SlideShare uma empresa Scribd logo
EENNEERRGGIIAA 
Prof. Paulo
Energia 
Tudo que realiza algum trabalho. 
Evolução da energia 
Tração humana → lenha (fogo) → tração animal → vento 
(moinho, caravela) → hidráulica → carvão mineral (1ª revolução 
Industrial) → petróleo (2ª Revolução Industrial) → energia nucelar 
(3ª Revolução Industrial) → biomassa/biocombustíveis. 
A matriz energética é a fonte natural – chamada de energia 
primaria. 
Essa energia primaria ou matriz pode ser renovável ou não-renovável. 
Não renovável Renovável 
Suja Limpa 
Fóssil Reciclável
ENERGIA ELÉTRICA: 
Energia elétrica é a energia que chega até a 
nossa casa, através de fios que percorrem 
grandes distâncias. A utilização da energia 
elétrica foi uma grande evolução do homem 
pois, hoje em dia, se o homem não tivesse 
energia, nada do que já foi descoberto de 
tecnologia não poderia existir e nós ainda 
viveremos como seres pré-históricos. 
Podemos dizer então que a energia elétrica é 
essencial para a sobrevivência do ser 
humano.
Recursos energéticos 
Recursos energéticos são 
tudo o que o Homem pode 
retirar da Natureza onde se 
obtém energia. Os recursos 
energéticos dividem-se em 
dois grupos: Energéticos 
renováveis e não renováveis. 
4
Tipos de energia 
Renováveis Não - renováveis 
Renováveis: que podem ser 
usadas sem a perspectiva 
do esgotamento (muitas 
vezes chamadas de 
alternativas). Ex.: hidráulica, 
eólica, geotérmica, solar, 
das marés, etc... 
Solos 
Ar 
Vegetação 
águas Correntes 
Não-renováveis: possuem 
uso limitado em razão de 
seu esgotamento previsto. 
Ex.: carvão mineral, 
petróleo, xisto, urânio, etc 
Ferro 
Manganês 
Combustíveis fósseis 
Os Recurso 
naturais, ou 
seja, fontes de 
energia só 
adquirem valor 
em função de 
uma sociedade, 
de uma época e 
de técnicas de 
utilização. 
Petróleo 
Carvão 
Gás natural
Outra forma de classificação: 
Fontes de energia 
convencionais 
Fontes de energia 
alternativas 
Petróleo 
Carvão Mineral 
Lenha 
Carvão vegetal 
Gás natural 
Hidroeletricidade 
Energia nuclear 
Álcool 
Xisto betuminoso 
Energia solar 
Energia eólica 
Marés 
Biomassa 
Para contornar a crise energética deve-se desenvolver a capacidade geradora de 
energia das fontes alternativas, visando diversificar ao máximo as fontes de consumo 
energético
Fontes renováveis: produzem energia sem 
esgotar (Rios, marés, vento, sol, biomassa);
Fontes não renováveis: reservas esgotam 
(petróleo, carvão, gás natural, urânio)
Brasil 
... O Brasil é um país privilegiado na 
questão da geração de energia, pois 
possui um potencial hidráulico 
elevado, bons proveitos na produção 
da biomassa e energia solar, além do 
constante aumento do proveito de 
fontes através do petróleo, gás, etc., 
sendo considerado um promissor 
mundial nesta questão.
PETRÓLEO 15,0% 
38,4% 
FONTE: MME, 2006. 
CCEENNÁÁRRIIOOSS 
AA QQUUEESSTTÃÃOO EENNEERRGGÉÉTTIICCAA 
MMAATTRRIIZZ EENNEERRGGÉÉTTIICCAA BBRRAASSIILLEEIIRRAA 
LLEENNHHAA// 
CCAARRVVÃÃOO 
VVEEGGEETTAALL 
1133,,11%% 
CCAANNAA--DDEE--AAÇÇÚÚCCAARR 
1133,,99%% 
OOUUTTRROOSS 
22,,77%% 
BIOMASSA 
29,7% 
HIDROELETRICIDADE 
URÂNIO 
1,2% 
CARVÃO 
6,4% 
GÁS NATURAL 
9,3%
37,0% 
Brasil: Consumo de Energia 
16,0% 
21,0% 
3,8% 
4,2% 
5,0% 
Setor público 
Agropecuária 
Comércio 
Residências 
Transportes 
Setor Industrial 
0,0% 10,0% 20,0% 30,0% 40,0%
Consumo de Energia 
O processo de industrialização e consequente urbanização envolvem 
a produção e consumo de energia, uma vez que a atividade industrial 
é a que mais consome energia. 
Conforme dados da Agência Internacional o continente que mais 
produz energia é a Ásia (cerca de 34,4%), seguida da América 
(31,3%) e Europa (25,6%); e o continente que mais consome energia 
é América (mais de um terço do total), fundamentalmente a América 
Anglo-Saxônica (Estados Unidos e Canadá).
FONTE: MME, 2006. 
CCEENNÁÁRRIIOOSS 
AA QQUUEESSTTÃÃOO EENNEERRGGÉÉTTIICCAA 
MMAATTRRIIZZ EENNEERRGGÉÉTTIICCAA NNOO MMUUNNDDOO 
BIOMASSA 
11,2% 
URÂNIO 
6,4% 
HIDROELETRICIDADE 
2,1% 
PETRÓLEO 
35,3% 
CARVÃO 
24,1% 
GÁS NATURAL 
20,9%
ENERGIA FÓSSIL 
Recursos energéticos 
Permitiu o desenvolvimento das sociedades 
industrializadas e tecnológicas, responsável pelo 
consumo de energia de forma exponencial. 
Consumida pelas sociedades provém, na sua maior 
parte, dos combustíveis fósseis. 
Armazenada nas ligações 
químicas de compostos 
orgânicos, sujeitos a complexas 
transformações ao longo de 
grandes períodos de tempo.
Recursos energéticos não renováveis 
Desde a Revolução Industrial e 
com a descoberta do carvão, petróleo e 
gás natural deu-se uma reviravolta nas 
sociedades modernas. 
Em suma recursos energéticos não 
renováveis são todos aqueles que a 
velocidade de consumo é muito rápida 
e os seus períodos de formação e 
inferior (dentro de poucos anos 
extinguir-se-ão). 
17
O que é o petróleo? 
O petróleo é um 
hidrocarboneto e formam-se em 
ambientes com grande 
abundância de matéria orgânica e 
pouco oxigénio, sendo uma 
energia não renovável. Ao longo 
do tempo o petróleo acumula-se 
em rochas-armazém que mais 
tarde serão as rochas de 
cobertura. É neste contexto que 
se forma as jazidas petrolíferas 
que são úteis ao Homem. 
18
Petróleo
O que é gás natural? 
O gás natural, tal como o petróleo, 
é um hidrocarboneto. Ao longo do 
tempo o gás natural acumula-se em 
rochas-armazém que mais tarde serão 
as rochas de cobertura. É neste 
contexto que se forma as jazidas 
petrolíferas que são úteis ao Homem 
para o nosso dia-a-dia. 
20
O que é carvão? 
É uma rocha que resulta da decomposição de restos de plantas 
que juntamente com a temperatura e a pressão transforma-se 
em carvão. Mas antes disso passa por 3 fases: 
Lignite Carvão Betuminoso Antracite 
Sendo uma das fontes energéticas mais utilizadas no Mundo. 
21
Quais são as vantagens da utilização de recursos 
não renováveis? 
O crescente consumo destas matérias-primas 
tem levado à exaustão das reservas globais que 
terá consequências na economia global. 
22
Quais são as desvantagens da 
utilização destas matérias-primas 
Invariavelmente estas 
matérias-primas 
provocarão distúrbios na 
saúde pública: 
- Derrame de 
hidrocarbonetos; 
- Impacte ambiental 
resultante da exploração 
de jazidas fósseis; 
- Alterações climáticas 
23
O que é a energia nuclear? 
É um recurso energético 
não renovável a partir de 
minerais radioativos como o 
urânio e o tório que se produz 
uma grande quantidade de 
calor para a produção de 
energia elétrica. 
24
Quais são as vantagens da 
utilização da energia nuclear? 
A energia nnuucclleeaarr éé mmaaiiss bbaarraattaa ee 
ppeerrmmiittee nnããoo ddeeppeennddeerr ttaannttoo ddooss ccoommbbuussttíívveeiiss 
ffóósssseeiiss.. 
25
Quais são as desvantagens da 
utilização da energia nuclear? 
Qualquer construção de uma central nuclear 
acarreta problemas ambientais porque os resíduos 
radioativos ficam activos durante milhares de anos. 
26
OS PROBLEMAS 
DOS NÃO-RENOVÁVEIS 
 CARVÃO: altamente poluente (CO2), na 
atmosfera e rejeitos sólidos (pode afetar solos, 
rios e águas subterrâneas), ácido sulfúrico entre 
outros; 
 PETRÓLEO: poluente (CO2) entre outros. 
Grandes impactos ambientais (vazamentos); 
principais reservas em países “não tão 
democráticos” 
 NUCLEAR: Resíduos que podem gerar 
radiotividade por mais de 1000 anos;
Fontes de energia renováveis 
São fontes de energia Alternativas; 
Chamada de energia limpa, pois não emite 
poluentes quimicos na atmosfera; 
São perenes, ou seja, infinitas pois estão 
sempre se renovando;
Recursos energéticos 
“A disseminação do uso da energia renovável no mundo exigirá políticas 
governamentais inovadoras, ambiente estável e previsível para 
investimentos e transferências de tecnologia para os países em 
desenvolvimento. 
O setor de energia renovável está prestes a entrar numa nova fase. Há três 
forças fundamentais impulsionando os mercados a favor das fontes 
renováveis de energia: 
Quais serão essas forças? 
Fonte: Laboratório Nacional de Energia Renovável ( 
www.nrel.gov/analysis/docs/cost_curves_2002.ppt)
RENOVÁVEIS 
HIDRELÉTRICAS 
 Não poluentes; 
 Necessidade rios caudalosos, planaltos. 
 Impactos: formação de grandes lagos; 
alagamentos de florestas, áreas rurais e 
urbanas;
RENOVÁVEIS 
SOLAR 
Não poluente e produção infinita; 
Dificuldades de armazenamento 
Melhor aproveitado em climas tropicais 
Necessita de espaço considerável para 
estabelecimento de espelhos de captação
RENOVÁVEIS 
EÓLICA 
Uma das alternativas mais utilizada 
Alemanha e EUA são os que mais utilizam 
Somente viável em locais com frequência de 
ventos.
RENOVÁVEIS 
GEOTÉRMICAS 
Utilização do calor proveniente do interior do 
planeta. Precisamente de vapor d'água. 
Perfuram-se poços profundos onde a água está 
sobre pressão, que ao subir gira turbinas.
RENOVÁVEIS 
MARÉS 
Produção pelo fluxo das marés 
Necessita de locais adequados para instalação
RENOVÁVEIS 
BIOMASSA 
Energia obtida pela decomposição de materiais 
orgânicos como esterco, restos de madeira e 
alimentos, resíduos agrícolas.
RENOVÁVEIS 
BIODIESEL - ETANOL 
Produção de combustíveis a partir de vegetais 
Apresenta poluição menor, alem de sequestrar 
carbono, contudo precisa de grandes áreas e 
ocupa áreas de produção de grãos
Dúvidas? 
Perguntas? 
Sugestões? 
Reclamações? 
Opiniões para as 
próximas aulas?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Origem e formação da terra
Origem e formação da terraOrigem e formação da terra
Origem e formação da terra
karolpoa
 
Energia Renovável
Energia RenovávelEnergia Renovável
Energia Renovável
Kaique Dadalto
 
Atmosfera terrestre - Geografia
Atmosfera terrestre - GeografiaAtmosfera terrestre - Geografia
Atmosfera terrestre - Geografia
Positivo e Sesi
 
Fontes de energia do brasil
Fontes de energia do brasilFontes de energia do brasil
Fontes de energia do brasil
João José Ferreira Tojal
 
Cartografia
CartografiaCartografia
Cartografia
Suely Takahashi
 
Paisagem
PaisagemPaisagem
Energia meio ambiente
Energia meio ambienteEnergia meio ambiente
Energia meio ambiente
marco ferreira
 
Fontes de energia
Fontes de energiaFontes de energia
Fontes de energia
Suely Takahashi
 
Dinâmica climática
Dinâmica climáticaDinâmica climática
Dinâmica climática
Roberta Sumar
 
Rios
RiosRios
Rios
edsonluz
 
O planeta terra
O planeta terraO planeta terra
O planeta terra
Prof. Francesco Torres
 
Clima
ClimaClima
Clima e tempo
Clima e tempoClima e tempo
Clima e tempo
Guilherme Drumond
 
Fontes de energia.
Fontes de energia.Fontes de energia.
Fontes de energia.
Robs
 
Os movimentos da terra
Os movimentos da terraOs movimentos da terra
Os movimentos da terra
Professor
 
Fusos horarios completo
Fusos horarios completoFusos horarios completo
Fusos horarios completo
Kéliton Ferreira
 
6º ano unidade 7
6º ano unidade 76º ano unidade 7
6º ano unidade 7
Christie Freitas
 
Formação Territorial Do Brasil
Formação Territorial Do BrasilFormação Territorial Do Brasil
Formação Territorial Do Brasil
Luciano Pessanha
 
Industrialização
IndustrializaçãoIndustrialização
Industrialização
Anderson Cardozo
 
Ações humanas e alteracoes ambientais
Ações humanas e alteracoes ambientaisAções humanas e alteracoes ambientais
Ações humanas e alteracoes ambientais
Prof. Francesco Torres
 

Mais procurados (20)

Origem e formação da terra
Origem e formação da terraOrigem e formação da terra
Origem e formação da terra
 
Energia Renovável
Energia RenovávelEnergia Renovável
Energia Renovável
 
Atmosfera terrestre - Geografia
Atmosfera terrestre - GeografiaAtmosfera terrestre - Geografia
Atmosfera terrestre - Geografia
 
Fontes de energia do brasil
Fontes de energia do brasilFontes de energia do brasil
Fontes de energia do brasil
 
Cartografia
CartografiaCartografia
Cartografia
 
Paisagem
PaisagemPaisagem
Paisagem
 
Energia meio ambiente
Energia meio ambienteEnergia meio ambiente
Energia meio ambiente
 
Fontes de energia
Fontes de energiaFontes de energia
Fontes de energia
 
Dinâmica climática
Dinâmica climáticaDinâmica climática
Dinâmica climática
 
Rios
RiosRios
Rios
 
O planeta terra
O planeta terraO planeta terra
O planeta terra
 
Clima
ClimaClima
Clima
 
Clima e tempo
Clima e tempoClima e tempo
Clima e tempo
 
Fontes de energia.
Fontes de energia.Fontes de energia.
Fontes de energia.
 
Os movimentos da terra
Os movimentos da terraOs movimentos da terra
Os movimentos da terra
 
Fusos horarios completo
Fusos horarios completoFusos horarios completo
Fusos horarios completo
 
6º ano unidade 7
6º ano unidade 76º ano unidade 7
6º ano unidade 7
 
Formação Territorial Do Brasil
Formação Territorial Do BrasilFormação Territorial Do Brasil
Formação Territorial Do Brasil
 
Industrialização
IndustrializaçãoIndustrialização
Industrialização
 
Ações humanas e alteracoes ambientais
Ações humanas e alteracoes ambientaisAções humanas e alteracoes ambientais
Ações humanas e alteracoes ambientais
 

Destaque

Guia ilustrado video criar
Guia ilustrado video criarGuia ilustrado video criar
Guia ilustrado video criar
Prof.Paulo/geografia
 
Estrutura fundiaria no Brasil
Estrutura fundiaria no BrasilEstrutura fundiaria no Brasil
Estrutura fundiaria no Brasil
Prof.Paulo/geografia
 
Fuso
FusoFuso
Escalas
EscalasEscalas
Cidades
CidadesCidades
Hidrografia do brasil
Hidrografia do brasilHidrografia do brasil
Hidrografia do brasil
Prof.Paulo/geografia
 
Migraçoes
MigraçoesMigraçoes
Coordenadas geográficas
Coordenadas geográficasCoordenadas geográficas
Coordenadas geográficas
Prof.Paulo/geografia
 
A estrutura da terra
A estrutura da terraA estrutura da terra
A estrutura da terra
Prof.Paulo/geografia
 
Geologia geomorfologia e mineraçao no brasil
Geologia geomorfologia e mineraçao no brasilGeologia geomorfologia e mineraçao no brasil
Geologia geomorfologia e mineraçao no brasil
Prof.Paulo/geografia
 
Qualidade de vida em numeros
Qualidade de vida em numerosQualidade de vida em numeros
Qualidade de vida em numeros
Prof.Paulo/geografia
 
As grandes paisagens vegetais do brasil
As grandes paisagens vegetais  do brasilAs grandes paisagens vegetais  do brasil
As grandes paisagens vegetais do brasil
Prof.Paulo/geografia
 
Projeçoes cartograficas
Projeçoes cartograficasProjeçoes cartograficas
Projeçoes cartograficas
Prof.Paulo/geografia
 
Cartografia e poder
Cartografia e poderCartografia e poder
Cartografia e poder
Prof.Paulo/geografia
 
Populaçao mundial
Populaçao mundialPopulaçao mundial
Populaçao mundial
Prof.Paulo/geografia
 
Regioes brasil
Regioes brasilRegioes brasil
Regioes brasil
Prof.Paulo/geografia
 
Populaçao brasileira
Populaçao brasileiraPopulaçao brasileira
Populaçao brasileira
Prof.Paulo/geografia
 

Destaque (17)

Guia ilustrado video criar
Guia ilustrado video criarGuia ilustrado video criar
Guia ilustrado video criar
 
Estrutura fundiaria no Brasil
Estrutura fundiaria no BrasilEstrutura fundiaria no Brasil
Estrutura fundiaria no Brasil
 
Fuso
FusoFuso
Fuso
 
Escalas
EscalasEscalas
Escalas
 
Cidades
CidadesCidades
Cidades
 
Hidrografia do brasil
Hidrografia do brasilHidrografia do brasil
Hidrografia do brasil
 
Migraçoes
MigraçoesMigraçoes
Migraçoes
 
Coordenadas geográficas
Coordenadas geográficasCoordenadas geográficas
Coordenadas geográficas
 
A estrutura da terra
A estrutura da terraA estrutura da terra
A estrutura da terra
 
Geologia geomorfologia e mineraçao no brasil
Geologia geomorfologia e mineraçao no brasilGeologia geomorfologia e mineraçao no brasil
Geologia geomorfologia e mineraçao no brasil
 
Qualidade de vida em numeros
Qualidade de vida em numerosQualidade de vida em numeros
Qualidade de vida em numeros
 
As grandes paisagens vegetais do brasil
As grandes paisagens vegetais  do brasilAs grandes paisagens vegetais  do brasil
As grandes paisagens vegetais do brasil
 
Projeçoes cartograficas
Projeçoes cartograficasProjeçoes cartograficas
Projeçoes cartograficas
 
Cartografia e poder
Cartografia e poderCartografia e poder
Cartografia e poder
 
Populaçao mundial
Populaçao mundialPopulaçao mundial
Populaçao mundial
 
Regioes brasil
Regioes brasilRegioes brasil
Regioes brasil
 
Populaçao brasileira
Populaçao brasileiraPopulaçao brasileira
Populaçao brasileira
 

Semelhante a Energia

Situação Energética Mundial
Situação Energética MundialSituação Energética Mundial
Situação Energética Mundial
Gijasilvelitz 2
 
Aula fontes de energi1
Aula fontes de energi1Aula fontes de energi1
Aula fontes de energi1
lgreggio10
 
Recursos Não Renováveis
Recursos Não RenováveisRecursos Não Renováveis
Recursos Não Renováveis
Catiabarbosa
 
cie_(2)__8°_ano_24093125.pdf
cie_(2)__8°_ano_24093125.pdfcie_(2)__8°_ano_24093125.pdf
cie_(2)__8°_ano_24093125.pdf
KenniaSamaraMerencio1
 
Artigo Científico sobre "A Evolução da Energia Eólica"
Artigo Científico sobre "A Evolução da Energia Eólica"Artigo Científico sobre "A Evolução da Energia Eólica"
Artigo Científico sobre "A Evolução da Energia Eólica"
Klayton Clemente
 
Os Recursos Naturais
Os Recursos NaturaisOs Recursos Naturais
Os Recursos Naturais
Diogo Mateus
 
Seminário fontes de energia
Seminário   fontes de energiaSeminário   fontes de energia
Seminário fontes de energia
LUIS ABREU
 
Energia 6ano
Energia 6anoEnergia 6ano
Energia 6ano
Suely Takahashi
 
Modulo 10 - A Exploração dos recursos energéticos
Modulo 10 - A Exploração dos recursos energéticosModulo 10 - A Exploração dos recursos energéticos
Modulo 10 - A Exploração dos recursos energéticos
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Recursos
RecursosRecursos
Recursos
guestfa2e35
 
Recursos Energéticos
Recursos EnergéticosRecursos Energéticos
Recursos Energéticos
grupoc1
 
Energia
EnergiaEnergia
Energia
grupoc1
 
energiarenovvel1-121214175714-phpapp02.pdf
energiarenovvel1-121214175714-phpapp02.pdfenergiarenovvel1-121214175714-phpapp02.pdf
energiarenovvel1-121214175714-phpapp02.pdf
NaiaraMendes13
 
ENERGIA RENOVÁVEL.pptxnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnn
ENERGIA  RENOVÁVEL.pptxnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnENERGIA  RENOVÁVEL.pptxnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnn
ENERGIA RENOVÁVEL.pptxnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnn
GracyPacheco1
 
Energia 2013
Energia 2013Energia 2013
Energia 2013
aroudus
 
Fontes de energia PROF BRUNO JOAQUIM
Fontes de energia PROF BRUNO JOAQUIMFontes de energia PROF BRUNO JOAQUIM
Fontes de energia PROF BRUNO JOAQUIM
raahsalemi
 
Ppt Energias
Ppt EnergiasPpt Energias
Ppt Energias
Vanda
 
SLIDE-06-GEOGRAFIA-CURSINHO-UNIENEM-2022_231116_201537[1].pptx
SLIDE-06-GEOGRAFIA-CURSINHO-UNIENEM-2022_231116_201537[1].pptxSLIDE-06-GEOGRAFIA-CURSINHO-UNIENEM-2022_231116_201537[1].pptx
SLIDE-06-GEOGRAFIA-CURSINHO-UNIENEM-2022_231116_201537[1].pptx
JonathasAureliano1
 
Cap 26 energia
Cap 26 energiaCap 26 energia
Cap 26 energia
Ana Paula Bezerra
 
Energias
EnergiasEnergias

Semelhante a Energia (20)

Situação Energética Mundial
Situação Energética MundialSituação Energética Mundial
Situação Energética Mundial
 
Aula fontes de energi1
Aula fontes de energi1Aula fontes de energi1
Aula fontes de energi1
 
Recursos Não Renováveis
Recursos Não RenováveisRecursos Não Renováveis
Recursos Não Renováveis
 
cie_(2)__8°_ano_24093125.pdf
cie_(2)__8°_ano_24093125.pdfcie_(2)__8°_ano_24093125.pdf
cie_(2)__8°_ano_24093125.pdf
 
Artigo Científico sobre "A Evolução da Energia Eólica"
Artigo Científico sobre "A Evolução da Energia Eólica"Artigo Científico sobre "A Evolução da Energia Eólica"
Artigo Científico sobre "A Evolução da Energia Eólica"
 
Os Recursos Naturais
Os Recursos NaturaisOs Recursos Naturais
Os Recursos Naturais
 
Seminário fontes de energia
Seminário   fontes de energiaSeminário   fontes de energia
Seminário fontes de energia
 
Energia 6ano
Energia 6anoEnergia 6ano
Energia 6ano
 
Modulo 10 - A Exploração dos recursos energéticos
Modulo 10 - A Exploração dos recursos energéticosModulo 10 - A Exploração dos recursos energéticos
Modulo 10 - A Exploração dos recursos energéticos
 
Recursos
RecursosRecursos
Recursos
 
Recursos Energéticos
Recursos EnergéticosRecursos Energéticos
Recursos Energéticos
 
Energia
EnergiaEnergia
Energia
 
energiarenovvel1-121214175714-phpapp02.pdf
energiarenovvel1-121214175714-phpapp02.pdfenergiarenovvel1-121214175714-phpapp02.pdf
energiarenovvel1-121214175714-phpapp02.pdf
 
ENERGIA RENOVÁVEL.pptxnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnn
ENERGIA  RENOVÁVEL.pptxnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnENERGIA  RENOVÁVEL.pptxnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnn
ENERGIA RENOVÁVEL.pptxnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnn
 
Energia 2013
Energia 2013Energia 2013
Energia 2013
 
Fontes de energia PROF BRUNO JOAQUIM
Fontes de energia PROF BRUNO JOAQUIMFontes de energia PROF BRUNO JOAQUIM
Fontes de energia PROF BRUNO JOAQUIM
 
Ppt Energias
Ppt EnergiasPpt Energias
Ppt Energias
 
SLIDE-06-GEOGRAFIA-CURSINHO-UNIENEM-2022_231116_201537[1].pptx
SLIDE-06-GEOGRAFIA-CURSINHO-UNIENEM-2022_231116_201537[1].pptxSLIDE-06-GEOGRAFIA-CURSINHO-UNIENEM-2022_231116_201537[1].pptx
SLIDE-06-GEOGRAFIA-CURSINHO-UNIENEM-2022_231116_201537[1].pptx
 
Cap 26 energia
Cap 26 energiaCap 26 energia
Cap 26 energia
 
Energias
EnergiasEnergias
Energias
 

Mais de Prof.Paulo/geografia

MINERAÇÃO NO BRASIL
MINERAÇÃO NO BRASILMINERAÇÃO NO BRASIL
MINERAÇÃO NO BRASIL
Prof.Paulo/geografia
 
ESTRUTURA GEOLÓGICA DO BRASIL
ESTRUTURA GEOLÓGICA DO BRASILESTRUTURA GEOLÓGICA DO BRASIL
ESTRUTURA GEOLÓGICA DO BRASIL
Prof.Paulo/geografia
 
Estudo Orientado
Estudo OrientadoEstudo Orientado
Estudo Orientado
Prof.Paulo/geografia
 
Mundo do Trabalho
Mundo do TrabalhoMundo do Trabalho
Mundo do Trabalho
Prof.Paulo/geografia
 
Ética e Cidadania
Ética e CidadaniaÉtica e Cidadania
Ética e Cidadania
Prof.Paulo/geografia
 
Aquecimento global
Aquecimento globalAquecimento global
Aquecimento global
Prof.Paulo/geografia
 
El nino
El ninoEl nino
Racismo xenofobia
Racismo xenofobiaRacismo xenofobia
Racismo xenofobia
Prof.Paulo/geografia
 
Industrializao
IndustrializaoIndustrializao
Industrializao
Prof.Paulo/geografia
 
oriente medio
oriente mediooriente medio
oriente medio
Prof.Paulo/geografia
 
Oriente medio
Oriente medioOriente medio
Oriente medio
Prof.Paulo/geografia
 
Tigres asiáticos
Tigres asiáticosTigres asiáticos
Tigres asiáticos
Prof.Paulo/geografia
 
Japão
JapãoJapão
Aula jornal blog
Aula jornal blogAula jornal blog
Aula jornal blog
Prof.Paulo/geografia
 
Aspectos naturais europa
Aspectos naturais europaAspectos naturais europa
Aspectos naturais europa
Prof.Paulo/geografia
 
Clima e formaçoes vegetais
Clima e formaçoes vegetaisClima e formaçoes vegetais
Clima e formaçoes vegetais
Prof.Paulo/geografia
 

Mais de Prof.Paulo/geografia (16)

MINERAÇÃO NO BRASIL
MINERAÇÃO NO BRASILMINERAÇÃO NO BRASIL
MINERAÇÃO NO BRASIL
 
ESTRUTURA GEOLÓGICA DO BRASIL
ESTRUTURA GEOLÓGICA DO BRASILESTRUTURA GEOLÓGICA DO BRASIL
ESTRUTURA GEOLÓGICA DO BRASIL
 
Estudo Orientado
Estudo OrientadoEstudo Orientado
Estudo Orientado
 
Mundo do Trabalho
Mundo do TrabalhoMundo do Trabalho
Mundo do Trabalho
 
Ética e Cidadania
Ética e CidadaniaÉtica e Cidadania
Ética e Cidadania
 
Aquecimento global
Aquecimento globalAquecimento global
Aquecimento global
 
El nino
El ninoEl nino
El nino
 
Racismo xenofobia
Racismo xenofobiaRacismo xenofobia
Racismo xenofobia
 
Industrializao
IndustrializaoIndustrializao
Industrializao
 
oriente medio
oriente mediooriente medio
oriente medio
 
Oriente medio
Oriente medioOriente medio
Oriente medio
 
Tigres asiáticos
Tigres asiáticosTigres asiáticos
Tigres asiáticos
 
Japão
JapãoJapão
Japão
 
Aula jornal blog
Aula jornal blogAula jornal blog
Aula jornal blog
 
Aspectos naturais europa
Aspectos naturais europaAspectos naturais europa
Aspectos naturais europa
 
Clima e formaçoes vegetais
Clima e formaçoes vegetaisClima e formaçoes vegetais
Clima e formaçoes vegetais
 

Último

Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
TathyLopes1
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
nunesly
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 

Último (20)

Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 

Energia

  • 2. Energia Tudo que realiza algum trabalho. Evolução da energia Tração humana → lenha (fogo) → tração animal → vento (moinho, caravela) → hidráulica → carvão mineral (1ª revolução Industrial) → petróleo (2ª Revolução Industrial) → energia nucelar (3ª Revolução Industrial) → biomassa/biocombustíveis. A matriz energética é a fonte natural – chamada de energia primaria. Essa energia primaria ou matriz pode ser renovável ou não-renovável. Não renovável Renovável Suja Limpa Fóssil Reciclável
  • 3. ENERGIA ELÉTRICA: Energia elétrica é a energia que chega até a nossa casa, através de fios que percorrem grandes distâncias. A utilização da energia elétrica foi uma grande evolução do homem pois, hoje em dia, se o homem não tivesse energia, nada do que já foi descoberto de tecnologia não poderia existir e nós ainda viveremos como seres pré-históricos. Podemos dizer então que a energia elétrica é essencial para a sobrevivência do ser humano.
  • 4. Recursos energéticos Recursos energéticos são tudo o que o Homem pode retirar da Natureza onde se obtém energia. Os recursos energéticos dividem-se em dois grupos: Energéticos renováveis e não renováveis. 4
  • 5. Tipos de energia Renováveis Não - renováveis Renováveis: que podem ser usadas sem a perspectiva do esgotamento (muitas vezes chamadas de alternativas). Ex.: hidráulica, eólica, geotérmica, solar, das marés, etc... Solos Ar Vegetação águas Correntes Não-renováveis: possuem uso limitado em razão de seu esgotamento previsto. Ex.: carvão mineral, petróleo, xisto, urânio, etc Ferro Manganês Combustíveis fósseis Os Recurso naturais, ou seja, fontes de energia só adquirem valor em função de uma sociedade, de uma época e de técnicas de utilização. Petróleo Carvão Gás natural
  • 6. Outra forma de classificação: Fontes de energia convencionais Fontes de energia alternativas Petróleo Carvão Mineral Lenha Carvão vegetal Gás natural Hidroeletricidade Energia nuclear Álcool Xisto betuminoso Energia solar Energia eólica Marés Biomassa Para contornar a crise energética deve-se desenvolver a capacidade geradora de energia das fontes alternativas, visando diversificar ao máximo as fontes de consumo energético
  • 7. Fontes renováveis: produzem energia sem esgotar (Rios, marés, vento, sol, biomassa);
  • 8. Fontes não renováveis: reservas esgotam (petróleo, carvão, gás natural, urânio)
  • 9. Brasil ... O Brasil é um país privilegiado na questão da geração de energia, pois possui um potencial hidráulico elevado, bons proveitos na produção da biomassa e energia solar, além do constante aumento do proveito de fontes através do petróleo, gás, etc., sendo considerado um promissor mundial nesta questão.
  • 10. PETRÓLEO 15,0% 38,4% FONTE: MME, 2006. CCEENNÁÁRRIIOOSS AA QQUUEESSTTÃÃOO EENNEERRGGÉÉTTIICCAA MMAATTRRIIZZ EENNEERRGGÉÉTTIICCAA BBRRAASSIILLEEIIRRAA LLEENNHHAA// CCAARRVVÃÃOO VVEEGGEETTAALL 1133,,11%% CCAANNAA--DDEE--AAÇÇÚÚCCAARR 1133,,99%% OOUUTTRROOSS 22,,77%% BIOMASSA 29,7% HIDROELETRICIDADE URÂNIO 1,2% CARVÃO 6,4% GÁS NATURAL 9,3%
  • 11. 37,0% Brasil: Consumo de Energia 16,0% 21,0% 3,8% 4,2% 5,0% Setor público Agropecuária Comércio Residências Transportes Setor Industrial 0,0% 10,0% 20,0% 30,0% 40,0%
  • 12.
  • 13. Consumo de Energia O processo de industrialização e consequente urbanização envolvem a produção e consumo de energia, uma vez que a atividade industrial é a que mais consome energia. Conforme dados da Agência Internacional o continente que mais produz energia é a Ásia (cerca de 34,4%), seguida da América (31,3%) e Europa (25,6%); e o continente que mais consome energia é América (mais de um terço do total), fundamentalmente a América Anglo-Saxônica (Estados Unidos e Canadá).
  • 14.
  • 15. FONTE: MME, 2006. CCEENNÁÁRRIIOOSS AA QQUUEESSTTÃÃOO EENNEERRGGÉÉTTIICCAA MMAATTRRIIZZ EENNEERRGGÉÉTTIICCAA NNOO MMUUNNDDOO BIOMASSA 11,2% URÂNIO 6,4% HIDROELETRICIDADE 2,1% PETRÓLEO 35,3% CARVÃO 24,1% GÁS NATURAL 20,9%
  • 16. ENERGIA FÓSSIL Recursos energéticos Permitiu o desenvolvimento das sociedades industrializadas e tecnológicas, responsável pelo consumo de energia de forma exponencial. Consumida pelas sociedades provém, na sua maior parte, dos combustíveis fósseis. Armazenada nas ligações químicas de compostos orgânicos, sujeitos a complexas transformações ao longo de grandes períodos de tempo.
  • 17. Recursos energéticos não renováveis Desde a Revolução Industrial e com a descoberta do carvão, petróleo e gás natural deu-se uma reviravolta nas sociedades modernas. Em suma recursos energéticos não renováveis são todos aqueles que a velocidade de consumo é muito rápida e os seus períodos de formação e inferior (dentro de poucos anos extinguir-se-ão). 17
  • 18. O que é o petróleo? O petróleo é um hidrocarboneto e formam-se em ambientes com grande abundância de matéria orgânica e pouco oxigénio, sendo uma energia não renovável. Ao longo do tempo o petróleo acumula-se em rochas-armazém que mais tarde serão as rochas de cobertura. É neste contexto que se forma as jazidas petrolíferas que são úteis ao Homem. 18
  • 20. O que é gás natural? O gás natural, tal como o petróleo, é um hidrocarboneto. Ao longo do tempo o gás natural acumula-se em rochas-armazém que mais tarde serão as rochas de cobertura. É neste contexto que se forma as jazidas petrolíferas que são úteis ao Homem para o nosso dia-a-dia. 20
  • 21. O que é carvão? É uma rocha que resulta da decomposição de restos de plantas que juntamente com a temperatura e a pressão transforma-se em carvão. Mas antes disso passa por 3 fases: Lignite Carvão Betuminoso Antracite Sendo uma das fontes energéticas mais utilizadas no Mundo. 21
  • 22. Quais são as vantagens da utilização de recursos não renováveis? O crescente consumo destas matérias-primas tem levado à exaustão das reservas globais que terá consequências na economia global. 22
  • 23. Quais são as desvantagens da utilização destas matérias-primas Invariavelmente estas matérias-primas provocarão distúrbios na saúde pública: - Derrame de hidrocarbonetos; - Impacte ambiental resultante da exploração de jazidas fósseis; - Alterações climáticas 23
  • 24. O que é a energia nuclear? É um recurso energético não renovável a partir de minerais radioativos como o urânio e o tório que se produz uma grande quantidade de calor para a produção de energia elétrica. 24
  • 25. Quais são as vantagens da utilização da energia nuclear? A energia nnuucclleeaarr éé mmaaiiss bbaarraattaa ee ppeerrmmiittee nnããoo ddeeppeennddeerr ttaannttoo ddooss ccoommbbuussttíívveeiiss ffóósssseeiiss.. 25
  • 26. Quais são as desvantagens da utilização da energia nuclear? Qualquer construção de uma central nuclear acarreta problemas ambientais porque os resíduos radioativos ficam activos durante milhares de anos. 26
  • 27. OS PROBLEMAS DOS NÃO-RENOVÁVEIS  CARVÃO: altamente poluente (CO2), na atmosfera e rejeitos sólidos (pode afetar solos, rios e águas subterrâneas), ácido sulfúrico entre outros;  PETRÓLEO: poluente (CO2) entre outros. Grandes impactos ambientais (vazamentos); principais reservas em países “não tão democráticos”  NUCLEAR: Resíduos que podem gerar radiotividade por mais de 1000 anos;
  • 28. Fontes de energia renováveis São fontes de energia Alternativas; Chamada de energia limpa, pois não emite poluentes quimicos na atmosfera; São perenes, ou seja, infinitas pois estão sempre se renovando;
  • 29. Recursos energéticos “A disseminação do uso da energia renovável no mundo exigirá políticas governamentais inovadoras, ambiente estável e previsível para investimentos e transferências de tecnologia para os países em desenvolvimento. O setor de energia renovável está prestes a entrar numa nova fase. Há três forças fundamentais impulsionando os mercados a favor das fontes renováveis de energia: Quais serão essas forças? Fonte: Laboratório Nacional de Energia Renovável ( www.nrel.gov/analysis/docs/cost_curves_2002.ppt)
  • 30. RENOVÁVEIS HIDRELÉTRICAS  Não poluentes;  Necessidade rios caudalosos, planaltos.  Impactos: formação de grandes lagos; alagamentos de florestas, áreas rurais e urbanas;
  • 31. RENOVÁVEIS SOLAR Não poluente e produção infinita; Dificuldades de armazenamento Melhor aproveitado em climas tropicais Necessita de espaço considerável para estabelecimento de espelhos de captação
  • 32. RENOVÁVEIS EÓLICA Uma das alternativas mais utilizada Alemanha e EUA são os que mais utilizam Somente viável em locais com frequência de ventos.
  • 33. RENOVÁVEIS GEOTÉRMICAS Utilização do calor proveniente do interior do planeta. Precisamente de vapor d'água. Perfuram-se poços profundos onde a água está sobre pressão, que ao subir gira turbinas.
  • 34. RENOVÁVEIS MARÉS Produção pelo fluxo das marés Necessita de locais adequados para instalação
  • 35. RENOVÁVEIS BIOMASSA Energia obtida pela decomposição de materiais orgânicos como esterco, restos de madeira e alimentos, resíduos agrícolas.
  • 36. RENOVÁVEIS BIODIESEL - ETANOL Produção de combustíveis a partir de vegetais Apresenta poluição menor, alem de sequestrar carbono, contudo precisa de grandes áreas e ocupa áreas de produção de grãos
  • 37. Dúvidas? Perguntas? Sugestões? Reclamações? Opiniões para as próximas aulas?