SlideShare uma empresa Scribd logo
1
S A Ú D E S E X U A L E
R E P R O D U T I VA D O S
J O V E N S B R A S I L E I R O S
2
A juventude brasileira está preparada
para exercer plenamente sua sexualidade,
assumir responsabilidades e tomar decisões
que impactem positivamente sua saúde? Em
alguns momentos, sim. Em outros, apresenta
desconhecimento, deixando temas
importantes como saúde sexual e formas
de prevenção longe de seu cotidiano. É
o que mostra a pesquisa Saúde Sexual e
Reprodutiva dos Jovens Brasileiros, retrato
atual de como pensam e agem os jovens
brasileiros, e o nível de conhecimento e
maturidade deles.
Lançado pelo Instituto Social CAIXA
SEGUROS com o objetivo de promover a
saúde dos jovens, o estudo Saúde Sexual
e Reprodutiva dos Jovens Brasileiros
é o terceiro volume de uma série sobre
juventude e sexualidade. Nesta última
parte, os dados são um alerta aos órgãos
de educação, saúde pública, empresas
privadas e sociedade civil sobre os
conhecimentos, atitudes e práticas dessa
faixa etária em relação ao tema.
A contradição apresentada pelos jovens
entrevistados tem reflexos alarmantes
no sistema de saúde brasileiro. A falta
de informações corretas contribui, por
exemplo, para o alto índice de abortos e
para a mortalidade materna no país. As
estimativas mais recentes do Ministério da
Saúde apontam de 728 mil a 1 milhão
de abortamentos por ano no Brasil. A
taxa atual de 3,7 ocorrências a cada
100 mulheres em idade fértil é muitas
vezes superior aos valores observados
Apresentação
3
em países da Europa Ocidental, onde
o aborto é legal, seguro e acessível. Em
algumas capitais das regiões Norte e
Nordeste, o procedimento é a primeira
causa de morte materna há mais de uma
década. O problema também tem reflexo
no número de internações hospitalares. No
país, são cerca de 240 mil anualmente,
somente no Sistema Único de Saúde, para
o tratamento de complicações decorrentes
de abortos, gerando gastos da ordem de
R$ 45 milhões por ano.
O estudo Saúde Sexual e Reprodutiva
dos Jovens Brasileiros comprova na
prática que os comportamentos adotados
pelos jovens podem ser causados,
principalmente, pela falta de conhecimento
sobre seus direitos e sua saúde.
Assim como nos dois volumes anteriores
– Juventude, comportamento e DST/Aids
e Atitude e tolerância: o que os jovens
pensam sobre sexualidade – o Instituto
Social CAIXA SEGUROS espera que os
resultados apresentados nesta terceira
etapa do estudo possam contribuir com a
criação de politicas públicas capazes de
mudar o panorama observado entre os
jovens brasileiros, de forma a promover
educação sexual e saúde reprodutiva aos
jovens de todo o país.
Boa leitura!
Apresentação
4
O estudo Saúde Sexual e Reprodutiva dos Jovens Brasileiros entrevistou 1.208 pessoas,
com idades entre 18 e 29 anos, em 15 estados e no Distrito Federal. Realizada pelo Instituto
Social CAIXA SEGUROS , a pesquisa de abrangência nacional foi concebida e analisada
pela John Snow Brasil Consultoria, com informações coletadas pela Opinião Consultoria.
Baseado nos critérios adotados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE),
o estudo foi aprovado no Comitê de Ética da Faculdade de Medicina da Universidade de
Brasília e teve acompanhamento da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) e do
Departamento de DST/Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde.
METODOLOGIA
5
Nos anos de 2012 e 2013, o
Grupo CAIXA SEGUROS publicou
as duas primeiras partes do estudo:
“Juventude, comportamento e DST/
aids” e “Atitude e tolerância: o que
os jovens pensam sobre sexualidade”,
respectivamente. Veja a seguir um
resumo do que as pesquisas apontaram
sobre o atual perfil do jovem brasileiro.
O jovem não se previne
A primeira parte da pesquisa revelou
que, de cada 10 jovens brasileiros,
quatro acham que não precisam usar
camisinha em um relacionamento
estável. Outros resultados apontam,
ainda, a falta de alguns conhecimentos
nessa faixa etária: um em cada cinco
considera ser possível contrair HIV/Aids
se usar os mesmos talheres e/ou copos
de outras pessoas, e 15% pensam
que doenças como dengue, malária,
hanseníase ou tuberculose são Doenças
Sexualmente Transmissíveis (DST).
Preconceito e intolerância
Cerca de metade dos jovens
entrevistados sobre o tema educação
e equidade sexual considerou ser
justificável a violência contra mulheres
que se vestem de forma insinuante.
Também impressiona o índice de jovens
que ainda são tolerantes em relação à
agressão do parceiro contra a mulher
que se recusa a ter relação sexual: mais
de 16%. O estudo vai além e aborda
a questão do preconceito em relação à
orientação sexual. Cerca de 30% dos
entrevistados se incomodariam em ter
um amigo ou professor gay. Quando
a orientação sexual está ligada a
um parente próximo, a intolerância
se agrava: quase 50% dos jovens se
incomodariam caso descobrissem que
o irmão é gay ou a irmã, lésbica.
OUTROS ES TUDOS
6
A saúde sexual é entendida como a integração dos aspectos emocionais, intelectuais
e sociais do jovem, de maneira a enriquecer o conhecimento, as atitudes e as práticas
nos relacionamentos. O propósito da saúde sexual é melhorar a qualidade das relações
interpessoais. Veja quais são os direitos sexuais, segundo o Ministério da Saúde.
Mas o que é
saúde sexual?
• O direito de viver e expressar
livremente a sexualidade sem
violência, discriminações e
imposições, e com total respeito
pelo corpo do(a) parceiro(a).
• O direito de escolher o(a)
parceiro(a) sexual.
• O direito de viver plenamente a
sexualidade sem medo, vergonha,
culpa e falsas crenças.
• O direito de viver a sexualidade,
independentemente de estado civil,
idade ou condição física.
•O direito de escolher se quer ou não
quer ter relação sexual.
• O direito de expressar
livremente sua orientação
sexual: heterossexualidade,
homossexualidade, bissexualidade.
• O direito de ter relação sexual,
independentemente da reprodução.
• O direito ao sexo seguro para
prevenção da gravidez e de
doenças sexualmente transmissíveis
(DST) e Aids.
• O direito a serviços de saúde que
garantam privacidade, sigilo e um
atendimento de qualidade, sem
discriminação.
• O direito à informação e à
educação sexual e reprodutiva.
7
De acordo com o Programa de Ação da
Conferência Internacional sobre População
e Desenvolvimento das Nações Unidas
(ONU), realizado na cidade do Cairo, em
1994, saúde reprodutiva é definida como
o estado de bem-estar físico, mental e
social em todos os aspectos da vivência da
sexualidade e dos direitos relacionados ao
tema, além de suas funções, e não somente
à ausência de doenças ou enfermidades.
O conceito também é entendido pelo
Ministério da Saúde como um direito dos
jovens, incluindo:
• O direito de acesso a informações,
meios, métodos e técnicas para ter ou
não ter filhos.
• O direito das pessoas decidirem, de
forma livre e responsável, se querem ou
não ter filhos, quantos filhos desejam ter
e em que momento de suas vidas.
• O direito de exercer a sexualidade e
a reprodução livre de discriminação,
imposição e violência.
E o que é saúde
reprodutiva?
P er f il dos J ov e ns
9
Eles têm entre 18 e 29 anos. Apenas 30% estudam e 56% já reprovaram. Mais da metade dos jovens são católicos e quase um
terço, evangélicos. De cada dez, seis acessam a internet com frequência, e cinco navegam pelo menos duas horas por dia. Eles
querem aprender novos conteúdos, ter novas experiências. A maioria perdeu a virgindade entre os 14 e os 18 anos, e 90% já
tiveram relação sexual. Quase todos são heterossexuais.
O estudo Saúde Sexual e Reprodutiva dos Jovens Brasileiros entrevistou 1.208 jovens para traçar esse perfil. Eles foram ouvidos
em domicílio. A margem de erro da pesquisa, ponderada regional e nacionalmente, é de 2,8%. O recorte é representativo da
população jovem brasileira, e retrata com fidelidade as atitudes da nossa juventude em relação à educação e à equidade sexual.
As mulheres correspondem a 55% da amostra e os homens, a 45%.
10
As entrevistas foram realizadas
em 16 unidades da Federação
Rondônia, Amazonas, Pará, Maranhão, Ceará,
Rio Grande do Norte, Pernambuco, Bahia, Minas
Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Rio
Grande do Sul, Mato Grosso, Goiás e Distrito Federal
Região Norte			180
Região Nordeste			300
Região Sudeste			360
Região Sul				180
Região Centro-Oeste		 180
11
Abaixo, o recorte representativo dessa população
e o retrato fiel das atitudes da nossa juventude em relação
à educação e à equidade sexual:
A maioria está subempregada.
A remuneração de 62,4%
dos jovens não ultrapassa os
dois salários mínimos
34,7% têm a mãe como
principal fonte de amparo
quando precisam conversar sobre
problemas pessoais. O pai figura
apenas na sexta posição, com
6,5%, atrás dos amigos, dos
parceiros e dos irmãos.
21,9% dos jovens
apontam amigos e colegas
como a principal fonte de
educação sexual. Os pais ou
responsáveis assumem esse
papel em 20,1% dos casos.
60% trabalham
12% representam a
única renda da família
56% dos jovens se
autodenominam pardos
ou negros
93% declararam ter transado
nos últimos doze meses.
Apenas 17% foram
além do Ensino Médio
70% não estudam
43,46%
13,08%
3,39%
0,58%
0,33%
13,41%
8,36%
17,38%
Não estudou/não frequentou a escola
Ensino fundamental incompleto
Ensino fundamental completo (antigo 10
Grau)
Ensino médio incompleto
Ensino médio completo (antigo 20
Grau)
Superior incompleto
Superior completo
Pós-graduado
54,3% conversam sempre ou quase
sempre com os pais ou responsáveis.
Os assuntos violência, drogas e sexo são
os menos abordados.
a pes q uisa
O estudo Saúde Sexual e Reprodutiva dos Jovens Brasileiros definiu o perfil de comportamento
considerado ideal em relação à saúde sexual e reprodutiva. Para isso, seguiram uma metodologia
sólida, baseada na escala CAP (Conhecimentos, Atitudes e Práticas).
Dentro da escala adotada, o conhecimento é toda informação a que o jovem tem acesso, seja
por meio de aulas, diálogo, leitura, internet, televisão, experiências próprias etc. A atitude é um
conceito ligado à disposição ou intenção de fazer algo. Já a prática é a maneira como a pessoa
realmente aplica o conhecimento e transforma a intenção em ação.
13
A média do jovem brasileiro
Para chegar ao retrato atual de
comportamentos, atitudes e práticas do
jovem com relação à sua saúde sexual
e reprodutiva, a pesquisa se baseou
em 17 questões e afirmações, que
foram respondidas pelos entrevistados.
Considerando esses fatores, um jovem
obtém pontuação máxima (+17 pontos) se
responder corretamente todos os itens. No
outroextremo,sederrespostasconsideradas
incorretas para todos os questionamentos,
fica com a pontuação mínima (-17 pontos)
na escala, demonstrando ter baixo nível
de conhecimento sobre saúde sexual e
reprodutiva. De acordo com os critérios
adotados pelo estudo Saúde Sexual e
Reprodutiva dos Jovens Brasileiros,
essa parcela da população obteve
uma pontuação média de 5,65 pontos.
Isso significa que o jovem ainda não
tem segurança suficiente e desconhece
informações básicas e necessárias para
exercer uma vida sexual saudável e plena.
A seguir, as 17 questões feitas aos jovens
entrevistados e como cada um desses
fatores pode impactar a educação e a
saúde pública do país.
14
Em que período do mês a mulher tem
mais chances de engravidar?
A escola deve fornecer informações sobre
saúde sexual e reprodutiva tanto para
alunos quanto para alunas.
A mulher que tem muitos filhos deve ser
obrigada a fazer ligadura de trompas.
A mulher só se realiza se for mãe.
Se uma mulher engravidar, o cuidado com
o filho é responsabilidade do casal.
A decisão pelo aborto deve ser da
mulher.
Os jovens têm o direito de escolher o
método que quiserem para prevenir a
gravidez.
Os jovens têm o direito de decidir quando
ter filhos.
Nível de confiança em relação às
Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs)
e Gravidez Indesejada
Você já usou preservativo?
Você já usou preservativos para evitar a
gravidez?
Você usou algum tipo de contraceptivo na
última vez em que teve relações sexuais?
Durante os últimos 12 meses, você visitou
um centro de saúde?
Uma mulher pode ficar grávida na
primeira vez que fizer sexo.
A camisinha é o único método que
previne a gravidez e as Doenças
Sexualmente Transmissíveis (DSTs).
Retirar o pênis antes de gozar é um bom
método para se evitar a gravidez.
O preservativo é eficaz para evitar
gravidez e contrair infecções sexualmente
transmissíveis.
15
Chances de engravidar
Apenas 31,4% dos entrevistados deram a
resposta correta: o período do mês em que
a mulher tem mais chances de engravidar é
uma semana após a menstruação. Outros
25,7% não sabem exatamente quando
ocorre o período fértil e responderem
“assim que acaba a menstruação”. Os
43% restantes não têm conhecimentos
sobre a questão. Eles se dividiram entre as
respostas “não sei” (22,7%), “em qualquer
época” (11,5%) e “durante a menstruação”
(8,8%).
Outro dado relevante que mostra a falta
de informação dos jovens: 9,3% dos
entrevistados não acreditam (ou não
sabem) que a mulher pode ficar grávida na
primeira vez que fizer sexo. Outros 8,6%
desconhecem esta possibilidade.
Em que periodo do mês a mulher tem mais chances de engravidar?
Uma mulher pode ficar grávida na primeira vez que ela fizer sexo
16
Escola, fonte de informação
Mais de 90% dos entrevistados concordam
total ou parcialmente que a escola é
o local mais adequado para fornecer
conhecimentos sobre saúde sexual e
reprodutiva tanto para alunos quanto
para alunas. Apenas 2,2% discordam
totalmente da afirmação de que o colégio
deva informar sobre o tema.
A escola deve fornecer informações sobre saúde sexual
e reprodutiva tanto para alunos quanto para alunas.
17
Informação e participação
Thereza de Lamare, coordenadora da Área Técnica da Saúde do Adolescente e do Jovem (ASAJ) do Ministério da Saúde
“É preciso inovar na maneira de falar com os jovens.” A declaração de Thereza de Lamare vai ao encontro dos resultados obtidos pelo estudo.
Para ela, a pesquisa demonstra a necessidade de buscar novos meios de trabalhar a informação sobre saúde sexual e reprodutiva com este
público, como o celular e as redes sociais. “O jovem tem que ser um participante efetivo da estratégia de saúde pública. Em muitos casos,
ele pode reproduzir a informação de forma melhor”, aponta.
Para ela, é fundamental que informações sobre prevenção estejam inseridas no cotidiano das pessoas. “Mesmo com parceiro constante, é
natural que você corra riscos. O preservativo impede a transmissão das DSTs, evita doenças. Usar camisinha tem que se tornar um hábito”,
destaca a especialista.
Thereza de Lamare ressalta que a orientação e a educação devem ser contínuas, dentro e fora das instituições de ensino. “A escola tem um
papel fundamental. Mas precisamos avançar muito nessa estratégia de comunicação para os jovens e com eles. Isso é fundamental. Fazer a
informação chegar e aproveitar os espaços onde eles estão. Temos que fazer as empresas onde eles trabalham, por exemplo, desenvolverem
ações que contribuam para isso”, explica. “Não é à toa que estamos investindo no programa Saúde na Escola. É uma parceria com o
Ministério da Educação para desenvolver série de ações, para que as equipes de Saúde da Família possam estar mais perto dos jovens a
fim de orientar sobre o exercício da sexualidade ao longo da vida”, complementa.
18
Esterilização feminina
Quando questionados sobre a
obrigatoriedade de a mulher ser submetida
à ligadura de trompas após ter muitos filhos,
53,6% dos rapazes e das moças concordam
total ou parcialmente com a afirmação.
Apenas 19,7% discordam totalmente.
A mulher que tem muitos filhos deve ser obrigada a fazer ligadura de trompas
19
A realização da mulher como mãe
De acordo com a pesquisa do Grupo CAIXA
SEGUROS, 52% dos jovens brasileiros
entre 18 e 29 anos discordam total ou
parcialmente que a mulher só se realiza se
for mãe. No entanto, uma grande parcela
dos entrevistados, de 33%, tem posição
oposta e concordam total ou parcialmente
que a realização feminina tem total relação
com a maternidade.
De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o número de mães com mais de 40 anos cresceu 27%, entre 1991 e 2000. A
escolaridade é um dos condicionantes do comportamento da fecundidade feminina, já que as mulheres com até sete anos de estudo têm, em média, 3,19
filhos, enquanto o número de filhos das mulheres com oito anos ou mais de estudo é 1,68.
A idade média com que as mulheres têm filhos também se diferencia pela instrução: entre aquelas com menos de sete anos de estudo, a média era de
25,2 anos. Entre as que têm oito anos ou mais de escolaridade, a idade média é de 27,8, diferença de 2,6 anos. As estatísticas do IBGE mostram que,
em 1990, a idade média em que as mulheres se casaram era 22 anos. Atualmente, a média é 28 anos. Em 1980, a primeira gravidez ocorria por volta
dos 23 anos. Hoje, por volta dos 30.
A mulher só se realiza se for mãe
20
Parceria na criação
Mais de 92% dos homens e mulheres alvos
do estudo afirmaram que o casal deve
dividir os cuidados com a criança.
Se uma mulher engravidar o cuidado com o
filho é responsabilidade dos dois
21
Decisão sobre o aborto
De acordo com as políticas de saúde,
a decisão sobre o abortamento é
exclusiva da mulher. No entanto, 61,7%
dos entrevistados discordam total ou
parcialmente dessa afirmação. Apenas
18,7%concordam,pelomenosparcialmente,
que a mulher é a única que pode decidir se
mantém ou não a gravidez.
A decisão pelo aborto deve ser da mulher
22
Responsabilidades compartilhadas
Gary Barker, fundador e diretor internacional do Instituto Promundo
Um resultado positivo do estudo Juventude, Comportamento e DST/aids foi a resposta dos jovens entrevistados à questão sobre a responsabilidade
na criação do filho. Para Gary Barker o resultado é consistente com a causa apoiada pela organização, que trabalha para conscientizar os
homens sobre igualdade de gênero e combater a violência contra a mulher. “Realizamos pesquisas no Rio de Janeiro e em Recife, além da
América Latina e da África. Trabalhamos com três faixas etárias, dos 18 aos 59 anos. A geração mais jovem, dos 18 aos 30 anos, tem a
consciência de que homens e mulheres precisam estar inseridos no mercado de trabalho. Então, cada um deve também ter a responsabilidade
na hora de cuidar dos filhos”, afirma.
Barker destaca, no entanto, que essa aceitação na divisão das tarefas da casa não é uma mudança de atitude dos homens. “Se perguntarmos
para o homem, ele vai dizer que é papel da mulher cuidar do filho. O que houve foi uma mudança no mundo. Os homens resistem, mas o
mundo do trabalho empurra a camada mais jovem da população para essa divisão de tarefas. Nos países emergentes, cresce a aceitação
de que as mulheres estão inseridas no mercado de trabalho”, explica.
Assim como a criação dos filhos, Gary Barker acredita que a decisão pelo aborto deveria ser compartilhada pelo casal, embora a legislação
brasileira preveja que a decisão do aborto é da mulher (em casos de situações específicas). “A legislação está alinhada com a corrente
feminista. Aborto é decisão dela, mas não deixa de ser um tema polêmico. Se queremos a igualdade de gêneros e, na hora da decisão sobre
o aborto, ele não opina, isso é um “não” em termos de igualdade. Seria mais igualitário dizer que o corpo é dela e o casal, junto, decidir.
Mas isso, claro, no caso de o homem estar ao lado da mulher, estar efetivamente envolvido no processo da gravidez.”
Segundo o diretor internacional do Promundo, falta mais discussão sobre o tema. Para ele, as pessoas ainda não se sentem à vontade para
falar de aborto. “Há um resquício moralista nesta questão, ligado, principalmente, à religião, especialmente a católica e a evangélica, acredita.”
23
Aborto na legislação brasileira
A lei brasileira permite o aborto em duas situações: quando a gestação representa risco de morte
para a mãe ou quando a gravidez é resultado de estupro, se a mulher desejar interromper a gravidez.
Em abril do ano passado também foi liberada a interrupção da gestação no caso de fetos com
anencefalia. Neste caso, a mudança foi determinada pelo Supremo Tribunal Federal e não por
mudança da lei.
Na decisão do STF, a maioria dos ministros entendeu que feto com anencefalia é natimorto e, logo,
a interrupção da gravidez nesse caso não é comparada ao aborto.
A decisão livra as gestantes que esperam fetos com anencefalia de buscarem autorização da Justiça
para antecipar os partos.
24
Direito Reprodutivo
A grande maioria dos entrevistados, 81%,
acredita que os jovens têm o direito de
escolher o método para prevenir a gravidez.
Já 11,8% discordam da afirmação.
Em outra questão, mais de 68% dos
entrevistados consideram que adolescentes
os jovens têm o direito de decidir quando
ter filhos.
Adolescentes e jovens têm o direito de escolher o
método que quiserem para prevenir a gravidez
Adolescentes e jovens têm o direito de decidir quando ter filhos
25
Níveis de confiança
Em relação às doenças sexualmente
transmissíveis e à gravidez indesejada,
homens e mulheres demonstram diferentes
níveis de confiança. Veja, como os
rapazes ficam mais tranquilos do que as
moças quando o assunto são as DSTs. No
entanto, ao se falar de gravidez, eles são
mais inseguros.
Nível de Confiança em Relação a DSTs e Gravidez Indesejada
26
Quase 10% dos jovens entrevistados nunca
usaram preservativos em suas relações
sexuais. 90,5% já usaram camisinha pelo
menos uma vez.
Você já usou preservativo?
27
Na última relação sexual, 45,4% dos
homens e mulheres usaram algum método
contraceptivo. 39,9% não usaram qualquer
método e 7,1% declararam não se lembrar.
Se somarmos os dois últimos números,
chegamos a 47% dos que não usaram
preservativos na última relação sexual.
Você usou algum tipo de contraceptivo na última vez
que teve relações sexuais?
28
54,9% procuraram o serviço de saúde nos
últimos 12 meses, com o objetivo de obter
contraceptivos. Outros 31,2% buscaram
informações sobre saúde reprodutiva.
Durante os últimos 12 meses, você visitou um centro
de saúde para obter:
29
Prevenção e vulnerabilidade
Quase 42% dos jovens não sabem que a
camisinha é o único método que previne
a gravidez e as doenças sexualmente
transmissíveis. Esse dado, aliado ao fato
de 28,4% dos entrevistados acreditarem
que retirar o pênis antes de gozar é um
método seguro para se evitar a gravidez,
demonstra a vulnerabilidade desse público.
A camisinha é o único método que previne a gravidez e
as Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST)
Retirar o pênis antes de gozar é um bom método para
se evitar a gravidez
30
Eficácia da camisinha
Estudo realizado pela Universidade de Wisconsin, nos Estados Unidos, mostrou que o uso
da camisinha nas relações sexuais possui eficácia de 90% a 95% na proteção ao HIV/AIDS.
Para outras DSTs esta eficácia pode variar um pouco para cima ou para baixo. Mesmo assim,
o preservativo ainda é o método mais seguro de prevenir qualquer DST durante o ato sexual.
O Ministério da Saúde afirma que mesmo nos casos em que alguns preservativos não se
mostraram resistentes, as camisinhas oferecem 10 mil vezes mais proteção contra o vírus da
Aids do que a sua não utilização.
31
Tabu e informação
Nara Santos, coordenadora da Unidade de Saúde e Desenvolvimento do Escritório de Ligação e Parceria do Escritório das Nações Unidas
sobre Drogas e Crime (UNODC) no Brasil
O estudo demonstra que há barreiras entre a informação e os jovens, parcela vulnerável que é alvo da pesquisa. Segundo Nara Santos, o
trabalho pode nortear as estratégias para alcançar esse público.
“É um grupo excluído do sistema educacional, já que 70% não estudam. As pessoas entram no ensino fundamental, uma parcela menor chega
ao ensino médio, e outra menor ainda entra na universidade. A pesquisa mostra um retrato de um grupo extremamente relevante no que diz
respeito às DSTs e Aids. Apresenta um panorama que vai contribuir no campo das políticas públicas”, avalia a especialista.
Nara Santos se preocupa com a inconsistência no conhecimento dos jovens entrevistados. Para ela, isso é indício de que a informação,
sozinha, não muda a prática. “Existe, por exemplo, um número significativo de jovens (8,1%) que nunca usaram preservativo para evitar
gravidez. Quando se fala da última relação sexual, o percentual dos jovens que não usam a camisinha pula para 39,9%. Se você somar com
os 7% que dizem não se lembrar, o que isso quer dizer? Quando achamos que esta é um informação consolidada, percebemos o contrário:
é um desafio enorme”, aponta.
Ela destaca um ponto delicado da pesquisa: o direito ao aborto. Nara questiona o que leva os jovens a pensar que a mulher não pode decidir
sobre o abortamento no Brasil. “Por que esse tipo de informação não está sendo discutido ou não está chegando a esse grupo? No campo
das políticas públicas, isso está definido: a decisão é da mulher.”
Nara acredita que temas relevantes, como os apontados no estudo, continuam sendo tabus na sociedade. Por isso, não são discutidos entre
os jovens. Mas ela vê uma possibilidade de melhorar esse quadro a partir da religião, pois mais de 65% dos entrevistados participam ou já
participaram de algum grupo religioso e não discutem o assunto. “Nós investimos muito em políticas voltadas para ONGs, mas como está a
parceria com grupos religiosos? Existe a Pastoral DST/Aids, a ONU trabalha muito com candomblé, centros de umbanda. Mas como abordar
os grupos evangélicos, por exemplo? Se esses jovens não estão na universidade, não estão no trabalho formal, e estão na igreja, um caminho
é conversar com eles nesses espaços”, finaliza.
32
es c ala c ap
Com base na escala de comportamento,
os pesquisadores puderam avaliar quais
perfis influenciam o jovem a ter mais ou
menos conhecimentos, atitudes e práticas
(CAP) sobre saúde sexual e reprodutiva.
33
Na escala para gêneros, a pesquisa
revelou que as mulheres jovens, de forma
geral, têm atitudes, comportamentos e
práticas mais adequadas em relação aos
homens. Elas obtiveram pontuação média
de 6,19 na escala de 17 pontos, enquanto
eles ficaram com apenas 4,99.
GÊNERODistribuição Escala CAP Gênero
34
Em relação à escolaridade, quanto
mais tempo o jovem estudou, mais tem
conhecimentos sobre saúde reprodutiva.
Aqueles que possuem apenas o ensino
fundamental incompleto, por exemplo,
alcançaram 4,51 pontos. Já os que têm
ensino superior completo conseguiram um
índice de 7,30.
Outro aspecto que influencia os CAPs é
o fato de o jovem ter ou não reprovado
alguma vez, que implica uma queda de
1,13 pontos na escala.
ESCOLARIDADE
Distribuição Escala CAP por Escolaridade
Distribuição Escala CAP por Reprovação Escolar
35
Os evangélicos/protestantes recebem
menos informação sobre saúde reprodutiva,
por isso são mais vulneráveis. Eles somaram
5,05 pontos na escala, enquanto os
espíritas obtiveram 6,50.
RELIGIÃO
Distribuição Escala CAP Crença Religiosa
36
Fatores determinan tes
37
Acesso ao serviço de saúde
Os rapazes e as moças que sabem encontrar
tratamento médico e informações sobre
saúde sexual também obtêm mais pontos.
A pesquisa mostra alguns fatores determinantes, que contribuem positivamente para a saúde sexual e reprodutiva.
Distribuição Escala CAP Saber
Encontrar/Procurar Tratamento Médico e
informações sobre Saúde Sexual
38
Relação sexual nos últimos 12 meses
os jovens que já perderam a virgindade e
daqueles que tiveram relação sexual nos
últimos 12 meses são menos vulneráveis.
Distribuição Escala CAP Ter
Transado nos Últimos 12 Meses
39
Amigo como principal referência
Ter um amigo como principal referência
para o assunto contribui para uma maior
pontuação na escala CAPs.
Distribuição Escala CAP
Referência Pessoal
40
Os jovens brasileiros não estão seguros
quando o assunto é saúde reprodutiva.
Não sabem quando a mulher pode
engravidar; acham que a mulher deve
ser obrigada a sofrer ligadura de trompas
se tiver muitos filhos; e ainda pensam
que elas se realizam apenas quando se
tornam mães. Muitos ainda não sabem
que a camisinha é o método de prevenção
mais seguro para gravidez e DSTs.
Outro aspecto importante que nos mostra
o desconhecimento dos jovens, é que
não há diferenças estatísticas significantes
quando comparamos homens e mulheres.
Entre os pontos positivos, a maioria
dos jovens considera que a escola
deve fornecer informações sobre saúde
sexual e reprodutiva, tanto para alunos
quanto para alunas; e que o homem
deve compartilhar a responsabilidade de
cuidar do filho.
O volume de informação disponível na
Internet e nos demais veículos não é
suficiente. É preciso ampliar o diálogo e
qualificar os canais que abordem assuntos
ligados à saúde reprodutiva dos jovens.
A falta dos conhecimentos, atitudes e
hábitos demonstrados neste estudo são
fontes de problemas sérios para o futuro
dos jovens brasileiros e suas famílias.
Políticas públicas e programas de
investimento social sobre saúde sexual
e reprodutiva dos jovens precisam ser
fortalecidos e desenvolvidos. Governo,
empresas e sociedade civil podem
avançar em suas iniciativas, criando
e solidificando práticas com o público
jovem, para que eles se sintam mais
seguros e que tenham uma vida sexual
plena.
C O N C L U S Ã O
41
EXPEDIENTE
A pesquisa Saúde Sexual e Reprodutiva dos
Jovens Brasileiros: o que os jovens pensam
sobre sexualidade
é uma publicação do Instituto Social CAIXA
SEGUROS
Supervisão
Gregoire Saint Gal de Pons
Alice Scartezini
Coordenação Técnica
John Snow Brasil Consultoria
Miguel Fontes
Rodrigo Laro
Rafael Fujioka
Alysson Camargo
Coordenação de Coleta de Dados
Opinião Consultoria
Colaboração
Organização Panamericana de Saúde
(OPAS)
Departamento de DST, Aids e Hepatites
Virais do Ministério da Saúde
Projeto Editorial
L4 Comunicação
Lauro Aires
Larissa Ortale
Lucas Mesquita
Paola Manzolillo
Cláudio Fernandes
Projeto Gráfico
ÁS Promo
42

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Workshop sexualidade e deficiência
Workshop  sexualidade e deficiênciaWorkshop  sexualidade e deficiência
Workshop sexualidade e deficiência
SER_2011
 
Abuso sexual - PROFESSORA ALISANDRA SANTOS
Abuso sexual - PROFESSORA ALISANDRA SANTOSAbuso sexual - PROFESSORA ALISANDRA SANTOS
Abuso sexual - PROFESSORA ALISANDRA SANTOS
AlisandraOliveira2
 
Sexualidade feminina
Sexualidade femininaSexualidade feminina
Sexualidade feminina
Bruno Morais Lopes
 
Sexualidade e afetividade 1
Sexualidade e afetividade 1Sexualidade e afetividade 1
Sexualidade e afetividade 1
Patrícia Alvarenga Sá
 
Adolescência riscos da atividade sexual precoce
Adolescência riscos da atividade sexual precoceAdolescência riscos da atividade sexual precoce
Adolescência riscos da atividade sexual precoce
Maraisa Medeiros de Souza
 
Sem tabus
Sem tabus  Sem tabus
Sem tabus
Vanessa Jorge
 
ConsideraçõEs Sobre A Sexualidade Do Autista Com A
ConsideraçõEs Sobre A Sexualidade Do Autista Com AConsideraçõEs Sobre A Sexualidade Do Autista Com A
ConsideraçõEs Sobre A Sexualidade Do Autista Com A
Thiago de Almeida
 
8º ano
8º ano8º ano
Educação sexual
Educação sexualEducação sexual
Educação sexual
Fernnandaok
 
A Sexualidade e a Escola
A Sexualidade e a EscolaA Sexualidade e a Escola
A Sexualidade e a Escola
Michele Pó
 
Direitos reprodutivos e direitos sexuais.
Direitos reprodutivos e direitos sexuais.Direitos reprodutivos e direitos sexuais.
Direitos reprodutivos e direitos sexuais.
Fábio Fernandes
 
Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidade
Isabel Aguiar
 
Direitos sexuais e reprodutivos na adolescência
Direitos sexuais e reprodutivos na adolescênciaDireitos sexuais e reprodutivos na adolescência
Direitos sexuais e reprodutivos na adolescência
Elza Castro
 
Orientacao sexual
Orientacao sexualOrientacao sexual
Orientacao sexual
Yanomami Lima Marinho
 
Educação Sexual - Apresentação aos Enc. Educação
Educação Sexual - Apresentação aos Enc. Educação Educação Sexual - Apresentação aos Enc. Educação
Educação Sexual - Apresentação aos Enc. Educação
Sandra Freitas
 
Sexualidade Sem Tabus - Apresentação Final
Sexualidade Sem Tabus - Apresentação FinalSexualidade Sem Tabus - Apresentação Final
Sexualidade Sem Tabus - Apresentação Final
guest63f1fa
 
Sexualidade e educação
Sexualidade e educaçãoSexualidade e educação
Sexualidade e educação
Flávia Cunha Lima
 
Perguntas e respostas sobre orientação sexual e identidade de género
Perguntas e respostas sobre orientação sexual e identidade de géneroPerguntas e respostas sobre orientação sexual e identidade de género
Perguntas e respostas sobre orientação sexual e identidade de género
Licínia Simões
 
Educação sexual e prevenção slides
Educação sexual e prevenção   slidesEducação sexual e prevenção   slides
Educação sexual e prevenção slides
Valentinacarvalho
 
SEXUALIDADE E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA
SEXUALIDADE E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIASEXUALIDADE E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA
SEXUALIDADE E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA
Jose Camara
 

Mais procurados (20)

Workshop sexualidade e deficiência
Workshop  sexualidade e deficiênciaWorkshop  sexualidade e deficiência
Workshop sexualidade e deficiência
 
Abuso sexual - PROFESSORA ALISANDRA SANTOS
Abuso sexual - PROFESSORA ALISANDRA SANTOSAbuso sexual - PROFESSORA ALISANDRA SANTOS
Abuso sexual - PROFESSORA ALISANDRA SANTOS
 
Sexualidade feminina
Sexualidade femininaSexualidade feminina
Sexualidade feminina
 
Sexualidade e afetividade 1
Sexualidade e afetividade 1Sexualidade e afetividade 1
Sexualidade e afetividade 1
 
Adolescência riscos da atividade sexual precoce
Adolescência riscos da atividade sexual precoceAdolescência riscos da atividade sexual precoce
Adolescência riscos da atividade sexual precoce
 
Sem tabus
Sem tabus  Sem tabus
Sem tabus
 
ConsideraçõEs Sobre A Sexualidade Do Autista Com A
ConsideraçõEs Sobre A Sexualidade Do Autista Com AConsideraçõEs Sobre A Sexualidade Do Autista Com A
ConsideraçõEs Sobre A Sexualidade Do Autista Com A
 
8º ano
8º ano8º ano
8º ano
 
Educação sexual
Educação sexualEducação sexual
Educação sexual
 
A Sexualidade e a Escola
A Sexualidade e a EscolaA Sexualidade e a Escola
A Sexualidade e a Escola
 
Direitos reprodutivos e direitos sexuais.
Direitos reprodutivos e direitos sexuais.Direitos reprodutivos e direitos sexuais.
Direitos reprodutivos e direitos sexuais.
 
Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidade
 
Direitos sexuais e reprodutivos na adolescência
Direitos sexuais e reprodutivos na adolescênciaDireitos sexuais e reprodutivos na adolescência
Direitos sexuais e reprodutivos na adolescência
 
Orientacao sexual
Orientacao sexualOrientacao sexual
Orientacao sexual
 
Educação Sexual - Apresentação aos Enc. Educação
Educação Sexual - Apresentação aos Enc. Educação Educação Sexual - Apresentação aos Enc. Educação
Educação Sexual - Apresentação aos Enc. Educação
 
Sexualidade Sem Tabus - Apresentação Final
Sexualidade Sem Tabus - Apresentação FinalSexualidade Sem Tabus - Apresentação Final
Sexualidade Sem Tabus - Apresentação Final
 
Sexualidade e educação
Sexualidade e educaçãoSexualidade e educação
Sexualidade e educação
 
Perguntas e respostas sobre orientação sexual e identidade de género
Perguntas e respostas sobre orientação sexual e identidade de géneroPerguntas e respostas sobre orientação sexual e identidade de género
Perguntas e respostas sobre orientação sexual e identidade de género
 
Educação sexual e prevenção slides
Educação sexual e prevenção   slidesEducação sexual e prevenção   slides
Educação sexual e prevenção slides
 
SEXUALIDADE E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA
SEXUALIDADE E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIASEXUALIDADE E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA
SEXUALIDADE E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA
 

Destaque

SAÚDE SEXUAL E SAÚDE REPRODUTIVA - Cadernos de Atenção Básica, n. 26
SAÚDE SEXUAL E SAÚDE REPRODUTIVA - Cadernos de Atenção Básica, n. 26SAÚDE SEXUAL E SAÚDE REPRODUTIVA - Cadernos de Atenção Básica, n. 26
SAÚDE SEXUAL E SAÚDE REPRODUTIVA - Cadernos de Atenção Básica, n. 26
enfermagemnaveia
 
0645 - L - Coleção Ábia - Saúde sexual e reprodutiva - nº 1
0645 - L - Coleção Ábia - Saúde sexual e reprodutiva - nº 10645 - L - Coleção Ábia - Saúde sexual e reprodutiva - nº 1
0645 - L - Coleção Ábia - Saúde sexual e reprodutiva - nº 1
bibliotecasaude
 
Cafe 16 aula 03 - dr petrus câmara - cirurgia minimamente invasiva
Cafe 16   aula 03 - dr petrus câmara - cirurgia minimamente invasivaCafe 16   aula 03 - dr petrus câmara - cirurgia minimamente invasiva
Cafe 16 aula 03 - dr petrus câmara - cirurgia minimamente invasiva
itgfiles
 
Dia Mundial da Saúde Sexual 2015 - Joana Florindo
Dia Mundial da Saúde Sexual 2015 - Joana FlorindoDia Mundial da Saúde Sexual 2015 - Joana Florindo
Dia Mundial da Saúde Sexual 2015 - Joana Florindo
Joana Florindo
 
2303 - L - Caderno de atenção básica - Saúde sexual e reprodutiva
2303 - L - Caderno de atenção básica - Saúde sexual e reprodutiva2303 - L - Caderno de atenção básica - Saúde sexual e reprodutiva
2303 - L - Caderno de atenção básica - Saúde sexual e reprodutiva
bibliotecasaude
 
Saúde reprodutiva
Saúde reprodutivaSaúde reprodutiva
Saúde reprodutiva
Adilson P Motta Motta
 
Doutorado Bioética - Aula Abordagem Qualitativa Saúde (2009 1)
Doutorado Bioética - Aula Abordagem Qualitativa Saúde (2009 1)Doutorado Bioética - Aula Abordagem Qualitativa Saúde (2009 1)
Doutorado Bioética - Aula Abordagem Qualitativa Saúde (2009 1)
Julio Alberto Wong Un
 
Educação em Saúde e Pesquisa Qualitativa Relações Possíveis
Educação em Saúde e Pesquisa Qualitativa Relações PossíveisEducação em Saúde e Pesquisa Qualitativa Relações Possíveis
Educação em Saúde e Pesquisa Qualitativa Relações Possíveis
samara machado
 
Saudavel de neve
Saudavel de neveSaudavel de neve
Saudavel de neve
contosdefadas2012
 
A Comunicação Visual aplicada à Saúde Pública
A Comunicação Visual aplicada à Saúde PúblicaA Comunicação Visual aplicada à Saúde Pública
A Comunicação Visual aplicada à Saúde Pública
Ipontes Mercês
 
06.08.2014 mercado de saúde pública - um esboço da radiografia e perpectiva...
06.08.2014   mercado de saúde pública - um esboço da radiografia e perpectiva...06.08.2014   mercado de saúde pública - um esboço da radiografia e perpectiva...
06.08.2014 mercado de saúde pública - um esboço da radiografia e perpectiva...
TorrentLaboratory
 
Slides aula 1 introdução ao empreendedorismo
Slides aula 1   introdução ao empreendedorismoSlides aula 1   introdução ao empreendedorismo
Slides aula 1 introdução ao empreendedorismo
Girlany Rino
 
Oportunidades e Desafios para Empreendedores na Área de Saúde - Mariana Negr...
Oportunidades e Desafios para Empreendedores na Área de Saúde - Mariana Negr...Oportunidades e Desafios para Empreendedores na Área de Saúde - Mariana Negr...
Oportunidades e Desafios para Empreendedores na Área de Saúde - Mariana Negr...
Empreender Saúde
 
Planejamento familiar, Orientação Sexual e Cuidados gerais - saúde
Planejamento familiar, Orientação Sexual e Cuidados gerais - saúdePlanejamento familiar, Orientação Sexual e Cuidados gerais - saúde
Planejamento familiar, Orientação Sexual e Cuidados gerais - saúde
Leili Santos
 
Pesquisa em Saúde / Odontologia
Pesquisa em Saúde / OdontologiaPesquisa em Saúde / Odontologia
Pesquisa em Saúde / Odontologia
Estomatologia / Oral Medicine (UFPR)
 
Planejamento em saúde
Planejamento em saúdePlanejamento em saúde
Planejamento em saúde
Atri Projetos
 
Educaçao e Saude
Educaçao e SaudeEducaçao e Saude
Educaçao e Saude
Michelle Paixao
 
1a aula noções embriologia e sist reprod
1a aula   noções embriologia e sist reprod1a aula   noções embriologia e sist reprod
1a aula noções embriologia e sist reprod
Ana Paula Rangel Pereira
 
Métodos Naturais de Planeamento Familiar
Métodos Naturais de Planeamento FamiliarMétodos Naturais de Planeamento Familiar
Métodos Naturais de Planeamento Familiar
Francisco Vilaça Lopes
 
Psicologia e Políticas Públicas
Psicologia e Políticas PúblicasPsicologia e Políticas Públicas
Psicologia e Políticas Públicas
Arie Storch
 

Destaque (20)

SAÚDE SEXUAL E SAÚDE REPRODUTIVA - Cadernos de Atenção Básica, n. 26
SAÚDE SEXUAL E SAÚDE REPRODUTIVA - Cadernos de Atenção Básica, n. 26SAÚDE SEXUAL E SAÚDE REPRODUTIVA - Cadernos de Atenção Básica, n. 26
SAÚDE SEXUAL E SAÚDE REPRODUTIVA - Cadernos de Atenção Básica, n. 26
 
0645 - L - Coleção Ábia - Saúde sexual e reprodutiva - nº 1
0645 - L - Coleção Ábia - Saúde sexual e reprodutiva - nº 10645 - L - Coleção Ábia - Saúde sexual e reprodutiva - nº 1
0645 - L - Coleção Ábia - Saúde sexual e reprodutiva - nº 1
 
Cafe 16 aula 03 - dr petrus câmara - cirurgia minimamente invasiva
Cafe 16   aula 03 - dr petrus câmara - cirurgia minimamente invasivaCafe 16   aula 03 - dr petrus câmara - cirurgia minimamente invasiva
Cafe 16 aula 03 - dr petrus câmara - cirurgia minimamente invasiva
 
Dia Mundial da Saúde Sexual 2015 - Joana Florindo
Dia Mundial da Saúde Sexual 2015 - Joana FlorindoDia Mundial da Saúde Sexual 2015 - Joana Florindo
Dia Mundial da Saúde Sexual 2015 - Joana Florindo
 
2303 - L - Caderno de atenção básica - Saúde sexual e reprodutiva
2303 - L - Caderno de atenção básica - Saúde sexual e reprodutiva2303 - L - Caderno de atenção básica - Saúde sexual e reprodutiva
2303 - L - Caderno de atenção básica - Saúde sexual e reprodutiva
 
Saúde reprodutiva
Saúde reprodutivaSaúde reprodutiva
Saúde reprodutiva
 
Doutorado Bioética - Aula Abordagem Qualitativa Saúde (2009 1)
Doutorado Bioética - Aula Abordagem Qualitativa Saúde (2009 1)Doutorado Bioética - Aula Abordagem Qualitativa Saúde (2009 1)
Doutorado Bioética - Aula Abordagem Qualitativa Saúde (2009 1)
 
Educação em Saúde e Pesquisa Qualitativa Relações Possíveis
Educação em Saúde e Pesquisa Qualitativa Relações PossíveisEducação em Saúde e Pesquisa Qualitativa Relações Possíveis
Educação em Saúde e Pesquisa Qualitativa Relações Possíveis
 
Saudavel de neve
Saudavel de neveSaudavel de neve
Saudavel de neve
 
A Comunicação Visual aplicada à Saúde Pública
A Comunicação Visual aplicada à Saúde PúblicaA Comunicação Visual aplicada à Saúde Pública
A Comunicação Visual aplicada à Saúde Pública
 
06.08.2014 mercado de saúde pública - um esboço da radiografia e perpectiva...
06.08.2014   mercado de saúde pública - um esboço da radiografia e perpectiva...06.08.2014   mercado de saúde pública - um esboço da radiografia e perpectiva...
06.08.2014 mercado de saúde pública - um esboço da radiografia e perpectiva...
 
Slides aula 1 introdução ao empreendedorismo
Slides aula 1   introdução ao empreendedorismoSlides aula 1   introdução ao empreendedorismo
Slides aula 1 introdução ao empreendedorismo
 
Oportunidades e Desafios para Empreendedores na Área de Saúde - Mariana Negr...
Oportunidades e Desafios para Empreendedores na Área de Saúde - Mariana Negr...Oportunidades e Desafios para Empreendedores na Área de Saúde - Mariana Negr...
Oportunidades e Desafios para Empreendedores na Área de Saúde - Mariana Negr...
 
Planejamento familiar, Orientação Sexual e Cuidados gerais - saúde
Planejamento familiar, Orientação Sexual e Cuidados gerais - saúdePlanejamento familiar, Orientação Sexual e Cuidados gerais - saúde
Planejamento familiar, Orientação Sexual e Cuidados gerais - saúde
 
Pesquisa em Saúde / Odontologia
Pesquisa em Saúde / OdontologiaPesquisa em Saúde / Odontologia
Pesquisa em Saúde / Odontologia
 
Planejamento em saúde
Planejamento em saúdePlanejamento em saúde
Planejamento em saúde
 
Educaçao e Saude
Educaçao e SaudeEducaçao e Saude
Educaçao e Saude
 
1a aula noções embriologia e sist reprod
1a aula   noções embriologia e sist reprod1a aula   noções embriologia e sist reprod
1a aula noções embriologia e sist reprod
 
Métodos Naturais de Planeamento Familiar
Métodos Naturais de Planeamento FamiliarMétodos Naturais de Planeamento Familiar
Métodos Naturais de Planeamento Familiar
 
Psicologia e Políticas Públicas
Psicologia e Políticas PúblicasPsicologia e Políticas Públicas
Psicologia e Políticas Públicas
 

Semelhante a Pesquisa - SAÚDE SEXUAL E REPRODUTIVA DOS JOVENS BRASILEIROS

adolescencia(s) juventudes(s) final.pptx
adolescencia(s) juventudes(s) final.pptxadolescencia(s) juventudes(s) final.pptx
adolescencia(s) juventudes(s) final.pptx
EdnaBaslio
 
adolescencia(s) juventudes(s) final.pptx
adolescencia(s) juventudes(s) final.pptxadolescencia(s) juventudes(s) final.pptx
adolescencia(s) juventudes(s) final.pptx
NaiaraMendes13
 
adolescencia(s) juventudes(s) final.pptx
adolescencia(s) juventudes(s) final.pptxadolescencia(s) juventudes(s) final.pptx
adolescencia(s) juventudes(s) final.pptx
NaiaraMendes13
 
Juventudes, raça e vulnerabilidades
Juventudes, raça e vulnerabilidadesJuventudes, raça e vulnerabilidades
Juventudes, raça e vulnerabilidades
População Negra e Saúde
 
Atitude e Tolerância
Atitude e TolerânciaAtitude e Tolerância
Atitude e Tolerância
CAIXA Seguradora
 
Juventude, raça e vulnerabilidades
Juventude, raça e vulnerabilidadesJuventude, raça e vulnerabilidades
Juventude, raça e vulnerabilidades
Observatório Juvenil do Vale UNISINOS
 
gravideznaadolescencia-130713014950-phpapp01.pptx
gravideznaadolescencia-130713014950-phpapp01.pptxgravideznaadolescencia-130713014950-phpapp01.pptx
gravideznaadolescencia-130713014950-phpapp01.pptx
PauloEmerson5
 
Documento de Shields.pptx
Documento de Shields.pptxDocumento de Shields.pptx
Documento de Shields.pptx
IgorCruz53
 
Gravidez na adolencia falta de informação
Gravidez na adolencia  falta de informaçãoGravidez na adolencia  falta de informação
Gravidez na adolencia falta de informação
Thais Estrela
 
Gravidez na adolescencia
Gravidez na adolescenciaGravidez na adolescencia
Gravidez na adolescencia
Alinebrauna Brauna
 
Sexualidade e planeamento familiar na adolescência
Sexualidade e planeamento familiar na adolescênciaSexualidade e planeamento familiar na adolescência
Sexualidade e planeamento familiar na adolescência
AnaMoura323023
 
Sexualidade_e_planeamento_familiar.ppt jovens
Sexualidade_e_planeamento_familiar.ppt jovensSexualidade_e_planeamento_familiar.ppt jovens
Sexualidade_e_planeamento_familiar.ppt jovens
AnaMoura323023
 
1013-L - Saúde e desenvolvimento da juventude brasileira - Construindo uma ag...
1013-L - Saúde e desenvolvimento da juventude brasileira - Construindo uma ag...1013-L - Saúde e desenvolvimento da juventude brasileira - Construindo uma ag...
1013-L - Saúde e desenvolvimento da juventude brasileira - Construindo uma ag...
bibliotecasaude
 
Gravidez na adolescência
Gravidez na adolescênciaGravidez na adolescência
Gravidez na adolescência
Ana Paula Ribeiro de Oliveira
 
13 de abril dia mundial dos jovens
13 de abril dia mundial dos jovens13 de abril dia mundial dos jovens
13 de abril dia mundial dos jovens
Conceição Aparecida Morito Morito
 
Apresentação Projeto - 1 E.pptx
Apresentação Projeto - 1 E.pptxApresentação Projeto - 1 E.pptx
Apresentação Projeto - 1 E.pptx
DalaPereiradeAlmeida
 
Gravidez adolescente.pdf
Gravidez adolescente.pdfGravidez adolescente.pdf
Gravidez adolescente.pdf
EmersonLeite20
 
1291.cleaned.pdf
1291.cleaned.pdf1291.cleaned.pdf
1291.cleaned.pdf
AnelaRamos1
 
Comportamento e práticas de homens que fazem sexo com homens no Distrito Federal
Comportamento e práticas de homens que fazem sexo com homens no Distrito FederalComportamento e práticas de homens que fazem sexo com homens no Distrito Federal
Comportamento e práticas de homens que fazem sexo com homens no Distrito Federal
Maria da Silva
 
Abstinência sexual na adolescência: não há evidência científica para prevençã...
Abstinência sexual na adolescência: não há evidência científica para prevençã...Abstinência sexual na adolescência: não há evidência científica para prevençã...
Abstinência sexual na adolescência: não há evidência científica para prevençã...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 

Semelhante a Pesquisa - SAÚDE SEXUAL E REPRODUTIVA DOS JOVENS BRASILEIROS (20)

adolescencia(s) juventudes(s) final.pptx
adolescencia(s) juventudes(s) final.pptxadolescencia(s) juventudes(s) final.pptx
adolescencia(s) juventudes(s) final.pptx
 
adolescencia(s) juventudes(s) final.pptx
adolescencia(s) juventudes(s) final.pptxadolescencia(s) juventudes(s) final.pptx
adolescencia(s) juventudes(s) final.pptx
 
adolescencia(s) juventudes(s) final.pptx
adolescencia(s) juventudes(s) final.pptxadolescencia(s) juventudes(s) final.pptx
adolescencia(s) juventudes(s) final.pptx
 
Juventudes, raça e vulnerabilidades
Juventudes, raça e vulnerabilidadesJuventudes, raça e vulnerabilidades
Juventudes, raça e vulnerabilidades
 
Atitude e Tolerância
Atitude e TolerânciaAtitude e Tolerância
Atitude e Tolerância
 
Juventude, raça e vulnerabilidades
Juventude, raça e vulnerabilidadesJuventude, raça e vulnerabilidades
Juventude, raça e vulnerabilidades
 
gravideznaadolescencia-130713014950-phpapp01.pptx
gravideznaadolescencia-130713014950-phpapp01.pptxgravideznaadolescencia-130713014950-phpapp01.pptx
gravideznaadolescencia-130713014950-phpapp01.pptx
 
Documento de Shields.pptx
Documento de Shields.pptxDocumento de Shields.pptx
Documento de Shields.pptx
 
Gravidez na adolencia falta de informação
Gravidez na adolencia  falta de informaçãoGravidez na adolencia  falta de informação
Gravidez na adolencia falta de informação
 
Gravidez na adolescencia
Gravidez na adolescenciaGravidez na adolescencia
Gravidez na adolescencia
 
Sexualidade e planeamento familiar na adolescência
Sexualidade e planeamento familiar na adolescênciaSexualidade e planeamento familiar na adolescência
Sexualidade e planeamento familiar na adolescência
 
Sexualidade_e_planeamento_familiar.ppt jovens
Sexualidade_e_planeamento_familiar.ppt jovensSexualidade_e_planeamento_familiar.ppt jovens
Sexualidade_e_planeamento_familiar.ppt jovens
 
1013-L - Saúde e desenvolvimento da juventude brasileira - Construindo uma ag...
1013-L - Saúde e desenvolvimento da juventude brasileira - Construindo uma ag...1013-L - Saúde e desenvolvimento da juventude brasileira - Construindo uma ag...
1013-L - Saúde e desenvolvimento da juventude brasileira - Construindo uma ag...
 
Gravidez na adolescência
Gravidez na adolescênciaGravidez na adolescência
Gravidez na adolescência
 
13 de abril dia mundial dos jovens
13 de abril dia mundial dos jovens13 de abril dia mundial dos jovens
13 de abril dia mundial dos jovens
 
Apresentação Projeto - 1 E.pptx
Apresentação Projeto - 1 E.pptxApresentação Projeto - 1 E.pptx
Apresentação Projeto - 1 E.pptx
 
Gravidez adolescente.pdf
Gravidez adolescente.pdfGravidez adolescente.pdf
Gravidez adolescente.pdf
 
1291.cleaned.pdf
1291.cleaned.pdf1291.cleaned.pdf
1291.cleaned.pdf
 
Comportamento e práticas de homens que fazem sexo com homens no Distrito Federal
Comportamento e práticas de homens que fazem sexo com homens no Distrito FederalComportamento e práticas de homens que fazem sexo com homens no Distrito Federal
Comportamento e práticas de homens que fazem sexo com homens no Distrito Federal
 
Abstinência sexual na adolescência: não há evidência científica para prevençã...
Abstinência sexual na adolescência: não há evidência científica para prevençã...Abstinência sexual na adolescência: não há evidência científica para prevençã...
Abstinência sexual na adolescência: não há evidência científica para prevençã...
 

Último

Reocupação do condomínio - Enchentes no RS.docx
Reocupação do condomínio - Enchentes no RS.docxReocupação do condomínio - Enchentes no RS.docx
Reocupação do condomínio - Enchentes no RS.docx
sindiconet
 
Mutirão de limpeza - Enchentes Rio Grande do Sul
Mutirão de limpeza - Enchentes Rio Grande do SulMutirão de limpeza - Enchentes Rio Grande do Sul
Mutirão de limpeza - Enchentes Rio Grande do Sul
sindiconet
 
Apresentação CALERIELIFE APN CURTA SOMENTE PLANO DE MARKETING 10-JUNHO-2024.pdf
Apresentação CALERIELIFE APN CURTA SOMENTE PLANO DE MARKETING 10-JUNHO-2024.pdfApresentação CALERIELIFE APN CURTA SOMENTE PLANO DE MARKETING 10-JUNHO-2024.pdf
Apresentação CALERIELIFE APN CURTA SOMENTE PLANO DE MARKETING 10-JUNHO-2024.pdf
CalerieLife Brasil
 
Prevenção de doenças do pós-enchentes no RS
Prevenção de doenças do pós-enchentes no RSPrevenção de doenças do pós-enchentes no RS
Prevenção de doenças do pós-enchentes no RS
sindiconet
 
Apresentação CALERIELIFE APN CURTA 34 SLIDES PLANO DE MARKETING 10-JUNHO-2024...
Apresentação CALERIELIFE APN CURTA 34 SLIDES PLANO DE MARKETING 10-JUNHO-2024...Apresentação CALERIELIFE APN CURTA 34 SLIDES PLANO DE MARKETING 10-JUNHO-2024...
Apresentação CALERIELIFE APN CURTA 34 SLIDES PLANO DE MARKETING 10-JUNHO-2024...
CalerieLife Brasil
 
Plano de Marketing / Plano de Compensação 10/06/2024
Plano de Marketing / Plano de Compensação 10/06/2024Plano de Marketing / Plano de Compensação 10/06/2024
Plano de Marketing / Plano de Compensação 10/06/2024
CalerieLife Brasil
 

Último (6)

Reocupação do condomínio - Enchentes no RS.docx
Reocupação do condomínio - Enchentes no RS.docxReocupação do condomínio - Enchentes no RS.docx
Reocupação do condomínio - Enchentes no RS.docx
 
Mutirão de limpeza - Enchentes Rio Grande do Sul
Mutirão de limpeza - Enchentes Rio Grande do SulMutirão de limpeza - Enchentes Rio Grande do Sul
Mutirão de limpeza - Enchentes Rio Grande do Sul
 
Apresentação CALERIELIFE APN CURTA SOMENTE PLANO DE MARKETING 10-JUNHO-2024.pdf
Apresentação CALERIELIFE APN CURTA SOMENTE PLANO DE MARKETING 10-JUNHO-2024.pdfApresentação CALERIELIFE APN CURTA SOMENTE PLANO DE MARKETING 10-JUNHO-2024.pdf
Apresentação CALERIELIFE APN CURTA SOMENTE PLANO DE MARKETING 10-JUNHO-2024.pdf
 
Prevenção de doenças do pós-enchentes no RS
Prevenção de doenças do pós-enchentes no RSPrevenção de doenças do pós-enchentes no RS
Prevenção de doenças do pós-enchentes no RS
 
Apresentação CALERIELIFE APN CURTA 34 SLIDES PLANO DE MARKETING 10-JUNHO-2024...
Apresentação CALERIELIFE APN CURTA 34 SLIDES PLANO DE MARKETING 10-JUNHO-2024...Apresentação CALERIELIFE APN CURTA 34 SLIDES PLANO DE MARKETING 10-JUNHO-2024...
Apresentação CALERIELIFE APN CURTA 34 SLIDES PLANO DE MARKETING 10-JUNHO-2024...
 
Plano de Marketing / Plano de Compensação 10/06/2024
Plano de Marketing / Plano de Compensação 10/06/2024Plano de Marketing / Plano de Compensação 10/06/2024
Plano de Marketing / Plano de Compensação 10/06/2024
 

Pesquisa - SAÚDE SEXUAL E REPRODUTIVA DOS JOVENS BRASILEIROS

  • 1. 1 S A Ú D E S E X U A L E R E P R O D U T I VA D O S J O V E N S B R A S I L E I R O S
  • 2. 2 A juventude brasileira está preparada para exercer plenamente sua sexualidade, assumir responsabilidades e tomar decisões que impactem positivamente sua saúde? Em alguns momentos, sim. Em outros, apresenta desconhecimento, deixando temas importantes como saúde sexual e formas de prevenção longe de seu cotidiano. É o que mostra a pesquisa Saúde Sexual e Reprodutiva dos Jovens Brasileiros, retrato atual de como pensam e agem os jovens brasileiros, e o nível de conhecimento e maturidade deles. Lançado pelo Instituto Social CAIXA SEGUROS com o objetivo de promover a saúde dos jovens, o estudo Saúde Sexual e Reprodutiva dos Jovens Brasileiros é o terceiro volume de uma série sobre juventude e sexualidade. Nesta última parte, os dados são um alerta aos órgãos de educação, saúde pública, empresas privadas e sociedade civil sobre os conhecimentos, atitudes e práticas dessa faixa etária em relação ao tema. A contradição apresentada pelos jovens entrevistados tem reflexos alarmantes no sistema de saúde brasileiro. A falta de informações corretas contribui, por exemplo, para o alto índice de abortos e para a mortalidade materna no país. As estimativas mais recentes do Ministério da Saúde apontam de 728 mil a 1 milhão de abortamentos por ano no Brasil. A taxa atual de 3,7 ocorrências a cada 100 mulheres em idade fértil é muitas vezes superior aos valores observados Apresentação
  • 3. 3 em países da Europa Ocidental, onde o aborto é legal, seguro e acessível. Em algumas capitais das regiões Norte e Nordeste, o procedimento é a primeira causa de morte materna há mais de uma década. O problema também tem reflexo no número de internações hospitalares. No país, são cerca de 240 mil anualmente, somente no Sistema Único de Saúde, para o tratamento de complicações decorrentes de abortos, gerando gastos da ordem de R$ 45 milhões por ano. O estudo Saúde Sexual e Reprodutiva dos Jovens Brasileiros comprova na prática que os comportamentos adotados pelos jovens podem ser causados, principalmente, pela falta de conhecimento sobre seus direitos e sua saúde. Assim como nos dois volumes anteriores – Juventude, comportamento e DST/Aids e Atitude e tolerância: o que os jovens pensam sobre sexualidade – o Instituto Social CAIXA SEGUROS espera que os resultados apresentados nesta terceira etapa do estudo possam contribuir com a criação de politicas públicas capazes de mudar o panorama observado entre os jovens brasileiros, de forma a promover educação sexual e saúde reprodutiva aos jovens de todo o país. Boa leitura! Apresentação
  • 4. 4 O estudo Saúde Sexual e Reprodutiva dos Jovens Brasileiros entrevistou 1.208 pessoas, com idades entre 18 e 29 anos, em 15 estados e no Distrito Federal. Realizada pelo Instituto Social CAIXA SEGUROS , a pesquisa de abrangência nacional foi concebida e analisada pela John Snow Brasil Consultoria, com informações coletadas pela Opinião Consultoria. Baseado nos critérios adotados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o estudo foi aprovado no Comitê de Ética da Faculdade de Medicina da Universidade de Brasília e teve acompanhamento da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) e do Departamento de DST/Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde. METODOLOGIA
  • 5. 5 Nos anos de 2012 e 2013, o Grupo CAIXA SEGUROS publicou as duas primeiras partes do estudo: “Juventude, comportamento e DST/ aids” e “Atitude e tolerância: o que os jovens pensam sobre sexualidade”, respectivamente. Veja a seguir um resumo do que as pesquisas apontaram sobre o atual perfil do jovem brasileiro. O jovem não se previne A primeira parte da pesquisa revelou que, de cada 10 jovens brasileiros, quatro acham que não precisam usar camisinha em um relacionamento estável. Outros resultados apontam, ainda, a falta de alguns conhecimentos nessa faixa etária: um em cada cinco considera ser possível contrair HIV/Aids se usar os mesmos talheres e/ou copos de outras pessoas, e 15% pensam que doenças como dengue, malária, hanseníase ou tuberculose são Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST). Preconceito e intolerância Cerca de metade dos jovens entrevistados sobre o tema educação e equidade sexual considerou ser justificável a violência contra mulheres que se vestem de forma insinuante. Também impressiona o índice de jovens que ainda são tolerantes em relação à agressão do parceiro contra a mulher que se recusa a ter relação sexual: mais de 16%. O estudo vai além e aborda a questão do preconceito em relação à orientação sexual. Cerca de 30% dos entrevistados se incomodariam em ter um amigo ou professor gay. Quando a orientação sexual está ligada a um parente próximo, a intolerância se agrava: quase 50% dos jovens se incomodariam caso descobrissem que o irmão é gay ou a irmã, lésbica. OUTROS ES TUDOS
  • 6. 6 A saúde sexual é entendida como a integração dos aspectos emocionais, intelectuais e sociais do jovem, de maneira a enriquecer o conhecimento, as atitudes e as práticas nos relacionamentos. O propósito da saúde sexual é melhorar a qualidade das relações interpessoais. Veja quais são os direitos sexuais, segundo o Ministério da Saúde. Mas o que é saúde sexual? • O direito de viver e expressar livremente a sexualidade sem violência, discriminações e imposições, e com total respeito pelo corpo do(a) parceiro(a). • O direito de escolher o(a) parceiro(a) sexual. • O direito de viver plenamente a sexualidade sem medo, vergonha, culpa e falsas crenças. • O direito de viver a sexualidade, independentemente de estado civil, idade ou condição física. •O direito de escolher se quer ou não quer ter relação sexual. • O direito de expressar livremente sua orientação sexual: heterossexualidade, homossexualidade, bissexualidade. • O direito de ter relação sexual, independentemente da reprodução. • O direito ao sexo seguro para prevenção da gravidez e de doenças sexualmente transmissíveis (DST) e Aids. • O direito a serviços de saúde que garantam privacidade, sigilo e um atendimento de qualidade, sem discriminação. • O direito à informação e à educação sexual e reprodutiva.
  • 7. 7 De acordo com o Programa de Ação da Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento das Nações Unidas (ONU), realizado na cidade do Cairo, em 1994, saúde reprodutiva é definida como o estado de bem-estar físico, mental e social em todos os aspectos da vivência da sexualidade e dos direitos relacionados ao tema, além de suas funções, e não somente à ausência de doenças ou enfermidades. O conceito também é entendido pelo Ministério da Saúde como um direito dos jovens, incluindo: • O direito de acesso a informações, meios, métodos e técnicas para ter ou não ter filhos. • O direito das pessoas decidirem, de forma livre e responsável, se querem ou não ter filhos, quantos filhos desejam ter e em que momento de suas vidas. • O direito de exercer a sexualidade e a reprodução livre de discriminação, imposição e violência. E o que é saúde reprodutiva?
  • 8. P er f il dos J ov e ns
  • 9. 9 Eles têm entre 18 e 29 anos. Apenas 30% estudam e 56% já reprovaram. Mais da metade dos jovens são católicos e quase um terço, evangélicos. De cada dez, seis acessam a internet com frequência, e cinco navegam pelo menos duas horas por dia. Eles querem aprender novos conteúdos, ter novas experiências. A maioria perdeu a virgindade entre os 14 e os 18 anos, e 90% já tiveram relação sexual. Quase todos são heterossexuais. O estudo Saúde Sexual e Reprodutiva dos Jovens Brasileiros entrevistou 1.208 jovens para traçar esse perfil. Eles foram ouvidos em domicílio. A margem de erro da pesquisa, ponderada regional e nacionalmente, é de 2,8%. O recorte é representativo da população jovem brasileira, e retrata com fidelidade as atitudes da nossa juventude em relação à educação e à equidade sexual. As mulheres correspondem a 55% da amostra e os homens, a 45%.
  • 10. 10 As entrevistas foram realizadas em 16 unidades da Federação Rondônia, Amazonas, Pará, Maranhão, Ceará, Rio Grande do Norte, Pernambuco, Bahia, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Rio Grande do Sul, Mato Grosso, Goiás e Distrito Federal Região Norte 180 Região Nordeste 300 Região Sudeste 360 Região Sul 180 Região Centro-Oeste 180
  • 11. 11 Abaixo, o recorte representativo dessa população e o retrato fiel das atitudes da nossa juventude em relação à educação e à equidade sexual: A maioria está subempregada. A remuneração de 62,4% dos jovens não ultrapassa os dois salários mínimos 34,7% têm a mãe como principal fonte de amparo quando precisam conversar sobre problemas pessoais. O pai figura apenas na sexta posição, com 6,5%, atrás dos amigos, dos parceiros e dos irmãos. 21,9% dos jovens apontam amigos e colegas como a principal fonte de educação sexual. Os pais ou responsáveis assumem esse papel em 20,1% dos casos. 60% trabalham 12% representam a única renda da família 56% dos jovens se autodenominam pardos ou negros 93% declararam ter transado nos últimos doze meses. Apenas 17% foram além do Ensino Médio 70% não estudam 43,46% 13,08% 3,39% 0,58% 0,33% 13,41% 8,36% 17,38% Não estudou/não frequentou a escola Ensino fundamental incompleto Ensino fundamental completo (antigo 10 Grau) Ensino médio incompleto Ensino médio completo (antigo 20 Grau) Superior incompleto Superior completo Pós-graduado 54,3% conversam sempre ou quase sempre com os pais ou responsáveis. Os assuntos violência, drogas e sexo são os menos abordados.
  • 12. a pes q uisa O estudo Saúde Sexual e Reprodutiva dos Jovens Brasileiros definiu o perfil de comportamento considerado ideal em relação à saúde sexual e reprodutiva. Para isso, seguiram uma metodologia sólida, baseada na escala CAP (Conhecimentos, Atitudes e Práticas). Dentro da escala adotada, o conhecimento é toda informação a que o jovem tem acesso, seja por meio de aulas, diálogo, leitura, internet, televisão, experiências próprias etc. A atitude é um conceito ligado à disposição ou intenção de fazer algo. Já a prática é a maneira como a pessoa realmente aplica o conhecimento e transforma a intenção em ação.
  • 13. 13 A média do jovem brasileiro Para chegar ao retrato atual de comportamentos, atitudes e práticas do jovem com relação à sua saúde sexual e reprodutiva, a pesquisa se baseou em 17 questões e afirmações, que foram respondidas pelos entrevistados. Considerando esses fatores, um jovem obtém pontuação máxima (+17 pontos) se responder corretamente todos os itens. No outroextremo,sederrespostasconsideradas incorretas para todos os questionamentos, fica com a pontuação mínima (-17 pontos) na escala, demonstrando ter baixo nível de conhecimento sobre saúde sexual e reprodutiva. De acordo com os critérios adotados pelo estudo Saúde Sexual e Reprodutiva dos Jovens Brasileiros, essa parcela da população obteve uma pontuação média de 5,65 pontos. Isso significa que o jovem ainda não tem segurança suficiente e desconhece informações básicas e necessárias para exercer uma vida sexual saudável e plena. A seguir, as 17 questões feitas aos jovens entrevistados e como cada um desses fatores pode impactar a educação e a saúde pública do país.
  • 14. 14 Em que período do mês a mulher tem mais chances de engravidar? A escola deve fornecer informações sobre saúde sexual e reprodutiva tanto para alunos quanto para alunas. A mulher que tem muitos filhos deve ser obrigada a fazer ligadura de trompas. A mulher só se realiza se for mãe. Se uma mulher engravidar, o cuidado com o filho é responsabilidade do casal. A decisão pelo aborto deve ser da mulher. Os jovens têm o direito de escolher o método que quiserem para prevenir a gravidez. Os jovens têm o direito de decidir quando ter filhos. Nível de confiança em relação às Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs) e Gravidez Indesejada Você já usou preservativo? Você já usou preservativos para evitar a gravidez? Você usou algum tipo de contraceptivo na última vez em que teve relações sexuais? Durante os últimos 12 meses, você visitou um centro de saúde? Uma mulher pode ficar grávida na primeira vez que fizer sexo. A camisinha é o único método que previne a gravidez e as Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs). Retirar o pênis antes de gozar é um bom método para se evitar a gravidez. O preservativo é eficaz para evitar gravidez e contrair infecções sexualmente transmissíveis.
  • 15. 15 Chances de engravidar Apenas 31,4% dos entrevistados deram a resposta correta: o período do mês em que a mulher tem mais chances de engravidar é uma semana após a menstruação. Outros 25,7% não sabem exatamente quando ocorre o período fértil e responderem “assim que acaba a menstruação”. Os 43% restantes não têm conhecimentos sobre a questão. Eles se dividiram entre as respostas “não sei” (22,7%), “em qualquer época” (11,5%) e “durante a menstruação” (8,8%). Outro dado relevante que mostra a falta de informação dos jovens: 9,3% dos entrevistados não acreditam (ou não sabem) que a mulher pode ficar grávida na primeira vez que fizer sexo. Outros 8,6% desconhecem esta possibilidade. Em que periodo do mês a mulher tem mais chances de engravidar? Uma mulher pode ficar grávida na primeira vez que ela fizer sexo
  • 16. 16 Escola, fonte de informação Mais de 90% dos entrevistados concordam total ou parcialmente que a escola é o local mais adequado para fornecer conhecimentos sobre saúde sexual e reprodutiva tanto para alunos quanto para alunas. Apenas 2,2% discordam totalmente da afirmação de que o colégio deva informar sobre o tema. A escola deve fornecer informações sobre saúde sexual e reprodutiva tanto para alunos quanto para alunas.
  • 17. 17 Informação e participação Thereza de Lamare, coordenadora da Área Técnica da Saúde do Adolescente e do Jovem (ASAJ) do Ministério da Saúde “É preciso inovar na maneira de falar com os jovens.” A declaração de Thereza de Lamare vai ao encontro dos resultados obtidos pelo estudo. Para ela, a pesquisa demonstra a necessidade de buscar novos meios de trabalhar a informação sobre saúde sexual e reprodutiva com este público, como o celular e as redes sociais. “O jovem tem que ser um participante efetivo da estratégia de saúde pública. Em muitos casos, ele pode reproduzir a informação de forma melhor”, aponta. Para ela, é fundamental que informações sobre prevenção estejam inseridas no cotidiano das pessoas. “Mesmo com parceiro constante, é natural que você corra riscos. O preservativo impede a transmissão das DSTs, evita doenças. Usar camisinha tem que se tornar um hábito”, destaca a especialista. Thereza de Lamare ressalta que a orientação e a educação devem ser contínuas, dentro e fora das instituições de ensino. “A escola tem um papel fundamental. Mas precisamos avançar muito nessa estratégia de comunicação para os jovens e com eles. Isso é fundamental. Fazer a informação chegar e aproveitar os espaços onde eles estão. Temos que fazer as empresas onde eles trabalham, por exemplo, desenvolverem ações que contribuam para isso”, explica. “Não é à toa que estamos investindo no programa Saúde na Escola. É uma parceria com o Ministério da Educação para desenvolver série de ações, para que as equipes de Saúde da Família possam estar mais perto dos jovens a fim de orientar sobre o exercício da sexualidade ao longo da vida”, complementa.
  • 18. 18 Esterilização feminina Quando questionados sobre a obrigatoriedade de a mulher ser submetida à ligadura de trompas após ter muitos filhos, 53,6% dos rapazes e das moças concordam total ou parcialmente com a afirmação. Apenas 19,7% discordam totalmente. A mulher que tem muitos filhos deve ser obrigada a fazer ligadura de trompas
  • 19. 19 A realização da mulher como mãe De acordo com a pesquisa do Grupo CAIXA SEGUROS, 52% dos jovens brasileiros entre 18 e 29 anos discordam total ou parcialmente que a mulher só se realiza se for mãe. No entanto, uma grande parcela dos entrevistados, de 33%, tem posição oposta e concordam total ou parcialmente que a realização feminina tem total relação com a maternidade. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o número de mães com mais de 40 anos cresceu 27%, entre 1991 e 2000. A escolaridade é um dos condicionantes do comportamento da fecundidade feminina, já que as mulheres com até sete anos de estudo têm, em média, 3,19 filhos, enquanto o número de filhos das mulheres com oito anos ou mais de estudo é 1,68. A idade média com que as mulheres têm filhos também se diferencia pela instrução: entre aquelas com menos de sete anos de estudo, a média era de 25,2 anos. Entre as que têm oito anos ou mais de escolaridade, a idade média é de 27,8, diferença de 2,6 anos. As estatísticas do IBGE mostram que, em 1990, a idade média em que as mulheres se casaram era 22 anos. Atualmente, a média é 28 anos. Em 1980, a primeira gravidez ocorria por volta dos 23 anos. Hoje, por volta dos 30. A mulher só se realiza se for mãe
  • 20. 20 Parceria na criação Mais de 92% dos homens e mulheres alvos do estudo afirmaram que o casal deve dividir os cuidados com a criança. Se uma mulher engravidar o cuidado com o filho é responsabilidade dos dois
  • 21. 21 Decisão sobre o aborto De acordo com as políticas de saúde, a decisão sobre o abortamento é exclusiva da mulher. No entanto, 61,7% dos entrevistados discordam total ou parcialmente dessa afirmação. Apenas 18,7%concordam,pelomenosparcialmente, que a mulher é a única que pode decidir se mantém ou não a gravidez. A decisão pelo aborto deve ser da mulher
  • 22. 22 Responsabilidades compartilhadas Gary Barker, fundador e diretor internacional do Instituto Promundo Um resultado positivo do estudo Juventude, Comportamento e DST/aids foi a resposta dos jovens entrevistados à questão sobre a responsabilidade na criação do filho. Para Gary Barker o resultado é consistente com a causa apoiada pela organização, que trabalha para conscientizar os homens sobre igualdade de gênero e combater a violência contra a mulher. “Realizamos pesquisas no Rio de Janeiro e em Recife, além da América Latina e da África. Trabalhamos com três faixas etárias, dos 18 aos 59 anos. A geração mais jovem, dos 18 aos 30 anos, tem a consciência de que homens e mulheres precisam estar inseridos no mercado de trabalho. Então, cada um deve também ter a responsabilidade na hora de cuidar dos filhos”, afirma. Barker destaca, no entanto, que essa aceitação na divisão das tarefas da casa não é uma mudança de atitude dos homens. “Se perguntarmos para o homem, ele vai dizer que é papel da mulher cuidar do filho. O que houve foi uma mudança no mundo. Os homens resistem, mas o mundo do trabalho empurra a camada mais jovem da população para essa divisão de tarefas. Nos países emergentes, cresce a aceitação de que as mulheres estão inseridas no mercado de trabalho”, explica. Assim como a criação dos filhos, Gary Barker acredita que a decisão pelo aborto deveria ser compartilhada pelo casal, embora a legislação brasileira preveja que a decisão do aborto é da mulher (em casos de situações específicas). “A legislação está alinhada com a corrente feminista. Aborto é decisão dela, mas não deixa de ser um tema polêmico. Se queremos a igualdade de gêneros e, na hora da decisão sobre o aborto, ele não opina, isso é um “não” em termos de igualdade. Seria mais igualitário dizer que o corpo é dela e o casal, junto, decidir. Mas isso, claro, no caso de o homem estar ao lado da mulher, estar efetivamente envolvido no processo da gravidez.” Segundo o diretor internacional do Promundo, falta mais discussão sobre o tema. Para ele, as pessoas ainda não se sentem à vontade para falar de aborto. “Há um resquício moralista nesta questão, ligado, principalmente, à religião, especialmente a católica e a evangélica, acredita.”
  • 23. 23 Aborto na legislação brasileira A lei brasileira permite o aborto em duas situações: quando a gestação representa risco de morte para a mãe ou quando a gravidez é resultado de estupro, se a mulher desejar interromper a gravidez. Em abril do ano passado também foi liberada a interrupção da gestação no caso de fetos com anencefalia. Neste caso, a mudança foi determinada pelo Supremo Tribunal Federal e não por mudança da lei. Na decisão do STF, a maioria dos ministros entendeu que feto com anencefalia é natimorto e, logo, a interrupção da gravidez nesse caso não é comparada ao aborto. A decisão livra as gestantes que esperam fetos com anencefalia de buscarem autorização da Justiça para antecipar os partos.
  • 24. 24 Direito Reprodutivo A grande maioria dos entrevistados, 81%, acredita que os jovens têm o direito de escolher o método para prevenir a gravidez. Já 11,8% discordam da afirmação. Em outra questão, mais de 68% dos entrevistados consideram que adolescentes os jovens têm o direito de decidir quando ter filhos. Adolescentes e jovens têm o direito de escolher o método que quiserem para prevenir a gravidez Adolescentes e jovens têm o direito de decidir quando ter filhos
  • 25. 25 Níveis de confiança Em relação às doenças sexualmente transmissíveis e à gravidez indesejada, homens e mulheres demonstram diferentes níveis de confiança. Veja, como os rapazes ficam mais tranquilos do que as moças quando o assunto são as DSTs. No entanto, ao se falar de gravidez, eles são mais inseguros. Nível de Confiança em Relação a DSTs e Gravidez Indesejada
  • 26. 26 Quase 10% dos jovens entrevistados nunca usaram preservativos em suas relações sexuais. 90,5% já usaram camisinha pelo menos uma vez. Você já usou preservativo?
  • 27. 27 Na última relação sexual, 45,4% dos homens e mulheres usaram algum método contraceptivo. 39,9% não usaram qualquer método e 7,1% declararam não se lembrar. Se somarmos os dois últimos números, chegamos a 47% dos que não usaram preservativos na última relação sexual. Você usou algum tipo de contraceptivo na última vez que teve relações sexuais?
  • 28. 28 54,9% procuraram o serviço de saúde nos últimos 12 meses, com o objetivo de obter contraceptivos. Outros 31,2% buscaram informações sobre saúde reprodutiva. Durante os últimos 12 meses, você visitou um centro de saúde para obter:
  • 29. 29 Prevenção e vulnerabilidade Quase 42% dos jovens não sabem que a camisinha é o único método que previne a gravidez e as doenças sexualmente transmissíveis. Esse dado, aliado ao fato de 28,4% dos entrevistados acreditarem que retirar o pênis antes de gozar é um método seguro para se evitar a gravidez, demonstra a vulnerabilidade desse público. A camisinha é o único método que previne a gravidez e as Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) Retirar o pênis antes de gozar é um bom método para se evitar a gravidez
  • 30. 30 Eficácia da camisinha Estudo realizado pela Universidade de Wisconsin, nos Estados Unidos, mostrou que o uso da camisinha nas relações sexuais possui eficácia de 90% a 95% na proteção ao HIV/AIDS. Para outras DSTs esta eficácia pode variar um pouco para cima ou para baixo. Mesmo assim, o preservativo ainda é o método mais seguro de prevenir qualquer DST durante o ato sexual. O Ministério da Saúde afirma que mesmo nos casos em que alguns preservativos não se mostraram resistentes, as camisinhas oferecem 10 mil vezes mais proteção contra o vírus da Aids do que a sua não utilização.
  • 31. 31 Tabu e informação Nara Santos, coordenadora da Unidade de Saúde e Desenvolvimento do Escritório de Ligação e Parceria do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) no Brasil O estudo demonstra que há barreiras entre a informação e os jovens, parcela vulnerável que é alvo da pesquisa. Segundo Nara Santos, o trabalho pode nortear as estratégias para alcançar esse público. “É um grupo excluído do sistema educacional, já que 70% não estudam. As pessoas entram no ensino fundamental, uma parcela menor chega ao ensino médio, e outra menor ainda entra na universidade. A pesquisa mostra um retrato de um grupo extremamente relevante no que diz respeito às DSTs e Aids. Apresenta um panorama que vai contribuir no campo das políticas públicas”, avalia a especialista. Nara Santos se preocupa com a inconsistência no conhecimento dos jovens entrevistados. Para ela, isso é indício de que a informação, sozinha, não muda a prática. “Existe, por exemplo, um número significativo de jovens (8,1%) que nunca usaram preservativo para evitar gravidez. Quando se fala da última relação sexual, o percentual dos jovens que não usam a camisinha pula para 39,9%. Se você somar com os 7% que dizem não se lembrar, o que isso quer dizer? Quando achamos que esta é um informação consolidada, percebemos o contrário: é um desafio enorme”, aponta. Ela destaca um ponto delicado da pesquisa: o direito ao aborto. Nara questiona o que leva os jovens a pensar que a mulher não pode decidir sobre o abortamento no Brasil. “Por que esse tipo de informação não está sendo discutido ou não está chegando a esse grupo? No campo das políticas públicas, isso está definido: a decisão é da mulher.” Nara acredita que temas relevantes, como os apontados no estudo, continuam sendo tabus na sociedade. Por isso, não são discutidos entre os jovens. Mas ela vê uma possibilidade de melhorar esse quadro a partir da religião, pois mais de 65% dos entrevistados participam ou já participaram de algum grupo religioso e não discutem o assunto. “Nós investimos muito em políticas voltadas para ONGs, mas como está a parceria com grupos religiosos? Existe a Pastoral DST/Aids, a ONU trabalha muito com candomblé, centros de umbanda. Mas como abordar os grupos evangélicos, por exemplo? Se esses jovens não estão na universidade, não estão no trabalho formal, e estão na igreja, um caminho é conversar com eles nesses espaços”, finaliza.
  • 32. 32 es c ala c ap Com base na escala de comportamento, os pesquisadores puderam avaliar quais perfis influenciam o jovem a ter mais ou menos conhecimentos, atitudes e práticas (CAP) sobre saúde sexual e reprodutiva.
  • 33. 33 Na escala para gêneros, a pesquisa revelou que as mulheres jovens, de forma geral, têm atitudes, comportamentos e práticas mais adequadas em relação aos homens. Elas obtiveram pontuação média de 6,19 na escala de 17 pontos, enquanto eles ficaram com apenas 4,99. GÊNERODistribuição Escala CAP Gênero
  • 34. 34 Em relação à escolaridade, quanto mais tempo o jovem estudou, mais tem conhecimentos sobre saúde reprodutiva. Aqueles que possuem apenas o ensino fundamental incompleto, por exemplo, alcançaram 4,51 pontos. Já os que têm ensino superior completo conseguiram um índice de 7,30. Outro aspecto que influencia os CAPs é o fato de o jovem ter ou não reprovado alguma vez, que implica uma queda de 1,13 pontos na escala. ESCOLARIDADE Distribuição Escala CAP por Escolaridade Distribuição Escala CAP por Reprovação Escolar
  • 35. 35 Os evangélicos/protestantes recebem menos informação sobre saúde reprodutiva, por isso são mais vulneráveis. Eles somaram 5,05 pontos na escala, enquanto os espíritas obtiveram 6,50. RELIGIÃO Distribuição Escala CAP Crença Religiosa
  • 37. 37 Acesso ao serviço de saúde Os rapazes e as moças que sabem encontrar tratamento médico e informações sobre saúde sexual também obtêm mais pontos. A pesquisa mostra alguns fatores determinantes, que contribuem positivamente para a saúde sexual e reprodutiva. Distribuição Escala CAP Saber Encontrar/Procurar Tratamento Médico e informações sobre Saúde Sexual
  • 38. 38 Relação sexual nos últimos 12 meses os jovens que já perderam a virgindade e daqueles que tiveram relação sexual nos últimos 12 meses são menos vulneráveis. Distribuição Escala CAP Ter Transado nos Últimos 12 Meses
  • 39. 39 Amigo como principal referência Ter um amigo como principal referência para o assunto contribui para uma maior pontuação na escala CAPs. Distribuição Escala CAP Referência Pessoal
  • 40. 40 Os jovens brasileiros não estão seguros quando o assunto é saúde reprodutiva. Não sabem quando a mulher pode engravidar; acham que a mulher deve ser obrigada a sofrer ligadura de trompas se tiver muitos filhos; e ainda pensam que elas se realizam apenas quando se tornam mães. Muitos ainda não sabem que a camisinha é o método de prevenção mais seguro para gravidez e DSTs. Outro aspecto importante que nos mostra o desconhecimento dos jovens, é que não há diferenças estatísticas significantes quando comparamos homens e mulheres. Entre os pontos positivos, a maioria dos jovens considera que a escola deve fornecer informações sobre saúde sexual e reprodutiva, tanto para alunos quanto para alunas; e que o homem deve compartilhar a responsabilidade de cuidar do filho. O volume de informação disponível na Internet e nos demais veículos não é suficiente. É preciso ampliar o diálogo e qualificar os canais que abordem assuntos ligados à saúde reprodutiva dos jovens. A falta dos conhecimentos, atitudes e hábitos demonstrados neste estudo são fontes de problemas sérios para o futuro dos jovens brasileiros e suas famílias. Políticas públicas e programas de investimento social sobre saúde sexual e reprodutiva dos jovens precisam ser fortalecidos e desenvolvidos. Governo, empresas e sociedade civil podem avançar em suas iniciativas, criando e solidificando práticas com o público jovem, para que eles se sintam mais seguros e que tenham uma vida sexual plena. C O N C L U S Ã O
  • 41. 41 EXPEDIENTE A pesquisa Saúde Sexual e Reprodutiva dos Jovens Brasileiros: o que os jovens pensam sobre sexualidade é uma publicação do Instituto Social CAIXA SEGUROS Supervisão Gregoire Saint Gal de Pons Alice Scartezini Coordenação Técnica John Snow Brasil Consultoria Miguel Fontes Rodrigo Laro Rafael Fujioka Alysson Camargo Coordenação de Coleta de Dados Opinião Consultoria Colaboração Organização Panamericana de Saúde (OPAS) Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde Projeto Editorial L4 Comunicação Lauro Aires Larissa Ortale Lucas Mesquita Paola Manzolillo Cláudio Fernandes Projeto Gráfico ÁS Promo
  • 42. 42