SlideShare uma empresa Scribd logo
MEIOS RISCADORES
O Homem sempre teve necessidade de
exteriorizar e comunicar o que sente e
pensa.
Na base das artes visuais está o
mecanismo da visão, o cérebro e as mãos.
É com a mão que fazemos os gestos de
desenhar, pintar, recortar, etc.
Os instrumentos surgem como objetos
que fazem o prolongamento das mãos e
vão desde o lápis ao computador,
passando por uma infinidade de objetos
que estão vocacionados para riscar,
pintar, cortar, etc, de acordo com os
materiais e suportes a trabalhar.
Grafite
• Os lápis de grafite são os mais utilizados de todos os
instrumentos de desenho.
• Estes lápis são constituídos por uma mina feita de uma
mistura de grafite protegida por um revestimento em madeira.
• O lápis nº1 (mina B) é um lápis indicado para desenho à mão
livre, por se tratar de um lápis com minas muito macias.
• O lápis nº3 (mina H) , pela «dureza» da sua mina, é um lápis
indicado para traçados rigorosos, como por exemplo o
desenho geométrico.
• O lápis nº2 (mina HB) é um lápis com uma mina de dureza
média.
As minas mais duras permitem traços finos cinzento pálido, as
mais macias produzem traços mais grossos e mais negros,
pois depositam mais grafite no papel
Assim, temos basicamente a seguinte escala de grafites:
dura média macia
8H, 7H, 6H, 5H, 4H, 3H, 2H, H, HB, F, B, 2B, 3B, 4B, 5B, 6B, 7B, 8B, 9B
Por "H" entende-se "Hard" - uma mina dura.
Por "B" entende-se "Brand" ou "Black" - uma mina macia ou preta.
Por "HB" entende-se "Hard/Brand"- uma mina de dureza média
Lápis de cor
• São feitos a partir de uma mistura de talco e substâncias
corantes
• Existem lápis de durezas diferentes, e de três tipos
principais: os de mina grossa e relativamente macia,
resistentes à luz e água e não precisam de fixador. Os de
mina mais fina e mais dura, são usados para desenhos com
muito detalhe, também resistentes à água. Os lápis com
minas solúveis em água (aguareláveis) permitem um
trabalho misto de desenho e aguarela.
David Hockney - Celia ... 1973
David Hockney - Cubistic bar - Lápis de cor, 1980
Canetas de feltro ou marcadores
São usadas onde é necessário garantir um grande rigor cromático.
A tinta aplicada com a caneta de feltro, seca com facilidade devido ao
álcool que entra na sua composição. São normalmente as preferidas
para fazer contornos e pintar pequenas áreas.
Têm no entanto defeitos:
-a durabilidade da cor é muito precária e as pontas de feltro muito
frágeis.
-muitas vezes penetra no papel, invadindo o verso deste de uma forma
por vezes indesejável.
M. Vallens - Dead Kennedys - marcador s/ papel, 1985
Lápis de cera
O lápis de cera é um instrumento gorduroso (a cera funciona como
aglutinante dos pigmentos), que permite a pintura de qualquer
superfície. É um riscador opaco, as suas cores são vivas e aderem
facilmente a qualquer suporte.
Os lápis de cera não são apropriados a desenhos minuciosos, mas
têm caraterísticas que permitem uma diversidade de técnicas,
resultando trabalhos muito expressivos, com destaque o processo
de raspagem.
Pode-se sobrepor várias camadas de lápis de cera
raspando a camada superior para obter efeitos
variados.
Por ser mole, o lápis de cera permite
obter lindas composições através de
decalque por fricção
A aguarela carateriza-se pela transparência das suas cores.
Usa-se a água como solvente até se obter o tom pretendido.
Na aguarela colocam-se primeiro as cores claras e depois as
escuras. Usam-se basicamente duas técnicas que consistem no
seguinte:
-sobreposição de camadas de tinta sobre papel seco, deixando secar
cada camada que se aplica antes de pôr a seguinte.
- aplicação da aguarela sobre papel previamente humedecido (com
uma esponja, por exemplo), permitindo a livre expansão desta na
superfície do papel e mistura das cores no momento em que se
deposita a tinta.
Aguarela
A aguarela é uma das técnicas de pintura mais antigas mas também
uma das mais modernas. A aguarela funciona como um misto de água
e pigmento .
O papel deve ser um tanto mais grosso para não ficar fragilizado pela
água e rasgar. Mas a verdadeira beleza da aquarela é justamente as
suas cores e seus defeitos: aquele excesso de tinta, aquele borrão...
Exemplos de aguarelas
Guache
É constituído por pigmentos coloridos moídos em pó aglutinados
com um pigmento plástico.
Diferencia-se da aguarela pela sua qualidade opaca, as cores claras
podem ser colocadas em cima de outras mais escuras, desde que já
secas.
O guache dilui-se com água até ter mais ou menos a consistência do
azeite. Aplica-se sobre papéis e cartões variados que devem ter
algum "corpo" para não enfolarem.
Picasso - Pierrot - guache, 1920
R. Diebenkorn - s/ título - guache e grafite, 1982

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apostila de artes
Apostila de artesApostila de artes
Apostila de artes
Júlia Lícia Soares Matos
 
Desenho De Observação
Desenho De ObservaçãoDesenho De Observação
Desenho De Observação
guest423574
 
Elementos da linguagem visual.
Elementos da linguagem visual.Elementos da linguagem visual.
Elementos da linguagem visual.
Renata_Vasconcelos
 
Arte 8 ano
Arte 8 anoArte 8 ano
Desenho Realista- Conceitos Básicos
Desenho Realista- Conceitos BásicosDesenho Realista- Conceitos Básicos
Desenho Realista- Conceitos Básicos
Carlos Damasceno
 
Apostila de-arte-ensino-mc3a9dio-2c2aa-sc3a9rie
Apostila de-arte-ensino-mc3a9dio-2c2aa-sc3a9rieApostila de-arte-ensino-mc3a9dio-2c2aa-sc3a9rie
Apostila de-arte-ensino-mc3a9dio-2c2aa-sc3a9rie
Marcosfreitas Nascimento Freitas
 
Técnica carvão
Técnica carvãoTécnica carvão
Técnica carvão
Gi Loureiro
 
Apostila elementos visuais 2013
Apostila elementos visuais 2013Apostila elementos visuais 2013
Apostila elementos visuais 2013
Colégio Pedro II - Campus Centro
 
Desenho de observação
Desenho de observaçãoDesenho de observação
Desenho de observação
Cristiana Gomes
 
Trabalho final gimp
Trabalho final  gimpTrabalho final  gimp
Trabalho final gimp
inesantosilva
 
Conceito de Ponto, Linha e Plano
Conceito de Ponto, Linha e PlanoConceito de Ponto, Linha e Plano
Conceito de Ponto, Linha e Plano
Débora Cseri
 
6º ano diferenciação figurativo e abstrato
6º ano diferenciação figurativo e abstrato6º ano diferenciação figurativo e abstrato
6º ano diferenciação figurativo e abstrato
Fabiola Oliveira
 
Materiais e técnicas básicas de desenho
Materiais e técnicas básicas de desenhoMateriais e técnicas básicas de desenho
Materiais e técnicas básicas de desenho
Fernando Mendes
 
Desenho: o sonho da linha
Desenho: o sonho da linhaDesenho: o sonho da linha
Desenho: o sonho da linha
Ipsun
 
Desenho Modalidades 7ª SéRie
Desenho   Modalidades   7ª SéRieDesenho   Modalidades   7ª SéRie
Desenho Modalidades 7ª SéRie
guestaf0345
 
Arte3em
Arte3emArte3em
Arte 9 ano
Arte 9 anoArte 9 ano
Arte 6o ano
Arte 6o anoArte 6o ano
Pintura 1: uma introdução.
Pintura 1: uma introdução. Pintura 1: uma introdução.
Pintura 1: uma introdução.
Ipsun
 

Mais procurados (19)

Apostila de artes
Apostila de artesApostila de artes
Apostila de artes
 
Desenho De Observação
Desenho De ObservaçãoDesenho De Observação
Desenho De Observação
 
Elementos da linguagem visual.
Elementos da linguagem visual.Elementos da linguagem visual.
Elementos da linguagem visual.
 
Arte 8 ano
Arte 8 anoArte 8 ano
Arte 8 ano
 
Desenho Realista- Conceitos Básicos
Desenho Realista- Conceitos BásicosDesenho Realista- Conceitos Básicos
Desenho Realista- Conceitos Básicos
 
Apostila de-arte-ensino-mc3a9dio-2c2aa-sc3a9rie
Apostila de-arte-ensino-mc3a9dio-2c2aa-sc3a9rieApostila de-arte-ensino-mc3a9dio-2c2aa-sc3a9rie
Apostila de-arte-ensino-mc3a9dio-2c2aa-sc3a9rie
 
Técnica carvão
Técnica carvãoTécnica carvão
Técnica carvão
 
Apostila elementos visuais 2013
Apostila elementos visuais 2013Apostila elementos visuais 2013
Apostila elementos visuais 2013
 
Desenho de observação
Desenho de observaçãoDesenho de observação
Desenho de observação
 
Trabalho final gimp
Trabalho final  gimpTrabalho final  gimp
Trabalho final gimp
 
Conceito de Ponto, Linha e Plano
Conceito de Ponto, Linha e PlanoConceito de Ponto, Linha e Plano
Conceito de Ponto, Linha e Plano
 
6º ano diferenciação figurativo e abstrato
6º ano diferenciação figurativo e abstrato6º ano diferenciação figurativo e abstrato
6º ano diferenciação figurativo e abstrato
 
Materiais e técnicas básicas de desenho
Materiais e técnicas básicas de desenhoMateriais e técnicas básicas de desenho
Materiais e técnicas básicas de desenho
 
Desenho: o sonho da linha
Desenho: o sonho da linhaDesenho: o sonho da linha
Desenho: o sonho da linha
 
Desenho Modalidades 7ª SéRie
Desenho   Modalidades   7ª SéRieDesenho   Modalidades   7ª SéRie
Desenho Modalidades 7ª SéRie
 
Arte3em
Arte3emArte3em
Arte3em
 
Arte 9 ano
Arte 9 anoArte 9 ano
Arte 9 ano
 
Arte 6o ano
Arte 6o anoArte 6o ano
Arte 6o ano
 
Pintura 1: uma introdução.
Pintura 1: uma introdução. Pintura 1: uma introdução.
Pintura 1: uma introdução.
 

Semelhante a Meios riscadores 1

Meios riscadores
Meios riscadoresMeios riscadores
Apostila tecnica de materiais 2018
Apostila tecnica de materiais 2018Apostila tecnica de materiais 2018
Apostila tecnica de materiais 2018
Giovana Silva
 
A pintura
A pinturaA pintura
A pintura
eleoniceschiavo
 
Exercícios/Experimentações artes plásticas
Exercícios/Experimentações artes plásticasExercícios/Experimentações artes plásticas
Exercícios/Experimentações artes plásticas
Ricardo Pereira
 
Apostila do curso de desenho
Apostila do curso de desenhoApostila do curso de desenho
Apostila do curso de desenho
roberval teles
 
Apostila do curso de desenho Apostila do curso de desenho desenhos realistas
Apostila do curso de desenho Apostila do curso de desenho  desenhos realistas Apostila do curso de desenho Apostila do curso de desenho  desenhos realistas
Apostila do curso de desenho Apostila do curso de desenho desenhos realistas
roberval teles
 
Apostila do curso de desenho
Apostila do curso de desenhoApostila do curso de desenho
Apostila do curso de desenho
roberval teles
 
Lápis de grafite e carvão tutorial
Lápis de grafite e carvão tutorialLápis de grafite e carvão tutorial
Lápis de grafite e carvão tutorial
Izac Oliveira
 
Curso de Desenho
Curso de DesenhoCurso de Desenho
Curso de Desenho
Weverton leal
 
Como desenhar natureza_morta
Como desenhar natureza_mortaComo desenhar natureza_morta
Como desenhar natureza_morta
Ana Santos
 
Curso de pintura em tecido - Parte 3/3
Curso de pintura em tecido - Parte 3/3Curso de pintura em tecido - Parte 3/3
Curso de pintura em tecido - Parte 3/3
ABCursos OnLine
 
Técnica carvão
Técnica carvãoTécnica carvão
Técnica carvão
Gi Loureiro
 
Técnica carvão
Técnica carvãoTécnica carvão
Técnica carvão
Gi Loureiro
 
texturas 7 ano A.pptx
texturas 7 ano A.pptxtexturas 7 ano A.pptx
texturas 7 ano A.pptx
AntnyoAllysson
 
Desenhando lula-da-silva-a-lapis-grafite-passo-a-passo
Desenhando lula-da-silva-a-lapis-grafite-passo-a-passoDesenhando lula-da-silva-a-lapis-grafite-passo-a-passo
Desenhando lula-da-silva-a-lapis-grafite-passo-a-passo
Serginho Fernando
 
Gravura metal
Gravura metalGravura metal
Gravura metal
Luciana Estivalet
 
CATALOGO-TOMBOW-NOVO-1-compactado.pdf
CATALOGO-TOMBOW-NOVO-1-compactado.pdfCATALOGO-TOMBOW-NOVO-1-compactado.pdf
CATALOGO-TOMBOW-NOVO-1-compactado.pdf
MarcioCarneiro21
 
Planificação expressão plástica 1ºano
Planificação expressão plástica 1ºanoPlanificação expressão plástica 1ºano
Planificação expressão plástica 1ºano
Ministry of Education (Brazil)
 
Aula de Xilogravura
Aula de XilogravuraAula de Xilogravura
Aula de Xilogravura
Ipsun
 
Caderno-de-Atividades-Educativas-Volume-1.pdf
Caderno-de-Atividades-Educativas-Volume-1.pdfCaderno-de-Atividades-Educativas-Volume-1.pdf
Caderno-de-Atividades-Educativas-Volume-1.pdf
LucimeireMellodosRei
 

Semelhante a Meios riscadores 1 (20)

Meios riscadores
Meios riscadoresMeios riscadores
Meios riscadores
 
Apostila tecnica de materiais 2018
Apostila tecnica de materiais 2018Apostila tecnica de materiais 2018
Apostila tecnica de materiais 2018
 
A pintura
A pinturaA pintura
A pintura
 
Exercícios/Experimentações artes plásticas
Exercícios/Experimentações artes plásticasExercícios/Experimentações artes plásticas
Exercícios/Experimentações artes plásticas
 
Apostila do curso de desenho
Apostila do curso de desenhoApostila do curso de desenho
Apostila do curso de desenho
 
Apostila do curso de desenho Apostila do curso de desenho desenhos realistas
Apostila do curso de desenho Apostila do curso de desenho  desenhos realistas Apostila do curso de desenho Apostila do curso de desenho  desenhos realistas
Apostila do curso de desenho Apostila do curso de desenho desenhos realistas
 
Apostila do curso de desenho
Apostila do curso de desenhoApostila do curso de desenho
Apostila do curso de desenho
 
Lápis de grafite e carvão tutorial
Lápis de grafite e carvão tutorialLápis de grafite e carvão tutorial
Lápis de grafite e carvão tutorial
 
Curso de Desenho
Curso de DesenhoCurso de Desenho
Curso de Desenho
 
Como desenhar natureza_morta
Como desenhar natureza_mortaComo desenhar natureza_morta
Como desenhar natureza_morta
 
Curso de pintura em tecido - Parte 3/3
Curso de pintura em tecido - Parte 3/3Curso de pintura em tecido - Parte 3/3
Curso de pintura em tecido - Parte 3/3
 
Técnica carvão
Técnica carvãoTécnica carvão
Técnica carvão
 
Técnica carvão
Técnica carvãoTécnica carvão
Técnica carvão
 
texturas 7 ano A.pptx
texturas 7 ano A.pptxtexturas 7 ano A.pptx
texturas 7 ano A.pptx
 
Desenhando lula-da-silva-a-lapis-grafite-passo-a-passo
Desenhando lula-da-silva-a-lapis-grafite-passo-a-passoDesenhando lula-da-silva-a-lapis-grafite-passo-a-passo
Desenhando lula-da-silva-a-lapis-grafite-passo-a-passo
 
Gravura metal
Gravura metalGravura metal
Gravura metal
 
CATALOGO-TOMBOW-NOVO-1-compactado.pdf
CATALOGO-TOMBOW-NOVO-1-compactado.pdfCATALOGO-TOMBOW-NOVO-1-compactado.pdf
CATALOGO-TOMBOW-NOVO-1-compactado.pdf
 
Planificação expressão plástica 1ºano
Planificação expressão plástica 1ºanoPlanificação expressão plástica 1ºano
Planificação expressão plástica 1ºano
 
Aula de Xilogravura
Aula de XilogravuraAula de Xilogravura
Aula de Xilogravura
 
Caderno-de-Atividades-Educativas-Volume-1.pdf
Caderno-de-Atividades-Educativas-Volume-1.pdfCaderno-de-Atividades-Educativas-Volume-1.pdf
Caderno-de-Atividades-Educativas-Volume-1.pdf
 

Último

A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 

Meios riscadores 1

  • 1. MEIOS RISCADORES O Homem sempre teve necessidade de exteriorizar e comunicar o que sente e pensa. Na base das artes visuais está o mecanismo da visão, o cérebro e as mãos. É com a mão que fazemos os gestos de desenhar, pintar, recortar, etc. Os instrumentos surgem como objetos que fazem o prolongamento das mãos e vão desde o lápis ao computador, passando por uma infinidade de objetos que estão vocacionados para riscar, pintar, cortar, etc, de acordo com os materiais e suportes a trabalhar.
  • 2. Grafite • Os lápis de grafite são os mais utilizados de todos os instrumentos de desenho. • Estes lápis são constituídos por uma mina feita de uma mistura de grafite protegida por um revestimento em madeira. • O lápis nº1 (mina B) é um lápis indicado para desenho à mão livre, por se tratar de um lápis com minas muito macias. • O lápis nº3 (mina H) , pela «dureza» da sua mina, é um lápis indicado para traçados rigorosos, como por exemplo o desenho geométrico. • O lápis nº2 (mina HB) é um lápis com uma mina de dureza média. As minas mais duras permitem traços finos cinzento pálido, as mais macias produzem traços mais grossos e mais negros, pois depositam mais grafite no papel
  • 3. Assim, temos basicamente a seguinte escala de grafites: dura média macia 8H, 7H, 6H, 5H, 4H, 3H, 2H, H, HB, F, B, 2B, 3B, 4B, 5B, 6B, 7B, 8B, 9B Por "H" entende-se "Hard" - uma mina dura. Por "B" entende-se "Brand" ou "Black" - uma mina macia ou preta. Por "HB" entende-se "Hard/Brand"- uma mina de dureza média
  • 4. Lápis de cor • São feitos a partir de uma mistura de talco e substâncias corantes • Existem lápis de durezas diferentes, e de três tipos principais: os de mina grossa e relativamente macia, resistentes à luz e água e não precisam de fixador. Os de mina mais fina e mais dura, são usados para desenhos com muito detalhe, também resistentes à água. Os lápis com minas solúveis em água (aguareláveis) permitem um trabalho misto de desenho e aguarela. David Hockney - Celia ... 1973 David Hockney - Cubistic bar - Lápis de cor, 1980
  • 5. Canetas de feltro ou marcadores São usadas onde é necessário garantir um grande rigor cromático. A tinta aplicada com a caneta de feltro, seca com facilidade devido ao álcool que entra na sua composição. São normalmente as preferidas para fazer contornos e pintar pequenas áreas. Têm no entanto defeitos: -a durabilidade da cor é muito precária e as pontas de feltro muito frágeis. -muitas vezes penetra no papel, invadindo o verso deste de uma forma por vezes indesejável. M. Vallens - Dead Kennedys - marcador s/ papel, 1985
  • 6. Lápis de cera O lápis de cera é um instrumento gorduroso (a cera funciona como aglutinante dos pigmentos), que permite a pintura de qualquer superfície. É um riscador opaco, as suas cores são vivas e aderem facilmente a qualquer suporte. Os lápis de cera não são apropriados a desenhos minuciosos, mas têm caraterísticas que permitem uma diversidade de técnicas, resultando trabalhos muito expressivos, com destaque o processo de raspagem. Pode-se sobrepor várias camadas de lápis de cera raspando a camada superior para obter efeitos variados. Por ser mole, o lápis de cera permite obter lindas composições através de decalque por fricção
  • 7. A aguarela carateriza-se pela transparência das suas cores. Usa-se a água como solvente até se obter o tom pretendido. Na aguarela colocam-se primeiro as cores claras e depois as escuras. Usam-se basicamente duas técnicas que consistem no seguinte: -sobreposição de camadas de tinta sobre papel seco, deixando secar cada camada que se aplica antes de pôr a seguinte. - aplicação da aguarela sobre papel previamente humedecido (com uma esponja, por exemplo), permitindo a livre expansão desta na superfície do papel e mistura das cores no momento em que se deposita a tinta. Aguarela
  • 8. A aguarela é uma das técnicas de pintura mais antigas mas também uma das mais modernas. A aguarela funciona como um misto de água e pigmento . O papel deve ser um tanto mais grosso para não ficar fragilizado pela água e rasgar. Mas a verdadeira beleza da aquarela é justamente as suas cores e seus defeitos: aquele excesso de tinta, aquele borrão...
  • 10. Guache É constituído por pigmentos coloridos moídos em pó aglutinados com um pigmento plástico. Diferencia-se da aguarela pela sua qualidade opaca, as cores claras podem ser colocadas em cima de outras mais escuras, desde que já secas. O guache dilui-se com água até ter mais ou menos a consistência do azeite. Aplica-se sobre papéis e cartões variados que devem ter algum "corpo" para não enfolarem. Picasso - Pierrot - guache, 1920 R. Diebenkorn - s/ título - guache e grafite, 1982