SlideShare uma empresa Scribd logo
CENTRO METROPOLITANO DE ENSINO –
CEMETRO
CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM
(ENF121NM1)
CENTRO METROPOLITANO DE ENSINO –
CEMETRO
CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM
(ENF121NN1)
DOCENTE: ENFERMEIRA ELAÍNNE CHRIS
DISCENTES:ALINE GAMA
IVONE MACEDO
TALITA RIBEIRO
ESQUIZOFRENIA
HISTÓRIA DA ESQUIZOFRENIA
A esquizofrenia nem sempre teve esse nome. No
século XIX, quando começou a ser observada e
estudada, recebeu o nome de “demência precoce”, do
psiquiatra alemão Emil Kraepelin, e era caracterizada
por observar comportamentos atípicos em jovens. Já
no século XX, Eugen Bleuler, outro psiquiatra
importante, renomeou essa condição para
esquizofrenia (esquizo = fragmentada ou divisão,
frenia = mente), como a conhecemos até hoje.
O QUE É ESQUIZOFRENIA?
A esquizofrenia é um transtorno
mental grave que muda o modo
como a pessoa pensa, sente e
se comporta socialmente. Além
disso, a pessoa com esse
transtorno perde a noção da
realidade e tem dificuldades de
entender a diferença entre o
imaginário e o que é real.
CAUSAS
As causas exatas da esquizofrenia ainda são
desconhecidas. Acredita-se que esse distúrbio possa surgir como
resultado da interação de fatores genéticos, cerebrais e
ambientais. Algumas pessoas podem ter a tendência de
desenvolvê-la com o passar dos anos, já outras, um evento
estressante ou emocional pode desencadear um episódio
psicótico.
Fatores hereditários - A sua predisposição pode ocorrer nas
famílias. Parentes de primeiro grau de um esquizofrênico, por
exemplo, têm mais chances de desenvolver a doença. Por
isso, se um dos pais tiver esquizofrenia, os filhos têm até 10% de
chance de desenvolvê-la.
Fatores ambientais - A exposição a certas infecções virais;
complicações da gravidez e do parto, como o uso de cigarro durante
a gestação, o baixo peso ao nascer e a hipóxia (falta de oxigênio)
durante o parto; más condições socioeconômicas; e o uso de certas
drogas psicoativas ou psicotrópicas, como a maconha e
metanfetamina.
Alterações neuroquímicas – Pessoas com esquizofrenia também
tendem a ter diferenças nas substâncias químicas do cérebro
chamadas neurotransmissores, como a dopamina e o glutamato, que
são responsáveis por controlar a comunicação cerebral. Nelas, eles
costumam ser ou muito ativos ou não ativos o suficiente.
TIPOS DE ESQUIZOFRENIA
Hoje se fala em 6 tipos diferentes de esquizofrenia, a
simples, paranoide, desorganizada, catatônica, residual
e indiferenciada.
• Esquizofrenia simples: geralmente está relacionada
com transtornos de personalidade. Tem sintomas de
isolamento social, apatia e tristeza costumam ser
mais frequentes do que as alucinações e delírios.
• Esquizofrenia paranoide: é o subtipo mais comum de
esquizofrenia, estão presentes neste caso os
sintomas de alucinação e delírio.
• Esquizofrenia desorganizada: tem o comportamento
mais infantil e comportamentos fora de contexto.
• Esquizofrenia catatônica: é o tipo mais raro e é um quadro
de paralisação do corpo físico.
• Esquizofrenia residual: é mais comuns em pessoas com
histórico de outros transtornos mentais. Ela pode
manifestar mudanças no comportamento, emoções e na
interação social, de forma mais branda que nos outros.
• Esquizofrenia indiferenciada: apresenta traços dos outros
subtipos, mas não se encaixa em nenhum deles. A pessoa
pode ter qualquer um dos sintomas citados antes, mas sem
de fato ser possível que o profissional da saúde faça um
diagnóstico concreto com alguns dos outros subtipos.
Apresentação de  Esquizofrenia.pptx
SINAIS E SINTOMAS
Comportamentos que são sinais precoces de
esquizofrenia incluem: Ouvir ou ver algo que não estar lá,
sensação constante de estar sendo observado,
posicionamento corporal estranho, mudança na
personalidade, mudança na higiene corporal e
incapacidade de dormir.
Os sintomas de esquizofrenia podem variar de pessoa
para pessoa, não havendo um sintoma específico desse
transtorno, no entanto é possível que existam alucinações,
dificuldade de concentração e delírios também são
sintomas.
As pessoas podem ter:
No comportamento: Agitação, agressão, automutilação,
hiperatividade, isolamento social e comportamento
compulsivo.
Na cognição: Amnésia, confusão mental, delírio,
desorientação, invenção de coisas e crença de que os
pensamentos não são seus.
Sintomas psicológicos: Alucinação, depressão, medo,
paranoia e desconfiança ou ouvir vozes.
No humor: Ansiedade, apatia, descontentamento geral, perda
de interesse ou prazer nas atividades.
Na fala: Distúrbio da fala, fala circunstancial, fala incoerente
ou fala rápida e frenética.
Apresentação de  Esquizofrenia.pptx
DIAGNÓSTICO
O médico psiquiatra faz o diagnóstico da doença a partir
dos sinais e sintomas.
Não existe um exame específico que diga se a pessoa
sofre ou não de esquizofrenia. Mas, psicólogos e
psiquiatras podem dar o diagnóstico a partir da
observação comportamental.
TRATAMENTO
O tratamento da esquizofrenia é baseado nas
particularidades de cada paciente. Na maioria dos casos, o
psiquiatra prescreve o uso de medicações, como os
antipsicóticos, e a associação com terapias com diversos
tipos de profissionais, como fonoaudiólogos, psicólogos,
assistentes sociais e fisioterapeutas já que a doença atinge
diversas esferas do corpo humano, como a capacidade de se
expressar, costuma ser necessário por toda a vida, já que
apenas um pequeno número de pacientes apresentam uma
recuperação completa.
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM
O atendimento da enfermagem deve ir muito além, acolhendo e
escutando o paciente com atenção e cuidado. O enfermeiro que
está tendo o primeiro contato com um paciente que sofre de
transtornos mentais deve aprender a direcionar a sua atenção em
primeiro lugar no paciente e nas suas necessidades.
Sabendo disso o enfermeiro deve:
• Dar atenção ao discurso do usuário sem julgamento;
• Avaliar problemas relacionados a fala e a comunicação do
usuário;
• Avaliar as questões familiares da pessoa;
• Caso haja necessidade de contenção física, ou
medicamentosa, explicar a pessoa a função terapêutica, nessa
condição o usuário deve ser avaliado de 1 em 1 hora.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Apresentação de Esquizofrenia.pptx

Esquizofrenia
Esquizofrenia  Esquizofrenia
Esquizofrenia
Vera Botelho
 
Esquizofrenia
EsquizofreniaEsquizofrenia
Esquizofrenia
Thayná Macedo Lunz
 
Transtornos do pensamento: esquizofrenia
Transtornos do pensamento: esquizofreniaTranstornos do pensamento: esquizofrenia
Transtornos do pensamento: esquizofrenia
Aroldo Gavioli
 
Esquizofrenia e bipolaridade
Esquizofrenia e bipolaridadeEsquizofrenia e bipolaridade
Esquizofrenia e bipolaridade
cleytonlopes
 
ESQUIZOFRENIA_UMA REVISÃO.pdf
ESQUIZOFRENIA_UMA REVISÃO.pdfESQUIZOFRENIA_UMA REVISÃO.pdf
ESQUIZOFRENIA_UMA REVISÃO.pdf
Eraldo Carlos
 
prevenção em saúde mental para tecnico de enfermagem.pptx
prevenção em saúde mental para tecnico de enfermagem.pptxprevenção em saúde mental para tecnico de enfermagem.pptx
prevenção em saúde mental para tecnico de enfermagem.pptx
Cyntia57
 
Esquizofrenia
EsquizofreniaEsquizofrenia
Esquizofrenia
PatriciaHenrique16
 
Esquizofrenia
EsquizofreniaEsquizofrenia
Esquizofrenia
EsquizofreniaEsquizofrenia
Esquizofrenia
anacarreira2
 
Saúde mental
Saúde mentalSaúde mental
Saúde mental
Bruna Telles
 
Esquizofrenia
EsquizofreniaEsquizofrenia
Esquizofrenia
Flávia Souza
 
Esquizofrenia
EsquizofreniaEsquizofrenia
05 esquizofrenia ppbi n
05 esquizofrenia ppbi n05 esquizofrenia ppbi n
05 esquizofrenia ppbi n
Graça Martins
 
esquizofrenia,
esquizofrenia,esquizofrenia,
esquizofrenia,
Graça Martins
 
Esquizofrenia
EsquizofreniaEsquizofrenia
Esquizofrenia
Sílvia Pimenta
 
Esquizofrenia
EsquizofreniaEsquizofrenia
Esquizofrenia
Sílvia Pimenta
 
PSICOSE.pptx
PSICOSE.pptxPSICOSE.pptx
PSICOSE.pptx
RafaelLoureno59
 
Farmacologia 11 antipsicóticos - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 11   antipsicóticos - med resumos (dez-2011)Farmacologia 11   antipsicóticos - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 11 antipsicóticos - med resumos (dez-2011)
Jucie Vasconcelos
 
TRANSTORNO DELIRANTE.pdf
TRANSTORNO DELIRANTE.pdfTRANSTORNO DELIRANTE.pdf
TRANSTORNO DELIRANTE.pdf
Luiz Henrique Pimentel Novais Silva
 
Apresentação esquizofrenia
Apresentação esquizofreniaApresentação esquizofrenia
Apresentação esquizofrenia
Laboratório Sérgio Franco
 

Semelhante a Apresentação de Esquizofrenia.pptx (20)

Esquizofrenia
Esquizofrenia  Esquizofrenia
Esquizofrenia
 
Esquizofrenia
EsquizofreniaEsquizofrenia
Esquizofrenia
 
Transtornos do pensamento: esquizofrenia
Transtornos do pensamento: esquizofreniaTranstornos do pensamento: esquizofrenia
Transtornos do pensamento: esquizofrenia
 
Esquizofrenia e bipolaridade
Esquizofrenia e bipolaridadeEsquizofrenia e bipolaridade
Esquizofrenia e bipolaridade
 
ESQUIZOFRENIA_UMA REVISÃO.pdf
ESQUIZOFRENIA_UMA REVISÃO.pdfESQUIZOFRENIA_UMA REVISÃO.pdf
ESQUIZOFRENIA_UMA REVISÃO.pdf
 
prevenção em saúde mental para tecnico de enfermagem.pptx
prevenção em saúde mental para tecnico de enfermagem.pptxprevenção em saúde mental para tecnico de enfermagem.pptx
prevenção em saúde mental para tecnico de enfermagem.pptx
 
Esquizofrenia
EsquizofreniaEsquizofrenia
Esquizofrenia
 
Esquizofrenia
EsquizofreniaEsquizofrenia
Esquizofrenia
 
Esquizofrenia
EsquizofreniaEsquizofrenia
Esquizofrenia
 
Saúde mental
Saúde mentalSaúde mental
Saúde mental
 
Esquizofrenia
EsquizofreniaEsquizofrenia
Esquizofrenia
 
Esquizofrenia
EsquizofreniaEsquizofrenia
Esquizofrenia
 
05 esquizofrenia ppbi n
05 esquizofrenia ppbi n05 esquizofrenia ppbi n
05 esquizofrenia ppbi n
 
esquizofrenia,
esquizofrenia,esquizofrenia,
esquizofrenia,
 
Esquizofrenia
EsquizofreniaEsquizofrenia
Esquizofrenia
 
Esquizofrenia
EsquizofreniaEsquizofrenia
Esquizofrenia
 
PSICOSE.pptx
PSICOSE.pptxPSICOSE.pptx
PSICOSE.pptx
 
Farmacologia 11 antipsicóticos - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 11   antipsicóticos - med resumos (dez-2011)Farmacologia 11   antipsicóticos - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 11 antipsicóticos - med resumos (dez-2011)
 
TRANSTORNO DELIRANTE.pdf
TRANSTORNO DELIRANTE.pdfTRANSTORNO DELIRANTE.pdf
TRANSTORNO DELIRANTE.pdf
 
Apresentação esquizofrenia
Apresentação esquizofreniaApresentação esquizofrenia
Apresentação esquizofrenia
 

Mais de enfermeiraelainnechr

UTI.pptx
UTI.pptxUTI.pptx
DOENÇAS RESPIRATORIAS.pptx
DOENÇAS RESPIRATORIAS.pptxDOENÇAS RESPIRATORIAS.pptx
DOENÇAS RESPIRATORIAS.pptx
enfermeiraelainnechr
 
Tipos de Curativos (1).pptx
Tipos de Curativos (1).pptxTipos de Curativos (1).pptx
Tipos de Curativos (1).pptx
enfermeiraelainnechr
 
ant hipertensivos.pptx
ant hipertensivos.pptxant hipertensivos.pptx
ant hipertensivos.pptx
enfermeiraelainnechr
 
atiarritimicos.pptx
atiarritimicos.pptxatiarritimicos.pptx
atiarritimicos.pptx
enfermeiraelainnechr
 
Fentanila-3.pptx
Fentanila-3.pptxFentanila-3.pptx
Fentanila-3.pptx
enfermeiraelainnechr
 
apresentação estudo de caso LUZA.pptx
apresentação estudo de caso LUZA.pptxapresentação estudo de caso LUZA.pptx
apresentação estudo de caso LUZA.pptx
enfermeiraelainnechr
 
aula-09.pdf
aula-09.pdfaula-09.pdf
Aula_nervoso.pptx
Aula_nervoso.pptxAula_nervoso.pptx
Aula_nervoso.pptx
enfermeiraelainnechr
 
Microbiologia UNOPAR.pptx
Microbiologia UNOPAR.pptxMicrobiologia UNOPAR.pptx
Microbiologia UNOPAR.pptx
enfermeiraelainnechr
 
TOC.pptx
TOC.pptxTOC.pptx
Depressão.pptx
Depressão.pptxDepressão.pptx
Depressão.pptx
enfermeiraelainnechr
 
sindrome do PANICO.pptx
sindrome do PANICO.pptxsindrome do PANICO.pptx
sindrome do PANICO.pptx
enfermeiraelainnechr
 
enfermagem do trabalho.pptx
enfermagem do trabalho.pptxenfermagem do trabalho.pptx
enfermagem do trabalho.pptx
enfermeiraelainnechr
 
LPP computron.pptx
LPP computron.pptxLPP computron.pptx
LPP computron.pptx
enfermeiraelainnechr
 
fisiologia computron.pptx
fisiologia computron.pptxfisiologia computron.pptx
fisiologia computron.pptx
enfermeiraelainnechr
 
AP1.pptx
AP1.pptxAP1.pptx
Transtorno bipolar.pptx
Transtorno bipolar.pptxTranstorno bipolar.pptx
Transtorno bipolar.pptx
enfermeiraelainnechr
 

Mais de enfermeiraelainnechr (18)

UTI.pptx
UTI.pptxUTI.pptx
UTI.pptx
 
DOENÇAS RESPIRATORIAS.pptx
DOENÇAS RESPIRATORIAS.pptxDOENÇAS RESPIRATORIAS.pptx
DOENÇAS RESPIRATORIAS.pptx
 
Tipos de Curativos (1).pptx
Tipos de Curativos (1).pptxTipos de Curativos (1).pptx
Tipos de Curativos (1).pptx
 
ant hipertensivos.pptx
ant hipertensivos.pptxant hipertensivos.pptx
ant hipertensivos.pptx
 
atiarritimicos.pptx
atiarritimicos.pptxatiarritimicos.pptx
atiarritimicos.pptx
 
Fentanila-3.pptx
Fentanila-3.pptxFentanila-3.pptx
Fentanila-3.pptx
 
apresentação estudo de caso LUZA.pptx
apresentação estudo de caso LUZA.pptxapresentação estudo de caso LUZA.pptx
apresentação estudo de caso LUZA.pptx
 
aula-09.pdf
aula-09.pdfaula-09.pdf
aula-09.pdf
 
Aula_nervoso.pptx
Aula_nervoso.pptxAula_nervoso.pptx
Aula_nervoso.pptx
 
Microbiologia UNOPAR.pptx
Microbiologia UNOPAR.pptxMicrobiologia UNOPAR.pptx
Microbiologia UNOPAR.pptx
 
TOC.pptx
TOC.pptxTOC.pptx
TOC.pptx
 
Depressão.pptx
Depressão.pptxDepressão.pptx
Depressão.pptx
 
sindrome do PANICO.pptx
sindrome do PANICO.pptxsindrome do PANICO.pptx
sindrome do PANICO.pptx
 
enfermagem do trabalho.pptx
enfermagem do trabalho.pptxenfermagem do trabalho.pptx
enfermagem do trabalho.pptx
 
LPP computron.pptx
LPP computron.pptxLPP computron.pptx
LPP computron.pptx
 
fisiologia computron.pptx
fisiologia computron.pptxfisiologia computron.pptx
fisiologia computron.pptx
 
AP1.pptx
AP1.pptxAP1.pptx
AP1.pptx
 
Transtorno bipolar.pptx
Transtorno bipolar.pptxTranstorno bipolar.pptx
Transtorno bipolar.pptx
 

Último

AULA CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (CAPS)
AULA CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (CAPS)AULA CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (CAPS)
AULA CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (CAPS)
ThiagoTavares52632
 
1 ano orientações para a pratica (2).pdf
1 ano orientações para a pratica (2).pdf1 ano orientações para a pratica (2).pdf
1 ano orientações para a pratica (2).pdf
flbroering
 
Aula 08 Higienização das mãos.pdf aulão1
Aula 08 Higienização das mãos.pdf aulão1Aula 08 Higienização das mãos.pdf aulão1
Aula 08 Higienização das mãos.pdf aulão1
danieloliveiracruz00
 
PSIQUIÁTRIA E SAUDE MENTAL, ENFERMAGEM PSIQUIATRICA
PSIQUIÁTRIA E SAUDE MENTAL, ENFERMAGEM PSIQUIATRICAPSIQUIÁTRIA E SAUDE MENTAL, ENFERMAGEM PSIQUIATRICA
PSIQUIÁTRIA E SAUDE MENTAL, ENFERMAGEM PSIQUIATRICA
MeryliseSouza
 
https://eadetesb.fepecs.edu.br/mod/simplecertificate/view.php?id=1292&action=get
https://eadetesb.fepecs.edu.br/mod/simplecertificate/view.php?id=1292&action=gethttps://eadetesb.fepecs.edu.br/mod/simplecertificate/view.php?id=1292&action=get
https://eadetesb.fepecs.edu.br/mod/simplecertificate/view.php?id=1292&action=get
Beatriz Meneses
 
Hipoglicemia........................pptx
Hipoglicemia........................pptxHipoglicemia........................pptx
Hipoglicemia........................pptx
PaulaAndrade240290
 

Último (6)

AULA CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (CAPS)
AULA CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (CAPS)AULA CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (CAPS)
AULA CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (CAPS)
 
1 ano orientações para a pratica (2).pdf
1 ano orientações para a pratica (2).pdf1 ano orientações para a pratica (2).pdf
1 ano orientações para a pratica (2).pdf
 
Aula 08 Higienização das mãos.pdf aulão1
Aula 08 Higienização das mãos.pdf aulão1Aula 08 Higienização das mãos.pdf aulão1
Aula 08 Higienização das mãos.pdf aulão1
 
PSIQUIÁTRIA E SAUDE MENTAL, ENFERMAGEM PSIQUIATRICA
PSIQUIÁTRIA E SAUDE MENTAL, ENFERMAGEM PSIQUIATRICAPSIQUIÁTRIA E SAUDE MENTAL, ENFERMAGEM PSIQUIATRICA
PSIQUIÁTRIA E SAUDE MENTAL, ENFERMAGEM PSIQUIATRICA
 
https://eadetesb.fepecs.edu.br/mod/simplecertificate/view.php?id=1292&action=get
https://eadetesb.fepecs.edu.br/mod/simplecertificate/view.php?id=1292&action=gethttps://eadetesb.fepecs.edu.br/mod/simplecertificate/view.php?id=1292&action=get
https://eadetesb.fepecs.edu.br/mod/simplecertificate/view.php?id=1292&action=get
 
Hipoglicemia........................pptx
Hipoglicemia........................pptxHipoglicemia........................pptx
Hipoglicemia........................pptx
 

Apresentação de Esquizofrenia.pptx

  • 1. CENTRO METROPOLITANO DE ENSINO – CEMETRO CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM (ENF121NM1)
  • 2. CENTRO METROPOLITANO DE ENSINO – CEMETRO CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM (ENF121NN1) DOCENTE: ENFERMEIRA ELAÍNNE CHRIS DISCENTES:ALINE GAMA IVONE MACEDO TALITA RIBEIRO
  • 4. HISTÓRIA DA ESQUIZOFRENIA A esquizofrenia nem sempre teve esse nome. No século XIX, quando começou a ser observada e estudada, recebeu o nome de “demência precoce”, do psiquiatra alemão Emil Kraepelin, e era caracterizada por observar comportamentos atípicos em jovens. Já no século XX, Eugen Bleuler, outro psiquiatra importante, renomeou essa condição para esquizofrenia (esquizo = fragmentada ou divisão, frenia = mente), como a conhecemos até hoje.
  • 5. O QUE É ESQUIZOFRENIA? A esquizofrenia é um transtorno mental grave que muda o modo como a pessoa pensa, sente e se comporta socialmente. Além disso, a pessoa com esse transtorno perde a noção da realidade e tem dificuldades de entender a diferença entre o imaginário e o que é real.
  • 6. CAUSAS As causas exatas da esquizofrenia ainda são desconhecidas. Acredita-se que esse distúrbio possa surgir como resultado da interação de fatores genéticos, cerebrais e ambientais. Algumas pessoas podem ter a tendência de desenvolvê-la com o passar dos anos, já outras, um evento estressante ou emocional pode desencadear um episódio psicótico. Fatores hereditários - A sua predisposição pode ocorrer nas famílias. Parentes de primeiro grau de um esquizofrênico, por exemplo, têm mais chances de desenvolver a doença. Por isso, se um dos pais tiver esquizofrenia, os filhos têm até 10% de chance de desenvolvê-la.
  • 7. Fatores ambientais - A exposição a certas infecções virais; complicações da gravidez e do parto, como o uso de cigarro durante a gestação, o baixo peso ao nascer e a hipóxia (falta de oxigênio) durante o parto; más condições socioeconômicas; e o uso de certas drogas psicoativas ou psicotrópicas, como a maconha e metanfetamina. Alterações neuroquímicas – Pessoas com esquizofrenia também tendem a ter diferenças nas substâncias químicas do cérebro chamadas neurotransmissores, como a dopamina e o glutamato, que são responsáveis por controlar a comunicação cerebral. Nelas, eles costumam ser ou muito ativos ou não ativos o suficiente.
  • 8. TIPOS DE ESQUIZOFRENIA Hoje se fala em 6 tipos diferentes de esquizofrenia, a simples, paranoide, desorganizada, catatônica, residual e indiferenciada. • Esquizofrenia simples: geralmente está relacionada com transtornos de personalidade. Tem sintomas de isolamento social, apatia e tristeza costumam ser mais frequentes do que as alucinações e delírios. • Esquizofrenia paranoide: é o subtipo mais comum de esquizofrenia, estão presentes neste caso os sintomas de alucinação e delírio. • Esquizofrenia desorganizada: tem o comportamento mais infantil e comportamentos fora de contexto.
  • 9. • Esquizofrenia catatônica: é o tipo mais raro e é um quadro de paralisação do corpo físico. • Esquizofrenia residual: é mais comuns em pessoas com histórico de outros transtornos mentais. Ela pode manifestar mudanças no comportamento, emoções e na interação social, de forma mais branda que nos outros. • Esquizofrenia indiferenciada: apresenta traços dos outros subtipos, mas não se encaixa em nenhum deles. A pessoa pode ter qualquer um dos sintomas citados antes, mas sem de fato ser possível que o profissional da saúde faça um diagnóstico concreto com alguns dos outros subtipos.
  • 11. SINAIS E SINTOMAS Comportamentos que são sinais precoces de esquizofrenia incluem: Ouvir ou ver algo que não estar lá, sensação constante de estar sendo observado, posicionamento corporal estranho, mudança na personalidade, mudança na higiene corporal e incapacidade de dormir. Os sintomas de esquizofrenia podem variar de pessoa para pessoa, não havendo um sintoma específico desse transtorno, no entanto é possível que existam alucinações, dificuldade de concentração e delírios também são sintomas.
  • 12. As pessoas podem ter: No comportamento: Agitação, agressão, automutilação, hiperatividade, isolamento social e comportamento compulsivo. Na cognição: Amnésia, confusão mental, delírio, desorientação, invenção de coisas e crença de que os pensamentos não são seus. Sintomas psicológicos: Alucinação, depressão, medo, paranoia e desconfiança ou ouvir vozes. No humor: Ansiedade, apatia, descontentamento geral, perda de interesse ou prazer nas atividades. Na fala: Distúrbio da fala, fala circunstancial, fala incoerente ou fala rápida e frenética.
  • 14. DIAGNÓSTICO O médico psiquiatra faz o diagnóstico da doença a partir dos sinais e sintomas. Não existe um exame específico que diga se a pessoa sofre ou não de esquizofrenia. Mas, psicólogos e psiquiatras podem dar o diagnóstico a partir da observação comportamental.
  • 15. TRATAMENTO O tratamento da esquizofrenia é baseado nas particularidades de cada paciente. Na maioria dos casos, o psiquiatra prescreve o uso de medicações, como os antipsicóticos, e a associação com terapias com diversos tipos de profissionais, como fonoaudiólogos, psicólogos, assistentes sociais e fisioterapeutas já que a doença atinge diversas esferas do corpo humano, como a capacidade de se expressar, costuma ser necessário por toda a vida, já que apenas um pequeno número de pacientes apresentam uma recuperação completa.
  • 16. ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM O atendimento da enfermagem deve ir muito além, acolhendo e escutando o paciente com atenção e cuidado. O enfermeiro que está tendo o primeiro contato com um paciente que sofre de transtornos mentais deve aprender a direcionar a sua atenção em primeiro lugar no paciente e nas suas necessidades. Sabendo disso o enfermeiro deve: • Dar atenção ao discurso do usuário sem julgamento; • Avaliar problemas relacionados a fala e a comunicação do usuário; • Avaliar as questões familiares da pessoa; • Caso haja necessidade de contenção física, ou medicamentosa, explicar a pessoa a função terapêutica, nessa condição o usuário deve ser avaliado de 1 em 1 hora.