SlideShare uma empresa Scribd logo
CLASSE MULTISSERIADA


                                        Estudo dirigido
               Técnica pode ser usada em sala de aula e fora do espaço escolar
      •NORA CECÍLIA BOCACCIO CINEL                                   c o n c l u i r,     • favorecer o desenvolvimento do
       Especialista em Lingüística e em




                                                A
                                                                     solucionar           sentido de independência e de se-




                                               CL
       Supervisão de Sistemas Educacionais.




                                                       S
                                                       S
       Porto Alegre/RS.




                                                        E
                                                                     problemas,           gurança do aluno;
                                                                     aplicando o          • possibilitar a criação, a correção
          Inúmeros autores têm-nos en-                               que apren-           e o aperfeiçoamento de hábitos de
                                              MU


                                                         DA
      sinado que os melhores professo-                               deu – e pos-         estudo, a fixação, a integração e a
      res talvez não sejam aqueles que                               sibilitando-         ampliação da aprendizagem.



                                                       IA
                                                LT

                                                      R
                                                      E
      tenham completo domínio das                 IS                 lhe ajustar-             Um estudo dirigido pode ser
      técnicas de ensino mais refinadas,           S                 se às tarefas        realizado em sala de aula ou como
      nem os que se utilizam dos recur-       que deve executar para alcançar o           tarefa para casa. Porém, em sala
      sos mais sofisticados da atuali-        previsto nos objetivos.                     de aula, com a presença do docen-
      dade, mas os que entram na sala            O estudo dirigido predispõe o            te para esclarecer dúvidas e orien-
      de aula cheios de entusiasmo, boa       aluno à criatividade, uma vez que           tar quando necessário, a técnica
      vontade, uma grande dose de             a sua finalidade principal está vol-        pode revestir-se de mais eficácia
      criatividade para comunicar e sa-       tada à atividade da reflexão, e o           e tornar-se mais eficiente para a
      bedoria para ouvir e aprender.          pensamento reflexivo, de acordo             aprendizagem de qualquer área do
          Especialmente às classes mul-       com as circunstâncias do indiví-            conhecimento. É importante que
      tisseriadas, se adapta o perfil des-    duo, provoca a necessidade de in-           o professor acompanhe o trabalho
      se mestre. No entanto, nunca é          ventar, buscar modos pessoais de            em todas as suas fases: na execu-
      demais a ele saber aplicar algumas      operar com inteligência e resol-            ção, na correção e na avaliação.
      estratégias de ensino que facili-       ver o que lhe foi proposto.                     O texto incentivador ou qual-
      tem o seu trabalho e oportunizem           O produto do trabalho do alu-            quer outro recurso que desenca-
      aos alunos uma aprendizagem de          no pode adquirir, desse modo,               deie a tarefa deve ser abrangente,
      qualidade.                              forte cunho de autenticidade e              na simplicidade, enfocando as-
          Uma das estratégias que mais        pessoalidade.                               pectos relevantes à área do conhe-
      convêm ao trabalho docente e aos           Para aplicar essa técnica, o             cimento em estudo, proporcional
      alunos, nessas classes, é aquela        professor solicita ao aluno uma             aos diferentes níveis apresentados
      que conhecemos como Estudo              determinada tarefa, fornecendo-             por uma classe multisseriada, com
      Dirigido.                               lhe instruções de como realizá-             questões que exijam do aluno o
          O estudo dirigido é uma técni-      la. Principalmente nas séries das           raciocínio e a criatividade e que
      ca fundamentada no princípio di-        classes multisseriadas (1a à 4a ou          oportunizem o desenvolvimento
      dático de que o professor não en-       5a), essas instruções devem ser             das suas capacidades de análise,
      sina: ele é o agilizador da aprendi-    claras e simples. Sua aplicação             síntese, interpretação, ordenação,
      zagem, ajuda o aluno a aprender. É      parte de um incentivo comum: um             avaliação e conclusão.
      o incentivador e o ativador do          texto, por exemplo, ou um cartaz                Para exemplificar um traba-
      aprender. De maneira especial,          ou a observação de um ambiente              lho com a técnica do estudo di-
      essa técnica põe em evidência o         ou cena. A partir desse incenti-            rigido, podemos buscar orienta-
      modo como o aluno aprende. Pode         vo, o professor deverá elaborar             ções nos Parâmetros Curricula-
      atender, com vantagens, às exigên-      inúmeras e diversificadas tarefas           res Nacionais, relacionados aos
      cias do processo de aprender, uma       ou questões para que o aluno as             1 o e 2 o ciclos, usando o tema
      vez que, utilizando-se de dados re-     resolva.                                    transversal Meio Ambiente co-
      ais contidos nas diferentes áreas do       Um estudo dirigido pode ser              mo conteúdo a ser desenvolvi-
      conhecimento, incentiva a ativida-      desenvolvido em sala de aula para,          do numa classe multisseriada,
      de intelectual do aluno, força-o à      entre outros objetivos:                     em diferentes níveis.
      descoberta de seus próprios recur-      • oportunizar situações para o alu-             Inicialmente, é preciso que o
      sos mentais, facilitando-lhe o de-      no aprender por meio de sua pró-            professor ( ou a professora) es-
      senvolvimento das habilidades e         pria atividade, de acordo com seu           teja bem informado sobre a prin-
      operações de pensamento signifi-        ritmo pessoal;                              cipal função de um trabalho com
      cativas – identificar, selecionar,      • facilitar o atendimento das dife-         o tema Meio Ambiente: contri-
      comparar, experimentar, analisar,       renças individuais, pelo professor;         buir para a formação de cida-

           REVISTA DO PROFESSOR, Porto Alegre,                      19        (73):          31-35,      jan./mar. 2003
                                                                                                       31
   Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer
Sem título-2                     31                                              01/06/2006, 17:57
CLASSE MULTISSERIADA
      dãos conscientes, aptos para de-      construção do saber e de expres-          • Identificar a procedência e a ori-
      cidirem e atuarem na realidade        são do conhecimento construído.           gem dos alimentos.
      socioambiental de um modo                 A técnica do estudo dirigido          • Desenvolver habilidades de ob-
      comprometido com a vida, com          presta-se aos propósitos expres-          servação, identificação, compara-
      o bem-estar de cada um e da so-       sos nas orientações didáticas re-         ção, classificação, descrição oral
      ciedade, local e global. Para que     lativas ao Meio Ambiente (PCN),           e produção textual.
      isso aconteça, é necessário que a     especialmente a que define a ne-
      escola se preocupe mais com o         cessidade de estabelecer, para os         Conteúdos procedimentais
      trabalho relacionado a atitudes,      alunos de todas as idades, uma            • Um grande cartaz com diferen-
      formação de valores, ensino e         relação entre a sensibilização ao         tes gravuras de alimentos e peque-
      aprendizagem de habilidades e         meio ambiente, a aquisição de             nas frases significativas pode
      procedimentos ambientalmente          conhecimentos, a atitude para             constituir-se no incentivo ao de-
      corretos, na prática diária: gestos   resolver os problemas e a clari-          senvolvimento de uma tarefa bem
      solidários, hábitos de higiene pes-   ficação de valores, procurando,           variada e rica em informações so-
      soal e ambiental e participação       principalmente, sensibilizar os           bre os alimentos e a alimentação,
      ativa em tarefas de valorização e     mais jovens para os problemas             em geral.
      preservação da natureza e do mun-     ambientais existentes na sua              • A partir da exploração do cartaz,
      do que nos rodeia.                    própria comunidade.                       em sala de aula, o professor soli-
          Explorar o tema Meio Ambien-          As três sugestões de estudo           citará aos alunos que façam uma
      te, segundo os PCN, requer co-        dirigido que apresentamos a se-           lista dos alimentos que são con-
      nhecimento e informação por par-      guir podem auxiliar o professor           sumidos ou usados normalmente
      te da escola. Isso não quer dizer     ou a professora no desenvolvi-            em suas casas e, depois, os da es-
      que todos os professores deverão      mento de seu trabalho, numa sala          cola. Num grande pedaço de pa-
      saber tudo sobre o assunto, mas       de aula de classe multisseriada.          pel pardo ou em folhas de ofício(a
      que deverão dispor-se a aprender      Poderão, também, ser adaptadas às         critério do professor), os alunos
      a aprender e a ensinar seus alu-      situações de classes de ensino por        serão orientados a representarem
      nos, num verdadeiro e constante       ciclos (1a e 2a ; 3a e 4a séries), no     com desenhos ou, então, com gra-
      processo de construção e de pro-      Ensino Fundamental.                       vuras coladas, seus alimentos pre-
      dução de conhecimento (aluno/                                                   feridos e o que costumam consu-
      professor).                           ESTUDO DIRIGIDO 1 (1O CICLO)              mir habitualmente, formando um
          Esse trabalho deve servir para                                              painel.
      auxiliar os alunos a construírem      n De onde vêm os alimentos                • A partir desse momento, os alu-
      uma consciência global das ques-                                                nos devem ser incentivados a es-
      tões relacionadas ao meio e a as-     Conteúdos conceituais                     creverem frases ou palavras (con-
      sumirem posições compatíveis          • Identificar os alimentos consu-         forme o nível do grupo) relacio-
      com valores que se referem a sua      midos em casa e na escola.                nadas aos desenhos e às gravuras
      proteção e à melhoria de suas con-
      dições de vida.                                               Melancia gostosa!
          Sem dúvida, o trabalho com a
      realidade local pode oferecer um
                                                                                                             ?
                                                                                                           oce

      universo acessível e conhecido, a
                                                                                                          éd
                                                                                                       igo



      ser explorado: sua casa, sua co-
                                                                                                      F




      munidade, sua região.
          Como tema transversal, o
      Meio Ambiente apresenta um
      conjunto de conteúdos que pode-
      rão ser tratados nas mais diversas
      áreas do conhecimento. Ciências,
      História, Geografia, Língua Por-
      tuguesa, Matemática e Arte pare-
      cem ser, conforme os PCN, as
      principais parceiras para o de-
      senvolvimento dos conteúdos,
      pela própria natureza dos seus ob-
      jetivos de estudo e por constituí-                      Mamão = saúde                      Cenoura faz bem.
      rem instrumentos básicos de

           REVISTA DO PROFESSOR, Porto Alegre,                   19       (73):         31-35,       jan./mar. 2003
    32
   Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer
Sem título-2                32                                               01/06/2006, 17:57
CLASSE MULTISSERIADA

      do painel. Essas frases ou palavras   do as origens de todos os alimen-        um fruto;
      deverão ser coladas no local con-     tos indicados até esse momento           Û a couve é um alimento, identi-
      veniente (abaixo do desenho, ao       (os do quadro de incentivo, os do        ficado como folha e conhecido
      lado da gravura, etc.).               painel construído e outros suge-         como uma dentre outras verduras;
      • Em seguida, concluída essa eta-     ridos por eles).                         Û o charque é um alimento, pre-
      pa, o professor, no quadro-de-giz,    • Ao professor competirá escla-          parado como carne seca e retira-
      listará todos os alimentos repre-     recer o significado dos termos           do de uma rês (gado bovino);
      sentados, incentivando os alunos      origem animal, vegetal, mineral          Û o toucinho é um alimento,
      a se expressarem sobre aqueles de     e procedência e acompanhar aten-         identificado como gordura retira-
      que mais gostam, os de que me-        tamente a realização da tarefa, es-      da do porco;
      nos gostam, como costumam co-         clarecendo dúvidas, respondendo          Û a cenoura é um alimento, é
      mer (se fritos, assados, cozidos      às perguntas. Nessa etapa, será ne-      uma raiz e é conhecida como um
      no molho, refogados, etc.), explo-    cessário esclarecer aos alunos a         dentre outros legumes, etc.
      rando os termos e explicando o        diferença entre a origem (vaca,
      que for necessário.                   por exemplo) e os seus produtos          Conteúdos atitudinais
      • Familiarizados com a variedade      derivados (carne, leite, manteiga,       • Participar com responsabilida-
      e a diversidade dos alimentos, o      couro, etc.), incentivando-os à          de na realização de todas as tare-
      docente lançará um problema: Os       busca de informações em mate-            fas propostas.
      alunos devem descobrir de onde        riais que estiverem ao seu alcan-        • Realizar corretamente todas as
      vêm os alimentos. Do mercado?         ce (desde simples jornais ou re-         tarefas.
      Da horta? Do galinheiro? Do           vistas até a internet, se possível),
      pomar? Da fábrica? Do campo?          para construírem suas respostas.         ESTUDO DIRIGIDO 2 (2O CICLO)
      Da padaria?...                        • Depois de bem exploradas as
      • Os alunos deverão procurar as       informações sobre a origem dos           n Vida no sítio
      respostas entrevistando pessoas,      alimentos, poderá ser proposta
      observando seu meio ambiente,         aos alunos a elaboração de um            Conteúdos conceituais
      o local onde vivem; verificando       quadro como o que sugerimos a            • Identificar elementos do meio.
      de onde seus familiares trazem        seguir (Figura 1).                       • Estabelecer relações entre os
      os alimentos para casa, isto é, de-   • Neste quadro, os alunos estarão        elementos do meio.
      terminando a procedência dos          elaborando uma classificação dos         • Construir noções de ecossiste-
      alimentos.                            alimentos.                               ma.
      • A partir das respostas dos alu-     • De posse de todas as informa-          • Concluir que existe interde-
      nos, competirá ao professor ou à      ções coletadas e dos conhecimen-         pendência entre os seres vivos
      professora estabelecer as dife-       tos construídos ao longo do estu-        e brutos.
      renças entre os alimentos manu-       do dirigido, o professor poderá          • Desenvolver as habilidades de
      faturados e os alimentos consu-       enriquecer o trabalho, propondo          observação, identificação, es-
      midos in natura, propondo, en-        aos alunos a exploração de no-           ta bel eci men to d e r ela çõe s,
      tão, a organização de uma classi-     ções, tais como:                         conclusão.
      ficação dos alimentos conforme        Û a banana é um alimento que é           • Desenvolver o raciocínio lógico.
      a sua procedência, num quadro de
      duas colunas. O professor não                      FIGURA 1
      deve esquecer de aguardar as res-
      postas de seus alunos, a cada ta-                              ORIGEM DOS ALIMENTOS
      refa proposta, verificando a apren-             Vegetal                  Animal                    Mineral
      dizagem, reforçando conteúdos,
      retomando noções, sempre que             Nome       Dese nho      Nome         Dese nho     Nome        Dese nho
      necessário.
      • Vencida mais essa etapa, mais
      uma tarefa deverá ser proposta:
      Qual é a origem dos alimentos que
      conhecemos e que consumimos
      habitualmente? A couve, por
      exemplo: é de origem animal, ve-
      getal ou mineral? A água? O lei-
      te? A carne? Os alunos deverão
                                                                                                                   ...
      procurar as respostas determinan-

           REVISTA DO PROFESSOR, Porto Alegre,                  19       (73):          31-35,     jan./mar. 2003
                                                                                                       33
   Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer
Sem título-2                33                                              01/06/2006, 17:57
CLASSE MULTISSERIADA
      Conteúdos procedimentais             nutos e observar atentamen-        gem necessitam das plantas? Dos
      • Para desencadear esse estudo       te a cena (do ambiente natu-       animais? Do homem?
      dirigido, o professor pode optar     ral ou do painel) procurando           – A paisagem é natural? Foi
      entre duas alternativas, dependen-   fixar o maior número de de-        transformada? Por quem? Como?
      do da localização da escola e das    talhes possível.                   Em quê?
      possibilidades dos envolvidos no     • A seguir, o professor coloca-        – Que seres brutos aparecem na
      trabalho: ou propor a observação     rá, no quadro-de-giz, um con-      paisagem?
      minuciosa, detalhada do ambien-      junto de perguntas que deverão         Muitas outras perguntas poderão ser
      te que circunda o estabelecimen-     ser respondidas pelos alunos       colocadas no quadro-de-giz para que
      to de ensino (se estiver localiza-   dentro de um tempo previamen-      os alunos as respondam, por escrito,
      do em área rural) ou confeccio-      te determinado, de acordo com      em folhas de papel ofício ou de outro
      nar um painel com riqueza de de-     o ritmo do grupo. Tais pergun-     modo, a critério do docente.
      talhes, em partes destacáveis,       tas poderão ser, por exemplo:      • Terminado o tempo marcado, as
      como sugerimos na Figura 2,             – Que elementos são vistos      respostas serão recolhidas pelo pro-
      que represente um sítio, e apre-     na paisagem?                       fessor ou pela professora que, ime-
      sentá-lo aos alunos para a ativi-       – Que materiais existem         diatamente, proporá um jogo de faz-
      dade de observação. Qualquer         nela?                              de-conta de raciocínio, utilizando as
      uma das opções poderá consti-           – Que seres vivos aparecem      partes destacáveis do painel, incen-
      tuir-se em incentivo para a reali-   no ambiente?                       tivando os alunos a pensarem e a par-
      zação do trabalho, mas para a 2a        – Existe alguma fonte de        ticiparem ativamente, orientando-os
      tarefa do estudo dirigido o pai-     energia na paisagem?               a refletirem e a responderem, oral-
      nel será necessário.                    – Que elementos da paisa-       mente, a cada questão formulada.
      • A primeira tarefa a ser propos-    gem precisam de ar? De á-          Por exemplo:
      ta aos alunos será: permanecer       gua? De sol? De terra?                 – Se retirarmos o milharal da pai-
      em silêncio durante alguns mi-          – Que elementos da paisa-       sagem, quem ficará prejudicado?

                 FIGURA 2




           REVISTA DO PROFESSOR, Porto Alegre,                19      (73):         31-35,      jan./mar. 2003
    34
   Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer
Sem título-2               34                                            01/06/2006, 17:57
CLASSE MULTISSERIADA
         – Repondo o milharal no seu        Conteúdos procedimentais                  escrito, suas idéias e opiniões, com
      lugar e retirando o pasto, quem       • Para iniciar o estudo dirigido, o       vistas à solução dos problemas, en-
      sai perdendo?                         professor proporá aos alunos uma          tregando-as ao professor.
         – Repondo o pasto e tirando        situação hipotética, uma história         • Junto com os alunos, o profes-
      as alfaces da horta, quem fica        de faz-de-conta, focalizando uma          sor fará um levantamento das res-
      sem a verdura?                        cidade cheia de problemas que de-         postas que apontam explicações
         – Se não houvesse um rio, se-      verão ser examinados, entendidos,         sobre os acontecimentos na cida-
      ria possível a vida?                  resolvidos, envolvendo diferentes         de e as possíveis soluções, com-
         – Agora, façam de conta que        atitudes e diferentes profissões e        patibilizando-as, comentando, ana-
      o ar que existe no sítio sumiu. O     decisões.                                 lisando e fazendo uma síntese a
      que acontecerá?                       • A história poderá ser apresentada       ser colocada no quadro-de-giz.
         – As galinhas e as vacas su-       oralmente ou por escrito. A segun-        • Todos os alunos deverão registrá-
      miram. O que poderá acontecer?        da alternativa (por escrito) será a       las em seus cadernos para realiza-
         – Todas as pessoas foram em-       mais adequada porque oferecerá ao         rem a próxima tarefa: escolher, den-
      bora. Como ficará o sítio?            aluno a oportunidade mais signifi-        tre as soluções apresentadas, aquela
         – Como as pessoas modifica-        cativa de refletir sobre as situações     que, no seu ponto de vista, seria a
      ram a paisagem?                       e buscar soluções que visem sanar         mais significativa e, portanto, a pri-
         – Se as árvores frutíferas do      os problemas ou as dificuldades.          meira a ser providenciada; escrevê-
      pomar morressem, os passari-              Na história poderão constar si-       la em seu caderno; justificar sua op-
      nhos teriam o que comer?              tuações simuladas de necessida-           ção e identificar o tipo de trabalho
         O professor (ou a professora)      des econômicas de uma cidade              e de profissional necessários ao in-
      poderá incentivar, também, os alu-    que esteja em crise, como por             cremento da solução.
      nos a proporem um sem-número          exemplo:                                  • Cada aluno, posteriormente, apre-
      de perguntas e vai orientando-os          – Vários produtos de alimen-          sentará sua escolha, oralmente, jus-
      a analisarem o painel, procurando     tação como leite, arroz, farinha          tificando-a. Nesse momento, o pro-
      explorar as mais variadas situa-      de trigo, feijão, ovos, entre ou-         fessor ou a professora poderá de-
      ções, de tal sorte que eles sejam     tros, estão escassos:                     sencadear um debate que torne evi-
      levados a considerarem as rela-           – Houve falta de produção?            dente a atenção e a criatividade dos
      ções entre os elementos do meio,          – Por que isso estaria ocor-          alunos em relação ao tema. Para fi-
      a interdependência entre os dife-     rendo?                                    nalizar, poderá ser sugerida aos alu-
      rentes seres e entendendo em que          – Que providências precisam           nos a criação de um painel com os
      consiste um ecossistema.              ser tomadas?                              problemas solucionados.
                                                – O que pode ocorrer se con-
      Conteúdos atitudinais                 tinuar a faltar produtos?                 Conteúdos atitudinais
      • Participar atenta e comprometi-         – Resolver os problemas da            • Participar comprometidamente
      damente das tarefas propostas.        cidade é competência somente da           do trabalho.
      • Empenhar-se em realizá-las ade-     população ou o governo deve               • Realizar adequadamente as tare-
      quada e corretamente.                 auxiliar ou tomar sozinho a res-          fas propostas.
                                            ponsabilidade de consertar a si-
      ESTUDO DIRIGIDO3 (2O CICLO)           tuação?                                   CONCLUSÃO
                                                – De que modo as pessoas e o             Qualquer uma dessas sugestões
      n Cidade em crise!                    governo podem auxiliar na so-             de estudo dirigido representa um
                                            lução dos problemas?                      trabalho a ser desenvolvido em
      Conteúdos conceituais                     – Que tipo de trabalho deve-          vários momentos, com cuidado,
      • Identificar problemas apresen-      rá ser feito?                             para que os alunos possam retirar
      tados numa situação hipotética.           – Quem deverá fazê-lo?                dessas oportunidades as melhores
      • Identificar possíveis causas dos        – Que profissões estarão en-          e mais significativas aprendiza-
      problemas.                            volvidas? etc.                            gens que elas podem oferecer.
      • Apresentar possíveis soluções       • Aos alunos será dada a oportuni-
      para os problemas identificados.      dade de realizarem outras questões        BIBL IOGRAFIA
      • Apontar os profissionais e o tipo   que julgarem necessárias. Todos           BRASIL. Ministério da Educação e do Despor-
      de trabalho a ser realizado para      deverão procurar responder aos            to. Secretaria de Educação Fundamental. Parâme-
      solucionar os problemas.              questionamentos e oferecer solu-          tros curriculares nacionais: meio ambiente, saú-
                                                                                      de: 1a a 4a séries. Brasília, 1997. v. 9.
      • Desenvolver a atenção e as habi-    ções para os problemas apresen-
      lidades de identificar, estabelecer   tados. Os alunos poderão formar           SANT'ANNA, Flávia M. Microensino e habi-
                                                                                      lidades técnicas do professor. 2. ed. Porto Ale-
      relações, solucionar problemas.       duplas ou trios para expressar, por       gre: Bels, 1975.


           REVISTA DO PROFESSOR, Porto Alegre,                   19       (73):          31-35,           jan./mar. 2003
                                                                                                       35
   Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer
Sem título-2                35                                               01/06/2006, 17:57
Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Avaliação diagnóstica relatório
Avaliação diagnóstica   relatórioAvaliação diagnóstica   relatório
Avaliação diagnóstica relatório
Moniz Maria
 
Modelo de artigo de revisao
Modelo de artigo de revisaoModelo de artigo de revisao
Modelo de artigo de revisao
Francisco Augusto de Junito
 
Modelo de-fichamento em word
Modelo de-fichamento em wordModelo de-fichamento em word
Modelo de-fichamento em word
Mister B
 
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃOINSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
Edlauva Santos
 
Estrutura+do+ensaio
Estrutura+do+ensaioEstrutura+do+ensaio
Estrutura+do+ensaio
Adriele Leal
 
Psicologia da Educação - Quadro Coparativo
Psicologia da Educação - Quadro CoparativoPsicologia da Educação - Quadro Coparativo
Psicologia da Educação - Quadro Coparativo
André Lima
 
Tema gerador ll
Tema gerador llTema gerador ll
Tema gerador ll
Elizabeth Vieira
 
Objetivos de ensino
Objetivos de ensinoObjetivos de ensino
Objetivos de ensino
Naysa Taboada
 
Projeto de pesquisa exemplo
Projeto de pesquisa   exemploProjeto de pesquisa   exemplo
Projeto de pesquisa exemplo
Felipe Pereira
 
Carta de-intencao-modelo
Carta de-intencao-modeloCarta de-intencao-modelo
Carta de-intencao-modelo
Ezinalva Lima
 
RESUMO - Formação de Professores: Identidades e Saberes da Docência - Selma G...
RESUMO - Formação de Professores: Identidades e Saberes da Docência - Selma G...RESUMO - Formação de Professores: Identidades e Saberes da Docência - Selma G...
RESUMO - Formação de Professores: Identidades e Saberes da Docência - Selma G...
Thaynã Guedes
 
Atividade de diagnóstico ed. física 2012
Atividade de diagnóstico ed. física 2012Atividade de diagnóstico ed. física 2012
Atividade de diagnóstico ed. física 2012
josivaldopassos
 
Modelo ata estudantil
Modelo ata estudantilModelo ata estudantil
Modelo ata estudantil
claudioteacher
 
Planejamento pedagógico
Planejamento pedagógicoPlanejamento pedagógico
Planejamento pedagógico
SMEdeItabaianinha
 
Relatorio pronto
Relatorio prontoRelatorio pronto
Relatorio pronto
Diego Moura
 
Planejamento pedagógico alinhado à BNCC
Planejamento pedagógico alinhado à BNCCPlanejamento pedagógico alinhado à BNCC
Planejamento pedagógico alinhado à BNCC
ThalesSantos36
 
Ética e Moral
Ética e Moral   Ética e Moral
Ética e Moral
Mary Alvarenga
 
Eletiva 1º encontro
Eletiva 1º encontroEletiva 1º encontro
Eletiva 1º encontro
helena takahashi
 
Apresentação TCC
Apresentação TCCApresentação TCC
Apresentação TCC
Vinícius Oliveira da Costa
 
Texto motivacional para alunos
Texto motivacional para alunosTexto motivacional para alunos
Texto motivacional para alunos
Vânia Porto
 

Mais procurados (20)

Avaliação diagnóstica relatório
Avaliação diagnóstica   relatórioAvaliação diagnóstica   relatório
Avaliação diagnóstica relatório
 
Modelo de artigo de revisao
Modelo de artigo de revisaoModelo de artigo de revisao
Modelo de artigo de revisao
 
Modelo de-fichamento em word
Modelo de-fichamento em wordModelo de-fichamento em word
Modelo de-fichamento em word
 
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃOINSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
 
Estrutura+do+ensaio
Estrutura+do+ensaioEstrutura+do+ensaio
Estrutura+do+ensaio
 
Psicologia da Educação - Quadro Coparativo
Psicologia da Educação - Quadro CoparativoPsicologia da Educação - Quadro Coparativo
Psicologia da Educação - Quadro Coparativo
 
Tema gerador ll
Tema gerador llTema gerador ll
Tema gerador ll
 
Objetivos de ensino
Objetivos de ensinoObjetivos de ensino
Objetivos de ensino
 
Projeto de pesquisa exemplo
Projeto de pesquisa   exemploProjeto de pesquisa   exemplo
Projeto de pesquisa exemplo
 
Carta de-intencao-modelo
Carta de-intencao-modeloCarta de-intencao-modelo
Carta de-intencao-modelo
 
RESUMO - Formação de Professores: Identidades e Saberes da Docência - Selma G...
RESUMO - Formação de Professores: Identidades e Saberes da Docência - Selma G...RESUMO - Formação de Professores: Identidades e Saberes da Docência - Selma G...
RESUMO - Formação de Professores: Identidades e Saberes da Docência - Selma G...
 
Atividade de diagnóstico ed. física 2012
Atividade de diagnóstico ed. física 2012Atividade de diagnóstico ed. física 2012
Atividade de diagnóstico ed. física 2012
 
Modelo ata estudantil
Modelo ata estudantilModelo ata estudantil
Modelo ata estudantil
 
Planejamento pedagógico
Planejamento pedagógicoPlanejamento pedagógico
Planejamento pedagógico
 
Relatorio pronto
Relatorio prontoRelatorio pronto
Relatorio pronto
 
Planejamento pedagógico alinhado à BNCC
Planejamento pedagógico alinhado à BNCCPlanejamento pedagógico alinhado à BNCC
Planejamento pedagógico alinhado à BNCC
 
Ética e Moral
Ética e Moral   Ética e Moral
Ética e Moral
 
Eletiva 1º encontro
Eletiva 1º encontroEletiva 1º encontro
Eletiva 1º encontro
 
Apresentação TCC
Apresentação TCCApresentação TCC
Apresentação TCC
 
Texto motivacional para alunos
Texto motivacional para alunosTexto motivacional para alunos
Texto motivacional para alunos
 

Semelhante a Estudo dirigido

Portifólio helen rosa
Portifólio helen rosaPortifólio helen rosa
Portifólio helen rosa
Helenrsr
 
Capacitação de Ciências - 2ª parte
Capacitação de Ciências - 2ª parteCapacitação de Ciências - 2ª parte
Capacitação de Ciências - 2ª parte
anjalylopes
 
10+novas+competências+para+ensinar
10+novas+competências+para+ensinar10+novas+competências+para+ensinar
10+novas+competências+para+ensinar
pedagogia para licenciados
 
10+novas+competências+para+ensinar
10+novas+competências+para+ensinar10+novas+competências+para+ensinar
10+novas+competências+para+ensinar
pedagogia para licenciados
 
PCN de Matemática - 5ª a 8ª serie, ciclos 3 e 4.
PCN de Matemática - 5ª a 8ª serie, ciclos 3 e 4.PCN de Matemática - 5ª a 8ª serie, ciclos 3 e 4.
PCN de Matemática - 5ª a 8ª serie, ciclos 3 e 4.
jessipereira
 
O Designer Instrucional Como Um Lapidário: Da Lapidação Do Conteúdo Bruto À T...
O Designer Instrucional Como Um Lapidário: Da Lapidação Do Conteúdo Bruto À T...O Designer Instrucional Como Um Lapidário: Da Lapidação Do Conteúdo Bruto À T...
O Designer Instrucional Como Um Lapidário: Da Lapidação Do Conteúdo Bruto À T...
Fernanda Tess
 
10+novas+competências+para+ensinar
10+novas+competências+para+ensinar10+novas+competências+para+ensinar
10+novas+competências+para+ensinar
pedagogia para licenciados
 
Programa GLAUBER 2023 17-04 B.docx
Programa GLAUBER 2023 17-04 B.docxPrograma GLAUBER 2023 17-04 B.docx
Programa GLAUBER 2023 17-04 B.docx
Glauber Eduardo Aragon Pereira
 
Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.
Magda Marques
 
Capítulo 7 e 8
Capítulo 7 e 8Capítulo 7 e 8
Capítulo 7 e 8
Deb789
 
Trabalho da dona elena
Trabalho da dona elenaTrabalho da dona elena
Trabalho da dona elena
Handre Phernando
 
Estratégias Diferenciadas no Ensino
Estratégias Diferenciadas no EnsinoEstratégias Diferenciadas no Ensino
Estratégias Diferenciadas no Ensino
Vera Zacharias
 
Novas formas de ensinar 06.03.2012
Novas formas de ensinar 06.03.2012Novas formas de ensinar 06.03.2012
Novas formas de ensinar 06.03.2012
SMEdeItabaianinha
 
DIDÁTICA GERAL.pptx
DIDÁTICA GERAL.pptxDIDÁTICA GERAL.pptx
DIDÁTICA GERAL.pptx
Evaldo Pereira Merim
 
A avaliação da aprendizagem e o princípio da continuidade da
A avaliação da aprendizagem e o princípio da continuidade daA avaliação da aprendizagem e o princípio da continuidade da
A avaliação da aprendizagem e o princípio da continuidade da
Eliana Zati
 
Estrategias de-ensinagem-lea-anastasiou
Estrategias de-ensinagem-lea-anastasiouEstrategias de-ensinagem-lea-anastasiou
Estrategias de-ensinagem-lea-anastasiou
PROIDDBahiana
 
Planejamento de ensino[1]
Planejamento de ensino[1]Planejamento de ensino[1]
Planejamento de ensino[1]
UNICEP
 
Competências e Habilidades
Competências e HabilidadesCompetências e Habilidades
Competências e Habilidades
Uilson Nunnes
 
Tipos de atividades
Tipos de atividadesTipos de atividades
Tipos de atividades
RubiaCP
 
Docencia Universitaria (Dr. Marcos Masetto)
Docencia Universitaria (Dr. Marcos Masetto)Docencia Universitaria (Dr. Marcos Masetto)
Docencia Universitaria (Dr. Marcos Masetto)
Giba Canto
 

Semelhante a Estudo dirigido (20)

Portifólio helen rosa
Portifólio helen rosaPortifólio helen rosa
Portifólio helen rosa
 
Capacitação de Ciências - 2ª parte
Capacitação de Ciências - 2ª parteCapacitação de Ciências - 2ª parte
Capacitação de Ciências - 2ª parte
 
10+novas+competências+para+ensinar
10+novas+competências+para+ensinar10+novas+competências+para+ensinar
10+novas+competências+para+ensinar
 
10+novas+competências+para+ensinar
10+novas+competências+para+ensinar10+novas+competências+para+ensinar
10+novas+competências+para+ensinar
 
PCN de Matemática - 5ª a 8ª serie, ciclos 3 e 4.
PCN de Matemática - 5ª a 8ª serie, ciclos 3 e 4.PCN de Matemática - 5ª a 8ª serie, ciclos 3 e 4.
PCN de Matemática - 5ª a 8ª serie, ciclos 3 e 4.
 
O Designer Instrucional Como Um Lapidário: Da Lapidação Do Conteúdo Bruto À T...
O Designer Instrucional Como Um Lapidário: Da Lapidação Do Conteúdo Bruto À T...O Designer Instrucional Como Um Lapidário: Da Lapidação Do Conteúdo Bruto À T...
O Designer Instrucional Como Um Lapidário: Da Lapidação Do Conteúdo Bruto À T...
 
10+novas+competências+para+ensinar
10+novas+competências+para+ensinar10+novas+competências+para+ensinar
10+novas+competências+para+ensinar
 
Programa GLAUBER 2023 17-04 B.docx
Programa GLAUBER 2023 17-04 B.docxPrograma GLAUBER 2023 17-04 B.docx
Programa GLAUBER 2023 17-04 B.docx
 
Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.
 
Capítulo 7 e 8
Capítulo 7 e 8Capítulo 7 e 8
Capítulo 7 e 8
 
Trabalho da dona elena
Trabalho da dona elenaTrabalho da dona elena
Trabalho da dona elena
 
Estratégias Diferenciadas no Ensino
Estratégias Diferenciadas no EnsinoEstratégias Diferenciadas no Ensino
Estratégias Diferenciadas no Ensino
 
Novas formas de ensinar 06.03.2012
Novas formas de ensinar 06.03.2012Novas formas de ensinar 06.03.2012
Novas formas de ensinar 06.03.2012
 
DIDÁTICA GERAL.pptx
DIDÁTICA GERAL.pptxDIDÁTICA GERAL.pptx
DIDÁTICA GERAL.pptx
 
A avaliação da aprendizagem e o princípio da continuidade da
A avaliação da aprendizagem e o princípio da continuidade daA avaliação da aprendizagem e o princípio da continuidade da
A avaliação da aprendizagem e o princípio da continuidade da
 
Estrategias de-ensinagem-lea-anastasiou
Estrategias de-ensinagem-lea-anastasiouEstrategias de-ensinagem-lea-anastasiou
Estrategias de-ensinagem-lea-anastasiou
 
Planejamento de ensino[1]
Planejamento de ensino[1]Planejamento de ensino[1]
Planejamento de ensino[1]
 
Competências e Habilidades
Competências e HabilidadesCompetências e Habilidades
Competências e Habilidades
 
Tipos de atividades
Tipos de atividadesTipos de atividades
Tipos de atividades
 
Docencia Universitaria (Dr. Marcos Masetto)
Docencia Universitaria (Dr. Marcos Masetto)Docencia Universitaria (Dr. Marcos Masetto)
Docencia Universitaria (Dr. Marcos Masetto)
 

Estudo dirigido

  • 1. CLASSE MULTISSERIADA Estudo dirigido Técnica pode ser usada em sala de aula e fora do espaço escolar •NORA CECÍLIA BOCACCIO CINEL c o n c l u i r, • favorecer o desenvolvimento do Especialista em Lingüística e em A solucionar sentido de independência e de se- CL Supervisão de Sistemas Educacionais. S S Porto Alegre/RS. E problemas, gurança do aluno; aplicando o • possibilitar a criação, a correção Inúmeros autores têm-nos en- que apren- e o aperfeiçoamento de hábitos de MU DA sinado que os melhores professo- deu – e pos- estudo, a fixação, a integração e a res talvez não sejam aqueles que sibilitando- ampliação da aprendizagem. IA LT R E tenham completo domínio das IS lhe ajustar- Um estudo dirigido pode ser técnicas de ensino mais refinadas, S se às tarefas realizado em sala de aula ou como nem os que se utilizam dos recur- que deve executar para alcançar o tarefa para casa. Porém, em sala sos mais sofisticados da atuali- previsto nos objetivos. de aula, com a presença do docen- dade, mas os que entram na sala O estudo dirigido predispõe o te para esclarecer dúvidas e orien- de aula cheios de entusiasmo, boa aluno à criatividade, uma vez que tar quando necessário, a técnica vontade, uma grande dose de a sua finalidade principal está vol- pode revestir-se de mais eficácia criatividade para comunicar e sa- tada à atividade da reflexão, e o e tornar-se mais eficiente para a bedoria para ouvir e aprender. pensamento reflexivo, de acordo aprendizagem de qualquer área do Especialmente às classes mul- com as circunstâncias do indiví- conhecimento. É importante que tisseriadas, se adapta o perfil des- duo, provoca a necessidade de in- o professor acompanhe o trabalho se mestre. No entanto, nunca é ventar, buscar modos pessoais de em todas as suas fases: na execu- demais a ele saber aplicar algumas operar com inteligência e resol- ção, na correção e na avaliação. estratégias de ensino que facili- ver o que lhe foi proposto. O texto incentivador ou qual- tem o seu trabalho e oportunizem O produto do trabalho do alu- quer outro recurso que desenca- aos alunos uma aprendizagem de no pode adquirir, desse modo, deie a tarefa deve ser abrangente, qualidade. forte cunho de autenticidade e na simplicidade, enfocando as- Uma das estratégias que mais pessoalidade. pectos relevantes à área do conhe- convêm ao trabalho docente e aos Para aplicar essa técnica, o cimento em estudo, proporcional alunos, nessas classes, é aquela professor solicita ao aluno uma aos diferentes níveis apresentados que conhecemos como Estudo determinada tarefa, fornecendo- por uma classe multisseriada, com Dirigido. lhe instruções de como realizá- questões que exijam do aluno o O estudo dirigido é uma técni- la. Principalmente nas séries das raciocínio e a criatividade e que ca fundamentada no princípio di- classes multisseriadas (1a à 4a ou oportunizem o desenvolvimento dático de que o professor não en- 5a), essas instruções devem ser das suas capacidades de análise, sina: ele é o agilizador da aprendi- claras e simples. Sua aplicação síntese, interpretação, ordenação, zagem, ajuda o aluno a aprender. É parte de um incentivo comum: um avaliação e conclusão. o incentivador e o ativador do texto, por exemplo, ou um cartaz Para exemplificar um traba- aprender. De maneira especial, ou a observação de um ambiente lho com a técnica do estudo di- essa técnica põe em evidência o ou cena. A partir desse incenti- rigido, podemos buscar orienta- modo como o aluno aprende. Pode vo, o professor deverá elaborar ções nos Parâmetros Curricula- atender, com vantagens, às exigên- inúmeras e diversificadas tarefas res Nacionais, relacionados aos cias do processo de aprender, uma ou questões para que o aluno as 1 o e 2 o ciclos, usando o tema vez que, utilizando-se de dados re- resolva. transversal Meio Ambiente co- ais contidos nas diferentes áreas do Um estudo dirigido pode ser mo conteúdo a ser desenvolvi- conhecimento, incentiva a ativida- desenvolvido em sala de aula para, do numa classe multisseriada, de intelectual do aluno, força-o à entre outros objetivos: em diferentes níveis. descoberta de seus próprios recur- • oportunizar situações para o alu- Inicialmente, é preciso que o sos mentais, facilitando-lhe o de- no aprender por meio de sua pró- professor ( ou a professora) es- senvolvimento das habilidades e pria atividade, de acordo com seu teja bem informado sobre a prin- operações de pensamento signifi- ritmo pessoal; cipal função de um trabalho com cativas – identificar, selecionar, • facilitar o atendimento das dife- o tema Meio Ambiente: contri- comparar, experimentar, analisar, renças individuais, pelo professor; buir para a formação de cida- REVISTA DO PROFESSOR, Porto Alegre, 19 (73): 31-35, jan./mar. 2003 31 Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer Sem título-2 31 01/06/2006, 17:57
  • 2. CLASSE MULTISSERIADA dãos conscientes, aptos para de- construção do saber e de expres- • Identificar a procedência e a ori- cidirem e atuarem na realidade são do conhecimento construído. gem dos alimentos. socioambiental de um modo A técnica do estudo dirigido • Desenvolver habilidades de ob- comprometido com a vida, com presta-se aos propósitos expres- servação, identificação, compara- o bem-estar de cada um e da so- sos nas orientações didáticas re- ção, classificação, descrição oral ciedade, local e global. Para que lativas ao Meio Ambiente (PCN), e produção textual. isso aconteça, é necessário que a especialmente a que define a ne- escola se preocupe mais com o cessidade de estabelecer, para os Conteúdos procedimentais trabalho relacionado a atitudes, alunos de todas as idades, uma • Um grande cartaz com diferen- formação de valores, ensino e relação entre a sensibilização ao tes gravuras de alimentos e peque- aprendizagem de habilidades e meio ambiente, a aquisição de nas frases significativas pode procedimentos ambientalmente conhecimentos, a atitude para constituir-se no incentivo ao de- corretos, na prática diária: gestos resolver os problemas e a clari- senvolvimento de uma tarefa bem solidários, hábitos de higiene pes- ficação de valores, procurando, variada e rica em informações so- soal e ambiental e participação principalmente, sensibilizar os bre os alimentos e a alimentação, ativa em tarefas de valorização e mais jovens para os problemas em geral. preservação da natureza e do mun- ambientais existentes na sua • A partir da exploração do cartaz, do que nos rodeia. própria comunidade. em sala de aula, o professor soli- Explorar o tema Meio Ambien- As três sugestões de estudo citará aos alunos que façam uma te, segundo os PCN, requer co- dirigido que apresentamos a se- lista dos alimentos que são con- nhecimento e informação por par- guir podem auxiliar o professor sumidos ou usados normalmente te da escola. Isso não quer dizer ou a professora no desenvolvi- em suas casas e, depois, os da es- que todos os professores deverão mento de seu trabalho, numa sala cola. Num grande pedaço de pa- saber tudo sobre o assunto, mas de aula de classe multisseriada. pel pardo ou em folhas de ofício(a que deverão dispor-se a aprender Poderão, também, ser adaptadas às critério do professor), os alunos a aprender e a ensinar seus alu- situações de classes de ensino por serão orientados a representarem nos, num verdadeiro e constante ciclos (1a e 2a ; 3a e 4a séries), no com desenhos ou, então, com gra- processo de construção e de pro- Ensino Fundamental. vuras coladas, seus alimentos pre- dução de conhecimento (aluno/ feridos e o que costumam consu- professor). ESTUDO DIRIGIDO 1 (1O CICLO) mir habitualmente, formando um Esse trabalho deve servir para painel. auxiliar os alunos a construírem n De onde vêm os alimentos • A partir desse momento, os alu- uma consciência global das ques- nos devem ser incentivados a es- tões relacionadas ao meio e a as- Conteúdos conceituais creverem frases ou palavras (con- sumirem posições compatíveis • Identificar os alimentos consu- forme o nível do grupo) relacio- com valores que se referem a sua midos em casa e na escola. nadas aos desenhos e às gravuras proteção e à melhoria de suas con- dições de vida. Melancia gostosa! Sem dúvida, o trabalho com a realidade local pode oferecer um ? oce universo acessível e conhecido, a éd igo ser explorado: sua casa, sua co- F munidade, sua região. Como tema transversal, o Meio Ambiente apresenta um conjunto de conteúdos que pode- rão ser tratados nas mais diversas áreas do conhecimento. Ciências, História, Geografia, Língua Por- tuguesa, Matemática e Arte pare- cem ser, conforme os PCN, as principais parceiras para o de- senvolvimento dos conteúdos, pela própria natureza dos seus ob- jetivos de estudo e por constituí- Mamão = saúde Cenoura faz bem. rem instrumentos básicos de REVISTA DO PROFESSOR, Porto Alegre, 19 (73): 31-35, jan./mar. 2003 32 Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer Sem título-2 32 01/06/2006, 17:57
  • 3. CLASSE MULTISSERIADA do painel. Essas frases ou palavras do as origens de todos os alimen- um fruto; deverão ser coladas no local con- tos indicados até esse momento Û a couve é um alimento, identi- veniente (abaixo do desenho, ao (os do quadro de incentivo, os do ficado como folha e conhecido lado da gravura, etc.). painel construído e outros suge- como uma dentre outras verduras; • Em seguida, concluída essa eta- ridos por eles). Û o charque é um alimento, pre- pa, o professor, no quadro-de-giz, • Ao professor competirá escla- parado como carne seca e retira- listará todos os alimentos repre- recer o significado dos termos do de uma rês (gado bovino); sentados, incentivando os alunos origem animal, vegetal, mineral Û o toucinho é um alimento, a se expressarem sobre aqueles de e procedência e acompanhar aten- identificado como gordura retira- que mais gostam, os de que me- tamente a realização da tarefa, es- da do porco; nos gostam, como costumam co- clarecendo dúvidas, respondendo Û a cenoura é um alimento, é mer (se fritos, assados, cozidos às perguntas. Nessa etapa, será ne- uma raiz e é conhecida como um no molho, refogados, etc.), explo- cessário esclarecer aos alunos a dentre outros legumes, etc. rando os termos e explicando o diferença entre a origem (vaca, que for necessário. por exemplo) e os seus produtos Conteúdos atitudinais • Familiarizados com a variedade derivados (carne, leite, manteiga, • Participar com responsabilida- e a diversidade dos alimentos, o couro, etc.), incentivando-os à de na realização de todas as tare- docente lançará um problema: Os busca de informações em mate- fas propostas. alunos devem descobrir de onde riais que estiverem ao seu alcan- • Realizar corretamente todas as vêm os alimentos. Do mercado? ce (desde simples jornais ou re- tarefas. Da horta? Do galinheiro? Do vistas até a internet, se possível), pomar? Da fábrica? Do campo? para construírem suas respostas. ESTUDO DIRIGIDO 2 (2O CICLO) Da padaria?... • Depois de bem exploradas as • Os alunos deverão procurar as informações sobre a origem dos n Vida no sítio respostas entrevistando pessoas, alimentos, poderá ser proposta observando seu meio ambiente, aos alunos a elaboração de um Conteúdos conceituais o local onde vivem; verificando quadro como o que sugerimos a • Identificar elementos do meio. de onde seus familiares trazem seguir (Figura 1). • Estabelecer relações entre os os alimentos para casa, isto é, de- • Neste quadro, os alunos estarão elementos do meio. terminando a procedência dos elaborando uma classificação dos • Construir noções de ecossiste- alimentos. alimentos. ma. • A partir das respostas dos alu- • De posse de todas as informa- • Concluir que existe interde- nos, competirá ao professor ou à ções coletadas e dos conhecimen- pendência entre os seres vivos professora estabelecer as dife- tos construídos ao longo do estu- e brutos. renças entre os alimentos manu- do dirigido, o professor poderá • Desenvolver as habilidades de faturados e os alimentos consu- enriquecer o trabalho, propondo observação, identificação, es- midos in natura, propondo, en- aos alunos a exploração de no- ta bel eci men to d e r ela çõe s, tão, a organização de uma classi- ções, tais como: conclusão. ficação dos alimentos conforme Û a banana é um alimento que é • Desenvolver o raciocínio lógico. a sua procedência, num quadro de duas colunas. O professor não FIGURA 1 deve esquecer de aguardar as res- postas de seus alunos, a cada ta- ORIGEM DOS ALIMENTOS refa proposta, verificando a apren- Vegetal Animal Mineral dizagem, reforçando conteúdos, retomando noções, sempre que Nome Dese nho Nome Dese nho Nome Dese nho necessário. • Vencida mais essa etapa, mais uma tarefa deverá ser proposta: Qual é a origem dos alimentos que conhecemos e que consumimos habitualmente? A couve, por exemplo: é de origem animal, ve- getal ou mineral? A água? O lei- te? A carne? Os alunos deverão ... procurar as respostas determinan- REVISTA DO PROFESSOR, Porto Alegre, 19 (73): 31-35, jan./mar. 2003 33 Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer Sem título-2 33 01/06/2006, 17:57
  • 4. CLASSE MULTISSERIADA Conteúdos procedimentais nutos e observar atentamen- gem necessitam das plantas? Dos • Para desencadear esse estudo te a cena (do ambiente natu- animais? Do homem? dirigido, o professor pode optar ral ou do painel) procurando – A paisagem é natural? Foi entre duas alternativas, dependen- fixar o maior número de de- transformada? Por quem? Como? do da localização da escola e das talhes possível. Em quê? possibilidades dos envolvidos no • A seguir, o professor coloca- – Que seres brutos aparecem na trabalho: ou propor a observação rá, no quadro-de-giz, um con- paisagem? minuciosa, detalhada do ambien- junto de perguntas que deverão Muitas outras perguntas poderão ser te que circunda o estabelecimen- ser respondidas pelos alunos colocadas no quadro-de-giz para que to de ensino (se estiver localiza- dentro de um tempo previamen- os alunos as respondam, por escrito, do em área rural) ou confeccio- te determinado, de acordo com em folhas de papel ofício ou de outro nar um painel com riqueza de de- o ritmo do grupo. Tais pergun- modo, a critério do docente. talhes, em partes destacáveis, tas poderão ser, por exemplo: • Terminado o tempo marcado, as como sugerimos na Figura 2, – Que elementos são vistos respostas serão recolhidas pelo pro- que represente um sítio, e apre- na paisagem? fessor ou pela professora que, ime- sentá-lo aos alunos para a ativi- – Que materiais existem diatamente, proporá um jogo de faz- dade de observação. Qualquer nela? de-conta de raciocínio, utilizando as uma das opções poderá consti- – Que seres vivos aparecem partes destacáveis do painel, incen- tuir-se em incentivo para a reali- no ambiente? tivando os alunos a pensarem e a par- zação do trabalho, mas para a 2a – Existe alguma fonte de ticiparem ativamente, orientando-os tarefa do estudo dirigido o pai- energia na paisagem? a refletirem e a responderem, oral- nel será necessário. – Que elementos da paisa- mente, a cada questão formulada. • A primeira tarefa a ser propos- gem precisam de ar? De á- Por exemplo: ta aos alunos será: permanecer gua? De sol? De terra? – Se retirarmos o milharal da pai- em silêncio durante alguns mi- – Que elementos da paisa- sagem, quem ficará prejudicado? FIGURA 2 REVISTA DO PROFESSOR, Porto Alegre, 19 (73): 31-35, jan./mar. 2003 34 Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer Sem título-2 34 01/06/2006, 17:57
  • 5. CLASSE MULTISSERIADA – Repondo o milharal no seu Conteúdos procedimentais escrito, suas idéias e opiniões, com lugar e retirando o pasto, quem • Para iniciar o estudo dirigido, o vistas à solução dos problemas, en- sai perdendo? professor proporá aos alunos uma tregando-as ao professor. – Repondo o pasto e tirando situação hipotética, uma história • Junto com os alunos, o profes- as alfaces da horta, quem fica de faz-de-conta, focalizando uma sor fará um levantamento das res- sem a verdura? cidade cheia de problemas que de- postas que apontam explicações – Se não houvesse um rio, se- verão ser examinados, entendidos, sobre os acontecimentos na cida- ria possível a vida? resolvidos, envolvendo diferentes de e as possíveis soluções, com- – Agora, façam de conta que atitudes e diferentes profissões e patibilizando-as, comentando, ana- o ar que existe no sítio sumiu. O decisões. lisando e fazendo uma síntese a que acontecerá? • A história poderá ser apresentada ser colocada no quadro-de-giz. – As galinhas e as vacas su- oralmente ou por escrito. A segun- • Todos os alunos deverão registrá- miram. O que poderá acontecer? da alternativa (por escrito) será a las em seus cadernos para realiza- – Todas as pessoas foram em- mais adequada porque oferecerá ao rem a próxima tarefa: escolher, den- bora. Como ficará o sítio? aluno a oportunidade mais signifi- tre as soluções apresentadas, aquela – Como as pessoas modifica- cativa de refletir sobre as situações que, no seu ponto de vista, seria a ram a paisagem? e buscar soluções que visem sanar mais significativa e, portanto, a pri- – Se as árvores frutíferas do os problemas ou as dificuldades. meira a ser providenciada; escrevê- pomar morressem, os passari- Na história poderão constar si- la em seu caderno; justificar sua op- nhos teriam o que comer? tuações simuladas de necessida- ção e identificar o tipo de trabalho O professor (ou a professora) des econômicas de uma cidade e de profissional necessários ao in- poderá incentivar, também, os alu- que esteja em crise, como por cremento da solução. nos a proporem um sem-número exemplo: • Cada aluno, posteriormente, apre- de perguntas e vai orientando-os – Vários produtos de alimen- sentará sua escolha, oralmente, jus- a analisarem o painel, procurando tação como leite, arroz, farinha tificando-a. Nesse momento, o pro- explorar as mais variadas situa- de trigo, feijão, ovos, entre ou- fessor ou a professora poderá de- ções, de tal sorte que eles sejam tros, estão escassos: sencadear um debate que torne evi- levados a considerarem as rela- – Houve falta de produção? dente a atenção e a criatividade dos ções entre os elementos do meio, – Por que isso estaria ocor- alunos em relação ao tema. Para fi- a interdependência entre os dife- rendo? nalizar, poderá ser sugerida aos alu- rentes seres e entendendo em que – Que providências precisam nos a criação de um painel com os consiste um ecossistema. ser tomadas? problemas solucionados. – O que pode ocorrer se con- Conteúdos atitudinais tinuar a faltar produtos? Conteúdos atitudinais • Participar atenta e comprometi- – Resolver os problemas da • Participar comprometidamente damente das tarefas propostas. cidade é competência somente da do trabalho. • Empenhar-se em realizá-las ade- população ou o governo deve • Realizar adequadamente as tare- quada e corretamente. auxiliar ou tomar sozinho a res- fas propostas. ponsabilidade de consertar a si- ESTUDO DIRIGIDO3 (2O CICLO) tuação? CONCLUSÃO – De que modo as pessoas e o Qualquer uma dessas sugestões n Cidade em crise! governo podem auxiliar na so- de estudo dirigido representa um lução dos problemas? trabalho a ser desenvolvido em Conteúdos conceituais – Que tipo de trabalho deve- vários momentos, com cuidado, • Identificar problemas apresen- rá ser feito? para que os alunos possam retirar tados numa situação hipotética. – Quem deverá fazê-lo? dessas oportunidades as melhores • Identificar possíveis causas dos – Que profissões estarão en- e mais significativas aprendiza- problemas. volvidas? etc. gens que elas podem oferecer. • Apresentar possíveis soluções • Aos alunos será dada a oportuni- para os problemas identificados. dade de realizarem outras questões BIBL IOGRAFIA • Apontar os profissionais e o tipo que julgarem necessárias. Todos BRASIL. Ministério da Educação e do Despor- de trabalho a ser realizado para deverão procurar responder aos to. Secretaria de Educação Fundamental. Parâme- solucionar os problemas. questionamentos e oferecer solu- tros curriculares nacionais: meio ambiente, saú- de: 1a a 4a séries. Brasília, 1997. v. 9. • Desenvolver a atenção e as habi- ções para os problemas apresen- lidades de identificar, estabelecer tados. Os alunos poderão formar SANT'ANNA, Flávia M. Microensino e habi- lidades técnicas do professor. 2. ed. Porto Ale- relações, solucionar problemas. duplas ou trios para expressar, por gre: Bels, 1975. REVISTA DO PROFESSOR, Porto Alegre, 19 (73): 31-35, jan./mar. 2003 35 Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer Sem título-2 35 01/06/2006, 17:57
  • 6. Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer