SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 73
Poríferos e Cnidários
ESCOLA ESTADUAL 19 DE DEZEMBRO
DISCIPLINA: BIOLOGIA
PROFESSOR: RONALDO A. ALVES
QUERÊNCIA - MT
Poríferos
2
 O Filo Porífera contém as mais simples
criaturas do reino animal;
 São conhecidos também como esponjas e vivem
presos em algum substrato (animais sésseis);
 Eles não possuem órgãos especializados e seu
corpo é revestido por poros, fato este que originou
o nome do grupo;
3
O que são poríferos?
 Acredita-se que os primeiros animais que surgiram
na face da Terra tenham sido os poríferos;
 Todas as esponjas são fixas na fase adulta e
coloniais, vivendo em meio aquático (água doce ou
salgada), geralmente da linha da maré baixa até
profundidades que atingem os 5500 metros.
4
O que são poríferos?
Características
5
 Portadores de POROS;
 Animais Pluricelulares;
 Não formam tecidos verdadeiros;
 Na maioria são marinhos;
 São exclusivamente aquáticos;
 Aneurismáticos (sem sistema nervoso e
muscular);
6
 Não possui sistema nervoso;
 Não possuem boca nem ânus;
 Possuem simetria radial ou são assimétricos;
 São animais filtradores ( retiram da água os
nutrientes necessários à sua sobrevivência);
 Respiração e excreção por difusão;
 Digestão intracelular.
Características
Classificação dos Poríferos
 Classe Calcarea: A maioria apresenta espículas de
carbonato de cálcio como elemento de sustentação
esquelética, a maioria das esponjas dessa classe,
possuem tamanho pequeno.
 Classe desmospondiae: Seus representantes
apresentam espículas silicosas, fibras de espongina
ou ambas como elementos de sustentação
esquelética, a maioria é leuconóide.
 Classe hexactinellidae: Crescem eretas e muitos
possuem forma cilíndrica, seus elementos de
sustentação são espículas silicosas.Um casal de
camarão do gêneroEupletella ainda jovens, penetram
pelo ósculo da esponja e passa a viver na
espongiocela, onde obtêm abrigo e alimento. Ao
crescer, os camarões não conseguem mais sair do
átrio e permanecem ali até o final de suas vidas. Os
filhos do casal, abandonam a ''casa'' dos pais e vão
colonizar outra esponja.
•
7
 O corpo dos poríferos é
perfurado por poros,
por onde entra a água.
 Possuem uma grande
cavidade, onde se sai a
água.
 A água entra rica em
Oxigênio e Alimento.
 E sai com os restos da
digestão e o gás
carbônico.
8
Estrutura
 Ósculo: abertura onde sai a água
contendo resíduos, espermatozoides e
outros.
 Átrio ou espongiocele: cavidade interna,
por onde circulam os nutrientes e os
gases respiratórios.
 Poros (óstios): Possibilitam o fluxo de
água para o interior do átrio.
 Sustentação: Espiculas de calcárias
(inorgânicas). O esqueleto é produzido
pelos amebócitos.
 Coanócitos: provoca um continuo fluxo
de água do ambiente para o átrio
animal.
 Amebócitos: Célula totiponente, ou seja,
capaz de diferenciar em qualquer tipo
celular.
9
Estrutura
Estrutura
10
Tipos Morfológicos
• Ascon:
- Maior espongiocele
- Menor número de
coanócitos
- Menor tipo morfológico
• Sycon:
- Espongiocele
intermediária
- Número de
coanócitos
intermediário
- Tamanha
intermediário
• Leucon:
- Espongiocele muito
reduzida
- Maior número de
coanócitos
- Maior tamanho
Tipos anatômicos
12
Digestão Intracelular
 Os coanócitos são células exclusivas dos
poríferos, que realizam a captura e a digestão
de nutrientes. Apresentam um flagelo que se
movimenta e provoca um fluxo de água do
ambiente para o átrio do animal. 13
Reprodução
14
A reprodução desses animais pode se dar de
duas formas: assexuada e sexuada.
 Assexuada: A reprodução assexuada é a principal
forma de multiplicação dos poríferos. Ocorre sob a
forma de brotamento regeneração e ainda um
último tipo denominado gemulação que ocorre
quase exclusivamente em esponja de água doce.
 Sexuada: A maior parte das esponjas é
hermafrodita. Os gametas são formados em células
chamadas gonócitos, que são derivadas dos
amebócitos;
 Os espermatozoides saem da esponja pelo ósculo e
penetram em outra esponja pelos poros, junto com a
corrente de água. São captados pelos coanócitos e
transferidos até os óvulos, que ficam na mesogléia, e
promovem a fecundação;
 A maioria das esponjas é vivípara, depois
da fertilização o zigoto é retido e recebe nutrientes
da esponja parental até que uma larva flagelada seja
liberada, que nada até se fixar em um substrato e
dar origem a um novo indivíduo.
Assexuada
 O broto é formado por amebócitos e surge na
parede do corpo da esponja podendo saltar-se e
da origem a um individuo ou permanecer preso,
aumentando a colônia. Ou seja, formam-se
brotos, que podem se separar do corpo do animal
e dar origem a novas esponjas.
16
 Generação: fragmentos de uma esponja, por
menores que sejam, podem originar novas
esponjas, devido ao seu alto poder de
regeneração.
17
 Gemulação: Ocorre somente em espécies de
água doce. As gêmulas são constituídas de
muitas células indiferenciadas (amebócitos)
protegidas por um envoltório rígido com espiculas.
Essas estruturas tem função de sobreviver a
períodos de seca.
18
Sexuada
 As esponjas podem ser dioicas (sexos separados) ou
monoicas (hermafroditas), apresentando fecundação
interna e desenvolvimento indireto.
19
 Respiração
Os poríferos não apresentam um sistema respiratório,
cujas trocas gasosas acontecem por meio de difusão.
Excreção
A excreção dos poríferos se dá por meio de difusão,
assim como sua respiração.
Circulação
Basicamente a circulação dos poríferos é de água,
alimento e espermatozoides. O percurso se inicia nos
poros, por onde entram, e termina no ósculo, por
onde saem por meio da movimentação dos flagelos
dos coanócitos.
20
Como todo animal os poríferos também
sofrem ameaças e se defendem.
21
 Muitas espécies de poríferos, que ficam totalmente
expostos aos predadores, apresentam mecanismos de
defesa contra a predação excessiva.
 O principal mecanismo é de natureza química, e ocorre
deste modo: algumas esponjas produzem uma
substância tóxica e outras produzem substâncias com
atividade anti-microbiana.
Curiosidades
Os poríferos são encontrados desde a linha do
mar até seis mil metros de profundidade.
22
O esqueleto das esponjas são usados como
buchas nos banhos. As esponjas demoram
muito para crescer, por isso, algumas destas
esponjas de banho podem ter 50 anos.
23
Antes da invenção de esponjas sintéticas, as
esponjas naturais eram muito usadas pelas
pessoas para tomar banho e na limpeza
domestica, para esfregar panelas e copos.
24
24
Qual sua importância?
Servem de habitat para as algas
e diversos animais
São fonte de alimento para
diversos peixes
Cnidários
26
O que são Cnidários?
27
 Os cnidários são os primeiros animais a
apresentarem uma cavidade digestiva no corpo,
fato que gerou o nome celenterado, destacando a
importância evolutiva dessa estrutura, que foi
mantida nos demais animais;
 A presença de uma cavidade digestiva permitiu
aos animais ingerirem porções maiores de
alimento, pois nela o alimento pode ser digerido e
reduzido a pedaços menores, antes de ser
absorvido pelas células.
 Está representado
pelas hidras, medusas ou água- vivas,
corais e anêmonas-do-mar.
28
Características
29
 São animais urticantes. (causam coceira,
queimaduras);
 São um pouco mais desenvolvidos que os
poríferos;
 São todos aquáticos, sendo a maioria de
habitat marinho;
 Apresentam duas formas: pólipos e medusas;
30
 Reprodução Sexuada e Assexuada;
 Troca gasosas e Excreção por difusão ;
 Sistema Nervo composto por redes
difusas;
 As anêmonas e os corais vivem fixados e
as aguas vivas vivem nadando;
Características
31
 São os primeiros animais apresentar uma
cavidade digestiva no corpo (tubo digestivo
incompleto (sem ânus);
 Apresentam simetria radial;
 São os primeiros animais na escala
evolutiva a apresentar tecido verdadeiro.
Características
Polimorfismo – Pólipos e Medusa
Pólipos
Formato de um tubo cheios de tentáculos.
Podem viver fixos como as anêmonas-do-mar
e os corais, ou móveis, como as hidras.
33
Medusas
 Corpo em forma guarda-chuva, abertura
correspondente à boca na parte inferior do animal.
 Tem vida livre, flutuam na água, como é o caso da água-
viva
34
Anatomia
 Cavidade Gastrovascular: Auxilia digestão e o transporte de nutrientes
para todo o corpo do animal.
 Ectoderme: camada exterior de um embrião em desenvolvimento.
 Mesogleia: matriz extracelular gelatinosa
 Gastroderme: camada de revestimento interno
35
Digestão
 Carnívoros – peixes e zooplâncton – sist. Digestório incompleto= só
possui boca
 Digestão extra e intracelular presa > tentáculos > boca > cavidade
gastrovascular > digestão parcial por ação enzimática > término da
digestão dentro das células que revestem a cavidade;
 Endossimbiose = cnidário + algas verdes.
36
Locomoção
 Sésseis: Vivem presos (pólipos, anêmonasdo-mar, corais).
 Flutuação – pneumatóforo (caravela).
 Jato propulsão: impulsionando o animal em sentido contrário. (medusas).
 Deslizamento ou por ‘cambalhotas’ (hidra)= esticar – contrair – fixação
temporária dos tentáculos no substrato.
37
Reprodução
38
Assexuada
39
A reprodução assexuada em hidras pardas ou
verdes é, em geral, feita por brotamento. Brotos
laterais, em várias fases de crescimento, são
comumente vistos ligados à hidra-mãe e dela
logo se destacam.
Esse processo de multiplicação, em que não
ocorre variabilidade genética, é propício nos
ambientes estáveis e em épocas favoráveis do
ano, em que as hidras estão bem alimentadas.
Reprodução Assexuada
Assexuada
• Brotamento: Hidras e anêmonas-do-mar.
41
Sexuada
42
 O único óvulo produzido é retirado do ovário. Os
espermatozóides são liberados na água e vão a procura
do óvulo. A fecundação ocorre no corpo da hidra.
 O zigoto formado é circundado por uma espessa
camada quitinosa (de consistência semelhante ao
esqueleto de quitina dos insetos) e, após certo tempo
de desenvolvimento, o embrião, envolto pela casca
protetora, destaca-se do corpo da hidra e permanece
dentro da casca durante toda a época desfavorável.
 Com a chegada da estação favorável, rompe-se a casca
e emerge uma pequena hidra que cresce até atingir a
fase adulta. Não há larva. O desenvolvimento é direto.
•
Reprodução Sexuada
Sexuada
41
Medusas, reprodução sexuada
Alternância de Gerações
Alternância de Gerações
Classificação
 Hydrozoa – (Hidrozoários) - Hidra e caravela
 Scyphozoa – (Cifozoários) - Águas-Vivas
 Antrozoa – (Antozoários) - Anêmonas e corais
 Cubozoa – (Cubozoários)
Classe Hydrozoa
Hidra
 Representado pelas Hidras e hidromedusa
 Podem ser docículas ou marinhas
 Suas formas são polipóide e medusóide.
 Caracteristicas:
 Presença de cavidade gastrovascular, sem faringe e sem
mesentério.
 Gônadas de origem ectodérmica.
 Sistema de vida em colônias.
 Funções específicas dentro da colônia.
 Presença de cnidoblastos (células urticantes) somente na
epiderme.
Classe Hydrozoa
 Reprodução
Assexuada ou sexuada
Assexuada: Por brotamento (Hidras): Brotamento lateral se desprendendo
ao atingir um determinado originando assim um novo ser.
Sexuada: Presente em algumas
espécies de hidrozoários.
Neste caso, os espermatozóides e
óvulos podem ser produzidos por
um mesmo ser ou por seres
diferentes.
Classe Hydrozoa
 Forma de locomoção
 Incurvatura corporal: “Cambalhotas”
 Deslizamento basal dos pseudópodes
Classe Hydrozoa
 Hidromedusa:
Forma medusóide:
 Forma de umbrela
 Mesogléia mais espessa do que na
foram pólipo
 Manúbrio em forma piramidal com
boca extrema no centro.(prolongamento da
epiderme onde está a boca).
 Presença de um “Véu”
como característica morfológica.
 Presença de estatocistos: Função
de equilíbrio.
Classe Hydrozoa
 Reprodução:
 Assexuada: brotamento –
Brotamento lateral, tamanho ideal o
broto cai formando um novo
indivíduo.
 Sexuada: Espermatozóide
liberado na água, encontra o Óvulo
fecundando–o.
Classe Hydrozoa
Classes Scyphozoa
 Representadas pelas medusas, Cassiopea e água – vivas.
 Características:
 Cerca de 200 espécies-Maioria compostas por medusas.
 Há uma grande variedade de tamanho e morfologia entre as
espécies – de 2 cm podendo chegar a 2m de diâmetro.
 Característica
 Pólipo reduzido ou ausente em poucos casos
 Ausência de esqueleto sólido.
 Semelhante a medusas- ausência do véu
 Manúbio reduzido
 Presença de gônadas gastrodérmicas - bolsas gástricas
 Locomoção por contração de fibras contráteis na umbrela
(propulsão)
Classes Scyphozoa
 Nutrição:
 Algumas espécies são filtradoras - obtém alimento
(nutrientes) através do processo de filtragem da água
marinha.
 Predação - se alimentam de outros animais marinhos.
Classes Scyphozoa
 Reprodução
 Alternância de gerações.
 Assexuada - estrobilação: ocorre nos pólipos através de
brotamento.
 Sexuada: Fecundação de gametas
Alternância de gerações
Classes Scyphozoa
Classes Anthozoa
 Representada por corais verdadeiros(coloniais),
anêmonas(mais solitárias)
 Formas pólipo – ausência da forma medusóide.
Coral Cérebro Anêmona
 Caraciteristicas:
 Ausência de opérculo(tampa) e cnidocpilio(gatilho)
 Cavidade gástrica dividida por septos
Classes Anthozoa
 Reprodução
 Ausência da fase metagênese
 Assexuada – mais freqüente: brotamento, dilasseração ou
fragmentação.
 Sexuada: fusão de gametas.
Classes Anthozoa
 Nutrição
 Carnívoros: digestão e absorção ocorrem nos
filamentos septais(gônadas gastrodérmicas).
Classes Anthozoa
 Comensalismo:
 Anêmonas e peixe - palhaço
Classes Anthozoa
• Também tem como fase predominante a medusóide;
• São relativamente compactas e lembram um sino em
forma cúbica.
• Um exemplo de cubomedusa é a Chiropsalmos
quadrumanus, que vive na costa brasileira.
Cubozoa – (Cubozoários)
RESPIRAÇÃO
Aeróbia. Troca de gases por difusão.
64
 CIRCULAÇÃO
Nutrientes e gases respiratórios distribuídos por
difusão entre as células.
 EXCREÇÃO
Excreção celular, cavidade gastrovascular, boca.
Sistema nervoso
Possui um sistema nervoso difuso; Seus
neurônios podem transmitir os impulsos nas
duas direções (dendrito – axônio; axônio –
dendríto); Possuem uma condução mais lenta
e órgãos sensoriais os ropálios – ocelos =
captação da luz.
65
Curiosidades
• Existem medusas que podem medir de doze milímetros até
dois metros de diâmetro, como as do gênero Cyanea, que
vivem no oceano Ártico e possuem tentáculos de até trinta
metros de comprimento.
46
A pequena água-viva tem apenas 1
cm de comprimento, mas é uma
das mais venenosas do mundo.
Água – viva, juba de leão
No oceano Índico e Pacífico existem medusas
chamadas vespas-do-mar que são capazes de
matar um ser humano, nas águas brasileiras as
medusas não são muito perigosas.
Vespas-do-mar encontrada na
Austrália.
67
As medusas comem bastante. A Aurelia, por
exemplo, uma medusa que é comum em todo
mundo, mede cerca de 25 centímetros de
diâmetro e é capaz de matar dez filhotes de
salmão por hora.
68
Queimaduras de água-viva
69
O cnidócito é uma célula que contém um
filamento que ao ser tocado é lançado para
fora, sua ponta penetra na pele do ser vivo
que o tocou e injeta uma substância tóxica
que pode provocar a paralização ou a morte
70
humano toca as águas-vivas ocorre
de pequenos seres vivos. Quando um ser
esse
mesmo processo, não provoca a morte, mas
provoca queimaduras.
71
Importância dos cnidários
 Uma importância dos cnidários a ecológica pois
eles formam barreiras de corais, tais barreiras
são grandes indicadores de ataque ao meio
ambiente, indicando anomalias que a primeira
vista poderia ser invisivel.
 Importância econômica em joalherias e arte
decorativa.
 Fora que os cnidários comem alguns seres que
podem se tornar pragas no ambiente marinho.
Os cnidários que formam os corais, fornecem
abrigos para muitas espécies marinhas, como
peixes de pequeno porte, protegendo-os contra
muitos predadores.
72
OBRIGADO!
73

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Poliferos e Cnidários.pptx

Semelhante a Poliferos e Cnidários.pptx (20)

Poríferos e cnidários
Poríferos e cnidários Poríferos e cnidários
Poríferos e cnidários
 
Poríferos e cnidários 3C- 2015
Poríferos e cnidários 3C- 2015Poríferos e cnidários 3C- 2015
Poríferos e cnidários 3C- 2015
 
Poriferos cnidarios 2m
Poriferos cnidarios 2mPoriferos cnidarios 2m
Poriferos cnidarios 2m
 
Poríferos e Cnidários
Poríferos e CnidáriosPoríferos e Cnidários
Poríferos e Cnidários
 
Poríferos
PoríferosPoríferos
Poríferos
 
Porifero Cnidaria
Porifero CnidariaPorifero Cnidaria
Porifero Cnidaria
 
OS PORÍFEROS
OS PORÍFEROSOS PORÍFEROS
OS PORÍFEROS
 
Poriferos E Cndarios
Poriferos E CndariosPoriferos E Cndarios
Poriferos E Cndarios
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
 
Reino animália
Reino animáliaReino animália
Reino animália
 
7º ano cap 14 porferos e celenterados
7º ano cap 14 porferos e celenterados7º ano cap 14 porferos e celenterados
7º ano cap 14 porferos e celenterados
 
moluscos1-140830152153-phpapp01.pdf
moluscos1-140830152153-phpapp01.pdfmoluscos1-140830152153-phpapp01.pdf
moluscos1-140830152153-phpapp01.pdf
 
Slide sobre moluscos da disciplina de ciências
Slide sobre moluscos da disciplina de ciênciasSlide sobre moluscos da disciplina de ciências
Slide sobre moluscos da disciplina de ciências
 
Poríferos
PoríferosPoríferos
Poríferos
 
Moluscos - Biologia
Moluscos - BiologiaMoluscos - Biologia
Moluscos - Biologia
 
Celenterados
CelenteradosCelenterados
Celenterados
 
Invertebrados
InvertebradosInvertebrados
Invertebrados
 
Invertebrados
InvertebradosInvertebrados
Invertebrados
 
Cnidários
CnidáriosCnidários
Cnidários
 

Mais de RonaldoAlves313237

bomshowwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwslides1.pptx
bomshowwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwslides1.pptxbomshowwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwslides1.pptx
bomshowwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwslides1.pptxRonaldoAlves313237
 
showwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwslides1.pptx
showwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwslides1.pptxshowwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwslides1.pptx
showwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwslides1.pptxRonaldoAlves313237
 
dssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssss...
dssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssss...dssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssss...
dssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssss...RonaldoAlves313237
 
sssssssssssssafgwgegegdgdddddddddlides12.pptx
sssssssssssssafgwgegegdgdddddddddlides12.pptxsssssssssssssafgwgegegdgdddddddddlides12.pptx
sssssssssssssafgwgegegdgdddddddddlides12.pptxRonaldoAlves313237
 
slaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaide 2.pptx
slaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaide 2.pptxslaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaide 2.pptx
slaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaide 2.pptxRonaldoAlves313237
 
SSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSLIDE 1.pptx
SSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSLIDE 1.pptxSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSLIDE 1.pptx
SSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSLIDE 1.pptxRonaldoAlves313237
 
sfqwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwslide 1.pptx
sfqwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwslide 1.pptxsfqwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwslide 1.pptx
sfqwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwslide 1.pptxRonaldoAlves313237
 
ssssssssssssssssssssssssssssssaula2.pptx
ssssssssssssssssssssssssssssssaula2.pptxssssssssssssssssssssssssssssssaula2.pptx
ssssssssssssssssssssssssssssssaula2.pptxRonaldoAlves313237
 
Slides documentos interessantes e muito bom .pptx
Slides documentos interessantes e muito bom .pptxSlides documentos interessantes e muito bom .pptx
Slides documentos interessantes e muito bom .pptxRonaldoAlves313237
 
FISIOLOGIA E DIGESTÃO HUMANA .pptx
FISIOLOGIA E DIGESTÃO HUMANA .pptxFISIOLOGIA E DIGESTÃO HUMANA .pptx
FISIOLOGIA E DIGESTÃO HUMANA .pptxRonaldoAlves313237
 
evoluobiolgica-120326181433-phpapp02.pptx
evoluobiolgica-120326181433-phpapp02.pptxevoluobiolgica-120326181433-phpapp02.pptx
evoluobiolgica-120326181433-phpapp02.pptxRonaldoAlves313237
 

Mais de RonaldoAlves313237 (20)

bomshowwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwslides1.pptx
bomshowwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwslides1.pptxbomshowwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwslides1.pptx
bomshowwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwslides1.pptx
 
showwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwslides1.pptx
showwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwslides1.pptxshowwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwslides1.pptx
showwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwslides1.pptx
 
dssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssss...
dssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssss...dssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssss...
dssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssss...
 
sssssssssssssafgwgegegdgdddddddddlides12.pptx
sssssssssssssafgwgegegdgdddddddddlides12.pptxsssssssssssssafgwgegegdgdddddddddlides12.pptx
sssssssssssssafgwgegegdgdddddddddlides12.pptx
 
slaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaide 2.pptx
slaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaide 2.pptxslaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaide 2.pptx
slaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaide 2.pptx
 
SSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSLIDE 1.pptx
SSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSLIDE 1.pptxSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSLIDE 1.pptx
SSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSLIDE 1.pptx
 
sfqwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwslide 1.pptx
sfqwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwslide 1.pptxsfqwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwslide 1.pptx
sfqwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwslide 1.pptx
 
ssssssssssssssssssssssssssssssaula2.pptx
ssssssssssssssssssssssssssssssaula2.pptxssssssssssssssssssssssssssssssaula2.pptx
ssssssssssssssssssssssssssssssaula2.pptx
 
Slides documentos interessantes e muito bom .pptx
Slides documentos interessantes e muito bom .pptxSlides documentos interessantes e muito bom .pptx
Slides documentos interessantes e muito bom .pptx
 
Apresentação3.pptx
Apresentação3.pptxApresentação3.pptx
Apresentação3.pptx
 
estado físico.pptx
estado físico.pptxestado físico.pptx
estado físico.pptx
 
Estados físicos.pptx
Estados físicos.pptxEstados físicos.pptx
Estados físicos.pptx
 
Apresentação1.pptx
Apresentação1.pptxApresentação1.pptx
Apresentação1.pptx
 
Apresentação4.pptx
Apresentação4.pptxApresentação4.pptx
Apresentação4.pptx
 
Estados físicos2.pptx
Estados físicos2.pptxEstados físicos2.pptx
Estados físicos2.pptx
 
Estados físicos.pptx
Estados físicos.pptxEstados físicos.pptx
Estados físicos.pptx
 
slide.pptx
slide.pptxslide.pptx
slide.pptx
 
HISTOLOGIA HUMANA.pptx
HISTOLOGIA HUMANA.pptxHISTOLOGIA HUMANA.pptx
HISTOLOGIA HUMANA.pptx
 
FISIOLOGIA E DIGESTÃO HUMANA .pptx
FISIOLOGIA E DIGESTÃO HUMANA .pptxFISIOLOGIA E DIGESTÃO HUMANA .pptx
FISIOLOGIA E DIGESTÃO HUMANA .pptx
 
evoluobiolgica-120326181433-phpapp02.pptx
evoluobiolgica-120326181433-phpapp02.pptxevoluobiolgica-120326181433-phpapp02.pptx
evoluobiolgica-120326181433-phpapp02.pptx
 

Último

Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASricardo644666
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Pauloririg29454
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................mariagrave
 
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docCarolineWaitman
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguaKelly Mendes
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialDouglasVasconcelosMa
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 

Último (20)

Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 

Poliferos e Cnidários.pptx

  • 1. Poríferos e Cnidários ESCOLA ESTADUAL 19 DE DEZEMBRO DISCIPLINA: BIOLOGIA PROFESSOR: RONALDO A. ALVES QUERÊNCIA - MT
  • 3.  O Filo Porífera contém as mais simples criaturas do reino animal;  São conhecidos também como esponjas e vivem presos em algum substrato (animais sésseis);  Eles não possuem órgãos especializados e seu corpo é revestido por poros, fato este que originou o nome do grupo; 3 O que são poríferos?
  • 4.  Acredita-se que os primeiros animais que surgiram na face da Terra tenham sido os poríferos;  Todas as esponjas são fixas na fase adulta e coloniais, vivendo em meio aquático (água doce ou salgada), geralmente da linha da maré baixa até profundidades que atingem os 5500 metros. 4 O que são poríferos?
  • 5. Características 5  Portadores de POROS;  Animais Pluricelulares;  Não formam tecidos verdadeiros;  Na maioria são marinhos;  São exclusivamente aquáticos;  Aneurismáticos (sem sistema nervoso e muscular);
  • 6. 6  Não possui sistema nervoso;  Não possuem boca nem ânus;  Possuem simetria radial ou são assimétricos;  São animais filtradores ( retiram da água os nutrientes necessários à sua sobrevivência);  Respiração e excreção por difusão;  Digestão intracelular. Características
  • 7. Classificação dos Poríferos  Classe Calcarea: A maioria apresenta espículas de carbonato de cálcio como elemento de sustentação esquelética, a maioria das esponjas dessa classe, possuem tamanho pequeno.  Classe desmospondiae: Seus representantes apresentam espículas silicosas, fibras de espongina ou ambas como elementos de sustentação esquelética, a maioria é leuconóide.  Classe hexactinellidae: Crescem eretas e muitos possuem forma cilíndrica, seus elementos de sustentação são espículas silicosas.Um casal de camarão do gêneroEupletella ainda jovens, penetram pelo ósculo da esponja e passa a viver na espongiocela, onde obtêm abrigo e alimento. Ao crescer, os camarões não conseguem mais sair do átrio e permanecem ali até o final de suas vidas. Os filhos do casal, abandonam a ''casa'' dos pais e vão colonizar outra esponja. • 7
  • 8.  O corpo dos poríferos é perfurado por poros, por onde entra a água.  Possuem uma grande cavidade, onde se sai a água.  A água entra rica em Oxigênio e Alimento.  E sai com os restos da digestão e o gás carbônico. 8 Estrutura
  • 9.  Ósculo: abertura onde sai a água contendo resíduos, espermatozoides e outros.  Átrio ou espongiocele: cavidade interna, por onde circulam os nutrientes e os gases respiratórios.  Poros (óstios): Possibilitam o fluxo de água para o interior do átrio.  Sustentação: Espiculas de calcárias (inorgânicas). O esqueleto é produzido pelos amebócitos.  Coanócitos: provoca um continuo fluxo de água do ambiente para o átrio animal.  Amebócitos: Célula totiponente, ou seja, capaz de diferenciar em qualquer tipo celular. 9 Estrutura
  • 11. Tipos Morfológicos • Ascon: - Maior espongiocele - Menor número de coanócitos - Menor tipo morfológico • Sycon: - Espongiocele intermediária - Número de coanócitos intermediário - Tamanha intermediário • Leucon: - Espongiocele muito reduzida - Maior número de coanócitos - Maior tamanho
  • 13. Digestão Intracelular  Os coanócitos são células exclusivas dos poríferos, que realizam a captura e a digestão de nutrientes. Apresentam um flagelo que se movimenta e provoca um fluxo de água do ambiente para o átrio do animal. 13
  • 14. Reprodução 14 A reprodução desses animais pode se dar de duas formas: assexuada e sexuada.  Assexuada: A reprodução assexuada é a principal forma de multiplicação dos poríferos. Ocorre sob a forma de brotamento regeneração e ainda um último tipo denominado gemulação que ocorre quase exclusivamente em esponja de água doce.
  • 15.  Sexuada: A maior parte das esponjas é hermafrodita. Os gametas são formados em células chamadas gonócitos, que são derivadas dos amebócitos;  Os espermatozoides saem da esponja pelo ósculo e penetram em outra esponja pelos poros, junto com a corrente de água. São captados pelos coanócitos e transferidos até os óvulos, que ficam na mesogléia, e promovem a fecundação;  A maioria das esponjas é vivípara, depois da fertilização o zigoto é retido e recebe nutrientes da esponja parental até que uma larva flagelada seja liberada, que nada até se fixar em um substrato e dar origem a um novo indivíduo.
  • 16. Assexuada  O broto é formado por amebócitos e surge na parede do corpo da esponja podendo saltar-se e da origem a um individuo ou permanecer preso, aumentando a colônia. Ou seja, formam-se brotos, que podem se separar do corpo do animal e dar origem a novas esponjas. 16
  • 17.  Generação: fragmentos de uma esponja, por menores que sejam, podem originar novas esponjas, devido ao seu alto poder de regeneração. 17
  • 18.  Gemulação: Ocorre somente em espécies de água doce. As gêmulas são constituídas de muitas células indiferenciadas (amebócitos) protegidas por um envoltório rígido com espiculas. Essas estruturas tem função de sobreviver a períodos de seca. 18
  • 19. Sexuada  As esponjas podem ser dioicas (sexos separados) ou monoicas (hermafroditas), apresentando fecundação interna e desenvolvimento indireto. 19
  • 20.  Respiração Os poríferos não apresentam um sistema respiratório, cujas trocas gasosas acontecem por meio de difusão. Excreção A excreção dos poríferos se dá por meio de difusão, assim como sua respiração. Circulação Basicamente a circulação dos poríferos é de água, alimento e espermatozoides. O percurso se inicia nos poros, por onde entram, e termina no ósculo, por onde saem por meio da movimentação dos flagelos dos coanócitos. 20
  • 21. Como todo animal os poríferos também sofrem ameaças e se defendem. 21  Muitas espécies de poríferos, que ficam totalmente expostos aos predadores, apresentam mecanismos de defesa contra a predação excessiva.  O principal mecanismo é de natureza química, e ocorre deste modo: algumas esponjas produzem uma substância tóxica e outras produzem substâncias com atividade anti-microbiana.
  • 22. Curiosidades Os poríferos são encontrados desde a linha do mar até seis mil metros de profundidade. 22
  • 23. O esqueleto das esponjas são usados como buchas nos banhos. As esponjas demoram muito para crescer, por isso, algumas destas esponjas de banho podem ter 50 anos. 23
  • 24. Antes da invenção de esponjas sintéticas, as esponjas naturais eram muito usadas pelas pessoas para tomar banho e na limpeza domestica, para esfregar panelas e copos. 24
  • 25. 24 Qual sua importância? Servem de habitat para as algas e diversos animais São fonte de alimento para diversos peixes
  • 27. O que são Cnidários? 27  Os cnidários são os primeiros animais a apresentarem uma cavidade digestiva no corpo, fato que gerou o nome celenterado, destacando a importância evolutiva dessa estrutura, que foi mantida nos demais animais;  A presença de uma cavidade digestiva permitiu aos animais ingerirem porções maiores de alimento, pois nela o alimento pode ser digerido e reduzido a pedaços menores, antes de ser absorvido pelas células.
  • 28.  Está representado pelas hidras, medusas ou água- vivas, corais e anêmonas-do-mar. 28
  • 29. Características 29  São animais urticantes. (causam coceira, queimaduras);  São um pouco mais desenvolvidos que os poríferos;  São todos aquáticos, sendo a maioria de habitat marinho;  Apresentam duas formas: pólipos e medusas;
  • 30. 30  Reprodução Sexuada e Assexuada;  Troca gasosas e Excreção por difusão ;  Sistema Nervo composto por redes difusas;  As anêmonas e os corais vivem fixados e as aguas vivas vivem nadando; Características
  • 31. 31  São os primeiros animais apresentar uma cavidade digestiva no corpo (tubo digestivo incompleto (sem ânus);  Apresentam simetria radial;  São os primeiros animais na escala evolutiva a apresentar tecido verdadeiro. Características
  • 33. Pólipos Formato de um tubo cheios de tentáculos. Podem viver fixos como as anêmonas-do-mar e os corais, ou móveis, como as hidras. 33
  • 34. Medusas  Corpo em forma guarda-chuva, abertura correspondente à boca na parte inferior do animal.  Tem vida livre, flutuam na água, como é o caso da água- viva 34
  • 35. Anatomia  Cavidade Gastrovascular: Auxilia digestão e o transporte de nutrientes para todo o corpo do animal.  Ectoderme: camada exterior de um embrião em desenvolvimento.  Mesogleia: matriz extracelular gelatinosa  Gastroderme: camada de revestimento interno 35
  • 36. Digestão  Carnívoros – peixes e zooplâncton – sist. Digestório incompleto= só possui boca  Digestão extra e intracelular presa > tentáculos > boca > cavidade gastrovascular > digestão parcial por ação enzimática > término da digestão dentro das células que revestem a cavidade;  Endossimbiose = cnidário + algas verdes. 36
  • 37. Locomoção  Sésseis: Vivem presos (pólipos, anêmonasdo-mar, corais).  Flutuação – pneumatóforo (caravela).  Jato propulsão: impulsionando o animal em sentido contrário. (medusas).  Deslizamento ou por ‘cambalhotas’ (hidra)= esticar – contrair – fixação temporária dos tentáculos no substrato. 37
  • 39. Assexuada 39 A reprodução assexuada em hidras pardas ou verdes é, em geral, feita por brotamento. Brotos laterais, em várias fases de crescimento, são comumente vistos ligados à hidra-mãe e dela logo se destacam. Esse processo de multiplicação, em que não ocorre variabilidade genética, é propício nos ambientes estáveis e em épocas favoráveis do ano, em que as hidras estão bem alimentadas.
  • 41. Assexuada • Brotamento: Hidras e anêmonas-do-mar. 41
  • 42. Sexuada 42  O único óvulo produzido é retirado do ovário. Os espermatozóides são liberados na água e vão a procura do óvulo. A fecundação ocorre no corpo da hidra.  O zigoto formado é circundado por uma espessa camada quitinosa (de consistência semelhante ao esqueleto de quitina dos insetos) e, após certo tempo de desenvolvimento, o embrião, envolto pela casca protetora, destaca-se do corpo da hidra e permanece dentro da casca durante toda a época desfavorável.  Com a chegada da estação favorável, rompe-se a casca e emerge uma pequena hidra que cresce até atingir a fase adulta. Não há larva. O desenvolvimento é direto. •
  • 47. Classificação  Hydrozoa – (Hidrozoários) - Hidra e caravela  Scyphozoa – (Cifozoários) - Águas-Vivas  Antrozoa – (Antozoários) - Anêmonas e corais  Cubozoa – (Cubozoários)
  • 48. Classe Hydrozoa Hidra  Representado pelas Hidras e hidromedusa  Podem ser docículas ou marinhas  Suas formas são polipóide e medusóide.
  • 49.  Caracteristicas:  Presença de cavidade gastrovascular, sem faringe e sem mesentério.  Gônadas de origem ectodérmica.  Sistema de vida em colônias.  Funções específicas dentro da colônia.  Presença de cnidoblastos (células urticantes) somente na epiderme. Classe Hydrozoa
  • 50.  Reprodução Assexuada ou sexuada Assexuada: Por brotamento (Hidras): Brotamento lateral se desprendendo ao atingir um determinado originando assim um novo ser. Sexuada: Presente em algumas espécies de hidrozoários. Neste caso, os espermatozóides e óvulos podem ser produzidos por um mesmo ser ou por seres diferentes. Classe Hydrozoa
  • 51.  Forma de locomoção  Incurvatura corporal: “Cambalhotas”  Deslizamento basal dos pseudópodes Classe Hydrozoa
  • 52.  Hidromedusa: Forma medusóide:  Forma de umbrela  Mesogléia mais espessa do que na foram pólipo  Manúbrio em forma piramidal com boca extrema no centro.(prolongamento da epiderme onde está a boca).  Presença de um “Véu” como característica morfológica.  Presença de estatocistos: Função de equilíbrio. Classe Hydrozoa
  • 53.  Reprodução:  Assexuada: brotamento – Brotamento lateral, tamanho ideal o broto cai formando um novo indivíduo.  Sexuada: Espermatozóide liberado na água, encontra o Óvulo fecundando–o. Classe Hydrozoa
  • 54. Classes Scyphozoa  Representadas pelas medusas, Cassiopea e água – vivas.  Características:  Cerca de 200 espécies-Maioria compostas por medusas.  Há uma grande variedade de tamanho e morfologia entre as espécies – de 2 cm podendo chegar a 2m de diâmetro.
  • 55.  Característica  Pólipo reduzido ou ausente em poucos casos  Ausência de esqueleto sólido.  Semelhante a medusas- ausência do véu  Manúbio reduzido  Presença de gônadas gastrodérmicas - bolsas gástricas  Locomoção por contração de fibras contráteis na umbrela (propulsão) Classes Scyphozoa
  • 56.  Nutrição:  Algumas espécies são filtradoras - obtém alimento (nutrientes) através do processo de filtragem da água marinha.  Predação - se alimentam de outros animais marinhos. Classes Scyphozoa
  • 57.  Reprodução  Alternância de gerações.  Assexuada - estrobilação: ocorre nos pólipos através de brotamento.  Sexuada: Fecundação de gametas Alternância de gerações Classes Scyphozoa
  • 58. Classes Anthozoa  Representada por corais verdadeiros(coloniais), anêmonas(mais solitárias)  Formas pólipo – ausência da forma medusóide. Coral Cérebro Anêmona
  • 59.  Caraciteristicas:  Ausência de opérculo(tampa) e cnidocpilio(gatilho)  Cavidade gástrica dividida por septos Classes Anthozoa
  • 60.  Reprodução  Ausência da fase metagênese  Assexuada – mais freqüente: brotamento, dilasseração ou fragmentação.  Sexuada: fusão de gametas. Classes Anthozoa
  • 61.  Nutrição  Carnívoros: digestão e absorção ocorrem nos filamentos septais(gônadas gastrodérmicas). Classes Anthozoa
  • 62.  Comensalismo:  Anêmonas e peixe - palhaço Classes Anthozoa
  • 63. • Também tem como fase predominante a medusóide; • São relativamente compactas e lembram um sino em forma cúbica. • Um exemplo de cubomedusa é a Chiropsalmos quadrumanus, que vive na costa brasileira. Cubozoa – (Cubozoários)
  • 64. RESPIRAÇÃO Aeróbia. Troca de gases por difusão. 64  CIRCULAÇÃO Nutrientes e gases respiratórios distribuídos por difusão entre as células.  EXCREÇÃO Excreção celular, cavidade gastrovascular, boca.
  • 65. Sistema nervoso Possui um sistema nervoso difuso; Seus neurônios podem transmitir os impulsos nas duas direções (dendrito – axônio; axônio – dendríto); Possuem uma condução mais lenta e órgãos sensoriais os ropálios – ocelos = captação da luz. 65
  • 66. Curiosidades • Existem medusas que podem medir de doze milímetros até dois metros de diâmetro, como as do gênero Cyanea, que vivem no oceano Ártico e possuem tentáculos de até trinta metros de comprimento. 46 A pequena água-viva tem apenas 1 cm de comprimento, mas é uma das mais venenosas do mundo. Água – viva, juba de leão
  • 67. No oceano Índico e Pacífico existem medusas chamadas vespas-do-mar que são capazes de matar um ser humano, nas águas brasileiras as medusas não são muito perigosas. Vespas-do-mar encontrada na Austrália. 67
  • 68. As medusas comem bastante. A Aurelia, por exemplo, uma medusa que é comum em todo mundo, mede cerca de 25 centímetros de diâmetro e é capaz de matar dez filhotes de salmão por hora. 68
  • 70. O cnidócito é uma célula que contém um filamento que ao ser tocado é lançado para fora, sua ponta penetra na pele do ser vivo que o tocou e injeta uma substância tóxica que pode provocar a paralização ou a morte 70 humano toca as águas-vivas ocorre de pequenos seres vivos. Quando um ser esse mesmo processo, não provoca a morte, mas provoca queimaduras.
  • 71. 71
  • 72. Importância dos cnidários  Uma importância dos cnidários a ecológica pois eles formam barreiras de corais, tais barreiras são grandes indicadores de ataque ao meio ambiente, indicando anomalias que a primeira vista poderia ser invisivel.  Importância econômica em joalherias e arte decorativa.  Fora que os cnidários comem alguns seres que podem se tornar pragas no ambiente marinho. Os cnidários que formam os corais, fornecem abrigos para muitas espécies marinhas, como peixes de pequeno porte, protegendo-os contra muitos predadores. 72