SlideShare uma empresa Scribd logo
REINO METAZOA (ANIMALIA)

Os animais compõem um reino com mais de um milhão de espécies. No entanto, fósseis encontrados revelam que uma
quantidade muito maior de espécies animais já viveu na Terra, mas hoje estão extintas.
Nós, os seres vivos, somos muitos e temos as mais variadas formas e tamanhos - desde corpos microscópicos, como o ácaro,
até corpos gigantescos como o da baleia-azul. Alguns com forma, organização e funcionamento do corpo simples, como uma
esponja-do-mar; outros, com a estrutura complexa de um mamífero.




              Microscopia eletônica do Ácaros que
            medem cerca de 0.2 a 0.5mm sendo muito                       Baleia azul encalhada.
                   difíceis de ver a olhos nu.


Apesar da grande diversidade, quase todos os animais apresentam uma característica em comum: são formados por milhares
de células de diversos tipos. Outro aspecto comum aos seres do reino Animal é que obtêm o seu alimento a partir de outros
seres vivos.
Os animais habitam quase todos os ambientes conhecidos do nosso planeta, podendo ser encontrados tanto em grandes
altitudes nas montanhas quanto em profundas fossas marinhas.
A maioria das espécies é capaz de se locomover, isto é, mover o corpo de um lugar para o outro. No entanto, há espécies que
vivem fixas, ou seja, sésseis, no ambiente, como as esponjas-do-mar.

                                           O que é vertebrado e invertebrado?

Os animais são estudados pela zoologia - campo da ciência cujo nome origina-se da língua grega: zoo significa "animal", e
logia, "estudo".
Para facilitar o estudo, é importante classificar os animais. Uma das formas de fazer essa classificação é dividi-los em dois
grandes grupos: vertebrados e invertebrados.
No grupo dos vertebrados estão os animais que, como os seres humanos, possuem coluna vertebral. Já o grupo
dos invertebrados é formado por aqueles que não possuem coluna vertebral.
A coluna vertebral é um tipo de eixo esquelético formado por peças articuladas entre si - as vértebras-, que podem ser ósseas
ou cartilaginosas. As articulações permitem a flexibilidade do esqueleto interno, facilitando a movimentação.

                     Observe a coluna vertebral do homem e no detalhe a articulação entre as vértebras.




                                                            Em amarelo as vértebras e em azul a articulação
                                                                     que permite o movimento.

A coluna vertebral, associada ao sistema muscular, garante que os animais movimentem-se em mantenham a sua estrutura
firme.
Poríferos

Os poríferos, também conhecidos como espongiários ou simplesmente esponjas, surgiram provavelmente há cerca de 1
bilhão de anos. Supõe-se que eles sejam originados de seres unicelulares e heterótrofos que se agrupam em colônias.
Veja o texto:
Talvez ao tomar banho, você goste de se ensaboar usando uma esponja sintética, feita de plástico ou de borracha, ou uma
bucha vegetal.




                                          Esponjas sintéticas de banho




                                                      Bucha vegetal

                Mas você já pensou em tomar banho ensaboando-se com o esqueleto de algum animal?
Antes da invenção das esponjas sintéticas, as esponjas naturais eram muito usadas pelas pessoas para tomar banho e na
limpeza doméstica, para esfregar panelas e copos, por exemplo. A esponja natural é o esqueleto macio de certas espécies de
animais do grupo dos poríferos; esses esqueletos são feitos de um emaranhado de delicadas fibras de uma proteína chamada
espongina.




Esses animais não possuem tecidos bem definidos e não apresentam órgãos e nem sistemas. São
exclusivamente aquáticos, predominantemente marinhos, mas existem algumas espécies que vivem em água doce.
Os poríferos vivem fixos a rochas ou a estruturas submersas, como conchas, onde podem formar colônias de coloração
variadas. Podem ses encontrados desde as regiões mais rasas das praias até profundidades de aproximadamente 6 mil
metros. Alimentam-se de restos orgânicos ou de microorganismos que capturam filtrando a água que penetra em seu corpo,
como veremos adiante. Por sua vez, servem de alimento para algumas espécies de animais, como certos moluscos, ouriços-
do-mar, estrelas-do-mar, peixes e tartarugas.

                                           Organização do corpo dos poríferos
O corpo de um porífero possui células que apresentam uma certa divisão de trabalho. Algumas dessas células são
organizadas de tal maneira que formam pequenos orifícios, denominados poros, em todo o corpo do animal. É por isso que
esses seres recebem o nome de poríferos (do latim porus: 'poro'; ferre: 'portador').
Observe no esquema abaixo que a água penetra no corpo do animal através dos vários poros existentes em seu corpo. Ela
alcança então uma cavidade central denominada átrio. Observe também que a parede do corpo é revestida externamente por
células achatadas que formam a epiderme. Já internamente, a parede do corpo é revestida por células
denominadas coanócitos.
Cada coanócito possui um longo flagelo. O batimento dos flagelos promove um contínuo fluxo de água do ambiente para o
átrio do animal. A essa água estão misturados restos orgânicos e microorganismos, que são capturados e digeridos pelos
coanócitos. O material digerido é então distribuído para as demais células do animal. Como a digestão ocorre no interior de
células, diz-se que os poríferos apresentam digestão intracelular.
Os poríferos são animais filtradores, já que filtram a água que penetra em seu corpo, retirando dela alimento e gás oxigênio.
Depois disso, a água com resíduos do metabolismo desses animais é eliminada para o ambiente por meio de uma abertura
denominada ósculo.
O esqueleto das esponjas é formado por diversos tipos de substâncias. Entre elas destacam-se asespícolas de calcário ou de
sílica, com formas variadas, e uma rede de proteína chamada espongina.




Em certas esponjas, o esqueleto não possui espículas, mas tem a rede de espongina bastante desenvolvida. As esponjas
desse tipo é que foram muito utilizadas no passado para banho e limpeza doméstica como no texto acima.
Espículas que sustentam o corpo dos       Espícula em detalhe - Microscopia
                    poríferos.                                eletrônica


Muitas espécies de poríferos, que ficam totalmente expostos aos predadores, apresentam mecanismos de defesa contra a
predação excessiva. O principal mecanismo é de natureza química, e ocorre deste modo: algumas esponjas produzem uma
substância tóxica e outras produzem substâncias com atividade anti-microbiana.




 No fundo do mar, corais, cnidários e poríferos entre outros competem pelos espaços em substratos sólidos, como as rochas.

Além de atuar como defesa contra predadores e infecções microbianas, essas substâncias tóxicas expelidas pelas esponjas,
são vantajosas na competição por espaço que os poríferos travam com outros invertebrados, como os corais, e até mesmo
com outras esponjas. Isso permite a algumas esponjas cresçam rapidamente.
Também são muito comuns relações de comensalismo. A estrutura do corpo das esponjas e as suas defesas contra
predadores tornam esses animais excelentes refúgios para invertebrados menores e até mesmo para alguns peixes. Várias
espécies dependem dessa proteção na sua fase jovem, do contrário suas populações não ficariam estáveis.

Outras associações comuns são aquelas envolvendo esponjas, bactérias e cianobactérias. Provavelmente, o organismo das
esponjas constitui um meio rico para o crescimento das bactérias e, ao mesmo tempo, se beneficia de um estoque de bactérias
usadas na sua nutrição.

                                              A reprodução dos poríferos
A reprodução dos poríferos pode ser assexuada ou sexuada.
Assexuada - Ocorre, por exemplo, por brotamento. Neste caso, formam-se brotos, que podem se separar do corpo do animal
e dar origem a novas esponjas. Observe o esquema abaixo.




  As esponjas apresentam ainda grande capacidade de regeneração. Se uma esponja for partida em pedaços, cada pedaço
                                        poderá dar origem a uma nova esponja.

Sexuada. Neste caso, quando os espermatozóides (gametas masculinos) estão maduros, eles saem pelo ósculo, junto com a
corrente de água, e penetram em outra esponja, onde um deles fecunda um óvulo (gameta feminino). Após a fecundação, que
é interna, forma-se uma célula ovo ou zigoto, que se desenvolve e forma uma larva. A larva sai do corpo da esponja, nada com
a ajuda de cílios e se fixa, por exemplo, numa rocha, onde se desenvolve até originar uma nova esponja.




                                                Os Cnidários ou Celenterados

A palavra celenterado deriva do grego Koilos, que significa 'compartimento', 'cavidade', e entheron, que diz respeito a
'intestino'. A palavra cnidário deriva do grego knidos e significa 'urticante', 'que queima'.

                                          A organização do corpo dos celenterados

Os celenterados podem apresentar-se sob duas formas: pólipos ou medusas.
Pólipos. Têm o corpo cilíndrico e vivem geralmente fixos, por exemplo, numa rocha. Na sua extremidade livre, apresentam
tentáculos em volta da boca.




Medusas. Têm o corpo em forma que lembra um guarda-chuva. Seus tentáculos se distribuem ao longo da margem do corpo,
no centro do qual fica a boca. Nadam livremente, embora geralmente de maneira limitada, ou são carregadas pelas correntes
de água.
O corpo dos celenterados possui uma única abertura - a boca. Essa abertura fica em contato com uma cavidade
denominada cavidade digestória.
A parede do corpo é revestida externamente pela epiderme. Algumas células epidérmicas apresentam-se modificadas: são
os cnidócitos. Observe o esquema:




Cada cnidócito possui uma cápsula - o nematocisto - que abriga em seu interior um tubo filamentoso enovelado, portador de
um líquido urticante. O nematocisto contém ainda um cílio sensorial que atua como um "gatilho": ao ser tocado, o nematocisto
"dispara" o filamento urticante e injeta o veneno no corpo de presas ou de predadores, por exemplo, podendo causar-lhes
sérios ferimentos e até mesmo a morte. Para tanto, é necessária a ação conjunta de muitos cnidócitos. Assim, os cnidócitos
servem para a captura de alimentos ou para a defesa do animal.




Quando uma presa é capturada, ela é levada até a boca do animal e chega até a cavidade digestória. Nessa cavidade, o
alimento é parcialmente digerido e depois absorvido por determinadas células, no interior das quais a digestão se completa.
Por isso se diz que a digestão nos celenterados é extracelular (na cavidade digestória) e também intracelular (no interior de
células). Os resíduos não aproveitados são eliminados através da boca.

                                         As principais classes de celenterados
Os celenterados dividem-se em três classes principais:
     hidrozoários, representados pelas hidras e caravelas;
     cifozoários, representados pelas águas-vivas;
     antozoários, representados pelas actínias ou anêmonas-do-mar e pelos corais.

                                                             Hidras


                           São hidrozoários com o corpo em forma de pólipo. Vivem em água doce,
                           preferencialmente em águas frias e limpas, presas por uma extremidades a uma
                           rocha ou a vegetação aquática.
                           Têm cor verde, parda ou cinza. Algumas hidras podem se locomover dando
                           "cambalhotas".




                                                           Caravelas


São colônias formadas principalmente por vários pólipos transparentes que como
um todo, ficam flutuando sobre a água dos oceanos. Na colônia, grupos
diferentes de pólipos desempenham funções diferentes. Uns promovem a
digestão dos alimentos, alguns a reprodução, outros a proteção de toda a
colônia, por exemplo.

Caravela, organismo colonial. Vivem em alto-mar e possui longos tentáculos de
 até 20 metros ou mais. As substâncias urticantes que fabrica podem causar
                  sérias queimaduras em seres humanos.


                                                        Águas-vivas
Têm o corpo em forma de medusa. Seu tamanho varia muito de uma espécie para a outra. Algumas podem ter alguns
milímetros de diâmetro, enquanto outras têm mais de dois metros de diâmetro. Certas águas-vivas do gênero Cyanea, que
vivem no oceano Ártico, possuem tentáculos de até 30 metros de comprimento.

                                              Actínias ou anêmonas-do-mar
Têm o corpo em forma de pólipos. Possuem cores e tamanhos variados, medindo desde alguns milímetros até um metro ou
mais de diâmetro. São encontradas fixas a um suporte: uma rocha, um pedaço de madeira ou carapaças de outros animais.

                                                         Curiosidade
O peixe-palhaço ou anfitrião passa todo o tempo perto das anêmonas-do-mar. Ele se esconde do perigo e dorme no meio dos
tentáculos venenosos da anêmona. Às vezes, chega mesmo a roubar alimento da boca de sua protetora, embora também
traga comida para um lugar onde ela alcance. Este pequeno peixe, ao contrário de outros, está a salvo dos ferrões da
anêmona.
O motivo pelo qual o peixe-palhaço não sofre os efeitos das células urticantes da anêmona ainda não é bem conhecido. Alguns
cientistas acreditam que o muco que recobre o peixe protege-o contra o veneno. Entretanto, somente os peixes-palhaços
sadios estão protegidos. Os doentes são mortos pela anêmona.
O peixe-palhaço ou anfitrião é encontrado nos oceanos Atlântico e Pacífico. É pequeno, ágil e de colorido brilhante. A fêmea
põe seus ovos na base de uma anêmona-do-mar.

                                                                Corais



Os corais organizam-se me colônias de pequenos pólipos
que fabricam um exoesqueleto ou esqueleto externo
calcário. Assim como acontece com as caravelas, nas
colônias de corais verifica-se a divisão de trabalho entre os
seus integrantes, com alguns grupos capturando alimentos,
outros promovendo a reprodução, e assim por diante.
Os corais apresentam as mais variadas cores, como
vermelho, branco, rosa, laranja ou amarelo. Por isso são
bastante utilizados na decoração de aquários e até na
fabricação de jóias. Vivem, em geral, em águas com
temperaturas médias anuais entre 20 e 25ºC e a
profundidade de aproximadamente 35 metros. Entretanto, já
foram encontrados alguns corais vivendo em grandes
profundidades.
Quando morrem, seus esqueletos permanecem intactos e
servem de suporte para outros pólipos da colônia,
formando, assim, os recifes de corais. Em muitos casos,
esses recifes oferecem perigo as embarcações,
constituindo verdadeiras armadilhas submarinas.

                                                                         Recife de corais visto de dentro do mar




                      Recife de corais formam uma barreira para as embarcações que chegam ao litoral.

                                               A reprodução dos celenterados

A reprodução dos celenterados pode ser assexuada ou sexuada. Em muitas espécies ocorrealternância de fases sexuada e
assexuada.
Assexuada. A reprodução assexuada ocorre geralmente por brotamento. Nesse
caso, formam-se brotos em determinadas regiões do corpo do animal; cada broto
se desenvolve e origina um novo indivíduo. Esse novo animal, pode se manter
unido ao indivíduo que o originou, formando colônias, ou se destacar e apresentar
vida independente.

  Hidra apresentando um broto, que se destacará do organismo adulto, cairá no
                      substrato e formará um novo indivíduo.
Sexuada. Nesse caso, os gametas masculinos (espermatozóides) são liberados
na água e nadam em busca de gametas femininos (óvulos). Dependendo da
espécie, o óvulo também pode ser liberado na água ou permanecer aderido na
superfície do corpo do animal em que foi produzido. Após a fecundação do óvulo,
o zigoto formado se desenvolve formando um embrião. Em algumas espécies, o
embrião origina diretamente um novo organismo semelhante aos pais. Em outras,
o embrião origina uma larva móvel, ela nada e acaba se fixando em algum lugar,
onde se transforma num novo indivíduo semelhante aos pais.



                                        Alternância de fases assexuada e sexuada
Em muitas espécies de celenterados, a reprodução envolve a alternância de uma fase assexuada com outra sexuada.
Destacaremos, para exemplificar, o que ocorre entre águas-vivas.
Na reprodução da água-viva, a fase sexuada acontece na forma de medusa, a fase mais desenvolvida do ciclo;
a assexuada ocorre na forma de pólipo, que é reduzida. Observe o esquema:




Depois que os espermatozóides fecundam o óvulo, forma-se o zigoto, que se desenvolve e origina um embrião. Do
desenvolvimento do embrião, forma-se uma larva que dará origem a um pequeno pólipo.
O pólipo cresce e reproduz-se assexuadamente; nesse processo seu corpo forma vários fragmentos que se destacam dele.
Cada fragmento pode originar uma medusa jovem, que se desenvolve originando um indivíduo adulto.
Reprodução sexuada da hidra. Observe que o embrião se desenvolve inicialmente no corpo feminino; depois de algum
tempo ele se destaca da mãe e origina uma nova hidra.

                                                     Os platelmintos

Os platelmintos são vermes que surgiram na Terra há provavelmente cerca de 600 milhões de anos. Esses animais têm o
corpo geralmente achatado, daí o nome do grupo: platelmintos (do grego platy: 'achatado'; e helmin: 'verme').
Os platelmintos, que compreendem em torno de 15 mil espécies, vivem principalmente em ambientes aquáticos, como
oceanos, rios e lagos; são encontrados também em ambientes terrestres úmidos. Alguns têm vida livre, outros parasitam
animais diversos, especialmente vertebrados.
Medindo desde alguns milímetros até metros de comprimento, os platelmintos possuem tubo digestório incompleto, ou seja,
têm apenas uma abertura - a boca-, por onde ingerem alimentos e eliminam as fezes; portanto, não possuem ânus. Alguns
nem tubo digestório têm e vivem adaptados à vida parasitária, absorvendo, através da pele, o alimento previamente digerido
pelo organismo hospedeiro.
Entre os muitos exemplos de platelmintos vamos estudar as planárias, as tênias e osesquistossomos.

                                                     As planárias
Medindo cerca de 1,5 cm de comprimento, esses platelmintos podem ser encontrados em córregos, lagos e lugares úmidos.
Locomovem-se com ajuda de cílios e alimentam-se de moluscos, de outros vermes e de cadáveres de animais maiores, entre
outros exemplos.




Na região anterior do corpo da planária localizam-se a cabeça e os órgãos dos sentidos: ocelos, estruturas capazes de
detectar contrastes entre claro e escuro, mas que não formam imagens; órgãos auriculares, expansões laterais da cabeça
capazes de perceber sensações gustatórias e olfatórias, auxiliando o animal na localização do alimento.
O corpo é achatado dorsiventralmente e possui a boca localizada na região ventral do corpo. O intestino da planária é bastante
ramificado e atua digerindo os alimentos e distribuindo para as demais partes do corpo.




A planária adulta é hermafrodita, isto é, apresenta tanto o sistema genital feminino quanto masculino. Quando duas planárias
estão sexualmente maduras e se encontram, elas podem copular.
Após a troca de espermatozóides através dos poros genitais, os animais se separam e os ovos são eliminados para o meio
externo. No interior de cada ovo, encerrado em cápsulas, desenvolve-se um embrião, que se transforma em uma jovem
planária.
As planárias tem grande poder de regeneração. Cortando-se o animal em alguns pedaços, cada um deles pode dar origem a
uma planária inteira. Observe o esquema a baixo.
Confira os outros integrantes do grupo dos platelmintos e as doenças causadas por elas: as Tênias e o Esquistossomo

                                                      Os Nematelmintos

    Os nematelmintos (do grego nematos: 'filamento', e helmin: 'vermes') são vermes de corpo cilíndrico, afilado nas
    extremidades. Muitas espécies são de vida livre e vivem em ambiente aquático outerrestre; outras são parasitas de
    plantas e de animais, inclusive o ser humano. Há mais de 10 mil espécies desse tipo de vermes catalogadas, mas cálculos
    feitos indicam a existência de muitas outras espécies, ainda desconhecidas.
    Ao contrário dos platelmintos, os nematelmintos possuem tubo digestório completo, com boca e ânus. Geralmente têm
    sexos separados, e as diferenças entre o macho e a fêmea podem ser bem nítidas, como no caso dos principais parasitas
    humanos. De modo geral o macho é menor do que a fêmea da mesma idade e sua extremidade posterior possui forma de
    gancho. Esses animais são envolvidos por uma fina e delicada película protetora, que é bem lisa e resistente.




                                                                Porção anterior de Ancylostoma duodenale,
           Lombriga (Ascaris lumbricoides)
                                                                mostrando boca com dentículos dilacerantes.


                                                Doenças causadas por Nematódeos
    Ancilóstomos, lombrigas, oxiúros e filárias são alguns exemplos de nematelmintos que parasitam os seres humanos:
    Oxiuríase, Filaríase, Ascaridíase, Ancilostomíase (Amarelão)
Os Moluscos

Ao passear na areias de uma praia, muitas pessoas gostam de admirar e pegar conchinhas trazidas pelas ondas. Essas
conchinhas são de diversos tamanhos, formas e cores. Muitas vezes, se tornam bijuterias, pequenos enfeites, ou até mesmo
elementos de uma coleção.




Os moluscos têm uma composição frágil, são animais de corpo mole, mas a maioria deles possui uma concha que protege o
corpo. Nesse grupo, encontramos o caracol, o marisco e a ostra. Há também os que apresentam a concha interna e reduzida,
como a lula, e os que não têm concha, como o polvo e a lesma, entre outros exemplos.




                                A concha da ostra protege de predadores, da dissecação etc.

A concha é importante para proteger esses animais e evitar a perda de água. Ela é produzida por glândulas localizadas sob a
pele, uma região chamada de manto.
Ela não é uma parte viva do corpo do molusco; conforme o animal aumenta de tamanho, novo material é acrescentado à
concha, que pode variar de forma e tamanho e ser formada por uma ou mais peças.

                                                   Onde vivem os moluscos
Você pode encontrar moluscos no mar, na água doce e na terra. Por exemplo: o caramujo e a lesma ficam em canteiros
de horta, jardim, enfim, onde houver vegetação e a terra estiver bem úmida, após uma boa chuva; ficam também sobre plantas
aquáticas em lagos, beira de rios etc. O grande caramujo marinho vive se arrastando nas rochas ou areias no fundo do mar. Já
as ostras e o marisco fixam-se nas rochas no litoral, enquanto a lula e polvo nadam livremente nas águas marinhas.
No tempo em que ainda não havia vida no ambiente terrestre, os moluscos - com a sua concha protetora - já habitavam os
mares. O caramujo do mar é uma das espécies que têm 500 milhões de anos de história. Portanto ele já existia há alguns
milhões de anos antes dos peixes surgirem no mar. Fósseis revelam que esses seres, atualmente pequenos, foram, no
passado, bem maiores, pois há concha fóssil de 2,5 metros.

                                                   O corpo dos moluscos
Como já vimos, os moluscos têm corpo mole. A sua pele produz uma secreção viscosa, também conhecida por muco, que
facilita principalmente a sua locomoção sobre troncos de árvores e pedras ásperas, sem machucar o corpo.
O corpo desse tipo de animal é composto por: cabeça, pés e massa visceral. A massa visceral fica dentro da concha e
compreende os sistemas digestório e reprodutor.
Classificação dos moluscos
A forma e o tipo da concha são alguns dos critérios usados na classificação dos moluscos. Atualmente, esses animais estão
divididos em três classes: os gastrópodes, os bivalves e os cefalópodes.

                                                        Gastrópodes




                                         A concha única, em espiral, é característica típica do grupo dos
                                         gastrópodes. Por essa razão, são chamados univalves (uni significa
                                         "única", e valve, "peça").
                                         Entre os gastrópodes, estão o caracol e o caramujo; a lesma, apesar
                                         de não apresentar conchas ou apresentá-la muito reduzida, também
                                         está incluída nesse grupo.
                                         Os gastrópodes são animais aquáticos ou terrestres de ambiente
                                         úmido. Os aquáticos respiram por meios de brânquias, enquanto os
                                         terrestres apresentam pulmões.
                                         A cabeça da lesma, do caracol e do caramujo possui dois pares de
                                         tentáculos, semelhantes na aparência a antenas. Os olhos ficam nas
                                         extremidades do par de tentáculos mais longos.




                                                  Caracol e seus tentáculos

Na boca, existe a rádula, um tipo de "língua raspadora" que facilita a alimentação desses animais.
Microscopia eletônica da rádula raspadora.

                                                         Bivalves
                                          Os bivalves apresentam concha com duas peças fechadas por
                                          fortes músculos (bi significa "duas", e valve, "peça"). São seres
                                          aquáticos e, em geral, vivem no ambiente marinho.
                                          Eles são animais filtradores, isto é, retiram o alimento da água.
                                          Não possuem cabeça, nem rádula (são os únicos moluscos
                                          desprovidos dessa espécie de língua). Sua massa visceral fica
                                          totalmente protegida pela concha. O pé se expande para fora
                                          quando as conchas se abrem.
                                          A respiração desses animais é branquial; as conchas permitem
                                          que uma corrente de água circule entre as brânquias, que
                                          absorvem e filtram o oxigênio dissolvido na água. Em relação à
                                          reprodução em geral os sexos são separados, e a união dos
                                          gametas, ou seja, a fecundação, é externa.




Na água, a fêmea solta os óvulos, e o macho solta os espermatozóides. As células se encontram, ocorre a fecundação e se
forma os ovos.

                                                       Cefalópodes


                                                  Cefalópode é uma palavra de origem grega; vem
                                                  deKephale, que significa "cabeça", e de pode, "pé".
                                                  Designa um grupo de moluscos do qual fazem parte o
                                                  polvo e a lula.
                                                  A concha pode não existir (como no polvo), ser interna e
                                                  reduzida (como na lula) ou ser externa (como no náutilo).
                                                  Os cefalópodes apresentam cabeça grande, olhos bem
                                                  desenvolvidos e rádula dentro da boca. Possuem oito, dez
                                                  ou mais tentáculos, que são "braços" alongados.

                    Polvo
Lulas gigantes                                      Nautilos


Esses animais têm a circulação fechada - isto é, o sangue só circula no interior dos vasos, diferente dos outros moluscos.
A respiração é branquial. Eles têm um sistema nervoso bastante desenvolvido se comparado ao de outros invertebrados. Além
da visão, o olfato é bem apurado.
Esses moluscos, em geral, têm sexos separados e a fecundação é interna. Há pesquisas que indicam que algumas espécies
de polvo cuidam dos filhotes, protegendo-os dos predadores.
Como recurso de defesa, alguns moluscos contam com a camuflagem. Ao mudarem de cor são confundidos com o ambiente.
A lula e o polvo, por exemplo, expelem uma substância escura na água. Isto confunde os predadores desses moluscos,
permitindo a sua fuga.

                                                        Anelídeos



                           O solo é uma parte da biosfera geralmente repleta de vida. Muitos dos seres vivos
                           que habitam o interior do solo não são visíveis a olho nú, mas há outros que
                           podem ser vistos com facilidade. Um exemplo é a minhoca. Ela vive em solo
                           úmido, como é, geralmente, o solo fértil que serve como canteiro (de horta ou
                           jardim).
                           A minhoca pertence ao filo dos anelídeos - nome que inclui vermes com o corpo
                           segmentado, dividido em anéis. Os anelídeos compreendem cerca de 15 mil
                           espécies, com representantes que vivem no solo úmido, na água doce e na água
                           salgada. Podem ser parasitas ou de vida livre.



                                          Características gerais dos anelídeos
Além da minhoca, existem várias espécies de anelídeos. Podemos citar animais pequenos - como asanguessuga, que pode
medir apenas alguns milímetros de comprimento - e também animais de grande porte - como o minhocuçu, que atinge dois
metros.




                                                      Sanguessuga
Minhocuçu
O habitat dos anelídeos pode ser a água dos mares e oceanos ou a água doce e a terra úmida. Eles são considerados os mais
complexos dos vermes. Além do tubo digestório completo, têm um sistemacirculatório fechado, isto é, têm boca e ânus e
também apresentam um sistema circulatório em que o sangue só circula dentro dos vasos.
O corpo dos anelídeos é revestido por uma pele fina e úmida. Essa é uma característica importante da respiração cutânea -
respiração realizada através da pele, pois os gases respiratórios não atravessam superfícies secas.
Na maioria das vezes, os anelídeos são hermafroditas, isto é, cada animal possui os dois sistemas reprodutores: o masculino
e o feminino. No entanto, eles realizam fecundação cruzada e recíproca, ou seja, dois animais hermafroditas cruzam e se
fecundam mutuamente.




                                               Classificação dos anelídeos:

Podemos classificar os anelídeos utilizando como critério a presença ou a ausência de estruturas semelhantes a pelos e a
quantidade dessas cerdas.
Há três grupos de anelídeos: oligoquetos, poliquetos e aquetos. Pelo significado dessas palavras, é possível identificar
como são as cerdas (quetos) desses animais: oligo significa "poucos"; poli significa "muitos"; e a significa "sem".

                                                         Oligoquetos
Apresentam poucas cerdas por anel. Não há parapódios (pequenas projeções do corpo que auxiliam a locomoção) nem
cabeça diferenciada do restante do corpo.
O principal representante desse grupo é a minhoca. Ela tem a pele coberta por uma fina película e produz uma substância
viscosa; esse muco diminui o atrito com o solo, protege a pele do contato com possíveis substâncias tóxicas e mantém a
umidade, que é fundamental para a respiração cutânea.
Nesse animal, é visível o clitelo - um anel mais claro por onde os animais se unem na fecundação cruzada, trocando
espermatozóides. Após a reprodução, cada um dos vermes libera no solo um casulo cheio de ovos. Alguns dias depois, saem
desses ovos vermes jovens.
      O sistema digestório é formado por uma boca; um papo, que parece uma grande câmera; uma moela, por onde o
          alimento é triturado; um longo intestino, que termina no ânus, situado no ultimo anel do corpo.
      O sistema circulatório é fechado, e nele o sangue circula dentro dos vasos. O sangue possuihemoglobina, o
          mesmo pigmento vermelho que nós, seres humanos, possuímos.
      O sistema nervoso é formado por células nervosas que coordenam várias funções do corpo.
A minhoca desempenha um papel importante na fertilidade do solo. Ela cava "túneis", atua como arado, aumentando a aeração
e a circulação da água. Além disso, as suas fezes contêm, substâncias nutritivas que se misturam com a terra e agem como
adubo, fertilizando o solo.




                                                         Poliquetos
Possuem muitas cerdas em cada segmento, ou seja, em cada anel. Cada anel tem um par de projeções laterais, os
parapódios, no qual estão implantadas as cerdas. Os poliquetos são carnívoros. Muitas vezes, são canibais, isto é, devoram
outros poliquetos.




                                                         Aquetos
Os aquetos (também chamados hirudíneos) não possuem cerdas e apresentam ventosas, que ajudam na fixação e na
locomoção.
Nesse grupo, está a sanguessuga. Ela é hermafrodita e vive em solo úmido e pantanoso ou em água doce. Existem também
algumas espécies marinhas.
A sanguessuga chupa o sangue de outros animais pelas ventosas, mas também pode se alimentar de minhocas e de restos de
animais. É de pequeno porte, o seu comprimento varia de 1 a 20 centímetros.




                                                       Sanguessuga
Artrópodes

Muitas vezes, não percebemos a presença daqueles animais com corpos de formas estranhas e cores variadas, que vivem ao
nosso redor, voam sobre nossas cabeças ou aqueles que se locomovem próximo dos nossos pés. A maioria desses seres é
formada por animais artrópodes.
Esse grupo inclui animais como aranha, mosca, siri, lacraia, piolho-de-cobra, camarão, escorpião, abelha, entre inúmeros
outros. O grupo dos artrópodes é tão bem adaptado aos diferentes ambientes que, atualmente, representa mais de 70% das
espécies animais conhecidas.

                                           Características gerais dos artrópodes

A principal característica que diferencia os astrópodes dos demais invertebrados são as patas articuladas. Foi essa
característica que deu o nome ao grupo, pois a expressão patas articuladas vem do grego: artro, que significa "articulação",
e podos, "patas".
As patas articuladas permitem que o animal possa realizar vários movimentos diferentes, muitos deles bem definidos e
elaborados. Além de uma locomoção muito eficiente, as patas articuladas apresentam outras vantagens para o animal, pois
auxiliam na sua defesa e na captura de alimento. No dia-a-dia, é fácil observar nas formigas, por exemplo, a atividade que
essas patas permitem.

                                                     Além das patas articuladas, outra característica importante
                                                     dos artrópodes é a presença de um reforço externo:
                                                     o exoesqueleto. Ele é resistente, impermeável e é
                                                     constituído de sais de quitina, que é um tipo de "açúcar".
                                                     O exoesqueleto reveste e protege o corpo desses animais
                                                     de muitos perigos externos e também evita que eles
                                                     percam água. É uma importante adaptação ao ambiente
                                                     terrestre.
                                                     Embora ofereça proteção, o exoesqueleto limita o tamanho
                                                     do animal, pois não acompanha o crescimento do corpo.
                                                     Quando esse exoesqueleto fica pequeno, ocorre a muda.
                                                     Nesse fenômeno, o exoesqueleto antigo se desprende do
                                                     corpo do animal e é trocado pelo novo, que já está
                                                     formado.
    Inseto saindo do seu exoesqueleto antigo.


Até se tornarem adultos, os artrópodes podem fazer essa troca várias vezes. Por isso, podemos encontrar exoesqueletos de
artrópodes soltos em árvores.

                                            Os diversos grupos de artrópodes
Os artrópodes são subdivididos em classes de acordo com alguns critérios, como a divisão do corpo e o número de
apêndices apresentados (por exemplo: número de patas, antenas etc.).
Entre as classes de artrópodes, podemos citar: crustáceos, aracnídeos, quilópodes, diplópodes einsetos.
A seguir, vamos conhecer melhor cada uma delas.

                                                         Crustáceos

A maioria dos crustáceos é marinha, ou seja, vive nos mares e oceanos. Algumas espécies, porém, têm seu hábitat na água
doce, e outras, ainda, são terrestres, como o tatuzinho-de-jardim. Podemos citar como exemplos de crustáceos mais
conhecidos: Camarão, lagosta, siri, caranguejo e craca. O tamanho desses animais varia bastante de uma espécie para outra.
O corpo dos crustáceos, é dividido em cefalotórax, parte do corpo formada por cabeça e tórax fundidos, e abdome.
Esses animais possuem um número variável de patas (geralmente cinco pares) e dois pares de antenas. O exoesqueleto de
muitos crustáceos apresenta carbonato de cálcio, uma substância que forma a carapaça dura dos siris e caranguejos.
Aracnídeos

A classe dos aracnídeos inclui aranhas, escorpiões e carrapatos. Algumas espécies peçonhentas de aranhas e escorpiões
podem causar a morte, principalmente de crianças pequenas. O número de acidentes envolvendo o veneno desses animais é
grande no Brasil.




O corpo dos aracnídeos é dividido em cefalotórax e abdome. Esses animais têm quatro pares de patas e não possuem
antenas. Apresentam um par de pedipalpos (palpos), que são apêndices sensoriais, e também um par de quelíceras,
apêndices em forma de pinça.




A maioria dos aracnídeos é carnívora. Alguns desses animais são parasitas do sangue de vertebrados, como os carrapatos.
A sarna ou escabiose é causada por um aracnídeo, um ácaro.
A aranha apresenta no abdome as suas glândulas fiandeiras, que produzem os fios utilizados para construir ninhos ou tecer
teias nas árvores e nos cantos onde esses animais vivem.
Quilópodes

Quilópode é uma palavra de origem grega que significa "aquela que tem mil patas" (quilo significa "mil", e podos "patas"). Esse
grupo é representado pela lacraia e pela centopéia.
O corpo dos quilópodes é formado por uma cabeça e muitos segmentos. Em cada um desses segmentos, existe um par de
pernas. Esses animais têm um par de antenas longas na cabeça.
Esses seres terrestres vivem na sombra, em regiões quentes e em locais bastante úmidos. São ovíparos, carnívoros e
predadores. Eles possuem veneno, que é inoculo no inimigo ou na presa.




                  O venêno das lacraias não costuma ser mortal para o ser humano mas causam muita dor.

                                                         Diplópodes

Um representante desse grupo é o piolho-de-cobra, conhecido também como embuá ou gongolo. O corpo dos diplópodes
possui uma cabeça com uma par de antenas curtas e tem também vários segmentos.

Em cada segmento do seu corpo, há dois pares de pernas, daí o nome
diplópodes - que vem do grego e significa "patas duplas" (disignifica
"duplo", e podos, "patas").
Os diplópodes gostam de lugares escuros e terra úmida. Vivem
embaixo de pedras e folhas mortas ou dentro de troncos de árvores
apodrecidos. Assim como os quilópodes, eles procuram sombra e
umidade.
Quando atacados, enrolam-se e liberam uma secreção que afugenta os
inimigos. Os diplópodes são ovíparos, isto é, pões ovos.


                                                           Insetos

Os principais representantes dessa classe são os artrópodes que encontram com mais facilidade no dia-a-dia; por exemplo:
formiga, barata, mosquito, borboleta, mosca, besouro, joaninha, abelha, gafanhoto, entre muitos outros.
A classe dos artrópodes com maior variedade e número de espécies é a dos insetos. Com grande capacidade reprodutiva, os
insetos formam a única classe de invertebrados com representantes dotados de asas, o que contribui para o sucesso na
ocupação de todos os ambientes do planeta exceto as águas oceânicas mais profundas.
Na cabeça há um par de antenas e uma par de olhos, além do aparelho bucal. O tipo de aparelho bucal relaciona-se ao tipo de
alimentação do inseto e é utilizado pelos cientistas como um dos principais critérios de classificação.
As tão doloridas picadas de abelhas não são feitas pelo aparelho bucal, mas sim pelo ferrão localizado na extremidade do
abdome, ligado a uma glândula que produz veneno.

                                                          Digestão
Vários artrópodes são carnívoros, mas há também os herbívoros, que se alimentam de diferentes partes das plantas.
O sistema digestório dos artrópodes é completo, e os resíduos alimentares, isto é, as fezes, são eliminados pelos ânus.

                                                           Circulação
A circulação dos artrópodes é aberta, isto é, o "sangue" não circula apenas dentro dos vasos, mas banha espaços do corpo do
animal. Esse "sangue" é incolor ou ligeiramente azulado e não transporta gases, apenas os nutrientes.

                                                          Respiração
Nas diversas classes de artrópodes, o tipo de respiração varia.
Muitos artrópodes são terrestres, como os insetos, diplópodes e quilópodes, e respiram retirando oxigênio do ambiente por
estruturas denominadas traquéias.


                                                                       A traquéia está ligada a fibras
                                                                       musculares que se contraem e
                                                                       estimulam o ar a entrar pelos
                                                                       espiráculos da traquéia.
                                                                       Os artrópodes aquáticos, como os
                                                                       crustáceos, podem ter respiração
                                                                       branquial. As brânquias são estruturas
                                                                       que retiram oxigênio dissolvido na água
                                                                       para a respiração animal. Estão
                                                                       presentes em grande parte dos
                                                                       invertebrados aquáticos e nos peixes.
                                                                       Os microcrustáceos (crustáceos muito
                                                                       pequenos) fazem respiração cutânea,
                                                                       isto é, respiram pela pele.




                                                       Reprodução
Na maioria dos artrópodes, o sexo são separados e a fecundação é interna, isto é, o macho lança os gametas masculinos
dentro do corpo da fêmea.
O desenvolvimento pode ser direto: os filhotes já nascem semelhantes aos pais, como é o caso de muitos aracnídeos, e
portanto esses animais não passam por metamorfose.




No desenvolvimento indireto, como ocorre com grande parte dos insetos, o animal que sai do ovo passa por uma
metamorfose antes de atingir a vida adulta.
A metamorfose pode ser completa ou incompleta. Na metamorfose completa, o animal passa pelas fases de larva, pupa e
adulto - isso ocorre, por exemplo, nas borboletas e moscas. Na metamorfose incompleta, não há a fase de larva ou a de pupa -
é o que ocorre, por exemplo, com as baratas e os gafanhotos.

                                                    Os equinodermos



Os equinodermos (do
grego echinos: espinhos; derma:pele) constituem um grupo
de animais exclusivamente marinhos, dotados de um
endoesqueleto (endo = dentro) calcário muitas vezes
provido de espinhos salientes, que justificam o nome
zoológico do grupo.
Embora não seja uma coluna vertebral, ele é importante na
sustentação do corpo, pois é bem desenvolvido e
resistente. Entre os equinodermos estão as estrelas-do-
mar, os pepinos-do-mar, os lírios-do-mar e os ouriços-do-
mar, entre outros.
O tamanho dos equinodermos varia bastante; o diâmetro
da estrela-do-mar, por exemplo, medido de uma ponta a
outra de seus braços, pode ser de alguns centímetros a até
um metro, dependendo da espécie.
                                                                            Estrela-do-mar



                                            Características dos equinodermos
Uma das características mais marcantes dos equinodermos é a presença de um complexo sistema de lâminas, canais e
válvulas, denominado sistema aquífero ou ambulacrário (do latim ambulare: caminhar). Este sistema relaciona-se com a
locomoção, respiração, circulação, excreção e até mesmo com a percepção do animal.

Os pés ambulacrais possuem paredes musculares e ampolas que acumulam líquido; as variações de pressão do líquido no
sistema determinam a expansão ou retração dos pés, fato que culmina com o deslocamento do animal. Quando a pressão do
líquido é maior nos pés, estes ficam mais rígidos, quando a pressão diminui, eles ficam moles - essa diferença permite o
movimento.
Digestão
Os equinodermos alimentam-se de pequenos animais e algas. A estrela-do-mar, por exemplo é carnívora. Os sistemas vitais
desses animais são simples e eficientes. O sistema digestório contém apenas boca, estômago, intestinos e ânus. Mas o
estômago só esta presente no corpo dos equinodermos carnívoros, possuindo glândulas que produzem substâncias digestivas.
A estrela-do-mar alimenta-se principalmente de pequenos moluscos, como mariscos. Com os seus pequenos pés, a estrela do
mar força a abertura das conchas das ostras, em seguida vira o seu próprio estômago do avesso e lança um suco digestivo
dentro das conchas. Depois, é só engolir a massa, isto é, o corpo do molusco já digerido. Essa é, portanto, uma digestão
extracorpórea.




                                                          Ouriço-do-mar

O ouriço-do-mar que se alimenta de algas - tem o aparelho bucal com "dentes" constituídos de substâncias rígidas. Com esses
"dentes", ele raspa as algas presas nas rochas. Esse aparelho bucal dos ouriços recebe o nome de lanterna-de-aristóteles.


                                                         Excreção
A eliminação de excretas é facilitada pelo sistema ambulacrário, pelo qual circula a água no corpo dos equinodermos.


                        Respiração
A respiração - isto é, a troca gasosa - é realizada por
minúsculas brânquias, próximas à boca, e também por
toda a extensão dos pés ambulacrários, pelos quais
circula a água.

                       Circulação
Há um líquido incolor que circula pelos canais,
localizados ao longo de todo o corpo desses animais.
Esse líquido realiza uma tarefa semelhante à do sangue
no nosso corpo, ou seja, transportar substâncias para
todo o corpo.

                                                                             Lírio-do-mar
Reprodução

                                                        Sexuada
Os equinodermos realizam reprodução sexuada, isto é, reprodução com a participação de gametas. Eles possuem sexos
separados e a fecundação externa ocorre na água. Seu desenvolvimento é indireto, pois as larvas se transformam em animais
jovens com forma própria.



                                                                   Regeneração
                                 Quando a cauda de uma lagartixa é cortada, em poucos dias cresce uma nova
                                 cauda, regenerando-se. Isso também acontece quando uma estrela-do-mar
                                 perde um dos braços.
                                 Esse fenômeno de regeneração de parte do corpo representa uma vantagem
                                 para esses animais, que, quando atacados ou em iminente perigo, "entregam"
                                 parte do seu corpo para o predador, enquanto procuram se esconder.
                                 Se o disco central estiver intacto, há espécies de estrela-do-mar que
                                 conseguem se locomover e se alimentar com apenas um dos braços,
                                 enquanto ocorre o processo de regeneração através de divisões celulares. O
                                 pepino-do-mar, em situação extrema de perigo, deixa parte de suas vísceras
                                 (órgãos internos). Isso é vantajoso, pois distrai os predadores e lhe dá tempo
                                 de escapar.

       Pepino-do-mar

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Osteichthyes: Actinopterygii
Osteichthyes: ActinopterygiiOsteichthyes: Actinopterygii
Osteichthyes: Actinopterygii
Guellity Marcel
 
2º estudo de ciências - 7º ano – março
2º estudo de ciências - 7º ano – março2º estudo de ciências - 7º ano – março
2º estudo de ciências - 7º ano – março
Luiza Collet
 
Cnidarios
CnidariosCnidarios
Cnidarios
URCA
 
Trabalho de biologia características gerais dos seres vivos
Trabalho de biologia características gerais dos seres vivosTrabalho de biologia características gerais dos seres vivos
Trabalho de biologia características gerais dos seres vivos
Alessandra Miranda
 
Diversidade da vida - Reinos e domínios
Diversidade da vida - Reinos e domíniosDiversidade da vida - Reinos e domínios
Diversidade da vida - Reinos e domínios
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Trabalho de Biologia- Equinodermos e Nematelmintos ou Nematódeos
Trabalho de Biologia- Equinodermos e Nematelmintos ou NematódeosTrabalho de Biologia- Equinodermos e Nematelmintos ou Nematódeos
Trabalho de Biologia- Equinodermos e Nematelmintos ou Nematódeos
Pedro Freitas
 
3EM #17 Reino animal
3EM #17 Reino animal3EM #17 Reino animal
3EM #17 Reino animal
Professô Kyoshi
 
Roteiros de Ciências 7º ano do CCM
Roteiros de Ciências  7º ano do CCMRoteiros de Ciências  7º ano do CCM
Roteiros de Ciências 7º ano do CCM
Mabio Vieira
 
Animais 110913184501-phpapp02
Animais 110913184501-phpapp02Animais 110913184501-phpapp02
Animais 110913184501-phpapp02
Ferrari Ferrari
 
1º estudo de ciências – 7º ano – setembro
1º estudo de ciências   – 7º ano – setembro 1º estudo de ciências   – 7º ano – setembro
1º estudo de ciências – 7º ano – setembro
Luiza Collet
 
A evolução dos seres vivos 7°
A evolução dos seres vivos 7°A evolução dos seres vivos 7°
A evolução dos seres vivos 7°
Gabriel Salles
 
Revisao biologia 2ano_ensinomedio2
Revisao biologia 2ano_ensinomedio2Revisao biologia 2ano_ensinomedio2
Revisao biologia 2ano_ensinomedio2
lwanaduarte
 
Mammalia
MammaliaMammalia
Mammalia
Guellity Marcel
 
Animais i
Animais   iAnimais   i
Poríferos
PoríferosPoríferos
Poríferos
URCA
 
Capítulo 10 – a origem de novas espécies
Capítulo 10 – a origem de novas espéciesCapítulo 10 – a origem de novas espécies
Capítulo 10 – a origem de novas espécies
Lilian Nubia
 
equinodermos
equinodermosequinodermos
Módulo A5 - Evolução das células
Módulo A5 - Evolução das célulasMódulo A5 - Evolução das células
Módulo A5 - Evolução das células
Ana Castro
 
Sarcopterygii: Conquista do meio terrestre amphibia
Sarcopterygii: Conquista do meio terrestre amphibiaSarcopterygii: Conquista do meio terrestre amphibia
Sarcopterygii: Conquista do meio terrestre amphibia
Guellity Marcel
 

Mais procurados (19)

Osteichthyes: Actinopterygii
Osteichthyes: ActinopterygiiOsteichthyes: Actinopterygii
Osteichthyes: Actinopterygii
 
2º estudo de ciências - 7º ano – março
2º estudo de ciências - 7º ano – março2º estudo de ciências - 7º ano – março
2º estudo de ciências - 7º ano – março
 
Cnidarios
CnidariosCnidarios
Cnidarios
 
Trabalho de biologia características gerais dos seres vivos
Trabalho de biologia características gerais dos seres vivosTrabalho de biologia características gerais dos seres vivos
Trabalho de biologia características gerais dos seres vivos
 
Diversidade da vida - Reinos e domínios
Diversidade da vida - Reinos e domíniosDiversidade da vida - Reinos e domínios
Diversidade da vida - Reinos e domínios
 
Trabalho de Biologia- Equinodermos e Nematelmintos ou Nematódeos
Trabalho de Biologia- Equinodermos e Nematelmintos ou NematódeosTrabalho de Biologia- Equinodermos e Nematelmintos ou Nematódeos
Trabalho de Biologia- Equinodermos e Nematelmintos ou Nematódeos
 
3EM #17 Reino animal
3EM #17 Reino animal3EM #17 Reino animal
3EM #17 Reino animal
 
Roteiros de Ciências 7º ano do CCM
Roteiros de Ciências  7º ano do CCMRoteiros de Ciências  7º ano do CCM
Roteiros de Ciências 7º ano do CCM
 
Animais 110913184501-phpapp02
Animais 110913184501-phpapp02Animais 110913184501-phpapp02
Animais 110913184501-phpapp02
 
1º estudo de ciências – 7º ano – setembro
1º estudo de ciências   – 7º ano – setembro 1º estudo de ciências   – 7º ano – setembro
1º estudo de ciências – 7º ano – setembro
 
A evolução dos seres vivos 7°
A evolução dos seres vivos 7°A evolução dos seres vivos 7°
A evolução dos seres vivos 7°
 
Revisao biologia 2ano_ensinomedio2
Revisao biologia 2ano_ensinomedio2Revisao biologia 2ano_ensinomedio2
Revisao biologia 2ano_ensinomedio2
 
Mammalia
MammaliaMammalia
Mammalia
 
Animais i
Animais   iAnimais   i
Animais i
 
Poríferos
PoríferosPoríferos
Poríferos
 
Capítulo 10 – a origem de novas espécies
Capítulo 10 – a origem de novas espéciesCapítulo 10 – a origem de novas espécies
Capítulo 10 – a origem de novas espécies
 
equinodermos
equinodermosequinodermos
equinodermos
 
Módulo A5 - Evolução das células
Módulo A5 - Evolução das célulasMódulo A5 - Evolução das células
Módulo A5 - Evolução das células
 
Sarcopterygii: Conquista do meio terrestre amphibia
Sarcopterygii: Conquista do meio terrestre amphibiaSarcopterygii: Conquista do meio terrestre amphibia
Sarcopterygii: Conquista do meio terrestre amphibia
 

Semelhante a Invertebrados

Poríferos e Cnidários
Poríferos e CnidáriosPoríferos e Cnidários
Poríferos e Cnidários
Andrea Lemos
 
Características gerais dos seres vivos
Características gerais dos seres vivosCaracterísticas gerais dos seres vivos
Características gerais dos seres vivos
Alessandra Miranda
 
Poriferos E Cndarios
Poriferos E CndariosPoriferos E Cndarios
Poriferos E Cndarios
Luis Otavio Tassinari
 
Animais
AnimaisAnimais
Animais
wagneripo
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
cholomatheus
 
Porferos e celenterados_-_2011
Porferos e celenterados_-_2011Porferos e celenterados_-_2011
Porferos e celenterados_-_2011
ISJ
 
Poríferos e cnidários
Poríferos e cnidários Poríferos e cnidários
Poríferos e cnidários
Natalia Mikaele Vasconcellos
 
Aula 7º ano - Reino Animalia (invertebrados)
Aula 7º ano - Reino Animalia (invertebrados)Aula 7º ano - Reino Animalia (invertebrados)
Aula 7º ano - Reino Animalia (invertebrados)
Leonardo Kaplan
 
Porifero Cnidaria
Porifero CnidariaPorifero Cnidaria
Porifero Cnidaria
ANA LUCIA FARIAS
 
Poríferos e cnidários 3C- 2015
Poríferos e cnidários 3C- 2015Poríferos e cnidários 3C- 2015
Poríferos e cnidários 3C- 2015
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Animais
AnimaisAnimais
Animais
wagneripo
 
Reino animalia
Reino animaliaReino animalia
Reino animalia
Marconi Borba Mondo
 
Poliferos e Cnidários
Poliferos e CnidáriosPoliferos e Cnidários
Poliferos e Cnidários
Sirleide Silva
 
Artropodes
ArtropodesArtropodes
Artropodes
marlyrauber
 
Artópodes e Equinodermos
Artópodes e EquinodermosArtópodes e Equinodermos
Artópodes e Equinodermos
Naira Silva
 
Poliferos e Cnidários.pptx
Poliferos e Cnidários.pptxPoliferos e Cnidários.pptx
Poliferos e Cnidários.pptx
RonaldoAlves313237
 
Os invertebrados
Os invertebrados Os invertebrados
Os invertebrados
unhadecorada
 
Poríferos
PoríferosPoríferos
Poríferos
Joyce Martins
 
Filo chordata
Filo chordataFilo chordata
Filo chordata
Igor Vasconcelos
 
001678868.pdf
001678868.pdf001678868.pdf
001678868.pdf
rickriordan
 

Semelhante a Invertebrados (20)

Poríferos e Cnidários
Poríferos e CnidáriosPoríferos e Cnidários
Poríferos e Cnidários
 
Características gerais dos seres vivos
Características gerais dos seres vivosCaracterísticas gerais dos seres vivos
Características gerais dos seres vivos
 
Poriferos E Cndarios
Poriferos E CndariosPoriferos E Cndarios
Poriferos E Cndarios
 
Animais
AnimaisAnimais
Animais
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
 
Porferos e celenterados_-_2011
Porferos e celenterados_-_2011Porferos e celenterados_-_2011
Porferos e celenterados_-_2011
 
Poríferos e cnidários
Poríferos e cnidários Poríferos e cnidários
Poríferos e cnidários
 
Aula 7º ano - Reino Animalia (invertebrados)
Aula 7º ano - Reino Animalia (invertebrados)Aula 7º ano - Reino Animalia (invertebrados)
Aula 7º ano - Reino Animalia (invertebrados)
 
Porifero Cnidaria
Porifero CnidariaPorifero Cnidaria
Porifero Cnidaria
 
Poríferos e cnidários 3C- 2015
Poríferos e cnidários 3C- 2015Poríferos e cnidários 3C- 2015
Poríferos e cnidários 3C- 2015
 
Animais
AnimaisAnimais
Animais
 
Reino animalia
Reino animaliaReino animalia
Reino animalia
 
Poliferos e Cnidários
Poliferos e CnidáriosPoliferos e Cnidários
Poliferos e Cnidários
 
Artropodes
ArtropodesArtropodes
Artropodes
 
Artópodes e Equinodermos
Artópodes e EquinodermosArtópodes e Equinodermos
Artópodes e Equinodermos
 
Poliferos e Cnidários.pptx
Poliferos e Cnidários.pptxPoliferos e Cnidários.pptx
Poliferos e Cnidários.pptx
 
Os invertebrados
Os invertebrados Os invertebrados
Os invertebrados
 
Poríferos
PoríferosPoríferos
Poríferos
 
Filo chordata
Filo chordataFilo chordata
Filo chordata
 
001678868.pdf
001678868.pdf001678868.pdf
001678868.pdf
 

Mais de SESI 422 - Americana

Origem da vida e Evolução
Origem da vida e EvoluçãoOrigem da vida e Evolução
Origem da vida e Evolução
SESI 422 - Americana
 
Genética de populações
Genética de populaçõesGenética de populações
Genética de populações
SESI 422 - Americana
 
Bioquímica básica
Bioquímica básicaBioquímica básica
Bioquímica básica
SESI 422 - Americana
 
Expressividade e penetrância
Expressividade e penetrânciaExpressividade e penetrância
Expressividade e penetrância
SESI 422 - Americana
 
Alelos múltiplos
Alelos múltiplosAlelos múltiplos
Alelos múltiplos
SESI 422 - Americana
 
Casos especiais de herança
Casos especiais de herançaCasos especiais de herança
Casos especiais de herança
SESI 422 - Americana
 
Exercícios 2
Exercícios 2Exercícios 2
Exercícios 2
SESI 422 - Americana
 
Probabilidades e heredogramas
Probabilidades e heredogramasProbabilidades e heredogramas
Probabilidades e heredogramas
SESI 422 - Americana
 
Textos novas espécies
Textos novas espéciesTextos novas espécies
Textos novas espécies
SESI 422 - Americana
 
Exercícios
ExercíciosExercícios
Taxonomia
TaxonomiaTaxonomia
Cromossomos, genes e alelos
Cromossomos, genes e alelosCromossomos, genes e alelos
Cromossomos, genes e alelos
SESI 422 - Americana
 
Genética mendeliana básica
Genética mendeliana básicaGenética mendeliana básica
Genética mendeliana básica
SESI 422 - Americana
 
Evidências da evolução
Evidências da evoluçãoEvidências da evolução
Evidências da evolução
SESI 422 - Americana
 
Projeto terrário
Projeto terrárioProjeto terrário
Projeto terrário
SESI 422 - Americana
 
Projeto paleontólogos
Projeto paleontólogosProjeto paleontólogos
Projeto paleontólogos
SESI 422 - Americana
 
Garça branca
Garça brancaGarça branca
Garça branca
SESI 422 - Americana
 
Reportagem jornalística – coalas
Reportagem jornalística – coalasReportagem jornalística – coalas
Reportagem jornalística – coalas
SESI 422 - Americana
 
Capivara o maior roedor do mundo
Capivara o maior roedor do mundoCapivara o maior roedor do mundo
Capivara o maior roedor do mundo
SESI 422 - Americana
 
Lírios
LíriosLírios

Mais de SESI 422 - Americana (20)

Origem da vida e Evolução
Origem da vida e EvoluçãoOrigem da vida e Evolução
Origem da vida e Evolução
 
Genética de populações
Genética de populaçõesGenética de populações
Genética de populações
 
Bioquímica básica
Bioquímica básicaBioquímica básica
Bioquímica básica
 
Expressividade e penetrância
Expressividade e penetrânciaExpressividade e penetrância
Expressividade e penetrância
 
Alelos múltiplos
Alelos múltiplosAlelos múltiplos
Alelos múltiplos
 
Casos especiais de herança
Casos especiais de herançaCasos especiais de herança
Casos especiais de herança
 
Exercícios 2
Exercícios 2Exercícios 2
Exercícios 2
 
Probabilidades e heredogramas
Probabilidades e heredogramasProbabilidades e heredogramas
Probabilidades e heredogramas
 
Textos novas espécies
Textos novas espéciesTextos novas espécies
Textos novas espécies
 
Exercícios
ExercíciosExercícios
Exercícios
 
Taxonomia
TaxonomiaTaxonomia
Taxonomia
 
Cromossomos, genes e alelos
Cromossomos, genes e alelosCromossomos, genes e alelos
Cromossomos, genes e alelos
 
Genética mendeliana básica
Genética mendeliana básicaGenética mendeliana básica
Genética mendeliana básica
 
Evidências da evolução
Evidências da evoluçãoEvidências da evolução
Evidências da evolução
 
Projeto terrário
Projeto terrárioProjeto terrário
Projeto terrário
 
Projeto paleontólogos
Projeto paleontólogosProjeto paleontólogos
Projeto paleontólogos
 
Garça branca
Garça brancaGarça branca
Garça branca
 
Reportagem jornalística – coalas
Reportagem jornalística – coalasReportagem jornalística – coalas
Reportagem jornalística – coalas
 
Capivara o maior roedor do mundo
Capivara o maior roedor do mundoCapivara o maior roedor do mundo
Capivara o maior roedor do mundo
 
Lírios
LíriosLírios
Lírios
 

Invertebrados

  • 1. REINO METAZOA (ANIMALIA) Os animais compõem um reino com mais de um milhão de espécies. No entanto, fósseis encontrados revelam que uma quantidade muito maior de espécies animais já viveu na Terra, mas hoje estão extintas. Nós, os seres vivos, somos muitos e temos as mais variadas formas e tamanhos - desde corpos microscópicos, como o ácaro, até corpos gigantescos como o da baleia-azul. Alguns com forma, organização e funcionamento do corpo simples, como uma esponja-do-mar; outros, com a estrutura complexa de um mamífero. Microscopia eletônica do Ácaros que medem cerca de 0.2 a 0.5mm sendo muito Baleia azul encalhada. difíceis de ver a olhos nu. Apesar da grande diversidade, quase todos os animais apresentam uma característica em comum: são formados por milhares de células de diversos tipos. Outro aspecto comum aos seres do reino Animal é que obtêm o seu alimento a partir de outros seres vivos. Os animais habitam quase todos os ambientes conhecidos do nosso planeta, podendo ser encontrados tanto em grandes altitudes nas montanhas quanto em profundas fossas marinhas. A maioria das espécies é capaz de se locomover, isto é, mover o corpo de um lugar para o outro. No entanto, há espécies que vivem fixas, ou seja, sésseis, no ambiente, como as esponjas-do-mar. O que é vertebrado e invertebrado? Os animais são estudados pela zoologia - campo da ciência cujo nome origina-se da língua grega: zoo significa "animal", e logia, "estudo". Para facilitar o estudo, é importante classificar os animais. Uma das formas de fazer essa classificação é dividi-los em dois grandes grupos: vertebrados e invertebrados. No grupo dos vertebrados estão os animais que, como os seres humanos, possuem coluna vertebral. Já o grupo dos invertebrados é formado por aqueles que não possuem coluna vertebral. A coluna vertebral é um tipo de eixo esquelético formado por peças articuladas entre si - as vértebras-, que podem ser ósseas ou cartilaginosas. As articulações permitem a flexibilidade do esqueleto interno, facilitando a movimentação. Observe a coluna vertebral do homem e no detalhe a articulação entre as vértebras. Em amarelo as vértebras e em azul a articulação que permite o movimento. A coluna vertebral, associada ao sistema muscular, garante que os animais movimentem-se em mantenham a sua estrutura firme.
  • 2. Poríferos Os poríferos, também conhecidos como espongiários ou simplesmente esponjas, surgiram provavelmente há cerca de 1 bilhão de anos. Supõe-se que eles sejam originados de seres unicelulares e heterótrofos que se agrupam em colônias. Veja o texto: Talvez ao tomar banho, você goste de se ensaboar usando uma esponja sintética, feita de plástico ou de borracha, ou uma bucha vegetal. Esponjas sintéticas de banho Bucha vegetal Mas você já pensou em tomar banho ensaboando-se com o esqueleto de algum animal? Antes da invenção das esponjas sintéticas, as esponjas naturais eram muito usadas pelas pessoas para tomar banho e na limpeza doméstica, para esfregar panelas e copos, por exemplo. A esponja natural é o esqueleto macio de certas espécies de animais do grupo dos poríferos; esses esqueletos são feitos de um emaranhado de delicadas fibras de uma proteína chamada espongina. Esses animais não possuem tecidos bem definidos e não apresentam órgãos e nem sistemas. São exclusivamente aquáticos, predominantemente marinhos, mas existem algumas espécies que vivem em água doce. Os poríferos vivem fixos a rochas ou a estruturas submersas, como conchas, onde podem formar colônias de coloração variadas. Podem ses encontrados desde as regiões mais rasas das praias até profundidades de aproximadamente 6 mil metros. Alimentam-se de restos orgânicos ou de microorganismos que capturam filtrando a água que penetra em seu corpo, como veremos adiante. Por sua vez, servem de alimento para algumas espécies de animais, como certos moluscos, ouriços- do-mar, estrelas-do-mar, peixes e tartarugas. Organização do corpo dos poríferos O corpo de um porífero possui células que apresentam uma certa divisão de trabalho. Algumas dessas células são organizadas de tal maneira que formam pequenos orifícios, denominados poros, em todo o corpo do animal. É por isso que esses seres recebem o nome de poríferos (do latim porus: 'poro'; ferre: 'portador'). Observe no esquema abaixo que a água penetra no corpo do animal através dos vários poros existentes em seu corpo. Ela alcança então uma cavidade central denominada átrio. Observe também que a parede do corpo é revestida externamente por células achatadas que formam a epiderme. Já internamente, a parede do corpo é revestida por células denominadas coanócitos.
  • 3. Cada coanócito possui um longo flagelo. O batimento dos flagelos promove um contínuo fluxo de água do ambiente para o átrio do animal. A essa água estão misturados restos orgânicos e microorganismos, que são capturados e digeridos pelos coanócitos. O material digerido é então distribuído para as demais células do animal. Como a digestão ocorre no interior de células, diz-se que os poríferos apresentam digestão intracelular. Os poríferos são animais filtradores, já que filtram a água que penetra em seu corpo, retirando dela alimento e gás oxigênio. Depois disso, a água com resíduos do metabolismo desses animais é eliminada para o ambiente por meio de uma abertura denominada ósculo. O esqueleto das esponjas é formado por diversos tipos de substâncias. Entre elas destacam-se asespícolas de calcário ou de sílica, com formas variadas, e uma rede de proteína chamada espongina. Em certas esponjas, o esqueleto não possui espículas, mas tem a rede de espongina bastante desenvolvida. As esponjas desse tipo é que foram muito utilizadas no passado para banho e limpeza doméstica como no texto acima.
  • 4. Espículas que sustentam o corpo dos Espícula em detalhe - Microscopia poríferos. eletrônica Muitas espécies de poríferos, que ficam totalmente expostos aos predadores, apresentam mecanismos de defesa contra a predação excessiva. O principal mecanismo é de natureza química, e ocorre deste modo: algumas esponjas produzem uma substância tóxica e outras produzem substâncias com atividade anti-microbiana. No fundo do mar, corais, cnidários e poríferos entre outros competem pelos espaços em substratos sólidos, como as rochas. Além de atuar como defesa contra predadores e infecções microbianas, essas substâncias tóxicas expelidas pelas esponjas, são vantajosas na competição por espaço que os poríferos travam com outros invertebrados, como os corais, e até mesmo com outras esponjas. Isso permite a algumas esponjas cresçam rapidamente. Também são muito comuns relações de comensalismo. A estrutura do corpo das esponjas e as suas defesas contra predadores tornam esses animais excelentes refúgios para invertebrados menores e até mesmo para alguns peixes. Várias espécies dependem dessa proteção na sua fase jovem, do contrário suas populações não ficariam estáveis. Outras associações comuns são aquelas envolvendo esponjas, bactérias e cianobactérias. Provavelmente, o organismo das esponjas constitui um meio rico para o crescimento das bactérias e, ao mesmo tempo, se beneficia de um estoque de bactérias usadas na sua nutrição. A reprodução dos poríferos A reprodução dos poríferos pode ser assexuada ou sexuada. Assexuada - Ocorre, por exemplo, por brotamento. Neste caso, formam-se brotos, que podem se separar do corpo do animal e dar origem a novas esponjas. Observe o esquema abaixo. As esponjas apresentam ainda grande capacidade de regeneração. Se uma esponja for partida em pedaços, cada pedaço poderá dar origem a uma nova esponja. Sexuada. Neste caso, quando os espermatozóides (gametas masculinos) estão maduros, eles saem pelo ósculo, junto com a corrente de água, e penetram em outra esponja, onde um deles fecunda um óvulo (gameta feminino). Após a fecundação, que
  • 5. é interna, forma-se uma célula ovo ou zigoto, que se desenvolve e forma uma larva. A larva sai do corpo da esponja, nada com a ajuda de cílios e se fixa, por exemplo, numa rocha, onde se desenvolve até originar uma nova esponja. Os Cnidários ou Celenterados A palavra celenterado deriva do grego Koilos, que significa 'compartimento', 'cavidade', e entheron, que diz respeito a 'intestino'. A palavra cnidário deriva do grego knidos e significa 'urticante', 'que queima'. A organização do corpo dos celenterados Os celenterados podem apresentar-se sob duas formas: pólipos ou medusas. Pólipos. Têm o corpo cilíndrico e vivem geralmente fixos, por exemplo, numa rocha. Na sua extremidade livre, apresentam tentáculos em volta da boca. Medusas. Têm o corpo em forma que lembra um guarda-chuva. Seus tentáculos se distribuem ao longo da margem do corpo, no centro do qual fica a boca. Nadam livremente, embora geralmente de maneira limitada, ou são carregadas pelas correntes de água.
  • 6. O corpo dos celenterados possui uma única abertura - a boca. Essa abertura fica em contato com uma cavidade denominada cavidade digestória. A parede do corpo é revestida externamente pela epiderme. Algumas células epidérmicas apresentam-se modificadas: são os cnidócitos. Observe o esquema: Cada cnidócito possui uma cápsula - o nematocisto - que abriga em seu interior um tubo filamentoso enovelado, portador de um líquido urticante. O nematocisto contém ainda um cílio sensorial que atua como um "gatilho": ao ser tocado, o nematocisto "dispara" o filamento urticante e injeta o veneno no corpo de presas ou de predadores, por exemplo, podendo causar-lhes sérios ferimentos e até mesmo a morte. Para tanto, é necessária a ação conjunta de muitos cnidócitos. Assim, os cnidócitos servem para a captura de alimentos ou para a defesa do animal. Quando uma presa é capturada, ela é levada até a boca do animal e chega até a cavidade digestória. Nessa cavidade, o alimento é parcialmente digerido e depois absorvido por determinadas células, no interior das quais a digestão se completa.
  • 7. Por isso se diz que a digestão nos celenterados é extracelular (na cavidade digestória) e também intracelular (no interior de células). Os resíduos não aproveitados são eliminados através da boca. As principais classes de celenterados Os celenterados dividem-se em três classes principais:  hidrozoários, representados pelas hidras e caravelas;  cifozoários, representados pelas águas-vivas;  antozoários, representados pelas actínias ou anêmonas-do-mar e pelos corais. Hidras São hidrozoários com o corpo em forma de pólipo. Vivem em água doce, preferencialmente em águas frias e limpas, presas por uma extremidades a uma rocha ou a vegetação aquática. Têm cor verde, parda ou cinza. Algumas hidras podem se locomover dando "cambalhotas". Caravelas São colônias formadas principalmente por vários pólipos transparentes que como um todo, ficam flutuando sobre a água dos oceanos. Na colônia, grupos diferentes de pólipos desempenham funções diferentes. Uns promovem a digestão dos alimentos, alguns a reprodução, outros a proteção de toda a colônia, por exemplo. Caravela, organismo colonial. Vivem em alto-mar e possui longos tentáculos de até 20 metros ou mais. As substâncias urticantes que fabrica podem causar sérias queimaduras em seres humanos. Águas-vivas Têm o corpo em forma de medusa. Seu tamanho varia muito de uma espécie para a outra. Algumas podem ter alguns milímetros de diâmetro, enquanto outras têm mais de dois metros de diâmetro. Certas águas-vivas do gênero Cyanea, que vivem no oceano Ártico, possuem tentáculos de até 30 metros de comprimento. Actínias ou anêmonas-do-mar Têm o corpo em forma de pólipos. Possuem cores e tamanhos variados, medindo desde alguns milímetros até um metro ou mais de diâmetro. São encontradas fixas a um suporte: uma rocha, um pedaço de madeira ou carapaças de outros animais. Curiosidade O peixe-palhaço ou anfitrião passa todo o tempo perto das anêmonas-do-mar. Ele se esconde do perigo e dorme no meio dos tentáculos venenosos da anêmona. Às vezes, chega mesmo a roubar alimento da boca de sua protetora, embora também traga comida para um lugar onde ela alcance. Este pequeno peixe, ao contrário de outros, está a salvo dos ferrões da anêmona. O motivo pelo qual o peixe-palhaço não sofre os efeitos das células urticantes da anêmona ainda não é bem conhecido. Alguns cientistas acreditam que o muco que recobre o peixe protege-o contra o veneno. Entretanto, somente os peixes-palhaços sadios estão protegidos. Os doentes são mortos pela anêmona.
  • 8. O peixe-palhaço ou anfitrião é encontrado nos oceanos Atlântico e Pacífico. É pequeno, ágil e de colorido brilhante. A fêmea põe seus ovos na base de uma anêmona-do-mar. Corais Os corais organizam-se me colônias de pequenos pólipos que fabricam um exoesqueleto ou esqueleto externo calcário. Assim como acontece com as caravelas, nas colônias de corais verifica-se a divisão de trabalho entre os seus integrantes, com alguns grupos capturando alimentos, outros promovendo a reprodução, e assim por diante. Os corais apresentam as mais variadas cores, como vermelho, branco, rosa, laranja ou amarelo. Por isso são bastante utilizados na decoração de aquários e até na fabricação de jóias. Vivem, em geral, em águas com temperaturas médias anuais entre 20 e 25ºC e a profundidade de aproximadamente 35 metros. Entretanto, já foram encontrados alguns corais vivendo em grandes profundidades. Quando morrem, seus esqueletos permanecem intactos e servem de suporte para outros pólipos da colônia, formando, assim, os recifes de corais. Em muitos casos, esses recifes oferecem perigo as embarcações, constituindo verdadeiras armadilhas submarinas. Recife de corais visto de dentro do mar Recife de corais formam uma barreira para as embarcações que chegam ao litoral. A reprodução dos celenterados A reprodução dos celenterados pode ser assexuada ou sexuada. Em muitas espécies ocorrealternância de fases sexuada e assexuada.
  • 9. Assexuada. A reprodução assexuada ocorre geralmente por brotamento. Nesse caso, formam-se brotos em determinadas regiões do corpo do animal; cada broto se desenvolve e origina um novo indivíduo. Esse novo animal, pode se manter unido ao indivíduo que o originou, formando colônias, ou se destacar e apresentar vida independente. Hidra apresentando um broto, que se destacará do organismo adulto, cairá no substrato e formará um novo indivíduo. Sexuada. Nesse caso, os gametas masculinos (espermatozóides) são liberados na água e nadam em busca de gametas femininos (óvulos). Dependendo da espécie, o óvulo também pode ser liberado na água ou permanecer aderido na superfície do corpo do animal em que foi produzido. Após a fecundação do óvulo, o zigoto formado se desenvolve formando um embrião. Em algumas espécies, o embrião origina diretamente um novo organismo semelhante aos pais. Em outras, o embrião origina uma larva móvel, ela nada e acaba se fixando em algum lugar, onde se transforma num novo indivíduo semelhante aos pais. Alternância de fases assexuada e sexuada Em muitas espécies de celenterados, a reprodução envolve a alternância de uma fase assexuada com outra sexuada. Destacaremos, para exemplificar, o que ocorre entre águas-vivas. Na reprodução da água-viva, a fase sexuada acontece na forma de medusa, a fase mais desenvolvida do ciclo; a assexuada ocorre na forma de pólipo, que é reduzida. Observe o esquema: Depois que os espermatozóides fecundam o óvulo, forma-se o zigoto, que se desenvolve e origina um embrião. Do desenvolvimento do embrião, forma-se uma larva que dará origem a um pequeno pólipo. O pólipo cresce e reproduz-se assexuadamente; nesse processo seu corpo forma vários fragmentos que se destacam dele. Cada fragmento pode originar uma medusa jovem, que se desenvolve originando um indivíduo adulto.
  • 10. Reprodução sexuada da hidra. Observe que o embrião se desenvolve inicialmente no corpo feminino; depois de algum tempo ele se destaca da mãe e origina uma nova hidra. Os platelmintos Os platelmintos são vermes que surgiram na Terra há provavelmente cerca de 600 milhões de anos. Esses animais têm o corpo geralmente achatado, daí o nome do grupo: platelmintos (do grego platy: 'achatado'; e helmin: 'verme'). Os platelmintos, que compreendem em torno de 15 mil espécies, vivem principalmente em ambientes aquáticos, como oceanos, rios e lagos; são encontrados também em ambientes terrestres úmidos. Alguns têm vida livre, outros parasitam animais diversos, especialmente vertebrados. Medindo desde alguns milímetros até metros de comprimento, os platelmintos possuem tubo digestório incompleto, ou seja, têm apenas uma abertura - a boca-, por onde ingerem alimentos e eliminam as fezes; portanto, não possuem ânus. Alguns nem tubo digestório têm e vivem adaptados à vida parasitária, absorvendo, através da pele, o alimento previamente digerido pelo organismo hospedeiro. Entre os muitos exemplos de platelmintos vamos estudar as planárias, as tênias e osesquistossomos. As planárias Medindo cerca de 1,5 cm de comprimento, esses platelmintos podem ser encontrados em córregos, lagos e lugares úmidos. Locomovem-se com ajuda de cílios e alimentam-se de moluscos, de outros vermes e de cadáveres de animais maiores, entre outros exemplos. Na região anterior do corpo da planária localizam-se a cabeça e os órgãos dos sentidos: ocelos, estruturas capazes de detectar contrastes entre claro e escuro, mas que não formam imagens; órgãos auriculares, expansões laterais da cabeça capazes de perceber sensações gustatórias e olfatórias, auxiliando o animal na localização do alimento.
  • 11. O corpo é achatado dorsiventralmente e possui a boca localizada na região ventral do corpo. O intestino da planária é bastante ramificado e atua digerindo os alimentos e distribuindo para as demais partes do corpo. A planária adulta é hermafrodita, isto é, apresenta tanto o sistema genital feminino quanto masculino. Quando duas planárias estão sexualmente maduras e se encontram, elas podem copular. Após a troca de espermatozóides através dos poros genitais, os animais se separam e os ovos são eliminados para o meio externo. No interior de cada ovo, encerrado em cápsulas, desenvolve-se um embrião, que se transforma em uma jovem planária. As planárias tem grande poder de regeneração. Cortando-se o animal em alguns pedaços, cada um deles pode dar origem a uma planária inteira. Observe o esquema a baixo.
  • 12. Confira os outros integrantes do grupo dos platelmintos e as doenças causadas por elas: as Tênias e o Esquistossomo Os Nematelmintos Os nematelmintos (do grego nematos: 'filamento', e helmin: 'vermes') são vermes de corpo cilíndrico, afilado nas extremidades. Muitas espécies são de vida livre e vivem em ambiente aquático outerrestre; outras são parasitas de plantas e de animais, inclusive o ser humano. Há mais de 10 mil espécies desse tipo de vermes catalogadas, mas cálculos feitos indicam a existência de muitas outras espécies, ainda desconhecidas. Ao contrário dos platelmintos, os nematelmintos possuem tubo digestório completo, com boca e ânus. Geralmente têm sexos separados, e as diferenças entre o macho e a fêmea podem ser bem nítidas, como no caso dos principais parasitas humanos. De modo geral o macho é menor do que a fêmea da mesma idade e sua extremidade posterior possui forma de gancho. Esses animais são envolvidos por uma fina e delicada película protetora, que é bem lisa e resistente. Porção anterior de Ancylostoma duodenale, Lombriga (Ascaris lumbricoides) mostrando boca com dentículos dilacerantes. Doenças causadas por Nematódeos Ancilóstomos, lombrigas, oxiúros e filárias são alguns exemplos de nematelmintos que parasitam os seres humanos: Oxiuríase, Filaríase, Ascaridíase, Ancilostomíase (Amarelão)
  • 13. Os Moluscos Ao passear na areias de uma praia, muitas pessoas gostam de admirar e pegar conchinhas trazidas pelas ondas. Essas conchinhas são de diversos tamanhos, formas e cores. Muitas vezes, se tornam bijuterias, pequenos enfeites, ou até mesmo elementos de uma coleção. Os moluscos têm uma composição frágil, são animais de corpo mole, mas a maioria deles possui uma concha que protege o corpo. Nesse grupo, encontramos o caracol, o marisco e a ostra. Há também os que apresentam a concha interna e reduzida, como a lula, e os que não têm concha, como o polvo e a lesma, entre outros exemplos. A concha da ostra protege de predadores, da dissecação etc. A concha é importante para proteger esses animais e evitar a perda de água. Ela é produzida por glândulas localizadas sob a pele, uma região chamada de manto. Ela não é uma parte viva do corpo do molusco; conforme o animal aumenta de tamanho, novo material é acrescentado à concha, que pode variar de forma e tamanho e ser formada por uma ou mais peças. Onde vivem os moluscos Você pode encontrar moluscos no mar, na água doce e na terra. Por exemplo: o caramujo e a lesma ficam em canteiros de horta, jardim, enfim, onde houver vegetação e a terra estiver bem úmida, após uma boa chuva; ficam também sobre plantas aquáticas em lagos, beira de rios etc. O grande caramujo marinho vive se arrastando nas rochas ou areias no fundo do mar. Já as ostras e o marisco fixam-se nas rochas no litoral, enquanto a lula e polvo nadam livremente nas águas marinhas. No tempo em que ainda não havia vida no ambiente terrestre, os moluscos - com a sua concha protetora - já habitavam os mares. O caramujo do mar é uma das espécies que têm 500 milhões de anos de história. Portanto ele já existia há alguns milhões de anos antes dos peixes surgirem no mar. Fósseis revelam que esses seres, atualmente pequenos, foram, no passado, bem maiores, pois há concha fóssil de 2,5 metros. O corpo dos moluscos Como já vimos, os moluscos têm corpo mole. A sua pele produz uma secreção viscosa, também conhecida por muco, que facilita principalmente a sua locomoção sobre troncos de árvores e pedras ásperas, sem machucar o corpo. O corpo desse tipo de animal é composto por: cabeça, pés e massa visceral. A massa visceral fica dentro da concha e compreende os sistemas digestório e reprodutor.
  • 14. Classificação dos moluscos A forma e o tipo da concha são alguns dos critérios usados na classificação dos moluscos. Atualmente, esses animais estão divididos em três classes: os gastrópodes, os bivalves e os cefalópodes. Gastrópodes A concha única, em espiral, é característica típica do grupo dos gastrópodes. Por essa razão, são chamados univalves (uni significa "única", e valve, "peça"). Entre os gastrópodes, estão o caracol e o caramujo; a lesma, apesar de não apresentar conchas ou apresentá-la muito reduzida, também está incluída nesse grupo. Os gastrópodes são animais aquáticos ou terrestres de ambiente úmido. Os aquáticos respiram por meios de brânquias, enquanto os terrestres apresentam pulmões. A cabeça da lesma, do caracol e do caramujo possui dois pares de tentáculos, semelhantes na aparência a antenas. Os olhos ficam nas extremidades do par de tentáculos mais longos. Caracol e seus tentáculos Na boca, existe a rádula, um tipo de "língua raspadora" que facilita a alimentação desses animais.
  • 15. Microscopia eletônica da rádula raspadora. Bivalves Os bivalves apresentam concha com duas peças fechadas por fortes músculos (bi significa "duas", e valve, "peça"). São seres aquáticos e, em geral, vivem no ambiente marinho. Eles são animais filtradores, isto é, retiram o alimento da água. Não possuem cabeça, nem rádula (são os únicos moluscos desprovidos dessa espécie de língua). Sua massa visceral fica totalmente protegida pela concha. O pé se expande para fora quando as conchas se abrem. A respiração desses animais é branquial; as conchas permitem que uma corrente de água circule entre as brânquias, que absorvem e filtram o oxigênio dissolvido na água. Em relação à reprodução em geral os sexos são separados, e a união dos gametas, ou seja, a fecundação, é externa. Na água, a fêmea solta os óvulos, e o macho solta os espermatozóides. As células se encontram, ocorre a fecundação e se forma os ovos. Cefalópodes Cefalópode é uma palavra de origem grega; vem deKephale, que significa "cabeça", e de pode, "pé". Designa um grupo de moluscos do qual fazem parte o polvo e a lula. A concha pode não existir (como no polvo), ser interna e reduzida (como na lula) ou ser externa (como no náutilo). Os cefalópodes apresentam cabeça grande, olhos bem desenvolvidos e rádula dentro da boca. Possuem oito, dez ou mais tentáculos, que são "braços" alongados. Polvo
  • 16. Lulas gigantes Nautilos Esses animais têm a circulação fechada - isto é, o sangue só circula no interior dos vasos, diferente dos outros moluscos. A respiração é branquial. Eles têm um sistema nervoso bastante desenvolvido se comparado ao de outros invertebrados. Além da visão, o olfato é bem apurado. Esses moluscos, em geral, têm sexos separados e a fecundação é interna. Há pesquisas que indicam que algumas espécies de polvo cuidam dos filhotes, protegendo-os dos predadores. Como recurso de defesa, alguns moluscos contam com a camuflagem. Ao mudarem de cor são confundidos com o ambiente. A lula e o polvo, por exemplo, expelem uma substância escura na água. Isto confunde os predadores desses moluscos, permitindo a sua fuga. Anelídeos O solo é uma parte da biosfera geralmente repleta de vida. Muitos dos seres vivos que habitam o interior do solo não são visíveis a olho nú, mas há outros que podem ser vistos com facilidade. Um exemplo é a minhoca. Ela vive em solo úmido, como é, geralmente, o solo fértil que serve como canteiro (de horta ou jardim). A minhoca pertence ao filo dos anelídeos - nome que inclui vermes com o corpo segmentado, dividido em anéis. Os anelídeos compreendem cerca de 15 mil espécies, com representantes que vivem no solo úmido, na água doce e na água salgada. Podem ser parasitas ou de vida livre. Características gerais dos anelídeos Além da minhoca, existem várias espécies de anelídeos. Podemos citar animais pequenos - como asanguessuga, que pode medir apenas alguns milímetros de comprimento - e também animais de grande porte - como o minhocuçu, que atinge dois metros. Sanguessuga
  • 17. Minhocuçu O habitat dos anelídeos pode ser a água dos mares e oceanos ou a água doce e a terra úmida. Eles são considerados os mais complexos dos vermes. Além do tubo digestório completo, têm um sistemacirculatório fechado, isto é, têm boca e ânus e também apresentam um sistema circulatório em que o sangue só circula dentro dos vasos. O corpo dos anelídeos é revestido por uma pele fina e úmida. Essa é uma característica importante da respiração cutânea - respiração realizada através da pele, pois os gases respiratórios não atravessam superfícies secas. Na maioria das vezes, os anelídeos são hermafroditas, isto é, cada animal possui os dois sistemas reprodutores: o masculino e o feminino. No entanto, eles realizam fecundação cruzada e recíproca, ou seja, dois animais hermafroditas cruzam e se fecundam mutuamente. Classificação dos anelídeos: Podemos classificar os anelídeos utilizando como critério a presença ou a ausência de estruturas semelhantes a pelos e a quantidade dessas cerdas. Há três grupos de anelídeos: oligoquetos, poliquetos e aquetos. Pelo significado dessas palavras, é possível identificar como são as cerdas (quetos) desses animais: oligo significa "poucos"; poli significa "muitos"; e a significa "sem". Oligoquetos Apresentam poucas cerdas por anel. Não há parapódios (pequenas projeções do corpo que auxiliam a locomoção) nem cabeça diferenciada do restante do corpo. O principal representante desse grupo é a minhoca. Ela tem a pele coberta por uma fina película e produz uma substância viscosa; esse muco diminui o atrito com o solo, protege a pele do contato com possíveis substâncias tóxicas e mantém a umidade, que é fundamental para a respiração cutânea.
  • 18. Nesse animal, é visível o clitelo - um anel mais claro por onde os animais se unem na fecundação cruzada, trocando espermatozóides. Após a reprodução, cada um dos vermes libera no solo um casulo cheio de ovos. Alguns dias depois, saem desses ovos vermes jovens.  O sistema digestório é formado por uma boca; um papo, que parece uma grande câmera; uma moela, por onde o alimento é triturado; um longo intestino, que termina no ânus, situado no ultimo anel do corpo.  O sistema circulatório é fechado, e nele o sangue circula dentro dos vasos. O sangue possuihemoglobina, o mesmo pigmento vermelho que nós, seres humanos, possuímos.  O sistema nervoso é formado por células nervosas que coordenam várias funções do corpo. A minhoca desempenha um papel importante na fertilidade do solo. Ela cava "túneis", atua como arado, aumentando a aeração e a circulação da água. Além disso, as suas fezes contêm, substâncias nutritivas que se misturam com a terra e agem como adubo, fertilizando o solo. Poliquetos Possuem muitas cerdas em cada segmento, ou seja, em cada anel. Cada anel tem um par de projeções laterais, os parapódios, no qual estão implantadas as cerdas. Os poliquetos são carnívoros. Muitas vezes, são canibais, isto é, devoram outros poliquetos. Aquetos Os aquetos (também chamados hirudíneos) não possuem cerdas e apresentam ventosas, que ajudam na fixação e na locomoção. Nesse grupo, está a sanguessuga. Ela é hermafrodita e vive em solo úmido e pantanoso ou em água doce. Existem também algumas espécies marinhas. A sanguessuga chupa o sangue de outros animais pelas ventosas, mas também pode se alimentar de minhocas e de restos de animais. É de pequeno porte, o seu comprimento varia de 1 a 20 centímetros. Sanguessuga
  • 19. Artrópodes Muitas vezes, não percebemos a presença daqueles animais com corpos de formas estranhas e cores variadas, que vivem ao nosso redor, voam sobre nossas cabeças ou aqueles que se locomovem próximo dos nossos pés. A maioria desses seres é formada por animais artrópodes. Esse grupo inclui animais como aranha, mosca, siri, lacraia, piolho-de-cobra, camarão, escorpião, abelha, entre inúmeros outros. O grupo dos artrópodes é tão bem adaptado aos diferentes ambientes que, atualmente, representa mais de 70% das espécies animais conhecidas. Características gerais dos artrópodes A principal característica que diferencia os astrópodes dos demais invertebrados são as patas articuladas. Foi essa característica que deu o nome ao grupo, pois a expressão patas articuladas vem do grego: artro, que significa "articulação", e podos, "patas". As patas articuladas permitem que o animal possa realizar vários movimentos diferentes, muitos deles bem definidos e elaborados. Além de uma locomoção muito eficiente, as patas articuladas apresentam outras vantagens para o animal, pois auxiliam na sua defesa e na captura de alimento. No dia-a-dia, é fácil observar nas formigas, por exemplo, a atividade que essas patas permitem. Além das patas articuladas, outra característica importante dos artrópodes é a presença de um reforço externo: o exoesqueleto. Ele é resistente, impermeável e é constituído de sais de quitina, que é um tipo de "açúcar". O exoesqueleto reveste e protege o corpo desses animais de muitos perigos externos e também evita que eles percam água. É uma importante adaptação ao ambiente terrestre. Embora ofereça proteção, o exoesqueleto limita o tamanho do animal, pois não acompanha o crescimento do corpo. Quando esse exoesqueleto fica pequeno, ocorre a muda. Nesse fenômeno, o exoesqueleto antigo se desprende do corpo do animal e é trocado pelo novo, que já está formado. Inseto saindo do seu exoesqueleto antigo. Até se tornarem adultos, os artrópodes podem fazer essa troca várias vezes. Por isso, podemos encontrar exoesqueletos de artrópodes soltos em árvores. Os diversos grupos de artrópodes Os artrópodes são subdivididos em classes de acordo com alguns critérios, como a divisão do corpo e o número de apêndices apresentados (por exemplo: número de patas, antenas etc.). Entre as classes de artrópodes, podemos citar: crustáceos, aracnídeos, quilópodes, diplópodes einsetos. A seguir, vamos conhecer melhor cada uma delas. Crustáceos A maioria dos crustáceos é marinha, ou seja, vive nos mares e oceanos. Algumas espécies, porém, têm seu hábitat na água doce, e outras, ainda, são terrestres, como o tatuzinho-de-jardim. Podemos citar como exemplos de crustáceos mais conhecidos: Camarão, lagosta, siri, caranguejo e craca. O tamanho desses animais varia bastante de uma espécie para outra. O corpo dos crustáceos, é dividido em cefalotórax, parte do corpo formada por cabeça e tórax fundidos, e abdome. Esses animais possuem um número variável de patas (geralmente cinco pares) e dois pares de antenas. O exoesqueleto de muitos crustáceos apresenta carbonato de cálcio, uma substância que forma a carapaça dura dos siris e caranguejos.
  • 20. Aracnídeos A classe dos aracnídeos inclui aranhas, escorpiões e carrapatos. Algumas espécies peçonhentas de aranhas e escorpiões podem causar a morte, principalmente de crianças pequenas. O número de acidentes envolvendo o veneno desses animais é grande no Brasil. O corpo dos aracnídeos é dividido em cefalotórax e abdome. Esses animais têm quatro pares de patas e não possuem antenas. Apresentam um par de pedipalpos (palpos), que são apêndices sensoriais, e também um par de quelíceras, apêndices em forma de pinça. A maioria dos aracnídeos é carnívora. Alguns desses animais são parasitas do sangue de vertebrados, como os carrapatos. A sarna ou escabiose é causada por um aracnídeo, um ácaro. A aranha apresenta no abdome as suas glândulas fiandeiras, que produzem os fios utilizados para construir ninhos ou tecer teias nas árvores e nos cantos onde esses animais vivem.
  • 21. Quilópodes Quilópode é uma palavra de origem grega que significa "aquela que tem mil patas" (quilo significa "mil", e podos "patas"). Esse grupo é representado pela lacraia e pela centopéia. O corpo dos quilópodes é formado por uma cabeça e muitos segmentos. Em cada um desses segmentos, existe um par de pernas. Esses animais têm um par de antenas longas na cabeça. Esses seres terrestres vivem na sombra, em regiões quentes e em locais bastante úmidos. São ovíparos, carnívoros e predadores. Eles possuem veneno, que é inoculo no inimigo ou na presa. O venêno das lacraias não costuma ser mortal para o ser humano mas causam muita dor. Diplópodes Um representante desse grupo é o piolho-de-cobra, conhecido também como embuá ou gongolo. O corpo dos diplópodes possui uma cabeça com uma par de antenas curtas e tem também vários segmentos. Em cada segmento do seu corpo, há dois pares de pernas, daí o nome diplópodes - que vem do grego e significa "patas duplas" (disignifica "duplo", e podos, "patas"). Os diplópodes gostam de lugares escuros e terra úmida. Vivem embaixo de pedras e folhas mortas ou dentro de troncos de árvores apodrecidos. Assim como os quilópodes, eles procuram sombra e umidade. Quando atacados, enrolam-se e liberam uma secreção que afugenta os inimigos. Os diplópodes são ovíparos, isto é, pões ovos. Insetos Os principais representantes dessa classe são os artrópodes que encontram com mais facilidade no dia-a-dia; por exemplo: formiga, barata, mosquito, borboleta, mosca, besouro, joaninha, abelha, gafanhoto, entre muitos outros. A classe dos artrópodes com maior variedade e número de espécies é a dos insetos. Com grande capacidade reprodutiva, os insetos formam a única classe de invertebrados com representantes dotados de asas, o que contribui para o sucesso na ocupação de todos os ambientes do planeta exceto as águas oceânicas mais profundas. Na cabeça há um par de antenas e uma par de olhos, além do aparelho bucal. O tipo de aparelho bucal relaciona-se ao tipo de alimentação do inseto e é utilizado pelos cientistas como um dos principais critérios de classificação.
  • 22. As tão doloridas picadas de abelhas não são feitas pelo aparelho bucal, mas sim pelo ferrão localizado na extremidade do abdome, ligado a uma glândula que produz veneno. Digestão Vários artrópodes são carnívoros, mas há também os herbívoros, que se alimentam de diferentes partes das plantas. O sistema digestório dos artrópodes é completo, e os resíduos alimentares, isto é, as fezes, são eliminados pelos ânus. Circulação A circulação dos artrópodes é aberta, isto é, o "sangue" não circula apenas dentro dos vasos, mas banha espaços do corpo do animal. Esse "sangue" é incolor ou ligeiramente azulado e não transporta gases, apenas os nutrientes. Respiração Nas diversas classes de artrópodes, o tipo de respiração varia. Muitos artrópodes são terrestres, como os insetos, diplópodes e quilópodes, e respiram retirando oxigênio do ambiente por estruturas denominadas traquéias. A traquéia está ligada a fibras musculares que se contraem e estimulam o ar a entrar pelos espiráculos da traquéia. Os artrópodes aquáticos, como os crustáceos, podem ter respiração branquial. As brânquias são estruturas que retiram oxigênio dissolvido na água para a respiração animal. Estão presentes em grande parte dos invertebrados aquáticos e nos peixes. Os microcrustáceos (crustáceos muito pequenos) fazem respiração cutânea, isto é, respiram pela pele. Reprodução Na maioria dos artrópodes, o sexo são separados e a fecundação é interna, isto é, o macho lança os gametas masculinos dentro do corpo da fêmea. O desenvolvimento pode ser direto: os filhotes já nascem semelhantes aos pais, como é o caso de muitos aracnídeos, e portanto esses animais não passam por metamorfose. No desenvolvimento indireto, como ocorre com grande parte dos insetos, o animal que sai do ovo passa por uma metamorfose antes de atingir a vida adulta.
  • 23. A metamorfose pode ser completa ou incompleta. Na metamorfose completa, o animal passa pelas fases de larva, pupa e adulto - isso ocorre, por exemplo, nas borboletas e moscas. Na metamorfose incompleta, não há a fase de larva ou a de pupa - é o que ocorre, por exemplo, com as baratas e os gafanhotos. Os equinodermos Os equinodermos (do grego echinos: espinhos; derma:pele) constituem um grupo de animais exclusivamente marinhos, dotados de um endoesqueleto (endo = dentro) calcário muitas vezes provido de espinhos salientes, que justificam o nome zoológico do grupo. Embora não seja uma coluna vertebral, ele é importante na sustentação do corpo, pois é bem desenvolvido e resistente. Entre os equinodermos estão as estrelas-do- mar, os pepinos-do-mar, os lírios-do-mar e os ouriços-do- mar, entre outros. O tamanho dos equinodermos varia bastante; o diâmetro da estrela-do-mar, por exemplo, medido de uma ponta a outra de seus braços, pode ser de alguns centímetros a até um metro, dependendo da espécie. Estrela-do-mar Características dos equinodermos Uma das características mais marcantes dos equinodermos é a presença de um complexo sistema de lâminas, canais e válvulas, denominado sistema aquífero ou ambulacrário (do latim ambulare: caminhar). Este sistema relaciona-se com a locomoção, respiração, circulação, excreção e até mesmo com a percepção do animal. Os pés ambulacrais possuem paredes musculares e ampolas que acumulam líquido; as variações de pressão do líquido no sistema determinam a expansão ou retração dos pés, fato que culmina com o deslocamento do animal. Quando a pressão do líquido é maior nos pés, estes ficam mais rígidos, quando a pressão diminui, eles ficam moles - essa diferença permite o movimento.
  • 24. Digestão Os equinodermos alimentam-se de pequenos animais e algas. A estrela-do-mar, por exemplo é carnívora. Os sistemas vitais desses animais são simples e eficientes. O sistema digestório contém apenas boca, estômago, intestinos e ânus. Mas o estômago só esta presente no corpo dos equinodermos carnívoros, possuindo glândulas que produzem substâncias digestivas. A estrela-do-mar alimenta-se principalmente de pequenos moluscos, como mariscos. Com os seus pequenos pés, a estrela do mar força a abertura das conchas das ostras, em seguida vira o seu próprio estômago do avesso e lança um suco digestivo dentro das conchas. Depois, é só engolir a massa, isto é, o corpo do molusco já digerido. Essa é, portanto, uma digestão extracorpórea. Ouriço-do-mar O ouriço-do-mar que se alimenta de algas - tem o aparelho bucal com "dentes" constituídos de substâncias rígidas. Com esses "dentes", ele raspa as algas presas nas rochas. Esse aparelho bucal dos ouriços recebe o nome de lanterna-de-aristóteles. Excreção A eliminação de excretas é facilitada pelo sistema ambulacrário, pelo qual circula a água no corpo dos equinodermos. Respiração A respiração - isto é, a troca gasosa - é realizada por minúsculas brânquias, próximas à boca, e também por toda a extensão dos pés ambulacrários, pelos quais circula a água. Circulação Há um líquido incolor que circula pelos canais, localizados ao longo de todo o corpo desses animais. Esse líquido realiza uma tarefa semelhante à do sangue no nosso corpo, ou seja, transportar substâncias para todo o corpo. Lírio-do-mar
  • 25. Reprodução Sexuada Os equinodermos realizam reprodução sexuada, isto é, reprodução com a participação de gametas. Eles possuem sexos separados e a fecundação externa ocorre na água. Seu desenvolvimento é indireto, pois as larvas se transformam em animais jovens com forma própria. Regeneração Quando a cauda de uma lagartixa é cortada, em poucos dias cresce uma nova cauda, regenerando-se. Isso também acontece quando uma estrela-do-mar perde um dos braços. Esse fenômeno de regeneração de parte do corpo representa uma vantagem para esses animais, que, quando atacados ou em iminente perigo, "entregam" parte do seu corpo para o predador, enquanto procuram se esconder. Se o disco central estiver intacto, há espécies de estrela-do-mar que conseguem se locomover e se alimentar com apenas um dos braços, enquanto ocorre o processo de regeneração através de divisões celulares. O pepino-do-mar, em situação extrema de perigo, deixa parte de suas vísceras (órgãos internos). Isso é vantajoso, pois distrai os predadores e lhe dá tempo de escapar. Pepino-do-mar