SlideShare uma empresa Scribd logo
Em 1665, o cientista
inglês Robert Hooke
publicou um trabalho
intitulado “Micrografia”.
Contendo 37
ilustrações feitas em
cobre, o trabalho
relatava, entre outros,
A célula
estudos
microscópios
sobre
observações de
cortes feitos a
partir da casca
de uma árvore
vulgarmente
conhecida como
sobreiro, cujo
nome científico é
Quercus suber.
Essa casca nada
mais é do que o
material que
denominamos
cortiça.
Utilizando um
microscópio muito
rudimentar, Hooke
obteve imagens de
uma estrutura
semelhante a favos
de mel, composta
de inúmeros
compartimentos
vazios unidos.
Em função do que
observou e seguindo
as normas científicas
da época, que
exigiam o uso do
latim nos relatórios, o
cientista empregou o
termo cellula,
diminutivo de cella
que significa “espaço
vazio”, para
denominar estas
estruturas.
Observações
semelhantes às de Hooke
foram feitas,
posteriormente, por Grew
e Malpighi, a partir de
amostras de outros
vegetais. Em 1674,
Leeuwenhöek,
observando uma outra
classe de células, notou
que elas não eram
exatamente vazias.
Havia, nelas, certo
padrão de organização,
muitas vezes evidenciado
por uma estrutura
esférica em seu interior.
No entanto, a
confirmação da
existência de um
núcleo deu-se
somente um
século mais tarde,
graças a estudos
realizados por
Fontana com
células vegetais.
Em 1831, Robert Brown
confirmava a presença
dessa estrutura também
em células animais.
Esses estudos,
associados aos
trabalhos publicados em
1838 por Mathias
Schleiden e em 1839
por Theodor Schwann,
contribuíram para que
se estabelecesse o que
ficou conhecido como
Teoria Celular.
Segundo ela, todos o seres vivos, animais ou vegetais, são
constituídos por unidades vivas chamadas células. A partir de
então, a célula, como unidade viva, deixou de ser vista como um
espaço vazio, passando a ser considerada uma massa de
protoplasma, limitada por membrana e dotada de núcleo.
O espaço
existente entre a
membrana e o
núcleo seria
preenchido pelo
citoplasma.
Apesar de todas
essas
evidências, o
termo “célula” foi
mantido e
continua em uso
até os dias de
hoje.
As propriedades de
um organismo
dependem das
atividades e
características de
suas células. Por
exemplo, quando um
atleta está correndo,
toda a atividade ocorre
no interior das células
dos órgãos e sistemas
envolvidos.
As células são
as unidades
morfológicas e
fisiológicas,
isto é,
estruturais e
funcionais, de
todos os
organismos
vivos. Cada
uma delas é
capaz de
sintetizar seus
componentes,
crescer e
multiplicar-se.
As células originam-se
de outras células e a
continuidade é
assegurada e mediada
pelo material genético.
As células, geralmente,
não podem ser vistas a
olho nu, porque suas
dimensões são muito
pequenas. Os
conhecimentos de
Biologia Celular e de
Histologia (dos tecidos)
baseiam-se,
principalmente,
no estudo das estruturas e processos celulares sob as
microscopias óticas (MO)
e eletrônica (ME), permitindo o reconhecimento da célula como um componente
dinâmico e participante do metabolismo corporal.
. Basicamente,
estes estudos
utilizam, como
ferramentas,
lâminas com
colorações
histológicas e
histoquímicas,
para o estudo ao
M.O e telas de
cobre
contrastadas por
metais pesados,
para o estudo à M.E.
Usa-se, normalmente,
um aparelho chamado
microscópio ótico para
se ampliar a imagem
da célula ou do tecido
e visualizá-los, pois
aumenta a imagem
em aproximadamente
até 2000 vezes.
Existem vários tipos
de células:
Quanto a estrutura
temos as células
procariontes, aquelas
que não possuem
núcleo
e as eucariontes, aquelas
com núcleo organizado.
Quanto a forma temos as células cúbicas, cilíndricas, redondas,
esférica, ciliadas, achatadas e estreladas.
Quanto a longevidade
temos as células lábeis, aquelas que
possui ciclo de vida curto, como por
exemplo as células germinativas e as
hemácias;
células estáveis são as que possuem o
ciclo um pouco mais longo podendo durar
meses:, exemplos as células adiposas, das
cartilagens, dos epitélios, dos ossos, etc.;
Células perenes, são as que possuem
ciclo de vida longo, podendo durar toda
a vida do indivíduo, exemplo os
neurônios..
A vida depende de substâncias e atividades químicas
A matéria, seja ela viva ou inanimada, é sempre
constituída por moléculas. Uma pedra, a água de um rio, o
vinho, um prego, uma bala, uma caixa de sapato, um sapato de
couro, um lagarto ou um mandacaru têm moléculas na sua
constituição. Muitas moléculas encontradas nos seres vivos
também existem na matéria não-viva e são muito simples.
Há, por exemplo, uma grande quantidade de água em qualquer
organismo, substância abundante na natureza. Há, ainda, sais
minerais, todos eles encontrados na água ou nas rochas. No
entanto, os seres vivos apresentam, também, moléculas maiores,
mais complexas, “exclusivas”, que não costumam aparecer na
natureza inanimada
São os compostos
orgânicos, produzidos,
armazenados ou
consumidos dentro dos
sistemas vivos. As
moléculas orgânicas
mais importantes são os
carboidratos, também
chamados açúcares, os
lipídios, isto é, óleos e
gorduras, as proteínas e
os ácidos nucléicos
DNA ou RNA.
Substâncias desse tipo
são quase sempre
provenientes de
organismos vivos.
As moléculas são, na verdade, um dos níveis de organização dos seres vivos.
Nos seres vivos, a organização não se limita ao nível molecular: um organismo
é composto de vários sistemas, conjuntos de órgãos que, por sua vez, são
formados por tecidos. Os tecidos são reuniões de células com funções
semelhantes; as células contêm orgânulos, cada um deles realizando um
determinado papel. Cada orgânulo é composto de moléculas, e estas são
constituídas por átomos.
As moléculas que fazem
parte dos organismos
vivos não estão “paradas”,
estáticas: elas estão
constantemente reagindo
umas com as outras,
transportando-se o tempo
todo, sendo que, nesses
processos, algumas são
constituídas, e outras,
destruídas..
Essa atividade química, típica dos organismos vivos, é
chamada de metabolismo. Assim, cada um dos tipos de
moléculas que compõem os seres vivos tem o seu papel
biológico, ou seja, age dentro dos organismos de uma maneira
especial e insubstituível
De forma muito
simplificada,
podemos identificar
três problemas
básicos dos
organismos, que
são:
• Obter energia;
• Construir mais
matéria viva;
• Controlar todos os
processos
metabólicos.
Há, três modalidades de metabolismo.
• Metabolismo energético: são todas as reações celulares
relacionadas à obtenção e à utilização de energia. Quando uma
célula “queima” açucares em suas mitocôndrias, para obter
energia para suas necessidades, na respiração celular, trata-se
de uma faceta do metabolismo energético. Quando uma célula
vegetal absorve luz do sol e produz alimento nos seus
cloroplastos, no processo de fotossíntese, é, também, um
processo de metabolismo energético.
• Metabolismo plástico,
ou estrutural: também
chamado de
metabolismo de
construção. Está,
normalmente,
relacionado à produção
celular de proteínas, em
orgânulos chamados
ribossomos. A produção
de mais matéria viva está
ligada, como já vimos,
não apenas à reposição
de material desgastado,
mas, também, ao
crescimento dos
organismos.
• Metabolismo de
controle: aqui, as
reações químicas da
célula estão todas
relacionadas a uma
“fiscalização”, um
controle biológico de
tudo que a célula faz.
São normalmente os
componentes do
núcleo,
principalmente os
ácidos nucléicos
(DNA e RNA), que
realizam essa tarefa.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Composição química dos seres - Parte I
Composição química dos seres - Parte IComposição química dos seres - Parte I
Composição química dos seres - Parte I
Guilherme Orlandi Goulart
 
A base molecular dos seres vivos
A base molecular dos seres vivosA base molecular dos seres vivos
A base molecular dos seres vivos
César Milani
 
Aula 04 Bases Moleculares da Vida
Aula 04   Bases Moleculares da VidaAula 04   Bases Moleculares da Vida
Aula 04 Bases Moleculares da Vida
Hamilton Nobrega
 
Química celular completo
Química celular completoQuímica celular completo
Química celular completo
Dalu Barreto
 
Composição química dos seres II
Composição química dos seres IIComposição química dos seres II
Composição química dos seres II
Guilherme Orlandi Goulart
 
Bioquímica
BioquímicaBioquímica
Bioquímica
BIOGERALDO
 
A composição química dos seres vivos[1]
A composição química dos seres vivos[1]A composição química dos seres vivos[1]
A composição química dos seres vivos[1]
Roberto Bagatini
 
Composição Química do Ser Vivo
Composição Química do Ser VivoComposição Química do Ser Vivo
Composição Química do Ser Vivo
Killer Max
 
Composição Química - RESUMO
Composição Química - RESUMOComposição Química - RESUMO
Composição Química - RESUMO
BIOGERALDO
 
compostos orgânicos e inorgânicos
compostos orgânicos e inorgânicoscompostos orgânicos e inorgânicos
compostos orgânicos e inorgânicos
Ronaldo Assis
 
A química da vida água e sais minerais
A química da vida  água e sais mineraisA química da vida  água e sais minerais
A química da vida água e sais minerais
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Composição química da célula - Biologia
Composição química da célula - BiologiaComposição química da célula - Biologia
Composição química da célula - Biologia
Anauhe Gabriel
 
Bioquimica celular
Bioquimica celularBioquimica celular
Bioquimica celular
Cristiane Arruda
 
Composição química dos seres vivos
Composição química dos seres vivosComposição química dos seres vivos
Composição química dos seres vivos
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Aula Biologia: composição química dos seres vivos [1° Ano do Ensino Médio]
Aula Biologia: composição química dos seres vivos [1° Ano do Ensino Médio]Aula Biologia: composição química dos seres vivos [1° Ano do Ensino Médio]
Aula Biologia: composição química dos seres vivos [1° Ano do Ensino Médio]
Ronaldo Santana
 
Componentes químicos das células
Componentes químicos das célulasComponentes químicos das células
Componentes químicos das células
Geraldo Sadoyama
 
Compostos organicos e inorganicos - Biologia
Compostos organicos e inorganicos - BiologiaCompostos organicos e inorganicos - Biologia
Compostos organicos e inorganicos - Biologia
Matheus César
 
Bioquimica Carboidratos, LipíDeos E ProteíNa
Bioquimica Carboidratos, LipíDeos E ProteíNaBioquimica Carboidratos, LipíDeos E ProteíNa
Bioquimica Carboidratos, LipíDeos E ProteíNa
educacao f
 
Apresentação de exercícios de biologia
Apresentação de exercícios de biologiaApresentação de exercícios de biologia
Apresentação de exercícios de biologia
CIN
 
Metabolismo - Substâncias orgânicas
Metabolismo - Substâncias orgânicasMetabolismo - Substâncias orgânicas
Metabolismo - Substâncias orgânicas
Roberta Almeida
 

Mais procurados (20)

Composição química dos seres - Parte I
Composição química dos seres - Parte IComposição química dos seres - Parte I
Composição química dos seres - Parte I
 
A base molecular dos seres vivos
A base molecular dos seres vivosA base molecular dos seres vivos
A base molecular dos seres vivos
 
Aula 04 Bases Moleculares da Vida
Aula 04   Bases Moleculares da VidaAula 04   Bases Moleculares da Vida
Aula 04 Bases Moleculares da Vida
 
Química celular completo
Química celular completoQuímica celular completo
Química celular completo
 
Composição química dos seres II
Composição química dos seres IIComposição química dos seres II
Composição química dos seres II
 
Bioquímica
BioquímicaBioquímica
Bioquímica
 
A composição química dos seres vivos[1]
A composição química dos seres vivos[1]A composição química dos seres vivos[1]
A composição química dos seres vivos[1]
 
Composição Química do Ser Vivo
Composição Química do Ser VivoComposição Química do Ser Vivo
Composição Química do Ser Vivo
 
Composição Química - RESUMO
Composição Química - RESUMOComposição Química - RESUMO
Composição Química - RESUMO
 
compostos orgânicos e inorgânicos
compostos orgânicos e inorgânicoscompostos orgânicos e inorgânicos
compostos orgânicos e inorgânicos
 
A química da vida água e sais minerais
A química da vida  água e sais mineraisA química da vida  água e sais minerais
A química da vida água e sais minerais
 
Composição química da célula - Biologia
Composição química da célula - BiologiaComposição química da célula - Biologia
Composição química da célula - Biologia
 
Bioquimica celular
Bioquimica celularBioquimica celular
Bioquimica celular
 
Composição química dos seres vivos
Composição química dos seres vivosComposição química dos seres vivos
Composição química dos seres vivos
 
Aula Biologia: composição química dos seres vivos [1° Ano do Ensino Médio]
Aula Biologia: composição química dos seres vivos [1° Ano do Ensino Médio]Aula Biologia: composição química dos seres vivos [1° Ano do Ensino Médio]
Aula Biologia: composição química dos seres vivos [1° Ano do Ensino Médio]
 
Componentes químicos das células
Componentes químicos das célulasComponentes químicos das células
Componentes químicos das células
 
Compostos organicos e inorganicos - Biologia
Compostos organicos e inorganicos - BiologiaCompostos organicos e inorganicos - Biologia
Compostos organicos e inorganicos - Biologia
 
Bioquimica Carboidratos, LipíDeos E ProteíNa
Bioquimica Carboidratos, LipíDeos E ProteíNaBioquimica Carboidratos, LipíDeos E ProteíNa
Bioquimica Carboidratos, LipíDeos E ProteíNa
 
Apresentação de exercícios de biologia
Apresentação de exercícios de biologiaApresentação de exercícios de biologia
Apresentação de exercícios de biologia
 
Metabolismo - Substâncias orgânicas
Metabolismo - Substâncias orgânicasMetabolismo - Substâncias orgânicas
Metabolismo - Substâncias orgânicas
 

Destaque

Tecido epitelial
Tecido epitelialTecido epitelial
Tecido epitelial
Altair Hoepers
 
Teoria microscopiocelula
Teoria microscopiocelulaTeoria microscopiocelula
Teoria microscopiocelula
Alziro Xavier Neto
 
329
329329
Célula
CélulaCélula
CéLula
CéLulaCéLula
CéLula
Sérgio Luiz
 
betelgeuse
betelgeusebetelgeuse
betelgeuse
andrepaiva7a
 
Célula
Célula Célula
Célula
mael007
 
Procariotos e eucariotos
Procariotos e eucariotosProcariotos e eucariotos
Procariotos e eucariotos
profatatiana
 
Citologia 2 Revisada
Citologia 2 RevisadaCitologia 2 Revisada
Citologia 2 Revisada
ressurreicaorecreio
 
1° ano - Relatório científico
1° ano - Relatório científico1° ano - Relatório científico
1° ano - Relatório científico
ProfFernandaBraga
 
Como Elaborar Um Relatorio
Como Elaborar Um RelatorioComo Elaborar Um Relatorio
Como Elaborar Um Relatorio
Armin Caldas
 
Como Elaborar um Relatório Científico
Como Elaborar um Relatório CientíficoComo Elaborar um Relatório Científico
Como Elaborar um Relatório Científico
713773
 
Apresentação sobre células citologia
Apresentação sobre células    citologiaApresentação sobre células    citologia
Apresentação sobre células citologia
Teus_matt
 
Apresentação de células
Apresentação de célulasApresentação de células
Apresentação de células
cejlrodrigues
 
Normas para elaboração de um relatório científico
Normas para elaboração de um relatório científicoNormas para elaboração de um relatório científico
Normas para elaboração de um relatório científico
Carlos Moutinho
 
Relatorios de célula
Relatorios de célulaRelatorios de célula
Relatorios de célula
jonasecj
 
Prova SME Rio de Janeiro - 8º ano - 1º bim - 2010
Prova SME Rio de Janeiro - 8º ano - 1º bim - 2010Prova SME Rio de Janeiro - 8º ano - 1º bim - 2010
Prova SME Rio de Janeiro - 8º ano - 1º bim - 2010
Leonardo Kaplan
 
Exercícios de fixação envoltórios
Exercícios de fixação   envoltóriosExercícios de fixação   envoltórios
Exercícios de fixação envoltórios
Nichollas Gomes
 
A Célula - CIENTIC
A Célula - CIENTICA Célula - CIENTIC
A Célula - CIENTIC
Catir
 
Como Fazer Trabalho Cientifico
Como Fazer Trabalho CientificoComo Fazer Trabalho Cientifico
Como Fazer Trabalho Cientifico
Lucila Pesce
 

Destaque (20)

Tecido epitelial
Tecido epitelialTecido epitelial
Tecido epitelial
 
Teoria microscopiocelula
Teoria microscopiocelulaTeoria microscopiocelula
Teoria microscopiocelula
 
329
329329
329
 
Célula
CélulaCélula
Célula
 
CéLula
CéLulaCéLula
CéLula
 
betelgeuse
betelgeusebetelgeuse
betelgeuse
 
Célula
Célula Célula
Célula
 
Procariotos e eucariotos
Procariotos e eucariotosProcariotos e eucariotos
Procariotos e eucariotos
 
Citologia 2 Revisada
Citologia 2 RevisadaCitologia 2 Revisada
Citologia 2 Revisada
 
1° ano - Relatório científico
1° ano - Relatório científico1° ano - Relatório científico
1° ano - Relatório científico
 
Como Elaborar Um Relatorio
Como Elaborar Um RelatorioComo Elaborar Um Relatorio
Como Elaborar Um Relatorio
 
Como Elaborar um Relatório Científico
Como Elaborar um Relatório CientíficoComo Elaborar um Relatório Científico
Como Elaborar um Relatório Científico
 
Apresentação sobre células citologia
Apresentação sobre células    citologiaApresentação sobre células    citologia
Apresentação sobre células citologia
 
Apresentação de células
Apresentação de célulasApresentação de células
Apresentação de células
 
Normas para elaboração de um relatório científico
Normas para elaboração de um relatório científicoNormas para elaboração de um relatório científico
Normas para elaboração de um relatório científico
 
Relatorios de célula
Relatorios de célulaRelatorios de célula
Relatorios de célula
 
Prova SME Rio de Janeiro - 8º ano - 1º bim - 2010
Prova SME Rio de Janeiro - 8º ano - 1º bim - 2010Prova SME Rio de Janeiro - 8º ano - 1º bim - 2010
Prova SME Rio de Janeiro - 8º ano - 1º bim - 2010
 
Exercícios de fixação envoltórios
Exercícios de fixação   envoltóriosExercícios de fixação   envoltórios
Exercícios de fixação envoltórios
 
A Célula - CIENTIC
A Célula - CIENTICA Célula - CIENTIC
A Célula - CIENTIC
 
Como Fazer Trabalho Cientifico
Como Fazer Trabalho CientificoComo Fazer Trabalho Cientifico
Como Fazer Trabalho Cientifico
 

Semelhante a A celula

Aula 1 bio em
Aula 1   bio emAula 1   bio em
Aula 1 bio em
Walney M.F
 
Célula
CélulaCélula
Célula
Mtzor
 
A célula uma visão geral
A célula uma visão geralA célula uma visão geral
A célula uma visão geral
Naiane Magalhães
 
Introdução a biologia e citologia objetivo
Introdução a biologia e citologia objetivoIntrodução a biologia e citologia objetivo
Introdução a biologia e citologia objetivo
Marcos Albuquerque
 
Biologia1 apóstila
Biologia1 apóstilaBiologia1 apóstila
Biologia1 apóstila
Camile Mohana
 
Introdução a biologia e citologia objetivo
Introdução a biologia e citologia objetivoIntrodução a biologia e citologia objetivo
Introdução a biologia e citologia objetivo
Marcos Albuquerque
 
Plano de aula 1ano eja(2)
Plano de aula 1ano eja(2)Plano de aula 1ano eja(2)
Plano de aula 1ano eja(2)
Paloma Torrent Puglia
 
Celula
CelulaCelula
Citologia
CitologiaCitologia
Citologia
Carlaensino
 
Citologia
CitologiaCitologia
2o ano célula - parte 1
2o ano   célula - parte 12o ano   célula - parte 1
2o ano célula - parte 1
SESI 422 - Americana
 
Biologia Celular
Biologia Celular Biologia Celular
Biologia Celular
Marco Antonio
 
Seres vivos-e-suas-caracteristicas
Seres vivos-e-suas-caracteristicasSeres vivos-e-suas-caracteristicas
Seres vivos-e-suas-caracteristicas
Marta Alves
 
Eu Amo Aulas de Biologia
Eu Amo Aulas de BiologiaEu Amo Aulas de Biologia
Eu Amo Aulas de Biologia
Daniela Silveira
 
Citologia
CitologiaCitologia
Níveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivosNíveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivos
Fatima Comiotto
 
Níveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivosNíveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivos
Fatima Comiotto
 
Apostila biologia-celular-gustavo-stroppa-ufjf para Enem e Vestibulares
Apostila biologia-celular-gustavo-stroppa-ufjf para Enem e VestibularesApostila biologia-celular-gustavo-stroppa-ufjf para Enem e Vestibulares
Apostila biologia-celular-gustavo-stroppa-ufjf para Enem e Vestibulares
Jose Carlos Machado Cunha
 
Bioquímica básica
Bioquímica básicaBioquímica básica
Bioquímica básica
SESI 422 - Americana
 
Celula (1)
Celula (1)Celula (1)
Celula (1)
SabrinaGabrielle2
 

Semelhante a A celula (20)

Aula 1 bio em
Aula 1   bio emAula 1   bio em
Aula 1 bio em
 
Célula
CélulaCélula
Célula
 
A célula uma visão geral
A célula uma visão geralA célula uma visão geral
A célula uma visão geral
 
Introdução a biologia e citologia objetivo
Introdução a biologia e citologia objetivoIntrodução a biologia e citologia objetivo
Introdução a biologia e citologia objetivo
 
Biologia1 apóstila
Biologia1 apóstilaBiologia1 apóstila
Biologia1 apóstila
 
Introdução a biologia e citologia objetivo
Introdução a biologia e citologia objetivoIntrodução a biologia e citologia objetivo
Introdução a biologia e citologia objetivo
 
Plano de aula 1ano eja(2)
Plano de aula 1ano eja(2)Plano de aula 1ano eja(2)
Plano de aula 1ano eja(2)
 
Celula
CelulaCelula
Celula
 
Citologia
CitologiaCitologia
Citologia
 
Citologia
CitologiaCitologia
Citologia
 
2o ano célula - parte 1
2o ano   célula - parte 12o ano   célula - parte 1
2o ano célula - parte 1
 
Biologia Celular
Biologia Celular Biologia Celular
Biologia Celular
 
Seres vivos-e-suas-caracteristicas
Seres vivos-e-suas-caracteristicasSeres vivos-e-suas-caracteristicas
Seres vivos-e-suas-caracteristicas
 
Eu Amo Aulas de Biologia
Eu Amo Aulas de BiologiaEu Amo Aulas de Biologia
Eu Amo Aulas de Biologia
 
Citologia
CitologiaCitologia
Citologia
 
Níveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivosNíveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivos
 
Níveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivosNíveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivos
 
Apostila biologia-celular-gustavo-stroppa-ufjf para Enem e Vestibulares
Apostila biologia-celular-gustavo-stroppa-ufjf para Enem e VestibularesApostila biologia-celular-gustavo-stroppa-ufjf para Enem e Vestibulares
Apostila biologia-celular-gustavo-stroppa-ufjf para Enem e Vestibulares
 
Bioquímica básica
Bioquímica básicaBioquímica básica
Bioquímica básica
 
Celula (1)
Celula (1)Celula (1)
Celula (1)
 

Mais de Altair Hoepers

Ciclos biogeoquimicos
Ciclos biogeoquimicosCiclos biogeoquimicos
Ciclos biogeoquimicos
Altair Hoepers
 
Membrana celular
Membrana celularMembrana celular
Membrana celular
Altair Hoepers
 
O nucleo celular
O nucleo celularO nucleo celular
O nucleo celular
Altair Hoepers
 
O citoplasma celular
O citoplasma celularO citoplasma celular
O citoplasma celular
Altair Hoepers
 
Tecido conjuntivo
Tecido conjuntivoTecido conjuntivo
Tecido conjuntivo
Altair Hoepers
 
12333
1233312333
Diversidade celular
Diversidade celularDiversidade celular
Diversidade celular
Altair Hoepers
 
Gametogenese
GametogeneseGametogenese
Gametogenese
Altair Hoepers
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
Altair Hoepers
 
Vegetais superiores
Vegetais superioresVegetais superiores
Vegetais superiores
Altair Hoepers
 
Vegetacao global
Vegetacao globalVegetacao global
Vegetacao global
Altair Hoepers
 
Relacoes entre os_seres_vivos
Relacoes entre os_seres_vivosRelacoes entre os_seres_vivos
Relacoes entre os_seres_vivos
Altair Hoepers
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
Altair Hoepers
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
Altair Hoepers
 
Protocordados
ProtocordadosProtocordados
Protocordados
Altair Hoepers
 
Poriferos
PoriferosPoriferos
Poriferos
Altair Hoepers
 
Poluicao do solo
Poluicao do soloPoluicao do solo
Poluicao do solo
Altair Hoepers
 
Poluicao da agua
Poluicao da aguaPoluicao da agua
Poluicao da agua
Altair Hoepers
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
Altair Hoepers
 

Mais de Altair Hoepers (20)

Ciclos biogeoquimicos
Ciclos biogeoquimicosCiclos biogeoquimicos
Ciclos biogeoquimicos
 
Membrana celular
Membrana celularMembrana celular
Membrana celular
 
O nucleo celular
O nucleo celularO nucleo celular
O nucleo celular
 
O citoplasma celular
O citoplasma celularO citoplasma celular
O citoplasma celular
 
Tecido conjuntivo
Tecido conjuntivoTecido conjuntivo
Tecido conjuntivo
 
12333
1233312333
12333
 
Diversidade celular
Diversidade celularDiversidade celular
Diversidade celular
 
Gametogenese
GametogeneseGametogenese
Gametogenese
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Reproducao
ReproducaoReproducao
Reproducao
 
Vegetais superiores
Vegetais superioresVegetais superiores
Vegetais superiores
 
Vegetacao global
Vegetacao globalVegetacao global
Vegetacao global
 
Relacoes entre os_seres_vivos
Relacoes entre os_seres_vivosRelacoes entre os_seres_vivos
Relacoes entre os_seres_vivos
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
Protocordados
ProtocordadosProtocordados
Protocordados
 
Poriferos
PoriferosPoriferos
Poriferos
 
Poluicao do solo
Poluicao do soloPoluicao do solo
Poluicao do solo
 
Poluicao da agua
Poluicao da aguaPoluicao da agua
Poluicao da agua
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
 

A celula

  • 1. Em 1665, o cientista inglês Robert Hooke publicou um trabalho intitulado “Micrografia”. Contendo 37 ilustrações feitas em cobre, o trabalho relatava, entre outros, A célula
  • 2. estudos microscópios sobre observações de cortes feitos a partir da casca de uma árvore vulgarmente conhecida como sobreiro, cujo nome científico é Quercus suber. Essa casca nada mais é do que o material que denominamos cortiça.
  • 3. Utilizando um microscópio muito rudimentar, Hooke obteve imagens de uma estrutura semelhante a favos de mel, composta de inúmeros compartimentos vazios unidos.
  • 4. Em função do que observou e seguindo as normas científicas da época, que exigiam o uso do latim nos relatórios, o cientista empregou o termo cellula, diminutivo de cella que significa “espaço vazio”, para denominar estas estruturas.
  • 5. Observações semelhantes às de Hooke foram feitas, posteriormente, por Grew e Malpighi, a partir de amostras de outros vegetais. Em 1674, Leeuwenhöek, observando uma outra classe de células, notou que elas não eram exatamente vazias. Havia, nelas, certo padrão de organização, muitas vezes evidenciado por uma estrutura esférica em seu interior.
  • 6. No entanto, a confirmação da existência de um núcleo deu-se somente um século mais tarde, graças a estudos realizados por Fontana com células vegetais.
  • 7. Em 1831, Robert Brown confirmava a presença dessa estrutura também em células animais. Esses estudos, associados aos trabalhos publicados em 1838 por Mathias Schleiden e em 1839 por Theodor Schwann, contribuíram para que se estabelecesse o que ficou conhecido como Teoria Celular.
  • 8. Segundo ela, todos o seres vivos, animais ou vegetais, são constituídos por unidades vivas chamadas células. A partir de então, a célula, como unidade viva, deixou de ser vista como um espaço vazio, passando a ser considerada uma massa de protoplasma, limitada por membrana e dotada de núcleo.
  • 9. O espaço existente entre a membrana e o núcleo seria preenchido pelo citoplasma. Apesar de todas essas evidências, o termo “célula” foi mantido e continua em uso até os dias de hoje.
  • 10. As propriedades de um organismo dependem das atividades e características de suas células. Por exemplo, quando um atleta está correndo, toda a atividade ocorre no interior das células dos órgãos e sistemas envolvidos.
  • 11. As células são as unidades morfológicas e fisiológicas, isto é, estruturais e funcionais, de todos os organismos vivos. Cada uma delas é capaz de sintetizar seus componentes, crescer e multiplicar-se.
  • 12. As células originam-se de outras células e a continuidade é assegurada e mediada pelo material genético. As células, geralmente, não podem ser vistas a olho nu, porque suas dimensões são muito pequenas. Os conhecimentos de Biologia Celular e de Histologia (dos tecidos) baseiam-se, principalmente,
  • 13. no estudo das estruturas e processos celulares sob as microscopias óticas (MO)
  • 14. e eletrônica (ME), permitindo o reconhecimento da célula como um componente dinâmico e participante do metabolismo corporal.
  • 15. . Basicamente, estes estudos utilizam, como ferramentas, lâminas com colorações histológicas e histoquímicas, para o estudo ao M.O e telas de cobre contrastadas por metais pesados,
  • 16. para o estudo à M.E. Usa-se, normalmente, um aparelho chamado microscópio ótico para se ampliar a imagem da célula ou do tecido e visualizá-los, pois aumenta a imagem em aproximadamente até 2000 vezes. Existem vários tipos de células:
  • 17.
  • 18. Quanto a estrutura temos as células procariontes, aquelas que não possuem núcleo e as eucariontes, aquelas com núcleo organizado.
  • 19. Quanto a forma temos as células cúbicas, cilíndricas, redondas, esférica, ciliadas, achatadas e estreladas.
  • 20. Quanto a longevidade temos as células lábeis, aquelas que possui ciclo de vida curto, como por exemplo as células germinativas e as hemácias; células estáveis são as que possuem o ciclo um pouco mais longo podendo durar meses:, exemplos as células adiposas, das cartilagens, dos epitélios, dos ossos, etc.; Células perenes, são as que possuem ciclo de vida longo, podendo durar toda a vida do indivíduo, exemplo os neurônios..
  • 21. A vida depende de substâncias e atividades químicas A matéria, seja ela viva ou inanimada, é sempre constituída por moléculas. Uma pedra, a água de um rio, o vinho, um prego, uma bala, uma caixa de sapato, um sapato de couro, um lagarto ou um mandacaru têm moléculas na sua constituição. Muitas moléculas encontradas nos seres vivos também existem na matéria não-viva e são muito simples.
  • 22. Há, por exemplo, uma grande quantidade de água em qualquer organismo, substância abundante na natureza. Há, ainda, sais minerais, todos eles encontrados na água ou nas rochas. No entanto, os seres vivos apresentam, também, moléculas maiores, mais complexas, “exclusivas”, que não costumam aparecer na natureza inanimada
  • 23. São os compostos orgânicos, produzidos, armazenados ou consumidos dentro dos sistemas vivos. As moléculas orgânicas mais importantes são os carboidratos, também chamados açúcares, os lipídios, isto é, óleos e gorduras, as proteínas e os ácidos nucléicos DNA ou RNA. Substâncias desse tipo são quase sempre provenientes de organismos vivos.
  • 24. As moléculas são, na verdade, um dos níveis de organização dos seres vivos. Nos seres vivos, a organização não se limita ao nível molecular: um organismo é composto de vários sistemas, conjuntos de órgãos que, por sua vez, são formados por tecidos. Os tecidos são reuniões de células com funções semelhantes; as células contêm orgânulos, cada um deles realizando um determinado papel. Cada orgânulo é composto de moléculas, e estas são constituídas por átomos.
  • 25. As moléculas que fazem parte dos organismos vivos não estão “paradas”, estáticas: elas estão constantemente reagindo umas com as outras, transportando-se o tempo todo, sendo que, nesses processos, algumas são constituídas, e outras, destruídas.. Essa atividade química, típica dos organismos vivos, é chamada de metabolismo. Assim, cada um dos tipos de moléculas que compõem os seres vivos tem o seu papel biológico, ou seja, age dentro dos organismos de uma maneira especial e insubstituível
  • 26. De forma muito simplificada, podemos identificar três problemas básicos dos organismos, que são: • Obter energia; • Construir mais matéria viva; • Controlar todos os processos metabólicos.
  • 27. Há, três modalidades de metabolismo. • Metabolismo energético: são todas as reações celulares relacionadas à obtenção e à utilização de energia. Quando uma célula “queima” açucares em suas mitocôndrias, para obter energia para suas necessidades, na respiração celular, trata-se de uma faceta do metabolismo energético. Quando uma célula vegetal absorve luz do sol e produz alimento nos seus cloroplastos, no processo de fotossíntese, é, também, um processo de metabolismo energético.
  • 28. • Metabolismo plástico, ou estrutural: também chamado de metabolismo de construção. Está, normalmente, relacionado à produção celular de proteínas, em orgânulos chamados ribossomos. A produção de mais matéria viva está ligada, como já vimos, não apenas à reposição de material desgastado, mas, também, ao crescimento dos organismos.
  • 29. • Metabolismo de controle: aqui, as reações químicas da célula estão todas relacionadas a uma “fiscalização”, um controle biológico de tudo que a célula faz. São normalmente os componentes do núcleo, principalmente os ácidos nucléicos (DNA e RNA), que realizam essa tarefa.