SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 67
ANX-TED-001/AD-CO. Rev01
SEGURANÇA NA OPERAÇÃO DE EMPILHADEIRA
 Sensibilizar os operadores de empilhadeira quanto a necessidade de
neutralizar ao máximo a possibilidade de provocar acidentes.
 Adoção de procedimentos de rotina pautadas pelas normas de
segurança.
 Cumprimento ao disposto na NR-11 da Portaria 3214/78 MTE.
OBJETIVO
Legislação!
Nas Normas Regulamentadoras estão as medidas para prevenir situações que
podem comprometer a segurança e a saúde do condutor de empilhadeira,
reduzindo os riscos inerentes por meio das seguintes medidas:
a) Medidas Técnicas de engenharia
b) Medidas Médicas (exames admissional, periódico, de retorno e de mudança
de função)
c) Medidas Administrativas (procedimentos para execução das tarefas)
d) Medidas Educativas (treinamentos, cursos, palestras e reuniões)
Para o condutor de empilhadeira a NR 11 é como o “código de trânsito”, pois é
ela que determina o que é ser habilitado, o exame médico, proibições e alguns
equipamentos obrigatórios que devem existir no equipamento
As empilhadeiras se classificam como máquinas transportadoras. É uma
classificação genérica, pois nela estão enquadrados desde carrinhos manuais,
paleteiras manuais até veículos motorizados de pequeno, médio e grande
porte.
11.1.3 Os equipamentos utilizados na movimentação de materiais, tais como
ascensores, elevadores de carga, guindastes, monta-carga, pontes rolantes,
talhas, empilhadeiras, guinchos.....serão calculados e construídos de maneira
que ofereçam as necessárias garantias de resistência e segurança e
conservados em perfeitas condições de trabalho.
11.1.5 Nos equipamentos de transporte, com força motriz própria, o
operador deverá receber um treinamento específico, dado pela empresa, que
o habilitará nessa função.
NR 11 – TRANSPORTE, MOVIMENTAÇÃO,
ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE MATERIAIS
11.1.6. Os operadores de equipamentos de transporte motorizado deverão
ser habilitados e só poderão dirigir se durante o horário de trabalho
portarem um cartão de identificação, com o nome e fotografia, em lugar
visível.
11.1.6.1 O cartão terá a validade de 1 (um) ano, salvo imprevisto, e, para a
revalidação, o empregado deverá passar por exame de saúde completo,
por conta do empregador.
11.1.7 Os equipamentos de transporte motorizados deverão possuir sinal
de advertência sonora (buzina).
NR 11 – TRANSPORTE, MOVIMENTAÇÃO,
ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE MATERIAIS
11.3 Armazenamento de Materiais.
11.3.1 O peso do material armazenado não poderá exceder a
capacidade de carga calculada para o piso.
No caso de prateleiras deve ser sempre respeitada a capacidade
máxima indicada por longarinas.
NR 11 – TRANSPORTE, MOVIMENTAÇÃO,
ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE MATERIAIS
11.3.2 O material armazenado deverá ser disposto de forma
a evitar a obstrução de portas, equipamentos contra
incêndio, saídas de emergência
É proibido deixar carga de forma que interfira nos sistemas
de emergência e de proteção contra incêndio
NR 11 – TRANSPORTE, MOVIMENTAÇÃO,
ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE MATERIAIS
11.3.4 A disposição da carga não deverá dificultar o trânsito, a
iluminação, o acesso às saídas de emergência.
A carga não pode ser depositada em qualquer lugar,
principalmente provocando obstrução.
11.3.5 O armazenamento deverá obedecer aos requisitos de
segurança especiais a cada tipo de material.
Existindo produtos incompatíveis, isto é, podem reagir ou
contaminar, em caso de contato acidental, devem ser
armazenados em locais específicos e separados.
NR 11 – TRANSPORTE, MOVIMENTAÇÃO,
ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE MATERIAIS
EMPILHADEIRA
Equipamento dotado de garfos e outros sistemas de sustentação de carga. É
um veículo de grande utilidade, pois substitui, com vantagens, talhas,
pontes rolantes, mono vias e também o próprio homem, pois realiza
tarefas que ocupariam vários homens. Seu custo e manutenção são
elevados. O operador tem em suas mãos diariamente um patrimônio
inestimável.
DEFINIÇÃO
COMPONENTES
CONSTITUIÇÃO
 É construída sob o princípio da gangorra, onde a carga colocada nos
garfos é equilibrada pelo peso da máquina.
 O centro de rotação ou o apoio da gangorra é o centro das rodas
dianteiras.
 O contrapeso é formado pela própria estrutura do veículo (combustão)
ou pela bateria (elétrica).
 A capacidade de elevação de uma empilhadeira é afetada pelo peso da
carga e da distância do centro de gravidade da carga (centro da carga).
CONSTITUIÇÃO
B
A
CLASSIFICAÇÃO
Essa classificação é feita considerando as características construtivas e aplicação
dos equipamentos. A classificação é universal e se aplica a todos os fabricantes
A classificação que os fabricantes utilizam é de acordo com a WITS – World
Industrial Truck Statistics (Estatísticas do Veículo Industrial do Mundo), assim as
empilhadeiras são divididas em classes.
Empilhadeira
Finalidade
Máquinas para trabalhos pesados em armazéns.
Características Técnicas
Empilhadeiras a combustão (GLP/Gasolina e Diesel), de contrapeso e
pneu maciço tipo cushion, com capacidade de carga de uma tonelada e
meia até sete toneladas.
CLASSIFICAÇÃO
Pessoa habilitada e treinada, com conhecimento técnico e funcional
do equipamento.
É o responsável direto pela segurança da operação, pessoas e demais
bens interligados a ela.
Responsável por realizar o check list diário.
Deve realizar o exame periódico
OPERADOR
CHECK LIST
 O check list deve ser OBRIGATORIAMENTE realizado diariamente
pelo operador antes do uso da empilhadeira.
 Nenhuma informação deve ser omitida no preenchimento.
 É de responsabilidade do operador todas as informações contidas
no check list.
 Toda e qualquer irregularidade com a empilhadeira deve ser
comunicada imediatamente à Liderança.
CHECK LIST
TURNO DATA TURNO DATA
1° _____/_____/_____ 1° _____/_____/_____
2° _____/_____/_____ 2° _____/_____/_____
3° _____/_____/_____ 3° _____/_____/_____
ADM _____/_____/_____ ADM _____/_____/_____
DIA DIA
1 Assento (Fixação, Rasgos, Cortes) 1 Assento (Fixação, Rasgos, Cortes)
2 Cinto de Segurança (Danos/ Travas) 2 Cinto de Segurança (Danos/ Travas)
3 Comp. de Elevação (Torre/ Garfos) 3 Comp. de Elevação (Torre/ Garfos)
4 Compartimento de Bateria 4 Compartimento de Bateria
5 Estado Geral dos Pneus 5 Estado Geral dos Pneus
6 Estrutura (Carenagem) 6 Estrutura (Carenagem)
7 Extintores 7 Extintores
8 Freio de Emergencia 8 Freio de Emergencia
9 Funcionamento do Horímetro 9 Funcionamento do Horímetro
10 Limitador (altura) 10 Limitador (altura)
11 Limitador (velocidade) 11 Limitador (velocidade)
12 Marcador de Bateria 12 Marcador de Bateria
13 Multitasck 13 Multitasck
14 Nivel de Óleo (Direção) 14 Nivel de Óleo (Direção)
15 Nivel de Óleo (Freios) 15 Nivel de Óleo (Freios)
16 Nivel de Óleo (Hidráulico) 16 Nivel de Óleo (Hidráulico)
17 Nivel de Óleo (Transmissão) 17 Nivel de Óleo (Transmissão)
18 Pedais 18 Pedais
19 Rodas e Palotas 19 Rodas e Palotas
20 Sistema de Gás (rodogás ...) 20 Sistema de Gás (rodogás ...)
21 Sistema Elétrico (Farois) 21 Sistema Elétrico (Farois)
22 Sistema Elétrico (Giroflex) 22 Sistema Elétrico (Giroflex)
23 Sistema Elétrico (Luz de Ré ) 23 Sistema Elétrico (Luz de Ré )
24 Sons e Ruídos 24 Sons e Ruídos
NOME NOME
Manhã Manhã
Tarde Tarde
Noite Noite
LEGENDA: LEGENDA:
Versão: 01 Cargo: Técnico de Segurança Versão: 01 Cargo: Técnico de Segurança
CHECK LIST DE EMPILHADEIRA CHECK LIST DE EMPILHADEIRA
ABASTECIMENTO - PIT STOP
Lavagem dascxs. de
Rodas
Lubrificação / Pós
Lavagem
PinturaConservada
HORÁRIO OBSERVAÇÃO
ABASTECIMENTO - PIT STOP
1° TURNO 2° TURNO 3° TURNO ADM
Especificações de
lavagem/limpeza
do equipamento
_____/____
_____/____
_____/____
ADM
CF ==> Equipamento OK N.CF ==> Equipamento Não Conforme (acionar manutenção)
CF ==> Equipamento OK N.CF ==> Equipamento Não Conforme (acionar manutenção)
ANOTAÇÕES
ANOTAÇÕES
___/_____
Ass. Responsável
DATA DE OCORRÊNCIA OU INSPEÇÃO
_____/____
_____/____
_____/_______/_____
PinturaConservada
INSPEÇÃO
ITEM
OPERADOR LIMPEZA
HOR. FIM
HOR. INIC
____/_____/____
DATA DE OCORRÊNCIA OU INSPEÇÃO
1° TURNO 2° TURNO 3° TURNO
HOR. INIC
____/_____/____
Ass. Responsável
ITEM
INSPEÇÃO
LIMPEZA
Especificações de
lavagem/limpeza
do equipamento
OPERADOR HOR. FIM
Código: FOR2022 Aprovador: Greicy Kelly
Cargo: Eng. De Seg. do Trabalho
Elaborador: Pedro Miranda Código: FOR2022 Elaborador: Pedro Miranda Aprovador: Greicy Kelly
Cargo: Eng. De Seg. do Trabalho
Lavagem do Motor
Lavagem da
Carenagem/Carcaça
Lavagem daCabine
Lavagem do Painel
Direcional
Lavagem do
Estofado
OBSERVAÇÃO
HORÁRIO
Lavagem daCabine
Lavagem do Painel
Direcional
Lavagem do Motor
Lavagem da
Carenagem/Carcaça
Lavagem do
Estofado
Lavagem dascxs. de
Rodas
Lubrificação / Pós
Lavagem
C.H.I – Cartão de Habilitação Interna
A carteirinha do operador é elaborada pela Segurança do Trabalho e
validada pela Medicina Ocupacional, mediante tais documentos:
 ASO na validade
 Curso de Operador de Operador de Empilhadeira realizado em
instituição de ensino.
Deve constar validade, foto do operador e disponibilizada em local visível.
Todos os operadores deverão estar
usando devidamente seus EPI’s. O
operador que não utilizar ou utilizar o
EPI de forma incorreta está sujeito a
penalizações previstas em lei.
Os EPI’s para operador são:
a) óculos de segurança
b) protetor auditivo
c) calçado de segurança
EPI - EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL
Troca do cilindro de gás GLP
1º. Abasteça a empilhadeira apenas em áreas previamente designadas para tal
operação, e com boa ventilação. Tenha sempre próximo um extintor de incêndio
para emergências.
2º. Desligue o motor, Gire a chave de partida para a posição “OFF” (desligar) no
caso da empilhadeira ser equipada com este dispositivo. Ou aperte o botão de
partida “ON/OFF”, (LIGA/DESLIGA).
3º. Nunca abasteça a empilhadeira próximo a chamas ou próximo a
equipamentos que emitam faíscas, e nunca verifique o nível de combustível
com o auxílio de uma chama.
4º. Feche a válvula do botijão. Não estacione a empilhadeira próximo ao calor
ou fontes de propensas a ignição.
5º. O GLP á altamente inflamável. Não fume e desligue o motor ao efetuar
verificação ou abastecer.
Troca do cilindro de gás GLP
6º. Congelamento na superfície do botijão, nas válvulas ou conexões bem como o
cheiro do gás pode indicar a presença de vazamentos, pois o GLP pode causar
explosões e incêndio. Não ligue a máquina caso haja vazamento.
7º. O botijão de GLP é pesado, e seu peso pode exceder o limite recomendado para
ser carregado por um indivíduo. Procure ajuda para levantar ou abaixar um botijão
de GLP.
Troca do cilindro de gás GLP
8º. O GLP pode provocar explosões. Não permita emissão de fagulhas ou chamas
próximo ao sistema de GLP.
9º. Deve-se ficar a uma distância de no mínimo 15m da bomba de abastecimento.
10º. Só pode realizar o abastecimento o operador que passar pelo treinamento
com a empresa fornecedora do combustível.
Troca do cilindro de gás GLP
Remoção do botijão de GLP
1º. Gire a válvula de fechamento em direção horária até total encerramento do
fluxo.
2º. Opere o motor até que ele pare. Gire a chave de partida para a posição
“OFF” (DESLIGAR) no caso da empilhadeira ser equipada com este dispositivo.
Ou aperte o botão “ON/OFF” (LIGA/DESLIGA).
3º. Desconecte o engate rápido do botijão de GLP.
4º. Solte a braçadeira e remova o botijão.
Troca do cilindro de gás GLP
Instalação do Botijão de GLP
IMPORTANTE: O suporte deve estar em posição adequada. Cuidado
para não prender os seus dedos na braçadeira do apoio quando for
colocar o botijão de GLP. A braçadeira pode ser acionada rapidamente
e com força o suficiente para causar ferimentos nos dedos e mãos.
1º. Coloque o botijão de GLP no suporte. Segure a braçadeira em volta do
tanque e feche-a.
2º. Ligue o engate rápido no botijão de GLP.
3º. Movimente a válvula do combustível no sentido anti-horário para abri-lá.
4º. Verifique o sistema de suprimento de combustível quanto a vazamentos
quando a válvula estiver aberta. Esta verificação pode ser efetuada de quatro
maneiras:
PROCEDIMENTO
 Cheiro – O cheiro do GLP é bem característico. Caso você perceba
algum cheiro de gás, NÃO LIGUE O MOTOR.
 Barulho – Ouça se há gás sendo liberado pela conexão do tanque ou
pela mangueira.
 Espuma – Juntamente com o procedimento “b” acima, caso haja cheiro
de gás, mas não há como ouvir o local do vazamento, aplique a espuma
de sabão e água, observe as bolhas que se formarão.
 Congelamento – Quando há muito GLP escapando do sistema, haverá
formação de gelo nas conexões.
PROCEDIMENTO
Manter a máquina freada para não haver qualquer deslocamento;
Desligue o motor e a chave antes de começar o abastecimento;
Não fume em áreas de abastecimento;
Mantenha o extintor próximo ao local de abastecimento;
REGRAS DE SEGURANÇA PARA ABASTECIMENTO
ACIDENTE DE TRABALHO
CAUSAS
Comportamentos Inseguro
 Utilizar máquinas ou ferramentas sem autorização e/ou de
modo incorreto;
 Desrespeitar sinalização;
 Improvisar ferramentas;
 Deixar de usar o Equipamento de Proteção Individual (EPI)
e/ou usá-lo incorretamente;
 Carregar ferramentas nos bolsos;
 Fumar em local proibido;
31
Condição Insegura
 Falta de ordem, arrumação e limpeza;
 Falta de sinalização;
 Instalações elétricas em mau estado;
 Enceradeiras e máquinas limpadoras sem fio terra e com fios condutores
expostos;
 Máquinas sem proteção;
 Piso escorregadio;
32
CAUSAS
FOTOS E VÍDEO DE ACIDENTES
FOTOS E VÍDEO DE ACIDENTES
Em caso de emergência
ANX-TED-001/AD-CO. Rev01
Extintor de pó químico
PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO COM INFLAMÁVEIS
TEORIA DO FOGO:
Para uma melhor compreensão de todos os elementos, ilustraremos, por meio de um
triângulo, onde cada lado representará um dos elementos e o chamaremos de
Triângulo do Fogo (Tetraedro do Fogo) .
• CLASSE A – Fogo em materiais sólidos . Caracteriza-se por queimar em superfície e
profundidade. Ex. tecido, madeira, papel, capim, etc.
• CLASSE B – Fogo em líquidos inflamáveis. Caracteriza por queimar-se na superfície. Ex.
graxas, gasolina, álcool.
• CLASSE C – Fogo em equipamentos elétricos energizados. Ex. quadros de distribuição,
fios sob tensão, computadores.
• CLASSE D – Fogo em elemento pirofóricos. Ex. Magnésio, zircônio, titânio, etc.
41
CLASSIFICAÇÃO DE INCÊNDIO
42
AÇÃO DE RESFRIAMENTO
Diminui-se a temperatura do material incendiado inferiores ao ponto de fulgor ou de
combustão dessa substância.
MÉTODOS DE EXTINÇÃO
43
AÇÃO DE ABAFAMENTO
É resultante da retirada de Oxigênio, pela aplicação de um agente extintor, que
deslocará o ar da superfície do material em combustão.
MÉTODOS DE EXTINÇÃO
44
AÇÃO DE RETIRADA DO MATERIAL
A retirada do material combustível (o que está queimando ou o que esteja próximo)
evita a propagação do incêndio, sem a necessidade de se utilizar um agente extintor.
MÉTODOS DE EXTINÇÃO
45
EXTINTOR DE ÁGUA
Uso
 Em incêndios de classe “A”.
 Não usar em eletricidade (classe “C”).
AGENTES EXTINTORES
46
EXTINTOR DE ESPUMA
Uso
 Em incêndios de
classes “A” e “B”.
 Nunca use em
eletricidade
(classe “C”).
AGENTES EXTINTORES
47
EXTINTOR DE ESPUMA
Uso
 Em incêndios de Classes “B” e “C”.
 Pode ser usado em outras classes do fogo.
AGENTES EXTINTORES
48
EXTINTOR DE PÓ QUÍMICO
Uso
 Em incêndios de classes “B” e “C”.
 Pode ser usado em outras classes de fogo.
AGENTES EXTINTORES
49
EXTINTOR MULTIUSO OU ABC
Os extintores de Pós chamados Multiuso ou ABC são
extintores que podem ser usados em quaisquer classes
de incêndio, pois extinguem princípios de incêndio em
materiais sólidos, em líquidos inflamáveis e gases.
AGENTES EXTINTORES
Dirija com cuidado,
observe as regras de
trânsito e mantenha
sempre o controle da
empilhadeira.
Evite levantar ou
transportar qualquer
carga que possa cair
sobre o operador ou
qualquer outra pessoa.
Nunca leve "passageiros" na
empilhadeira.
REGRAS
Mantenha os braços e pernas
dentro do compartimento do
operador. Principalmente ao
operar em espaços apertados
isso pode tornar-se
extremamente perigoso.
Fique longe e não deixe
que outras pessoas se
aproximem do
mecanismo de
elevação quando
estiver movimentando a
empilhadeira.
Não permita que
ninguém passe
ou fique embaixo
da carga ou do
carro de
elevação.
Comunique
imediatamente ao
seu supervisor
qualquer falha ou
dano com a
empilhadeira
REGRAS
Não desça rampas de
frente com a máquina
carregada. A carga
além de escorregar dos
garfos, pode também
tombar a máquina.
Mantenha sempre a
carga voltada para o
alto da rampa.
Observe
cuidadosamente o
espaço que você
deverá usar, para evitar
batidas especialmente
com os garfos, torre de
elevação, protetor de
operador e contrapeso.
Evite partidas ou freadas
bruscas. Freadas bruscas
podem ocasionar queda
de carga.
REGRAS
Não transporte
cargas superiores
à capacidade
nominal da
máquina.
Não movimente cargas
instáveis ou
desequilibradas.
Não transporte
cargas apoiadas
em um só garfo.
Centralize bem a carga
sobre os garfos, de
maneira que não fique
muito peso para um lado
só, especialmente para
cargas largas.
REGRAS
Tome cuidado para que
cargas cilíndricas e
compridas não girem
sobre os garfos.
Mantenha a
carga
encostada no
carro de
elevação.
Nunca transporte
uma carga
elevada. Quando
as cargas são
transportadas em
posição elevada a
estabilidade da
máquina fica
reduzida.
Eleve ou abaixe a carga
sempre com a torre na
vertical ou um pouco
inclinada para trás.
Incline para frente cargas
elevadas, somente
quando elas estiverem
sobre o local de
empilhamento.
REGRAS
Observe os sinais de tráfego e dê preferência de passagens aos pedestres;
Não passe sobre mangueiras de ar ou fios elétricos deixados no chão;
Comunique a existência de situações de riscos, mesmo que fora de sua área de atuação;
Sempre estacione o veículo em local plano. Se por motivo maior estacionar em terreno
acidentado, calce as rodas, trave os freios e deixe-o engatado;
Não dirija com as mãos ou o solado do sapato impregnados de óleo ou graxa;
Não permita brincadeiras junto ao veículo e a carga que estiver movimentando;
Não dirija se estiver sob efeitos de medicamentos que causam sono ou antidepressivos;
Nunca aja como se já conhecesse a área a ser trafegada. Pode haver mudanças, obras, materiais
no local. Esteja sempre atento;
Palete quebrado ou faltando partes, não deve ser utilizado;
Planeje o trajeto e verifique os desníveis que possa existir no percurso que irá percorrer;
Ao transportar equipamentos que possam bloquear a sua visão, faça o percurso de ré;
REGRAS
Respeite o limite de
velocidade.
É proibido o uso de celular
enquanto realiza
atividades com a
empilhadeira.
Não obstrua equipamentos
de incêndio e saídas de
emergência.
REGRAS
Onde estão os desvios?
Empilhadeira
Onde esta o desvio?
Onde esta o desvio?
Onde esta o desvio?
Onde esta o desvio?
Onde esta o desvio?
Onde esta o desvio?
Onde esta o desvio?
Onde esta o desvio?
Onde esta o desvio?
ANX-TED-001/AD-CO. Rev01

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ts 1148-007-treinamento para operadores de retro escavadeira
Ts 1148-007-treinamento para operadores de retro escavadeiraTs 1148-007-treinamento para operadores de retro escavadeira
Ts 1148-007-treinamento para operadores de retro escavadeiraBiela_123456
 
Plano de rigging para a movimentação segura das cargas instruções gerais
Plano de rigging para a movimentação segura das cargas   instruções geraisPlano de rigging para a movimentação segura das cargas   instruções gerais
Plano de rigging para a movimentação segura das cargas instruções geraisUniversidade Federal Fluminense
 
TreinamentoNR 11 - Transpaleteira (revisado)(1).pptx
TreinamentoNR 11 - Transpaleteira (revisado)(1).pptxTreinamentoNR 11 - Transpaleteira (revisado)(1).pptx
TreinamentoNR 11 - Transpaleteira (revisado)(1).pptxrafaelrustiqueli
 
MODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRAS
MODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRASMODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRAS
MODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRASMateus Borges
 
Segurança com pontes rolantes
Segurança com pontes rolantesSegurança com pontes rolantes
Segurança com pontes rolantesEdinhoguerra
 
Nr 12 canteiro de obras
Nr 12   canteiro de obrasNr 12   canteiro de obras
Nr 12 canteiro de obrasjhonatantst
 
Seguranca na operacao de pontes rolantes
Seguranca na operacao de pontes rolantesSeguranca na operacao de pontes rolantes
Seguranca na operacao de pontes rolantesEliane Damião Alves
 
Operador de PTA.ppt
Operador de PTA.pptOperador de PTA.ppt
Operador de PTA.pptleandro43
 
Treinamento paleteira-eletrica
Treinamento paleteira-eletricaTreinamento paleteira-eletrica
Treinamento paleteira-eletricaJoão Junior
 
Práticas operacionais básicas com cestos aéreos
Práticas operacionais básicas com cestos aéreosPráticas operacionais básicas com cestos aéreos
Práticas operacionais básicas com cestos aéreosVeronezi Guindastes
 
Check list empilhadeira (1)
Check list  empilhadeira (1)Check list  empilhadeira (1)
Check list empilhadeira (1)Edson Ambiental
 

Mais procurados (20)

Ts 1148-007-treinamento para operadores de retro escavadeira
Ts 1148-007-treinamento para operadores de retro escavadeiraTs 1148-007-treinamento para operadores de retro escavadeira
Ts 1148-007-treinamento para operadores de retro escavadeira
 
Plano de rigging para a movimentação segura das cargas instruções gerais
Plano de rigging para a movimentação segura das cargas   instruções geraisPlano de rigging para a movimentação segura das cargas   instruções gerais
Plano de rigging para a movimentação segura das cargas instruções gerais
 
TreinamentoNR 11 - Transpaleteira (revisado)(1).pptx
TreinamentoNR 11 - Transpaleteira (revisado)(1).pptxTreinamentoNR 11 - Transpaleteira (revisado)(1).pptx
TreinamentoNR 11 - Transpaleteira (revisado)(1).pptx
 
MODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRAS
MODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRASMODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRAS
MODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRAS
 
Motoserras
MotoserrasMotoserras
Motoserras
 
Oficina protegildo
Oficina protegildoOficina protegildo
Oficina protegildo
 
Segurança com pontes rolantes
Segurança com pontes rolantesSegurança com pontes rolantes
Segurança com pontes rolantes
 
Prova teórica pta nr18
Prova teórica pta nr18Prova teórica pta nr18
Prova teórica pta nr18
 
Nr 12 canteiro de obras
Nr 12   canteiro de obrasNr 12   canteiro de obras
Nr 12 canteiro de obras
 
Seguranca na operacao de pontes rolantes
Seguranca na operacao de pontes rolantesSeguranca na operacao de pontes rolantes
Seguranca na operacao de pontes rolantes
 
Manual paleteira
Manual paleteiraManual paleteira
Manual paleteira
 
Ordem de serviço operador de empilhadeira
Ordem de serviço operador de empilhadeiraOrdem de serviço operador de empilhadeira
Ordem de serviço operador de empilhadeira
 
Operador de PTA.ppt
Operador de PTA.pptOperador de PTA.ppt
Operador de PTA.ppt
 
pa-carregadeira-conceitos-2
pa-carregadeira-conceitos-2pa-carregadeira-conceitos-2
pa-carregadeira-conceitos-2
 
Treinamento paleteira-eletrica
Treinamento paleteira-eletricaTreinamento paleteira-eletrica
Treinamento paleteira-eletrica
 
Treinamento para operador de empilhadeira
Treinamento para operador de empilhadeiraTreinamento para operador de empilhadeira
Treinamento para operador de empilhadeira
 
Procedimento operacional padrão
Procedimento operacional padrãoProcedimento operacional padrão
Procedimento operacional padrão
 
Práticas operacionais básicas com cestos aéreos
Práticas operacionais básicas com cestos aéreosPráticas operacionais básicas com cestos aéreos
Práticas operacionais básicas com cestos aéreos
 
Check list empilhadeira (1)
Check list  empilhadeira (1)Check list  empilhadeira (1)
Check list empilhadeira (1)
 
Check list andaimes
Check   list andaimesCheck   list andaimes
Check list andaimes
 

Semelhante a REC. EMPILHADEIRA.pptx

Apostila-Empilhadeira-DM.pdf
Apostila-Empilhadeira-DM.pdfApostila-Empilhadeira-DM.pdf
Apostila-Empilhadeira-DM.pdflucimaraambrosio1
 
Apostila-Empilhadeira-DM.pdf
Apostila-Empilhadeira-DM.pdfApostila-Empilhadeira-DM.pdf
Apostila-Empilhadeira-DM.pdflucimaraambrosio1
 
NR-11-GUINDAUTO-MUNCK-ATUALIZADO-TREINAMENTO.ppt
NR-11-GUINDAUTO-MUNCK-ATUALIZADO-TREINAMENTO.pptNR-11-GUINDAUTO-MUNCK-ATUALIZADO-TREINAMENTO.ppt
NR-11-GUINDAUTO-MUNCK-ATUALIZADO-TREINAMENTO.pptIADBrasil
 
Operador de Pá Carregadeira.pptx
Operador de Pá Carregadeira.pptxOperador de Pá Carregadeira.pptx
Operador de Pá Carregadeira.pptxNelsonMadyBarbosa1
 
Curso empilhador PPT_50H_IEFP#2018.pptx
Curso empilhador PPT_50H_IEFP#2018.pptxCurso empilhador PPT_50H_IEFP#2018.pptx
Curso empilhador PPT_50H_IEFP#2018.pptxRúben Viana
 
Manual de Boas Práticas Para operadores .pptx
Manual de Boas Práticas Para operadores .pptxManual de Boas Práticas Para operadores .pptx
Manual de Boas Práticas Para operadores .pptxHudsonOliveira50
 
Apresentação Trator.pptx
Apresentação Trator.pptxApresentação Trator.pptx
Apresentação Trator.pptxJozaldo
 
Operação Segura Empilhadeira - NR 11 - atualizado
Operação Segura Empilhadeira - NR 11 - atualizadoOperação Segura Empilhadeira - NR 11 - atualizado
Operação Segura Empilhadeira - NR 11 - atualizadoAndersonChristianEuf
 
Apresentação - Programa Risco Zero.pptx [Salvo automaticamente].pptx
Apresentação - Programa Risco Zero.pptx [Salvo automaticamente].pptxApresentação - Programa Risco Zero.pptx [Salvo automaticamente].pptx
Apresentação - Programa Risco Zero.pptx [Salvo automaticamente].pptxHudsonOliveira50
 
Treinamento Caminhão Munck.pdf
Treinamento Caminhão Munck.pdfTreinamento Caminhão Munck.pdf
Treinamento Caminhão Munck.pdfFelipeSouza493606
 
Veículo Seguro – Equipamentos de segurança e proteção.pptx
Veículo Seguro – Equipamentos de segurança e proteção.pptxVeículo Seguro – Equipamentos de segurança e proteção.pptx
Veículo Seguro – Equipamentos de segurança e proteção.pptxfigueiredof1
 
Análise de Risco de Trabalho.pdf
Análise de Risco de Trabalho.pdfAnálise de Risco de Trabalho.pdf
Análise de Risco de Trabalho.pdfJESUSBASILIOANTONIO
 
rac02treinamentoveiculosautomotoresrac02rev0-220519175402-9c18911c.pptx
rac02treinamentoveiculosautomotoresrac02rev0-220519175402-9c18911c.pptxrac02treinamentoveiculosautomotoresrac02rev0-220519175402-9c18911c.pptx
rac02treinamentoveiculosautomotoresrac02rev0-220519175402-9c18911c.pptxFrancyaneSarges1
 
42086159 seguranca-na-operacao-de-empilhadeira
42086159 seguranca-na-operacao-de-empilhadeira42086159 seguranca-na-operacao-de-empilhadeira
42086159 seguranca-na-operacao-de-empilhadeiraJanaina Alves
 
seguranca-na-operacao-de-empilhadeira-
seguranca-na-operacao-de-empilhadeira-seguranca-na-operacao-de-empilhadeira-
seguranca-na-operacao-de-empilhadeira-Olizar Macedo
 
Norma Regulamentador n°12Treinamento Empilhadeira 2024.pptx
Norma Regulamentador n°12Treinamento Empilhadeira 2024.pptxNorma Regulamentador n°12Treinamento Empilhadeira 2024.pptx
Norma Regulamentador n°12Treinamento Empilhadeira 2024.pptxWeelton1
 
389686414-Mini-Carregadeira-Honorato.ppt
389686414-Mini-Carregadeira-Honorato.ppt389686414-Mini-Carregadeira-Honorato.ppt
389686414-Mini-Carregadeira-Honorato.pptRAONNEBRAZ1
 

Semelhante a REC. EMPILHADEIRA.pptx (20)

Apostila-Empilhadeira-DM.pdf
Apostila-Empilhadeira-DM.pdfApostila-Empilhadeira-DM.pdf
Apostila-Empilhadeira-DM.pdf
 
Apostila-Empilhadeira-DM.pdf
Apostila-Empilhadeira-DM.pdfApostila-Empilhadeira-DM.pdf
Apostila-Empilhadeira-DM.pdf
 
NR-11-GUINDAUTO-MUNCK-ATUALIZADO-TREINAMENTO.ppt
NR-11-GUINDAUTO-MUNCK-ATUALIZADO-TREINAMENTO.pptNR-11-GUINDAUTO-MUNCK-ATUALIZADO-TREINAMENTO.ppt
NR-11-GUINDAUTO-MUNCK-ATUALIZADO-TREINAMENTO.ppt
 
Operador de Pá Carregadeira.pptx
Operador de Pá Carregadeira.pptxOperador de Pá Carregadeira.pptx
Operador de Pá Carregadeira.pptx
 
MANUAL RTG
MANUAL RTG MANUAL RTG
MANUAL RTG
 
Curso empilhador PPT_50H_IEFP#2018.pptx
Curso empilhador PPT_50H_IEFP#2018.pptxCurso empilhador PPT_50H_IEFP#2018.pptx
Curso empilhador PPT_50H_IEFP#2018.pptx
 
Manual de Boas Práticas Para operadores .pptx
Manual de Boas Práticas Para operadores .pptxManual de Boas Práticas Para operadores .pptx
Manual de Boas Práticas Para operadores .pptx
 
Apresentação Trator.pptx
Apresentação Trator.pptxApresentação Trator.pptx
Apresentação Trator.pptx
 
Operação Segura Empilhadeira - NR 11 - atualizado
Operação Segura Empilhadeira - NR 11 - atualizadoOperação Segura Empilhadeira - NR 11 - atualizado
Operação Segura Empilhadeira - NR 11 - atualizado
 
Apresentação - Programa Risco Zero.pptx [Salvo automaticamente].pptx
Apresentação - Programa Risco Zero.pptx [Salvo automaticamente].pptxApresentação - Programa Risco Zero.pptx [Salvo automaticamente].pptx
Apresentação - Programa Risco Zero.pptx [Salvo automaticamente].pptx
 
Treinamento Caminhão Munck.pdf
Treinamento Caminhão Munck.pdfTreinamento Caminhão Munck.pdf
Treinamento Caminhão Munck.pdf
 
Veículo Seguro – Equipamentos de segurança e proteção.pptx
Veículo Seguro – Equipamentos de segurança e proteção.pptxVeículo Seguro – Equipamentos de segurança e proteção.pptx
Veículo Seguro – Equipamentos de segurança e proteção.pptx
 
Análise de Risco de Trabalho.pdf
Análise de Risco de Trabalho.pdfAnálise de Risco de Trabalho.pdf
Análise de Risco de Trabalho.pdf
 
rac02treinamentoveiculosautomotoresrac02rev0-220519175402-9c18911c.pptx
rac02treinamentoveiculosautomotoresrac02rev0-220519175402-9c18911c.pptxrac02treinamentoveiculosautomotoresrac02rev0-220519175402-9c18911c.pptx
rac02treinamentoveiculosautomotoresrac02rev0-220519175402-9c18911c.pptx
 
42086159 seguranca-na-operacao-de-empilhadeira
42086159 seguranca-na-operacao-de-empilhadeira42086159 seguranca-na-operacao-de-empilhadeira
42086159 seguranca-na-operacao-de-empilhadeira
 
seguranca-na-operacao-de-empilhadeira-
seguranca-na-operacao-de-empilhadeira-seguranca-na-operacao-de-empilhadeira-
seguranca-na-operacao-de-empilhadeira-
 
Artigo da edição 433 da revista Cipa
Artigo da edição 433 da revista CipaArtigo da edição 433 da revista Cipa
Artigo da edição 433 da revista Cipa
 
Reach Stacker
Reach Stacker  Reach Stacker
Reach Stacker
 
Norma Regulamentador n°12Treinamento Empilhadeira 2024.pptx
Norma Regulamentador n°12Treinamento Empilhadeira 2024.pptxNorma Regulamentador n°12Treinamento Empilhadeira 2024.pptx
Norma Regulamentador n°12Treinamento Empilhadeira 2024.pptx
 
389686414-Mini-Carregadeira-Honorato.ppt
389686414-Mini-Carregadeira-Honorato.ppt389686414-Mini-Carregadeira-Honorato.ppt
389686414-Mini-Carregadeira-Honorato.ppt
 

REC. EMPILHADEIRA.pptx

  • 2. SEGURANÇA NA OPERAÇÃO DE EMPILHADEIRA
  • 3.  Sensibilizar os operadores de empilhadeira quanto a necessidade de neutralizar ao máximo a possibilidade de provocar acidentes.  Adoção de procedimentos de rotina pautadas pelas normas de segurança.  Cumprimento ao disposto na NR-11 da Portaria 3214/78 MTE. OBJETIVO
  • 4. Legislação! Nas Normas Regulamentadoras estão as medidas para prevenir situações que podem comprometer a segurança e a saúde do condutor de empilhadeira, reduzindo os riscos inerentes por meio das seguintes medidas: a) Medidas Técnicas de engenharia b) Medidas Médicas (exames admissional, periódico, de retorno e de mudança de função) c) Medidas Administrativas (procedimentos para execução das tarefas) d) Medidas Educativas (treinamentos, cursos, palestras e reuniões) Para o condutor de empilhadeira a NR 11 é como o “código de trânsito”, pois é ela que determina o que é ser habilitado, o exame médico, proibições e alguns equipamentos obrigatórios que devem existir no equipamento
  • 5. As empilhadeiras se classificam como máquinas transportadoras. É uma classificação genérica, pois nela estão enquadrados desde carrinhos manuais, paleteiras manuais até veículos motorizados de pequeno, médio e grande porte. 11.1.3 Os equipamentos utilizados na movimentação de materiais, tais como ascensores, elevadores de carga, guindastes, monta-carga, pontes rolantes, talhas, empilhadeiras, guinchos.....serão calculados e construídos de maneira que ofereçam as necessárias garantias de resistência e segurança e conservados em perfeitas condições de trabalho. 11.1.5 Nos equipamentos de transporte, com força motriz própria, o operador deverá receber um treinamento específico, dado pela empresa, que o habilitará nessa função. NR 11 – TRANSPORTE, MOVIMENTAÇÃO, ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE MATERIAIS
  • 6. 11.1.6. Os operadores de equipamentos de transporte motorizado deverão ser habilitados e só poderão dirigir se durante o horário de trabalho portarem um cartão de identificação, com o nome e fotografia, em lugar visível. 11.1.6.1 O cartão terá a validade de 1 (um) ano, salvo imprevisto, e, para a revalidação, o empregado deverá passar por exame de saúde completo, por conta do empregador. 11.1.7 Os equipamentos de transporte motorizados deverão possuir sinal de advertência sonora (buzina). NR 11 – TRANSPORTE, MOVIMENTAÇÃO, ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE MATERIAIS
  • 7. 11.3 Armazenamento de Materiais. 11.3.1 O peso do material armazenado não poderá exceder a capacidade de carga calculada para o piso. No caso de prateleiras deve ser sempre respeitada a capacidade máxima indicada por longarinas. NR 11 – TRANSPORTE, MOVIMENTAÇÃO, ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE MATERIAIS
  • 8. 11.3.2 O material armazenado deverá ser disposto de forma a evitar a obstrução de portas, equipamentos contra incêndio, saídas de emergência É proibido deixar carga de forma que interfira nos sistemas de emergência e de proteção contra incêndio NR 11 – TRANSPORTE, MOVIMENTAÇÃO, ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE MATERIAIS
  • 9. 11.3.4 A disposição da carga não deverá dificultar o trânsito, a iluminação, o acesso às saídas de emergência. A carga não pode ser depositada em qualquer lugar, principalmente provocando obstrução. 11.3.5 O armazenamento deverá obedecer aos requisitos de segurança especiais a cada tipo de material. Existindo produtos incompatíveis, isto é, podem reagir ou contaminar, em caso de contato acidental, devem ser armazenados em locais específicos e separados. NR 11 – TRANSPORTE, MOVIMENTAÇÃO, ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE MATERIAIS
  • 11. Equipamento dotado de garfos e outros sistemas de sustentação de carga. É um veículo de grande utilidade, pois substitui, com vantagens, talhas, pontes rolantes, mono vias e também o próprio homem, pois realiza tarefas que ocupariam vários homens. Seu custo e manutenção são elevados. O operador tem em suas mãos diariamente um patrimônio inestimável. DEFINIÇÃO
  • 13. CONSTITUIÇÃO  É construída sob o princípio da gangorra, onde a carga colocada nos garfos é equilibrada pelo peso da máquina.  O centro de rotação ou o apoio da gangorra é o centro das rodas dianteiras.  O contrapeso é formado pela própria estrutura do veículo (combustão) ou pela bateria (elétrica).  A capacidade de elevação de uma empilhadeira é afetada pelo peso da carga e da distância do centro de gravidade da carga (centro da carga).
  • 15. CLASSIFICAÇÃO Essa classificação é feita considerando as características construtivas e aplicação dos equipamentos. A classificação é universal e se aplica a todos os fabricantes A classificação que os fabricantes utilizam é de acordo com a WITS – World Industrial Truck Statistics (Estatísticas do Veículo Industrial do Mundo), assim as empilhadeiras são divididas em classes.
  • 16. Empilhadeira Finalidade Máquinas para trabalhos pesados em armazéns. Características Técnicas Empilhadeiras a combustão (GLP/Gasolina e Diesel), de contrapeso e pneu maciço tipo cushion, com capacidade de carga de uma tonelada e meia até sete toneladas. CLASSIFICAÇÃO
  • 17. Pessoa habilitada e treinada, com conhecimento técnico e funcional do equipamento. É o responsável direto pela segurança da operação, pessoas e demais bens interligados a ela. Responsável por realizar o check list diário. Deve realizar o exame periódico OPERADOR
  • 18. CHECK LIST  O check list deve ser OBRIGATORIAMENTE realizado diariamente pelo operador antes do uso da empilhadeira.  Nenhuma informação deve ser omitida no preenchimento.  É de responsabilidade do operador todas as informações contidas no check list.  Toda e qualquer irregularidade com a empilhadeira deve ser comunicada imediatamente à Liderança.
  • 19. CHECK LIST TURNO DATA TURNO DATA 1° _____/_____/_____ 1° _____/_____/_____ 2° _____/_____/_____ 2° _____/_____/_____ 3° _____/_____/_____ 3° _____/_____/_____ ADM _____/_____/_____ ADM _____/_____/_____ DIA DIA 1 Assento (Fixação, Rasgos, Cortes) 1 Assento (Fixação, Rasgos, Cortes) 2 Cinto de Segurança (Danos/ Travas) 2 Cinto de Segurança (Danos/ Travas) 3 Comp. de Elevação (Torre/ Garfos) 3 Comp. de Elevação (Torre/ Garfos) 4 Compartimento de Bateria 4 Compartimento de Bateria 5 Estado Geral dos Pneus 5 Estado Geral dos Pneus 6 Estrutura (Carenagem) 6 Estrutura (Carenagem) 7 Extintores 7 Extintores 8 Freio de Emergencia 8 Freio de Emergencia 9 Funcionamento do Horímetro 9 Funcionamento do Horímetro 10 Limitador (altura) 10 Limitador (altura) 11 Limitador (velocidade) 11 Limitador (velocidade) 12 Marcador de Bateria 12 Marcador de Bateria 13 Multitasck 13 Multitasck 14 Nivel de Óleo (Direção) 14 Nivel de Óleo (Direção) 15 Nivel de Óleo (Freios) 15 Nivel de Óleo (Freios) 16 Nivel de Óleo (Hidráulico) 16 Nivel de Óleo (Hidráulico) 17 Nivel de Óleo (Transmissão) 17 Nivel de Óleo (Transmissão) 18 Pedais 18 Pedais 19 Rodas e Palotas 19 Rodas e Palotas 20 Sistema de Gás (rodogás ...) 20 Sistema de Gás (rodogás ...) 21 Sistema Elétrico (Farois) 21 Sistema Elétrico (Farois) 22 Sistema Elétrico (Giroflex) 22 Sistema Elétrico (Giroflex) 23 Sistema Elétrico (Luz de Ré ) 23 Sistema Elétrico (Luz de Ré ) 24 Sons e Ruídos 24 Sons e Ruídos NOME NOME Manhã Manhã Tarde Tarde Noite Noite LEGENDA: LEGENDA: Versão: 01 Cargo: Técnico de Segurança Versão: 01 Cargo: Técnico de Segurança CHECK LIST DE EMPILHADEIRA CHECK LIST DE EMPILHADEIRA ABASTECIMENTO - PIT STOP Lavagem dascxs. de Rodas Lubrificação / Pós Lavagem PinturaConservada HORÁRIO OBSERVAÇÃO ABASTECIMENTO - PIT STOP 1° TURNO 2° TURNO 3° TURNO ADM Especificações de lavagem/limpeza do equipamento _____/____ _____/____ _____/____ ADM CF ==> Equipamento OK N.CF ==> Equipamento Não Conforme (acionar manutenção) CF ==> Equipamento OK N.CF ==> Equipamento Não Conforme (acionar manutenção) ANOTAÇÕES ANOTAÇÕES ___/_____ Ass. Responsável DATA DE OCORRÊNCIA OU INSPEÇÃO _____/____ _____/____ _____/_______/_____ PinturaConservada INSPEÇÃO ITEM OPERADOR LIMPEZA HOR. FIM HOR. INIC ____/_____/____ DATA DE OCORRÊNCIA OU INSPEÇÃO 1° TURNO 2° TURNO 3° TURNO HOR. INIC ____/_____/____ Ass. Responsável ITEM INSPEÇÃO LIMPEZA Especificações de lavagem/limpeza do equipamento OPERADOR HOR. FIM Código: FOR2022 Aprovador: Greicy Kelly Cargo: Eng. De Seg. do Trabalho Elaborador: Pedro Miranda Código: FOR2022 Elaborador: Pedro Miranda Aprovador: Greicy Kelly Cargo: Eng. De Seg. do Trabalho Lavagem do Motor Lavagem da Carenagem/Carcaça Lavagem daCabine Lavagem do Painel Direcional Lavagem do Estofado OBSERVAÇÃO HORÁRIO Lavagem daCabine Lavagem do Painel Direcional Lavagem do Motor Lavagem da Carenagem/Carcaça Lavagem do Estofado Lavagem dascxs. de Rodas Lubrificação / Pós Lavagem
  • 20. C.H.I – Cartão de Habilitação Interna A carteirinha do operador é elaborada pela Segurança do Trabalho e validada pela Medicina Ocupacional, mediante tais documentos:  ASO na validade  Curso de Operador de Operador de Empilhadeira realizado em instituição de ensino. Deve constar validade, foto do operador e disponibilizada em local visível.
  • 21. Todos os operadores deverão estar usando devidamente seus EPI’s. O operador que não utilizar ou utilizar o EPI de forma incorreta está sujeito a penalizações previstas em lei. Os EPI’s para operador são: a) óculos de segurança b) protetor auditivo c) calçado de segurança EPI - EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL
  • 22. Troca do cilindro de gás GLP 1º. Abasteça a empilhadeira apenas em áreas previamente designadas para tal operação, e com boa ventilação. Tenha sempre próximo um extintor de incêndio para emergências. 2º. Desligue o motor, Gire a chave de partida para a posição “OFF” (desligar) no caso da empilhadeira ser equipada com este dispositivo. Ou aperte o botão de partida “ON/OFF”, (LIGA/DESLIGA).
  • 23. 3º. Nunca abasteça a empilhadeira próximo a chamas ou próximo a equipamentos que emitam faíscas, e nunca verifique o nível de combustível com o auxílio de uma chama. 4º. Feche a válvula do botijão. Não estacione a empilhadeira próximo ao calor ou fontes de propensas a ignição. 5º. O GLP á altamente inflamável. Não fume e desligue o motor ao efetuar verificação ou abastecer. Troca do cilindro de gás GLP
  • 24. 6º. Congelamento na superfície do botijão, nas válvulas ou conexões bem como o cheiro do gás pode indicar a presença de vazamentos, pois o GLP pode causar explosões e incêndio. Não ligue a máquina caso haja vazamento. 7º. O botijão de GLP é pesado, e seu peso pode exceder o limite recomendado para ser carregado por um indivíduo. Procure ajuda para levantar ou abaixar um botijão de GLP. Troca do cilindro de gás GLP
  • 25. 8º. O GLP pode provocar explosões. Não permita emissão de fagulhas ou chamas próximo ao sistema de GLP. 9º. Deve-se ficar a uma distância de no mínimo 15m da bomba de abastecimento. 10º. Só pode realizar o abastecimento o operador que passar pelo treinamento com a empresa fornecedora do combustível. Troca do cilindro de gás GLP
  • 26. Remoção do botijão de GLP 1º. Gire a válvula de fechamento em direção horária até total encerramento do fluxo. 2º. Opere o motor até que ele pare. Gire a chave de partida para a posição “OFF” (DESLIGAR) no caso da empilhadeira ser equipada com este dispositivo. Ou aperte o botão “ON/OFF” (LIGA/DESLIGA). 3º. Desconecte o engate rápido do botijão de GLP. 4º. Solte a braçadeira e remova o botijão. Troca do cilindro de gás GLP
  • 27. Instalação do Botijão de GLP IMPORTANTE: O suporte deve estar em posição adequada. Cuidado para não prender os seus dedos na braçadeira do apoio quando for colocar o botijão de GLP. A braçadeira pode ser acionada rapidamente e com força o suficiente para causar ferimentos nos dedos e mãos. 1º. Coloque o botijão de GLP no suporte. Segure a braçadeira em volta do tanque e feche-a. 2º. Ligue o engate rápido no botijão de GLP. 3º. Movimente a válvula do combustível no sentido anti-horário para abri-lá. 4º. Verifique o sistema de suprimento de combustível quanto a vazamentos quando a válvula estiver aberta. Esta verificação pode ser efetuada de quatro maneiras: PROCEDIMENTO
  • 28.  Cheiro – O cheiro do GLP é bem característico. Caso você perceba algum cheiro de gás, NÃO LIGUE O MOTOR.  Barulho – Ouça se há gás sendo liberado pela conexão do tanque ou pela mangueira.  Espuma – Juntamente com o procedimento “b” acima, caso haja cheiro de gás, mas não há como ouvir o local do vazamento, aplique a espuma de sabão e água, observe as bolhas que se formarão.  Congelamento – Quando há muito GLP escapando do sistema, haverá formação de gelo nas conexões. PROCEDIMENTO
  • 29. Manter a máquina freada para não haver qualquer deslocamento; Desligue o motor e a chave antes de começar o abastecimento; Não fume em áreas de abastecimento; Mantenha o extintor próximo ao local de abastecimento; REGRAS DE SEGURANÇA PARA ABASTECIMENTO
  • 31. CAUSAS Comportamentos Inseguro  Utilizar máquinas ou ferramentas sem autorização e/ou de modo incorreto;  Desrespeitar sinalização;  Improvisar ferramentas;  Deixar de usar o Equipamento de Proteção Individual (EPI) e/ou usá-lo incorretamente;  Carregar ferramentas nos bolsos;  Fumar em local proibido; 31
  • 32. Condição Insegura  Falta de ordem, arrumação e limpeza;  Falta de sinalização;  Instalações elétricas em mau estado;  Enceradeiras e máquinas limpadoras sem fio terra e com fios condutores expostos;  Máquinas sem proteção;  Piso escorregadio; 32 CAUSAS
  • 33. FOTOS E VÍDEO DE ACIDENTES
  • 34. FOTOS E VÍDEO DE ACIDENTES
  • 35.
  • 36.
  • 37.
  • 38.
  • 39. Em caso de emergência ANX-TED-001/AD-CO. Rev01 Extintor de pó químico
  • 40. PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO COM INFLAMÁVEIS TEORIA DO FOGO: Para uma melhor compreensão de todos os elementos, ilustraremos, por meio de um triângulo, onde cada lado representará um dos elementos e o chamaremos de Triângulo do Fogo (Tetraedro do Fogo) .
  • 41. • CLASSE A – Fogo em materiais sólidos . Caracteriza-se por queimar em superfície e profundidade. Ex. tecido, madeira, papel, capim, etc. • CLASSE B – Fogo em líquidos inflamáveis. Caracteriza por queimar-se na superfície. Ex. graxas, gasolina, álcool. • CLASSE C – Fogo em equipamentos elétricos energizados. Ex. quadros de distribuição, fios sob tensão, computadores. • CLASSE D – Fogo em elemento pirofóricos. Ex. Magnésio, zircônio, titânio, etc. 41 CLASSIFICAÇÃO DE INCÊNDIO
  • 42. 42 AÇÃO DE RESFRIAMENTO Diminui-se a temperatura do material incendiado inferiores ao ponto de fulgor ou de combustão dessa substância. MÉTODOS DE EXTINÇÃO
  • 43. 43 AÇÃO DE ABAFAMENTO É resultante da retirada de Oxigênio, pela aplicação de um agente extintor, que deslocará o ar da superfície do material em combustão. MÉTODOS DE EXTINÇÃO
  • 44. 44 AÇÃO DE RETIRADA DO MATERIAL A retirada do material combustível (o que está queimando ou o que esteja próximo) evita a propagação do incêndio, sem a necessidade de se utilizar um agente extintor. MÉTODOS DE EXTINÇÃO
  • 45. 45 EXTINTOR DE ÁGUA Uso  Em incêndios de classe “A”.  Não usar em eletricidade (classe “C”). AGENTES EXTINTORES
  • 46. 46 EXTINTOR DE ESPUMA Uso  Em incêndios de classes “A” e “B”.  Nunca use em eletricidade (classe “C”). AGENTES EXTINTORES
  • 47. 47 EXTINTOR DE ESPUMA Uso  Em incêndios de Classes “B” e “C”.  Pode ser usado em outras classes do fogo. AGENTES EXTINTORES
  • 48. 48 EXTINTOR DE PÓ QUÍMICO Uso  Em incêndios de classes “B” e “C”.  Pode ser usado em outras classes de fogo. AGENTES EXTINTORES
  • 49. 49 EXTINTOR MULTIUSO OU ABC Os extintores de Pós chamados Multiuso ou ABC são extintores que podem ser usados em quaisquer classes de incêndio, pois extinguem princípios de incêndio em materiais sólidos, em líquidos inflamáveis e gases. AGENTES EXTINTORES
  • 50. Dirija com cuidado, observe as regras de trânsito e mantenha sempre o controle da empilhadeira. Evite levantar ou transportar qualquer carga que possa cair sobre o operador ou qualquer outra pessoa. Nunca leve "passageiros" na empilhadeira. REGRAS
  • 51. Mantenha os braços e pernas dentro do compartimento do operador. Principalmente ao operar em espaços apertados isso pode tornar-se extremamente perigoso. Fique longe e não deixe que outras pessoas se aproximem do mecanismo de elevação quando estiver movimentando a empilhadeira. Não permita que ninguém passe ou fique embaixo da carga ou do carro de elevação. Comunique imediatamente ao seu supervisor qualquer falha ou dano com a empilhadeira REGRAS
  • 52. Não desça rampas de frente com a máquina carregada. A carga além de escorregar dos garfos, pode também tombar a máquina. Mantenha sempre a carga voltada para o alto da rampa. Observe cuidadosamente o espaço que você deverá usar, para evitar batidas especialmente com os garfos, torre de elevação, protetor de operador e contrapeso. Evite partidas ou freadas bruscas. Freadas bruscas podem ocasionar queda de carga. REGRAS
  • 53. Não transporte cargas superiores à capacidade nominal da máquina. Não movimente cargas instáveis ou desequilibradas. Não transporte cargas apoiadas em um só garfo. Centralize bem a carga sobre os garfos, de maneira que não fique muito peso para um lado só, especialmente para cargas largas. REGRAS
  • 54. Tome cuidado para que cargas cilíndricas e compridas não girem sobre os garfos. Mantenha a carga encostada no carro de elevação. Nunca transporte uma carga elevada. Quando as cargas são transportadas em posição elevada a estabilidade da máquina fica reduzida. Eleve ou abaixe a carga sempre com a torre na vertical ou um pouco inclinada para trás. Incline para frente cargas elevadas, somente quando elas estiverem sobre o local de empilhamento. REGRAS
  • 55. Observe os sinais de tráfego e dê preferência de passagens aos pedestres; Não passe sobre mangueiras de ar ou fios elétricos deixados no chão; Comunique a existência de situações de riscos, mesmo que fora de sua área de atuação; Sempre estacione o veículo em local plano. Se por motivo maior estacionar em terreno acidentado, calce as rodas, trave os freios e deixe-o engatado; Não dirija com as mãos ou o solado do sapato impregnados de óleo ou graxa; Não permita brincadeiras junto ao veículo e a carga que estiver movimentando; Não dirija se estiver sob efeitos de medicamentos que causam sono ou antidepressivos; Nunca aja como se já conhecesse a área a ser trafegada. Pode haver mudanças, obras, materiais no local. Esteja sempre atento; Palete quebrado ou faltando partes, não deve ser utilizado; Planeje o trajeto e verifique os desníveis que possa existir no percurso que irá percorrer; Ao transportar equipamentos que possam bloquear a sua visão, faça o percurso de ré; REGRAS
  • 56. Respeite o limite de velocidade. É proibido o uso de celular enquanto realiza atividades com a empilhadeira. Não obstrua equipamentos de incêndio e saídas de emergência. REGRAS
  • 57. Onde estão os desvios? Empilhadeira
  • 58. Onde esta o desvio?
  • 59. Onde esta o desvio?
  • 60. Onde esta o desvio?
  • 61. Onde esta o desvio?
  • 62. Onde esta o desvio?
  • 63. Onde esta o desvio?
  • 64. Onde esta o desvio?
  • 65. Onde esta o desvio?
  • 66. Onde esta o desvio?