SlideShare uma empresa Scribd logo
PORÍFEROS E CNIDÁRIOS
Características gerais
• São animais portadores de poros;
• São aquáticos, exclusivamente marinhos, existindo
algumas espécies de água doce;
• Habitam o fundo dos oceanos e mares ou águas costeiras;
• Vivem fixados em recifes de corais ou outras superfícies
duras;
• Formados por células unidas, porém não formam tecidos
verdadeiros e muito menos órgãos;
• Cada tipo celular executa determinada função;
• São animais filtradores;
• São indicadores de poluição, pois são raros em águas
poluídas.
• São animais aneuromiários, ou seja, não apresentam
sistema nervoso e muscular.
PORÍFEROS
1 - poros ou óstios
2 - células flageladas ou coanócitos
3 – ósculo
4 – Átrio ou espongiocele
Cada coanócito possui um longo
flagelo. O batimento dos flagelos
promove um contínuo fluxo de
água do ambiente para o átrio do
animal. A essa água estão
misturados restos orgânicos e
micro-organismos, que são
capturados e digeridos pelos
coanócitos. O material digerido é,
então, distribuído para as demais
células do animal. Como a
digestão ocorre no interior de
células, diz-se que os poríferos
apresentam digestão intracelular.
4
PORÍFEROS
ESPÍCULAS
ESPÍCULAS
Espículas: são as estruturas de sustentação da esponja. São formadas de
calcário ou sílica, com formas variadas, e uma rede de proteínas chamada
de espongina.
Tipos anatômicos
• Áscon: mais simples e possui dimensões reduzidas. O átrio ocupa um grande
volume, sendo completamente revestido pelos coanócitos. Formam colônias.
• Sícon: parede mais espessa e enrugada, formando canais abertos para fora e
para dentro: os inalantes e os exalantes.
Inalantes: ligam-se com o meio externo pelos poros.
Exalantes: localiza-se os coanócitos, comunica-se com o átrio.
Lêucon: possuem o átrio menor e parede celular mais desenvolvida. Possuem
um sistema de canais ramificados e câmaras vibráteis. Pela presença dessas
estruturas, possuem uma grande capacidade de filtração.
Câmaras
vibráteis
Poriferos cnidarios 2m
DIFERENTES CORES E TAMANHOS
Poriferos cnidarios 2m
Células típicas dos poríferos
• Coanócitos: apresenta um longo flagelo, que se movimenta e provoca o fluxo de
água do ambiente para o átrio do animal.
• Amebócitos: são células capazes de emitir pseudópodes para o englobamento
dos nutrientes maiores e posterior distribuição às outras células. Possuem
capacidade totipotente, ou seja, pode se diferenciar em outras células, como
gametas.
Reprodução das esponjas
• Reprodução assexuada: formação de pequenos agregados de amebócitos
denominados brotos ou gemas.
Regeneração: as esponjas são capazes de reorganizar partes perdidas por
lesão, pois suas células apresentam pouca diferenciação.
• Reprodução sexuada: podem ser dióicas (sexos separados) ou monóicas
(hermafroditas).
CNIDÁRIOS
Os cnidários ou celenterados são
animais exclusivamente aquáticos, em sua
grande maioria, marinhos.
Existem dois tipos morfológicos de
indivíduos: os pólipos e as medusas. Os
pólipos são sésseis, ou seja, vivem fixos a
um substrato e as medusas são
organismos livres e natantes.
Poriferos cnidarios 2m
Poriferos cnidarios 2m
Poriferos cnidarios 2m
Digestão
Os pólipos e as medusas apresentam boca, mas não possuem ânus. O
alimento é parcialmente digerido na cavidade gastrovascular e a digestão é
completada pelas células que revestem a cavidade. O que não é
aproveitado é eliminado pela boca. A excreção e a respiração ocorrem por
difusão.
Defesa
Os cnidários possuem um tipo especial de células, os cnidócitos
(cnidoblastos ou nematoblastos), células de ataque e defesa, em maior
quantidade nos tentáculos. Quando o cnidocílio é estimulado, um filamento
que fica dentro do nematocisto é disparado. Este filamento possui um líquido
urticante que pode provocar desde queimaduras até a morte.
Classificação
• Hidrozoa: hidras, caravelas, etc. Pequeno porte, vivem isoladamente ou formam
colônias.
• Scyphozoa: águas-vivas. Podem viver isoladas ou em grupos.
• Antozoa: anêmonas-do-mar e corais. Vivem fixos.
Os cnidários dividem-se em três classes:
BROTAMENTO
REPRODUÇÃO ASSEXUADA
REPRODUÇÃO SEXUADA
Essas água-viva gigantes volta e meia devastam
o Japão. Em média 2m de diâmetro e 200Kg.
São o terror dos chefs de cozinha, já que a
gastronomia japonesa se baseia em produtos
marinhos. Vai encarar?
Poriferos cnidarios 2m
Poriferos cnidarios 2m
Poriferos cnidarios 2m
CORAIS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Reino animal
Reino animalReino animal
Cnidários
CnidáriosCnidários
Cnidários
Jocimar Araujo
 
Os invertebrados
Os invertebrados Os invertebrados
Os invertebrados
unhadecorada
 
Filo nematoda
Filo nematodaFilo nematoda
Poríferos - Power Point
Poríferos - Power PointPoríferos - Power Point
Poríferos - Power Point
Bio
 
Moluscos - Biologia
Moluscos - BiologiaMoluscos - Biologia
Moluscos - Biologia
Bruna M
 
Aula de Biologia: Reino Animalia - Filos dos Invertebrados. 2º ano EM
Aula de Biologia: Reino Animalia - Filos dos Invertebrados. 2º ano EMAula de Biologia: Reino Animalia - Filos dos Invertebrados. 2º ano EM
Aula de Biologia: Reino Animalia - Filos dos Invertebrados. 2º ano EM
Ronaldo Santana
 
Filo Moluscos (Power Point)
Filo Moluscos (Power Point)Filo Moluscos (Power Point)
Filo Moluscos (Power Point)
Bio
 
Nematelmintos
NematelmintosNematelmintos
Nematelmintos
profatatiana
 
Aula completa reino protista
Aula completa reino protistaAula completa reino protista
Aula completa reino protista
Nelson Costa
 
Poríferos e Cnidários
Poríferos e CnidáriosPoríferos e Cnidários
Poríferos e Cnidários
Rhayana
 
Histologia vegetal
Histologia vegetalHistologia vegetal
Histologia vegetal
Eldon Clayton
 
Poríferos e cnidários
Poríferos e cnidários Poríferos e cnidários
Poríferos e cnidários
Seleste Mendes Pereira
 
Animais Invertebrados
Animais InvertebradosAnimais Invertebrados
Animais Invertebrados
Andrea Barreto
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
Valentina Queiroz
 
Sangue
SangueSangue
Sangue
Tânia Reis
 
Pteridófitas
PteridófitasPteridófitas
Pteridófitas
Bruna Medeiros
 
(5) 2008-2009 - 9º ano - noções básicas de hereditariedade
(5)   2008-2009 - 9º ano - noções básicas de hereditariedade(5)   2008-2009 - 9º ano - noções básicas de hereditariedade
(5) 2008-2009 - 9º ano - noções básicas de hereditariedade
Hugo Martins
 
Zoologia geral aulas 1
Zoologia geral aulas 1Zoologia geral aulas 1
Zoologia geral aulas 1
Henrique Zini
 
OS EQUINODERMOS
OS EQUINODERMOSOS EQUINODERMOS
OS EQUINODERMOS
Nayana Maia
 

Mais procurados (20)

Reino animal
Reino animalReino animal
Reino animal
 
Cnidários
CnidáriosCnidários
Cnidários
 
Os invertebrados
Os invertebrados Os invertebrados
Os invertebrados
 
Filo nematoda
Filo nematodaFilo nematoda
Filo nematoda
 
Poríferos - Power Point
Poríferos - Power PointPoríferos - Power Point
Poríferos - Power Point
 
Moluscos - Biologia
Moluscos - BiologiaMoluscos - Biologia
Moluscos - Biologia
 
Aula de Biologia: Reino Animalia - Filos dos Invertebrados. 2º ano EM
Aula de Biologia: Reino Animalia - Filos dos Invertebrados. 2º ano EMAula de Biologia: Reino Animalia - Filos dos Invertebrados. 2º ano EM
Aula de Biologia: Reino Animalia - Filos dos Invertebrados. 2º ano EM
 
Filo Moluscos (Power Point)
Filo Moluscos (Power Point)Filo Moluscos (Power Point)
Filo Moluscos (Power Point)
 
Nematelmintos
NematelmintosNematelmintos
Nematelmintos
 
Aula completa reino protista
Aula completa reino protistaAula completa reino protista
Aula completa reino protista
 
Poríferos e Cnidários
Poríferos e CnidáriosPoríferos e Cnidários
Poríferos e Cnidários
 
Histologia vegetal
Histologia vegetalHistologia vegetal
Histologia vegetal
 
Poríferos e cnidários
Poríferos e cnidários Poríferos e cnidários
Poríferos e cnidários
 
Animais Invertebrados
Animais InvertebradosAnimais Invertebrados
Animais Invertebrados
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
 
Sangue
SangueSangue
Sangue
 
Pteridófitas
PteridófitasPteridófitas
Pteridófitas
 
(5) 2008-2009 - 9º ano - noções básicas de hereditariedade
(5)   2008-2009 - 9º ano - noções básicas de hereditariedade(5)   2008-2009 - 9º ano - noções básicas de hereditariedade
(5) 2008-2009 - 9º ano - noções básicas de hereditariedade
 
Zoologia geral aulas 1
Zoologia geral aulas 1Zoologia geral aulas 1
Zoologia geral aulas 1
 
OS EQUINODERMOS
OS EQUINODERMOSOS EQUINODERMOS
OS EQUINODERMOS
 

Destaque

Os Poríferos
Os PoríferosOs Poríferos
Os Poríferos
guestb87785
 
Poríferos
PoríferosPoríferos
Poríferos
Andrea Barreto
 
Poríferos
PoríferosPoríferos
Poríferos
Regina Oliveira
 
Poriferos
PoriferosPoriferos
Poriferos
Matheus Bringel
 
Cnidários ou Celenterados
Cnidários ou CelenteradosCnidários ou Celenterados
Cnidários ou Celenterados
Sandro Baldez
 
Filo porifera
Filo porifera Filo porifera
Filo porifera
guest17042e9
 
III.1 Poríferos e Celenterados
III.1 Poríferos e CelenteradosIII.1 Poríferos e Celenterados
III.1 Poríferos e Celenterados
Rebeca Vale
 

Destaque (7)

Os Poríferos
Os PoríferosOs Poríferos
Os Poríferos
 
Poríferos
PoríferosPoríferos
Poríferos
 
Poríferos
PoríferosPoríferos
Poríferos
 
Poriferos
PoriferosPoriferos
Poriferos
 
Cnidários ou Celenterados
Cnidários ou CelenteradosCnidários ou Celenterados
Cnidários ou Celenterados
 
Filo porifera
Filo porifera Filo porifera
Filo porifera
 
III.1 Poríferos e Celenterados
III.1 Poríferos e CelenteradosIII.1 Poríferos e Celenterados
III.1 Poríferos e Celenterados
 

Semelhante a Poriferos cnidarios 2m

Poliferos e Cnidários.pptx
Poliferos e Cnidários.pptxPoliferos e Cnidários.pptx
Poliferos e Cnidários.pptx
RonaldoAlves313237
 
Poliferos e Cnidários
Poliferos e CnidáriosPoliferos e Cnidários
Poliferos e Cnidários
Sirleide Silva
 
Seminário biologia reino animal( poríferos, cnidarios e platelmintos)
Seminário biologia reino animal( poríferos, cnidarios e platelmintos)Seminário biologia reino animal( poríferos, cnidarios e platelmintos)
Seminário biologia reino animal( poríferos, cnidarios e platelmintos)
Ronaldo Junior
 
Invertebrados prof. simone
Invertebrados   prof. simoneInvertebrados   prof. simone
Invertebrados prof. simone
Simone Diehl Maciel
 
Invertebrados marinhos 1o b
Invertebrados marinhos 1o bInvertebrados marinhos 1o b
Invertebrados marinhos 1o b
SESI 422 - Americana
 
Animais primitivos
Animais primitivosAnimais primitivos
Animais primitivos
Fabio Santos Nery
 
Celenterados
CelenteradosCelenterados
Celenterados
Danie Gongui
 
7º ano cap 14 cnidários 2012
7º ano  cap 14 cnidários 20127º ano  cap 14 cnidários 2012
7º ano cap 14 cnidários 2012
ISJ
 
AULA-13.ppt
AULA-13.pptAULA-13.ppt
AULA-13.ppt
WesleyAlvesNunes
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
cholomatheus
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
cholomatheus
 
Poriferos
PoriferosPoriferos
Poriferos
Bruno Luiz
 
Protozoa
ProtozoaProtozoa
Reino animália
Reino animáliaReino animália
FILOS PORIFERAS E CNIDÁRIO - ESTRUTURA CORPORAL
FILOS PORIFERAS E CNIDÁRIO - ESTRUTURA CORPORALFILOS PORIFERAS E CNIDÁRIO - ESTRUTURA CORPORAL
FILOS PORIFERAS E CNIDÁRIO - ESTRUTURA CORPORAL
LaianaLessaTeixeiraP
 
Moluscos
MoluscosMoluscos
Moluscos
letyap
 
Moluscos
MoluscosMoluscos
Moluscos
letyap
 
Poriferos E Cndarios
Poriferos E CndariosPoriferos E Cndarios
Poriferos E Cndarios
Luis Otavio Tassinari
 
Poríferos e cnidários
Poríferos e cnidáriosPoríferos e cnidários
Poríferos e cnidários
Daniela Motta
 
fdocumentos.tips_aula-de-zoologia-invertebrados-power-point.ppt
fdocumentos.tips_aula-de-zoologia-invertebrados-power-point.pptfdocumentos.tips_aula-de-zoologia-invertebrados-power-point.ppt
fdocumentos.tips_aula-de-zoologia-invertebrados-power-point.ppt
DanielMedina333918
 

Semelhante a Poriferos cnidarios 2m (20)

Poliferos e Cnidários.pptx
Poliferos e Cnidários.pptxPoliferos e Cnidários.pptx
Poliferos e Cnidários.pptx
 
Poliferos e Cnidários
Poliferos e CnidáriosPoliferos e Cnidários
Poliferos e Cnidários
 
Seminário biologia reino animal( poríferos, cnidarios e platelmintos)
Seminário biologia reino animal( poríferos, cnidarios e platelmintos)Seminário biologia reino animal( poríferos, cnidarios e platelmintos)
Seminário biologia reino animal( poríferos, cnidarios e platelmintos)
 
Invertebrados prof. simone
Invertebrados   prof. simoneInvertebrados   prof. simone
Invertebrados prof. simone
 
Invertebrados marinhos 1o b
Invertebrados marinhos 1o bInvertebrados marinhos 1o b
Invertebrados marinhos 1o b
 
Animais primitivos
Animais primitivosAnimais primitivos
Animais primitivos
 
Celenterados
CelenteradosCelenterados
Celenterados
 
7º ano cap 14 cnidários 2012
7º ano  cap 14 cnidários 20127º ano  cap 14 cnidários 2012
7º ano cap 14 cnidários 2012
 
AULA-13.ppt
AULA-13.pptAULA-13.ppt
AULA-13.ppt
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
 
Poriferos
PoriferosPoriferos
Poriferos
 
Protozoa
ProtozoaProtozoa
Protozoa
 
Reino animália
Reino animáliaReino animália
Reino animália
 
FILOS PORIFERAS E CNIDÁRIO - ESTRUTURA CORPORAL
FILOS PORIFERAS E CNIDÁRIO - ESTRUTURA CORPORALFILOS PORIFERAS E CNIDÁRIO - ESTRUTURA CORPORAL
FILOS PORIFERAS E CNIDÁRIO - ESTRUTURA CORPORAL
 
Moluscos
MoluscosMoluscos
Moluscos
 
Moluscos
MoluscosMoluscos
Moluscos
 
Poriferos E Cndarios
Poriferos E CndariosPoriferos E Cndarios
Poriferos E Cndarios
 
Poríferos e cnidários
Poríferos e cnidáriosPoríferos e cnidários
Poríferos e cnidários
 
fdocumentos.tips_aula-de-zoologia-invertebrados-power-point.ppt
fdocumentos.tips_aula-de-zoologia-invertebrados-power-point.pptfdocumentos.tips_aula-de-zoologia-invertebrados-power-point.ppt
fdocumentos.tips_aula-de-zoologia-invertebrados-power-point.ppt
 

Mais de Laguat

Nematelmintos, Anelideos, Artropes, Equinodermo
Nematelmintos, Anelideos, Artropes, EquinodermoNematelmintos, Anelideos, Artropes, Equinodermo
Nematelmintos, Anelideos, Artropes, Equinodermo
Laguat
 
Respiracao celular
Respiracao celularRespiracao celular
Respiracao celular
Laguat
 
Nucleo E Divisao Celular
Nucleo E Divisao Celular Nucleo E Divisao Celular
Nucleo E Divisao Celular
Laguat
 
A civilização Feudal
A civilização FeudalA civilização Feudal
A civilização Feudal
Laguat
 
Renascimento e grandes navegações
Renascimento e grandes navegações Renascimento e grandes navegações
Renascimento e grandes navegações
Laguat
 
As cruzadas
As cruzadasAs cruzadas
As cruzadas
Laguat
 
A Espanha
A EspanhaA Espanha
A Espanha
Laguat
 
Cisma do Ocidente
Cisma do OcidenteCisma do Ocidente
Cisma do Ocidente
Laguat
 
A guerra dos Cem Anos (1337-1453)
A guerra dos Cem Anos (1337-1453)A guerra dos Cem Anos (1337-1453)
A guerra dos Cem Anos (1337-1453)
Laguat
 
Geografia ²
Geografia ²Geografia ²
Geografia ²
Laguat
 
A Civilização Feudal
A Civilização Feudal A Civilização Feudal
A Civilização Feudal
Laguat
 
Trabalho de Filosofia
Trabalho de Filosofia Trabalho de Filosofia
Trabalho de Filosofia
Laguat
 
Sobre o PIB
Sobre o PIB Sobre o PIB
Sobre o PIB
Laguat
 
3º ano apresentação nafta,mercosul e apec (1)
3º ano  apresentação nafta,mercosul e apec (1)3º ano  apresentação nafta,mercosul e apec (1)
3º ano apresentação nafta,mercosul e apec (1)
Laguat
 
Novos Delineamentos de Forças Políticas
Novos Delineamentos de Forças PolíticasNovos Delineamentos de Forças Políticas
Novos Delineamentos de Forças Políticas
Laguat
 
A Civilização Feudal
A Civilização Feudal A Civilização Feudal
A Civilização Feudal
Laguat
 
Trabalho De Sociologia
Trabalho De Sociologia Trabalho De Sociologia
Trabalho De Sociologia
Laguat
 
Apresentação Sociologia
Apresentação Sociologia Apresentação Sociologia
Apresentação Sociologia
Laguat
 
Português Va 2 Respostas
Português Va 2 Respostas Português Va 2 Respostas
Português Va 2 Respostas
Laguat
 
Anexos Embrionarios
Anexos Embrionarios Anexos Embrionarios
Anexos Embrionarios
Laguat
 

Mais de Laguat (20)

Nematelmintos, Anelideos, Artropes, Equinodermo
Nematelmintos, Anelideos, Artropes, EquinodermoNematelmintos, Anelideos, Artropes, Equinodermo
Nematelmintos, Anelideos, Artropes, Equinodermo
 
Respiracao celular
Respiracao celularRespiracao celular
Respiracao celular
 
Nucleo E Divisao Celular
Nucleo E Divisao Celular Nucleo E Divisao Celular
Nucleo E Divisao Celular
 
A civilização Feudal
A civilização FeudalA civilização Feudal
A civilização Feudal
 
Renascimento e grandes navegações
Renascimento e grandes navegações Renascimento e grandes navegações
Renascimento e grandes navegações
 
As cruzadas
As cruzadasAs cruzadas
As cruzadas
 
A Espanha
A EspanhaA Espanha
A Espanha
 
Cisma do Ocidente
Cisma do OcidenteCisma do Ocidente
Cisma do Ocidente
 
A guerra dos Cem Anos (1337-1453)
A guerra dos Cem Anos (1337-1453)A guerra dos Cem Anos (1337-1453)
A guerra dos Cem Anos (1337-1453)
 
Geografia ²
Geografia ²Geografia ²
Geografia ²
 
A Civilização Feudal
A Civilização Feudal A Civilização Feudal
A Civilização Feudal
 
Trabalho de Filosofia
Trabalho de Filosofia Trabalho de Filosofia
Trabalho de Filosofia
 
Sobre o PIB
Sobre o PIB Sobre o PIB
Sobre o PIB
 
3º ano apresentação nafta,mercosul e apec (1)
3º ano  apresentação nafta,mercosul e apec (1)3º ano  apresentação nafta,mercosul e apec (1)
3º ano apresentação nafta,mercosul e apec (1)
 
Novos Delineamentos de Forças Políticas
Novos Delineamentos de Forças PolíticasNovos Delineamentos de Forças Políticas
Novos Delineamentos de Forças Políticas
 
A Civilização Feudal
A Civilização Feudal A Civilização Feudal
A Civilização Feudal
 
Trabalho De Sociologia
Trabalho De Sociologia Trabalho De Sociologia
Trabalho De Sociologia
 
Apresentação Sociologia
Apresentação Sociologia Apresentação Sociologia
Apresentação Sociologia
 
Português Va 2 Respostas
Português Va 2 Respostas Português Va 2 Respostas
Português Va 2 Respostas
 
Anexos Embrionarios
Anexos Embrionarios Anexos Embrionarios
Anexos Embrionarios
 

Último

Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
EduardoLealSilva
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Yan Kayk da Cruz Ferreira
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 

Poriferos cnidarios 2m

  • 2. Características gerais • São animais portadores de poros; • São aquáticos, exclusivamente marinhos, existindo algumas espécies de água doce; • Habitam o fundo dos oceanos e mares ou águas costeiras; • Vivem fixados em recifes de corais ou outras superfícies duras; • Formados por células unidas, porém não formam tecidos verdadeiros e muito menos órgãos; • Cada tipo celular executa determinada função; • São animais filtradores; • São indicadores de poluição, pois são raros em águas poluídas. • São animais aneuromiários, ou seja, não apresentam sistema nervoso e muscular.
  • 3. PORÍFEROS 1 - poros ou óstios 2 - células flageladas ou coanócitos 3 – ósculo 4 – Átrio ou espongiocele Cada coanócito possui um longo flagelo. O batimento dos flagelos promove um contínuo fluxo de água do ambiente para o átrio do animal. A essa água estão misturados restos orgânicos e micro-organismos, que são capturados e digeridos pelos coanócitos. O material digerido é, então, distribuído para as demais células do animal. Como a digestão ocorre no interior de células, diz-se que os poríferos apresentam digestão intracelular. 4
  • 4. PORÍFEROS ESPÍCULAS ESPÍCULAS Espículas: são as estruturas de sustentação da esponja. São formadas de calcário ou sílica, com formas variadas, e uma rede de proteínas chamada de espongina.
  • 5. Tipos anatômicos • Áscon: mais simples e possui dimensões reduzidas. O átrio ocupa um grande volume, sendo completamente revestido pelos coanócitos. Formam colônias.
  • 6. • Sícon: parede mais espessa e enrugada, formando canais abertos para fora e para dentro: os inalantes e os exalantes. Inalantes: ligam-se com o meio externo pelos poros. Exalantes: localiza-se os coanócitos, comunica-se com o átrio.
  • 7. Lêucon: possuem o átrio menor e parede celular mais desenvolvida. Possuem um sistema de canais ramificados e câmaras vibráteis. Pela presença dessas estruturas, possuem uma grande capacidade de filtração. Câmaras vibráteis
  • 11. Células típicas dos poríferos • Coanócitos: apresenta um longo flagelo, que se movimenta e provoca o fluxo de água do ambiente para o átrio do animal. • Amebócitos: são células capazes de emitir pseudópodes para o englobamento dos nutrientes maiores e posterior distribuição às outras células. Possuem capacidade totipotente, ou seja, pode se diferenciar em outras células, como gametas.
  • 12. Reprodução das esponjas • Reprodução assexuada: formação de pequenos agregados de amebócitos denominados brotos ou gemas.
  • 13. Regeneração: as esponjas são capazes de reorganizar partes perdidas por lesão, pois suas células apresentam pouca diferenciação.
  • 14. • Reprodução sexuada: podem ser dióicas (sexos separados) ou monóicas (hermafroditas).
  • 16. Os cnidários ou celenterados são animais exclusivamente aquáticos, em sua grande maioria, marinhos. Existem dois tipos morfológicos de indivíduos: os pólipos e as medusas. Os pólipos são sésseis, ou seja, vivem fixos a um substrato e as medusas são organismos livres e natantes.
  • 20. Digestão Os pólipos e as medusas apresentam boca, mas não possuem ânus. O alimento é parcialmente digerido na cavidade gastrovascular e a digestão é completada pelas células que revestem a cavidade. O que não é aproveitado é eliminado pela boca. A excreção e a respiração ocorrem por difusão.
  • 21. Defesa Os cnidários possuem um tipo especial de células, os cnidócitos (cnidoblastos ou nematoblastos), células de ataque e defesa, em maior quantidade nos tentáculos. Quando o cnidocílio é estimulado, um filamento que fica dentro do nematocisto é disparado. Este filamento possui um líquido urticante que pode provocar desde queimaduras até a morte.
  • 22. Classificação • Hidrozoa: hidras, caravelas, etc. Pequeno porte, vivem isoladamente ou formam colônias. • Scyphozoa: águas-vivas. Podem viver isoladas ou em grupos. • Antozoa: anêmonas-do-mar e corais. Vivem fixos. Os cnidários dividem-se em três classes:
  • 25. Essas água-viva gigantes volta e meia devastam o Japão. Em média 2m de diâmetro e 200Kg. São o terror dos chefs de cozinha, já que a gastronomia japonesa se baseia em produtos marinhos. Vai encarar?