SlideShare uma empresa Scribd logo
OS RESÍDUOS E O SEU TRATAMENTO
Protecção e Conservação da Natureza
Ciências Naturais – 8º Ano Prof. Joana de Sousa e Silva
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS
 Resíduos industriais
 Resíduos hospitalares
 Resíduos agrícolas
 Resíduos sólidos urbanos (RSU)
1. RESÍDUOS INDUSTRIAIS
 Resíduos que são provenientes da
industria extractiva (como o carvão,
minérios ou rochas).
 Resíduos que são provenientes da
industria transformante (como a têxtil,
do calçado ou ).
 Resíduos provenientes da produção e
distribuição da electricidade, gás e
água e até dos automóveis (como
pneus, baterias, sucatas de carroçarias)
.
 Resíduos provenientes das
unidades de saúde, tais como,
hospitais, centros de saúde,
centros de prevenção e
tratamento de doença de seres
humanos ou animais.
 Resíduos provenientes de
laboratórios de investigação.
2. RESÍDUOS HOSPITALARES
 Resíduos provenientes de actividades
florestais, agro-industriais e pecuárias
(como sacos transportadores de adubos,
restos de mangueiras ou ancinhos).
3. RESÍDUOS AGRÍCOLAS
 Resíduos provenientes das casas,
restaurantes, escritórios, lojas, ou seja,
materiais produzidos pela sociedade de
consumo.
(como restos de alimentos, embalagens,
papéis, pilhas…)
4. RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU)
PODEM SER ORGÂNICOS E INORGÂNICOS
Os orgânicos provêm de:
Esgotos domésticos
Restos de comida
Restos de jardinagem...
COMPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS
URBANOS
CADA PORTUGUÊS, PRODUZ
ANUALMENTE, EM MÉDIA, 337,6 KG DE
RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS
LOCAL DE DEPÓSITO DOS RESÍDUOS:
 Lixeiras
 Centrais de Compostagem
 Aterros sanitários
 Unidades de Incineração
 ETAR’s
 Centros de Recolha Selectiva
SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO DE RESÍDUOS:
A. LIXEIRAS
. Local aberto e de acesso livre
. Existência de roedores e moscas
. Os resíduos são deixados a descoberto
. Não há impermeabilização do terreno
.Não há tratamento das águas lixiviantes
.Libertação de maus odores e de gases que contribuem para
o aumento do efeito de estufa
A mega operação de encerramento e selagem das cerca de
341 lixeiras municipais existentes em Portugal teve lugar em
2001.
. É um processo biológico de decomposição da matéria
orgânica dos resíduos, por acção de fungos e bactérias.
Deste processo resulta uma substância designada COMPOSTO
(fertilizante natural).
B.CENTRAIS DE COMPOSTAGEM
B.CENTRAIS DE COMPOSTAGEM
A Central de Valorização Orgânica é
uma moderna instalação que permite
através do Processo de Compostagem, o
tratamento dos resíduos para produção
de fertilizantes. Anualmente, 60 000
toneladas de matéria orgânica
provenientes da recolha selectiva de
resíduos biodegradáveis (restos de
comida, relva e outros), são traduzidos na
produção de 20 mil toneladas/ano de
fertilizantes de elevada qualidade.
COMPOSTAGEM
Pode ser feita em:
Centrais de compostagem Explorações agrícolas ou agropecuárias
Casas, escolas, locais onde hajam cantinas…
Existe um caso especial de compostagem, designado
 Na vermicompostagem
usam-se minhocas
para acelerar o
processo de
compostagem.
• Temperaturas entre 15ºC e
25ºC;
• O pH entre 5 e 9;
• A humidade deve ser
verificada com regularidade;
• Um bom arejamento do
vermicompostor;
• Fraca luminosidade.
CUIDADOS A TER NA VERMICOMPOSTAGEM
A minhoca mais usada é a Eisenia
fetida, a minhoca vermelha.
VERMICOMPOSTOR
•Como vermicompostor pode
usar-se uma gaveta velha, uma
caixa de plástico ou uma de
madeira forrada com plástico.
•Esta deve ser larga e pouco
alta e deve ter muitos furos
para a circulação do ar.
Vermicompostor elaborado pelos alu
Da Escola Técnica Empresarial do Oe
Aldeia Ecológica da Escola
Técnica Empresarial do Oeste – Caldas da
Rainha
C. ATERROS SANITÁRIOS
Local que permite a deposição final de resíduos indiferenciados de uma forma control
e segura. Os residuos são depositados em camadas com terra e são compactados com
Uma máquina.
 O fundo e as partes laterais do aterro sanitário dão forradas com telas impermeáveis
 Da decomposição do dos resíduos resulta o biogás que poderá ser aproveitado na
produção de energia.
 Quando esgotado o tempo de vida útil do aterro sanitário, isto é, quando é atingida a
Capacidade máxima do aterro, este é selado e pode ser ocupado por zonas verdes.
Os residuos e o seu tratamento
D. UNIDADES DE INCINERAÇÃO
 Processo de queima de resíduos, com ou sem recuperação de energia, em
fornos específicos e com condições controladas de oxigénio e temperatura.
Neste processo,
existe emissão controlada de gases para a atmosfera. Apresenta a vantagem de
reduzir bastante o volume de resíduos. Além disso, destrói os microrganismos
que causam doenças, contidos principalmente no lixo hospitalar e industrial.
 Depois da queima, resta um material que pode ser encaminhado para
aterros sanitários ou mesmo reciclado. É recomendada a reutilização
racionalizada dos materiais queimados para a confecção de borracha,
cerâmica e artesanato.
 No entanto, certos resíduos liberam gases tóxicos aos serem
queimados. Nesses casos, para evitar a poluição do ar, é
necessário instalar filtros e equipamentos especiais – o que torna o
processo mais caro.
 Trata-se de um sistema útil na eliminação de resíduos
combustíveis, não tendo vantagens para outros materiais como, por
exemplo, vidros e metais. Devido ao seu elevado teor em água, a
matéria orgânica (que constitui cerca de 37% dos RSU) possui um
baixo poder calorífico e como tal não é interessante incinerar sob o
ponto de vista energético.
. Apesar do aproveitamento da energia, uma vez que não há a
reciclagem dos materiais, a incineração de resíduos torna-se assim
numa perda no ciclo de renovação dos recursos naturais. Por estes
motivos, tal como o aterro, surge no último lugar da hierarquia de
gestão de resíduos.
Interior de um
forno de
incineração
E. ETAR
 Estação de tratamento de águas residuais (esgotos), provenientes das
actividades urbanas, agrícolas e industriais, incluindo as águas lixiviantes dos
aterros sanitários.
O tratamento inclui 3 processos:
 Físicos: Trata-se de um processo de selecção e filtração de partículas.
Químicos: Trata-se de um processo onde são usados produtos químicos.
Biológicos: Trata-se de um processo onde são usados microorganismos.
Da ETAR resultam 2 produtos finais:
 Lamas: Materiais que são encaminhados para os aterros, ou para estações de
Incineração ou se tratadas podem servir como fertilizantes.
Águas Tratadas: Regressam à rede de distribuição, ou são utilizadas na agricultu
ou são lançadas aos rios e mares.
FACE A ESTA PROBLEMÁTICA DE TRATAMENTO
DOS RESÍDUOS, A COMISSÃO EUROPEIA
PROPÕE A APLICAÇÃO DA:
LER PÁG.179

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tratamento De ResíDuos SóLidos
Tratamento De ResíDuos SóLidosTratamento De ResíDuos SóLidos
Tratamento De ResíDuos SóLidos
Nuno Correia
 
Gerenciamento de Resíduos Sólidos
 Gerenciamento de Resíduos Sólidos Gerenciamento de Resíduos Sólidos
Gerenciamento de Resíduos Sólidos
Master Ambiental
 
Resíduos sólidos
Resíduos sólidosResíduos sólidos
Resíduos sólidos
Maria Teixiera
 
Poluição
PoluiçãoPoluição
Poluição
DeaaSouza
 
Reciclagem e separacao de residuos
Reciclagem e separacao de residuosReciclagem e separacao de residuos
Reciclagem e separacao de residuos
Eduardo Oliveira
 
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOSCLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS
Mayke Jhonatha
 
Tipos de Lixo
Tipos de LixoTipos de Lixo
Tipos de Lixo
StephanyChaiben
 
Tratamento de resíduos
Tratamento de resíduosTratamento de resíduos
Tratamento de resíduos
antoniosantos
 
Slide coleta seletiva
Slide coleta seletivaSlide coleta seletiva
Reciclagem
ReciclagemReciclagem
Reciclagem
DeaaSouza
 
RECICLAGEM
RECICLAGEMRECICLAGEM
RECICLAGEM
Suelly De Sousa
 
Lixo
LixoLixo
Coleta Seletiva de Resíduos Sólidos
Coleta Seletiva de Resíduos SólidosColeta Seletiva de Resíduos Sólidos
Coleta Seletiva de Resíduos Sólidos
Master Ambiental
 
Slides compostagem
Slides compostagemSlides compostagem
Slides compostagem
paulo roberto
 
Resíduos Sólidos Urbanos
Resíduos Sólidos UrbanosResíduos Sólidos Urbanos
Resíduos Sólidos Urbanos
JMCDINIS
 
Educação: Conscientização da coleta seletiva.
Educação: Conscientização da coleta seletiva.Educação: Conscientização da coleta seletiva.
Educação: Conscientização da coleta seletiva.
ayanne9945
 
Resíduos sólidos e seus impactos no meio ambiente/Manaus
 Resíduos sólidos e seus impactos no meio ambiente/Manaus Resíduos sólidos e seus impactos no meio ambiente/Manaus
Resíduos sólidos e seus impactos no meio ambiente/Manaus
Joyce Nascimento
 
Resíduos
Resíduos Resíduos
Resíduos
passeixas
 
Lixo, um problema que tem solução
Lixo, um problema que tem soluçãoLixo, um problema que tem solução
Lixo, um problema que tem solução
katemayre
 
Trabalho sobre o meio ambiente
Trabalho sobre o meio ambienteTrabalho sobre o meio ambiente
Trabalho sobre o meio ambiente
Dessa Reis
 

Mais procurados (20)

Tratamento De ResíDuos SóLidos
Tratamento De ResíDuos SóLidosTratamento De ResíDuos SóLidos
Tratamento De ResíDuos SóLidos
 
Gerenciamento de Resíduos Sólidos
 Gerenciamento de Resíduos Sólidos Gerenciamento de Resíduos Sólidos
Gerenciamento de Resíduos Sólidos
 
Resíduos sólidos
Resíduos sólidosResíduos sólidos
Resíduos sólidos
 
Poluição
PoluiçãoPoluição
Poluição
 
Reciclagem e separacao de residuos
Reciclagem e separacao de residuosReciclagem e separacao de residuos
Reciclagem e separacao de residuos
 
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOSCLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS
 
Tipos de Lixo
Tipos de LixoTipos de Lixo
Tipos de Lixo
 
Tratamento de resíduos
Tratamento de resíduosTratamento de resíduos
Tratamento de resíduos
 
Slide coleta seletiva
Slide coleta seletivaSlide coleta seletiva
Slide coleta seletiva
 
Reciclagem
ReciclagemReciclagem
Reciclagem
 
RECICLAGEM
RECICLAGEMRECICLAGEM
RECICLAGEM
 
Lixo
LixoLixo
Lixo
 
Coleta Seletiva de Resíduos Sólidos
Coleta Seletiva de Resíduos SólidosColeta Seletiva de Resíduos Sólidos
Coleta Seletiva de Resíduos Sólidos
 
Slides compostagem
Slides compostagemSlides compostagem
Slides compostagem
 
Resíduos Sólidos Urbanos
Resíduos Sólidos UrbanosResíduos Sólidos Urbanos
Resíduos Sólidos Urbanos
 
Educação: Conscientização da coleta seletiva.
Educação: Conscientização da coleta seletiva.Educação: Conscientização da coleta seletiva.
Educação: Conscientização da coleta seletiva.
 
Resíduos sólidos e seus impactos no meio ambiente/Manaus
 Resíduos sólidos e seus impactos no meio ambiente/Manaus Resíduos sólidos e seus impactos no meio ambiente/Manaus
Resíduos sólidos e seus impactos no meio ambiente/Manaus
 
Resíduos
Resíduos Resíduos
Resíduos
 
Lixo, um problema que tem solução
Lixo, um problema que tem soluçãoLixo, um problema que tem solução
Lixo, um problema que tem solução
 
Trabalho sobre o meio ambiente
Trabalho sobre o meio ambienteTrabalho sobre o meio ambiente
Trabalho sobre o meio ambiente
 

Semelhante a Os residuos e o seu tratamento

Doc1
Doc1Doc1
Doc1
8ºC
 
Trabalho de Grupo sobre a Reciclagem
Trabalho de Grupo sobre a ReciclagemTrabalho de Grupo sobre a Reciclagem
Trabalho de Grupo sobre a Reciclagem
celiamagalhaes
 
Anabela, Dima, Joao B
Anabela, Dima, Joao BAnabela, Dima, Joao B
Anabela, Dima, Joao B
inesita45
 
CN - PROTEÇÃO DA NATUREZA
CN - PROTEÇÃO DA NATUREZACN - PROTEÇÃO DA NATUREZA
CN - PROTEÇÃO DA NATUREZA
Luís Ferreira
 
Resíduos 8º ano
Resíduos   8º anoResíduos   8º ano
Resíduos 8º ano
FloripeAbreu
 
Dejetos Na Propriedade Rural
Dejetos Na Propriedade RuralDejetos Na Propriedade Rural
Dejetos Na Propriedade Rural
marcelo otenio
 
RECICLAGEM DO LIXO SÓLIDO.ppt
RECICLAGEM DO LIXO SÓLIDO.pptRECICLAGEM DO LIXO SÓLIDO.ppt
RECICLAGEM DO LIXO SÓLIDO.ppt
GiseleTavares18
 
Gestão de resíduos e da água
Gestão de resíduos e da águaGestão de resíduos e da água
Gestão de resíduos e da água
Leonardo Alves
 
Projeto resíduos sólidos parte 3
Projeto resíduos sólidos parte 3Projeto resíduos sólidos parte 3
Projeto resíduos sólidos parte 3
escola
 
Gerenciamento_de_residuos.ppt
Gerenciamento_de_residuos.pptGerenciamento_de_residuos.ppt
Gerenciamento_de_residuos.ppt
SilmarMedeiros2
 
Tratamento e disposição de resíduos e efluentes
Tratamento e disposição de resíduos e efluentesTratamento e disposição de resíduos e efluentes
Tratamento e disposição de resíduos e efluentes
RafaelNeves651350
 
Reciclagem
ReciclagemReciclagem
Reciclagem
profleofonseca
 
Resíduos sólidos
Resíduos sólidosResíduos sólidos
Resíduos sólidos
Mandy Meira
 
Manejo de resíduos em sistemas de produção de leite: limpeza hidráulica dos ...
Manejo de resíduos em sistemas de produção de leite:  limpeza hidráulica dos ...Manejo de resíduos em sistemas de produção de leite:  limpeza hidráulica dos ...
Manejo de resíduos em sistemas de produção de leite: limpeza hidráulica dos ...
marcelo otenio
 
Reciclagem e tratamento do lixo.ppt
Reciclagem e tratamento do lixo.pptReciclagem e tratamento do lixo.ppt
Reciclagem e tratamento do lixo.ppt
CarolineTeodoro4
 
Aula 04_Tratamento de RSU.pptx
Aula 04_Tratamento de RSU.pptxAula 04_Tratamento de RSU.pptx
Aula 04_Tratamento de RSU.pptx
AnaKassiaLopesGonalv1
 
Resíduos sólidos orgânicos e suas remediações /mitigação
Resíduos sólidos orgânicos e suas remediações /mitigaçãoResíduos sólidos orgânicos e suas remediações /mitigação
Resíduos sólidos orgânicos e suas remediações /mitigação
Roberta Lemos
 
Autor
AutorAutor
Lixo
LixoLixo
Biomassa jorge fernandes e rui cortes
Biomassa jorge fernandes e rui cortesBiomassa jorge fernandes e rui cortes
Biomassa jorge fernandes e rui cortes
dani999
 

Semelhante a Os residuos e o seu tratamento (20)

Doc1
Doc1Doc1
Doc1
 
Trabalho de Grupo sobre a Reciclagem
Trabalho de Grupo sobre a ReciclagemTrabalho de Grupo sobre a Reciclagem
Trabalho de Grupo sobre a Reciclagem
 
Anabela, Dima, Joao B
Anabela, Dima, Joao BAnabela, Dima, Joao B
Anabela, Dima, Joao B
 
CN - PROTEÇÃO DA NATUREZA
CN - PROTEÇÃO DA NATUREZACN - PROTEÇÃO DA NATUREZA
CN - PROTEÇÃO DA NATUREZA
 
Resíduos 8º ano
Resíduos   8º anoResíduos   8º ano
Resíduos 8º ano
 
Dejetos Na Propriedade Rural
Dejetos Na Propriedade RuralDejetos Na Propriedade Rural
Dejetos Na Propriedade Rural
 
RECICLAGEM DO LIXO SÓLIDO.ppt
RECICLAGEM DO LIXO SÓLIDO.pptRECICLAGEM DO LIXO SÓLIDO.ppt
RECICLAGEM DO LIXO SÓLIDO.ppt
 
Gestão de resíduos e da água
Gestão de resíduos e da águaGestão de resíduos e da água
Gestão de resíduos e da água
 
Projeto resíduos sólidos parte 3
Projeto resíduos sólidos parte 3Projeto resíduos sólidos parte 3
Projeto resíduos sólidos parte 3
 
Gerenciamento_de_residuos.ppt
Gerenciamento_de_residuos.pptGerenciamento_de_residuos.ppt
Gerenciamento_de_residuos.ppt
 
Tratamento e disposição de resíduos e efluentes
Tratamento e disposição de resíduos e efluentesTratamento e disposição de resíduos e efluentes
Tratamento e disposição de resíduos e efluentes
 
Reciclagem
ReciclagemReciclagem
Reciclagem
 
Resíduos sólidos
Resíduos sólidosResíduos sólidos
Resíduos sólidos
 
Manejo de resíduos em sistemas de produção de leite: limpeza hidráulica dos ...
Manejo de resíduos em sistemas de produção de leite:  limpeza hidráulica dos ...Manejo de resíduos em sistemas de produção de leite:  limpeza hidráulica dos ...
Manejo de resíduos em sistemas de produção de leite: limpeza hidráulica dos ...
 
Reciclagem e tratamento do lixo.ppt
Reciclagem e tratamento do lixo.pptReciclagem e tratamento do lixo.ppt
Reciclagem e tratamento do lixo.ppt
 
Aula 04_Tratamento de RSU.pptx
Aula 04_Tratamento de RSU.pptxAula 04_Tratamento de RSU.pptx
Aula 04_Tratamento de RSU.pptx
 
Resíduos sólidos orgânicos e suas remediações /mitigação
Resíduos sólidos orgânicos e suas remediações /mitigaçãoResíduos sólidos orgânicos e suas remediações /mitigação
Resíduos sólidos orgânicos e suas remediações /mitigação
 
Autor
AutorAutor
Autor
 
Lixo
LixoLixo
Lixo
 
Biomassa jorge fernandes e rui cortes
Biomassa jorge fernandes e rui cortesBiomassa jorge fernandes e rui cortes
Biomassa jorge fernandes e rui cortes
 

Os residuos e o seu tratamento

  • 1. OS RESÍDUOS E O SEU TRATAMENTO Protecção e Conservação da Natureza Ciências Naturais – 8º Ano Prof. Joana de Sousa e Silva
  • 2. CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS  Resíduos industriais  Resíduos hospitalares  Resíduos agrícolas  Resíduos sólidos urbanos (RSU)
  • 3. 1. RESÍDUOS INDUSTRIAIS  Resíduos que são provenientes da industria extractiva (como o carvão, minérios ou rochas).  Resíduos que são provenientes da industria transformante (como a têxtil, do calçado ou ).  Resíduos provenientes da produção e distribuição da electricidade, gás e água e até dos automóveis (como pneus, baterias, sucatas de carroçarias) .
  • 4.  Resíduos provenientes das unidades de saúde, tais como, hospitais, centros de saúde, centros de prevenção e tratamento de doença de seres humanos ou animais.  Resíduos provenientes de laboratórios de investigação. 2. RESÍDUOS HOSPITALARES
  • 5.  Resíduos provenientes de actividades florestais, agro-industriais e pecuárias (como sacos transportadores de adubos, restos de mangueiras ou ancinhos). 3. RESÍDUOS AGRÍCOLAS
  • 6.  Resíduos provenientes das casas, restaurantes, escritórios, lojas, ou seja, materiais produzidos pela sociedade de consumo. (como restos de alimentos, embalagens, papéis, pilhas…) 4. RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) PODEM SER ORGÂNICOS E INORGÂNICOS Os orgânicos provêm de: Esgotos domésticos Restos de comida Restos de jardinagem...
  • 7. COMPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS
  • 8. CADA PORTUGUÊS, PRODUZ ANUALMENTE, EM MÉDIA, 337,6 KG DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS
  • 9. LOCAL DE DEPÓSITO DOS RESÍDUOS:  Lixeiras  Centrais de Compostagem  Aterros sanitários  Unidades de Incineração  ETAR’s  Centros de Recolha Selectiva SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO DE RESÍDUOS:
  • 10. A. LIXEIRAS . Local aberto e de acesso livre . Existência de roedores e moscas . Os resíduos são deixados a descoberto . Não há impermeabilização do terreno .Não há tratamento das águas lixiviantes .Libertação de maus odores e de gases que contribuem para o aumento do efeito de estufa A mega operação de encerramento e selagem das cerca de 341 lixeiras municipais existentes em Portugal teve lugar em 2001.
  • 11. . É um processo biológico de decomposição da matéria orgânica dos resíduos, por acção de fungos e bactérias. Deste processo resulta uma substância designada COMPOSTO (fertilizante natural). B.CENTRAIS DE COMPOSTAGEM
  • 12. B.CENTRAIS DE COMPOSTAGEM A Central de Valorização Orgânica é uma moderna instalação que permite através do Processo de Compostagem, o tratamento dos resíduos para produção de fertilizantes. Anualmente, 60 000 toneladas de matéria orgânica provenientes da recolha selectiva de resíduos biodegradáveis (restos de comida, relva e outros), são traduzidos na produção de 20 mil toneladas/ano de fertilizantes de elevada qualidade.
  • 13. COMPOSTAGEM Pode ser feita em: Centrais de compostagem Explorações agrícolas ou agropecuárias Casas, escolas, locais onde hajam cantinas… Existe um caso especial de compostagem, designado
  • 14.  Na vermicompostagem usam-se minhocas para acelerar o processo de compostagem.
  • 15. • Temperaturas entre 15ºC e 25ºC; • O pH entre 5 e 9; • A humidade deve ser verificada com regularidade; • Um bom arejamento do vermicompostor; • Fraca luminosidade. CUIDADOS A TER NA VERMICOMPOSTAGEM A minhoca mais usada é a Eisenia fetida, a minhoca vermelha.
  • 16. VERMICOMPOSTOR •Como vermicompostor pode usar-se uma gaveta velha, uma caixa de plástico ou uma de madeira forrada com plástico. •Esta deve ser larga e pouco alta e deve ter muitos furos para a circulação do ar. Vermicompostor elaborado pelos alu Da Escola Técnica Empresarial do Oe
  • 17. Aldeia Ecológica da Escola Técnica Empresarial do Oeste – Caldas da Rainha
  • 18. C. ATERROS SANITÁRIOS Local que permite a deposição final de resíduos indiferenciados de uma forma control e segura. Os residuos são depositados em camadas com terra e são compactados com Uma máquina.  O fundo e as partes laterais do aterro sanitário dão forradas com telas impermeáveis  Da decomposição do dos resíduos resulta o biogás que poderá ser aproveitado na produção de energia.  Quando esgotado o tempo de vida útil do aterro sanitário, isto é, quando é atingida a Capacidade máxima do aterro, este é selado e pode ser ocupado por zonas verdes.
  • 20. D. UNIDADES DE INCINERAÇÃO  Processo de queima de resíduos, com ou sem recuperação de energia, em fornos específicos e com condições controladas de oxigénio e temperatura. Neste processo, existe emissão controlada de gases para a atmosfera. Apresenta a vantagem de reduzir bastante o volume de resíduos. Além disso, destrói os microrganismos que causam doenças, contidos principalmente no lixo hospitalar e industrial.  Depois da queima, resta um material que pode ser encaminhado para aterros sanitários ou mesmo reciclado. É recomendada a reutilização racionalizada dos materiais queimados para a confecção de borracha, cerâmica e artesanato.
  • 21.  No entanto, certos resíduos liberam gases tóxicos aos serem queimados. Nesses casos, para evitar a poluição do ar, é necessário instalar filtros e equipamentos especiais – o que torna o processo mais caro.  Trata-se de um sistema útil na eliminação de resíduos combustíveis, não tendo vantagens para outros materiais como, por exemplo, vidros e metais. Devido ao seu elevado teor em água, a matéria orgânica (que constitui cerca de 37% dos RSU) possui um baixo poder calorífico e como tal não é interessante incinerar sob o ponto de vista energético. . Apesar do aproveitamento da energia, uma vez que não há a reciclagem dos materiais, a incineração de resíduos torna-se assim numa perda no ciclo de renovação dos recursos naturais. Por estes motivos, tal como o aterro, surge no último lugar da hierarquia de gestão de resíduos. Interior de um forno de incineração
  • 22. E. ETAR  Estação de tratamento de águas residuais (esgotos), provenientes das actividades urbanas, agrícolas e industriais, incluindo as águas lixiviantes dos aterros sanitários. O tratamento inclui 3 processos:  Físicos: Trata-se de um processo de selecção e filtração de partículas. Químicos: Trata-se de um processo onde são usados produtos químicos. Biológicos: Trata-se de um processo onde são usados microorganismos. Da ETAR resultam 2 produtos finais:  Lamas: Materiais que são encaminhados para os aterros, ou para estações de Incineração ou se tratadas podem servir como fertilizantes. Águas Tratadas: Regressam à rede de distribuição, ou são utilizadas na agricultu ou são lançadas aos rios e mares.
  • 23. FACE A ESTA PROBLEMÁTICA DE TRATAMENTO DOS RESÍDUOS, A COMISSÃO EUROPEIA PROPÕE A APLICAÇÃO DA: LER PÁG.179