SlideShare uma empresa Scribd logo
Infarma, v.18, nº 3/4, 200628
AS ATRIBUIÇÕES DO FARMACÊUTICO NA
POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS
FABIANA BURDINI MARGONATO
Farmacêutica – aluna do Mestrado em Saúde Coletiva da Universidade Estadual de Londrina (UEL-PR).
Londrina-Paraná-Brasil - e-mail para contato: fabianamargonato@yahoo.com.br
INTRODUÇÃO
O consumo de medicamentos, no Brasil, tem
dimensões estruturais, políticas, sociais e histórico-
culturais. Entender a relação da utilização dos medi-
camentos com estas dimensões é necessário para que
se possa garantir à população uma terapêutica racio-
nal, segura, com custos acessíveis (BONFIM, 1997).
Diversos são os setores da sociedade que têm
responsabilidade direta ou indireta sobre a utilização
de medicamentos: a esfera nacional, a esfera estadu-
al e a esfera municipal de governo, a indústria farma-
cêutica, os distribuidores de medicamentos, as far-
mácias, os prescritores (médicos e dentistas), os dis-
pensadores (farmacêuticos), os demais profissionais
de saúde e o paciente ou usuário de medicamentos.
29Infarma, v.18, nº 3/4, 2006
Na década de 70, a indústria farmacêutica ins-
talada, no Brasil, cresceu mais de 300% (ROZENFELD,
1989) e estes números continuam se expandindo, até
os tempos atuais. O mercado farmacêutico brasileiro
tornou-se um dos cinco maiores do mundo com ven-
das que atingem 9,6 bilhões de dólares/ano, segundo
dados da Organização Mundial da Saúde.
O setor é constituído por centenas de empre-
sas, entre produtores de medicamentos e indústrias
farmoquímicas. Em contrapartida, este cenário é in-
fluenciado pela desarticulação da assistência farma-
cêutica no âmbito dos serviços públicos de saúde
(BRASIL, 2001). A formação de recursos humanos é
um dos fatores que influenciam tal desbalanço.
Cresce, a cada dia, o número de cursos univer-
sitários e de profissionais diplomados que ainda são
formados sem a percepção da realidade que os espe-
ra. Segundo o Conselho Federal de Farmácia, estima-
se que, no ano 2010, o Brasil terá mais de 135.000
farmacêuticos (FERNANDES, 2003). Entretanto, a ca-
tegoria dissemina-se no setor privado, sem aprovei-
tamento devido no setor público, especialmente quan-
do se fala em assistência farmacêutica.
Medidas políticas que vão desde mudanças cur-
riculares até alterações operacionais nos serviços de
saúde são ferramentas imprescindíveis para melhori-
as. Na tentativa de obter tais melhorias, a Política
Nacional de Medicamentos foi aprovada pela porta-
ria nº3.916 de 30 de outubro de 1998, com o propó-
sito de garantir a necessária segurança, eficácia e
qualidade de medicamentos, a promoção do uso ra-
cional e o acesso da população àqueles considera-
dos essenciais.
Esta política integra os esforços voltados à con-
solidação do Sistema Único de Saúde (SUS) e contri-
bui para o desenvolvimento social do país (BRASIL,
2001). Assim, este trabalho teve como objetivo avali-
ar as prioridades da Política Nacional de Medicamen-
tos, enfatizando as atribuições do profissional farma-
cêutico na implantação e efetivação desta política.
METODOLOGIA
Realizou-se consulta à Política Nacional de Me-
dicamentos, no item denominado “prioridades” (BRA-
SIL, 2001). Após a obtenção das prioridades da polí-
tica, verificaram-se quais as atribuições da profissão
farmacêutica que poderiam facilitar sua implantação
e a efetivação.
RESULTADOS E DISCUSSÃO
São prioridades da Política Nacional de Medi-
camentos a revisão permanente da relação nacional
de medicamentos essenciais (RENAME), a assistên-
cia farmacêutica, a promoção do uso racional de me-
dicamentos e a organização das atividades de vigi-
lância sanitária de medicamentos. A seguir, serão de-
talhadas separadamente as prioridades, enfatizando
as atribuições do profissional farmacêutico em cada
uma delas.
Elaboração e revisão permanente da Re-
name e da Relação Municipal de Medicamentos
Essenciais (Remume)
A elaboração e revisão permanente da Rename
devem ser realizadas por órgãos competentes do Mi-
nistério da Saúde, gestores estaduais e instituições
científicas que atuem na área de medicamentos (BRA-
SIL, 2001).
Uma lista de medicamentos essenciais é uma
das prioridades para a obtenção de cobertura da po-
pulação. Ela deve conter medicamentos de eficácia
comprovada e riscos aceitáveis, para atender às ne-
cessidades de prevenção e tratamento das doenças
mais freqüentes. Devem ser selecionados produtos
farmacêuticos que tenham dados científicos obtidos
por ensaios clínicos controlados, que satisfaçam as
normas de qualidade, incluindo a biodisponibilidade,
com informação objetiva, exata e completa sobre os
medicamentos de acordo com fontes imparciais (DU-
PIM e RIGHI, 1997).
Atualmente, os cursos de Farmácia nas insti-
tuições de ensino superior (IES) brasileiras fornecem
noções de farmacologia (farmacodinâmica e farma-
cocinética), farmacotécnica, boas práticas de fabri-
cação de medicamentos e insumos farmacêuticos, que
tornam os farmacêuticos aptos fornecedores de in-
formações sobre medicamentos, o que pode ter gran-
de utilidade na elaboração e revisão das relações de
medicamentos essenciais. Assim, a participação des-
tes profissionais na seleção, pode reduzir os gastos
no setor, já que suas aptidões facilitam racionalizar a
aquisição dos produtos, avaliando-se com critérios
mais precisos a relação custo-benefício.
O incentivo ao desenvolvimento de Centros de
Informação de Medicamentos (CIM) é uma das ferra-
mentas para a elaboração de uma lista de medica-
mentos essenciais mais efetiva. Os CIMs são centros
constituídos por equipes de farmacêuticos que res-
pondem a perguntas, revisam a utilização de medica-
mentos, produzem boletins, fornecem cursos com
temas específicos da farmacoterapia, realizam ativi-
dades de pesquisa, fornecem informações toxicoló-
gicas e coordenam programas de farmacovigilância
(VIDOTTI, 1997).
No entanto, na maioria dos municípios a parti-
Infarma, v.18, nº 3/4, 200630
cipação destes centros (quando existem) na elabora-
ção da Remume custa a sair do papel. Isto se deve a
dois fatores principais: falta de incentivo ao desen-
volvimento de CIMs e algumas vezes, falta de interes-
se do próprio farmacêutico pelo serviço público no
campo das informações de medicamentos e na cons-
trução das listas de medicamentos essenciais.
Assistência Farmacêutica
A Política Nacional de Medicamentos (PNM), na
assistência farmacêutica, prioriza garantir a aquisição
e a distribuição de forma descentralizada pelos muni-
cípios e sob a coordenação dos estados, de medica-
mentos necessários à atenção básica à saúde de suas
populações (BRASIL, 2001).
Compreende-se por assistência farmacêutica o
conjunto de ações e serviços com vistas a assegurar
a assistência terapêutica integral, a promoção e a re-
cuperação da saúde, nos estabelecimentos públicos
e privados que desempenham atividades de pesqui-
sa, manipulação, produção, conservação, distribuição,
garantia e controle de qualidade, vigilância sanitária
e epidemiológica de medicamentos e produtos far-
macêuticos (BRASIL, 2001).
O farmacêutico ou atendente de farmácia é o
último contato do paciente e/ou usuário de medica-
mentos com o serviço até o próximo retorno. A dis-
pensação é o ato de fornecimento ao consumidor de
drogas, medicamentos, insumos farmacêuticos e cor-
relatos. O desempenho desta função é uma atribui-
ção do farmacêutico, já que este profissional é for-
mado teoricamente com aptidões de fornecer infor-
mação aos doentes sobre a utilização correta de me-
dicamentos para o uso racional e aconselhamento aos
doentes sobre o uso de medicamentos não prescri-
tos de venda livre (auto-medicação responsável) (AR-
RAIS, 1997).
Neste contexto, é essencial que a classe far-
macêutica reflita sobre suas atribuições, suas apti-
dões, estabeleça consensos e tome decisões que
possam trazer melhorias como a inclusão do farma-
cêutico nos serviços públicos. Medidas neste senti-
do, poderão trazer progressos na utilização de medi-
camentos, efetivando ações que tenham resultados
concretos na qualidade de vida da população, garan-
tindo integralidade da assistência farmacêutica.
Promoção do uso racional de medicamentos
Esta prioridade da Política Nacional de Medi-
camentos envolve as seguintes medidas: elaboração
de campanhas educativas, estímulo ao registro e uso
dos medicamentos genéricos, elaboração de um for-
mulário terapêutico nacional que oriente a utilização
dos medicamentos, estudos de farmacologia e ações
de farmacovigilância e adequação dos recursos hu-
manos (BRASIL, 2001).
A adequação dos medicamentos genéricos é
um passo fundamental na racionalização do uso de
medicamentos (SANTOS, 1998). Para a adoção e fun-
cionamento efetivo de uma política de medicamen-
tos genéricos, é relevante a participação ativa e cons-
ciente dos profissionais responsáveis pela sua pres-
crição e dispensação.
Neste contexto, o farmacêutico deveria ser o
principal conhecedor no que tange a dispensação de
medicamentos, precisando estar atualizado e instruí-
do para proceder a intercambialidade ou substitui-
ção de medicamentos de referência por genéricos com
eficácia e credibilidade. Entretanto a atual realidade
destes profissionais deixa a desejar.
Em um estudo realizado por SANTANA e cols.,
39% dos farmacêuticos entrevistados não souberam
informar com precisão o que é um medicamento ge-
nérico, enquanto apenas 23% respondeu corretamen-
te o que é um processo de intercambialidade (SAN-
TANA et al., 2003). Estes resultados demonstram a
necessidade de encontrar novos caminhos para que
os profissionais formados sejam mais bem prepara-
dos para exercer a profissão, de modo que o farma-
cêutico comprove sua importância para a sociedade.
Quanto aos estudos farmacoepidemiológicos
e as ações de farmacovigilância, estes são campos
que necessitam ser trabalhados para a detecção dos
problemas relacionados a medicamentos, e são tam-
bém extremamente carentes de profissionais farma-
cêuticos no Brasil. O termo farmacoepidemiologia
contém dois componentes: fármaco e epidemiologia,
ou seja, denomina o estudo da utilização de drogas
em uma população (STROM, 2000).
Já a farmacovigilância, é o conjunto de proce-
dimentos de detecção, registro e avaliação das rea-
ções adversas para a determinação de sua incidên-
cia, gravidade, e relação de causalidade com a forma
de dosificação de um medicamento, com o objetivo
último da prevenção, com base no estudo sistemáti-
co e pluridisciplinar das ações dos medicamentos (NU-
NES, 2001).
O que os gestores devem saber, é que, se fo-
rem incentivados os serviços farmacêuticos no setor
público proporcionando o desempenho de farmaco-
epidemiologia e farmacovigilância, a economia com a
diminuição de custos com efeitos adversos de medi-
camentos será bem maior do que os gastos com pes-
soal, com uma melhora exponencial da qualidade de
vida dos pacientes positivando e muito, os valores
desta matemática.
31Infarma, v.18, nº 3/4, 2006
Vigilância sanitária de medicamentos
A vigilância sanitária de medicamentos é ainda
um campo com escassez de profissionais farmacêuti-
cos. Como atividade pertinente neste contexto, apli-
ca-se a revisão dos procedimentos de registro de me-
dicamentos de marca e similares. O farmacêutico,
sendo o profissional do medicamento, deve estar apto
e atualizado para realizar atribuições tais como infor-
mar sobre produtos registrados, sua composição, in-
dicações principais e formas de comercialização, co-
nhecer os produtos retirados do mercado , trabalhar
no controle da venda de psicotrópicos e entorpecen-
tes, no controle da propaganda de medicamentos de
venda livre e participar da regulamentação e controle
de propaganda realizada pelos fabricantes de medi-
camentos junto aos prescritores (BRASIL, 2001).
O comércio e a distribuição de medicamentos
no Brasil é um dos problemas mais sérios que afetam
as farmácias e contra os quais a classe farmacêutica
vem protestando ao longo dos tempos (ZUBIOLI,
1992). A propaganda de produtos é um fator que po-
tancializa as deficiências no setor da assistência far-
macêutica em serviços públicos e privados.
O marketing de medicamentos muitas vezes en-
cobre calamidades tais como o excesso de represen-
tantes com escassez de conhecimentos, suborno, e
falsos ensaios clínicos (LEXCHIN, 1997). Torna-se in-
contestável que o farmacêutico, como profissional do
medicamento, tem o dever de se manifestar, partici-
pando das ações de vigilância sanitária de medica-
mentos para favorecer o uso seguro e racional de
medicamentos com custos acessíveis para toda a
população.
CONCLUSÕES
A Política Nacional de Medicamentos é abran-
gente, que, se colocada em prática, poderá trazer ao
setor de saúde, no Brasil, melhorias exponenciais na
qualidade de vida da população. As prioridades esti-
puladas por esta política são a revisão permanente
da relação nacional de medicamentos essenciais (Re-
name), a assistência farmacêutica, a promoção do uso
racional de medicamentos e a organização das ativi-
dade de vigilância sanitária de medicamentos.
O farmacêutico é um profissional apto com atri-
buições favorecedoras à consolidação de tais priori-
dades. Entretanto é necessária ainda muita reflexão
por esta classe profissional sobre os seus direitos e
deveres perante a sociedade na luta coletiva pelo uso
seguro e racional de medicamentos por todos.
REFERÊNCIAS
ARRAIS, P.S.D.; COELHO, H.L.L.; BATISTA, M.C.D.S.; CARVA-
LHO, M.L.; RIGHI, E.; ARNAU, J.M. Perfil da automedicação
no Brasil. Rev. de Saúde Pública, São Paulo, v.31, n.1, p.
71-77. 1997.
BONFIM, R.A.B. Os dédalos da política de medicamentos. In:
BONFIM, R.A.B.; MERCUCCI, V.L. (Org). A construção da
política de medicamentos. p. 21-37, São Paulo: Huci-
tec. 381 p.
BRASIL. Política Nacional de Medicamentos 2001/ Ministério
da Saúde, Secretaria de Políticas de Saúde, Departamento
de atenção básica – Brasília. Ministério da Saúde, 2001.
DUPIM, J.A.A.; RIGHI, R.E. Medicamentos essenciais nos siste-
mas locais de saúde. In: BONFIM, R.A.B.; MERCUCCI, V.L.
(Org). A construção da política de medicamentos. p.
138-154, São Paulo: Hucitec. 1997. 381p.
FERNANDES, Z.C. Hora da reação. Pharmacia Brasileira. nº
39, p.4-9. Set/out 2003.
LEXCHIN, J. Uma fraude planejada: a publicidade farmacêutica
no terceiro mundo. In: BONFIM, R.A.B.; MERCUCCI, V.L.
(Org). A construção da política de medicamentos. p.
269-292. São Paulo: Hucitec. 1997. 381 p.
ROZENFELD, S. O uso de medicamentos no Brasil. In: LAPOR-
TE, J.R.; TOGNONI, G.; ROZENFELD, S. Epidemiologia do
medicamento. Princípios gerais. P. 21-41, São Paulo: Hu-
citec. 1989. 264 p.
SANTANA, A.D.; LYRA Jr., D.P.; NEVES, S.J.F. Qualidade da infor-
mação farmacêutica na dispensação dos medicamentos ge-
néricos. Infarma. V. 15, nº 9-10, Brasília: Esdeva, set/out
2003.
SANTOS, J.S. Genéricos: uma questão de humanidade. Phar-
macia Brasileira. nº 8, p.5-8. jan/fev/mar 1998.
STROM, B.L. What is pharmacoepidemiology? In: STROM, B.L.
(Org). Pharmacoepidemiology. P. 3-15. 3. Ed. England:
British Library. 2000. 871 p.
VIDOTTI, C.C.F. Centro Brasileiro de Informações sobre Medi-
camentos (CEBRIM). In: BONFIM, R.A.B.; MERCUCCI, V.L.
(Org). A construção da política de medicamentos. p.
158-163. São Paulo: Hucitec. 1997. 381 p.
ZUBIOLI, A. O controle no exercício da farmácia. In: Pro-
fissão: farmacêutico. E agora? p. 63-76. Curitiba:
Lovise. 1992. 165 p.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Introdução à Atenção Farmacêutica
Introdução à Atenção FarmacêuticaIntrodução à Atenção Farmacêutica
Introdução à Atenção Farmacêutica
Cassyano Correr
 
Atenção farmacêutica
Atenção farmacêuticaAtenção farmacêutica
Atenção farmacêutica
Aline Maria Sá Nascimento
 
C1 e5 ppt_legislacao_de_acesso_ao_patrimonio_genetico
C1 e5 ppt_legislacao_de_acesso_ao_patrimonio_geneticoC1 e5 ppt_legislacao_de_acesso_ao_patrimonio_genetico
C1 e5 ppt_legislacao_de_acesso_ao_patrimonio_genetico
sedis-suporte
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Atenção farmacêutica aula i
Atenção farmacêutica    aula iAtenção farmacêutica    aula i
Atenção farmacêutica aula i
Larissa Oliveira Rocha
 
Encarte farmacia hospitalar
Encarte farmacia hospitalarEncarte farmacia hospitalar
Encarte farmacia hospitalar
danielle508363
 
Análise sobre a fitoterapia como prática integrativa no sus
Análise sobre a fitoterapia como prática integrativa no susAnálise sobre a fitoterapia como prática integrativa no sus
Análise sobre a fitoterapia como prática integrativa no sus
Nayara Dávilla
 
Os desafios da profissão farmacêutica
Os desafios da profissão farmacêuticaOs desafios da profissão farmacêutica
Os desafios da profissão farmacêutica
Leonara Rezende
 
Farmacoeconomia - conceitos básicos
Farmacoeconomia - conceitos básicosFarmacoeconomia - conceitos básicos
Farmacoeconomia - conceitos básicos
Marcelo Polacow Bisson
 
Big Cim
Big CimBig Cim
Artigo p dispensa farm escola
Artigo p dispensa farm escolaArtigo p dispensa farm escola
Artigo p dispensa farm escola
Caroline Rocha
 
Artigo bioterra v18_n1_03
Artigo bioterra v18_n1_03Artigo bioterra v18_n1_03
Artigo bioterra v18_n1_03
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Stringheta et al 2007 politicas publicas funcionais
Stringheta et al 2007 politicas publicas funcionaisStringheta et al 2007 politicas publicas funcionais
Stringheta et al 2007 politicas publicas funcionais
Universidade Federal da Paraíba
 
Dia do farmacêutico
Dia do farmacêuticoDia do farmacêutico
Dia do farmacêutico
Bruno Pereira
 
Formulário de fitoterapicos da farmacopeia brasileira
Formulário de fitoterapicos da farmacopeia brasileiraFormulário de fitoterapicos da farmacopeia brasileira
Formulário de fitoterapicos da farmacopeia brasileira
visacamacan
 
657 -programas-de-fitoterapia-na-atencao--primaria existem-experiencias-exitosas
657 -programas-de-fitoterapia-na-atencao--primaria existem-experiencias-exitosas657 -programas-de-fitoterapia-na-atencao--primaria existem-experiencias-exitosas
657 -programas-de-fitoterapia-na-atencao--primaria existem-experiencias-exitosas
Nemésio Carlos Silva
 
Compatibilizaçã da Valorização Profissional e Desenvolvimento Empresarial - ...
Compatibilizaçã da Valorização Profissional e Desenvolvimento Empresarial  - ...Compatibilizaçã da Valorização Profissional e Desenvolvimento Empresarial  - ...
Compatibilizaçã da Valorização Profissional e Desenvolvimento Empresarial - ...
Marcelo Polacow Bisson
 
Regulação brasileira em plantas medicinais e fitoterápicos
Regulação brasileira em plantas medicinais e fitoterápicosRegulação brasileira em plantas medicinais e fitoterápicos
Regulação brasileira em plantas medicinais e fitoterápicos
Simone Coulaud
 
Seminário química orgânica
Seminário química orgânicaSeminário química orgânica
Seminário química orgânica
Cristina Monteiro
 

Mais procurados (19)

Introdução à Atenção Farmacêutica
Introdução à Atenção FarmacêuticaIntrodução à Atenção Farmacêutica
Introdução à Atenção Farmacêutica
 
Atenção farmacêutica
Atenção farmacêuticaAtenção farmacêutica
Atenção farmacêutica
 
C1 e5 ppt_legislacao_de_acesso_ao_patrimonio_genetico
C1 e5 ppt_legislacao_de_acesso_ao_patrimonio_geneticoC1 e5 ppt_legislacao_de_acesso_ao_patrimonio_genetico
C1 e5 ppt_legislacao_de_acesso_ao_patrimonio_genetico
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Atenção farmacêutica aula i
Atenção farmacêutica    aula iAtenção farmacêutica    aula i
Atenção farmacêutica aula i
 
Encarte farmacia hospitalar
Encarte farmacia hospitalarEncarte farmacia hospitalar
Encarte farmacia hospitalar
 
Análise sobre a fitoterapia como prática integrativa no sus
Análise sobre a fitoterapia como prática integrativa no susAnálise sobre a fitoterapia como prática integrativa no sus
Análise sobre a fitoterapia como prática integrativa no sus
 
Os desafios da profissão farmacêutica
Os desafios da profissão farmacêuticaOs desafios da profissão farmacêutica
Os desafios da profissão farmacêutica
 
Farmacoeconomia - conceitos básicos
Farmacoeconomia - conceitos básicosFarmacoeconomia - conceitos básicos
Farmacoeconomia - conceitos básicos
 
Big Cim
Big CimBig Cim
Big Cim
 
Artigo p dispensa farm escola
Artigo p dispensa farm escolaArtigo p dispensa farm escola
Artigo p dispensa farm escola
 
Artigo bioterra v18_n1_03
Artigo bioterra v18_n1_03Artigo bioterra v18_n1_03
Artigo bioterra v18_n1_03
 
Stringheta et al 2007 politicas publicas funcionais
Stringheta et al 2007 politicas publicas funcionaisStringheta et al 2007 politicas publicas funcionais
Stringheta et al 2007 politicas publicas funcionais
 
Dia do farmacêutico
Dia do farmacêuticoDia do farmacêutico
Dia do farmacêutico
 
Formulário de fitoterapicos da farmacopeia brasileira
Formulário de fitoterapicos da farmacopeia brasileiraFormulário de fitoterapicos da farmacopeia brasileira
Formulário de fitoterapicos da farmacopeia brasileira
 
657 -programas-de-fitoterapia-na-atencao--primaria existem-experiencias-exitosas
657 -programas-de-fitoterapia-na-atencao--primaria existem-experiencias-exitosas657 -programas-de-fitoterapia-na-atencao--primaria existem-experiencias-exitosas
657 -programas-de-fitoterapia-na-atencao--primaria existem-experiencias-exitosas
 
Compatibilizaçã da Valorização Profissional e Desenvolvimento Empresarial - ...
Compatibilizaçã da Valorização Profissional e Desenvolvimento Empresarial  - ...Compatibilizaçã da Valorização Profissional e Desenvolvimento Empresarial  - ...
Compatibilizaçã da Valorização Profissional e Desenvolvimento Empresarial - ...
 
Regulação brasileira em plantas medicinais e fitoterápicos
Regulação brasileira em plantas medicinais e fitoterápicosRegulação brasileira em plantas medicinais e fitoterápicos
Regulação brasileira em plantas medicinais e fitoterápicos
 
Seminário química orgânica
Seminário química orgânicaSeminário química orgânica
Seminário química orgânica
 

Semelhante a Política nacional de medicamentos

Assistência e Atenção Farmacêutica - Histórico, Conceitos e embasamento legal
Assistência e Atenção Farmacêutica - Histórico, Conceitos e embasamento legalAssistência e Atenção Farmacêutica - Histórico, Conceitos e embasamento legal
Assistência e Atenção Farmacêutica - Histórico, Conceitos e embasamento legal
Marcelo Polacow Bisson
 
Programa multidisciplinar de atenção farmacêutica
Programa multidisciplinar de atenção farmacêuticaPrograma multidisciplinar de atenção farmacêutica
Programa multidisciplinar de atenção farmacêutica
Fernando Amaral de Calais
 
Artigo
ArtigoArtigo
Política Nacional de Medicamentos Portaria 3916 De 1998
Política Nacional de Medicamentos   Portaria 3916 De 1998Política Nacional de Medicamentos   Portaria 3916 De 1998
Política Nacional de Medicamentos Portaria 3916 De 1998
Marcelo Polacow Bisson
 
Atenção farmacêutica ii_-_guia_do_cuidado_farmacêutico_2010
Atenção farmacêutica ii_-_guia_do_cuidado_farmacêutico_2010Atenção farmacêutica ii_-_guia_do_cuidado_farmacêutico_2010
Atenção farmacêutica ii_-_guia_do_cuidado_farmacêutico_2010
Nemesio Silva
 
óTica profissional
óTica profissionalóTica profissional
óTica profissional
Naidilene Aguilar
 
Bases Clínicas e Humanisticas para o desenvolvimento da Atenção Farmacêutica
Bases Clínicas e Humanisticas para o desenvolvimento da Atenção FarmacêuticaBases Clínicas e Humanisticas para o desenvolvimento da Atenção Farmacêutica
Bases Clínicas e Humanisticas para o desenvolvimento da Atenção Farmacêutica
Marcelo Polacow Bisson
 
681 --avaliacao-dos-indicadores-de-prescricao
681 --avaliacao-dos-indicadores-de-prescricao681 --avaliacao-dos-indicadores-de-prescricao
681 --avaliacao-dos-indicadores-de-prescricao
Nemésio Carlos Silva
 
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de FarmáciaAnais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Instituto Racine
 
Assistencia farmaceutica e a anvisa
Assistencia farmaceutica e a anvisaAssistencia farmaceutica e a anvisa
Assistencia farmaceutica e a anvisa
carolinylimadocarmo
 
apresentacao_irene.pptx assistência farmacêutica
apresentacao_irene.pptx assistência farmacêuticaapresentacao_irene.pptx assistência farmacêutica
apresentacao_irene.pptx assistência farmacêutica
AnaLuciaNoleto
 
Apresentacao 08 08 - Sandra de Castro Barros.pptx
Apresentacao 08 08 - Sandra de Castro Barros.pptxApresentacao 08 08 - Sandra de Castro Barros.pptx
Apresentacao 08 08 - Sandra de Castro Barros.pptx
Sandro671810
 
Aquisicao de medicamentos_para_a_af_no_sus (1)
Aquisicao de medicamentos_para_a_af_no_sus (1)Aquisicao de medicamentos_para_a_af_no_sus (1)
Aquisicao de medicamentos_para_a_af_no_sus (1)
ARNON ANDRADE
 
Plantas medicinais_ uma abordagem sobre o uso seguro e racional.pdf
Plantas medicinais_ uma abordagem sobre o uso seguro e racional.pdfPlantas medicinais_ uma abordagem sobre o uso seguro e racional.pdf
Plantas medicinais_ uma abordagem sobre o uso seguro e racional.pdf
AnaBatistella
 
Conceitos de Atenção Farmacêutica
Conceitos de  Atenção FarmacêuticaConceitos de  Atenção Farmacêutica
Conceitos de Atenção Farmacêutica
Marcelo Polacow Bisson
 
Ciclo da Assistência Farmacêutica.pptx
Ciclo da Assistência Farmacêutica.pptxCiclo da Assistência Farmacêutica.pptx
Ciclo da Assistência Farmacêutica.pptx
RitaViviane
 
GESTÃO HOSPITALAR ATRIBUIÇÕES DO FARMACÊUTICO
GESTÃO HOSPITALAR ATRIBUIÇÕES DO FARMACÊUTICOGESTÃO HOSPITALAR ATRIBUIÇÕES DO FARMACÊUTICO
GESTÃO HOSPITALAR ATRIBUIÇÕES DO FARMACÊUTICO
JULIANO SOUZA
 
Dispensação de medicamentos II - PNM .pptx
Dispensação de medicamentos II - PNM .pptxDispensação de medicamentos II - PNM .pptx
Dispensação de medicamentos II - PNM .pptx
GabrielMonteze
 

Semelhante a Política nacional de medicamentos (18)

Assistência e Atenção Farmacêutica - Histórico, Conceitos e embasamento legal
Assistência e Atenção Farmacêutica - Histórico, Conceitos e embasamento legalAssistência e Atenção Farmacêutica - Histórico, Conceitos e embasamento legal
Assistência e Atenção Farmacêutica - Histórico, Conceitos e embasamento legal
 
Programa multidisciplinar de atenção farmacêutica
Programa multidisciplinar de atenção farmacêuticaPrograma multidisciplinar de atenção farmacêutica
Programa multidisciplinar de atenção farmacêutica
 
Artigo
ArtigoArtigo
Artigo
 
Política Nacional de Medicamentos Portaria 3916 De 1998
Política Nacional de Medicamentos   Portaria 3916 De 1998Política Nacional de Medicamentos   Portaria 3916 De 1998
Política Nacional de Medicamentos Portaria 3916 De 1998
 
Atenção farmacêutica ii_-_guia_do_cuidado_farmacêutico_2010
Atenção farmacêutica ii_-_guia_do_cuidado_farmacêutico_2010Atenção farmacêutica ii_-_guia_do_cuidado_farmacêutico_2010
Atenção farmacêutica ii_-_guia_do_cuidado_farmacêutico_2010
 
óTica profissional
óTica profissionalóTica profissional
óTica profissional
 
Bases Clínicas e Humanisticas para o desenvolvimento da Atenção Farmacêutica
Bases Clínicas e Humanisticas para o desenvolvimento da Atenção FarmacêuticaBases Clínicas e Humanisticas para o desenvolvimento da Atenção Farmacêutica
Bases Clínicas e Humanisticas para o desenvolvimento da Atenção Farmacêutica
 
681 --avaliacao-dos-indicadores-de-prescricao
681 --avaliacao-dos-indicadores-de-prescricao681 --avaliacao-dos-indicadores-de-prescricao
681 --avaliacao-dos-indicadores-de-prescricao
 
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de FarmáciaAnais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
 
Assistencia farmaceutica e a anvisa
Assistencia farmaceutica e a anvisaAssistencia farmaceutica e a anvisa
Assistencia farmaceutica e a anvisa
 
apresentacao_irene.pptx assistência farmacêutica
apresentacao_irene.pptx assistência farmacêuticaapresentacao_irene.pptx assistência farmacêutica
apresentacao_irene.pptx assistência farmacêutica
 
Apresentacao 08 08 - Sandra de Castro Barros.pptx
Apresentacao 08 08 - Sandra de Castro Barros.pptxApresentacao 08 08 - Sandra de Castro Barros.pptx
Apresentacao 08 08 - Sandra de Castro Barros.pptx
 
Aquisicao de medicamentos_para_a_af_no_sus (1)
Aquisicao de medicamentos_para_a_af_no_sus (1)Aquisicao de medicamentos_para_a_af_no_sus (1)
Aquisicao de medicamentos_para_a_af_no_sus (1)
 
Plantas medicinais_ uma abordagem sobre o uso seguro e racional.pdf
Plantas medicinais_ uma abordagem sobre o uso seguro e racional.pdfPlantas medicinais_ uma abordagem sobre o uso seguro e racional.pdf
Plantas medicinais_ uma abordagem sobre o uso seguro e racional.pdf
 
Conceitos de Atenção Farmacêutica
Conceitos de  Atenção FarmacêuticaConceitos de  Atenção Farmacêutica
Conceitos de Atenção Farmacêutica
 
Ciclo da Assistência Farmacêutica.pptx
Ciclo da Assistência Farmacêutica.pptxCiclo da Assistência Farmacêutica.pptx
Ciclo da Assistência Farmacêutica.pptx
 
GESTÃO HOSPITALAR ATRIBUIÇÕES DO FARMACÊUTICO
GESTÃO HOSPITALAR ATRIBUIÇÕES DO FARMACÊUTICOGESTÃO HOSPITALAR ATRIBUIÇÕES DO FARMACÊUTICO
GESTÃO HOSPITALAR ATRIBUIÇÕES DO FARMACÊUTICO
 
Dispensação de medicamentos II - PNM .pptx
Dispensação de medicamentos II - PNM .pptxDispensação de medicamentos II - PNM .pptx
Dispensação de medicamentos II - PNM .pptx
 

Último

Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
paathizinhya
 
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
maripinkmarianne
 
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
KauFelipo
 
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptxMini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
GleenseCartonilho
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
BrunaNeves80
 
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
guilhermefontenele8
 
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
OttomGonalvesDaSilva
 
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das MãosTREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
Anderson1783
 
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARMElectrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
dantemalca
 

Último (9)

Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
 
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
 
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
 
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptxMini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
 
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
 
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
 
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das MãosTREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
 
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARMElectrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
 

Política nacional de medicamentos

  • 1. Infarma, v.18, nº 3/4, 200628 AS ATRIBUIÇÕES DO FARMACÊUTICO NA POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS FABIANA BURDINI MARGONATO Farmacêutica – aluna do Mestrado em Saúde Coletiva da Universidade Estadual de Londrina (UEL-PR). Londrina-Paraná-Brasil - e-mail para contato: fabianamargonato@yahoo.com.br INTRODUÇÃO O consumo de medicamentos, no Brasil, tem dimensões estruturais, políticas, sociais e histórico- culturais. Entender a relação da utilização dos medi- camentos com estas dimensões é necessário para que se possa garantir à população uma terapêutica racio- nal, segura, com custos acessíveis (BONFIM, 1997). Diversos são os setores da sociedade que têm responsabilidade direta ou indireta sobre a utilização de medicamentos: a esfera nacional, a esfera estadu- al e a esfera municipal de governo, a indústria farma- cêutica, os distribuidores de medicamentos, as far- mácias, os prescritores (médicos e dentistas), os dis- pensadores (farmacêuticos), os demais profissionais de saúde e o paciente ou usuário de medicamentos.
  • 2. 29Infarma, v.18, nº 3/4, 2006 Na década de 70, a indústria farmacêutica ins- talada, no Brasil, cresceu mais de 300% (ROZENFELD, 1989) e estes números continuam se expandindo, até os tempos atuais. O mercado farmacêutico brasileiro tornou-se um dos cinco maiores do mundo com ven- das que atingem 9,6 bilhões de dólares/ano, segundo dados da Organização Mundial da Saúde. O setor é constituído por centenas de empre- sas, entre produtores de medicamentos e indústrias farmoquímicas. Em contrapartida, este cenário é in- fluenciado pela desarticulação da assistência farma- cêutica no âmbito dos serviços públicos de saúde (BRASIL, 2001). A formação de recursos humanos é um dos fatores que influenciam tal desbalanço. Cresce, a cada dia, o número de cursos univer- sitários e de profissionais diplomados que ainda são formados sem a percepção da realidade que os espe- ra. Segundo o Conselho Federal de Farmácia, estima- se que, no ano 2010, o Brasil terá mais de 135.000 farmacêuticos (FERNANDES, 2003). Entretanto, a ca- tegoria dissemina-se no setor privado, sem aprovei- tamento devido no setor público, especialmente quan- do se fala em assistência farmacêutica. Medidas políticas que vão desde mudanças cur- riculares até alterações operacionais nos serviços de saúde são ferramentas imprescindíveis para melhori- as. Na tentativa de obter tais melhorias, a Política Nacional de Medicamentos foi aprovada pela porta- ria nº3.916 de 30 de outubro de 1998, com o propó- sito de garantir a necessária segurança, eficácia e qualidade de medicamentos, a promoção do uso ra- cional e o acesso da população àqueles considera- dos essenciais. Esta política integra os esforços voltados à con- solidação do Sistema Único de Saúde (SUS) e contri- bui para o desenvolvimento social do país (BRASIL, 2001). Assim, este trabalho teve como objetivo avali- ar as prioridades da Política Nacional de Medicamen- tos, enfatizando as atribuições do profissional farma- cêutico na implantação e efetivação desta política. METODOLOGIA Realizou-se consulta à Política Nacional de Me- dicamentos, no item denominado “prioridades” (BRA- SIL, 2001). Após a obtenção das prioridades da polí- tica, verificaram-se quais as atribuições da profissão farmacêutica que poderiam facilitar sua implantação e a efetivação. RESULTADOS E DISCUSSÃO São prioridades da Política Nacional de Medi- camentos a revisão permanente da relação nacional de medicamentos essenciais (RENAME), a assistên- cia farmacêutica, a promoção do uso racional de me- dicamentos e a organização das atividades de vigi- lância sanitária de medicamentos. A seguir, serão de- talhadas separadamente as prioridades, enfatizando as atribuições do profissional farmacêutico em cada uma delas. Elaboração e revisão permanente da Re- name e da Relação Municipal de Medicamentos Essenciais (Remume) A elaboração e revisão permanente da Rename devem ser realizadas por órgãos competentes do Mi- nistério da Saúde, gestores estaduais e instituições científicas que atuem na área de medicamentos (BRA- SIL, 2001). Uma lista de medicamentos essenciais é uma das prioridades para a obtenção de cobertura da po- pulação. Ela deve conter medicamentos de eficácia comprovada e riscos aceitáveis, para atender às ne- cessidades de prevenção e tratamento das doenças mais freqüentes. Devem ser selecionados produtos farmacêuticos que tenham dados científicos obtidos por ensaios clínicos controlados, que satisfaçam as normas de qualidade, incluindo a biodisponibilidade, com informação objetiva, exata e completa sobre os medicamentos de acordo com fontes imparciais (DU- PIM e RIGHI, 1997). Atualmente, os cursos de Farmácia nas insti- tuições de ensino superior (IES) brasileiras fornecem noções de farmacologia (farmacodinâmica e farma- cocinética), farmacotécnica, boas práticas de fabri- cação de medicamentos e insumos farmacêuticos, que tornam os farmacêuticos aptos fornecedores de in- formações sobre medicamentos, o que pode ter gran- de utilidade na elaboração e revisão das relações de medicamentos essenciais. Assim, a participação des- tes profissionais na seleção, pode reduzir os gastos no setor, já que suas aptidões facilitam racionalizar a aquisição dos produtos, avaliando-se com critérios mais precisos a relação custo-benefício. O incentivo ao desenvolvimento de Centros de Informação de Medicamentos (CIM) é uma das ferra- mentas para a elaboração de uma lista de medica- mentos essenciais mais efetiva. Os CIMs são centros constituídos por equipes de farmacêuticos que res- pondem a perguntas, revisam a utilização de medica- mentos, produzem boletins, fornecem cursos com temas específicos da farmacoterapia, realizam ativi- dades de pesquisa, fornecem informações toxicoló- gicas e coordenam programas de farmacovigilância (VIDOTTI, 1997). No entanto, na maioria dos municípios a parti-
  • 3. Infarma, v.18, nº 3/4, 200630 cipação destes centros (quando existem) na elabora- ção da Remume custa a sair do papel. Isto se deve a dois fatores principais: falta de incentivo ao desen- volvimento de CIMs e algumas vezes, falta de interes- se do próprio farmacêutico pelo serviço público no campo das informações de medicamentos e na cons- trução das listas de medicamentos essenciais. Assistência Farmacêutica A Política Nacional de Medicamentos (PNM), na assistência farmacêutica, prioriza garantir a aquisição e a distribuição de forma descentralizada pelos muni- cípios e sob a coordenação dos estados, de medica- mentos necessários à atenção básica à saúde de suas populações (BRASIL, 2001). Compreende-se por assistência farmacêutica o conjunto de ações e serviços com vistas a assegurar a assistência terapêutica integral, a promoção e a re- cuperação da saúde, nos estabelecimentos públicos e privados que desempenham atividades de pesqui- sa, manipulação, produção, conservação, distribuição, garantia e controle de qualidade, vigilância sanitária e epidemiológica de medicamentos e produtos far- macêuticos (BRASIL, 2001). O farmacêutico ou atendente de farmácia é o último contato do paciente e/ou usuário de medica- mentos com o serviço até o próximo retorno. A dis- pensação é o ato de fornecimento ao consumidor de drogas, medicamentos, insumos farmacêuticos e cor- relatos. O desempenho desta função é uma atribui- ção do farmacêutico, já que este profissional é for- mado teoricamente com aptidões de fornecer infor- mação aos doentes sobre a utilização correta de me- dicamentos para o uso racional e aconselhamento aos doentes sobre o uso de medicamentos não prescri- tos de venda livre (auto-medicação responsável) (AR- RAIS, 1997). Neste contexto, é essencial que a classe far- macêutica reflita sobre suas atribuições, suas apti- dões, estabeleça consensos e tome decisões que possam trazer melhorias como a inclusão do farma- cêutico nos serviços públicos. Medidas neste senti- do, poderão trazer progressos na utilização de medi- camentos, efetivando ações que tenham resultados concretos na qualidade de vida da população, garan- tindo integralidade da assistência farmacêutica. Promoção do uso racional de medicamentos Esta prioridade da Política Nacional de Medi- camentos envolve as seguintes medidas: elaboração de campanhas educativas, estímulo ao registro e uso dos medicamentos genéricos, elaboração de um for- mulário terapêutico nacional que oriente a utilização dos medicamentos, estudos de farmacologia e ações de farmacovigilância e adequação dos recursos hu- manos (BRASIL, 2001). A adequação dos medicamentos genéricos é um passo fundamental na racionalização do uso de medicamentos (SANTOS, 1998). Para a adoção e fun- cionamento efetivo de uma política de medicamen- tos genéricos, é relevante a participação ativa e cons- ciente dos profissionais responsáveis pela sua pres- crição e dispensação. Neste contexto, o farmacêutico deveria ser o principal conhecedor no que tange a dispensação de medicamentos, precisando estar atualizado e instruí- do para proceder a intercambialidade ou substitui- ção de medicamentos de referência por genéricos com eficácia e credibilidade. Entretanto a atual realidade destes profissionais deixa a desejar. Em um estudo realizado por SANTANA e cols., 39% dos farmacêuticos entrevistados não souberam informar com precisão o que é um medicamento ge- nérico, enquanto apenas 23% respondeu corretamen- te o que é um processo de intercambialidade (SAN- TANA et al., 2003). Estes resultados demonstram a necessidade de encontrar novos caminhos para que os profissionais formados sejam mais bem prepara- dos para exercer a profissão, de modo que o farma- cêutico comprove sua importância para a sociedade. Quanto aos estudos farmacoepidemiológicos e as ações de farmacovigilância, estes são campos que necessitam ser trabalhados para a detecção dos problemas relacionados a medicamentos, e são tam- bém extremamente carentes de profissionais farma- cêuticos no Brasil. O termo farmacoepidemiologia contém dois componentes: fármaco e epidemiologia, ou seja, denomina o estudo da utilização de drogas em uma população (STROM, 2000). Já a farmacovigilância, é o conjunto de proce- dimentos de detecção, registro e avaliação das rea- ções adversas para a determinação de sua incidên- cia, gravidade, e relação de causalidade com a forma de dosificação de um medicamento, com o objetivo último da prevenção, com base no estudo sistemáti- co e pluridisciplinar das ações dos medicamentos (NU- NES, 2001). O que os gestores devem saber, é que, se fo- rem incentivados os serviços farmacêuticos no setor público proporcionando o desempenho de farmaco- epidemiologia e farmacovigilância, a economia com a diminuição de custos com efeitos adversos de medi- camentos será bem maior do que os gastos com pes- soal, com uma melhora exponencial da qualidade de vida dos pacientes positivando e muito, os valores desta matemática.
  • 4. 31Infarma, v.18, nº 3/4, 2006 Vigilância sanitária de medicamentos A vigilância sanitária de medicamentos é ainda um campo com escassez de profissionais farmacêuti- cos. Como atividade pertinente neste contexto, apli- ca-se a revisão dos procedimentos de registro de me- dicamentos de marca e similares. O farmacêutico, sendo o profissional do medicamento, deve estar apto e atualizado para realizar atribuições tais como infor- mar sobre produtos registrados, sua composição, in- dicações principais e formas de comercialização, co- nhecer os produtos retirados do mercado , trabalhar no controle da venda de psicotrópicos e entorpecen- tes, no controle da propaganda de medicamentos de venda livre e participar da regulamentação e controle de propaganda realizada pelos fabricantes de medi- camentos junto aos prescritores (BRASIL, 2001). O comércio e a distribuição de medicamentos no Brasil é um dos problemas mais sérios que afetam as farmácias e contra os quais a classe farmacêutica vem protestando ao longo dos tempos (ZUBIOLI, 1992). A propaganda de produtos é um fator que po- tancializa as deficiências no setor da assistência far- macêutica em serviços públicos e privados. O marketing de medicamentos muitas vezes en- cobre calamidades tais como o excesso de represen- tantes com escassez de conhecimentos, suborno, e falsos ensaios clínicos (LEXCHIN, 1997). Torna-se in- contestável que o farmacêutico, como profissional do medicamento, tem o dever de se manifestar, partici- pando das ações de vigilância sanitária de medica- mentos para favorecer o uso seguro e racional de medicamentos com custos acessíveis para toda a população. CONCLUSÕES A Política Nacional de Medicamentos é abran- gente, que, se colocada em prática, poderá trazer ao setor de saúde, no Brasil, melhorias exponenciais na qualidade de vida da população. As prioridades esti- puladas por esta política são a revisão permanente da relação nacional de medicamentos essenciais (Re- name), a assistência farmacêutica, a promoção do uso racional de medicamentos e a organização das ativi- dade de vigilância sanitária de medicamentos. O farmacêutico é um profissional apto com atri- buições favorecedoras à consolidação de tais priori- dades. Entretanto é necessária ainda muita reflexão por esta classe profissional sobre os seus direitos e deveres perante a sociedade na luta coletiva pelo uso seguro e racional de medicamentos por todos. REFERÊNCIAS ARRAIS, P.S.D.; COELHO, H.L.L.; BATISTA, M.C.D.S.; CARVA- LHO, M.L.; RIGHI, E.; ARNAU, J.M. Perfil da automedicação no Brasil. Rev. de Saúde Pública, São Paulo, v.31, n.1, p. 71-77. 1997. BONFIM, R.A.B. Os dédalos da política de medicamentos. In: BONFIM, R.A.B.; MERCUCCI, V.L. (Org). A construção da política de medicamentos. p. 21-37, São Paulo: Huci- tec. 381 p. BRASIL. Política Nacional de Medicamentos 2001/ Ministério da Saúde, Secretaria de Políticas de Saúde, Departamento de atenção básica – Brasília. Ministério da Saúde, 2001. DUPIM, J.A.A.; RIGHI, R.E. Medicamentos essenciais nos siste- mas locais de saúde. In: BONFIM, R.A.B.; MERCUCCI, V.L. (Org). A construção da política de medicamentos. p. 138-154, São Paulo: Hucitec. 1997. 381p. FERNANDES, Z.C. Hora da reação. Pharmacia Brasileira. nº 39, p.4-9. Set/out 2003. LEXCHIN, J. Uma fraude planejada: a publicidade farmacêutica no terceiro mundo. In: BONFIM, R.A.B.; MERCUCCI, V.L. (Org). A construção da política de medicamentos. p. 269-292. São Paulo: Hucitec. 1997. 381 p. ROZENFELD, S. O uso de medicamentos no Brasil. In: LAPOR- TE, J.R.; TOGNONI, G.; ROZENFELD, S. Epidemiologia do medicamento. Princípios gerais. P. 21-41, São Paulo: Hu- citec. 1989. 264 p. SANTANA, A.D.; LYRA Jr., D.P.; NEVES, S.J.F. Qualidade da infor- mação farmacêutica na dispensação dos medicamentos ge- néricos. Infarma. V. 15, nº 9-10, Brasília: Esdeva, set/out 2003. SANTOS, J.S. Genéricos: uma questão de humanidade. Phar- macia Brasileira. nº 8, p.5-8. jan/fev/mar 1998. STROM, B.L. What is pharmacoepidemiology? In: STROM, B.L. (Org). Pharmacoepidemiology. P. 3-15. 3. Ed. England: British Library. 2000. 871 p. VIDOTTI, C.C.F. Centro Brasileiro de Informações sobre Medi- camentos (CEBRIM). In: BONFIM, R.A.B.; MERCUCCI, V.L. (Org). A construção da política de medicamentos. p. 158-163. São Paulo: Hucitec. 1997. 381 p. ZUBIOLI, A. O controle no exercício da farmácia. In: Pro- fissão: farmacêutico. E agora? p. 63-76. Curitiba: Lovise. 1992. 165 p.