SlideShare uma empresa Scribd logo
O nome artrópode vem do grego: arthron =
articulação e podos = a pés; isto é, invertebrados
que se locomovem por patas articuladas.
☺ É maior filo do reino animal;


in Gallavotti, B. 1997. Segredos da Vida. DoGi. Itália.
Figura 1. Gráfico com o número de todas as espécies conhecidas no planeta e a proporção dos grandes grupos
em relação ao total (Fonte: Grimaldi & Engel, 2005).
☺ Vivem no meio aquático, terrestre e
aéreo;
Todos os artrópodes apresentam
exoesqueleto quitinoso (isto é, uma
armadura externa feita de quitina, tem
sistema digestivo completo, sistema
circulatório aberto, metameria e
simetria bilateral. A classificação é
descrita abaixo):
FILO: Atropoda
SUB FILO: Uniramia (mandíbulas, um par de antenas,
apêndices unirramados, isto é, sem ramificação)
CLASSE: Insecta
CLASSE: Quilópoda
CLASSE: Diplópoda
SUB FILO: Crustácea (com mandíbulas, dois pares de
antenas e apêndices com ramificações)
CLASSE: Crustáceos
SUB FILO: Quelicerata
CLASSE: Araquinidea
CLASSE: Crustácea

       São dotados de cefalotórax e
abdome, dois pares de antenas, cinco
pares de patas locomotoras no
cefalotórax, geralmente com apêndices
abdominais.
DIVERSIDADE ENTRE OS CRUSTÁCEOS

    O tatuzinho do jardim pode ser considerado
terrestre, porém somente pode viver sob pedras,
folhas em decomposição ou outros lugares onde
a umidade relativa do ar é praticamente 100%.
Caranguejos e siris podem afastar-se da água
nas câmaras branquiais.
Capturado em 2009 no Oceano Pacífico, o caranguejo-aranha-gigante (Macrocheira kaempferi),

         originário do Japão, tem 40 anos e mede 4 metros, com as patas esticadas.
Existem grupos de crustáceos marinhos
chamados de cracas que são sésseis, isto é,
vivem fixos a substratos submersos.
Outros se locomovem livremente, habitando
tocas nas rochas como lagostas, (por exemplo)
ou explorando o lodo marinho (camarões).
Com relação aos hábitos alimentares
☺ Alguns crustáceos são filtradores (cracas) isto
é, retiram alimentos em suspensão na água.
☺ Outros se nutrem de animais mortos ou
indefesos (siris, camarões, etc...).
☺ Os crustáceos são economicamente
importantes, pois há inúmeras espécies que nos
servem       de     alimentos,     constituindo
apreciadíssimos cardápios: camarões, siris, entre
outros constituem internacionalmente finas
iguarias.
☺ Do ponto de vista ecológico, microcrustáceos
que constituem o zooplâncton servem de
alimento a muitas espécies de peixes e as
grandes baleias.
O bathynomus parece
um tatuí gigante, mas
 é um grande isópode
     (do grupo dos
  crustáceos). Vivem
      no fundo dos
        oceanos,
    alimentando-se
   principalmente de
baleias mortas, lulas e

       peixes
CLASSE: Insecta

   Os insetos constituem a classe mais
conhecida do filo, e com boas razões,
existem insetos vivendo em todos os
ambientes, exceto no mar.
Sem apêndices abdominais. São divididos em:
                                  1 par de antenas

                                       Cabeça

                                        Tórax
3 pares de patas

                                        Abdome
Cabeça


Tórax


Abdômen
DIVERSIDADE ENTRE OS INSETOS

      A classe Insecta engloba uma
incrível diversidade de formas de vida.
Há desde insetos que não possuem asas
até os que possuem dois pares de asas
especializadíssimas, como é o caso das
abelhas, cujas asas chegam a vibrar
300 vezes por segundo.
São os únicos invertebrados capazes
de voar. Alguns insetos podem viver
em sociedade, isto é, um grupo de
indivíduos que vivem em sociedade de
forma     organizada,     auxiliando-se
mutuamente. As sociedades das
abelhas vivem em colméias.
Numa colméia, vivem milhares de abelhas, filhas de uma
mesma mãe, a rainha, única fêmea fértil. Dos ovos postos pela
rainha no interior dos alvéolos, nascem larvas que vão dar dois
tipos de abelhas: fêmeas, que se organizam de óvulos
fecundados, e machos ou zangões, de óvulos não fecundados.
Uma rainha só nasce de um óvulo fecundado cuja larva é
alimentada com geléia real elaborada pelas abelhas operárias.
Estas formam o maior conjunto dentro da colméia e são todas
fêmeas estéreis, encarregadas de montar sentinelas na entrada da
"casa", construir os alvéolos, coletar pólen e néctar das flores,
limpar a "casa" e alimentar as larvas. Para se defender, as abelhas
possuem um ferrão na extremidade do abdome. Esse ferrão é
ligado a uma glândula produtora de veneno. Os zangões não têm
ferrão, apenas as rainhas e operarias.
Colméia
Formigas
Cupim
METAMORFOSE DOS INSETOS


    Os insetos podem passar por diversos
estágios antes de se tornarem adultos. As
transformações pelas quais eles passam são
denominadas metamorfose. Há três
possibilidades quanto á presença ou não da
metamorfose.
☺ Metamorfose Incompleta: o animal passa
pelos estágios de ovo → ninfa → adulto.
Exemplo: gafanhotos, baratas, piolhos, cupins
etc.
☺      Metamorfose
Completa: o animal
passa pelos estágios
de ovo → larva →
pupa   →     adulto.
Exemplo:    moscas,
abelhas, borboletas.
☺ Ausência de Metamorfose: do ovo já se
desenvolve um pequeno inseto, semelhante ao
adulto, sem passar por fases intermediárias. É o
caso das traças dos livros.
Ecdise
A Entomologia e sua importância


    A Entomologia (do grego entomom, inseto e
logos, ciência) é o estudo dos insetos, e sua
importância prende-se a uma série de fatos.
   Os insetos podem ser transmitidos de agentes
causadores de várias doenças.
O percevejo conhecido pelo nome de barbeiro
pode transmitir o tripanossomo, responsável pela
doença de Chagas.
O mosquito Anoféles transmite o plasmódio
da malária.
O mosquito do gênero Aedes aegypti
transmite o vírus da dengue.
Há insetos que podem destruir grande parte de
uma produção agrícola.
Os danos causados pelas formigas, pelos
gafanhotos e pelas lagartas de certas borboletas
preocupam o agricultor, que, por falta de
informação, apela para o uso de inseticidas para
exterminá-los. Porém, o lavrador, ao proteger
suas plantações com o uso de inseticidas, pode
estar causando sérios prejuízos a fruticultores
vizinhos, donos de extensos pomares, que
poderão ter suas colheitas diminuídas, devido à
morte dos insetos polinizadores.
Há os insetos que atacam os cereais
armazenados (milho, feijão). Como exemplo,
temos o caruncho.
Frutas como a goiaba, o pêssego e outras,
quando não são convenientemente protegidas,
tornam-se inadequadas para o consumo humano,
pois nelas podem se desenvolver larvas de
insetos.
Mas entre os insetos, também podemos citar:

☺ A abelha, que produz o mel, a cera e colabora
na polinização das flores;
☺ O bicho-da-seda, que tece seus casulos, dos
quais se obtém a seda
☺Certas joaninhas, que se alimentam de outros
insetos, como os pulgões das plantas.
CLASSE: Arachnida
     Sem antenas, sem apêndices abdominais,
corpo dividido em:
Importância dos
  Artrópodes
Polinizadores
Pragas agrícolas
Geléia Real, mel e própolis
Seda
Causam doenças
Controle Biológico
Libélula come o mosquito da
           dengue
Acidentes causados por
artrópodes que podem lavar
       até a morte
Podem matar
As centopéias comem moluscos,
vermes e insetos, matando-os com suas
garras venenosas. A centopéia caça seu
  alimento de noite. Nos trópicos, há
 algumas centopéias cuja picada pode
  ser muito perigosa para o homem.
Esta é a segunda da lista!
É a aranha funil australiana, que possui
um veneno capaz de matar uma pessoa
  com menos de 60 kg em apenas 20
                minutos!
        Vive só na Austrália!
É o quarto animal venenoso da lista!
 Como vocês já devem saber é a aranha viúva
negra, que possui um veneno tão letal que mata
            um animal com 150 kg!
É muito perigosa e encontra-se espalhada pelo
  mundo e mata uma pessoa em 10 minutos!
Veneno: 15 vezes
mais potente do que o
 da cobra cascavel,
  podendo mesmo
 causar a morte de
     humanos.
Este é o terceiro da lista!
   É o escorpião morte rastejante, com
 capacidade para matar um homem adulto
com cerca de 70 kg em apenas 15 minutos!
        Vive no norte de África!
A armadeira, também conhecida como
aranha macaco ou aranha de bananeira, é a
 designação comum às aranhas do gênero
Phoneutria (do grego phoneútria: da família
 dos ctenídeos. O nome comum armadeira
  vem da sua atitude invariável de ataque,
     com as patas dianteiras erguidas.
Características
Originárias da região sul-americana, com um corpo de 3,5 cm a 5
cm e as pernas até 17 cm de envergadura (fêmea). São altamente
   agressivas e peçonha neurotóxico muito potente qual apenas
 0,006 mg é suficiente para matar um rato.      Freqüentemente
entram em habitações humanas a procura de alimento, parceiros
  sexuais ou mesmo abrigo se escondendo em roupas e sapatos.
    Quando incomodadas, picam furiosamente diversas vezes e
 centenas de acidentes envolvendo essas espécie são registrados
   anualmente são responsáveis por aproximadamente 42% dos
      casos de picadas por aracnídeos notificados no Brasil.
São uma das aranhas mais venenosas do mundo.
  No Brasil é a segunda aranha mais perigosa,
   perdendo apenas para a Aranha-marrom.
                    Veneno
Causam acidentes que nem se
        imaginam
Uma das suspeitas de ter causado o acidente é a
belezinha aí abaixo, a Spider Camel (Aranha Camelo),
  um grande aracnídeo muito comum no Afeganistão.
Houve outro caso da mesma aranha ter sido encontrada
  no cockpit de um F-16 estacionado perto do deserto.
  Em uma carta anexa ao relatório de investigação do
  acidente, o Ministério da Defesa Holandês anunciou
uma medida padrão para checar o cockpit de cada avião
antes do vôo, especialmente para a presença de insetos,
 aracnídeos ou outros animais, se o canopi ficar aberto
            por um longo período de tempo.
                         Fonte:
http://www.aereo.jor.br/2008/09/21/aranha-no-cockpit/
Curiosidades
O mimetismo é comumente confundido com a camuflagem. No
entanto, a distinção entre esses processos se dá pelo fato de que o
   mimetismo consiste na semelhança com um organismo em
 específico, enquanto a camuflagem ocorre quando determinado
  organismo possui um padrão de coloração semelhante ao seu
      entorno, dificultando sua detecção. Apesar de ser uma
     classificação um tanto subjetiva e sujeita a alguns casos
intermediários, podemos perceber que mimetismo e camuflagem
   constituem estratégias distintas. No caso da camuflagem o
organismo evita a detecção, enquanto no mimetismo o organismo
   é detectado, mas o organismo-alvo o confunde com outro.
Da ordem Neuroptera, Mantispidae é uma família de pequenos
   insetos alados, conhecidos como mantidflies, e mantispids,
 existem cerca de 400 espécies em todo o mundo, especialmente
 nos trópicos. Medem cerca de 50mm de comprimento, e 30mm
    até 150mm de envargudura , que pode variar de tamanho
                     dependendo da espécie.
São caçadores ativos, o nome Mantis vem da sua aparência com o
 Louva-a-Deus, suas patas dianteiras raptoriais são modificadas
  para capturar pequenos insetos, semelhante ao Louva-a-Deus.
  Suas cores normalmentes são o verde e o marrom, e as vezes
      amarelo e rosa. Possuem 4 asas membranosas, claras e
                        transparentes.
Moscas-das-
  flores (Família
    Syrphidae):
 As moscas-das-
flores são moscas
     da Família
Syrphidae que se
   alimentam de
       polém.
    Mimetizam
vespas e abelhas.
Besouros:
Esse besouro da espécie (Hesthesis
  bizonata), família Cerambycidae,
 subfamlía Cerambycinae é um dos
raros besouros que mimetizam uma
 vespa. É encontrado na Áustralia:
Não é nenhuma espécie de vespa e nem de louva-a-deu. É uma espécie de
Mantispidae, a Climaciella brunnea ou Wasp Mantidfly, que mimetiza uma
Vespa. Achei fotos dessa espécie na internet, e na minha opinião é um dos
                 insetos mais fascinantes desse universo.
Mariposas:
Até as mariposas mimetizam vespas, a
mariposa da espécie(Sesia Apiformis)
           é um exemplo.
Insetos da família Membracidae
   (membracídeos) constituem um grupo
 relacionado com as cigarras e cigarrinhas.
   São facimente encontrados em grandes
    quantidades em galhos de árvores, se
  alimentam das seivas das árvores, vivem
    principalmente nas regiões tropicais.
   Alguns membracídeos adaptaram-se ao
clima temperado. Devido suas cores , e seu
  gosto ruim , não tem muitos predadores.
Phromnia Rosea - Olhando rápido pode parecer que este
tronco está com algum tipo de fungo ou frutas coloridas.
Mas olhando bem você vai ver que são vários insetos ali.
O segredo deste animais é sua organização quase militar em
termos de posicionamento. Vistos a distância, eles parecem
ser um único conjunto de folhas. Este animal é nativo das
florestas de Madagascar.O interessante é que as ninfas deste
inseto também são exímias peritas na arte do disfarce.
Olhando rápido pode parecer uma
   singela floração ou algum tipo de
 fungo parasita na árvore mas de perto
vemos que se trata das ninfas do inseto
     e sua engenhosa camuflagem.
A ave que avançar contra o percevejo
nesta flor de maracujá pode ser atraída
pela vibração dos penachos rubros nas
 patas do inseto - com isso, ele tenta
desviar o predador para órgãos menos
    vitais. Anisocelis flavolineata
  (percevejo); Passiflora sp. (flor de
              marucujá).
A ninfa do percevejo Hyalymenus (de cabeça
   para baixo) evoluiu de modo a mimetizar a
aparência e o comportamento de formigas que se
  alimentam de seiva, criaturas capazes de dar
    ferroadas e lançar toxinas. Predadores que
   evitam essas formigas se mantêm longe dos
  impostores. O risco: quando notam as ninfas
      entre elas, as formigas logo as atacam.
     Ninfa Hyalymenus sp. (mimetizadora de
       formiga); Ectatomma sp. (formiga)
Bicho folha.
  (Phillidae) O
nome já diz tudo,
né? Nos EUA são
  chamados de
  folhas vivas.
Esta família de insetos é bem vasta e
 variada, compreendendo animais que
   se assemelham a diversos tipos de
 folhas. A simulação chega a um grau
  de perfeição que as “folhas” contém
lesões e recortes nas bordas, como uma
   folha de verdade que foi roída ou
           atacada por fungos.
Esta aqui é a borboleta folha do tipo encontrado na serra do Japi, em SP. Incrível, né?
Artropodes

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Reino animal
Reino animalReino animal
7º ano cap 23 mamíferos
7º ano cap 23  mamíferos7º ano cap 23  mamíferos
7º ano cap 23 mamíferos
ISJ
 
Aula de Biologia: Reino Animalia - Filos dos Invertebrados. 2º ano EM
Aula de Biologia: Reino Animalia - Filos dos Invertebrados. 2º ano EMAula de Biologia: Reino Animalia - Filos dos Invertebrados. 2º ano EM
Aula de Biologia: Reino Animalia - Filos dos Invertebrados. 2º ano EM
Ronaldo Santana
 
Gimnosperma e angiosperma
Gimnosperma e angiospermaGimnosperma e angiosperma
Gimnosperma e angiosperma
LarissaVian
 
Zoologia: Platelmintos
Zoologia: PlatelmintosZoologia: Platelmintos
Zoologia: Platelmintos
Guilherme Orlandi Goulart
 
Aula 7º ano - Os cinco reinos dos seres vivos/ Reino Monera
Aula 7º ano - Os cinco reinos dos seres vivos/ Reino MoneraAula 7º ano - Os cinco reinos dos seres vivos/ Reino Monera
Aula 7º ano - Os cinco reinos dos seres vivos/ Reino Monera
Leonardo Kaplan
 
Slides da aula de Biologia (Renato) Anatofisiologia Vegetal
Slides da aula de Biologia (Renato) Anatofisiologia VegetalSlides da aula de Biologia (Renato) Anatofisiologia Vegetal
Slides da aula de Biologia (Renato) Anatofisiologia Vegetal
Turma Olímpica
 
Aula 7º ano - Reino Animalia (Vertebrados)
Aula 7º ano - Reino Animalia (Vertebrados)Aula 7º ano - Reino Animalia (Vertebrados)
Aula 7º ano - Reino Animalia (Vertebrados)
Leonardo Kaplan
 
Insetos
InsetosInsetos
Insetos
leilarosana
 
Artropodes
ArtropodesArtropodes
Sistema excretor - Animais invertebrados e vertebrados
Sistema excretor - Animais invertebrados e vertebradosSistema excretor - Animais invertebrados e vertebrados
Sistema excretor - Animais invertebrados e vertebrados
DANIEL SANTANA DA SILVA ARAÚJO
 
III.2 Platelmintos e Nematelmintos
III.2 Platelmintos e NematelmintosIII.2 Platelmintos e Nematelmintos
III.2 Platelmintos e Nematelmintos
Rebeca Vale
 
Manual de coleta de insetos
Manual de coleta de insetosManual de coleta de insetos
Manual de coleta de insetos
Valdi Neto
 
Morfologia externa tórax e abdome
Morfologia externa   tórax e abdomeMorfologia externa   tórax e abdome
Morfologia externa tórax e abdome
Universidade Federal do Oeste Pará
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
Killer Max
 
Reprodução Artificial de Peixes
Reprodução Artificial de PeixesReprodução Artificial de Peixes
Reprodução Artificial de Peixes
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Biologia - Artropodes
Biologia - ArtropodesBiologia - Artropodes
Biologia - Artropodes
Estude Mais
 
Sistema digestório
Sistema digestórioSistema digestório
Sistemas circulatórios dos animais: uma comparação
Sistemas circulatórios dos animais: uma comparaçãoSistemas circulatórios dos animais: uma comparação
Sistemas circulatórios dos animais: uma comparação
00367p
 
Anatomia e Fisiologia dos Artrópodes
Anatomia e Fisiologia dos ArtrópodesAnatomia e Fisiologia dos Artrópodes
Anatomia e Fisiologia dos Artrópodes
Killer Max
 

Mais procurados (20)

Reino animal
Reino animalReino animal
Reino animal
 
7º ano cap 23 mamíferos
7º ano cap 23  mamíferos7º ano cap 23  mamíferos
7º ano cap 23 mamíferos
 
Aula de Biologia: Reino Animalia - Filos dos Invertebrados. 2º ano EM
Aula de Biologia: Reino Animalia - Filos dos Invertebrados. 2º ano EMAula de Biologia: Reino Animalia - Filos dos Invertebrados. 2º ano EM
Aula de Biologia: Reino Animalia - Filos dos Invertebrados. 2º ano EM
 
Gimnosperma e angiosperma
Gimnosperma e angiospermaGimnosperma e angiosperma
Gimnosperma e angiosperma
 
Zoologia: Platelmintos
Zoologia: PlatelmintosZoologia: Platelmintos
Zoologia: Platelmintos
 
Aula 7º ano - Os cinco reinos dos seres vivos/ Reino Monera
Aula 7º ano - Os cinco reinos dos seres vivos/ Reino MoneraAula 7º ano - Os cinco reinos dos seres vivos/ Reino Monera
Aula 7º ano - Os cinco reinos dos seres vivos/ Reino Monera
 
Slides da aula de Biologia (Renato) Anatofisiologia Vegetal
Slides da aula de Biologia (Renato) Anatofisiologia VegetalSlides da aula de Biologia (Renato) Anatofisiologia Vegetal
Slides da aula de Biologia (Renato) Anatofisiologia Vegetal
 
Aula 7º ano - Reino Animalia (Vertebrados)
Aula 7º ano - Reino Animalia (Vertebrados)Aula 7º ano - Reino Animalia (Vertebrados)
Aula 7º ano - Reino Animalia (Vertebrados)
 
Insetos
InsetosInsetos
Insetos
 
Artropodes
ArtropodesArtropodes
Artropodes
 
Sistema excretor - Animais invertebrados e vertebrados
Sistema excretor - Animais invertebrados e vertebradosSistema excretor - Animais invertebrados e vertebrados
Sistema excretor - Animais invertebrados e vertebrados
 
III.2 Platelmintos e Nematelmintos
III.2 Platelmintos e NematelmintosIII.2 Platelmintos e Nematelmintos
III.2 Platelmintos e Nematelmintos
 
Manual de coleta de insetos
Manual de coleta de insetosManual de coleta de insetos
Manual de coleta de insetos
 
Morfologia externa tórax e abdome
Morfologia externa   tórax e abdomeMorfologia externa   tórax e abdome
Morfologia externa tórax e abdome
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
 
Reprodução Artificial de Peixes
Reprodução Artificial de PeixesReprodução Artificial de Peixes
Reprodução Artificial de Peixes
 
Biologia - Artropodes
Biologia - ArtropodesBiologia - Artropodes
Biologia - Artropodes
 
Sistema digestório
Sistema digestórioSistema digestório
Sistema digestório
 
Sistemas circulatórios dos animais: uma comparação
Sistemas circulatórios dos animais: uma comparaçãoSistemas circulatórios dos animais: uma comparação
Sistemas circulatórios dos animais: uma comparação
 
Anatomia e Fisiologia dos Artrópodes
Anatomia e Fisiologia dos ArtrópodesAnatomia e Fisiologia dos Artrópodes
Anatomia e Fisiologia dos Artrópodes
 

Semelhante a Artropodes

2401 Insetos
2401 Insetos2401 Insetos
2401 Insetos
lilian.moreira
 
O Mundo dos Insectos
O Mundo dos InsectosO Mundo dos Insectos
O Mundo dos Insectos
momomizzy
 
As formigas
As formigasAs formigas
As formigas
Rita Arantes
 
Guia de Bolso Animais Peçonhentos Digital.pdf
Guia de Bolso Animais Peçonhentos Digital.pdfGuia de Bolso Animais Peçonhentos Digital.pdf
Guia de Bolso Animais Peçonhentos Digital.pdf
gilpires721
 
Insetos paola
Insetos paolaInsetos paola
Insetos paola
fonicia
 
Resumo: Filo Artrópodes
Resumo: Filo ArtrópodesResumo: Filo Artrópodes
Resumo: Filo Artrópodes
Universidade Estadual de Maringá
 
Aracnideos
AracnideosAracnideos
Guia de campo insetos
Guia de campo insetosGuia de campo insetos
Guia de campo insetos
Emerson Silva
 
Artrópodes.ppt
Artrópodes.pptArtrópodes.ppt
Artrópodes.ppt
Raquel Souza
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
Gabrielgsantos
 
A Classe dos Insetos - Biologia
A Classe dos Insetos - BiologiaA Classe dos Insetos - Biologia
A Classe dos Insetos - Biologia
João Quadros
 
Ambiente terrestre i
Ambiente terrestre  iAmbiente terrestre  i
Ambiente terrestre i
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Morcegos 2º D
Morcegos 2º DMorcegos 2º D
Animais invertebrdos e vertebrados
Animais invertebrdos e vertebradosAnimais invertebrdos e vertebrados
Animais invertebrdos e vertebrados
SESI 422 - Americana
 
Morcegos ana rita 5 f
Morcegos ana rita 5 fMorcegos ana rita 5 f
Morcegos ana rita 5 f
davidjpereira
 
Ddasa 11-97015-1919-curiosidades mundo animal-2017
Ddasa 11-97015-1919-curiosidades mundo animal-2017Ddasa 11-97015-1919-curiosidades mundo animal-2017
Ddasa 11-97015-1919-curiosidades mundo animal-2017
Bill Andersen
 
Fauna Auxiliar.pdf
Fauna Auxiliar.pdfFauna Auxiliar.pdf
Fauna Auxiliar.pdf
NelsonFernandes140519
 
Répteis
 Répteis Répteis
Répteis
Edézio Miranda
 
Artópodes
ArtópodesArtópodes
Artópodes
Erick Rinald
 
Animais
AnimaisAnimais
Animais
wagneripo
 

Semelhante a Artropodes (20)

2401 Insetos
2401 Insetos2401 Insetos
2401 Insetos
 
O Mundo dos Insectos
O Mundo dos InsectosO Mundo dos Insectos
O Mundo dos Insectos
 
As formigas
As formigasAs formigas
As formigas
 
Guia de Bolso Animais Peçonhentos Digital.pdf
Guia de Bolso Animais Peçonhentos Digital.pdfGuia de Bolso Animais Peçonhentos Digital.pdf
Guia de Bolso Animais Peçonhentos Digital.pdf
 
Insetos paola
Insetos paolaInsetos paola
Insetos paola
 
Resumo: Filo Artrópodes
Resumo: Filo ArtrópodesResumo: Filo Artrópodes
Resumo: Filo Artrópodes
 
Aracnideos
AracnideosAracnideos
Aracnideos
 
Guia de campo insetos
Guia de campo insetosGuia de campo insetos
Guia de campo insetos
 
Artrópodes.ppt
Artrópodes.pptArtrópodes.ppt
Artrópodes.ppt
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
 
A Classe dos Insetos - Biologia
A Classe dos Insetos - BiologiaA Classe dos Insetos - Biologia
A Classe dos Insetos - Biologia
 
Ambiente terrestre i
Ambiente terrestre  iAmbiente terrestre  i
Ambiente terrestre i
 
Morcegos 2º D
Morcegos 2º DMorcegos 2º D
Morcegos 2º D
 
Animais invertebrdos e vertebrados
Animais invertebrdos e vertebradosAnimais invertebrdos e vertebrados
Animais invertebrdos e vertebrados
 
Morcegos ana rita 5 f
Morcegos ana rita 5 fMorcegos ana rita 5 f
Morcegos ana rita 5 f
 
Ddasa 11-97015-1919-curiosidades mundo animal-2017
Ddasa 11-97015-1919-curiosidades mundo animal-2017Ddasa 11-97015-1919-curiosidades mundo animal-2017
Ddasa 11-97015-1919-curiosidades mundo animal-2017
 
Fauna Auxiliar.pdf
Fauna Auxiliar.pdfFauna Auxiliar.pdf
Fauna Auxiliar.pdf
 
Répteis
 Répteis Répteis
Répteis
 
Artópodes
ArtópodesArtópodes
Artópodes
 
Animais
AnimaisAnimais
Animais
 

Mais de Valentina Queiroz

Poríferos
PoríferosPoríferos
Poríferos
Valentina Queiroz
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
Valentina Queiroz
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
Valentina Queiroz
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
Valentina Queiroz
 
Vírus
VírusVírus
Caleidoscópio e Optica
Caleidoscópio e OpticaCaleidoscópio e Optica
Caleidoscópio e Optica
Valentina Queiroz
 
Cultura afro descendente
Cultura afro descendenteCultura afro descendente
Cultura afro descendente
Valentina Queiroz
 
Lipídios
LipídiosLipídios
Conflitos geograficos III
Conflitos geograficos IIIConflitos geograficos III
Conflitos geograficos III
Valentina Queiroz
 

Mais de Valentina Queiroz (9)

Poríferos
PoríferosPoríferos
Poríferos
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
 
Vírus
VírusVírus
Vírus
 
Caleidoscópio e Optica
Caleidoscópio e OpticaCaleidoscópio e Optica
Caleidoscópio e Optica
 
Cultura afro descendente
Cultura afro descendenteCultura afro descendente
Cultura afro descendente
 
Lipídios
LipídiosLipídios
Lipídios
 
Conflitos geograficos III
Conflitos geograficos IIIConflitos geograficos III
Conflitos geograficos III
 

Último

O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdfTrabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
erico paulo rocha guedes
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.pptESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
maria-oliveira
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdfTrabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.pptESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 

Artropodes

  • 1.
  • 2. O nome artrópode vem do grego: arthron = articulação e podos = a pés; isto é, invertebrados que se locomovem por patas articuladas.
  • 3. ☺ É maior filo do reino animal; in Gallavotti, B. 1997. Segredos da Vida. DoGi. Itália.
  • 4. Figura 1. Gráfico com o número de todas as espécies conhecidas no planeta e a proporção dos grandes grupos em relação ao total (Fonte: Grimaldi & Engel, 2005).
  • 5. ☺ Vivem no meio aquático, terrestre e aéreo;
  • 6. Todos os artrópodes apresentam exoesqueleto quitinoso (isto é, uma armadura externa feita de quitina, tem sistema digestivo completo, sistema circulatório aberto, metameria e simetria bilateral. A classificação é descrita abaixo):
  • 7. FILO: Atropoda SUB FILO: Uniramia (mandíbulas, um par de antenas, apêndices unirramados, isto é, sem ramificação) CLASSE: Insecta CLASSE: Quilópoda CLASSE: Diplópoda SUB FILO: Crustácea (com mandíbulas, dois pares de antenas e apêndices com ramificações) CLASSE: Crustáceos SUB FILO: Quelicerata CLASSE: Araquinidea
  • 8.
  • 9. CLASSE: Crustácea São dotados de cefalotórax e abdome, dois pares de antenas, cinco pares de patas locomotoras no cefalotórax, geralmente com apêndices abdominais.
  • 10. DIVERSIDADE ENTRE OS CRUSTÁCEOS O tatuzinho do jardim pode ser considerado terrestre, porém somente pode viver sob pedras, folhas em decomposição ou outros lugares onde a umidade relativa do ar é praticamente 100%.
  • 11.
  • 12. Caranguejos e siris podem afastar-se da água nas câmaras branquiais.
  • 13. Capturado em 2009 no Oceano Pacífico, o caranguejo-aranha-gigante (Macrocheira kaempferi), originário do Japão, tem 40 anos e mede 4 metros, com as patas esticadas.
  • 14. Existem grupos de crustáceos marinhos chamados de cracas que são sésseis, isto é, vivem fixos a substratos submersos.
  • 15. Outros se locomovem livremente, habitando tocas nas rochas como lagostas, (por exemplo) ou explorando o lodo marinho (camarões).
  • 16. Com relação aos hábitos alimentares ☺ Alguns crustáceos são filtradores (cracas) isto é, retiram alimentos em suspensão na água.
  • 17. ☺ Outros se nutrem de animais mortos ou indefesos (siris, camarões, etc...).
  • 18. ☺ Os crustáceos são economicamente importantes, pois há inúmeras espécies que nos servem de alimentos, constituindo apreciadíssimos cardápios: camarões, siris, entre outros constituem internacionalmente finas iguarias.
  • 19. ☺ Do ponto de vista ecológico, microcrustáceos que constituem o zooplâncton servem de alimento a muitas espécies de peixes e as grandes baleias.
  • 20. O bathynomus parece um tatuí gigante, mas é um grande isópode (do grupo dos crustáceos). Vivem no fundo dos oceanos, alimentando-se principalmente de baleias mortas, lulas e peixes
  • 21. CLASSE: Insecta Os insetos constituem a classe mais conhecida do filo, e com boas razões, existem insetos vivendo em todos os ambientes, exceto no mar.
  • 22. Sem apêndices abdominais. São divididos em: 1 par de antenas Cabeça Tórax 3 pares de patas Abdome
  • 24.
  • 25. DIVERSIDADE ENTRE OS INSETOS A classe Insecta engloba uma incrível diversidade de formas de vida. Há desde insetos que não possuem asas até os que possuem dois pares de asas especializadíssimas, como é o caso das abelhas, cujas asas chegam a vibrar 300 vezes por segundo.
  • 26. São os únicos invertebrados capazes de voar. Alguns insetos podem viver em sociedade, isto é, um grupo de indivíduos que vivem em sociedade de forma organizada, auxiliando-se mutuamente. As sociedades das abelhas vivem em colméias.
  • 27. Numa colméia, vivem milhares de abelhas, filhas de uma mesma mãe, a rainha, única fêmea fértil. Dos ovos postos pela rainha no interior dos alvéolos, nascem larvas que vão dar dois tipos de abelhas: fêmeas, que se organizam de óvulos fecundados, e machos ou zangões, de óvulos não fecundados. Uma rainha só nasce de um óvulo fecundado cuja larva é alimentada com geléia real elaborada pelas abelhas operárias. Estas formam o maior conjunto dentro da colméia e são todas fêmeas estéreis, encarregadas de montar sentinelas na entrada da "casa", construir os alvéolos, coletar pólen e néctar das flores, limpar a "casa" e alimentar as larvas. Para se defender, as abelhas possuem um ferrão na extremidade do abdome. Esse ferrão é ligado a uma glândula produtora de veneno. Os zangões não têm ferrão, apenas as rainhas e operarias.
  • 29.
  • 31. Cupim
  • 32. METAMORFOSE DOS INSETOS Os insetos podem passar por diversos estágios antes de se tornarem adultos. As transformações pelas quais eles passam são denominadas metamorfose. Há três possibilidades quanto á presença ou não da metamorfose.
  • 33. ☺ Metamorfose Incompleta: o animal passa pelos estágios de ovo → ninfa → adulto. Exemplo: gafanhotos, baratas, piolhos, cupins etc.
  • 34. Metamorfose Completa: o animal passa pelos estágios de ovo → larva → pupa → adulto. Exemplo: moscas, abelhas, borboletas.
  • 35. ☺ Ausência de Metamorfose: do ovo já se desenvolve um pequeno inseto, semelhante ao adulto, sem passar por fases intermediárias. É o caso das traças dos livros.
  • 37. A Entomologia e sua importância A Entomologia (do grego entomom, inseto e logos, ciência) é o estudo dos insetos, e sua importância prende-se a uma série de fatos. Os insetos podem ser transmitidos de agentes causadores de várias doenças.
  • 38. O percevejo conhecido pelo nome de barbeiro pode transmitir o tripanossomo, responsável pela doença de Chagas.
  • 39. O mosquito Anoféles transmite o plasmódio da malária.
  • 40. O mosquito do gênero Aedes aegypti transmite o vírus da dengue.
  • 41. Há insetos que podem destruir grande parte de uma produção agrícola.
  • 42. Os danos causados pelas formigas, pelos gafanhotos e pelas lagartas de certas borboletas preocupam o agricultor, que, por falta de informação, apela para o uso de inseticidas para exterminá-los. Porém, o lavrador, ao proteger suas plantações com o uso de inseticidas, pode estar causando sérios prejuízos a fruticultores vizinhos, donos de extensos pomares, que poderão ter suas colheitas diminuídas, devido à morte dos insetos polinizadores.
  • 43. Há os insetos que atacam os cereais armazenados (milho, feijão). Como exemplo, temos o caruncho.
  • 44. Frutas como a goiaba, o pêssego e outras, quando não são convenientemente protegidas, tornam-se inadequadas para o consumo humano, pois nelas podem se desenvolver larvas de insetos.
  • 45. Mas entre os insetos, também podemos citar: ☺ A abelha, que produz o mel, a cera e colabora na polinização das flores;
  • 46. ☺ O bicho-da-seda, que tece seus casulos, dos quais se obtém a seda
  • 47. ☺Certas joaninhas, que se alimentam de outros insetos, como os pulgões das plantas.
  • 48.
  • 49. CLASSE: Arachnida Sem antenas, sem apêndices abdominais, corpo dividido em:
  • 50. Importância dos Artrópodes
  • 53.
  • 54.
  • 55.
  • 56.
  • 57. Geléia Real, mel e própolis
  • 58. Seda
  • 59.
  • 60.
  • 61.
  • 62.
  • 64.
  • 65.
  • 66.
  • 68.
  • 69.
  • 70.
  • 71.
  • 72.
  • 73.
  • 74. Libélula come o mosquito da dengue
  • 75. Acidentes causados por artrópodes que podem lavar até a morte
  • 77.
  • 78.
  • 79. As centopéias comem moluscos, vermes e insetos, matando-os com suas garras venenosas. A centopéia caça seu alimento de noite. Nos trópicos, há algumas centopéias cuja picada pode ser muito perigosa para o homem.
  • 80.
  • 81.
  • 82. Esta é a segunda da lista! É a aranha funil australiana, que possui um veneno capaz de matar uma pessoa com menos de 60 kg em apenas 20 minutos! Vive só na Austrália!
  • 83.
  • 84. É o quarto animal venenoso da lista! Como vocês já devem saber é a aranha viúva negra, que possui um veneno tão letal que mata um animal com 150 kg! É muito perigosa e encontra-se espalhada pelo mundo e mata uma pessoa em 10 minutos!
  • 85. Veneno: 15 vezes mais potente do que o da cobra cascavel, podendo mesmo causar a morte de humanos.
  • 86.
  • 87. Este é o terceiro da lista! É o escorpião morte rastejante, com capacidade para matar um homem adulto com cerca de 70 kg em apenas 15 minutos! Vive no norte de África!
  • 88.
  • 89.
  • 90. A armadeira, também conhecida como aranha macaco ou aranha de bananeira, é a designação comum às aranhas do gênero Phoneutria (do grego phoneútria: da família dos ctenídeos. O nome comum armadeira vem da sua atitude invariável de ataque, com as patas dianteiras erguidas.
  • 91. Características Originárias da região sul-americana, com um corpo de 3,5 cm a 5 cm e as pernas até 17 cm de envergadura (fêmea). São altamente agressivas e peçonha neurotóxico muito potente qual apenas 0,006 mg é suficiente para matar um rato. Freqüentemente entram em habitações humanas a procura de alimento, parceiros sexuais ou mesmo abrigo se escondendo em roupas e sapatos. Quando incomodadas, picam furiosamente diversas vezes e centenas de acidentes envolvendo essas espécie são registrados anualmente são responsáveis por aproximadamente 42% dos casos de picadas por aracnídeos notificados no Brasil.
  • 92. São uma das aranhas mais venenosas do mundo. No Brasil é a segunda aranha mais perigosa, perdendo apenas para a Aranha-marrom. Veneno
  • 93.
  • 94.
  • 95.
  • 96.
  • 97. Causam acidentes que nem se imaginam
  • 98. Uma das suspeitas de ter causado o acidente é a belezinha aí abaixo, a Spider Camel (Aranha Camelo), um grande aracnídeo muito comum no Afeganistão. Houve outro caso da mesma aranha ter sido encontrada no cockpit de um F-16 estacionado perto do deserto. Em uma carta anexa ao relatório de investigação do acidente, o Ministério da Defesa Holandês anunciou uma medida padrão para checar o cockpit de cada avião antes do vôo, especialmente para a presença de insetos, aracnídeos ou outros animais, se o canopi ficar aberto por um longo período de tempo. Fonte: http://www.aereo.jor.br/2008/09/21/aranha-no-cockpit/
  • 99.
  • 101. O mimetismo é comumente confundido com a camuflagem. No entanto, a distinção entre esses processos se dá pelo fato de que o mimetismo consiste na semelhança com um organismo em específico, enquanto a camuflagem ocorre quando determinado organismo possui um padrão de coloração semelhante ao seu entorno, dificultando sua detecção. Apesar de ser uma classificação um tanto subjetiva e sujeita a alguns casos intermediários, podemos perceber que mimetismo e camuflagem constituem estratégias distintas. No caso da camuflagem o organismo evita a detecção, enquanto no mimetismo o organismo é detectado, mas o organismo-alvo o confunde com outro.
  • 102. Da ordem Neuroptera, Mantispidae é uma família de pequenos insetos alados, conhecidos como mantidflies, e mantispids, existem cerca de 400 espécies em todo o mundo, especialmente nos trópicos. Medem cerca de 50mm de comprimento, e 30mm até 150mm de envargudura , que pode variar de tamanho dependendo da espécie. São caçadores ativos, o nome Mantis vem da sua aparência com o Louva-a-Deus, suas patas dianteiras raptoriais são modificadas para capturar pequenos insetos, semelhante ao Louva-a-Deus. Suas cores normalmentes são o verde e o marrom, e as vezes amarelo e rosa. Possuem 4 asas membranosas, claras e transparentes.
  • 103.
  • 104. Moscas-das- flores (Família Syrphidae): As moscas-das- flores são moscas da Família Syrphidae que se alimentam de polém. Mimetizam vespas e abelhas.
  • 105. Besouros: Esse besouro da espécie (Hesthesis bizonata), família Cerambycidae, subfamlía Cerambycinae é um dos raros besouros que mimetizam uma vespa. É encontrado na Áustralia:
  • 106.
  • 107.
  • 108. Não é nenhuma espécie de vespa e nem de louva-a-deu. É uma espécie de Mantispidae, a Climaciella brunnea ou Wasp Mantidfly, que mimetiza uma Vespa. Achei fotos dessa espécie na internet, e na minha opinião é um dos insetos mais fascinantes desse universo.
  • 109.
  • 110. Mariposas: Até as mariposas mimetizam vespas, a mariposa da espécie(Sesia Apiformis) é um exemplo.
  • 111.
  • 112.
  • 113. Insetos da família Membracidae (membracídeos) constituem um grupo relacionado com as cigarras e cigarrinhas. São facimente encontrados em grandes quantidades em galhos de árvores, se alimentam das seivas das árvores, vivem principalmente nas regiões tropicais. Alguns membracídeos adaptaram-se ao clima temperado. Devido suas cores , e seu gosto ruim , não tem muitos predadores.
  • 114.
  • 115.
  • 116.
  • 117.
  • 118.
  • 119. Phromnia Rosea - Olhando rápido pode parecer que este tronco está com algum tipo de fungo ou frutas coloridas. Mas olhando bem você vai ver que são vários insetos ali. O segredo deste animais é sua organização quase militar em termos de posicionamento. Vistos a distância, eles parecem ser um único conjunto de folhas. Este animal é nativo das florestas de Madagascar.O interessante é que as ninfas deste inseto também são exímias peritas na arte do disfarce.
  • 120.
  • 121.
  • 122. Olhando rápido pode parecer uma singela floração ou algum tipo de fungo parasita na árvore mas de perto vemos que se trata das ninfas do inseto e sua engenhosa camuflagem.
  • 123.
  • 124.
  • 125. A ave que avançar contra o percevejo nesta flor de maracujá pode ser atraída pela vibração dos penachos rubros nas patas do inseto - com isso, ele tenta desviar o predador para órgãos menos vitais. Anisocelis flavolineata (percevejo); Passiflora sp. (flor de marucujá).
  • 126.
  • 127.
  • 128. A ninfa do percevejo Hyalymenus (de cabeça para baixo) evoluiu de modo a mimetizar a aparência e o comportamento de formigas que se alimentam de seiva, criaturas capazes de dar ferroadas e lançar toxinas. Predadores que evitam essas formigas se mantêm longe dos impostores. O risco: quando notam as ninfas entre elas, as formigas logo as atacam. Ninfa Hyalymenus sp. (mimetizadora de formiga); Ectatomma sp. (formiga)
  • 129.
  • 130. Bicho folha. (Phillidae) O nome já diz tudo, né? Nos EUA são chamados de folhas vivas.
  • 131. Esta família de insetos é bem vasta e variada, compreendendo animais que se assemelham a diversos tipos de folhas. A simulação chega a um grau de perfeição que as “folhas” contém lesões e recortes nas bordas, como uma folha de verdade que foi roída ou atacada por fungos.
  • 132.
  • 133. Esta aqui é a borboleta folha do tipo encontrado na serra do Japi, em SP. Incrível, né?