SlideShare uma empresa Scribd logo
Questão 1: Existe(m) ponto(s) comum (uns) e necessário(s) à ocorrência dos ciclos
desses parasitos? Identifique-o (s).
Os ovos depositados juntos com as fezes devem passar pelo processo de embrionia,
sendo que, para que esta ocorra são necessárias condições ambientais favoráveis
como:temperatura e umidade adequada das larvas, resistência dos ovos, boa oxigenação
no solo, solo poroso e rico em matéria orgânica.Para a continuação do ciclo, o
hospedeiro definitivo ou intermediário, se for o caso, deve entrar em contato com ovos
ou em alguns casos, com a larva em seu estágio L3 infectante (esse contato pode ocorrer
por via transcutânea ou fetal-oral). Chegada no interior do hospedeiro é frequente que
essas larvas sofram mudas, até atingir a fase adulta, onde iram copular e produzir novos
ovos que, mais uma vez, serão expelidos junto com as fezes. Em alguns casos, para que
o ovo chegue até a sua fase infectante, é necessário que ele passe por um ciclo
específico, chamado ciclo de Loss.
Questão 2: Considerando as etapas de dentro de cada ciclo, em que aspecto essas
espécies se assemelham e/ou se diferenciam?
Quantos às principais semelhanças podemos citar que: a larva infectante é somente na
fase L3; todos os ciclos são do tipo monoxênico; a deposição das larvas podem ser
encontrada nas fezes; a contaminação ocorre em alimentos líquidos e sólidos ou pelas
mãos; o verme adulto se desenvolve dentro do hospedeiro e todos possuem tropismo por
umidade e temperatura. Quanto às diferenças da passagem da larvao Ascaris
lumbricoidestem passagem pelo fígado diferente dos demais. Com relação à passagem
pelo pulmão somente o A. lumbricoides e o Ancylostomidae apresentam o ciclo de
Loss. Quanto à infecção, todos ocorrem somente pela via oral-fecal, exceto o
Ancylostomidae que além da infecção ocorrer pela via citada,também pode ocorrer pela
via transcutânea. Quanto à deposição de ovos no ciclo,o Enterobius vermiculares -
diferente dos demais nematoides onde a saída de larvas ocorre juntamente com as fezes-
executa a deposição na região perianal, principalmente durante a noite; diferem quanto à
quantidade de ovos expelidos diariamente e quanto à ovoposição após a infecção – dias
e meses.
Questão 3: Que condições ambientais devem favorecer e/ou dificultar a
perpetuação dessas espécies?
Condições climáticas, como temperatura e umidade adequada das larvas, resistência dos
ovos, boa oxigenação no solo, solo poroso e rico em matéria orgânica, ou seja, que
favoreçam a embrionia. Em casos que a temperatura, por exemplo, venha a cair, ainda
ocorre à embrionia, porém mais lentamente. Já uma temperatura extremamente elevada
pode comprometer a embrionia de algumas espécies, como é o caso do Ancylostomidae,
que seus ovos são bastante frágeis.
Questão 4: Explique como, porque e quando o pulmão humano pode ser afetado
em decorrência das infecções por esses nematoides.
No caso desses nematoides a passagem pelo pulmão faz parte do ciclo de vida destes –
Ciclo de Loss-, onde nos pulmões, as larvas vão para fora dos capilares pulmonares nos
alvéolos, sobem para a traqueia em seguida esôfago e descem ao intestino delgado,
outra vez onde crescem, tornando-se tão grandes, que atingem o tamanho de 31 x 4 cm.
A motilidade ocorre em vários pontos ao longo destes trajetos. O desconforto digestivo,
vago muitas vezes, acompanha a infecção intestinal, mas em crianças pequenas com
muitos vermes pode haver um bloqueio intestinal por causa do tamanho e largura deles,
havendo obstrução do trato digestório e invasão de outros sistemas, como por exemplo
o sistema respiratório. Em virtude do ciclo pulmonar das larvas, alguns pacientes
apresentam manifestações pulmonares com febre, tosse e bronquite, dispneia,
eosinofilia, etc. Vale ressaltar que no Enterobius vermiculares e no
Trichuristrichiuranão há passagens das larvas pelos pulmões.
5- Explique porque, a despeito dos nematoides A. lumbricoides e ancilostomídeos
habitarem o intestino delgado, os indivíduos parasitados podem apresentar
sintomatologias distintas.
Pois, devido à localização distintas desses nematoides no intestino delgado, os sintomas
como diarreia, por exemplo pode ser variável. A fase intestinal do Ascaris lumbricoides
é assintomática, mesmo quando a carga parasitária é elevada. Isto se deve a que o verme
adulto apenas aloja-se na luz intestinal, sem invadi-la ou aderir-se a ela, consumindo os
alimentos ingeridos pelo indivíduo. Já os ancilostomídeos, durante a fase intestinal da
infecção, aderem-se à mucosa duodenal, onde causam danos mecânicos e químicos. Os
danos mecânicos resultam do envolvimento da mucosa pela cápsula bucal do parasita,
que, para a sua nutrição, suga sangue da mucosa originando daí pequenas úlceras e
edema. Os danos químicos ocorrem devido à ação de várias enzimas hidrolíticas
derivadas do parasita.
Questão 6: Proponha medidas de controle que sejam comuns a essas
helmintíases. Justifique-as.
As medidas de controle comuns para essas helmintíases são promover tratamento e
destino adequado às excretas humanas e de animais visto que nelas podemos encontrar
ovos com larvas desses parasitos, bem como fazer a lavagem correta de frutas, verduras
e legumes, pois podem abrigar os ovos dos helmintos, uma vez que são bastante
resistentes quando se aderem a superfícies, adotar hábitos de vida e higiene saudáveis,
como lavar bem e corretamente as mãos frequentemente.
Questão 7: Os exames parasitológicos de fezes são eficientes para o diagnóstico
dessas doenças?
Nem sempre deve-se confiar plenamente nos exames de fezes, pois em infecções
exclusivamente com vermes fêmeas, todos os ovos expelidos serão inférteis, enquanto
em infecções somente com vermes machos, o exame será consistentemente negativo.
Questão 8: 8. “Existe uma forte relação entre a condição de vida e a prevalência
das verminoses, bem como entre a carga parasitária e os danos causados ao
organismo parasitado”. Indique, pelo menos, três razões que justifiquem essa
idéia.
Esta ideia pode ser explicada da seguinte maneira: O que determina as condições de
vida de um parasito é o ambiente que o cerca. Sua prevalência estará, então intimamente
relacionada com o ambiente favorável ao seu desenvolvimento, como por exemplo,
altas temperaturas e taxas de umidade elevada, falta de saneamento básico, baixas
condições higiênicas, etc. Com sua grande prevalência, o risco de contaminação
aumenta concomitantemente. O hospedeiro – homem- estará, então, estará sujeito à uma
alta ou baixa carga parasitária de acordo com o nível da infecção. Os danos causados ao
indivíduo com baixa carga parasitária, geralmente, não traz grandes danos ao organismo
parasitado. Já o de alta carga parasitária costuma sofrer maiores danos, já que a
infestação é maior. Vale salientar que os danos causados ao organismo infectado varia
de acordo com o estado nutricional e imunológico de cada indivíduo.
Questão 9: Que perspectiva você visualiza para o controle dessas endemias no
nosso país, e em particular em nossa região?
Evitar as possíveis fontes de infecção, ingerir vegetais cozidos e não crus, higiene
pessoal, saneamento básico adequado. Tratamento em massa das populações tem sido
preconizado por alguns autores.
Questão 10: Como se caracterizam o ovo e a fêmea adulta da espécie E.
vermicularis?
Os ovos deste parasita são incolores, possuem aspecto assimétrico, um dos lados é
achatado e o outro é convexo, com as extremidades arredondadas. Possuem membrana
dupla, lisa e transparente. Os vermes adultos caracterizam-se por serem pequenos,
cilíndricos, afilado, de cor esbranquiçada. Apresentam duas expansões vesiculosas
lateralmente à boca, denominadas aletas cervicais ou asas cefálicas. Apresentam
dimorfismo sexual, onde a fêmea é maior, medindo cerca de 1 cm, com cauda longa e
pontiaguda.
Questão 11: No seu ponto de vista a enterobíase poderia ser considerada uma
geo-helmintose? Justifique sua resposta.
A enterobíase pode ser considerada uma geo-helmintose, pois o parasito em
determinada fase do ciclo biológico passa pelo solo para completar e maturar alguma
fase de seu desenvolvimento.
Questão 12: Em que consiste a sintomatologia da enterobiose?
Os principais sintomas desenvolvidos por esse parasito devido a sua diferente
ovoposição, podem ser citados o prurido anal, que por sua vez pode desencadear outros
sintomas como a perda de sono, nervosismo, masturbação e erotismo (principalmente
em meninas) devido a proximidade aos órgãos genitais, assim como o desenvolvimento
de outras patologias- vaginite, metrite, salpingite e ovarite.
Questão 13:Cite e explique quatro medidas de controle para a enterobíase.
01. Educar a população em hábitos de higiene pessoal, particularmente o de
lavar as mãos antes das refeições, após o uso do sanitário, após o ato de se
coçar e quando for manipular alimentos;
02. Evitar coçar a região anal desnuda e evitar levar as mãos à boca;
03. A roupa de dormir e de cama usada pelo hospedeiro não deve ser sacudida
pela manhã, e sim, enrolada e lavada em água quente;
04. Corte rente das unhas e limpeza doméstica são medidas complementares.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Principais parasitos humanos de transmissão hídrica ou por alimentos
Principais parasitos humanos de transmissão hídrica ou por alimentosPrincipais parasitos humanos de transmissão hídrica ou por alimentos
Principais parasitos humanos de transmissão hídrica ou por alimentos
Gabriel Hornink
 
Protozoologia - vet145
Protozoologia - vet145Protozoologia - vet145
Protozoologia - vet145
Universidade Federal de Viçosa
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
rnogueira
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Microbio reino protista_doenças_protozoários
Microbio reino protista_doenças_protozoáriosMicrobio reino protista_doenças_protozoários
Microbio reino protista_doenças_protozoários
EdnaMMA
 
Aula 01
Aula 01Aula 01
Reino protista protozoarios
Reino protista protozoariosReino protista protozoarios
Reino protista protozoarios
Iuri Fretta Wiggers
 
Doenças causadas por protozoários e vermes
Doenças causadas por protozoários e vermesDoenças causadas por protozoários e vermes
Doenças causadas por protozoários e vermes
ingridavilez
 
1ª protozoarios
 1ª protozoarios 1ª protozoarios
1ª protozoarios
Ana Paula A. Piacentini
 
Parasitologia - Protozoários
Parasitologia - ProtozoáriosParasitologia - Protozoários
Parasitologia - Protozoários
Juliana Lima
 
Protozoários e Algas
Protozoários e AlgasProtozoários e Algas
Protozoários e Algas
Simone Miranda
 
Aula n° 1
Aula n° 1  Aula n° 1
Aula n° 1
Gildo Crispim
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
Isabella Silva
 
Relação parasito hospedeiro apresentação(1)
Relação parasito hospedeiro apresentação(1)Relação parasito hospedeiro apresentação(1)
Relação parasito hospedeiro apresentação(1)
Lucia Tavares
 
Resumo Hospedeiro e Parasita
Resumo Hospedeiro e ParasitaResumo Hospedeiro e Parasita
Resumo Hospedeiro e Parasita
Nathy Oliveira
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
Jorge Figueirêdo
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
aulasdotubao
 
Parasitoses
ParasitosesParasitoses
Parasitoses
Débora Neves
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
guestb30c39
 
Protozoários e protozooses
Protozoários e protozoosesProtozoários e protozooses
Protozoários e protozooses
Guilherme Orlandi Goulart
 

Mais procurados (20)

Principais parasitos humanos de transmissão hídrica ou por alimentos
Principais parasitos humanos de transmissão hídrica ou por alimentosPrincipais parasitos humanos de transmissão hídrica ou por alimentos
Principais parasitos humanos de transmissão hídrica ou por alimentos
 
Protozoologia - vet145
Protozoologia - vet145Protozoologia - vet145
Protozoologia - vet145
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
 
Microbio reino protista_doenças_protozoários
Microbio reino protista_doenças_protozoáriosMicrobio reino protista_doenças_protozoários
Microbio reino protista_doenças_protozoários
 
Aula 01
Aula 01Aula 01
Aula 01
 
Reino protista protozoarios
Reino protista protozoariosReino protista protozoarios
Reino protista protozoarios
 
Doenças causadas por protozoários e vermes
Doenças causadas por protozoários e vermesDoenças causadas por protozoários e vermes
Doenças causadas por protozoários e vermes
 
1ª protozoarios
 1ª protozoarios 1ª protozoarios
1ª protozoarios
 
Parasitologia - Protozoários
Parasitologia - ProtozoáriosParasitologia - Protozoários
Parasitologia - Protozoários
 
Protozoários e Algas
Protozoários e AlgasProtozoários e Algas
Protozoários e Algas
 
Aula n° 1
Aula n° 1  Aula n° 1
Aula n° 1
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
 
Relação parasito hospedeiro apresentação(1)
Relação parasito hospedeiro apresentação(1)Relação parasito hospedeiro apresentação(1)
Relação parasito hospedeiro apresentação(1)
 
Resumo Hospedeiro e Parasita
Resumo Hospedeiro e ParasitaResumo Hospedeiro e Parasita
Resumo Hospedeiro e Parasita
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
 
Parasitoses
ParasitosesParasitoses
Parasitoses
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
 
Protozoários e protozooses
Protozoários e protozoosesProtozoários e protozooses
Protozoários e protozooses
 

Semelhante a PARASITOLOGIA

Ascaridíase,ascaridiose,ascaris
Ascaridíase,ascaridiose,ascarisAscaridíase,ascaridiose,ascaris
Ascaridíase,ascaridiose,ascaris
Mara Farias
 
Toxoplasma gondii
Toxoplasma gondiiToxoplasma gondii
Toxoplasma gondii
Anderson Santana
 
Helmintos-2014.pdf
Helmintos-2014.pdfHelmintos-2014.pdf
Helmintos-2014.pdf
Arielle Freitas
 
2ª Resposta Imune E Patogenia
2ª  Resposta Imune E Patogenia2ª  Resposta Imune E Patogenia
2ª Resposta Imune E Patogenia
Renato Moura
 
Plano de aula 10
Plano de aula 10Plano de aula 10
Plano de aula 10
familiaestagio
 
Enterobíase
EnterobíaseEnterobíase
Imunopatologia da Esquistossomose (slide final)
Imunopatologia da Esquistossomose (slide final)Imunopatologia da Esquistossomose (slide final)
Imunopatologia da Esquistossomose (slide final)
Hemilly Rayanne
 
Imunopatologia da esquistossomose
Imunopatologia da esquistossomose Imunopatologia da esquistossomose
Imunopatologia da esquistossomose
Hemilly Rayanne
 
Esquistossomose
EsquistossomoseEsquistossomose
Esquistossomose
3a2011
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
naiellyrodrigues
 
Teníase e cisticercose
Teníase e cisticercoseTeníase e cisticercose
Teníase e cisticercose
ARTHUR CALIXTO
 
Oxiurose
Oxiurose Oxiurose
Oxiurose
BrendaMello7
 
Schistosoma mansoni e esquistossomíase
Schistosoma mansoni e esquistossomíaseSchistosoma mansoni e esquistossomíase
Schistosoma mansoni e esquistossomíase
Thúlio Bezerra
 
Ascaris lumbricoides
Ascaris lumbricoidesAscaris lumbricoides
Ascaris lumbricoides
Francisco De Assis Silva Costa
 
Reino animal
Reino animalReino animal
Reino animal
aulasdotubao
 
Fungos
FungosFungos
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
Jefferson LIMA
 
toxoplasmose
toxoplasmosetoxoplasmose
toxoplasmose
joaoars
 
Exerc. protozoarios-e-algas2010-a-2013
Exerc. protozoarios-e-algas2010-a-2013Exerc. protozoarios-e-algas2010-a-2013
Exerc. protozoarios-e-algas2010-a-2013
Juarez Silva
 
Www.anvisa.gov.br servicosaude manuais_microbiologia_mod_7_2004
Www.anvisa.gov.br servicosaude manuais_microbiologia_mod_7_2004Www.anvisa.gov.br servicosaude manuais_microbiologia_mod_7_2004
Www.anvisa.gov.br servicosaude manuais_microbiologia_mod_7_2004
Marcelo Leal Souza
 

Semelhante a PARASITOLOGIA (20)

Ascaridíase,ascaridiose,ascaris
Ascaridíase,ascaridiose,ascarisAscaridíase,ascaridiose,ascaris
Ascaridíase,ascaridiose,ascaris
 
Toxoplasma gondii
Toxoplasma gondiiToxoplasma gondii
Toxoplasma gondii
 
Helmintos-2014.pdf
Helmintos-2014.pdfHelmintos-2014.pdf
Helmintos-2014.pdf
 
2ª Resposta Imune E Patogenia
2ª  Resposta Imune E Patogenia2ª  Resposta Imune E Patogenia
2ª Resposta Imune E Patogenia
 
Plano de aula 10
Plano de aula 10Plano de aula 10
Plano de aula 10
 
Enterobíase
EnterobíaseEnterobíase
Enterobíase
 
Imunopatologia da Esquistossomose (slide final)
Imunopatologia da Esquistossomose (slide final)Imunopatologia da Esquistossomose (slide final)
Imunopatologia da Esquistossomose (slide final)
 
Imunopatologia da esquistossomose
Imunopatologia da esquistossomose Imunopatologia da esquistossomose
Imunopatologia da esquistossomose
 
Esquistossomose
EsquistossomoseEsquistossomose
Esquistossomose
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 
Teníase e cisticercose
Teníase e cisticercoseTeníase e cisticercose
Teníase e cisticercose
 
Oxiurose
Oxiurose Oxiurose
Oxiurose
 
Schistosoma mansoni e esquistossomíase
Schistosoma mansoni e esquistossomíaseSchistosoma mansoni e esquistossomíase
Schistosoma mansoni e esquistossomíase
 
Ascaris lumbricoides
Ascaris lumbricoidesAscaris lumbricoides
Ascaris lumbricoides
 
Reino animal
Reino animalReino animal
Reino animal
 
Fungos
FungosFungos
Fungos
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
 
toxoplasmose
toxoplasmosetoxoplasmose
toxoplasmose
 
Exerc. protozoarios-e-algas2010-a-2013
Exerc. protozoarios-e-algas2010-a-2013Exerc. protozoarios-e-algas2010-a-2013
Exerc. protozoarios-e-algas2010-a-2013
 
Www.anvisa.gov.br servicosaude manuais_microbiologia_mod_7_2004
Www.anvisa.gov.br servicosaude manuais_microbiologia_mod_7_2004Www.anvisa.gov.br servicosaude manuais_microbiologia_mod_7_2004
Www.anvisa.gov.br servicosaude manuais_microbiologia_mod_7_2004
 

Último

As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
PatriciaZanoli
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 

Último (20)

As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 

PARASITOLOGIA

  • 1. Questão 1: Existe(m) ponto(s) comum (uns) e necessário(s) à ocorrência dos ciclos desses parasitos? Identifique-o (s). Os ovos depositados juntos com as fezes devem passar pelo processo de embrionia, sendo que, para que esta ocorra são necessárias condições ambientais favoráveis como:temperatura e umidade adequada das larvas, resistência dos ovos, boa oxigenação no solo, solo poroso e rico em matéria orgânica.Para a continuação do ciclo, o hospedeiro definitivo ou intermediário, se for o caso, deve entrar em contato com ovos ou em alguns casos, com a larva em seu estágio L3 infectante (esse contato pode ocorrer por via transcutânea ou fetal-oral). Chegada no interior do hospedeiro é frequente que essas larvas sofram mudas, até atingir a fase adulta, onde iram copular e produzir novos ovos que, mais uma vez, serão expelidos junto com as fezes. Em alguns casos, para que o ovo chegue até a sua fase infectante, é necessário que ele passe por um ciclo específico, chamado ciclo de Loss. Questão 2: Considerando as etapas de dentro de cada ciclo, em que aspecto essas espécies se assemelham e/ou se diferenciam? Quantos às principais semelhanças podemos citar que: a larva infectante é somente na fase L3; todos os ciclos são do tipo monoxênico; a deposição das larvas podem ser encontrada nas fezes; a contaminação ocorre em alimentos líquidos e sólidos ou pelas mãos; o verme adulto se desenvolve dentro do hospedeiro e todos possuem tropismo por umidade e temperatura. Quanto às diferenças da passagem da larvao Ascaris lumbricoidestem passagem pelo fígado diferente dos demais. Com relação à passagem pelo pulmão somente o A. lumbricoides e o Ancylostomidae apresentam o ciclo de Loss. Quanto à infecção, todos ocorrem somente pela via oral-fecal, exceto o Ancylostomidae que além da infecção ocorrer pela via citada,também pode ocorrer pela via transcutânea. Quanto à deposição de ovos no ciclo,o Enterobius vermiculares - diferente dos demais nematoides onde a saída de larvas ocorre juntamente com as fezes- executa a deposição na região perianal, principalmente durante a noite; diferem quanto à quantidade de ovos expelidos diariamente e quanto à ovoposição após a infecção – dias e meses. Questão 3: Que condições ambientais devem favorecer e/ou dificultar a perpetuação dessas espécies? Condições climáticas, como temperatura e umidade adequada das larvas, resistência dos ovos, boa oxigenação no solo, solo poroso e rico em matéria orgânica, ou seja, que favoreçam a embrionia. Em casos que a temperatura, por exemplo, venha a cair, ainda ocorre à embrionia, porém mais lentamente. Já uma temperatura extremamente elevada pode comprometer a embrionia de algumas espécies, como é o caso do Ancylostomidae, que seus ovos são bastante frágeis. Questão 4: Explique como, porque e quando o pulmão humano pode ser afetado em decorrência das infecções por esses nematoides. No caso desses nematoides a passagem pelo pulmão faz parte do ciclo de vida destes – Ciclo de Loss-, onde nos pulmões, as larvas vão para fora dos capilares pulmonares nos alvéolos, sobem para a traqueia em seguida esôfago e descem ao intestino delgado, outra vez onde crescem, tornando-se tão grandes, que atingem o tamanho de 31 x 4 cm.
  • 2. A motilidade ocorre em vários pontos ao longo destes trajetos. O desconforto digestivo, vago muitas vezes, acompanha a infecção intestinal, mas em crianças pequenas com muitos vermes pode haver um bloqueio intestinal por causa do tamanho e largura deles, havendo obstrução do trato digestório e invasão de outros sistemas, como por exemplo o sistema respiratório. Em virtude do ciclo pulmonar das larvas, alguns pacientes apresentam manifestações pulmonares com febre, tosse e bronquite, dispneia, eosinofilia, etc. Vale ressaltar que no Enterobius vermiculares e no Trichuristrichiuranão há passagens das larvas pelos pulmões. 5- Explique porque, a despeito dos nematoides A. lumbricoides e ancilostomídeos habitarem o intestino delgado, os indivíduos parasitados podem apresentar sintomatologias distintas. Pois, devido à localização distintas desses nematoides no intestino delgado, os sintomas como diarreia, por exemplo pode ser variável. A fase intestinal do Ascaris lumbricoides é assintomática, mesmo quando a carga parasitária é elevada. Isto se deve a que o verme adulto apenas aloja-se na luz intestinal, sem invadi-la ou aderir-se a ela, consumindo os alimentos ingeridos pelo indivíduo. Já os ancilostomídeos, durante a fase intestinal da infecção, aderem-se à mucosa duodenal, onde causam danos mecânicos e químicos. Os danos mecânicos resultam do envolvimento da mucosa pela cápsula bucal do parasita, que, para a sua nutrição, suga sangue da mucosa originando daí pequenas úlceras e edema. Os danos químicos ocorrem devido à ação de várias enzimas hidrolíticas derivadas do parasita. Questão 6: Proponha medidas de controle que sejam comuns a essas helmintíases. Justifique-as. As medidas de controle comuns para essas helmintíases são promover tratamento e destino adequado às excretas humanas e de animais visto que nelas podemos encontrar ovos com larvas desses parasitos, bem como fazer a lavagem correta de frutas, verduras e legumes, pois podem abrigar os ovos dos helmintos, uma vez que são bastante resistentes quando se aderem a superfícies, adotar hábitos de vida e higiene saudáveis, como lavar bem e corretamente as mãos frequentemente. Questão 7: Os exames parasitológicos de fezes são eficientes para o diagnóstico dessas doenças?
  • 3. Nem sempre deve-se confiar plenamente nos exames de fezes, pois em infecções exclusivamente com vermes fêmeas, todos os ovos expelidos serão inférteis, enquanto em infecções somente com vermes machos, o exame será consistentemente negativo. Questão 8: 8. “Existe uma forte relação entre a condição de vida e a prevalência das verminoses, bem como entre a carga parasitária e os danos causados ao organismo parasitado”. Indique, pelo menos, três razões que justifiquem essa idéia. Esta ideia pode ser explicada da seguinte maneira: O que determina as condições de vida de um parasito é o ambiente que o cerca. Sua prevalência estará, então intimamente relacionada com o ambiente favorável ao seu desenvolvimento, como por exemplo, altas temperaturas e taxas de umidade elevada, falta de saneamento básico, baixas condições higiênicas, etc. Com sua grande prevalência, o risco de contaminação aumenta concomitantemente. O hospedeiro – homem- estará, então, estará sujeito à uma alta ou baixa carga parasitária de acordo com o nível da infecção. Os danos causados ao indivíduo com baixa carga parasitária, geralmente, não traz grandes danos ao organismo parasitado. Já o de alta carga parasitária costuma sofrer maiores danos, já que a infestação é maior. Vale salientar que os danos causados ao organismo infectado varia de acordo com o estado nutricional e imunológico de cada indivíduo. Questão 9: Que perspectiva você visualiza para o controle dessas endemias no nosso país, e em particular em nossa região? Evitar as possíveis fontes de infecção, ingerir vegetais cozidos e não crus, higiene pessoal, saneamento básico adequado. Tratamento em massa das populações tem sido preconizado por alguns autores. Questão 10: Como se caracterizam o ovo e a fêmea adulta da espécie E. vermicularis? Os ovos deste parasita são incolores, possuem aspecto assimétrico, um dos lados é achatado e o outro é convexo, com as extremidades arredondadas. Possuem membrana dupla, lisa e transparente. Os vermes adultos caracterizam-se por serem pequenos, cilíndricos, afilado, de cor esbranquiçada. Apresentam duas expansões vesiculosas lateralmente à boca, denominadas aletas cervicais ou asas cefálicas. Apresentam dimorfismo sexual, onde a fêmea é maior, medindo cerca de 1 cm, com cauda longa e pontiaguda.
  • 4. Questão 11: No seu ponto de vista a enterobíase poderia ser considerada uma geo-helmintose? Justifique sua resposta. A enterobíase pode ser considerada uma geo-helmintose, pois o parasito em determinada fase do ciclo biológico passa pelo solo para completar e maturar alguma fase de seu desenvolvimento. Questão 12: Em que consiste a sintomatologia da enterobiose? Os principais sintomas desenvolvidos por esse parasito devido a sua diferente ovoposição, podem ser citados o prurido anal, que por sua vez pode desencadear outros sintomas como a perda de sono, nervosismo, masturbação e erotismo (principalmente em meninas) devido a proximidade aos órgãos genitais, assim como o desenvolvimento de outras patologias- vaginite, metrite, salpingite e ovarite. Questão 13:Cite e explique quatro medidas de controle para a enterobíase. 01. Educar a população em hábitos de higiene pessoal, particularmente o de lavar as mãos antes das refeições, após o uso do sanitário, após o ato de se coçar e quando for manipular alimentos; 02. Evitar coçar a região anal desnuda e evitar levar as mãos à boca; 03. A roupa de dormir e de cama usada pelo hospedeiro não deve ser sacudida pela manhã, e sim, enrolada e lavada em água quente; 04. Corte rente das unhas e limpeza doméstica são medidas complementares.