SlideShare uma empresa Scribd logo
O
COMPORTAMENTO
DOS SALVOS EM
CRISTO3º Trimestre de
2013
Lição 3
Pr. Moisés Sampaio de Paula
TEXTO ÁUREO
2Pr. Moisés Sampaio de Paula
"E peço isto: que o vosso amor
aumente mais e mais em ciência e
em todo o conhecimento"
(Fp 1.9).
VERDADE PRÁTICA
3Pr. Moisés Sampaio de Paula
O Evangelho de Cristo produz em
cada crente um comportamento
digno e santo diante de Deus e do
mundo.
OBJETIVOS
• Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
• Compreender as características
comportamentais de um cidadão do céu.
• Contextualizar o comportamento digno do
crente ante uma posição oposta.
• Promover a unidade da igreja.
4Pr. Moisés Sampaio de Paula
Palavra chave: Comportamento
5Pr. Moisés Sampaio de Paula
I. O COMPORTAMENTO DOS CIDADÃOS DO CÉU (1.27)
1. O crente deve "portar-se dignamente".
2. Para que os outros vejam.
3. A autonomia da vida espiritual.
II. O COMPORTAMENTO ANTE A OPOSIÇÃO (1.28-30)
1. O ataque dos falsos obreiros
2. O objetivo dos falsos obreiros
3. Padecendo por Cristo.
III. PROMOVENDO A UNIDADE DA IGREJA (2.1-4)
1. O desejo de Paulo pela unidade.
2. O foco no outro como em si mesmo.
3. Não ao individualismo.
I. O COMPORTAMENTO DOS CIDADÃOS DO CÉU (1.27)
1. O crente deve "portar-se dignamente".
2. Para que os outros vejam.
3. A autonomia da vida espiritual.
II. O COMPORTAMENTO ANTE A OPOSIÇÃO (1.28-30)
1. O ataque dos falsos obreiros
2. O objetivo dos falsos obreiros
3. Padecendo por Cristo.
III. PROMOVENDO A UNIDADE DA IGREJA (2.1-4)
1. O desejo de Paulo pela unidade.
2. O foco no outro como em si mesmo.
3. Não ao individualismo.
Esboço da Lição
6Pr. Moisés Sampaio de Paula
• Nesta lição, aprenderemos que
muitas são as circunstâncias
adversas que tentam enfraquecer
o compromisso do crente com o
Evangelho de Cristo.
• Veremos que o testemunho do
cristão é testado tanto pelos de
fora (sociedade) quanto pelos de
dentro (igreja).
• Todavia, a Palavra do Senhor nos
conclama a nos portarmos
dignamente diante de Deus e dos
homens.
7Pr. Moisés Sampaio de Paula
INTRODUÇÃO
Pr. Moisés Sampaio de Paula 8
Uma Pergunta
Quais as características
comportamentais de um cidadão
do céu?
Pr. Moisés Sampaio de Paula 9
I. O COMPORTAMENTO DOS
CIDADÃOS DO CÉU (1.27)
10Pr. Moisés Sampaio de Paula
O comportamento de um
cidadão do céu reflete a
autonomia espiritual que o
crente deve apresentar no
relacionamento com o outro
1. O crente deve "portar-se dignamente".
2. Para que os outros vejam.
3. A autonomia da vida espiritual.
• "Somente deveis portar-vos dignamente
conforme o evangelho de Cristo" (v.27).
A palavra-chave desta porção bíblica é
dignamente. Este termo sugere a figura
de uma balança com dois pratos, onde o
fiel da pesagem determina a medida
exata daquilo que está sendo avaliado.
• Em síntese, precisamos de firmeza e
equilíbrio em nossa vida cotidiana, pois
esta deve harmonizar-se à conduta do
verdadeiro cidadão dos céus.
11Pr. Moisés Sampaio de Paula
1. O crente deve "portar-se dignamente".
I. O COMPORTAMENTO DOS
CIDADÃOS DO CÉU (1.27)
• O apóstolo Paulo deseja estar
seguro de que os filipenses estão
preparados para enfrentar os falsos
obreiros que, sagazmente, intentam
desviá-los de Cristo.
• Estando ou não Paulo entre os
filipenses, deseja ouvir destes que
estão num "mesmo espírito,
combatendo juntamente com o
mesmo ânimo pela fé do
evangelho" (v.27).
12Pr. Moisés Sampaio de Paula
2. Para que os outros vejam.
I. O COMPORTAMENTO DOS
CIDADÃOS DO CÉU (1.27)
• Autonomia - Os filipenses teriam
de desenvolver uma vida espiritual
autônoma em Jesus, pois o
apóstolo nem sempre estaria com
eles.
• Postura firme - Diante da
sociedade que os cercava, Paulo
esperava dos filipenses uma
postura firme, mas equilibrada.
13Pr. Moisés Sampaio de Paula
3. A autonomia da vida espiritual.3. A autonomia da vida espiritual.
I. O COMPORTAMENTO DOS
CIDADÃOS DO CÉU (1.27)
Quantas vezes somos
desafiados diante das vãs
filosofias e modismos
produzidos em nosso meio? O
Senhor nos chama a ser firmes
e equilibrados, testemunhando
aos outros como verdadeiros
cidadãos do céu.
Quantas vezes somos
desafiados diante das vãs
filosofias e modismos
produzidos em nosso meio? O
Senhor nos chama a ser firmes
e equilibrados, testemunhando
aos outros como verdadeiros
cidadãos do céu.
Culto ao Imperador
• Quando foi proclamado princeps, Octávio aceitou
também o título de Augusto que acrescentou ao seu
nome, título até então reservado aos deuses. Este
título passou para os seus sucessores,
estabelecendo-se a divinização do imperador.
• Os romanos acreditavam que os seus dirigentes,
especialmente em épocas dificultosas, eram
protegidos e orientados pelos deuses.
Pr. Moisés Sampaio de Paula 14
Culto ao Imperador
• As honras prestadas aos generais vitoriosos
assumiam um carácter religioso. Por isso Octávio,
temendo que o excesso de apreço pela sua pessoa
prejudicasse o seu governo, autorizou o culto à sua
pessoa nas províncias e às suas virtudes, isto é, ao
benefícios que o seu governo trouxera, a Vitória, a
Paz, a Liberdade e Justiça Augustas etc… em Roma.
• Quando Octávio morreu, em 14 d.C, o Senado
concedeu-lhe o epíteto de divus e criou um corpo de
sacerdotes, augustais, para assegurar o seu culto.
Pr. Moisés Sampaio de Paula 15
Culto ao Imperador
• Até a própria família do imperador foi divinizada,
multiplicando-se por todo o império templos
dedicados ao culto imperial.
• O culto imperial foi desde logo associado à deusa
Roma, figura feminina armada.
• O culto a Roma e ao imperador tornou-se um
importante elemento de união política. Verdadeira
devoção cívica foi capaz de unir os diferentes povos
do império.
Pr. Moisés Sampaio de Paula 16
Pense nisso!
• O crente é salvo pela
graça, mediante a fé
em Jesus. Este dom
veio de Deus e não do
próprio crente (Ef 2.8).
Pr. Moisés Sampaio de Paula 17
Pr. Moisés Sampaio de Paula 18
Uma Pergunta
Qual o comportamento digno do
crente ante uma posição oposta?
Pr. Moisés Sampaio de Paula 19
II. O COMPORTAMENTO ANTE A
OPOSIÇÃO (1.28-30)
20Pr. Moisés Sampaio de Paula
O cidadão do céu
enfrentará ataques de
cristãos não comprometidos
com o Evangelho, por isso,
ele deve estar cônscio que
o seu chamado é o de
padecer por Cristo.
1. O ataque dos falsos obreiros
2. O objetivo dos falsos obreiros
3. Padecendo por Cristo.
• A resistência ao Evangelho vinha
através de pregadores que:
1. Negavam a divindade de
Cristo e
2. Negabam os valores
ensinados pelos apóstolos.
• Paulo, porém, exorta os crentes de
Filipos quanto à postura que
deveriam adotar em relação a tais
falsos obreiros (v.28).
21Pr. Moisés Sampaio de Paula
1. O ataque dos falsos obreiros
II. O COMPORTAMENTO ANTE A
OPOSIÇÃO (1.28-30)
I. Os Ebionitas
• I. Os Ebionitas ( = 'pobre'; 107 A.D. ?)
– Negavam a natureza divina de Cristo, e
– Sustentavam que ele era apenas homem, quer concebido
natural, quer sobrenaturalmente.
– Defendiam que tal homem tinha uma relação peculiar com
Deus, na qual, desde a época do batismo, uma plenitude
desmedida do Espírito Divino repousava sobre ele.
• O ebionismo era simplesmente um judaísmo sob o disfarce da
igreja cristã e a negação da divindade de Cristo ocasionada
pela aparente incompatibilidade com o monoteísmo.
Pr. Moisés Sampaio de Paula 22
2. Docetistas
• (dokeo -'parecer', 'aparentar'; 70-170A.D.) como a
maioria dos gnósticos no século II e os maniqueístas
no século II negavam a realidade do corpo de Cristo.
Este ponto de vista era a sequência lógica da
suposição de que o mal é inerente à matéria. Se a
matéria é má e Cristo era puro, então o corpo
humano de Cristo deve ter sido meramente
fantástico. O docetismo era simplesmente uma
filosofia pagã introduzida na igreja.
Pr. Moisés Sampaio de Paula 23
3. Os Arianos
• (Ário, condenado em Nice, 325) negavam a
integridade da natureza divina em Cristo. Eles
consideravam o Logos que se uniu à humanidade em
Cristo, não como possuído de divindade absoluta,
mas como o primeiro e mais elevado dos seres
criados. Este ponto de vista originou-se numa falsa
interpretação dos relatos escriturísticos do estado de
humilhação de Cristo e no equívoco da subordinação
temporária com a desigualdade original e
permanente
Pr. Moisés Sampaio de Paula 24
4. Os Apolinaristas
• (Apolinário, condenado em Constantinopla, 381)
negavam a integridade da natureza humana de
Cristo. Segundo este ponto de vista, Cristo, de modo
nenhum, tinha um nous ou pneuma humanos além
daquele concedido pela natureza divina. Cristo tinha
só o soma e psichê humanos; o lugar do nous e
pneuma humanos foi preenchido pelo Logos divino.
O apolinarismo é uma tentativa de construir a
doutrina da pessoa de Cristo nas formas da
tricotomia platônica.
Pr. Moisés Sampaio de Paula 25
5. Os Nestorianos
• (Nestório, exonerado do patriarcado de
Constantinopla, 431) negavam a união real entre as
naturezas divina e humana em Cristo, tomando-a
mais unidade moral do que orgânica. Recusavam-se,
portanto, a atribuir à unidade resultante os atributos
de cada natureza e consideravam Cristo como um
homem numa relação bem próxima com Deus. Assim
eles sustentavam virtualmente duas naturezas e
duas pessoas ao invés de duas naturezas em uma
pessoa.
Pr. Moisés Sampaio de Paula 26
6. Os Eutiquianos
• (Eutiques, condenado em Calcedônia, 451) negavam
a distinção e coexistência das duas naturezas e
defendiam uma mistura de ambas o que constituía
um tertium quid, uma terceira natureza. Visto que
neste caso o divino deve sobrepor o humano, segue-
se que o humano foi realmente absorvido ou
transmudado no divino, apesar de que o divino não
ficou sendo em todos respeitos o mesmo, após a
união, que se deu anteriormente. Os eutiquianos
foram chamados de monofisitas porque virtualmente
reduziam as duas naturezas a uma.Pr. Moisés Sampaio de Paula 27
• Objetivo - Os falsos obreiros
queriam intimidar os cristãos
sinceros.
• Método - Eles aproveitavam a
ausência de Paulo e de seus
auxiliares para influenciar o
pensamento dos filipenses e, assim,
afastá-los da santíssima fé.
• Por isso, o apóstolo adverte para
que os filipenses não se
espantassem.
28Pr. Moisés Sampaio de Paula
2. O objetivo dos falsos obreiros
II. O COMPORTAMENTO ANTE A
OPOSIÇÃO (1.28-30)
De igual modo, não devemos
temer os que torcem a sã
doutrina. Guardemos a fé e
falemos com verdade e
mansidão aos que resistem a
Palavra de Deus (1 Pe 3.15).
De igual modo, não devemos
temer os que torcem a sã
doutrina. Guardemos a fé e
falemos com verdade e
mansidão aos que resistem a
Palavra de Deus (1 Pe 3.15).
O falso obreiro
• O pseudo obreiro é aquele que nunca foi obreiro de
fato. O falso obreiro vê o ministério como uma
carreira profissional, uma profissão. Um exemplo é o
levita de Juízes 17.6-12 e 18.14.
Paulo escreveu sobre o falso obreiro em suas
epístolas. “Porque tais falsos apóstolos são obreiros
fraudulentos, transfigurando-se em apóstolos de
Cristo”, 2Co 11.13. “E isso por causa dos falsos
irmãos que se tinham entremetido e secretamente
entraram a espiar a nossa liberdade que temos em
Cristo Jesus, para nos porem em servidão”, Gl 2.4.
Pr. Moisés Sampaio de Paula 29
O falso obreiro
• Na assembléia de Jerusalém, apóstolo Tiago falou acerca
desses obreiros. “Porquanto ouvimos que alguns que saíram
dentre nós vos perturbaram com palavras e transtornaram a
vossa alma (não lhes tendo nós dado mandamento)”, At
15.24. João também se referiu a eles: “Saíram de nós, mas
não eram de nós; porque, se fossem de nós, ficariam conosco;
mas isto é para que se manifestasse que não são todos de
nós”, 1Jo 2.19.
No Antigo Testamento, Moisés falou sobre o castigo dos
falsos profetas, e descreveu estes como filhos de Belial:
“...uns homens, filhos de Belial, saíram do meio de ti, que
incitaram os moradores da cidade...”, Dt 13.13.
Pr. Moisés Sampaio de Paula 30
http://www.cpadnews.com.br/blog/antoniogilberto/?POST_1_22_TIPOS+DE+OBREIRO+NA+SEARA+(3%AA+PARTE).html
Falsos Obreiros – como conseguem
uma posição de influência na igreja
(a) Alguns falsos mestres e pregadores iniciam seu
ministério com sinceridade, veracidade, pureza e
genuína fé em Cristo. Mais tarde, por causa do seu
orgulho e desejos imorais, sua dedicação pessoal e
amor a Cristo desaparecem lentamente. Em
decorrência disso, apartam-se do reino de Deus (1Co
6.9,10; Gl 5.19-21; Ef 5.5,6) e se tornam
instrumentos de Satanás, disfarçados em ministros
da justiça (ver 2Co 11.15).
Pr. Moisés Sampaio de Paula 31
(b) Outros falsos mestres e pregadores nunca foram crentes
verdadeiros. A serviço de Satanás, eles estão na igreja desde
o início de suas atividades (Mt 13.24-28,36-43). Satanás tira
partido da sua habilidade e influência e promove o seu
sucesso. A estratégia do inimigo é colocá-los em posições de
influência para minarem a autêntica obra de Cristo. Se forem
descobertos ou desmascarados, Satanás sabe que grandes
danos ao evangelho advirão disso e que o nome de Cristo será
menosprezado publicamente.
Pr. Moisés Sampaio de Paula 32
Falsos Obreiros – como conseguem
uma posição de influência na igreja
Como testar Falsos Obreiros
(1) Discernir o caráter da pessoa.
• Ela tem uma vida de oração perseverante?
• Manifesta uma devoção sincera e pura a Deus?
• Manifesta o fruto do Espírito (Gl 5.22,23)?
• ama os pecadores (Jo 3.16)?
• detesta o mal e ama a justiça (Hb 1.9)?
• fala contra o pecado (Mt 23; Lc 3.18-20)?
Pr. Moisés Sampaio de Paula 33
Como testar Falsos Obreiros
(2) Discernir os motivos da pessoa.
(a) honrar a Cristo (2Co 8.23; Fp 1.20);
(b) conduzir a igreja à santificação (At 26.18; 1Co
6.18; 2Co 6.16-18);
(c) salvar os perdidos (1Co 9.19-22); e
(d) proclamar e defender o evangelho de Cristo e
dos seus apóstolos ( Fp 1.16 ; Jd 3).
Pr. Moisés Sampaio de Paula 34
Como testar Falsos Obreiros
(3) Observar os frutos da vida e da mensagem
da pessoa.
• Os frutos dos falsos pregadores comumente
consistem em seguidores que não obedecem
a toda a Palavra de Deus ( Mt 7.16).
Pr. Moisés Sampaio de Paula 35
Como testar Falsos Obreiros
(4) Discernir até que ponto a pessoa se baseia nas
Escrituras.
• Este é um ponto fundamental?
• Ela crê e ensina que os escritos originais do AT e do
NT são plenamente inspirados por Deus, e que
devemos observar todos os seus ensinos? Caso
contrário, podemos estar certos de que tal pessoa e
sua mensagem não provêm de Deus.
Pr. Moisés Sampaio de Paula 36
Como testar Falsos Obreiros
(5) Finalmente, verifique a integridade da pessoa
quanto ao dinheiro do Senhor.
• Ela recusa grandes somas para si mesma?
• Só fala em dinheiro e ganhar mais?
• Administra todos os assuntos financeiros com
integridade e responsabilidade?
• e procura realizar a obra de Deus conforme os
padrões do NT para obreiros cristãos? (1Tm
3.3; 6.9,10).
Pr. Moisés Sampaio de Paula 37
 Fonte: Bíblia de Estudo Pentecostal -CPAD
• A Teologia da Prosperidade rejeita
por completo a ideia do sofrimento.
No entanto, a Palavra de Deus não
apenas contradiz essa heresia, mas
desafia o crente a sofrer por Cristo.
• É um privilégio para o cristão
padecer por Jesus (v.29). Paulo
compreendia muito bem esse
assunto, pois as palavras de Cristo
através de Ananias cumpriram-se
literalmente em sua vida (At 9.16).
Por isso,
38Pr. Moisés Sampaio de Paula
3. Padecendo por Cristo.3. Padecendo por Cristo.
II. O COMPORTAMENTO ANTE A
OPOSIÇÃO (1.28-30)
os crentes filipenses
aprenderam com o
apóstolo que o
sofrimento, por Cristo,
deve ser enfrentado com
coragem, perseverança e
alegria no Espírito.
Aprendamos, pois, com os
irmãos filipenses.
os crentes filipenses
aprenderam com o
apóstolo que o
sofrimento, por Cristo,
deve ser enfrentado com
coragem, perseverança e
alegria no Espírito.
Aprendamos, pois, com os
irmãos filipenses.
Pense nisso!
• As obras são o
resultado da
salvação e não
a causa dela.
Pr. Moisés Sampaio de Paula 39
Pr. Moisés Sampaio de Paula 40
Uma Pergunta
De que maneira o nosso
comportamento pode promover
a unidade da igreja?
Pr. Moisés Sampaio de Paula 41
III. PROMOVENDO A UNIDADE DA
IGREJA (2.1-4)
42Pr. Moisés Sampaio de Paula
O cidadão do céu deve
ter o foco no outro como
o tem em si mesmo. Ali,
não deve haver lugar
para o individualismo.
1. O desejo de Paulo pela unidade.
2. O foco no outro como em si mesmo.
3. Não ao individualismo.
• Depois de encorajar a igreja em
Filipos a perseverar no Evangelho, o
apóstolo começa a tratar da
unidade dos crentes.
• Este era o desafio do apóstolo em
relação aos filipenses.
43Pr. Moisés Sampaio de Paula
1. O desejo de Paulo pela unidade.
III. PROMOVENDO A UNIDADE DA
IGREJA (2.1-4)
Como a Igreja manterá a unidade
se os seus membros forem
egoístas e contenciosos?
Como a Igreja manterá a unidade
se os seus membros forem
egoístas e contenciosos?
• Para iniciar o argumento em favor
da unidade cristã, o apóstolo utiliza
vocábulos carregados de
sentimentos afetuosos nos dois
primeiros versículos (2.1,2).
• Tais palavras opõem-se
radicalmente ao espírito sectário e
soberbo que predominava em
alguns grupos da congregação de
Filipos:
44Pr. Moisés Sampaio de Paula
1. O desejo de Paulo pela unidade.
III. PROMOVENDO A UNIDADE DA
IGREJA (2.1-4)
a) Consolação de amor,
comunhão no Espírito e
entranháveis afetos e
compaixões.
b) Mesmo amor, mesmo ânimo e
sentindo uma mesma coisa.
a) Consolação de amor,
comunhão no Espírito e
entranháveis afetos e
compaixões.
b) Mesmo amor, mesmo ânimo e
sentindo uma mesma coisa.
a) Consolação de amor, comunhão no
Espírito e entranháveis afetos e
compaixões.
Cristo é o assunto fundamental dos
filipenses. Por isso, a sua
experiência deveria consistir na
consolação mútua no amor de Deus
e na comunhão do Espírito Santo,
refletindo a ternura e a compaixão
dos crentes entre si (cf. At 2.42ss.).
45Pr. Moisés Sampaio de Paula
1. O desejo de Paulo pela unidade.
III. PROMOVENDO A UNIDADE DA
IGREJA (2.1-4)
b) Mesmo amor, mesmo ânimo e
sentindo uma mesma coisa. Quando
o afeto permeia a comunidade, temos
condições de viver a unidade do amor
no Espírito Santo. O apóstolo Paulo
"estimula os filipenses a se amarem
uns aos outros, porque todos têm
recebido este mesmo amor de Deus"
(Comentário Bíblico Pentecostal,
p.1290). Consolidada a unidade, a
comunhão cristã será refletida em
todas as coisas.
46Pr. Moisés Sampaio de Paula
1. O desejo de Paulo pela unidade.
III. PROMOVENDO A UNIDADE DA
IGREJA (2.1-4)
• Vivemos numa sociedade tão individualista que é comum
ouvirmos jargões como este: "Cada um por si e Deus por
todos". Mas o ensinamento paulino desconstrói tal ideia.
• O apóstolo convoca os crentes de Filipos a buscar um estilo
de vida oposto ao egoísmo e ao sectarismo dos inimigos
da cruz de Cristo (2.3).
47Pr. Moisés Sampaio de Paula
2. O foco no outro como em si mesmo.
III. PROMOVENDO A UNIDADE DA
IGREJA (2.1-4)
No lugar Deve haver
prepotência humildade
autossuficiência, considerar os outros
superiores a nós mesmos.
• Esta atitude remonta a um dos ensinos mais basilares do
Evangelho: "ama o teu próximo como a ti mesmo" (Mc
12.31; cf. At 2.42-47).
48Pr. Moisés Sampaio de Paula
3. Não ao individualismo.3. Não ao individualismo.
III. PROMOVENDO A UNIDADE DA
IGREJA (2.1-4)
"Não atente cada um para o que é
propriamente seu, mas cada qual também para
o que é dos outros" (v.4).
"Não atente cada um para o que é
propriamente seu, mas cada qual também para
o que é dos outros" (v.4).
• Dois exemplos:
• Paulo - colocou as necessidades
dos filipenses em primeiro lugar
(escolhendo permanecer com eles,
1.25)
• Cristo - Procurar seguir o exemplo
de Cristo de não sentir que as
prerrogativas da divindade sejam
'algo que deva ser buscado' para
os seus próprios propósitos”
49Pr. Moisés Sampaio de Paula
3. Não ao individualismo.3. Não ao individualismo.
III. PROMOVENDO A UNIDADE DA
IGREJA (2.1-4)
Pense nisso!
• As Escrituras ensinam
que é inimaginável um
salvo em Cristo não
manifestar obras de
arrependimento e
amor ao próximo (Jo
15), pois do contrário,
ele não seria discípulo
de Jesus.
Pr. Moisés Sampaio de Paula 50
Conclusão
• Com a ajuda do Espírito Santo,
podemos:
– superar tudo aquilo que
rouba a humildade e o
relacionamento sadio entre
nós.
– Nos ajuda a evitar o
partidarismo, o egoísmo e a
vanglória (Gl 5.26).
– Produz em nosso coração
um sentimento de amor e
respeito pelos irmãos da fé
(Fp 2.4). Pr. Moisés Sampaio de Paula 51
A unidade cristã apenas será
possível quando tivermos o
sentimento que produz
harmonia, comunhão e
companheirismo: o amor
mútuo. O nosso
comportamento como
cidadãos dos céus deve ser
conhecido pela identidade do
amor (Jo 13.35).
A unidade cristã apenas será
possível quando tivermos o
sentimento que produz
harmonia, comunhão e
companheirismo: o amor
mútuo. O nosso
comportamento como
cidadãos dos céus deve ser
conhecido pela identidade do
amor (Jo 13.35).
Pr. Moisés Sampaio de Paula 52

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pneumatologia ibaderj pdf Prof. Dangelo nascimento
Pneumatologia ibaderj pdf Prof. Dangelo nascimentoPneumatologia ibaderj pdf Prof. Dangelo nascimento
Pneumatologia ibaderj pdf Prof. Dangelo nascimento
Dangelo Nascimento
 
A doutrina do espírito santo
A doutrina do espírito santo A doutrina do espírito santo
A doutrina do espírito santo
André Rocha
 
Lição 10 - O Processo da Salvação
Lição 10 - O Processo da SalvaçãoLição 10 - O Processo da Salvação
Lição 10 - O Processo da Salvação
Éder Tomé
 
Estudo Sobre o Espírito Santo
Estudo Sobre o Espírito SantoEstudo Sobre o Espírito Santo
Estudo Sobre o Espírito Santo
Rodrigo Bomfim
 
Aula #001 Dons do Espírito Santo[2011]
Aula #001 Dons do Espírito Santo[2011]Aula #001 Dons do Espírito Santo[2011]
Aula #001 Dons do Espírito Santo[2011]
TH
 
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do ObreiroCETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
Ednilson do Valle
 
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nósLição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Éder Tomé
 
Estudo biblico 23 dons espirituais - part1
Estudo biblico 23  dons espirituais - part1Estudo biblico 23  dons espirituais - part1
Estudo biblico 23 dons espirituais - part1
Edilson Jose Barbosa Barbosa
 
Lição 1- As obras da carne e o fruto do espírito
Lição 1- As obras da carne e o fruto do espíritoLição 1- As obras da carne e o fruto do espírito
Lição 1- As obras da carne e o fruto do espírito
Erberson Pinheiro
 
Apostila preparacao obreiros
Apostila preparacao obreirosApostila preparacao obreiros
Apostila preparacao obreiros
mgno42
 
Jesus, o modelo ideal de humildade
Jesus, o modelo ideal de humildadeJesus, o modelo ideal de humildade
Jesus, o modelo ideal de humildade
Moisés Sampaio
 
Lição 1 - O que é Ética Cristã
Lição 1 - O que é Ética Cristã Lição 1 - O que é Ética Cristã
Lição 1 - O que é Ética Cristã
Éder Tomé
 
Lição 4 - Ética Cristã e o Aborto
Lição 4 - Ética Cristã e o AbortoLição 4 - Ética Cristã e o Aborto
Lição 4 - Ética Cristã e o Aborto
Éder Tomé
 
Lição 11 - Alerta Contra os Falsos Mestres e Suas Heresias
Lição 11 - Alerta Contra os Falsos Mestres e Suas HeresiasLição 11 - Alerta Contra os Falsos Mestres e Suas Heresias
Lição 11 - Alerta Contra os Falsos Mestres e Suas Heresias
Éder Tomé
 
Lição 9 – A verdadeira doutrina bíblica (Hermenêutica)
Lição 9 – A verdadeira doutrina bíblica (Hermenêutica)Lição 9 – A verdadeira doutrina bíblica (Hermenêutica)
Lição 9 – A verdadeira doutrina bíblica (Hermenêutica)
Joanilson França Garcia
 
Maturidade CRISTA
Maturidade CRISTAMaturidade CRISTA
Maturidade CRISTA
vagner costa
 
Inspiração e interpretação bíblica 3
Inspiração e interpretação bíblica 3Inspiração e interpretação bíblica 3
Inspiração e interpretação bíblica 3
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
O fruto do espírito 02 - amor, aleria. paz
O fruto do espírito   02 - amor, aleria. pazO fruto do espírito   02 - amor, aleria. paz
O fruto do espírito 02 - amor, aleria. paz
Cleudson Corrêa
 
Introdução a teologia aula 1
Introdução a teologia  aula 1Introdução a teologia  aula 1
Introdução a teologia aula 1
Aniel Wagner Cruz
 
Curso de teologia IBADEP
Curso de teologia IBADEPCurso de teologia IBADEP
Curso de teologia IBADEP
Moisés Sampaio
 

Mais procurados (20)

Pneumatologia ibaderj pdf Prof. Dangelo nascimento
Pneumatologia ibaderj pdf Prof. Dangelo nascimentoPneumatologia ibaderj pdf Prof. Dangelo nascimento
Pneumatologia ibaderj pdf Prof. Dangelo nascimento
 
A doutrina do espírito santo
A doutrina do espírito santo A doutrina do espírito santo
A doutrina do espírito santo
 
Lição 10 - O Processo da Salvação
Lição 10 - O Processo da SalvaçãoLição 10 - O Processo da Salvação
Lição 10 - O Processo da Salvação
 
Estudo Sobre o Espírito Santo
Estudo Sobre o Espírito SantoEstudo Sobre o Espírito Santo
Estudo Sobre o Espírito Santo
 
Aula #001 Dons do Espírito Santo[2011]
Aula #001 Dons do Espírito Santo[2011]Aula #001 Dons do Espírito Santo[2011]
Aula #001 Dons do Espírito Santo[2011]
 
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do ObreiroCETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
 
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nósLição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
 
Estudo biblico 23 dons espirituais - part1
Estudo biblico 23  dons espirituais - part1Estudo biblico 23  dons espirituais - part1
Estudo biblico 23 dons espirituais - part1
 
Lição 1- As obras da carne e o fruto do espírito
Lição 1- As obras da carne e o fruto do espíritoLição 1- As obras da carne e o fruto do espírito
Lição 1- As obras da carne e o fruto do espírito
 
Apostila preparacao obreiros
Apostila preparacao obreirosApostila preparacao obreiros
Apostila preparacao obreiros
 
Jesus, o modelo ideal de humildade
Jesus, o modelo ideal de humildadeJesus, o modelo ideal de humildade
Jesus, o modelo ideal de humildade
 
Lição 1 - O que é Ética Cristã
Lição 1 - O que é Ética Cristã Lição 1 - O que é Ética Cristã
Lição 1 - O que é Ética Cristã
 
Lição 4 - Ética Cristã e o Aborto
Lição 4 - Ética Cristã e o AbortoLição 4 - Ética Cristã e o Aborto
Lição 4 - Ética Cristã e o Aborto
 
Lição 11 - Alerta Contra os Falsos Mestres e Suas Heresias
Lição 11 - Alerta Contra os Falsos Mestres e Suas HeresiasLição 11 - Alerta Contra os Falsos Mestres e Suas Heresias
Lição 11 - Alerta Contra os Falsos Mestres e Suas Heresias
 
Lição 9 – A verdadeira doutrina bíblica (Hermenêutica)
Lição 9 – A verdadeira doutrina bíblica (Hermenêutica)Lição 9 – A verdadeira doutrina bíblica (Hermenêutica)
Lição 9 – A verdadeira doutrina bíblica (Hermenêutica)
 
Maturidade CRISTA
Maturidade CRISTAMaturidade CRISTA
Maturidade CRISTA
 
Inspiração e interpretação bíblica 3
Inspiração e interpretação bíblica 3Inspiração e interpretação bíblica 3
Inspiração e interpretação bíblica 3
 
O fruto do espírito 02 - amor, aleria. paz
O fruto do espírito   02 - amor, aleria. pazO fruto do espírito   02 - amor, aleria. paz
O fruto do espírito 02 - amor, aleria. paz
 
Introdução a teologia aula 1
Introdução a teologia  aula 1Introdução a teologia  aula 1
Introdução a teologia aula 1
 
Curso de teologia IBADEP
Curso de teologia IBADEPCurso de teologia IBADEP
Curso de teologia IBADEP
 

Destaque

O COMPORTAMENTO DOS SALVOS EM CRISTO – Lição 03
O COMPORTAMENTO DOS SALVOS EM CRISTO – Lição 03O COMPORTAMENTO DOS SALVOS EM CRISTO – Lição 03
O COMPORTAMENTO DOS SALVOS EM CRISTO – Lição 03
yosseph2013
 
a prática do estilo de vida cristã
a prática do estilo de vida cristãa prática do estilo de vida cristã
a prática do estilo de vida cristã
Carla Machado
 
O desafio de ser um cristão contemporâneo,
O desafio de ser um cristão contemporâneo,O desafio de ser um cristão contemporâneo,
O desafio de ser um cristão contemporâneo,
Felicio Araujo
 
Uma vida cristã equilibrada
Uma vida cristã equilibradaUma vida cristã equilibrada
Uma vida cristã equilibrada
Moisés Sampaio
 
Marcas de uma igreja que agrada a deus
Marcas de uma igreja que agrada a deusMarcas de uma igreja que agrada a deus
Marcas de uma igreja que agrada a deus
Raquel Tessari
 
Orientação sexual
Orientação sexualOrientação sexual
Orientação sexual
fabiana
 
A alegria do salvo em Cristo
A alegria do salvo em CristoA alegria do salvo em Cristo
A alegria do salvo em Cristo
Moisés Sampaio
 
Sê o exemplo
Sê o exemploSê o exemplo
Sê o exemplo
ADPC109
 
A igreja que somos, a igreja que queremos ser.
A igreja que somos, a igreja que queremos ser.A igreja que somos, a igreja que queremos ser.
A igreja que somos, a igreja que queremos ser.
Cleide Corrêa
 
LIÇÃO 01 - A FORMAÇÃO DO CARÁTER CRISTÃO
LIÇÃO 01 - A FORMAÇÃO DO CARÁTER CRISTÃOLIÇÃO 01 - A FORMAÇÃO DO CARÁTER CRISTÃO
LIÇÃO 01 - A FORMAÇÃO DO CARÁTER CRISTÃO
Polícia Militar do Estado do Tocantins
 
LIÇÃO 11 - VIVENDO DE FORMA MODERADA
LIÇÃO 11 - VIVENDO DE FORMA MODERADALIÇÃO 11 - VIVENDO DE FORMA MODERADA
LIÇÃO 11 - VIVENDO DE FORMA MODERADA
Polícia Militar do Estado do Tocantins
 
5 - Monte Carmelo
5 - Monte Carmelo5 - Monte Carmelo
5 - Monte Carmelo
Moisés Sampaio
 
2013_3 TRI_LIÇÃO 3 - O COMPORTAMENTO DOS SALVOS EM CRISTO
2013_3 TRI_LIÇÃO 3 - O COMPORTAMENTO DOS SALVOS EM CRISTO2013_3 TRI_LIÇÃO 3 - O COMPORTAMENTO DOS SALVOS EM CRISTO
2013_3 TRI_LIÇÃO 3 - O COMPORTAMENTO DOS SALVOS EM CRISTO
Natalino das Neves Neves
 
Ssm Ergebnisse
Ssm ErgebnisseSsm Ergebnisse
Ssm Ergebnissehadman2003
 
Como nos dias de noé lição 6
Como nos dias de noé   lição 6Como nos dias de noé   lição 6
Como nos dias de noé lição 6
OMAR NASCIMENTO
 
Descobrindo a Nova Vida Em Cristo Quem é Jesus Cristo - Mark Robinson
Descobrindo a Nova Vida Em Cristo   Quem é Jesus Cristo - Mark RobinsonDescobrindo a Nova Vida Em Cristo   Quem é Jesus Cristo - Mark Robinson
Descobrindo a Nova Vida Em Cristo Quem é Jesus Cristo - Mark Robinson
Evandro Santos
 
Apresentação veregas antigas transformando corações
Apresentação veregas antigas   transformando coraçõesApresentação veregas antigas   transformando corações
Apresentação veregas antigas transformando corações
Igreja Cristã da Família - Campo Belo
 
Seminário Transformando Corações - presentação
Seminário Transformando Corações - presentaçãoSeminário Transformando Corações - presentação
Seminário Transformando Corações - presentação
Dimas Queiroz Junior
 
O valor dos bons conselhos
O valor dos bons conselhosO valor dos bons conselhos
O valor dos bons conselhos
Moisés Sampaio
 
Os desafios da vida cristã
Os desafios da vida cristãOs desafios da vida cristã
Os desafios da vida cristã
Marcelo Joaquim Joa
 

Destaque (20)

O COMPORTAMENTO DOS SALVOS EM CRISTO – Lição 03
O COMPORTAMENTO DOS SALVOS EM CRISTO – Lição 03O COMPORTAMENTO DOS SALVOS EM CRISTO – Lição 03
O COMPORTAMENTO DOS SALVOS EM CRISTO – Lição 03
 
a prática do estilo de vida cristã
a prática do estilo de vida cristãa prática do estilo de vida cristã
a prática do estilo de vida cristã
 
O desafio de ser um cristão contemporâneo,
O desafio de ser um cristão contemporâneo,O desafio de ser um cristão contemporâneo,
O desafio de ser um cristão contemporâneo,
 
Uma vida cristã equilibrada
Uma vida cristã equilibradaUma vida cristã equilibrada
Uma vida cristã equilibrada
 
Marcas de uma igreja que agrada a deus
Marcas de uma igreja que agrada a deusMarcas de uma igreja que agrada a deus
Marcas de uma igreja que agrada a deus
 
Orientação sexual
Orientação sexualOrientação sexual
Orientação sexual
 
A alegria do salvo em Cristo
A alegria do salvo em CristoA alegria do salvo em Cristo
A alegria do salvo em Cristo
 
Sê o exemplo
Sê o exemploSê o exemplo
Sê o exemplo
 
A igreja que somos, a igreja que queremos ser.
A igreja que somos, a igreja que queremos ser.A igreja que somos, a igreja que queremos ser.
A igreja que somos, a igreja que queremos ser.
 
LIÇÃO 01 - A FORMAÇÃO DO CARÁTER CRISTÃO
LIÇÃO 01 - A FORMAÇÃO DO CARÁTER CRISTÃOLIÇÃO 01 - A FORMAÇÃO DO CARÁTER CRISTÃO
LIÇÃO 01 - A FORMAÇÃO DO CARÁTER CRISTÃO
 
LIÇÃO 11 - VIVENDO DE FORMA MODERADA
LIÇÃO 11 - VIVENDO DE FORMA MODERADALIÇÃO 11 - VIVENDO DE FORMA MODERADA
LIÇÃO 11 - VIVENDO DE FORMA MODERADA
 
5 - Monte Carmelo
5 - Monte Carmelo5 - Monte Carmelo
5 - Monte Carmelo
 
2013_3 TRI_LIÇÃO 3 - O COMPORTAMENTO DOS SALVOS EM CRISTO
2013_3 TRI_LIÇÃO 3 - O COMPORTAMENTO DOS SALVOS EM CRISTO2013_3 TRI_LIÇÃO 3 - O COMPORTAMENTO DOS SALVOS EM CRISTO
2013_3 TRI_LIÇÃO 3 - O COMPORTAMENTO DOS SALVOS EM CRISTO
 
Ssm Ergebnisse
Ssm ErgebnisseSsm Ergebnisse
Ssm Ergebnisse
 
Como nos dias de noé lição 6
Como nos dias de noé   lição 6Como nos dias de noé   lição 6
Como nos dias de noé lição 6
 
Descobrindo a Nova Vida Em Cristo Quem é Jesus Cristo - Mark Robinson
Descobrindo a Nova Vida Em Cristo   Quem é Jesus Cristo - Mark RobinsonDescobrindo a Nova Vida Em Cristo   Quem é Jesus Cristo - Mark Robinson
Descobrindo a Nova Vida Em Cristo Quem é Jesus Cristo - Mark Robinson
 
Apresentação veregas antigas transformando corações
Apresentação veregas antigas   transformando coraçõesApresentação veregas antigas   transformando corações
Apresentação veregas antigas transformando corações
 
Seminário Transformando Corações - presentação
Seminário Transformando Corações - presentaçãoSeminário Transformando Corações - presentação
Seminário Transformando Corações - presentação
 
O valor dos bons conselhos
O valor dos bons conselhosO valor dos bons conselhos
O valor dos bons conselhos
 
Os desafios da vida cristã
Os desafios da vida cristãOs desafios da vida cristã
Os desafios da vida cristã
 

Semelhante a O comportamento dos salvos em cristo

Historia da igreja i aula 1
Historia da igreja i  aula 1Historia da igreja i  aula 1
Historia da igreja i aula 1
Moisés Sampaio
 
A historia da igreja parte 01
A historia da igreja parte 01A historia da igreja parte 01
A historia da igreja parte 01
Mauricio Borges
 
7 o cristianismo após a queda de roma -7ª aula
7   o cristianismo após a queda de roma -7ª aula7   o cristianismo após a queda de roma -7ª aula
7 o cristianismo após a queda de roma -7ª aula
PIB Penha
 
A instituição do discipulado
A instituição do discipuladoA instituição do discipulado
A instituição do discipulado
ultimosdias
 
Igreja católica desmascarada
Igreja católica desmascaradaIgreja católica desmascarada
Igreja católica desmascarada
REFORMADOR PROTESTANTE
 
O modelo bíblico para as relações familiares lição - 10
O modelo bíblico para as relações familiares   lição - 10O modelo bíblico para as relações familiares   lição - 10
O modelo bíblico para as relações familiares lição - 10
Escol Dominical
 
Lição 03: O perigo do Ensino Progressista.pptx
Lição 03: O perigo do Ensino Progressista.pptxLição 03: O perigo do Ensino Progressista.pptx
Lição 03: O perigo do Ensino Progressista.pptx
Celso Napoleon
 
2017 LBA LIÇÃO 3 - A santíssima trindade, um só Deus em três pessoas
2017 LBA LIÇÃO 3 - A santíssima trindade, um só Deus em três pessoas2017 LBA LIÇÃO 3 - A santíssima trindade, um só Deus em três pessoas
2017 LBA LIÇÃO 3 - A santíssima trindade, um só Deus em três pessoas
Natalino das Neves Neves
 
Aula 3 - Terceiro Período - A Igreja Imperial
Aula 3 -  Terceiro Período - A Igreja ImperialAula 3 -  Terceiro Período - A Igreja Imperial
Aula 3 - Terceiro Período - A Igreja Imperial
Adriano Pascoa
 
Por uma liturgia totalizante
Por uma liturgia totalizantePor uma liturgia totalizante
Por uma liturgia totalizante
11091961
 
Cristologia
CristologiaCristologia
Cristologia
Marco Sousa
 
Não farás imagens de esculturas
Não farás imagens de esculturasNão farás imagens de esculturas
Não farás imagens de esculturas
Moisés Sampaio
 
Apostasia, Fidelidade e Diligência no Ministério - Lição 05 - 3ºTrimestre de ...
Apostasia, Fidelidade e Diligência no Ministério - Lição 05 - 3ºTrimestre de ...Apostasia, Fidelidade e Diligência no Ministério - Lição 05 - 3ºTrimestre de ...
Apostasia, Fidelidade e Diligência no Ministério - Lição 05 - 3ºTrimestre de ...
Pr. Andre Luiz
 
2016 3 TRI LIÇÃO 8 - A EVANGELIZAÇÃO DOS GRUPOS RELIGIOSOS
2016 3 TRI LIÇÃO 8 - A EVANGELIZAÇÃO DOS GRUPOS RELIGIOSOS2016 3 TRI LIÇÃO 8 - A EVANGELIZAÇÃO DOS GRUPOS RELIGIOSOS
2016 3 TRI LIÇÃO 8 - A EVANGELIZAÇÃO DOS GRUPOS RELIGIOSOS
Natalino das Neves Neves
 
4- A igreja primitiva.pptx
4- A igreja primitiva.pptx4- A igreja primitiva.pptx
4- A igreja primitiva.pptx
PIB Penha - SP
 
Por que o Cristianismo e a única religião verdadeira
Por que o Cristianismo e a única religião verdadeiraPor que o Cristianismo e a única religião verdadeira
Por que o Cristianismo e a única religião verdadeira
Luan Almeida
 
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 4
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 4Religiões, Seitas e Heresias - Aula 4
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 4
PIBJA
 
Atos dos apostolos
Atos dos apostolosAtos dos apostolos
Atos dos apostolos
Marcos Masini
 
3 história do cristianismo - 3ª aula
3   história do cristianismo - 3ª aula3   história do cristianismo - 3ª aula
3 história do cristianismo - 3ª aula
PIB Penha
 
Lição 11 - Crenças religiosas
Lição 11 - Crenças religiosasLição 11 - Crenças religiosas
Lição 11 - Crenças religiosas
Erberson Pinheiro
 

Semelhante a O comportamento dos salvos em cristo (20)

Historia da igreja i aula 1
Historia da igreja i  aula 1Historia da igreja i  aula 1
Historia da igreja i aula 1
 
A historia da igreja parte 01
A historia da igreja parte 01A historia da igreja parte 01
A historia da igreja parte 01
 
7 o cristianismo após a queda de roma -7ª aula
7   o cristianismo após a queda de roma -7ª aula7   o cristianismo após a queda de roma -7ª aula
7 o cristianismo após a queda de roma -7ª aula
 
A instituição do discipulado
A instituição do discipuladoA instituição do discipulado
A instituição do discipulado
 
Igreja católica desmascarada
Igreja católica desmascaradaIgreja católica desmascarada
Igreja católica desmascarada
 
O modelo bíblico para as relações familiares lição - 10
O modelo bíblico para as relações familiares   lição - 10O modelo bíblico para as relações familiares   lição - 10
O modelo bíblico para as relações familiares lição - 10
 
Lição 03: O perigo do Ensino Progressista.pptx
Lição 03: O perigo do Ensino Progressista.pptxLição 03: O perigo do Ensino Progressista.pptx
Lição 03: O perigo do Ensino Progressista.pptx
 
2017 LBA LIÇÃO 3 - A santíssima trindade, um só Deus em três pessoas
2017 LBA LIÇÃO 3 - A santíssima trindade, um só Deus em três pessoas2017 LBA LIÇÃO 3 - A santíssima trindade, um só Deus em três pessoas
2017 LBA LIÇÃO 3 - A santíssima trindade, um só Deus em três pessoas
 
Aula 3 - Terceiro Período - A Igreja Imperial
Aula 3 -  Terceiro Período - A Igreja ImperialAula 3 -  Terceiro Período - A Igreja Imperial
Aula 3 - Terceiro Período - A Igreja Imperial
 
Por uma liturgia totalizante
Por uma liturgia totalizantePor uma liturgia totalizante
Por uma liturgia totalizante
 
Cristologia
CristologiaCristologia
Cristologia
 
Não farás imagens de esculturas
Não farás imagens de esculturasNão farás imagens de esculturas
Não farás imagens de esculturas
 
Apostasia, Fidelidade e Diligência no Ministério - Lição 05 - 3ºTrimestre de ...
Apostasia, Fidelidade e Diligência no Ministério - Lição 05 - 3ºTrimestre de ...Apostasia, Fidelidade e Diligência no Ministério - Lição 05 - 3ºTrimestre de ...
Apostasia, Fidelidade e Diligência no Ministério - Lição 05 - 3ºTrimestre de ...
 
2016 3 TRI LIÇÃO 8 - A EVANGELIZAÇÃO DOS GRUPOS RELIGIOSOS
2016 3 TRI LIÇÃO 8 - A EVANGELIZAÇÃO DOS GRUPOS RELIGIOSOS2016 3 TRI LIÇÃO 8 - A EVANGELIZAÇÃO DOS GRUPOS RELIGIOSOS
2016 3 TRI LIÇÃO 8 - A EVANGELIZAÇÃO DOS GRUPOS RELIGIOSOS
 
4- A igreja primitiva.pptx
4- A igreja primitiva.pptx4- A igreja primitiva.pptx
4- A igreja primitiva.pptx
 
Por que o Cristianismo e a única religião verdadeira
Por que o Cristianismo e a única religião verdadeiraPor que o Cristianismo e a única religião verdadeira
Por que o Cristianismo e a única religião verdadeira
 
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 4
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 4Religiões, Seitas e Heresias - Aula 4
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 4
 
Atos dos apostolos
Atos dos apostolosAtos dos apostolos
Atos dos apostolos
 
3 história do cristianismo - 3ª aula
3   história do cristianismo - 3ª aula3   história do cristianismo - 3ª aula
3 história do cristianismo - 3ª aula
 
Lição 11 - Crenças religiosas
Lição 11 - Crenças religiosasLição 11 - Crenças religiosas
Lição 11 - Crenças religiosas
 

Mais de Moisés Sampaio

Jesus e o dinheiro
Jesus e o dinheiroJesus e o dinheiro
Jesus e o dinheiro
Moisés Sampaio
 
As limitações dos discípulos
As limitações dos discípulosAs limitações dos discípulos
As limitações dos discípulos
Moisés Sampaio
 
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demôniosO poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
Moisés Sampaio
 
Poder sobre as doenças e morte
Poder sobre as doenças e mortePoder sobre as doenças e morte
Poder sobre as doenças e morte
Moisés Sampaio
 
Mulheres que ajudaram Jesus
Mulheres que ajudaram JesusMulheres que ajudaram Jesus
Mulheres que ajudaram Jesus
Moisés Sampaio
 
Jesus escolhe seus discípulos
Jesus escolhe seus discípulosJesus escolhe seus discípulos
Jesus escolhe seus discípulos
Moisés Sampaio
 
A tentação de Jesus
A tentação de JesusA tentação de Jesus
A tentação de Jesus
Moisés Sampaio
 
A infância de Jesus
A infância de JesusA infância de Jesus
A infância de Jesus
Moisés Sampaio
 
O nascimento de Jesus
O nascimento de JesusO nascimento de Jesus
O nascimento de Jesus
Moisés Sampaio
 
O evangelho segundo Lucas
O evangelho segundo LucasO evangelho segundo Lucas
O evangelho segundo Lucas
Moisés Sampaio
 
A igreja e a lei de Deus
A igreja e a lei de DeusA igreja e a lei de Deus
A igreja e a lei de Deus
Moisés Sampaio
 
9 - Cafarnaum
9 - Cafarnaum9 - Cafarnaum
9 - Cafarnaum
Moisés Sampaio
 
8 - Mar da Galiléia
8 - Mar da Galiléia8 - Mar da Galiléia
8 - Mar da Galiléia
Moisés Sampaio
 
Não cobiçarás
Não cobiçarásNão cobiçarás
Não cobiçarás
Moisés Sampaio
 
7- Tiberíades
7- Tiberíades7- Tiberíades
7- Tiberíades
Moisés Sampaio
 
6 meggido
6   meggido6   meggido
6 meggido
Moisés Sampaio
 
Não darás falso testemunho
Não darás falso testemunhoNão darás falso testemunho
Não darás falso testemunho
Moisés Sampaio
 
4 - Haifa
4 - Haifa4 - Haifa
4 - Haifa
Moisés Sampaio
 
3 - Cesaréia Marítima
3 - Cesaréia Marítima3 - Cesaréia Marítima
3 - Cesaréia Marítima
Moisés Sampaio
 
2-Jaffa
2-Jaffa2-Jaffa

Mais de Moisés Sampaio (20)

Jesus e o dinheiro
Jesus e o dinheiroJesus e o dinheiro
Jesus e o dinheiro
 
As limitações dos discípulos
As limitações dos discípulosAs limitações dos discípulos
As limitações dos discípulos
 
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demôniosO poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
 
Poder sobre as doenças e morte
Poder sobre as doenças e mortePoder sobre as doenças e morte
Poder sobre as doenças e morte
 
Mulheres que ajudaram Jesus
Mulheres que ajudaram JesusMulheres que ajudaram Jesus
Mulheres que ajudaram Jesus
 
Jesus escolhe seus discípulos
Jesus escolhe seus discípulosJesus escolhe seus discípulos
Jesus escolhe seus discípulos
 
A tentação de Jesus
A tentação de JesusA tentação de Jesus
A tentação de Jesus
 
A infância de Jesus
A infância de JesusA infância de Jesus
A infância de Jesus
 
O nascimento de Jesus
O nascimento de JesusO nascimento de Jesus
O nascimento de Jesus
 
O evangelho segundo Lucas
O evangelho segundo LucasO evangelho segundo Lucas
O evangelho segundo Lucas
 
A igreja e a lei de Deus
A igreja e a lei de DeusA igreja e a lei de Deus
A igreja e a lei de Deus
 
9 - Cafarnaum
9 - Cafarnaum9 - Cafarnaum
9 - Cafarnaum
 
8 - Mar da Galiléia
8 - Mar da Galiléia8 - Mar da Galiléia
8 - Mar da Galiléia
 
Não cobiçarás
Não cobiçarásNão cobiçarás
Não cobiçarás
 
7- Tiberíades
7- Tiberíades7- Tiberíades
7- Tiberíades
 
6 meggido
6   meggido6   meggido
6 meggido
 
Não darás falso testemunho
Não darás falso testemunhoNão darás falso testemunho
Não darás falso testemunho
 
4 - Haifa
4 - Haifa4 - Haifa
4 - Haifa
 
3 - Cesaréia Marítima
3 - Cesaréia Marítima3 - Cesaréia Marítima
3 - Cesaréia Marítima
 
2-Jaffa
2-Jaffa2-Jaffa
2-Jaffa
 

O comportamento dos salvos em cristo

  • 1. O COMPORTAMENTO DOS SALVOS EM CRISTO3º Trimestre de 2013 Lição 3 Pr. Moisés Sampaio de Paula
  • 2. TEXTO ÁUREO 2Pr. Moisés Sampaio de Paula "E peço isto: que o vosso amor aumente mais e mais em ciência e em todo o conhecimento" (Fp 1.9).
  • 3. VERDADE PRÁTICA 3Pr. Moisés Sampaio de Paula O Evangelho de Cristo produz em cada crente um comportamento digno e santo diante de Deus e do mundo.
  • 4. OBJETIVOS • Após esta aula, o aluno deverá estar apto a: • Compreender as características comportamentais de um cidadão do céu. • Contextualizar o comportamento digno do crente ante uma posição oposta. • Promover a unidade da igreja. 4Pr. Moisés Sampaio de Paula
  • 5. Palavra chave: Comportamento 5Pr. Moisés Sampaio de Paula
  • 6. I. O COMPORTAMENTO DOS CIDADÃOS DO CÉU (1.27) 1. O crente deve "portar-se dignamente". 2. Para que os outros vejam. 3. A autonomia da vida espiritual. II. O COMPORTAMENTO ANTE A OPOSIÇÃO (1.28-30) 1. O ataque dos falsos obreiros 2. O objetivo dos falsos obreiros 3. Padecendo por Cristo. III. PROMOVENDO A UNIDADE DA IGREJA (2.1-4) 1. O desejo de Paulo pela unidade. 2. O foco no outro como em si mesmo. 3. Não ao individualismo. I. O COMPORTAMENTO DOS CIDADÃOS DO CÉU (1.27) 1. O crente deve "portar-se dignamente". 2. Para que os outros vejam. 3. A autonomia da vida espiritual. II. O COMPORTAMENTO ANTE A OPOSIÇÃO (1.28-30) 1. O ataque dos falsos obreiros 2. O objetivo dos falsos obreiros 3. Padecendo por Cristo. III. PROMOVENDO A UNIDADE DA IGREJA (2.1-4) 1. O desejo de Paulo pela unidade. 2. O foco no outro como em si mesmo. 3. Não ao individualismo. Esboço da Lição 6Pr. Moisés Sampaio de Paula
  • 7. • Nesta lição, aprenderemos que muitas são as circunstâncias adversas que tentam enfraquecer o compromisso do crente com o Evangelho de Cristo. • Veremos que o testemunho do cristão é testado tanto pelos de fora (sociedade) quanto pelos de dentro (igreja). • Todavia, a Palavra do Senhor nos conclama a nos portarmos dignamente diante de Deus e dos homens. 7Pr. Moisés Sampaio de Paula INTRODUÇÃO
  • 8. Pr. Moisés Sampaio de Paula 8
  • 9. Uma Pergunta Quais as características comportamentais de um cidadão do céu? Pr. Moisés Sampaio de Paula 9
  • 10. I. O COMPORTAMENTO DOS CIDADÃOS DO CÉU (1.27) 10Pr. Moisés Sampaio de Paula O comportamento de um cidadão do céu reflete a autonomia espiritual que o crente deve apresentar no relacionamento com o outro 1. O crente deve "portar-se dignamente". 2. Para que os outros vejam. 3. A autonomia da vida espiritual.
  • 11. • "Somente deveis portar-vos dignamente conforme o evangelho de Cristo" (v.27). A palavra-chave desta porção bíblica é dignamente. Este termo sugere a figura de uma balança com dois pratos, onde o fiel da pesagem determina a medida exata daquilo que está sendo avaliado. • Em síntese, precisamos de firmeza e equilíbrio em nossa vida cotidiana, pois esta deve harmonizar-se à conduta do verdadeiro cidadão dos céus. 11Pr. Moisés Sampaio de Paula 1. O crente deve "portar-se dignamente". I. O COMPORTAMENTO DOS CIDADÃOS DO CÉU (1.27)
  • 12. • O apóstolo Paulo deseja estar seguro de que os filipenses estão preparados para enfrentar os falsos obreiros que, sagazmente, intentam desviá-los de Cristo. • Estando ou não Paulo entre os filipenses, deseja ouvir destes que estão num "mesmo espírito, combatendo juntamente com o mesmo ânimo pela fé do evangelho" (v.27). 12Pr. Moisés Sampaio de Paula 2. Para que os outros vejam. I. O COMPORTAMENTO DOS CIDADÃOS DO CÉU (1.27)
  • 13. • Autonomia - Os filipenses teriam de desenvolver uma vida espiritual autônoma em Jesus, pois o apóstolo nem sempre estaria com eles. • Postura firme - Diante da sociedade que os cercava, Paulo esperava dos filipenses uma postura firme, mas equilibrada. 13Pr. Moisés Sampaio de Paula 3. A autonomia da vida espiritual.3. A autonomia da vida espiritual. I. O COMPORTAMENTO DOS CIDADÃOS DO CÉU (1.27) Quantas vezes somos desafiados diante das vãs filosofias e modismos produzidos em nosso meio? O Senhor nos chama a ser firmes e equilibrados, testemunhando aos outros como verdadeiros cidadãos do céu. Quantas vezes somos desafiados diante das vãs filosofias e modismos produzidos em nosso meio? O Senhor nos chama a ser firmes e equilibrados, testemunhando aos outros como verdadeiros cidadãos do céu.
  • 14. Culto ao Imperador • Quando foi proclamado princeps, Octávio aceitou também o título de Augusto que acrescentou ao seu nome, título até então reservado aos deuses. Este título passou para os seus sucessores, estabelecendo-se a divinização do imperador. • Os romanos acreditavam que os seus dirigentes, especialmente em épocas dificultosas, eram protegidos e orientados pelos deuses. Pr. Moisés Sampaio de Paula 14
  • 15. Culto ao Imperador • As honras prestadas aos generais vitoriosos assumiam um carácter religioso. Por isso Octávio, temendo que o excesso de apreço pela sua pessoa prejudicasse o seu governo, autorizou o culto à sua pessoa nas províncias e às suas virtudes, isto é, ao benefícios que o seu governo trouxera, a Vitória, a Paz, a Liberdade e Justiça Augustas etc… em Roma. • Quando Octávio morreu, em 14 d.C, o Senado concedeu-lhe o epíteto de divus e criou um corpo de sacerdotes, augustais, para assegurar o seu culto. Pr. Moisés Sampaio de Paula 15
  • 16. Culto ao Imperador • Até a própria família do imperador foi divinizada, multiplicando-se por todo o império templos dedicados ao culto imperial. • O culto imperial foi desde logo associado à deusa Roma, figura feminina armada. • O culto a Roma e ao imperador tornou-se um importante elemento de união política. Verdadeira devoção cívica foi capaz de unir os diferentes povos do império. Pr. Moisés Sampaio de Paula 16
  • 17. Pense nisso! • O crente é salvo pela graça, mediante a fé em Jesus. Este dom veio de Deus e não do próprio crente (Ef 2.8). Pr. Moisés Sampaio de Paula 17
  • 18. Pr. Moisés Sampaio de Paula 18
  • 19. Uma Pergunta Qual o comportamento digno do crente ante uma posição oposta? Pr. Moisés Sampaio de Paula 19
  • 20. II. O COMPORTAMENTO ANTE A OPOSIÇÃO (1.28-30) 20Pr. Moisés Sampaio de Paula O cidadão do céu enfrentará ataques de cristãos não comprometidos com o Evangelho, por isso, ele deve estar cônscio que o seu chamado é o de padecer por Cristo. 1. O ataque dos falsos obreiros 2. O objetivo dos falsos obreiros 3. Padecendo por Cristo.
  • 21. • A resistência ao Evangelho vinha através de pregadores que: 1. Negavam a divindade de Cristo e 2. Negabam os valores ensinados pelos apóstolos. • Paulo, porém, exorta os crentes de Filipos quanto à postura que deveriam adotar em relação a tais falsos obreiros (v.28). 21Pr. Moisés Sampaio de Paula 1. O ataque dos falsos obreiros II. O COMPORTAMENTO ANTE A OPOSIÇÃO (1.28-30)
  • 22. I. Os Ebionitas • I. Os Ebionitas ( = 'pobre'; 107 A.D. ?) – Negavam a natureza divina de Cristo, e – Sustentavam que ele era apenas homem, quer concebido natural, quer sobrenaturalmente. – Defendiam que tal homem tinha uma relação peculiar com Deus, na qual, desde a época do batismo, uma plenitude desmedida do Espírito Divino repousava sobre ele. • O ebionismo era simplesmente um judaísmo sob o disfarce da igreja cristã e a negação da divindade de Cristo ocasionada pela aparente incompatibilidade com o monoteísmo. Pr. Moisés Sampaio de Paula 22
  • 23. 2. Docetistas • (dokeo -'parecer', 'aparentar'; 70-170A.D.) como a maioria dos gnósticos no século II e os maniqueístas no século II negavam a realidade do corpo de Cristo. Este ponto de vista era a sequência lógica da suposição de que o mal é inerente à matéria. Se a matéria é má e Cristo era puro, então o corpo humano de Cristo deve ter sido meramente fantástico. O docetismo era simplesmente uma filosofia pagã introduzida na igreja. Pr. Moisés Sampaio de Paula 23
  • 24. 3. Os Arianos • (Ário, condenado em Nice, 325) negavam a integridade da natureza divina em Cristo. Eles consideravam o Logos que se uniu à humanidade em Cristo, não como possuído de divindade absoluta, mas como o primeiro e mais elevado dos seres criados. Este ponto de vista originou-se numa falsa interpretação dos relatos escriturísticos do estado de humilhação de Cristo e no equívoco da subordinação temporária com a desigualdade original e permanente Pr. Moisés Sampaio de Paula 24
  • 25. 4. Os Apolinaristas • (Apolinário, condenado em Constantinopla, 381) negavam a integridade da natureza humana de Cristo. Segundo este ponto de vista, Cristo, de modo nenhum, tinha um nous ou pneuma humanos além daquele concedido pela natureza divina. Cristo tinha só o soma e psichê humanos; o lugar do nous e pneuma humanos foi preenchido pelo Logos divino. O apolinarismo é uma tentativa de construir a doutrina da pessoa de Cristo nas formas da tricotomia platônica. Pr. Moisés Sampaio de Paula 25
  • 26. 5. Os Nestorianos • (Nestório, exonerado do patriarcado de Constantinopla, 431) negavam a união real entre as naturezas divina e humana em Cristo, tomando-a mais unidade moral do que orgânica. Recusavam-se, portanto, a atribuir à unidade resultante os atributos de cada natureza e consideravam Cristo como um homem numa relação bem próxima com Deus. Assim eles sustentavam virtualmente duas naturezas e duas pessoas ao invés de duas naturezas em uma pessoa. Pr. Moisés Sampaio de Paula 26
  • 27. 6. Os Eutiquianos • (Eutiques, condenado em Calcedônia, 451) negavam a distinção e coexistência das duas naturezas e defendiam uma mistura de ambas o que constituía um tertium quid, uma terceira natureza. Visto que neste caso o divino deve sobrepor o humano, segue- se que o humano foi realmente absorvido ou transmudado no divino, apesar de que o divino não ficou sendo em todos respeitos o mesmo, após a união, que se deu anteriormente. Os eutiquianos foram chamados de monofisitas porque virtualmente reduziam as duas naturezas a uma.Pr. Moisés Sampaio de Paula 27
  • 28. • Objetivo - Os falsos obreiros queriam intimidar os cristãos sinceros. • Método - Eles aproveitavam a ausência de Paulo e de seus auxiliares para influenciar o pensamento dos filipenses e, assim, afastá-los da santíssima fé. • Por isso, o apóstolo adverte para que os filipenses não se espantassem. 28Pr. Moisés Sampaio de Paula 2. O objetivo dos falsos obreiros II. O COMPORTAMENTO ANTE A OPOSIÇÃO (1.28-30) De igual modo, não devemos temer os que torcem a sã doutrina. Guardemos a fé e falemos com verdade e mansidão aos que resistem a Palavra de Deus (1 Pe 3.15). De igual modo, não devemos temer os que torcem a sã doutrina. Guardemos a fé e falemos com verdade e mansidão aos que resistem a Palavra de Deus (1 Pe 3.15).
  • 29. O falso obreiro • O pseudo obreiro é aquele que nunca foi obreiro de fato. O falso obreiro vê o ministério como uma carreira profissional, uma profissão. Um exemplo é o levita de Juízes 17.6-12 e 18.14. Paulo escreveu sobre o falso obreiro em suas epístolas. “Porque tais falsos apóstolos são obreiros fraudulentos, transfigurando-se em apóstolos de Cristo”, 2Co 11.13. “E isso por causa dos falsos irmãos que se tinham entremetido e secretamente entraram a espiar a nossa liberdade que temos em Cristo Jesus, para nos porem em servidão”, Gl 2.4. Pr. Moisés Sampaio de Paula 29
  • 30. O falso obreiro • Na assembléia de Jerusalém, apóstolo Tiago falou acerca desses obreiros. “Porquanto ouvimos que alguns que saíram dentre nós vos perturbaram com palavras e transtornaram a vossa alma (não lhes tendo nós dado mandamento)”, At 15.24. João também se referiu a eles: “Saíram de nós, mas não eram de nós; porque, se fossem de nós, ficariam conosco; mas isto é para que se manifestasse que não são todos de nós”, 1Jo 2.19. No Antigo Testamento, Moisés falou sobre o castigo dos falsos profetas, e descreveu estes como filhos de Belial: “...uns homens, filhos de Belial, saíram do meio de ti, que incitaram os moradores da cidade...”, Dt 13.13. Pr. Moisés Sampaio de Paula 30 http://www.cpadnews.com.br/blog/antoniogilberto/?POST_1_22_TIPOS+DE+OBREIRO+NA+SEARA+(3%AA+PARTE).html
  • 31. Falsos Obreiros – como conseguem uma posição de influência na igreja (a) Alguns falsos mestres e pregadores iniciam seu ministério com sinceridade, veracidade, pureza e genuína fé em Cristo. Mais tarde, por causa do seu orgulho e desejos imorais, sua dedicação pessoal e amor a Cristo desaparecem lentamente. Em decorrência disso, apartam-se do reino de Deus (1Co 6.9,10; Gl 5.19-21; Ef 5.5,6) e se tornam instrumentos de Satanás, disfarçados em ministros da justiça (ver 2Co 11.15). Pr. Moisés Sampaio de Paula 31
  • 32. (b) Outros falsos mestres e pregadores nunca foram crentes verdadeiros. A serviço de Satanás, eles estão na igreja desde o início de suas atividades (Mt 13.24-28,36-43). Satanás tira partido da sua habilidade e influência e promove o seu sucesso. A estratégia do inimigo é colocá-los em posições de influência para minarem a autêntica obra de Cristo. Se forem descobertos ou desmascarados, Satanás sabe que grandes danos ao evangelho advirão disso e que o nome de Cristo será menosprezado publicamente. Pr. Moisés Sampaio de Paula 32 Falsos Obreiros – como conseguem uma posição de influência na igreja
  • 33. Como testar Falsos Obreiros (1) Discernir o caráter da pessoa. • Ela tem uma vida de oração perseverante? • Manifesta uma devoção sincera e pura a Deus? • Manifesta o fruto do Espírito (Gl 5.22,23)? • ama os pecadores (Jo 3.16)? • detesta o mal e ama a justiça (Hb 1.9)? • fala contra o pecado (Mt 23; Lc 3.18-20)? Pr. Moisés Sampaio de Paula 33
  • 34. Como testar Falsos Obreiros (2) Discernir os motivos da pessoa. (a) honrar a Cristo (2Co 8.23; Fp 1.20); (b) conduzir a igreja à santificação (At 26.18; 1Co 6.18; 2Co 6.16-18); (c) salvar os perdidos (1Co 9.19-22); e (d) proclamar e defender o evangelho de Cristo e dos seus apóstolos ( Fp 1.16 ; Jd 3). Pr. Moisés Sampaio de Paula 34
  • 35. Como testar Falsos Obreiros (3) Observar os frutos da vida e da mensagem da pessoa. • Os frutos dos falsos pregadores comumente consistem em seguidores que não obedecem a toda a Palavra de Deus ( Mt 7.16). Pr. Moisés Sampaio de Paula 35
  • 36. Como testar Falsos Obreiros (4) Discernir até que ponto a pessoa se baseia nas Escrituras. • Este é um ponto fundamental? • Ela crê e ensina que os escritos originais do AT e do NT são plenamente inspirados por Deus, e que devemos observar todos os seus ensinos? Caso contrário, podemos estar certos de que tal pessoa e sua mensagem não provêm de Deus. Pr. Moisés Sampaio de Paula 36
  • 37. Como testar Falsos Obreiros (5) Finalmente, verifique a integridade da pessoa quanto ao dinheiro do Senhor. • Ela recusa grandes somas para si mesma? • Só fala em dinheiro e ganhar mais? • Administra todos os assuntos financeiros com integridade e responsabilidade? • e procura realizar a obra de Deus conforme os padrões do NT para obreiros cristãos? (1Tm 3.3; 6.9,10). Pr. Moisés Sampaio de Paula 37  Fonte: Bíblia de Estudo Pentecostal -CPAD
  • 38. • A Teologia da Prosperidade rejeita por completo a ideia do sofrimento. No entanto, a Palavra de Deus não apenas contradiz essa heresia, mas desafia o crente a sofrer por Cristo. • É um privilégio para o cristão padecer por Jesus (v.29). Paulo compreendia muito bem esse assunto, pois as palavras de Cristo através de Ananias cumpriram-se literalmente em sua vida (At 9.16). Por isso, 38Pr. Moisés Sampaio de Paula 3. Padecendo por Cristo.3. Padecendo por Cristo. II. O COMPORTAMENTO ANTE A OPOSIÇÃO (1.28-30) os crentes filipenses aprenderam com o apóstolo que o sofrimento, por Cristo, deve ser enfrentado com coragem, perseverança e alegria no Espírito. Aprendamos, pois, com os irmãos filipenses. os crentes filipenses aprenderam com o apóstolo que o sofrimento, por Cristo, deve ser enfrentado com coragem, perseverança e alegria no Espírito. Aprendamos, pois, com os irmãos filipenses.
  • 39. Pense nisso! • As obras são o resultado da salvação e não a causa dela. Pr. Moisés Sampaio de Paula 39
  • 40. Pr. Moisés Sampaio de Paula 40
  • 41. Uma Pergunta De que maneira o nosso comportamento pode promover a unidade da igreja? Pr. Moisés Sampaio de Paula 41
  • 42. III. PROMOVENDO A UNIDADE DA IGREJA (2.1-4) 42Pr. Moisés Sampaio de Paula O cidadão do céu deve ter o foco no outro como o tem em si mesmo. Ali, não deve haver lugar para o individualismo. 1. O desejo de Paulo pela unidade. 2. O foco no outro como em si mesmo. 3. Não ao individualismo.
  • 43. • Depois de encorajar a igreja em Filipos a perseverar no Evangelho, o apóstolo começa a tratar da unidade dos crentes. • Este era o desafio do apóstolo em relação aos filipenses. 43Pr. Moisés Sampaio de Paula 1. O desejo de Paulo pela unidade. III. PROMOVENDO A UNIDADE DA IGREJA (2.1-4) Como a Igreja manterá a unidade se os seus membros forem egoístas e contenciosos? Como a Igreja manterá a unidade se os seus membros forem egoístas e contenciosos?
  • 44. • Para iniciar o argumento em favor da unidade cristã, o apóstolo utiliza vocábulos carregados de sentimentos afetuosos nos dois primeiros versículos (2.1,2). • Tais palavras opõem-se radicalmente ao espírito sectário e soberbo que predominava em alguns grupos da congregação de Filipos: 44Pr. Moisés Sampaio de Paula 1. O desejo de Paulo pela unidade. III. PROMOVENDO A UNIDADE DA IGREJA (2.1-4) a) Consolação de amor, comunhão no Espírito e entranháveis afetos e compaixões. b) Mesmo amor, mesmo ânimo e sentindo uma mesma coisa. a) Consolação de amor, comunhão no Espírito e entranháveis afetos e compaixões. b) Mesmo amor, mesmo ânimo e sentindo uma mesma coisa.
  • 45. a) Consolação de amor, comunhão no Espírito e entranháveis afetos e compaixões. Cristo é o assunto fundamental dos filipenses. Por isso, a sua experiência deveria consistir na consolação mútua no amor de Deus e na comunhão do Espírito Santo, refletindo a ternura e a compaixão dos crentes entre si (cf. At 2.42ss.). 45Pr. Moisés Sampaio de Paula 1. O desejo de Paulo pela unidade. III. PROMOVENDO A UNIDADE DA IGREJA (2.1-4)
  • 46. b) Mesmo amor, mesmo ânimo e sentindo uma mesma coisa. Quando o afeto permeia a comunidade, temos condições de viver a unidade do amor no Espírito Santo. O apóstolo Paulo "estimula os filipenses a se amarem uns aos outros, porque todos têm recebido este mesmo amor de Deus" (Comentário Bíblico Pentecostal, p.1290). Consolidada a unidade, a comunhão cristã será refletida em todas as coisas. 46Pr. Moisés Sampaio de Paula 1. O desejo de Paulo pela unidade. III. PROMOVENDO A UNIDADE DA IGREJA (2.1-4)
  • 47. • Vivemos numa sociedade tão individualista que é comum ouvirmos jargões como este: "Cada um por si e Deus por todos". Mas o ensinamento paulino desconstrói tal ideia. • O apóstolo convoca os crentes de Filipos a buscar um estilo de vida oposto ao egoísmo e ao sectarismo dos inimigos da cruz de Cristo (2.3). 47Pr. Moisés Sampaio de Paula 2. O foco no outro como em si mesmo. III. PROMOVENDO A UNIDADE DA IGREJA (2.1-4) No lugar Deve haver prepotência humildade autossuficiência, considerar os outros superiores a nós mesmos.
  • 48. • Esta atitude remonta a um dos ensinos mais basilares do Evangelho: "ama o teu próximo como a ti mesmo" (Mc 12.31; cf. At 2.42-47). 48Pr. Moisés Sampaio de Paula 3. Não ao individualismo.3. Não ao individualismo. III. PROMOVENDO A UNIDADE DA IGREJA (2.1-4) "Não atente cada um para o que é propriamente seu, mas cada qual também para o que é dos outros" (v.4). "Não atente cada um para o que é propriamente seu, mas cada qual também para o que é dos outros" (v.4).
  • 49. • Dois exemplos: • Paulo - colocou as necessidades dos filipenses em primeiro lugar (escolhendo permanecer com eles, 1.25) • Cristo - Procurar seguir o exemplo de Cristo de não sentir que as prerrogativas da divindade sejam 'algo que deva ser buscado' para os seus próprios propósitos” 49Pr. Moisés Sampaio de Paula 3. Não ao individualismo.3. Não ao individualismo. III. PROMOVENDO A UNIDADE DA IGREJA (2.1-4)
  • 50. Pense nisso! • As Escrituras ensinam que é inimaginável um salvo em Cristo não manifestar obras de arrependimento e amor ao próximo (Jo 15), pois do contrário, ele não seria discípulo de Jesus. Pr. Moisés Sampaio de Paula 50
  • 51. Conclusão • Com a ajuda do Espírito Santo, podemos: – superar tudo aquilo que rouba a humildade e o relacionamento sadio entre nós. – Nos ajuda a evitar o partidarismo, o egoísmo e a vanglória (Gl 5.26). – Produz em nosso coração um sentimento de amor e respeito pelos irmãos da fé (Fp 2.4). Pr. Moisés Sampaio de Paula 51 A unidade cristã apenas será possível quando tivermos o sentimento que produz harmonia, comunhão e companheirismo: o amor mútuo. O nosso comportamento como cidadãos dos céus deve ser conhecido pela identidade do amor (Jo 13.35). A unidade cristã apenas será possível quando tivermos o sentimento que produz harmonia, comunhão e companheirismo: o amor mútuo. O nosso comportamento como cidadãos dos céus deve ser conhecido pela identidade do amor (Jo 13.35).
  • 52. Pr. Moisés Sampaio de Paula 52