SlideShare uma empresa Scribd logo
Memorial do Convento de
José Saramago
Análise do Capítulo III
Ana Margarida Castro 12ºG
Interpretação dos
conteúdos
 Página 27
 Inicia o capítulo com o contraste entre ricos e pobres:
caracteriza a gula dos ricos e as suas consequências e, por
outro lado, mostra que a carência alimentar dos pobres
pode levá-los à morte.
“No geral do ano há quem morra por muito ter comido
durante a vida toda, razão por que se repetem os incidentes
apoplécticos, (...) e se o acidentado provisoriamente escapou,
fica leso de um lado, de boca à banda, sem voz. ”
“Mas não falta, por isso mesmo falecendo mais facilmente,
quem morra por ter comido pouco durante toda a vida”
Crítica a estes contrastes: “Mas nesta cidade, mais que
todas, é uma boca que mastiga de sobejo para um lado e de
escasso para outro, não havendo portanto mediano termo”
 Tinha terminado o Entrudo iam entrar no período de
Quaresma
“Correu o Entrudo essas ruas, quem pôde empanturrou-se de
galinha e de carneiro, de sonhos e de filhós (...) bebeu-se
vinho até ao arroto e ao vómito, partiram-se panelas,
tocaram-se gaitas”
Página 28
 Referência à imundície que havia em Lisboa nesta época,
mostrando, mais uma vez, que ao rei apenas importava
a sua ostentação e o poder, não o seu povo.
“a cidade é imunda, alcatifada de excrementos, de lixo, de
cães lazarentos e gatos vadios, e lama mesmo quando não
chove. (...) este corpo parco e porco da pocilga que é
Lisboa”
 “Vai sair a procissão de penitência. Castigámos a carne
pelo jejum, maceramo-la agora pelo açoite.” Surge uma
severa crítica aos penitentes “Agora é tempo de pagar os
cometidos excessos, mortificar a alma para que o corpo
finja arrepender-se, ele rebelde, ele insurrecto.”
 Descrição da hierarquia religiosa presente na
procissão
“Os penitentes, homens todos, vão à cabeça da procissão,
logo atrás dos frades (...) seguinte a eles aparece o bispo
debaixo do pálio rico, e depois as imagens nos andores, o
regimento interminável de padres, confrarias e
irmandades.”
 Alusão à atitude repreensiva e repreensível do povo
que assiste à procissão
“Passa a procissão entre filas de povo, e quando passa
rojam-se pelo chão homens e mulheres, arranham a cara
uns, arrepelam-se outros, dão-se bofetões todos.”
 “Nas janelas só há mulheres, é esse o costume.”
Saramago faz referência aos costumes da sociedade da
época: só iam na procissão homens, as mulheres ficavam à
janela vendo o seu amado passar em pleno sofrimento
devido à penitência.
Página 29
 Grande crítica, usando a ironia, à alegria do povo em
ver o sofrimento dos penitentes
“e estes que assim se flagelam é que são o melhor
da festa porque exibem verdadeiro sangue que lhes
corre da lombeira”
 “Presas no alto gorro ou na própria disciplina, levam
fitinhas de cores, cada um a sua, e se a mulher eleita
que à janela anseia de angústia, de piedade pelo
amador sofredor, se não também de gozo, (...) não
souber reconhecer o amante na confusão (...)
adivinhará ao menos pela fitinha (...) é aquele o seu
homem e servidor, que lhe está dedicando a
vergastada.”
Estão presentes neste excerto duas importantes críticas:
por um lado, às mulheres que anseiam gozo por ver os
seus amados serem castigados; e , por outro, aos
homens que se lisonjeiam por saber que as amantes os
reconhecem na confusão e por acharem esta aflição
“uma prova de amor”.
 Comparação entre o castigo dos penitentes e o
sofrimento passado por Jesus Cristo
“que o sangue corra como correu o do Divino
Salvador”
 “Está o penitente diante da janela da amada, em
baixo na rua, e ela olha-o dominante, talvez
acompanhada de mãe ou prima, ou aia, ou
tolerante avó, ou tia azedíssima, mas todas
sabendo muito bem o que se passa, por
experiência fresca ou recordação remota”
Mais uma vez Saramago remete para os costumes:
as mulheres que estavam à janela estavam sempre
acompanhadas e esta contemplação dos amados
no dia de procissão era um ritual antigo.
 Página 30
 “o homem passou adiante, vai pensando,
aliviadamente, que daqui para a frente não
precisará vergastar-se com tanta força, outros o
façam para gáudio de outras”
O narrador leva-nos a perceber que o penitente
encara esta procissão mais como uma obrigação
pela amada do que uma mortificação da alma.
 “agora que se aproximam Paixão e Morte.”
A paixão, representada pelos jogos entre amantes e
penitentes na procissão, recebe nesta expressão uma
equiparação à morte por trazer tanto sofrimento.
 Referência à vida recôndita das mulheres, que não
podiam sair de casa e quando o faziam era apenas
para ir à igreja durante baptizados, funerais e na
Quaresma. Aproveitando esta última para ter
encontros amorosos fora do casamento.
“talvez que o costume de deixar que as mulheres
corram as igrejas sozinhas na Quaresma, contra o
uso do resto do ano”
“é a mulher livre uma vez no ano, e se não vai
sozinha por não o consentir a decência pública,
quem a acompanha leva iguais desejos e igual
necessidade de satisfazê-los, por isso a mulher,
entre duas igrejas, foi a encontrar-se com um
homem, qual seja”
 Página 31
 Descrição dos encontros fortuitos das mulheres,
provando a sua infidelidade que escondem na fé
“vem morta de canseira, moídinha dos pés,
arrastadinha dos joelhos (...) Sete igrejas visitei” ,
e da atitude dos “maridos ingénuos, ou que
fingem sê-lo”.
 Em contraponto com as mulheres nobres,
aparece a rainha que “de tais desafogamentos” se
vê privada.
“D. Maria Ana, como razões acrescentadas ao
recato, tem a mais a maníaca devoção com que
foi educada na Áustria, e a cumplicidade que deu
ao artifício franciscano”
 Página 32
 Descrição do comportamento devoto da rainha
“D. Maria Ana deitou-se muito cedo, rezou antes
de ir para a cama, em murmurado coro com as
damas que a servem, e depois, já coberta pelo seu
cobertor de penas torna a rezar, reza
infinitamente.”
 Ironia, exaltando a crença e a fé do povo português,
através do Santo Sudário:
“onde está um Santo Sudário que as freiras desdobrarão
diante dela antes de o exporem aos fiéis, e nele serão
claramente vistas as marcas do corpo de Cristo, este é o
único e verdadeiro Santo Sudário que existe na
cristandade, minhas senhoras e meus senhores, como
todos os outros são igualmente verdadeiros e únicos, ou
não seriam à mesma hora mostrados em tão diferentes
lugares do mundo, mas, porque, está em Portugal, é o
mais vero de todos e único mesmo.”
 Alusão aos sonhos da rainha com D. Francisco
“e subitamente um homem a cavalo, que vem da caça
(...) rompe o homem em direcção ao coche [da rainha],
de espingarda na mão, (...) dá-lhe na cara a luz das
tochas, é o infante D. Francisco, de que lugares do sono
veio ele e porque virá tantas vezes”.
 Página 33
 “É a Quaresma sonho de uns e vigília de outros”
Sonho para as mulheres que tiveram alguma
liberdade e vigília para os homens que tiveram de,
pelo menos, tentar controlar essa liberdade.
 “Passou a Páscoa, que acordou toda a gente, mas
reconduziu as mulheres à sombra dos quartos e ao
carrego das saias.”
Passada a Páscoa tudo voltou ao “normal”.
 Termina o capítulo com “talvez se nos calássemos
todos”, usando o imperfeito do conjuntivo para
mostrar a vontade e a improbabilidade de tal
acontecer, já que as preces poderão não subir ao
céu e como não as podemos ajudar, calemo-nos.
Aspectos gramaticais
cruciais
 Os tempos verbais predominantes alternam entre o Presente
do Indicativo e Pretérito Perfeito, sendo o último usado para
mostrar avanço na acção, neste caso, na procissão.
 Provérbios adaptados ao contexto “Porém, a Quaresma,
como o sol, quando nasce é para todos”
 Aliteração; ex.: “corpo parco e porco”
 Conjunções disjuntivas; ex.: “vermelha ou cor do céu”
 Ironia; ex.: “Lisboa cheira mal, cheira a podridão, o incenso
dá um sentido à fetidez, o mal é dos corpos, que a alma,
essa, é perfumada.”; “Em casa há mais uns tantos
maridos cucos”
Conclusão
 Deste capítulo podemos concluir que as ideias
principais são:
 A descrição dos contrastes entre ricos e pobres;
 A entrada na Quaresma;
 A explicação de tudo o que se passa durante a
procissão de penitência, aproveitando Saramago para
criticar os costumes e rituais da época;
 A infidelidade das mulheres e o desinteresse dos
maridos;
 Os sonhos de D. Maria Ana com D. Francisco e a sua
devoção.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mudam-se os tempos
Mudam-se os temposMudam-se os tempos
Mudam-se os tempos
Maria Góis
 
Teste1
Teste1Teste1
Teste1
FJDOliveira
 
Antero de Quental.docx
Antero de Quental.docxAntero de Quental.docx
Antero de Quental.docx
silviaelisabete
 
Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcção
Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcçãoAreal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcção
Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcção
Carla Ribeiro
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
ameliapadrao
 
Orações subordinadas (substantiva relativa e adjetiva relativa)
Orações subordinadas (substantiva relativa e adjetiva relativa)Orações subordinadas (substantiva relativa e adjetiva relativa)
Orações subordinadas (substantiva relativa e adjetiva relativa)
FranciscoSilva772
 
Palavra Mágica
Palavra MágicaPalavra Mágica
Palavra Mágica
Lurdes Augusto
 
Capítulo i
Capítulo iCapítulo i
Capítulo i
Helena Coutinho
 
Frei luis de sousa
Frei luis de sousaFrei luis de sousa
Frei luis de sousa
Maria da Paz
 
Figuras de estilo
Figuras de estiloFiguras de estilo
Figuras de estilo
Luís Sérgio
 
Telmo- Frei Luís de Sousa
Telmo- Frei Luís de SousaTelmo- Frei Luís de Sousa
Telmo- Frei Luís de Sousa
nanasimao
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
David Caçador
 
Episodios lusiadas
Episodios lusiadasEpisodios lusiadas
Episodios lusiadas
Elsa Maximiano
 
Teste Luis de Camões
Teste Luis de CamõesTeste Luis de Camões
Teste Luis de Camões
Ana Rodrigues Parreira
 
Invocação e Dedicarória
Invocação e DedicaróriaInvocação e Dedicarória
Invocação e Dedicarória
Paula Oliveira Cruz
 
Ficha verificação leitura memorial
Ficha verificação leitura memorialFicha verificação leitura memorial
Ficha verificação leitura memorial
Fernanda Pereira
 
Maria de Noronha-Frei Luis de Sousa
Maria de Noronha-Frei Luis de SousaMaria de Noronha-Frei Luis de Sousa
Maria de Noronha-Frei Luis de Sousa
nanasimao
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
Margarida Tomaz
 
Categorias da narrativa
Categorias da narrativaCategorias da narrativa
Categorias da narrativa
Cristina Fontes
 
Capítulo ii
Capítulo iiCapítulo ii
Capítulo ii
Helena Coutinho
 

Mais procurados (20)

Mudam-se os tempos
Mudam-se os temposMudam-se os tempos
Mudam-se os tempos
 
Teste1
Teste1Teste1
Teste1
 
Antero de Quental.docx
Antero de Quental.docxAntero de Quental.docx
Antero de Quental.docx
 
Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcção
Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcçãoAreal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcção
Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcção
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
Orações subordinadas (substantiva relativa e adjetiva relativa)
Orações subordinadas (substantiva relativa e adjetiva relativa)Orações subordinadas (substantiva relativa e adjetiva relativa)
Orações subordinadas (substantiva relativa e adjetiva relativa)
 
Palavra Mágica
Palavra MágicaPalavra Mágica
Palavra Mágica
 
Capítulo i
Capítulo iCapítulo i
Capítulo i
 
Frei luis de sousa
Frei luis de sousaFrei luis de sousa
Frei luis de sousa
 
Figuras de estilo
Figuras de estiloFiguras de estilo
Figuras de estilo
 
Telmo- Frei Luís de Sousa
Telmo- Frei Luís de SousaTelmo- Frei Luís de Sousa
Telmo- Frei Luís de Sousa
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
 
Episodios lusiadas
Episodios lusiadasEpisodios lusiadas
Episodios lusiadas
 
Teste Luis de Camões
Teste Luis de CamõesTeste Luis de Camões
Teste Luis de Camões
 
Invocação e Dedicarória
Invocação e DedicaróriaInvocação e Dedicarória
Invocação e Dedicarória
 
Ficha verificação leitura memorial
Ficha verificação leitura memorialFicha verificação leitura memorial
Ficha verificação leitura memorial
 
Maria de Noronha-Frei Luis de Sousa
Maria de Noronha-Frei Luis de SousaMaria de Noronha-Frei Luis de Sousa
Maria de Noronha-Frei Luis de Sousa
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 
Categorias da narrativa
Categorias da narrativaCategorias da narrativa
Categorias da narrativa
 
Capítulo ii
Capítulo iiCapítulo ii
Capítulo ii
 

Semelhante a Memorial iii (1)

Apresentação Auto da Compadecida.ppt
Apresentação Auto da Compadecida.pptApresentação Auto da Compadecida.ppt
Apresentação Auto da Compadecida.ppt
MarizeSilva4
 
Memorial do convento espaço social e a crítica
Memorial do convento   espaço social e a críticaMemorial do convento   espaço social e a crítica
Memorial do convento espaço social e a crítica
António Teixeira
 
50 anos depois
50 anos depois50 anos depois
50 anos depois
50 anos depois50 anos depois
50 anos depois
50 anos depois50 anos depois
50 anos depois
Fernanda Fernandes
 
50 anos depois
50 anos depois50 anos depois
4 na mansão dos mortos
4   na mansão dos mortos4   na mansão dos mortos
4 na mansão dos mortos
Fatoze
 
Capítulo iii memorial do convento
Capítulo iii   memorial do conventoCapítulo iii   memorial do convento
Capítulo iii memorial do convento
12anogolega
 
Capítulo iii memorial do convento
Capítulo iii   memorial do conventoCapítulo iii   memorial do convento
Capítulo iii memorial do convento
12anogolega
 
Capítulo iii memorial do convento
Capítulo iii   memorial do conventoCapítulo iii   memorial do convento
Capítulo iii memorial do convento
12anogolega
 
Dinah silveira de_queiroz_-_a_muralha
Dinah silveira de_queiroz_-_a_muralhaDinah silveira de_queiroz_-_a_muralha
Dinah silveira de_queiroz_-_a_muralha
Virginia Moreira
 
O Tempo da Memória no Miradouro da Vida
O Tempo da Memória no Miradouro da VidaO Tempo da Memória no Miradouro da Vida
O Tempo da Memória no Miradouro da Vida
José Mesquita
 
Chicos 19 janeiro 2009
Chicos 19 janeiro 2009Chicos 19 janeiro 2009
Chicos 19 janeiro 2009
Chicos Cataletras
 
Intertextualidade - explicação e formas de intertextualidade.
Intertextualidade - explicação e formas de intertextualidade.Intertextualidade - explicação e formas de intertextualidade.
Intertextualidade - explicação e formas de intertextualidade.
JMTCS
 
O tempo da memória no miradouro da vida
O tempo da memória no miradouro da vidaO tempo da memória no miradouro da vida
O tempo da memória no miradouro da vida
J. C. Vilhena Mesquita
 
Literatura Nos Vestibulares Do Rs
Literatura Nos Vestibulares Do RsLiteratura Nos Vestibulares Do Rs
Literatura Nos Vestibulares Do Rs
Edir Alonso
 
Trabalho AV1 - Livro Parte I 3º ano - Gênesis Colégio e Curso
Trabalho AV1 - Livro Parte I 3º ano - Gênesis Colégio e CursoTrabalho AV1 - Livro Parte I 3º ano - Gênesis Colégio e Curso
Trabalho AV1 - Livro Parte I 3º ano - Gênesis Colégio e Curso
jasonrplima
 
Xico sá
Xico sáXico sá
Xico sá
Keitte Lima
 
Unidade iv poemas e bibliografia
Unidade iv   poemas e bibliografiaUnidade iv   poemas e bibliografia
Unidade iv poemas e bibliografia
universigatas
 
a-escrava-maria-firmina-dos-reis.pdf
a-escrava-maria-firmina-dos-reis.pdfa-escrava-maria-firmina-dos-reis.pdf
a-escrava-maria-firmina-dos-reis.pdf
FrankyleneBarros
 

Semelhante a Memorial iii (1) (20)

Apresentação Auto da Compadecida.ppt
Apresentação Auto da Compadecida.pptApresentação Auto da Compadecida.ppt
Apresentação Auto da Compadecida.ppt
 
Memorial do convento espaço social e a crítica
Memorial do convento   espaço social e a críticaMemorial do convento   espaço social e a crítica
Memorial do convento espaço social e a crítica
 
50 anos depois
50 anos depois50 anos depois
50 anos depois
 
50 anos depois
50 anos depois50 anos depois
50 anos depois
 
50 anos depois
50 anos depois50 anos depois
50 anos depois
 
50 anos depois
50 anos depois50 anos depois
50 anos depois
 
4 na mansão dos mortos
4   na mansão dos mortos4   na mansão dos mortos
4 na mansão dos mortos
 
Capítulo iii memorial do convento
Capítulo iii   memorial do conventoCapítulo iii   memorial do convento
Capítulo iii memorial do convento
 
Capítulo iii memorial do convento
Capítulo iii   memorial do conventoCapítulo iii   memorial do convento
Capítulo iii memorial do convento
 
Capítulo iii memorial do convento
Capítulo iii   memorial do conventoCapítulo iii   memorial do convento
Capítulo iii memorial do convento
 
Dinah silveira de_queiroz_-_a_muralha
Dinah silveira de_queiroz_-_a_muralhaDinah silveira de_queiroz_-_a_muralha
Dinah silveira de_queiroz_-_a_muralha
 
O Tempo da Memória no Miradouro da Vida
O Tempo da Memória no Miradouro da VidaO Tempo da Memória no Miradouro da Vida
O Tempo da Memória no Miradouro da Vida
 
Chicos 19 janeiro 2009
Chicos 19 janeiro 2009Chicos 19 janeiro 2009
Chicos 19 janeiro 2009
 
Intertextualidade - explicação e formas de intertextualidade.
Intertextualidade - explicação e formas de intertextualidade.Intertextualidade - explicação e formas de intertextualidade.
Intertextualidade - explicação e formas de intertextualidade.
 
O tempo da memória no miradouro da vida
O tempo da memória no miradouro da vidaO tempo da memória no miradouro da vida
O tempo da memória no miradouro da vida
 
Literatura Nos Vestibulares Do Rs
Literatura Nos Vestibulares Do RsLiteratura Nos Vestibulares Do Rs
Literatura Nos Vestibulares Do Rs
 
Trabalho AV1 - Livro Parte I 3º ano - Gênesis Colégio e Curso
Trabalho AV1 - Livro Parte I 3º ano - Gênesis Colégio e CursoTrabalho AV1 - Livro Parte I 3º ano - Gênesis Colégio e Curso
Trabalho AV1 - Livro Parte I 3º ano - Gênesis Colégio e Curso
 
Xico sá
Xico sáXico sá
Xico sá
 
Unidade iv poemas e bibliografia
Unidade iv   poemas e bibliografiaUnidade iv   poemas e bibliografia
Unidade iv poemas e bibliografia
 
a-escrava-maria-firmina-dos-reis.pdf
a-escrava-maria-firmina-dos-reis.pdfa-escrava-maria-firmina-dos-reis.pdf
a-escrava-maria-firmina-dos-reis.pdf
 

Último

Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
EduardoLealSilva
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 

Último (20)

Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 

Memorial iii (1)

  • 1. Memorial do Convento de José Saramago Análise do Capítulo III Ana Margarida Castro 12ºG
  • 2. Interpretação dos conteúdos  Página 27  Inicia o capítulo com o contraste entre ricos e pobres: caracteriza a gula dos ricos e as suas consequências e, por outro lado, mostra que a carência alimentar dos pobres pode levá-los à morte. “No geral do ano há quem morra por muito ter comido durante a vida toda, razão por que se repetem os incidentes apoplécticos, (...) e se o acidentado provisoriamente escapou, fica leso de um lado, de boca à banda, sem voz. ” “Mas não falta, por isso mesmo falecendo mais facilmente, quem morra por ter comido pouco durante toda a vida” Crítica a estes contrastes: “Mas nesta cidade, mais que todas, é uma boca que mastiga de sobejo para um lado e de escasso para outro, não havendo portanto mediano termo”
  • 3.  Tinha terminado o Entrudo iam entrar no período de Quaresma “Correu o Entrudo essas ruas, quem pôde empanturrou-se de galinha e de carneiro, de sonhos e de filhós (...) bebeu-se vinho até ao arroto e ao vómito, partiram-se panelas, tocaram-se gaitas” Página 28  Referência à imundície que havia em Lisboa nesta época, mostrando, mais uma vez, que ao rei apenas importava a sua ostentação e o poder, não o seu povo. “a cidade é imunda, alcatifada de excrementos, de lixo, de cães lazarentos e gatos vadios, e lama mesmo quando não chove. (...) este corpo parco e porco da pocilga que é Lisboa”  “Vai sair a procissão de penitência. Castigámos a carne pelo jejum, maceramo-la agora pelo açoite.” Surge uma severa crítica aos penitentes “Agora é tempo de pagar os cometidos excessos, mortificar a alma para que o corpo finja arrepender-se, ele rebelde, ele insurrecto.”
  • 4.  Descrição da hierarquia religiosa presente na procissão “Os penitentes, homens todos, vão à cabeça da procissão, logo atrás dos frades (...) seguinte a eles aparece o bispo debaixo do pálio rico, e depois as imagens nos andores, o regimento interminável de padres, confrarias e irmandades.”  Alusão à atitude repreensiva e repreensível do povo que assiste à procissão “Passa a procissão entre filas de povo, e quando passa rojam-se pelo chão homens e mulheres, arranham a cara uns, arrepelam-se outros, dão-se bofetões todos.”  “Nas janelas só há mulheres, é esse o costume.” Saramago faz referência aos costumes da sociedade da época: só iam na procissão homens, as mulheres ficavam à janela vendo o seu amado passar em pleno sofrimento devido à penitência.
  • 5. Página 29  Grande crítica, usando a ironia, à alegria do povo em ver o sofrimento dos penitentes “e estes que assim se flagelam é que são o melhor da festa porque exibem verdadeiro sangue que lhes corre da lombeira”  “Presas no alto gorro ou na própria disciplina, levam fitinhas de cores, cada um a sua, e se a mulher eleita que à janela anseia de angústia, de piedade pelo amador sofredor, se não também de gozo, (...) não souber reconhecer o amante na confusão (...) adivinhará ao menos pela fitinha (...) é aquele o seu homem e servidor, que lhe está dedicando a vergastada.” Estão presentes neste excerto duas importantes críticas: por um lado, às mulheres que anseiam gozo por ver os seus amados serem castigados; e , por outro, aos homens que se lisonjeiam por saber que as amantes os reconhecem na confusão e por acharem esta aflição “uma prova de amor”.
  • 6.  Comparação entre o castigo dos penitentes e o sofrimento passado por Jesus Cristo “que o sangue corra como correu o do Divino Salvador”  “Está o penitente diante da janela da amada, em baixo na rua, e ela olha-o dominante, talvez acompanhada de mãe ou prima, ou aia, ou tolerante avó, ou tia azedíssima, mas todas sabendo muito bem o que se passa, por experiência fresca ou recordação remota” Mais uma vez Saramago remete para os costumes: as mulheres que estavam à janela estavam sempre acompanhadas e esta contemplação dos amados no dia de procissão era um ritual antigo.
  • 7.  Página 30  “o homem passou adiante, vai pensando, aliviadamente, que daqui para a frente não precisará vergastar-se com tanta força, outros o façam para gáudio de outras” O narrador leva-nos a perceber que o penitente encara esta procissão mais como uma obrigação pela amada do que uma mortificação da alma.  “agora que se aproximam Paixão e Morte.” A paixão, representada pelos jogos entre amantes e penitentes na procissão, recebe nesta expressão uma equiparação à morte por trazer tanto sofrimento.  Referência à vida recôndita das mulheres, que não podiam sair de casa e quando o faziam era apenas para ir à igreja durante baptizados, funerais e na Quaresma. Aproveitando esta última para ter encontros amorosos fora do casamento.
  • 8. “talvez que o costume de deixar que as mulheres corram as igrejas sozinhas na Quaresma, contra o uso do resto do ano” “é a mulher livre uma vez no ano, e se não vai sozinha por não o consentir a decência pública, quem a acompanha leva iguais desejos e igual necessidade de satisfazê-los, por isso a mulher, entre duas igrejas, foi a encontrar-se com um homem, qual seja”  Página 31  Descrição dos encontros fortuitos das mulheres, provando a sua infidelidade que escondem na fé “vem morta de canseira, moídinha dos pés, arrastadinha dos joelhos (...) Sete igrejas visitei” , e da atitude dos “maridos ingénuos, ou que fingem sê-lo”.
  • 9.  Em contraponto com as mulheres nobres, aparece a rainha que “de tais desafogamentos” se vê privada. “D. Maria Ana, como razões acrescentadas ao recato, tem a mais a maníaca devoção com que foi educada na Áustria, e a cumplicidade que deu ao artifício franciscano”  Página 32  Descrição do comportamento devoto da rainha “D. Maria Ana deitou-se muito cedo, rezou antes de ir para a cama, em murmurado coro com as damas que a servem, e depois, já coberta pelo seu cobertor de penas torna a rezar, reza infinitamente.”
  • 10.  Ironia, exaltando a crença e a fé do povo português, através do Santo Sudário: “onde está um Santo Sudário que as freiras desdobrarão diante dela antes de o exporem aos fiéis, e nele serão claramente vistas as marcas do corpo de Cristo, este é o único e verdadeiro Santo Sudário que existe na cristandade, minhas senhoras e meus senhores, como todos os outros são igualmente verdadeiros e únicos, ou não seriam à mesma hora mostrados em tão diferentes lugares do mundo, mas, porque, está em Portugal, é o mais vero de todos e único mesmo.”  Alusão aos sonhos da rainha com D. Francisco “e subitamente um homem a cavalo, que vem da caça (...) rompe o homem em direcção ao coche [da rainha], de espingarda na mão, (...) dá-lhe na cara a luz das tochas, é o infante D. Francisco, de que lugares do sono veio ele e porque virá tantas vezes”.
  • 11.  Página 33  “É a Quaresma sonho de uns e vigília de outros” Sonho para as mulheres que tiveram alguma liberdade e vigília para os homens que tiveram de, pelo menos, tentar controlar essa liberdade.  “Passou a Páscoa, que acordou toda a gente, mas reconduziu as mulheres à sombra dos quartos e ao carrego das saias.” Passada a Páscoa tudo voltou ao “normal”.  Termina o capítulo com “talvez se nos calássemos todos”, usando o imperfeito do conjuntivo para mostrar a vontade e a improbabilidade de tal acontecer, já que as preces poderão não subir ao céu e como não as podemos ajudar, calemo-nos.
  • 12. Aspectos gramaticais cruciais  Os tempos verbais predominantes alternam entre o Presente do Indicativo e Pretérito Perfeito, sendo o último usado para mostrar avanço na acção, neste caso, na procissão.  Provérbios adaptados ao contexto “Porém, a Quaresma, como o sol, quando nasce é para todos”  Aliteração; ex.: “corpo parco e porco”  Conjunções disjuntivas; ex.: “vermelha ou cor do céu”  Ironia; ex.: “Lisboa cheira mal, cheira a podridão, o incenso dá um sentido à fetidez, o mal é dos corpos, que a alma, essa, é perfumada.”; “Em casa há mais uns tantos maridos cucos”
  • 13. Conclusão  Deste capítulo podemos concluir que as ideias principais são:  A descrição dos contrastes entre ricos e pobres;  A entrada na Quaresma;  A explicação de tudo o que se passa durante a procissão de penitência, aproveitando Saramago para criticar os costumes e rituais da época;  A infidelidade das mulheres e o desinteresse dos maridos;  Os sonhos de D. Maria Ana com D. Francisco e a sua devoção.