SlideShare uma empresa Scribd logo
• Em princípio, toda água que serve para
  beber serve para fazer concreto, mas
  nem toda água que serve para fazer
  concreto serve para beber.
• Águas suspeitas que contenham alguma
  forma de açúcar dissolvido ou com
  presença de sulfatos (sais de enxofre) não
  podem ser empregados no concreto.
• Utilizar água potável é o mais indicado e mais
  seguro.
• A qualidade do concreto está diretamente
  relacionada com o fator Água / Cimento (A/C).
• Quanto menor o valor da relação água /
  cimento maior a resistência do concreto,
  menor sua permeabilidade e mais importante:
  maior é a sua durabilidade.

• O gráfico a seguir ilustra bem como a relação
  água cimento influi na resistência à
  compressão do concreto.
• Quando se trabalha com excesso de água, esta
  sempre tende a fugir, escorre durante a mistura,
  escapa pelas gretas da forma, ou, no caso destas
  estarem bem vedadas, a água excedente tende a
  subir para a superfície do concreto.

• Só que ela nunca vai sozinha, acaba carregando junto
  cimento e parte fina da areia.
• Aí você encontra cimento para todo lado na
  obra, e a peça concretada, que mais precisa
  dele, fica empobrecida.

• Pelo gráfico, fica fácil observar que quanto
  mais água se usa mais fraco fica o concreto.
• É preciso, então, abaixar o fator A/C:

• Para se a baixar o fator A/C, temos dois
  caminhos: aumentar o consumo do
  cimento ou reduzir o consumo da água.

• Acompanhe a matemática.
• O termo slump-test, que vem do inglês, não é nada
   mais que uma forma de identificar ou
 medir a consistência do concreto que pode variar de
   muito seco (farofa), a muito molhado (sopa)
  e, para isso, usamos o equipamento de ensaio
   que consiste em uma forma tronco cônica de
   diâmetro de 20 cm e 10 cm e altura de 30 cm, dentro
   do qual é colocada a massa de concreto em três
   camadas de igual volume , adensadas cada uma com
   25 golpes da haste metálica de 16 mm de diâmetro .
• Logo após a moldagem), o molde é retirado
  lentamente (de 10 a 15 segundos), levantando
  na vertical , e se determina a diferença entre a
  altura do molde e da massa de concreto.

• A tabela a seguir classifica os concretos em
  função da consistência.
 Sabemos que muitas pessoas não possuem esse
  equipamento, portanto não poderiam realizar este
  ensaio.

 Nosso objetivo, mostrando várias fotos, é que você
  passe a identificar visualmente a consistência ideal,
  que deve estar entre 5 a 8 cm (foto em destaque).

 Ao se controlar a consistência do concreto está se
  controlando a quantidade de água do mesmo,
  garantindo que suas propriedades estarão mantidas
  conforme o planejado.
• Cura:
• Ao se falar da água no concreto, de forma
  alguma se poderia deixar de abordar a
  questão da cura. A cura é um processo que
  deve    ser   iniciado   imediatamente
  após a concretagem, com o lançamento de
  água em forma de neblina, evitando a
  lavagem do concreto. Nesse momento, o
  concreto não pode perder água para que
  sejam evitadas fissuras de retração e
  assegurada
a ocorrência das reações de endurecimento da
  pasta, muito intensas nessa fase.
De modo que, por pelo menos sete dias, o
  concreto deve ser mantido úmido.
• Materiais:

• A escolha correta dos agregados que compõem o
  concreto também pode ajudar
  a se obter um fator água/cimento menor. O
  agregado graúdo, brita ou cascalho,
  quando não contém partículas menores requer
  menos água para a sua molhagem. Quando se faz
  concreto com brita 0, o consumo de água aumenta
  muito, mais ainda quando a brita 0 tem aquela areia
  da britagem (grãos menores que 5 mm).
É bom lembrar que mais água no           concreto
  implica maior consumo para se           ter a
  mesma resistência, de forma            que os
  agregados bem graduados ajudam         muito a
  redução da relação água/cimento.

Para as areias, isso é pior. Ao se empregar areias
  finas ou muito finas o consumo de água sobe
  muito, podendo até não ser possível produzir
  concreto com elas, pois as fissuras podem ser
  exageradas.
• Areia:
Para fazer um bom concreto, é fundamental
  usar areia média. Ela não pode
  estar suja. Folhas, raízes, pedaços de tronco
  de árvore, carvão, óleo, açúcar
  e terra só servem para diminuir a resistência
  do concreto. Além disso, a areia deve ser
  colocada em local limpo para evitar a sua
  contaminação.
• Pedra Britada ou Cascalho:

• O excesso de pó, terra, restos vegetais e
  outras sujeiras são tão inconvenientes na brita
  quanto na areia.
•
  Pode-se também substituir a brita pelo
  cascalho, tomando-se o cuidado de
  enriquecer o traço, pois a aderência da pasta
  com a pedra fica reduzida. Para estocar, tome
  os mesmos cuidados da areia.
A água para fazer concreto deve estar limpa.
  Tome muito cuidado com o vasilhame usado
  para transportar a água, pois não é raro os
  casos de contaminação com óleos, graxas,
  açúcar, sal, serragem, etc.
A água tem somente a função de hidratar o
  cimento, tirando-o do estado de farofa
e dando-lhe um aspecto pastoso. Não faça da
  água um instrumento de adensamento ou
  vibração (a consistência dessa pasta será
  identificada através do slump-test.

Fazer do concreto uma sopa, para melhor
 acomodação da forma é crime, pois o excesso
 de água só prejudica a resistência.
• Forma:
• O excesso de pó, terra, restos vegetais e
  outras sujeiras são tão inconvenientes na brita
  quanto na areia.
• Pode-se também substituir a brita pelo
  cascalho, tomando-se o cuidado de
  enriquecer o traço, pois a aderência da pasta
  com a pedra fica reduzida. Para estocar, tome
  os mesmos cuidados da areia.
• Adensamento:

• Se a peça não estiver bem concretada,
  aparecerão brocas, falhas ou vazios, con-
  seqüência da acomodação ou da vibração mal
  feita. Eles afetam a durabilidade da peça, pois
  deixam a ferragem exposta e facilitam a
  penetração da água. Para evitar tais
  problemas você deve usar o vibrador. Com
  ele, o concreto acomoda-se melhor,
  abraçando a ferragem e preenchendo todos
  os espaços da forma.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fundações diretas rasas
Fundações diretas rasasFundações diretas rasas
Fundações diretas rasas
Ivandete de Oliveira
 
Fundações2
Fundações2Fundações2
Fundações2
AntonioBatista48
 
Aula 16 impermeabilizacao
Aula 16   impermeabilizacaoAula 16   impermeabilizacao
Aula 16 impermeabilizacao
Mayara Marques
 
Tabelas concretos e_argamassas
Tabelas concretos e_argamassasTabelas concretos e_argamassas
Tabelas concretos e_argamassas
Diego Alves
 
Aglomerantes (argila, asfalto, cal e gesso)
Aglomerantes (argila, asfalto, cal e gesso)Aglomerantes (argila, asfalto, cal e gesso)
Aglomerantes (argila, asfalto, cal e gesso)
David Grubba
 
Materiais revestimentos ceramicos
Materiais   revestimentos ceramicosMateriais   revestimentos ceramicos
Materiais revestimentos ceramicos
José Borba
 
Tabela dimensões tipicas segundo o espaçamento das tesouras de terças
Tabela   dimensões tipicas segundo o espaçamento das tesouras de terçasTabela   dimensões tipicas segundo o espaçamento das tesouras de terças
Tabela dimensões tipicas segundo o espaçamento das tesouras de terças
Carlos Elson Cunha
 
Cerâmicas
CerâmicasCerâmicas
Cerâmicas
Aquiles Campagnaro
 
VIGAS-Flexao simples-exemplo completo
VIGAS-Flexao simples-exemplo completoVIGAS-Flexao simples-exemplo completo
VIGAS-Flexao simples-exemplo completo
William Eustáquio de Aguiar
 
Aglomerantes
AglomerantesAglomerantes
Aglomerantes
hadahuay
 
Nbr 5738 -_moldagem_e_cura_de_corpos-de-prova_cilindricos_ou_prismaticos_de_c...
Nbr 5738 -_moldagem_e_cura_de_corpos-de-prova_cilindricos_ou_prismaticos_de_c...Nbr 5738 -_moldagem_e_cura_de_corpos-de-prova_cilindricos_ou_prismaticos_de_c...
Nbr 5738 -_moldagem_e_cura_de_corpos-de-prova_cilindricos_ou_prismaticos_de_c...
Fernando Gindri
 
A alvenaria estrutural e seu desenvolvimento histórico
A alvenaria estrutural e seu desenvolvimento históricoA alvenaria estrutural e seu desenvolvimento histórico
A alvenaria estrutural e seu desenvolvimento histórico
Felipe Lima da Costa
 
Ensaios granulometria, inchamento, densidade
Ensaios granulometria, inchamento, densidadeEnsaios granulometria, inchamento, densidade
Ensaios granulometria, inchamento, densidade
Anderson Carvalho
 
Materiais da construção civil1
Materiais da construção civil1Materiais da construção civil1
Materiais da construção civil1
Marcus Gonçalves
 
Material dosagem
Material dosagemMaterial dosagem
Material dosagem
Lailson Ancelmo
 
sistema de classificação dos solos
sistema de classificação dos solossistema de classificação dos solos
sistema de classificação dos solos
Janine Silotti
 
Alvenaria estrutural
Alvenaria estruturalAlvenaria estrutural
Alvenaria estrutural
Willian De Sá
 
Aula 1 cimento v3
Aula 1   cimento v3Aula 1   cimento v3
Aula 1 cimento v3
profNICODEMOS
 
Nbr 08.545 1984 - alvenarias de vedação
Nbr 08.545 1984 - alvenarias de vedaçãoNbr 08.545 1984 - alvenarias de vedação
Nbr 08.545 1984 - alvenarias de vedação
Rodrigo Wink
 
Nbr 13279 2005
Nbr 13279 2005Nbr 13279 2005

Mais procurados (20)

Fundações diretas rasas
Fundações diretas rasasFundações diretas rasas
Fundações diretas rasas
 
Fundações2
Fundações2Fundações2
Fundações2
 
Aula 16 impermeabilizacao
Aula 16   impermeabilizacaoAula 16   impermeabilizacao
Aula 16 impermeabilizacao
 
Tabelas concretos e_argamassas
Tabelas concretos e_argamassasTabelas concretos e_argamassas
Tabelas concretos e_argamassas
 
Aglomerantes (argila, asfalto, cal e gesso)
Aglomerantes (argila, asfalto, cal e gesso)Aglomerantes (argila, asfalto, cal e gesso)
Aglomerantes (argila, asfalto, cal e gesso)
 
Materiais revestimentos ceramicos
Materiais   revestimentos ceramicosMateriais   revestimentos ceramicos
Materiais revestimentos ceramicos
 
Tabela dimensões tipicas segundo o espaçamento das tesouras de terças
Tabela   dimensões tipicas segundo o espaçamento das tesouras de terçasTabela   dimensões tipicas segundo o espaçamento das tesouras de terças
Tabela dimensões tipicas segundo o espaçamento das tesouras de terças
 
Cerâmicas
CerâmicasCerâmicas
Cerâmicas
 
VIGAS-Flexao simples-exemplo completo
VIGAS-Flexao simples-exemplo completoVIGAS-Flexao simples-exemplo completo
VIGAS-Flexao simples-exemplo completo
 
Aglomerantes
AglomerantesAglomerantes
Aglomerantes
 
Nbr 5738 -_moldagem_e_cura_de_corpos-de-prova_cilindricos_ou_prismaticos_de_c...
Nbr 5738 -_moldagem_e_cura_de_corpos-de-prova_cilindricos_ou_prismaticos_de_c...Nbr 5738 -_moldagem_e_cura_de_corpos-de-prova_cilindricos_ou_prismaticos_de_c...
Nbr 5738 -_moldagem_e_cura_de_corpos-de-prova_cilindricos_ou_prismaticos_de_c...
 
A alvenaria estrutural e seu desenvolvimento histórico
A alvenaria estrutural e seu desenvolvimento históricoA alvenaria estrutural e seu desenvolvimento histórico
A alvenaria estrutural e seu desenvolvimento histórico
 
Ensaios granulometria, inchamento, densidade
Ensaios granulometria, inchamento, densidadeEnsaios granulometria, inchamento, densidade
Ensaios granulometria, inchamento, densidade
 
Materiais da construção civil1
Materiais da construção civil1Materiais da construção civil1
Materiais da construção civil1
 
Material dosagem
Material dosagemMaterial dosagem
Material dosagem
 
sistema de classificação dos solos
sistema de classificação dos solossistema de classificação dos solos
sistema de classificação dos solos
 
Alvenaria estrutural
Alvenaria estruturalAlvenaria estrutural
Alvenaria estrutural
 
Aula 1 cimento v3
Aula 1   cimento v3Aula 1   cimento v3
Aula 1 cimento v3
 
Nbr 08.545 1984 - alvenarias de vedação
Nbr 08.545 1984 - alvenarias de vedaçãoNbr 08.545 1984 - alvenarias de vedação
Nbr 08.545 1984 - alvenarias de vedação
 
Nbr 13279 2005
Nbr 13279 2005Nbr 13279 2005
Nbr 13279 2005
 

Destaque

Apostila civ237 09
Apostila civ237   09Apostila civ237   09
Apostila civ237 09
cfoil
 
Tabela de densidade dos materiais
Tabela de densidade dos materiaisTabela de densidade dos materiais
Tabela de densidade dos materiais
Oscar Eustáchio
 
Estrutura de concreto armado imprimir
Estrutura de concreto armado   imprimirEstrutura de concreto armado   imprimir
Estrutura de concreto armado imprimir
Book LOver Writer
 
Peso especifico-materiais
Peso especifico-materiaisPeso especifico-materiais
Peso especifico-materiais
Caiocft
 
Concreto: Introdução
Concreto: IntroduçãoConcreto: Introdução
Concreto: Introdução
David Grubba
 
1 sistemas unidades
1 sistemas unidades1 sistemas unidades
1 sistemas unidades
Thiago Maldonado
 
Tabela de conversão de unidades
Tabela de conversão de unidadesTabela de conversão de unidades
Tabela de conversão de unidades
Raimundo Junior
 
Lista 1
Lista 1Lista 1
Tabelas de conversao
Tabelas de conversaoTabelas de conversao
Tabelas de conversao
sdgdsfgdsgf
 
06120
0612006120
Tabelas emop
Tabelas emopTabelas emop
Tabelas emop
Luciano Lazzari
 
Tabelas conversao-medidas
Tabelas conversao-medidasTabelas conversao-medidas
Tabelas conversao-medidas
Taline Cunha
 
Nbr 6120-abnt
Nbr 6120-abntNbr 6120-abnt
Nbr 6120-abnt
TERLYS ARAÚJO SILVA
 
Tabela de conversão de unidades (resumida)
Tabela de conversão de unidades (resumida)Tabela de conversão de unidades (resumida)
Tabela de conversão de unidades (resumida)
Rhudney Fernandes
 
Trabalho de Introdução a Engenharia Civil: Concreto Armado
Trabalho de Introdução a Engenharia Civil: Concreto ArmadoTrabalho de Introdução a Engenharia Civil: Concreto Armado
Trabalho de Introdução a Engenharia Civil: Concreto Armado
Pedro Henrique
 
Cartilha pedereiro
Cartilha pedereiroCartilha pedereiro
Cartilha pedereiro
Elizabeth Lambrecht
 
Matemática dos Pedreiros
Matemática dos PedreirosMatemática dos Pedreiros
Matemática dos Pedreiros
erikacurty
 
Apostila fundações ifpa
Apostila fundações ifpaApostila fundações ifpa
Apostila fundações ifpa
Jhon Gomes
 
Exemplo de calculo de dosagem de concreto
Exemplo de calculo de dosagem de concretoExemplo de calculo de dosagem de concreto
Exemplo de calculo de dosagem de concreto
Anderson Carvalho
 
O Marceneiro
O MarceneiroO Marceneiro
O Marceneiro
Anjovison .
 

Destaque (20)

Apostila civ237 09
Apostila civ237   09Apostila civ237   09
Apostila civ237 09
 
Tabela de densidade dos materiais
Tabela de densidade dos materiaisTabela de densidade dos materiais
Tabela de densidade dos materiais
 
Estrutura de concreto armado imprimir
Estrutura de concreto armado   imprimirEstrutura de concreto armado   imprimir
Estrutura de concreto armado imprimir
 
Peso especifico-materiais
Peso especifico-materiaisPeso especifico-materiais
Peso especifico-materiais
 
Concreto: Introdução
Concreto: IntroduçãoConcreto: Introdução
Concreto: Introdução
 
1 sistemas unidades
1 sistemas unidades1 sistemas unidades
1 sistemas unidades
 
Tabela de conversão de unidades
Tabela de conversão de unidadesTabela de conversão de unidades
Tabela de conversão de unidades
 
Lista 1
Lista 1Lista 1
Lista 1
 
Tabelas de conversao
Tabelas de conversaoTabelas de conversao
Tabelas de conversao
 
06120
0612006120
06120
 
Tabelas emop
Tabelas emopTabelas emop
Tabelas emop
 
Tabelas conversao-medidas
Tabelas conversao-medidasTabelas conversao-medidas
Tabelas conversao-medidas
 
Nbr 6120-abnt
Nbr 6120-abntNbr 6120-abnt
Nbr 6120-abnt
 
Tabela de conversão de unidades (resumida)
Tabela de conversão de unidades (resumida)Tabela de conversão de unidades (resumida)
Tabela de conversão de unidades (resumida)
 
Trabalho de Introdução a Engenharia Civil: Concreto Armado
Trabalho de Introdução a Engenharia Civil: Concreto ArmadoTrabalho de Introdução a Engenharia Civil: Concreto Armado
Trabalho de Introdução a Engenharia Civil: Concreto Armado
 
Cartilha pedereiro
Cartilha pedereiroCartilha pedereiro
Cartilha pedereiro
 
Matemática dos Pedreiros
Matemática dos PedreirosMatemática dos Pedreiros
Matemática dos Pedreiros
 
Apostila fundações ifpa
Apostila fundações ifpaApostila fundações ifpa
Apostila fundações ifpa
 
Exemplo de calculo de dosagem de concreto
Exemplo de calculo de dosagem de concretoExemplo de calculo de dosagem de concreto
Exemplo de calculo de dosagem de concreto
 
O Marceneiro
O MarceneiroO Marceneiro
O Marceneiro
 

Semelhante a Relacão água e cimento materiais de construção

Filme pastilhas jatobá
Filme pastilhas jatobáFilme pastilhas jatobá
Filme pastilhas jatobá
Ludmila Souza
 
Como construir paredes de taipa
Como construir paredes de taipaComo construir paredes de taipa
Como construir paredes de taipa
Míriam Morata Novaes
 
Estrumeira solocimento
Estrumeira solocimentoEstrumeira solocimento
Estrumeira solocimento
mvezzone
 
concretos1.pdf
concretos1.pdfconcretos1.pdf
concretos1.pdf
KEZIABRASILINODESOUZ
 
Dosagem do concreto
Dosagem do concretoDosagem do concreto
Dosagem do concreto
Andre Amaral
 
Dicas polimixagregados
Dicas polimixagregadosDicas polimixagregados
Dicas polimixagregados
Alderlei Queiroz
 
Apostila mãos a obra
Apostila mãos a obraApostila mãos a obra
Apostila mãos a obra
Mateus Mariano
 
Mãos à obra - Construindo sua casa passo a passo
Mãos à obra - Construindo sua casa passo a passoMãos à obra - Construindo sua casa passo a passo
Mãos à obra - Construindo sua casa passo a passo
VautyMQGuapiaraFranc
 
Dosagem do concreto_g2
Dosagem do concreto_g2Dosagem do concreto_g2
Dosagem do concreto_g2
Bosco oliveira
 
Apresentação ceramica
Apresentação ceramica Apresentação ceramica
Apresentação ceramica
Henriqued
 
semana 8 argamassas na engenharia civil
semana 8  argamassas na engenharia civilsemana 8  argamassas na engenharia civil
semana 8 argamassas na engenharia civil
BrunoCarvalhoFerreir5
 
Materiais de Construção Aula Agregados.pptx
Materiais de Construção Aula Agregados.pptxMateriais de Construção Aula Agregados.pptx
Materiais de Construção Aula Agregados.pptx
MarcelloSantos40
 
CARACTERISTICAS DO CONCRETO - EQUIPE 02.pptx
CARACTERISTICAS DO CONCRETO - EQUIPE 02.pptxCARACTERISTICAS DO CONCRETO - EQUIPE 02.pptx
CARACTERISTICAS DO CONCRETO - EQUIPE 02.pptx
RonaldoSL1
 
Grupo
 Grupo Grupo
Grupo
francibiondo
 
Grupo
 Grupo Grupo
Grupo
francibiondo
 
Apresentação
 Apresentação Apresentação
Apresentação
francibiondo
 
Trabalho Técnicas Construtivas II parte 02
Trabalho Técnicas Construtivas II parte 02Trabalho Técnicas Construtivas II parte 02
Trabalho Técnicas Construtivas II parte 02
TobiasAndrade
 
Construções em alvenaria
Construções em alvenariaConstruções em alvenaria
Construções em alvenaria
Mayara Virgulino de Oliveira
 
Sika 1
Sika 1Sika 1
Sika 1
fulanoetals
 
Conheça os três tipos principais de solo
Conheça os três tipos principais de solo  Conheça os três tipos principais de solo
Conheça os três tipos principais de solo
ABC Ambiental
 

Semelhante a Relacão água e cimento materiais de construção (20)

Filme pastilhas jatobá
Filme pastilhas jatobáFilme pastilhas jatobá
Filme pastilhas jatobá
 
Como construir paredes de taipa
Como construir paredes de taipaComo construir paredes de taipa
Como construir paredes de taipa
 
Estrumeira solocimento
Estrumeira solocimentoEstrumeira solocimento
Estrumeira solocimento
 
concretos1.pdf
concretos1.pdfconcretos1.pdf
concretos1.pdf
 
Dosagem do concreto
Dosagem do concretoDosagem do concreto
Dosagem do concreto
 
Dicas polimixagregados
Dicas polimixagregadosDicas polimixagregados
Dicas polimixagregados
 
Apostila mãos a obra
Apostila mãos a obraApostila mãos a obra
Apostila mãos a obra
 
Mãos à obra - Construindo sua casa passo a passo
Mãos à obra - Construindo sua casa passo a passoMãos à obra - Construindo sua casa passo a passo
Mãos à obra - Construindo sua casa passo a passo
 
Dosagem do concreto_g2
Dosagem do concreto_g2Dosagem do concreto_g2
Dosagem do concreto_g2
 
Apresentação ceramica
Apresentação ceramica Apresentação ceramica
Apresentação ceramica
 
semana 8 argamassas na engenharia civil
semana 8  argamassas na engenharia civilsemana 8  argamassas na engenharia civil
semana 8 argamassas na engenharia civil
 
Materiais de Construção Aula Agregados.pptx
Materiais de Construção Aula Agregados.pptxMateriais de Construção Aula Agregados.pptx
Materiais de Construção Aula Agregados.pptx
 
CARACTERISTICAS DO CONCRETO - EQUIPE 02.pptx
CARACTERISTICAS DO CONCRETO - EQUIPE 02.pptxCARACTERISTICAS DO CONCRETO - EQUIPE 02.pptx
CARACTERISTICAS DO CONCRETO - EQUIPE 02.pptx
 
Grupo
 Grupo Grupo
Grupo
 
Grupo
 Grupo Grupo
Grupo
 
Apresentação
 Apresentação Apresentação
Apresentação
 
Trabalho Técnicas Construtivas II parte 02
Trabalho Técnicas Construtivas II parte 02Trabalho Técnicas Construtivas II parte 02
Trabalho Técnicas Construtivas II parte 02
 
Construções em alvenaria
Construções em alvenariaConstruções em alvenaria
Construções em alvenaria
 
Sika 1
Sika 1Sika 1
Sika 1
 
Conheça os três tipos principais de solo
Conheça os três tipos principais de solo  Conheça os três tipos principais de solo
Conheça os três tipos principais de solo
 

Mais de Andre Amaral

Aula sobre Animações
Aula sobre AnimaçõesAula sobre Animações
Aula sobre Animações
Andre Amaral
 
Automação residencial
Automação residencialAutomação residencial
Automação residencial
Andre Amaral
 
Symbian os.ppt
Symbian os.pptSymbian os.ppt
Symbian os.ppt
Andre Amaral
 
Symbian OS
Symbian OSSymbian OS
Symbian OS
Andre Amaral
 
Desenho Técnico
Desenho TécnicoDesenho Técnico
Desenho Técnico
Andre Amaral
 
O avanço da tecnologia
O avanço da tecnologiaO avanço da tecnologia
O avanço da tecnologia
Andre Amaral
 
A evolução do windows
A evolução do windowsA evolução do windows
A evolução do windows
Andre Amaral
 
Feudalismo trabalho de história
Feudalismo   trabalho de históriaFeudalismo   trabalho de história
Feudalismo trabalho de história
Andre Amaral
 
Fauvismo
FauvismoFauvismo
Fauvismo
Andre Amaral
 
Karl marx - Biografia
Karl marx - BiografiaKarl marx - Biografia
Karl marx - Biografia
Andre Amaral
 

Mais de Andre Amaral (10)

Aula sobre Animações
Aula sobre AnimaçõesAula sobre Animações
Aula sobre Animações
 
Automação residencial
Automação residencialAutomação residencial
Automação residencial
 
Symbian os.ppt
Symbian os.pptSymbian os.ppt
Symbian os.ppt
 
Symbian OS
Symbian OSSymbian OS
Symbian OS
 
Desenho Técnico
Desenho TécnicoDesenho Técnico
Desenho Técnico
 
O avanço da tecnologia
O avanço da tecnologiaO avanço da tecnologia
O avanço da tecnologia
 
A evolução do windows
A evolução do windowsA evolução do windows
A evolução do windows
 
Feudalismo trabalho de história
Feudalismo   trabalho de históriaFeudalismo   trabalho de história
Feudalismo trabalho de história
 
Fauvismo
FauvismoFauvismo
Fauvismo
 
Karl marx - Biografia
Karl marx - BiografiaKarl marx - Biografia
Karl marx - Biografia
 

Relacão água e cimento materiais de construção

  • 1.
  • 2. • Em princípio, toda água que serve para beber serve para fazer concreto, mas nem toda água que serve para fazer concreto serve para beber. • Águas suspeitas que contenham alguma forma de açúcar dissolvido ou com presença de sulfatos (sais de enxofre) não podem ser empregados no concreto.
  • 3. • Utilizar água potável é o mais indicado e mais seguro. • A qualidade do concreto está diretamente relacionada com o fator Água / Cimento (A/C).
  • 4. • Quanto menor o valor da relação água / cimento maior a resistência do concreto, menor sua permeabilidade e mais importante: maior é a sua durabilidade. • O gráfico a seguir ilustra bem como a relação água cimento influi na resistência à compressão do concreto.
  • 5.
  • 6. • Quando se trabalha com excesso de água, esta sempre tende a fugir, escorre durante a mistura, escapa pelas gretas da forma, ou, no caso destas estarem bem vedadas, a água excedente tende a subir para a superfície do concreto. • Só que ela nunca vai sozinha, acaba carregando junto cimento e parte fina da areia.
  • 7. • Aí você encontra cimento para todo lado na obra, e a peça concretada, que mais precisa dele, fica empobrecida. • Pelo gráfico, fica fácil observar que quanto mais água se usa mais fraco fica o concreto.
  • 8. • É preciso, então, abaixar o fator A/C: • Para se a baixar o fator A/C, temos dois caminhos: aumentar o consumo do cimento ou reduzir o consumo da água. • Acompanhe a matemática.
  • 9.
  • 10. • O termo slump-test, que vem do inglês, não é nada mais que uma forma de identificar ou medir a consistência do concreto que pode variar de muito seco (farofa), a muito molhado (sopa) e, para isso, usamos o equipamento de ensaio que consiste em uma forma tronco cônica de diâmetro de 20 cm e 10 cm e altura de 30 cm, dentro do qual é colocada a massa de concreto em três camadas de igual volume , adensadas cada uma com 25 golpes da haste metálica de 16 mm de diâmetro .
  • 11. • Logo após a moldagem), o molde é retirado lentamente (de 10 a 15 segundos), levantando na vertical , e se determina a diferença entre a altura do molde e da massa de concreto. • A tabela a seguir classifica os concretos em função da consistência.
  • 12.
  • 13.  Sabemos que muitas pessoas não possuem esse equipamento, portanto não poderiam realizar este ensaio.  Nosso objetivo, mostrando várias fotos, é que você passe a identificar visualmente a consistência ideal, que deve estar entre 5 a 8 cm (foto em destaque).  Ao se controlar a consistência do concreto está se controlando a quantidade de água do mesmo, garantindo que suas propriedades estarão mantidas conforme o planejado.
  • 14. • Cura: • Ao se falar da água no concreto, de forma alguma se poderia deixar de abordar a questão da cura. A cura é um processo que deve ser iniciado imediatamente após a concretagem, com o lançamento de água em forma de neblina, evitando a lavagem do concreto. Nesse momento, o concreto não pode perder água para que sejam evitadas fissuras de retração e assegurada
  • 15. a ocorrência das reações de endurecimento da pasta, muito intensas nessa fase. De modo que, por pelo menos sete dias, o concreto deve ser mantido úmido.
  • 16. • Materiais: • A escolha correta dos agregados que compõem o concreto também pode ajudar a se obter um fator água/cimento menor. O agregado graúdo, brita ou cascalho, quando não contém partículas menores requer menos água para a sua molhagem. Quando se faz concreto com brita 0, o consumo de água aumenta muito, mais ainda quando a brita 0 tem aquela areia da britagem (grãos menores que 5 mm).
  • 17. É bom lembrar que mais água no concreto implica maior consumo para se ter a mesma resistência, de forma que os agregados bem graduados ajudam muito a redução da relação água/cimento. Para as areias, isso é pior. Ao se empregar areias finas ou muito finas o consumo de água sobe muito, podendo até não ser possível produzir concreto com elas, pois as fissuras podem ser exageradas.
  • 18. • Areia: Para fazer um bom concreto, é fundamental usar areia média. Ela não pode estar suja. Folhas, raízes, pedaços de tronco de árvore, carvão, óleo, açúcar e terra só servem para diminuir a resistência do concreto. Além disso, a areia deve ser colocada em local limpo para evitar a sua contaminação.
  • 19. • Pedra Britada ou Cascalho: • O excesso de pó, terra, restos vegetais e outras sujeiras são tão inconvenientes na brita quanto na areia. • Pode-se também substituir a brita pelo cascalho, tomando-se o cuidado de enriquecer o traço, pois a aderência da pasta com a pedra fica reduzida. Para estocar, tome os mesmos cuidados da areia.
  • 20. A água para fazer concreto deve estar limpa. Tome muito cuidado com o vasilhame usado para transportar a água, pois não é raro os casos de contaminação com óleos, graxas, açúcar, sal, serragem, etc. A água tem somente a função de hidratar o cimento, tirando-o do estado de farofa
  • 21. e dando-lhe um aspecto pastoso. Não faça da água um instrumento de adensamento ou vibração (a consistência dessa pasta será identificada através do slump-test. Fazer do concreto uma sopa, para melhor acomodação da forma é crime, pois o excesso de água só prejudica a resistência.
  • 22. • Forma: • O excesso de pó, terra, restos vegetais e outras sujeiras são tão inconvenientes na brita quanto na areia. • Pode-se também substituir a brita pelo cascalho, tomando-se o cuidado de enriquecer o traço, pois a aderência da pasta com a pedra fica reduzida. Para estocar, tome os mesmos cuidados da areia.
  • 23. • Adensamento: • Se a peça não estiver bem concretada, aparecerão brocas, falhas ou vazios, con- seqüência da acomodação ou da vibração mal feita. Eles afetam a durabilidade da peça, pois deixam a ferragem exposta e facilitam a penetração da água. Para evitar tais problemas você deve usar o vibrador. Com ele, o concreto acomoda-se melhor, abraçando a ferragem e preenchendo todos os espaços da forma.