SlideShare uma empresa Scribd logo
Psicofármacos
Drª Jhuli Keli Angeli
Psicotrópicos
 Modificadores seletivos do SNC utilizado no tratamento de
distúrbio psíquicos.
 Incluem drogas que deprimem ou estimulam seletivamente
a atividade mental. Ao contrário dos hipnóticos e sedativosnão deprimem centros vitais e não prejudicam a consciência.
 Devido a complexidade dos distúrbios mentais
(desconhecimento do fator causal), os fármacos aqui
abordados não são curativos, apenas aliviam os sintomas.
 Adotando classificação farmacológico-terapêutica, dividimos
os psicofármacos em: antipsicóticos, ansiolíticos,
antidepressivos e estabilizantes do humor.
Korolkovas, 1976.
Psicotrópicos
Psicoses (ex. esquizofrenia)- alucinações sensoriais
Distúrbios de ansiedade- neuroses- habilidades de
compreender a realidade, porém com alterações de:
- Humor: ansiedade, pânico, disforia
- Pensamentos: obsessão, medo irracional
- Comportamento: rituais, compulsão, repulsão.

Distúrbios do humor- depressão e transtorno bipolar
Distúrbios psíquicos e
neurotransmissores
Esquizofrenia e outras Psicoses
Esquizofrenia;
Transtorno esquizofreniforme;
Transtorno esquizoafetivo;
Transtorno delirante (erotomaníaco; grandeza;
ciúmes;
perseguição e somáticos);
Transtorno psicótico breve
Transtorno psicótico compartilhado
Transtorno do humor (mania, depressão psicótica)
Transtornos psicóticos induzidos por drogas (anfetaminas,
cocaína, levodopa, apomorfina e bromocriptina);
Demência (mal de Alzheimer);
Condições neurológicas (síndrome de Tourette).
ESQUIZOFRENIA
Trata-se de um transtorno psiquiátrico crônico incapacitante, de
natureza complexa, caracterizada por consciência lúcida, porém
com acentuado distúrbio do pensamento.
Cerca de 1% da população desenvolve esquizofrenia ao longo da
vida;
Incidência semelhante em homens (15 a 25 anos) e mulheres (25
a 35 anos).
O elemento essencial da chamada loucura é a perda do juízo da
realidade, ou seja, perda do conjunto de regras de entendimento
cuja partilha permite a comunicação entre as pessoas.

PSICOSE

ESQUIZOFRENIA

Principal indicação terapêutica dos
medicamentos antipsicóticos ou
neurolépticos.
Esquizofrenia
ESQUIZOFRENIA
 Caracterizada por ilusões, alucinação, desorganização
de pensamentos

Causas:
 Fatores hereditários;
 Fatores ambientais (complicações no parto, infecção
viral, mal-nutrição, incompatibilidade de fator Rh);
 Hipótese
neuroanatômica
(volume
ventricular
aumentado);
 Hipótese da dopamina.
Esquizofrenia
Três perspectivas tem sido adotadas para explicar a perda do
controle sobre a mente:
1) A místico-religiosa atribui a loucura à possessão por espíritos, ou
à influência de deuses ou demônios;
2) A passional vê nas emoções intensas e descontroladas a raiz da
insanidade;
3) A naturalística busca nos desequilíbrios do organismo a causa
das psicoses.
Desorganização da personalidade que envolve
variáveis culturais, psicológicas e biológicas
(genética).
Esquizofrenia
CRISES PSICÓTICAS
 Perda de encadeamento lógico do
pensamento;
 Incapacidade de julgamento;
 Percepção incorreta da realidade;
 Alucinações, ilusões, excitação
extrema;
 Comportamento violento.

SURGEM COMO SURTOS AGUDOS!
Esquizofrenia
MANIFESTAÇÕES DA FASE ATIVA
ALTERAÇÕES DE PENSAMENTO
Conteúdo (delírio): idéias delirantes de
natureza persecutória ou paranóide de
referência, bizarra.
 Forma
(fragmentação):
perda
das
associações lógicas, discurso fragmentado,
incoerente, linguajar vago e abstrato, ou
circunstancial e repetitivo, transmitindo
pouca informação.

ALTERAÇÕES DO AFETO
 Embotado ou incongruente.

 Explosões de raiva (súbitas).

ALTERAÇÕES PSICOMOTORAS

ALTERAÇÕES DE PERCEPÇÃO
 Alucinações:

auditivas
(principalmente), tácteis, visuais,
olfatórias e gustatória.
 Ilusões (metamorfopsias).
 Despersonalização.

 Estupor:

imóvel, indiferente ao meio.
 Rigidez: mantém posturas bizarras ou
executa movimentos repetitivos e sem
propósito.
 Catatonia = estupor + rigidez.
 Atitude
negativista:
contraria
instruções de movimento.
 Agitação
psicomotora
(surtos
agudos).
PRINCIPAIS SINTOMAS NA ESQUIZOFRENIA

SINTOMAS POSITIVOS
 Delírios;
 Alucinações;
 Distúrbios
do
pensamento;
 Agitação
ou
catatonia;
 Discurso
e
comportamento
desorganizado;
 Respostas
emocionais
incongruentes.

SINTOMAS AGRESSIVOS E
HOSTIS
 Hostilidade declarada
(abusos verbais e físicos);
 Automutilação;
 Suicídio;
 Abusos sexuais.

SINTOMAS NEGATIVOS E
COGNITIVOS

 Afeto embotado;
 Retraimento social;
 Desinteresse social
 Anedonia (ausência de
prazer);
 Atenção prejudicada.
Classificação Atual: CID-10 (1992) Critérios operacionais
Presença de sintomas de pelo menos um dos subgrupos por >/=1
mês:
(a) Eco, inserção, perda ou difusão do pensamento
(b) Delírios de controle, passividade; percepção delirante
(c) Alucinações auditivas
(d) Delírios bizarros ( políticos, religiosos, grandeza)

Presença de sintomas de pelo menos dois dos subgrupos por >/=
1 mês:
(a) alucinações, em geral acompanhadas de delírios pouco estruturados
(b) incoerência do pensamento, neologismos
(c) comportamento catatônico
(d) sintomas negativos
Ausência de sintomas afetivos proeminentes
Ausência de doenças cerebrais, intoxicações por drogas, ou síndromes de
abstinência
Esquizofrenia
SISTEMA DE NEUROTRANSMISSORES QUE SE POSTULA QUE ESTÃO
ENVOLVIDOS NA ESQUIZOFRENIA

Dopamina
Acetilcolina
Noradrenalina
Serotonina
Glutamato
Ácido y- aminobutírico
Neuropeptídeos
Esquizofrenia
HIPÓTESE DOPAMINÉRGICA DA ESQUIZOFRENIA
ANFETAMINA

 liberação de dopamina
impede recaptação de dopamina

EXCESSO DE ATIVIDADE
DOPAMINÉRGICA
Doses altas e repetitivas (psicose tóxica) = sintomas esquizofreniformes  esquizofrenia paranóide

- agitação psicomotora.
- alucinações auditivas.
D. Parkinson: tratamento com L-DOPA   formação da
dopamina  alguns desenvolvem sintomas psicóticos.

Antipsicóticos :  atividade DA no SNC
Esquizofrenia
HIPÓTESE DOPAMINÉRGICA DA ESQUIZOFRENIA
HIPERFUNÇÃO DOPAMINÉRGICA

PATOGENIA DA ESQUIZOFRENIA?
HIPÓTESE DOPAMINÉRGICA DA ESQUIZOFRENIA
VIAS DOPAMINÉRGICAS
a) Via nigroestriatal: Subst. Negra ao
Stiatum → Controle motor
b) Via mesolímbica: Área tegumentar
para nacc →
vígilia, memória,
processamento de estímulos, atividade
locomotora, comportamento motivacional.
c) Via mesocortical: Área tegumentar
para
córtex
frontal
→
cognição,
comunicação, atividade social, aprendizado
e memória.

d)
Via
tuberoinfundibular:
do
hipotálamo para a hipófise → controle da
secreção de prolactina.
Patterson et al: Guia de psicofarmacologia para terapeuta
HIPÓTESE DOPAMINÉRGICA DA ESQUIZOFRENIA

VIAS DOPAMINÉRGICAS

Diminuição da via mesocortical, responsável pelo aparecimento de
sintomas negativos, e aumento na via mesolímbica, responsável pelos
sintomas positivos.
HIPÓTESE DOPAMINÉRGICA DA ESQUIZOFRENIA
OUTRAS HIPÓTESES ENVOLVIDAS NA ESQUIZOFRENIA
Aumento da atividade dopaminérgica
(D2)









Efeitos alucinógenos do LSD
(agonista parcial de receptores 5HT2A);
Antipsicóticos atípicos: bloqueio 5HT2A > D2 .

Aumento da atividade serotoninérgica





Fenciclidina: antagonista NMDA
induz
psicose
semelhante
à
esquizofrenia;
Aumento da concentração de
glutamato no LCR de pacientes
esquizofrênicos;
Estudos pos mortem: diminuição da
concentração de glutamato no córtex
frontal e hipocampo;
Antagonista NMDA: aumenta DA no
córtex pré-frontal e estruturas
subcorticais.

Diminuição da atividade glutamatérgica

ESQUIZOFRENIA
Esquizofrenia- Psicopatologia
“Os sintomas psicóticos, as mais proeminentes e
reconhecíveis manifestações da esquizofrenia, não
são o único domínio da doença. De uma perspectiva
psicopatológica, o transtorno é muito mais complexo
e incapacitante, devidos aos profundos déficits
apresentados
por
esses
pacientes
nos
funcionamentos interpessoal, social e ocupacional.
Quatro agrupamentos de sintomas são reconhecidos:
sintomas positivos, sintomas negativos, déficits
cognitivos e sintomas de humor e suas
manifestações associadas”.
Patterson et al: Guia de psicofarmacologia para terapeuta
Tratamento- Abordagem muldisciplinar
ARTETERAPIA
PSICOTERAPIA

TREINO DE
ABILIDADES

NUTRICIONAL

ANTIPSICÓTICOS

TERAPIA DE
FAMÍLIA

GRUPOS DE
AUTOAJUDA

PSICOEDUCAÇÃO
INTERVENÇÃO
DE APOIO
Tratamento farmacológico
1950

• Eletroconvulsoterapia
• Coma insulínico
• Medicações sedativas nãoespecíficas
•Psicocirurgia
•Uso liberal de contenções
físicas
•Intervenções psicossociais

• Clorpromazina
• Antipsicóticos e terapias
associadas.
• Antpsicóticos combinados:
antidepresivos,
BZP
e
anticolinérgicos.
• Antipsicóticos
modificaram
acentuadamente a evolução da
doença mental grave, propiciando
mudanças radicais em seu
manejo,
que
passou
ser
predominantemente domiciliar
MEDICAMENTOS ANTIPSICÓTICOS OU
NEUROLÉPTICOS

TÍPICOS (convencionais)

X
ATÍPICOS
ANTIPSICÓTICOS TÍPICOS
FENOTIAZINAS

DIVERSOS ESTUDOS NÃO INDICAM

BUTIROFENONAS
MAIOR EFICÁCIA ANTIPSICÓTICA DE







Clorpromazina - Amplictil®
Levomepromazina - Neozine®
Periciazina – Neuleptil®
Flufenazina - Flufenan®
Trifluperazine - Stelazine ®

 Haloperidol - Haldol®

UM EM RELAÇÃO AOS DEMAIS.
DIFEREM,
POTÊNCIA,

CONTUDO,

QUANTO

FARMACOCINÉTICA

À

 Droperidol - Droperidol ®

E

DIFENILBUTILPIPERIDINAS
PERFIL DE EFEITOS ADVERSOS.
 Pimozida - Orap®

 Penfluridol -Semap®
ANTIPSICÓTICOS TÍPICOS
MECANISMO DE AÇÃO
Patterson et al: Guia de psicofarmacologia para terapeuta
Efeito Terapêutico
SINTOMAS POSITIVOS
 Delírios;
 Alucinações;
 Distúrbios
do
pensamento;
 Agitação ou catatonia;
 Discurso
e
comportamento
desorganizado;
 Respostas emocionais
incongruentes.

Efeito Adversos
 Nenhum efeito ou piora nos
sintomas negativos;
 Rigidez muscular , características
faciais inexpressivas e tremores
(via nigroestrial);
 Aumento da produção de
prolactina
podendo
gerar
ginecomastia
e
lactação,
anovulação,
oligomenorreia,
diminuição da libido, disfunção
orgástica, ↓ da densidade óssea
(via tuberoinfundibular).
ANTIPSICÓTICOS TÍPICOS
EFEITOS COLATERAIS NEUROLÓGICOS
Parkisonismo farmacológico (30% pacientes) ~ 1 semana
Presença de hipocinesia, rigidez da musculatura esquelética e
tremores de repouso.
Reação distônica aguda (24h a < 1 semana)
Espasmos musculares: caretas, torções de pescoço, movimentos da
mandíbula, olhar fixo para cima por minutos ou horas.
Acatisia (< 1 semana a 2 semanas)
Inquietação, incapazes de permanecerem sentados.
Síndrome neuroléptica aguda
Parkinsonismo intenso, presença de febre e acentuadas flutuações
da pressão arterial → Risco de morte!
ANTIPSICÓTICOS TÍPICOS
EFEITOS COLATERAIS NEUROLÓGICOS
Discinesia tardia (semanas, meses ou anos);
 Movimentos laterais da mandíbula, de sugar ou beijar;
 Movimentos da língua do tipo “pega-mosca” e tiques; tronco
(trás e frente);
ANTIPSICÓTICOS TÍPICOS
REAÇÕES ADVERSAS
EFEITOS

Anticolinérgicos

Visão borrada, boca seca, constipação, retenção
urinária, déficits de memória

Antihistamínicos

Ganho de peso e sedação.

Antiadrenégicos

Hipotensão postural

Negativos

Retraimento social, apatia, afeto embotado.

Endócrinos

Galactorréia, irregularidade na menstruação,
fertilidade, ginecomastia, disfunção sexual.


Aproximadamente 50% dos pacientes com esquizofrenia
interrompem as medicações após 4 a 6 meses de tratamento,
principalmente em razão dos efeitos colaterais.

É importante, para o terapeuta, desenvolver alguma
familiaridade com essa constelação de efeitos
adversos, embora a prevalência deles tenha
diminuído um pouco após a introdução dos
antipsicóticos atípicos.
Antipsicóticos de alta potência
HALOPERIDOL (HALDOL) ; FLUFENAZINA (FLUFENAN)
TRIFLUOPERAZINA (STELAZIN)
• Maior ligação a receptores D2:
– Maior eficácia
– Mais SEP (Sintomas Extrapiramidais)
– Maior incidência de discinesia tardia

• Menos problemas cognitivos
– Menos sedação
– Menos efeitos anticolinérgicos
– Menos efeitos cardiovasculares
Antipsicóticos de baixa potência
TIORIDAZINA (MELLERIL ); CLORPROMAZINA (AMPLICTIL)
• Menor ligação a receptores D2:
– Menor eficácia
– Menos SEP (Sintomas Extrapiramidais)
– Menor incidência de discinesia tardia

• Mais problemas cognitivos
– Mais sedação
– Mais efeitos anticolinérgicos

• Mais efeitos cardiovasculares
ANTIPSICÓTICOS TÍPICOS
Únicos disponíveis por cerca de 35 anos, ainda são valorizadas
no tratamento contemporâneo.

VANTAGENS
- Notavelmente eficazes nos
sintomas positivos;
- Vasta experiência clínica
- Custo reduzido
- Diferentes
formulações
(sublingual, depósito).

DESVANTAGENS
- Eficácia limitada (70%);
- Pouco ou nenhum impacto
sobre os sintomas negativos
e cognitivos;
- Recaídas e efeitos colaterais
problemáticas são comuns.
ANTIPSICÓTICOS ATÍPICOS
 Um salto importante no tratamento da esquizofrenia ocorreu no
final da década de 80 com a introdução do primeiro de uma série
de medicamentos que ofereceram espectro de ação mais amplo
e tolerabilidade relativamente melhor.
 Clozapina - Leponex®
 Risperidona - Risperdal®
 Olanzapina - Zyprexa®
 Quetiapina - Seroquel®
 Sulpirida - Sulpan®, Dogmatil®, Equilid®
 Amilsulpirida - Socian®
 Aripiprazol – Abilif ® (3ª geração)
ANTIPSICÓTICOS ATÍPICOS
MECANISMO DE AÇÃO
Tem maior especificidade no bloqueio dopaminérgico na via
mesolímbica do que nas vias nigroestriatal ou na mesocortical.
Não apresenta efeito extrapiramidal, exceto discinesia tardia, e
são eficazes nos sintomas negativos.
ANTIPSICÓTICOS ATÍPICOS
CLOZAPINA (LEPONEX®)
 Foi aprovada pelo FDA em 1990, mas já era utilizada em outros
países dede 1970;
 Seu efeito é igual ou superior aos antipsicóticos típicos na
melhora dos sintomas positivos e também é eficaz na melhora dos
sintomas negativos, não causa catalepsia;
 Este medicamento é indicado principalmente para os pacientes
esquizofrênicos ou com distúrbio bipolar refratários ao tratamento
clássico.
 Vantagem peculiar sobres os demais antipsicóticos: parece ter
efeito antissuicídio específico em pacientes com esquizofrenia.
ANTIPSICÓTICOS ATÍPICOS
CLOZAPINA (LEPONEX®)

D4= α1 > 5- HT2A > D2=D1

Seu mecanismo de ação envolve a
capacidade de antagonizar múltiplos
receptores: D4, D2, 5-HT2A, muscarínicos,
adrenoceptores α-1 e H1.
ANTIPSICÓTICOS ATÍPICOS
CLOZAPINA (LEPONEX®)
REAÇÕES ADVERSAS

 Agranulocitose (1-2% dos pacientes).
 Pode causar convulsão, por reduzir o seu limiar.
 Sedação profunda
anticolinérgicos

e

prolongada,

enurese

e

efeitos

“Homem de 50 anos, esquizofrênico, já havia sido tratado com vários
antipsicóticos, sem nunca ter desenvolvido nenhum quadro relevante
provocado por efeitos colaterais. No entanto, dois meses após a
introdução da clozapina, ele apresentou uma grande redução do
número de leucócitos. Após a interrupção da clozapina, o hemograma
voltou ao normal.”

AGRANULOCITOSE INDUZIDA POR CLOZAPINA
ANTIPSICÓTICOS ATÍPICOS
CLOZAPINA (LEPONEX®)
Esquema terapêutico:
 Primeiros 6 meses de tratamento (exames de sangue
semanais)
 Menor frequência mas ainda com monitoramento.
REAÇÕES ADVERSAS
 Agranulocitose (1-2% dos pacientes).
 Pode causar convulsão, por reduzir o seu limiar.
 Sonolência e sedação
Ganho de peso importante, risco de hiperglicemia e hiperlipidemia
Hipotensão ortostática

 Tontura e vertigens
 Aumento da Frequência cardíaca
ANTIPSICÓTICOS ATÍPICOS
RISPERIDONA (RISPERDAL®)
 Introduzida nos EUA em 1993 (+ prescritos);

 Alimentos não afetam sua absorção;
 Mecanismo de ação envolve o antagonismo dos receptores D2, 5HT2A, α1 e α2, H1.
REAÇÕES ADVERSAS

 Sonolência
 Fadiga
 Tonteiras ortostáticas
 Taquicardia
 Náuseas
 Ganho de peso
 Distúrbios menstruais
ANTIPSICÓTICOS ATÍPICOS
ANTIPSICÓTICOS ATÍPICOS E ANORMALIDADES METABÓLICAS

DROGA

GANHO DE PESO

RISCO PARA
DIABETES

PIORA DO PERFIL
LIPÍDICO

Clozapina

+++

+

+

Olanzapina

+++

+

+

Risperidona

++

discrepantes

discrepantes

Quetiapina

++

discrepantes

discrepantes

Aripiprazol

+/-

-

-

Ziprasidona

+/-

-

-
ANTIPSICÓTICOS ATÍPICOS
• São bloqueadores moderados dos receptores
dopaminérgicos
• Menos efeitos extrapiramidais
• São mais eficazes na diminuição dos sintomas
negativos
• Têm ação nos receptores 5-HT2
Mecanismo de ação dos antipsicóticos
típicos
Mecanismo de ação dos antipsicóticos
Atípicos
Mecanismo de ação dos antipsicóticos
Atípicos
ANTIPSICÓTICOS ATÍPICOS
ARIPIPRAZOL (ABILIFY®)
 Aprovado em novembro de 2002

Mecanismo de ação singular (agonista parcial dopaminérgico e
efeitos nos receptores de serotonina)
 Atua nas vias dopaminérgicas de forma diferenciada:
 Reduzem o tônus dopaminérgico onde ele é muito alto
(mesolímbica)
Aumenta o
(mesocortical)

tônus

dopaminérgico

onde

ele

é

baixo

 Demais vias (nigroestrial e tuberoinfundilular) alterações
pequenas ou nenhuma
ANTIPSICÓTICOS ATÍPICOS
ARIPIPRAZOL (ABILIFY®)
EFEITOS COLATERAIS

Insônia

 Ansiedade
 Acatisia
Tremores

Tonturas e hipotensão ortostática
Constipação

15 a 30 mg
ANTIPSICÓTICOS
EFEITOS E DOSE
Fármacos
Clorpromazina
(Amplictil)
Levomepromazina
(Neozine)
Flufenazina
(Flufenan)
Trifluoperazina
(Stelazine)
Haloperidol
(Haldol)
Clozapina
(Leponex)
Olanzapina
(Zyprexa)
Risperidona
(Risperdal)
Quetiapina
(Seroquel)
Tioridazina
(Melleril)

Sedativa

Extrapiramidal Hipotensora

Antimuscarínica

+++

++

++

++

Doses
manutenção(mg)
50-400

+++

++

++

++

50-400

+

+++

+

+

1-15

+

+++

+

+

4-30

+

+++

+

+

1-15

+++

0

+

+++

200-400

+

+

++

++

5-10

+

+

+

+

2-8

+++

0

++

+++

300-500

+++

+

++

+++

50-400
CONSIDERAÇÕES GERAIS NO TRATAMENTO
ANTIPSICÓTICOS
 Atualmente o tratamento é ao mesmo tempo eficaz porém
insuficiente;
 Maioria dos pacientes (20 a 50%) apresenta redução na gravidade
dos sintomas;

 Efeitos terapêuticos
-Sintomas positivos (poucos dias);
-Sintomas negativos (semanas, meses: ~26 semanas)
CONSIDERAÇÕES GERAIS NO TRATAMENTO
ANTIPSICÓTICOS
Dados os resultados relativamente modestos atualmente observados
com tratamento antipsicótico, os médicos muitas vezes procuram
combinações de medicações ou aumentos de dose com objetivo de
maximizar os benefícios.
•Monoterapia: substituição de antipsicóticos por um antipsicótico
diferente
•Aumento da dose além daquela que tem embasamento em
estudos controlados por placebo.
•Polifarmácia: (associação de antipsicótcos)
•Potencialização: adicionar uma medicação não antipsicótica a
um antipsicótico.
CONSIDERAÇÕES GERAIS NO TRATAMENTO
ANTIPSICÓTICOS
ADESÃO AO TRATAMENTO
VIA

EXEMPLOS

COMENTÁRIOS

Injeção intramuscular

Haloperidol, Ziprazidona,
Olanzapina

Níveis sanguíneos
máximos alcançados em
curto período

Comprimidos dissolvíveis

Olanzapina, Risperidona

Absorção mais rápida,
fornece uma alternativa a
injeção

Concentrado líquido

Haloperidol, Risperidona

Como acima

Comprimidos ou cápsulas

Todos

Via padrão

Suspensão oleosa de
depósito

Flufenazina, Haloperidol,
Risperidona

Liberação lenta; permite
doses a cada 2 a 4
semanas
• Esse é o estado atual das medicações antipsicóticas:
avanços impressionantes desde que os primeiros
tratamentos foram introduzidos sendo ainda necessário
muita mudanças.
1950 (clorpromazina)

2002 (aripiprazol)

Equipe multiprofissional
Vídeo Esquizofrenia

Esquizofrenia - Alternativa Saúde/GNT

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula - SNC - Antipsicóticos
Aula -  SNC - AntipsicóticosAula -  SNC - Antipsicóticos
Aula - SNC - Antipsicóticos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
Aula - SNC - Tratamento da Doença de ParkinsonAula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
Aula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Transtornos de ansiedade
Transtornos de ansiedadeTranstornos de ansiedade
Transtornos de ansiedade
Caio Maximino
 
Antidepressivos
AntidepressivosAntidepressivos
Antidepressivos
Cliomar Santos
 
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso AutônomoAula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Ansioliticos
AnsioliticosAnsioliticos
Ansioliticos
Safia Naser
 
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Interação fármaco-receptor
Interação fármaco-receptorInteração fármaco-receptor
Interação fármaco-receptor
Caio Maximino
 
Farmacologia
FarmacologiaFarmacologia
Farmacologia
Dalvânia Santos
 
Aula 7 farmacologia adrenérgica
Aula 7   farmacologia adrenérgicaAula 7   farmacologia adrenérgica
Aula 7 farmacologia adrenérgica
Med. Veterinária 2011
 
Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Aula  - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de FármacosAula  - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Ansiolíticos
AnsiolíticosAnsiolíticos
Ansiolíticos
Dr.João Calais.:
 
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - FarmacodinâmicaAula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Transtornos do humor
Transtornos do humorTranstornos do humor
Transtornos do humor
Aroldo Gavioli
 
Farmacologia dos opiaceos
  Farmacologia dos opiaceos   Farmacologia dos opiaceos
Farmacologia dos opiaceos
Carlos D A Bersot
 
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e SimpatolíticosAula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Antidepressivos
AntidepressivosAntidepressivos
Antidepressivos
Farmacêutico Digital
 
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores NeuromuscularesAula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 1/2
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 1/2[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 1/2
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 1/2
Marcelo Zanotti da Silva
 
psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2
Aroldo Gavioli
 

Mais procurados (20)

Aula - SNC - Antipsicóticos
Aula -  SNC - AntipsicóticosAula -  SNC - Antipsicóticos
Aula - SNC - Antipsicóticos
 
Aula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
Aula - SNC - Tratamento da Doença de ParkinsonAula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
Aula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
 
Transtornos de ansiedade
Transtornos de ansiedadeTranstornos de ansiedade
Transtornos de ansiedade
 
Antidepressivos
AntidepressivosAntidepressivos
Antidepressivos
 
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso AutônomoAula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
 
Ansioliticos
AnsioliticosAnsioliticos
Ansioliticos
 
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
 
Interação fármaco-receptor
Interação fármaco-receptorInteração fármaco-receptor
Interação fármaco-receptor
 
Farmacologia
FarmacologiaFarmacologia
Farmacologia
 
Aula 7 farmacologia adrenérgica
Aula 7   farmacologia adrenérgicaAula 7   farmacologia adrenérgica
Aula 7 farmacologia adrenérgica
 
Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Aula  - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de FármacosAula  - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
 
Ansiolíticos
AnsiolíticosAnsiolíticos
Ansiolíticos
 
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - FarmacodinâmicaAula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
 
Transtornos do humor
Transtornos do humorTranstornos do humor
Transtornos do humor
 
Farmacologia dos opiaceos
  Farmacologia dos opiaceos   Farmacologia dos opiaceos
Farmacologia dos opiaceos
 
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e SimpatolíticosAula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
 
Antidepressivos
AntidepressivosAntidepressivos
Antidepressivos
 
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores NeuromuscularesAula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
 
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 1/2
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 1/2[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 1/2
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 1/2
 
psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2
 

Destaque

[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 4
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 4[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 4
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 4
Marcelo Zanotti da Silva
 
Noções básicas de psicofarmacologia i
Noções básicas de psicofarmacologia iNoções básicas de psicofarmacologia i
Noções básicas de psicofarmacologia i
Educação Ucpel
 
Amag guía de actuación del juez en el ncpp
Amag   guía de actuación del juez en el ncppAmag   guía de actuación del juez en el ncpp
Amag guía de actuación del juez en el ncpp
Henry Zevallos
 
Magazine Het Ondernemersbelang de Baronie 0212
Magazine Het Ondernemersbelang de Baronie 0212Magazine Het Ondernemersbelang de Baronie 0212
Magazine Het Ondernemersbelang de Baronie 0212
HetOndernemersBelang
 
Actualiteiten ICT Contracten en Partnerships (2012)
Actualiteiten ICT Contracten en Partnerships (2012)Actualiteiten ICT Contracten en Partnerships (2012)
Actualiteiten ICT Contracten en Partnerships (2012)Advocatenkantoor LEGALZ
 
Interacciones farmaco-alimento
Interacciones farmaco-alimentoInteracciones farmaco-alimento
Interacciones farmaco-alimento
Génesis Cedeño
 
Training Schrijven voor het Web
Training Schrijven voor het WebTraining Schrijven voor het Web
Training Schrijven voor het Web
Simone Levie
 
Marco del buen desempeño docente
Marco del buen desempeño docenteMarco del buen desempeño docente
Marco del buen desempeño docente
0013
 
"Protección de la salud mental luego del terremoto y tsunami del 27 de febrer...
"Protección de la salud mental luego del terremoto y tsunami del 27 de febrer..."Protección de la salud mental luego del terremoto y tsunami del 27 de febrer...
"Protección de la salud mental luego del terremoto y tsunami del 27 de febrer...
Organización Panamericana de la Salud - Organización Mundial de la Salud, Representación en Chile.
 
De Reis van de Heldin december 2015
De Reis van de Heldin december 2015De Reis van de Heldin december 2015
De Reis van de Heldin december 2015
Peter de Kuster
 
Error messages
Error messagesError messages
Error messages
rtinkelman
 
Gfpi f-019 guia de aprendizaje 01 tda orientar fpi
Gfpi f-019 guia de aprendizaje 01 tda orientar fpiGfpi f-019 guia de aprendizaje 01 tda orientar fpi
Gfpi f-019 guia de aprendizaje 01 tda orientar fpi
lisbet bravo
 
Análisis situacional integral de salud final
 Análisis situacional integral de salud final Análisis situacional integral de salud final
Análisis situacional integral de salud final
Estefanía Echeverría
 
Geheugen verbeteren
Geheugen verbeterenGeheugen verbeteren
Geheugen verbeteren
Gezondheid Acties
 
De impact van adhd
De impact van adhdDe impact van adhd
De impact van adhd
Gezondheid Acties
 
PMP Sonora Saludable 2010 2015
PMP Sonora Saludable 2010   2015  PMP Sonora Saludable 2010   2015
1ºBACH Economía Tema 5 Oferta y demanda
1ºBACH Economía Tema 5 Oferta y demanda1ºBACH Economía Tema 5 Oferta y demanda
1ºBACH Economía Tema 5 Oferta y demanda
Geohistoria23
 
Tears In The Rain
Tears In The RainTears In The Rain
Implementación de la Administración de Integridad de ductos en México
Implementación de la Administración de Integridad de ductos en MéxicoImplementación de la Administración de Integridad de ductos en México
Implementación de la Administración de Integridad de ductos en México
Academia de Ingeniería de México
 
Onderzoeksrapport acrs v3.0_definitief
Onderzoeksrapport acrs v3.0_definitiefOnderzoeksrapport acrs v3.0_definitief
Onderzoeksrapport acrs v3.0_definitief
rloggen
 

Destaque (20)

[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 4
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 4[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 4
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 4
 
Noções básicas de psicofarmacologia i
Noções básicas de psicofarmacologia iNoções básicas de psicofarmacologia i
Noções básicas de psicofarmacologia i
 
Amag guía de actuación del juez en el ncpp
Amag   guía de actuación del juez en el ncppAmag   guía de actuación del juez en el ncpp
Amag guía de actuación del juez en el ncpp
 
Magazine Het Ondernemersbelang de Baronie 0212
Magazine Het Ondernemersbelang de Baronie 0212Magazine Het Ondernemersbelang de Baronie 0212
Magazine Het Ondernemersbelang de Baronie 0212
 
Actualiteiten ICT Contracten en Partnerships (2012)
Actualiteiten ICT Contracten en Partnerships (2012)Actualiteiten ICT Contracten en Partnerships (2012)
Actualiteiten ICT Contracten en Partnerships (2012)
 
Interacciones farmaco-alimento
Interacciones farmaco-alimentoInteracciones farmaco-alimento
Interacciones farmaco-alimento
 
Training Schrijven voor het Web
Training Schrijven voor het WebTraining Schrijven voor het Web
Training Schrijven voor het Web
 
Marco del buen desempeño docente
Marco del buen desempeño docenteMarco del buen desempeño docente
Marco del buen desempeño docente
 
"Protección de la salud mental luego del terremoto y tsunami del 27 de febrer...
"Protección de la salud mental luego del terremoto y tsunami del 27 de febrer..."Protección de la salud mental luego del terremoto y tsunami del 27 de febrer...
"Protección de la salud mental luego del terremoto y tsunami del 27 de febrer...
 
De Reis van de Heldin december 2015
De Reis van de Heldin december 2015De Reis van de Heldin december 2015
De Reis van de Heldin december 2015
 
Error messages
Error messagesError messages
Error messages
 
Gfpi f-019 guia de aprendizaje 01 tda orientar fpi
Gfpi f-019 guia de aprendizaje 01 tda orientar fpiGfpi f-019 guia de aprendizaje 01 tda orientar fpi
Gfpi f-019 guia de aprendizaje 01 tda orientar fpi
 
Análisis situacional integral de salud final
 Análisis situacional integral de salud final Análisis situacional integral de salud final
Análisis situacional integral de salud final
 
Geheugen verbeteren
Geheugen verbeterenGeheugen verbeteren
Geheugen verbeteren
 
De impact van adhd
De impact van adhdDe impact van adhd
De impact van adhd
 
PMP Sonora Saludable 2010 2015
PMP Sonora Saludable 2010   2015  PMP Sonora Saludable 2010   2015
PMP Sonora Saludable 2010 2015
 
1ºBACH Economía Tema 5 Oferta y demanda
1ºBACH Economía Tema 5 Oferta y demanda1ºBACH Economía Tema 5 Oferta y demanda
1ºBACH Economía Tema 5 Oferta y demanda
 
Tears In The Rain
Tears In The RainTears In The Rain
Tears In The Rain
 
Implementación de la Administración de Integridad de ductos en México
Implementación de la Administración de Integridad de ductos en MéxicoImplementación de la Administración de Integridad de ductos en México
Implementación de la Administración de Integridad de ductos en México
 
Onderzoeksrapport acrs v3.0_definitief
Onderzoeksrapport acrs v3.0_definitiefOnderzoeksrapport acrs v3.0_definitief
Onderzoeksrapport acrs v3.0_definitief
 

Semelhante a [Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 2

Aula 5 Biomedicina
Aula 5 BiomedicinaAula 5 Biomedicina
Aula 5 Biomedicina
Caio Maximino
 
Aula 5 Biomedicina
Aula 5 BiomedicinaAula 5 Biomedicina
Aula 5 Biomedicina
Caio Maximino
 
Esquizofrenia
EsquizofreniaEsquizofrenia
Esquizofrenia
anacarreira2
 
Atendimento na emergãªncia a paciente em uso de (1)
Atendimento na emergãªncia a paciente em uso de (1)Atendimento na emergãªncia a paciente em uso de (1)
Atendimento na emergãªncia a paciente em uso de (1)
endersonmotors
 
Transtorno afetivo bipolar
Transtorno afetivo bipolarTranstorno afetivo bipolar
Transtorno afetivo bipolar
Rodolpho David
 
Esquizofrenia 1a
Esquizofrenia 1aEsquizofrenia 1a
Esquizofrenia 1a
adrianacarrazoni
 
Psicoses
Psicoses Psicoses
Esquizofrenia e bipolaridade
Esquizofrenia e bipolaridadeEsquizofrenia e bipolaridade
Esquizofrenia e bipolaridade
cleytonlopes
 
Transtornos psicóticos, esquizofrenia - tutoria
Transtornos psicóticos, esquizofrenia - tutoriaTranstornos psicóticos, esquizofrenia - tutoria
Transtornos psicóticos, esquizofrenia - tutoria
juliacamargo42
 
PSICOSE.pptx
PSICOSE.pptxPSICOSE.pptx
PSICOSE.pptx
RafaelLoureno59
 
Esquizofrênia - Leonardo Nunes
Esquizofrênia - Leonardo NunesEsquizofrênia - Leonardo Nunes
Esquizofrenia
EsquizofreniaEsquizofrenia
Esquizofrenia
PatriciaHenrique16
 
Esquizofrenia
EsquizofreniaEsquizofrenia
Esquizofrenia
Julai1991
 
Psicofarmacologia e psicoterapia dos transtornos psicóticos
Psicofarmacologia e psicoterapia dos transtornos psicóticosPsicofarmacologia e psicoterapia dos transtornos psicóticos
Psicofarmacologia e psicoterapia dos transtornos psicóticos
Caio Maximino
 
Apresentação de Esquizofrenia.pptx
Apresentação de  Esquizofrenia.pptxApresentação de  Esquizofrenia.pptx
Apresentação de Esquizofrenia.pptx
enfermeiraelainnechr
 
Depressão e demência no idoso 1
Depressão e demência no idoso 1Depressão e demência no idoso 1
Depressão e demência no idoso 1
Ana Lopes
 
Esboço
EsboçoEsboço
Os usos e limites da psicofarmacologia e o paciente em análise
Os usos e limites da psicofarmacologia e o paciente em análiseOs usos e limites da psicofarmacologia e o paciente em análise
Os usos e limites da psicofarmacologia e o paciente em análise
Miriam Gorender
 
Farmacologia 11 antipsicóticos - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 11   antipsicóticos - med resumos (dez-2011)Farmacologia 11   antipsicóticos - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 11 antipsicóticos - med resumos (dez-2011)
Jucie Vasconcelos
 
TRANSTORNO MENTAL "PSICOSE" Visão Espirita
TRANSTORNO MENTAL "PSICOSE" Visão EspiritaTRANSTORNO MENTAL "PSICOSE" Visão Espirita
TRANSTORNO MENTAL "PSICOSE" Visão Espirita
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 

Semelhante a [Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 2 (20)

Aula 5 Biomedicina
Aula 5 BiomedicinaAula 5 Biomedicina
Aula 5 Biomedicina
 
Aula 5 Biomedicina
Aula 5 BiomedicinaAula 5 Biomedicina
Aula 5 Biomedicina
 
Esquizofrenia
EsquizofreniaEsquizofrenia
Esquizofrenia
 
Atendimento na emergãªncia a paciente em uso de (1)
Atendimento na emergãªncia a paciente em uso de (1)Atendimento na emergãªncia a paciente em uso de (1)
Atendimento na emergãªncia a paciente em uso de (1)
 
Transtorno afetivo bipolar
Transtorno afetivo bipolarTranstorno afetivo bipolar
Transtorno afetivo bipolar
 
Esquizofrenia 1a
Esquizofrenia 1aEsquizofrenia 1a
Esquizofrenia 1a
 
Psicoses
Psicoses Psicoses
Psicoses
 
Esquizofrenia e bipolaridade
Esquizofrenia e bipolaridadeEsquizofrenia e bipolaridade
Esquizofrenia e bipolaridade
 
Transtornos psicóticos, esquizofrenia - tutoria
Transtornos psicóticos, esquizofrenia - tutoriaTranstornos psicóticos, esquizofrenia - tutoria
Transtornos psicóticos, esquizofrenia - tutoria
 
PSICOSE.pptx
PSICOSE.pptxPSICOSE.pptx
PSICOSE.pptx
 
Esquizofrênia - Leonardo Nunes
Esquizofrênia - Leonardo NunesEsquizofrênia - Leonardo Nunes
Esquizofrênia - Leonardo Nunes
 
Esquizofrenia
EsquizofreniaEsquizofrenia
Esquizofrenia
 
Esquizofrenia
EsquizofreniaEsquizofrenia
Esquizofrenia
 
Psicofarmacologia e psicoterapia dos transtornos psicóticos
Psicofarmacologia e psicoterapia dos transtornos psicóticosPsicofarmacologia e psicoterapia dos transtornos psicóticos
Psicofarmacologia e psicoterapia dos transtornos psicóticos
 
Apresentação de Esquizofrenia.pptx
Apresentação de  Esquizofrenia.pptxApresentação de  Esquizofrenia.pptx
Apresentação de Esquizofrenia.pptx
 
Depressão e demência no idoso 1
Depressão e demência no idoso 1Depressão e demência no idoso 1
Depressão e demência no idoso 1
 
Esboço
EsboçoEsboço
Esboço
 
Os usos e limites da psicofarmacologia e o paciente em análise
Os usos e limites da psicofarmacologia e o paciente em análiseOs usos e limites da psicofarmacologia e o paciente em análise
Os usos e limites da psicofarmacologia e o paciente em análise
 
Farmacologia 11 antipsicóticos - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 11   antipsicóticos - med resumos (dez-2011)Farmacologia 11   antipsicóticos - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 11 antipsicóticos - med resumos (dez-2011)
 
TRANSTORNO MENTAL "PSICOSE" Visão Espirita
TRANSTORNO MENTAL "PSICOSE" Visão EspiritaTRANSTORNO MENTAL "PSICOSE" Visão Espirita
TRANSTORNO MENTAL "PSICOSE" Visão Espirita
 

Último

APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
karinenobre2033
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 

Último (20)

APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 

[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 2

  • 2. Psicotrópicos  Modificadores seletivos do SNC utilizado no tratamento de distúrbio psíquicos.  Incluem drogas que deprimem ou estimulam seletivamente a atividade mental. Ao contrário dos hipnóticos e sedativosnão deprimem centros vitais e não prejudicam a consciência.  Devido a complexidade dos distúrbios mentais (desconhecimento do fator causal), os fármacos aqui abordados não são curativos, apenas aliviam os sintomas.  Adotando classificação farmacológico-terapêutica, dividimos os psicofármacos em: antipsicóticos, ansiolíticos, antidepressivos e estabilizantes do humor. Korolkovas, 1976.
  • 3. Psicotrópicos Psicoses (ex. esquizofrenia)- alucinações sensoriais Distúrbios de ansiedade- neuroses- habilidades de compreender a realidade, porém com alterações de: - Humor: ansiedade, pânico, disforia - Pensamentos: obsessão, medo irracional - Comportamento: rituais, compulsão, repulsão. Distúrbios do humor- depressão e transtorno bipolar
  • 5. Esquizofrenia e outras Psicoses Esquizofrenia; Transtorno esquizofreniforme; Transtorno esquizoafetivo; Transtorno delirante (erotomaníaco; grandeza; ciúmes; perseguição e somáticos); Transtorno psicótico breve Transtorno psicótico compartilhado Transtorno do humor (mania, depressão psicótica) Transtornos psicóticos induzidos por drogas (anfetaminas, cocaína, levodopa, apomorfina e bromocriptina); Demência (mal de Alzheimer); Condições neurológicas (síndrome de Tourette).
  • 6. ESQUIZOFRENIA Trata-se de um transtorno psiquiátrico crônico incapacitante, de natureza complexa, caracterizada por consciência lúcida, porém com acentuado distúrbio do pensamento. Cerca de 1% da população desenvolve esquizofrenia ao longo da vida; Incidência semelhante em homens (15 a 25 anos) e mulheres (25 a 35 anos).
  • 7. O elemento essencial da chamada loucura é a perda do juízo da realidade, ou seja, perda do conjunto de regras de entendimento cuja partilha permite a comunicação entre as pessoas. PSICOSE ESQUIZOFRENIA Principal indicação terapêutica dos medicamentos antipsicóticos ou neurolépticos.
  • 8. Esquizofrenia ESQUIZOFRENIA  Caracterizada por ilusões, alucinação, desorganização de pensamentos Causas:  Fatores hereditários;  Fatores ambientais (complicações no parto, infecção viral, mal-nutrição, incompatibilidade de fator Rh);  Hipótese neuroanatômica (volume ventricular aumentado);  Hipótese da dopamina.
  • 9. Esquizofrenia Três perspectivas tem sido adotadas para explicar a perda do controle sobre a mente: 1) A místico-religiosa atribui a loucura à possessão por espíritos, ou à influência de deuses ou demônios; 2) A passional vê nas emoções intensas e descontroladas a raiz da insanidade; 3) A naturalística busca nos desequilíbrios do organismo a causa das psicoses. Desorganização da personalidade que envolve variáveis culturais, psicológicas e biológicas (genética).
  • 10. Esquizofrenia CRISES PSICÓTICAS  Perda de encadeamento lógico do pensamento;  Incapacidade de julgamento;  Percepção incorreta da realidade;  Alucinações, ilusões, excitação extrema;  Comportamento violento. SURGEM COMO SURTOS AGUDOS!
  • 11. Esquizofrenia MANIFESTAÇÕES DA FASE ATIVA ALTERAÇÕES DE PENSAMENTO Conteúdo (delírio): idéias delirantes de natureza persecutória ou paranóide de referência, bizarra.  Forma (fragmentação): perda das associações lógicas, discurso fragmentado, incoerente, linguajar vago e abstrato, ou circunstancial e repetitivo, transmitindo pouca informação. ALTERAÇÕES DO AFETO  Embotado ou incongruente.  Explosões de raiva (súbitas). ALTERAÇÕES PSICOMOTORAS ALTERAÇÕES DE PERCEPÇÃO  Alucinações: auditivas (principalmente), tácteis, visuais, olfatórias e gustatória.  Ilusões (metamorfopsias).  Despersonalização.  Estupor: imóvel, indiferente ao meio.  Rigidez: mantém posturas bizarras ou executa movimentos repetitivos e sem propósito.  Catatonia = estupor + rigidez.  Atitude negativista: contraria instruções de movimento.  Agitação psicomotora (surtos agudos).
  • 12. PRINCIPAIS SINTOMAS NA ESQUIZOFRENIA SINTOMAS POSITIVOS  Delírios;  Alucinações;  Distúrbios do pensamento;  Agitação ou catatonia;  Discurso e comportamento desorganizado;  Respostas emocionais incongruentes. SINTOMAS AGRESSIVOS E HOSTIS  Hostilidade declarada (abusos verbais e físicos);  Automutilação;  Suicídio;  Abusos sexuais. SINTOMAS NEGATIVOS E COGNITIVOS  Afeto embotado;  Retraimento social;  Desinteresse social  Anedonia (ausência de prazer);  Atenção prejudicada.
  • 13. Classificação Atual: CID-10 (1992) Critérios operacionais Presença de sintomas de pelo menos um dos subgrupos por >/=1 mês: (a) Eco, inserção, perda ou difusão do pensamento (b) Delírios de controle, passividade; percepção delirante (c) Alucinações auditivas (d) Delírios bizarros ( políticos, religiosos, grandeza) Presença de sintomas de pelo menos dois dos subgrupos por >/= 1 mês: (a) alucinações, em geral acompanhadas de delírios pouco estruturados (b) incoerência do pensamento, neologismos (c) comportamento catatônico (d) sintomas negativos Ausência de sintomas afetivos proeminentes Ausência de doenças cerebrais, intoxicações por drogas, ou síndromes de abstinência
  • 14. Esquizofrenia SISTEMA DE NEUROTRANSMISSORES QUE SE POSTULA QUE ESTÃO ENVOLVIDOS NA ESQUIZOFRENIA Dopamina Acetilcolina Noradrenalina Serotonina Glutamato Ácido y- aminobutírico Neuropeptídeos
  • 15. Esquizofrenia HIPÓTESE DOPAMINÉRGICA DA ESQUIZOFRENIA ANFETAMINA  liberação de dopamina impede recaptação de dopamina EXCESSO DE ATIVIDADE DOPAMINÉRGICA Doses altas e repetitivas (psicose tóxica) = sintomas esquizofreniformes  esquizofrenia paranóide - agitação psicomotora. - alucinações auditivas. D. Parkinson: tratamento com L-DOPA   formação da dopamina  alguns desenvolvem sintomas psicóticos. Antipsicóticos :  atividade DA no SNC
  • 16. Esquizofrenia HIPÓTESE DOPAMINÉRGICA DA ESQUIZOFRENIA HIPERFUNÇÃO DOPAMINÉRGICA PATOGENIA DA ESQUIZOFRENIA?
  • 17. HIPÓTESE DOPAMINÉRGICA DA ESQUIZOFRENIA VIAS DOPAMINÉRGICAS a) Via nigroestriatal: Subst. Negra ao Stiatum → Controle motor b) Via mesolímbica: Área tegumentar para nacc → vígilia, memória, processamento de estímulos, atividade locomotora, comportamento motivacional. c) Via mesocortical: Área tegumentar para córtex frontal → cognição, comunicação, atividade social, aprendizado e memória. d) Via tuberoinfundibular: do hipotálamo para a hipófise → controle da secreção de prolactina.
  • 18. Patterson et al: Guia de psicofarmacologia para terapeuta
  • 19. HIPÓTESE DOPAMINÉRGICA DA ESQUIZOFRENIA VIAS DOPAMINÉRGICAS Diminuição da via mesocortical, responsável pelo aparecimento de sintomas negativos, e aumento na via mesolímbica, responsável pelos sintomas positivos.
  • 21. OUTRAS HIPÓTESES ENVOLVIDAS NA ESQUIZOFRENIA Aumento da atividade dopaminérgica (D2)     Efeitos alucinógenos do LSD (agonista parcial de receptores 5HT2A); Antipsicóticos atípicos: bloqueio 5HT2A > D2 . Aumento da atividade serotoninérgica   Fenciclidina: antagonista NMDA induz psicose semelhante à esquizofrenia; Aumento da concentração de glutamato no LCR de pacientes esquizofrênicos; Estudos pos mortem: diminuição da concentração de glutamato no córtex frontal e hipocampo; Antagonista NMDA: aumenta DA no córtex pré-frontal e estruturas subcorticais. Diminuição da atividade glutamatérgica ESQUIZOFRENIA
  • 22. Esquizofrenia- Psicopatologia “Os sintomas psicóticos, as mais proeminentes e reconhecíveis manifestações da esquizofrenia, não são o único domínio da doença. De uma perspectiva psicopatológica, o transtorno é muito mais complexo e incapacitante, devidos aos profundos déficits apresentados por esses pacientes nos funcionamentos interpessoal, social e ocupacional. Quatro agrupamentos de sintomas são reconhecidos: sintomas positivos, sintomas negativos, déficits cognitivos e sintomas de humor e suas manifestações associadas”. Patterson et al: Guia de psicofarmacologia para terapeuta
  • 23. Tratamento- Abordagem muldisciplinar ARTETERAPIA PSICOTERAPIA TREINO DE ABILIDADES NUTRICIONAL ANTIPSICÓTICOS TERAPIA DE FAMÍLIA GRUPOS DE AUTOAJUDA PSICOEDUCAÇÃO INTERVENÇÃO DE APOIO
  • 24. Tratamento farmacológico 1950 • Eletroconvulsoterapia • Coma insulínico • Medicações sedativas nãoespecíficas •Psicocirurgia •Uso liberal de contenções físicas •Intervenções psicossociais • Clorpromazina • Antipsicóticos e terapias associadas. • Antpsicóticos combinados: antidepresivos, BZP e anticolinérgicos. • Antipsicóticos modificaram acentuadamente a evolução da doença mental grave, propiciando mudanças radicais em seu manejo, que passou ser predominantemente domiciliar
  • 26. ANTIPSICÓTICOS TÍPICOS FENOTIAZINAS DIVERSOS ESTUDOS NÃO INDICAM BUTIROFENONAS MAIOR EFICÁCIA ANTIPSICÓTICA DE      Clorpromazina - Amplictil® Levomepromazina - Neozine® Periciazina – Neuleptil® Flufenazina - Flufenan® Trifluperazine - Stelazine ®  Haloperidol - Haldol® UM EM RELAÇÃO AOS DEMAIS. DIFEREM, POTÊNCIA, CONTUDO, QUANTO FARMACOCINÉTICA À  Droperidol - Droperidol ® E DIFENILBUTILPIPERIDINAS PERFIL DE EFEITOS ADVERSOS.  Pimozida - Orap®  Penfluridol -Semap®
  • 28. Patterson et al: Guia de psicofarmacologia para terapeuta
  • 29. Efeito Terapêutico SINTOMAS POSITIVOS  Delírios;  Alucinações;  Distúrbios do pensamento;  Agitação ou catatonia;  Discurso e comportamento desorganizado;  Respostas emocionais incongruentes. Efeito Adversos  Nenhum efeito ou piora nos sintomas negativos;  Rigidez muscular , características faciais inexpressivas e tremores (via nigroestrial);  Aumento da produção de prolactina podendo gerar ginecomastia e lactação, anovulação, oligomenorreia, diminuição da libido, disfunção orgástica, ↓ da densidade óssea (via tuberoinfundibular).
  • 30. ANTIPSICÓTICOS TÍPICOS EFEITOS COLATERAIS NEUROLÓGICOS Parkisonismo farmacológico (30% pacientes) ~ 1 semana Presença de hipocinesia, rigidez da musculatura esquelética e tremores de repouso. Reação distônica aguda (24h a < 1 semana) Espasmos musculares: caretas, torções de pescoço, movimentos da mandíbula, olhar fixo para cima por minutos ou horas. Acatisia (< 1 semana a 2 semanas) Inquietação, incapazes de permanecerem sentados. Síndrome neuroléptica aguda Parkinsonismo intenso, presença de febre e acentuadas flutuações da pressão arterial → Risco de morte!
  • 31. ANTIPSICÓTICOS TÍPICOS EFEITOS COLATERAIS NEUROLÓGICOS Discinesia tardia (semanas, meses ou anos);  Movimentos laterais da mandíbula, de sugar ou beijar;  Movimentos da língua do tipo “pega-mosca” e tiques; tronco (trás e frente);
  • 32. ANTIPSICÓTICOS TÍPICOS REAÇÕES ADVERSAS EFEITOS Anticolinérgicos Visão borrada, boca seca, constipação, retenção urinária, déficits de memória Antihistamínicos Ganho de peso e sedação. Antiadrenégicos Hipotensão postural Negativos Retraimento social, apatia, afeto embotado. Endócrinos Galactorréia, irregularidade na menstruação, fertilidade, ginecomastia, disfunção sexual. 
  • 33. Aproximadamente 50% dos pacientes com esquizofrenia interrompem as medicações após 4 a 6 meses de tratamento, principalmente em razão dos efeitos colaterais. É importante, para o terapeuta, desenvolver alguma familiaridade com essa constelação de efeitos adversos, embora a prevalência deles tenha diminuído um pouco após a introdução dos antipsicóticos atípicos.
  • 34. Antipsicóticos de alta potência HALOPERIDOL (HALDOL) ; FLUFENAZINA (FLUFENAN) TRIFLUOPERAZINA (STELAZIN) • Maior ligação a receptores D2: – Maior eficácia – Mais SEP (Sintomas Extrapiramidais) – Maior incidência de discinesia tardia • Menos problemas cognitivos – Menos sedação – Menos efeitos anticolinérgicos – Menos efeitos cardiovasculares
  • 35. Antipsicóticos de baixa potência TIORIDAZINA (MELLERIL ); CLORPROMAZINA (AMPLICTIL) • Menor ligação a receptores D2: – Menor eficácia – Menos SEP (Sintomas Extrapiramidais) – Menor incidência de discinesia tardia • Mais problemas cognitivos – Mais sedação – Mais efeitos anticolinérgicos • Mais efeitos cardiovasculares
  • 36. ANTIPSICÓTICOS TÍPICOS Únicos disponíveis por cerca de 35 anos, ainda são valorizadas no tratamento contemporâneo. VANTAGENS - Notavelmente eficazes nos sintomas positivos; - Vasta experiência clínica - Custo reduzido - Diferentes formulações (sublingual, depósito). DESVANTAGENS - Eficácia limitada (70%); - Pouco ou nenhum impacto sobre os sintomas negativos e cognitivos; - Recaídas e efeitos colaterais problemáticas são comuns.
  • 37. ANTIPSICÓTICOS ATÍPICOS  Um salto importante no tratamento da esquizofrenia ocorreu no final da década de 80 com a introdução do primeiro de uma série de medicamentos que ofereceram espectro de ação mais amplo e tolerabilidade relativamente melhor.  Clozapina - Leponex®  Risperidona - Risperdal®  Olanzapina - Zyprexa®  Quetiapina - Seroquel®  Sulpirida - Sulpan®, Dogmatil®, Equilid®  Amilsulpirida - Socian®  Aripiprazol – Abilif ® (3ª geração)
  • 38. ANTIPSICÓTICOS ATÍPICOS MECANISMO DE AÇÃO Tem maior especificidade no bloqueio dopaminérgico na via mesolímbica do que nas vias nigroestriatal ou na mesocortical. Não apresenta efeito extrapiramidal, exceto discinesia tardia, e são eficazes nos sintomas negativos.
  • 39. ANTIPSICÓTICOS ATÍPICOS CLOZAPINA (LEPONEX®)  Foi aprovada pelo FDA em 1990, mas já era utilizada em outros países dede 1970;  Seu efeito é igual ou superior aos antipsicóticos típicos na melhora dos sintomas positivos e também é eficaz na melhora dos sintomas negativos, não causa catalepsia;  Este medicamento é indicado principalmente para os pacientes esquizofrênicos ou com distúrbio bipolar refratários ao tratamento clássico.  Vantagem peculiar sobres os demais antipsicóticos: parece ter efeito antissuicídio específico em pacientes com esquizofrenia.
  • 40. ANTIPSICÓTICOS ATÍPICOS CLOZAPINA (LEPONEX®) D4= α1 > 5- HT2A > D2=D1 Seu mecanismo de ação envolve a capacidade de antagonizar múltiplos receptores: D4, D2, 5-HT2A, muscarínicos, adrenoceptores α-1 e H1.
  • 41. ANTIPSICÓTICOS ATÍPICOS CLOZAPINA (LEPONEX®) REAÇÕES ADVERSAS  Agranulocitose (1-2% dos pacientes).  Pode causar convulsão, por reduzir o seu limiar.  Sedação profunda anticolinérgicos e prolongada, enurese e efeitos “Homem de 50 anos, esquizofrênico, já havia sido tratado com vários antipsicóticos, sem nunca ter desenvolvido nenhum quadro relevante provocado por efeitos colaterais. No entanto, dois meses após a introdução da clozapina, ele apresentou uma grande redução do número de leucócitos. Após a interrupção da clozapina, o hemograma voltou ao normal.” AGRANULOCITOSE INDUZIDA POR CLOZAPINA
  • 42. ANTIPSICÓTICOS ATÍPICOS CLOZAPINA (LEPONEX®) Esquema terapêutico:  Primeiros 6 meses de tratamento (exames de sangue semanais)  Menor frequência mas ainda com monitoramento. REAÇÕES ADVERSAS  Agranulocitose (1-2% dos pacientes).  Pode causar convulsão, por reduzir o seu limiar.  Sonolência e sedação Ganho de peso importante, risco de hiperglicemia e hiperlipidemia Hipotensão ortostática  Tontura e vertigens  Aumento da Frequência cardíaca
  • 43. ANTIPSICÓTICOS ATÍPICOS RISPERIDONA (RISPERDAL®)  Introduzida nos EUA em 1993 (+ prescritos);  Alimentos não afetam sua absorção;  Mecanismo de ação envolve o antagonismo dos receptores D2, 5HT2A, α1 e α2, H1. REAÇÕES ADVERSAS  Sonolência  Fadiga  Tonteiras ortostáticas  Taquicardia  Náuseas  Ganho de peso  Distúrbios menstruais
  • 44. ANTIPSICÓTICOS ATÍPICOS ANTIPSICÓTICOS ATÍPICOS E ANORMALIDADES METABÓLICAS DROGA GANHO DE PESO RISCO PARA DIABETES PIORA DO PERFIL LIPÍDICO Clozapina +++ + + Olanzapina +++ + + Risperidona ++ discrepantes discrepantes Quetiapina ++ discrepantes discrepantes Aripiprazol +/- - - Ziprasidona +/- - -
  • 45. ANTIPSICÓTICOS ATÍPICOS • São bloqueadores moderados dos receptores dopaminérgicos • Menos efeitos extrapiramidais • São mais eficazes na diminuição dos sintomas negativos • Têm ação nos receptores 5-HT2
  • 46. Mecanismo de ação dos antipsicóticos típicos
  • 47. Mecanismo de ação dos antipsicóticos Atípicos
  • 48. Mecanismo de ação dos antipsicóticos Atípicos
  • 49. ANTIPSICÓTICOS ATÍPICOS ARIPIPRAZOL (ABILIFY®)  Aprovado em novembro de 2002 Mecanismo de ação singular (agonista parcial dopaminérgico e efeitos nos receptores de serotonina)  Atua nas vias dopaminérgicas de forma diferenciada:  Reduzem o tônus dopaminérgico onde ele é muito alto (mesolímbica) Aumenta o (mesocortical) tônus dopaminérgico onde ele é baixo  Demais vias (nigroestrial e tuberoinfundilular) alterações pequenas ou nenhuma
  • 50. ANTIPSICÓTICOS ATÍPICOS ARIPIPRAZOL (ABILIFY®) EFEITOS COLATERAIS Insônia  Ansiedade  Acatisia Tremores Tonturas e hipotensão ortostática Constipação 15 a 30 mg
  • 51. ANTIPSICÓTICOS EFEITOS E DOSE Fármacos Clorpromazina (Amplictil) Levomepromazina (Neozine) Flufenazina (Flufenan) Trifluoperazina (Stelazine) Haloperidol (Haldol) Clozapina (Leponex) Olanzapina (Zyprexa) Risperidona (Risperdal) Quetiapina (Seroquel) Tioridazina (Melleril) Sedativa Extrapiramidal Hipotensora Antimuscarínica +++ ++ ++ ++ Doses manutenção(mg) 50-400 +++ ++ ++ ++ 50-400 + +++ + + 1-15 + +++ + + 4-30 + +++ + + 1-15 +++ 0 + +++ 200-400 + + ++ ++ 5-10 + + + + 2-8 +++ 0 ++ +++ 300-500 +++ + ++ +++ 50-400
  • 52. CONSIDERAÇÕES GERAIS NO TRATAMENTO ANTIPSICÓTICOS  Atualmente o tratamento é ao mesmo tempo eficaz porém insuficiente;  Maioria dos pacientes (20 a 50%) apresenta redução na gravidade dos sintomas;  Efeitos terapêuticos -Sintomas positivos (poucos dias); -Sintomas negativos (semanas, meses: ~26 semanas)
  • 53. CONSIDERAÇÕES GERAIS NO TRATAMENTO ANTIPSICÓTICOS Dados os resultados relativamente modestos atualmente observados com tratamento antipsicótico, os médicos muitas vezes procuram combinações de medicações ou aumentos de dose com objetivo de maximizar os benefícios. •Monoterapia: substituição de antipsicóticos por um antipsicótico diferente •Aumento da dose além daquela que tem embasamento em estudos controlados por placebo. •Polifarmácia: (associação de antipsicótcos) •Potencialização: adicionar uma medicação não antipsicótica a um antipsicótico.
  • 54. CONSIDERAÇÕES GERAIS NO TRATAMENTO ANTIPSICÓTICOS ADESÃO AO TRATAMENTO VIA EXEMPLOS COMENTÁRIOS Injeção intramuscular Haloperidol, Ziprazidona, Olanzapina Níveis sanguíneos máximos alcançados em curto período Comprimidos dissolvíveis Olanzapina, Risperidona Absorção mais rápida, fornece uma alternativa a injeção Concentrado líquido Haloperidol, Risperidona Como acima Comprimidos ou cápsulas Todos Via padrão Suspensão oleosa de depósito Flufenazina, Haloperidol, Risperidona Liberação lenta; permite doses a cada 2 a 4 semanas
  • 55. • Esse é o estado atual das medicações antipsicóticas: avanços impressionantes desde que os primeiros tratamentos foram introduzidos sendo ainda necessário muita mudanças. 1950 (clorpromazina) 2002 (aripiprazol) Equipe multiprofissional
  • 56. Vídeo Esquizofrenia Esquizofrenia - Alternativa Saúde/GNT