SlideShare uma empresa Scribd logo
Historia Independência da América Hispânica  Apostila 6 Modulo 33 Pag. 01
A CRISE DO SISTEMA COLONIAL O fim do Antigo Regime nas últimas décadas do século XVIII foi conseqüência das transformações ideológicas, econômicas e políticas produzidas pelo Iluminismo, pela Revolução Industrial, pela independência dos Estados Unidos e pela Revolução Francesa. Estes acontecimentos, que se condicionaram e se influenciaram reciprocamente, desempenharam um papel decisivo no processo de independência da América espanhola. As elites da América colonial encontraram na filosofia iluminista o embasamento ideológico para seus ideais autonomistas. A luta pela liberdade política encontrava sua justificativa no direito dos povos oprimidos à rebelião contra os governos tirânicos e á luta pela liberdade econômica na substituição do monopólio comercial pelo regime de livre concorrência. "A Revolução Industrial Inglesa: Viu-se a necessidade de substituir o monopólio comercial por livre concorrência".
Por esta época a Revolução Industrial inglesa inaugurava a era da indústria fabril e da produção mecanizada. A exportação das mercadorias inglesas exigia a abertura dos mercados americanos ao livre comércio e esbarrava nos entraves criados pelo pacto colonial.  O monopólio comercial favorecia apenas as metrópoles que lucravam duplamente revendendo os produtos coloniais à Europa e as manufaturas inglesas às suas colônias. Esta política monopolista, entretanto, prejudicava tanto a burguesia inglesa quanto as elites coloniais, e, assim, o desenvolvimento do moderno capitalismo industrial acelerou a crise do antigo sistema colonial mercantilista. E a quebra do pacto colonial e sua substituição pelo libre comércio só poderia se fazer através da independência das colônias em relação às antigas metrópoles. "A independência dos Estados Unidos e a Revolução Francesa aceleraram o fim do sistema colonial luso-espanhol".
A independência das treze colônias e a formação dos Estados Unidos, primeiro país soberano do Novo Mundo, tornaram-se o exemplo e a fonte de inspiração para os movimentos latino - americanos que lutavam pela emancipação política e pela ruptura do pacto colonial. O regime republicano, baseado no pensamento iluminista, exerceu enorme fascínio sobre a aristocracia "criolla" da América Espanhola. O maior impacto veio, entretanto, da Revolução Francesa, cujas conseqüências se fizeram sentir tanto na Europa quanto na América. A ascensão de Napoleão Bonaparte, a imposição da supremacia francesa à Europa e o estabelecimento do Bloqueio Continental contra a Inglaterra desferiram um golpe de morte no decadente sistema colonial ibero-americano.  A invasão de Portugal pelos franceses rompeu o pacto colonial luso-brasileiro e acelerou a independência do Brasil, ao mesmo tempo em que a ocupação da Espanha por Napoleão e a imposição de José Bonaparte como rei do país desencadearam as lutas de independência nas colônias da América espanhola... Fim
A CONJUNTURA HISPANO - AMERICANA No início do século XIX, quando ocorreu o choque entre a Revolução Industrial inglesa e a Revolução Francesa, o império colonial espanhol na América estava dividido, em termos administrativos, em quatro vice-reinados e quatro capitanias gerais. "A administração colonial: vice-reinados e capitanias gerais. Os entraves do monopólio comercial". Os vice-reinados existentes eram Nova Espanha ( México e parte do território atualmente pertencente aos Estados Unidos), Nova Granada ( Colômbia e Equador), Peru e Prata ( Argentina, Uruguai, Bolívia e Paraguai). As capitanias gerais eram Cuba, Guatemala, Venezuela e Chile.
Os cargos de vice-rei e capitão-geral eram exercidos por representantes da Coroa vidos diretamente da Espanha, como o eram igualmente todos os altos postos da administração colonial. Desta forma, o aparelho político-administrativo colonial era dominado e monopolizado por espanhóis natos. A economia colonial baseava-se na exportação de matérias-primas e, portanto, era dependente do mercado externo monopolizado pela metrópole através do pacto colonial. A mineração baseava-se na extração de ouro e prata e estava concentrada no México e na Bolívia.  A agricultura tropical desenvolveu-se na América Central e nas Antilhas, com base no sistema de "plantation", ou seja, grandes propriedades monoculturas, trabalhadas por escravos. A pecuária concentrava-se principalmente no México e no vice-reinado do Prata. O comércio era praticado nas grandes cidades portuárias, como Buenos Aires, Valparaíso, Cartagena e Vera Cruz. A Espanha exercia o monopólio comercial entre suas colônias e a Europa, o que afetava os interesses econômicos da elite colonial, obrigada a vender, a baixos preços, seus produtos à metrópole e dela comprar, a altos preços, as manufaturas importadas. O mesmo acontecia com os comerciantes e industriais ingleses, forçados a aceitar a intermediação da Espanha e impedidos de vender diretamente as suas mercadorias à América.
Os cargos de vice-rei e capitão-geral eram exercidos por representantes da Coroa vidos diretamente da Espanha, como o eram igualmente todos os altos postos da administração colonial. Desta forma, o aparelho político-administrativo colonial era dominado e monopolizado por espanhóis natos. A economia colonial baseava-se na exportação de matérias-primas e, portanto, era dependente do mercado externo monopolizado pela metrópole através do pacto colonial. A mineração baseava-se na extração de ouro e prata e estava concentrada no México e na Bolívia.  A agricultura tropical desenvolveu-se na América Central e nas Antilhas, com base no sistema de "plantation", ou seja, grandes propriedades monoculturas, trabalhadas por escravos. A pecuária concentrava-se principalmente no México e no vice-reinado do Prata. O comércio era praticado nas grandes cidades portuárias, como Buenos Aires, Valparaíso, Cartagena e Vera Cruz. A Espanha exercia o monopólio comercial entre suas colônias e a Europa, o que afetava os interesses econômicos da elite colonial, obrigada a vender, a baixos preços, seus produtos à metrópole e dela comprar, a altos preços, as manufaturas importadas. O mesmo acontecia com os comerciantes e industriais ingleses, forçados a aceitar a intermediação da Espanha e impedidos de vender diretamente as suas mercadorias à América.
O fim do monopólio comercial interessava, assim, tanto à elite colonial como à burguesia inglesa, à medida que ambas aumentariam seus lucros com a adoção do livre comércio. Esta convergência de interesses foi um fator decisivo para a vitória do movimento de independência hispano-americano. "A sociedade colonial: brancos, mestiços, índios e negros. Os conflitos entre a aristocracia 'criolla' e os 'chapetones'.". Por essa época a sociedade colonial era formada por uma população de dez milhões de habitantes, divididos em diversas classes sociais. Os brancos constituíam cerca de três milhões e trezentos mil e classificavam-se em chapetones e criollos. Os chapetones, perto de trezentos mil, eram os espanhóis natos que, monopolizando o poder político, dominavam os altos cargos da administração colonial.  Os criollos, cerca de três milhões, eram descendentes de espanhóis nascidos na América e formavam a elite econômica e intelectual da colônia, à qual pertenciam os latifundiários, comerciantes, profissionais liberais e membros do baixo clero. A contradição entre a estrutura econômica, dominada elos criollos (partidários do livre comércio), e a estrutura política, controlada pelos chapetones (defensores do monopólio metropolitano), foi também um dos fatores importantes do processo de independência.
Os mestiços, descendentes de espanhóis e índios, eram cerca de cinco milhões e dedicavam-se ao pequeno comércio e ao artesanato, enquanto os índios, mais de dez milhões, constituíam a mão-de-obra explorada na mineração e na agricultura. Os negros, perto de oitocentos mil, concentravam-se principalmente nas Antilhas e formavam a mão-de-obra escrava utilizada nas plantations tropicais. Embora sendo esmagadora minoria, eram os criollos e os chapetones que dominavam e determinavam a condução das relações econômicas e políticas das colônias hispano-americanas e era a eles que interessava a ligação com a metrópole ou o rompimento de laços com ela.  Assim, a guerra de independência caracterizou-se por ser uma luta entre os criollos, apoiados pela Inglaterra, e os chapetones, apoiados pela Espanha, pelo domínio do aparelho político-administrativo.
FIM
Durante a Revolução Francesa, as disputas entre a burguesia e as camadas populares geravam uma grande tensão política que ameaçava a imposição de uma nova era política na França. Enquanto tais contendas inflamavam o contexto interno, várias monarquias da Europa se uniam com o objetivo de derrubar os defensores e os ideais destes revolucionários. Nesse tempo, a figura de um jovem militar passou a ganhar um destaque de projeções meteóricas. Nascido na Córsega, em 1769, Napoleão Bonaparte ficara conhecido pela sua invejável habilidade militar e sua capacidade de vencer batalhas que pareciam estar praticamente perdidas. Em pouco tempo, a população francesa reconheceu em sua imagem a figura de um herói defensor do ideal revolucionário. Fustigada pelas sucessivas crises internas, a burguesia viu em Napoleão a oportunidade perfeita para que as contendas políticas cessassem e o desenvolvimento econômico surgisse. Por isso, em 1799, Bonaparte teve o apoio político necessário para derrubar o Diretório que controlava seu país e organizar o Consulado. Neste novo sistema de governo, Napoleão já possuía em suas mãos as mais importantes atribuições políticas da nação.
Aproveitando da situação, logo tratou de criar o Banco da França, que deveria custear os empreendimentos burgueses e reorientar a enfraquecida economia nacional. Logo em seguida, reatou as relações do Estado com a Igreja, que passara a reconhecer a perda de suas propriedades e todas as demais satisfações que os clérigos deviam ao regime republicano. No ano de 1804, o Código Civil Napoleônico estabeleceu a igualdade de todos os cidadãos perante a lei. Os bons resultados de sua administração materializaram paulatinamente a conquista do poder absoluto de Napoleão na França. Coroado, Napoleão fez questão de esclarecer que assumia o trono francês na qualidade de um abnegado defensor do regime republicano. Como imperador, sustentou as conquistas camponesas com a reforma agrária, promoveu uma série de obras públicas e deu continuidade ao processo de modernização da economia.
A aparência estável do governo napoleônico instigou as monarquias europeias a se organizarem novamente contra os franceses. Vencendo batalhas de grande importância, Napoleão se tronou o senhor da Europa. Em contraste aos ganhos militares, o governo francês tinha enormes dificuldades para ampliar os números de sua economia. A hegemonia industrial britânica era o seu principal obstáculo.Visando resolver esta questão, Napoleão publicou um decreto internacional, chamado Bloqueio Continental, que proibia o comércio entre a Inglaterra e qualquer outra nação europeia. Todo o país que desobedecesse este tratado, seria implacavelmente invadido pelas tropas francesas. Em pouco tempo, não resistindo à dependência com relação aos produtos ingleses, várias nações desobedeceram ao acordo e foram invadidas por Napoleão
Apesar de expor sua hegemonia militar terrestre, as invasões napoleônicas acabaram retirando a agilidade e o poder de reação das tropas francesas. Em 1812, o descumprimento russo ao Bloqueio Continental obrigou ao estadista francês empreender uma grande investida militar que contava com seiscentos mil soldados. Surpreendido pela tática de terra arrasada e o vigor do inverno siberiano, Napoleão Bonaparte acabou perdendo milhares de soldados.
Aproveitando da situação, as tropas monarquistas da Europa se reorganizaram para derrotar o governo francês. A primeira derrota aconteceu em 1814, na cidade de Leipzig, onde Napoleão se entregou aos inimigos. Depois disso, foi exilado na pequena ilha mediterrânea de Elba para que não oferecesse maiores riscos. Entretanto, um destacamento de soldados fiéis conseguiu retirá-lo da região e devolver-lhe o controle da França. Conhecido como o “Governo de Cem Dias”, essa desesperada volta de Napoleão ao poder foi logo fustigada pelos seus inimigos na batalha de Waterloo. Dessa vez, o lendário militar foi exilado na ilha africana de Santa Helena. Seis anos mais tarde, ele morreu em consequência de uma terrível doença (provavelmente câncer) que acometia o seu estômago.
Fases: Consulado  No fim da Revolução Francesa, a burguesia desejava o fim das tensões provocadas pelos jacobinos. - Desta forma, apoiou a tomada de poder por Napoleão Bonaparte, no chamado Golpe 18 de Brumário. Iniciou-se o Consulado, que durou de 1799 a 1804. - Napoleão se tornou primeiro-cônsul, instituindo uma série de medidas na França, como a censura da imprensa, criação do Banco da França, estreitamento das relações com a Igreja Católica, entre outras. - Além disso, criou o Código Civil Napoleônico, que permitiu o casamento civil, respeito à propriedade privada, direito à liberdade individual e igualdade de todos perante a lei. - Estas reformas propostas no Código Napoleônico interessavam, particularmente, a burguesia francesa.
Fases: Império I - Através de um plebiscito, Napoleão se tornou imperador da França, sob o título de Napoleão I. - O Império durou de 1804 a 1815. Como imperador, Napoleão ofereceu títulos de nobreza a membros de sua família. - Além disso, consolidou a conquista de grande parte da Europa. Paralelamente, levantou monumentos de exaltação, como o Arco do Triunfo, em Paris. - A Inglaterra, temendo a supremacia francesa, se opôs ao domínio napoleônico. Em contrapartida, a França invadiu a Inglaterra em 1805, na chamada Batalha de Trafalgar. - Como a marinha inglesa era superior à francesa, Napoleão foi derrotado. Inconformado, decretou o chamado Bloqueio Continental.
Fases: Império II - O Bloqueio Continental declarava que todos os países europeus deveriam  fechar os seus portos para os produtos industriais da Inglaterra. - O objetivo era enfraquecer a economia inglesa, em processo de crescimento devido a Revolução Industrial. Com a economia enfraquecida, Napoleão calculava subjugá-la. - Portugal, por ser um antigo aliado da Inglaterra, desobedeceu ao bloqueio. Napoleão logo acionou suas tropas para invadir o reino português. - Temendo a perda de seu poder, o rei de Portugal, D. João VI, fugiu com aproximadamente 15 mil componentes da família real portuguesa, vindo para o Brasil. - Este fato é conhecido como Fuga da Família Real Portuguesa, e foi um dos fatores que possibilitou o processo de independência do Brasil, em 1822.
Fases: Império III - A Rússia também desafiou o poder de Napoleão, desobedecendo ao bloqueio. Foi invadida pelas tropas de Napoleão, na chamada Campanha da Rússia. - As tropas napoleônicas foram surpreendidas pelo forte inverno russo e pela estratégia da terra arrasada, que deixou as tropas sem água e mantimentos. - Isto fez com que Napoleão sofresse uma grande derrota, tendo seu exército se reduzido a 2% do contingente total. - Esta derrota, aliada a outros conflitos, acabou levando Napoleão a abdicar do trono, em 1814, através do Tratado de Fontainebleau. Napoleão foi, então, exilado na Ilha de Elba.
Fases: Governo dos 100 dias - Em 1815, Napoleão conseguiu fugir da Ilha de Elba. Com uma forte base aliada, conseguiu retomar o poder na França. - Porém, seu último governo durou apenas cem dias, tendo sido derrotado por ingleses e prussianos na chamada Batalha de Waterloo. - Napoleão, então, foi exilado na Ilha de Santa Helena, onde morreu em 1821.
PARA CASA Resumo Tópico 2 e 3  Questionário - Perguntas de  1 a 6

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Revoluções nas américas
Revoluções nas américasRevoluções nas américas
Revoluções nas américas
Adriano Santa Brígida
 
K independência da américa espanhola (1)
K  independência da américa espanhola (1)K  independência da américa espanhola (1)
K independência da américa espanhola (1)
Marcia Fernandes
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
Luciano Emanuel Silva
 
Independência da américa hispânica
Independência da américa hispânicaIndependência da américa hispânica
Independência da américa hispânica
PROFºWILTONREIS
 
Independência da américa
Independência da américaIndependência da américa
Independência da américa
harlissoncarvalho
 
História 2 em-independência-espanhola-2º-ano-em1
História 2 em-independência-espanhola-2º-ano-em1História 2 em-independência-espanhola-2º-ano-em1
História 2 em-independência-espanhola-2º-ano-em1
Privada
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
eiprofessor
 
Independência hispano americana
Independência hispano americanaIndependência hispano americana
Independência hispano americana
DeaaSouza
 
Era Vargas
Era VargasEra Vargas
Era Vargas
Lú Carvalho
 
Independência América Espanhola
Independência América EspanholaIndependência América Espanhola
Independência América Espanhola
dmflores21
 
Independência da américa espanhola (1)
Independência da américa espanhola (1)Independência da américa espanhola (1)
Independência da américa espanhola (1)
migueldrj
 
Independência das colônias espanholas
Independência das colônias espanholasIndependência das colônias espanholas
Independência das colônias espanholas
Fatima Freitas
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
Aulas de História
 
Independência na américa espanhola
Independência na américa espanholaIndependência na américa espanhola
Independência na américa espanhola
Adauto Ferreira
 
Processo de independência da américa espanhola
Processo de independência da américa espanholaProcesso de independência da américa espanhola
Processo de independência da américa espanhola
Louise Caldart Colombo
 
Independência das Colônias Espanholas
Independência das Colônias EspanholasIndependência das Colônias Espanholas
Independência das Colônias Espanholas
Gmsantos23
 
Independência américa espanhola
Independência américa espanholaIndependência américa espanhola
Independência américa espanhola
Izaac Erder
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
Claudenilson da Silva
 
Independencia america espanhola
Independencia america espanholaIndependencia america espanhola
Independencia america espanhola
7 de Setembro
 
Processo de independência colômbia e guatemala
Processo de independência colômbia e guatemalaProcesso de independência colômbia e guatemala
Processo de independência colômbia e guatemala
Anjo da Luz
 

Mais procurados (20)

Revoluções nas américas
Revoluções nas américasRevoluções nas américas
Revoluções nas américas
 
K independência da américa espanhola (1)
K  independência da américa espanhola (1)K  independência da américa espanhola (1)
K independência da américa espanhola (1)
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
 
Independência da américa hispânica
Independência da américa hispânicaIndependência da américa hispânica
Independência da américa hispânica
 
Independência da américa
Independência da américaIndependência da américa
Independência da américa
 
História 2 em-independência-espanhola-2º-ano-em1
História 2 em-independência-espanhola-2º-ano-em1História 2 em-independência-espanhola-2º-ano-em1
História 2 em-independência-espanhola-2º-ano-em1
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
 
Independência hispano americana
Independência hispano americanaIndependência hispano americana
Independência hispano americana
 
Era Vargas
Era VargasEra Vargas
Era Vargas
 
Independência América Espanhola
Independência América EspanholaIndependência América Espanhola
Independência América Espanhola
 
Independência da américa espanhola (1)
Independência da américa espanhola (1)Independência da américa espanhola (1)
Independência da américa espanhola (1)
 
Independência das colônias espanholas
Independência das colônias espanholasIndependência das colônias espanholas
Independência das colônias espanholas
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
 
Independência na américa espanhola
Independência na américa espanholaIndependência na américa espanhola
Independência na américa espanhola
 
Processo de independência da américa espanhola
Processo de independência da américa espanholaProcesso de independência da américa espanhola
Processo de independência da américa espanhola
 
Independência das Colônias Espanholas
Independência das Colônias EspanholasIndependência das Colônias Espanholas
Independência das Colônias Espanholas
 
Independência américa espanhola
Independência américa espanholaIndependência américa espanhola
Independência américa espanhola
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
 
Independencia america espanhola
Independencia america espanholaIndependencia america espanhola
Independencia america espanhola
 
Processo de independência colômbia e guatemala
Processo de independência colômbia e guatemalaProcesso de independência colômbia e guatemala
Processo de independência colômbia e guatemala
 

Destaque

2° ano - Processos de Independência na América
2° ano - Processos de Independência na América2° ano - Processos de Independência na América
2° ano - Processos de Independência na América
Daniel Alves Bronstrup
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
Edenilson Morais
 
PREFEITOS DE HIDROLÂNDIA
PREFEITOS DE HIDROLÂNDIAPREFEITOS DE HIDROLÂNDIA
PREFEITOS DE HIDROLÂNDIA
Mascf
 
LEVANTAMENTO DE OCORRÊNCIAS DE INUNDAÇÃO EM REGISTROS DE JORNAIS COMO SUBSÍDI...
LEVANTAMENTO DE OCORRÊNCIAS DE INUNDAÇÃO EM REGISTROS DE JORNAIS COMO SUBSÍDI...LEVANTAMENTO DE OCORRÊNCIAS DE INUNDAÇÃO EM REGISTROS DE JORNAIS COMO SUBSÍDI...
LEVANTAMENTO DE OCORRÊNCIAS DE INUNDAÇÃO EM REGISTROS DE JORNAIS COMO SUBSÍDI...
Maria José Brollo
 
Logos farmacias
Logos farmaciasLogos farmacias
Logos farmaciasJUCA227
 
Medicamentos gratuitos da farmácia popular
Medicamentos gratuitos da farmácia popularMedicamentos gratuitos da farmácia popular
Medicamentos gratuitos da farmácia popular
Secretaria Municipal de Saúde de Iracemápolis
 
Cartório Eleitoral de Acopiara: Locais de votação (Acopiara e Catarina)
Cartório Eleitoral de Acopiara: Locais de votação (Acopiara e Catarina)Cartório Eleitoral de Acopiara: Locais de votação (Acopiara e Catarina)
Cartório Eleitoral de Acopiara: Locais de votação (Acopiara e Catarina)
RÁDIO PORTAL DOS INHAMUNS - CATARINA
 
Edital cartorios
Edital cartoriosEdital cartorios
Edital cartorios
Andrei Sansil
 
Serrano 198 4_2014
Serrano 198 4_2014Serrano 198 4_2014
Serrano 198 4_2014
Ecos Alcântaras
 
Relatório Peteca Tianguá 2011
Relatório Peteca Tianguá 2011Relatório Peteca Tianguá 2011
Relatório Peteca Tianguá 2011
Ministério Público do Trabalho
 
Edital do Cncurso de General Sampaio
Edital do Cncurso de General SampaioEdital do Cncurso de General Sampaio
Edital do Cncurso de General Sampaio
Ze Legnas
 
História da diocese de tianguá
História da diocese de tianguáHistória da diocese de tianguá
História da diocese de tianguá
César Rocha
 
NPI - Palestra WTISC 2015 - UFC Quixadá
NPI - Palestra WTISC 2015 - UFC QuixadáNPI - Palestra WTISC 2015 - UFC Quixadá
NPI - Palestra WTISC 2015 - UFC Quixadá
Camilo Almendra
 
FORMAÇÃO CIDADÃ: O CONHECIMENTO DO ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE POR P...
FORMAÇÃO CIDADÃ: O CONHECIMENTO DO ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE POR P...FORMAÇÃO CIDADÃ: O CONHECIMENTO DO ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE POR P...
FORMAÇÃO CIDADÃ: O CONHECIMENTO DO ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE POR P...
Ministério Público do Trabalho
 
Rima trairi pdf
Rima trairi pdfRima trairi pdf
Rima trairi pdf
Nome Sobrenome
 
Edital secretaria de saúde paracuru
Edital secretaria de saúde paracuruEdital secretaria de saúde paracuru
Edital secretaria de saúde paracuru
Alinebrauna Brauna
 
História de Irauçuba
História de IrauçubaHistória de Irauçuba
História de Irauçuba
MISTERCLAUDIO
 
Tabuleiro O Povo E A Terra
Tabuleiro O Povo E A TerraTabuleiro O Povo E A Terra
Tabuleiro O Povo E A Terra
theamaia
 
Cronograma -icapuí
Cronograma  -icapuíCronograma  -icapuí
Cronograma -icapuí
pmicapui
 

Destaque (20)

2° ano - Processos de Independência na América
2° ano - Processos de Independência na América2° ano - Processos de Independência na América
2° ano - Processos de Independência na América
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
 
PREFEITOS DE HIDROLÂNDIA
PREFEITOS DE HIDROLÂNDIAPREFEITOS DE HIDROLÂNDIA
PREFEITOS DE HIDROLÂNDIA
 
LEVANTAMENTO DE OCORRÊNCIAS DE INUNDAÇÃO EM REGISTROS DE JORNAIS COMO SUBSÍDI...
LEVANTAMENTO DE OCORRÊNCIAS DE INUNDAÇÃO EM REGISTROS DE JORNAIS COMO SUBSÍDI...LEVANTAMENTO DE OCORRÊNCIAS DE INUNDAÇÃO EM REGISTROS DE JORNAIS COMO SUBSÍDI...
LEVANTAMENTO DE OCORRÊNCIAS DE INUNDAÇÃO EM REGISTROS DE JORNAIS COMO SUBSÍDI...
 
Logos farmacias
Logos farmaciasLogos farmacias
Logos farmacias
 
Medicamentos gratuitos da farmácia popular
Medicamentos gratuitos da farmácia popularMedicamentos gratuitos da farmácia popular
Medicamentos gratuitos da farmácia popular
 
Cartório Eleitoral de Acopiara: Locais de votação (Acopiara e Catarina)
Cartório Eleitoral de Acopiara: Locais de votação (Acopiara e Catarina)Cartório Eleitoral de Acopiara: Locais de votação (Acopiara e Catarina)
Cartório Eleitoral de Acopiara: Locais de votação (Acopiara e Catarina)
 
Edital cartorios
Edital cartoriosEdital cartorios
Edital cartorios
 
Serrano 198 4_2014
Serrano 198 4_2014Serrano 198 4_2014
Serrano 198 4_2014
 
Relatório Peteca Tianguá 2011
Relatório Peteca Tianguá 2011Relatório Peteca Tianguá 2011
Relatório Peteca Tianguá 2011
 
Cartorios
CartoriosCartorios
Cartorios
 
Edital do Cncurso de General Sampaio
Edital do Cncurso de General SampaioEdital do Cncurso de General Sampaio
Edital do Cncurso de General Sampaio
 
História da diocese de tianguá
História da diocese de tianguáHistória da diocese de tianguá
História da diocese de tianguá
 
NPI - Palestra WTISC 2015 - UFC Quixadá
NPI - Palestra WTISC 2015 - UFC QuixadáNPI - Palestra WTISC 2015 - UFC Quixadá
NPI - Palestra WTISC 2015 - UFC Quixadá
 
FORMAÇÃO CIDADÃ: O CONHECIMENTO DO ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE POR P...
FORMAÇÃO CIDADÃ: O CONHECIMENTO DO ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE POR P...FORMAÇÃO CIDADÃ: O CONHECIMENTO DO ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE POR P...
FORMAÇÃO CIDADÃ: O CONHECIMENTO DO ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE POR P...
 
Rima trairi pdf
Rima trairi pdfRima trairi pdf
Rima trairi pdf
 
Edital secretaria de saúde paracuru
Edital secretaria de saúde paracuruEdital secretaria de saúde paracuru
Edital secretaria de saúde paracuru
 
História de Irauçuba
História de IrauçubaHistória de Irauçuba
História de Irauçuba
 
Tabuleiro O Povo E A Terra
Tabuleiro O Povo E A TerraTabuleiro O Povo E A Terra
Tabuleiro O Povo E A Terra
 
Cronograma -icapuí
Cronograma  -icapuíCronograma  -icapuí
Cronograma -icapuí
 

Semelhante a Independência das americas

A independência da américa espanhola
A independência da américa espanholaA independência da américa espanhola
A independência da américa espanhola
Nelia Salles Nantes
 
Aula 14 américa espanhola
Aula 14   américa espanholaAula 14   américa espanhola
Aula 14 américa espanhola
Jonatas Carlos
 
Historia volume-4
Historia volume-4Historia volume-4
Historia volume-4
Josil Setenta
 
Historia volume-4
Historia volume-4Historia volume-4
Historia volume-4
Josil Setenta
 
Resenha origens da independencia da américa espanhola-bethel
Resenha origens da independencia da américa espanhola-bethelResenha origens da independencia da américa espanhola-bethel
Resenha origens da independencia da américa espanhola-bethel
Sandra Kroetz
 
Resenha origens da independencia da américa espanhola-bethel
Resenha origens da independencia da américa espanhola-bethelResenha origens da independencia da américa espanhola-bethel
Resenha origens da independencia da américa espanhola-bethel
Sandra Kroetz
 
America colonial espanhola.filé
America colonial espanhola.filéAmerica colonial espanhola.filé
America colonial espanhola.filé
mundica broda
 
Ind a espanhola_texto 9_2007
Ind a espanhola_texto 9_2007Ind a espanhola_texto 9_2007
Ind a espanhola_texto 9_2007
Jorge Marcos Oliveira
 
Ind a espanhola_texto 9_2007
Ind a espanhola_texto 9_2007Ind a espanhola_texto 9_2007
Ind a espanhola_texto 9_2007
Jorge Marcos Oliveira
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
Bruno da Silva
 
O Fim do Antigo Regime, Revolução Francesa e Era Napoleônica.
O Fim do Antigo Regime, Revolução Francesa e Era Napoleônica.O Fim do Antigo Regime, Revolução Francesa e Era Napoleônica.
O Fim do Antigo Regime, Revolução Francesa e Era Napoleônica.
João Medeiros
 
Cap. 16 iluminismo
Cap. 16 iluminismoCap. 16 iluminismo
Cap. 16 iluminismo
Gustavo Cuin
 
8º ano - America espanhola apresentação
8º ano - America espanhola apresentação 8º ano - America espanhola apresentação
8º ano - America espanhola apresentação
Janaína Bindá
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
gueste79b40
 
A independência da américa espanhola
A independência da américa espanholaA independência da américa espanhola
A independência da américa espanhola
Nelia Salles Nantes
 
Revolução francesa - Prof. Elvis John
Revolução francesa - Prof. Elvis JohnRevolução francesa - Prof. Elvis John
Revolução francesa - Prof. Elvis John
ElvisJohnR
 
Considerar este jv e pedro - revoluçao francesa ate o fim do imperio napole...
Considerar este   jv e pedro - revoluçao francesa ate o fim do imperio napole...Considerar este   jv e pedro - revoluçao francesa ate o fim do imperio napole...
Considerar este jv e pedro - revoluçao francesa ate o fim do imperio napole...
alunoitv
 
A Era das Revoluções
A Era das RevoluçõesA Era das Revoluções
A Era das Revoluções
Paulo Alexandre
 
Resumo historia geral i
Resumo historia geral iResumo historia geral i
Resumo historia geral i
jersonvieira
 
Movimentoscoloniais
MovimentoscoloniaisMovimentoscoloniais
Movimentoscoloniais
Gean Bonatto
 

Semelhante a Independência das americas (20)

A independência da américa espanhola
A independência da américa espanholaA independência da américa espanhola
A independência da américa espanhola
 
Aula 14 américa espanhola
Aula 14   américa espanholaAula 14   américa espanhola
Aula 14 américa espanhola
 
Historia volume-4
Historia volume-4Historia volume-4
Historia volume-4
 
Historia volume-4
Historia volume-4Historia volume-4
Historia volume-4
 
Resenha origens da independencia da américa espanhola-bethel
Resenha origens da independencia da américa espanhola-bethelResenha origens da independencia da américa espanhola-bethel
Resenha origens da independencia da américa espanhola-bethel
 
Resenha origens da independencia da américa espanhola-bethel
Resenha origens da independencia da américa espanhola-bethelResenha origens da independencia da américa espanhola-bethel
Resenha origens da independencia da américa espanhola-bethel
 
America colonial espanhola.filé
America colonial espanhola.filéAmerica colonial espanhola.filé
America colonial espanhola.filé
 
Ind a espanhola_texto 9_2007
Ind a espanhola_texto 9_2007Ind a espanhola_texto 9_2007
Ind a espanhola_texto 9_2007
 
Ind a espanhola_texto 9_2007
Ind a espanhola_texto 9_2007Ind a espanhola_texto 9_2007
Ind a espanhola_texto 9_2007
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
O Fim do Antigo Regime, Revolução Francesa e Era Napoleônica.
O Fim do Antigo Regime, Revolução Francesa e Era Napoleônica.O Fim do Antigo Regime, Revolução Francesa e Era Napoleônica.
O Fim do Antigo Regime, Revolução Francesa e Era Napoleônica.
 
Cap. 16 iluminismo
Cap. 16 iluminismoCap. 16 iluminismo
Cap. 16 iluminismo
 
8º ano - America espanhola apresentação
8º ano - America espanhola apresentação 8º ano - America espanhola apresentação
8º ano - America espanhola apresentação
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
A independência da américa espanhola
A independência da américa espanholaA independência da américa espanhola
A independência da américa espanhola
 
Revolução francesa - Prof. Elvis John
Revolução francesa - Prof. Elvis JohnRevolução francesa - Prof. Elvis John
Revolução francesa - Prof. Elvis John
 
Considerar este jv e pedro - revoluçao francesa ate o fim do imperio napole...
Considerar este   jv e pedro - revoluçao francesa ate o fim do imperio napole...Considerar este   jv e pedro - revoluçao francesa ate o fim do imperio napole...
Considerar este jv e pedro - revoluçao francesa ate o fim do imperio napole...
 
A Era das Revoluções
A Era das RevoluçõesA Era das Revoluções
A Era das Revoluções
 
Resumo historia geral i
Resumo historia geral iResumo historia geral i
Resumo historia geral i
 
Movimentoscoloniais
MovimentoscoloniaisMovimentoscoloniais
Movimentoscoloniais
 

Independência das americas

  • 1. Historia Independência da América Hispânica Apostila 6 Modulo 33 Pag. 01
  • 2. A CRISE DO SISTEMA COLONIAL O fim do Antigo Regime nas últimas décadas do século XVIII foi conseqüência das transformações ideológicas, econômicas e políticas produzidas pelo Iluminismo, pela Revolução Industrial, pela independência dos Estados Unidos e pela Revolução Francesa. Estes acontecimentos, que se condicionaram e se influenciaram reciprocamente, desempenharam um papel decisivo no processo de independência da América espanhola. As elites da América colonial encontraram na filosofia iluminista o embasamento ideológico para seus ideais autonomistas. A luta pela liberdade política encontrava sua justificativa no direito dos povos oprimidos à rebelião contra os governos tirânicos e á luta pela liberdade econômica na substituição do monopólio comercial pelo regime de livre concorrência. "A Revolução Industrial Inglesa: Viu-se a necessidade de substituir o monopólio comercial por livre concorrência".
  • 3. Por esta época a Revolução Industrial inglesa inaugurava a era da indústria fabril e da produção mecanizada. A exportação das mercadorias inglesas exigia a abertura dos mercados americanos ao livre comércio e esbarrava nos entraves criados pelo pacto colonial. O monopólio comercial favorecia apenas as metrópoles que lucravam duplamente revendendo os produtos coloniais à Europa e as manufaturas inglesas às suas colônias. Esta política monopolista, entretanto, prejudicava tanto a burguesia inglesa quanto as elites coloniais, e, assim, o desenvolvimento do moderno capitalismo industrial acelerou a crise do antigo sistema colonial mercantilista. E a quebra do pacto colonial e sua substituição pelo libre comércio só poderia se fazer através da independência das colônias em relação às antigas metrópoles. "A independência dos Estados Unidos e a Revolução Francesa aceleraram o fim do sistema colonial luso-espanhol".
  • 4. A independência das treze colônias e a formação dos Estados Unidos, primeiro país soberano do Novo Mundo, tornaram-se o exemplo e a fonte de inspiração para os movimentos latino - americanos que lutavam pela emancipação política e pela ruptura do pacto colonial. O regime republicano, baseado no pensamento iluminista, exerceu enorme fascínio sobre a aristocracia "criolla" da América Espanhola. O maior impacto veio, entretanto, da Revolução Francesa, cujas conseqüências se fizeram sentir tanto na Europa quanto na América. A ascensão de Napoleão Bonaparte, a imposição da supremacia francesa à Europa e o estabelecimento do Bloqueio Continental contra a Inglaterra desferiram um golpe de morte no decadente sistema colonial ibero-americano. A invasão de Portugal pelos franceses rompeu o pacto colonial luso-brasileiro e acelerou a independência do Brasil, ao mesmo tempo em que a ocupação da Espanha por Napoleão e a imposição de José Bonaparte como rei do país desencadearam as lutas de independência nas colônias da América espanhola... Fim
  • 5. A CONJUNTURA HISPANO - AMERICANA No início do século XIX, quando ocorreu o choque entre a Revolução Industrial inglesa e a Revolução Francesa, o império colonial espanhol na América estava dividido, em termos administrativos, em quatro vice-reinados e quatro capitanias gerais. "A administração colonial: vice-reinados e capitanias gerais. Os entraves do monopólio comercial". Os vice-reinados existentes eram Nova Espanha ( México e parte do território atualmente pertencente aos Estados Unidos), Nova Granada ( Colômbia e Equador), Peru e Prata ( Argentina, Uruguai, Bolívia e Paraguai). As capitanias gerais eram Cuba, Guatemala, Venezuela e Chile.
  • 6. Os cargos de vice-rei e capitão-geral eram exercidos por representantes da Coroa vidos diretamente da Espanha, como o eram igualmente todos os altos postos da administração colonial. Desta forma, o aparelho político-administrativo colonial era dominado e monopolizado por espanhóis natos. A economia colonial baseava-se na exportação de matérias-primas e, portanto, era dependente do mercado externo monopolizado pela metrópole através do pacto colonial. A mineração baseava-se na extração de ouro e prata e estava concentrada no México e na Bolívia. A agricultura tropical desenvolveu-se na América Central e nas Antilhas, com base no sistema de "plantation", ou seja, grandes propriedades monoculturas, trabalhadas por escravos. A pecuária concentrava-se principalmente no México e no vice-reinado do Prata. O comércio era praticado nas grandes cidades portuárias, como Buenos Aires, Valparaíso, Cartagena e Vera Cruz. A Espanha exercia o monopólio comercial entre suas colônias e a Europa, o que afetava os interesses econômicos da elite colonial, obrigada a vender, a baixos preços, seus produtos à metrópole e dela comprar, a altos preços, as manufaturas importadas. O mesmo acontecia com os comerciantes e industriais ingleses, forçados a aceitar a intermediação da Espanha e impedidos de vender diretamente as suas mercadorias à América.
  • 7. Os cargos de vice-rei e capitão-geral eram exercidos por representantes da Coroa vidos diretamente da Espanha, como o eram igualmente todos os altos postos da administração colonial. Desta forma, o aparelho político-administrativo colonial era dominado e monopolizado por espanhóis natos. A economia colonial baseava-se na exportação de matérias-primas e, portanto, era dependente do mercado externo monopolizado pela metrópole através do pacto colonial. A mineração baseava-se na extração de ouro e prata e estava concentrada no México e na Bolívia. A agricultura tropical desenvolveu-se na América Central e nas Antilhas, com base no sistema de "plantation", ou seja, grandes propriedades monoculturas, trabalhadas por escravos. A pecuária concentrava-se principalmente no México e no vice-reinado do Prata. O comércio era praticado nas grandes cidades portuárias, como Buenos Aires, Valparaíso, Cartagena e Vera Cruz. A Espanha exercia o monopólio comercial entre suas colônias e a Europa, o que afetava os interesses econômicos da elite colonial, obrigada a vender, a baixos preços, seus produtos à metrópole e dela comprar, a altos preços, as manufaturas importadas. O mesmo acontecia com os comerciantes e industriais ingleses, forçados a aceitar a intermediação da Espanha e impedidos de vender diretamente as suas mercadorias à América.
  • 8. O fim do monopólio comercial interessava, assim, tanto à elite colonial como à burguesia inglesa, à medida que ambas aumentariam seus lucros com a adoção do livre comércio. Esta convergência de interesses foi um fator decisivo para a vitória do movimento de independência hispano-americano. "A sociedade colonial: brancos, mestiços, índios e negros. Os conflitos entre a aristocracia 'criolla' e os 'chapetones'.". Por essa época a sociedade colonial era formada por uma população de dez milhões de habitantes, divididos em diversas classes sociais. Os brancos constituíam cerca de três milhões e trezentos mil e classificavam-se em chapetones e criollos. Os chapetones, perto de trezentos mil, eram os espanhóis natos que, monopolizando o poder político, dominavam os altos cargos da administração colonial. Os criollos, cerca de três milhões, eram descendentes de espanhóis nascidos na América e formavam a elite econômica e intelectual da colônia, à qual pertenciam os latifundiários, comerciantes, profissionais liberais e membros do baixo clero. A contradição entre a estrutura econômica, dominada elos criollos (partidários do livre comércio), e a estrutura política, controlada pelos chapetones (defensores do monopólio metropolitano), foi também um dos fatores importantes do processo de independência.
  • 9. Os mestiços, descendentes de espanhóis e índios, eram cerca de cinco milhões e dedicavam-se ao pequeno comércio e ao artesanato, enquanto os índios, mais de dez milhões, constituíam a mão-de-obra explorada na mineração e na agricultura. Os negros, perto de oitocentos mil, concentravam-se principalmente nas Antilhas e formavam a mão-de-obra escrava utilizada nas plantations tropicais. Embora sendo esmagadora minoria, eram os criollos e os chapetones que dominavam e determinavam a condução das relações econômicas e políticas das colônias hispano-americanas e era a eles que interessava a ligação com a metrópole ou o rompimento de laços com ela. Assim, a guerra de independência caracterizou-se por ser uma luta entre os criollos, apoiados pela Inglaterra, e os chapetones, apoiados pela Espanha, pelo domínio do aparelho político-administrativo.
  • 10. FIM
  • 11. Durante a Revolução Francesa, as disputas entre a burguesia e as camadas populares geravam uma grande tensão política que ameaçava a imposição de uma nova era política na França. Enquanto tais contendas inflamavam o contexto interno, várias monarquias da Europa se uniam com o objetivo de derrubar os defensores e os ideais destes revolucionários. Nesse tempo, a figura de um jovem militar passou a ganhar um destaque de projeções meteóricas. Nascido na Córsega, em 1769, Napoleão Bonaparte ficara conhecido pela sua invejável habilidade militar e sua capacidade de vencer batalhas que pareciam estar praticamente perdidas. Em pouco tempo, a população francesa reconheceu em sua imagem a figura de um herói defensor do ideal revolucionário. Fustigada pelas sucessivas crises internas, a burguesia viu em Napoleão a oportunidade perfeita para que as contendas políticas cessassem e o desenvolvimento econômico surgisse. Por isso, em 1799, Bonaparte teve o apoio político necessário para derrubar o Diretório que controlava seu país e organizar o Consulado. Neste novo sistema de governo, Napoleão já possuía em suas mãos as mais importantes atribuições políticas da nação.
  • 12. Aproveitando da situação, logo tratou de criar o Banco da França, que deveria custear os empreendimentos burgueses e reorientar a enfraquecida economia nacional. Logo em seguida, reatou as relações do Estado com a Igreja, que passara a reconhecer a perda de suas propriedades e todas as demais satisfações que os clérigos deviam ao regime republicano. No ano de 1804, o Código Civil Napoleônico estabeleceu a igualdade de todos os cidadãos perante a lei. Os bons resultados de sua administração materializaram paulatinamente a conquista do poder absoluto de Napoleão na França. Coroado, Napoleão fez questão de esclarecer que assumia o trono francês na qualidade de um abnegado defensor do regime republicano. Como imperador, sustentou as conquistas camponesas com a reforma agrária, promoveu uma série de obras públicas e deu continuidade ao processo de modernização da economia.
  • 13. A aparência estável do governo napoleônico instigou as monarquias europeias a se organizarem novamente contra os franceses. Vencendo batalhas de grande importância, Napoleão se tronou o senhor da Europa. Em contraste aos ganhos militares, o governo francês tinha enormes dificuldades para ampliar os números de sua economia. A hegemonia industrial britânica era o seu principal obstáculo.Visando resolver esta questão, Napoleão publicou um decreto internacional, chamado Bloqueio Continental, que proibia o comércio entre a Inglaterra e qualquer outra nação europeia. Todo o país que desobedecesse este tratado, seria implacavelmente invadido pelas tropas francesas. Em pouco tempo, não resistindo à dependência com relação aos produtos ingleses, várias nações desobedeceram ao acordo e foram invadidas por Napoleão
  • 14. Apesar de expor sua hegemonia militar terrestre, as invasões napoleônicas acabaram retirando a agilidade e o poder de reação das tropas francesas. Em 1812, o descumprimento russo ao Bloqueio Continental obrigou ao estadista francês empreender uma grande investida militar que contava com seiscentos mil soldados. Surpreendido pela tática de terra arrasada e o vigor do inverno siberiano, Napoleão Bonaparte acabou perdendo milhares de soldados.
  • 15. Aproveitando da situação, as tropas monarquistas da Europa se reorganizaram para derrotar o governo francês. A primeira derrota aconteceu em 1814, na cidade de Leipzig, onde Napoleão se entregou aos inimigos. Depois disso, foi exilado na pequena ilha mediterrânea de Elba para que não oferecesse maiores riscos. Entretanto, um destacamento de soldados fiéis conseguiu retirá-lo da região e devolver-lhe o controle da França. Conhecido como o “Governo de Cem Dias”, essa desesperada volta de Napoleão ao poder foi logo fustigada pelos seus inimigos na batalha de Waterloo. Dessa vez, o lendário militar foi exilado na ilha africana de Santa Helena. Seis anos mais tarde, ele morreu em consequência de uma terrível doença (provavelmente câncer) que acometia o seu estômago.
  • 16. Fases: Consulado  No fim da Revolução Francesa, a burguesia desejava o fim das tensões provocadas pelos jacobinos. - Desta forma, apoiou a tomada de poder por Napoleão Bonaparte, no chamado Golpe 18 de Brumário. Iniciou-se o Consulado, que durou de 1799 a 1804. - Napoleão se tornou primeiro-cônsul, instituindo uma série de medidas na França, como a censura da imprensa, criação do Banco da França, estreitamento das relações com a Igreja Católica, entre outras. - Além disso, criou o Código Civil Napoleônico, que permitiu o casamento civil, respeito à propriedade privada, direito à liberdade individual e igualdade de todos perante a lei. - Estas reformas propostas no Código Napoleônico interessavam, particularmente, a burguesia francesa.
  • 17. Fases: Império I - Através de um plebiscito, Napoleão se tornou imperador da França, sob o título de Napoleão I. - O Império durou de 1804 a 1815. Como imperador, Napoleão ofereceu títulos de nobreza a membros de sua família. - Além disso, consolidou a conquista de grande parte da Europa. Paralelamente, levantou monumentos de exaltação, como o Arco do Triunfo, em Paris. - A Inglaterra, temendo a supremacia francesa, se opôs ao domínio napoleônico. Em contrapartida, a França invadiu a Inglaterra em 1805, na chamada Batalha de Trafalgar. - Como a marinha inglesa era superior à francesa, Napoleão foi derrotado. Inconformado, decretou o chamado Bloqueio Continental.
  • 18. Fases: Império II - O Bloqueio Continental declarava que todos os países europeus deveriam  fechar os seus portos para os produtos industriais da Inglaterra. - O objetivo era enfraquecer a economia inglesa, em processo de crescimento devido a Revolução Industrial. Com a economia enfraquecida, Napoleão calculava subjugá-la. - Portugal, por ser um antigo aliado da Inglaterra, desobedeceu ao bloqueio. Napoleão logo acionou suas tropas para invadir o reino português. - Temendo a perda de seu poder, o rei de Portugal, D. João VI, fugiu com aproximadamente 15 mil componentes da família real portuguesa, vindo para o Brasil. - Este fato é conhecido como Fuga da Família Real Portuguesa, e foi um dos fatores que possibilitou o processo de independência do Brasil, em 1822.
  • 19. Fases: Império III - A Rússia também desafiou o poder de Napoleão, desobedecendo ao bloqueio. Foi invadida pelas tropas de Napoleão, na chamada Campanha da Rússia. - As tropas napoleônicas foram surpreendidas pelo forte inverno russo e pela estratégia da terra arrasada, que deixou as tropas sem água e mantimentos. - Isto fez com que Napoleão sofresse uma grande derrota, tendo seu exército se reduzido a 2% do contingente total. - Esta derrota, aliada a outros conflitos, acabou levando Napoleão a abdicar do trono, em 1814, através do Tratado de Fontainebleau. Napoleão foi, então, exilado na Ilha de Elba.
  • 20. Fases: Governo dos 100 dias - Em 1815, Napoleão conseguiu fugir da Ilha de Elba. Com uma forte base aliada, conseguiu retomar o poder na França. - Porém, seu último governo durou apenas cem dias, tendo sido derrotado por ingleses e prussianos na chamada Batalha de Waterloo. - Napoleão, então, foi exilado na Ilha de Santa Helena, onde morreu em 1821.
  • 21. PARA CASA Resumo Tópico 2 e 3 Questionário - Perguntas de 1 a 6