SlideShare uma empresa Scribd logo
Colégio Estadual de Inema
Aula de Literatura Brasileira – 3º ano
Roteiro da Revisão – Pré-Modernismo
 Contexto histórico mundial
 Contexto histórico nacional
 Contexto literário
 Síntese das marcas literárias
 Augusto dos Anjos, vida e obra
 Graça Aranha, vida e obra
 Monteiro Lobato, vida e obra
 Euclides da Cunha, vida e obra
 Lima Barreto, vida e obra
Contexto histórico mundial
 No século XX, tanto com o avanço tecnológico quanto
com o científico, surgiram novas perspectivas a toda
raça humana, assim as novas invenções tiveram grande
contribuição para maior praticidade e conforto de toda a
sociedade. A partir deste ponto surgiram os telefones, as
lâmpadas elétricas, o telégrafo, automóvel, enfim, estas
novidades começaram a influenciar no estilo de vida das
pessoas. Entretanto, durante este progresso ocorre a 1°
Guerra Mundial, e no meio de tantos acontecimentos no
século XX há muito que se dizer, e por este motivo, a
literatura é tão vasta.
Contexto histórico nacional - I
 Ascensão do regime republicano, em lugar do
monárquico;
 Diversas manifestações populares que se opunham ao
sistema político, bem como combatiam as injustiças
sociais (Chibata, Canudos, etc.);
 Oligarquias cafeeiras e leiteiras controlavam a máquina
eleitoral e política do café com leite;
 Modificações e crescimento das cidades
industrializadas;
 Resquícios de um processo de abolição tardio e mal-
executado.
Contexto histórico nacional - II
 Bahia - Revolução de Canudos;
 Nordeste - Ciclo do Cangaço;
 Ceará - milagres de Padre Cícero gerando clima de
histeria fanático-religiosa;
 Amazônia - Ciclo da Borracha;
 Revolta contra a vacina obrigatória (varíola) - Oswaldo
Cruz;
 Imigrantes, notadamente os italianos;
 Surto de urbanização de SP - greves gerais de operários
(1917);
 Contrastes da realidade brasileira - Sudeste em
prosperidade e Nordeste na miséria.
Contexto literário
 Período de transição artística que aconteceu no Brasil
nas duas primeiras décadas do século XX;
 Esse movimento ganhou maturidade e encontrou seu
ápice em 1922, com a realização da Semana da Arte
Moderna;
 Durante esse período houve uma junção de elementos
de escolas literárias, como o Parnasianismo, o
Simbolismo, o Realismo e o Naturalismo;
 Não chega a ser considerado como uma escola
literária, mas sim uma fase de intensa produção literária
e artística
 Conhecido como período sincrético. Nesse momento, os
autores começavam a expressar o inconformismo
político e social.
Síntese das “marcas” na literatura
 Mudanças:
- Industria;
- Imigração e migração;
- Abolição;
- Favelização;
- Brasil: Mistura de raças;
- Problemas nacionais
retratados;
- Linguagem coloquial;
 Mantém:
- Darwinismo;
- Positivismo;
- Características do
Realismo-Naturalismo
Autores e Obras
Augusto dos Anjos
 Augusto Carvalho Rodrigues dos Anjos nasceu no engenho
Paud'Arco, Vila do Espírito Santo, Paraíba, em 20 de abril de
1884. De uma família de proprietários de
engenhos, assistiu, nos primeiros anos do século XX, à
decadência da antiga estrutura latifundiária, substituída pelas
grandes usinas. Em 1903, matricula-se na Faculdade de
Direito do Recife, formando-se em 1907. Retorna à capital
paraibana, onde leciona literatura brasileira; casa-se em 1910.
Nesse ano, em consequência de desentendimento com o
governador, é afastado do cargo de professor do Liceu
Paraibano. Muda-se para o Rio de Janeiro e passa a dedicar-
se ao magistério, lecionando no Colégio Pedro II. Em 191 1
morre prematuramente seu primeiro filho. No ano
seguinte, publica Eu, seu único volume de poesias. Em
1914, transfere-se para Leopoldina, Minas Gerais, para
assumir a direção de um grupo escolar. Morre, após dez dias
de fortíssima gripe, em 12 de novembro de 1914
Augusto dos Anjos
 Livro: „Versos íntimos‟;
 O pessimismo trazido pela
poesia;
 Tem uma visão de mundo e a
interrogação do mistério da
existência e do estar no
mundo marcam esta nova
vertente poética, além do
drama existencial.
 Caráter expressionista;
 Sincrético, pois mistura vários
dos movimentos literários;
 Anti-lírico:
 Chocante;
 Apoético.
Graça Aranha
 José Pereira da Graça Aranha nasceu no Maranhão, em
1868. Posteriormente, foi para o Recife, onde cursou a
Faculdade de Direito na época agitada das idéias de
Tobias Barreto. Formado, trabalha como juiz de Direito
no Estado do Rio de Janeiro e no interior do Espírito
Santo, onde recolhe material para o romance
Canaã, publicado em 1902. Durante os 20 anos
seguintes, percorre vários países europeus como
diplomata, acompanhando, assim, os rumos da arte
moderna. Em 1922, participa da Semana de Arte
Moderna, proferindo seu discurso inaugural, no dia 13 de
fevereiro. Curiosa foi sua passagem pela Academia
Brasileira de Letras: em 1897, torna-se um de seus
fundadores sem ter, contudo, publicado livros. Em
1924, após a conferência "O Espírito Moderno", desliga-
se da Academia. Depois disso, não exerce mais
influência sobre o grupo dos modernistas. Falece a 26 de
janeiro de 1931.
Graça Aranha
 Canaã, obra que engloba a
situação brasileira da
época, em que recebia
imigrantes europeus pra
“embranquecer” o Brasil, que
ainda tinha traços
significativos da migração
africana, embora a abolição
da tinha sido assinada.
Monteiro Lobato
 José Bento Monteiro Lobato nasceu em Taubaté, Estado de São
Paulo, em 18 de abril de 1882. Após os primeiros estudos em sua
cidade natal, matricula-se, em 1900, na Faculdade de Direito do
Largo São Francisco, tornando-se um dos integrantes do grupo
literário do Minarete. Nessa época, inicia suas atividades junto à
imprensa. Formado, exerce a promotoria pública em Areias, na
região do Vale do Paraíba. Em 1911, herda de seu avô uma
fazenda, passando a dedicar-se à agricultura. Três anos depois, um
acontecimento definiria a carreira literária de Lobato: durante o
inverno seco daquele ano, cansado de enfrentar as constantes
queimadas praticadas pelos caboclos, o fazendeiro escreve uma
"indignação" intitulada "Velha praga" e a envia para a seção Queixas
e Reclamações do jornal O Estado de S. Paulo. O
jornal, percebendo o valor daquela carta, publica-a fora da seção
destinada aos leitores, no que acerta, pois a carta provoca
polêmica, estimulando Lobato a escrever outros artigos, como por
exemplo "Urupês", e a criar seu famoso personagem Jeca Tatu.A
partir daí, os fatos se sucedem: Lobato vende a fazenda, publica
Urupês, seu primeiro livro, funda a Editora Monteiro Lobato & Cia., a
primeira editora nacional, e, mais tarde, a Companhia Editora
Nacional e a Editora Brasiliense, esta em 1944.
Monteiro Lobato
 - Anti modernista;
 - Órfão;
 - Influência de Schopenhawer e
Nietzche ;
 - Formação clássica:
harmonia, clareza e
unidimensional;
 - Crítica a Malfatti - Critica a
pintura expressionista dela, não
assimila;
 - Inicialmente tinha a idéia do
caipira como "O Bom
selvagem", mas depois de voltar
da roça Lobato cria o Jeca Tatu
como crítica ao Caipira;
Euclides da Cunha
 Euclides Rodrigues Pimenta da Cunha nasceu em Cantagalo, município do
Rio de Janeiro, em 20 de janeiro de 1866. Órfão, foi criado por tias na
Bahia, onde fez os primeiros estudos. Mais tarde, matricula-se na Escola
Politécnica do Rio, transferindo-se depois para a Escola Militar. Positivista e
republicano, desacata o então Ministro da Guerra, sendo expulso do
estabelecimento em 1888. No ano seguinte, após a proclamação da
República, reingressa na Escola Superior de Guerra, formando-se em
Engenharia Militar e Ciências Naturais. Em 1896, discordando dos rumos
tomados pela República, desliga-se definitivamente do exército. Em
1897, abandona o Rio de Janeiro, fixando-se em São Paulo. Como
correspondente do jornal O Estado de S. Paulo, é enviado a Canudos, na
Bahia, para cobrir a revolta que lá explodira; de volta a São Paulo, desliga-
se do jornal. Em seguida, é chamado para planejar a construção de uma
nova ponte em São José do Rio Pardo, interior de São Paulo. Nessa
época, redige Os sertões, publicado em 1902.Em 1903 é eleito membro do
Instituto Histórico e Geográfico e da Academia Brasileira de Letras. Entre
1905 e 1906, designado para tratar de problemas de fronteira no norte do
país, estuda profundamente Amazônia. Retornando ao Rio de Janeiro, é
nomeado professor de Lógica no Colégio Pedro II. É assassinado no Rio de
Janeiro, no dia 15 de agosto de 1909.
Euclides da Cunha
 “ Os sertões”, cuja escrita teoriza a
guerra de Canudos. Parece mais com
sociologia do que com literatura;
 Dividido em três partes :
 A terra, características da região, a
geologia , o clima;
 o homem, descreve costumes
sertanejos,
 e a tão polêmica luta, onde ele
descreve o que realmente viu (o
massacre).
 - Descrição da guerra de Canudos;
 - Antônio Conselheiro: muito
carismático;
 - O Homem: Forte;
 - A Luta: Massacre;
Lima Barreto
 Afonso Henriques de Lima Barreto nasceu em 1881 na cidade do Rio de
Janeiro. Enfrentou o preconceito por ser mestiço durante a vida. Ficou órfão
aos sete anos de idade de mãe e, algum tempo depois, seu pai foi trabalhar
como almoxarife em um asilo de loucos chamado Colônia de Alienados da
Ilha do Governador. Concluiu o curso secundário na Escola
Politécnica, contudo, teve que abandonar a faculdade de Engenharia, pois
seu pai havia sido internado, vítima de loucura, e o autor foi obrigado a
arcar com as despesas de casa. Como leu bastante após a conclusão do
segundo grau, sua produção textual era de excelente qualidade, foi então
que iniciou sua atividade como jornalista, sendo colaborador da imprensa.
Contribuiu para as principais revistas de sua época: Brás Cubas, Fon-
Fon, Careta, etc. No entanto, o que o sustentava era o emprego como
escrevente na Secretaria de Guerra, onde aposentaria em 1918. Não foi
reconhecido na literatura de sua época, apenas após sua morte. Viveu uma
vida boêmia, solitária e entregue à bebida. Quando tornou-se alcoólatra, foi
internado duas vezes na Colônia de Alienados na Praia Vermelha, em razão
das alucinações que sofria durante seus estados de embriaguez.. Lima
Barreto faleceu no primeiro dia do mês de novembro de 1922, vítima de
ataque cardíaco, em razão do alcoolismo.
Lima Barreto
 Sua luta vinha de encontro aos
preconceitos da época, e das
desigualdades sócias
excludentes da época. Sua
principal obra foi O Triste Fim
de Policarpo Quaresma, cuja
característica é marcada por um
nacionalismo utópico vivido
pelo protagonista Policarpo
Quaresma, que tinha como
primordial aspiração patriota
retomar a língua Tupi-guarani
como idioma oficial do
Brasil, porém , não obteve êxito.
Obrigado!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cronica argumentativa 9 ano
Cronica argumentativa 9 anoCronica argumentativa 9 ano
Cronica argumentativa 9 ano
AllyneAlves6
 
Romantismo No Brasil
Romantismo No BrasilRomantismo No Brasil
Romantismo No Brasil
martinsramon
 
Crônica
CrônicaCrônica
Pré modernismo
Pré  modernismoPré  modernismo
Pré modernismo
Gerlane Galvao
 
Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)
Josie Ubiali
 
Literatura - Humanismo e o Teatro de Gil vicente
Literatura - Humanismo e o Teatro de Gil vicenteLiteratura - Humanismo e o Teatro de Gil vicente
Literatura - Humanismo e o Teatro de Gil vicente
Miriam Zelmikaitis
 
Parnasianismo'
Parnasianismo'Parnasianismo'
Literaturas Africanas de Língua Portuguesa
Literaturas Africanas de Língua PortuguesaLiteraturas Africanas de Língua Portuguesa
Literaturas Africanas de Língua Portuguesa
Jirede Abisai
 
Prosa e poema de 30
Prosa e poema de 30 Prosa e poema de 30
Prosa e poema de 30
Claudio Soares
 
Jorge amado/ Biografia
Jorge amado/ BiografiaJorge amado/ Biografia
Jorge amado/ Biografia
Joemille Leal
 
Trovadorismo humanismo
Trovadorismo humanismoTrovadorismo humanismo
Trovadorismo humanismo
Josi Motta
 
Romanceiro da Inconfidência.ppsx
Romanceiro da Inconfidência.ppsxRomanceiro da Inconfidência.ppsx
Romanceiro da Inconfidência.ppsx
rafabebum
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Amanda Resende
 
Slide lima barreto
Slide lima barretoSlide lima barreto
Slide lima barreto
Maria De Lourdes Ramos
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
Luciene Gomes
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
NathalyNara
 
Geração de 1945
Geração de 1945Geração de 1945
Geração de 1945
Lourdinas
 
Jorge Amado
Jorge AmadoJorge Amado
Jorge Amado
Cláudia Heloísa
 
Barroco contexto e caract
Barroco   contexto e caractBarroco   contexto e caract
Barroco contexto e caract
Helena Coutinho
 
Ariano Suassuna - Trabalho do Patrono
Ariano Suassuna - Trabalho do PatronoAriano Suassuna - Trabalho do Patrono
Ariano Suassuna - Trabalho do Patrono
Rafaell Soler
 

Mais procurados (20)

Cronica argumentativa 9 ano
Cronica argumentativa 9 anoCronica argumentativa 9 ano
Cronica argumentativa 9 ano
 
Romantismo No Brasil
Romantismo No BrasilRomantismo No Brasil
Romantismo No Brasil
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
 
Pré modernismo
Pré  modernismoPré  modernismo
Pré modernismo
 
Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)
 
Literatura - Humanismo e o Teatro de Gil vicente
Literatura - Humanismo e o Teatro de Gil vicenteLiteratura - Humanismo e o Teatro de Gil vicente
Literatura - Humanismo e o Teatro de Gil vicente
 
Parnasianismo'
Parnasianismo'Parnasianismo'
Parnasianismo'
 
Literaturas Africanas de Língua Portuguesa
Literaturas Africanas de Língua PortuguesaLiteraturas Africanas de Língua Portuguesa
Literaturas Africanas de Língua Portuguesa
 
Prosa e poema de 30
Prosa e poema de 30 Prosa e poema de 30
Prosa e poema de 30
 
Jorge amado/ Biografia
Jorge amado/ BiografiaJorge amado/ Biografia
Jorge amado/ Biografia
 
Trovadorismo humanismo
Trovadorismo humanismoTrovadorismo humanismo
Trovadorismo humanismo
 
Romanceiro da Inconfidência.ppsx
Romanceiro da Inconfidência.ppsxRomanceiro da Inconfidência.ppsx
Romanceiro da Inconfidência.ppsx
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Slide lima barreto
Slide lima barretoSlide lima barreto
Slide lima barreto
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
 
Geração de 1945
Geração de 1945Geração de 1945
Geração de 1945
 
Jorge Amado
Jorge AmadoJorge Amado
Jorge Amado
 
Barroco contexto e caract
Barroco   contexto e caractBarroco   contexto e caract
Barroco contexto e caract
 
Ariano Suassuna - Trabalho do Patrono
Ariano Suassuna - Trabalho do PatronoAriano Suassuna - Trabalho do Patrono
Ariano Suassuna - Trabalho do Patrono
 

Destaque

3 8 graça aranha
3 8 graça aranha3 8 graça aranha
3 8 graça aranha
Luan02
 
Pré-Modernismo
Pré-ModernismoPré-Modernismo
Pré-Modernismo
CrisBiagio
 
Revisão – literatura
Revisão – literatura Revisão – literatura
Revisão – literatura
Maria Glalcy Fequetia Dalcim
 
Os sertões de Euclides da Cunha
Os sertões de Euclides da CunhaOs sertões de Euclides da Cunha
Os sertões de Euclides da Cunha
Isepro
 
Graça aranha
Graça aranhaGraça aranha
Graça aranha
Jardel Santos
 
Revisão de literatura
Revisão de literaturaRevisão de literatura
Revisão de literatura
CrisBiagio
 
Os sertões
Os sertõesOs sertões
Pré modernismo (1902- 1922) profª karin
Pré modernismo (1902- 1922) profª karinPré modernismo (1902- 1922) profª karin
Pré modernismo (1902- 1922) profª karin
professorakarin2013
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
Cláudia Heloísa
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
Alef Santana
 
RUTH ROCHA 3º ANO
RUTH ROCHA 3º ANO RUTH ROCHA 3º ANO
RUTH ROCHA 3º ANO
Rita Delmondes
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
ensbc
 
Pré-Modernismo no Brasil
Pré-Modernismo no BrasilPré-Modernismo no Brasil
Pré-Modernismo no Brasil
Blog Estudo
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
Newltemberg Santos
 
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da CunhaPré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
José Ricardo Lima
 
Pré modernismo I
Pré modernismo IPré modernismo I
Pré modernismo I
Ana Karina Silva
 
O Pre Modernismo No Brasl
O Pre Modernismo No BraslO Pre Modernismo No Brasl
O Pre Modernismo No Brasl
Prof Palmito Rocha
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
Amelia Barros
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo

Destaque (19)

3 8 graça aranha
3 8 graça aranha3 8 graça aranha
3 8 graça aranha
 
Pré-Modernismo
Pré-ModernismoPré-Modernismo
Pré-Modernismo
 
Revisão – literatura
Revisão – literatura Revisão – literatura
Revisão – literatura
 
Os sertões de Euclides da Cunha
Os sertões de Euclides da CunhaOs sertões de Euclides da Cunha
Os sertões de Euclides da Cunha
 
Graça aranha
Graça aranhaGraça aranha
Graça aranha
 
Revisão de literatura
Revisão de literaturaRevisão de literatura
Revisão de literatura
 
Os sertões
Os sertõesOs sertões
Os sertões
 
Pré modernismo (1902- 1922) profª karin
Pré modernismo (1902- 1922) profª karinPré modernismo (1902- 1922) profª karin
Pré modernismo (1902- 1922) profª karin
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
RUTH ROCHA 3º ANO
RUTH ROCHA 3º ANO RUTH ROCHA 3º ANO
RUTH ROCHA 3º ANO
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Pré-Modernismo no Brasil
Pré-Modernismo no BrasilPré-Modernismo no Brasil
Pré-Modernismo no Brasil
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da CunhaPré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
 
Pré modernismo I
Pré modernismo IPré modernismo I
Pré modernismo I
 
O Pre Modernismo No Brasl
O Pre Modernismo No BraslO Pre Modernismo No Brasl
O Pre Modernismo No Brasl
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
 

Semelhante a Pré- Modernismo

Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
ricardocarvalho992180
 
Apostila pré modernismo
Apostila pré modernismoApostila pré modernismo
Apostila pré modernismo
Mônica D'Almenery
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura do pré modernismo
Literatura do pré modernismoLiteratura do pré modernismo
Literatura do pré modernismo
Paulo Otávio Cardoso Borges
 
Biografias Monteiro Lobato e Machado De Assis - Projeto Livro Aberto
Biografias Monteiro Lobato e Machado De Assis - Projeto Livro AbertoBiografias Monteiro Lobato e Machado De Assis - Projeto Livro Aberto
Biografias Monteiro Lobato e Machado De Assis - Projeto Livro Aberto
valdeniDinamizador
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
terceirob
 
Pre modernismo-no-brasil
Pre modernismo-no-brasilPre modernismo-no-brasil
Pre modernismo-no-brasil
Jose Arnaldo Silva
 
Semana de leitura 8º ano
Semana de leitura  8º anoSemana de leitura  8º ano
Semana de leitura 8º ano
junior santiago
 
Pré
PréPré
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
Andriane Cursino
 
Prémoderismo
PrémoderismoPrémoderismo
Prémoderismo
Vera Oliveira
 
Pre-modernismo.pptx
Pre-modernismo.pptxPre-modernismo.pptx
Pre-modernismo.pptx
NunaMedeiros
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
Andriane Cursino
 
Érico Veríssimo Vida e Obra
Érico Veríssimo Vida e ObraÉrico Veríssimo Vida e Obra
Érico Veríssimo Vida e Obra
JuSiilvah
 
Augusto dos anjos - PRÉ MODERNISMO
Augusto dos anjos - PRÉ MODERNISMOAugusto dos anjos - PRÉ MODERNISMO
Augusto dos anjos - PRÉ MODERNISMO
Danillo Rodrigues
 
Dom casmurro - 3ª A - 2011
Dom casmurro - 3ª A - 2011Dom casmurro - 3ª A - 2011
Dom casmurro - 3ª A - 2011
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Pre modernismo
Pre modernismo Pre modernismo
Pre modernismo
Yasmiiiiiin
 
Pre modernismo português
Pre modernismo portuguêsPre modernismo português
Pre modernismo português
sheilabeca
 
Pre modernismo portugus cpia
Pre modernismo portugus   cpiaPre modernismo portugus   cpia
Pre modernismo portugus cpia
sheilabeca
 
Pré-Modernismo português
Pré-Modernismo portuguêsPré-Modernismo português
Pré-Modernismo português
sheilabeca
 

Semelhante a Pré- Modernismo (20)

Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Apostila pré modernismo
Apostila pré modernismoApostila pré modernismo
Apostila pré modernismo
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 
Literatura do pré modernismo
Literatura do pré modernismoLiteratura do pré modernismo
Literatura do pré modernismo
 
Biografias Monteiro Lobato e Machado De Assis - Projeto Livro Aberto
Biografias Monteiro Lobato e Machado De Assis - Projeto Livro AbertoBiografias Monteiro Lobato e Machado De Assis - Projeto Livro Aberto
Biografias Monteiro Lobato e Machado De Assis - Projeto Livro Aberto
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Pre modernismo-no-brasil
Pre modernismo-no-brasilPre modernismo-no-brasil
Pre modernismo-no-brasil
 
Semana de leitura 8º ano
Semana de leitura  8º anoSemana de leitura  8º ano
Semana de leitura 8º ano
 
Pré
PréPré
Pré
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
 
Prémoderismo
PrémoderismoPrémoderismo
Prémoderismo
 
Pre-modernismo.pptx
Pre-modernismo.pptxPre-modernismo.pptx
Pre-modernismo.pptx
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Érico Veríssimo Vida e Obra
Érico Veríssimo Vida e ObraÉrico Veríssimo Vida e Obra
Érico Veríssimo Vida e Obra
 
Augusto dos anjos - PRÉ MODERNISMO
Augusto dos anjos - PRÉ MODERNISMOAugusto dos anjos - PRÉ MODERNISMO
Augusto dos anjos - PRÉ MODERNISMO
 
Dom casmurro - 3ª A - 2011
Dom casmurro - 3ª A - 2011Dom casmurro - 3ª A - 2011
Dom casmurro - 3ª A - 2011
 
Pre modernismo
Pre modernismo Pre modernismo
Pre modernismo
 
Pre modernismo português
Pre modernismo portuguêsPre modernismo português
Pre modernismo português
 
Pre modernismo portugus cpia
Pre modernismo portugus   cpiaPre modernismo portugus   cpia
Pre modernismo portugus cpia
 
Pré-Modernismo português
Pré-Modernismo portuguêsPré-Modernismo português
Pré-Modernismo português
 

Último

Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 

Pré- Modernismo

  • 1. Colégio Estadual de Inema Aula de Literatura Brasileira – 3º ano
  • 2. Roteiro da Revisão – Pré-Modernismo  Contexto histórico mundial  Contexto histórico nacional  Contexto literário  Síntese das marcas literárias  Augusto dos Anjos, vida e obra  Graça Aranha, vida e obra  Monteiro Lobato, vida e obra  Euclides da Cunha, vida e obra  Lima Barreto, vida e obra
  • 3. Contexto histórico mundial  No século XX, tanto com o avanço tecnológico quanto com o científico, surgiram novas perspectivas a toda raça humana, assim as novas invenções tiveram grande contribuição para maior praticidade e conforto de toda a sociedade. A partir deste ponto surgiram os telefones, as lâmpadas elétricas, o telégrafo, automóvel, enfim, estas novidades começaram a influenciar no estilo de vida das pessoas. Entretanto, durante este progresso ocorre a 1° Guerra Mundial, e no meio de tantos acontecimentos no século XX há muito que se dizer, e por este motivo, a literatura é tão vasta.
  • 4. Contexto histórico nacional - I  Ascensão do regime republicano, em lugar do monárquico;  Diversas manifestações populares que se opunham ao sistema político, bem como combatiam as injustiças sociais (Chibata, Canudos, etc.);  Oligarquias cafeeiras e leiteiras controlavam a máquina eleitoral e política do café com leite;  Modificações e crescimento das cidades industrializadas;  Resquícios de um processo de abolição tardio e mal- executado.
  • 5. Contexto histórico nacional - II  Bahia - Revolução de Canudos;  Nordeste - Ciclo do Cangaço;  Ceará - milagres de Padre Cícero gerando clima de histeria fanático-religiosa;  Amazônia - Ciclo da Borracha;  Revolta contra a vacina obrigatória (varíola) - Oswaldo Cruz;  Imigrantes, notadamente os italianos;  Surto de urbanização de SP - greves gerais de operários (1917);  Contrastes da realidade brasileira - Sudeste em prosperidade e Nordeste na miséria.
  • 6. Contexto literário  Período de transição artística que aconteceu no Brasil nas duas primeiras décadas do século XX;  Esse movimento ganhou maturidade e encontrou seu ápice em 1922, com a realização da Semana da Arte Moderna;  Durante esse período houve uma junção de elementos de escolas literárias, como o Parnasianismo, o Simbolismo, o Realismo e o Naturalismo;  Não chega a ser considerado como uma escola literária, mas sim uma fase de intensa produção literária e artística  Conhecido como período sincrético. Nesse momento, os autores começavam a expressar o inconformismo político e social.
  • 7. Síntese das “marcas” na literatura  Mudanças: - Industria; - Imigração e migração; - Abolição; - Favelização; - Brasil: Mistura de raças; - Problemas nacionais retratados; - Linguagem coloquial;  Mantém: - Darwinismo; - Positivismo; - Características do Realismo-Naturalismo
  • 9. Augusto dos Anjos  Augusto Carvalho Rodrigues dos Anjos nasceu no engenho Paud'Arco, Vila do Espírito Santo, Paraíba, em 20 de abril de 1884. De uma família de proprietários de engenhos, assistiu, nos primeiros anos do século XX, à decadência da antiga estrutura latifundiária, substituída pelas grandes usinas. Em 1903, matricula-se na Faculdade de Direito do Recife, formando-se em 1907. Retorna à capital paraibana, onde leciona literatura brasileira; casa-se em 1910. Nesse ano, em consequência de desentendimento com o governador, é afastado do cargo de professor do Liceu Paraibano. Muda-se para o Rio de Janeiro e passa a dedicar- se ao magistério, lecionando no Colégio Pedro II. Em 191 1 morre prematuramente seu primeiro filho. No ano seguinte, publica Eu, seu único volume de poesias. Em 1914, transfere-se para Leopoldina, Minas Gerais, para assumir a direção de um grupo escolar. Morre, após dez dias de fortíssima gripe, em 12 de novembro de 1914
  • 10. Augusto dos Anjos  Livro: „Versos íntimos‟;  O pessimismo trazido pela poesia;  Tem uma visão de mundo e a interrogação do mistério da existência e do estar no mundo marcam esta nova vertente poética, além do drama existencial.  Caráter expressionista;  Sincrético, pois mistura vários dos movimentos literários;  Anti-lírico:  Chocante;  Apoético.
  • 11. Graça Aranha  José Pereira da Graça Aranha nasceu no Maranhão, em 1868. Posteriormente, foi para o Recife, onde cursou a Faculdade de Direito na época agitada das idéias de Tobias Barreto. Formado, trabalha como juiz de Direito no Estado do Rio de Janeiro e no interior do Espírito Santo, onde recolhe material para o romance Canaã, publicado em 1902. Durante os 20 anos seguintes, percorre vários países europeus como diplomata, acompanhando, assim, os rumos da arte moderna. Em 1922, participa da Semana de Arte Moderna, proferindo seu discurso inaugural, no dia 13 de fevereiro. Curiosa foi sua passagem pela Academia Brasileira de Letras: em 1897, torna-se um de seus fundadores sem ter, contudo, publicado livros. Em 1924, após a conferência "O Espírito Moderno", desliga- se da Academia. Depois disso, não exerce mais influência sobre o grupo dos modernistas. Falece a 26 de janeiro de 1931.
  • 12. Graça Aranha  Canaã, obra que engloba a situação brasileira da época, em que recebia imigrantes europeus pra “embranquecer” o Brasil, que ainda tinha traços significativos da migração africana, embora a abolição da tinha sido assinada.
  • 13. Monteiro Lobato  José Bento Monteiro Lobato nasceu em Taubaté, Estado de São Paulo, em 18 de abril de 1882. Após os primeiros estudos em sua cidade natal, matricula-se, em 1900, na Faculdade de Direito do Largo São Francisco, tornando-se um dos integrantes do grupo literário do Minarete. Nessa época, inicia suas atividades junto à imprensa. Formado, exerce a promotoria pública em Areias, na região do Vale do Paraíba. Em 1911, herda de seu avô uma fazenda, passando a dedicar-se à agricultura. Três anos depois, um acontecimento definiria a carreira literária de Lobato: durante o inverno seco daquele ano, cansado de enfrentar as constantes queimadas praticadas pelos caboclos, o fazendeiro escreve uma "indignação" intitulada "Velha praga" e a envia para a seção Queixas e Reclamações do jornal O Estado de S. Paulo. O jornal, percebendo o valor daquela carta, publica-a fora da seção destinada aos leitores, no que acerta, pois a carta provoca polêmica, estimulando Lobato a escrever outros artigos, como por exemplo "Urupês", e a criar seu famoso personagem Jeca Tatu.A partir daí, os fatos se sucedem: Lobato vende a fazenda, publica Urupês, seu primeiro livro, funda a Editora Monteiro Lobato & Cia., a primeira editora nacional, e, mais tarde, a Companhia Editora Nacional e a Editora Brasiliense, esta em 1944.
  • 14. Monteiro Lobato  - Anti modernista;  - Órfão;  - Influência de Schopenhawer e Nietzche ;  - Formação clássica: harmonia, clareza e unidimensional;  - Crítica a Malfatti - Critica a pintura expressionista dela, não assimila;  - Inicialmente tinha a idéia do caipira como "O Bom selvagem", mas depois de voltar da roça Lobato cria o Jeca Tatu como crítica ao Caipira;
  • 15. Euclides da Cunha  Euclides Rodrigues Pimenta da Cunha nasceu em Cantagalo, município do Rio de Janeiro, em 20 de janeiro de 1866. Órfão, foi criado por tias na Bahia, onde fez os primeiros estudos. Mais tarde, matricula-se na Escola Politécnica do Rio, transferindo-se depois para a Escola Militar. Positivista e republicano, desacata o então Ministro da Guerra, sendo expulso do estabelecimento em 1888. No ano seguinte, após a proclamação da República, reingressa na Escola Superior de Guerra, formando-se em Engenharia Militar e Ciências Naturais. Em 1896, discordando dos rumos tomados pela República, desliga-se definitivamente do exército. Em 1897, abandona o Rio de Janeiro, fixando-se em São Paulo. Como correspondente do jornal O Estado de S. Paulo, é enviado a Canudos, na Bahia, para cobrir a revolta que lá explodira; de volta a São Paulo, desliga- se do jornal. Em seguida, é chamado para planejar a construção de uma nova ponte em São José do Rio Pardo, interior de São Paulo. Nessa época, redige Os sertões, publicado em 1902.Em 1903 é eleito membro do Instituto Histórico e Geográfico e da Academia Brasileira de Letras. Entre 1905 e 1906, designado para tratar de problemas de fronteira no norte do país, estuda profundamente Amazônia. Retornando ao Rio de Janeiro, é nomeado professor de Lógica no Colégio Pedro II. É assassinado no Rio de Janeiro, no dia 15 de agosto de 1909.
  • 16. Euclides da Cunha  “ Os sertões”, cuja escrita teoriza a guerra de Canudos. Parece mais com sociologia do que com literatura;  Dividido em três partes :  A terra, características da região, a geologia , o clima;  o homem, descreve costumes sertanejos,  e a tão polêmica luta, onde ele descreve o que realmente viu (o massacre).  - Descrição da guerra de Canudos;  - Antônio Conselheiro: muito carismático;  - O Homem: Forte;  - A Luta: Massacre;
  • 17. Lima Barreto  Afonso Henriques de Lima Barreto nasceu em 1881 na cidade do Rio de Janeiro. Enfrentou o preconceito por ser mestiço durante a vida. Ficou órfão aos sete anos de idade de mãe e, algum tempo depois, seu pai foi trabalhar como almoxarife em um asilo de loucos chamado Colônia de Alienados da Ilha do Governador. Concluiu o curso secundário na Escola Politécnica, contudo, teve que abandonar a faculdade de Engenharia, pois seu pai havia sido internado, vítima de loucura, e o autor foi obrigado a arcar com as despesas de casa. Como leu bastante após a conclusão do segundo grau, sua produção textual era de excelente qualidade, foi então que iniciou sua atividade como jornalista, sendo colaborador da imprensa. Contribuiu para as principais revistas de sua época: Brás Cubas, Fon- Fon, Careta, etc. No entanto, o que o sustentava era o emprego como escrevente na Secretaria de Guerra, onde aposentaria em 1918. Não foi reconhecido na literatura de sua época, apenas após sua morte. Viveu uma vida boêmia, solitária e entregue à bebida. Quando tornou-se alcoólatra, foi internado duas vezes na Colônia de Alienados na Praia Vermelha, em razão das alucinações que sofria durante seus estados de embriaguez.. Lima Barreto faleceu no primeiro dia do mês de novembro de 1922, vítima de ataque cardíaco, em razão do alcoolismo.
  • 18. Lima Barreto  Sua luta vinha de encontro aos preconceitos da época, e das desigualdades sócias excludentes da época. Sua principal obra foi O Triste Fim de Policarpo Quaresma, cuja característica é marcada por um nacionalismo utópico vivido pelo protagonista Policarpo Quaresma, que tinha como primordial aspiração patriota retomar a língua Tupi-guarani como idioma oficial do Brasil, porém , não obteve êxito.