SlideShare uma empresa Scribd logo
Importância da parceria família/escola no desenvolvimento e
aprendizagem das crianças.


      A família tem sido e é a influência mais poderosa no desenvolvimento da
personalidade e na formação da consciência na criança. Assim, podemos dizer
que elas precisam sentir que fazem parte de uma família.




                      [...] a importância da primeira educação é tão grande na formação da
                      pessoa que podemos compará-la ao alicerce da construção de uma
                      casa. Depois, ao longo de sua vida, virão novas experiências que
                      continuarão a construir casa/indivíduo, relativizando o poder da
                      família. (LACAN, 1980, apud BOCK , 1989, p. 143)




      Partimos da idéia de que a família é a base que qualquer pessoa de
modo especial na infância. Não fazemos aqui, somente referência à família
como laços de sangue, mas também as famílias constituídas por meio de laços
afetivos. É nela que a criança encontra um espaço natural para o seu
desenvolvimento. As crianças necessitam ser educadas e é na família que
encontra espaço para o cultivo e o desenvolvimento dos valores humanos.
      O papel da família modificou-se ao longo do tempo. Hoje se busca
definir o diálogo e a co-responsabilidade entre as pessoas que fazem parte da
família, como sendo o gerador da solidificação da responsabilidade um para
com o outro e também, do bom relacionamento familiar. A convivência
prazerosa é o grande segredo para o crescimento do respeito mútuo. Essas
situações comprovam que a educação familiar é a verdadeira árvore da
ciência, cujos frutos alimentam a criança tornando-a uma cidadã consciente de
seus direitos e deveres.
      Para processar e elaborar essas mudanças, é preciso considerar que
cada ser humano tem um ritmo próprio e lida ainda com a influência de
determinações socioeconômicas culturais, que têm contornos próprios em cada
contexto e o desconhecimento dessas condições leva a pressupor que a
família nuclearizou-se homogeneamente, muitas vezes rompendo vínculos com
sua geração de origem.
As famílias, educadoras/es, que levam a sério sua missão na arte de
educar, necessitam lembrar que a criança não é apenas criança, ela é um ser
humano, que necessita suprir as necessidades físicas, psíquicas e sociais; que
ela é dependente; precisa ser tratado sem humilhações e castigos, ser
orientada com critérios de verdade e justiça; que precisa de afeto, de elogios,
incentivos e sorrisos para a construção se seu caráter.
      Essa construção também acontece além da família e escola, há outros
ambientes sociais que se desenvolvem relações amorosas, como no trabalho,
em meio à luz e o calor humano, a serenidade, o entendimento, a obediência, a
solidariedade. A família e a escola possuem um valor insubstituível, pois elas
fazem parte do centro da vida das crianças na construção de sua consciência.
      Um dos papéis da escola necessita ser o de estabelecer parâmetros
para a criança crescer como ser humano, ser protagonista de sua própria
história, construir uma práxis sobre valores fundamentais, envolver a família no
ensino-aprendizagem, resgatar a dimensão ética do conhecimento. É, neste
sentido, que o acesso e permanência na escola constituem possibilidades reais
aquisição do saber.
      Outro papel da escola que percebemos é o de educar as crianças no
ensino aprendizagem de maneira contínua e permanente. Sentimos que as
crises da educação brasileira provem da falta de um bom relacionamento entre
a escola e a família. A presença do adulto dá para a criança segurança física e
emocional que a levam a explorar mais o ambiente, ou seja, aprender. A
interação humana envolve também a afetividade, a emoção como elemento
básico. E é através da interação com os indivíduos mais experientes do seu
meio social que a criança constrói suas funções mentais superiores.
      Algumas famílias estão desgastadas em seus laços afetivos, e o lar
passou de um centro gerador de vida e diálogo para uma agitação e
desencontros, quando não apenas um ambiente em que as pessoas se fazem
presentes somente enquanto dormem.
      É preciso ressaltar que essas mudanças não devem ser encaradas
como tendências negativas, muito menos como "doenças" ou sintomas de
"crise". A idéia de crise, atualmente em voga, pode ser enganosa. A aparente
desorganização da família é um dos aspectos da reestruturação que ela vem
sofrendo, a qual se, por um lado, pode causar problemas, pode, por outro,
apresentar soluções. A partir de Pereira (1995), também os papéis sociais
atribuídos diferenciadamente ao homem e à mulher tendem a desaparecer não
só no lar, mas também no trabalho, na rua, no lazer e em outras esferas da
atividade humana.
      E com a chegada da modernidade, a industrialização, as descobertas
cientificas e as tecnológicas provocaram grandes transformações sociais e a
elas associou-se um novo modelo de família como de espaço de amor
incondicionado, um refúgio do mundo da rua considerado estranho competitivo,
ameaçador, não dando conta de explicar a realidade como um todo tentando
superar esta falta criou-se então uma cultura emocional, sentimental baseada
na seperproteção.
      Cada     momento     histórico   corresponde     uma       estrutura   familiar
preponderante, ele não é único, ou seja, concomitante aos modelos
dominantes de cada época. Assim, não podemos falar de família, mas de
famílias, para que possamos tentar contemplar a diversidade de relações que
convivem em nossa sociedade. Outro aspecto a ser ressaltado, diz respeito ao
significado social da família, qual a sua razão de existência?
      Sabemos que as crianças possuem como referencial: pessoas, palavras,
gestos...; Os quais proporcionam a construção do caráter em sua identidade,
são vínculos estabelecidos com a sua família.
      Alguns desafios que precisam de um olhar especial em relação à
família/escola que ajudam na construção do caráter das crianças:
          o Manterem-se        informadas     sobre    o     ensino-aprendizagem
              adquiridos pelos filhos/as;
          o Colaborar com educadores/as para tornar mais coerente e eficaz
              a atuação escolar;
          o Mostrarem-se interessados pelas atividades realizadas pelos
              filhos/as na escola;
          o Valorizar a escola, os conhecimentos e habilidades que propicia
              para criar nos filhos/as hábitos de respeito e uma expectativa
              positiva em relação ao conhecimento adquirido e socializado;
          o Expressar em palavras e atitudes a confiança que têm em
              ralação a escola e em seus/suas educadores/as;
          o Procurar saber o que o filho/a realizou na escola e como foi seu
dia;
             o Zelar por uma relação de carinho e respeito com os/as
                educadores/as, pois a opinião da família influi sobre os/as
                filhos/as;


             o Observar os materiais escolares e auxiliar as crianças nas tarefas
                de casa;
             o Resolver problemas entre família e escola;
             o Reforçar sempre a auto-estima e autoconfiança dos/as filhos/as.
          É de fundamental importância a família ter tempo para as crianças, ser
exemplo de comportamentos (pontualidade, respeito, amor, gratuidade, entre-
ajuda, etc.) e oferecer espaços à liberdade de pensar e agir. Saber dizer "não",
introduzindo-os no mundo real, fazendo-as pensar no que foi negado para que
amadureçam com sabedoria. A educação não depende de si mesma, mas
principalmente do papel que a família desempenha dentro, fora e junto à
escola.
      “[...] a liberdade é limitada para as crianças pela fraqueza, a felicidade
das crianças e dos homens consiste no uso de sua liberdade [...]. Quem faz o
que quer é feliz quando basta a si mesmo: é o caso do homem que vive no
estado de natureza” (ROUSSEAU, 1995, p.77). Por isso, acredita que a criança
deva ser educada a partir de seus interesses naturais, mas sem cair em
espontaneísmos. A criança deve aprender a lidar com seus desejos e conhecer
seus limites. Através do excessivo otimismo em relação ao caráter da natureza
do ser humano ao nascer é que Rousseau (1995), faz severas críticas à
educação autoritária, onde o fim da educação para ele é a inserção social,
após a criança ter recebido uma educação individualizada.
      A família precisa ajudar a criança a descobrir-se como pessoa,
desenvolver suas potencialidades para que, no futuro, possa aplicar, de modo
que ela se perceba como um agente transformador, que transforma e é
transformado por esse meio. Na família é lugar de fazer a experiência de
conviver com as diferenças de idade, temperamento, relações interpessoais
marcadas pela colaboração, tolerância, serviço, aceitação, solidariedade,
limites e potencialidades. Este processo só poderá ocorrer por meio da família
primeiramente e da escola também.
Por estas razões, entende-se a necessidade de integração dos pais a
                     comunidade de investigação, estimulando atitudes criadoras e
                     críticas, dialogando com as crianças, levando-as a aprender, a expor
                     e resumir, respondendo sempre que houver questionamento,
                     despertando desejos de excelência pelas iniciativas e tomadas de
                     decisão. (SMOLKA, 1993, p.126).




      Para que haja uma investigação de mudanças qualitativas na área
educacional, a escola e família necessitam de um trabalho integrado que
possibilite a criança desenvolver um olhar crítico em relação ao saber em torno
da realidade em que vive.
      Uma barreira perceptível na construção do caráter das crianças, é que a
família vem passando por uma série de transformações e uma delas é com
relação aos espaços dedicados ao convívio comum. Esses espaços reduziram
e os quartos foram ampliados e mobiliados segundo as características de cada
família e de seus membros. Há falta de espaço comum para o encontro das
famílias, dentro do próprio lar os espaços foram se individualizando. Os quartos
passaram a ser pequenas residências, dentro da grande residência, com
televisão, computador e outros objetos além da cama e do roupeiro, onde é
passada a maior parte do tempo e com isso resta pouquíssimo tempo para o
convívio familiar. A sala de refeições e a cozinha, espaços que seriam para o
convívio familiar, para a troca de experiências e para a manifestação de
sentimentos e de partilha, ficam vazias.
      É no aconchego da família e da escola que a criança vai construindo sua
consciência/caráter, se socializando, se educando para enfrentar a realidade e
as dificuldades na sociedade, tornando-se uma pessoa consciente e crítica.
“Os bons pedagogos ensinam não apenas as letras, mas também os bons
costumes e as maneiras decentes”. (AIRÈS, 1978, p.25). Acreditamos que a
família e a escola, concomitantemente, vão influenciando nas atitudes de vida
das crianças. Elas buscam respeito como gente que pensa, age, ama e sofre.
A educação torna-se a ligação, da família e da escola, com a esperança de um
presente e futuro menos doloroso, modificando a cultura e os costumes da
sociedade com maior percepção de seus direitos e a liberdade como cidadãs.
Receber amor e afeto é uma das mais importantes necessidades no
desenvolvimento da personalidade da criança. O amor da família dos/as
educadoras/es é pro excelência um sentimento de proteção par as/os
educandos/as, porém necessita ser usado na dosagem certa, equilibrada.

      Na família e na escola, onde existe o amor que dialoga, o amor que
abraça, que perdoa, que ouve com os ouvidos do coração, que auxilia as
crianças a aprender valorizar e a ter projetos de vida, lutar e procurar manter
acesa a chama do amor em todos os seus atos e atitudes é possível construir
uma consciência crítica, capaz de enfrentar as dificuldades e ir a busca de um
mundo onde prevaleça a justiça.

Vivian Pagnussato Zanoni

BIBLIOGRAFIA

AIRÈS, Philippe. História social da criança e da família. Rio de Janeiro:
Zahar Editores, 1978.

BOCK, Ana Mercês Bahia et al. Psicologias uma introdução ao estudo de
psicologia. São Paulo: Saraiva, 1989.


PEREIRA, P. A. Desafios Contemporâneos para a Sociedade e a Família. In
Revista Serviço Social e Sociedade. Nº 48, Ano XVI. São Paulo, Cortez, 1995.

ROUSSEAU, Jean-Jacques. Emílio ou Da educação. São Paulo: Martins
Fontes, 1995.



SMOLKA, Ana Luiza B. E´GÓES, Maria Cecília R. de. A linguagem e o outro
no espaço escolar: Vygotsky e a construção do conhecimento. Coleção
Magistério, formação e trabalho pedagógico. 2ed. Campinas:us, 1993.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Rotina para quê
Rotina para quêRotina para quê
Rotina para quê
Anaí Peña
 
A relação família escola
A relação família escolaA relação família escola
A relação família escola
Martileny Vieira
 
Família x Escola
Família x EscolaFamília x Escola
Família x Escola
estercotrim
 
Slide lara relação família escola
Slide lara relação família escolaSlide lara relação família escola
Slide lara relação família escola
Rosana Leite
 
Família e escola: A união como solução da educação no mundo.
Família e escola: A união como solução da educação no mundo.Família e escola: A união como solução da educação no mundo.
Família e escola: A união como solução da educação no mundo.
Kássia Quadros Ferreira
 
Reflexões sobre a relação família escola
Reflexões sobre a relação família escolaReflexões sobre a relação família escola
Reflexões sobre a relação família escola
Sonia Piaya
 
Sequencia didatica na educao infantil
Sequencia didatica na educao infantilSequencia didatica na educao infantil
Sequencia didatica na educao infantil
João Rafael Lopes
 
Escola e família em parceria palestra norma
Escola e família em parceria palestra normaEscola e família em parceria palestra norma
Escola e família em parceria palestra norma
Fabiola Sampaio
 
A importância da afetividade para uma educação de qualidade.
A importância da afetividade para uma educação de qualidade.A importância da afetividade para uma educação de qualidade.
A importância da afetividade para uma educação de qualidade.
Alexsandro Prates
 
A participação da família no processo ensino aprendizagem
A participação da família no processo ensino aprendizagemA participação da família no processo ensino aprendizagem
A participação da família no processo ensino aprendizagem
shirleilaete
 
Oficina 3 avaliar, registrar e refletir as práticas docentes e o desenvolvim...
Oficina 3  avaliar, registrar e refletir as práticas docentes e o desenvolvim...Oficina 3  avaliar, registrar e refletir as práticas docentes e o desenvolvim...
Oficina 3 avaliar, registrar e refletir as práticas docentes e o desenvolvim...
Rosicler Casal Bueno Cardoso
 
Afetividade e Aprendizagem: Arelação professor aluno.
Afetividade e Aprendizagem: Arelação professor aluno.Afetividade e Aprendizagem: Arelação professor aluno.
Afetividade e Aprendizagem: Arelação professor aluno.
Kelly Moreira
 
Artigo relatório de estágio na educação infantil.
Artigo relatório de estágio na educação infantil.Artigo relatório de estágio na educação infantil.
Artigo relatório de estágio na educação infantil.
renatalguterres
 
A importância da parceria família e escola(chico mendes)
A importância da parceria família e escola(chico mendes)A importância da parceria família e escola(chico mendes)
A importância da parceria família e escola(chico mendes)
Isabela Rodrigues
 
Relação Professor Aluno
Relação Professor Aluno Relação Professor Aluno
Relação Professor Aluno
Universidade Federal do Ceará
 
Gestão escolar
Gestão escolarGestão escolar
Meu pré projeto joiara nara
Meu pré projeto joiara naraMeu pré projeto joiara nara
Meu pré projeto joiara nara
joiramara
 
Afetividade na educação infantil
Afetividade na educação infantilAfetividade na educação infantil
Afetividade na educação infantil
Pessoal
 
Relatorio estagio educação infantil
Relatorio estagio educação infantil Relatorio estagio educação infantil
Relatorio estagio educação infantil
filicianunes
 
A relação família-escola
A relação família-escolaA relação família-escola
A relação família-escola
Thiago de Almeida
 

Mais procurados (20)

Rotina para quê
Rotina para quêRotina para quê
Rotina para quê
 
A relação família escola
A relação família escolaA relação família escola
A relação família escola
 
Família x Escola
Família x EscolaFamília x Escola
Família x Escola
 
Slide lara relação família escola
Slide lara relação família escolaSlide lara relação família escola
Slide lara relação família escola
 
Família e escola: A união como solução da educação no mundo.
Família e escola: A união como solução da educação no mundo.Família e escola: A união como solução da educação no mundo.
Família e escola: A união como solução da educação no mundo.
 
Reflexões sobre a relação família escola
Reflexões sobre a relação família escolaReflexões sobre a relação família escola
Reflexões sobre a relação família escola
 
Sequencia didatica na educao infantil
Sequencia didatica na educao infantilSequencia didatica na educao infantil
Sequencia didatica na educao infantil
 
Escola e família em parceria palestra norma
Escola e família em parceria palestra normaEscola e família em parceria palestra norma
Escola e família em parceria palestra norma
 
A importância da afetividade para uma educação de qualidade.
A importância da afetividade para uma educação de qualidade.A importância da afetividade para uma educação de qualidade.
A importância da afetividade para uma educação de qualidade.
 
A participação da família no processo ensino aprendizagem
A participação da família no processo ensino aprendizagemA participação da família no processo ensino aprendizagem
A participação da família no processo ensino aprendizagem
 
Oficina 3 avaliar, registrar e refletir as práticas docentes e o desenvolvim...
Oficina 3  avaliar, registrar e refletir as práticas docentes e o desenvolvim...Oficina 3  avaliar, registrar e refletir as práticas docentes e o desenvolvim...
Oficina 3 avaliar, registrar e refletir as práticas docentes e o desenvolvim...
 
Afetividade e Aprendizagem: Arelação professor aluno.
Afetividade e Aprendizagem: Arelação professor aluno.Afetividade e Aprendizagem: Arelação professor aluno.
Afetividade e Aprendizagem: Arelação professor aluno.
 
Artigo relatório de estágio na educação infantil.
Artigo relatório de estágio na educação infantil.Artigo relatório de estágio na educação infantil.
Artigo relatório de estágio na educação infantil.
 
A importância da parceria família e escola(chico mendes)
A importância da parceria família e escola(chico mendes)A importância da parceria família e escola(chico mendes)
A importância da parceria família e escola(chico mendes)
 
Relação Professor Aluno
Relação Professor Aluno Relação Professor Aluno
Relação Professor Aluno
 
Gestão escolar
Gestão escolarGestão escolar
Gestão escolar
 
Meu pré projeto joiara nara
Meu pré projeto joiara naraMeu pré projeto joiara nara
Meu pré projeto joiara nara
 
Afetividade na educação infantil
Afetividade na educação infantilAfetividade na educação infantil
Afetividade na educação infantil
 
Relatorio estagio educação infantil
Relatorio estagio educação infantil Relatorio estagio educação infantil
Relatorio estagio educação infantil
 
A relação família-escola
A relação família-escolaA relação família-escola
A relação família-escola
 

Semelhante a Importância da parceria família/escola no desenvolvimento e aprendizagem das crianças

Que alternativas poderiam promover a integração da família na escola?
Que alternativas poderiam promover a integração da família na escola?Que alternativas poderiam promover a integração da família na escola?
Que alternativas poderiam promover a integração da família na escola?
Elisandra Manfroi
 
RCNEI resumo eixos 2014
RCNEI resumo eixos 2014RCNEI resumo eixos 2014
RCNEI resumo eixos 2014
Jacqueline Campos
 
RCNEI.pdf
RCNEI.pdfRCNEI.pdf
RCNEI.pdf
karlliny martins
 
O currículo high
O currículo highO currículo high
O currículo high
Heles Souza
 
Recnei ed. inf.
Recnei ed. inf.Recnei ed. inf.
Recnei ed. inf.
Elisa Maria Gomide
 
28022012094929 242
28022012094929 24228022012094929 242
28022012094929 242
Daniel Rosendo
 
Investigação do currículo na escola da educação infantil. simone helen drumond
Investigação do currículo na escola da educação infantil. simone helen drumondInvestigação do currículo na escola da educação infantil. simone helen drumond
Investigação do currículo na escola da educação infantil. simone helen drumond
SimoneHelenDrumond
 
Investigação do currículo na escola da educação infantil. 1
Investigação do currículo na escola da educação infantil. 1Investigação do currículo na escola da educação infantil. 1
Investigação do currículo na escola da educação infantil. 1
SimoneHelenDrumond
 
Citacoes sobre familia
Citacoes sobre  familiaCitacoes sobre  familia
Citacoes sobre familia
Lohan Viana
 
A escola como espaço relacional
A escola como espaço relacionalA escola como espaço relacional
A escola como espaço relacional
Filipe Simão Kembo
 
Investigação do currículo na escola da educação infantil.
Investigação do currículo na escola da educação infantil.Investigação do currículo na escola da educação infantil.
Investigação do currículo na escola da educação infantil.
SimoneHelenDrumond
 
INP-Aula 12.pptx
INP-Aula 12.pptxINP-Aula 12.pptx
INP-Aula 12.pptx
EdgarFaustinoRodrigu
 
São vários os problemas que se perpetuam e se intensificam nesse novo milênio
São vários os problemas que se perpetuam e se intensificam nesse novo milênioSão vários os problemas que se perpetuam e se intensificam nesse novo milênio
São vários os problemas que se perpetuam e se intensificam nesse novo milênio
Tania Braga
 
Educar marina
Educar marinaEducar marina
Educar marina
Diana Fonseca
 
Educar marina
Educar marinaEducar marina
Educar marina
Diana Fonseca
 
Educar marina
Educar marinaEducar marina
Educar marina
Diana Fonseca
 
Adaptação e socialização através da ludicidade
Adaptação e socialização através da ludicidadeAdaptação e socialização através da ludicidade
Adaptação e socialização através da ludicidade
cefaprodematupa
 
O Cotidiano Da EducaçãO Infantil
O Cotidiano Da EducaçãO InfantilO Cotidiano Da EducaçãO Infantil
O Cotidiano Da EducaçãO Infantil
marlene_herter
 
Oppi
OppiOppi
A escola
A escolaA escola
A escola
Cassia Dias
 

Semelhante a Importância da parceria família/escola no desenvolvimento e aprendizagem das crianças (20)

Que alternativas poderiam promover a integração da família na escola?
Que alternativas poderiam promover a integração da família na escola?Que alternativas poderiam promover a integração da família na escola?
Que alternativas poderiam promover a integração da família na escola?
 
RCNEI resumo eixos 2014
RCNEI resumo eixos 2014RCNEI resumo eixos 2014
RCNEI resumo eixos 2014
 
RCNEI.pdf
RCNEI.pdfRCNEI.pdf
RCNEI.pdf
 
O currículo high
O currículo highO currículo high
O currículo high
 
Recnei ed. inf.
Recnei ed. inf.Recnei ed. inf.
Recnei ed. inf.
 
28022012094929 242
28022012094929 24228022012094929 242
28022012094929 242
 
Investigação do currículo na escola da educação infantil. simone helen drumond
Investigação do currículo na escola da educação infantil. simone helen drumondInvestigação do currículo na escola da educação infantil. simone helen drumond
Investigação do currículo na escola da educação infantil. simone helen drumond
 
Investigação do currículo na escola da educação infantil. 1
Investigação do currículo na escola da educação infantil. 1Investigação do currículo na escola da educação infantil. 1
Investigação do currículo na escola da educação infantil. 1
 
Citacoes sobre familia
Citacoes sobre  familiaCitacoes sobre  familia
Citacoes sobre familia
 
A escola como espaço relacional
A escola como espaço relacionalA escola como espaço relacional
A escola como espaço relacional
 
Investigação do currículo na escola da educação infantil.
Investigação do currículo na escola da educação infantil.Investigação do currículo na escola da educação infantil.
Investigação do currículo na escola da educação infantil.
 
INP-Aula 12.pptx
INP-Aula 12.pptxINP-Aula 12.pptx
INP-Aula 12.pptx
 
São vários os problemas que se perpetuam e se intensificam nesse novo milênio
São vários os problemas que se perpetuam e se intensificam nesse novo milênioSão vários os problemas que se perpetuam e se intensificam nesse novo milênio
São vários os problemas que se perpetuam e se intensificam nesse novo milênio
 
Educar marina
Educar marinaEducar marina
Educar marina
 
Educar marina
Educar marinaEducar marina
Educar marina
 
Educar marina
Educar marinaEducar marina
Educar marina
 
Adaptação e socialização através da ludicidade
Adaptação e socialização através da ludicidadeAdaptação e socialização através da ludicidade
Adaptação e socialização através da ludicidade
 
O Cotidiano Da EducaçãO Infantil
O Cotidiano Da EducaçãO InfantilO Cotidiano Da EducaçãO Infantil
O Cotidiano Da EducaçãO Infantil
 
Oppi
OppiOppi
Oppi
 
A escola
A escolaA escola
A escola
 

Mais de Elisandra Manfroi

O Valor da Permissão
O Valor da PermissãoO Valor da Permissão
O Valor da Permissão
Elisandra Manfroi
 
E agora...Qual brinquedo comprar?
E agora...Qual brinquedo comprar?E agora...Qual brinquedo comprar?
E agora...Qual brinquedo comprar?
Elisandra Manfroi
 
Cidade Educadora
Cidade EducadoraCidade Educadora
Cidade Educadora
Elisandra Manfroi
 
Cidade Educadora
Cidade EducadoraCidade Educadora
Cidade Educadora
Elisandra Manfroi
 
Cidade Educadora
Cidade EducadoraCidade Educadora
Cidade Educadora
Elisandra Manfroi
 
Cidade Educadora
Cidade EducadoraCidade Educadora
Cidade Educadora
Elisandra Manfroi
 
Cidade Educadora
Cidade EducadoraCidade Educadora
Cidade Educadora
Elisandra Manfroi
 

Mais de Elisandra Manfroi (7)

O Valor da Permissão
O Valor da PermissãoO Valor da Permissão
O Valor da Permissão
 
E agora...Qual brinquedo comprar?
E agora...Qual brinquedo comprar?E agora...Qual brinquedo comprar?
E agora...Qual brinquedo comprar?
 
Cidade Educadora
Cidade EducadoraCidade Educadora
Cidade Educadora
 
Cidade Educadora
Cidade EducadoraCidade Educadora
Cidade Educadora
 
Cidade Educadora
Cidade EducadoraCidade Educadora
Cidade Educadora
 
Cidade Educadora
Cidade EducadoraCidade Educadora
Cidade Educadora
 
Cidade Educadora
Cidade EducadoraCidade Educadora
Cidade Educadora
 

Importância da parceria família/escola no desenvolvimento e aprendizagem das crianças

  • 1. Importância da parceria família/escola no desenvolvimento e aprendizagem das crianças. A família tem sido e é a influência mais poderosa no desenvolvimento da personalidade e na formação da consciência na criança. Assim, podemos dizer que elas precisam sentir que fazem parte de uma família. [...] a importância da primeira educação é tão grande na formação da pessoa que podemos compará-la ao alicerce da construção de uma casa. Depois, ao longo de sua vida, virão novas experiências que continuarão a construir casa/indivíduo, relativizando o poder da família. (LACAN, 1980, apud BOCK , 1989, p. 143) Partimos da idéia de que a família é a base que qualquer pessoa de modo especial na infância. Não fazemos aqui, somente referência à família como laços de sangue, mas também as famílias constituídas por meio de laços afetivos. É nela que a criança encontra um espaço natural para o seu desenvolvimento. As crianças necessitam ser educadas e é na família que encontra espaço para o cultivo e o desenvolvimento dos valores humanos. O papel da família modificou-se ao longo do tempo. Hoje se busca definir o diálogo e a co-responsabilidade entre as pessoas que fazem parte da família, como sendo o gerador da solidificação da responsabilidade um para com o outro e também, do bom relacionamento familiar. A convivência prazerosa é o grande segredo para o crescimento do respeito mútuo. Essas situações comprovam que a educação familiar é a verdadeira árvore da ciência, cujos frutos alimentam a criança tornando-a uma cidadã consciente de seus direitos e deveres. Para processar e elaborar essas mudanças, é preciso considerar que cada ser humano tem um ritmo próprio e lida ainda com a influência de determinações socioeconômicas culturais, que têm contornos próprios em cada contexto e o desconhecimento dessas condições leva a pressupor que a família nuclearizou-se homogeneamente, muitas vezes rompendo vínculos com sua geração de origem.
  • 2. As famílias, educadoras/es, que levam a sério sua missão na arte de educar, necessitam lembrar que a criança não é apenas criança, ela é um ser humano, que necessita suprir as necessidades físicas, psíquicas e sociais; que ela é dependente; precisa ser tratado sem humilhações e castigos, ser orientada com critérios de verdade e justiça; que precisa de afeto, de elogios, incentivos e sorrisos para a construção se seu caráter. Essa construção também acontece além da família e escola, há outros ambientes sociais que se desenvolvem relações amorosas, como no trabalho, em meio à luz e o calor humano, a serenidade, o entendimento, a obediência, a solidariedade. A família e a escola possuem um valor insubstituível, pois elas fazem parte do centro da vida das crianças na construção de sua consciência. Um dos papéis da escola necessita ser o de estabelecer parâmetros para a criança crescer como ser humano, ser protagonista de sua própria história, construir uma práxis sobre valores fundamentais, envolver a família no ensino-aprendizagem, resgatar a dimensão ética do conhecimento. É, neste sentido, que o acesso e permanência na escola constituem possibilidades reais aquisição do saber. Outro papel da escola que percebemos é o de educar as crianças no ensino aprendizagem de maneira contínua e permanente. Sentimos que as crises da educação brasileira provem da falta de um bom relacionamento entre a escola e a família. A presença do adulto dá para a criança segurança física e emocional que a levam a explorar mais o ambiente, ou seja, aprender. A interação humana envolve também a afetividade, a emoção como elemento básico. E é através da interação com os indivíduos mais experientes do seu meio social que a criança constrói suas funções mentais superiores. Algumas famílias estão desgastadas em seus laços afetivos, e o lar passou de um centro gerador de vida e diálogo para uma agitação e desencontros, quando não apenas um ambiente em que as pessoas se fazem presentes somente enquanto dormem. É preciso ressaltar que essas mudanças não devem ser encaradas como tendências negativas, muito menos como "doenças" ou sintomas de "crise". A idéia de crise, atualmente em voga, pode ser enganosa. A aparente desorganização da família é um dos aspectos da reestruturação que ela vem sofrendo, a qual se, por um lado, pode causar problemas, pode, por outro,
  • 3. apresentar soluções. A partir de Pereira (1995), também os papéis sociais atribuídos diferenciadamente ao homem e à mulher tendem a desaparecer não só no lar, mas também no trabalho, na rua, no lazer e em outras esferas da atividade humana. E com a chegada da modernidade, a industrialização, as descobertas cientificas e as tecnológicas provocaram grandes transformações sociais e a elas associou-se um novo modelo de família como de espaço de amor incondicionado, um refúgio do mundo da rua considerado estranho competitivo, ameaçador, não dando conta de explicar a realidade como um todo tentando superar esta falta criou-se então uma cultura emocional, sentimental baseada na seperproteção. Cada momento histórico corresponde uma estrutura familiar preponderante, ele não é único, ou seja, concomitante aos modelos dominantes de cada época. Assim, não podemos falar de família, mas de famílias, para que possamos tentar contemplar a diversidade de relações que convivem em nossa sociedade. Outro aspecto a ser ressaltado, diz respeito ao significado social da família, qual a sua razão de existência? Sabemos que as crianças possuem como referencial: pessoas, palavras, gestos...; Os quais proporcionam a construção do caráter em sua identidade, são vínculos estabelecidos com a sua família. Alguns desafios que precisam de um olhar especial em relação à família/escola que ajudam na construção do caráter das crianças: o Manterem-se informadas sobre o ensino-aprendizagem adquiridos pelos filhos/as; o Colaborar com educadores/as para tornar mais coerente e eficaz a atuação escolar; o Mostrarem-se interessados pelas atividades realizadas pelos filhos/as na escola; o Valorizar a escola, os conhecimentos e habilidades que propicia para criar nos filhos/as hábitos de respeito e uma expectativa positiva em relação ao conhecimento adquirido e socializado; o Expressar em palavras e atitudes a confiança que têm em ralação a escola e em seus/suas educadores/as; o Procurar saber o que o filho/a realizou na escola e como foi seu
  • 4. dia; o Zelar por uma relação de carinho e respeito com os/as educadores/as, pois a opinião da família influi sobre os/as filhos/as; o Observar os materiais escolares e auxiliar as crianças nas tarefas de casa; o Resolver problemas entre família e escola; o Reforçar sempre a auto-estima e autoconfiança dos/as filhos/as. É de fundamental importância a família ter tempo para as crianças, ser exemplo de comportamentos (pontualidade, respeito, amor, gratuidade, entre- ajuda, etc.) e oferecer espaços à liberdade de pensar e agir. Saber dizer "não", introduzindo-os no mundo real, fazendo-as pensar no que foi negado para que amadureçam com sabedoria. A educação não depende de si mesma, mas principalmente do papel que a família desempenha dentro, fora e junto à escola. “[...] a liberdade é limitada para as crianças pela fraqueza, a felicidade das crianças e dos homens consiste no uso de sua liberdade [...]. Quem faz o que quer é feliz quando basta a si mesmo: é o caso do homem que vive no estado de natureza” (ROUSSEAU, 1995, p.77). Por isso, acredita que a criança deva ser educada a partir de seus interesses naturais, mas sem cair em espontaneísmos. A criança deve aprender a lidar com seus desejos e conhecer seus limites. Através do excessivo otimismo em relação ao caráter da natureza do ser humano ao nascer é que Rousseau (1995), faz severas críticas à educação autoritária, onde o fim da educação para ele é a inserção social, após a criança ter recebido uma educação individualizada. A família precisa ajudar a criança a descobrir-se como pessoa, desenvolver suas potencialidades para que, no futuro, possa aplicar, de modo que ela se perceba como um agente transformador, que transforma e é transformado por esse meio. Na família é lugar de fazer a experiência de conviver com as diferenças de idade, temperamento, relações interpessoais marcadas pela colaboração, tolerância, serviço, aceitação, solidariedade, limites e potencialidades. Este processo só poderá ocorrer por meio da família primeiramente e da escola também.
  • 5. Por estas razões, entende-se a necessidade de integração dos pais a comunidade de investigação, estimulando atitudes criadoras e críticas, dialogando com as crianças, levando-as a aprender, a expor e resumir, respondendo sempre que houver questionamento, despertando desejos de excelência pelas iniciativas e tomadas de decisão. (SMOLKA, 1993, p.126). Para que haja uma investigação de mudanças qualitativas na área educacional, a escola e família necessitam de um trabalho integrado que possibilite a criança desenvolver um olhar crítico em relação ao saber em torno da realidade em que vive. Uma barreira perceptível na construção do caráter das crianças, é que a família vem passando por uma série de transformações e uma delas é com relação aos espaços dedicados ao convívio comum. Esses espaços reduziram e os quartos foram ampliados e mobiliados segundo as características de cada família e de seus membros. Há falta de espaço comum para o encontro das famílias, dentro do próprio lar os espaços foram se individualizando. Os quartos passaram a ser pequenas residências, dentro da grande residência, com televisão, computador e outros objetos além da cama e do roupeiro, onde é passada a maior parte do tempo e com isso resta pouquíssimo tempo para o convívio familiar. A sala de refeições e a cozinha, espaços que seriam para o convívio familiar, para a troca de experiências e para a manifestação de sentimentos e de partilha, ficam vazias. É no aconchego da família e da escola que a criança vai construindo sua consciência/caráter, se socializando, se educando para enfrentar a realidade e as dificuldades na sociedade, tornando-se uma pessoa consciente e crítica. “Os bons pedagogos ensinam não apenas as letras, mas também os bons costumes e as maneiras decentes”. (AIRÈS, 1978, p.25). Acreditamos que a família e a escola, concomitantemente, vão influenciando nas atitudes de vida das crianças. Elas buscam respeito como gente que pensa, age, ama e sofre. A educação torna-se a ligação, da família e da escola, com a esperança de um presente e futuro menos doloroso, modificando a cultura e os costumes da sociedade com maior percepção de seus direitos e a liberdade como cidadãs.
  • 6. Receber amor e afeto é uma das mais importantes necessidades no desenvolvimento da personalidade da criança. O amor da família dos/as educadoras/es é pro excelência um sentimento de proteção par as/os educandos/as, porém necessita ser usado na dosagem certa, equilibrada. Na família e na escola, onde existe o amor que dialoga, o amor que abraça, que perdoa, que ouve com os ouvidos do coração, que auxilia as crianças a aprender valorizar e a ter projetos de vida, lutar e procurar manter acesa a chama do amor em todos os seus atos e atitudes é possível construir uma consciência crítica, capaz de enfrentar as dificuldades e ir a busca de um mundo onde prevaleça a justiça. Vivian Pagnussato Zanoni BIBLIOGRAFIA AIRÈS, Philippe. História social da criança e da família. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1978. BOCK, Ana Mercês Bahia et al. Psicologias uma introdução ao estudo de psicologia. São Paulo: Saraiva, 1989. PEREIRA, P. A. Desafios Contemporâneos para a Sociedade e a Família. In Revista Serviço Social e Sociedade. Nº 48, Ano XVI. São Paulo, Cortez, 1995. ROUSSEAU, Jean-Jacques. Emílio ou Da educação. São Paulo: Martins Fontes, 1995. SMOLKA, Ana Luiza B. E´GÓES, Maria Cecília R. de. A linguagem e o outro no espaço escolar: Vygotsky e a construção do conhecimento. Coleção Magistério, formação e trabalho pedagógico. 2ed. Campinas:us, 1993.