SlideShare uma empresa Scribd logo
REINO MONERA
• Todos os organismos pertencentes a este reino são
seres procariontes, organismos cujo DNA não está
confinado no interior de um núcleo, mas livre no
citoplasma que, por viverem em praticamente qualquer
ambiente, são os seres mais abundantes do planeta.
• Apresentam membrana plasmática recoberta e protegida
pela parede celular, de consistência gelatinosa. Os
procariontes (Do gr. pró, anterior; karyon, núcleo; onthos,
ser) não têm núcleo organizado, ou seja, não se observa
carioteca (membrana nuclear) nem nucléolo. Também não
possuem organóides com membranas; na verdade,
apresentam apenas ribossomos como organóides.
• Não possuem organelas membranosas, como
cloroplastos, núcleo e mitocôndrias.
• O material genético constitui-se de uma longa molécula
de DNA, dobrada em forma de anel, sendo chamado de
nucleóide (Do lat. nucleu, caroço, amêndoa; + suf. gr.
eidos, semelhante).
• Observa-se uma dobra do plasmalema na região
mediana da célula bacteriana, que forma uma estrutura
relacionada com a respiração celular (possui enzimas
respiratórias), o mesossomo (Do gr. mesos, meio,
intermediário; soma, corpo).
• O citoplasma bacteriano é um colóide formado por água,
proteínas, íons e outras moléculas, em cujo interior há
ribossomos responsáveis pela síntese protéica e o
material nuclear em anel denominado nucleóide
• . Algumas bactérias podem ainda apresentar moléculas
de material genético independentes do nucleóide,
denominados de plasmídeos.
• Os representantes típicos desse Reino são as
rickéttsias, os micoplasmas, as bactérias e as
cianobactérias (“antigamente” chamadas cianofíceas
ou algas azuis).
rickéttsias
micoplasmas
• I. Os PPLO (pleuropneumonia like organisms), conhecidos
inicialmente como Mycoplasma sp não possuem parede
celular. Estes seres, estudados por muitos pesquisadores, são
compostos basicamente de uma molécula de DNA e outra de
RNA, submersas em um colóide onde a água é a principal
substância, além de proteínas, carboidratos, lipídios e outras ...
•. As rickéttsias são
bactérias com
parasitismo
intracelular
obrigatório. Podem
estar agrupados em
pares, em cadeias
ou isolados. Com
exceção da
Rickettsia
prowazekii,
causadora de tifo,
não apresentam
flagelos. A
multiplicação ocorre
por divisão binária
somente dentro da
célula hospedeira.
• . As cianofíceas ou cianobactérias possuem um extenso
sistema de membranas internas contendo pigmentos
fotossintetizantes. São microorganismos com características
celulares procariontes (bactérias) porém com um sistema
fotossintetizante semelhante ao das algas (vegetais
eucariontes). Daí a dupla denominação utilizada: algas
cianofíceas (ou algas azuis) e cianobactérias.
• Por sua estrutura, estão muito mais próximas das
bactérias do que das verdadeiras algas. Apresentam um
rudimento de retículo endoplasmático na periferia do seu
citoplasma, e nas membranas desse proto-retículo se
localizam os pigmentos de clorofila
Entre os pigmentos
fotossintetizantes
destaca-se a
ficobilina, que lhes
atribui a cor azulada,
daí a denominação de
algas azuis. A
despeito de serem
tradicionalmente
conhecidas como
algas azuis, podem
revelar-se em
coloração vermelha,
pardas e até negras..
Quando aquáticas, ou seja, marinhas e de água doce,
constituem parte do fitoplâncton, sendo importantes nas
cadeias alimentares
No ambiente
terrestre estão
presentes em
locais úmidos
ou associadas a
fungos
formando
liquens.
Reino monera
BACTÉRIAS
• As bactérias constituem um grupo de seres vivos muito
antigo. Foram encontrados fósseis de cerca de 3,5 bilhões
de anos. Existem evidências de que os organismos
procariontes primitivos foram os ancestrais de todas as
formas que encontramos hoje na Terra, incluindo os
procariontes atuais e os eucariontes, seres que têm células
complexas e com organelas membranosas no citoplasma.
• Este grupo de procariontes tem uma grande diversidade
metabólica. Ocorrem diferentes formas de células e tipos de
colônias celulares. Nestas colônias não há divisão de trabalho
entre as células. As eubactérias habitam o solo, a superfície
das águas e os tecidos de outros organismos vivos ou em
decomposição .
•A Membrana
presente nessas
células é rica em
proteínas (mais
dinâmica que a
eucarionte) e
pobre em
colesterol (mais
fluida). Os
mesossomos, que
acumulam
enzimas da cadeia
respiratória e
participam da
formação de
septos. A Cápsula
é uma estrutura
glicídica e não
obrigatória, de
textura viscosa,
possuidora de
antígenos
•
• Torna a bactéria mais difícil de ser fagocitada. Possui fímbrias,
que promovem maior aderência a substratos e células e
também, transferência de material genético entre bactérias
(conjugação).
• Na sua organização podemos destacar as seguintes
estruturas:
• 1. Flagelos. Os apêndices filiformes, extremamente
delgados, que sobressaem através da parede celular, e
se originam, pelo que parece, numa formação granular
situada imediatamente abaixo da parede, no citoplasma,
se denominam flagelos.
• 2. Fímbrias. Muitas bactérias possuem apêndices
filamentos diferentes dos flagelos. Este apêndices,
denominados fímbrias, são menores, mais curtos e mais
numerosos que os flagelos. Estas são encontradas tanto
em bactérias como também naquelas que não possuem
movimento, portanto não tem função motora.
• 3. Cápsulas.
Algumas células
bacterianas acham-
se rodeadas de uma
substância viscosa,
que forma uma capa
que cobre ou
envolve a célula.
Esta formação se
denomina cápsula.
Nem todas as
espécies bacterianas
produzem cápsulas
facilmente
observáveis, e a
espessura da
mesma é
semelhante
influenciada pela
composição do meio
em que cresce a
bactéria
• 4. Parede Celular. Debaixo das substâncias extracelulares ,
como o são as cápsula, e na periferia de uma membrana
delicada que está em contato direto com o citoplasma, se
encontra a parede celular, que é uma estrutura rígida que dá
forma à célula. conservando a sua forma original
A rigidez da parede celular é facilmente demonstrada, quando se
submete as bactérias a condições físicas rigorosas, tais como
pressões osmótica quer muito baixas quer elevadas, ou
temperaturas inferiores à de congelamento seguido de
descongelamento rápido, apesar disto
• 5. Membrana Plasmática. Imediatamente abaixo da
membrana celular, existe uma membrana fina que se
denomina de membrana citoplasmática. Ela é uma membrana
semipermeável, controlando a mesma, a entrada de elementos
nutritivos para o interior da célula e saída dos produtos de
metabolismo.
• 6. Citoplasma. Material celular contido no interior da membrana
citoplasmática, pode ser dividido da seguinte maneira: região
citoplasmática, de aparência granular, a qual é rica em DNA; a
parte líquida que contém os elementos nutritivos dissolvidos. A
fração ribossômica das células bacterianas contém numerosas
enzimas, principalmente aqueles envolvidos na síntese das
proteínas.
• A Forma: cobertas por uma parede celular podem apresentar
várias formas, conforme aquela que esta mesma parede lhes
confere; bactérias esféricas (cocos), em forma de bastonete
(bacilos), em forma espiraladas (espirilos), em forma de vírgula
(vibriões).
• Os agrupamentos podem ser aos pares
(diplococos), em forma de colar (estreptococos)
ou de cacho de uva (estafilococos).
Principais bacterioses
Tuberculose - É causada pelo
bacilo de Koch (Mycobacterium
tuberculosis), atacando os
pulmões. O tratamento é feito
com antibióticos e as medidas
preventivas incluem vacinação
das crianças com BCG,
abreugrafias periódicas
Lepra ou hanseníase - É
transmitida pelo bacilo de
Hansen (Mycobacterium leprae)
e causa lesões na pele e nas
mucosas. Quando o tratamento
é feito a tempo a recuperação é
total.
Difteria - Doença muitas vezes fatal
causada pelo bacilo diftérico, que
ataca principalmente crianças. Produz
dor de garganta, febre e fraqueza. O
tratamento deve ser feito o mais
rápido possível. A vacina antidiftérica
está associada à antitetânica e à
antipertussis (contra coqueluche) na
forma de vacina tríplice.
Coqueluche - Doença que ataca
crianças, produzindo uma tosse seca
característica, causada pela
bactéria Bordetella pertussis. O
tratamento consiste em repouso, boa
alimentação e, se o médico achar
necessário, antibióticos e sedativos
para tosse.
Tétano - É produzido pelo bacilo
do tétano (Clostridium tetani),
que pode penetrar no organismo
por ferimentos na pele ou pelo
cordão umbilical do recém
nascido quando este é cortado
por instrumentos não
esterilizados. É uma doença
perigosa, que pode levar o
indivíduo à morte, sendo por isso
obrigatória a vacinação.
Tracoma - É uma inflamação da
conjuntiva e da córnea que pode levar
à cegueira. A doença é causada pela
bactéria Chlamydia trachomatis, de
estrutura muito simples, cuja
transmissão se dá por contato com
objetos contaminados. A profilaxia
inclui uma boa higiene pessoal e o
tratamento é feito com sulfas e
antibióticos.
Disenterias bacterianas - Constituem
a principal causa de mortalidade
infantil nos países subdesenvolvidos,
onde as classes mais pobres vivem
em péssimas condições sanitárias e
de moradia. São causadas por
diversas bactérias como a Shigella e
a Salmonella, e por outros bacilos
patogênicos.
Gonorréia ou blenorragia - É
causada por uma bactéria, o
Gonococo (Neisseria gonorrheage),
transmitida por contato sexual.
Provoca ardência, corrimentos pela
uretra. Seu tratamento deve ser feito
sob orientação médica pois exige o
emprego de antibióticos.
Sífilis - É provocada pela bactéria Treponema
pallidum, que também é transmitida pelo
contato sexual. Um sinal característico da
doença é o aparecimento, próximo aos
órgãos sexuais, de uma ferida de bordas
endurecidas, indolor, o "cancro duro", que
regride mesmo sem tratamento. Entretanto,
essa regressão não significa que o indivíduo
esteja curado,
Meningite meningocócica - É uma
infecção das meninges, causada pelo
meningoccoco. Os sintomas são febre
alta, náuseas, vômitos e rigidez dos
músculos da nuca. O doente deve ser
hospitalizado imediatamente e
submetido a tratamento por
antibióticos, pois a doença pode ser
fatal. É transmitida por espirro, tosse
ou fala, sendo importante a notificação
à escola caso uma criança contraia.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Celproeumembra
CelproeumembraCelproeumembra
Celproeumembra
Magali Feldmann
 
Aula de Microbiologia Clínica Sobre Micologia Microbiologia
Aula de Microbiologia Clínica Sobre Micologia MicrobiologiaAula de Microbiologia Clínica Sobre Micologia Microbiologia
Aula de Microbiologia Clínica Sobre Micologia Microbiologia
Jaqueline Almeida
 
Trabalho de micropara
Trabalho de microparaTrabalho de micropara
Trabalho de micropara
grazy luz
 
Evolução celular
Evolução celularEvolução celular
Evolução celular
luam1969
 
A3 origem evolução celular
A3 origem evolução celularA3 origem evolução celular
A3 origem evolução celular
Simone Costa
 
Aula 1 origem e evolução das células
Aula 1   origem e evolução das célulasAula 1   origem e evolução das células
Aula 1 origem e evolução das células
Ed_Fis_2015
 
Celula vegetal[1]
Celula vegetal[1]Celula vegetal[1]
Celula vegetal[1]
Adilson Mendonça
 
Cn9 bactérias e vírus
Cn9   bactérias e vírusCn9   bactérias e vírus
Cn9 bactérias e vírus
Nuno Correia
 
Envoltórios celulares
Envoltórios celularesEnvoltórios celulares
Envoltórios celulares
CCMbiologia
 
Célula vegetal e Parede Celular
Célula vegetal e Parede CelularCélula vegetal e Parede Celular
Célula vegetal e Parede Celular
Thiago Ávila Medeiros
 
Bactérias
BactériasBactérias
Bactérias
Jô Darc Feitosa
 
Aula sobre citologia normal
Aula sobre citologia normalAula sobre citologia normal
Aula sobre citologia normal
Jaqueline Almeida
 
Citologia vegetal
Citologia vegetalCitologia vegetal
Citologia vegetal
Nyara Marques
 
Citologia
CitologiaCitologia
Citologia
Lucilo Campos
 
A célula
A célulaA célula
A célula
raavsms
 
Celula vegetal resumo estudo
Celula vegetal resumo estudoCelula vegetal resumo estudo
Celula vegetal resumo estudo
Andreia Gomes
 
Fungos
FungosFungos
Fungos
NathyyOliver
 
Aula 2 célula vegetal
Aula 2 célula vegetalAula 2 célula vegetal
Aula 2 célula vegetal
Hélida Mesquita
 
Glossário
GlossárioGlossário
A célula
A célulaA célula
A célula
DeividLeandro
 

Mais procurados (20)

Celproeumembra
CelproeumembraCelproeumembra
Celproeumembra
 
Aula de Microbiologia Clínica Sobre Micologia Microbiologia
Aula de Microbiologia Clínica Sobre Micologia MicrobiologiaAula de Microbiologia Clínica Sobre Micologia Microbiologia
Aula de Microbiologia Clínica Sobre Micologia Microbiologia
 
Trabalho de micropara
Trabalho de microparaTrabalho de micropara
Trabalho de micropara
 
Evolução celular
Evolução celularEvolução celular
Evolução celular
 
A3 origem evolução celular
A3 origem evolução celularA3 origem evolução celular
A3 origem evolução celular
 
Aula 1 origem e evolução das células
Aula 1   origem e evolução das célulasAula 1   origem e evolução das células
Aula 1 origem e evolução das células
 
Celula vegetal[1]
Celula vegetal[1]Celula vegetal[1]
Celula vegetal[1]
 
Cn9 bactérias e vírus
Cn9   bactérias e vírusCn9   bactérias e vírus
Cn9 bactérias e vírus
 
Envoltórios celulares
Envoltórios celularesEnvoltórios celulares
Envoltórios celulares
 
Célula vegetal e Parede Celular
Célula vegetal e Parede CelularCélula vegetal e Parede Celular
Célula vegetal e Parede Celular
 
Bactérias
BactériasBactérias
Bactérias
 
Aula sobre citologia normal
Aula sobre citologia normalAula sobre citologia normal
Aula sobre citologia normal
 
Citologia vegetal
Citologia vegetalCitologia vegetal
Citologia vegetal
 
Citologia
CitologiaCitologia
Citologia
 
A célula
A célulaA célula
A célula
 
Celula vegetal resumo estudo
Celula vegetal resumo estudoCelula vegetal resumo estudo
Celula vegetal resumo estudo
 
Fungos
FungosFungos
Fungos
 
Aula 2 célula vegetal
Aula 2 célula vegetalAula 2 célula vegetal
Aula 2 célula vegetal
 
Glossário
GlossárioGlossário
Glossário
 
A célula
A célulaA célula
A célula
 

Semelhante a Reino monera

Aula Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Aula  Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidadeAula  Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Aula Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Hamilton Nobrega
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
Edimar Lopes
 
Morfologia citologia bacteriana
Morfologia citologia bacterianaMorfologia citologia bacteriana
Morfologia citologia bacteriana
Cidah Silva
 
1- estudo das bacterias - Prof Jeanne.pptx
1- estudo das bacterias - Prof Jeanne.pptx1- estudo das bacterias - Prof Jeanne.pptx
1- estudo das bacterias - Prof Jeanne.pptx
JeanneMargarethJimen
 
Citologiabacteriana
CitologiabacterianaCitologiabacteriana
Citologiabacteriana
Lucas Almeida Sá
 
A imuno a imuno imuno a imuno iamuno.pptx
A imuno  a imuno imuno a imuno iamuno.pptxA imuno  a imuno imuno a imuno iamuno.pptx
A imuno a imuno imuno a imuno iamuno.pptx
AntonioZBCJr
 
Aula 3 citoplasma e organelas cito.
Aula 3 citoplasma e organelas cito.Aula 3 citoplasma e organelas cito.
Aula 3 citoplasma e organelas cito.
Jéssica Said
 
Resumão Citologia
Resumão CitologiaResumão Citologia
Resumão Citologia
Leonn Bezerra
 
Biologia Celular
Biologia CelularBiologia Celular
Biologia Celular
jandesonbiologo
 
AULA DE REVISÃO.pdf
AULA DE REVISÃO.pdfAULA DE REVISÃO.pdf
AULA DE REVISÃO.pdf
HllemSimone
 
5 - biologia celular
5 - biologia celular5 - biologia celular
5 - biologia celular
Marcus Magarinho
 
Reino Monera Para Anglo
Reino Monera Para AngloReino Monera Para Anglo
Reino Monera Para Anglo
guest8fc71c
 
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celularesVírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
César Milani
 
Teoria da endosimbiose.pdf
Teoria da endosimbiose.pdfTeoria da endosimbiose.pdf
Teoria da endosimbiose.pdf
23014610
 
Biologia celular e molecular, aula introdutória
Biologia celular e molecular, aula introdutóriaBiologia celular e molecular, aula introdutória
Biologia celular e molecular, aula introdutória
RachelEspindola2
 
Células procarióticas
Células procarióticasCélulas procarióticas
Células procarióticas
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
Organização celular - tipos de célula
Organização celular - tipos de célulaOrganização celular - tipos de célula
Organização celular - tipos de célula
Roberta Almeida
 
Revestimentos celulares 3 a aula 6
Revestimentos celulares 3 a aula 6Revestimentos celulares 3 a aula 6
Revestimentos celulares 3 a aula 6
César Milani
 
Biologia celular
Biologia celularBiologia celular
Biologia celular
andreepinto
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
pamelacastro71
 

Semelhante a Reino monera (20)

Aula Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Aula  Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidadeAula  Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Aula Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
 
Morfologia citologia bacteriana
Morfologia citologia bacterianaMorfologia citologia bacteriana
Morfologia citologia bacteriana
 
1- estudo das bacterias - Prof Jeanne.pptx
1- estudo das bacterias - Prof Jeanne.pptx1- estudo das bacterias - Prof Jeanne.pptx
1- estudo das bacterias - Prof Jeanne.pptx
 
Citologiabacteriana
CitologiabacterianaCitologiabacteriana
Citologiabacteriana
 
A imuno a imuno imuno a imuno iamuno.pptx
A imuno  a imuno imuno a imuno iamuno.pptxA imuno  a imuno imuno a imuno iamuno.pptx
A imuno a imuno imuno a imuno iamuno.pptx
 
Aula 3 citoplasma e organelas cito.
Aula 3 citoplasma e organelas cito.Aula 3 citoplasma e organelas cito.
Aula 3 citoplasma e organelas cito.
 
Resumão Citologia
Resumão CitologiaResumão Citologia
Resumão Citologia
 
Biologia Celular
Biologia CelularBiologia Celular
Biologia Celular
 
AULA DE REVISÃO.pdf
AULA DE REVISÃO.pdfAULA DE REVISÃO.pdf
AULA DE REVISÃO.pdf
 
5 - biologia celular
5 - biologia celular5 - biologia celular
5 - biologia celular
 
Reino Monera Para Anglo
Reino Monera Para AngloReino Monera Para Anglo
Reino Monera Para Anglo
 
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celularesVírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
 
Teoria da endosimbiose.pdf
Teoria da endosimbiose.pdfTeoria da endosimbiose.pdf
Teoria da endosimbiose.pdf
 
Biologia celular e molecular, aula introdutória
Biologia celular e molecular, aula introdutóriaBiologia celular e molecular, aula introdutória
Biologia celular e molecular, aula introdutória
 
Células procarióticas
Células procarióticasCélulas procarióticas
Células procarióticas
 
Organização celular - tipos de célula
Organização celular - tipos de célulaOrganização celular - tipos de célula
Organização celular - tipos de célula
 
Revestimentos celulares 3 a aula 6
Revestimentos celulares 3 a aula 6Revestimentos celulares 3 a aula 6
Revestimentos celulares 3 a aula 6
 
Biologia celular
Biologia celularBiologia celular
Biologia celular
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 

Mais de Altair Hoepers

Bioquimica celular
Bioquimica celularBioquimica celular
Bioquimica celular
Altair Hoepers
 
A celula
A celulaA celula
A celula
Altair Hoepers
 
Ciclos biogeoquimicos
Ciclos biogeoquimicosCiclos biogeoquimicos
Ciclos biogeoquimicos
Altair Hoepers
 
Membrana celular
Membrana celularMembrana celular
Membrana celular
Altair Hoepers
 
O nucleo celular
O nucleo celularO nucleo celular
O nucleo celular
Altair Hoepers
 
O citoplasma celular
O citoplasma celularO citoplasma celular
O citoplasma celular
Altair Hoepers
 
Tecido conjuntivo
Tecido conjuntivoTecido conjuntivo
Tecido conjuntivo
Altair Hoepers
 
Tecido epitelial
Tecido epitelialTecido epitelial
Tecido epitelial
Altair Hoepers
 
12333
1233312333
Diversidade celular
Diversidade celularDiversidade celular
Diversidade celular
Altair Hoepers
 
Gametogenese
GametogeneseGametogenese
Gametogenese
Altair Hoepers
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
Altair Hoepers
 
Vegetais superiores
Vegetais superioresVegetais superiores
Vegetais superiores
Altair Hoepers
 
Vegetacao global
Vegetacao globalVegetacao global
Vegetacao global
Altair Hoepers
 
Relacoes entre os_seres_vivos
Relacoes entre os_seres_vivosRelacoes entre os_seres_vivos
Relacoes entre os_seres_vivos
Altair Hoepers
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
Altair Hoepers
 
Protocordados
ProtocordadosProtocordados
Protocordados
Altair Hoepers
 
Poriferos
PoriferosPoriferos
Poriferos
Altair Hoepers
 
Poluicao do solo
Poluicao do soloPoluicao do solo
Poluicao do solo
Altair Hoepers
 

Mais de Altair Hoepers (20)

Bioquimica celular
Bioquimica celularBioquimica celular
Bioquimica celular
 
A celula
A celulaA celula
A celula
 
Ciclos biogeoquimicos
Ciclos biogeoquimicosCiclos biogeoquimicos
Ciclos biogeoquimicos
 
Membrana celular
Membrana celularMembrana celular
Membrana celular
 
O nucleo celular
O nucleo celularO nucleo celular
O nucleo celular
 
O citoplasma celular
O citoplasma celularO citoplasma celular
O citoplasma celular
 
Tecido conjuntivo
Tecido conjuntivoTecido conjuntivo
Tecido conjuntivo
 
Tecido epitelial
Tecido epitelialTecido epitelial
Tecido epitelial
 
12333
1233312333
12333
 
Diversidade celular
Diversidade celularDiversidade celular
Diversidade celular
 
Gametogenese
GametogeneseGametogenese
Gametogenese
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Reproducao
ReproducaoReproducao
Reproducao
 
Vegetais superiores
Vegetais superioresVegetais superiores
Vegetais superiores
 
Vegetacao global
Vegetacao globalVegetacao global
Vegetacao global
 
Relacoes entre os_seres_vivos
Relacoes entre os_seres_vivosRelacoes entre os_seres_vivos
Relacoes entre os_seres_vivos
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
Protocordados
ProtocordadosProtocordados
Protocordados
 
Poriferos
PoriferosPoriferos
Poriferos
 
Poluicao do solo
Poluicao do soloPoluicao do solo
Poluicao do solo
 

Reino monera

  • 2. • Todos os organismos pertencentes a este reino são seres procariontes, organismos cujo DNA não está confinado no interior de um núcleo, mas livre no citoplasma que, por viverem em praticamente qualquer ambiente, são os seres mais abundantes do planeta.
  • 3. • Apresentam membrana plasmática recoberta e protegida pela parede celular, de consistência gelatinosa. Os procariontes (Do gr. pró, anterior; karyon, núcleo; onthos, ser) não têm núcleo organizado, ou seja, não se observa carioteca (membrana nuclear) nem nucléolo. Também não possuem organóides com membranas; na verdade, apresentam apenas ribossomos como organóides.
  • 4. • Não possuem organelas membranosas, como cloroplastos, núcleo e mitocôndrias. • O material genético constitui-se de uma longa molécula de DNA, dobrada em forma de anel, sendo chamado de nucleóide (Do lat. nucleu, caroço, amêndoa; + suf. gr. eidos, semelhante).
  • 5. • Observa-se uma dobra do plasmalema na região mediana da célula bacteriana, que forma uma estrutura relacionada com a respiração celular (possui enzimas respiratórias), o mesossomo (Do gr. mesos, meio, intermediário; soma, corpo).
  • 6. • O citoplasma bacteriano é um colóide formado por água, proteínas, íons e outras moléculas, em cujo interior há ribossomos responsáveis pela síntese protéica e o material nuclear em anel denominado nucleóide
  • 7. • . Algumas bactérias podem ainda apresentar moléculas de material genético independentes do nucleóide, denominados de plasmídeos. • Os representantes típicos desse Reino são as rickéttsias, os micoplasmas, as bactérias e as cianobactérias (“antigamente” chamadas cianofíceas ou algas azuis). rickéttsias micoplasmas
  • 8. • I. Os PPLO (pleuropneumonia like organisms), conhecidos inicialmente como Mycoplasma sp não possuem parede celular. Estes seres, estudados por muitos pesquisadores, são compostos basicamente de uma molécula de DNA e outra de RNA, submersas em um colóide onde a água é a principal substância, além de proteínas, carboidratos, lipídios e outras ...
  • 9. •. As rickéttsias são bactérias com parasitismo intracelular obrigatório. Podem estar agrupados em pares, em cadeias ou isolados. Com exceção da Rickettsia prowazekii, causadora de tifo, não apresentam flagelos. A multiplicação ocorre por divisão binária somente dentro da célula hospedeira.
  • 10. • . As cianofíceas ou cianobactérias possuem um extenso sistema de membranas internas contendo pigmentos fotossintetizantes. São microorganismos com características celulares procariontes (bactérias) porém com um sistema fotossintetizante semelhante ao das algas (vegetais eucariontes). Daí a dupla denominação utilizada: algas cianofíceas (ou algas azuis) e cianobactérias.
  • 11. • Por sua estrutura, estão muito mais próximas das bactérias do que das verdadeiras algas. Apresentam um rudimento de retículo endoplasmático na periferia do seu citoplasma, e nas membranas desse proto-retículo se localizam os pigmentos de clorofila
  • 12. Entre os pigmentos fotossintetizantes destaca-se a ficobilina, que lhes atribui a cor azulada, daí a denominação de algas azuis. A despeito de serem tradicionalmente conhecidas como algas azuis, podem revelar-se em coloração vermelha, pardas e até negras..
  • 13. Quando aquáticas, ou seja, marinhas e de água doce, constituem parte do fitoplâncton, sendo importantes nas cadeias alimentares
  • 14. No ambiente terrestre estão presentes em locais úmidos ou associadas a fungos formando liquens.
  • 17. • As bactérias constituem um grupo de seres vivos muito antigo. Foram encontrados fósseis de cerca de 3,5 bilhões de anos. Existem evidências de que os organismos procariontes primitivos foram os ancestrais de todas as formas que encontramos hoje na Terra, incluindo os procariontes atuais e os eucariontes, seres que têm células complexas e com organelas membranosas no citoplasma.
  • 18. • Este grupo de procariontes tem uma grande diversidade metabólica. Ocorrem diferentes formas de células e tipos de colônias celulares. Nestas colônias não há divisão de trabalho entre as células. As eubactérias habitam o solo, a superfície das águas e os tecidos de outros organismos vivos ou em decomposição .
  • 19. •A Membrana presente nessas células é rica em proteínas (mais dinâmica que a eucarionte) e pobre em colesterol (mais fluida). Os mesossomos, que acumulam enzimas da cadeia respiratória e participam da formação de septos. A Cápsula é uma estrutura glicídica e não obrigatória, de textura viscosa, possuidora de antígenos
  • 20. • • Torna a bactéria mais difícil de ser fagocitada. Possui fímbrias, que promovem maior aderência a substratos e células e também, transferência de material genético entre bactérias (conjugação). • Na sua organização podemos destacar as seguintes estruturas:
  • 21. • 1. Flagelos. Os apêndices filiformes, extremamente delgados, que sobressaem através da parede celular, e se originam, pelo que parece, numa formação granular situada imediatamente abaixo da parede, no citoplasma, se denominam flagelos.
  • 22. • 2. Fímbrias. Muitas bactérias possuem apêndices filamentos diferentes dos flagelos. Este apêndices, denominados fímbrias, são menores, mais curtos e mais numerosos que os flagelos. Estas são encontradas tanto em bactérias como também naquelas que não possuem movimento, portanto não tem função motora.
  • 23. • 3. Cápsulas. Algumas células bacterianas acham- se rodeadas de uma substância viscosa, que forma uma capa que cobre ou envolve a célula. Esta formação se denomina cápsula. Nem todas as espécies bacterianas produzem cápsulas facilmente observáveis, e a espessura da mesma é semelhante influenciada pela composição do meio em que cresce a bactéria
  • 24. • 4. Parede Celular. Debaixo das substâncias extracelulares , como o são as cápsula, e na periferia de uma membrana delicada que está em contato direto com o citoplasma, se encontra a parede celular, que é uma estrutura rígida que dá forma à célula. conservando a sua forma original
  • 25. A rigidez da parede celular é facilmente demonstrada, quando se submete as bactérias a condições físicas rigorosas, tais como pressões osmótica quer muito baixas quer elevadas, ou temperaturas inferiores à de congelamento seguido de descongelamento rápido, apesar disto
  • 26. • 5. Membrana Plasmática. Imediatamente abaixo da membrana celular, existe uma membrana fina que se denomina de membrana citoplasmática. Ela é uma membrana semipermeável, controlando a mesma, a entrada de elementos nutritivos para o interior da célula e saída dos produtos de metabolismo.
  • 27. • 6. Citoplasma. Material celular contido no interior da membrana citoplasmática, pode ser dividido da seguinte maneira: região citoplasmática, de aparência granular, a qual é rica em DNA; a parte líquida que contém os elementos nutritivos dissolvidos. A fração ribossômica das células bacterianas contém numerosas enzimas, principalmente aqueles envolvidos na síntese das proteínas.
  • 28. • A Forma: cobertas por uma parede celular podem apresentar várias formas, conforme aquela que esta mesma parede lhes confere; bactérias esféricas (cocos), em forma de bastonete (bacilos), em forma espiraladas (espirilos), em forma de vírgula (vibriões).
  • 29. • Os agrupamentos podem ser aos pares (diplococos), em forma de colar (estreptococos) ou de cacho de uva (estafilococos).
  • 31. Tuberculose - É causada pelo bacilo de Koch (Mycobacterium tuberculosis), atacando os pulmões. O tratamento é feito com antibióticos e as medidas preventivas incluem vacinação das crianças com BCG, abreugrafias periódicas Lepra ou hanseníase - É transmitida pelo bacilo de Hansen (Mycobacterium leprae) e causa lesões na pele e nas mucosas. Quando o tratamento é feito a tempo a recuperação é total.
  • 32. Difteria - Doença muitas vezes fatal causada pelo bacilo diftérico, que ataca principalmente crianças. Produz dor de garganta, febre e fraqueza. O tratamento deve ser feito o mais rápido possível. A vacina antidiftérica está associada à antitetânica e à antipertussis (contra coqueluche) na forma de vacina tríplice. Coqueluche - Doença que ataca crianças, produzindo uma tosse seca característica, causada pela bactéria Bordetella pertussis. O tratamento consiste em repouso, boa alimentação e, se o médico achar necessário, antibióticos e sedativos para tosse.
  • 33. Tétano - É produzido pelo bacilo do tétano (Clostridium tetani), que pode penetrar no organismo por ferimentos na pele ou pelo cordão umbilical do recém nascido quando este é cortado por instrumentos não esterilizados. É uma doença perigosa, que pode levar o indivíduo à morte, sendo por isso obrigatória a vacinação. Tracoma - É uma inflamação da conjuntiva e da córnea que pode levar à cegueira. A doença é causada pela bactéria Chlamydia trachomatis, de estrutura muito simples, cuja transmissão se dá por contato com objetos contaminados. A profilaxia inclui uma boa higiene pessoal e o tratamento é feito com sulfas e antibióticos.
  • 34. Disenterias bacterianas - Constituem a principal causa de mortalidade infantil nos países subdesenvolvidos, onde as classes mais pobres vivem em péssimas condições sanitárias e de moradia. São causadas por diversas bactérias como a Shigella e a Salmonella, e por outros bacilos patogênicos. Gonorréia ou blenorragia - É causada por uma bactéria, o Gonococo (Neisseria gonorrheage), transmitida por contato sexual. Provoca ardência, corrimentos pela uretra. Seu tratamento deve ser feito sob orientação médica pois exige o emprego de antibióticos.
  • 35. Sífilis - É provocada pela bactéria Treponema pallidum, que também é transmitida pelo contato sexual. Um sinal característico da doença é o aparecimento, próximo aos órgãos sexuais, de uma ferida de bordas endurecidas, indolor, o "cancro duro", que regride mesmo sem tratamento. Entretanto, essa regressão não significa que o indivíduo esteja curado, Meningite meningocócica - É uma infecção das meninges, causada pelo meningoccoco. Os sintomas são febre alta, náuseas, vômitos e rigidez dos músculos da nuca. O doente deve ser hospitalizado imediatamente e submetido a tratamento por antibióticos, pois a doença pode ser fatal. É transmitida por espirro, tosse ou fala, sendo importante a notificação à escola caso uma criança contraia.