SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 38
Baixar para ler offline
AMENSALISMO OU ANTIBIOSE

O amensalismo ou antibiose consiste numa relação
desarmônica em que indivíduos de uma população
 secretam ou expelem substâncias que inibem ou
  impedem o desenvolvimento de indivíduos de
         populações de outras espécies.

O exemplo mais clássico de amensalismo são os
antibióticos produzidos por fungos que impedem a
             proliferação das bactérias.
 Esses antibióticos são largamente utilizados pela
 medicina, no combate às infecções bacterianas.
AMENSALISMO OU ANTIBIOSE
O mais antigo antibiótico que se conhece é a penicilina,
 substância produzida pelo fungo Penicillium notatum,
descoberta pelo cientista Alexander Fleming em 1928.

Fleming realizava pesquisas com bactérias que eram
 cultivadas sobre gelatina em placas de Petri. Nessa
 gelatina, acidentalmente cairam esporos desse bolor
 chamado Penicillium que rapidamente germinaram e
   esses fungos, cultivados junto com as bactérias
     impediam o desenvolvimento das bactérias.
Assim Fleming descobriu o primeiro antibiótico que em
           seguida foi denominado penicilina.
AMENSALISMO OU ANTIBIOSE
AMENSALISMO OU ANTIBIOSE


 Algumas plantas produzem substâncias inibidoras que
 são exaladas ao seu redor com a finalidade de inibir a
     germinação de outras plantas, evitando assim que
    surjam plantas competidoras, plantas que poderiam
competir por espaço, luz e água mas que nem chegam a
 germinar porque foram inibidas, deixando assim a área
  livre para a inibidora se desenvolver sozinha. O maior
             exemplo deste caso é o Eucalipto.
AMENSALISMO OU ANTIBIOSE
PREDATISMO



Predatismo ou predação é uma relação em que um ser
 vivo, o predador, captura e mata um outro ser vivo, a
  presa, com o fim de se alimentar com a carne dele.
Geralmente é uma relação interespecífica ou seja uma
     relação que ocorre entre espécies diferentes.
PREDATISMO

  Os carnívoros são exemplos de animais predadores, o
leão, o lobo, o tigre e a onça são predadores que caçam,
   matam e comem zebras, coelhos, alces, capivaras e
                       outros animais.
Nas águas são comuns os peixes predadores que vivem
      caçando e matando outros peixes a fim de se
                        alimentarem.
 Aves predadoras, que matam e comem outros animais,
   como as corujas, águias e gaviões que atacam aves
     menores, ou seus ovos, ou outros animais mais
            pequenos, como ratos e lagartos.
PREDATISMO

   Répteis predadores como crocodilos, jacarés e as
 lagartixas domésticas, que devoram diversos tipos de
                         presas.
  A maioria dos aracnídeos são predadores, como as
    aranhas, lacraias, escorpiões em geral atacam e
  devoram moscas, baratas e insetos em geral, ou até
              pequenas aves e mamíferos.
  Até mesmo no mundo dos micróbios o predatismo é
evidente, existindo muitos protozoários maiores que são
          predadores de protozoários menores.
PREDATISMO
PREDATISMO
Raros são os casos em que o predador é uma planta.
 As plantas carnívoras, no entanto, são excelentes
    exemplos, pois aprisionam, matam e digerem
principalmente insetos afins de absorver os minerais
              contidos na carne deles.
CANIBALISMO

    Canibalismo é uma relação de predatismo intra-
específico em que seres de uma mesma espécie comem
          outros seres da sua própria espécie.

 Muitas espécies de peixes devoram os alevinos de sua
 própria espécie, jacarés e crocodilos também devoram
 filhotes das suas espécies; a aranha viúva-negra e os
insetos louva-a-deus, logo após acasalamento, a fêmea
     devora o macho para obter as proteínas de seu
  organismo, necessárias para desenvolver os ovos no
                     seu organismo.
CANIBALISMO
PARASITISMO


Parasitismo é uma relação desarmônica entre seres de
espécies diferentes, em que um deles é o parasita que
vive dentro ou sobre o corpo do outro que é designado
         hospedeiro, do qual retira alimentos.
PARASITISMO

 Os parasitas geralmente não têm intenções de causar a
  morte dos hospedeiros embora tenham noção de que
             estão lhes causando prejuízos.
Entretanto vez por outra a população do parasita cresce
exageradamente em determinados hospedeiros de forma
que a superpopulação desses parasitas acaba causando
   a morte desses hospedeiros, devido ao excesso de
     prejuízos causados pela quantidade anormal de
  parasitas parasitando um só organismo hospedeiro,
         designada hiperinfestação de parasitas.
PARASITISMO

 Endoparasitas são parasitas que vivem no interior dos
hospedeiros como a maioria das bactérias patogênicas,
  protozoários, o bicho-geográfico da dermatite linear
sepiginosa, bicho-de-pé da tungíase, vermes intestinais
                        e outros.
PARASITISMO
Parasitas intracelulares são parasitas microscópicos que
   vivem e se reproduzem no interior das células dos
hospedeiros, como os vírus e alguns protozoários, como
       o Plasmodium vivax causador da malária.
PARASITISMO

Ectoparasitas são parasitas que vivem no exterior do
corpo dos hospedeiros como os carrapatos, piolhos,
            pulgas, mosquitos e outros.
SINFILIA OU ESCLAVAGISMO

Esclavagismo é um tipo de relação ecológica onde um
ser vivo se aproveita das atividades, do trabalho ou de
      produtos produzidos por outros seres vivos.
     Existem duas modalidades de esclavagismo:

            Esclavagismo interespecífico
            Esclavagismo intra-específico
SINFILIA OU ESCLAVAGISMO

            Esclavagismo interespecífico:

Quando esse tipo de relação ocorre entre indivíduos de
        diferentes espécies de seres vivos.

                      Exemplos:
                 humanos e abelhas
                  formigas e pulgões
                 esquilos e pica-paus
                  fragatas e gaivotas
SINFILIA OU ESCLAVAGISMO

  Exemplo: As formigas cuidam e protegem os pulgões
               para obter o açúcar deles.

 Os pulgões são pequenos insetos parasitas de plantas que passam a
 maior parte do tempo parados, sugando a seiva açucarada que circula
  pelos vasos liberianos das plantas. A seiva elaborada pelas plantas
  possui uma pequena quantidade de aminoácidos mas uma grande
    quantidade do açúcar glicose, assim para obter a quantidade de
aminoácidos que necessitam para formar as suas próprias proteínas, os
pulgões precisam sugar uma quantidade exagerada de seiva açucarada
 de forma que esse excesso de açúcar ingerido precisa ser excretado.
SINFILIA OU ESCLAVAGISMO


 Exemplo: As formigas cuidam e protegem os pulgões
              para obter o açúcar deles.

As formigas lambem todo esse açúcar que fica saindo constantemente
    do abdome dos pulgões e assim os mantendo sempre limpos e
protegidos. As formigas protegem os pulgões de eventuais predadores
 como por exemplo as joaninhas que são predadores que gostam de
  caçar e comer os pulgões. Por outro lado o açúcar é um importante
  alimento para as formigas então elas se associam a esses pulgões
                produtores de açúcar escravizando-os.
SINFILIA OU ESCLAVAGISMO


  Exemplo: As formigas cuidam e protegem os pulgões
               para obter o açúcar deles.

As formigas inclusive tratam e protegem os filhotes dos pulgões, cuidam
deles, levam eles de um lado para outro para protegê-los em locais mais
   seguros nos caules das plantas levando-os inclusive para dentro do
   próprio formigueiro delas onde os instalam junto a raízes de plantas
 vivas e esses pulgões passam a sugar essas raízes fornecendo açúcar
 para as formigas até mesmo debaixo da terra, dentro dos formigueiros
                                 delas.
SINFILIA OU ESCLAVAGISMO

  Exemplo: As formigas cuidam e protegem os pulgões
               para obter o açúcar deles.

  O esclavagismo consiste numa relação onde o esclavagista sempre
   cuida e protege os seres que foram por ele escravizados e nesse
   exemplo embora exista protocooperação a relação é considerada
desarmônica devido a dependência que os pulgões passaram a ter das
                              formigas.
  Na protocooperação um sócio não depende do outro para sobreviver
 mas, nesse caso se as formigas abandonassem os pulgões eles não
conseguiriam se defender das joaninhas, seriam todos eles devorados e
                     a espécie deles seria extinta.
SINFILIA OU ESCLAVAGISMO

Exemplo: As formigas cuidam e protegem os pulgões
             para obter o açúcar deles.
SINFILIA OU ESCLAVAGISMO

      Os seres humanos praticam o esclavagismo
  interespecífico em praticamente todas as atividades
agropecuárias e em todas as áreas da zootecnia porque
 protegemos e cuidamos de todos os seres vivos a nós
                      associados.

    Todas as atividades de domesticação feita pelos
humanos são relações de esclavagismo interespecífico,
      exemplos: apicultura, aquicultura, avicultura,
bovinocultura, caprinocultura, cunicultura, equinocultura,
        ovinocultura, sericicultura, suinocultura.
SINFILIA OU ESCLAVAGISMO
SINFILIA OU ESCLAVAGISMO
  Esclavagismo intra-específico: quando esse tipo de
  relação se desenvolve entre indivíduos da mesma
                 espécie, exemplos:

O leão "macho alfa" do bando é um esclavagista porque
          se aproveita do trabalho das leoas.

A hiena "matriarca" do bando é uma esclavagista porque
          se aproveita do trabalho do bando.

 O homem é ou já foi esclavagista se aproveitando do
         trabalho de escravos humanos.
SINFILIA OU ESCLAVAGISMO
HERBIVORIA
    Herbivoria é uma relação desarmônica entre um
consumidor primário e um produtor. Ocorre quando esse
consumidor primário, herbívoro, alimenta-se do produtor
Planta. Pode-se dar como exemplo qualquer consumidor
              primário que come a planta.
COMPETIÇÃO

    A competição interespecífica é uma relação de
competição entre indivíduos de espécies diferentes, que
 concorrem pelos mesmos fatores do ambiente, fatores
         existentes em quantidades limitadas.
COMPETIÇÃO
    Corujas, cobras e gaviões são predadores que
competem entre si pelas mesmas espécies de presas,
 principalmente por pequenos roedores (ratos, preás,
  coelhos etc...) que são as presas prediletas destes
diferentes predadores, portanto é uma competição por
                        alimento.
COMPETIÇÃO
Durante os períodos de estiagem ou seca prolongada
  fica sem chover durante meses fazendo com que a
  oferta de água potável se reduza drásticamente no
   ambiente e fazendo com que animais de diversas
 espécies diferentes sejam obrigados a competir pela
água que ainda resta em pequenas poças d´água que
 ainda existem num lugar ou noutro mas que não são
suficientes para matar a sede de todos eles, portanto
          uma competição por água potável.
COMPETIÇÃO
     A competição intra-específica é uma relação de
  competição entre indivíduos da mesma espécie, que
   concorrem pelos mesmos fatores do ambiente, que
           existem em quantidade limitada.

Machos de uma mesma espécie precisam competir entre
 si pelas fêmeas dessa mesma espécie, fenômeno esse
   chamado "seleção sexual". Na verdade existe muito
       exibicionismo evidente nos comportamentos
relacionados à competição que ocorre durante a seleção
      sexual nas populações das espécies em geral.
COMPETIÇÃO


   O leão por exemplo tem que competir com os outros leões do bando
porque os leões praticam a poligamia patriarcal e é necessário competir,
lutar para ganhar ou perder, a chance de se acasalar com todas aquelas
                           fêmeas do bando.
  Para ser o "macho alfa" do bando o leão terá que ser o mais corajoso
 dentre todos os leões daquele território porque terá que enfrentar todos
    os outros machos que também pretendem essas mesmas leoas e
 apenas um leão é eleito pelas fêmeas o "macho alfa" que terá o direito
 de cobrir todas as leoas do bando enquanto que os perdedores não se
                              reproduzem.
COMPETIÇÃO


  Além de ter que ganhar a luta com todos os outros leões do bando, o
   "macho alfa" campeão nessas lutas tem também que exibir seu urro
    forte para impressionar as leoas, exibir sua juba linda, suas garras
afiadas, exibir vigor físico e autoridade superior, tudo isso para poder ser
eleito e aceito pelas leoas que também têm lá seus critérios de avaliação
   pois são elas que elegem quem será o novo "macho alfa" que terá o
                    direito de se acasalar com todas elas.
 Nessas competições os leões derrotados podem inclusive se vingar do
   "macho alfa" e matar todos os filhotes dele, para com isso tirá-lo do
 poder e estimular novamente o cio das fêmeas para que outro "macho
    alfa" seja eleito e tenha a chance de acasalar e obter a sua própria
                                descendência.
COMPETIÇÃO
COMPETIÇÃO


  Outros exemplos semelhantes são os galos que competem entre si
usando suas esporas uns contra os outros, carneiros competem lutando
   com cabeçadas, aranhas lutam com venenos, o pavão exibe a sua
  cauda esplêndida para competir com as caudas dos outros pavões,
   sapos competem entre si usando o coaxar e ainda exibem o peito
colorido e inflado, pássaros canoros competem entre si exibindo o canto
  afinado e as cores da plumagem, vagalumes competem exibindo as
 suas luzes no escuro, os grilos competem exibindo seus sons à noite
                                  etc...
COMPETIÇÃO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Interações ecologicas completa
Interações ecologicas completaInterações ecologicas completa
Interações ecologicas completa
Vjezhtitza
 
Relações interespecíficas e intra específicas
Relações interespecíficas e intra específicasRelações interespecíficas e intra específicas
Relações interespecíficas e intra específicas
BriefCase
 
Relações ecológicas 2
Relações ecológicas 2Relações ecológicas 2
Relações ecológicas 2
hugocampos2
 
Relações Ecológicas
Relações EcológicasRelações Ecológicas
Relações Ecológicas
mendel1b2010
 
Relações ecológicasmoodle
Relações ecológicasmoodleRelações ecológicasmoodle
Relações ecológicasmoodle
guest2d00a0
 
Aula relações ecológicas
Aula relações ecológicasAula relações ecológicas
Aula relações ecológicas
Higor Souza
 
Interações ecológicas
Interações ecológicasInterações ecológicas
Interações ecológicas
Raquel Freiry
 
Relações Ecológicas
Relações EcológicasRelações Ecológicas
Relações Ecológicas
Bellllafarias
 
Relações ecológicas entre seres vivos
Relações ecológicas entre seres vivos Relações ecológicas entre seres vivos
Relações ecológicas entre seres vivos
Vanessa Anzolin
 
6º ano cap 5 relações ecológicas
6º ano cap 5   relações ecológicas6º ano cap 5   relações ecológicas
6º ano cap 5 relações ecológicas
ISJ
 
Relacoes ecologicas modulo 9ano
Relacoes ecologicas modulo 9anoRelacoes ecologicas modulo 9ano
Relacoes ecologicas modulo 9ano
brandshrk
 

Mais procurados (20)

Interações ecologicas completa
Interações ecologicas completaInterações ecologicas completa
Interações ecologicas completa
 
Interações ecológicas
Interações ecológicasInterações ecológicas
Interações ecológicas
 
Relações ecológicas
Relações ecológicasRelações ecológicas
Relações ecológicas
 
Aula 3 slide relação entre seres vivos
Aula 3 slide   relação entre seres vivosAula 3 slide   relação entre seres vivos
Aula 3 slide relação entre seres vivos
 
Interacções entre seres vivos
Interacções entre seres vivosInteracções entre seres vivos
Interacções entre seres vivos
 
Relações interespecíficas e intra específicas
Relações interespecíficas e intra específicasRelações interespecíficas e intra específicas
Relações interespecíficas e intra específicas
 
Relações ecológicas 2
Relações ecológicas 2Relações ecológicas 2
Relações ecológicas 2
 
3 ano relações ecológicas
3 ano relações ecológicas3 ano relações ecológicas
3 ano relações ecológicas
 
Relações Ecológicas
Relações EcológicasRelações Ecológicas
Relações Ecológicas
 
Relações ecológicasmoodle
Relações ecológicasmoodleRelações ecológicasmoodle
Relações ecológicasmoodle
 
Aula relações ecológicas
Aula relações ecológicasAula relações ecológicas
Aula relações ecológicas
 
Interações ecológicas
Interações ecológicasInterações ecológicas
Interações ecológicas
 
Aularelaesecolgicas 120313120118 phpapp01 (1)
Aularelaesecolgicas 120313120118 phpapp01 (1)Aularelaesecolgicas 120313120118 phpapp01 (1)
Aularelaesecolgicas 120313120118 phpapp01 (1)
 
Mutualismo
MutualismoMutualismo
Mutualismo
 
Relações ecológicas
Relações ecológicasRelações ecológicas
Relações ecológicas
 
Relações Ecológicas
Relações EcológicasRelações Ecológicas
Relações Ecológicas
 
Relações ecológicas entre seres vivos
Relações ecológicas entre seres vivos Relações ecológicas entre seres vivos
Relações ecológicas entre seres vivos
 
6º ano cap 5 relações ecológicas
6º ano cap 5   relações ecológicas6º ano cap 5   relações ecológicas
6º ano cap 5 relações ecológicas
 
Relacoes ecologicas modulo 9ano
Relacoes ecologicas modulo 9anoRelacoes ecologicas modulo 9ano
Relacoes ecologicas modulo 9ano
 
Aula relações ecológicas
Aula relações ecológicasAula relações ecológicas
Aula relações ecológicas
 

Destaque

Aula Relações Ecológicas
Aula Relações EcológicasAula Relações Ecológicas
Aula Relações Ecológicas
Rosalia Azambuja
 
Factores Bióticos....
Factores Bióticos....Factores Bióticos....
Factores Bióticos....
Gabriela Bruno
 
Invertebrados
InvertebradosInvertebrados
Invertebrados
mrfita
 
V. 2 Relações entre seres vivos
V. 2  Relações entre seres vivosV. 2  Relações entre seres vivos
V. 2 Relações entre seres vivos
Rebeca Vale
 
Factores bióticos
Factores  bióticosFactores  bióticos
Factores bióticos
8ºC
 
Dinâmica de comunidades e ecossistemas 3ª aula
Dinâmica de comunidades e ecossistemas   3ª aulaDinâmica de comunidades e ecossistemas   3ª aula
Dinâmica de comunidades e ecossistemas 3ª aula
Lucilene G.O. Adonai
 

Destaque (20)

Aula Relações Ecológicas
Aula Relações EcológicasAula Relações Ecológicas
Aula Relações Ecológicas
 
Continuação das interacções seres vivo ambientes
Continuação das interacções seres vivo ambientesContinuação das interacções seres vivo ambientes
Continuação das interacções seres vivo ambientes
 
Ecología
EcologíaEcología
Ecología
 
Factores Bióticos....
Factores Bióticos....Factores Bióticos....
Factores Bióticos....
 
Invertebrados
InvertebradosInvertebrados
Invertebrados
 
V. 2 Relações entre seres vivos
V. 2  Relações entre seres vivosV. 2  Relações entre seres vivos
V. 2 Relações entre seres vivos
 
Factores bióticos
Factores  bióticosFactores  bióticos
Factores bióticos
 
Relações Ecológicas
Relações EcológicasRelações Ecológicas
Relações Ecológicas
 
Parasitismo
ParasitismoParasitismo
Parasitismo
 
A arte
A arteA arte
A arte
 
Relações ecológicas
Relações ecológicasRelações ecológicas
Relações ecológicas
 
Dinâmica de Populações
Dinâmica de PopulaçõesDinâmica de Populações
Dinâmica de Populações
 
Relacoes ecologicas
Relacoes ecologicasRelacoes ecologicas
Relacoes ecologicas
 
RELAÇÕES ECOLÓGICAS
RELAÇÕES ECOLÓGICASRELAÇÕES ECOLÓGICAS
RELAÇÕES ECOLÓGICAS
 
Relações ecológicas
Relações ecológicasRelações ecológicas
Relações ecológicas
 
Animais Vertebrados
Animais  VertebradosAnimais  Vertebrados
Animais Vertebrados
 
Amensalismo
AmensalismoAmensalismo
Amensalismo
 
Biofertilizantes
BiofertilizantesBiofertilizantes
Biofertilizantes
 
Animais Vertebrados
Animais VertebradosAnimais Vertebrados
Animais Vertebrados
 
Dinâmica de comunidades e ecossistemas 3ª aula
Dinâmica de comunidades e ecossistemas   3ª aulaDinâmica de comunidades e ecossistemas   3ª aula
Dinâmica de comunidades e ecossistemas 3ª aula
 

Semelhante a RelaçõEs EcolóGicas Desarmonicas

Relações ecológicas ii
Relações ecológicas iiRelações ecológicas ii
Relações ecológicas ii
Taiza Ferronato
 
Ecologia com exercícios
Ecologia com exercíciosEcologia com exercícios
Ecologia com exercícios
helder raposo
 
Relações ecológicas
Relações ecológicasRelações ecológicas
Relações ecológicas
Paulinha Sousa
 

Semelhante a RelaçõEs EcolóGicas Desarmonicas (20)

Factores Bióticos
Factores BióticosFactores Bióticos
Factores Bióticos
 
Relacoes Bioticas
Relacoes BioticasRelacoes Bioticas
Relacoes Bioticas
 
Artropodes
ArtropodesArtropodes
Artropodes
 
Aula Relações Ecológicas - Curso Preparatório - Prof. Ewerthon Gomes.ppt
Aula Relações Ecológicas - Curso Preparatório - Prof. Ewerthon Gomes.pptAula Relações Ecológicas - Curso Preparatório - Prof. Ewerthon Gomes.ppt
Aula Relações Ecológicas - Curso Preparatório - Prof. Ewerthon Gomes.ppt
 
Interações ecológicas lara 1ano
Interações ecológicas lara 1anoInterações ecológicas lara 1ano
Interações ecológicas lara 1ano
 
Relacoes entre-seres-vivos-pdf2
Relacoes entre-seres-vivos-pdf2Relacoes entre-seres-vivos-pdf2
Relacoes entre-seres-vivos-pdf2
 
A.P.Point.Protistas.ProtozoáRios2007.Grav
A.P.Point.Protistas.ProtozoáRios2007.GravA.P.Point.Protistas.ProtozoáRios2007.Grav
A.P.Point.Protistas.ProtozoáRios2007.Grav
 
Relações ecológicas
Relações ecológicasRelações ecológicas
Relações ecológicas
 
Interações ecológicas
Interações ecológicasInterações ecológicas
Interações ecológicas
 
Biologia - seres vivos e o meio ambiente.pptx
Biologia -  seres vivos e o meio ambiente.pptxBiologia -  seres vivos e o meio ambiente.pptx
Biologia - seres vivos e o meio ambiente.pptx
 
Guia de campo insetos
Guia de campo insetosGuia de campo insetos
Guia de campo insetos
 
Relações ecológicas ii
Relações ecológicas iiRelações ecológicas ii
Relações ecológicas ii
 
Relacoes ecológicas
Relacoes ecológicasRelacoes ecológicas
Relacoes ecológicas
 
Fauna Auxiliar.pdf
Fauna Auxiliar.pdfFauna Auxiliar.pdf
Fauna Auxiliar.pdf
 
Morcegos
MorcegosMorcegos
Morcegos
 
Ecologia com exercícios
Ecologia com exercíciosEcologia com exercícios
Ecologia com exercícios
 
Relações ecológicas
Relações ecológicasRelações ecológicas
Relações ecológicas
 
aula inicial sobre oque é Microbiologia
aula inicial sobre oque é  Microbiologiaaula inicial sobre oque é  Microbiologia
aula inicial sobre oque é Microbiologia
 
2401 Insetos
2401 Insetos2401 Insetos
2401 Insetos
 
Ecossistema
EcossistemaEcossistema
Ecossistema
 

Mais de guest787ebb4

DoençAs RespiratóRias
DoençAs RespiratóRiasDoençAs RespiratóRias
DoençAs RespiratóRias
guest787ebb4
 
1° Ano Mimetismo Aposematismo Camuflagem
1° Ano   Mimetismo Aposematismo Camuflagem1° Ano   Mimetismo Aposematismo Camuflagem
1° Ano Mimetismo Aposematismo Camuflagem
guest787ebb4
 
Propriedades QuíMicas
Propriedades QuíMicasPropriedades QuíMicas
Propriedades QuíMicas
guest787ebb4
 
1o Ano Ecologia II
1o Ano   Ecologia II1o Ano   Ecologia II
1o Ano Ecologia II
guest787ebb4
 
6a SéRie Planeta Terra
6a SéRie   Planeta Terra6a SéRie   Planeta Terra
6a SéRie Planeta Terra
guest787ebb4
 

Mais de guest787ebb4 (6)

DoençAs RespiratóRias
DoençAs RespiratóRiasDoençAs RespiratóRias
DoençAs RespiratóRias
 
1° Ano Mimetismo Aposematismo Camuflagem
1° Ano   Mimetismo Aposematismo Camuflagem1° Ano   Mimetismo Aposematismo Camuflagem
1° Ano Mimetismo Aposematismo Camuflagem
 
Propriedades QuíMicas
Propriedades QuíMicasPropriedades QuíMicas
Propriedades QuíMicas
 
Fotossintese
FotossinteseFotossintese
Fotossintese
 
1o Ano Ecologia II
1o Ano   Ecologia II1o Ano   Ecologia II
1o Ano Ecologia II
 
6a SéRie Planeta Terra
6a SéRie   Planeta Terra6a SéRie   Planeta Terra
6a SéRie Planeta Terra
 

Último

Último (8)

Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiEntrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
 
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
 
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
 
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAEAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
 
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPalestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
 
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
 
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
 
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASCOI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
 

RelaçõEs EcolóGicas Desarmonicas

  • 1. AMENSALISMO OU ANTIBIOSE O amensalismo ou antibiose consiste numa relação desarmônica em que indivíduos de uma população secretam ou expelem substâncias que inibem ou impedem o desenvolvimento de indivíduos de populações de outras espécies. O exemplo mais clássico de amensalismo são os antibióticos produzidos por fungos que impedem a proliferação das bactérias. Esses antibióticos são largamente utilizados pela medicina, no combate às infecções bacterianas.
  • 2. AMENSALISMO OU ANTIBIOSE O mais antigo antibiótico que se conhece é a penicilina, substância produzida pelo fungo Penicillium notatum, descoberta pelo cientista Alexander Fleming em 1928. Fleming realizava pesquisas com bactérias que eram cultivadas sobre gelatina em placas de Petri. Nessa gelatina, acidentalmente cairam esporos desse bolor chamado Penicillium que rapidamente germinaram e esses fungos, cultivados junto com as bactérias impediam o desenvolvimento das bactérias. Assim Fleming descobriu o primeiro antibiótico que em seguida foi denominado penicilina.
  • 4. AMENSALISMO OU ANTIBIOSE Algumas plantas produzem substâncias inibidoras que são exaladas ao seu redor com a finalidade de inibir a germinação de outras plantas, evitando assim que surjam plantas competidoras, plantas que poderiam competir por espaço, luz e água mas que nem chegam a germinar porque foram inibidas, deixando assim a área livre para a inibidora se desenvolver sozinha. O maior exemplo deste caso é o Eucalipto.
  • 6. PREDATISMO Predatismo ou predação é uma relação em que um ser vivo, o predador, captura e mata um outro ser vivo, a presa, com o fim de se alimentar com a carne dele. Geralmente é uma relação interespecífica ou seja uma relação que ocorre entre espécies diferentes.
  • 7. PREDATISMO Os carnívoros são exemplos de animais predadores, o leão, o lobo, o tigre e a onça são predadores que caçam, matam e comem zebras, coelhos, alces, capivaras e outros animais. Nas águas são comuns os peixes predadores que vivem caçando e matando outros peixes a fim de se alimentarem. Aves predadoras, que matam e comem outros animais, como as corujas, águias e gaviões que atacam aves menores, ou seus ovos, ou outros animais mais pequenos, como ratos e lagartos.
  • 8. PREDATISMO Répteis predadores como crocodilos, jacarés e as lagartixas domésticas, que devoram diversos tipos de presas. A maioria dos aracnídeos são predadores, como as aranhas, lacraias, escorpiões em geral atacam e devoram moscas, baratas e insetos em geral, ou até pequenas aves e mamíferos. Até mesmo no mundo dos micróbios o predatismo é evidente, existindo muitos protozoários maiores que são predadores de protozoários menores.
  • 10. PREDATISMO Raros são os casos em que o predador é uma planta. As plantas carnívoras, no entanto, são excelentes exemplos, pois aprisionam, matam e digerem principalmente insetos afins de absorver os minerais contidos na carne deles.
  • 11. CANIBALISMO Canibalismo é uma relação de predatismo intra- específico em que seres de uma mesma espécie comem outros seres da sua própria espécie. Muitas espécies de peixes devoram os alevinos de sua própria espécie, jacarés e crocodilos também devoram filhotes das suas espécies; a aranha viúva-negra e os insetos louva-a-deus, logo após acasalamento, a fêmea devora o macho para obter as proteínas de seu organismo, necessárias para desenvolver os ovos no seu organismo.
  • 13. PARASITISMO Parasitismo é uma relação desarmônica entre seres de espécies diferentes, em que um deles é o parasita que vive dentro ou sobre o corpo do outro que é designado hospedeiro, do qual retira alimentos.
  • 14. PARASITISMO Os parasitas geralmente não têm intenções de causar a morte dos hospedeiros embora tenham noção de que estão lhes causando prejuízos. Entretanto vez por outra a população do parasita cresce exageradamente em determinados hospedeiros de forma que a superpopulação desses parasitas acaba causando a morte desses hospedeiros, devido ao excesso de prejuízos causados pela quantidade anormal de parasitas parasitando um só organismo hospedeiro, designada hiperinfestação de parasitas.
  • 15. PARASITISMO Endoparasitas são parasitas que vivem no interior dos hospedeiros como a maioria das bactérias patogênicas, protozoários, o bicho-geográfico da dermatite linear sepiginosa, bicho-de-pé da tungíase, vermes intestinais e outros.
  • 16. PARASITISMO Parasitas intracelulares são parasitas microscópicos que vivem e se reproduzem no interior das células dos hospedeiros, como os vírus e alguns protozoários, como o Plasmodium vivax causador da malária.
  • 17. PARASITISMO Ectoparasitas são parasitas que vivem no exterior do corpo dos hospedeiros como os carrapatos, piolhos, pulgas, mosquitos e outros.
  • 18. SINFILIA OU ESCLAVAGISMO Esclavagismo é um tipo de relação ecológica onde um ser vivo se aproveita das atividades, do trabalho ou de produtos produzidos por outros seres vivos. Existem duas modalidades de esclavagismo: Esclavagismo interespecífico Esclavagismo intra-específico
  • 19. SINFILIA OU ESCLAVAGISMO Esclavagismo interespecífico: Quando esse tipo de relação ocorre entre indivíduos de diferentes espécies de seres vivos. Exemplos: humanos e abelhas formigas e pulgões esquilos e pica-paus fragatas e gaivotas
  • 20. SINFILIA OU ESCLAVAGISMO Exemplo: As formigas cuidam e protegem os pulgões para obter o açúcar deles. Os pulgões são pequenos insetos parasitas de plantas que passam a maior parte do tempo parados, sugando a seiva açucarada que circula pelos vasos liberianos das plantas. A seiva elaborada pelas plantas possui uma pequena quantidade de aminoácidos mas uma grande quantidade do açúcar glicose, assim para obter a quantidade de aminoácidos que necessitam para formar as suas próprias proteínas, os pulgões precisam sugar uma quantidade exagerada de seiva açucarada de forma que esse excesso de açúcar ingerido precisa ser excretado.
  • 21. SINFILIA OU ESCLAVAGISMO Exemplo: As formigas cuidam e protegem os pulgões para obter o açúcar deles. As formigas lambem todo esse açúcar que fica saindo constantemente do abdome dos pulgões e assim os mantendo sempre limpos e protegidos. As formigas protegem os pulgões de eventuais predadores como por exemplo as joaninhas que são predadores que gostam de caçar e comer os pulgões. Por outro lado o açúcar é um importante alimento para as formigas então elas se associam a esses pulgões produtores de açúcar escravizando-os.
  • 22. SINFILIA OU ESCLAVAGISMO Exemplo: As formigas cuidam e protegem os pulgões para obter o açúcar deles. As formigas inclusive tratam e protegem os filhotes dos pulgões, cuidam deles, levam eles de um lado para outro para protegê-los em locais mais seguros nos caules das plantas levando-os inclusive para dentro do próprio formigueiro delas onde os instalam junto a raízes de plantas vivas e esses pulgões passam a sugar essas raízes fornecendo açúcar para as formigas até mesmo debaixo da terra, dentro dos formigueiros delas.
  • 23. SINFILIA OU ESCLAVAGISMO Exemplo: As formigas cuidam e protegem os pulgões para obter o açúcar deles. O esclavagismo consiste numa relação onde o esclavagista sempre cuida e protege os seres que foram por ele escravizados e nesse exemplo embora exista protocooperação a relação é considerada desarmônica devido a dependência que os pulgões passaram a ter das formigas. Na protocooperação um sócio não depende do outro para sobreviver mas, nesse caso se as formigas abandonassem os pulgões eles não conseguiriam se defender das joaninhas, seriam todos eles devorados e a espécie deles seria extinta.
  • 24. SINFILIA OU ESCLAVAGISMO Exemplo: As formigas cuidam e protegem os pulgões para obter o açúcar deles.
  • 25. SINFILIA OU ESCLAVAGISMO Os seres humanos praticam o esclavagismo interespecífico em praticamente todas as atividades agropecuárias e em todas as áreas da zootecnia porque protegemos e cuidamos de todos os seres vivos a nós associados. Todas as atividades de domesticação feita pelos humanos são relações de esclavagismo interespecífico, exemplos: apicultura, aquicultura, avicultura, bovinocultura, caprinocultura, cunicultura, equinocultura, ovinocultura, sericicultura, suinocultura.
  • 27. SINFILIA OU ESCLAVAGISMO Esclavagismo intra-específico: quando esse tipo de relação se desenvolve entre indivíduos da mesma espécie, exemplos: O leão "macho alfa" do bando é um esclavagista porque se aproveita do trabalho das leoas. A hiena "matriarca" do bando é uma esclavagista porque se aproveita do trabalho do bando. O homem é ou já foi esclavagista se aproveitando do trabalho de escravos humanos.
  • 29. HERBIVORIA Herbivoria é uma relação desarmônica entre um consumidor primário e um produtor. Ocorre quando esse consumidor primário, herbívoro, alimenta-se do produtor Planta. Pode-se dar como exemplo qualquer consumidor primário que come a planta.
  • 30. COMPETIÇÃO A competição interespecífica é uma relação de competição entre indivíduos de espécies diferentes, que concorrem pelos mesmos fatores do ambiente, fatores existentes em quantidades limitadas.
  • 31. COMPETIÇÃO Corujas, cobras e gaviões são predadores que competem entre si pelas mesmas espécies de presas, principalmente por pequenos roedores (ratos, preás, coelhos etc...) que são as presas prediletas destes diferentes predadores, portanto é uma competição por alimento.
  • 32. COMPETIÇÃO Durante os períodos de estiagem ou seca prolongada fica sem chover durante meses fazendo com que a oferta de água potável se reduza drásticamente no ambiente e fazendo com que animais de diversas espécies diferentes sejam obrigados a competir pela água que ainda resta em pequenas poças d´água que ainda existem num lugar ou noutro mas que não são suficientes para matar a sede de todos eles, portanto uma competição por água potável.
  • 33. COMPETIÇÃO A competição intra-específica é uma relação de competição entre indivíduos da mesma espécie, que concorrem pelos mesmos fatores do ambiente, que existem em quantidade limitada. Machos de uma mesma espécie precisam competir entre si pelas fêmeas dessa mesma espécie, fenômeno esse chamado "seleção sexual". Na verdade existe muito exibicionismo evidente nos comportamentos relacionados à competição que ocorre durante a seleção sexual nas populações das espécies em geral.
  • 34. COMPETIÇÃO O leão por exemplo tem que competir com os outros leões do bando porque os leões praticam a poligamia patriarcal e é necessário competir, lutar para ganhar ou perder, a chance de se acasalar com todas aquelas fêmeas do bando. Para ser o "macho alfa" do bando o leão terá que ser o mais corajoso dentre todos os leões daquele território porque terá que enfrentar todos os outros machos que também pretendem essas mesmas leoas e apenas um leão é eleito pelas fêmeas o "macho alfa" que terá o direito de cobrir todas as leoas do bando enquanto que os perdedores não se reproduzem.
  • 35. COMPETIÇÃO Além de ter que ganhar a luta com todos os outros leões do bando, o "macho alfa" campeão nessas lutas tem também que exibir seu urro forte para impressionar as leoas, exibir sua juba linda, suas garras afiadas, exibir vigor físico e autoridade superior, tudo isso para poder ser eleito e aceito pelas leoas que também têm lá seus critérios de avaliação pois são elas que elegem quem será o novo "macho alfa" que terá o direito de se acasalar com todas elas. Nessas competições os leões derrotados podem inclusive se vingar do "macho alfa" e matar todos os filhotes dele, para com isso tirá-lo do poder e estimular novamente o cio das fêmeas para que outro "macho alfa" seja eleito e tenha a chance de acasalar e obter a sua própria descendência.
  • 37. COMPETIÇÃO Outros exemplos semelhantes são os galos que competem entre si usando suas esporas uns contra os outros, carneiros competem lutando com cabeçadas, aranhas lutam com venenos, o pavão exibe a sua cauda esplêndida para competir com as caudas dos outros pavões, sapos competem entre si usando o coaxar e ainda exibem o peito colorido e inflado, pássaros canoros competem entre si exibindo o canto afinado e as cores da plumagem, vagalumes competem exibindo as suas luzes no escuro, os grilos competem exibindo seus sons à noite etc...