SlideShare uma empresa Scribd logo
FILO DOS PORÍFEROS
• Os animais desse filo
também são
conhecidos como
“esponjas”, o que se
diz muito sobre sua
estrutura. De fato
seus corpos são
esponjosos e cheios
de orifícios, de onde
vem o nome.
• A palavra poríferos
vem do latim (porus
= furo e ferre =
portador) e significa
literalmente “cheio de
furos”. Muitos autores
consideram os
poríferos “o elo de
ligação” entre os
protozoários e os
metazoários.
• Provavelmente, eles
tenham se originado
de protozoários
flagelados coloniais,
que passaram a viver
exclusivamente em
intima associação,
até constituírem um
só indivíduo
pluricelular.
• Provavelmente, eles
tenham se originado
de protozoários
flagelados coloniais,
que passaram a viver
exclusivamente em
intima associação,
até constituírem um
só indivíduo
pluricelular.
•Os poríferos são
desprovidos de qualquer
tipo de sistemas
digestivo, respiratório,
circulatório, etc. se
alimentam por filtração: a
água penetra no corpo
do animal, trazendo
partículas dissolvidas, as
células internas do átrio
absorvem essas
partículas e eliminam os
resíduos metabólicos.
São animais
aquáticos
sésseis
primitivos, por
não
apresentarem
órgãos,
incluindo boca
e intestino, a
maioria
marinhos
habitando
principalmente
substratos
duros.
• Existem diferentes
tipos de células
mas a
diferenciação
celular não segue
o padrão comum
encontrado em
outros animais.
•As esponjas
provavelmente
constituem um ramo
evolutivo lateral
precoce que não
deu origem a outros
grupos de animais.
Elas podem ter tido
uma origem
independente a
partir de
protozoários
coanoflagelados
A parede do
corpo é
constituída por
2 camadas
celulares. A
camada
externa é
formada por
células
achatadas
(pinócitos).
• Entre os pinócitos, há
células maiores e
alongadas que se
estendem desde a
parede externa até a
parede interna. São
os porócitos, células
que possuem um
canal em seu interior,
que permite a entrada
de água do exterior
para a espongiocela,
através da abertura
chamada óstio.
• A camada interna é
formada por células
flageladas providas
de um colarinho,
formação
membranosa que
envolve o flagelo.
. Essas células, chamadas coanócitos, revestem a
esponjiocela ou átrio ; o batimento de seus flagelos
faz com que a água existente em seu interior da
cavidade saia pelo ósculo.
•Entre as
camadas
internas e
externas há uma
mesênquima
gelatinosa, nas
quais se
encontram
células e
espículas.
•As células são
dotadas de
movimentos
amebóides e
por isso são
denominadas
amebócitos. As
espículas são
elementos
esqueléticos
que sustentam
a parede do
corpo e mantêm
a esponja ereta.
•Alimentação: a
digestão das
esponjas é
exclusivamente
intracelular. Uma
parte do alimento
é transferida dos
coanócitos para
os amebócitos do
mesênquima, que
também
contribuem com a
atividade
digestiva.
•Depois de
fragmentados, os
alimentos são
distribuídos por
difusão por todas
as outras células do
corpo. Devido a
esse padrão
alimentar, as
esponjas são
consideradas
organismos
filtradores
Uma esponja
com 10
centímetros de
altura filtra mais
de 100 litros de
água por dia.
Estima-se que,
para crescer e
acrescentar 3
gramas ao seu
peso, as
esponjas tenham
de filtrar mais de
uma tonelada de
água!
RESPIRAÇÃO
•as trocas gasosas
(obtenção de O2 e
eliminação de CO2)
acontecem por
difusão simples,
assim como a
eliminação de
resíduos
metabólicos.
O papel de um sistema circulatório é parcialmente
executado pela cavidade interna e também pelos
amebócitos que, ao se deslocarem pelo mesênquima,
auxiliam na distribuição de substâncias.
A respiração é
aeróbia. O
Oxigênio penetra
na esponja
dissolvido na
água. Cada
célula efetua com
o meio trocas
gasosas. O gás
carbônico
produzido sai
para o exterior
também
dissolvido na
água
• Entre as esponjas, ocorrem reprodução assexuada e
reprodução sexual. A reprodução assexual se faz através do
brotamento. Os brotos crescem ligados ao corpo, podendo se
soltar em determinados momentos e formar um novo
organismo. Algumas espécies de esponjas de água doce
formam brotos internos, chamados gêmulas.
REPRODUÇÃO
• A reprodução sexuada depende da formação de gametas a
partir de diferenciação de algumas células presentes no
mesênquima. Há espécies hermafroditas e espécies com
sexos separados.
• A corrente de
água leva os
espermatozóides
ao encontro dos
óvulos, e a
fecundação
(fusão dos
gametas
masculino e
feminino) ocorre
no mesênquima.
• O desenvolvimento embrionário é indireto, pois
há passagem por um fase larvária, chamada
anfiblástula
• Regeneração é uma
característica de todos os
seres vivos, porém aqui
ocorre facilmente, pois de
uma esponja dividida em
vários fragmentos, cada
parte (contendo
amebócitos) poderá
reconstituir um novo
indivíduo.
• A sustentação é
garantida por
mesênquima
gelatinoso,
interno à camada
de pinacócitos: no
mesênquima
estão
mergulhadas
espículas de
calcário ou silício,
células
indiferenciadas ou
amebócitos.
• O
endoesqueleto
é formado por
espículas
minerais e por
filamentos da
proteína
espongina.
Poriferos
Poriferos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Osteichthyes Actinopterygii Sarcopterygii
Osteichthyes Actinopterygii SarcopterygiiOsteichthyes Actinopterygii Sarcopterygii
Osteichthyes Actinopterygii Sarcopterygii
Filipe Augusto Gonçalves de Melo
 
Filo annelida
Filo annelidaFilo annelida
Filo annelida
MarianeSGS
 
Biologia - Artropodes
Biologia - ArtropodesBiologia - Artropodes
Biologia - Artropodes
Estude Mais
 
Cnidários
CnidáriosCnidários
Cnidários
Jocimar Araujo
 
Biologia - Platelmintos
Biologia - PlatelmintosBiologia - Platelmintos
Biologia - Platelmintos
Carson Souza
 
Aula 2° ano Ensino Médio: Invertebrados II (Artrópodes e Equinodermos)
Aula 2° ano Ensino Médio: Invertebrados II (Artrópodes e Equinodermos)Aula 2° ano Ensino Médio: Invertebrados II (Artrópodes e Equinodermos)
Aula 2° ano Ensino Médio: Invertebrados II (Artrópodes e Equinodermos)
Ronaldo Santana
 
Filo Nematoda (Power Point)
Filo Nematoda (Power Point)Filo Nematoda (Power Point)
Filo Nematoda (Power Point)
Bio
 
Cnidários
CnidáriosCnidários
Cnidários
GabrielaMansur
 
Anelídeos
AnelídeosAnelídeos
Anelídeos
Carolina Suisso
 
Anelídeos
AnelídeosAnelídeos
Anelídeos
eebniltonkucker
 
Poríferos
PoríferosPoríferos
Poríferos
Regina Oliveira
 
Artropodes
ArtropodesArtropodes
Artropodes
marlyrauber
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Poríferos e Cnidários
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Poríferos e Cnidárioswww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Poríferos e Cnidários
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Poríferos e Cnidários
Annalu Jannuzzi
 
Anelideos
AnelideosAnelideos
Anelideos
letyap
 
Reino protoctista
Reino protoctistaReino protoctista
Poríferos e Cnidários
Poríferos e CnidáriosPoríferos e Cnidários
Poríferos e Cnidários
Rhayana
 
Moluscos - Biologia
Moluscos - BiologiaMoluscos - Biologia
Moluscos - Biologia
Bruna M
 
Moluscos
MoluscosMoluscos
Moluscos
Teresa Cristina
 
Introdução ao reino animal
Introdução ao reino animalIntrodução ao reino animal
Introdução ao reino animal
Professora Raquel
 
Poriferos
PoriferosPoriferos
Poriferos
Matheus Bringel
 

Mais procurados (20)

Osteichthyes Actinopterygii Sarcopterygii
Osteichthyes Actinopterygii SarcopterygiiOsteichthyes Actinopterygii Sarcopterygii
Osteichthyes Actinopterygii Sarcopterygii
 
Filo annelida
Filo annelidaFilo annelida
Filo annelida
 
Biologia - Artropodes
Biologia - ArtropodesBiologia - Artropodes
Biologia - Artropodes
 
Cnidários
CnidáriosCnidários
Cnidários
 
Biologia - Platelmintos
Biologia - PlatelmintosBiologia - Platelmintos
Biologia - Platelmintos
 
Aula 2° ano Ensino Médio: Invertebrados II (Artrópodes e Equinodermos)
Aula 2° ano Ensino Médio: Invertebrados II (Artrópodes e Equinodermos)Aula 2° ano Ensino Médio: Invertebrados II (Artrópodes e Equinodermos)
Aula 2° ano Ensino Médio: Invertebrados II (Artrópodes e Equinodermos)
 
Filo Nematoda (Power Point)
Filo Nematoda (Power Point)Filo Nematoda (Power Point)
Filo Nematoda (Power Point)
 
Cnidários
CnidáriosCnidários
Cnidários
 
Anelídeos
AnelídeosAnelídeos
Anelídeos
 
Anelídeos
AnelídeosAnelídeos
Anelídeos
 
Poríferos
PoríferosPoríferos
Poríferos
 
Artropodes
ArtropodesArtropodes
Artropodes
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Poríferos e Cnidários
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Poríferos e Cnidárioswww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Poríferos e Cnidários
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Poríferos e Cnidários
 
Anelideos
AnelideosAnelideos
Anelideos
 
Reino protoctista
Reino protoctistaReino protoctista
Reino protoctista
 
Poríferos e Cnidários
Poríferos e CnidáriosPoríferos e Cnidários
Poríferos e Cnidários
 
Moluscos - Biologia
Moluscos - BiologiaMoluscos - Biologia
Moluscos - Biologia
 
Moluscos
MoluscosMoluscos
Moluscos
 
Introdução ao reino animal
Introdução ao reino animalIntrodução ao reino animal
Introdução ao reino animal
 
Poriferos
PoriferosPoriferos
Poriferos
 

Semelhante a Poriferos

Poliferos e Cnidários
Poliferos e CnidáriosPoliferos e Cnidários
Poliferos e Cnidários
Sirleide Silva
 
Poríferoslides
PoríferoslidesPoríferoslides
Poríferoslides
Leonice Santos
 
REINO PROTISTA - APRESENTAÇÃO PARA ENSINO MÉDIO - 2 ANO.pptx
REINO PROTISTA - APRESENTAÇÃO PARA ENSINO MÉDIO - 2 ANO.pptxREINO PROTISTA - APRESENTAÇÃO PARA ENSINO MÉDIO - 2 ANO.pptx
REINO PROTISTA - APRESENTAÇÃO PARA ENSINO MÉDIO - 2 ANO.pptx
IvinaMelo
 
Poriferos E Cndarios
Poriferos E CndariosPoriferos E Cndarios
Poriferos E Cndarios
Luis Otavio Tassinari
 
Porifero Cnidaria
Porifero CnidariaPorifero Cnidaria
Porifero Cnidaria
ANA LUCIA FARIAS
 
Invertebrados
InvertebradosInvertebrados
Invertebrados
SESI 422 - Americana
 
Poriferos cnidarios 2m
Poriferos cnidarios 2mPoriferos cnidarios 2m
Poriferos cnidarios 2m
Laguat
 
Poliferos e Cnidários.pptx
Poliferos e Cnidários.pptxPoliferos e Cnidários.pptx
Poliferos e Cnidários.pptx
RonaldoAlves313237
 
Trabalho de biologia características gerais dos seres vivos
Trabalho de biologia características gerais dos seres vivosTrabalho de biologia características gerais dos seres vivos
Trabalho de biologia características gerais dos seres vivos
Alessandra Miranda
 
Biologia bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]
Biologia   bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]Biologia   bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]
Biologia bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]
Roberto Bagatini
 
Invertebrados marinhos 1o b
Invertebrados marinhos 1o bInvertebrados marinhos 1o b
Invertebrados marinhos 1o b
SESI 422 - Americana
 
Características gerais dos seres vivos
Características gerais dos seres vivosCaracterísticas gerais dos seres vivos
Características gerais dos seres vivos
Alessandra Miranda
 
Trabalho de ciências de Marcos Fraga e Iago Souza
Trabalho de ciências de Marcos Fraga e Iago SouzaTrabalho de ciências de Marcos Fraga e Iago Souza
Trabalho de ciências de Marcos Fraga e Iago Souza
Janaina Luciane Fraga
 
Poríferos e Cnidários
Poríferos e CnidáriosPoríferos e Cnidários
Poríferos e Cnidários
Andrea Lemos
 
Poríferos e cnidários 3C- 2015
Poríferos e cnidários 3C- 2015Poríferos e cnidários 3C- 2015
Poríferos e cnidários 3C- 2015
Maria Teresa Iannaco Grego
 
O Reino dos Animais
O Reino dos AnimaisO Reino dos Animais
O Reino dos Animais
Renata1993Freire
 
Poríferos e cnidários
Poríferos e cnidáriosPoríferos e cnidários
Poríferos e cnidários
Nayara Saldanha
 
APOSTILA ZOOLOGIA PARTE 2
APOSTILA ZOOLOGIA PARTE 2APOSTILA ZOOLOGIA PARTE 2
APOSTILA ZOOLOGIA PARTE 2
Alexandre Pusaudse
 
Poríferos e cnidários
Poríferos e cnidáriosPoríferos e cnidários
Poríferos e cnidários
LUCAS MENDES SILVA OLIVEIRA
 
Peixes
PeixesPeixes

Semelhante a Poriferos (20)

Poliferos e Cnidários
Poliferos e CnidáriosPoliferos e Cnidários
Poliferos e Cnidários
 
Poríferoslides
PoríferoslidesPoríferoslides
Poríferoslides
 
REINO PROTISTA - APRESENTAÇÃO PARA ENSINO MÉDIO - 2 ANO.pptx
REINO PROTISTA - APRESENTAÇÃO PARA ENSINO MÉDIO - 2 ANO.pptxREINO PROTISTA - APRESENTAÇÃO PARA ENSINO MÉDIO - 2 ANO.pptx
REINO PROTISTA - APRESENTAÇÃO PARA ENSINO MÉDIO - 2 ANO.pptx
 
Poriferos E Cndarios
Poriferos E CndariosPoriferos E Cndarios
Poriferos E Cndarios
 
Porifero Cnidaria
Porifero CnidariaPorifero Cnidaria
Porifero Cnidaria
 
Invertebrados
InvertebradosInvertebrados
Invertebrados
 
Poriferos cnidarios 2m
Poriferos cnidarios 2mPoriferos cnidarios 2m
Poriferos cnidarios 2m
 
Poliferos e Cnidários.pptx
Poliferos e Cnidários.pptxPoliferos e Cnidários.pptx
Poliferos e Cnidários.pptx
 
Trabalho de biologia características gerais dos seres vivos
Trabalho de biologia características gerais dos seres vivosTrabalho de biologia características gerais dos seres vivos
Trabalho de biologia características gerais dos seres vivos
 
Biologia bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]
Biologia   bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]Biologia   bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]
Biologia bianca. d, emanuele, paola e vanessa[1]
 
Invertebrados marinhos 1o b
Invertebrados marinhos 1o bInvertebrados marinhos 1o b
Invertebrados marinhos 1o b
 
Características gerais dos seres vivos
Características gerais dos seres vivosCaracterísticas gerais dos seres vivos
Características gerais dos seres vivos
 
Trabalho de ciências de Marcos Fraga e Iago Souza
Trabalho de ciências de Marcos Fraga e Iago SouzaTrabalho de ciências de Marcos Fraga e Iago Souza
Trabalho de ciências de Marcos Fraga e Iago Souza
 
Poríferos e Cnidários
Poríferos e CnidáriosPoríferos e Cnidários
Poríferos e Cnidários
 
Poríferos e cnidários 3C- 2015
Poríferos e cnidários 3C- 2015Poríferos e cnidários 3C- 2015
Poríferos e cnidários 3C- 2015
 
O Reino dos Animais
O Reino dos AnimaisO Reino dos Animais
O Reino dos Animais
 
Poríferos e cnidários
Poríferos e cnidáriosPoríferos e cnidários
Poríferos e cnidários
 
APOSTILA ZOOLOGIA PARTE 2
APOSTILA ZOOLOGIA PARTE 2APOSTILA ZOOLOGIA PARTE 2
APOSTILA ZOOLOGIA PARTE 2
 
Poríferos e cnidários
Poríferos e cnidáriosPoríferos e cnidários
Poríferos e cnidários
 
Peixes
PeixesPeixes
Peixes
 

Mais de Altair Hoepers

Bioquimica celular
Bioquimica celularBioquimica celular
Bioquimica celular
Altair Hoepers
 
A celula
A celulaA celula
A celula
Altair Hoepers
 
Ciclos biogeoquimicos
Ciclos biogeoquimicosCiclos biogeoquimicos
Ciclos biogeoquimicos
Altair Hoepers
 
Membrana celular
Membrana celularMembrana celular
Membrana celular
Altair Hoepers
 
O nucleo celular
O nucleo celularO nucleo celular
O nucleo celular
Altair Hoepers
 
O citoplasma celular
O citoplasma celularO citoplasma celular
O citoplasma celular
Altair Hoepers
 
Tecido conjuntivo
Tecido conjuntivoTecido conjuntivo
Tecido conjuntivo
Altair Hoepers
 
Tecido epitelial
Tecido epitelialTecido epitelial
Tecido epitelial
Altair Hoepers
 
12333
1233312333
Diversidade celular
Diversidade celularDiversidade celular
Diversidade celular
Altair Hoepers
 
Gametogenese
GametogeneseGametogenese
Gametogenese
Altair Hoepers
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
Altair Hoepers
 
Vegetais superiores
Vegetais superioresVegetais superiores
Vegetais superiores
Altair Hoepers
 
Vegetacao global
Vegetacao globalVegetacao global
Vegetacao global
Altair Hoepers
 
Relacoes entre os_seres_vivos
Relacoes entre os_seres_vivosRelacoes entre os_seres_vivos
Relacoes entre os_seres_vivos
Altair Hoepers
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
Altair Hoepers
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
Altair Hoepers
 
Protocordados
ProtocordadosProtocordados
Protocordados
Altair Hoepers
 
Poluicao do solo
Poluicao do soloPoluicao do solo
Poluicao do solo
Altair Hoepers
 

Mais de Altair Hoepers (20)

Bioquimica celular
Bioquimica celularBioquimica celular
Bioquimica celular
 
A celula
A celulaA celula
A celula
 
Ciclos biogeoquimicos
Ciclos biogeoquimicosCiclos biogeoquimicos
Ciclos biogeoquimicos
 
Membrana celular
Membrana celularMembrana celular
Membrana celular
 
O nucleo celular
O nucleo celularO nucleo celular
O nucleo celular
 
O citoplasma celular
O citoplasma celularO citoplasma celular
O citoplasma celular
 
Tecido conjuntivo
Tecido conjuntivoTecido conjuntivo
Tecido conjuntivo
 
Tecido epitelial
Tecido epitelialTecido epitelial
Tecido epitelial
 
12333
1233312333
12333
 
Diversidade celular
Diversidade celularDiversidade celular
Diversidade celular
 
Gametogenese
GametogeneseGametogenese
Gametogenese
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Reproducao
ReproducaoReproducao
Reproducao
 
Vegetais superiores
Vegetais superioresVegetais superiores
Vegetais superiores
 
Vegetacao global
Vegetacao globalVegetacao global
Vegetacao global
 
Relacoes entre os_seres_vivos
Relacoes entre os_seres_vivosRelacoes entre os_seres_vivos
Relacoes entre os_seres_vivos
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
Protocordados
ProtocordadosProtocordados
Protocordados
 
Poluicao do solo
Poluicao do soloPoluicao do solo
Poluicao do solo
 

Poriferos

  • 2. • Os animais desse filo também são conhecidos como “esponjas”, o que se diz muito sobre sua estrutura. De fato seus corpos são esponjosos e cheios de orifícios, de onde vem o nome.
  • 3. • A palavra poríferos vem do latim (porus = furo e ferre = portador) e significa literalmente “cheio de furos”. Muitos autores consideram os poríferos “o elo de ligação” entre os protozoários e os metazoários.
  • 4. • Provavelmente, eles tenham se originado de protozoários flagelados coloniais, que passaram a viver exclusivamente em intima associação, até constituírem um só indivíduo pluricelular.
  • 5. • Provavelmente, eles tenham se originado de protozoários flagelados coloniais, que passaram a viver exclusivamente em intima associação, até constituírem um só indivíduo pluricelular.
  • 6. •Os poríferos são desprovidos de qualquer tipo de sistemas digestivo, respiratório, circulatório, etc. se alimentam por filtração: a água penetra no corpo do animal, trazendo partículas dissolvidas, as células internas do átrio absorvem essas partículas e eliminam os resíduos metabólicos.
  • 7. São animais aquáticos sésseis primitivos, por não apresentarem órgãos, incluindo boca e intestino, a maioria marinhos habitando principalmente substratos duros.
  • 8. • Existem diferentes tipos de células mas a diferenciação celular não segue o padrão comum encontrado em outros animais.
  • 9. •As esponjas provavelmente constituem um ramo evolutivo lateral precoce que não deu origem a outros grupos de animais. Elas podem ter tido uma origem independente a partir de protozoários coanoflagelados
  • 10. A parede do corpo é constituída por 2 camadas celulares. A camada externa é formada por células achatadas (pinócitos).
  • 11. • Entre os pinócitos, há células maiores e alongadas que se estendem desde a parede externa até a parede interna. São os porócitos, células que possuem um canal em seu interior, que permite a entrada de água do exterior para a espongiocela, através da abertura chamada óstio.
  • 12. • A camada interna é formada por células flageladas providas de um colarinho, formação membranosa que envolve o flagelo.
  • 13. . Essas células, chamadas coanócitos, revestem a esponjiocela ou átrio ; o batimento de seus flagelos faz com que a água existente em seu interior da cavidade saia pelo ósculo.
  • 14. •Entre as camadas internas e externas há uma mesênquima gelatinosa, nas quais se encontram células e espículas.
  • 15. •As células são dotadas de movimentos amebóides e por isso são denominadas amebócitos. As espículas são elementos esqueléticos que sustentam a parede do corpo e mantêm a esponja ereta.
  • 16. •Alimentação: a digestão das esponjas é exclusivamente intracelular. Uma parte do alimento é transferida dos coanócitos para os amebócitos do mesênquima, que também contribuem com a atividade digestiva.
  • 17. •Depois de fragmentados, os alimentos são distribuídos por difusão por todas as outras células do corpo. Devido a esse padrão alimentar, as esponjas são consideradas organismos filtradores
  • 18. Uma esponja com 10 centímetros de altura filtra mais de 100 litros de água por dia. Estima-se que, para crescer e acrescentar 3 gramas ao seu peso, as esponjas tenham de filtrar mais de uma tonelada de água!
  • 19. RESPIRAÇÃO •as trocas gasosas (obtenção de O2 e eliminação de CO2) acontecem por difusão simples, assim como a eliminação de resíduos metabólicos.
  • 20. O papel de um sistema circulatório é parcialmente executado pela cavidade interna e também pelos amebócitos que, ao se deslocarem pelo mesênquima, auxiliam na distribuição de substâncias.
  • 21. A respiração é aeróbia. O Oxigênio penetra na esponja dissolvido na água. Cada célula efetua com o meio trocas gasosas. O gás carbônico produzido sai para o exterior também dissolvido na água
  • 22. • Entre as esponjas, ocorrem reprodução assexuada e reprodução sexual. A reprodução assexual se faz através do brotamento. Os brotos crescem ligados ao corpo, podendo se soltar em determinados momentos e formar um novo organismo. Algumas espécies de esponjas de água doce formam brotos internos, chamados gêmulas. REPRODUÇÃO
  • 23. • A reprodução sexuada depende da formação de gametas a partir de diferenciação de algumas células presentes no mesênquima. Há espécies hermafroditas e espécies com sexos separados.
  • 24. • A corrente de água leva os espermatozóides ao encontro dos óvulos, e a fecundação (fusão dos gametas masculino e feminino) ocorre no mesênquima.
  • 25. • O desenvolvimento embrionário é indireto, pois há passagem por um fase larvária, chamada anfiblástula
  • 26. • Regeneração é uma característica de todos os seres vivos, porém aqui ocorre facilmente, pois de uma esponja dividida em vários fragmentos, cada parte (contendo amebócitos) poderá reconstituir um novo indivíduo.
  • 27. • A sustentação é garantida por mesênquima gelatinoso, interno à camada de pinacócitos: no mesênquima estão mergulhadas espículas de calcário ou silício, células indiferenciadas ou amebócitos.
  • 28. • O endoesqueleto é formado por espículas minerais e por filamentos da proteína espongina.