SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 1
A Dimensão Pessoal e Social da Moral
Egoísmo Ético
“O egoísmo ético diz como devemos comportar-nos; nesse sentido, é uma teoria normativa.
Para o egoísmo ético, o nosso único dever primitivo é fazer o melhor para nós mesmos. O
interesse próprio é o princípio moral fundamental. Não é que o egoísta não tenha outros
deveres; o que se passa é que todos os outros deveres do egoísta derivam do interesse próprio.
Nada mais. Por isso, mesmo quando um defensor do egoísmo ético ajuda os outros ou renuncia
a fazer o que realmente quer, é no fundo a promoção do seu interesse próprio a longo prazo
que o move.
O argumento mais forte a favor do egoísmo ético aceita a moralidade de senso comum e
retira a partir daí a conclusão surpreendente de que essa é a melhor maneira de satisfazer o
nosso interesse próprio. Considera então a seguinte formulação do argumento:
1. A moralidade de senso comum consiste em obedecer a certas regras: a regra de
evitar fazer mal aos outros, a regra de dizer a verdade, a regra de cumprir as
nossas promessas, e assim por diante.
2. Se não fizermos mal aos outros, as pessoas não vão querer prejudicar-nos e
poderão até fazer-nos favores quando precisarmos.
3. Logo, não fazer mal aos outros serve o nosso interesse próprio.
1. Se dissermos a verdade aos outros, teremos uma boa reputação e as pessoas
confiarão em nós quando precisarmos que elas sejam sinceras connosco.
2. Logo, dizer a verdade aos outros serve o nosso interesse próprio.
(...)
O mais provável é que neste momento já estejas a ver que este tipo de raciocínio irá
conduzir-te surpreendentemente à Regra de Ouro: Faz aos outros aquilo que gostarias que
eles te fizessem a ti. A versão da mesma regra à maneira do egoísta ético será: Ajuda os outros
para que eles te ajudem a prosseguir o teu interesse próprio. E, assim, uma teoria que no
início era abertamente recusada pelas tuas intuições morais mais profundas pode começar a
parecer-te plausível. Mas será que é realmente plausível ou terá de enfrentar uma
objecção suficientemente forte para a derrotar? (…)”
Vaz, Fautino (s.d.) “Por que razão havemos de ser morais?, in Arte de Pensar.
(Adaptado por Joana Inês Pontes)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

éTica deontológica
éTica deontológicaéTica deontológica
éTica deontológica
pmarisa10
 
Comparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de millComparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de mill
Luis De Sousa Rodrigues
 
éTica Kantiana
éTica KantianaéTica Kantiana
éTica Kantiana
JNR
 
49204367 a-teoria-etica-de-kant-questoes-de-escolha-multipla
49204367 a-teoria-etica-de-kant-questoes-de-escolha-multipla49204367 a-teoria-etica-de-kant-questoes-de-escolha-multipla
49204367 a-teoria-etica-de-kant-questoes-de-escolha-multipla
Carla Castro
 
Fundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumesFundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumes
António Daniel
 
A ética deontológica de kant
A ética deontológica de kantA ética deontológica de kant
A ética deontológica de kant
AnaKlein1
 
As éticas de stuart mill e de kant
As éticas de stuart mill e de kantAs éticas de stuart mill e de kant
As éticas de stuart mill e de kant
Filipe Prado
 
Filosofia 10ºa
Filosofia 10ºaFilosofia 10ºa
Filosofia 10ºa
Rui Neto
 
A lei moral segundo kant
A lei moral segundo kantA lei moral segundo kant
A lei moral segundo kant
Celina Silva
 

Mais procurados (20)

éTica deontológica
éTica deontológicaéTica deontológica
éTica deontológica
 
éTica de kant e de stuart mill
éTica de kant e de stuart milléTica de kant e de stuart mill
éTica de kant e de stuart mill
 
Kant e Stuart Mill
Kant e Stuart MillKant e Stuart Mill
Kant e Stuart Mill
 
Duas perspectivas éticas
Duas perspectivas éticasDuas perspectivas éticas
Duas perspectivas éticas
 
Fundamentação da moral
Fundamentação da moral Fundamentação da moral
Fundamentação da moral
 
A teoria ética de kant
A teoria ética de kantA teoria ética de kant
A teoria ética de kant
 
Utilitarismo - Stuart Mill (texto)
Utilitarismo - Stuart Mill (texto)Utilitarismo - Stuart Mill (texto)
Utilitarismo - Stuart Mill (texto)
 
Eticakant
EticakantEticakant
Eticakant
 
Comparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de millComparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de mill
 
éTica Kantiana
éTica KantianaéTica Kantiana
éTica Kantiana
 
49204367 a-teoria-etica-de-kant-questoes-de-escolha-multipla
49204367 a-teoria-etica-de-kant-questoes-de-escolha-multipla49204367 a-teoria-etica-de-kant-questoes-de-escolha-multipla
49204367 a-teoria-etica-de-kant-questoes-de-escolha-multipla
 
Fundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumesFundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumes
 
Kant – ideias básicas
Kant – ideias básicasKant – ideias básicas
Kant – ideias básicas
 
A ética deontológica de kant
A ética deontológica de kantA ética deontológica de kant
A ética deontológica de kant
 
As éticas de stuart mill e de kant
As éticas de stuart mill e de kantAs éticas de stuart mill e de kant
As éticas de stuart mill e de kant
 
A moral de Kant
A moral de KantA moral de Kant
A moral de Kant
 
Filosofia 10ºa
Filosofia 10ºaFilosofia 10ºa
Filosofia 10ºa
 
Ética do Dever (Kant)
Ética do Dever (Kant)Ética do Dever (Kant)
Ética do Dever (Kant)
 
A lei moral segundo kant
A lei moral segundo kantA lei moral segundo kant
A lei moral segundo kant
 
Ética e Deontologia
Ética e DeontologiaÉtica e Deontologia
Ética e Deontologia
 

Destaque

Determinismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderadoDeterminismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
António Daniel
 
Moral e ética
Moral e éticaMoral e ética
Moral e ética
Over Lane
 
A necessidade de fundamentação da moral introdução
A necessidade de fundamentação da moral   introduçãoA necessidade de fundamentação da moral   introdução
A necessidade de fundamentação da moral introdução
Luis De Sousa Rodrigues
 
Diferença entre moral e ética
Diferença entre moral e éticaDiferença entre moral e ética
Diferença entre moral e ética
Karla Carioca
 
Mandamentos Divinos
Mandamentos DivinosMandamentos Divinos
Mandamentos Divinos
Bruno Pedro
 
Os valores e a acção a questão da objectividade e verdade das normas e do...
Os valores e a acção   a questão da objectividade  e verdade das normas  e do...Os valores e a acção   a questão da objectividade  e verdade das normas  e do...
Os valores e a acção a questão da objectividade e verdade das normas e do...
Luis De Sousa Rodrigues
 
Teoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawlsTeoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawls
Filazambuja
 
éTica, direito e política
éTica, direito e políticaéTica, direito e política
éTica, direito e política
Filazambuja
 
A teoria ética utilitarista de Stuart Mill
A teoria ética utilitarista de Stuart MillA teoria ética utilitarista de Stuart Mill
A teoria ética utilitarista de Stuart Mill
Otávio Augusto Padilha
 

Destaque (19)

A teoria ética utilitarista de mill
A teoria ética utilitarista de millA teoria ética utilitarista de mill
A teoria ética utilitarista de mill
 
Moral e ética
Moral e éticaMoral e ética
Moral e ética
 
éTica e moral
éTica e moral éTica e moral
éTica e moral
 
Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.
 
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderadoDeterminismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
 
Moral e ética
Moral e éticaMoral e ética
Moral e ética
 
Egoismo
EgoismoEgoismo
Egoismo
 
Egoismo
EgoismoEgoismo
Egoismo
 
A necessidade de fundamentação da moral introdução
A necessidade de fundamentação da moral   introduçãoA necessidade de fundamentação da moral   introdução
A necessidade de fundamentação da moral introdução
 
Diferença entre moral e ética
Diferença entre moral e éticaDiferença entre moral e ética
Diferença entre moral e ética
 
Emotivismo
EmotivismoEmotivismo
Emotivismo
 
Mandamentos Divinos
Mandamentos DivinosMandamentos Divinos
Mandamentos Divinos
 
El egoismo
El egoismoEl egoismo
El egoismo
 
Os valores e a acção a questão da objectividade e verdade das normas e do...
Os valores e a acção   a questão da objectividade  e verdade das normas  e do...Os valores e a acção   a questão da objectividade  e verdade das normas  e do...
Os valores e a acção a questão da objectividade e verdade das normas e do...
 
Teoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawlsTeoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawls
 
éTica, direito e política
éTica, direito e políticaéTica, direito e política
éTica, direito e política
 
Relativismo e Subjetivismo Moral
Relativismo e Subjetivismo MoralRelativismo e Subjetivismo Moral
Relativismo e Subjetivismo Moral
 
Filosofia 4
Filosofia 4Filosofia 4
Filosofia 4
 
A teoria ética utilitarista de Stuart Mill
A teoria ética utilitarista de Stuart MillA teoria ética utilitarista de Stuart Mill
A teoria ética utilitarista de Stuart Mill
 

Semelhante a Egoísmo Ético (texto)

Síntese da obra "Ética para um jovem"
Síntese da obra "Ética para um jovem"Síntese da obra "Ética para um jovem"
Síntese da obra "Ética para um jovem"
Helena Serrão
 
Livre Arbítrio
Livre ArbítrioLivre Arbítrio
Livre Arbítrio
Renato Arabe Saraiva
 
Tica utilitarista-exerccio
Tica utilitarista-exerccioTica utilitarista-exerccio
Tica utilitarista-exerccio
Joana
 
6 as ã©ticas de kant e de s.mill
6  as ã©ticas de kant e de s.mill6  as ã©ticas de kant e de s.mill
6 as ã©ticas de kant e de s.mill
Patricia .
 
EnsFundII_Ensino_Religioso_7ºAno_A Regra de Ouro das Religiões_slides_aula16 ...
EnsFundII_Ensino_Religioso_7ºAno_A Regra de Ouro das Religiões_slides_aula16 ...EnsFundII_Ensino_Religioso_7ºAno_A Regra de Ouro das Religiões_slides_aula16 ...
EnsFundII_Ensino_Religioso_7ºAno_A Regra de Ouro das Religiões_slides_aula16 ...
AntonioCesarBurnat1
 

Semelhante a Egoísmo Ético (texto) (20)

Síntese da obra "Ética para um jovem"
Síntese da obra "Ética para um jovem"Síntese da obra "Ética para um jovem"
Síntese da obra "Ética para um jovem"
 
Livre Arbítrio
Livre ArbítrioLivre Arbítrio
Livre Arbítrio
 
Objetivos Filosofia
Objetivos FilosofiaObjetivos Filosofia
Objetivos Filosofia
 
Tica utilitarista-exerccio
Tica utilitarista-exerccioTica utilitarista-exerccio
Tica utilitarista-exerccio
 
6 as ã©ticas de kant e de s.mill
6  as ã©ticas de kant e de s.mill6  as ã©ticas de kant e de s.mill
6 as ã©ticas de kant e de s.mill
 
O que torna uma ação moralmente correta.pptx
O que torna uma ação moralmente correta.pptxO que torna uma ação moralmente correta.pptx
O que torna uma ação moralmente correta.pptx
 
eticadekant.pdf
eticadekant.pdfeticadekant.pdf
eticadekant.pdf
 
Filosofia, comunicação e ética unip
Filosofia, comunicação e ética unipFilosofia, comunicação e ética unip
Filosofia, comunicação e ética unip
 
EnsFundII_Ensino_Religioso_7ºAno_A Regra de Ouro das Religiões_slides_aula16 ...
EnsFundII_Ensino_Religioso_7ºAno_A Regra de Ouro das Religiões_slides_aula16 ...EnsFundII_Ensino_Religioso_7ºAno_A Regra de Ouro das Religiões_slides_aula16 ...
EnsFundII_Ensino_Religioso_7ºAno_A Regra de Ouro das Religiões_slides_aula16 ...
 
éTica cristã empresarial
éTica cristã empresarialéTica cristã empresarial
éTica cristã empresarial
 
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptxCríticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx
 
2e3anos_filosofia.pptx
2e3anos_filosofia.pptx2e3anos_filosofia.pptx
2e3anos_filosofia.pptx
 
Verdade e-liberdade
Verdade e-liberdadeVerdade e-liberdade
Verdade e-liberdade
 
John corcoran
John corcoranJohn corcoran
John corcoran
 
Aula 3 principios eticos
Aula 3 principios eticosAula 3 principios eticos
Aula 3 principios eticos
 
RELIGIÃO 24.03.docx
RELIGIÃO 24.03.docxRELIGIÃO 24.03.docx
RELIGIÃO 24.03.docx
 
Filosofia: Quem precisa dela? - O Objetivismo de Ayn Rand
Filosofia: Quem precisa dela? - O Objetivismo de Ayn RandFilosofia: Quem precisa dela? - O Objetivismo de Ayn Rand
Filosofia: Quem precisa dela? - O Objetivismo de Ayn Rand
 
Ética e Moral - Filosofia
Ética e Moral - FilosofiaÉtica e Moral - Filosofia
Ética e Moral - Filosofia
 
Etica para um jovem 1-4 Capitulo
Etica para um jovem 1-4 CapituloEtica para um jovem 1-4 Capitulo
Etica para um jovem 1-4 Capitulo
 
Documento
DocumentoDocumento
Documento
 

Mais de Universidade Católica Portuguesa

Mais de Universidade Católica Portuguesa (20)

Guião de Visionamento Gran Torino
Guião de Visionamento Gran TorinoGuião de Visionamento Gran Torino
Guião de Visionamento Gran Torino
 
Argumento teleológico - William Paley
Argumento teleológico - William PaleyArgumento teleológico - William Paley
Argumento teleológico - William Paley
 
Argumento a favor da Existência de Deus
Argumento a favor da Existência de DeusArgumento a favor da Existência de Deus
Argumento a favor da Existência de Deus
 
O que é a religião?
O que é a religião?O que é a religião?
O que é a religião?
 
Tolstoi - Confissão
Tolstoi - Confissão Tolstoi - Confissão
Tolstoi - Confissão
 
Kurt Baier - Sentido da vida
Kurt Baier - Sentido da vidaKurt Baier - Sentido da vida
Kurt Baier - Sentido da vida
 
Ficha de Trabalho Psicologia B
Ficha de Trabalho Psicologia BFicha de Trabalho Psicologia B
Ficha de Trabalho Psicologia B
 
Ficha de trabalho
Ficha de trabalho Ficha de trabalho
Ficha de trabalho
 
Objectivos 10 C, H, E
Objectivos 10 C, H, E Objectivos 10 C, H, E
Objectivos 10 C, H, E
 
ensaio - sinestesia (Carlos)
ensaio - sinestesia (Carlos)ensaio - sinestesia (Carlos)
ensaio - sinestesia (Carlos)
 
Piaget Desenvolvimento
Piaget DesenvolvimentoPiaget Desenvolvimento
Piaget Desenvolvimento
 
Piaget - construtivismo
Piaget - construtivismoPiaget - construtivismo
Piaget - construtivismo
 
Problema.mal
Problema.malProblema.mal
Problema.mal
 
Freud. psicanálise.parte.i ippt
Freud. psicanálise.parte.i ipptFreud. psicanálise.parte.i ippt
Freud. psicanálise.parte.i ippt
 
Freud.conceitos. doc
Freud.conceitos. docFreud.conceitos. doc
Freud.conceitos. doc
 
Problema do mal
Problema do malProblema do mal
Problema do mal
 
Freud e a Psicanálise I
Freud e a Psicanálise IFreud e a Psicanálise I
Freud e a Psicanálise I
 
Ensaio do filme, psicologia
Ensaio do filme, psicologiaEnsaio do filme, psicologia
Ensaio do filme, psicologia
 
Ensaio "Inception"
Ensaio "Inception"Ensaio "Inception"
Ensaio "Inception"
 
Ensaio "Cisne negro" - Catarina
Ensaio "Cisne negro" - CatarinaEnsaio "Cisne negro" - Catarina
Ensaio "Cisne negro" - Catarina
 

Último

O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 

Último (20)

MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxMovimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 

Egoísmo Ético (texto)

  • 1. A Dimensão Pessoal e Social da Moral Egoísmo Ético “O egoísmo ético diz como devemos comportar-nos; nesse sentido, é uma teoria normativa. Para o egoísmo ético, o nosso único dever primitivo é fazer o melhor para nós mesmos. O interesse próprio é o princípio moral fundamental. Não é que o egoísta não tenha outros deveres; o que se passa é que todos os outros deveres do egoísta derivam do interesse próprio. Nada mais. Por isso, mesmo quando um defensor do egoísmo ético ajuda os outros ou renuncia a fazer o que realmente quer, é no fundo a promoção do seu interesse próprio a longo prazo que o move. O argumento mais forte a favor do egoísmo ético aceita a moralidade de senso comum e retira a partir daí a conclusão surpreendente de que essa é a melhor maneira de satisfazer o nosso interesse próprio. Considera então a seguinte formulação do argumento: 1. A moralidade de senso comum consiste em obedecer a certas regras: a regra de evitar fazer mal aos outros, a regra de dizer a verdade, a regra de cumprir as nossas promessas, e assim por diante. 2. Se não fizermos mal aos outros, as pessoas não vão querer prejudicar-nos e poderão até fazer-nos favores quando precisarmos. 3. Logo, não fazer mal aos outros serve o nosso interesse próprio. 1. Se dissermos a verdade aos outros, teremos uma boa reputação e as pessoas confiarão em nós quando precisarmos que elas sejam sinceras connosco. 2. Logo, dizer a verdade aos outros serve o nosso interesse próprio. (...) O mais provável é que neste momento já estejas a ver que este tipo de raciocínio irá conduzir-te surpreendentemente à Regra de Ouro: Faz aos outros aquilo que gostarias que eles te fizessem a ti. A versão da mesma regra à maneira do egoísta ético será: Ajuda os outros para que eles te ajudem a prosseguir o teu interesse próprio. E, assim, uma teoria que no início era abertamente recusada pelas tuas intuições morais mais profundas pode começar a parecer-te plausível. Mas será que é realmente plausível ou terá de enfrentar uma objecção suficientemente forte para a derrotar? (…)” Vaz, Fautino (s.d.) “Por que razão havemos de ser morais?, in Arte de Pensar. (Adaptado por Joana Inês Pontes)