SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 29
Era uma vez uma galinha que todos os dias punha um ovo. E todos os
dias vinha a dona, com uma cestinha, tirar-lho.
– Já pus 1.000 ovos. Podia ser mãe de mil filhos. Mas não tenho nenhum
por causa da gente gulosa – cacarejou certa manhã a galinha. – Vou fugir.
Se bem o pensou, melhor o fez.
Quando a dona entrou na capoeira,
como de costume, esgueirou-se pela porta
aberta. Só parou na mata.
Logo aí tratou de fazer o seu ninho com folhas
secas, palhas, penugem, farrapos de lã. Nunca vira
ninho mais lindo, redondo, confortável. Sentou-se
nele e pôs um ovo muito branquinho.
Vou encher a barriga antes de começar a chocar, que aqui ninguém me
traz de comer – resolveu a galinha, afastando-se em busca do almoço.
Demorou-se, porque ali tudo lhe era estranho.
Quando voltou, qual
não foi o seu espanto ao
ver o ninho cheio de ovos
de todos os tamanhos e
feitios.
- Cocorocó… Que vem a ser isto? – disse ela. – Na minha capoeira
tiravam-me os ovos, aqui oferecem-mos. Mas que sorte.
E logo se aninhou.
Daí por diante, a galinha mal saía do choco.
Estava preguiçosa, sentia o corpo quente, quente
como uma botija.
O tempo foi passando. Quanto, não sabia, porque não aprendera a
contar nem se guiava pelo calendário.
Até que… crac! O primeiro ovo estalou e de lá saiu um bicharoco de bico
retorcido.
Ai, mas que filho,
eu até desmaio!
Em vez de ser pinto
é um papagaio.
- exclamou a galinha.
No dia seguinte, outro ovo se abriu e de lá saiu, rastejando, uma
criatura comprida e sarapintada.
Ai, mas que filho,
como ele é diferente!
Em vez de ser pinto
é uma serpente.
- exclamou a galinha.
Nessa mesma tarde, o maior de todos os ovos partiu-se ao meio. A
galinha espreitou, desconfiada. Ao ver o que tinha à sua frente, pôs-se a
cacarejar:
Ai, mas que filho,
este é de truz!
Em vez de ser pinto
é uma avestruz.
Faltavam ainda dois ovos. Que esconderiam lá dentro? A
galinha, curiosa, picou um deles. Mas ia caindo para o lado.
Ai, mas que filho!
Deve ser do Nilo.
Em vez de ser pinto
é um crocodilo.
Ainda se não tinha calado quando sentiu um reboliço no último.
Ao ver uma penugem amarela, bateu as asas de contentamento e
escancarou o bico:
Ai, mas que filho!
Diz o meu instinto
que este finalmente
é mesmo um pinto.
- Olhem a minha ninhada! – mostrava ela às galinhas do mato. – É tão
variada, é tão engraçada.
- Trata só do teu pinto. Não ligues aos outros bichos – aconselhava a
perdiz.
Mas como podia ela abandoná-los depois de os ter chocado com tanto
amor? Que outra mãe havia de tratar deles?
Era feliz, mas vivia num desassossego.
O papagaio voava para as árvores e ela não
sabia voar.
O crocodilo só estava bem dentro de
água e ela não sabia nadar.
A serpente metia-se por todos os buracos e ela era gorda para a poder
ir buscar.
A avestruz, essa, devorava tudo, não havia comida que lhe chegasse.
Só o pinto, naturalmente, se portava como um pinto.
Mas ela de todos gostava. De todos cuidava.
Coçava a serpente quando ela tinha cócegas, porque à pobrezinha
faltavam as patas.
Enrouquecia de tanto tagarelar com o papagaio que queria
sempre conversar.
Cansava-se a carregar petiscos
para a comilona da avestruz.
Esgravatava o chão em busca de sementes para o pinto.
E nos intervalos lavava as dentuças ao crocodilo.
Tudo parecia correr bem até que apareceu no bosque um rapaz.
- Ah, que belo frango! - disse ele, ao ver o filho verdadeiro da galinha. -
Vou assá-lo para o jantar.
- Cocorocó - refilou a galinha, o que quer
dizer na sua língua « não lhe toques, senão pico-
te ».
O rapaz riu. Pois, quem tem medo de uma
galinha? E apanhou o frango.
Foi então que a serpente, ao ver o que
se passava, se pôs a assobiar à sua
frente, mostrando os dentes de veneno.
-Ai, uma serpente! - gritou ele e atirou-
se ao lago para lhe escapar.
Foi a vez do crocodilo avançar de boca aberta.
-Ai, que este me come! - gritou novamente o rapaz, subindo para a
outra margem com o frango debaixo do braço.
Aí estava o papagaio, empoleirado numa árvore.
És ladrão, és ladrão
vou prender-te na prisão!
És ladrão, és ladrão
vou prender-te na prisão!
- Um polícia… assustou-se o moço. - Deixa-me fugir.
Mas logo atrás de si começou a ouvir uns passos, primeiro
distantes, depois cada vez mais próximos, a grande velocidade. Era a
avestruz.
Apavorado, pensando que era um polícia que o perseguia, o rapaz largou
a ave e só parou, esbaforido, na aldeia.
Às costas da irmã avestruz, o frango voltou para casa.
Para festejar, a galinha juntou todos os filhos e fez-lhes um bolo com
vários andares.
Um tinha milho para o frango.
Outro, peixe para o crocodilo.
Outro, fruta para o papagaio.
Outro, ratos para a serpente.
E por cima, a enfeitar, sete berlindes, um martelo
e vinte pregos, porque a avestruz só gostava
de pitéus extravagantes.
Depois do jantar os filhos fizeram uma roda à volta da galinha e
puseram-se a cantar:
Somos todos irmãos,
somos todos diferentes:
há uns que têm bico,
outros que têm dentes,
há uns que têm escamas,
outros que têm asas,
na terra e na água
fazemos nossas casas.
Eu só tenho pescoço.
Eu voo pelo ar.
Eu nado a quatro patas.
Eu cá gosto de andar.
Somos todos diferentes,
mas todos queremos bem
à boa da galinha
que é a nossa mãe.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Power Point Sapo Apaixonado!
Power Point Sapo Apaixonado!Power Point Sapo Apaixonado!
Power Point Sapo Apaixonado!
guest0bf490
 
NinguéM Dá Prendas Ao Pai Natal
NinguéM Dá Prendas Ao Pai NatalNinguéM Dá Prendas Ao Pai Natal
NinguéM Dá Prendas Ao Pai Natal
daliatrigo
 
A ovelhinha-que-veio-para-jantar
A ovelhinha-que-veio-para-jantarA ovelhinha-que-veio-para-jantar
A ovelhinha-que-veio-para-jantar
Ofelia Liborio
 
O boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escola
O boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escolaO boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escola
O boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escola
Maria Ferreira
 
A galinha medrosa de antonio mota
A galinha medrosa de antonio motaA galinha medrosa de antonio mota
A galinha medrosa de antonio mota
Colégio Colibri
 
Os direitos as crianças luiísa ducla soares
Os direitos as crianças   luiísa ducla soaresOs direitos as crianças   luiísa ducla soares
Os direitos as crianças luiísa ducla soares
Be Moinho Das Leituras
 
Historia desculpa por acaso és uma bruxa
Historia desculpa por acaso és uma bruxa Historia desculpa por acaso és uma bruxa
Historia desculpa por acaso és uma bruxa
Ana Paula Santos
 
Ninguém da prendas ao pai natal
Ninguém da prendas ao pai natalNinguém da prendas ao pai natal
Ninguém da prendas ao pai natal
Ana PAtrícia Lima
 

Mais procurados (20)

A casa da mosca fosca
A casa da mosca foscaA casa da mosca fosca
A casa da mosca fosca
 
Power Point Sapo Apaixonado!
Power Point Sapo Apaixonado!Power Point Sapo Apaixonado!
Power Point Sapo Apaixonado!
 
O meu pai
O meu paiO meu pai
O meu pai
 
NinguéM Dá Prendas Ao Pai Natal
NinguéM Dá Prendas Ao Pai NatalNinguéM Dá Prendas Ao Pai Natal
NinguéM Dá Prendas Ao Pai Natal
 
Uma Aventura no Outono
Uma Aventura no OutonoUma Aventura no Outono
Uma Aventura no Outono
 
Vamos fazer amigos
Vamos fazer amigosVamos fazer amigos
Vamos fazer amigos
 
A ovelhinha-que-veio-para-jantar
A ovelhinha-que-veio-para-jantarA ovelhinha-que-veio-para-jantar
A ovelhinha-que-veio-para-jantar
 
A Bruxa Mimi
A Bruxa MimiA Bruxa Mimi
A Bruxa Mimi
 
A Sopa Verde
A Sopa VerdeA Sopa Verde
A Sopa Verde
 
Animais que hibernam pp
Animais que hibernam ppAnimais que hibernam pp
Animais que hibernam pp
 
Natal, história
Natal, históriaNatal, história
Natal, história
 
O boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escola
O boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escolaO boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escola
O boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escola
 
3 terriveis porquinhos
3 terriveis porquinhos3 terriveis porquinhos
3 terriveis porquinhos
 
A galinha medrosa de antonio mota
A galinha medrosa de antonio motaA galinha medrosa de antonio mota
A galinha medrosa de antonio mota
 
Os direitos as crianças luiísa ducla soares
Os direitos as crianças   luiísa ducla soaresOs direitos as crianças   luiísa ducla soares
Os direitos as crianças luiísa ducla soares
 
Historia desculpa por acaso és uma bruxa
Historia desculpa por acaso és uma bruxa Historia desculpa por acaso és uma bruxa
Historia desculpa por acaso és uma bruxa
 
Carlota barbosa a bruxa medrosa
Carlota barbosa a bruxa medrosa Carlota barbosa a bruxa medrosa
Carlota barbosa a bruxa medrosa
 
A que sabe a lua
A que sabe a luaA que sabe a lua
A que sabe a lua
 
A velhinha que comeu os símbolos do natal
A velhinha que comeu os símbolos do natalA velhinha que comeu os símbolos do natal
A velhinha que comeu os símbolos do natal
 
Ninguém da prendas ao pai natal
Ninguém da prendas ao pai natalNinguém da prendas ao pai natal
Ninguém da prendas ao pai natal
 

Destaque

O elefante sem tromba
O elefante sem trombaO elefante sem tromba
O elefante sem tromba
Emef Madalena
 
Os Ovos Misteriosos
Os Ovos MisteriososOs Ovos Misteriosos
Os Ovos Misteriosos
jufec
 
Ovos misteriosos
Ovos misteriososOvos misteriosos
Ovos misteriosos
Luisa1959
 
Roteiro De Leitura de os ovos misteriosos
Roteiro De Leitura de os ovos misteriososRoteiro De Leitura de os ovos misteriosos
Roteiro De Leitura de os ovos misteriosos
RitaGasparCardoso
 
Os ovos misteriosos
Os ovos misteriososOs ovos misteriosos
Os ovos misteriosos
aasf
 
A Lenda Dos Ovos De Pascoa
A Lenda Dos Ovos De PascoaA Lenda Dos Ovos De Pascoa
A Lenda Dos Ovos De Pascoa
gabifrias
 
Os ovos misteriosos[1]
Os ovos misteriosos[1]Os ovos misteriosos[1]
Os ovos misteriosos[1]
bibliotecap
 
A velhinha-e-a-galinha-carijó
A velhinha-e-a-galinha-carijóA velhinha-e-a-galinha-carijó
A velhinha-e-a-galinha-carijó
Bela Catarina
 
A galinha dos ovos misteriosos)
A galinha dos ovos misteriosos)A galinha dos ovos misteriosos)
A galinha dos ovos misteriosos)
guestf6f50d9
 
Exploração da Obra "Os Ovos Misteriosos"
Exploração da Obra "Os Ovos Misteriosos"Exploração da Obra "Os Ovos Misteriosos"
Exploração da Obra "Os Ovos Misteriosos"
marisafixe
 
O coelho que não era da páscoa
O coelho que não era da páscoaO coelho que não era da páscoa
O coelho que não era da páscoa
preescolarlagares
 
Livro o coelhinho que não era da páscoa
Livro o coelhinho que não era da páscoaLivro o coelhinho que não era da páscoa
Livro o coelhinho que não era da páscoa
tlfleite
 
Os ovos misteriosos txt.integral/fichas
Os ovos misteriosos txt.integral/fichasOs ovos misteriosos txt.integral/fichas
Os ovos misteriosos txt.integral/fichas
Mi Like
 
Las competencias en ti cs
Las competencias  en ti csLas competencias  en ti cs
Las competencias en ti cs
Mariela Lira
 

Destaque (20)

O elefante sem tromba
O elefante sem trombaO elefante sem tromba
O elefante sem tromba
 
Os Ovos Misteriosos
Os Ovos MisteriososOs Ovos Misteriosos
Os Ovos Misteriosos
 
A Galinha Dos Ovos Misteriosos Ficha
A Galinha Dos Ovos Misteriosos FichaA Galinha Dos Ovos Misteriosos Ficha
A Galinha Dos Ovos Misteriosos Ficha
 
Ovos misteriosos
Ovos misteriososOvos misteriosos
Ovos misteriosos
 
Roteiro De Leitura de os ovos misteriosos
Roteiro De Leitura de os ovos misteriososRoteiro De Leitura de os ovos misteriosos
Roteiro De Leitura de os ovos misteriosos
 
Os ovos misteriosos
Os ovos misteriososOs ovos misteriosos
Os ovos misteriosos
 
A Lenda Dos Ovos De Pascoa
A Lenda Dos Ovos De PascoaA Lenda Dos Ovos De Pascoa
A Lenda Dos Ovos De Pascoa
 
Os ovos misteriosos[1]
Os ovos misteriosos[1]Os ovos misteriosos[1]
Os ovos misteriosos[1]
 
Os Ovos Misteriosos
Os Ovos MisteriososOs Ovos Misteriosos
Os Ovos Misteriosos
 
A velhinha-e-a-galinha-carijó
A velhinha-e-a-galinha-carijóA velhinha-e-a-galinha-carijó
A velhinha-e-a-galinha-carijó
 
Os ovos misteriosos -Ficha de trabalho
Os ovos misteriosos -Ficha de trabalho Os ovos misteriosos -Ficha de trabalho
Os ovos misteriosos -Ficha de trabalho
 
A galinha dos ovos misteriosos)
A galinha dos ovos misteriosos)A galinha dos ovos misteriosos)
A galinha dos ovos misteriosos)
 
Exploração da Obra "Os Ovos Misteriosos"
Exploração da Obra "Os Ovos Misteriosos"Exploração da Obra "Os Ovos Misteriosos"
Exploração da Obra "Os Ovos Misteriosos"
 
O coelhinho branco
O coelhinho brancoO coelhinho branco
O coelhinho branco
 
O coelho que não era da páscoa
O coelho que não era da páscoaO coelho que não era da páscoa
O coelho que não era da páscoa
 
Livro o coelhinho que não era da páscoa
Livro o coelhinho que não era da páscoaLivro o coelhinho que não era da páscoa
Livro o coelhinho que não era da páscoa
 
Voce Troca1
Voce Troca1Voce Troca1
Voce Troca1
 
Os ovos misteriosos txt.integral/fichas
Os ovos misteriosos txt.integral/fichasOs ovos misteriosos txt.integral/fichas
Os ovos misteriosos txt.integral/fichas
 
Las competencias en ti cs
Las competencias  en ti csLas competencias  en ti cs
Las competencias en ti cs
 
A Galinha Misteriosa
A Galinha MisteriosaA Galinha Misteriosa
A Galinha Misteriosa
 

Semelhante a Os ovos misteriosos

Os ovos misteriosos
Os ovos misteriososOs ovos misteriosos
Os ovos misteriosos
Bruno0027
 
Os ovos misteriosos
Os ovos misteriososOs ovos misteriosos
Os ovos misteriosos
linajesus
 
A galinha dos ovos misteriosos)
A galinha dos ovos misteriosos)A galinha dos ovos misteriosos)
A galinha dos ovos misteriosos)
guestf6f50d9
 
Guiao de leitura_dos_ovos_misteriosos
Guiao de leitura_dos_ovos_misteriososGuiao de leitura_dos_ovos_misteriosos
Guiao de leitura_dos_ovos_misteriosos
bibliotecap
 
Conto ovos.misteriosos txt.integral_ficha.completa
Conto ovos.misteriosos txt.integral_ficha.completaConto ovos.misteriosos txt.integral_ficha.completa
Conto ovos.misteriosos txt.integral_ficha.completa
Mi Like
 
Os ovos misteriosos
Os ovos misteriososOs ovos misteriosos
Os ovos misteriosos
zmcarvalho
 
50560569 clarice-lispector-como-nasceram-as-estrelas-pdf-rev
50560569 clarice-lispector-como-nasceram-as-estrelas-pdf-rev50560569 clarice-lispector-como-nasceram-as-estrelas-pdf-rev
50560569 clarice-lispector-como-nasceram-as-estrelas-pdf-rev
Angelica Moreira
 
Leitura autores luisa_ovos-misteriosos_bd-2pages
Leitura autores luisa_ovos-misteriosos_bd-2pagesLeitura autores luisa_ovos-misteriosos_bd-2pages
Leitura autores luisa_ovos-misteriosos_bd-2pages
bibliotecap
 
O Patinho Feio
O Patinho FeioO Patinho Feio
O Patinho Feio
guesta03b6
 

Semelhante a Os ovos misteriosos (20)

Os ovos misteriosos
Os ovos misteriososOs ovos misteriosos
Os ovos misteriosos
 
Os ovos misteriosos
Os ovos misteriososOs ovos misteriosos
Os ovos misteriosos
 
Os ovos misteriosos
Os ovos misteriososOs ovos misteriosos
Os ovos misteriosos
 
A galinha dos ovos misteriosos)
A galinha dos ovos misteriosos)A galinha dos ovos misteriosos)
A galinha dos ovos misteriosos)
 
Guiao de leitura_dos_ovos_misteriosos
Guiao de leitura_dos_ovos_misteriososGuiao de leitura_dos_ovos_misteriosos
Guiao de leitura_dos_ovos_misteriosos
 
25418732 os-ovos-misteriosos
25418732 os-ovos-misteriosos25418732 os-ovos-misteriosos
25418732 os-ovos-misteriosos
 
25418732 os-ovos-misteriosos
25418732 os-ovos-misteriosos25418732 os-ovos-misteriosos
25418732 os-ovos-misteriosos
 
Os ovos misteriosos
Os ovos misteriososOs ovos misteriosos
Os ovos misteriosos
 
Osovosmisteriosos
Osovosmisteriosos Osovosmisteriosos
Osovosmisteriosos
 
Conto ovos.misteriosos txt.integral_ficha.completa
Conto ovos.misteriosos txt.integral_ficha.completaConto ovos.misteriosos txt.integral_ficha.completa
Conto ovos.misteriosos txt.integral_ficha.completa
 
Os ovos misteriosos (Paint)
Os ovos misteriosos (Paint)Os ovos misteriosos (Paint)
Os ovos misteriosos (Paint)
 
Os ovos misteriosos
Os ovos misteriososOs ovos misteriosos
Os ovos misteriosos
 
Doze lendas brasileiras como nasceram as estrelas - clarice lispector -
Doze lendas brasileiras   como nasceram as estrelas - clarice lispector -Doze lendas brasileiras   como nasceram as estrelas - clarice lispector -
Doze lendas brasileiras como nasceram as estrelas - clarice lispector -
 
Capítulo i galinha ao molho pardo
Capítulo i  galinha ao molho pardoCapítulo i  galinha ao molho pardo
Capítulo i galinha ao molho pardo
 
Capítulo i galinha ao molho pardo
Capítulo i  galinha ao molho pardoCapítulo i  galinha ao molho pardo
Capítulo i galinha ao molho pardo
 
50560569 clarice-lispector-como-nasceram-as-estrelas-pdf-rev
50560569 clarice-lispector-como-nasceram-as-estrelas-pdf-rev50560569 clarice-lispector-como-nasceram-as-estrelas-pdf-rev
50560569 clarice-lispector-como-nasceram-as-estrelas-pdf-rev
 
Clarice lispector quase de verdade (pdf)(rev)
Clarice lispector   quase de verdade (pdf)(rev)Clarice lispector   quase de verdade (pdf)(rev)
Clarice lispector quase de verdade (pdf)(rev)
 
Quase de Verdade
Quase de VerdadeQuase de Verdade
Quase de Verdade
 
Leitura autores luisa_ovos-misteriosos_bd-2pages
Leitura autores luisa_ovos-misteriosos_bd-2pagesLeitura autores luisa_ovos-misteriosos_bd-2pages
Leitura autores luisa_ovos-misteriosos_bd-2pages
 
O Patinho Feio
O Patinho FeioO Patinho Feio
O Patinho Feio
 

Último

ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
azulassessoria9
 
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreFilosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
LeandroLima265595
 

Último (20)

Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
 
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfVIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreFilosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundario
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
 

Os ovos misteriosos

  • 1.
  • 2. Era uma vez uma galinha que todos os dias punha um ovo. E todos os dias vinha a dona, com uma cestinha, tirar-lho. – Já pus 1.000 ovos. Podia ser mãe de mil filhos. Mas não tenho nenhum por causa da gente gulosa – cacarejou certa manhã a galinha. – Vou fugir.
  • 3. Se bem o pensou, melhor o fez. Quando a dona entrou na capoeira, como de costume, esgueirou-se pela porta aberta. Só parou na mata. Logo aí tratou de fazer o seu ninho com folhas secas, palhas, penugem, farrapos de lã. Nunca vira ninho mais lindo, redondo, confortável. Sentou-se nele e pôs um ovo muito branquinho.
  • 4. Vou encher a barriga antes de começar a chocar, que aqui ninguém me traz de comer – resolveu a galinha, afastando-se em busca do almoço. Demorou-se, porque ali tudo lhe era estranho. Quando voltou, qual não foi o seu espanto ao ver o ninho cheio de ovos de todos os tamanhos e feitios.
  • 5. - Cocorocó… Que vem a ser isto? – disse ela. – Na minha capoeira tiravam-me os ovos, aqui oferecem-mos. Mas que sorte. E logo se aninhou. Daí por diante, a galinha mal saía do choco. Estava preguiçosa, sentia o corpo quente, quente como uma botija.
  • 6. O tempo foi passando. Quanto, não sabia, porque não aprendera a contar nem se guiava pelo calendário. Até que… crac! O primeiro ovo estalou e de lá saiu um bicharoco de bico retorcido. Ai, mas que filho, eu até desmaio! Em vez de ser pinto é um papagaio. - exclamou a galinha.
  • 7. No dia seguinte, outro ovo se abriu e de lá saiu, rastejando, uma criatura comprida e sarapintada. Ai, mas que filho, como ele é diferente! Em vez de ser pinto é uma serpente. - exclamou a galinha.
  • 8. Nessa mesma tarde, o maior de todos os ovos partiu-se ao meio. A galinha espreitou, desconfiada. Ao ver o que tinha à sua frente, pôs-se a cacarejar: Ai, mas que filho, este é de truz! Em vez de ser pinto é uma avestruz.
  • 9. Faltavam ainda dois ovos. Que esconderiam lá dentro? A galinha, curiosa, picou um deles. Mas ia caindo para o lado. Ai, mas que filho! Deve ser do Nilo. Em vez de ser pinto é um crocodilo.
  • 10. Ainda se não tinha calado quando sentiu um reboliço no último. Ao ver uma penugem amarela, bateu as asas de contentamento e escancarou o bico: Ai, mas que filho! Diz o meu instinto que este finalmente é mesmo um pinto.
  • 11. - Olhem a minha ninhada! – mostrava ela às galinhas do mato. – É tão variada, é tão engraçada. - Trata só do teu pinto. Não ligues aos outros bichos – aconselhava a perdiz. Mas como podia ela abandoná-los depois de os ter chocado com tanto amor? Que outra mãe havia de tratar deles? Era feliz, mas vivia num desassossego.
  • 12. O papagaio voava para as árvores e ela não sabia voar.
  • 13. O crocodilo só estava bem dentro de água e ela não sabia nadar.
  • 14. A serpente metia-se por todos os buracos e ela era gorda para a poder ir buscar.
  • 15. A avestruz, essa, devorava tudo, não havia comida que lhe chegasse.
  • 16. Só o pinto, naturalmente, se portava como um pinto.
  • 17. Mas ela de todos gostava. De todos cuidava.
  • 18. Coçava a serpente quando ela tinha cócegas, porque à pobrezinha faltavam as patas.
  • 19. Enrouquecia de tanto tagarelar com o papagaio que queria sempre conversar.
  • 20. Cansava-se a carregar petiscos para a comilona da avestruz.
  • 21. Esgravatava o chão em busca de sementes para o pinto.
  • 22. E nos intervalos lavava as dentuças ao crocodilo.
  • 23. Tudo parecia correr bem até que apareceu no bosque um rapaz. - Ah, que belo frango! - disse ele, ao ver o filho verdadeiro da galinha. - Vou assá-lo para o jantar. - Cocorocó - refilou a galinha, o que quer dizer na sua língua « não lhe toques, senão pico- te ». O rapaz riu. Pois, quem tem medo de uma galinha? E apanhou o frango.
  • 24. Foi então que a serpente, ao ver o que se passava, se pôs a assobiar à sua frente, mostrando os dentes de veneno. -Ai, uma serpente! - gritou ele e atirou- se ao lago para lhe escapar.
  • 25. Foi a vez do crocodilo avançar de boca aberta. -Ai, que este me come! - gritou novamente o rapaz, subindo para a outra margem com o frango debaixo do braço.
  • 26. Aí estava o papagaio, empoleirado numa árvore. És ladrão, és ladrão vou prender-te na prisão! És ladrão, és ladrão vou prender-te na prisão!
  • 27. - Um polícia… assustou-se o moço. - Deixa-me fugir. Mas logo atrás de si começou a ouvir uns passos, primeiro distantes, depois cada vez mais próximos, a grande velocidade. Era a avestruz. Apavorado, pensando que era um polícia que o perseguia, o rapaz largou a ave e só parou, esbaforido, na aldeia.
  • 28. Às costas da irmã avestruz, o frango voltou para casa. Para festejar, a galinha juntou todos os filhos e fez-lhes um bolo com vários andares. Um tinha milho para o frango. Outro, peixe para o crocodilo. Outro, fruta para o papagaio. Outro, ratos para a serpente. E por cima, a enfeitar, sete berlindes, um martelo e vinte pregos, porque a avestruz só gostava de pitéus extravagantes.
  • 29. Depois do jantar os filhos fizeram uma roda à volta da galinha e puseram-se a cantar: Somos todos irmãos, somos todos diferentes: há uns que têm bico, outros que têm dentes, há uns que têm escamas, outros que têm asas, na terra e na água fazemos nossas casas. Eu só tenho pescoço. Eu voo pelo ar. Eu nado a quatro patas. Eu cá gosto de andar. Somos todos diferentes, mas todos queremos bem à boa da galinha que é a nossa mãe.