SlideShare uma empresa Scribd logo
PREGÃO
CONSIDERAÇÕES INICIAIS
É a modalidade de licitação destinada à
contratação de bens e serviços comuns
independentemente de seu valor, estando
disciplinada Lei n. 10.520/2002, resultante da
conversão em lei da MP n. 2.182-18/2001, é
um tipo de modalidade de licitação válida
para todas as esferas federativas.
Nos termos do art. 1º, parágrafo único,
da Lei n. 10.520/2002, consideram-se bens e
serviços comuns, independentemente de
valor, aqueles cujos padrões de desempenho e
qualidade possam ser objetivamente definidos
pelo edital, por meio de especificações usuais
no mercado.
Como a utilização da concorrência leva
em consideração basicamente o valor do
objeto e, no pregão, importa sobretudo a
natureza daquilo que será contratado, é comum
comparar as duas modalidades afirmando:
na concorrência, interessa aquantidade do
objeto, independentemente da qualidade;
enquanto, no pregão, importa a qualidade,
independentemente da quantidade.
Em princípio, o uso do pregão é
opcional, podendo sempre a Administração
optar pelo emprego de outra modalidade
licitatória apropriada em função do valor do
objeto. Entretanto, o art. 4º do Decreto n.
5.450/2005 tornou obrigatório o uso do
pregão para o âmbito federal, devendo ser
adotada preferencialmente a modalidade
eletrônica. Assim, o uso do pregão presencial
na esfera federal somente será permitido
mediante justificativa expressa da autoridade
competente.
No pregão, o intervalo mínimo entre a
publicação do instrumento convocatório e o
envio de propostas é de oito dias úteis.
A característica fundamental do
procedimento do pregão é a inversão nas fases
naturais da licitação. Isso porque, como visto
nas regras acima transcritas, o julgamento das
propostas antecede a habilitação dos licitantes.
Essa inversão relaciona-se com o
objetivo essencial do pregão: propiciar
economia de tempo e de dinheiro para o Poder
Público. Assim, após a fase dos lances
verbais decrescentes, analisa-se a
documentação somente de quem ofertou o
menor lance, devolvendo-se, fechados, os
envelopes com documentos de habilitação dos
demais licitantes.
Importante frisar que a referida
inversão de fases agora também é permitida
nas concorrências que antecedem a concessão
de serviços públicos e nas que precedem
parcerias público-privadas.
Além disso, ao contrário do que ocorre
com as demais modalidades, no pregão
a homologação é realizada após a adjudicação.
Portanto, as etapas do pregão são: a)
instrumento convocatório; b) julgamento
(classificação); c) habilitação; d) adjudicação;
e) homologação.
BENS E OBJETOS COMUNS
O Decreto n. 3.555/2000, com redação
dada pelo Decreto n. 3.784/2001, estabeleceu
para o âmbito da União um rol taxativo dos
bens e serviços que podem ser contratados
mediante pregão:
Após sucessivas alterações, o Decreto
n. 3.555/2000 foi mais uma vez modificado
pelo Decreto n. 7.174, de 12 de maio de 2010,
que revogou a lista de bens e serviços comuns
para fins de utilização do pregão no âmbito
federal. Assim, a situação atual é que a
Administração Pública federal tem
discricionariedade para decidir, diante do caso
concreto, o que pode ser considerado objeto
comum e licitado via pregão. O Decreto n.
7.174/2010 disciplina também as contratações
de bens e serviços de informática e automação
pelos órgãos e entidades da Administração
federal, eliminando a antiga proibição de uso
do pregão para licitar bens e serviços de
informática e automação.
Consideram-se bens e serviços
comuns aqueles cujos padrões de desempenho
e qualidade possam ser objetivamente
definidos pelo edital, por meio de
especificações usuais no mercado, sem grande
necessidade de avaliações detalhadas dos
licitantes, visto que a relação dos bens ou
serviços comuns encontra-se disposta em
anexo do Decreto federal n. 3.555, de 8-8-
2000, posteriormente alterado pelo Decreto
federal n. 7.174, de 12-5-2010.
A respeito, convém mencionar a lição
de Marçal Justen Filho: O conceito de bem ou
serviço comum é indeterminado. Isso significa
que os bens e serviços existentes na realidade
podem ser diferenciados em três conjuntos. Há
os bens ou serviços que, induvidosamente, são
comuns. É o caso, por exemplo, de açúcar
refinado. Há os bens que, sem margem de
dúvida, não são comuns. Assim se passa com o
serviço de advocacia. E há os bens e serviços
cuja configuração é incerta. Quanto a eles, há a
dificuldade hermenêutica. A proposta é a de
que, se houver dúvida insuperável, tem-se de
reputar que o bem ou serviço não é comum.
(26, p. 324-325)
HIPÓTESES DE VEDAÇÃO
Sendo taxativo o rol estabelecido pelo
Decreto n. 3.555/2000, entende-se vedado, no
âmbito federal, o uso do pregão para
contratação de bens e serviços não indicados
na referida lista.
Interpretando sistematicamente o conjunto
de leis sobre licitação, conclui-se ser proibido
o uso do pregão, para todas as esferas
federativas, quando se tratar de:
a) contratação de obras e serviços de
engenharia;
b) locações imobiliárias;
c) alienações em geral.
MODALIDADES
O pregão poderá ser realizado por meio de
duas modalidades distintas:
a) Modalidade presencial: caracteriza-se
pela presença física de todos os licitantes e
dos agentes públicos responsáveis pelo
pregão em recinto pertencente à
Administração Pública. Os lances são
verbais e somente podem participar do
pregão o licitante que apresentou a proposta
escrita de menor valor e aqueles licitantes
que apresentarem propostas cujo valor seja
até 10% superior ao da proposta de menor
valor. Nesse caso, tomando-se por base a
proposta de menor valor, os licitantes
admitidos passam então aos lances verbais
em valores inferiores àquela, até o limite
que lhes interessar, declarando-se vencedor
aquele cujo lance for o de menor valor
ofertado, em uma espécie de “leilão
invertido”.
b) Modalidade eletrônica: caracteriza-se
pela utilização de recursos de tecnologia da
informação, nos termos de regulamentação
específica, em que os licitantes
encaminham suas propostas por via
eletrônica, e os lances são também
realizados por via eletrônica, devendo ser
escolhida a proposta de menor valor. No
pregão eletrônico, nos termos de
regulamentos próprios da União, Estados-
membros, Distrito Federal e Municípios, é
permitida a participação de Bolsas de
Mercadorias no apoio técnico e operacional
aos órgãos e entidades promotores da
modalidade de pregão, utilizando-se de
recursos de tecnologia da informação.
A principal vantagem
proporcionada pelo pregão é a economia de
recursos financeiros para a Administração
Pública, pois dele somente tomam parte os
licitantes que apresentarem propostas cujo
valor seja até 10% superior ao da proposta
de menor valor, incluindo esta.
Nesse sentido, pode-se dizer que o
pregão visa a atender não apenas ao
princípio constitucional da isonomia, mas
também ao princípio da eficiência, referido
no art. 37 da Carta Magna.
Como o pregão destina-se à
aquisição de bens e serviços comuns –
entendidos como aqueles cujos padrões de
desempenho e qualidade possam ser
objetivamente definidos pelo edital, por
meio de especificações usuais no mercado,
sem grande necessidade de avaliações
detalhadas dos licitantes –, tem-se que essa
modalidade de licitação visa a estimular os
licitantes a oferecerem propostas por
valores atraentes, observada a média de
preços existente no mercado para aquela
modalidade de bem ou serviço comum, o
que também afasta, em princípio, a hipótese
de os licitantes apresentarem propostas
subfaturadas e inexequíveis, apenas com a
finalidade de obterem a vitória no processo
licitatório.
NORMATIZAÇÃO INFRACONSTITUCIONAL
Além da Constituição Federal,
diversos diplomas normativos disciplinam
no âmbito federal aspectos gerais do
procedimento licitatório. Entre eles,
merecem destaque:
3) Medida Provisória n. 2.026-3, de 28-7-
2000: criou, somente para o âmbito federal,
a modalidade licitatória denominada
pregão.
4) Decreto n. 3.555, de 8-8-
2000: regulamentou o procedimento do
pregão federal.
5) Lei n. 10.520, de 17-7-2002: estendeu a
todas as esferas federativas a modalidade
licitatória denominada pregão, utilizada
para contratação de bens e serviços
comuns.
6) Decreto n. 5.450, de 31-5-2005: definiu
o procedimento a ser adotado para o pregão
eletrônico.
Outras leis estabeleceram regras
específicas sobre exigibilidade da licitação
e determinados aspectos procedimentais.
Pela importância peculiar em concursos
públicos, as inovações mais significativas
são:
Lei n. 9.472, de 16--7--1997: estabeleceu
duas novas modalidades licitatórias
exclusivas para o âmbito da Agência
Nacional das Telecomunicações – Anatel: o
pregão e a consulta (arts. 54 a 57 da
referida lei).
Lei Complementar n. 123, de 14--12--
2006: No que diz respeito a modalidade
pregão, definiu como critério de desempate
nas licitações a preferência de contratação
para as microempresas e empresas de
pequeno porte e que o intervalo percentual
é de até 5%. Ocorrendo o empate, a
microempresa ou empresa de pequeno porte
mais bem classificada poderá apresentar
proposta de preço inferior àquela
considerada vencedora do certame, situação
em que será adjudicado em seu favor o
objeto licitado (art. 44, I).
Referencia Bibliográfica
MAZZA, Alexandre. Manual de direito
administrativo. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 2014.
GOMES, Fábio Bellote. Elementos de Direito
Administrativo, 2. ed. São Paulo: Saraiva,
2012.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

PREGÃO PRESENCIALE ELETRÔNICO - Prof. Noe Assunção
PREGÃO PRESENCIALE ELETRÔNICO - Prof. Noe AssunçãoPREGÃO PRESENCIALE ELETRÔNICO - Prof. Noe Assunção
PREGÃO PRESENCIALE ELETRÔNICO - Prof. Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
Como fornecer produtos e serviços para a prefeitura de São Pedro
Como fornecer produtos e serviços para a prefeitura de São PedroComo fornecer produtos e serviços para a prefeitura de São Pedro
Como fornecer produtos e serviços para a prefeitura de São Pedro
Officina Digital
 
Delimitação do uso do rdc e sua relação com o regime ordinário da lei geral d...
Delimitação do uso do rdc e sua relação com o regime ordinário da lei geral d...Delimitação do uso do rdc e sua relação com o regime ordinário da lei geral d...
Delimitação do uso do rdc e sua relação com o regime ordinário da lei geral d...
Dimi Reis
 
Lei 8666.93
Lei 8666.93Lei 8666.93
Lei 8666.93
Ingrid Sales
 
Representação reluz priscila krause tce
Representação reluz priscila krause tceRepresentação reluz priscila krause tce
Representação reluz priscila krause tce
Jamildo Melo
 
EFICIÊNCIA NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS
EFICIÊNCIA NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICASEFICIÊNCIA NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS
EFICIÊNCIA NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS
Alveni Lisboa
 
Licitações para copa do mundo e olimpíadas
Licitações para copa do mundo e olimpíadasLicitações para copa do mundo e olimpíadas
Licitações para copa do mundo e olimpíadas
José Rogério de Sousa Mendes Júnior
 

Mais procurados (7)

PREGÃO PRESENCIALE ELETRÔNICO - Prof. Noe Assunção
PREGÃO PRESENCIALE ELETRÔNICO - Prof. Noe AssunçãoPREGÃO PRESENCIALE ELETRÔNICO - Prof. Noe Assunção
PREGÃO PRESENCIALE ELETRÔNICO - Prof. Noe Assunção
 
Como fornecer produtos e serviços para a prefeitura de São Pedro
Como fornecer produtos e serviços para a prefeitura de São PedroComo fornecer produtos e serviços para a prefeitura de São Pedro
Como fornecer produtos e serviços para a prefeitura de São Pedro
 
Delimitação do uso do rdc e sua relação com o regime ordinário da lei geral d...
Delimitação do uso do rdc e sua relação com o regime ordinário da lei geral d...Delimitação do uso do rdc e sua relação com o regime ordinário da lei geral d...
Delimitação do uso do rdc e sua relação com o regime ordinário da lei geral d...
 
Lei 8666.93
Lei 8666.93Lei 8666.93
Lei 8666.93
 
Representação reluz priscila krause tce
Representação reluz priscila krause tceRepresentação reluz priscila krause tce
Representação reluz priscila krause tce
 
EFICIÊNCIA NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS
EFICIÊNCIA NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICASEFICIÊNCIA NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS
EFICIÊNCIA NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS
 
Licitações para copa do mundo e olimpíadas
Licitações para copa do mundo e olimpíadasLicitações para copa do mundo e olimpíadas
Licitações para copa do mundo e olimpíadas
 

Semelhante a Pregão trabalho de administrativo - prontodfd

Oficina. 24 Pregão Eletrônico (legislação)
Oficina. 24   Pregão Eletrônico (legislação)Oficina. 24   Pregão Eletrônico (legislação)
Oficina. 24 Pregão Eletrônico (legislação)
Weberson Silva
 
1 Curso Gabriel O Pregao Presencial e Eletronico.pdf
1 Curso Gabriel O Pregao Presencial e Eletronico.pdf1 Curso Gabriel O Pregao Presencial e Eletronico.pdf
1 Curso Gabriel O Pregao Presencial e Eletronico.pdf
SimoneHelenDrumond
 
Regime Diferenciado de Contratações Públicas
Regime Diferenciado de Contratações PúblicasRegime Diferenciado de Contratações Públicas
Regime Diferenciado de Contratações Públicas
Vinicius Marins
 
Aula 03
Aula 03Aula 03
Aula 03
Patricia Mh
 
Medida provisoria 495-10 e as licitacoes de concessao comum e ppp
Medida provisoria 495-10 e as licitacoes de concessao comum e pppMedida provisoria 495-10 e as licitacoes de concessao comum e ppp
Medida provisoria 495-10 e as licitacoes de concessao comum e ppp
Mauricio Portugal Ribeiro
 
Mapas e links de dir adminostrativo
Mapas e links de dir adminostrativoMapas e links de dir adminostrativo
Mapas e links de dir adminostrativo
Marcos Rogerio Ribeiro
 
Artigo JML sobre RDC
Artigo JML sobre RDCArtigo JML sobre RDC
Artigo JML sobre RDC
Marcio Martins
 
Direito Administrativo - Aula 5 - Licitações II
Direito Administrativo - Aula 5 - Licitações IIDireito Administrativo - Aula 5 - Licitações II
Direito Administrativo - Aula 5 - Licitações II
Daniel Oliveira
 
licitacao
licitacaolicitacao
licitacao
Litza Fontana
 
Apos licitacao
Apos licitacaoApos licitacao
Apos licitacao
Rogério Otoch
 
Comparativo de Legislação (PLS 559/13 vs RDC vs Lei nº 8.666/93)
Comparativo de Legislação (PLS 559/13 vs RDC vs Lei nº 8.666/93) Comparativo de Legislação (PLS 559/13 vs RDC vs Lei nº 8.666/93)
Comparativo de Legislação (PLS 559/13 vs RDC vs Lei nº 8.666/93)
Alfredo Kleper Chaves Lavor
 
Jose Antonio - Seminário 4 dezembro de 2012
Jose Antonio - Seminário 4 dezembro de 2012Jose Antonio - Seminário 4 dezembro de 2012
Jose Antonio - Seminário 4 dezembro de 2012
institutoethos
 
SLIDE REGIME DE LICITAÇÃO1.pdf
SLIDE REGIME DE LICITAÇÃO1.pdfSLIDE REGIME DE LICITAÇÃO1.pdf
SLIDE REGIME DE LICITAÇÃO1.pdf
AndreiaArruda20
 
Breve Relato sobre licitações Públicas
Breve Relato sobre licitações PúblicasBreve Relato sobre licitações Públicas
Breve Relato sobre licitações Públicas
Licitações Publicas
 
Simulado da lei 8666/93
Simulado da lei 8666/93Simulado da lei 8666/93
Simulado da lei 8666/93
Psicopedagoga Rosa
 
Trabalho do carlao licitação
Trabalho do carlao   licitaçãoTrabalho do carlao   licitação
Trabalho do carlao licitação
JOANA OVIEDO
 
Licitações | Prof. João Paulo
Licitações | Prof. João PauloLicitações | Prof. João Paulo
Licitações | Prof. João Paulo
Isabelly Sarmento
 
licitação
licitaçãolicitação
Apostila -fase_interna_da_licitacao_e_elaboracao_de_editais
Apostila  -fase_interna_da_licitacao_e_elaboracao_de_editaisApostila  -fase_interna_da_licitacao_e_elaboracao_de_editais
Apostila -fase_interna_da_licitacao_e_elaboracao_de_editais
HugoAndrade67
 
Gestao de contratos_modalidades_de_licitacao
Gestao de contratos_modalidades_de_licitacaoGestao de contratos_modalidades_de_licitacao
Gestao de contratos_modalidades_de_licitacao
Katiuscia Novais
 

Semelhante a Pregão trabalho de administrativo - prontodfd (20)

Oficina. 24 Pregão Eletrônico (legislação)
Oficina. 24   Pregão Eletrônico (legislação)Oficina. 24   Pregão Eletrônico (legislação)
Oficina. 24 Pregão Eletrônico (legislação)
 
1 Curso Gabriel O Pregao Presencial e Eletronico.pdf
1 Curso Gabriel O Pregao Presencial e Eletronico.pdf1 Curso Gabriel O Pregao Presencial e Eletronico.pdf
1 Curso Gabriel O Pregao Presencial e Eletronico.pdf
 
Regime Diferenciado de Contratações Públicas
Regime Diferenciado de Contratações PúblicasRegime Diferenciado de Contratações Públicas
Regime Diferenciado de Contratações Públicas
 
Aula 03
Aula 03Aula 03
Aula 03
 
Medida provisoria 495-10 e as licitacoes de concessao comum e ppp
Medida provisoria 495-10 e as licitacoes de concessao comum e pppMedida provisoria 495-10 e as licitacoes de concessao comum e ppp
Medida provisoria 495-10 e as licitacoes de concessao comum e ppp
 
Mapas e links de dir adminostrativo
Mapas e links de dir adminostrativoMapas e links de dir adminostrativo
Mapas e links de dir adminostrativo
 
Artigo JML sobre RDC
Artigo JML sobre RDCArtigo JML sobre RDC
Artigo JML sobre RDC
 
Direito Administrativo - Aula 5 - Licitações II
Direito Administrativo - Aula 5 - Licitações IIDireito Administrativo - Aula 5 - Licitações II
Direito Administrativo - Aula 5 - Licitações II
 
licitacao
licitacaolicitacao
licitacao
 
Apos licitacao
Apos licitacaoApos licitacao
Apos licitacao
 
Comparativo de Legislação (PLS 559/13 vs RDC vs Lei nº 8.666/93)
Comparativo de Legislação (PLS 559/13 vs RDC vs Lei nº 8.666/93) Comparativo de Legislação (PLS 559/13 vs RDC vs Lei nº 8.666/93)
Comparativo de Legislação (PLS 559/13 vs RDC vs Lei nº 8.666/93)
 
Jose Antonio - Seminário 4 dezembro de 2012
Jose Antonio - Seminário 4 dezembro de 2012Jose Antonio - Seminário 4 dezembro de 2012
Jose Antonio - Seminário 4 dezembro de 2012
 
SLIDE REGIME DE LICITAÇÃO1.pdf
SLIDE REGIME DE LICITAÇÃO1.pdfSLIDE REGIME DE LICITAÇÃO1.pdf
SLIDE REGIME DE LICITAÇÃO1.pdf
 
Breve Relato sobre licitações Públicas
Breve Relato sobre licitações PúblicasBreve Relato sobre licitações Públicas
Breve Relato sobre licitações Públicas
 
Simulado da lei 8666/93
Simulado da lei 8666/93Simulado da lei 8666/93
Simulado da lei 8666/93
 
Trabalho do carlao licitação
Trabalho do carlao   licitaçãoTrabalho do carlao   licitação
Trabalho do carlao licitação
 
Licitações | Prof. João Paulo
Licitações | Prof. João PauloLicitações | Prof. João Paulo
Licitações | Prof. João Paulo
 
licitação
licitaçãolicitação
licitação
 
Apostila -fase_interna_da_licitacao_e_elaboracao_de_editais
Apostila  -fase_interna_da_licitacao_e_elaboracao_de_editaisApostila  -fase_interna_da_licitacao_e_elaboracao_de_editais
Apostila -fase_interna_da_licitacao_e_elaboracao_de_editais
 
Gestao de contratos_modalidades_de_licitacao
Gestao de contratos_modalidades_de_licitacaoGestao de contratos_modalidades_de_licitacao
Gestao de contratos_modalidades_de_licitacao
 

Último

Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
PatriciaZanoli
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
WelberMerlinCardoso
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 

Último (20)

Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 

Pregão trabalho de administrativo - prontodfd

  • 1. PREGÃO CONSIDERAÇÕES INICIAIS É a modalidade de licitação destinada à contratação de bens e serviços comuns independentemente de seu valor, estando disciplinada Lei n. 10.520/2002, resultante da conversão em lei da MP n. 2.182-18/2001, é um tipo de modalidade de licitação válida para todas as esferas federativas. Nos termos do art. 1º, parágrafo único, da Lei n. 10.520/2002, consideram-se bens e serviços comuns, independentemente de valor, aqueles cujos padrões de desempenho e qualidade possam ser objetivamente definidos pelo edital, por meio de especificações usuais no mercado. Como a utilização da concorrência leva em consideração basicamente o valor do objeto e, no pregão, importa sobretudo a natureza daquilo que será contratado, é comum comparar as duas modalidades afirmando: na concorrência, interessa aquantidade do objeto, independentemente da qualidade; enquanto, no pregão, importa a qualidade, independentemente da quantidade. Em princípio, o uso do pregão é opcional, podendo sempre a Administração optar pelo emprego de outra modalidade licitatória apropriada em função do valor do objeto. Entretanto, o art. 4º do Decreto n. 5.450/2005 tornou obrigatório o uso do pregão para o âmbito federal, devendo ser adotada preferencialmente a modalidade eletrônica. Assim, o uso do pregão presencial na esfera federal somente será permitido mediante justificativa expressa da autoridade competente. No pregão, o intervalo mínimo entre a publicação do instrumento convocatório e o envio de propostas é de oito dias úteis. A característica fundamental do procedimento do pregão é a inversão nas fases naturais da licitação. Isso porque, como visto nas regras acima transcritas, o julgamento das propostas antecede a habilitação dos licitantes.
  • 2. Essa inversão relaciona-se com o objetivo essencial do pregão: propiciar economia de tempo e de dinheiro para o Poder Público. Assim, após a fase dos lances verbais decrescentes, analisa-se a documentação somente de quem ofertou o menor lance, devolvendo-se, fechados, os envelopes com documentos de habilitação dos demais licitantes. Importante frisar que a referida inversão de fases agora também é permitida nas concorrências que antecedem a concessão de serviços públicos e nas que precedem parcerias público-privadas. Além disso, ao contrário do que ocorre com as demais modalidades, no pregão a homologação é realizada após a adjudicação. Portanto, as etapas do pregão são: a) instrumento convocatório; b) julgamento (classificação); c) habilitação; d) adjudicação; e) homologação. BENS E OBJETOS COMUNS O Decreto n. 3.555/2000, com redação dada pelo Decreto n. 3.784/2001, estabeleceu para o âmbito da União um rol taxativo dos bens e serviços que podem ser contratados mediante pregão: Após sucessivas alterações, o Decreto n. 3.555/2000 foi mais uma vez modificado pelo Decreto n. 7.174, de 12 de maio de 2010, que revogou a lista de bens e serviços comuns para fins de utilização do pregão no âmbito federal. Assim, a situação atual é que a Administração Pública federal tem discricionariedade para decidir, diante do caso concreto, o que pode ser considerado objeto comum e licitado via pregão. O Decreto n. 7.174/2010 disciplina também as contratações de bens e serviços de informática e automação pelos órgãos e entidades da Administração federal, eliminando a antiga proibição de uso do pregão para licitar bens e serviços de informática e automação. Consideram-se bens e serviços comuns aqueles cujos padrões de desempenho e qualidade possam ser objetivamente
  • 3. definidos pelo edital, por meio de especificações usuais no mercado, sem grande necessidade de avaliações detalhadas dos licitantes, visto que a relação dos bens ou serviços comuns encontra-se disposta em anexo do Decreto federal n. 3.555, de 8-8- 2000, posteriormente alterado pelo Decreto federal n. 7.174, de 12-5-2010. A respeito, convém mencionar a lição de Marçal Justen Filho: O conceito de bem ou serviço comum é indeterminado. Isso significa que os bens e serviços existentes na realidade podem ser diferenciados em três conjuntos. Há os bens ou serviços que, induvidosamente, são comuns. É o caso, por exemplo, de açúcar refinado. Há os bens que, sem margem de dúvida, não são comuns. Assim se passa com o serviço de advocacia. E há os bens e serviços cuja configuração é incerta. Quanto a eles, há a dificuldade hermenêutica. A proposta é a de que, se houver dúvida insuperável, tem-se de reputar que o bem ou serviço não é comum. (26, p. 324-325) HIPÓTESES DE VEDAÇÃO Sendo taxativo o rol estabelecido pelo Decreto n. 3.555/2000, entende-se vedado, no âmbito federal, o uso do pregão para contratação de bens e serviços não indicados na referida lista. Interpretando sistematicamente o conjunto de leis sobre licitação, conclui-se ser proibido o uso do pregão, para todas as esferas federativas, quando se tratar de: a) contratação de obras e serviços de engenharia; b) locações imobiliárias; c) alienações em geral. MODALIDADES O pregão poderá ser realizado por meio de duas modalidades distintas:
  • 4. a) Modalidade presencial: caracteriza-se pela presença física de todos os licitantes e dos agentes públicos responsáveis pelo pregão em recinto pertencente à Administração Pública. Os lances são verbais e somente podem participar do pregão o licitante que apresentou a proposta escrita de menor valor e aqueles licitantes que apresentarem propostas cujo valor seja até 10% superior ao da proposta de menor valor. Nesse caso, tomando-se por base a proposta de menor valor, os licitantes admitidos passam então aos lances verbais em valores inferiores àquela, até o limite que lhes interessar, declarando-se vencedor aquele cujo lance for o de menor valor ofertado, em uma espécie de “leilão invertido”. b) Modalidade eletrônica: caracteriza-se pela utilização de recursos de tecnologia da informação, nos termos de regulamentação específica, em que os licitantes encaminham suas propostas por via eletrônica, e os lances são também realizados por via eletrônica, devendo ser escolhida a proposta de menor valor. No pregão eletrônico, nos termos de regulamentos próprios da União, Estados- membros, Distrito Federal e Municípios, é permitida a participação de Bolsas de Mercadorias no apoio técnico e operacional aos órgãos e entidades promotores da modalidade de pregão, utilizando-se de recursos de tecnologia da informação. A principal vantagem proporcionada pelo pregão é a economia de recursos financeiros para a Administração Pública, pois dele somente tomam parte os licitantes que apresentarem propostas cujo valor seja até 10% superior ao da proposta de menor valor, incluindo esta. Nesse sentido, pode-se dizer que o pregão visa a atender não apenas ao princípio constitucional da isonomia, mas também ao princípio da eficiência, referido no art. 37 da Carta Magna. Como o pregão destina-se à aquisição de bens e serviços comuns – entendidos como aqueles cujos padrões de desempenho e qualidade possam ser
  • 5. objetivamente definidos pelo edital, por meio de especificações usuais no mercado, sem grande necessidade de avaliações detalhadas dos licitantes –, tem-se que essa modalidade de licitação visa a estimular os licitantes a oferecerem propostas por valores atraentes, observada a média de preços existente no mercado para aquela modalidade de bem ou serviço comum, o que também afasta, em princípio, a hipótese de os licitantes apresentarem propostas subfaturadas e inexequíveis, apenas com a finalidade de obterem a vitória no processo licitatório. NORMATIZAÇÃO INFRACONSTITUCIONAL Além da Constituição Federal, diversos diplomas normativos disciplinam no âmbito federal aspectos gerais do procedimento licitatório. Entre eles, merecem destaque: 3) Medida Provisória n. 2.026-3, de 28-7- 2000: criou, somente para o âmbito federal, a modalidade licitatória denominada pregão. 4) Decreto n. 3.555, de 8-8- 2000: regulamentou o procedimento do pregão federal. 5) Lei n. 10.520, de 17-7-2002: estendeu a todas as esferas federativas a modalidade licitatória denominada pregão, utilizada para contratação de bens e serviços comuns. 6) Decreto n. 5.450, de 31-5-2005: definiu o procedimento a ser adotado para o pregão eletrônico. Outras leis estabeleceram regras específicas sobre exigibilidade da licitação e determinados aspectos procedimentais. Pela importância peculiar em concursos públicos, as inovações mais significativas são: Lei n. 9.472, de 16--7--1997: estabeleceu duas novas modalidades licitatórias exclusivas para o âmbito da Agência Nacional das Telecomunicações – Anatel: o pregão e a consulta (arts. 54 a 57 da referida lei).
  • 6. Lei Complementar n. 123, de 14--12-- 2006: No que diz respeito a modalidade pregão, definiu como critério de desempate nas licitações a preferência de contratação para as microempresas e empresas de pequeno porte e que o intervalo percentual é de até 5%. Ocorrendo o empate, a microempresa ou empresa de pequeno porte mais bem classificada poderá apresentar proposta de preço inferior àquela considerada vencedora do certame, situação em que será adjudicado em seu favor o objeto licitado (art. 44, I). Referencia Bibliográfica MAZZA, Alexandre. Manual de direito administrativo. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 2014. GOMES, Fábio Bellote. Elementos de Direito Administrativo, 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2012.