SlideShare uma empresa Scribd logo
O QUE É DISCUTIR ARGUMENTOS

Em filosofia, discute-se   ideias   para tentar
chegar à verdade.
Discutir argumentos é:
1 – Procurar descobrir se são válidos. Sem
argumentos válidos não vamos a lado nenhum.
Questão orientadora: as razões apresentadas
justificam o que se que r defender?
2 – Procurar descobrir se, apesar de válido, as
premissas do argumento são falsas ou duvidosas
O QUE É DISCUTIR ARGUMENTOS
         Vejamos o seguinte argumento:



Só os seres a que podemos atribuir deveres
morais têm direitos.
Não atribuímos deveres morais aos animais
Logo, os animais não têm direitos.
O QUE É DISCUTIR ARGUMENTOS
       Inspecção da validade do argumento
Suponhamos que aceitamos as premissas, ou
seja, façamos de conta que são verdadeiras.
Será     que    garantem     ou     justificam
necessariamente a verdade da conclusão? Se as
aceitarmos temos de também aceitar o que
pretendem defender?
A resposta é afirmativa. Se for verdade que só a
consciência de ter deveres torna legítimo ser
possuidor de direitos então os animais não têm
direitos. Mas a discussão não fica por aqui…
O QUE É DISCUTIR ARGUMENTOS
Por que razão podemos discutir o argumento anterior
apesar de ser válido?
Podemos discuti – lo porque argumento só mostra que o os
animais não têm direitos se todas as suas premissas forem
verdadeiras, não – duvidosas.
Sabemos que as premissas são duvidosas e discutíveis.
Basta haver uma premissa duvidosa ou discutível para que
o argumento não tenha solidez. Ora é o que acontece com
a primeira premissa:
Só os seres a que podemos atribuir deveres morais
têm direitos.
O QUE É DISCUTIR ARGUMENTOS

A premissa é discutível porque basta pensar
no caso das pessoas com deficiências
mentais profundas e os recém – nascidos
para a questionar: se o argumento por
hipótese fosse sólido teríamos de rever a
nossa atitude em relação a essas pessoas.
O QUE É DISCUTIR ARGUMENTOS

Para discordar de um argumento é suficiente
 mostrar que uma das premissas em que se
  baseia é falsa ou muito pouco plausível.
Como o objectivo do argumento é convencer
– nos de que os animais não têm direitos
ele falha porque podemos mostrar que uma
das suas premissas é falsa ou pelo menos
muito duvidosa:
Os bebés, por exemplo, têm direitos mas
não têm deveres
O QUE É DISCUTIR ARGUMENTOS


Assim, se um argumento nega ou afirma algo basta
por em causa uma das premissas .
Se uma das premissas for falsa ou duvidosa todo o
argumento perde com ela a sua solidez.
Se lhe for apresentado um argumento (válido) sobre,
por exemplo, a imoralidade da guerra, de cuja
conclusão discorda, já sabe o que fazer para o
discutir.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Argumentação e lógica formal
Argumentação e lógica formalArgumentação e lógica formal
Argumentação e lógica formal
Joaquim Melro
 
LÓGICA ARISTOTÉLICA
LÓGICA ARISTOTÉLICALÓGICA ARISTOTÉLICA
LÓGICA ARISTOTÉLICA
Alan
 
Logica
LogicaLogica
Logica
Erica Frau
 
Logica informal
Logica informalLogica informal
Logica informal
Helena Serrão
 
Filosofia 11ºano ag
Filosofia 11ºano agFilosofia 11ºano ag
Filosofia 11ºano ag
Fátima Teixeira Kika
 
Filosofia 2º teste - argumentação e retórica, lógica informal, falácias infor...
Filosofia 2º teste - argumentação e retórica, lógica informal, falácias infor...Filosofia 2º teste - argumentação e retórica, lógica informal, falácias infor...
Filosofia 2º teste - argumentação e retórica, lógica informal, falácias infor...
Joana Pinto
 
Argumentação, Retórica e Filosofia - 1
Argumentação, Retórica e Filosofia - 1Argumentação, Retórica e Filosofia - 1
Argumentação, Retórica e Filosofia - 1
Jorge Barbosa
 
Os Instrumentos Lógicos do Pensamento - Filosofia 10ºAno
Os Instrumentos Lógicos do Pensamento - Filosofia 10ºAnoOs Instrumentos Lógicos do Pensamento - Filosofia 10ºAno
Os Instrumentos Lógicos do Pensamento - Filosofia 10ºAno
colegiomb
 
Ex fil714-f2-2017-v1
Ex fil714-f2-2017-v1Ex fil714-f2-2017-v1
Ex fil714-f2-2017-v1
Isabel Moura
 
Lógica
LógicaLógica
Lógica
almada76
 
Ex fil714-f2-2017-v2
Ex fil714-f2-2017-v2Ex fil714-f2-2017-v2
Ex fil714-f2-2017-v2
Isabel Moura
 
Filosofia Nº 1 - 11º Ano
Filosofia Nº 1 - 11º AnoFilosofia Nº 1 - 11º Ano
Filosofia Nº 1 - 11º Ano
Jorge Barbosa
 
Lógica filosófica
Lógica filosóficaLógica filosófica
Lógica filosófica
Italo Colares
 
Lógica aristotélica
Lógica aristotélicaLógica aristotélica
Lógica aristotélica
Iarley Brito
 
Resolução_teste_diagnóstico_11
Resolução_teste_diagnóstico_11Resolução_teste_diagnóstico_11
Resolução_teste_diagnóstico_11
Isabel Moura
 
Resumo 2º teste
Resumo 2º testeResumo 2º teste
Resumo 2º teste
Inês Mota
 
Tipos de argumentos indutivos
Tipos de argumentos indutivosTipos de argumentos indutivos
Tipos de argumentos indutivos
Luis De Sousa Rodrigues
 
Correção ficha de revisões 1 teste 11
Correção ficha de revisões 1 teste 11Correção ficha de revisões 1 teste 11
Correção ficha de revisões 1 teste 11
Isabel Moura
 
Apostila básica de Lógica
Apostila básica de LógicaApostila básica de Lógica
Apostila básica de Lógica
Cleber Oliveira
 
O nascimento da lógica 2º ano ok
O nascimento da lógica 2º ano okO nascimento da lógica 2º ano ok
O nascimento da lógica 2º ano ok
Milena Leite
 

Mais procurados (20)

Argumentação e lógica formal
Argumentação e lógica formalArgumentação e lógica formal
Argumentação e lógica formal
 
LÓGICA ARISTOTÉLICA
LÓGICA ARISTOTÉLICALÓGICA ARISTOTÉLICA
LÓGICA ARISTOTÉLICA
 
Logica
LogicaLogica
Logica
 
Logica informal
Logica informalLogica informal
Logica informal
 
Filosofia 11ºano ag
Filosofia 11ºano agFilosofia 11ºano ag
Filosofia 11ºano ag
 
Filosofia 2º teste - argumentação e retórica, lógica informal, falácias infor...
Filosofia 2º teste - argumentação e retórica, lógica informal, falácias infor...Filosofia 2º teste - argumentação e retórica, lógica informal, falácias infor...
Filosofia 2º teste - argumentação e retórica, lógica informal, falácias infor...
 
Argumentação, Retórica e Filosofia - 1
Argumentação, Retórica e Filosofia - 1Argumentação, Retórica e Filosofia - 1
Argumentação, Retórica e Filosofia - 1
 
Os Instrumentos Lógicos do Pensamento - Filosofia 10ºAno
Os Instrumentos Lógicos do Pensamento - Filosofia 10ºAnoOs Instrumentos Lógicos do Pensamento - Filosofia 10ºAno
Os Instrumentos Lógicos do Pensamento - Filosofia 10ºAno
 
Ex fil714-f2-2017-v1
Ex fil714-f2-2017-v1Ex fil714-f2-2017-v1
Ex fil714-f2-2017-v1
 
Lógica
LógicaLógica
Lógica
 
Ex fil714-f2-2017-v2
Ex fil714-f2-2017-v2Ex fil714-f2-2017-v2
Ex fil714-f2-2017-v2
 
Filosofia Nº 1 - 11º Ano
Filosofia Nº 1 - 11º AnoFilosofia Nº 1 - 11º Ano
Filosofia Nº 1 - 11º Ano
 
Lógica filosófica
Lógica filosóficaLógica filosófica
Lógica filosófica
 
Lógica aristotélica
Lógica aristotélicaLógica aristotélica
Lógica aristotélica
 
Resolução_teste_diagnóstico_11
Resolução_teste_diagnóstico_11Resolução_teste_diagnóstico_11
Resolução_teste_diagnóstico_11
 
Resumo 2º teste
Resumo 2º testeResumo 2º teste
Resumo 2º teste
 
Tipos de argumentos indutivos
Tipos de argumentos indutivosTipos de argumentos indutivos
Tipos de argumentos indutivos
 
Correção ficha de revisões 1 teste 11
Correção ficha de revisões 1 teste 11Correção ficha de revisões 1 teste 11
Correção ficha de revisões 1 teste 11
 
Apostila básica de Lógica
Apostila básica de LógicaApostila básica de Lógica
Apostila básica de Lógica
 
O nascimento da lógica 2º ano ok
O nascimento da lógica 2º ano okO nascimento da lógica 2º ano ok
O nascimento da lógica 2º ano ok
 

Semelhante a O que é discutir argumentos

Ficha de trabalho - A dimensão discursiva do trabalho filosófico
Ficha de trabalho - A dimensão discursiva do trabalho filosóficoFicha de trabalho - A dimensão discursiva do trabalho filosófico
Ficha de trabalho - A dimensão discursiva do trabalho filosófico
AnaKlein1
 
Filosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; sínteseFilosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; síntese
Ana Felizardo
 
04 aul dissertaçâo_desenvolvimento
04 aul dissertaçâo_desenvolvimento04 aul dissertaçâo_desenvolvimento
04 aul dissertaçâo_desenvolvimento
marcelocaxias
 
1º ano- Filosofia - Distorções do Conhecimento
1º ano- Filosofia - Distorções do Conhecimento1º ano- Filosofia - Distorções do Conhecimento
1º ano- Filosofia - Distorções do Conhecimento
Karoline Rodrigues de Melo
 
Argumentação e retórica
Argumentação e retóricaArgumentação e retórica
Argumentação e retórica
Nikita Soares
 
Gui nadine
Gui nadineGui nadine
Gui nadine
Guilherme Andrade
 
Falácias mais comuns3
Falácias mais comuns3Falácias mais comuns3
Falácias mais comuns3
Claudemir Barbosa
 
I.a.ap01 questoes.da.filosofia
I.a.ap01 questoes.da.filosofiaI.a.ap01 questoes.da.filosofia
I.a.ap01 questoes.da.filosofia
jtorrescosta
 
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade CognoscitivaFilosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Rafael Cristino
 
Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
Helena Serrão
 
Objetivos Teste de Filosofia Nº2 (10ºAno)
Objetivos Teste de Filosofia Nº2 (10ºAno)Objetivos Teste de Filosofia Nº2 (10ºAno)
Objetivos Teste de Filosofia Nº2 (10ºAno)
Maria Freitas
 
Argumentação e Lógica Formal (introdução)
Argumentação e Lógica Formal (introdução)Argumentação e Lógica Formal (introdução)
Argumentação e Lógica Formal (introdução)
Jorge Barbosa
 
Tipos_conhecimento_Hume
Tipos_conhecimento_HumeTipos_conhecimento_Hume
Tipos_conhecimento_Hume
Isabel Moura
 
Notas dos argumentos
Notas dos argumentosNotas dos argumentos
Notas dos argumentos
Ana Isabel Falé
 
eqt11_estatuto_conhecimento_cientifico.pptx
eqt11_estatuto_conhecimento_cientifico.pptxeqt11_estatuto_conhecimento_cientifico.pptx
eqt11_estatuto_conhecimento_cientifico.pptx
MnicaMatos22
 
A razao (1)
A razao (1)A razao (1)
A razao (1)
Carlos Custodio
 
Aula revisão - Filosofia
Aula revisão - FilosofiaAula revisão - Filosofia
Aula revisão - Filosofia
erickxk
 
filosofia cartazes.docx
filosofia cartazes.docxfilosofia cartazes.docx
filosofia cartazes.docx
BolachinhaMaria1
 
Esquema_problemas_conhecimento
Esquema_problemas_conhecimentoEsquema_problemas_conhecimento
Esquema_problemas_conhecimento
Isabel Moura
 
Lógica
LógicaLógica
Lógica
Elisama Lopes
 

Semelhante a O que é discutir argumentos (20)

Ficha de trabalho - A dimensão discursiva do trabalho filosófico
Ficha de trabalho - A dimensão discursiva do trabalho filosóficoFicha de trabalho - A dimensão discursiva do trabalho filosófico
Ficha de trabalho - A dimensão discursiva do trabalho filosófico
 
Filosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; sínteseFilosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; síntese
 
04 aul dissertaçâo_desenvolvimento
04 aul dissertaçâo_desenvolvimento04 aul dissertaçâo_desenvolvimento
04 aul dissertaçâo_desenvolvimento
 
1º ano- Filosofia - Distorções do Conhecimento
1º ano- Filosofia - Distorções do Conhecimento1º ano- Filosofia - Distorções do Conhecimento
1º ano- Filosofia - Distorções do Conhecimento
 
Argumentação e retórica
Argumentação e retóricaArgumentação e retórica
Argumentação e retórica
 
Gui nadine
Gui nadineGui nadine
Gui nadine
 
Falácias mais comuns3
Falácias mais comuns3Falácias mais comuns3
Falácias mais comuns3
 
I.a.ap01 questoes.da.filosofia
I.a.ap01 questoes.da.filosofiaI.a.ap01 questoes.da.filosofia
I.a.ap01 questoes.da.filosofia
 
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade CognoscitivaFilosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
 
Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
 
Objetivos Teste de Filosofia Nº2 (10ºAno)
Objetivos Teste de Filosofia Nº2 (10ºAno)Objetivos Teste de Filosofia Nº2 (10ºAno)
Objetivos Teste de Filosofia Nº2 (10ºAno)
 
Argumentação e Lógica Formal (introdução)
Argumentação e Lógica Formal (introdução)Argumentação e Lógica Formal (introdução)
Argumentação e Lógica Formal (introdução)
 
Tipos_conhecimento_Hume
Tipos_conhecimento_HumeTipos_conhecimento_Hume
Tipos_conhecimento_Hume
 
Notas dos argumentos
Notas dos argumentosNotas dos argumentos
Notas dos argumentos
 
eqt11_estatuto_conhecimento_cientifico.pptx
eqt11_estatuto_conhecimento_cientifico.pptxeqt11_estatuto_conhecimento_cientifico.pptx
eqt11_estatuto_conhecimento_cientifico.pptx
 
A razao (1)
A razao (1)A razao (1)
A razao (1)
 
Aula revisão - Filosofia
Aula revisão - FilosofiaAula revisão - Filosofia
Aula revisão - Filosofia
 
filosofia cartazes.docx
filosofia cartazes.docxfilosofia cartazes.docx
filosofia cartazes.docx
 
Esquema_problemas_conhecimento
Esquema_problemas_conhecimentoEsquema_problemas_conhecimento
Esquema_problemas_conhecimento
 
Lógica
LógicaLógica
Lógica
 

Mais de Luis De Sousa Rodrigues

Unidade funcional do cérebro
Unidade funcional do cérebroUnidade funcional do cérebro
Unidade funcional do cérebro
Luis De Sousa Rodrigues
 
Tipos de vinculação
Tipos de vinculaçãoTipos de vinculação
Tipos de vinculação
Luis De Sousa Rodrigues
 
Tipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagemTipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagem
Luis De Sousa Rodrigues
 
Teorias sobre as emoções
Teorias sobre as emoçõesTeorias sobre as emoções
Teorias sobre as emoções
Luis De Sousa Rodrigues
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
Luis De Sousa Rodrigues
 
Raízes da vinculação
Raízes da vinculaçãoRaízes da vinculação
Raízes da vinculação
Luis De Sousa Rodrigues
 
Processos conativos
Processos conativosProcessos conativos
Processos conativos
Luis De Sousa Rodrigues
 
Perturbações da vinculação
Perturbações da vinculaçãoPerturbações da vinculação
Perturbações da vinculação
Luis De Sousa Rodrigues
 
Perceção e gestalt
Perceção e gestaltPerceção e gestalt
Perceção e gestalt
Luis De Sousa Rodrigues
 
Os processos emocionais
Os processos emocionaisOs processos emocionais
Os processos emocionais
Luis De Sousa Rodrigues
 
Os grupos
Os gruposOs grupos
O sistema nervoso
O sistema nervosoO sistema nervoso
O sistema nervoso
Luis De Sousa Rodrigues
 
O que nos torna humanos
O que nos torna humanosO que nos torna humanos
O que nos torna humanos
Luis De Sousa Rodrigues
 
Maslow e a motivação
Maslow e a motivaçãoMaslow e a motivação
Maslow e a motivação
Luis De Sousa Rodrigues
 
Lateralidade cerebral
Lateralidade cerebralLateralidade cerebral
Lateralidade cerebral
Luis De Sousa Rodrigues
 
Freud 9
Freud 9Freud 9
Freud 8
Freud 8Freud 8
Freud 7
Freud 7Freud 7
Freud 6
Freud 6Freud 6
Freud 5
Freud 5Freud 5

Mais de Luis De Sousa Rodrigues (20)

Unidade funcional do cérebro
Unidade funcional do cérebroUnidade funcional do cérebro
Unidade funcional do cérebro
 
Tipos de vinculação
Tipos de vinculaçãoTipos de vinculação
Tipos de vinculação
 
Tipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagemTipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagem
 
Teorias sobre as emoções
Teorias sobre as emoçõesTeorias sobre as emoções
Teorias sobre as emoções
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
 
Raízes da vinculação
Raízes da vinculaçãoRaízes da vinculação
Raízes da vinculação
 
Processos conativos
Processos conativosProcessos conativos
Processos conativos
 
Perturbações da vinculação
Perturbações da vinculaçãoPerturbações da vinculação
Perturbações da vinculação
 
Perceção e gestalt
Perceção e gestaltPerceção e gestalt
Perceção e gestalt
 
Os processos emocionais
Os processos emocionaisOs processos emocionais
Os processos emocionais
 
Os grupos
Os gruposOs grupos
Os grupos
 
O sistema nervoso
O sistema nervosoO sistema nervoso
O sistema nervoso
 
O que nos torna humanos
O que nos torna humanosO que nos torna humanos
O que nos torna humanos
 
Maslow e a motivação
Maslow e a motivaçãoMaslow e a motivação
Maslow e a motivação
 
Lateralidade cerebral
Lateralidade cerebralLateralidade cerebral
Lateralidade cerebral
 
Freud 9
Freud 9Freud 9
Freud 9
 
Freud 8
Freud 8Freud 8
Freud 8
 
Freud 7
Freud 7Freud 7
Freud 7
 
Freud 6
Freud 6Freud 6
Freud 6
 
Freud 5
Freud 5Freud 5
Freud 5
 

O que é discutir argumentos

  • 1. O QUE É DISCUTIR ARGUMENTOS Em filosofia, discute-se ideias para tentar chegar à verdade. Discutir argumentos é: 1 – Procurar descobrir se são válidos. Sem argumentos válidos não vamos a lado nenhum. Questão orientadora: as razões apresentadas justificam o que se que r defender? 2 – Procurar descobrir se, apesar de válido, as premissas do argumento são falsas ou duvidosas
  • 2. O QUE É DISCUTIR ARGUMENTOS Vejamos o seguinte argumento: Só os seres a que podemos atribuir deveres morais têm direitos. Não atribuímos deveres morais aos animais Logo, os animais não têm direitos.
  • 3. O QUE É DISCUTIR ARGUMENTOS Inspecção da validade do argumento Suponhamos que aceitamos as premissas, ou seja, façamos de conta que são verdadeiras. Será que garantem ou justificam necessariamente a verdade da conclusão? Se as aceitarmos temos de também aceitar o que pretendem defender? A resposta é afirmativa. Se for verdade que só a consciência de ter deveres torna legítimo ser possuidor de direitos então os animais não têm direitos. Mas a discussão não fica por aqui…
  • 4. O QUE É DISCUTIR ARGUMENTOS Por que razão podemos discutir o argumento anterior apesar de ser válido? Podemos discuti – lo porque argumento só mostra que o os animais não têm direitos se todas as suas premissas forem verdadeiras, não – duvidosas. Sabemos que as premissas são duvidosas e discutíveis. Basta haver uma premissa duvidosa ou discutível para que o argumento não tenha solidez. Ora é o que acontece com a primeira premissa: Só os seres a que podemos atribuir deveres morais têm direitos.
  • 5. O QUE É DISCUTIR ARGUMENTOS A premissa é discutível porque basta pensar no caso das pessoas com deficiências mentais profundas e os recém – nascidos para a questionar: se o argumento por hipótese fosse sólido teríamos de rever a nossa atitude em relação a essas pessoas.
  • 6. O QUE É DISCUTIR ARGUMENTOS Para discordar de um argumento é suficiente mostrar que uma das premissas em que se baseia é falsa ou muito pouco plausível. Como o objectivo do argumento é convencer – nos de que os animais não têm direitos ele falha porque podemos mostrar que uma das suas premissas é falsa ou pelo menos muito duvidosa: Os bebés, por exemplo, têm direitos mas não têm deveres
  • 7. O QUE É DISCUTIR ARGUMENTOS Assim, se um argumento nega ou afirma algo basta por em causa uma das premissas . Se uma das premissas for falsa ou duvidosa todo o argumento perde com ela a sua solidez. Se lhe for apresentado um argumento (válido) sobre, por exemplo, a imoralidade da guerra, de cuja conclusão discorda, já sabe o que fazer para o discutir.