SlideShare uma empresa Scribd logo
E.E.PROFº LUIZ GONZAGA RIGHINI
PORÍFEROS E CNIDÁRIOS
2015
Os poríferos, também conhecidos
como espongiários ou simplesmente esponjas,
surgiram provavelmente há cerca de 1 bilhão de
anos. Supõe-se que eles sejam originados de
seres unicelulares e heterótrofos que se agrupam
em colônias.
Filo Porífera
Animais dotados de poros por todo o corpo, por isso
chamados de poríferos, e com um aspecto esponjoso,
macio e flexível, podendo ser usados como esponja de
banho. São também chamados de espongiários.
Predominantemente marinhos, existindo apenas uma
família de água doce, a Spongillidae.
Sempre vivem fixos a um substrato, podem estar
isolados ou em colônias; são filtradores,
possuem um esqueleto silicoso ou calcário, não
possuem sistema muscular, nervoso e sem
diferenciação entre órgãos, por isso chamados
parazoários.
Em certas esponjas, o esqueleto não possui
espículas, mas tem a rede de espongina
bastante desenvolvida. As esponjas desse
tipo é que foram muito utilizadas no passado
para banho e limpeza doméstica.
Organização do corpo dos poríferos
O corpo de um porífero possui células que apresentam
uma certa divisão de trabalho. Algumas dessas células são
organizadas de tal maneira que formam pequenos orifícios,
denominados poros, em todo o corpo do animal. É por isso
que esses seres recebem o nome de poríferos.
Veja no esquema a seguir que a água penetra no corpo do
animal através dos vários poros existentes em seu corpo.
Ela alcança então uma cavidade central denominada átrio.
Observe também que a parede do corpo é revestida
externamente por células achatadas que formam a
epiderme. Já internamente, a parede do corpo é revestida
por células denominadas coanócitos.
Cada coanócito possui um longo flagelo. O batimento dos flagelos promove um contínuo
fluxo de água do ambiente para o átrio do animal. A essa água estão misturados restos
orgânicos e microrganismos, que são capturados e digeridos pelos coanócitos. O material
digerido é então distribuído para as demais células do animal. Como a digestão ocorre no
interior de células, diz-se que os poríferos apresentam digestão intracelular.
• Reprodução
Os poríferos podem se reproduzir das seguintes
formas:
Assexuada
• Brotamento: surge um broto no corpo da esponja,
que pode se soltar e dar origem à um novo
indivíduo.
• Fragmentação: pequenos fragmentos de uma
esponja podem dar origem a novos indivíduos,
pois as esponjas possuem um grande poder de
regeneração.
• Gemulação: ocorre em espécies de água doce.
Formam-se gêmulas, estruturas de resistência que
se formam no interior do corpo da esponja. São
Sexuada
A maior parte das esponjas é hermafrodita. Os
gametas são formados em células chamadas
gonococos , que são derivadas dos amebócitos.
Os espermatozoides saem da esponja pelo
ósculo e penetram em outra esponja pelos
poros, junto com a corrente de água. São
captados pelos conócitos e transferidos até os
óvulos, que ficam na mesolécita , e promovem a
fecundação. Do ovo surgirá uma larva ciliada, de
vida livre, que abandona a esponja e nada até se
fixar em um substrato e dar origem a um novo
indivíduo.
istema nervoso
s esponjas não apresentam sistema nervoso.
espiração
ambém não apresentam sistema respiratório , e as trocas
asosas ocorrem por difusão.
irculação
circulação é basicamente de água, alimento e
spermatozoides, que entram pelos poros e saem pelo ósculo,
romovida pelo movimento dos flagelos dos conócitos
xcreção
excreção é feita por difusão.
Cnidários
• O filo Cnidária (cnidários) está representado
pelas hidras, medusas ou água-vivas, corais e anêmonas-do-mar.
• Os cnidários são os primeiros animais a apresentarem uma
cavidade digestiva no corpo, fato que gerou o nome celenterado,
destacando a importância evolutiva dessa estrutura, que foi
mantida nos demais animais. A presença de uma cavidade digestiva
permitiu aos animais ingerirem porções maiores de alimento, pois
nela o alimento pode ser digerido e reduzido a pedaços menores,
antes de ser absorvido pelas células.
• Com base no aspecto externo do corpo, os cnidários
apresentam simetria radial. Eles são os primeiros animais na escala
evolutiva a apresentarem tecidos verdadeiros, embora ainda não
cheguem a formar órgãos.
• No filo cnidária existem basicamente dois tipos morfológicos de
indivíduos: as medusas, que são natantes e os pólipos, que são
sésseis. Eles podem formar colônias, como é o caso dos corais
(colônias sésseis) e das caravelas (colônias flutuantes).
Os polipos e as medusas, formas aparentemente
muito diferentes entre si, possuem muitas
características em comum e que definem o filo,
como veremos.
Nos cnidários existe um tipo especial de célula
denominada cnidócito, que apesar de ocorrer ao
longo de toda a superfície do animal, aparece em
maior quantidade nos tentáculos. Ao ser tocado o
cnidócito lança o nematocisto, estrutura
penetrante que possui um longo filamento através
do qual o líquido urticante contido em seu interior
é eliminado. Esse líquido pode provocar sérias
queimaduras no homem.
Essas células participam da defesa dos cnidários
contra predadores e também da captura de presas.
Valendo-se das substâncias produzidas pelos
cnidócitos, eles conseguem paralisar
imediatamente os pequenos animais capturados
por seus tentáculos.
Foi a presença do cnidócito que deu o nemo ao filo
Cnidaria (que têm cnida = urtiga)
Os polipos e as medusas, formas
aparentemente muito diferentes
entre si, possuem muitas
características em comum e que
definem o filo, como veremos.
Nos cnidários existe um tipo especial
de célula denominada cnidócito, que
apesar de ocorrer ao longo de toda a
superfície do animal, aparece em
maior quantidade nos tentáculos. Ao
ser tocado o cnidócito lança o
nematocisto, estrutura penetrante
que possui um longo filamento
através do qual o líquido urticante
contido em seu interior é eliminado.
Esse líquido pode provocar sérias
queimaduras no homem.
Essas células participam da defesa dos
cnidários contra predadores e
também da captura de presas.
Valendo-se das substâncias
produzidas pelos cnidócitos, eles
conseguem paralisar imediatamente
os pequenos animais capturados por
seus tentáculos.
Foi a presença do cnidócito que deu o
nemo ao filo Cnidaria (que
têm cnida = urtiga)
A epiderme e a gastroderme são duas camadas
celulares derivadas de tecidos embrionários
denominados genericamente folhetos
germinativos. A epiderme deriva do folheto
germinativo chamado ectoderme (ecto=
externo, derme = tecido de revestimento), que
reveste externamente o corpo do embrião; a
gastroderme deriva do folheto denominado
endoderme (endo=interno), que reveste o tubo
digestivo do embrião. Os cnidários são
considerados animais diblásticos.
Os poriferos, apesar de não formarem tecido
verdadeiros, são considerados animais
diblásticos, pois durante o desenvolvimento
embrionário surgem apenas duas camadas de
células - uma externa e outra interna -, que
corresponde às duas camadas de células que
formam o corpo do adulto: a externa formada
pelos pinacócitos e a interna formada pelos
coanócitos ou coanócitos e pinacócitos
internos.
Os demais animais são triblásticos
ou triploblasticos, pois possuem três folhetos
germinativos: a ectoderme, a endoderme e a
mesoderme (meso=no meio), que se
desenvolve entre a ecto e a endoderme.
Os cnidários são os primeiros animais a apresentarem células nervosas (neurônios). Nesses animais, os
neurônios dispõem-se de modo difuso pelo corpo, o que é uma condição primitiva entre os animais.
Os cnidários apresentam movimentos de contração e de extensão do corpo, além de poderem apresentar
deslocamentos. São, portanto, os primeiros animais a realizarem essas funções.
http://www.infoescola.com/biologia/poriferos-porifera/
http://www.escolakids.com/poriferos.htm
http://www.sobiologia.com.br/conteudos/Reinos2/porifero.php
http://www.sobiologia.com.br/conteudos/Reinos2/biocnidario.php
• Marcelo de Bastos 17
• Phelipe Gabriel 35
• Julia Antonia 14
• Iale Santos 08
Números :
Maria Teresa Iannaco Grego

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Poríferos e cnidários
Poríferos e cnidáriosPoríferos e cnidários
Poríferos e cnidários
Fabiano Reis
 
Anelídeos, Moluscos e Artrópodos (Power Point)
Anelídeos, Moluscos e Artrópodos (Power Point)Anelídeos, Moluscos e Artrópodos (Power Point)
Anelídeos, Moluscos e Artrópodos (Power Point)
Bio
 
Tecido nervoso
Tecido nervosoTecido nervoso
Tecido nervoso
Andreza Campos
 
Cnidários ( Power Point ) 1
Cnidários ( Power Point ) 1Cnidários ( Power Point ) 1
Cnidários ( Power Point ) 1
Bio
 
Platelmintos Nematelmintos Anelideos
Platelmintos Nematelmintos AnelideosPlatelmintos Nematelmintos Anelideos
Platelmintos Nematelmintos Anelideos
Luis Otavio Tassinari
 
Os invertebrados
Os invertebrados Os invertebrados
Os invertebrados
unhadecorada
 
Poriferos cnidarios 2m
Poriferos cnidarios 2mPoriferos cnidarios 2m
Poriferos cnidarios 2m
Laguat
 
Biologia - Especiação
Biologia - EspeciaçãoBiologia - Especiação
Biologia - Especiação
Carson Souza
 
Tecido sanguineo
Tecido sanguineoTecido sanguineo
Tecido sanguineo
Marcia Bantim
 
Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)
Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)
Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)
Bio
 
Moluscos e anelídeos
Moluscos e anelídeosMoluscos e anelídeos
Moluscos e anelídeos
Marcos Santos
 
Filo Moluscos (Power Point)
Filo Moluscos (Power Point)Filo Moluscos (Power Point)
Filo Moluscos (Power Point)
Bio
 
Aula completa reino protista
Aula completa reino protistaAula completa reino protista
Aula completa reino protista
Nelson Costa
 
Sistema cardiovascular - 8º ano
Sistema cardiovascular - 8º anoSistema cardiovascular - 8º ano
Sistema cardiovascular - 8º ano
Governo do Estado do Rio Grande do Sul
 
Tipos de Tecido
Tipos de TecidoTipos de Tecido
Tipos de Tecido
Killer Max
 
Cnidários
CnidáriosCnidários
Biologia - Platelmintos
Biologia - PlatelmintosBiologia - Platelmintos
Biologia - Platelmintos
Carson Souza
 
Aula 8º ano - Reprodução humana
Aula 8º ano - Reprodução humanaAula 8º ano - Reprodução humana
Aula 8º ano - Reprodução humana
Leonardo Kaplan
 
8 ano sistema digestório
8 ano sistema digestório8 ano sistema digestório
8 ano sistema digestório
crisbassanimedeiros
 
7º ano cap 15 platelmintos e nematelmintos
7º ano cap 15 platelmintos e nematelmintos7º ano cap 15 platelmintos e nematelmintos
7º ano cap 15 platelmintos e nematelmintos
ISJ
 

Mais procurados (20)

Poríferos e cnidários
Poríferos e cnidáriosPoríferos e cnidários
Poríferos e cnidários
 
Anelídeos, Moluscos e Artrópodos (Power Point)
Anelídeos, Moluscos e Artrópodos (Power Point)Anelídeos, Moluscos e Artrópodos (Power Point)
Anelídeos, Moluscos e Artrópodos (Power Point)
 
Tecido nervoso
Tecido nervosoTecido nervoso
Tecido nervoso
 
Cnidários ( Power Point ) 1
Cnidários ( Power Point ) 1Cnidários ( Power Point ) 1
Cnidários ( Power Point ) 1
 
Platelmintos Nematelmintos Anelideos
Platelmintos Nematelmintos AnelideosPlatelmintos Nematelmintos Anelideos
Platelmintos Nematelmintos Anelideos
 
Os invertebrados
Os invertebrados Os invertebrados
Os invertebrados
 
Poriferos cnidarios 2m
Poriferos cnidarios 2mPoriferos cnidarios 2m
Poriferos cnidarios 2m
 
Biologia - Especiação
Biologia - EspeciaçãoBiologia - Especiação
Biologia - Especiação
 
Tecido sanguineo
Tecido sanguineoTecido sanguineo
Tecido sanguineo
 
Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)
Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)
Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)
 
Moluscos e anelídeos
Moluscos e anelídeosMoluscos e anelídeos
Moluscos e anelídeos
 
Filo Moluscos (Power Point)
Filo Moluscos (Power Point)Filo Moluscos (Power Point)
Filo Moluscos (Power Point)
 
Aula completa reino protista
Aula completa reino protistaAula completa reino protista
Aula completa reino protista
 
Sistema cardiovascular - 8º ano
Sistema cardiovascular - 8º anoSistema cardiovascular - 8º ano
Sistema cardiovascular - 8º ano
 
Tipos de Tecido
Tipos de TecidoTipos de Tecido
Tipos de Tecido
 
Cnidários
CnidáriosCnidários
Cnidários
 
Biologia - Platelmintos
Biologia - PlatelmintosBiologia - Platelmintos
Biologia - Platelmintos
 
Aula 8º ano - Reprodução humana
Aula 8º ano - Reprodução humanaAula 8º ano - Reprodução humana
Aula 8º ano - Reprodução humana
 
8 ano sistema digestório
8 ano sistema digestório8 ano sistema digestório
8 ano sistema digestório
 
7º ano cap 15 platelmintos e nematelmintos
7º ano cap 15 platelmintos e nematelmintos7º ano cap 15 platelmintos e nematelmintos
7º ano cap 15 platelmintos e nematelmintos
 

Destaque

Breve Sistema de Desenvolvimento Merrii a31
Breve Sistema de Desenvolvimento Merrii a31Breve Sistema de Desenvolvimento Merrii a31
Breve Sistema de Desenvolvimento Merrii a31
Lojamundi
 
Geography of Bihar by Eithasab Ahmed
Geography of Bihar by Eithasab AhmedGeography of Bihar by Eithasab Ahmed
Geography of Bihar by Eithasab Ahmed
Ponnuru Varun
 
Prescrition co-owners- pdf
Prescrition   co-owners- pdfPrescrition   co-owners- pdf
Prescrition co-owners- pdf
sahib rox
 
Disneyland Project presenting slide for HTM
Disneyland Project presenting slide for HTMDisneyland Project presenting slide for HTM
Disneyland Project presenting slide for HTM
Apichart Namsiriviwat
 
Top Thirty Global Media Owners 2014
Top Thirty Global Media Owners 2014Top Thirty Global Media Owners 2014
Top Thirty Global Media Owners 2014
Performics
 
Break Through
Break ThroughBreak Through
Break Through
Stanley Tan
 
Video Sharing Services
Video Sharing ServicesVideo Sharing Services
Video Sharing Services
Nikos Drandakis
 
Creating an Evolving Social Technology Strategy
Creating an Evolving Social Technology StrategyCreating an Evolving Social Technology Strategy
Creating an Evolving Social Technology Strategy
Perficient, Inc.
 
Sweden Presetasion
Sweden PresetasionSweden Presetasion
Sweden Presetasion
oldusel
 
Excellence land rover
Excellence land roverExcellence land rover
Excellence land rover
nirmal francis
 
KCB May 2008 Cover
KCB May 2008 CoverKCB May 2008 Cover
KCB May 2008 Cover
rsmacintosh
 
Linus Torvalds Just For Fun
Linus Torvalds Just For FunLinus Torvalds Just For Fun
Linus Torvalds Just For Fun
pps_ps
 
P1(2016)ustidham qiraati 4 july 2015
P1(2016)ustidham qiraati 4 july 2015P1(2016)ustidham qiraati 4 july 2015
P1(2016)ustidham qiraati 4 july 2015
noorishamirsyad
 
Sed petrolgy[1]
Sed petrolgy[1]Sed petrolgy[1]
Sed petrolgy[1]
D POSITIVE WORLD
 
Kehamilan dengan bekas seksio sesarea
Kehamilan dengan bekas seksio sesareaKehamilan dengan bekas seksio sesarea
Kehamilan dengan bekas seksio sesarea
Rsia Muslimat
 
Bs 9arr
Bs 9arrBs 9arr
Bs 9arr
Rajib Rahman
 

Destaque (16)

Breve Sistema de Desenvolvimento Merrii a31
Breve Sistema de Desenvolvimento Merrii a31Breve Sistema de Desenvolvimento Merrii a31
Breve Sistema de Desenvolvimento Merrii a31
 
Geography of Bihar by Eithasab Ahmed
Geography of Bihar by Eithasab AhmedGeography of Bihar by Eithasab Ahmed
Geography of Bihar by Eithasab Ahmed
 
Prescrition co-owners- pdf
Prescrition   co-owners- pdfPrescrition   co-owners- pdf
Prescrition co-owners- pdf
 
Disneyland Project presenting slide for HTM
Disneyland Project presenting slide for HTMDisneyland Project presenting slide for HTM
Disneyland Project presenting slide for HTM
 
Top Thirty Global Media Owners 2014
Top Thirty Global Media Owners 2014Top Thirty Global Media Owners 2014
Top Thirty Global Media Owners 2014
 
Break Through
Break ThroughBreak Through
Break Through
 
Video Sharing Services
Video Sharing ServicesVideo Sharing Services
Video Sharing Services
 
Creating an Evolving Social Technology Strategy
Creating an Evolving Social Technology StrategyCreating an Evolving Social Technology Strategy
Creating an Evolving Social Technology Strategy
 
Sweden Presetasion
Sweden PresetasionSweden Presetasion
Sweden Presetasion
 
Excellence land rover
Excellence land roverExcellence land rover
Excellence land rover
 
KCB May 2008 Cover
KCB May 2008 CoverKCB May 2008 Cover
KCB May 2008 Cover
 
Linus Torvalds Just For Fun
Linus Torvalds Just For FunLinus Torvalds Just For Fun
Linus Torvalds Just For Fun
 
P1(2016)ustidham qiraati 4 july 2015
P1(2016)ustidham qiraati 4 july 2015P1(2016)ustidham qiraati 4 july 2015
P1(2016)ustidham qiraati 4 july 2015
 
Sed petrolgy[1]
Sed petrolgy[1]Sed petrolgy[1]
Sed petrolgy[1]
 
Kehamilan dengan bekas seksio sesarea
Kehamilan dengan bekas seksio sesareaKehamilan dengan bekas seksio sesarea
Kehamilan dengan bekas seksio sesarea
 
Bs 9arr
Bs 9arrBs 9arr
Bs 9arr
 

Semelhante a Poríferos e cnidários 3C- 2015

Poliferos e Cnidários.pptx
Poliferos e Cnidários.pptxPoliferos e Cnidários.pptx
Poliferos e Cnidários.pptx
RonaldoAlves313237
 
Porferos e celenterados_-_2011
Porferos e celenterados_-_2011Porferos e celenterados_-_2011
Porferos e celenterados_-_2011
ISJ
 
Poríferos e cnidários
Poríferos e cnidáriosPoríferos e cnidários
Poríferos e cnidários
Daniela Motta
 
Poríferos
PoríferosPoríferos
Poríferos
Andrea Barreto
 
Invertebrados marinhos 1o b
Invertebrados marinhos 1o bInvertebrados marinhos 1o b
Invertebrados marinhos 1o b
SESI 422 - Americana
 
Poliferos e Cnidários
Poliferos e CnidáriosPoliferos e Cnidários
Poliferos e Cnidários
Sirleide Silva
 
PORIFEROS PPT.pdf
PORIFEROS PPT.pdfPORIFEROS PPT.pdf
PORIFEROS PPT.pdf
AlexandreDuarte100
 
Cnidários
CnidáriosCnidários
Cnidários
Roberta Almeida
 
Trabalho de biologia características gerais dos seres vivos
Trabalho de biologia características gerais dos seres vivosTrabalho de biologia características gerais dos seres vivos
Trabalho de biologia características gerais dos seres vivos
Alessandra Miranda
 
Poríferoslides
PoríferoslidesPoríferoslides
Poríferoslides
Leonice Santos
 
7º ano cap 14 cnidários 2012
7º ano  cap 14 cnidários 20127º ano  cap 14 cnidários 2012
7º ano cap 14 cnidários 2012
ISJ
 
Poriferos E Cndarios
Poriferos E CndariosPoriferos E Cndarios
Poriferos E Cndarios
Luis Otavio Tassinari
 
Poriferos
PoriferosPoriferos
Poriferos
Bruno Luiz
 
Invertebrados
InvertebradosInvertebrados
Invertebrados
SESI 422 - Americana
 
Características gerais dos seres vivos
Características gerais dos seres vivosCaracterísticas gerais dos seres vivos
Características gerais dos seres vivos
Alessandra Miranda
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
cholomatheus
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
cholomatheus
 
Porifero Cnidaria
Porifero CnidariaPorifero Cnidaria
Porifero Cnidaria
ANA LUCIA FARIAS
 
Reino animalia
Reino animaliaReino animalia
Reino animalia
Danie Gongui
 
Poríferos e Cnidários
Poríferos e CnidáriosPoríferos e Cnidários
Poríferos e Cnidários
Andrea Lemos
 

Semelhante a Poríferos e cnidários 3C- 2015 (20)

Poliferos e Cnidários.pptx
Poliferos e Cnidários.pptxPoliferos e Cnidários.pptx
Poliferos e Cnidários.pptx
 
Porferos e celenterados_-_2011
Porferos e celenterados_-_2011Porferos e celenterados_-_2011
Porferos e celenterados_-_2011
 
Poríferos e cnidários
Poríferos e cnidáriosPoríferos e cnidários
Poríferos e cnidários
 
Poríferos
PoríferosPoríferos
Poríferos
 
Invertebrados marinhos 1o b
Invertebrados marinhos 1o bInvertebrados marinhos 1o b
Invertebrados marinhos 1o b
 
Poliferos e Cnidários
Poliferos e CnidáriosPoliferos e Cnidários
Poliferos e Cnidários
 
PORIFEROS PPT.pdf
PORIFEROS PPT.pdfPORIFEROS PPT.pdf
PORIFEROS PPT.pdf
 
Cnidários
CnidáriosCnidários
Cnidários
 
Trabalho de biologia características gerais dos seres vivos
Trabalho de biologia características gerais dos seres vivosTrabalho de biologia características gerais dos seres vivos
Trabalho de biologia características gerais dos seres vivos
 
Poríferoslides
PoríferoslidesPoríferoslides
Poríferoslides
 
7º ano cap 14 cnidários 2012
7º ano  cap 14 cnidários 20127º ano  cap 14 cnidários 2012
7º ano cap 14 cnidários 2012
 
Poriferos E Cndarios
Poriferos E CndariosPoriferos E Cndarios
Poriferos E Cndarios
 
Poriferos
PoriferosPoriferos
Poriferos
 
Invertebrados
InvertebradosInvertebrados
Invertebrados
 
Características gerais dos seres vivos
Características gerais dos seres vivosCaracterísticas gerais dos seres vivos
Características gerais dos seres vivos
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
 
Porifero Cnidaria
Porifero CnidariaPorifero Cnidaria
Porifero Cnidaria
 
Reino animalia
Reino animaliaReino animalia
Reino animalia
 
Poríferos e Cnidários
Poríferos e CnidáriosPoríferos e Cnidários
Poríferos e Cnidários
 

Mais de Maria Teresa Iannaco Grego

Abelha azul 2º A
Abelha azul 2º AAbelha azul 2º A
Abelha azul 2º A
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Morsa 3ºB
Morsa 3ºBMorsa 3ºB
Desastres naturais II 2º A
Desastres naturais II 2º ADesastres naturais II 2º A
Desastres naturais II 2º A
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Tubarão 2º c II
Tubarão 2º c IITubarão 2º c II
Tubarão 2º c II
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Foca 1º C
Foca  1º CFoca  1º C
Aquecimento global 2º A
Aquecimento global 2º AAquecimento global 2º A
Aquecimento global 2º A
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Baleias 3º A
Baleias 3º ABaleias 3º A
Efeito da-poluição-nos-corais-1°B
Efeito da-poluição-nos-corais-1°BEfeito da-poluição-nos-corais-1°B
Efeito da-poluição-nos-corais-1°B
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Pinguins-2º C
Pinguins-2º CPinguins-2º C
A vila socó 2º c
A vila socó 2º cA vila socó 2º c
A vila socó 2º c
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Lixo nas grandes cidades 1º D
Lixo nas grandes cidades  1º DLixo nas grandes cidades  1º D
Lixo nas grandes cidades 1º D
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Plantas carnívoras 3 C
Plantas carnívoras 3 CPlantas carnívoras 3 C
Plantas carnívoras 3 C
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Desastres naturais 2º A
Desastres naturais 2º ADesastres naturais 2º A
Desastres naturais 2º A
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Desastres naturais 2 A
Desastres naturais 2 ADesastres naturais 2 A
Desastres naturais 2 A
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Pinguins2ºC
Pinguins2ºCPinguins2ºC
Leão 1 B
Leão 1 BLeão 1 B
Panda 1 C
Panda 1 CPanda 1 C
Girafas 1 C
Girafas  1 CGirafas  1 C
ÁGuia 1 A
ÁGuia 1 AÁGuia 1 A
Agrotoxico e meio ambiente -3ºA
Agrotoxico  e meio ambiente -3ºAAgrotoxico  e meio ambiente -3ºA
Agrotoxico e meio ambiente -3ºA
Maria Teresa Iannaco Grego
 

Mais de Maria Teresa Iannaco Grego (20)

Abelha azul 2º A
Abelha azul 2º AAbelha azul 2º A
Abelha azul 2º A
 
Morsa 3ºB
Morsa 3ºBMorsa 3ºB
Morsa 3ºB
 
Desastres naturais II 2º A
Desastres naturais II 2º ADesastres naturais II 2º A
Desastres naturais II 2º A
 
Tubarão 2º c II
Tubarão 2º c IITubarão 2º c II
Tubarão 2º c II
 
Foca 1º C
Foca  1º CFoca  1º C
Foca 1º C
 
Aquecimento global 2º A
Aquecimento global 2º AAquecimento global 2º A
Aquecimento global 2º A
 
Baleias 3º A
Baleias 3º ABaleias 3º A
Baleias 3º A
 
Efeito da-poluição-nos-corais-1°B
Efeito da-poluição-nos-corais-1°BEfeito da-poluição-nos-corais-1°B
Efeito da-poluição-nos-corais-1°B
 
Pinguins-2º C
Pinguins-2º CPinguins-2º C
Pinguins-2º C
 
A vila socó 2º c
A vila socó 2º cA vila socó 2º c
A vila socó 2º c
 
Lixo nas grandes cidades 1º D
Lixo nas grandes cidades  1º DLixo nas grandes cidades  1º D
Lixo nas grandes cidades 1º D
 
Plantas carnívoras 3 C
Plantas carnívoras 3 CPlantas carnívoras 3 C
Plantas carnívoras 3 C
 
Desastres naturais 2º A
Desastres naturais 2º ADesastres naturais 2º A
Desastres naturais 2º A
 
Desastres naturais 2 A
Desastres naturais 2 ADesastres naturais 2 A
Desastres naturais 2 A
 
Pinguins2ºC
Pinguins2ºCPinguins2ºC
Pinguins2ºC
 
Leão 1 B
Leão 1 BLeão 1 B
Leão 1 B
 
Panda 1 C
Panda 1 CPanda 1 C
Panda 1 C
 
Girafas 1 C
Girafas  1 CGirafas  1 C
Girafas 1 C
 
ÁGuia 1 A
ÁGuia 1 AÁGuia 1 A
ÁGuia 1 A
 
Agrotoxico e meio ambiente -3ºA
Agrotoxico  e meio ambiente -3ºAAgrotoxico  e meio ambiente -3ºA
Agrotoxico e meio ambiente -3ºA
 

Último

O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Falcão Brasil
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 

Último (20)

O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 

Poríferos e cnidários 3C- 2015

  • 1. E.E.PROFº LUIZ GONZAGA RIGHINI PORÍFEROS E CNIDÁRIOS 2015
  • 2. Os poríferos, também conhecidos como espongiários ou simplesmente esponjas, surgiram provavelmente há cerca de 1 bilhão de anos. Supõe-se que eles sejam originados de seres unicelulares e heterótrofos que se agrupam em colônias.
  • 3. Filo Porífera Animais dotados de poros por todo o corpo, por isso chamados de poríferos, e com um aspecto esponjoso, macio e flexível, podendo ser usados como esponja de banho. São também chamados de espongiários. Predominantemente marinhos, existindo apenas uma família de água doce, a Spongillidae. Sempre vivem fixos a um substrato, podem estar isolados ou em colônias; são filtradores, possuem um esqueleto silicoso ou calcário, não possuem sistema muscular, nervoso e sem diferenciação entre órgãos, por isso chamados parazoários.
  • 4. Em certas esponjas, o esqueleto não possui espículas, mas tem a rede de espongina bastante desenvolvida. As esponjas desse tipo é que foram muito utilizadas no passado para banho e limpeza doméstica.
  • 5. Organização do corpo dos poríferos O corpo de um porífero possui células que apresentam uma certa divisão de trabalho. Algumas dessas células são organizadas de tal maneira que formam pequenos orifícios, denominados poros, em todo o corpo do animal. É por isso que esses seres recebem o nome de poríferos. Veja no esquema a seguir que a água penetra no corpo do animal através dos vários poros existentes em seu corpo. Ela alcança então uma cavidade central denominada átrio. Observe também que a parede do corpo é revestida externamente por células achatadas que formam a epiderme. Já internamente, a parede do corpo é revestida por células denominadas coanócitos.
  • 6. Cada coanócito possui um longo flagelo. O batimento dos flagelos promove um contínuo fluxo de água do ambiente para o átrio do animal. A essa água estão misturados restos orgânicos e microrganismos, que são capturados e digeridos pelos coanócitos. O material digerido é então distribuído para as demais células do animal. Como a digestão ocorre no interior de células, diz-se que os poríferos apresentam digestão intracelular.
  • 7. • Reprodução Os poríferos podem se reproduzir das seguintes formas: Assexuada • Brotamento: surge um broto no corpo da esponja, que pode se soltar e dar origem à um novo indivíduo. • Fragmentação: pequenos fragmentos de uma esponja podem dar origem a novos indivíduos, pois as esponjas possuem um grande poder de regeneração. • Gemulação: ocorre em espécies de água doce. Formam-se gêmulas, estruturas de resistência que se formam no interior do corpo da esponja. São
  • 8. Sexuada A maior parte das esponjas é hermafrodita. Os gametas são formados em células chamadas gonococos , que são derivadas dos amebócitos. Os espermatozoides saem da esponja pelo ósculo e penetram em outra esponja pelos poros, junto com a corrente de água. São captados pelos conócitos e transferidos até os óvulos, que ficam na mesolécita , e promovem a fecundação. Do ovo surgirá uma larva ciliada, de vida livre, que abandona a esponja e nada até se fixar em um substrato e dar origem a um novo indivíduo.
  • 9. istema nervoso s esponjas não apresentam sistema nervoso. espiração ambém não apresentam sistema respiratório , e as trocas asosas ocorrem por difusão. irculação circulação é basicamente de água, alimento e spermatozoides, que entram pelos poros e saem pelo ósculo, romovida pelo movimento dos flagelos dos conócitos xcreção excreção é feita por difusão.
  • 11. • O filo Cnidária (cnidários) está representado pelas hidras, medusas ou água-vivas, corais e anêmonas-do-mar. • Os cnidários são os primeiros animais a apresentarem uma cavidade digestiva no corpo, fato que gerou o nome celenterado, destacando a importância evolutiva dessa estrutura, que foi mantida nos demais animais. A presença de uma cavidade digestiva permitiu aos animais ingerirem porções maiores de alimento, pois nela o alimento pode ser digerido e reduzido a pedaços menores, antes de ser absorvido pelas células. • Com base no aspecto externo do corpo, os cnidários apresentam simetria radial. Eles são os primeiros animais na escala evolutiva a apresentarem tecidos verdadeiros, embora ainda não cheguem a formar órgãos. • No filo cnidária existem basicamente dois tipos morfológicos de indivíduos: as medusas, que são natantes e os pólipos, que são sésseis. Eles podem formar colônias, como é o caso dos corais (colônias sésseis) e das caravelas (colônias flutuantes).
  • 12. Os polipos e as medusas, formas aparentemente muito diferentes entre si, possuem muitas características em comum e que definem o filo, como veremos. Nos cnidários existe um tipo especial de célula denominada cnidócito, que apesar de ocorrer ao longo de toda a superfície do animal, aparece em maior quantidade nos tentáculos. Ao ser tocado o cnidócito lança o nematocisto, estrutura penetrante que possui um longo filamento através do qual o líquido urticante contido em seu interior é eliminado. Esse líquido pode provocar sérias queimaduras no homem. Essas células participam da defesa dos cnidários contra predadores e também da captura de presas. Valendo-se das substâncias produzidas pelos cnidócitos, eles conseguem paralisar imediatamente os pequenos animais capturados por seus tentáculos. Foi a presença do cnidócito que deu o nemo ao filo Cnidaria (que têm cnida = urtiga)
  • 13. Os polipos e as medusas, formas aparentemente muito diferentes entre si, possuem muitas características em comum e que definem o filo, como veremos. Nos cnidários existe um tipo especial de célula denominada cnidócito, que apesar de ocorrer ao longo de toda a superfície do animal, aparece em maior quantidade nos tentáculos. Ao ser tocado o cnidócito lança o nematocisto, estrutura penetrante que possui um longo filamento através do qual o líquido urticante contido em seu interior é eliminado. Esse líquido pode provocar sérias queimaduras no homem. Essas células participam da defesa dos cnidários contra predadores e também da captura de presas. Valendo-se das substâncias produzidas pelos cnidócitos, eles conseguem paralisar imediatamente os pequenos animais capturados por seus tentáculos. Foi a presença do cnidócito que deu o nemo ao filo Cnidaria (que têm cnida = urtiga)
  • 14. A epiderme e a gastroderme são duas camadas celulares derivadas de tecidos embrionários denominados genericamente folhetos germinativos. A epiderme deriva do folheto germinativo chamado ectoderme (ecto= externo, derme = tecido de revestimento), que reveste externamente o corpo do embrião; a gastroderme deriva do folheto denominado endoderme (endo=interno), que reveste o tubo digestivo do embrião. Os cnidários são considerados animais diblásticos. Os poriferos, apesar de não formarem tecido verdadeiros, são considerados animais diblásticos, pois durante o desenvolvimento embrionário surgem apenas duas camadas de células - uma externa e outra interna -, que corresponde às duas camadas de células que formam o corpo do adulto: a externa formada pelos pinacócitos e a interna formada pelos coanócitos ou coanócitos e pinacócitos internos. Os demais animais são triblásticos ou triploblasticos, pois possuem três folhetos germinativos: a ectoderme, a endoderme e a mesoderme (meso=no meio), que se desenvolve entre a ecto e a endoderme.
  • 15. Os cnidários são os primeiros animais a apresentarem células nervosas (neurônios). Nesses animais, os neurônios dispõem-se de modo difuso pelo corpo, o que é uma condição primitiva entre os animais. Os cnidários apresentam movimentos de contração e de extensão do corpo, além de poderem apresentar deslocamentos. São, portanto, os primeiros animais a realizarem essas funções.
  • 17. • Marcelo de Bastos 17 • Phelipe Gabriel 35 • Julia Antonia 14 • Iale Santos 08 Números : Maria Teresa Iannaco Grego