Concurso da PM - Geografia da Paraíba

94.862 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
54 comentários
58 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
94.862
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
12.400
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3.399
Comentários
54
Gostaram
58
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Concurso da PM - Geografia da Paraíba

  1. 1. CURSO PREPARATÓRIO CONCURSO da PM - DISCIPLINA: GEOGRAFIA Prof. Vando Felix – rtvando@gmail.com – www.geograficamentecorreto.com Geografia Da Paraíba Localização e Área Territorial da Paraíba Com uma população estimada em 3.769.977 habitantes, o estado da Paraíba ocupa 56.584.6 km² de área territorial brasileira englobando 223 municípios. Até 1994, a Paraíba possuía 171 municípios. Em 1994/1995 foram criados mais 52, perfazendo um total de 223, com suas cidades-sede, vários distritos, vilas, e inúmeros povoados. Grande parte do seu território está incluída na região semiárida do Nordeste, identificada pela SUDENE como zona do Polígono das Secas. Está situado no extremo leste da região Nordeste do Brasil. Tem 98% de seu território inserido no Polígono da Seca. Faz limites: Norte: Rio Grande do Norte Sul: Pernambuco Leste: Oceano Atlântico Oeste: Ceará Cidades mais populosas - João Pessoa (capital), Campina Grande, Santa Rita, Patos, Bayeux e Souza. Na Paraíba se encontra o ponto mais oriental das Américas, conhecido como a Ponta do Seixas, em João Pessoa, devido a sua localização geográfica privilegiada (extremo oriental das Américas), João Pessoa é conhecida turisticamente como "a cidade onde o sol nasce primeiro". PONTOS EXTREMOS: Ao norte (Serra do vale – Belém do Brejo do Cruz) Ao sul (Serra Pau D’arco – São João do Tigre) O leste (Ponta do Seixas – João Pessoa) O oeste (Serra da Areia – Cachoeira dos Índios) Número de municípios: 223 Extensão territorial: 56.439 quilômetros quadrados ou 0,66% da área total do Brasil. É o 20º estado brasileiro e o 6º do nordeste. O Farol do Cabo Branco, em João Pessoa, marca o ponto mais oriental das Américas. Possui clima tropical úmido no litoral, com chuvas abundantes. À medida que se desloca para o interior, depois da Serra da Borborema, o clima torna-se semiárido e sujeito a estiagens prolongadas e precipitações abaixo dos 500 mm. As temperaturas médias anuais ultrapassam os 26 ℃, com algumas exceções no Planalto da Borborema, onde a temperatura média é de 24 ℃. PORTA DO SOL Renata Arruda Somos a porta do Sol Deste país tropical Somos a mata verde, a esperança somos o Sol do estremo oriental A Lua fez um poema nas palhas do coqueiral Eu escrevi seu nome na areia No coração do estremo oriental. A luz do interior Brilhou na capital E clareou o céu da Borborema No Cariri no extremo oriental Salve o sertão do brejo, a Borborema Que vem saldar o extremo oriental. O calor do verão chegou pra te abraçar essa alegria é beira de mar (BIS)
  2. 2. O IBGE dividiu a Paraíba em 4 mesorregiões: Mata Paraibana, Agreste Paraibano, Borborema e Sertão. Regionalização da Paraíba: Meso e Microrregiões No tocante aos aspectos econômico, social e político, a Paraíba está dividida em 4 mesorregiões, assim denominadas, de acordo com a classificação estabelecida pelo IBGE. Tal divisão levou em consideração as características e as formas de organização socioeconômica e política. O mapa a seguir, mostra as Mesorregiões do Estado da Paraíba: Mata Paraibana, Agreste Paraibano, Borborema e Sertão Paraibano. MESORREGIÕES DA PARAÍBA:  Mata Paraibana – Faixa de clima úmido que acompanha o litoral. A mata que existia foi substituída pela cana-de-açúcar. É a parte mais povoada e mais urbanizada do estado.  Agreste Paraibano – Região de transição entre a zona da mata e a tradicional região do sertão. O clima e semiárido, embora chova mais do que na Borborema e no sertão. Economia: cana-de- açúcar, algodão, sisal, pecuária.  Borborema - Localiza-se no planalto da Borborema, entre o sertão e o agreste é a região onde as chuvas são mais escassas. Economia: Extração mineral, sisal, algodão, pecuária de caprinos. É principalmente na Borborema que ocorre o fenômeno das secas.  Sertão – É a região da vegetação da caatinga, de clima menos seco que a Borborema, dos rios temporários, da pecuária extensiva de corte e do cultivo do algodão, principal produto cultivado na região. Essas mesorregiões estão, por sua vez, desagregadas em 23 microrregiões geográficas. As quais veremos depois. MESORREGIÃO PARAIBANA MESORREGIÃO ZONA DA MATA PARAIBANA Compreendendo o litoral, a parte leste do Estado, onde predominam as planícies litorâneas e os tabuleiros, como principais formas de relevo. Possui um regime de chuvas abundantes, especialmente nos meses de março a julho, quando o inverno é regular. As terras são férteis e próprias para o cultivo da cana-de-açúcar. Extensão do litoral: 133 quilômetros com 56 praias. O Litoral da Paraíba se estende por cerca de 133 quilômetros. Sua extensão vai da desembocadura do rio Goiana - ao sul, onde se limita com o estado de
  3. 3. Pernambuco - até o estuário do rio Guaju - ao norte, na divisa com o Rio Grande do Norte. O litoral paraibano divide-se em Litoral Norte e Litoral Sul. O limite entre esses dois seguimentos é representado pelo estuário do rio Paraíba. Os municípios que compõem o Litoral Norte são: Lucena, Rio Tinto, Marcação, Mamanguape, Baia da Traição e Mataraca. O Litoral Sul abrange os territórios municipais de João Pessoa, Cabedelo, Bayeux, Santa Rita, Conde, Alhandra e Pitimbu. O relevo é representado por três unidades morfológicas espacialmente desiguais: os baixos planaltos sedimentares ou tabuleiros, com falésias na fachada oceânica; a baixada litorânea, com suas dunas, restingas, lagoas e as planícies aluviais, fluvio-marinhas e estuarinas dos rios que deságuam no Atlântico. Toda a região do litoral caracteriza-se por uma relativa diversidade econômica responsável pela organização do seu espaço: · Agroindústria sucroalcooleira; · Extração mineral (ilmenita, titanita, zirconita, cianita, ao norte de Barra de Camaratuba, calcário, na grande João Pessoa; granito, em Mamanguape; · Pesca da lagosta, em Pitimbu; · Agricultura e pecuária; granjas e sítios; · Loteamentos para residências secundárias. Mesorregião do Agreste Paraibano Situada na parte intermediária do Estado, a mesorregião do Agreste que sucede ao litoral, na direção oeste, corresponde inicialmente a uma depressão, com 130m de altitude, formada por rochas cristalinas, e que logo dá lugar às escarpas abruptas da Borborema, cujas altitudes ultrapassam os 600m. No agreste, permanece o binômio gado- policultura e ainda continua como região fornecedora de alimento. Possui solo muito rico e, pela umidade que apresenta, próprio para a policultura, ou seja, cultivo de várias espécies: feijão, milho, abacaxi, fumo, inhame, mandioca, frutas e legumes diversos, prestando-se também a criação de gado. A diversificação de produção dessa área acontece, em razão da forte diferença das condições naturais. Nas áreas mais secas predominam as pastagens naturais que favorecem a presença da pecuária extensiva. Os rios, nesta zona, já são quase sempre temporários, pois reduzem suas águas ou secam completamente nos períodos de grande estiagem. Um fator marcante que determina esta condição são as chuvas que começam a diminuir tornando mais seco, o clima. Há uma transição no aspecto da vegetação desta mesorregião, vez que, ora ela apresenta características de uma mata úmida, parecida com a mata Atlântica, ora da caatinga que vai predominar nas outras áreas: Borborema e Sertão. Na medida que nos afastamos do Litoral em direção ao interior, serras e vales férteis apresentam roteiros que unem história, natureza e diversão. Em Campina Grande, no Alto da Serra da Borborema, o “Maior São João do Mundo” atrai milhares de turistas para 30 dias de forró. Em Fagundes a famosa pedra de Santo Antonio, palco de peregrinações religiosas em homenagens ao “santo casamenteiro”, é hoje uma das mais procuradas áreas para a prática de Treking. Em Ingá encontraremos as Itacoatiara (pedras riscadas, em Tupi), a mais enigmática presença indígena no Nordeste. Mesorregião da Borborema Área de domínio do Planalto da Borborema, que se constitui num conjunto de terras elevadas, estendendo- se desde o norte do Estado de Alagoas até o sul do Estado do Rio Grande do Norte, na direção SW-NE. Apresenta algumas serras, cujas altitudes variam de500 a 600m. Entre elas, destaca-se a Serra do Teixeira, onde fica o Pico do Jabre, no Município de Maturéia, considerado o ponto mais elevado da Paraíba, com mais de 1000m de altitude. A parte leste da Borborema recebe chuvas vindas do litoral, o que vai influenciar no seu clima e vegetação – são os brejos úmidos. O restante da Borborema está sob o domínio do clima quente e seco. O planalto é um importante divisor de águas porque os rios que ali nascem correm em direção leste e deságuam no oceano Atlântico, enquanto os, enquanto os rios da porção oeste, não conseguindo ultrapassar a Borborema correm em direção ao Estado do Rio Grande do Norte e de lá é que alcançam o Oceano. Na Borborema, vão dominar pastagens plantadas (palma forrageira e capim) que permitirão e facilitarão a prática de uma pecuária extensiva, principalmente a de médio porte, e, em áreas de exceção, pontuais, ocorre a presença de outras culturas. Por exemplo, o tomate nas proximidades de Boqueirão. Em cidades como Prata, Sumé, Serra Branca, Boqueirão e Cabaceiras, a vida desafia a cinza vegetação da Caatinga e revela roteiros de extrema importância
  4. 4. cientifica. No Lajedo de Pai Mateus, município de Cabaceiras, os turistas podem apreciar de perto todo o capricho da natureza. O lugar é hoje visitado por gente do mundo inteiro, todos curiosos em decifrar os enigmas escondidos nas rochas. O Lajedo ficou famoso ao servir de cenário para o filme o Auto da Compadecida, Pai Mateus na verdade foi o nome de um antigo ermitão que durante muitos anos residiu sobre as pedras. Muitos séculos antes, no entanto, índios já haviam deixado suas marcas por ali. Mesorregião do Sertão Paraibano A mais extensa do Estado, conforme pode ser observado no mapa, o Sertão compreende uma extensa área formada de terras baixas (250 a 300m) em relação às elevações da Borborema e das serras situadas nas fronteiras com os Estados vizinhos, onde se faz presente um clima quente e semiúmido. As chuvas são muito escassas, a vegetação pobre, não sendo o solo próprio para a agricultura, porém mais favorável à pecuária. A maioria das culturas agrícolas precisam ser irrigadas. No Sertão, a presença das pastagens permanecem e constituem um forte indicativo da atividade pecuarista. Registrando-se ainda algodão, cana-de-açúcar, arroz, feijão, milho, cultivados em parte para subsistência em áreas onde solo e clima são favoráveis ocorrendo ou não irrigação. Quando há inverno regular, é possível colher muito algodão, cultura que se desenvolve bem nas terras do Sertão. É um prato cheio para quem procura aventura e mistério. Religiosidade cultura e ciência se misturam em roteiros de grande beleza plástica. Achados paleontológicos de mais de 130 milhões de anos fazem do Vale dos Dinossauros, em Sousa, um lugar único no mundo. Ali, em meio ao solo rachado e transformado em pedra pelo tempo, centenas de pegadas registram a época em que os gigantes disputavam territórios. Em Vierópolis, cidadezinha a apenas 20 quilômetros de Sousa, sítios arqueológicos e trilhas pela Caatinga são boas dicas para quem busca um pouco mais de aventura. Outras opções interessantes na região são as águas termais de Brejo Das Freiras, as rochas que compõe a Serra de Teixeira – incluindo aí o ponto culminante do Estado – e o belo artesanato local, a exemplo das famosas redes de São Bento. MICRORREGIÕES GEOGRÁFICAS. 1- Brejo Paraibano É uma das microrregiões do estado brasileiro da Paraíba pertencente à mesorregião Agreste Paraibano. Sua população foi estimada em 2006 pelo IBGE em 114.418 habitantes e está dividida em oito municípios. Possui uma área total de 1.174,168 km². Municípios: - Alagoa Grande - Alagoa Nova - Areia - Bananeiras - Borborema - Matinhas - Pilões - Serraria 2- Cajazeiras É uma das microrregiões do estado brasileiro da Paraíba pertencente à mesorregião Sertão Paraibano. Sua população foi estimada em 2006 pelo IBGE em 161.485 habitantes e está dividida em quinze municípios. Possui uma área total de 3.423,125 km². Municípios: - Bernardino Batista - Bom Jesus - Bonito de Santa Fé - Cachoeira dos Índios - Cajazeiras - Carrapateira - Monte Horebe - Poço Dantas - Poço de José de Moura - Santa Helena - Santarém - São João do Rio do Peixe - São José de Piranhas - Triunfo - Uiraúna 3- Campina Grande É uma das microrregiões do estado brasileiro da Paraíba pertencente à mesorregião Agreste Paraibano. Sua população foi estimada em 2006 pelo IBGE em 492.019 habitantes e está dividida em oito municípios. Possui uma área total de 2.113,326 km². Municípios: - Boa Vista - Campina Grande - Fagundes - Lagoa Seca - Massaranduba - Puxinanã - Queimadas - Serra Redonda 4- Cariri Ocidental É uma das microrregiões do estado brasileiro da Paraíba pertencente à mesorregião Borborema. Sua população foi estimada em 2006 pelo IBGE em 114.164 habitantes e está dividida em dezessete municípios. Possui uma área total de 6.983,601 km². Municípios: - Amparo - Assunção - Camalaú - Congo - Coxixola - Livramento - Monteiro - Ouro Velho - Parari - Prata - São João do Tigre - São José dos Cordeiros - São Sebastião do Umbuzeiro - Serra Branca - Sumé - Taperoá - Zabelê 5- Cariri Oriental É uma das microrregiões do estado brasileiro da Paraíba pertencente à mesorregião Borborema. Sua população foi estimada em 2006 pelo IBGE em 61.388 habitantes e está dividida em doze municípios. Possui uma área total de 4.242,135 km². Municípios
  5. 5. - Alcantil - Barra de Santana - Barra de São Miguel - Boqueirão - Cabaceiras - Caraúbas - Caturité - Gurjão - Riacho de Santo Antônio - Santo André - São Domingos do Cariri - São João do Cariri 6- Catolé do Rocha É uma das microrregiões do estado brasileiro da Paraíba pertencente à mesorregião Sertão Paraibano. Sua população foi estimada em 2006 pelo IBGE em 108.186 habitantes e está dividida em onze municípios. Possui uma área total de 3.037,976 km². Municípios: - Belém do Brejo do Cruz - Bom Sucesso - Brejo do Cruz - Brejo dos Santos - Catolé do Rocha - Jericó - Lagoa - Mato Grosso - Riacho dos Cavalos - São Bento - São José do Brejo do Cruz 7- Curimataú Ocidental É uma das microrregiões do estado brasileiro da Paraíba pertencente à mesorregião Agreste Paraibano. Sua população foi estimada em 2006 pelo IBGE em 110.457 habitantes e está dividida em onze municípios. Possui uma área total de 3.878,476 km². Municípios: - Algodão de Jandaíra - Arara - Barra de Santa Rosa - Cuité - Damião - Nova Floresta - Olivedos - Pocinhos - Remígio - Soledade - Sossêgo 8- Curimataú Oriental É uma das microrregiões do estado brasileiro da Paraíba pertencente à mesorregião Agreste Paraibano. Sua população foi estimada em 2006 pelo IBGE em 96.388 habitantes e está dividida em sete municípios. Possui uma área total de 1.363,492 km². Municípios: - Araruna - Cacimba de Dentro - Campo de Santana - Casserengue - Dona Inês - Riachão - Solânea 9- Esperança É uma das microrregiões do estado brasileiro da Paraíba pertencente à mesorregião Agreste Paraibano. Sua população foi estimada em 2006 pelo IBGE em 49.605 habitantes e está dividida em quatro municípios. Possui uma área total de 274,930 km². Municípios: - Areial - Esperança - Montadas - São Sebastião de Lagoa de Roça 10-Guarabira É uma das microrregiões do estado brasileiro da Paraíba pertencente à mesorregião Agreste Paraibano. Sua população foi estimada em 2007 pelo IBGE em 163.264 habitantes e está dividida em quatorze municípios. Possui uma área total de 1.289,506 km². Municípios: - Alagoinha - Araçagi - Belém - Caiçara - Cuitegi - Duas Estradas - Guarabira - Lagoa de Dentro - Logradouro - Mulungu - Pilõezinhos - Pirpirituba - Serra da Raiz - Sertãozinho 11- Itabaiana É uma das microrregiões do estado brasileiro da Paraíba pertencente à mesorregião Agreste Paraibano. Sua população foi estimada em 2006 pelo IBGE em 105.567 habitantes e está dividida em nove municípios. Possui uma área total de 1.652,197 km². Municípios: - Caldas Brandão - Gurinhém - Ingá - Itabaiana - Itatuba - Juarez Távora - Mogeiro - Riachão do Bacamarte - Salgado de São Félix 12- Itaporanga É uma das microrregiões do estado brasileiro da Paraíba pertencente à mesorregião Sertão Paraibano. Sua população foi estimada em 2006 pelo IBGE em 82.841 habitantes e está dividida em onze municípios. Possui uma área total de 3.053,916 km². Municípios: - Boa Ventura - Conceição - Curral Velho - Diamante - Ibiara - Itaporanga - Pedra Branca - Santa Inês - Santana de Mangueira - São José de Caiana - Serra Grande 13- João Pessoa e é uma das microrregiões do estado brasileiro da Paraíba pertencente à mesorregião Zona da Mata Paraibana. Sua população foi estimada em 2006 pelo IBGE em 983.925 habitantes e está dividida em seis municípios. Possui uma área total de 1.262,316 km². Municípios: - Bayeux - Cabedelo - Conde - João Pessoa - Lucena - Santa Rita 14- Litoral Norte É uma das microrregiões do estado brasileiro da Paraíba pertencente à mesorregião Zona da Mata Paraibana. Sua população foi estimada em 2006 pelo IBGE em 135.467 habitantes e está dividida em onze municípios. Possui uma área total de 1.960,503 km². Municípios: - Baía da Traição - Capim - Cuité de Mamanguape - Curral de Cima - Itapororoca - Jacaraú - Mamanguape - Marcação - Mataraca - Pedro Régis - Rio Tinto 15- Litoral Sul É uma das microrregiões do estado brasileiro da Paraíba pertencente à mesorregião Zona da Mata Paraibana. Sua população foi estimada em 2006 pelo IBGE em 102.988 habitantes e está dividida em quatro municípios. Possui uma área total de 1.042,989 km². Municípios: - Alhandra - Caaporã - Pedras de Fogo - Pitimbu 16- Patos É uma das microrregiões do estado brasileiro da Paraíba pertencente à mesorregião Sertão Paraibano. Sua população foi estimada em 2006 pelo IBGE em 124.018 habitantes e está dividida em nove municípios. Possui uma área total de 2.483,972 km². Municípios: - Areia de Baraúnas - Cacimba de Areia - Mãe d'Água - Passagem - Patos - Quixabá - Santa Teresinha - São José de Espinharas - São José do Bonfim 17- Piancó É uma das microrregiões do estado brasileiro da Paraíba pertencente à mesorregião Sertão Paraibano. Sua população foi estimada em 2006 pelo IBGE em 69.538 habitantes e está dividida em nove municípios. Possui uma área total de 3.285,713 km². Municípios: - Aguiar - Catingueira - Coremas - Emas - Igaracy - Nova Olinda - Olho d'Água - Piancó - Santana dos Garrotes 18- Sapé É uma das microrregiões do estado brasileiro da Paraíba pertencente à mesorregião Zona da Mata Paraibana. Sua população foi estimada em 2006 pelo IBGE em 126.115
  6. 6. habitantes e está dividida em nove municípios. Possui uma área total de 1.139,588 km². Municípios: - Cruz do Espírito Santo - Juripiranga - Mari - Pilar - Riachão do Poço - São José dos Ramos - São Miguel de Taipu - Sapé - Sobrado 19- Seridó Ocidental É uma das microrregiões do estado brasileiro da Paraíba pertencente à mesorregião Borborema. Sua população foi estimada em 2006 pelo IBGE em 37.163 habitantes e está dividida em seis municípios. Possui uma área total de 1.738,436 km². Municípios: - Junco do Seridó - Salgadinho - Santa Luzia - São José do Sabugi - São Mamede - Várzea 20- Seridó Oriental É uma das microrregiões do estado brasileiro da Paraíba pertencente à mesorregião Borborema. Sua população foi estimada em 2006 pelo IBGE em 70.892 habitantes e está dividida em nove municípios. Possui uma área total de 2.608,719 km². Municípios: - Baraúna - Cubati - Frei Martinho - Juazeirinho - Nova Palmeira - Pedra Lavrada - Picuí - Seridó - Tenório 21- Serra do Teixeira É uma das microrregiões do estado brasileiro da Paraíba pertencente à mesorregião Sertão Paraibano. Sua população foi estimada em 2006 pelo IBGE em 109.759 habitantes e está dividida em onze municípios. Possui uma área total de 2.651,051 km². Municípios: - Água Branca - Cacimbas - Desterro - Imaculada - Juru - Manaíra - Maturéia - Princesa Isabel - São José de Princesa - Tavares - Teixeira 22- Sousa É uma das microrregiões do estado brasileiro da Paraíba pertencente à mesorregião Sertão Paraibano. Sua população foi estimada em 2006 pelo IBGE em 175.204 habitantes e está dividida em dezessete municípios. Possui uma área total de 4.784,729 km². Municípios: - Aparecida - Cajazeirinhas - Condado - Lastro - Malta - Marizópolis - Nazarezinho - Paulista - Pombal - Santa Cruz - São Bentinho - São Domingos de Pombal - São Francisco - São José da Lagoa Tapada - Sousa - Vieirópolis - Vista Serrana 23- Umbuzeiro É uma das microrregiões do estado brasileiro da Paraíba pertencente à mesorregião Agreste Paraibano. Sua população foi estimada em 2006 pelo IBGE em 52.345 habitantes e está dividida em cinco municípios. Possui uma área total de 1.167,974 km². Municípios: - Aroeiras - Gado Bravo - Natuba - Santa Cecília - Umbuzeiro RELEVO DA PARAÍBA Imagem de satélite do relevo da Paraíba. 8 A maior parte do território paraibano é constituída por rochas resistentes, e bastante antigas, que remontam a era pré-cambriana com mais de 2,5 bilhões de anos. Elas formam um complexo cristalino que favorecem a ocorrência de minerais metálicos, não metálicos e gemas. Os sítios arqueológicos e paleontológicos, também resultam da idade geológica desses terrenos.  No litoral temos a Planície Litorânea que é formada pelas praias e terras arenosas.  Na região da mata, temos os tabuleiros que são formados por acúmulos de terras que descem de lugares altos. Pedra da Boca de Araruna  No Agreste (e Brejo), temos algumas depressões que ficam entre os tabuleiros e o Planalto da Borborema, onde se encontram muitas serras, como a Serra da Araruna, a Serra de Cuité, Serra da Jurema, Serra do Bodopitá e a Serra de Teixeira. Encontra-se no município de Araruna o Parque Estadual Pedra da Boca.  No sertão, temos uma depressão sertaneja que se estende do município de Patos até após a Serra da Viração. Serra de Teixeira vista de Patos, dando uma dimensão da diferença de altitude entre o Planalto da Borborema e a Depressão Sertaneja. O Planalto da Borborema ou Chapada da Borborema é o mais marcante acidente do relevo do estado. Na Paraíba ele tem um papel fundamental no conjunto do relevo,
  7. 7. rede hidrográfica e nos climas. As serras e chapadas atingem altitudes que variam de 300 a 800 metros de altitude. A Serra de Teixeira é uma das mais conhecidas, com uma altitude média de 700 metros, onde se encontra o ponto culminante da Paraíba, a saliência do Pico do Jabre, que tem uma altitude de 1.197 metros acima do nível do mar, e fica localizado no município de Matureia. O relevo paraibano é modesto, mas não muito baixo: 66% do território se encontra entre 300 e 900 metros de altitude. RELEVO: MAIS DETALHES As terras que formam o Estado da Paraíba, apresentam formas variadas de relevo. No litoral tropical úmido, denominam as seguintes Unidades Geomorfológicas modeladas em rochas sedimentares: - Baixada Litorânea (ou Planície Litorânea) : está presente ao longo da costa formando uma faixa com cerca de 80 a 90km de largura, com altitudes que variam entre 0 e 10 metros, apresentam as seguintes formas de relevo:  As praias: Depósitos arenosos ou terras de várzeas, que ficam junto às embocaduras dos rios que lançam suas águas no Oceano Atlântico.  Restingas: Depósitos arenosos em forma de língua ou flecha.  Dunas: São montes de areia formados pela ação dos ventos.  Mangues: São planícies de marés com vegetação formada por árvores e arbustos. - Baixo Planalto Costeiro (Tabuleiro) : Compreendem os baixos planaltos costeiros. Seus limites com a baixada litorânea são as falésias viva ou mortas.  falésias;  vales fluviais (Várzeas); A partir do Tabuleiro ata a região sertaneja, dominam as Unidades Geomorfológicas modeladas nas rochas cristalinas, com exceção da Bacia do Rio do Peixe, de origem sedimentar:  Depressão Sublitorânea;  Depressão do Curimataú;  Depressão do Rio Paraíba;  Maciço da Borborema (escarpas orientais, superfícies aplainadas, serras e inselbergs);  Pediplano Sertanejo(várias áreas deprimidas entre as cristas das serras distribuídas ao longo das bacias hidrográficas do piranhas e Espinharas);  Bacia do Rio do Peixe. Cada uma dessas grandes unidades geomorfológicas é constituída por formas de relevo diferentes, porque foram trabalhadas por diferentes processos, atuando sob climas distintos e sobre rochas pouco ou muito diferenciadas. Na Baixada Litorânea, o trabalho do mar e dos rios durante o Quaternário deu origem às praias, às restingas e aos estuários(cursos d’água). Na Paraíba, destacam-se os estuários do Rio Paraíba, do rio Mamanguape e do rio Gramame, como os mais extensos. As praias da Paraíba são arenosas. Elas são estreitas no litoral sul, limitadas pelo Baixo Planalto que se aproxima muito do mar, como a praia do Cabo Branco, Penha etc. e são um pouco mais amplas no litoral norte, onde o baixo planalto está mais afastado do oceano, como Lucena, Barra de Mamanguape, Barra de Camaratuba, etc. Em quase todas as praias do litoral sul, percebem-se altos paredões escarpados, quase verticais, cuja base está sempre recebendo o impacto da água marinha, através do movimento das marés. São vertentes orientais do Baixo Planalto Costeiro, que erodidas na base por ação das ondas, vão desmoronando em blocos, formando as “falésias vivas”, como a Ponta do Cabo Branco, de Jacumã, de Gramame, de Tabatinga, entre outras. No litoral norte, o planalto bem mais afastado da linha do mar não recebe mais a ação deste, constituindo as "falésias mortas", ou seja, escarpas que foram modeladas pela erosão marinha em períodos passados, quando o nível do mar era mais elevado que o atual. Ex.: a "falésia morta" do Conjunto João Agripino, no sopé da qual corre o rio Jaguaribe, em João Pessoa. Os tabuleiros variam de altitude de 20 a 30 metros, havendo alguns com até 200 m. São formados pelo acumulo de terras provenientes de lugares mais altos. São terras altamente férteis e próprias para o cultivo da cana-de-açúcar. As planícies aluviais correspondem aos grandes vales formados pelos rios Paraíba e Mamanguape, que cortam os tabuleiros. O Planalto da Borborema constitui a parte mais elevado do relevo paraibano,cruza a Paraíba de Nordeste a Sudeste, com presença de várias serras, com altitude variando entre 500 e 650 metros. Entre as principais serras, podemos destacar a da Araruna, Viração, Caturité, Teixeira, Comissária e outras. Na Serra de Teixeira fica o Pico do Jabre, o ponto mais elevado da Paraíba, com mais de 1.000 metros de altitude. De todas as Unidades Geomorfológicas, as de maior destaque na Paraíba, sobretudo pela sua extensão, são o maciço da Borborema (Planalto da Borborema) e o Pediplano Sertanejo. O Maciço da Borborema constitui um distribuidor de redes hidrográficas em todas as direções e apresenta uma orientação leste-oeste, estendendo-se, no Nordeste, desde Alagoas até o Rio Grande do Norte. Na Paraíba, o Maciço da Borborema ocorre na forma de escarpas abruptas (frente oriental), de extensa superfície elevada aplainada (Planalto da Borborema) que se estende desde a retaguarda da frente escarpada de leste até o limite das suas encostas ocidentais com o Pediplano Sertanejo, e ainda na forma de maciços residuais pouco extensos (serras e inselbergs). O conjunto Geomorfológico, formado pela superfície elevada aplainada da Borborema, configura
  8. 8. uma ampla área planáltica, englobando as regiões conhecidas como Agreste, Cariri e Seridó. Nesta Unidade, a rede hidrográfica é caracterizada por rios temporários de regime torrencial no período chuvoso, destacando-se a alta bacia do Rio Paraíba, a sub-bacia do Rio Taperoá, a alta bacia do Rio Seridó, composta por inúmeros afluentes. Alguns rios tiveram o curso barrado pela construção de açudes, sendo o de Boqueirão, no rio Paraíba, a maior deles. A Serra de Teixeira tem altitude média de 700m e nela encontra-se a saliência do Pico do Jabre (1.100m acima do nível do mar), ponto culminante do Estado, no município de Maturéia. Geralmente, estão, nas serras, as cabeceiras ou nascentes das bacias hidrográficas, a exemplo das nascentes do rio Paraíba, na Serra de Jabitacá; do rio Espinharas, na Serra de Teixeira; do rio Piranhas, na Serra do Bongá, etc. A porção ocidental do Maciço da Borborema, com as serras como as de Santa Luzia e São Mamede, limita a Unidade Geomorfológica classificada como Pediplano Sertanejo. A depressão sertaneja se inicia em Patos, após a serra da viração. Constituem um conjunto de terras baixas, ocupando uma área extensa entre a Borborema e as terras situadas nos estados vizinhos. CLIMA DA PARAÍBA A distribuição dos climas da Paraíba está relacionada com a localização geográfica, ou seja, quanto mais próximo do litoral, mas úmido será o clima; quanto mais longe, mais seco. Três tipos climáticos ocorrem na Paraíba: o Clima tropical quente-úmido, com chuvas de outono- inverno (As')¹, o Clima semiárido quente (BSh)² e o Clima quente semi-úmido, com chuvas de verão (Aw')³. O primeiro ocorre na baixada litorânea e no rebordo oriental da Borborema. As temperaturas médias anuais oscilam entre 24° C, na baixada, e 22° C no topo do planalto. A pluviosidade, de mais de 1.500mm junto à costa, no interior cai até 800mm, no rebordo do Borborema. Aí, em torno da cidade de Areia, volta a subir e chega a ir além de 1.400mm. O trecho mais úmido da Borborema, chamado Brejo, é uma das melhores áreas agrícolas do estado. Classificação climática de Köppen: ¹As : clima tropical com estação seca de Verão. ²BSh: clima das estepes quentes de baixa latitude e altitude. ³Aw : clima tropical com estação seca de Inverno Essa variação climática do litoral para o interior reflete-se, também, na ocorrência de diferentes tipos de solo e vegetação do Estado. Verifica-se na Paraíba a ocorrência dos seguintes climas: Clima Tropical quente-úmido – Domina o litoral, a região da mata e parte do agreste. Com chuvas abundantes (média anual de 1.800 mm) e temperatura média anual de 26°C. Com essas características, esse tipo climático domina em todo o litoral. Nessa região aparecem os solos arenosos das praias e restingas. No agreste há trechos quase tão úmidos quanto às áreas da mata e outros muitos secos. Por outro lado, em virtude da altitude em torno de 600 metros alguns municípios do Brejo, no agreste paraibano, possuem um dos climas mais agradáveis da Paraíba, com temperaturas variando de 20º a 24º. A formação do Agreste ocorre em faixas entre o Brejo úmido e o Cariri semi-árido, ou seja, em área de transição climática. Clima semi-árido – Com chuvas de verão, predomina no Cariri, no Seridó, em grande parte da Borborema e do sertão. Sua principal característica não é a ausência de chuvas, mas sua irregularidade. Depois do Brejo, em toda porção aplainada elevada da Borborema e nos vales que cortam, como os do rio Paraíba, Curimataú, Taperoá, Seridó, etc., a semiaridez do clima caracteriza a paisagem. Esse clima, quente e seco, com chuvas de verão, alcançam os índices mais baixos de precipitação do estado, com média anual de 500 mm e temperatura média anual é de 26°C. Os municípios de Barra de Santa Rosa e Cabaceiras (O menor índice pluviométrico anual do Brasil é registrado no município de Cabaceiras, 279mm), apresentam índices inferiores a 300 mm, e constituem, juntamente com Acari - RN, o chamado "triângulo mais seco do Brasil". Sob
  9. 9. essas condições, desenvolve-se a vegetação de caatinga das regiões do Cariri e Curimataú paraibanos; Clima Tropical semiúmido – Chuvas de verão – outono, estende-se pela região do sertão. Chove mais do que na região semiárida, porém por conta das altas temperaturas e da evaporação a água disponível e insuficiente para o consumo. As chuvas de verão-outono alcançam, em média, 800 mm anuais determinadas pelas massas quentes úmidas oriundas da Amazônia. A temperatura média anual é de 27°C. Esse tipo de clima domina todo o Pediplano Sertanejo, embora com precipitações menos baixas que as do Cariri, também está sujeito ao fenômeno das secas, porque as suas chuvas são igualmente irregulares. A vegetação de caatinga foi sendo degradada ao longo do tempo para a ocupação do solo com o algodão, milho e ainda com o pasto para criação do gado, principal atividade econômica. Chuvas Horográficas ou Chuvas de Relevo: Explicação porque acontecem as secas no Sertão. Hidrografia Na hidrografia da Paraíba, os rios fazem parte de dois setores, Rios Litorâneos e Rios Sertanejos. O estado encontra-se com 97,78% de seu território dentro do polígono das secas, segundo dados da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO).9 Na Paraíba existem muitos açudes entre eles o maior é o Açude Coremas/Mãe D'água que tem capacidade para 1.358.000.000 metros cúbicos ele está localizado na cidade de Coremas e abastece várias cidades do Sertão paraibano. Cinco maiores açudes da Paraíba: 1° - Coremas / Mãe D'água: 1.358.000.000 2° - Boqueirão: 411.686.287 3° - Cajazeiras - Engenheiro Ávidos: 255.000.000 4° - Itatuba - Acauã (Argemiro de Figueiredo): 253.000.000 5° - Nova Olinda - Saco: 97.488.089 Rios Litorâneos - são rios que nascem na Serra da Borborema e vão em busca do litoral paraibano, para desaguar no Oceano Atlântico. Entre estes tipos de rios podemos destacar: o Rio Paraíba, que nasce no alto da Serra de Jabitacá, no município de Monteiro, com uma extensão de 360 km de curso d'água e o maior rio do estado. Também podemos destacar outros rios, como o Rio Curimataú e o Rio Mamanguape. Rios Sertanejos - são rios que vão em direção ao norte em busca de terras baixas e desaguando no litoral do Rio Grande do Norte. O rio mais importante deste grupo é o Rio Piranhas, que nasce na Serra do Bongá, perto da divisa com o estado do Ceará. Esse rio é muito importante para Sertão da Paraíba, pois através desse rio é feita a irrigação de grandes extensões de terras no sertão. Tem ainda outros rios, como o Rio do Peixe, Rio Piancó e o Rio Espinharas, todos afluentes do Rio Piranhas. Os rios da Paraíba estão inseridos na Bacia do Atlântico Nordeste Oriental e apenas os rios que nascem na Serra da Borborema e na Planície Litorânea são perenes. Os outros rios são temporários e correm em direção ao norte, desaguando no litoral do Rio Grande do Norte. Dica de Vídeo - Acesse no You Tube: Geografia da Paraíba. Pense: Se posso mudar meu amanhã para melhor, Por que não começar hoje?

×