SlideShare uma empresa Scribd logo
QUALIDADE
               DE VIDA EM
                NÚMEROS


http://prof-paulo-geografia.blogspot.com.br/   Prof. Paulo
O IDH- Índice de Desenvolvimento Humano
                  Criado pela ONU na década de 90 para
                 avaliar e comparar o padrão de vida das
                 nações do mundo é considerado o
                 indicador sócio- econômico mais amplo e
                 completo, o resultado final varia de 0 até
                 1. Analisa três aspectos importantes:
                 A expectativa de vida ou esperança ao
                 nascer que fornece informações sobre as
                 condições de saúde que permitem vida
                 mais longa e mais saudável.
                 O grau de escolaridade através de taxas
                 de alfabetização e taxas de matrículas em
                 todos os níveis educacionais.
                 A renda per capita (RNB), analisando a
                 distribuição de renda e qualidade de vida
                 dos habitantes.
187º Congo (República
Democrática do) IDH 0,286
o ultimo colocado
juntamente com 18 países
africanos na lista dos 20
últimos colocados. A única
exceção e o Afeganistão
172º colocado.
IDH Mundial




██ acima de 0,950   ██ 0,700–0,749   ██ 0,450–0,499
██ 0,900–0,949      ██ 0,650–0,699   ██ 0,400–0,449
██ 0,850–0,899      ██ 0,600–0,649   ██ 0,350–0,399
██ 0,800–0,849      ██ 0,550–0,599   ██ abaixo de 0,350
██ 0,750–0,799      ██ 0,500–0,549   ██ não disponível
IDH Brasil
Brasil: 84º Brasil 0,718
Ranking do IDH Global 2011/PNUD



                                         DIFERENÇAS
                                         GRITANTES
                                         ENTRE OS
                                         ESTADOS E
                                         REGIOES
                                         BRASILEIRAS



    ALTO

    MÉDIO
IDH e Metas do Milênio

 Até 2015, todos
 os 193 Estados-
 Membros das
 Nações Unidas
 assumiram o
 compromisso de:
Apesar do
 relatório da
ONU de 2007
 apresentar o
  Brasil com
 um patamar
  elevado de
  IDH, ainda
predomina no
   país uma
    enorme
desigualdade
socioeconômi
    ca e de
desenvolvime
      nto.
Estrutura Etária
Corresponde à distribuição da população por sexos e grupos de
  idades.
Para caracterizar a estrutura etária é habitual considerar três
  grandes grupos etários:

 Jovens – dos 0 aos 19 anos;


 Adultos – dos 20 aos 59 anos;


 Idosos – dos 60 anos e mais.


Para administrar um país é fundamental analisar a alterações
  populacionais.
Pirâmide Etária
O que são pirâmides etárias?
É a representação gráfica que relaciona a população por sexo e idade.

É constituída por:
 Base – representa a população jovem;
 Parte intermédia - representa a população adulta;
 Topo – representa a população idosa.

O formato das pirâmides traduz a evolução demográfica de um
  determinado lugar, região ou país.
Idade/Pirâmides Etárias:
                  Topo: expectativa de vida

                  Corpo: mortalidade/ PEA

                  Base: natalidade/ fecundidade/
                  população jovem
            País Subdesenvolvido: Brasil até
            1990
            População jovem (natalidade e
            fecundidade alta, baixa expectativa
            de vida)
             País Desenvolvido: Brasil está em
             transição (a caminho). Aumento da
             pop. Idosa (inativa), da expectativa de
             vida, da migração, diminuição da
             mortalidade (infantil), da natalidade e
             da fecundidade.
O que são classes ocas?
 Classe etária cujo número de indivíduos é inferior ao da
 classe anterior e ao da classe seguinte
População Jovem

Consequências socioeconómicas:
 Elevados encargos com a educação e formação de
  crianças e adolescentes
 Elevados encargos com a criação de creches, escolas e
  hospitais
 Desemprego, principalmente de jovens
 Carências habitacionais
População Envelhecida

Consequências socioeconómicas:
 Despesas elevadas com pensões e reformas
 Diminuição da população activa
 Aumento das despesas de saúde
 Perda de dinamismo
Países Subdesenvolvidos
Presença marcante da população jovem superando os adultos e os idosos.
Consequência do alto crescimento vegetativo e baixa expectativa de vida
Países em Desenvolvimento
Presença marcante da população Jovem, esta diminuindo a cada ano e
população de idosos aumentando.
Diminuição do crescimento vegetativo e aumento da expectativa de vida




Essa é uma das razões das mudanças recentes no sistema de previdência
social, com estabelecimento de idade mínima para a aposentadoria e teto
máximo para pagamento ao aposentado.
Países Desenvolvidos
Presença marcante da população adulta e de uma porcentagem
expressiva de idosos.
Consequência do baixo crescimento vegetativo e da elevada
expectativa de vida




Essa situação tem levado a reformas sociais, particularmente, no sistema
previdenciário em diversos países do mundo, já que o envelhecimento da
população obriga o Estado a destinar boa parte de seus recursos econômicos
para a aposentadoria.
Pirâmide Etária do Brasil
Pirâmide Etária do Brasil
Fatores para a queda na taxa de natalidade:
Inserção da mulher no mercado de trabalho.
Maiores despesas com os filhos no mundo globalizado.
Métodos Anticoncepcionais
Urbanização
Fatores para a queda na taxa de mortalidade:
Aumento da expectativa de vida
Melhores padrões sanitários
Desenvolvimento das ciências médicas e da assistência hospitalar
Elevação no nível educacional da população
Urbanização
2050
Estrutura Econômica da População
PIA – população em idade ativa, corresponde à parcela da
população situada entre 15 e 65 anos. Em países
subdesenvolvidos, devido ao trabalho infantil, incluem as
pessoas com mais de 10 anos.
PEA – população economicamente ativa, corresponde à
parcela da população que trabalha ou está procurando
emprego.
Obs: Os trabalhadores informais, estão inseridos na PEA
informal.
PEI – população economicamente inativa, corresponde à
pessoas que não exercem atividades econômicas remuneradas
(idosos que não trabalham, crianças, donas de casas, etc.)
Trabalho infantil
 É toda forma de trabalho exercido por crianças e adolescentes, abaixo da idade
mínima legal permitida para o trabalho, conforme a legislação de cada país.
O trabalho infantil, em geral, é proibido por lei. Especificamente, as formas mais
nocivas ou cruéis de trabalho infantil não apenas são proibidas, mas também
constituem crime
A exploração do trabalho infantil é comum em países subdesenvolvidos,e países
emergentes como no Brasil, onde nas regiões mais pobres este trabalho é bastante
comum. Na maioria das vezes isto ocorre devido à necessidade de ajudar
financeiramente a família. Muitas destas famílias são geralmente de pessoas pobres
que possuem muitos filhos.
Apesar de os pais serem oficialmente responsáveis pelos filhos, não é hábito dos
juízes puni-los. A ação da justiça aplica-se mais a quem contrata menores, mesmo
assim as penas não chegam a ser aplicadas.
As Mulheres e o Mercado de Trabalho
Nas últimas décadas do século XX, presenciamos um dos fatos mais
marcantes na sociedade brasileira, que foi a inserção, cada vez mais
crescente, da mulher no campo do trabalho, fato este explicado pela
combinação de fatores econômicos, culturais e sociais.

Ainda nos dias de hoje é recorrente a concentração de ocupações das
mulheres no mercado de trabalho, sendo que 80% delas são professoras,
cabeleireiras, manicures, funcionárias públicas ou trabalham em serviços de
saúde. Mas o contingente das mulheres trabalhadoras mais importantes está
concentrado no serviço doméstico remunerado; no geral, são mulheres
negras, com baixo nível de escolaridade e com os menores rendimentos na
sociedade brasileira.
Setores de Atividades Econômicas
                    SETOR PRIMÁRIO:                             SETOR
                                                                SECUNDÁRIO
                    Agropecuária
                                                                 Indústrias
                     Extrativismo
                                                                 Construção civil


                                SETOR TERCIÁRIO
                                Setor bancário, financeiro, comércio,
                                transportes e serviços em geral.
                                Obs.: Setor Quaternário: tecnologia (TIC)
                                Setor Quinário: Moda, nanotecnologia

Em países subdesenvolvidos, é maior a participação na renda e no trabalho das
atividades ligadas ao setor primário.
Em países desenvolvidos, atualmente, é maior a participação na renda e no
trabalho das atividades ligadas ao setor terciário
A analise da estrutura setorial de uma população fornece informações
tais como: O nível de desenvolvimento, percentual da população agrícola
e urbana, além de ter uma idéia do tipo de agricultura que se pratica no
país.

Prgunts?
    s?
  ugsts?
 s
nsrs
rsus?
  http://prof-paulo-geografia.blogspot.com.br/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

INDICADORES SOCIAIS
INDICADORES SOCIAISINDICADORES SOCIAIS
INDICADORES SOCIAIS
Conceição Fontolan
 
Conceitos Da Geografia
Conceitos Da GeografiaConceitos Da Geografia
Conceitos Da Geografia
Luciano Pessanha
 
Relevo Brasileiro
 Relevo Brasileiro Relevo Brasileiro
Relevo Brasileiro
Stéfano Silveira
 
Geografia a favelizacao das cidades
Geografia   a favelizacao das cidadesGeografia   a favelizacao das cidades
Geografia a favelizacao das cidades
Gustavo Soares
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
João José Ferreira Tojal
 
A regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasilA regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasil
Professor
 
Relação sociedade natureza
Relação sociedade naturezaRelação sociedade natureza
Relação sociedade natureza
wilson mousinho
 
Conflitos mundiais
Conflitos mundiaisConflitos mundiais
Conflitos mundiais
karolpoa
 
Organização e formação do espaço brasileiro
Organização e formação do espaço brasileiroOrganização e formação do espaço brasileiro
Organização e formação do espaço brasileiro
Jane Mary Lima Castro
 
Agricultura mundial
Agricultura mundialAgricultura mundial
Agricultura mundial
Thamires Bragança
 
Populaçao mundial
Populaçao mundialPopulaçao mundial
Populaçao mundial
Prof.Paulo/geografia
 
Relação entre sociedade e natureza
Relação entre sociedade e naturezaRelação entre sociedade e natureza
Relação entre sociedade e natureza
Colégio Nova Geração COC
 
Espaço geográfico
Espaço geográficoEspaço geográfico
Espaço geográfico
Carminha
 
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASILO PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
Anderson Silva
 
O relevo e as suas formas
O relevo e as suas formasO relevo e as suas formas
O relevo e as suas formas
profacacio
 
Conceitos demográficos
Conceitos demográficosConceitos demográficos
Conceitos demográficos
Professor
 
Desenvolvimento e subdesenvolvimento
Desenvolvimento e subdesenvolvimentoDesenvolvimento e subdesenvolvimento
Desenvolvimento e subdesenvolvimento
Abner de Paula
 
População mundial
População mundialPopulação mundial
População mundial
Uilson Pereira da Silva
 
Urbanização, rede urbana e metrópoles
Urbanização, rede urbana e metrópolesUrbanização, rede urbana e metrópoles
Urbanização, rede urbana e metrópoles
Professor
 
Urbanização brasileira
Urbanização brasileiraUrbanização brasileira
Urbanização brasileira
Abner de Paula
 

Mais procurados (20)

INDICADORES SOCIAIS
INDICADORES SOCIAISINDICADORES SOCIAIS
INDICADORES SOCIAIS
 
Conceitos Da Geografia
Conceitos Da GeografiaConceitos Da Geografia
Conceitos Da Geografia
 
Relevo Brasileiro
 Relevo Brasileiro Relevo Brasileiro
Relevo Brasileiro
 
Geografia a favelizacao das cidades
Geografia   a favelizacao das cidadesGeografia   a favelizacao das cidades
Geografia a favelizacao das cidades
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
 
A regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasilA regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasil
 
Relação sociedade natureza
Relação sociedade naturezaRelação sociedade natureza
Relação sociedade natureza
 
Conflitos mundiais
Conflitos mundiaisConflitos mundiais
Conflitos mundiais
 
Organização e formação do espaço brasileiro
Organização e formação do espaço brasileiroOrganização e formação do espaço brasileiro
Organização e formação do espaço brasileiro
 
Agricultura mundial
Agricultura mundialAgricultura mundial
Agricultura mundial
 
Populaçao mundial
Populaçao mundialPopulaçao mundial
Populaçao mundial
 
Relação entre sociedade e natureza
Relação entre sociedade e naturezaRelação entre sociedade e natureza
Relação entre sociedade e natureza
 
Espaço geográfico
Espaço geográficoEspaço geográfico
Espaço geográfico
 
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASILO PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
 
O relevo e as suas formas
O relevo e as suas formasO relevo e as suas formas
O relevo e as suas formas
 
Conceitos demográficos
Conceitos demográficosConceitos demográficos
Conceitos demográficos
 
Desenvolvimento e subdesenvolvimento
Desenvolvimento e subdesenvolvimentoDesenvolvimento e subdesenvolvimento
Desenvolvimento e subdesenvolvimento
 
População mundial
População mundialPopulação mundial
População mundial
 
Urbanização, rede urbana e metrópoles
Urbanização, rede urbana e metrópolesUrbanização, rede urbana e metrópoles
Urbanização, rede urbana e metrópoles
 
Urbanização brasileira
Urbanização brasileiraUrbanização brasileira
Urbanização brasileira
 

Destaque

Projeçoes cartograficas
Projeçoes cartograficasProjeçoes cartograficas
Projeçoes cartograficas
Prof.Paulo/geografia
 
Hidrografia do brasil
Hidrografia do brasilHidrografia do brasil
Hidrografia do brasil
Prof.Paulo/geografia
 
Clima
ClimaClima
Coordenadas geográficas
Coordenadas geográficasCoordenadas geográficas
Coordenadas geográficas
Prof.Paulo/geografia
 
Relevo
RelevoRelevo
Fuso
FusoFuso
Escalas
EscalasEscalas
Cartografia e poder
Cartografia e poderCartografia e poder
Cartografia e poder
Prof.Paulo/geografia
 
Geologia geomorfologia e mineraçao no brasil
Geologia geomorfologia e mineraçao no brasilGeologia geomorfologia e mineraçao no brasil
Geologia geomorfologia e mineraçao no brasil
Prof.Paulo/geografia
 
As grandes paisagens vegetais do brasil
As grandes paisagens vegetais  do brasilAs grandes paisagens vegetais  do brasil
As grandes paisagens vegetais do brasil
Prof.Paulo/geografia
 
Migraçoes
MigraçoesMigraçoes
Regioes brasil
Regioes brasilRegioes brasil
Regioes brasil
Prof.Paulo/geografia
 
Guia ilustrado video criar
Guia ilustrado video criarGuia ilustrado video criar
Guia ilustrado video criar
Prof.Paulo/geografia
 
Matrizes culturais – 2ª parte
Matrizes culturais – 2ª parteMatrizes culturais – 2ª parte
Matrizes culturais – 2ª parte
felipedacarpereira
 
Escalas cartogrficas 2
Escalas cartogrficas  2Escalas cartogrficas  2
Escalas cartogrficas 2
eunamahcado
 
Cidades
CidadesCidades
Formação do povo brasileiro - 7ª série
Formação do povo brasileiro - 7ª sérieFormação do povo brasileiro - 7ª série
Formação do povo brasileiro - 7ª série
Secretaria Municipal de Educação
 

Destaque (17)

Projeçoes cartograficas
Projeçoes cartograficasProjeçoes cartograficas
Projeçoes cartograficas
 
Hidrografia do brasil
Hidrografia do brasilHidrografia do brasil
Hidrografia do brasil
 
Clima
ClimaClima
Clima
 
Coordenadas geográficas
Coordenadas geográficasCoordenadas geográficas
Coordenadas geográficas
 
Relevo
RelevoRelevo
Relevo
 
Fuso
FusoFuso
Fuso
 
Escalas
EscalasEscalas
Escalas
 
Cartografia e poder
Cartografia e poderCartografia e poder
Cartografia e poder
 
Geologia geomorfologia e mineraçao no brasil
Geologia geomorfologia e mineraçao no brasilGeologia geomorfologia e mineraçao no brasil
Geologia geomorfologia e mineraçao no brasil
 
As grandes paisagens vegetais do brasil
As grandes paisagens vegetais  do brasilAs grandes paisagens vegetais  do brasil
As grandes paisagens vegetais do brasil
 
Migraçoes
MigraçoesMigraçoes
Migraçoes
 
Regioes brasil
Regioes brasilRegioes brasil
Regioes brasil
 
Guia ilustrado video criar
Guia ilustrado video criarGuia ilustrado video criar
Guia ilustrado video criar
 
Matrizes culturais – 2ª parte
Matrizes culturais – 2ª parteMatrizes culturais – 2ª parte
Matrizes culturais – 2ª parte
 
Escalas cartogrficas 2
Escalas cartogrficas  2Escalas cartogrficas  2
Escalas cartogrficas 2
 
Cidades
CidadesCidades
Cidades
 
Formação do povo brasileiro - 7ª série
Formação do povo brasileiro - 7ª sérieFormação do povo brasileiro - 7ª série
Formação do povo brasileiro - 7ª série
 

Semelhante a Qualidade de vida em numeros

REVISÃO DE CONTEÚDO SOBRE OS INDICADORES SOCIAIS.
REVISÃO DE CONTEÚDO SOBRE OS INDICADORES SOCIAIS.REVISÃO DE CONTEÚDO SOBRE OS INDICADORES SOCIAIS.
REVISÃO DE CONTEÚDO SOBRE OS INDICADORES SOCIAIS.
Conceição Fontolan
 
Aula envelhecimento da popu brasileira
Aula envelhecimento da popu brasileiraAula envelhecimento da popu brasileira
Aula envelhecimento da popu brasileira
Salageo Cristina
 
População Brasileira..pptx
População Brasileira..pptxPopulação Brasileira..pptx
População Brasileira..pptx
SvioCarvalho10
 
Unidade 3 7º ano - População do Brasil
Unidade 3   7º ano - População do BrasilUnidade 3   7º ano - População do Brasil
Unidade 3 7º ano - População do Brasil
Christie Freitas
 
DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.
DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.
DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.
Conceição Fontolan
 
Países desenvolvidos vs países em desenvolvimento
Países desenvolvidos vs países em desenvolvimentoPaíses desenvolvidos vs países em desenvolvimento
Países desenvolvidos vs países em desenvolvimento
lidia76
 
População2ª ii
População2ª iiPopulação2ª ii
População2ª ii
Antonio Carlos da Silva
 
Geografia - População do Brasil
Geografia - População do BrasilGeografia - População do Brasil
Geografia - População do Brasil
Carson Souza
 
Slides 2º ano idh e objetivos do milênio
Slides 2º ano idh e objetivos do milênioSlides 2º ano idh e objetivos do milênio
Slides 2º ano idh e objetivos do milênio
Oberlania Alves
 
Desigualdade social no Brasil
Desigualdade social no BrasilDesigualdade social no Brasil
Desigualdade social no Brasil
Isac Silveira
 
Conceitos socieconômicos .pptx
Conceitos socieconômicos .pptxConceitos socieconômicos .pptx
Conceitos socieconômicos .pptx
utilizageoeduca
 
Trabalho de geo
Trabalho de geoTrabalho de geo
Trabalho de geo
sss
 
Aspectos da população mundial e do brasil 1º mc
Aspectos da população mundial e do brasil 1º mcAspectos da população mundial e do brasil 1º mc
Aspectos da população mundial e do brasil 1º mc
ProfMario De Mori
 
Aspectos da população mundial e do brasil 1º mb
Aspectos da população mundial e do brasil 1º mbAspectos da população mundial e do brasil 1º mb
Aspectos da população mundial e do brasil 1º mb
ProfMario De Mori
 
ALGUNS INDICADORES SOCIAIS
ALGUNS INDICADORES SOCIAISALGUNS INDICADORES SOCIAIS
ALGUNS INDICADORES SOCIAIS
Conceição Fontolan
 
Condições socioeconomicas da pop. brasileira.pptx
Condições socioeconomicas da pop. brasileira.pptxCondições socioeconomicas da pop. brasileira.pptx
Condições socioeconomicas da pop. brasileira.pptx
Amanda Mesquita
 
Geografia do brasil populacao
Geografia do brasil populacaoGeografia do brasil populacao
Geografia do brasil populacao
roseni
 
Geografia_B4.1 A Evolução Numérica.pptx
Geografia_B4.1 A Evolução Numérica.pptxGeografia_B4.1 A Evolução Numérica.pptx
Geografia_B4.1 A Evolução Numérica.pptx
SusanaViana14
 
Envelhecimento da população brasileira
Envelhecimento da população  brasileira   Envelhecimento da população  brasileira
Envelhecimento da população brasileira
Salageo Cristina
 
Aspectos da população mundial e do brasil 1º ma
Aspectos da população mundial e do brasil 1º maAspectos da população mundial e do brasil 1º ma
Aspectos da população mundial e do brasil 1º ma
ProfMario De Mori
 

Semelhante a Qualidade de vida em numeros (20)

REVISÃO DE CONTEÚDO SOBRE OS INDICADORES SOCIAIS.
REVISÃO DE CONTEÚDO SOBRE OS INDICADORES SOCIAIS.REVISÃO DE CONTEÚDO SOBRE OS INDICADORES SOCIAIS.
REVISÃO DE CONTEÚDO SOBRE OS INDICADORES SOCIAIS.
 
Aula envelhecimento da popu brasileira
Aula envelhecimento da popu brasileiraAula envelhecimento da popu brasileira
Aula envelhecimento da popu brasileira
 
População Brasileira..pptx
População Brasileira..pptxPopulação Brasileira..pptx
População Brasileira..pptx
 
Unidade 3 7º ano - População do Brasil
Unidade 3   7º ano - População do BrasilUnidade 3   7º ano - População do Brasil
Unidade 3 7º ano - População do Brasil
 
DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.
DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.
DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.
 
Países desenvolvidos vs países em desenvolvimento
Países desenvolvidos vs países em desenvolvimentoPaíses desenvolvidos vs países em desenvolvimento
Países desenvolvidos vs países em desenvolvimento
 
População2ª ii
População2ª iiPopulação2ª ii
População2ª ii
 
Geografia - População do Brasil
Geografia - População do BrasilGeografia - População do Brasil
Geografia - População do Brasil
 
Slides 2º ano idh e objetivos do milênio
Slides 2º ano idh e objetivos do milênioSlides 2º ano idh e objetivos do milênio
Slides 2º ano idh e objetivos do milênio
 
Desigualdade social no Brasil
Desigualdade social no BrasilDesigualdade social no Brasil
Desigualdade social no Brasil
 
Conceitos socieconômicos .pptx
Conceitos socieconômicos .pptxConceitos socieconômicos .pptx
Conceitos socieconômicos .pptx
 
Trabalho de geo
Trabalho de geoTrabalho de geo
Trabalho de geo
 
Aspectos da população mundial e do brasil 1º mc
Aspectos da população mundial e do brasil 1º mcAspectos da população mundial e do brasil 1º mc
Aspectos da população mundial e do brasil 1º mc
 
Aspectos da população mundial e do brasil 1º mb
Aspectos da população mundial e do brasil 1º mbAspectos da população mundial e do brasil 1º mb
Aspectos da população mundial e do brasil 1º mb
 
ALGUNS INDICADORES SOCIAIS
ALGUNS INDICADORES SOCIAISALGUNS INDICADORES SOCIAIS
ALGUNS INDICADORES SOCIAIS
 
Condições socioeconomicas da pop. brasileira.pptx
Condições socioeconomicas da pop. brasileira.pptxCondições socioeconomicas da pop. brasileira.pptx
Condições socioeconomicas da pop. brasileira.pptx
 
Geografia do brasil populacao
Geografia do brasil populacaoGeografia do brasil populacao
Geografia do brasil populacao
 
Geografia_B4.1 A Evolução Numérica.pptx
Geografia_B4.1 A Evolução Numérica.pptxGeografia_B4.1 A Evolução Numérica.pptx
Geografia_B4.1 A Evolução Numérica.pptx
 
Envelhecimento da população brasileira
Envelhecimento da população  brasileira   Envelhecimento da população  brasileira
Envelhecimento da população brasileira
 
Aspectos da população mundial e do brasil 1º ma
Aspectos da população mundial e do brasil 1º maAspectos da população mundial e do brasil 1º ma
Aspectos da população mundial e do brasil 1º ma
 

Mais de Prof.Paulo/geografia

MINERAÇÃO NO BRASIL
MINERAÇÃO NO BRASILMINERAÇÃO NO BRASIL
MINERAÇÃO NO BRASIL
Prof.Paulo/geografia
 
ESTRUTURA GEOLÓGICA DO BRASIL
ESTRUTURA GEOLÓGICA DO BRASILESTRUTURA GEOLÓGICA DO BRASIL
ESTRUTURA GEOLÓGICA DO BRASIL
Prof.Paulo/geografia
 
Estudo Orientado
Estudo OrientadoEstudo Orientado
Estudo Orientado
Prof.Paulo/geografia
 
Mundo do Trabalho
Mundo do TrabalhoMundo do Trabalho
Mundo do Trabalho
Prof.Paulo/geografia
 
Ética e Cidadania
Ética e CidadaniaÉtica e Cidadania
Ética e Cidadania
Prof.Paulo/geografia
 
Aquecimento global
Aquecimento globalAquecimento global
Aquecimento global
Prof.Paulo/geografia
 
Estrutura fundiaria no Brasil
Estrutura fundiaria no BrasilEstrutura fundiaria no Brasil
Estrutura fundiaria no Brasil
Prof.Paulo/geografia
 
El nino
El ninoEl nino
Racismo xenofobia
Racismo xenofobiaRacismo xenofobia
Racismo xenofobia
Prof.Paulo/geografia
 
Industrializao
IndustrializaoIndustrializao
Industrializao
Prof.Paulo/geografia
 
oriente medio
oriente mediooriente medio
oriente medio
Prof.Paulo/geografia
 
Oriente medio
Oriente medioOriente medio
Oriente medio
Prof.Paulo/geografia
 
Energia
EnergiaEnergia
Tigres asiáticos
Tigres asiáticosTigres asiáticos
Tigres asiáticos
Prof.Paulo/geografia
 
Japão
JapãoJapão
Aula jornal blog
Aula jornal blogAula jornal blog
Aula jornal blog
Prof.Paulo/geografia
 
Aspectos naturais europa
Aspectos naturais europaAspectos naturais europa
Aspectos naturais europa
Prof.Paulo/geografia
 
Clima e formaçoes vegetais
Clima e formaçoes vegetaisClima e formaçoes vegetais
Clima e formaçoes vegetais
Prof.Paulo/geografia
 

Mais de Prof.Paulo/geografia (18)

MINERAÇÃO NO BRASIL
MINERAÇÃO NO BRASILMINERAÇÃO NO BRASIL
MINERAÇÃO NO BRASIL
 
ESTRUTURA GEOLÓGICA DO BRASIL
ESTRUTURA GEOLÓGICA DO BRASILESTRUTURA GEOLÓGICA DO BRASIL
ESTRUTURA GEOLÓGICA DO BRASIL
 
Estudo Orientado
Estudo OrientadoEstudo Orientado
Estudo Orientado
 
Mundo do Trabalho
Mundo do TrabalhoMundo do Trabalho
Mundo do Trabalho
 
Ética e Cidadania
Ética e CidadaniaÉtica e Cidadania
Ética e Cidadania
 
Aquecimento global
Aquecimento globalAquecimento global
Aquecimento global
 
Estrutura fundiaria no Brasil
Estrutura fundiaria no BrasilEstrutura fundiaria no Brasil
Estrutura fundiaria no Brasil
 
El nino
El ninoEl nino
El nino
 
Racismo xenofobia
Racismo xenofobiaRacismo xenofobia
Racismo xenofobia
 
Industrializao
IndustrializaoIndustrializao
Industrializao
 
oriente medio
oriente mediooriente medio
oriente medio
 
Oriente medio
Oriente medioOriente medio
Oriente medio
 
Energia
EnergiaEnergia
Energia
 
Tigres asiáticos
Tigres asiáticosTigres asiáticos
Tigres asiáticos
 
Japão
JapãoJapão
Japão
 
Aula jornal blog
Aula jornal blogAula jornal blog
Aula jornal blog
 
Aspectos naturais europa
Aspectos naturais europaAspectos naturais europa
Aspectos naturais europa
 
Clima e formaçoes vegetais
Clima e formaçoes vegetaisClima e formaçoes vegetais
Clima e formaçoes vegetais
 

Qualidade de vida em numeros

  • 1. QUALIDADE DE VIDA EM NÚMEROS http://prof-paulo-geografia.blogspot.com.br/ Prof. Paulo
  • 2. O IDH- Índice de Desenvolvimento Humano Criado pela ONU na década de 90 para avaliar e comparar o padrão de vida das nações do mundo é considerado o indicador sócio- econômico mais amplo e completo, o resultado final varia de 0 até 1. Analisa três aspectos importantes: A expectativa de vida ou esperança ao nascer que fornece informações sobre as condições de saúde que permitem vida mais longa e mais saudável. O grau de escolaridade através de taxas de alfabetização e taxas de matrículas em todos os níveis educacionais. A renda per capita (RNB), analisando a distribuição de renda e qualidade de vida dos habitantes.
  • 3. 187º Congo (República Democrática do) IDH 0,286 o ultimo colocado juntamente com 18 países africanos na lista dos 20 últimos colocados. A única exceção e o Afeganistão 172º colocado.
  • 4. IDH Mundial ██ acima de 0,950 ██ 0,700–0,749 ██ 0,450–0,499 ██ 0,900–0,949 ██ 0,650–0,699 ██ 0,400–0,449 ██ 0,850–0,899 ██ 0,600–0,649 ██ 0,350–0,399 ██ 0,800–0,849 ██ 0,550–0,599 ██ abaixo de 0,350 ██ 0,750–0,799 ██ 0,500–0,549 ██ não disponível
  • 5. IDH Brasil Brasil: 84º Brasil 0,718 Ranking do IDH Global 2011/PNUD DIFERENÇAS GRITANTES ENTRE OS ESTADOS E REGIOES BRASILEIRAS ALTO MÉDIO
  • 6.
  • 7.
  • 8. IDH e Metas do Milênio  Até 2015, todos os 193 Estados- Membros das Nações Unidas assumiram o compromisso de:
  • 9. Apesar do relatório da ONU de 2007 apresentar o Brasil com um patamar elevado de IDH, ainda predomina no país uma enorme desigualdade socioeconômi ca e de desenvolvime nto.
  • 10. Estrutura Etária Corresponde à distribuição da população por sexos e grupos de idades. Para caracterizar a estrutura etária é habitual considerar três grandes grupos etários:  Jovens – dos 0 aos 19 anos;  Adultos – dos 20 aos 59 anos;  Idosos – dos 60 anos e mais. Para administrar um país é fundamental analisar a alterações populacionais.
  • 11. Pirâmide Etária O que são pirâmides etárias? É a representação gráfica que relaciona a população por sexo e idade. É constituída por:  Base – representa a população jovem;  Parte intermédia - representa a população adulta;  Topo – representa a população idosa. O formato das pirâmides traduz a evolução demográfica de um determinado lugar, região ou país.
  • 12. Idade/Pirâmides Etárias: Topo: expectativa de vida Corpo: mortalidade/ PEA Base: natalidade/ fecundidade/ população jovem País Subdesenvolvido: Brasil até 1990 População jovem (natalidade e fecundidade alta, baixa expectativa de vida) País Desenvolvido: Brasil está em transição (a caminho). Aumento da pop. Idosa (inativa), da expectativa de vida, da migração, diminuição da mortalidade (infantil), da natalidade e da fecundidade.
  • 13. O que são classes ocas?  Classe etária cujo número de indivíduos é inferior ao da classe anterior e ao da classe seguinte
  • 14. População Jovem Consequências socioeconómicas:  Elevados encargos com a educação e formação de crianças e adolescentes  Elevados encargos com a criação de creches, escolas e hospitais  Desemprego, principalmente de jovens  Carências habitacionais
  • 15. População Envelhecida Consequências socioeconómicas:  Despesas elevadas com pensões e reformas  Diminuição da população activa  Aumento das despesas de saúde  Perda de dinamismo
  • 16. Países Subdesenvolvidos Presença marcante da população jovem superando os adultos e os idosos. Consequência do alto crescimento vegetativo e baixa expectativa de vida
  • 17. Países em Desenvolvimento Presença marcante da população Jovem, esta diminuindo a cada ano e população de idosos aumentando. Diminuição do crescimento vegetativo e aumento da expectativa de vida Essa é uma das razões das mudanças recentes no sistema de previdência social, com estabelecimento de idade mínima para a aposentadoria e teto máximo para pagamento ao aposentado.
  • 18. Países Desenvolvidos Presença marcante da população adulta e de uma porcentagem expressiva de idosos. Consequência do baixo crescimento vegetativo e da elevada expectativa de vida Essa situação tem levado a reformas sociais, particularmente, no sistema previdenciário em diversos países do mundo, já que o envelhecimento da população obriga o Estado a destinar boa parte de seus recursos econômicos para a aposentadoria.
  • 20. Pirâmide Etária do Brasil Fatores para a queda na taxa de natalidade: Inserção da mulher no mercado de trabalho. Maiores despesas com os filhos no mundo globalizado. Métodos Anticoncepcionais Urbanização Fatores para a queda na taxa de mortalidade: Aumento da expectativa de vida Melhores padrões sanitários Desenvolvimento das ciências médicas e da assistência hospitalar Elevação no nível educacional da população Urbanização
  • 21. 2050
  • 22. Estrutura Econômica da População PIA – população em idade ativa, corresponde à parcela da população situada entre 15 e 65 anos. Em países subdesenvolvidos, devido ao trabalho infantil, incluem as pessoas com mais de 10 anos. PEA – população economicamente ativa, corresponde à parcela da população que trabalha ou está procurando emprego. Obs: Os trabalhadores informais, estão inseridos na PEA informal. PEI – população economicamente inativa, corresponde à pessoas que não exercem atividades econômicas remuneradas (idosos que não trabalham, crianças, donas de casas, etc.)
  • 23. Trabalho infantil  É toda forma de trabalho exercido por crianças e adolescentes, abaixo da idade mínima legal permitida para o trabalho, conforme a legislação de cada país. O trabalho infantil, em geral, é proibido por lei. Especificamente, as formas mais nocivas ou cruéis de trabalho infantil não apenas são proibidas, mas também constituem crime A exploração do trabalho infantil é comum em países subdesenvolvidos,e países emergentes como no Brasil, onde nas regiões mais pobres este trabalho é bastante comum. Na maioria das vezes isto ocorre devido à necessidade de ajudar financeiramente a família. Muitas destas famílias são geralmente de pessoas pobres que possuem muitos filhos. Apesar de os pais serem oficialmente responsáveis pelos filhos, não é hábito dos juízes puni-los. A ação da justiça aplica-se mais a quem contrata menores, mesmo assim as penas não chegam a ser aplicadas.
  • 24. As Mulheres e o Mercado de Trabalho Nas últimas décadas do século XX, presenciamos um dos fatos mais marcantes na sociedade brasileira, que foi a inserção, cada vez mais crescente, da mulher no campo do trabalho, fato este explicado pela combinação de fatores econômicos, culturais e sociais. Ainda nos dias de hoje é recorrente a concentração de ocupações das mulheres no mercado de trabalho, sendo que 80% delas são professoras, cabeleireiras, manicures, funcionárias públicas ou trabalham em serviços de saúde. Mas o contingente das mulheres trabalhadoras mais importantes está concentrado no serviço doméstico remunerado; no geral, são mulheres negras, com baixo nível de escolaridade e com os menores rendimentos na sociedade brasileira.
  • 25. Setores de Atividades Econômicas SETOR PRIMÁRIO: SETOR SECUNDÁRIO Agropecuária  Indústrias  Extrativismo  Construção civil SETOR TERCIÁRIO Setor bancário, financeiro, comércio, transportes e serviços em geral. Obs.: Setor Quaternário: tecnologia (TIC) Setor Quinário: Moda, nanotecnologia Em países subdesenvolvidos, é maior a participação na renda e no trabalho das atividades ligadas ao setor primário. Em países desenvolvidos, atualmente, é maior a participação na renda e no trabalho das atividades ligadas ao setor terciário
  • 26. A analise da estrutura setorial de uma população fornece informações tais como: O nível de desenvolvimento, percentual da população agrícola e urbana, além de ter uma idéia do tipo de agricultura que se pratica no país.
  • 27.  Prgunts? s? ugsts? s nsrs rsus? http://prof-paulo-geografia.blogspot.com.br/