SlideShare uma empresa Scribd logo
FRANCIELI BIONDO
MAIELI SLHESSARENKO
SIMONE MICHELON
VANUZA LORENZETTI
As pedras naturais constituem juntamente
com as madeiras, um dos mais antigos materiais
de construção.
      Como são originadas naturalmente, é
normal que em uma mesma peça ocorra variação
de tonalidades, veios e granulações, formando
uma peça única e exclusiva.
      Devido a sua resistência natural, as pedras
podem ser aplicadas tanto em paredes quanto em
pisos, em ambientes internos e externos.
Variam de acordo com as condições topográficas,
posição e profundidade do terreno, a qualidade da pedra, e
sua utilização.
       Geralmente extraída a céu aberto, há no entanto
exploração subterrânea, nomeadamente quando o valor da
pedra compensa o acréscimo de custos inerentes a esta
forma de extração.
Após a retirada do bloco é realizado o corte das
chapas de tamanho usual que pode variar em valores
aproximados á 2.90x1.70 cm.
      Essas lâminas são manipuladas sempre com
máquinas pneumáticas para evitar choques.
Os mármores são rochas metamórficas,
constituídas principalmente por minerais de calcita.
Esses minerais são facilmente atacados por soluções
ácidas, além de serem mais frágeis e de dureza menor
(escala MOHS entre 3 e 4), portanto podem ser riscado
com metal. Possuem uma coloração homogênea, com
muitos veios e ausência de pigmentação preta em forma
de pontinhos como ocorre nos granitos.
       Os travertinos são rochas calcárias de
sedimentação química formada pela combinação de
dióxido de carbono com carbonato de cálcio em solução
saturada. Para efeitos de sua utilização eles tem sido
chamados de mármores.
Os granitos são rochas magmáticas constituídas
por três minerais (mica, feldspato, quartzo). Possuem
dureza (escala MOHS entre 6 e 7), o que significa que
não podem ser riscados pelo metal, mas riscam o vidro
e são riscados por outro mineral de dureza superior,
sendo assim, o granito é bem mais duro, resistente e
menos poros do que o mármore.
Mármores
- Formado por Carbonato de Cálcio (CO3Ca) + Substâncias estranhas.
- Têm veios mais evidentes e menos brilho que os granitos.
- São mais moles e menos resistentes que os granitos.
- São suscetíveis a manchas e desgaste.
 -São indicados para pisos internos de salas, halls e quartos.
 -São muito usados em banheiros e demais ambientes sociais.

Granitos
 -Formado por Mica + Quartzo + Feldspato + Substâncias estranhas.
- São mais duros e resistentes a ataques químicos do que os mármores.
 -Também são mais resistentes a absorção de água e a desgaste abrasivo.
- São indicados para áreas externas ou internas, inclusive em cozinhas e
lavanderias.
 -Muito utilizado em áreas comerciais.
Argamassa Colante
   Serra para cortar pedras




   Martelo de borracha branca ou preta apropriado para
    o assentamento
   Espátula de borracha para fazer o rejunte.
   Furadeira do tipo serra copo para recortar piso nos
    locais indicados para ralos.
   Nível de mangueira ou eletrônico.
   Desempenadeira dentada.
   Colher de pedreiro.
   Dependências desobstruídas.
   Tubulação     hidro-sanitária   instalada   e
    protegida.
   Contrapiso executado, nivelado e sem buracos.
   Cantos sem acumulo de argamassa.
   Impermeabilização feita.
   O contrapiso deve estar sarrafeado ou desempenado,
    curados há pelo menos 14 dias.
   Os resíduos como pó, óleo e tinta comprometem a
    aderência das argamassas colantes em relação à base,
    devendo ser retirados.
   Os pequenos reparos devem ser feitos pelo menos 48
    horas antes da aplicação da argamassa colante.
    Fazer a pré montagem das peças.
    Seguir os veios do conjunto.
    Utilizar linha de nylon para o esquadro.
   Utilizar espaçadores para acertar a espessura do
    rejunte.
   Prepare a argamassa com água limpa, nas proporções
    indicadas na embalagem de cada produto, até obter
    uma pasta homogênea. Em seguida, deixe o produto
    em repouso durante 10 minutos e misture novamente
    antes do uso. O material preparado deve ser utilizado
    no prazo máximo de 150 minutos.
   Carregar a desempenadeira de aço com o cimento
    colante, e com o lado liso, estender o produto numa
    área de aproximadamente 2 m². Em seguida, passar
    o lado denteado da desempenadeira de 8mm x 8mm
    x 8mm de espessura, num ângulo de 60º em relação
    à base, formando sulcos ou cordões.
  Aplique as placas sobre os cordões, fazendo-as deslizar um pouco
sobre a argamassa colante. Pressione com os dedos e bata levemente
com o martelo de borracha.




   Placas com área igual ou superior a 900 cm² (exemplo 30 cm X 30
cm) em áreas internas e placas de qualquer dimensão em áreas externas
e pisos de alto tráfego deverão receber uma aplicação do cimento em
seu verso (tardoz) com a desempenadeira denteada de 8 mm X 8 mm
X 8 mm e os cordões deverão ser cruzados com os da superfície a ser
revestida.
   Conforme o piso vai sendo assentado, vai limpando as pedras e os
espaços do rejunte com pano úmido.
   No caso de pedras claras, recomenda-se o uso
    de argamassa branca;
   Nunca lave o piso antes do rejuntamento, pois
    pode causar eflorescência.
   Depois do piso assentado, deixe o ambiente
    livre de trânsito, pelo menos por 72 horas.
   Se a base estiver em contato com o solo,
    recomenda-se       impermeabilizar    a    pedra
    também na parte de baixo.
   Aguardar no mínimo 72 horas para fazer o rejunte.
 Limpe a sujeira entre as juntas.

 Com auxílio do rodo de borracha ou espátula de plástico
    flexível, pressione o produto sobre as juntas.
 Retire o excesso e frise com um taco de madeira com a ponta

arredondada, garantindo total penetração do produto.
 Utilize a esponja seca para acabamento final e limpeza grossa.

A esponja deverá ser freqüentemente lavada e torcida durante o
acabamento final.
 Evite umidade na área durante 72 horas após o rejuntamento
Qualquer peça de mármore ou granito requer apenas
pano úmido. Se necessitar utilizar detergente, escolha
sempre o neutro incolor. Nunca utilize produtos como água
sanitária ou produtos ácidos ou corrosivos. No caso do
mármore, é preciso, ainda, tomar muito cuidado com
líquidos: café, refrigerantes, produtos oleosos, etc. Como
são porosos, tendem a absorver líquidos.
      A dica é limpar o local imediatamente, utilizando
apenas água e detergente neutro incolor. Tome cuidado,
também, ao utilizar o granito polido: em pisos externos,
torna-se escorregadio, porém, existem alternativas como o
granito apicoado ou flameado que ficam antiderrapantes.
Por outro lado, é uma excelente opção para a bancada da
cozinha, por ser bastante higiênico.
Compostos Industrializados que substituem as
pedras, como os Silestones (Stones).
VÍDEO ASSENTAMENTO
    DE PLACAS DE
      GRANITO
   Com Argamassa Colante, parafusos e
    ganchos.

   Com Inserts Metálicos.
   Mesmo método utilizado em pisos.
   Passar argamassa colante na pedra e na parede para
    aumentar a aderência.
   Pode ser utilizados parafusos e ganchos.
Os Inserts Metálicos são peças de aço projetadas
para fixação de placas de rocha em revestimentos de
fachadas. Os inserts são ancorados na estrutura do
edifício e engastados nas placas do revestimento. Além
de suportarem o peso próprio das placas, cumprem
também a função de absorverem as tensões
provenientes da dilatação térmica linear entre a
estrutura e o revestimento. Evitando o trincamento e
queda de placas da fachada.
   É o mais seguro para fachadas.
   A fixação é feita sempre na estrutura.
   Precisa ser previsto já no projeto (paginação).
   Quando é feito depois do projeto é possível
    fazer um estudo para ver se a estrutura resiste.
EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS E COLOCAÇÃO DAS
    PLACAS:

   Iniciar a furação das placas de granito utilizando-se da
    furadeira apropriada e das brocas diamantadas ø 5 mm;
   Fixação das prumadas nos vértices do revestimento;
   Marcação da coluna de nível conforme projeto de paginação
    e fixação;
   Obedecer à marcação da saída da colocação conforme
    projeto de paginação;
   Conferir o fechamento das cotas horizontais, entre as
    prumadas, com o projeto de paginação;
   Conferir o fechamento das cotas verticais, entre as bandeiras
    de níveis, com o projeto de paginação;
   Marcar posicionamento dos Inserts Metálicos para a primeira
    placa em uma das extremidades, à esquerda ou à direita;
   Fazer o furo no concreto obedecendo a marcação do centro
    do obilongo do Insert Metálico;
   Executar a fixação dos conjuntos Inserts Metálicos ao
    concreto através da ancoragem do chumbador de expansão
    ao furo previamente feito no concreto;
   Encaixar a placa de granito aos Inserts Metálicos através dos
    seus furos previamente executados;
   Fazer o ajuste fino nos Inserts Metálicos de forma a
    posicionar a placa corretamente no prumo, nível e
    alinhamento conforme o projeto de paginação e fixação;
   Marcar o alinhamento das placas na outra extremidade
    obedecendo o nível e a prumada;
   Dar seqüência na colocação das demais placas repetindo o
    procedimento anterior;
   Ao termino da colocação das placas, remover as prumadas
    juntamente com seus prisioneiros etc.
   Fazer cuidadosamente a limpeza das juntas entre as placas de
    forma a remover toda e qualquer poeira e outros materiais sólidos
    ou gordurosos utilizando-se de escova de nylon, estopa e álcool;
   Aplicação do cordão Tarucel na junta entre as placas de forma a
    obter um corpo contensor de profundidade e limitando esta a no
    mínimo metade da largura da junta;
   Aplicação da fita adesiva nas faces lustradas ou flameadas de
    forma a limitá-la pelas arestas de cada placa, deixando-se a
    abertura padrão da junta;
   Aplicação do silicone através do aplicador apropriado fazendo
    com que o mesmo atinja o corpo contensor, bem como transborde
    o volume suficiente para o trabalho de compressão e concavidade
    da calafetagem;
   Remoção da fita adesiva tomando-se o cuidado em não sujar se
    silicone a superfície das placas e fazer o acabamento final da
    calafetagem se necessário.
VÍDEO FIXAÇÃO DE
PLACAS DE GRANITO
 EM FACHADA COM
INSERTS METÁLICOS
-   As pedras São Tomé vem do Subsolo de Minas Gerais
    da cidade de São Thomé das Letras;
-   A cidade é caracterizada pelas construções feitas com
    as próprias pedras extraídas no local, cortadas e
    empilhadas uma a uma sem argamassa;
-Pedra semipreciosa;
-Utilizada apenas em seu estado bruto, já que seu índice
dedureza é bastante alto e provoca extremo desgaste no
maquinário para polimento;
-Corte com disco diamantado, devido à sua resistência.
Cavaco
-Formas    irregulares e
tamanhos variados com
espessuras diversas;

-Pode ser aplicado em
calçadas, áreas de lazer e
varandas;

-Muito    utilizado    em
paisagismo e jardinagems.
Brita
-  Aspecto          rústico,
   utilizado em jardinagem
   e       projetos       de
   paisagismo;

- Encontrado em diversos
  tamanhos,      também
  utilizados para britar
  pátios.
Borda de Piscina



-Lateral arredondada favorece
sua aplicação como borda de
piscina;

-Proporciona segurança e
conforto por não possui quinas.
Filete
-Pode ser encontrado em
diversas    espessuras     e
tamanhos;

-Bastante      aplicado    em
fachadas residenciais ou
comerciais, paredes internas,
muros       internos,     com
características decorativas.
Degraus

-Ideal para escadas por ser
antiderrapante;

-Possui           diversos
tamanhos, proporcionando
vários      tipos       de
acabamento:       Boleado,
Meio Boleado e Reto.
-Textura inigualável;
-Beleza natural;
-Alto grau de dureza;
-Baixa absorção d'água;
-Antiderrapante;
-Não absorve o calor;
-A limpeza com água e detergente neutro deve ser
frequente, com a ajuda de esfregão;

- De tempos em tempos é necessária uma limpeza mais
profunda com ácido muriático, que deve ser feita com
empresas especializadas.
- Rocha flexível
- Antiderrapante
- Muito absorvente
- Antitérmica
-Preparar a superfície do contra-piso
(limpeza e nivelamento);

-As placas que serão assentadas
devem estar limpas e isentas de
poeira;

-Preparar a argamassa com traço 4:1
do produto com água até obter uma
argamassa homogênea e consistente;
-   Espalhar argamassa com desempenadeira com
    espessura de 3 a 4mm (formando sulcos e cordões);
-   Aplicar a argamassa com a desempenadeira no verso
    das placas que serão assentadas;
-   Os cordões da placa deverão ser cruzados com os da
    superfície a ser revestida;
-Assentar as placas com os dedos
e bater levemente com um martelo
de borracha até amassar os
cordões da argamassa;

-Não transitar durante as primeiras
72 horas após o assentamento;

-Após 3 dias, no mínimo, iniciar o
rejuntamento.
Filetes em fachadas, muros e detalhes:

- O processo de fixação das peças é feita com
  argamassa colante direto na parede.
- Utiliza juntas secas.
- Filetes são instalados em camadas umas sobre as
  outras.
- Mostra o lado bruto ou o lados semi-polido.
VÍDEO
 ASSENTAMENTO DE
PEDRA SÃO TOMÉ EM
     PAREDES
- Possui clivagem perfeita
- Grandes placas com poucos milímetros de
  espessura
- Baixa porosidade
- Lisa e escorregadia quando molhado

- Utiliza   para: Pisos, soleiras, espelhos,
  patamares de escada, divisórias de banheiros,
  pias e lavabos.
-Serras de disco diamantado
cortam perpendicularmente ,
procurando obter o tamanho
padrão de 2,3 x 1,4m;
-O afrouxamento das placas é
feito através de cunhas
mecânicas adaptadas nas pás
carregadeiras;
-Na indústria a pedra é aberta
manualmente;
-   O procedimento para execução é o mesmo
    utilizado em mármore e granito

-   Precisa de manutenção constante, mas mancha
    com facilidade

- Para selar os poros o ideal é colocar uma
  camada de resina, mais isso deixa a pedra ainda
  mais lisa.
-Método de assentar é idêntico ao dos pisos;
-Espessura mais fina de argamassa (de 2 a 3mm);
-Indicado até uma altura de 3m do piso.
-   Por ser porosa mancha com
facilidade;

-   É lisa e esquenta o ambiente;

-  Aplicar resina para selar os
poros, mas isso a deixa mais lisa.

-  Muito mais caro que outros
revestimentos.

-   Não absorve bem os ruídos;
-   Durabilidade;

-   Impermeável;

-  Sua cor e textura não é artificial e não muda com o
tempo;
-   Rocha ígnea eruptiva de cor escura;

-   Granulação fina;

-   Dureza e porosidade razoável;

-   Muito versátil;

-   Alta resistência;
-Pode ser encontrada na
 forma de blocos ou na
 forma de escamas, ou
 seja, lajes sobre lajes ;
-Basalto polido é geralmente utilizado em supermercados
e lugares com grande tráfego.
-Mesmos procedimentos
que nos pisos;
-Espessura            de
argamassa aplicada é de
2 a 3mm;
-Junta vertical feita na
lateral das peças em
contato;
-Aplicar verniz para tal
material    para    maior
durabilidade.
-É uma pedra econômica e fácil de encontrar ;

-Dificilmente se parte, mesmo quando cai no chão.
-Pedra mais porosa, mesmo
quando polida (requer maiores
cuidados de limpeza, higiene e
manutenção);

-Tem tendência      a   ganhar
odores;

-Se usadas na sua forma
natural, apresentam formatos
irregulares (a pedra aquece
mais numas zonas do que
outras), não espalhando o calor
de forma uniforme na zona onde
é aplicada.
No passado, as lâminas de madeira natural utilizadas
para revestimento de superfícies de madeira eram cortadas
com serras mecânicas. Era um processo lento, de custo
elevado e que não possibilitava obter o aproveitamento total
da peça.
      Com o desenvolvimento tecnológico aliado a um
melhor conhecimento, hoje é possível obter as laminas
decorativas de madeira natural, com menores espessura o
que resulta em índice de aproveitamento de até 100 % da
peça de madeira maciça.

 Terminologia: São classificadas por apresentar
 características diferenciadas em sua face, por exemplo
 brilho acentuado, nós e veios na superfície.
- São compostas por um substrato altamente resistente, o
HPP.
- É um painel de partículas de eucalipto alongadas e
agulhadas, termofixas com resina melamínica.
 - Sua superfície é coberta com revestimento celulósico
decorativo impregnado com resina melamínica que confere
o padrão ao piso. Sobre este revestimento é aplicado o
overlay impregnado com resina melamínica na face do
piso.
- A contraface é revestida com papel Kraft, impregnado
com resina.
TIPOS
      Tem-se    os      mais   diversos   tipos   de   pisos
laminados, para alto tráfego, médio tráfego e para
tráfego leve, ambos comercial/residencial.        Possuem
tonalidades claras, médias e escuras.

      Os tipos mais utilizados, são da Durafloor,
Eucafloor e Poliface.
-Encontrados em réguas com espessura variando de 7 a
9mm, largura variando de 18 a 20 cm e comprimento de
120 a 150cm.
-É comercializado por m² entretanto é usual a compra
por caixas, contendo de 1,5 a 2m² do piso por caixa.
-A maioria das lojas disponibiliza serviço de colocação.
- O valor de mercado com o serviço de colocação esta
em média R$ 60 ao m².
-Não devem ser aplicados em locais com altas
incidências de UMIDADE.

-Podem ser aplicado sobre piso de madeira, vinil,
cerâmica, pedra e cimento.

- Não podem ser aplicados sobre carpetes têxteis e
carpetes de Madeira.
Analisando o Contrapiso:

- Deve-se verificar se o contrapiso apresenta irregularidades,
com a utilização de uma régua. Fazer a medição de parede a
parede em tiras de 1,5 metro.
- Se apresentar saliências superiores a 3mm, as mesmas devem
ser corrigidas.Se apresentar depressões superiores a 3mm devem
ser corrigidas com argamassa de secagem rápida. Recomenda -se
aguardar a cura total do contrapiso para iniciar a instalação do
piso.
Pisos de concreto sempre transmitem umidade,
especialmente tratando-se de contrapisos em contato
direto com o solo (andares térreos). O procedimento a
seguir permite uma avaliação aproximada da ação de
uma possível transferência de umidade.
Fixando o Plástico

-Cortar vários pedaços de plástico (polietileno) de
   50X50 cm.
-Fixe-o com fita adesiva em diversas áreas do
   contrapiso.
-Observar após 48 horas.
Resultado :


-Levantar a borda de cada plástico. Caso ocorra o
aparecimento de gotas d'água, (marca de condensação)
ou o escurecimento do contrapiso, isso indica que existe
problema de umidade.
- Determinar o acessório a ser utilizado. Fixe a base dos
acessórios no contra piso com bucha e parafuso.
.
1. Análise do Ambiente:

Após instalar a manta, inicie o posicionamento das
réguas. Observe o alinhamento das paredes caso seja
necessário, ajuste as réguas recortando e alinhando-as
junto à parede.
- Defina previamente o sentido das réguas para melhor
aproveitamento do material.
- Recomenda-se instalar o piso sempre no sentido menor do
ambiente..
- Meça o local para não haver recortes, entre fileiras,
inferiores a 20 cm e fechamentos não inferiores a 5 cm.
-   Colocação     de    espaçadores    nas    paredes(8   a
15mm)Dilatação;
- Disponha as réguas no contrapiso e encaixe
cuidadosamente, da esquerda para a direita, com o lado
fêmea voltado para a parede.

- Comece as fileiras seguintes com amarrações entre as
junções das réguas, considerando o desalinhamento
mínimo de 20 cm.
- Ao iniciar a instalação certifique-se que as paredes
estejam no esquadro. Caso não estejam, ajuste com o
auxílio de uma suta (esquadro móvel) recortando as
réguas.
- Para garantir perfeito encaixe das réguas, utilize o
batedor de réguas e o martelo, em situações onde a cinta
de tração não alcança. Caso contrário utilize sempre a
cinta de tração.
- Aplique a cola no lado fêmea do encaixe de forma contínua e
homogênea em quantidade suficiente para verter o excedente à
superfície, após a junção das réguas. Dessa forma, o excedente da
cola fará a selagem da superfície, evitando a penetração de
líquidos.
-Sistema MACHO – FÊMEA

-Sistema CLICK

- Sistema com HASTE
• Da esquerda para direita;
• Lado fêmea voltado para parede;
• Instala-se primeiro as fileiras de topo;
• Aplica-se a cola no lado fêmea do encaixe da
   outra régua (excesso);
• Introduz-se esta na ja instalada com um ângulo
   de 30°;
• Importante a utilização de cinta de tração.
• Lado macho voltado para parede;
• Aplica-se a haste de encaixe no topo da próxima
   régua e introdu-la na anterior (bloco batente e
   martelo).
• O encaixe lateral é com a introdução do encaixe
   macho no encaixe fêmea ( ângulo de 30°).
• Sem uso de cola
• Qualquer lado voltado para parede;
• As peças são clicadas umas as outras no topo e
  laterais, sem uso de cola;
• Vincos.
• Retira-se os espaçadores e fixa-se os rodapés.
VÍDEO DE
 INSTALAÇÃO DE
PISOS LAMINADOS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Filme pastilhas jatobá
Filme pastilhas jatobáFilme pastilhas jatobá
Filme pastilhas jatobá
Ludmila Souza
 
Apostila mãos a obra
Apostila mãos a obraApostila mãos a obra
Apostila mãos a obra
Mateus Mariano
 
Aula 03 argamassa
Aula 03  argamassaAula 03  argamassa
Aula 03 argamassa
Cristiane Silva
 
Argamassas
ArgamassasArgamassas
Argamassas
Augusto Magalhães
 
Slides
SlidesSlides
Aula 7 argamassas
Aula 7   argamassasAula 7   argamassas
Aula 7 argamassas
profNICODEMOS
 
Apresentação ceramica
Apresentação ceramica Apresentação ceramica
Apresentação ceramica
Henriqued
 
Revestimento argamassado
Revestimento argamassadoRevestimento argamassado
Revestimento argamassado
Bruno Leonardo
 
Revestimento industrial
Revestimento industrialRevestimento industrial
Revestimento industrial
rayssaaelias
 
Grupo 09 construção civil
Grupo 09 construção civilGrupo 09 construção civil
Grupo 09 construção civil
Felipeforest
 
Papel-de-parede, revestimentos granílicos e pisos elevados
Papel-de-parede, revestimentos granílicos e pisos elevadosPapel-de-parede, revestimentos granílicos e pisos elevados
Papel-de-parede, revestimentos granílicos e pisos elevados
antoniocgnoatto
 
Aula revestimentos
Aula   revestimentos Aula   revestimentos
Aula revestimentos
wendellnml
 
Materiais revestimentos ceramicos
Materiais   revestimentos ceramicosMateriais   revestimentos ceramicos
Materiais revestimentos ceramicos
José Borba
 
Tecnologia dos Materiais: revestimentos
Tecnologia dos Materiais: revestimentosTecnologia dos Materiais: revestimentos
Tecnologia dos Materiais: revestimentos
Wagner Rezende
 
Dicas
DicasDicas
Argamassa - Materiais de Construção
Argamassa - Materiais de ConstruçãoArgamassa - Materiais de Construção
Argamassa - Materiais de Construção
David Grubba
 
DESIGN DE INTERIORES - UNID III REVESTIMENTOS
DESIGN DE INTERIORES - UNID III REVESTIMENTOSDESIGN DE INTERIORES - UNID III REVESTIMENTOS
DESIGN DE INTERIORES - UNID III REVESTIMENTOS
Luciana Santos
 
Revestimentos ceramicos escopo bsico
Revestimentos ceramicos escopo bsicoRevestimentos ceramicos escopo bsico
Revestimentos ceramicos escopo bsico
Felipeforest
 

Mais procurados (18)

Filme pastilhas jatobá
Filme pastilhas jatobáFilme pastilhas jatobá
Filme pastilhas jatobá
 
Apostila mãos a obra
Apostila mãos a obraApostila mãos a obra
Apostila mãos a obra
 
Aula 03 argamassa
Aula 03  argamassaAula 03  argamassa
Aula 03 argamassa
 
Argamassas
ArgamassasArgamassas
Argamassas
 
Slides
SlidesSlides
Slides
 
Aula 7 argamassas
Aula 7   argamassasAula 7   argamassas
Aula 7 argamassas
 
Apresentação ceramica
Apresentação ceramica Apresentação ceramica
Apresentação ceramica
 
Revestimento argamassado
Revestimento argamassadoRevestimento argamassado
Revestimento argamassado
 
Revestimento industrial
Revestimento industrialRevestimento industrial
Revestimento industrial
 
Grupo 09 construção civil
Grupo 09 construção civilGrupo 09 construção civil
Grupo 09 construção civil
 
Papel-de-parede, revestimentos granílicos e pisos elevados
Papel-de-parede, revestimentos granílicos e pisos elevadosPapel-de-parede, revestimentos granílicos e pisos elevados
Papel-de-parede, revestimentos granílicos e pisos elevados
 
Aula revestimentos
Aula   revestimentos Aula   revestimentos
Aula revestimentos
 
Materiais revestimentos ceramicos
Materiais   revestimentos ceramicosMateriais   revestimentos ceramicos
Materiais revestimentos ceramicos
 
Tecnologia dos Materiais: revestimentos
Tecnologia dos Materiais: revestimentosTecnologia dos Materiais: revestimentos
Tecnologia dos Materiais: revestimentos
 
Dicas
DicasDicas
Dicas
 
Argamassa - Materiais de Construção
Argamassa - Materiais de ConstruçãoArgamassa - Materiais de Construção
Argamassa - Materiais de Construção
 
DESIGN DE INTERIORES - UNID III REVESTIMENTOS
DESIGN DE INTERIORES - UNID III REVESTIMENTOSDESIGN DE INTERIORES - UNID III REVESTIMENTOS
DESIGN DE INTERIORES - UNID III REVESTIMENTOS
 
Revestimentos ceramicos escopo bsico
Revestimentos ceramicos escopo bsicoRevestimentos ceramicos escopo bsico
Revestimentos ceramicos escopo bsico
 

Destaque

Projeto educação ambiental
Projeto educação ambientalProjeto educação ambiental
Projeto educação ambiental
Langoni
 
eBaoTech apresentacao da empresa_port
eBaoTech apresentacao da empresa_porteBaoTech apresentacao da empresa_port
eBaoTech apresentacao da empresa_port
NetPartners
 
Trabalhofinal bitsbytes
Trabalhofinal bitsbytesTrabalhofinal bitsbytes
Trabalhofinal bitsbytes
Ana Rita Lemes Vieira Silva
 
A arte de calar 2
A arte de calar 2A arte de calar 2
A arte de calar 2
Antonio Virgilho
 
LINEAMIENTOS DE TRABAJO
LINEAMIENTOS DE TRABAJOLINEAMIENTOS DE TRABAJO
LINEAMIENTOS DE TRABAJO
MIRNUS
 
12 09-29 pitvi gobierno españa
12 09-29 pitvi gobierno españa12 09-29 pitvi gobierno españa
12 09-29 pitvi gobierno españa
JOSE ARIAS
 
Sandra Plevisani
Sandra PlevisaniSandra Plevisani
Sandra Plevisani
IPAE
 

Destaque (7)

Projeto educação ambiental
Projeto educação ambientalProjeto educação ambiental
Projeto educação ambiental
 
eBaoTech apresentacao da empresa_port
eBaoTech apresentacao da empresa_porteBaoTech apresentacao da empresa_port
eBaoTech apresentacao da empresa_port
 
Trabalhofinal bitsbytes
Trabalhofinal bitsbytesTrabalhofinal bitsbytes
Trabalhofinal bitsbytes
 
A arte de calar 2
A arte de calar 2A arte de calar 2
A arte de calar 2
 
LINEAMIENTOS DE TRABAJO
LINEAMIENTOS DE TRABAJOLINEAMIENTOS DE TRABAJO
LINEAMIENTOS DE TRABAJO
 
12 09-29 pitvi gobierno españa
12 09-29 pitvi gobierno españa12 09-29 pitvi gobierno españa
12 09-29 pitvi gobierno españa
 
Sandra Plevisani
Sandra PlevisaniSandra Plevisani
Sandra Plevisani
 

Semelhante a Grupo

Pedras Naturais e PisosLaminados
Pedras Naturais e PisosLaminados Pedras Naturais e PisosLaminados
Pedras Naturais e PisosLaminados
francibiondo
 
Trabalho construção civil II
Trabalho construção civil IITrabalho construção civil II
Trabalho construção civil II
nandioka
 
Apresentação ceramica
Apresentação ceramica Apresentação ceramica
Apresentação ceramica
Henriqued
 
Trabalho técnicas ii
Trabalho técnicas iiTrabalho técnicas ii
Trabalho técnicas ii
patitrizotto
 
Trabalho técnicas ii
Trabalho técnicas iiTrabalho técnicas ii
Trabalho técnicas ii
patitrizotto
 
Pintura Imobiliária
Pintura ImobiliáriaPintura Imobiliária
Pintura Imobiliária
Thayna Santos
 
Como construir paredes de taipa
Como construir paredes de taipaComo construir paredes de taipa
Como construir paredes de taipa
Míriam Morata Novaes
 
Rochas ornamentais
Rochas ornamentaisRochas ornamentais
Rochas ornamentais
Patricia Gomes
 
T. materiais ii revestimento cimenticio
T. materiais ii   revestimento cimenticioT. materiais ii   revestimento cimenticio
T. materiais ii revestimento cimenticio
Sara Andrade
 
Mãos à obra - Construindo sua casa passo a passo
Mãos à obra - Construindo sua casa passo a passoMãos à obra - Construindo sua casa passo a passo
Mãos à obra - Construindo sua casa passo a passo
VautyMQGuapiaraFranc
 
Relacão água e cimento materiais de construção
Relacão água e cimento   materiais de construçãoRelacão água e cimento   materiais de construção
Relacão água e cimento materiais de construção
Andre Amaral
 
Revestimento cerâmico e azulejos história e execução
Revestimento cerâmico e azulejos   história e execuçãoRevestimento cerâmico e azulejos   história e execução
Revestimento cerâmico e azulejos história e execução
aa. Rubens Lima
 
Marcela, Rafael e Thais - Arquitetura residencial vertical.pdf
Marcela, Rafael e Thais - Arquitetura residencial vertical.pdfMarcela, Rafael e Thais - Arquitetura residencial vertical.pdf
Marcela, Rafael e Thais - Arquitetura residencial vertical.pdf
diogenesfm
 
Apresentação ceramica
Apresentação ceramica Apresentação ceramica
Apresentação ceramica
grupo9mateus
 
Apresentação de rochas
Apresentação de rochasApresentação de rochas
Apresentação de rochas
Lucas Samuel Rosa
 
Pavimentação
PavimentaçãoPavimentação
Pavimentação
Augusto Magalhães
 
apostila trabalhos com gesso
apostila trabalhos com gessoapostila trabalhos com gesso
apostila trabalhos com gesso
William Paula
 
Revestimentos em madeira
Revestimentos em madeiraRevestimentos em madeira
Revestimentos em madeira
Luís Trafani
 
Revestimentos em madeira
Revestimentos em madeiraRevestimentos em madeira
Revestimentos em madeira
Luís Trafani
 
Cartilha revestimento
Cartilha revestimentoCartilha revestimento
Cartilha revestimento
sindusgesso
 

Semelhante a Grupo (20)

Pedras Naturais e PisosLaminados
Pedras Naturais e PisosLaminados Pedras Naturais e PisosLaminados
Pedras Naturais e PisosLaminados
 
Trabalho construção civil II
Trabalho construção civil IITrabalho construção civil II
Trabalho construção civil II
 
Apresentação ceramica
Apresentação ceramica Apresentação ceramica
Apresentação ceramica
 
Trabalho técnicas ii
Trabalho técnicas iiTrabalho técnicas ii
Trabalho técnicas ii
 
Trabalho técnicas ii
Trabalho técnicas iiTrabalho técnicas ii
Trabalho técnicas ii
 
Pintura Imobiliária
Pintura ImobiliáriaPintura Imobiliária
Pintura Imobiliária
 
Como construir paredes de taipa
Como construir paredes de taipaComo construir paredes de taipa
Como construir paredes de taipa
 
Rochas ornamentais
Rochas ornamentaisRochas ornamentais
Rochas ornamentais
 
T. materiais ii revestimento cimenticio
T. materiais ii   revestimento cimenticioT. materiais ii   revestimento cimenticio
T. materiais ii revestimento cimenticio
 
Mãos à obra - Construindo sua casa passo a passo
Mãos à obra - Construindo sua casa passo a passoMãos à obra - Construindo sua casa passo a passo
Mãos à obra - Construindo sua casa passo a passo
 
Relacão água e cimento materiais de construção
Relacão água e cimento   materiais de construçãoRelacão água e cimento   materiais de construção
Relacão água e cimento materiais de construção
 
Revestimento cerâmico e azulejos história e execução
Revestimento cerâmico e azulejos   história e execuçãoRevestimento cerâmico e azulejos   história e execução
Revestimento cerâmico e azulejos história e execução
 
Marcela, Rafael e Thais - Arquitetura residencial vertical.pdf
Marcela, Rafael e Thais - Arquitetura residencial vertical.pdfMarcela, Rafael e Thais - Arquitetura residencial vertical.pdf
Marcela, Rafael e Thais - Arquitetura residencial vertical.pdf
 
Apresentação ceramica
Apresentação ceramica Apresentação ceramica
Apresentação ceramica
 
Apresentação de rochas
Apresentação de rochasApresentação de rochas
Apresentação de rochas
 
Pavimentação
PavimentaçãoPavimentação
Pavimentação
 
apostila trabalhos com gesso
apostila trabalhos com gessoapostila trabalhos com gesso
apostila trabalhos com gesso
 
Revestimentos em madeira
Revestimentos em madeiraRevestimentos em madeira
Revestimentos em madeira
 
Revestimentos em madeira
Revestimentos em madeiraRevestimentos em madeira
Revestimentos em madeira
 
Cartilha revestimento
Cartilha revestimentoCartilha revestimento
Cartilha revestimento
 

Grupo

  • 1. FRANCIELI BIONDO MAIELI SLHESSARENKO SIMONE MICHELON VANUZA LORENZETTI
  • 2. As pedras naturais constituem juntamente com as madeiras, um dos mais antigos materiais de construção. Como são originadas naturalmente, é normal que em uma mesma peça ocorra variação de tonalidades, veios e granulações, formando uma peça única e exclusiva. Devido a sua resistência natural, as pedras podem ser aplicadas tanto em paredes quanto em pisos, em ambientes internos e externos.
  • 3.
  • 4. Variam de acordo com as condições topográficas, posição e profundidade do terreno, a qualidade da pedra, e sua utilização. Geralmente extraída a céu aberto, há no entanto exploração subterrânea, nomeadamente quando o valor da pedra compensa o acréscimo de custos inerentes a esta forma de extração.
  • 5.
  • 6.
  • 7. Após a retirada do bloco é realizado o corte das chapas de tamanho usual que pode variar em valores aproximados á 2.90x1.70 cm. Essas lâminas são manipuladas sempre com máquinas pneumáticas para evitar choques.
  • 8. Os mármores são rochas metamórficas, constituídas principalmente por minerais de calcita. Esses minerais são facilmente atacados por soluções ácidas, além de serem mais frágeis e de dureza menor (escala MOHS entre 3 e 4), portanto podem ser riscado com metal. Possuem uma coloração homogênea, com muitos veios e ausência de pigmentação preta em forma de pontinhos como ocorre nos granitos. Os travertinos são rochas calcárias de sedimentação química formada pela combinação de dióxido de carbono com carbonato de cálcio em solução saturada. Para efeitos de sua utilização eles tem sido chamados de mármores.
  • 9. Os granitos são rochas magmáticas constituídas por três minerais (mica, feldspato, quartzo). Possuem dureza (escala MOHS entre 6 e 7), o que significa que não podem ser riscados pelo metal, mas riscam o vidro e são riscados por outro mineral de dureza superior, sendo assim, o granito é bem mais duro, resistente e menos poros do que o mármore.
  • 10. Mármores - Formado por Carbonato de Cálcio (CO3Ca) + Substâncias estranhas. - Têm veios mais evidentes e menos brilho que os granitos. - São mais moles e menos resistentes que os granitos. - São suscetíveis a manchas e desgaste. -São indicados para pisos internos de salas, halls e quartos. -São muito usados em banheiros e demais ambientes sociais. Granitos -Formado por Mica + Quartzo + Feldspato + Substâncias estranhas. - São mais duros e resistentes a ataques químicos do que os mármores. -Também são mais resistentes a absorção de água e a desgaste abrasivo. - São indicados para áreas externas ou internas, inclusive em cozinhas e lavanderias. -Muito utilizado em áreas comerciais.
  • 12. Serra para cortar pedras  Martelo de borracha branca ou preta apropriado para o assentamento
  • 13. Espátula de borracha para fazer o rejunte.  Furadeira do tipo serra copo para recortar piso nos locais indicados para ralos.  Nível de mangueira ou eletrônico.  Desempenadeira dentada.  Colher de pedreiro.
  • 14. Dependências desobstruídas.  Tubulação hidro-sanitária instalada e protegida.  Contrapiso executado, nivelado e sem buracos.  Cantos sem acumulo de argamassa.  Impermeabilização feita.
  • 15. O contrapiso deve estar sarrafeado ou desempenado, curados há pelo menos 14 dias.  Os resíduos como pó, óleo e tinta comprometem a aderência das argamassas colantes em relação à base, devendo ser retirados.  Os pequenos reparos devem ser feitos pelo menos 48 horas antes da aplicação da argamassa colante.
  • 16. Fazer a pré montagem das peças.  Seguir os veios do conjunto.  Utilizar linha de nylon para o esquadro.  Utilizar espaçadores para acertar a espessura do rejunte.
  • 17. Prepare a argamassa com água limpa, nas proporções indicadas na embalagem de cada produto, até obter uma pasta homogênea. Em seguida, deixe o produto em repouso durante 10 minutos e misture novamente antes do uso. O material preparado deve ser utilizado no prazo máximo de 150 minutos.
  • 18. Carregar a desempenadeira de aço com o cimento colante, e com o lado liso, estender o produto numa área de aproximadamente 2 m². Em seguida, passar o lado denteado da desempenadeira de 8mm x 8mm x 8mm de espessura, num ângulo de 60º em relação à base, formando sulcos ou cordões.
  • 19.  Aplique as placas sobre os cordões, fazendo-as deslizar um pouco sobre a argamassa colante. Pressione com os dedos e bata levemente com o martelo de borracha.  Placas com área igual ou superior a 900 cm² (exemplo 30 cm X 30 cm) em áreas internas e placas de qualquer dimensão em áreas externas e pisos de alto tráfego deverão receber uma aplicação do cimento em seu verso (tardoz) com a desempenadeira denteada de 8 mm X 8 mm X 8 mm e os cordões deverão ser cruzados com os da superfície a ser revestida.  Conforme o piso vai sendo assentado, vai limpando as pedras e os espaços do rejunte com pano úmido.
  • 20. No caso de pedras claras, recomenda-se o uso de argamassa branca;  Nunca lave o piso antes do rejuntamento, pois pode causar eflorescência.  Depois do piso assentado, deixe o ambiente livre de trânsito, pelo menos por 72 horas.  Se a base estiver em contato com o solo, recomenda-se impermeabilizar a pedra também na parte de baixo.
  • 21. Aguardar no mínimo 72 horas para fazer o rejunte.  Limpe a sujeira entre as juntas.  Com auxílio do rodo de borracha ou espátula de plástico flexível, pressione o produto sobre as juntas.  Retire o excesso e frise com um taco de madeira com a ponta arredondada, garantindo total penetração do produto.  Utilize a esponja seca para acabamento final e limpeza grossa. A esponja deverá ser freqüentemente lavada e torcida durante o acabamento final.  Evite umidade na área durante 72 horas após o rejuntamento
  • 22. Qualquer peça de mármore ou granito requer apenas pano úmido. Se necessitar utilizar detergente, escolha sempre o neutro incolor. Nunca utilize produtos como água sanitária ou produtos ácidos ou corrosivos. No caso do mármore, é preciso, ainda, tomar muito cuidado com líquidos: café, refrigerantes, produtos oleosos, etc. Como são porosos, tendem a absorver líquidos. A dica é limpar o local imediatamente, utilizando apenas água e detergente neutro incolor. Tome cuidado, também, ao utilizar o granito polido: em pisos externos, torna-se escorregadio, porém, existem alternativas como o granito apicoado ou flameado que ficam antiderrapantes. Por outro lado, é uma excelente opção para a bancada da cozinha, por ser bastante higiênico.
  • 23. Compostos Industrializados que substituem as pedras, como os Silestones (Stones).
  • 24. VÍDEO ASSENTAMENTO DE PLACAS DE GRANITO
  • 25. Com Argamassa Colante, parafusos e ganchos.  Com Inserts Metálicos.
  • 26. Mesmo método utilizado em pisos.  Passar argamassa colante na pedra e na parede para aumentar a aderência.  Pode ser utilizados parafusos e ganchos.
  • 27. Os Inserts Metálicos são peças de aço projetadas para fixação de placas de rocha em revestimentos de fachadas. Os inserts são ancorados na estrutura do edifício e engastados nas placas do revestimento. Além de suportarem o peso próprio das placas, cumprem também a função de absorverem as tensões provenientes da dilatação térmica linear entre a estrutura e o revestimento. Evitando o trincamento e queda de placas da fachada.
  • 28. É o mais seguro para fachadas.  A fixação é feita sempre na estrutura.  Precisa ser previsto já no projeto (paginação).  Quando é feito depois do projeto é possível fazer um estudo para ver se a estrutura resiste.
  • 29.
  • 30. EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS E COLOCAÇÃO DAS PLACAS:  Iniciar a furação das placas de granito utilizando-se da furadeira apropriada e das brocas diamantadas ø 5 mm;  Fixação das prumadas nos vértices do revestimento;  Marcação da coluna de nível conforme projeto de paginação e fixação;  Obedecer à marcação da saída da colocação conforme projeto de paginação;
  • 31. Conferir o fechamento das cotas horizontais, entre as prumadas, com o projeto de paginação;  Conferir o fechamento das cotas verticais, entre as bandeiras de níveis, com o projeto de paginação;  Marcar posicionamento dos Inserts Metálicos para a primeira placa em uma das extremidades, à esquerda ou à direita;  Fazer o furo no concreto obedecendo a marcação do centro do obilongo do Insert Metálico;  Executar a fixação dos conjuntos Inserts Metálicos ao concreto através da ancoragem do chumbador de expansão ao furo previamente feito no concreto;  Encaixar a placa de granito aos Inserts Metálicos através dos seus furos previamente executados;
  • 32.
  • 33. Fazer o ajuste fino nos Inserts Metálicos de forma a posicionar a placa corretamente no prumo, nível e alinhamento conforme o projeto de paginação e fixação;  Marcar o alinhamento das placas na outra extremidade obedecendo o nível e a prumada;  Dar seqüência na colocação das demais placas repetindo o procedimento anterior;  Ao termino da colocação das placas, remover as prumadas juntamente com seus prisioneiros etc.
  • 34. Fazer cuidadosamente a limpeza das juntas entre as placas de forma a remover toda e qualquer poeira e outros materiais sólidos ou gordurosos utilizando-se de escova de nylon, estopa e álcool;  Aplicação do cordão Tarucel na junta entre as placas de forma a obter um corpo contensor de profundidade e limitando esta a no mínimo metade da largura da junta;  Aplicação da fita adesiva nas faces lustradas ou flameadas de forma a limitá-la pelas arestas de cada placa, deixando-se a abertura padrão da junta;  Aplicação do silicone através do aplicador apropriado fazendo com que o mesmo atinja o corpo contensor, bem como transborde o volume suficiente para o trabalho de compressão e concavidade da calafetagem;  Remoção da fita adesiva tomando-se o cuidado em não sujar se silicone a superfície das placas e fazer o acabamento final da calafetagem se necessário.
  • 35.
  • 36. VÍDEO FIXAÇÃO DE PLACAS DE GRANITO EM FACHADA COM INSERTS METÁLICOS
  • 37.
  • 38. - As pedras São Tomé vem do Subsolo de Minas Gerais da cidade de São Thomé das Letras; - A cidade é caracterizada pelas construções feitas com as próprias pedras extraídas no local, cortadas e empilhadas uma a uma sem argamassa;
  • 39.
  • 40.
  • 41. -Pedra semipreciosa; -Utilizada apenas em seu estado bruto, já que seu índice dedureza é bastante alto e provoca extremo desgaste no maquinário para polimento; -Corte com disco diamantado, devido à sua resistência.
  • 42. Cavaco -Formas irregulares e tamanhos variados com espessuras diversas; -Pode ser aplicado em calçadas, áreas de lazer e varandas; -Muito utilizado em paisagismo e jardinagems.
  • 43. Brita - Aspecto rústico, utilizado em jardinagem e projetos de paisagismo; - Encontrado em diversos tamanhos, também utilizados para britar pátios.
  • 44. Borda de Piscina -Lateral arredondada favorece sua aplicação como borda de piscina; -Proporciona segurança e conforto por não possui quinas.
  • 45. Filete -Pode ser encontrado em diversas espessuras e tamanhos; -Bastante aplicado em fachadas residenciais ou comerciais, paredes internas, muros internos, com características decorativas.
  • 46. Degraus -Ideal para escadas por ser antiderrapante; -Possui diversos tamanhos, proporcionando vários tipos de acabamento: Boleado, Meio Boleado e Reto.
  • 47. -Textura inigualável; -Beleza natural; -Alto grau de dureza; -Baixa absorção d'água; -Antiderrapante; -Não absorve o calor;
  • 48. -A limpeza com água e detergente neutro deve ser frequente, com a ajuda de esfregão; - De tempos em tempos é necessária uma limpeza mais profunda com ácido muriático, que deve ser feita com empresas especializadas.
  • 49. - Rocha flexível - Antiderrapante - Muito absorvente - Antitérmica
  • 50. -Preparar a superfície do contra-piso (limpeza e nivelamento); -As placas que serão assentadas devem estar limpas e isentas de poeira; -Preparar a argamassa com traço 4:1 do produto com água até obter uma argamassa homogênea e consistente;
  • 51. - Espalhar argamassa com desempenadeira com espessura de 3 a 4mm (formando sulcos e cordões); - Aplicar a argamassa com a desempenadeira no verso das placas que serão assentadas; - Os cordões da placa deverão ser cruzados com os da superfície a ser revestida;
  • 52. -Assentar as placas com os dedos e bater levemente com um martelo de borracha até amassar os cordões da argamassa; -Não transitar durante as primeiras 72 horas após o assentamento; -Após 3 dias, no mínimo, iniciar o rejuntamento.
  • 53.
  • 54. Filetes em fachadas, muros e detalhes: - O processo de fixação das peças é feita com argamassa colante direto na parede. - Utiliza juntas secas. - Filetes são instalados em camadas umas sobre as outras. - Mostra o lado bruto ou o lados semi-polido.
  • 55.
  • 56.
  • 57.
  • 58.
  • 59. VÍDEO ASSENTAMENTO DE PEDRA SÃO TOMÉ EM PAREDES
  • 60.
  • 61. - Possui clivagem perfeita - Grandes placas com poucos milímetros de espessura - Baixa porosidade - Lisa e escorregadia quando molhado - Utiliza para: Pisos, soleiras, espelhos, patamares de escada, divisórias de banheiros, pias e lavabos.
  • 62. -Serras de disco diamantado cortam perpendicularmente , procurando obter o tamanho padrão de 2,3 x 1,4m; -O afrouxamento das placas é feito através de cunhas mecânicas adaptadas nas pás carregadeiras; -Na indústria a pedra é aberta manualmente;
  • 63.
  • 64. - O procedimento para execução é o mesmo utilizado em mármore e granito - Precisa de manutenção constante, mas mancha com facilidade - Para selar os poros o ideal é colocar uma camada de resina, mais isso deixa a pedra ainda mais lisa.
  • 65.
  • 66. -Método de assentar é idêntico ao dos pisos; -Espessura mais fina de argamassa (de 2 a 3mm); -Indicado até uma altura de 3m do piso.
  • 67. - Por ser porosa mancha com facilidade; - É lisa e esquenta o ambiente; - Aplicar resina para selar os poros, mas isso a deixa mais lisa. - Muito mais caro que outros revestimentos. - Não absorve bem os ruídos;
  • 68. - Durabilidade; - Impermeável; - Sua cor e textura não é artificial e não muda com o tempo;
  • 69.
  • 70.
  • 71. - Rocha ígnea eruptiva de cor escura; - Granulação fina; - Dureza e porosidade razoável; - Muito versátil; - Alta resistência;
  • 72. -Pode ser encontrada na forma de blocos ou na forma de escamas, ou seja, lajes sobre lajes ;
  • 73.
  • 74.
  • 75.
  • 76. -Basalto polido é geralmente utilizado em supermercados e lugares com grande tráfego.
  • 77. -Mesmos procedimentos que nos pisos; -Espessura de argamassa aplicada é de 2 a 3mm; -Junta vertical feita na lateral das peças em contato; -Aplicar verniz para tal material para maior durabilidade.
  • 78. -É uma pedra econômica e fácil de encontrar ; -Dificilmente se parte, mesmo quando cai no chão.
  • 79. -Pedra mais porosa, mesmo quando polida (requer maiores cuidados de limpeza, higiene e manutenção); -Tem tendência a ganhar odores; -Se usadas na sua forma natural, apresentam formatos irregulares (a pedra aquece mais numas zonas do que outras), não espalhando o calor de forma uniforme na zona onde é aplicada.
  • 80.
  • 81. No passado, as lâminas de madeira natural utilizadas para revestimento de superfícies de madeira eram cortadas com serras mecânicas. Era um processo lento, de custo elevado e que não possibilitava obter o aproveitamento total da peça. Com o desenvolvimento tecnológico aliado a um melhor conhecimento, hoje é possível obter as laminas decorativas de madeira natural, com menores espessura o que resulta em índice de aproveitamento de até 100 % da peça de madeira maciça. Terminologia: São classificadas por apresentar características diferenciadas em sua face, por exemplo brilho acentuado, nós e veios na superfície.
  • 82. - São compostas por um substrato altamente resistente, o HPP. - É um painel de partículas de eucalipto alongadas e agulhadas, termofixas com resina melamínica. - Sua superfície é coberta com revestimento celulósico decorativo impregnado com resina melamínica que confere o padrão ao piso. Sobre este revestimento é aplicado o overlay impregnado com resina melamínica na face do piso. - A contraface é revestida com papel Kraft, impregnado com resina.
  • 83. TIPOS Tem-se os mais diversos tipos de pisos laminados, para alto tráfego, médio tráfego e para tráfego leve, ambos comercial/residencial. Possuem tonalidades claras, médias e escuras. Os tipos mais utilizados, são da Durafloor, Eucafloor e Poliface.
  • 84. -Encontrados em réguas com espessura variando de 7 a 9mm, largura variando de 18 a 20 cm e comprimento de 120 a 150cm. -É comercializado por m² entretanto é usual a compra por caixas, contendo de 1,5 a 2m² do piso por caixa. -A maioria das lojas disponibiliza serviço de colocação. - O valor de mercado com o serviço de colocação esta em média R$ 60 ao m².
  • 85. -Não devem ser aplicados em locais com altas incidências de UMIDADE. -Podem ser aplicado sobre piso de madeira, vinil, cerâmica, pedra e cimento. - Não podem ser aplicados sobre carpetes têxteis e carpetes de Madeira.
  • 86. Analisando o Contrapiso: - Deve-se verificar se o contrapiso apresenta irregularidades, com a utilização de uma régua. Fazer a medição de parede a parede em tiras de 1,5 metro. - Se apresentar saliências superiores a 3mm, as mesmas devem ser corrigidas.Se apresentar depressões superiores a 3mm devem ser corrigidas com argamassa de secagem rápida. Recomenda -se aguardar a cura total do contrapiso para iniciar a instalação do piso.
  • 87. Pisos de concreto sempre transmitem umidade, especialmente tratando-se de contrapisos em contato direto com o solo (andares térreos). O procedimento a seguir permite uma avaliação aproximada da ação de uma possível transferência de umidade.
  • 88. Fixando o Plástico -Cortar vários pedaços de plástico (polietileno) de 50X50 cm. -Fixe-o com fita adesiva em diversas áreas do contrapiso. -Observar após 48 horas.
  • 89. Resultado : -Levantar a borda de cada plástico. Caso ocorra o aparecimento de gotas d'água, (marca de condensação) ou o escurecimento do contrapiso, isso indica que existe problema de umidade.
  • 90.
  • 91. - Determinar o acessório a ser utilizado. Fixe a base dos acessórios no contra piso com bucha e parafuso.
  • 92. .
  • 93. 1. Análise do Ambiente: Após instalar a manta, inicie o posicionamento das réguas. Observe o alinhamento das paredes caso seja necessário, ajuste as réguas recortando e alinhando-as junto à parede.
  • 94. - Defina previamente o sentido das réguas para melhor aproveitamento do material. - Recomenda-se instalar o piso sempre no sentido menor do ambiente.. - Meça o local para não haver recortes, entre fileiras, inferiores a 20 cm e fechamentos não inferiores a 5 cm. - Colocação de espaçadores nas paredes(8 a 15mm)Dilatação;
  • 95. - Disponha as réguas no contrapiso e encaixe cuidadosamente, da esquerda para a direita, com o lado fêmea voltado para a parede. - Comece as fileiras seguintes com amarrações entre as junções das réguas, considerando o desalinhamento mínimo de 20 cm.
  • 96. - Ao iniciar a instalação certifique-se que as paredes estejam no esquadro. Caso não estejam, ajuste com o auxílio de uma suta (esquadro móvel) recortando as réguas.
  • 97. - Para garantir perfeito encaixe das réguas, utilize o batedor de réguas e o martelo, em situações onde a cinta de tração não alcança. Caso contrário utilize sempre a cinta de tração.
  • 98. - Aplique a cola no lado fêmea do encaixe de forma contínua e homogênea em quantidade suficiente para verter o excedente à superfície, após a junção das réguas. Dessa forma, o excedente da cola fará a selagem da superfície, evitando a penetração de líquidos.
  • 99. -Sistema MACHO – FÊMEA -Sistema CLICK - Sistema com HASTE
  • 100. • Da esquerda para direita; • Lado fêmea voltado para parede; • Instala-se primeiro as fileiras de topo; • Aplica-se a cola no lado fêmea do encaixe da outra régua (excesso); • Introduz-se esta na ja instalada com um ângulo de 30°; • Importante a utilização de cinta de tração.
  • 101. • Lado macho voltado para parede; • Aplica-se a haste de encaixe no topo da próxima régua e introdu-la na anterior (bloco batente e martelo). • O encaixe lateral é com a introdução do encaixe macho no encaixe fêmea ( ângulo de 30°). • Sem uso de cola
  • 102. • Qualquer lado voltado para parede; • As peças são clicadas umas as outras no topo e laterais, sem uso de cola; • Vincos. • Retira-se os espaçadores e fixa-se os rodapés.
  • 103. VÍDEO DE INSTALAÇÃO DE PISOS LAMINADOS