SlideShare uma empresa Scribd logo
CRIAÇÃO FAMILIAR
DE AVES
DE CORTE E POSTURA
EMTER-MG
EMPRESA DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO
RURAL DO ESTADO DE MINAS GERAIS
CRIAÇÃO FAMILIAR
DE AVES
DE CORTE E POSTURA
Autores: Med. Vet. Expedito José Pinto
Tecº Agrº Esaú Gonçalves Neto
2005
ÍNDICE
Apresentação 02
Introdução 02
Seleção de Plantel 03
Introdução de Aves melhoradas 03
Preparo das instalações 05
Equipamentos 06
Manejo 07
Alimentação 09
Água 10
Manejo de aves adultas 11
Sanidade 14
Profilaxia 15
Anexos 16
Referências Bibliográficas 17
1. APRESENTAÇÃO
Este Manual tem como finalidade subsidiar a todos os pequenos produtores rurais que exploram a
atividade avícola destinada a produção de carne e ovos, visando o consumo familiar e muita das vezes,
tendo a atividade como uma fonte de renda.
Neste documento procuramos evidenciar de maneira simples, um conjunto de técnicas de manejo
para a atividade, com a finalidade de aumentar a produção e a produtividade da exploração, usando os
sistemas de confinamento e semiconfinamento.
2. INTRODUÇÃO
A Avicultura brasileira iniciou com Cabral, que trouxe para o Brasil os primeiros exemplares de
aves de raça pura. Estas aves eram criadas soltas a campo e daí originou o nome popular de Galinha
Caipira, nome originário do tupi guarani.
Devido ao sistema de produção utilizada até hoje, estas aves sofreram um processo de
degeneração, com conseqüente perda de produção e produtividade, porém ainda são criadas em mais de
80% das propriedades mineiras.
O consumo per capita de carne de frango pela população brasileira teve um aumento significativo
nos últimos dez anos, passando de 11,8 kg em 1988 para 24,7 kg em 1998.
O consumidor por sua vez, procura cada vez mais, produtos com menores índices de aditivos
químicos, valorizando cada vez mais a atividade da Avicultura Familiar.
3. SELEÇÃO DO PLANTEL
Com este trabalho, pretendemos provocar uma seleção do plantel existente visando seu
melhoramento, descartando as aves que não se enquadram nos itens abaixo.
Escolha das galinhas:
 Selecionar as galinhas que demonstram ser saudáveis, sem defeitos físicos e dóceis;
 Boa conformação corporal;
 Cristas e barbelas bem desenvolvidas;
 Por ovos com frequência e de bom tamanho com formato regular;
 Menor tendência ao choco e manter-se em postura quanto a maioria das galinhas
estiverem em muda.
Escolha do galo:
 Devem ser vigorosos, sadios, não apresentando defeitos físicos ou de aprumo;
 Musculosos e pesados;
 Sexualmente ativos;
 Manter a produção de um galo para dez galinhas;
 Ser mantido no plantel no máximo 30 meses.
4. INTRODUÇÃO DE AVES MELHORADAS
É possível provocar o melhoramento genético do plantel, sem precisar mudar o sistema de
produção e com pouco investimento.
Para tanto recomendamos a introdução de aves já melhoradas geneticamente que serão cruzadas
com aves do plantel previamente selecionadas.
As aves que recomendamos deverão apresentar características de dupla aptidão – carne e ovos.
 Raças puras:
- Rhode Island Red
- Plymouth Rock Barred
- New Hampshire
- Brahma Light
 Aves híbridas de ovos vermelhos:
- Isa Browm;
- Hy-Linc Browm;
- Shaver Browm;
- Caipira Negra (280 ovos/ano)
- Label Rouge (180 avos/ano)
 Aves híbridas para corte:
- Canadense – Paraíso Pedrês;
- Pesadão Americano – Caipira Pesadão
- Label Rouge – Pescoço Pelado
5. INSTALAÇÕES
Localização: Locais secos, livres de inundações, proteção natural contra ventos fortes, água de
boa qualidade e localizadas no mínimo a 50m da residência, isolada do fluxo normal de trânsito e de
pessoal.
Materiais utilizados: utilizar, de preferência, material disponível na propriedade que permita
manejar as aves corretamente.
Galinheiro:
Beiral 1m – 45º
1.1. Pé direito – 3 m d Tela – Fio 18 (Malha 1
½”)
Mureta – 25 cm (máx. – 30 cm)
 Piso concretado ou de terra batido;
 Paredões laterais – 25 a 30 cm de altura alvenaria ou tábuas e completado até o teto com tela de arame
fio 18, malha de 1 ½”, trelissa, bambú ou madeira;
 Cobertura – cimento amianto, sapé, telha de barro;
 Utilizar 4 aves por m2;
 Orientação leste/oeste;
 Pé direito – 2,80 a 3,00 m;
 Fazer um canal em volta da instalação para escoamento da água de chuva;
 Dividir o galinheiro em três partes distintas:
Abrigo de reprodução:
 Ninhos: 1 para 4 aves – com madeira ou outro material disponível – dimensões: 35 x 35 x 35 e com
altura do piso de 20 cm. Com fundo para a casa de ração;
 Poleiro: 20 cm/ ave espaçadas 40 cm e distante do piso 50 cm;
 Bebedouro: Tipo calha – feito em bambu, tubo de PVC ou chapa galvanizada, 2,5 cm/ave;
 Bebedouro pendular: 1 para cada 100 aves;
 Comedouro: Tipo cocho em madeira, bambu. Utilizar 5 cm linear por ave;
 Comedouro tubular: 1 para cada 40 aves;
 Cocho para minerais;
 Iluminação: 1 lâmpada de 15 Watts para cada 5 m2;
6. PREPARO DAS INSTALAÇÕES
 Limpeza e desinfecção – O local de alojamento das aves deve sofrer uma completa limpeza através
de varrição e lavagem com água e sabão em todo o galpão, inclusive as paredes, telas e teto. Após a
limpeza, fazer desinfecção do mesmo, usando uma solução de Creolina associada com outra solução
desinfetante.
Ex.: Creolina(5%) + Lorasol(0,07%) ou Creolina(5%) + Formol (10%)
Usar Vassoura de Fogo para queimar os resíduos de penas e cama.
 Caiação: A caiação deve ser usada para monitoramento do galpão que foi lavado e desinfetado, além
de promover uma melhoria visual do ambiente (Cal não é desinfetante).
 Cortinas: As cortinas são de fundamental importância para a exploração, evitando as correntes de ar
no ambiente, regulando a temperatura e mantendo o conforto térmico para as aves. Usar cores suaves
como o Azul Claro e amarelo, que transmitem sensação de calma às aves.
 Cama: Material seco e triturado para absorver umidade das fezes e urina, e isolamento térmico do
piso do galpão.
Características essenciais:
Partículas homogêneas (material picado ou triturado), livre de material estranho.
Capacidade de absorver umidade, evitando formação de plastras.
Liberar facilmente a umidade absorvida.
Baixa condutividade térmica (isolamento do piso).
Boa capacidade de amortecimento, mesmo sob alta densidade.
Umidade em torno de 20 a 25%.
Livre de fungos e substâncias tóxicas.
Baixo custo e boa disponibilidade.
Materiais recomendados:
Sabugo triturado
Casca de arroz (inteira ou triturada)
Maravalha ou serragem de madeira
Capim picado e seco
OBS.: Forrar a cama com jornal nos primeiros 3 dias.
Tratamento de cama contra fungos:
Sulfato de Cobre – 3 a 4% (300 a 400 gr/10 l água)
Pulverizar e revirar após 2 a 3 horas.
Repetir a aplicação após 2 a 3 dias.
7. EQUIPAMENTOS
 Círculo de Proteção: Chapa de Eucatex - 50 cm
Lotação:
h=50 cm 25 a 30/ m2
 Fonte de Calor: Gás ou Elétrico
1 : 500
 Comedouros: Bandeja - 1 : 60
40 cm
50 cm 4 cm
 Bebedouros:
Pressão (2 l) – 1:60 Tubo PVC – 2,5cm/ave Latas usadas
8. MANEJO
Pintainhos:
Grande mortalidade dos pintainhos é verificada nas criações em que não se usa nenhuma
tecnologia.
Os pintainhos requerem maiores cuidados principalmente nos primeiros 20 dias, pois ele não tem
capacidade de regular sua temperatura corporal, por este motivo eles devem ser aquecidos pelas mães ou
por aquecimento artificial.
Após o nascimento deverão ser retiradas do ninho as cascas de ovos quebrados e o material que
foi utilizado no ninho como forro, trocando-o por material limpo e seco e deixar que a galinha abrigue
sua ninhada.
Nas primeiras 24 horas após o nascimento não precisa dar alimentação para os pintainhos, quando
o produtor colocar para chocar várias galinhas e a eclosão não for uniforme pode-se juntar as ninhadas de
forma que cada galinha não tome conta de mais de 15 pintainhos.
Quando a propriedade for dotada de energia elétrica os pintainhos poderão ser colocados em
pinteiros providos de comedouros, bebedouros e aquecimento através de uma lâmpada elétrica ou
campânula à gás, que será usada 10 dias no verão e 15 dias no inverno.
Regulagem da fonte de calor:
Fig.1 - Quente Fig.2 - Frio Fig.3 - Ideal (30 a 33ºC)
A temperatura no interior do círculo de proteção deve ser regulada levantando ou abaixando a
lâmpada ou campânula a gás, de acordo com o comportamento das aves.
Quando os pintainhos amontoarem debaixo da fonte de aquecimento é sinal que estão com frio ou
quando se afastarem muito da fonte indica que está muito quente ou quando se amontoarem em um lado
do círculo de proteção (Fig 2), indica que há corrente de ar frio, neste caso verificar as cortinas.
Quando no interior do círculo de proteção a temperatura atinge um nível ideal, os pintainhos se
sentem calmos, alimentando normalmente ou dormindo por isso é chamada de temperatura de Conforto
Térmico, que pode ser visualizada no quadro a seguir:
Conforto Térmico:
Idade das aves (dias) Temperatura (O
C)
01 a 07 32
08 a 14 29
15 a 21 26
22 a 28 23
29 a 35 20
Fonte: SADIA S/A
ESQUEMA DE MONTAGEM DO CÍRCULO DE PROTEÇÃO
Comedouro Gás
Círculo de proteção Campânula
Bebedouro
Cama forrada com jornal
OBS.: a)Ligar a fonte de calor 2 horas antes da chegada dos pintainhos.
b)Forrar a cama com jornal durante os três primeiros dias.
c)Trocar a cama molhada, colocando nova cama seca no local.
9. ALIMENTAÇÃO
9.1. FASE INICIAL – 1 a 30 dias:
a) Primeira semana:
Hidratação (imediatamente após a chegada): Fornecer água com açúcar (5%) - 50 gr/litro (2,5 a 3
horas), ou utilizar o soro caseiro - 1 litro de Água, 50 gr de açúcar e 5 gr de sal.
Vitaminas: Vitagold - 2 ml/litro durante 6 dias
Antibiótico: Do 2º ao 6º dia - Dosagem preventiva. Ex.: Quemicetina – 30 gotas em 1 litro d’água
Ração: Fornecer Ração Inicial à vontade, a partir de 3 horas (após hidratação). Esta ração deve
possuir boa homogeneidade da granulometria, pois é nesta fase é que a ave realiza a definição do
tamanho da partícula. Fornecer a ração em 4 a 5 tratos ao dia, em comedouros tipo bandeja, ou copo tipo
pressão com pouca ração nos comedouros que deverá ser peneirada para retirada das impurezas.
Neste período o consumo médio de ração é de aproximadamente 1 kg, por ave.
Água: A água deve ser de boa qualidade, com tratamento à base de cloro, fornecida em
bebedouros limpos e desinfetados. Lavar os bebedouros e trocar a água de 4 a 5 vezes ao dia.
b) 2ª à 4ª semana:
 Ração inicial – mínimo 2 tratos diários
 Água - Trocar no mínimo 2 vezes ao dia e lavar os bebedouros
9.2. FASE DE CRESCIMENTO (30 a 60 dias)
Após 30 dias o empenamento estará completo e as aves poderão ser soltas lentamente onde irão
adquirir o hábito de ciscar e procurar alimento, e receberão o mesmo manejo das aves adultas.
Nesta fase inicia-se a seleção das melhores aves para a reprodução; as demais serão engordadas e
vendidas para o abate.(machos e fêmeas).
Os machos neste período são facilmente reconhecidos, estes são mais fortes que as fêmeas (mais
ou menos 20%) e também têm a crista bem mais vermelha.
A partir desta fase as aves passam a receber um trato diferenciado de acordo com o sistema de
exploração, conforme descrito a seguir:
Criação confinada: Fornecer ração de crescimento à vontade, através de dois tratos diários, em
comedouros pendulares ou cochos, tendo o cuidado de fazer um revolvimento da ração contida no
comedouro para sua homogeinização.
Criação semi-confinada: Ração de crescimento na proporção de 50 gr/ave/dia fornecida em dois
tratos diários.
Fornecer suplementação verde à vontade ou soltar as aves em piquete para pastejo direto em
sistema rotativo.
No caso de fornecer a suplementação verde, utilizar uma das seguintes forragens:
 . Capim (diversos)
 . Cana triturada
 . Feijão Guandú
 . Girassol
 . Confrey
 . Ramí
 . Restos de hortaliças
 . Frutos diversos
 . Dejetos de suíno (seco)
A partir desta fase, fornecer às aves uma fonte de Cálcio através de Calcário Calcítico – Pedrisco
e uma fonte de Fósforo através de Farinha de Ossos Autoclavada. Estes produtos são de extrema
importância na alimentação das aves, principalmente o Calcário Pedrisco que além de fornecer Cálcio,
tem a função de promover o fortalecimento da musculatura da moela, onde os alimentos são triturados.
10.ÁGUA
Água é de vital importância para a criação, tanto para bebida quanto para a manutenção geral do
aviário. A quantidade de água consumida pelas aves normalmente é o dobro do que consomem em
alimento. O fornecimento da água deve ser em toda a fase de sua vida pura e fresca, para satisfazer as
necessidades metabólicas.
Água sempre limpa oriunda de cisterna, poço ou nascente canalizada, com tratamento à base de
cloro, trocada pelo menos duas vezes ao dia.
Exemplo de clorador:
Caps 40 mm
Bóia
Clorador
Caixa D’água Tubo PVC 40 mm Furos
4 a 5 mm
Pastilhas de Cloro
20 cm
Consumo de Água - Frangos de Corte (1000 aves)
Período – Verão / Inverno
Quantidade de água (l/dia)
Semana Verão Inverno
1 35 31
2 72 52
3 108 75
4 148 98
5 197 123
6 234 149
7 256 173
Fonte: Rio Branco Alimentos Ltda
11.MANEJO DAS AVES ADULTAS
As aves de reprodução que permanecerão no plantel, devem ser sadias e estar em bom estado
físico. Os machos também devem ser sadios, vigorosos e bons reprodutores.
Recomenda-se um galo para 10 galinhas para haver uma boa fertilidade.
Ninhos – deve-se utilizar 1 ninho para 4 galinhas e estes devem ser fechados à noite, para evitar
que as aves durmam nele e serão colocados em locais que ficarão na penumbra, pois ninhos muito claros
no seu interior as aves rejeitam e muito escuro as aves aninham.
A cama do ninho deve ser macia e confortável, feita com materiais como capim seco picado,
casca de arroz, serragem e folha de fumo, que contribui para o controle ao piolho e sarna, deve ser
mantido sempre limpo e com espessura de 7 a 10 cm.
Os ovos devem ser colhidos diariamente e terão dois destinos: os destinados à comercialização,
os quais devem ser limpos e guardados em ambientes frescos, geladeiras ou caixas de isopor, a fim de
preservar sua qualidade. Deve-se ter o cuidado de armazenar os ovos com a extremidade mais fina
voltada para baixo, a fim de preservar a câmara de ar.
Ovos para incubação – devem ser colhidos mais vezes ao dia, sem trincas, sem sujeiras, tamanho
médio para grande, formato normal, condicionamento em pentes com extremidade maior voltada para
cima e num período máximo de 7 dias.
Para haver uma boa eclosão deve-se colocar de 9 a 13 ovos para que a galinha o cubra totalmente.
Próximo aos ninhos onde as galinhas estão chocando deve haver água e ração à vontade.
As aves devido à idade, desenvolvimento sexual incompleto, e com inicio de mudas precoces não
produzem ovos e portanto, devem ser descartadas.
Apresentamos a seguir um quadro para facilitar a seleção de galinhas em produção:
CARACTERES AVES EM POSTURA AVES FORA DE POSTURA
1) Crista e barbela Grande, vermelho vivo macia e
lustrosa.
Escura, ressequida, enrugada e
escamosa -
2) Cloaca Forma ovalada, aumentada de
tamanho, úmida e macia
Redonda, pequena, enrugada e
seca.
3) Bico e canela Esbranquiçados e canela achatada Amarelos e canela roliça
4) Plumagem Gasta, pequenas, quebradas e
sujas
Bonita, completa e sem Pontas
quebradas.
5) Ossos pélvicos Finos, flexíveis e muito
bem separados, cabendo dois ou
mais dedos
Duros, rígidos e próximos.
6) Abdomen Distendido, flácido fino e suave. Contraído, duro e espesso
É importante deixar boas chocadeiras para se fazer incubação natural dos ovos.
A postura ocorre com freqüência aproximadamente até 10 horas da manhã, portanto neste
período as aves devem ficar presas.
11.1. ALIMENTAÇÃO
Toda ave, mesmo sendo caipira e mais resistente que as aves industriais, deve receber uma ração
mais balanceada e suplementação de volumoso capaz de atender suas exigências nutricionais.
A ração balanceada deve ser fornecida em comedouros no interior do galinheiro na base de 60 g
por dia por ave e cocho com mistura mineral para o consumo à vontade.
Área de pastagem recomendada para cada ave adulta é de aproximadamente 10m2, podendo-se
utilizar Capim Quicuio, Brachiaria, Tifton, Coast Cross, Grama Estrela, quando houver área disponível
recomenda-se dividir a área em piquetes e fazer manejo rotativo. Pode-se utilizar restos de hortaliças.
Sugerimos o plantio de Feijão Guandu, Ramí, Confrey e Girassol que serão fornecidos às aves
como complemento alimentar.
TABELA 1 – Rações Fareladas de Produção Caseira
Exemplo 1
INGREDIENTE QUANTIDADE NECESSÁRIA PARA 100 KG
DE RAÇÃO (Quilos)
Fubá de milho 73
Farelo de soja 22
Farinha de carne e ossos 5
Exemplo 2:
INGREDIENTE QUANTIDADE NECESSÁRIA PARA 100 KG
DE RAÇÃO (Quilos)
Fubá de milho 43
Quirera de arroz 30
Farelo de soja 22
Farinha de carne e ossos 5
Exemplo 3:
INGREDIENTE QUANTIDADE NECESSÁRIA PARA 100 KG
DE RAÇÃO (Quilos)
Fubá de milho 62
Farelo de soja 18
Feijão –Guandu 20
TABELA 2- Sugestão de Mistura Mineral em nível de campo
Exemplo 1:
INGREDIENTE PORCENTAGEM (%) QUANTIDADE (Quilos)
Fosfato de Patos de Minas 42 21,00
Calcário 57 28,50
Sal comum 1 0,50
TOTAL MISTURA 100 50,00
Exemplo 2;
INGREDIENTE PORCENTAGEM (%) QUANTIDADE (Quilos)
Calcário 68,0 34,0
Farinha de ossos calcinada 31,0 15,5
Sal comum 1,0 0,5
TOTAL MISTURA 100,0 50,0
11.2. SANIDADE
A saúde é importante para que as aves sejam boas produtoras de carne e ovos. A manutenção da
saúde é um conjunto de práticas que envolvem isolamento, higiene, profilaxia e combate sistemático a
vermes e parasitas. Para introduzir aves no plantel, estas devem passar por um período de isolamento de
no mínimo 10 dias.
Todas as instalações e equipamentos e arredores da criação deverão ser limpos, lavados e
desinfetados a cada 15 dias.
Sugerimos uma solução de água e Creolina na proporção de 3 a 5%.
Apresentamos a seguir uma sugestão de solução desinfetante para caiação de ninhos, pinteiros e
galpões.
TABELA 3 – Solução Desinfetante para Caiação.
PRODUTO UNIDADE QUANTIDADE
Água Litros 24
Cal extinta Quilos 1,800
Creolina Litros 0,120
O piso das instalações deve ser forrado com uma “cama” que poderá ser de capim picado e seco,
casca de arroz, sabugo de milho triturado, cepilho de madeira etc.
Deve-se usar de 700 g a 1 kg de material de cama para cada m2 de instalação. Esta deverá ser
substituída a cada 90 dias ou parte da cama quando for molhada.
As poças d’água estagnadas e brejos devem ser esgotados e ou isolados e os entulhos limpos
retirados.
11.3. PROFILAXIA
Para esta criação recomendamos um programa mínimo de vacinação para controle de algumas
doenças.
Esquema de Vacinação
IDADE DOENÇA TIPO DE VACINA VIA DE APLICAÇÃO
10/15 dias New Castle La Sota (Peste aviaria) Ocular
35/40 dias New Castle La Sota (Peste aviaria) Ocular
80/85 dias New Castle La Sota (Peste aviaria) Ocular
3/3 meses New Castle La Sota (Peste aviaria) Ocular
15 dias Bouba Cepa Suave (Caroço Pipoca) Membrana da Asa
45 dias Bouba Cepa Forte (Caroço Pipoca) Membrana da Asa
4/4 meses Cólera Aviaria Solução Aquosa Intramuscular (peito/coxa)
OBSERVAÇÃO: As vacinas devem ser mantidas na geladeira (Fora do congelador). Deve-se
verificar a data de vencimento. As sobras de vacinas e frascos devem ser incinerados ou enterrados.
Vermifugação: Aplicar vermífugo a base de Piperazina ou Mebendazoli de 4 em 4 meses para
todas as aves via água ou ração conforme recomendação da bula.
Combate a Ectoparasitas:
Sarna/piolhos: quando ocorrer estes tipos de parasitas deve-se fazer um polvilhamento ou
pulverização de todas as instalações e equipamento e nas próprias aves, com drogas específicas.
Observação: seguir as recomendações do fabricante.
Casa de Ração:
- No seu interior estão localizados o fundo dos ninhos por onde serão colhidos
ovos;
- Dimensões: 4,40 x 2m.
ANEXOS
- Planta de galinheiro
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
1- Criação de galinhas caipiras – nº 1 – Evandro de A Fernandes. Belo Horizonte – setembro 1996 – 20
pag.
2- Criação de galinhas caipiras – Helio Abdalla Brandão- Bom Jesus do Do Galho – novembro 1991.
3- Manual do criador de frango e galinha caipira – Gessulli Eddoas Ltda – São Paulo.
4- Criação de galinha – nº 2- Evandro de A Fernandes – Belo Horizonte-Setembro l986- 24 pag.
5- Experiências de campo – Med. Vetº. Eros da Silva Netto e Med. Vetº Expedito José Pinto.
6- Recomendações técnicas de frango de corte – Med. Vetº Expedito José Pinto, Med. Vetº Eros da
Silva Netto , Med. Vetº Dirceu Alves Ferreira, Engº Agrº Marino Couto Morais – Belo Horizonte-
1995.
7- Manual Técnico de Criação de Galinhas Caipiras – Med. Vetº Expedito José Pinto, Med. Vetº Eros
da Silva Netto, Med. Vetº Dirceu Alves Ferreira, Engº Agrº M.S. Marino Couto Morais,
Zootecnista M.S. João Ricardo Albanez – Belo Horizonte- 1995.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Avicultura de postura
Avicultura de posturaAvicultura de postura
Avicultura de postura
Julihilda Araujo
 
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Rural Pecuária
 
Panorama da avicultura
Panorama da aviculturaPanorama da avicultura
Panorama da avicultura
Marília Gomes
 
Projeto galinheiro
Projeto galinheiroProjeto galinheiro
Projeto galinheiro
caslemos24
 
Instalações rurais (Bem estar animal)
Instalações rurais (Bem estar animal)Instalações rurais (Bem estar animal)
Instalações rurais (Bem estar animal)
Jacqueline Gomes
 
Avicultura de Corte (2).pdf
Avicultura de Corte (2).pdfAvicultura de Corte (2).pdf
Avicultura de Corte (2).pdf
GeovanaVasconcelos8
 
Avicultura
AviculturaAvicultura
Avicultura
matheush
 
Manejo de pastagem
Manejo de pastagemManejo de pastagem
Manejo de pastagem
LarissaFerreira258
 
Forragicultura aula1
Forragicultura aula1Forragicultura aula1
Forragicultura aula1
Natália A Koritiaki
 
7 instalações para bovinos de leite
7   instalações para bovinos de leite7   instalações para bovinos de leite
7 instalações para bovinos de leite
garciagotaeficiente
 
Cap. 4 - Manejo de frangos de corte (Parte 1).pptx
Cap. 4 - Manejo de frangos de corte (Parte 1).pptxCap. 4 - Manejo de frangos de corte (Parte 1).pptx
Cap. 4 - Manejo de frangos de corte (Parte 1).pptx
JoilsonEcheverria
 
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e EquinosRaças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
Renata Lara
 
Raças de suínos
Raças de suínosRaças de suínos
Raças de suínos
Marília Gomes
 
Frango corte
Frango corteFrango corte
Frango corte
mvezzone
 
Instalações para aves
Instalações para avesInstalações para aves
Instalações para aves
claudioagroecologia
 
Melhoramento genético de suínos
Melhoramento genético de suínosMelhoramento genético de suínos
Melhoramento genético de suínos
Brunna Silva Moreira
 
Poedeiras
PoedeirasPoedeiras
Poedeiras
MESQUITA D. N.
 
Aula 1 - Introdução - Ruminantes.ppt
Aula 1 - Introdução - Ruminantes.pptAula 1 - Introdução - Ruminantes.ppt
Aula 1 - Introdução - Ruminantes.ppt
MirianFernandes15
 
Suínocultura
SuínoculturaSuínocultura
Suínocultura
Med. Veterinária 2011
 
Aves caipiras
Aves caipirasAves caipiras
Aves caipiras
João Batista Pereira
 

Mais procurados (20)

Avicultura de postura
Avicultura de posturaAvicultura de postura
Avicultura de postura
 
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
 
Panorama da avicultura
Panorama da aviculturaPanorama da avicultura
Panorama da avicultura
 
Projeto galinheiro
Projeto galinheiroProjeto galinheiro
Projeto galinheiro
 
Instalações rurais (Bem estar animal)
Instalações rurais (Bem estar animal)Instalações rurais (Bem estar animal)
Instalações rurais (Bem estar animal)
 
Avicultura de Corte (2).pdf
Avicultura de Corte (2).pdfAvicultura de Corte (2).pdf
Avicultura de Corte (2).pdf
 
Avicultura
AviculturaAvicultura
Avicultura
 
Manejo de pastagem
Manejo de pastagemManejo de pastagem
Manejo de pastagem
 
Forragicultura aula1
Forragicultura aula1Forragicultura aula1
Forragicultura aula1
 
7 instalações para bovinos de leite
7   instalações para bovinos de leite7   instalações para bovinos de leite
7 instalações para bovinos de leite
 
Cap. 4 - Manejo de frangos de corte (Parte 1).pptx
Cap. 4 - Manejo de frangos de corte (Parte 1).pptxCap. 4 - Manejo de frangos de corte (Parte 1).pptx
Cap. 4 - Manejo de frangos de corte (Parte 1).pptx
 
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e EquinosRaças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
 
Raças de suínos
Raças de suínosRaças de suínos
Raças de suínos
 
Frango corte
Frango corteFrango corte
Frango corte
 
Instalações para aves
Instalações para avesInstalações para aves
Instalações para aves
 
Melhoramento genético de suínos
Melhoramento genético de suínosMelhoramento genético de suínos
Melhoramento genético de suínos
 
Poedeiras
PoedeirasPoedeiras
Poedeiras
 
Aula 1 - Introdução - Ruminantes.ppt
Aula 1 - Introdução - Ruminantes.pptAula 1 - Introdução - Ruminantes.ppt
Aula 1 - Introdução - Ruminantes.ppt
 
Suínocultura
SuínoculturaSuínocultura
Suínocultura
 
Aves caipiras
Aves caipirasAves caipiras
Aves caipiras
 

Destaque

Tabelas de vacinação aviária
Tabelas de vacinação aviáriaTabelas de vacinação aviária
Tabelas de vacinação aviária
Boi Forte Distribuidora
 
Abc criação de galinhas caipiras
Abc criação de galinhas caipirasAbc criação de galinhas caipiras
Abc criação de galinhas caipiras
Lenildo Araujo
 
Sistemaproducao Galinha Caipira
Sistemaproducao Galinha CaipiraSistemaproducao Galinha Caipira
Sistemaproducao Galinha Caipira
Lenildo Araujo
 
Aves semiconfinadas
Aves semiconfinadasAves semiconfinadas
Aves semiconfinadas
Alexandre Panerai
 
Criacao organica de_aves
Criacao organica de_avesCriacao organica de_aves
Criacao organica de_aves
Joyce Muzy
 
Manual da Produção de Aves Caipiras
Manual da Produção de Aves CaipirasManual da Produção de Aves Caipiras
Manual da Produção de Aves Caipiras
Sérgio Amaral
 
Manejo galinhas caipiras_sistemas_organicos
Manejo galinhas caipiras_sistemas_organicosManejo galinhas caipiras_sistemas_organicos
Manejo galinhas caipiras_sistemas_organicos
Lenildo Araujo
 
Avicultura
AviculturaAvicultura
ABC Como cultivar a banaeira
ABC Como cultivar a banaeiraABC Como cultivar a banaeira
ABC Como cultivar a banaeira
Lenildo Araujo
 
Novo calendário da vacinação 2013
Novo calendário da vacinação 2013Novo calendário da vacinação 2013
Novo calendário da vacinação 2013
Ismael Costa
 
Araras
ArarasAraras
Conceptualizacion...Jsh
Conceptualizacion...JshConceptualizacion...Jsh
Conceptualizacion...Jsh
jannet
 
Industrialização de São Paulo – Mooca
Industrialização de São Paulo – MoocaIndustrialização de São Paulo – Mooca
Industrialização de São Paulo – Mooca
Gabriella Bueno
 
Pesquisa Científica - Fauna - Araras
Pesquisa Científica - Fauna - Araras Pesquisa Científica - Fauna - Araras
Pesquisa Científica - Fauna - Araras
priscilassilva87
 
Dvd D204
Dvd D204Dvd D204
Dvd D204
BatistaBR
 
25
2525
12 instalações de campo 2
12   instalações de campo 212   instalações de campo 2
12 instalações de campo 2
Joyce Muzy
 
Criação e manejo de peixes
Criação e manejo de peixesCriação e manejo de peixes
Criação e manejo de peixes
Rafael Soares Dias
 
Análise da Obra de Ricardo Legorreta
Análise da Obra de Ricardo LegorretaAnálise da Obra de Ricardo Legorreta
Análise da Obra de Ricardo Legorreta
Aline Bueno
 
Doencas comuns canarios
Doencas comuns canariosDoencas comuns canarios
Doencas comuns canarios
Canaril Cordeiro
 

Destaque (20)

Tabelas de vacinação aviária
Tabelas de vacinação aviáriaTabelas de vacinação aviária
Tabelas de vacinação aviária
 
Abc criação de galinhas caipiras
Abc criação de galinhas caipirasAbc criação de galinhas caipiras
Abc criação de galinhas caipiras
 
Sistemaproducao Galinha Caipira
Sistemaproducao Galinha CaipiraSistemaproducao Galinha Caipira
Sistemaproducao Galinha Caipira
 
Aves semiconfinadas
Aves semiconfinadasAves semiconfinadas
Aves semiconfinadas
 
Criacao organica de_aves
Criacao organica de_avesCriacao organica de_aves
Criacao organica de_aves
 
Manual da Produção de Aves Caipiras
Manual da Produção de Aves CaipirasManual da Produção de Aves Caipiras
Manual da Produção de Aves Caipiras
 
Manejo galinhas caipiras_sistemas_organicos
Manejo galinhas caipiras_sistemas_organicosManejo galinhas caipiras_sistemas_organicos
Manejo galinhas caipiras_sistemas_organicos
 
Avicultura
AviculturaAvicultura
Avicultura
 
ABC Como cultivar a banaeira
ABC Como cultivar a banaeiraABC Como cultivar a banaeira
ABC Como cultivar a banaeira
 
Novo calendário da vacinação 2013
Novo calendário da vacinação 2013Novo calendário da vacinação 2013
Novo calendário da vacinação 2013
 
Araras
ArarasAraras
Araras
 
Conceptualizacion...Jsh
Conceptualizacion...JshConceptualizacion...Jsh
Conceptualizacion...Jsh
 
Industrialização de São Paulo – Mooca
Industrialização de São Paulo – MoocaIndustrialização de São Paulo – Mooca
Industrialização de São Paulo – Mooca
 
Pesquisa Científica - Fauna - Araras
Pesquisa Científica - Fauna - Araras Pesquisa Científica - Fauna - Araras
Pesquisa Científica - Fauna - Araras
 
Dvd D204
Dvd D204Dvd D204
Dvd D204
 
25
2525
25
 
12 instalações de campo 2
12   instalações de campo 212   instalações de campo 2
12 instalações de campo 2
 
Criação e manejo de peixes
Criação e manejo de peixesCriação e manejo de peixes
Criação e manejo de peixes
 
Análise da Obra de Ricardo Legorreta
Análise da Obra de Ricardo LegorretaAnálise da Obra de Ricardo Legorreta
Análise da Obra de Ricardo Legorreta
 
Doencas comuns canarios
Doencas comuns canariosDoencas comuns canarios
Doencas comuns canarios
 

Semelhante a Manual criação galinhas caipiras

Vacinação
VacinaçãoVacinação
Vacinação
mvezzone
 
Manual criação de aves caipira
Manual criação de aves caipiraManual criação de aves caipira
Manual criação de aves caipira
R1Rosolem
 
Apostila suinocultura
Apostila suinoculturaApostila suinocultura
Apostila suinocultura
claudioagroecologia
 
Criacao e maneio de codornas
Criacao e maneio de codornasCriacao e maneio de codornas
Criacao e maneio de codornas
NDINHO
 
Manejodofrangodecorte 150821132312-lva1-app6891 (1)
Manejodofrangodecorte 150821132312-lva1-app6891 (1)Manejodofrangodecorte 150821132312-lva1-app6891 (1)
Manejodofrangodecorte 150821132312-lva1-app6891 (1)
Aline Maria
 
Manejodofrangodecorte 150821132312-lva1-app6891 (1)
Manejodofrangodecorte 150821132312-lva1-app6891 (1)Manejodofrangodecorte 150821132312-lva1-app6891 (1)
Manejodofrangodecorte 150821132312-lva1-app6891 (1)
Aline Maria
 
Criação de codornas emater
Criação de codornas ematerCriação de codornas emater
Criação de codornas emater
meinteressoporinformatica
 
Criação de codornas emater
Criação de codornas ematerCriação de codornas emater
Criação de codornas emater
Joyce Muzy
 
Coelho
CoelhoCoelho
Coelho
Evelyn Golin
 
Coturnicultura
Coturnicultura Coturnicultura
Coturnicultura
Cristina Marino de Souza
 
Frango caipira avifran
Frango caipira avifranFrango caipira avifran
Frango caipira avifran
Lenildo Araujo
 
Aula 8 - instalações na ovinocaprinocultura.pptx
Aula 8 - instalações na ovinocaprinocultura.pptxAula 8 - instalações na ovinocaprinocultura.pptx
Aula 8 - instalações na ovinocaprinocultura.pptx
DeniseGuerreiro4
 
Tudo sobre criação de codornas
Tudo sobre criação de codornasTudo sobre criação de codornas
Tudo sobre criação de codornas
Alexandre Franco de Faria
 
Sistemas de Criação suína e Instalações.
Sistemas de Criação suína e Instalações.Sistemas de Criação suína e Instalações.
Sistemas de Criação suína e Instalações.
mairadornelas4
 
Codornas sim
Codornas simCodornas sim
Codornas sim
Liliam Da Paixão
 
Frango de corte tipo caipira seminario.pptx
Frango de corte tipo caipira seminario.pptxFrango de corte tipo caipira seminario.pptx
Frango de corte tipo caipira seminario.pptx
MirianFernandes15
 
Apostila sunicultura basica
Apostila sunicultura basicaApostila sunicultura basica
Apostila sunicultura basica
Lenildo Araujo
 
Afigranja
AfigranjaAfigranja
Publicacaoh2k38z7g
Publicacaoh2k38z7gPublicacaoh2k38z7g
Publicacaoh2k38z7g
Juliana Camargo
 
002-avicultura-manejo-poedeiras.pdf
002-avicultura-manejo-poedeiras.pdf002-avicultura-manejo-poedeiras.pdf
002-avicultura-manejo-poedeiras.pdf
INTA
 

Semelhante a Manual criação galinhas caipiras (20)

Vacinação
VacinaçãoVacinação
Vacinação
 
Manual criação de aves caipira
Manual criação de aves caipiraManual criação de aves caipira
Manual criação de aves caipira
 
Apostila suinocultura
Apostila suinoculturaApostila suinocultura
Apostila suinocultura
 
Criacao e maneio de codornas
Criacao e maneio de codornasCriacao e maneio de codornas
Criacao e maneio de codornas
 
Manejodofrangodecorte 150821132312-lva1-app6891 (1)
Manejodofrangodecorte 150821132312-lva1-app6891 (1)Manejodofrangodecorte 150821132312-lva1-app6891 (1)
Manejodofrangodecorte 150821132312-lva1-app6891 (1)
 
Manejodofrangodecorte 150821132312-lva1-app6891 (1)
Manejodofrangodecorte 150821132312-lva1-app6891 (1)Manejodofrangodecorte 150821132312-lva1-app6891 (1)
Manejodofrangodecorte 150821132312-lva1-app6891 (1)
 
Criação de codornas emater
Criação de codornas ematerCriação de codornas emater
Criação de codornas emater
 
Criação de codornas emater
Criação de codornas ematerCriação de codornas emater
Criação de codornas emater
 
Coelho
CoelhoCoelho
Coelho
 
Coturnicultura
Coturnicultura Coturnicultura
Coturnicultura
 
Frango caipira avifran
Frango caipira avifranFrango caipira avifran
Frango caipira avifran
 
Aula 8 - instalações na ovinocaprinocultura.pptx
Aula 8 - instalações na ovinocaprinocultura.pptxAula 8 - instalações na ovinocaprinocultura.pptx
Aula 8 - instalações na ovinocaprinocultura.pptx
 
Tudo sobre criação de codornas
Tudo sobre criação de codornasTudo sobre criação de codornas
Tudo sobre criação de codornas
 
Sistemas de Criação suína e Instalações.
Sistemas de Criação suína e Instalações.Sistemas de Criação suína e Instalações.
Sistemas de Criação suína e Instalações.
 
Codornas sim
Codornas simCodornas sim
Codornas sim
 
Frango de corte tipo caipira seminario.pptx
Frango de corte tipo caipira seminario.pptxFrango de corte tipo caipira seminario.pptx
Frango de corte tipo caipira seminario.pptx
 
Apostila sunicultura basica
Apostila sunicultura basicaApostila sunicultura basica
Apostila sunicultura basica
 
Afigranja
AfigranjaAfigranja
Afigranja
 
Publicacaoh2k38z7g
Publicacaoh2k38z7gPublicacaoh2k38z7g
Publicacaoh2k38z7g
 
002-avicultura-manejo-poedeiras.pdf
002-avicultura-manejo-poedeiras.pdf002-avicultura-manejo-poedeiras.pdf
002-avicultura-manejo-poedeiras.pdf
 

Mais de mvezzone

Apostila jovens rurais (mv)
Apostila jovens rurais (mv)Apostila jovens rurais (mv)
Apostila jovens rurais (mv)
mvezzone
 
Estrumeira solocimento
Estrumeira solocimentoEstrumeira solocimento
Estrumeira solocimento
mvezzone
 
Custo producao
Custo producaoCusto producao
Custo producao
mvezzone
 
Manual de_praticas_agroecológicas - emater
 Manual de_praticas_agroecológicas - emater Manual de_praticas_agroecológicas - emater
Manual de_praticas_agroecológicas - emater
mvezzone
 
Aac agroecologia-e-sistemas
Aac agroecologia-e-sistemasAac agroecologia-e-sistemas
Aac agroecologia-e-sistemas
mvezzone
 
Pecuaria orgânica 3 manejo sanitário e manejo agroecológico das pastagens ...
Pecuaria orgânica 3 manejo sanitário e manejo agroecológico das pastagens ...Pecuaria orgânica 3 manejo sanitário e manejo agroecológico das pastagens ...
Pecuaria orgânica 3 manejo sanitário e manejo agroecológico das pastagens ...
mvezzone
 
Manejo frangos corte
Manejo frangos corteManejo frangos corte
Manejo frangos corte
mvezzone
 
Sisca 2013 032
Sisca 2013 032Sisca 2013 032
Sisca 2013 032
mvezzone
 
Produção de ovos agroecológicos – agrocapixaba.com
Produção de ovos agroecológicos – agrocapixaba.comProdução de ovos agroecológicos – agrocapixaba.com
Produção de ovos agroecológicos – agrocapixaba.com
mvezzone
 
Avicultura agroecologica
Avicultura agroecologicaAvicultura agroecologica
Avicultura agroecologica
mvezzone
 
Agroecologia produçao animal
Agroecologia produçao animalAgroecologia produçao animal
Agroecologia produçao animal
mvezzone
 
Produçao animal
Produçao animalProduçao animal
Produçao animal
mvezzone
 
Controle formigas
Controle formigasControle formigas
Controle formigas
mvezzone
 
Ervas medicinais controle fungo
Ervas medicinais controle fungoErvas medicinais controle fungo
Ervas medicinais controle fungo
mvezzone
 
Apostila agricultura orgânica
Apostila agricultura orgânicaApostila agricultura orgânica
Apostila agricultura orgânica
mvezzone
 
Controle fitossanitário com produtos alternativos coletânea de receitas
Controle fitossanitário com produtos alternativos coletânea de receitasControle fitossanitário com produtos alternativos coletânea de receitas
Controle fitossanitário com produtos alternativos coletânea de receitas
mvezzone
 
Métodos caseiros de controle pragas e doenças
Métodos caseiros de controle pragas e doençasMétodos caseiros de controle pragas e doenças
Métodos caseiros de controle pragas e doenças
mvezzone
 
Calda bordalesa
Calda bordalesaCalda bordalesa
Calda bordalesa
mvezzone
 
Enxofre calda sulfocalcica
Enxofre calda sulfocalcicaEnxofre calda sulfocalcica
Enxofre calda sulfocalcica
mvezzone
 
Pragas graos armazenados
Pragas graos armazenadosPragas graos armazenados
Pragas graos armazenados
mvezzone
 

Mais de mvezzone (20)

Apostila jovens rurais (mv)
Apostila jovens rurais (mv)Apostila jovens rurais (mv)
Apostila jovens rurais (mv)
 
Estrumeira solocimento
Estrumeira solocimentoEstrumeira solocimento
Estrumeira solocimento
 
Custo producao
Custo producaoCusto producao
Custo producao
 
Manual de_praticas_agroecológicas - emater
 Manual de_praticas_agroecológicas - emater Manual de_praticas_agroecológicas - emater
Manual de_praticas_agroecológicas - emater
 
Aac agroecologia-e-sistemas
Aac agroecologia-e-sistemasAac agroecologia-e-sistemas
Aac agroecologia-e-sistemas
 
Pecuaria orgânica 3 manejo sanitário e manejo agroecológico das pastagens ...
Pecuaria orgânica 3 manejo sanitário e manejo agroecológico das pastagens ...Pecuaria orgânica 3 manejo sanitário e manejo agroecológico das pastagens ...
Pecuaria orgânica 3 manejo sanitário e manejo agroecológico das pastagens ...
 
Manejo frangos corte
Manejo frangos corteManejo frangos corte
Manejo frangos corte
 
Sisca 2013 032
Sisca 2013 032Sisca 2013 032
Sisca 2013 032
 
Produção de ovos agroecológicos – agrocapixaba.com
Produção de ovos agroecológicos – agrocapixaba.comProdução de ovos agroecológicos – agrocapixaba.com
Produção de ovos agroecológicos – agrocapixaba.com
 
Avicultura agroecologica
Avicultura agroecologicaAvicultura agroecologica
Avicultura agroecologica
 
Agroecologia produçao animal
Agroecologia produçao animalAgroecologia produçao animal
Agroecologia produçao animal
 
Produçao animal
Produçao animalProduçao animal
Produçao animal
 
Controle formigas
Controle formigasControle formigas
Controle formigas
 
Ervas medicinais controle fungo
Ervas medicinais controle fungoErvas medicinais controle fungo
Ervas medicinais controle fungo
 
Apostila agricultura orgânica
Apostila agricultura orgânicaApostila agricultura orgânica
Apostila agricultura orgânica
 
Controle fitossanitário com produtos alternativos coletânea de receitas
Controle fitossanitário com produtos alternativos coletânea de receitasControle fitossanitário com produtos alternativos coletânea de receitas
Controle fitossanitário com produtos alternativos coletânea de receitas
 
Métodos caseiros de controle pragas e doenças
Métodos caseiros de controle pragas e doençasMétodos caseiros de controle pragas e doenças
Métodos caseiros de controle pragas e doenças
 
Calda bordalesa
Calda bordalesaCalda bordalesa
Calda bordalesa
 
Enxofre calda sulfocalcica
Enxofre calda sulfocalcicaEnxofre calda sulfocalcica
Enxofre calda sulfocalcica
 
Pragas graos armazenados
Pragas graos armazenadosPragas graos armazenados
Pragas graos armazenados
 

Último

Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 

Último (20)

Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 

Manual criação galinhas caipiras

  • 2. EMTER-MG EMPRESA DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL DO ESTADO DE MINAS GERAIS CRIAÇÃO FAMILIAR DE AVES DE CORTE E POSTURA Autores: Med. Vet. Expedito José Pinto Tecº Agrº Esaú Gonçalves Neto 2005
  • 3. ÍNDICE Apresentação 02 Introdução 02 Seleção de Plantel 03 Introdução de Aves melhoradas 03 Preparo das instalações 05 Equipamentos 06 Manejo 07 Alimentação 09 Água 10 Manejo de aves adultas 11 Sanidade 14 Profilaxia 15 Anexos 16 Referências Bibliográficas 17
  • 4. 1. APRESENTAÇÃO Este Manual tem como finalidade subsidiar a todos os pequenos produtores rurais que exploram a atividade avícola destinada a produção de carne e ovos, visando o consumo familiar e muita das vezes, tendo a atividade como uma fonte de renda. Neste documento procuramos evidenciar de maneira simples, um conjunto de técnicas de manejo para a atividade, com a finalidade de aumentar a produção e a produtividade da exploração, usando os sistemas de confinamento e semiconfinamento. 2. INTRODUÇÃO A Avicultura brasileira iniciou com Cabral, que trouxe para o Brasil os primeiros exemplares de aves de raça pura. Estas aves eram criadas soltas a campo e daí originou o nome popular de Galinha Caipira, nome originário do tupi guarani. Devido ao sistema de produção utilizada até hoje, estas aves sofreram um processo de degeneração, com conseqüente perda de produção e produtividade, porém ainda são criadas em mais de 80% das propriedades mineiras. O consumo per capita de carne de frango pela população brasileira teve um aumento significativo nos últimos dez anos, passando de 11,8 kg em 1988 para 24,7 kg em 1998. O consumidor por sua vez, procura cada vez mais, produtos com menores índices de aditivos químicos, valorizando cada vez mais a atividade da Avicultura Familiar. 3. SELEÇÃO DO PLANTEL Com este trabalho, pretendemos provocar uma seleção do plantel existente visando seu melhoramento, descartando as aves que não se enquadram nos itens abaixo. Escolha das galinhas:  Selecionar as galinhas que demonstram ser saudáveis, sem defeitos físicos e dóceis;  Boa conformação corporal;  Cristas e barbelas bem desenvolvidas;  Por ovos com frequência e de bom tamanho com formato regular;  Menor tendência ao choco e manter-se em postura quanto a maioria das galinhas estiverem em muda. Escolha do galo:  Devem ser vigorosos, sadios, não apresentando defeitos físicos ou de aprumo;  Musculosos e pesados;  Sexualmente ativos;  Manter a produção de um galo para dez galinhas;  Ser mantido no plantel no máximo 30 meses. 4. INTRODUÇÃO DE AVES MELHORADAS É possível provocar o melhoramento genético do plantel, sem precisar mudar o sistema de produção e com pouco investimento.
  • 5. Para tanto recomendamos a introdução de aves já melhoradas geneticamente que serão cruzadas com aves do plantel previamente selecionadas. As aves que recomendamos deverão apresentar características de dupla aptidão – carne e ovos.  Raças puras: - Rhode Island Red - Plymouth Rock Barred - New Hampshire - Brahma Light  Aves híbridas de ovos vermelhos: - Isa Browm; - Hy-Linc Browm; - Shaver Browm; - Caipira Negra (280 ovos/ano) - Label Rouge (180 avos/ano)  Aves híbridas para corte: - Canadense – Paraíso Pedrês; - Pesadão Americano – Caipira Pesadão - Label Rouge – Pescoço Pelado 5. INSTALAÇÕES Localização: Locais secos, livres de inundações, proteção natural contra ventos fortes, água de boa qualidade e localizadas no mínimo a 50m da residência, isolada do fluxo normal de trânsito e de pessoal. Materiais utilizados: utilizar, de preferência, material disponível na propriedade que permita manejar as aves corretamente. Galinheiro: Beiral 1m – 45º 1.1. Pé direito – 3 m d Tela – Fio 18 (Malha 1 ½”) Mureta – 25 cm (máx. – 30 cm)  Piso concretado ou de terra batido;
  • 6.  Paredões laterais – 25 a 30 cm de altura alvenaria ou tábuas e completado até o teto com tela de arame fio 18, malha de 1 ½”, trelissa, bambú ou madeira;  Cobertura – cimento amianto, sapé, telha de barro;  Utilizar 4 aves por m2;  Orientação leste/oeste;  Pé direito – 2,80 a 3,00 m;  Fazer um canal em volta da instalação para escoamento da água de chuva;  Dividir o galinheiro em três partes distintas: Abrigo de reprodução:  Ninhos: 1 para 4 aves – com madeira ou outro material disponível – dimensões: 35 x 35 x 35 e com altura do piso de 20 cm. Com fundo para a casa de ração;  Poleiro: 20 cm/ ave espaçadas 40 cm e distante do piso 50 cm;  Bebedouro: Tipo calha – feito em bambu, tubo de PVC ou chapa galvanizada, 2,5 cm/ave;  Bebedouro pendular: 1 para cada 100 aves;  Comedouro: Tipo cocho em madeira, bambu. Utilizar 5 cm linear por ave;  Comedouro tubular: 1 para cada 40 aves;  Cocho para minerais;  Iluminação: 1 lâmpada de 15 Watts para cada 5 m2; 6. PREPARO DAS INSTALAÇÕES  Limpeza e desinfecção – O local de alojamento das aves deve sofrer uma completa limpeza através de varrição e lavagem com água e sabão em todo o galpão, inclusive as paredes, telas e teto. Após a limpeza, fazer desinfecção do mesmo, usando uma solução de Creolina associada com outra solução desinfetante. Ex.: Creolina(5%) + Lorasol(0,07%) ou Creolina(5%) + Formol (10%) Usar Vassoura de Fogo para queimar os resíduos de penas e cama.  Caiação: A caiação deve ser usada para monitoramento do galpão que foi lavado e desinfetado, além de promover uma melhoria visual do ambiente (Cal não é desinfetante).
  • 7.  Cortinas: As cortinas são de fundamental importância para a exploração, evitando as correntes de ar no ambiente, regulando a temperatura e mantendo o conforto térmico para as aves. Usar cores suaves como o Azul Claro e amarelo, que transmitem sensação de calma às aves.  Cama: Material seco e triturado para absorver umidade das fezes e urina, e isolamento térmico do piso do galpão. Características essenciais: Partículas homogêneas (material picado ou triturado), livre de material estranho. Capacidade de absorver umidade, evitando formação de plastras. Liberar facilmente a umidade absorvida. Baixa condutividade térmica (isolamento do piso). Boa capacidade de amortecimento, mesmo sob alta densidade. Umidade em torno de 20 a 25%. Livre de fungos e substâncias tóxicas. Baixo custo e boa disponibilidade. Materiais recomendados: Sabugo triturado Casca de arroz (inteira ou triturada) Maravalha ou serragem de madeira Capim picado e seco OBS.: Forrar a cama com jornal nos primeiros 3 dias. Tratamento de cama contra fungos: Sulfato de Cobre – 3 a 4% (300 a 400 gr/10 l água) Pulverizar e revirar após 2 a 3 horas. Repetir a aplicação após 2 a 3 dias. 7. EQUIPAMENTOS  Círculo de Proteção: Chapa de Eucatex - 50 cm Lotação: h=50 cm 25 a 30/ m2
  • 8.  Fonte de Calor: Gás ou Elétrico 1 : 500  Comedouros: Bandeja - 1 : 60 40 cm 50 cm 4 cm  Bebedouros: Pressão (2 l) – 1:60 Tubo PVC – 2,5cm/ave Latas usadas 8. MANEJO Pintainhos: Grande mortalidade dos pintainhos é verificada nas criações em que não se usa nenhuma tecnologia. Os pintainhos requerem maiores cuidados principalmente nos primeiros 20 dias, pois ele não tem capacidade de regular sua temperatura corporal, por este motivo eles devem ser aquecidos pelas mães ou por aquecimento artificial.
  • 9. Após o nascimento deverão ser retiradas do ninho as cascas de ovos quebrados e o material que foi utilizado no ninho como forro, trocando-o por material limpo e seco e deixar que a galinha abrigue sua ninhada. Nas primeiras 24 horas após o nascimento não precisa dar alimentação para os pintainhos, quando o produtor colocar para chocar várias galinhas e a eclosão não for uniforme pode-se juntar as ninhadas de forma que cada galinha não tome conta de mais de 15 pintainhos. Quando a propriedade for dotada de energia elétrica os pintainhos poderão ser colocados em pinteiros providos de comedouros, bebedouros e aquecimento através de uma lâmpada elétrica ou campânula à gás, que será usada 10 dias no verão e 15 dias no inverno. Regulagem da fonte de calor: Fig.1 - Quente Fig.2 - Frio Fig.3 - Ideal (30 a 33ºC) A temperatura no interior do círculo de proteção deve ser regulada levantando ou abaixando a lâmpada ou campânula a gás, de acordo com o comportamento das aves. Quando os pintainhos amontoarem debaixo da fonte de aquecimento é sinal que estão com frio ou quando se afastarem muito da fonte indica que está muito quente ou quando se amontoarem em um lado do círculo de proteção (Fig 2), indica que há corrente de ar frio, neste caso verificar as cortinas. Quando no interior do círculo de proteção a temperatura atinge um nível ideal, os pintainhos se sentem calmos, alimentando normalmente ou dormindo por isso é chamada de temperatura de Conforto Térmico, que pode ser visualizada no quadro a seguir: Conforto Térmico: Idade das aves (dias) Temperatura (O C) 01 a 07 32 08 a 14 29 15 a 21 26 22 a 28 23 29 a 35 20 Fonte: SADIA S/A
  • 10. ESQUEMA DE MONTAGEM DO CÍRCULO DE PROTEÇÃO Comedouro Gás Círculo de proteção Campânula Bebedouro Cama forrada com jornal OBS.: a)Ligar a fonte de calor 2 horas antes da chegada dos pintainhos. b)Forrar a cama com jornal durante os três primeiros dias. c)Trocar a cama molhada, colocando nova cama seca no local. 9. ALIMENTAÇÃO 9.1. FASE INICIAL – 1 a 30 dias: a) Primeira semana: Hidratação (imediatamente após a chegada): Fornecer água com açúcar (5%) - 50 gr/litro (2,5 a 3 horas), ou utilizar o soro caseiro - 1 litro de Água, 50 gr de açúcar e 5 gr de sal. Vitaminas: Vitagold - 2 ml/litro durante 6 dias Antibiótico: Do 2º ao 6º dia - Dosagem preventiva. Ex.: Quemicetina – 30 gotas em 1 litro d’água Ração: Fornecer Ração Inicial à vontade, a partir de 3 horas (após hidratação). Esta ração deve possuir boa homogeneidade da granulometria, pois é nesta fase é que a ave realiza a definição do
  • 11. tamanho da partícula. Fornecer a ração em 4 a 5 tratos ao dia, em comedouros tipo bandeja, ou copo tipo pressão com pouca ração nos comedouros que deverá ser peneirada para retirada das impurezas. Neste período o consumo médio de ração é de aproximadamente 1 kg, por ave. Água: A água deve ser de boa qualidade, com tratamento à base de cloro, fornecida em bebedouros limpos e desinfetados. Lavar os bebedouros e trocar a água de 4 a 5 vezes ao dia. b) 2ª à 4ª semana:  Ração inicial – mínimo 2 tratos diários  Água - Trocar no mínimo 2 vezes ao dia e lavar os bebedouros 9.2. FASE DE CRESCIMENTO (30 a 60 dias) Após 30 dias o empenamento estará completo e as aves poderão ser soltas lentamente onde irão adquirir o hábito de ciscar e procurar alimento, e receberão o mesmo manejo das aves adultas. Nesta fase inicia-se a seleção das melhores aves para a reprodução; as demais serão engordadas e vendidas para o abate.(machos e fêmeas). Os machos neste período são facilmente reconhecidos, estes são mais fortes que as fêmeas (mais ou menos 20%) e também têm a crista bem mais vermelha. A partir desta fase as aves passam a receber um trato diferenciado de acordo com o sistema de exploração, conforme descrito a seguir: Criação confinada: Fornecer ração de crescimento à vontade, através de dois tratos diários, em comedouros pendulares ou cochos, tendo o cuidado de fazer um revolvimento da ração contida no comedouro para sua homogeinização. Criação semi-confinada: Ração de crescimento na proporção de 50 gr/ave/dia fornecida em dois tratos diários. Fornecer suplementação verde à vontade ou soltar as aves em piquete para pastejo direto em sistema rotativo. No caso de fornecer a suplementação verde, utilizar uma das seguintes forragens:  . Capim (diversos)  . Cana triturada  . Feijão Guandú  . Girassol  . Confrey  . Ramí  . Restos de hortaliças  . Frutos diversos  . Dejetos de suíno (seco) A partir desta fase, fornecer às aves uma fonte de Cálcio através de Calcário Calcítico – Pedrisco e uma fonte de Fósforo através de Farinha de Ossos Autoclavada. Estes produtos são de extrema importância na alimentação das aves, principalmente o Calcário Pedrisco que além de fornecer Cálcio, tem a função de promover o fortalecimento da musculatura da moela, onde os alimentos são triturados. 10.ÁGUA Água é de vital importância para a criação, tanto para bebida quanto para a manutenção geral do aviário. A quantidade de água consumida pelas aves normalmente é o dobro do que consomem em alimento. O fornecimento da água deve ser em toda a fase de sua vida pura e fresca, para satisfazer as necessidades metabólicas.
  • 12. Água sempre limpa oriunda de cisterna, poço ou nascente canalizada, com tratamento à base de cloro, trocada pelo menos duas vezes ao dia. Exemplo de clorador: Caps 40 mm Bóia Clorador Caixa D’água Tubo PVC 40 mm Furos 4 a 5 mm Pastilhas de Cloro 20 cm Consumo de Água - Frangos de Corte (1000 aves) Período – Verão / Inverno Quantidade de água (l/dia) Semana Verão Inverno 1 35 31 2 72 52 3 108 75 4 148 98 5 197 123 6 234 149 7 256 173 Fonte: Rio Branco Alimentos Ltda 11.MANEJO DAS AVES ADULTAS As aves de reprodução que permanecerão no plantel, devem ser sadias e estar em bom estado físico. Os machos também devem ser sadios, vigorosos e bons reprodutores. Recomenda-se um galo para 10 galinhas para haver uma boa fertilidade. Ninhos – deve-se utilizar 1 ninho para 4 galinhas e estes devem ser fechados à noite, para evitar que as aves durmam nele e serão colocados em locais que ficarão na penumbra, pois ninhos muito claros no seu interior as aves rejeitam e muito escuro as aves aninham. A cama do ninho deve ser macia e confortável, feita com materiais como capim seco picado, casca de arroz, serragem e folha de fumo, que contribui para o controle ao piolho e sarna, deve ser mantido sempre limpo e com espessura de 7 a 10 cm. Os ovos devem ser colhidos diariamente e terão dois destinos: os destinados à comercialização, os quais devem ser limpos e guardados em ambientes frescos, geladeiras ou caixas de isopor, a fim de preservar sua qualidade. Deve-se ter o cuidado de armazenar os ovos com a extremidade mais fina voltada para baixo, a fim de preservar a câmara de ar.
  • 13. Ovos para incubação – devem ser colhidos mais vezes ao dia, sem trincas, sem sujeiras, tamanho médio para grande, formato normal, condicionamento em pentes com extremidade maior voltada para cima e num período máximo de 7 dias. Para haver uma boa eclosão deve-se colocar de 9 a 13 ovos para que a galinha o cubra totalmente. Próximo aos ninhos onde as galinhas estão chocando deve haver água e ração à vontade. As aves devido à idade, desenvolvimento sexual incompleto, e com inicio de mudas precoces não produzem ovos e portanto, devem ser descartadas. Apresentamos a seguir um quadro para facilitar a seleção de galinhas em produção: CARACTERES AVES EM POSTURA AVES FORA DE POSTURA 1) Crista e barbela Grande, vermelho vivo macia e lustrosa. Escura, ressequida, enrugada e escamosa - 2) Cloaca Forma ovalada, aumentada de tamanho, úmida e macia Redonda, pequena, enrugada e seca. 3) Bico e canela Esbranquiçados e canela achatada Amarelos e canela roliça 4) Plumagem Gasta, pequenas, quebradas e sujas Bonita, completa e sem Pontas quebradas. 5) Ossos pélvicos Finos, flexíveis e muito bem separados, cabendo dois ou mais dedos Duros, rígidos e próximos. 6) Abdomen Distendido, flácido fino e suave. Contraído, duro e espesso É importante deixar boas chocadeiras para se fazer incubação natural dos ovos. A postura ocorre com freqüência aproximadamente até 10 horas da manhã, portanto neste período as aves devem ficar presas. 11.1. ALIMENTAÇÃO Toda ave, mesmo sendo caipira e mais resistente que as aves industriais, deve receber uma ração mais balanceada e suplementação de volumoso capaz de atender suas exigências nutricionais. A ração balanceada deve ser fornecida em comedouros no interior do galinheiro na base de 60 g por dia por ave e cocho com mistura mineral para o consumo à vontade. Área de pastagem recomendada para cada ave adulta é de aproximadamente 10m2, podendo-se utilizar Capim Quicuio, Brachiaria, Tifton, Coast Cross, Grama Estrela, quando houver área disponível recomenda-se dividir a área em piquetes e fazer manejo rotativo. Pode-se utilizar restos de hortaliças. Sugerimos o plantio de Feijão Guandu, Ramí, Confrey e Girassol que serão fornecidos às aves como complemento alimentar. TABELA 1 – Rações Fareladas de Produção Caseira Exemplo 1
  • 14. INGREDIENTE QUANTIDADE NECESSÁRIA PARA 100 KG DE RAÇÃO (Quilos) Fubá de milho 73 Farelo de soja 22 Farinha de carne e ossos 5 Exemplo 2: INGREDIENTE QUANTIDADE NECESSÁRIA PARA 100 KG DE RAÇÃO (Quilos) Fubá de milho 43 Quirera de arroz 30 Farelo de soja 22 Farinha de carne e ossos 5 Exemplo 3: INGREDIENTE QUANTIDADE NECESSÁRIA PARA 100 KG DE RAÇÃO (Quilos) Fubá de milho 62 Farelo de soja 18 Feijão –Guandu 20 TABELA 2- Sugestão de Mistura Mineral em nível de campo Exemplo 1: INGREDIENTE PORCENTAGEM (%) QUANTIDADE (Quilos) Fosfato de Patos de Minas 42 21,00 Calcário 57 28,50 Sal comum 1 0,50 TOTAL MISTURA 100 50,00 Exemplo 2; INGREDIENTE PORCENTAGEM (%) QUANTIDADE (Quilos) Calcário 68,0 34,0 Farinha de ossos calcinada 31,0 15,5 Sal comum 1,0 0,5 TOTAL MISTURA 100,0 50,0 11.2. SANIDADE A saúde é importante para que as aves sejam boas produtoras de carne e ovos. A manutenção da saúde é um conjunto de práticas que envolvem isolamento, higiene, profilaxia e combate sistemático a vermes e parasitas. Para introduzir aves no plantel, estas devem passar por um período de isolamento de no mínimo 10 dias.
  • 15. Todas as instalações e equipamentos e arredores da criação deverão ser limpos, lavados e desinfetados a cada 15 dias. Sugerimos uma solução de água e Creolina na proporção de 3 a 5%. Apresentamos a seguir uma sugestão de solução desinfetante para caiação de ninhos, pinteiros e galpões. TABELA 3 – Solução Desinfetante para Caiação. PRODUTO UNIDADE QUANTIDADE Água Litros 24 Cal extinta Quilos 1,800 Creolina Litros 0,120 O piso das instalações deve ser forrado com uma “cama” que poderá ser de capim picado e seco, casca de arroz, sabugo de milho triturado, cepilho de madeira etc. Deve-se usar de 700 g a 1 kg de material de cama para cada m2 de instalação. Esta deverá ser substituída a cada 90 dias ou parte da cama quando for molhada. As poças d’água estagnadas e brejos devem ser esgotados e ou isolados e os entulhos limpos retirados. 11.3. PROFILAXIA Para esta criação recomendamos um programa mínimo de vacinação para controle de algumas doenças. Esquema de Vacinação IDADE DOENÇA TIPO DE VACINA VIA DE APLICAÇÃO 10/15 dias New Castle La Sota (Peste aviaria) Ocular 35/40 dias New Castle La Sota (Peste aviaria) Ocular 80/85 dias New Castle La Sota (Peste aviaria) Ocular 3/3 meses New Castle La Sota (Peste aviaria) Ocular 15 dias Bouba Cepa Suave (Caroço Pipoca) Membrana da Asa 45 dias Bouba Cepa Forte (Caroço Pipoca) Membrana da Asa 4/4 meses Cólera Aviaria Solução Aquosa Intramuscular (peito/coxa) OBSERVAÇÃO: As vacinas devem ser mantidas na geladeira (Fora do congelador). Deve-se verificar a data de vencimento. As sobras de vacinas e frascos devem ser incinerados ou enterrados.
  • 16. Vermifugação: Aplicar vermífugo a base de Piperazina ou Mebendazoli de 4 em 4 meses para todas as aves via água ou ração conforme recomendação da bula. Combate a Ectoparasitas: Sarna/piolhos: quando ocorrer estes tipos de parasitas deve-se fazer um polvilhamento ou pulverização de todas as instalações e equipamento e nas próprias aves, com drogas específicas. Observação: seguir as recomendações do fabricante. Casa de Ração: - No seu interior estão localizados o fundo dos ninhos por onde serão colhidos ovos; - Dimensões: 4,40 x 2m.
  • 17. ANEXOS - Planta de galinheiro
  • 18. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1- Criação de galinhas caipiras – nº 1 – Evandro de A Fernandes. Belo Horizonte – setembro 1996 – 20 pag. 2- Criação de galinhas caipiras – Helio Abdalla Brandão- Bom Jesus do Do Galho – novembro 1991. 3- Manual do criador de frango e galinha caipira – Gessulli Eddoas Ltda – São Paulo. 4- Criação de galinha – nº 2- Evandro de A Fernandes – Belo Horizonte-Setembro l986- 24 pag. 5- Experiências de campo – Med. Vetº. Eros da Silva Netto e Med. Vetº Expedito José Pinto. 6- Recomendações técnicas de frango de corte – Med. Vetº Expedito José Pinto, Med. Vetº Eros da Silva Netto , Med. Vetº Dirceu Alves Ferreira, Engº Agrº Marino Couto Morais – Belo Horizonte- 1995. 7- Manual Técnico de Criação de Galinhas Caipiras – Med. Vetº Expedito José Pinto, Med. Vetº Eros da Silva Netto, Med. Vetº Dirceu Alves Ferreira, Engº Agrº M.S. Marino Couto Morais, Zootecnista M.S. João Ricardo Albanez – Belo Horizonte- 1995.