SlideShare uma empresa Scribd logo
Gabrielle-n°08
lara-n°15
larissa-n°16
Manuela-n°24
Marcelle-n°25
Ritual de morte dos Kaingang
•   Os Kaingang acreditam que o morto vive mais de uma vida depois que
    morre e que se transforma num mosquito ou numa formiga preta.

•   Entre os meses de abril e junho realiza-se um rito para que o morto vá
    embora.

 Para que a comunidade saiba que em breve será realizado o rito, um
    ramo é colocado sobre o túmulo.

 A cerimônia é realizada durante a tarde.
    O defunto Kaingang, atravessa três etapas:
    1) Sepultamento: em que se separa dos vivos.
    2) Transição: em que se afasta dos vivos, mas constitui uma ameaça
    pra eles.
    3) Incorporação: não mais no mundo dos vivos, mas dos mortos,
    quando, é definitivamente afugentado da aldeia .
Terra sem males
•   Os índios dizem que a terra sem Males é alcançada
    depois da morte.
•   Eles associam a terra de sem Males ao paraíso(associam a
    ideia de paraíso a destruição do mundo).
•   A terra, devido a maldade dos homens, avisou Guiraí-
    Poty, o grande pajé, e mandou que ele dançasse. Este
    obedeceu, passando toda a noite em danças e cantos
    rituais. E quando terminou de dançar, Nhanderu retirou
    um dos esteios que sustentam a terra, provocando um,
    grande incêndio. E a Terra começou a desabar para o
    oeste.
Ritual de morte dos Bororo
 O ritual funerário dos Bororo,
  marca um momento especial
  de socialização dos jovens.
 Muitos deles são formalmente
  iniciados, por meio da sua
  participação nos cantos,
  danças, caçadas e pescarias
  coletivas onde eles teem a
  oportunidade de aprender e
  perceber a riqueza de sua
  cultura.
A tribo dos Satere-Mawe
 Essa tribo realiza um ritual onde os jovens da tribo teem
  que colocar as mãos dentro de uma espécie de luva cheia
  de formigas-bala cuja a mordida é extremamente dolorida.
 Eles têm que dançar com as mãos dentro da luva durante
  dez minutos.Os homens repetem esse ritual várias vezes
  para provar sua masculinidade.
Sepultura e sobrevida dos índios
                Guaranis
 Antigamente, tanto os Guarani como os Tupi, enterravam o
    falecido dentro da casa, que era abandonada em seguida.
   Por influência dos jesuítas, começaram a construir
    cemitérios, que hoje são bem longe das aldeias justamente
    pelo medo dos anguêry.
   Sobre o túmulo, são colocados os pertences e instrumentos
    religiosos do morto. O corpo fica com os pés voltados para a
     nascente para que encontrem mais facilmente o caminho
    para a terra de Sem Males, que fica nessa direção, do
    oceano.
   .Durante os primeiros dias, acende-se uma fogueira para
    iluminá-lo no caminho.
   Quando a alma já chegou no outro mundo, o morto pode
    aparecer em um sonho, para dar conselhos.
Os índios Algonquinos
 Os índios Angonquinos realizam um ritual de passagem
  para os garotos, que são levedos para uma área separada
  do restante do povo onde são enjaulados e lá recebem
  uma substância muito forte chamada WYSOCCAN.
 Essa substância é muito alucinante e quase cem vezes mais
  forte que LSD.
 A intenção do ritual é fazer com que os garotos esqueçam
  todas as suas lembranças da infância, para que possam se
  tornar homens.
 Caso os garotos mostrem que se lembram de alguma coisa
  da sua infância são levados para tomar novamente o
  WYSOCCAN.
Religião indígena
 Cada nação indígena possuí crenças e rituais
    religiosos diferenciados.
   Porém, todas tribos acreditam nas forças da natureza
    e nos espíritos dos antepassados.
   O pajé é o responsável por transmitir estes
    conhecimentos aos habitantes da tribo.
   As tribos chegam a enterrar o corpo do índio com o os
    objetos pessoais.
   Estas tribos acreditavam numa vida após a morte .
Crianças indígenas
• A educação indígena :
• Os pequenos índios, conhecidos como
    curumins, aprendem desde pequenos
    e de forma prática:
•   Observam o que os adultos fazem e
    vão treinando desde cedo,
•   Quando o pai vai caçar, costuma levar
    o indiozinho junto para ele aprender .
•   Quando atingem 13 anos, os jovens
    passam por um teste e uma cerimônia
    para ingressar na vida adulta.
Canibalismo
 Algumas tribos eram canibais
  como, por exemplo, os
  Tupinambás que habitavam o
  litoral da região sudeste do
  Brasil.
 A antropofagia era praticada,
  pois acreditavam que ao
  comerem carne humana do
  inimigo estariam incorporando
  a sabedoria, valentia e
  conhecimentos .
A caçada dos Matis
 A tribo dos Matis, que vive na floresta amazônica brasileira,
  realiza quatro testes com os garotos,
 Primeiro, os garotos recebem veneno diretamente nos olhos,
  para supostamente melhorar a sua visão e aguçar os sentidos.
 Depois, eles são espancados e recebem chicotadas, para depois
  receber a inoculação do veneno de um sapo venenoso da região.
 A tribo acredita que o poderoso veneno do animal aumenta a
  força e a resistência, o que só acontece depois que o
  participante do ritual sofre com fortes enjoos, vômitos e
  diarreia. Quando os garotos passam por esta terrível sequencia
  de testes, são considerados aptos a participar das caçadas da
  tribo.
A organização social dos índios
 Entre os indígenas não existem classes sociais.
 A terra pertence a todos e quando o índio caça, costuma dividir
    com todos os habitantes da tribo.
    Apenas os instrumentos de trabalho são de propriedades
    individuais.
    O trabalho na tribo é dividido entre todos por sexo e idade.
   As mulheres são responsáveis pela comida, crianças, colheita e
    plantio.
   Já os homens ficam encarregados do trabalho mais pesado: caça,
    pesca, guerra e derrubada de árvores.
   Duas figuras importantes na tribo são o pajé (sacerdote) e o
    cacique(chefe da tribo).
O rito de passagem da tribo
             Cherokee
•   Quando o menino Cherokee acha que já é jovem e
    guerreiro, e diz que não tem medo de mais nada e que já
    pode caçar... ele precisa provar isso para o restante da
    tribo.

•   O pai leva o seu filho chamado “kofeitõy” para uma
    floresta perigosa, durante o final da tarde, venda-lhe os
    olhos e deixa-o sozinho.

•   O filho se senta sozinho no topo de uma montanha e
    durante toda a noite não poderá remover a venda dos
    olhos até os raios do sol brilharem no dia seguinte.
Objetos indígenas
 Os índios fazem objetos utilizando as matérias-primas da
  natureza.

 Desta maneira, constroem canoas, arcos, flechas e suas
  habitações (oca).

 Eles respeitam muito o meio ambiente, retirando dele
  somente o necessário para a sua sobrevivência.

 O urucum é muito usado para fazer pinturas no corpo.
O ritual Kuarup
 Um dos rituais é a cerimônia conhecida como Kuarup.
   Um ritual das tribos de origem Tupi habitantes do
  Parque Xingu.
 Instituído pelo Deus Mavustsinim para ressuscitar os
  mortos, ao longo do ritual, os mortos iam se
  transformando em humanos através de troncos de
  madeira que os representam.
 Só que com uma quebra na magía do ritual os troncos
  não puderam se transformar mais em pessoas.
 Isso aconteceu porque um índio que havia tido
  relações sexuais resolveu espiar o ritual.
FIM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Atividade Substantivos 6 ano.docx
Atividade Substantivos 6 ano.docxAtividade Substantivos 6 ano.docx
Atividade Substantivos 6 ano.docx
Fabiola Cerqueira
 
Prova 7ano ensino religioso 2b pet 2
Prova 7ano ensino religioso 2b pet 2Prova 7ano ensino religioso 2b pet 2
Prova 7ano ensino religioso 2b pet 2
Atividades Diversas Cláudia
 
Sistema de numeração decimal
Sistema de numeração decimal Sistema de numeração decimal
Sistema de numeração decimal
Mary Alvarenga
 
História 2013 3º e 4º bim (4º ano)
História 2013   3º e 4º bim (4º ano)História 2013   3º e 4º bim (4º ano)
História 2013 3º e 4º bim (4º ano)
smece4e5
 
Prova de Ciências 5º ano
Prova de Ciências 5º anoProva de Ciências 5º ano
Prova de Ciências 5º ano
Jasmine Leme
 
AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA: 4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 2° BIMESTR...
AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA: 4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 2° BIMESTR...AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA: 4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 2° BIMESTR...
AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA: 4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 2° BIMESTR...
Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino
 
Pip portugues-texto discriminação racial e atividades
Pip portugues-texto discriminação racial e atividadesPip portugues-texto discriminação racial e atividades
Pip portugues-texto discriminação racial e atividades
Atividades Diversas Cláudia
 
Eja atividades demais alunos 16 a 31 de agosto
Eja   atividades demais alunos 16 a 31 de agostoEja   atividades demais alunos 16 a 31 de agosto
Eja atividades demais alunos 16 a 31 de agosto
Olímpia Alencar
 
D19 (5º ano mat.)
D19  (5º ano   mat.)D19  (5º ano   mat.)
D19 (5º ano mat.)
Cidinha Paulo
 
Geografia 3º ano
Geografia 3º anoGeografia 3º ano
Geografia 3º ano
Marcia Oliveira
 
AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS - 6º OU 7º ANO - ÁGUA, LIXO, SANEAMENTO BÁSICO E POLUIÇÃO
AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS - 6º OU 7º ANO - ÁGUA, LIXO, SANEAMENTO BÁSICO E POLUIÇÃOAVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS - 6º OU 7º ANO - ÁGUA, LIXO, SANEAMENTO BÁSICO E POLUIÇÃO
AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS - 6º OU 7º ANO - ÁGUA, LIXO, SANEAMENTO BÁSICO E POLUIÇÃO
Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino
 
Caça palavras completo
Caça palavras completoCaça palavras completo
Caça palavras completo
Marcos Neves
 
Gênero textual: Fabulas e contos
Gênero textual: Fabulas e contos Gênero textual: Fabulas e contos
Gênero textual: Fabulas e contos
Mary Alvarenga
 
I atividade de geografia 5º ano andré
I atividade de geografia 5º ano   andréI atividade de geografia 5º ano   andré
I atividade de geografia 5º ano andré
André Moraes
 
Apostila educação física escolar
Apostila educação física escolar Apostila educação física escolar
Apostila educação física escolar
Paulo MF
 
Avaliação de Educação Física - 1º Ano do Ensino Fundamental 1 - 2º BIMESTRE
Avaliação de Educação Física - 1º  Ano do Ensino Fundamental 1 - 2º BIMESTREAvaliação de Educação Física - 1º  Ano do Ensino Fundamental 1 - 2º BIMESTRE
Avaliação de Educação Física - 1º Ano do Ensino Fundamental 1 - 2º BIMESTRE
Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino
 
Planeta Terra
Planeta Terra Planeta Terra
Planeta Terra
Mary Alvarenga
 
Desenhos de tarsila do amaral para colorir
Desenhos de tarsila do amaral para colorirDesenhos de tarsila do amaral para colorir
Desenhos de tarsila do amaral para colorir
SimoneHelenDrumond
 
Prova de HISTÓRIA
Prova de HISTÓRIAProva de HISTÓRIA
Prova de HISTÓRIA
Katia Lopes
 
Sequência Didática ÁGUA
Sequência Didática   ÁGUASequência Didática   ÁGUA
Sequência Didática ÁGUA
CristhianeGuimaraes
 

Mais procurados (20)

Atividade Substantivos 6 ano.docx
Atividade Substantivos 6 ano.docxAtividade Substantivos 6 ano.docx
Atividade Substantivos 6 ano.docx
 
Prova 7ano ensino religioso 2b pet 2
Prova 7ano ensino religioso 2b pet 2Prova 7ano ensino religioso 2b pet 2
Prova 7ano ensino religioso 2b pet 2
 
Sistema de numeração decimal
Sistema de numeração decimal Sistema de numeração decimal
Sistema de numeração decimal
 
História 2013 3º e 4º bim (4º ano)
História 2013   3º e 4º bim (4º ano)História 2013   3º e 4º bim (4º ano)
História 2013 3º e 4º bim (4º ano)
 
Prova de Ciências 5º ano
Prova de Ciências 5º anoProva de Ciências 5º ano
Prova de Ciências 5º ano
 
AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA: 4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 2° BIMESTR...
AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA: 4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 2° BIMESTR...AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA: 4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 2° BIMESTR...
AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA: 4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 2° BIMESTR...
 
Pip portugues-texto discriminação racial e atividades
Pip portugues-texto discriminação racial e atividadesPip portugues-texto discriminação racial e atividades
Pip portugues-texto discriminação racial e atividades
 
Eja atividades demais alunos 16 a 31 de agosto
Eja   atividades demais alunos 16 a 31 de agostoEja   atividades demais alunos 16 a 31 de agosto
Eja atividades demais alunos 16 a 31 de agosto
 
D19 (5º ano mat.)
D19  (5º ano   mat.)D19  (5º ano   mat.)
D19 (5º ano mat.)
 
Geografia 3º ano
Geografia 3º anoGeografia 3º ano
Geografia 3º ano
 
AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS - 6º OU 7º ANO - ÁGUA, LIXO, SANEAMENTO BÁSICO E POLUIÇÃO
AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS - 6º OU 7º ANO - ÁGUA, LIXO, SANEAMENTO BÁSICO E POLUIÇÃOAVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS - 6º OU 7º ANO - ÁGUA, LIXO, SANEAMENTO BÁSICO E POLUIÇÃO
AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS - 6º OU 7º ANO - ÁGUA, LIXO, SANEAMENTO BÁSICO E POLUIÇÃO
 
Caça palavras completo
Caça palavras completoCaça palavras completo
Caça palavras completo
 
Gênero textual: Fabulas e contos
Gênero textual: Fabulas e contos Gênero textual: Fabulas e contos
Gênero textual: Fabulas e contos
 
I atividade de geografia 5º ano andré
I atividade de geografia 5º ano   andréI atividade de geografia 5º ano   andré
I atividade de geografia 5º ano andré
 
Apostila educação física escolar
Apostila educação física escolar Apostila educação física escolar
Apostila educação física escolar
 
Avaliação de Educação Física - 1º Ano do Ensino Fundamental 1 - 2º BIMESTRE
Avaliação de Educação Física - 1º  Ano do Ensino Fundamental 1 - 2º BIMESTREAvaliação de Educação Física - 1º  Ano do Ensino Fundamental 1 - 2º BIMESTRE
Avaliação de Educação Física - 1º Ano do Ensino Fundamental 1 - 2º BIMESTRE
 
Planeta Terra
Planeta Terra Planeta Terra
Planeta Terra
 
Desenhos de tarsila do amaral para colorir
Desenhos de tarsila do amaral para colorirDesenhos de tarsila do amaral para colorir
Desenhos de tarsila do amaral para colorir
 
Prova de HISTÓRIA
Prova de HISTÓRIAProva de HISTÓRIA
Prova de HISTÓRIA
 
Sequência Didática ÁGUA
Sequência Didática   ÁGUASequência Didática   ÁGUA
Sequência Didática ÁGUA
 

Semelhante a Rituais de morte e passagem sociedades indigenas

Povos indígenas
Povos indígenasPovos indígenas
Povos indígenas
Nael.Passos
 
Arte e cultura indgena
Arte e cultura indgenaArte e cultura indgena
Arte e cultura indgena
Carolyne Mensen
 
kaio
kaio                                     kaio
kaio
Kaio Cesar
 
História da Arte: Arte e cultura indígena brasileira
História da Arte: Arte e cultura indígena brasileiraHistória da Arte: Arte e cultura indígena brasileira
História da Arte: Arte e cultura indígena brasileira
Raphael Lanzillotte
 
íNdios do brasil
íNdios do brasilíNdios do brasil
íNdios do brasil
Mariangela Santos
 
Produção didática gestar_ok_pr_berta
Produção didática gestar_ok_pr_bertaProdução didática gestar_ok_pr_berta
Produção didática gestar_ok_pr_berta
Vagner Gonçalves Viana
 
Dia do indio
Dia do indioDia do indio
Dia do indio
ANDRÉA FERREIRA
 
Povos indigenas brasil
Povos indigenas brasilPovos indigenas brasil
Povos indigenas brasil
Profgalao
 
íNdios brasileiros. 1 ano a
íNdios brasileiros. 1 ano aíNdios brasileiros. 1 ano a
íNdios brasileiros. 1 ano a
samonois
 
Psicologia duas sociedades
Psicologia   duas sociedadesPsicologia   duas sociedades
Psicologia duas sociedades
fergwen
 
Aula cultura cigana 12062010
Aula cultura cigana 12062010Aula cultura cigana 12062010
Aula cultura cigana 12062010
carlostonello
 
Índios brasileiros
Índios brasileirosÍndios brasileiros
Índios brasileiros
Paulo Alexandre
 
Indios 1
Indios 1Indios 1
O ìndios brasileiros Lucas Soares 6° ano
O ìndios brasileiros Lucas Soares 6° anoO ìndios brasileiros Lucas Soares 6° ano
O ìndios brasileiros Lucas Soares 6° ano
Glaucoestudioclick
 
Povos indigenas brasil 2
Povos indigenas brasil 2Povos indigenas brasil 2
Povos indigenas brasil 2
Profgalao
 
Diferentes culturas do mundo
Diferentes culturas do mundoDiferentes culturas do mundo
Diferentes culturas do mundo
anocas_rita
 
Nossos povos, nossos kayapó
Nossos povos, nossos kayapóNossos povos, nossos kayapó
Nossos povos, nossos kayapó
miauq
 
ritos de passagem.pptx
ritos de passagem.pptxritos de passagem.pptx
ritos de passagem.pptx
Antonio Burnat
 
Aula de artes indigena
Aula de artes indigenaAula de artes indigena
Aula de artes indigena
Janete Garcia de Freitas
 
Paper sobre Sincretismo Afro Brasileiro
Paper sobre Sincretismo Afro BrasileiroPaper sobre Sincretismo Afro Brasileiro
Paper sobre Sincretismo Afro Brasileiro
Edson L
 

Semelhante a Rituais de morte e passagem sociedades indigenas (20)

Povos indígenas
Povos indígenasPovos indígenas
Povos indígenas
 
Arte e cultura indgena
Arte e cultura indgenaArte e cultura indgena
Arte e cultura indgena
 
kaio
kaio                                     kaio
kaio
 
História da Arte: Arte e cultura indígena brasileira
História da Arte: Arte e cultura indígena brasileiraHistória da Arte: Arte e cultura indígena brasileira
História da Arte: Arte e cultura indígena brasileira
 
íNdios do brasil
íNdios do brasilíNdios do brasil
íNdios do brasil
 
Produção didática gestar_ok_pr_berta
Produção didática gestar_ok_pr_bertaProdução didática gestar_ok_pr_berta
Produção didática gestar_ok_pr_berta
 
Dia do indio
Dia do indioDia do indio
Dia do indio
 
Povos indigenas brasil
Povos indigenas brasilPovos indigenas brasil
Povos indigenas brasil
 
íNdios brasileiros. 1 ano a
íNdios brasileiros. 1 ano aíNdios brasileiros. 1 ano a
íNdios brasileiros. 1 ano a
 
Psicologia duas sociedades
Psicologia   duas sociedadesPsicologia   duas sociedades
Psicologia duas sociedades
 
Aula cultura cigana 12062010
Aula cultura cigana 12062010Aula cultura cigana 12062010
Aula cultura cigana 12062010
 
Índios brasileiros
Índios brasileirosÍndios brasileiros
Índios brasileiros
 
Indios 1
Indios 1Indios 1
Indios 1
 
O ìndios brasileiros Lucas Soares 6° ano
O ìndios brasileiros Lucas Soares 6° anoO ìndios brasileiros Lucas Soares 6° ano
O ìndios brasileiros Lucas Soares 6° ano
 
Povos indigenas brasil 2
Povos indigenas brasil 2Povos indigenas brasil 2
Povos indigenas brasil 2
 
Diferentes culturas do mundo
Diferentes culturas do mundoDiferentes culturas do mundo
Diferentes culturas do mundo
 
Nossos povos, nossos kayapó
Nossos povos, nossos kayapóNossos povos, nossos kayapó
Nossos povos, nossos kayapó
 
ritos de passagem.pptx
ritos de passagem.pptxritos de passagem.pptx
ritos de passagem.pptx
 
Aula de artes indigena
Aula de artes indigenaAula de artes indigena
Aula de artes indigena
 
Paper sobre Sincretismo Afro Brasileiro
Paper sobre Sincretismo Afro BrasileiroPaper sobre Sincretismo Afro Brasileiro
Paper sobre Sincretismo Afro Brasileiro
 

Mais de Profgalao

Sociedade asteca (1)
Sociedade asteca (1)Sociedade asteca (1)
Sociedade asteca (1)
Profgalao
 
Sociedade maia 7b
Sociedade maia 7bSociedade maia 7b
Sociedade maia 7b
Profgalao
 
Sociedade maia 7b (2)
Sociedade maia 7b (2)Sociedade maia 7b (2)
Sociedade maia 7b (2)
Profgalao
 
Sociedade maia 7 b
Sociedade maia 7 bSociedade maia 7 b
Sociedade maia 7 b
Profgalao
 
Indíos norte americanos
Indíos norte americanosIndíos norte americanos
Indíos norte americanos
Profgalao
 
A sociedade maia 7b
A sociedade maia 7bA sociedade maia 7b
A sociedade maia 7b
Profgalao
 
Sociedade inca
Sociedade incaSociedade inca
Sociedade inca
Profgalao
 

Mais de Profgalao (7)

Sociedade asteca (1)
Sociedade asteca (1)Sociedade asteca (1)
Sociedade asteca (1)
 
Sociedade maia 7b
Sociedade maia 7bSociedade maia 7b
Sociedade maia 7b
 
Sociedade maia 7b (2)
Sociedade maia 7b (2)Sociedade maia 7b (2)
Sociedade maia 7b (2)
 
Sociedade maia 7 b
Sociedade maia 7 bSociedade maia 7 b
Sociedade maia 7 b
 
Indíos norte americanos
Indíos norte americanosIndíos norte americanos
Indíos norte americanos
 
A sociedade maia 7b
A sociedade maia 7bA sociedade maia 7b
A sociedade maia 7b
 
Sociedade inca
Sociedade incaSociedade inca
Sociedade inca
 

Último

Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 

Último (20)

Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 

Rituais de morte e passagem sociedades indigenas

  • 2. Ritual de morte dos Kaingang • Os Kaingang acreditam que o morto vive mais de uma vida depois que morre e que se transforma num mosquito ou numa formiga preta. • Entre os meses de abril e junho realiza-se um rito para que o morto vá embora.  Para que a comunidade saiba que em breve será realizado o rito, um ramo é colocado sobre o túmulo.  A cerimônia é realizada durante a tarde. O defunto Kaingang, atravessa três etapas: 1) Sepultamento: em que se separa dos vivos. 2) Transição: em que se afasta dos vivos, mas constitui uma ameaça pra eles. 3) Incorporação: não mais no mundo dos vivos, mas dos mortos, quando, é definitivamente afugentado da aldeia .
  • 3. Terra sem males • Os índios dizem que a terra sem Males é alcançada depois da morte. • Eles associam a terra de sem Males ao paraíso(associam a ideia de paraíso a destruição do mundo). • A terra, devido a maldade dos homens, avisou Guiraí- Poty, o grande pajé, e mandou que ele dançasse. Este obedeceu, passando toda a noite em danças e cantos rituais. E quando terminou de dançar, Nhanderu retirou um dos esteios que sustentam a terra, provocando um, grande incêndio. E a Terra começou a desabar para o oeste.
  • 4. Ritual de morte dos Bororo  O ritual funerário dos Bororo, marca um momento especial de socialização dos jovens.  Muitos deles são formalmente iniciados, por meio da sua participação nos cantos, danças, caçadas e pescarias coletivas onde eles teem a oportunidade de aprender e perceber a riqueza de sua cultura.
  • 5. A tribo dos Satere-Mawe  Essa tribo realiza um ritual onde os jovens da tribo teem que colocar as mãos dentro de uma espécie de luva cheia de formigas-bala cuja a mordida é extremamente dolorida.  Eles têm que dançar com as mãos dentro da luva durante dez minutos.Os homens repetem esse ritual várias vezes para provar sua masculinidade.
  • 6. Sepultura e sobrevida dos índios Guaranis  Antigamente, tanto os Guarani como os Tupi, enterravam o falecido dentro da casa, que era abandonada em seguida.  Por influência dos jesuítas, começaram a construir cemitérios, que hoje são bem longe das aldeias justamente pelo medo dos anguêry.  Sobre o túmulo, são colocados os pertences e instrumentos religiosos do morto. O corpo fica com os pés voltados para a nascente para que encontrem mais facilmente o caminho para a terra de Sem Males, que fica nessa direção, do oceano.  .Durante os primeiros dias, acende-se uma fogueira para iluminá-lo no caminho.  Quando a alma já chegou no outro mundo, o morto pode aparecer em um sonho, para dar conselhos.
  • 7. Os índios Algonquinos  Os índios Angonquinos realizam um ritual de passagem para os garotos, que são levedos para uma área separada do restante do povo onde são enjaulados e lá recebem uma substância muito forte chamada WYSOCCAN.  Essa substância é muito alucinante e quase cem vezes mais forte que LSD.  A intenção do ritual é fazer com que os garotos esqueçam todas as suas lembranças da infância, para que possam se tornar homens.  Caso os garotos mostrem que se lembram de alguma coisa da sua infância são levados para tomar novamente o WYSOCCAN.
  • 8. Religião indígena  Cada nação indígena possuí crenças e rituais religiosos diferenciados.  Porém, todas tribos acreditam nas forças da natureza e nos espíritos dos antepassados.  O pajé é o responsável por transmitir estes conhecimentos aos habitantes da tribo.  As tribos chegam a enterrar o corpo do índio com o os objetos pessoais.  Estas tribos acreditavam numa vida após a morte .
  • 9. Crianças indígenas • A educação indígena : • Os pequenos índios, conhecidos como curumins, aprendem desde pequenos e de forma prática: • Observam o que os adultos fazem e vão treinando desde cedo, • Quando o pai vai caçar, costuma levar o indiozinho junto para ele aprender . • Quando atingem 13 anos, os jovens passam por um teste e uma cerimônia para ingressar na vida adulta.
  • 10. Canibalismo  Algumas tribos eram canibais como, por exemplo, os Tupinambás que habitavam o litoral da região sudeste do Brasil.  A antropofagia era praticada, pois acreditavam que ao comerem carne humana do inimigo estariam incorporando a sabedoria, valentia e conhecimentos .
  • 11. A caçada dos Matis  A tribo dos Matis, que vive na floresta amazônica brasileira, realiza quatro testes com os garotos,  Primeiro, os garotos recebem veneno diretamente nos olhos, para supostamente melhorar a sua visão e aguçar os sentidos.  Depois, eles são espancados e recebem chicotadas, para depois receber a inoculação do veneno de um sapo venenoso da região.  A tribo acredita que o poderoso veneno do animal aumenta a força e a resistência, o que só acontece depois que o participante do ritual sofre com fortes enjoos, vômitos e diarreia. Quando os garotos passam por esta terrível sequencia de testes, são considerados aptos a participar das caçadas da tribo.
  • 12. A organização social dos índios  Entre os indígenas não existem classes sociais.  A terra pertence a todos e quando o índio caça, costuma dividir com todos os habitantes da tribo.  Apenas os instrumentos de trabalho são de propriedades individuais.  O trabalho na tribo é dividido entre todos por sexo e idade.  As mulheres são responsáveis pela comida, crianças, colheita e plantio.  Já os homens ficam encarregados do trabalho mais pesado: caça, pesca, guerra e derrubada de árvores.  Duas figuras importantes na tribo são o pajé (sacerdote) e o cacique(chefe da tribo).
  • 13. O rito de passagem da tribo Cherokee • Quando o menino Cherokee acha que já é jovem e guerreiro, e diz que não tem medo de mais nada e que já pode caçar... ele precisa provar isso para o restante da tribo. • O pai leva o seu filho chamado “kofeitõy” para uma floresta perigosa, durante o final da tarde, venda-lhe os olhos e deixa-o sozinho. • O filho se senta sozinho no topo de uma montanha e durante toda a noite não poderá remover a venda dos olhos até os raios do sol brilharem no dia seguinte.
  • 14. Objetos indígenas  Os índios fazem objetos utilizando as matérias-primas da natureza.  Desta maneira, constroem canoas, arcos, flechas e suas habitações (oca).  Eles respeitam muito o meio ambiente, retirando dele somente o necessário para a sua sobrevivência.  O urucum é muito usado para fazer pinturas no corpo.
  • 15. O ritual Kuarup  Um dos rituais é a cerimônia conhecida como Kuarup. Um ritual das tribos de origem Tupi habitantes do Parque Xingu.  Instituído pelo Deus Mavustsinim para ressuscitar os mortos, ao longo do ritual, os mortos iam se transformando em humanos através de troncos de madeira que os representam.  Só que com uma quebra na magía do ritual os troncos não puderam se transformar mais em pessoas.  Isso aconteceu porque um índio que havia tido relações sexuais resolveu espiar o ritual.
  • 16. FIM