇÕES GERAIS DE ECOLOGIA_aula 1.pdf
Ecologia e Meio Ambiente_NOÇÕES GERAIS DE ECOLOGIA_aula 1.pdfEcologia e Meio Ambiente_NOÇÕES GERAIS DE ECOLOGIA_aula 1.pdf
Ecologia e Meio Ambiente_NOÇÕES GERAIS DE ECOLOGIA_aula 1.pdfGeanGomes8
 

Semelhante a Aula ecologia (20)

Aula_Ecologia_Geral Cetisa.ppsx
Aula_Ecologia_Geral Cetisa.ppsxAula_Ecologia_Geral Cetisa.ppsx
Aula_Ecologia_Geral Cetisa.ppsx
 
Biologia Esquadrão do Conhecimento VIP 2013
Biologia Esquadrão do Conhecimento VIP 2013Biologia Esquadrão do Conhecimento VIP 2013
Biologia Esquadrão do Conhecimento VIP 2013
 
Aula Ecologia.ppt
Aula Ecologia.pptAula Ecologia.ppt
Aula Ecologia.ppt
 
Aula Ecologia energia básico para os ano
Aula Ecologia energia básico para os anoAula Ecologia energia básico para os ano
Aula Ecologia energia básico para os ano
 
Aula de ecologia curso completo
Aula de ecologia   curso completoAula de ecologia   curso completo
Aula de ecologia curso completo
 
Slide: Por favor, não defendam a natureza! Biologia. PARTE 1.
Slide: Por favor, não defendam a natureza! Biologia. PARTE 1.Slide: Por favor, não defendam a natureza! Biologia. PARTE 1.
Slide: Por favor, não defendam a natureza! Biologia. PARTE 1.
 
13 - ecologia II
13 - ecologia II13 - ecologia II
13 - ecologia II
 
Ecologia com exercícios
Ecologia com exercíciosEcologia com exercícios
Ecologia com exercícios
 
Aula_Ecologia_Geral.ppsx
Aula_Ecologia_Geral.ppsxAula_Ecologia_Geral.ppsx
Aula_Ecologia_Geral.ppsx
 
Ecologia e sustentabilidade
Ecologia e sustentabilidadeEcologia e sustentabilidade
Ecologia e sustentabilidade
 
Ecologia 2012 1.0
Ecologia 2012 1.0Ecologia 2012 1.0
Ecologia 2012 1.0
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
Ecologia socorro
Ecologia socorroEcologia socorro
Ecologia socorro
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
Apostila resumo ecologia
Apostila resumo   ecologiaApostila resumo   ecologia
Apostila resumo ecologia
 
Ecologia e Meio Ambiente_NOÇÕES GERAIS DE ECOLOGIA_aula 1.pdf
Ecologia e Meio Ambiente_NOÇÕES GERAIS DE ECOLOGIA_aula 1.pdfEcologia e Meio Ambiente_NOÇÕES GERAIS DE ECOLOGIA_aula 1.pdf
Ecologia e Meio Ambiente_NOÇÕES GERAIS DE ECOLOGIA_aula 1.pdf
 
Aularelaesecolgicas 120313120118-phpapp01
Aularelaesecolgicas 120313120118-phpapp01Aularelaesecolgicas 120313120118-phpapp01
Aularelaesecolgicas 120313120118-phpapp01
 
Aularelaesecolgicas 120313120118 phpapp01 (1)
Aularelaesecolgicas 120313120118 phpapp01 (1)Aularelaesecolgicas 120313120118 phpapp01 (1)
Aularelaesecolgicas 120313120118 phpapp01 (1)
 

Mais de Clécio Bubela

Mais de Clécio Bubela (20)

Conteúdo programático -_cephas
Conteúdo programático -_cephasConteúdo programático -_cephas
Conteúdo programático -_cephas
 
Aulão 2° ano - Ensino Médio
Aulão 2° ano - Ensino MédioAulão 2° ano - Ensino Médio
Aulão 2° ano - Ensino Médio
 
Plano de estudos Fatorial
Plano de estudos FatorialPlano de estudos Fatorial
Plano de estudos Fatorial
 
Etecg2012
Etecg2012Etecg2012
Etecg2012
 
Etecp2012
Etecp2012Etecp2012
Etecp2012
 
Etecg2011
Etecg2011Etecg2011
Etecg2011
 
Etecp2011
Etecp2011Etecp2011
Etecp2011
 
Etecp2011
Etecp2011Etecp2011
Etecp2011
 
Etecp2011
Etecp2011Etecp2011
Etecp2011
 
Noções de Cartografia e fuso horário
Noções de Cartografia e fuso horárioNoções de Cartografia e fuso horário
Noções de Cartografia e fuso horário
 
Organização do Organismo
Organização do OrganismoOrganização do Organismo
Organização do Organismo
 
Autoritarismo e democracia no brasil
Autoritarismo e democracia no brasilAutoritarismo e democracia no brasil
Autoritarismo e democracia no brasil
 
Mgme cie m2_qd
Mgme cie m2_qdMgme cie m2_qd
Mgme cie m2_qd
 
Aulão de física
Aulão de físicaAulão de física
Aulão de física
 
Aulão de química
Aulão de químicaAulão de química
Aulão de química
 
Situação de aprendizagem - O método Científico
Situação de aprendizagem - O método CientíficoSituação de aprendizagem - O método Científico
Situação de aprendizagem - O método Científico
 
Etapa superação
Etapa superaçãoEtapa superação
Etapa superação
 
Etapa determinação
Etapa determinaçãoEtapa determinação
Etapa determinação
 
Etapa dedicação
Etapa dedicaçãoEtapa dedicação
Etapa dedicação
 
Etapa Motivação
Etapa MotivaçãoEtapa Motivação
Etapa Motivação
 

Último

Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarCaixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarIedaGoethe
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxfabiolalopesmartins1
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdfJorge Andrade
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.keislayyovera123
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 

Último (20)

Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarCaixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 

Aula ecologia

  • 2.  O termo ECOLOGIA foi empregado pela 1ª vez por E. Haeckel, em 1866. gr. OIKOS ESTUDO CASA, AMBIENTE  Ecologia é o estudo das interações dos seres vivos entre si e com o meio ambiente.
  • 3. BREVE HISTÓRICO...  Década de 1970: movimentos culturais começam a questionar o modelo sócio-político-cultural vigente * "Filhos da Guerra" * Movimento Hippie; * Movimento feminista; * Guerra do Vietnã; * Movimento negro.  As pessoas começaram a tomar consciência de que queriam um mundo melhor – MOVIMENTO VERDE.
  • 4. ESTUDO DO AMBIENTE MANEJO DO AMBIENTE “DESTRUIÇÃO DO AMBIENTE!!!”• Incêndio de florestas; • Poluição do solo; • Poluição das águas; • Poluição do ar; • Extração exacerbada de recursos naturais; • Extinção de espécies;  Déficit na qualidade de vida!!!
  • 5. Qual o campo de atuação da ECOLOGIA? CÉLULAS → TECIDOS → ÓRGÃOS → SISTEMAS → ORGANISMOS → POPULAÇÕES → COMUNIDADES → ECOSSISTEMA → BIOSFERA
  • 6.
  • 7. Qual o campo de atuação da ECOLOGIA?  POPULAÇÕES: conjuntos de indivíduos de uma mesma espécie;  COMUNIDADE: conjunto de populações;  ECOSSISTEMA: conjunto da comunidade e o ambiente (fatores bióticos e abióticos);  BIOSFERA: é o conjunto de todos os ecossistemas da Terra.
  • 8. Espécie é um conjunto de organismos semelhantes entre si, capazes de se cruzar e gerar descendentes férteis. Espécie exótica é toda espécie que se estabelece em território estranho de seu meio ambiente de origem; Espécie nativa ou silvestre é a que ocorre de forma natural em um determinado ecossistema ou região; Espécie endêmica é uma espécie que ocorre exclusivamente em um determinado Bioma ou Ecossistema. O que é espécie?
  • 9. Espécies encontradas na mata atlântica Espécie endêmica Espécie exótica
  • 10.
  • 11. Biocenose (sinônimo de comunidade biológica):Conjunto de populações de vegetais e animais existentes numa determinada área, convivendo num espaço comum e mantendo diversos graus de relacionamento entre si. Ou seja, fatores bióticos O biótopo corresponde ao conjunto de fatores abióticos de uma comunidade biológica, isto é, qualquer fator não-vivo que possa interagir com seres vivos de um ecossistema. Exemplos de fatores abióticos podem ser temperatura, umidade, luminosidade, composição química do meio. Ou seja, fatores abióticos Biótopo + Biocenose = Ecossistema Biótopo e Biocenose
  • 12. A diferença entre Bioma e Ecossistema é que este é um conjunto de elementos bióticos (plantas, animais, bactérias, entre outros) e elementos abióticos (rochas, água, solo, vento, energia solar, entre outros), interrelacionados que atuam conjuntamente em um determinado espaço na superfície terrestre. Já os Biomas, nada mais são do que conjuntos de Ecossistemas semelhantes que atingiram um estágio de clímax (estabilidade). Exemplificando: O aquário pode ser considerado um ecossistema, pois, mesmo num espaço tão pequeno, se estabelece a interrelação entre fatores bióticos e abióticos Já o bioma seria uma região de características peculiares de vegetação e clima típico como por exemplo: O Cerrado, a Caatinga, a Mata Atlântica. Ecossistema X Bioma
  • 14. Ecótono: Transição entre dois ecossistemas vizinhos. ECÓTONO Ecossistema 1 Ecossistema 2
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19. CADEIA ALIMENTAR (Cadeia Trófica) PRODUTORES FOTOSSINTETIZANTES: * São as plantas verdes, algas e fitoplâncton.
  • 20. PRODUTORES QUIMIOSSINTÉTICOS: * A matéria orgânica é proveniente da oxidação de compostos orgânicos; * Ocorrem em certas bactérias. CADEIA ALIMENTAR (Cadeia Trófica) 2 NH3 + 3 O2 → 2 NO2 + 2 H+ + 2 H2O + energia
  • 21.
  • 22. CADEIA ALIMENTAR (Cadeia Trófica) CONSUMIDORES: são organismos que não produzem seu alimento (heterótrofos) e nutrem-se dos produtores (direta ou indiretamente). * Consumidores primários (C1): são os herbívoros e parasitas de plantas verdes.
  • 23. CADEIA ALIMENTAR (Cadeia Trófica) * Consumidores secundários (C2): são os carnívoros que se alimentam de herbívoros.
  • 24. CADEIA ALIMENTAR (Cadeia Trófica) * Consumidores terciários (C3): são os carnívoros que se alimentam de carnívoros.
  • 26. CADEIA ALIMENTAR (Cadeia Trófica) *Decompositores: decompõe matéria orgânica morta em inorgânica, num processo natural de reciclagem de matéria.
  • 27. CADEIA ALIMENTAR (Cadeia Trófica) Numa CADEIA ALIMENTAR o NÍVEL TRÓFICO é a posição do organismo na cadeia. PLANTA > HERBÍVORO > CARNÍVORO 1º Nível Trófico 2º Nível Trófico 3º Nível Trófico
  • 28. Classificação dos seres vivos nas cadeias alimentaresClassificação dos seres vivos nas cadeias alimentares Capim Grilo Sapo Cobra Seriema Fungos e bactérias Hábito alimentar Grau de consumo Nível trófico (NT) Produtor Produtor Herbívoro Carnívoros Consumidor primário Consumidor secundário Consumidor terciário Consumidor quaternário 1° NT 2° NT 3° NT 4° NT 5° NT São classificados como decompositores A classificação de onívoro não aparece, no hábito alimentar, para os animais representados emA classificação de onívoro não aparece, no hábito alimentar, para os animais representados em cadeias, mas somente em teias alimentares.cadeias, mas somente em teias alimentares.
  • 29.
  • 30.
  • 31.
  • 32. Pirâmides ecológicas representam, graficamente, o fluxo de energia e matéria entre os níveis tróficos no decorrer da cadeia alimentar. Para tal, cada retângulo representa, de forma proporcional, o parâmetro a ser analisado.  Pirâmides ecológicas: Quantificando os Ecossistemas Pirâmide de números – Pirâmide de Biomassa – Pirâmide de Energia
  • 33. Nesta pirâmide os retângulos são utilizados para representar a quantidade de indivíduos de cada nível trófico. Pirâmide de Energia
  • 34. Os retângulos dessa pirâmide representam a quantidade de matéria orgânica armazenada em cada nível trófico
  • 35. Essa é a pirâmide que mais se aproxima dos acontecimentos de um ecossistema pois representa a transferência de energia de um nível trófico para outro.
  • 36. As relações ecológicas ocorrem dentro da mesma população (isto é, entre indivíduos da mesma espécie), ou entre populações diferentes (entre indivíduos de espécies diferentes). Essas relações estabelecem-se na busca por alimento, água, espaço, abrigo, luz ou parceiros para reprodução. Relação Intra-específica: ocorre entre indivíduos da mesma espécie; Relação Inter-específica: ocorre entre indivíduos de espécies diferentes Podendo ser: Harmônica ou positivas: Não há prejuízo para nenhum do indivíduos relacionados; Desarmônica ou negativas: Ocorre prejuízo para, pelo menos, uma das partes relacionadas. Relações Ecológicas
  • 38. Relações intra-específicas harmônicas Sociedade União permanente entre indivíduos em que há divisão de trabalho. Ex.: insetos sociais (abelhas, formigas e cupins)
  • 39. Relações intra-específicas harmônicas Colônia Associação anatômica formando uma unidade estrutural e funcional. Ex.: coral-cérebro, caravela.
  • 40. Relações intra-específicas desarmônicas Canibalismo Relação desarmônica em que um indivíduo mata outro da mesma espécie para se alimentar. Ex.: louva-a-Deus, aracnídeos, filhotes de tubarão no ventre materno.
  • 41. Relações intra-específicas desarmônicas Competição intra-específica Disputa por recursos escassos no ambiente entre indivíduos da mesma espécie.
  • 43. Relações inter-específicas harmônicas Mutualismo Associação obrigatória entre indivíduos, em que ambos se beneficiam. Ex.: líquen, bois e microorganismos do sistema digestório.
  • 44. Relações inter-específicas harmônicas Protocooperação Associação facultativa entre indivíduos, em que ambos se beneficiam. Ex.: Anêmona do Mar e paguro, gado e anum (limpeza dos carrapatos), crocodilo africano e ave palito (higiene bucal).
  • 45. Relações inter-específicas harmônicas Inquilinismo Relação entre indivíduos de espécies diferentes em que apenas uma espécie (inquilino) se beneficia, procurando abrigo ou suporte na outra espécie (hospedeiro), sem, no entanto, causar-lhe dano.
  • 46. Relações inter-específicas harmônicas Comensalismo Associação em que um indivíduo aproveita restos de alimentares do outro, sem prejudicá- lo. Ex.: Tubarão e Rêmoras, Leão e a Hiena, Urubu e o Homem.
  • 47. Relações inter-específicas desarmônicas Predatismo Relação em que um animal captura e mata indivíduos de outra espécie para se alimentar. Ex.: cobra e rato, homem e gado.
  • 48. Relações inter-específicas desarmônicas Amensalismo Relação em que indivíduos de uma espécie produzem toxinas que inibem ou impedem o desenvolvimento de outras. Ex.: Maré vermelha, cobra (veneno) e homem, fungo penicillium(penicilina) e bactérias.
  • 49. Relações inter-específicas desarmônicas Parasitismo  Indivíduos de uma espécie vivem no corpo de outro, do qual retiram alimento. Ex.: Gado e carrapato, lombrigas e vermes parasitas do ser humano.
  • 50. Relações inter-específicas desarmônicas Competição Interespecífica  Disputa por recursos escassos no ambiente entre indivíduos de espécies diferentes. Ex.: Peixe Piloto e Rêmora (por restos deixados pelo tubarão)
  • 51. Tabela de representação das relações interespecíficas
  • 52. 1. (Unifor-CE) O esquema abaixo mostra fatores do ambiente em que vive um gafanhoto. Nesse ambiente, os números de fatores bióticos e abióticos são, respectivamente, a) 1 e 6 b) 2 e 5 c) 3 e 4 d) 4 e 3 e) 5 e 2 Exercícios
  • 53. 2. (E.M. Santa Casa/Vitória-ES) Qual a afirmativa correta: a) O local do ecossistema onde vive uma determinada espécie é denominado de hábitat. b) Populações são conjuntos de indivíduos geneticamente iguais. c) Clone é um grupo de indivíduos da mesma espécie que vivem no mesmo hábitat. d) Ecossistema é a palavra empregada para indicar o conjunto de populações de um ambiente. e) Comunidade é a palavra que indica o conjunto de indivíduos de uma mesma espécie que habitam uma região.
  • 54. 3. (U.E. Ponta Grossa-PR) São organismos heterótrofos: 01. Fotossintetizantes 02. carnívoros 04. herbívoros 08. quimiossintetizantes 16. sapróbios Dê como resposta a soma das alternativas corretas. a)6 b)18 c)20 d)4 e)22
  • 55. 4.Ibama recebe alerta sobre o risco de um desastre ecológico em áreas de queimada: “Empregados da fazenda Felicidade, em Mato Grosso, observam gado morto pelo incêndio que destrói pastagem e matas no estado e não pára de avançar.” O Globo, 30/08/98. Na descrição acima, podemos encontrar um consumidor primário da cadeia alimentar de pastagem. Esse consumidor tem como representante: a) o gado b) a mata c) o capim d) o homem e) n.d.a
  • 56. 5.FEI-SP Num ecossistema, um fungo, uma coruja e um coelho podem desempenhar os papéis, respectivamente, de: a) consumidor de 1ª ordem, consumidor de 2ª ordem e consumidor de 1ª ordem b) produtor, consumidor de 1ª ordem e consumidor de 2ª ordem c) decompositor, consumidor de 2ª ordem e consumidor de 1ª ordem d) consumidor de 2ª ordem, consumidor de 3ª ordem e consumidor de 1ª ordem
  • 57. 6. (Unifor-CE) As figuras seguintes são três tipos de pirâmides ecológicas. A pirâmide de números e a pirâmide de energia que representam a cadeia alimentar capim bois carrapatos→ → São semelhantes, respectivamente, a: a) I e II d) II e III b) I e III e) III e II c) II e I
  • 58. A seqüência correta é: a)A,B,C,D e E. ; b)D, B, A, E e C. ; c)A,C,D,B e E d) D, A, E, B e C. ; e) E, D, C, B e A 7. Relacione os termos: